TODAS AS OBRAS DO LEILÃO SÃO EMOLDURADAS*

*Exceto esculturas, objetos ou obras concebidas pelo artista para não terem molduras.

17 de Junho de 2019
(Segunda) Lotes 1 a 230



001 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Fiandeira - serigrafia - 35/100 - 62 x 39 cm - canto inferior direito - 1987 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



002 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Bandeirinhas - serigrafia - 23/100 - 38 x 29 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



003 - ISRAEL DE FARIA SODRÉ (1965)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 60 x 30 cm - canto inferior direito -

Natural de Jundiaí, SP, onde nasceu a 31 de outubro de 1965. Estudou com Alexandre Reider. Coletiva em 1995 e 1996, ambas em Jundiaí. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 384



004 - LUIS ZEBINI (1962)
Lance Livre - VENDIDO

"Infância" - óleo sobre tela colada em eucatex - 40 x 29 cm - canto inferior direito - 2018 -

Pintor e desenhista autodidata, ativo em São Paulo. Fez parte do grupo "Quinteto do Marquês" de artistas plásticos com várias tendências. Tem participado de muitas mostras coletivas, entre as quais, da exposição "A arte brasileira invade Moscou" na Rússia, em 2016.



005 - DARCY PENTEADO (1926 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista sobre cartão - 22 x 22 cm - canto inferior esquerdo - 1961 -
No estado.

Desenhista, pintor, cenógrafo, figurinista e escritor nascido e falecido em São Roque, SP. Após os 10 anos mudou-se para São Paulo para concluir seus estudos. Distinguiu-se pelos desenhos que realizou que o levou a trabalhar em agências de publicidade, de desenho industrial e como figurinista de magazines. Iniciou, como autodidata, a cenografia para teatro e televisão, além da literatura (1944) e começou a expor, como artista plástico, em 1949. Passou a integrar em São Paulo o Grupo Novíssimos (1948). Desde 1955 vinha participando na televisão, como diretor de arte. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1954 e 1956 – MAM, 1961, 1963, 1981, 1983); Rio de Janeiro (1956, 1959); Recife, PE (1983); Pelotas, RS (1984). Viajou por diversas vezes à Europa onde morou por sete anos e também expôs individualmente em: Hamburgo, Alemanha (1964); Roma, Itália (1965, 1967); Paris, França (1966). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1953, 1955, 1963, 1965, 1967, 1973, 1985, 1986); Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1960, 1961); Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP (1959, 1962); Bienal de Paris (1961); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1973, 1974). Recebeu a Medalha de Prata no SPAM (1961); Prêmio Governador do Estado (1954) como cenógrafo; o Prêmio Jabuti (1962) como ilustrador; Menção Honrosa (1977) da Revista Status como contista. MEC VOL. 3, PÁG. 365; PONTUAL PÁG. 416; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 747; VOL. 3, PÁG. 874; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG 183; TEIXEIRA LEITE PÁG 401; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 717; LEONOR AMARANTE PÁG. 75; www.artprice.com.



006 - LINO FARNESI (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Colheita - óleo sobre eucatex - 13 x 24 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista italiano com diversas participações em mostras coletivas italianas, como: Foggia (1954); Vasto (1962 – 2º lugar na edição do Premio Vasto d'Arte Contemporânea). www.reciproca.it/Contributi/Marchesiello_patrimonio_artistico/Marchesiello_patr_art_TESTO/pag35_40.htm; www.premiovasto.it.



007 - LYRIA PALOMBINI (1939)
Lance Livre - VENDIDO

Figura - técnica mista - 24 x 19 cm - canto inferior direito - 2008 -

Mineira, é desenhista, gravadora e entalhadora. Iniciou seus estudos artísticos no Instituto de Belas Artes do Rio de Janeiro, sob a orientação de Deveza, Teruz e Aurélio D´Alincourt. Aperfeiçoou-se em xilo, ainda no Rio, com Maria de Lourdes Mader Pereira, Vitor Gerhard e José de Lima, cujos trabalhos tiveram grande sucesso nas exposições, levando Walmir Ayala fazer a seguinte observação sobre a artista: " Liria Palombini é a mais nova revelação de gravadora no Rio de Janeiro. Em seu trabalho define-se uma artista que sobrepõe à sensibilidade, sem descuidar-se dela, a inteligência." (1974). Participou de inúmeras coletivas e realizou diversas individuais. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 709.



008 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)
Lance Livre - VENDIDO

"Igreja de Santa Rita" - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 2019 - Paraty -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



009 - MAGDA STÁBILE (1952)
Lance Livre - VENDIDO

Rosas - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintora nascida em São Paulo, Capital, em 28/11/1952. Graduada pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Frequenta os cursos de arte da Escola Panamericana de Artes, SENAI, SESC e do MUBE. Recebe orientações dos professores Franulic, Adelino Rodrigues, Herman Sedoya, Antonio Santos Lopes e Carmen Rolim Arruda. Individuais em 1998 e coletivas a partir de 1978. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 311



010 - JOSÉ ANTONIO VAN ACKER (1931 - 2000)
Lance Livre - VENDIDO

"O Aleijadinho recebendo..." - óleo sobre eucatex - 65 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1982 -
Complemento do título: "O Aleijadinho recebendo Portinari na posteridade." Com etiqueta da Galeria Mirante das Artes que foi de propriedade do Professor Pietro Maria Bardi, Fundador e Diretor do Museu de Arte de São Paulo, MASP, no dorso .

Pintor, escultor, desenhista, gravador e professor nascido em São Paulo, SP, em 4 de dezembro de 1931. Estudou na Escola de Belas-Artes de São Paulo, entre 1951 e 1954, e escultura em madeira com Lazlo Zinner. Sobre a sua obra assim se manifestou Inácio da Silva Telles: " Os quadros de van Acker ferem-nos de maneira estranha. Subitamente nos encontramos cindidos, cada parte de nós atinada em campos antagônicos, e não apenas para uma interessante e cordial discussão, mas para uma guerra aberta, uma guerra total, que ameaça destruir, ganhe quem ganhar, nossas antigas e acomodadas habitações... " O artista expõe individualmente desde 1962, participando de coletivas desde 1954, sempre com premiações. JULIO LOUZADA, vol. 9 págs.887 e 888; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 966, Acervo FIEO.



011 - ADEVALDO MARAJÓ (1942)
Lance Livre - VENDIDO

"Búfalos do Marajó" - gravura - 26/50 - 27 x 39 cm - canto inferior direito - 1972 -

Pintor e gravador nascido na Ilha de Marajó, da qual adotou o nome, foi durante muitos anos o técnico de gravura do Atelier de Mario Gruber. JÚLIO LOUZADA, vol. 3, pág. 674.



012 - REINALDO MANZKE (1906 - 1980)
Lance Livre - VENDIDO

Carro de bois - guache - 20 x 27 cm - canto inferior direito -

Pintor, nascido e falecido em Blumenau, SC. Participou regularmente do Salão Paulista de Belas Artes, recebendo premiações diversas. JULIO LOUZADA, vol 9, pág, 529. MEC, VOL, 3,pág, 65. PONTUAL,pág,335; TEODORO BRAGA; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



013 - SILVIA ALVES (1947)
Lance Livre - VENDIDO

Mesa com frutas - óleo sobre tela - 54 x 65 cm - canto inferior direito e dorso - 1985 -

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



014 - A. VENTURA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Cristo - técnica mista sobre tela colada em eucatex - 23 x 16 cm - canto inferior direito - 1966 -
No estado.

Pintor com participações em mostras coletivas. JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 1138.



015 - ARTE POPULAR INDIANA
Lance Livre - VENDIDO

Figuras e Deuses - cerâmica policromada - Medidas variadas cm - não assinado -
Lote composto por 13 peças, montadas em caixa de 106 x 18 x 05 cm. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



016 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - off set - 39 x 24 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



017 - ABRAHAN PALATNIK (1928)
Lance Livre - VENDIDO

Golfinho - múltiplo em acrílico - 12,5 x 08 x 02 cm - assinado -

Artista cinético, pintor, desenhista, escultor, natural de Natal, RN. Em 1932, muda-se com a família para a região onde, atualmente, se localiza o Estado de Israel. Inicia seus estudos de arte no ateliê do pintor Haaron Avni e do escultor Sternshus e estuda estética com Shor. Freqüenta o Instituto Municipal de Arte de Tel Aviv. Retorna ao Brasil em 1948 e se instala no Rio de Janeiro. Convive com os artistas Ivan Serpa, Renina Katz e Almir Mavignier. Por volta de 1949, inicia estudos no campo da luz e do movimento, que resultam no Aparelho Cinecromático, exposto em 1951 na I Bienal Internacional de São Paulo, onde recebe menção honrosa do júri internacional. Em 1954, integra o Grupo Frente, ao lado de Ivan Serpa, Ferreira Gullar, Mário Pedrosa, Franz Weissmann, Lygia Clark e outros. Desenvolve a partir de 1964 os Objetos Cinéticos, um desdobramento dos cinecromáticos e é considerado, internacionalmente, um dos pioneiros da arte cinética. Participou também das II, III, V, VI, VIII, IX Bienais de São Paulo, do IX Salão Nacional de Arte Moderna, RJ, e da XXII Bienal de Veneza, entre muitas outras no Brasil e no exterior. BENEZIT VOL. 8, PÁG. 89; PONTUAL, PÁG. 401; MEC VOL.3, PÁG. 329; ITAUCULTURAL.



018 - ADRIANA BANFI PASSARELLI (1947)
Lance Livre - VENDIDO

"Paisagem toscana II" - técnica mista sobre tela - 110 x 130 cm - canto inferior direito e dorso - 1997 -

Nasceu em Verbania, Itália. Desenhista, gravadora, pintora. Muda-se para São Paulo em 1963, Na década de 80 freqüenta aulas de óleo e aquarela com o professor José Figueroa. Participa de exposições no Brasil e no exterior. A partir da década de 90, passa a integrar o Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo. "Adriana Banfi atinge na sua pintura atual propriedades que vem somando de técnicas experimentadas anteriormente: aquarela e gravura, principalmente. A artista quer fazer da cor uma entidade autônoma, ao inserir na densidade da pintura abstrata a transparência da aquarela. Ao mesmo tempo, contrapondo-se à ríspida textura, fruto da rugosidade da superfície da tela, Banfi aproxima-se de processos de gravura (incisione), enquanto harmoniza todo esse universo com um grafismo essencial no equilíbrio e expressivo no gesto. Cada técnica traz em si sua linguagem subjacente. Adriana Banfi retira da aquarela a fluidez das transparências; enquanto a gravura dá-lhe disciplina, textura e profundidade, espécie de anteparo ao melífluo da aquarela, anulando assim a possibilidade de uma dessas linguagens sobrepujar a outra, dominando a outra. Ao contrário, por serem antagônicas em suas propostas, ambas se anulam, deixando à pintura uma fenda para o emergir de sua autonomia. Para conseguir esses efeitos de aguada e de textura, a artista emprega a tinta acrílica, na qual pode realizar a têmpera adequada, ora tornando-a mais fluídica, em busca de transparências, ora densas rugosidades". Alberto Beuttenmüller in BANFI, Adriana. As Quatro estações : pinturas. Fotografia Romulo Fialdini; texto Alberto Beuttenmüller; apresentação Mônica Filgueiras Almeida. São Paulo : Mônica Filgueiras Galeria de Arte, 1998. 2 folhas dobradas il. p. b. color. JULIO LOUZADA vol. 4 pág. 107; ITAU CULTURAL.



019 - BORGES DA COSTA (1900 - 1950)
Lance Livre - VENDIDO

Na estrada - óleo sobre tela - 46 x 38 cm - canto inferior direito - Rio de Janeiro -

Pintor e desenhista que foi ativo no Rio de Janeiro, com participações em mostras e Salões oficiais como o XII Salão de Outono da Sociedade Brasileira de Belas Artes, RJ. Postumamente, participou da exposição "Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras" na Fundação Bienal de São Paulo em 1985. MEC. VL. 01, P. 468; ITAU CULTURAL.



020 - IGNÁCIO DA NEGA (1945)
Lance Livre - VENDIDO

"O zabumbeiro" - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 2013 -

Pintor, Inácio Ramos da Silva (o "g" incluído no nome é para dar charme às telas) nasceu em Surubim, PE. Começou sua atividade artística ajudando a mãe a decorar andores de procissões e a fazer flores de papel. Aos 20 anos, mudou-se para São Paulo onde desempenhou várias atividades. Nas horas vagas, fazia desenhos a lápis, mas sem ainda pensar em viver de pintar. Voltou para Pernambuco (1970), estudou na Escola de Belas Artes de Recife e recebeu orientações de Alaerte Baudim. De volta a São Paulo (meados de 1970) orientou-se com M. Boy e Iracema Arditi. Foi convidado (1980) a realizar uma exposição no Museu do Sol, em Penápolis - SP e passou a assinar os quadros como Ignácio da Nega - homenagem à mãe, falecida em 1979 e conhecida como Nega em seu ofício de decoradora e costureira. Realizou exposições individuais em: Olinda, PE (1973); Penápolis, SP (1980). Participou de mostras coletivas e oficiais, destacando-se: Bienal Naïfs do Brasil, Piracicaba – SP (1996); POP Brasil: a arte popular e o popular na arte, CCBB – SP (2002); Arte Naïf, Galeria Jacques Ardies – SP (2004, 2005). JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG. 511; VOL. 5, PÁG. 495; ACERVO FIEO; ITAU CULTURAL; artenaifrio.blogspot.com/2012/02/ignacio-da-nega.html.



021 - BERNARDO CID (1925 - 1982)
Lance Livre - VENDIDO

"Encontro" - litografia - 20/100 - 71 x 49 cm - canto inferior direito - 1978 -

Pintor, escultor, desenhista e gravador autodidata nascido e falecido em São Paulo. Ganhou o concurso de escultura da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e foi o responsável pela concepção da estatueta do prêmio Jabuti (1959). Participou do grupo Realismo Mágico (anos de 1960), com Wesley Duke Lee e do grupo Austral - desdobramento do movimento Phases de Paris, em São Paulo. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1952 a 1954, 1964, 1967, 1968, 1971, 1977, 1981); Ribeirão Preto, SP (1959); Londres, Inglaterra (1969); Washington, EUA (1974); Porto Alegre, RS (1978); Goiânia, GO (1979). Das mostras coletivas e Salões oficiais de que participou, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1959); Bienal Internacional de São Paulo (1959, 1965); Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1959, 1961 - Menção Honrosa, 1968 - Prêmio Governador do Estado); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM - SP (1969, 1976); Bienal Nacional de São Paulo (1976); Tradição e Ruptura: Síntese de Arte e Cultura Brasileiras, na Fundação Bienal de São Paulo (1984 a 1985); A Arte do Imaginário, na Galeria Encontro das Artes, SP (1985); 100 Obras Itaú, MASP - SP (1985); Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994); Os Colecionadores - Guita e José Mindlin: Matrizes e Gravuras, no Centro Cultural FIESP, SP (1998). MEC VOL.1, PÁG.437; PONTUAL PÁG.73; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO PANORAMA DA ARTE ATUAL BRASILEIRA- MUSEU DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO/1976; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 205; BENEZIT; TEIXEIRA LEITE PÁG.74; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 737; ARTE NO BRASIL PÁG. 910; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



022 - GIBA ILHABELA (1948)
Lance Livre - VENDIDO

Pescador - desenho a nanquim e aquarela - 25 x 17,5 cm - canto inferior direito - 1977 -

Pintor e desenhista autodidata, nascido e criado no arquipélago de Ilhabela, SP. Teve como mentor, o pintor basco Fernando Odriozola, que definiu influências decisivas para a consolidação de sua técnica. Os dois conviveram em Ilhabela e, inclusive, fundaram o primeiro movimento cultural do município (1967) quando criaram um ateliê coletivo que se tornou referência regional e berço para o tradicional Salão de Artes Waldemar Belisário, que completou 45 anos. Veio para São Paulo (década de 1970) onde expôs na Praça da República e pela rica cultura nordestina. Mora, hoje, em Fortaleza e integra a roda de artistas cearenses contemporâneos. Possui obras em museus e pinacotecas fora do país, além de acervos pessoais pelo mundo. Completou 50 anos de carreira em 2018 e, para celebrar a data especial, a Fundação Arte e Cultura de Ilhabela realizou a exposição “50 Anos Fazendo Arte” (2019). www.tamoiosnews.com.br/exposicao/ilhabela-obras-do-artista-giba-ilhabela-estao-expostas-na-sede-da-fundacao-de-arte-e-cultura/.



023 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX
Lance Livre - VENDIDO

Dama - técnica mista sobre papel - 32 x 21 cm - canto inferior direito - 1898 -
?? Binet. No estado.



024 - FRANCISCO CÉA (1908 - XX)
Lance Livre - VENDIDO

Ouro Preto - óleo sobre tela - 54 x 45 cm - canto inferior direito - 1968 -

Pintor e desenhista com várias participações em mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu Medalha de Bronze no Salão Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro, em 1954. ITAU CULTURAL; MEC VOL. 1, PÁG. 394; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 247; VOL. 13, PÁG. 80; web.artprice.com



025 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

"Teresópolis" - óleo sobre cartão - 25,5 x 30 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1959 -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



026 - CARLOS SCLIAR (1920 - 2001)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - 30 x 44 cm - canto inferior direito -
No estado.

Desenhista, gravador, pintor, ilustrador, cenógrafo, roteirista e designer gráfico que nasceu em Santa Maria da Boca do Monte, RS e faleceu no Rio de Janeiro. Assina Scliar. Estudou com Gustav Epstein, em Porto Alegre, em 1934. Participou, em 1938, da fundação da Associação Riograndense de Artes Plásticas Francisco Lisboa. Entre 1939 e 1947, residindo em São Paulo, integrou a Família Artística Paulista - FAP. No Rio de Janeiro, escreveu e dirigiu em 1944 o documentário 'Escadas', sobre os pintores Arpad Szenes e Vieira da Silva com os quais conviveu desde 1941. Convocado pela Força Expedicionária Brasileira - FEB, participou da Segunda Guerra Mundial, na Itália. Morando em Paris de 1947 a 1950, cursou gravura com Galanis na Escola de Belas Artes e teve contato com o gravador mexicano Leopoldo Méndez. De volta ao Brasil, fundou com Vasco Prado o Clube de Gravura de Porto Alegre. Em 1956, passou a viver no Rio de Janeiro. Foi diretor do departamento de arte da revista 'Senhor' entre 1958 e 1960. Fundou a editora Ediarte, em 1962, com os colecionadores Gilberto Chateaubriand, Michel Loeb, Carlos Nicolaievski e o pintor José Paulo Moreira da Fonseca. Realizou durante toda sua vida exposições individuais e participou de inúmeras coletivas e Salões oficiais, recebendo muitos prêmios. Também foram realizadas várias exposições póstumas. MEC VOL.4, PÁG. 214; TEODORO BRAGA, PÁG. 66; WALMIR AYALA VOL.2, PÁG. 306 a 309; PONTUAL, PÁG. 479 e 480; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.884; VOL.2, PÁG. 925; VOL.13, PÁG. 305; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; RGS, PÁG. 442; ACERVO FIEO.



027 - J. CARLOS (1884 - 1950)
Lance Livre - VENDIDO

Casal - desenho a nanquim - 24 x 18 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



028 - DOMENICO LAZZARINI (1920 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 19 x 36 cm - canto inferior esquerdo - 1989 -

Nasceu na cidade italiana de Viareggio, vindo a falecer na cidade do Rio de Janeiro. Em 1940, ainda na Itália, nas cidades de Lucca e Florença, realiza estudos com Rosai e Vedova. Já no Brasil, dá aulas de pintura na Escola de Belas Artes de Araraquara, São Paulo, em 1950. Em 1957, cria a Escola de Belas Artes de Ribeirão Preto e, em 1961, leciona no Museu de Arte do Rio de Janeiro. Em 1974, conquista o Prêmio Tetra d'Oro em Roma. Entre as exposições de que participa, destacam-se: Exposição de Lucca, Itália, 1946 a 1948; Bienal de Veneza, Itália, 1948; Jovens Pintores de Araraquara, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1954; Salão Nacional de Arte Moderna (Isenção de Júri, 1959 e Prêmio Aquisição, 1962), Rio de Janeiro, 1958 a 1962; Bienal Internacional de São Paulo, 1959 e 1961; Galeria de Arte da Folha, São Paulo, 1959 e 1960; Domenico Lazzarini, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1963; 100 Obras Itaú, no Museu de Arte de São Paulo, 1985. BÉNÉZIT, vol. 6, pág. 499; JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 179; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 964; Acervo FIEO.



029 - DIONISIO DEL SANTO (1925 - 1999)
Lance Livre - VENDIDO

Figura - guache - 17 x 13 cm - canto inferior direito - 1977 -

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



030 - YUJI TAMAKI (1916 - 1979)
Lance Livre - VENDIDO

Telhados - óleo sobre tela - 46 x 61 cm - canto inferior esquerdo -
Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP. No estado.

Pintor e professor nascido em Fukui, Japão e falecido em São Paulo. Assinava Tamaki. Imigrou para o Brasil (1932) transferindo-se para o interior de São Paulo. Cerca de dois anos depois, mudou-se para a capital, onde conheceu os pintores Shigeto Tanaka, Yoshiya Takaoka e Tomoo Handa. Na mesma época, viajou ao Rio de Janeiro para estudar pintura e foi orientado por Bruno Lechowski, integrando o Núcleo Bernardelli, composto pelos artistas Yoshiya Takaoka, José Pancetti, Ado Malagoli e outros. De volta a São Paulo (1935), foi um dos fundadores do Grupo Seibi, fez parte do Grupo 15 e do Grupo Guanabara. Realizou exposições individuais em São Paulo (1969, 1970). Participou de mostras coletivas e Salões oficiais em: São Paulo (1935, 1949, 1950, 1958 a 1960, 1963 a 1966, 1977 – Museu de Arte Brasileira, FAAP); Rio de Janeiro (1935, 1937 – Medalha de Bronze no Salão Nacional de Belas Artes, 1938 – Medalha de Ouro no Salão Nacional de Belas Artes, 1964, 1966); Bragança Paulista, SP (1962); La Paz, Bolívia (1965); Washington, EUA (1965); Oakland, EUA (1965); entre outras. MEC VOL. 4, PÁG. 352; PONTUAL PÁG. 510; WALTER ZANINI, PÁG. 579; JULIO LOUZADA VOL.2, PÁG.982; WALTER ZANINI, PÁG. 579; ARTE NO BRASIL; ITAU CULTURAL.



031 - CHRISTINA PARISI (1946)
Lance Livre - VENDIDO

"Tempo" - litografia - 50/70 - 68 x 98 cm - canto inferior esquerdo - 1995 -

Desenhista e gravadora. Faz curso de especialização em desenho e história da arte na Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP. É aluna de Odair Magalhães e Selma Daffre, em curso de gravura em metal. Em 1979, realiza sua primeira exposição individual na Pinacoteca Municipal de Franca, na cidade de Franca, em São Paulo. Em 1980, ganha o Prêmio Revelação do Ano da Associação Paulista de Críticos de Arte. ITAÚ CULTURAL.



032 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Seio - múltiplo em acrílico - 08 x 10 x 10 cm - assinado -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



033 - ALOYZIO ZALUAR (1937)
Lance Livre - VENDIDO

"Eu rua" - óleo sobre tela colada em aglomerado - 33 x 30 cm - lado esquerdo - 1980 -

Pintor, gravador e cineasta, Aloysio Emílio Zaluar é natural do Rio de Janeiro. Estudou na Escola Nacional de Belas-Artes (entre 1956 e 1961) e aprendeu gravura com Goeldi e Darel Valença Lins. Foi discípulo em pintura de Abelardo Zaluar, Cavalheiro, Jordão de Oliveira e Campofiorito. Integrou a equipe que criou a decoração para o carnaval de rua, no Rio de Janeiro, em 1965. Foi um dos fundadores da Escola de Belas Artes de Santa Maria, RS (1965). Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1964, 1966, 1993, 1998); Porto Alegre, RS (1965); Petrópolis, RJ (1997). Dentre as mostras de que participou, destacam-se: várias edições do Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (entre 1958 e 1967); Arte Contemporânea Brasil-Senegal, MAM-RJ (1975); Panorama das Artes Gráficas Brasileiras, MAM-SP (1977); Bienal Latino-Americana de São Paulo, SP (1978); Universo do Futebol no MAM-RJ e na Acervo Galeria de Arte, RJ (1982); Retrospectiva no CCBB, RJ (1993); entre outras. Além dessas atividades, escreveu o panfleto e executou o filme “O Clóvis Vem Aí” (1977).MEC, VOL. 4, PÁG. 528; PONTUAL, PÁG. 556; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 1087; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO, PÁG. 785. ACERVO FIEO; www.artprice.com.



034 - CLAUDIO GONÇALVES (1958)
Lance Livre - VENDIDO

"A pintura" - óleo sobre tela - 61 x 79 cm - canto inferior direito e dorso - 2015 -

Desenhista, pintor e professor nascido em Ourinhos, SP. Teve aulas de desenho no Ateliê Leandro Frediani em Amparo, SP (1966). Em 1968 mudou-se para São Paulo. Frequentou a Escola Panamericana de Artes (1978) onde teve aulas com Paulo Nesadal (1980); aulas de desenho com Círton Genaro (1981) e aulas de gravura com Romildo Paiva (1987) no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Estudou também no ateliê de Manoel M. Menacho (1989 a 1999). Realizou exposições individuais em São Paulo (1997, 2001, 2004, 2007, 2008, 2010) e participou de mostras e Salões oficiais em: Marília, SP (1983); Santo André, SP (1985); Presidente Prudente, SP (1988); São João da Boa Vista, SP (1998); São Paulo (2001, 2003, 2012); Santa Bárbara D’Oeste, SP (2008); Guarulhos, SP (2013); Atibaia, SP (2014). Foi premiado em: Marília, SP (1983); Santo André, SP (1985); Prêmio Paleta Internacional Brasil/Extremo Oriente (1986); Arceburgo, MG (2012, 2013). ITAU CULTURAL; www.claudiogoncalves.com.



035 - JOSÉ MARIA DE ALMEIDA (1906 - 1995)
Lance Livre - VENDIDO

"Vila pesqueira" - óleo sobre tela colada em eucatex - 37 x 54 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor português, radicado no Brasil (Rio de Janeiro) desde 1920; estudou pintura no Liceu de Artes e Ofícios e na antiga ENBA, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland. Conquistou, no SNBA (ao qual começou a comparecer em 1937), menção honrosa (1939) e as medalhas de bronze (1943) e de prata (1949). Foi premiado também no Salão da Associação dos Artistas Brasileiros (medalhas de ouro e de honra em 1955 e 1965). Fez diversas exposições individuais no Palace Hotel (GB), entre 1940 e 1949, bem como no MNBA (1952 - 1958). Realizou viagens por várias cidades européias que ficaram retratadas em sua pintura, de caráter inteiramente figurativo. TEODORO BRAGA, pág. 31; Catálogo da Exp. de Paisagem Brasileira, Min. da Educ. e Saúde. - MNBA/Rio/1944; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 32; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 7, Acervo FIEO.



036 - RAFAEL ABOUD PIOVANI (XX)
Lance Livre - VENDIDO

"Iansã" - serigrafia - 1/3 - 42 x 30 cm - canto inferior direito - 2008 -

Batizado de ‘Pajé’, pintor e professor com bacharelado em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes (2011). Participou de uma série de exposições na galeria Casa da Xiclet desde 2007, onde também trabalhou como montador e assistente de curadoria até 2009. Em 2010 participou do evento internacional ‘Feria del Chaco’ em Santiago do Chile com a mesma galeria e do trabalho de ocupação do prédio da Funarte - SP, Cabana Extemporânea, com o artista Rubens Espírito Santo. Em 2010 iniciou a carreira de professor de artes na rede estadual e aulas particulares de pintura no Ateliê Itápolis. Em 2011 abriu o Ateliê Pajé no bairro de Santa Cecília, SP, onde ministra aulas de história da arte, desenho, pintura, serigrafia, gravura e orientação de projetos artísticos. No Ateliê Pajé já apresentou exposições individuais em 2012 e 2013. https://br.portalprofes.com/rafael_paje; casadaxiclet.com; catracalivre.com.br.



037 - HUGO ADAMI (1900 - 1999)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - técnica mista sobre papel - 24 x 40 cm - canto inferior direito -

Pintor, cenógrafo, cantor lírico, ator - Pílade Francisco Hugo Adami nasceu em São Paulo. Aos 12 anos cursou pintura na Escola Profissional Masculina do Brás com Giuseppe Barchitta. Estudou com os pintores Alfredo Norfini e Enrico Vio , com os escultores William Zadig e José Cuccé, no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo (1913- 1916). Teve aulas também com Georg Elpons (1917) . Embarcou para Florença (1922) e lá se tornou amigo do poeta Berto Ricci e do pintor Giorgio De Chirico. Estudou pintura na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’ onde foi aluno de Felice Carena, mas logo abandonou a escola para viajar pela Itália. Residiu por um período em Paris. De volta ao Brasil (1928), realizou a primeira individual em São Paulo e Mário de Andrade publicou ensaio sobre a exposição no ‘Diário Nacional’. O contato de Mário de Andrade com a obra de Hugo Adami possibilitou ao crítico repensar seu projeto modernista. Retornou à Europa (1929 até 1932). Participou da Sociedade Pró-Arte Moderna (1932) e integrou o Clube dos Artistas Modernos (1933). Em 1937, participou da primeira exposição da Família Artística Paulista ao lado de Alfredo Volpi , Bonadei , Clóvis Graciano, Rossi Osir, entre outros. Depois de estar na Europa de 1937 a 1940, mudou-se para o Rio de Janeiro. Entre 1945 e 1970, afastou-se das atividades artísticas, só voltando a pintar em 1975. Exposições Individuais em: São Paulo (1928, 1933, 1938, 1986 – MAM/ SP, 1993). Várias foram as mostras coletivas e Salões oficiais dos quais participou como a Bienal de Veneza em 1924 e 1930. Foi premiado no Rio de Janeiro (1921, 1935); São Paulo (1935, 1936).TEODORO BRAGA, PÁG. 120; PONTUAL, PÁG. 3; REIS JUNIOR, PÁG. 380; MEC, VOL. 1, PÁG. 36; WALMIR AYALA, VOL. 1 , PÁG. 11; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 13; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 580; ARTE NO BRASIL, PÁG. 777; ACERVO FIEO, PÁG. 998; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 25; www.dezenovevinte.net; www.pinacoteca.org.br; www.poeticasvisuais.com; www1.folha.uol.com.br; www.artprice.com.



038 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

Dragão - têmpera sobre tela - 44 x 65 cm - canto inferior direito - 1976 -
No estado.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



039 - MASAO (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Na beira do lago - óleo sobre tela - 39 x 49 cm - canto inferior direito -

Pintor com diversas exposições coletivas e participacões em Salões. JULIO LOUZADA, vol.9, pag.558.



040 - CARLOS OSWALD (1882 - 1971)
Lance Livre - VENDIDO

Preparação para a procissão... - óleo sobre tela - 65 x 55 cm - canto inferior esquerdo -
Complemento do título: "Preparação para a procissão do Senhor Morto".

Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



041 - DARCILIO LIMA (1944 - 1991)
Lance Livre - VENDIDO

Composição surreal - litografia - 7/50 - 67 x 45 cm - canto inferior direito - 1968 -

Cearense de Cascavel, o festejado desenhista Darcilio foi para o Rio de Janeiro, e já depois de haver iniciado autodidaticamente seu trabalho no campo da pintura e da utilização do lápis cêra. Recebeu orientação de Ivan Serpa, passando a dedicar-se especialmente ao desenho a bico-de-pena, com a permanente fixação gráfica da fantasia erótica como veículo de impacto crítico. PONTUAL, pág. 159. MEC, vol.1, pág.17; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE; ITAU CULTURAL.



042 - IWAO NAKAJIMA (1934 - 2011)
Lance Livre - VENDIDO

"Vila" - óleo sobre tela - 30 x 20 cm - canto inferior direito e dorso - 1976 - São Paulo -

Pintor nascido em Gumma, Japão e falecido em Embu das Artes, SP. Estudou pintura e desenho na Escola de Artes de Cerâmica de Nagoya, Japão. Chegou ao Brasil em 1955 como técnico de pintura e esmalte. Naturalizou-se brasileiro em 1977. Foi membro da Associação Paulista de Belas Artes. Realizou exposições individuais em: Embu, SP (1982); Handa, Japão (1985); Kobe, Japão (1985); São Paulo (1985, 1986). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais no Brasil e exterior. Foi premiado em: São Paulo (1965, 1966, 1974 a 1978, 1980 – Prêmio Governador do Estado no Salão Paulista de Belas Artes, 1981, 1984 – Prêmio Aquisição no Salão Paulista de Belas Artes); Atibaia, SP (1976); São Bernardo do Campo, SP (1976); Jundiaí, SP (1976); Embu, SP (1979, 1981, 1982, 1985); Nova York, EUA (1987). JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 785; VOL. 4, PÁG. 7811; VOL. 6 PÁG. 767; ITAU CULTURAL; www.al.sp.gov.br/noticia/?id=330885; www.artistasdeembu.com.br/artistas/Iwao/Iwao.html.



043 - MENASE VAIDERGORN (1927)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



044 - GILDA LISBOA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Marinha - óleo sobre tela - 23 x 35 cm - canto inferior direito -
No estado.

Carioca, nascida de família tradicional, bisneta do almirante Tamandaré, Gilda Lisboa se projetou como artista plástica na década de 40, atuando principalmente no Rio de Janeiro. Estudou desenho com Eurico Alves e pintura na Sociedade Brasileira de Belas Artes. Nos anos 60 realizou importantes exposições individuais. Foi detentora de vários e significativos prêmios. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 545 e 546



045 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Tensão - escultura em mármore - 18 x 15 x 04 cm - assinado -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. No estado.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



046 - RENINA KATZ (1925)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - 5/25 - 25 x 18 cm - canto inferior direito - 1974 -

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



047 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX
Lance Livre - VENDIDO

Mulher - óleo sobre madeira - 18 x 14,5 cm - não assinado -



048 - ANÉSIO JULIÃO (XX)
Base: R$ 2.000,00 - Aguardando oferta

Leão - escultura em madeira - 25 x 60 x 19 cm - assinado -
No estado.

Escultor da região de Prados, MG. Pertence à quarta geração da "FAMÍLIA JULIÃO" que entra de vez no universo das esculturas através da popularização de representações de leões e de outros bichos. http://artedobrasil.com.br/vicentina_juliao.html; http://marciojuliao1.blogspot.com/p/minha-historia_28.html.



049 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

"Ponte da Rangel Pestana..." - óleo sobre eucatex - 25,5 x 34,5 cm - canto inferior direito e dorso -
Complemento de título: "Ponte da Rangel Pestana na reforma de 1961." No estado.

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



050 - ALFRED VERWEE (1838 - 1895)
Lance Livre - VENDIDO

Marinha - óleo sobre tela - 36 x 60 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador, Alfred Jacques Verwee nasceu em St-Joost-ten-Node e faleceu em Bruxelas. Iniciou-se com seu pai - o pintor Louis Pierre Verwee, trabalhou com Verboeckhoven e estudou com F.K. Deweirdt (1853-1858). Viveu em Londres (1867-1868), viajou pela Itália e Países Baixos. No seu retorno à Bélgica fundou e dirigiu uma associação de pintores em Knokke. Em Bruxelas ajudou a fundar a Sociedade de Belas Artes (1868). Sempre ia a Paris e conviveu com Diaz, Théodore Rousseau, Manet, Barye e Troyon. A partir de 1857 participou dos Salões de Bruxelas com Medalha de Ouro em 1863; dos Salões de Paris com medalhas em 1864 e 1878; da Exposição Universal de Paris com Medalha de Ouro em 1889. Recebeu a comenda do Cavaleiro da Legião de Honra (1881), Cavaleiro da Ordem de Leopoldo (1871), Oficial (1881) e Comandante (1894). BENEZIT; art-now-and-then.blogspot.com.br; www.artprice.com.



051 - DARCY PENTEADO (1926 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Nossa Senhora e o Menino - gravura - P.A. XII/XX - 76 x 51 cm - canto inferior direito - 1973 -

Desenhista, pintor, cenógrafo, figurinista e escritor nascido e falecido em São Roque, SP. Após os 10 anos mudou-se para São Paulo para concluir seus estudos. Distinguiu-se pelos desenhos que realizou que o levou a trabalhar em agências de publicidade, de desenho industrial e como figurinista de magazines. Iniciou, como autodidata, a cenografia para teatro e televisão, além da literatura (1944) e começou a expor, como artista plástico, em 1949. Passou a integrar em São Paulo o Grupo Novíssimos (1948). Desde 1955 vinha participando na televisão, como diretor de arte. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1954 e 1956 – MAM, 1961, 1963, 1981, 1983); Rio de Janeiro (1956, 1959); Recife, PE (1983); Pelotas, RS (1984). Viajou por diversas vezes à Europa onde morou por sete anos e também expôs individualmente em: Hamburgo, Alemanha (1964); Roma, Itália (1965, 1967); Paris, França (1966). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1953, 1955, 1963, 1965, 1967, 1973, 1985, 1986); Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1960, 1961); Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP (1959, 1962); Bienal de Paris (1961); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1973, 1974). Recebeu a Medalha de Prata no SPAM (1961); Prêmio Governador do Estado (1954) como cenógrafo; o Prêmio Jabuti (1962) como ilustrador; Menção Honrosa (1977) da Revista Status como contista. MEC VOL. 3, PÁG. 365; PONTUAL PÁG. 416; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 747; VOL. 3, PÁG. 874; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG 183; TEIXEIRA LEITE PÁG 401; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 717; LEONOR AMARANTE PÁG. 75; www.artprice.com.



052 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista sobre papel telado - 48,5 x 61 cm - canto inferior direito - 1990 -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



053 - INGRES SPELTRI (1940)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



054 - NANDO RIBEIRO (1963)
Lance Livre - VENDIDO

Mulher e pomba - óleo sobre tela colada em eucatex - 33,5 x 20 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2019 -
No estado.

Pintor e desenhista, Fernando Ferreira Ribeiro nasceu em Pires Ferreira, Ceará. É autodidata em pintura e desenho. Assinava Ferferi até 1993. Atualmente assina Nando Ribeiro. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais em: Embu, SP (1983 a 1985, 1989, 1992, 1993, 1998); Guarujá, SP (1987); São Paulo (1988, 1990, 1991, 2004); Sorocaba, SP (1988, 1992); Bruxelas, Bélgica (1988); Avignon, França (1990); Três Fronteiras, SP (1994); Itanhaém, SP (1995); Poços de Caldas, MG (1997); Campinas, SP (1999, 2000); Campo Grande, MS (2002). Recebeu Menção Honrosa (1985) no Espaço Cultural IBM Brasil, SP e em Três Fronteiras, SP (1994). JULIO LOUZADA VOL. 8, PÁG 698; www.artmajeur.com/pt/nandoribeiro/presentation.



055 - GENTIL GARCEZ (1903 - 1992)
Lance Livre - VENDIDO

Barcos - óleo sobre tela - 44 x 60 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido e falecido em Santos, SP. Iniciou-se na pintura, ainda criança, sob as orientaçõesde sua mãe que era hábil desenhista. Depois frequentou o ateliê de Benedicto Calixto. Expôs individualmente em São Paulo (1920); Santos (1921, 1923, 1936). Participou do Salão Paulista de Belas Artes em 1934, 1935, 1937, 1939, 1940, 1942 onde foi premiado nas edições de 1940 e 1941. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Oficial de Santos em 1970. Por encomenda do governo de Minas Gerais, realizou uma série de trabalhos para as várias repartições públicas de Belo Horizonte. TEODORO BRAGA, PÁG. 105; MEC, VOL. 2, PÁG. 240; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 410; VOL. 4, PÁG. 452; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.novomilenio.inf.br; www.artprice.com.



056 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Cangaceiro - litografia - 50/100 - 65 x 47 cm - canto inferior direito - 1980 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



057 - JOSÉ SABÓIA (1949)
Lance Livre - VENDIDO

Músicos - óleo sobre tela - 30 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



058 - MILTON MARCOLINO DA SILVA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Mandala - escultura em madeira - d = 32 cm - assinado -

Escultor mineiro de Divinópolis e casado com uma das netas de G.T.O. (Geraldo Teles de Oliveira), um mestre cada vez mais famoso e reconhecido pelos amantes e colecionadores de arte popular. E como costuma acontecer nas oficinas familiares, ele segue o trabalho do mestre. Assina suas obras como M.M.S. galeriapontes.com.br/?portfolio=milton-marcolino-da-silva; artedobrasil.com.br.



059 - IUR SERAVAT FULAM (1959)
Lance Livre - VENDIDO

"Menino e menina" - técnica mista sobre papel - 21 x 30 cm - dorso - 2019 -

Pseudônimo do autor. Natural de São Paulo (SP), filho primogênito de um casal ligado à atividade cultural (pai artista gráfico e plástico e mãe escritora). Autodidata neste campo, embora tenha tido grande estímulo para o desenho e a pintura acompanhando a atividade artística de seu pai, que também foi marchand a partir da década de 60, permitindo que tivesse estreito contato e pudesse realizar uma grande experimentação ao longo dos anos tanto para a linguagem figurativa com temas ligados ao cotidiano, como para a geométrica. É professor universitário e consultor na área de assuntos públicos e instituições políticas.



060 - VINCENZO CENCIN (1925 - 2010)
Lance Livre - VENDIDO

Barcos - óleo sobre madeira - 40 x 60 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor e engenheiro nascido em Veneza, Itália e falecido em São Paulo. Formou-se engenheiro eletromecânico na Itália. Iniciou-se na pintura sob a orientação de Francescchini (1941) na cidade de Tolmezzo. Durante a Segunda Guerra Mundial enfrentou os fascistas e foi preso por alemães, ficando um ano e meio em um campo de concentração. Terminada a guerra emigrou para o Brasil, fixando residência em São Paulo (1949). Nos anos de 1950, 1960 e 1970, sem abandonar a pintura, trabalhou como engenheiro eletrônico numa indústria de eletrodomésticos de São Paulo. Em 1980 aposentou-se para dedicar-se somente à pintura, montando em 1981 a Galeria Velha Europa. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1981, 1982, 1992); Fortaleza, CE (1986); Rio de Janeiro (1986, 1987, 1988); Blumenau, SC (1990). Participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais, recebendo alguns prêmios. Em 1992 realizou-se exposição comemorativa dos 50 anos de sua pintura em São Paulo. JULIO LOUZADA, VOL.2, PÁG. 262; VOL. 6, PÁG. 239; ITAU CULTURAL; portalartes.com.br; oscardambrosio.com.br; www.artprice.com.



061 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - gravura - 35 x 52 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



062 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



063 - ANTONIO PESSOA (1943)
Lance Livre - VENDIDO

Guerreiro - escultura em bronze - 26 x 09 x 09 cm - assinado -

Escultor, assina Tonny. Radicado no Rio de Janeiro detentor de bom curriculo nacional e internacional com inumeras participações em Salões Oficiais,varias vezes premiado. Ótimo mercado.



064 - GREGÓRIO GRUBER (1957)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - gravura - 7/40 - 51 x 70 cm - canto inferior direito - 1978 -

Pintor, desenhista, gravador, escultor, cenógrafo e fotógrafo, Luís Gregório Gruber Novaes Correia nasceu em Santos, SP. Assina Gregório. Frequentou o curso de desenho de Frederico Nasser (1969) e também produziu filmes em super-8. Em 1971, interrompeu o curso de arquitetura na Universidade Mackenzie e passou a frequentar aulas de litografia e de gravura em metal no Ateliê Mário Gruber, seu pai, e no Socorro Curso de Gravura em Metal, respectivamente. Ingressou no curso de artes plásticas da FAAP (1972), abandonando-o no ano seguinte. Viajou para Paris e teve aulas de desenho na "Académie de la Grande Chaumière" (1974). Foi responsável pelo curso de desenho de modelo vivo na Pinacoteca do Estado de São Paulo (1976). Sua obra foi objeto de quatro filmes: "O Gesto Criador" (1977) e "Retrato do Artista Quando Jovem" (1978), ambos de Olívio Tavares de Araújo; "Uma Tarde com Gregório" (1987), de Nelson Pereira dos Santos e "Gregório" (1992), do Instituto Itau Cultural. Realizou exposições individuais em São Paulo (1974, 1976 a 1980, 1982 a 1984, 1988); Campinas, SP (1974); Rio de Janeiro (1975, 1976, 1983); Brasília, DF (1978, 1981); Santos, SP (1979); Porto Alegre, RS (1980). Tem participado de mostras coletivas e oficiais como: Panorama da Arte Atual Brasileira, SP (1971); Bienal Internacional de São Paulo (1973), entre outras. Foi premiado em: Campinas, SP (1972); Jundiaí, SP (1975); São Paulo (1976 - Melhor Gravador da APCA-SP); São Caetano do Sul, SP (1976); Rio de Janeiro (1976); Maldonado, Uruguai (1978 – II Bienal). JULIO LOUZADA VOL.2, PÁG. 468; VOL. 4, PÁG. 488; VOL. 9, PÁG. 385; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



065 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - desenho a nanquim - 17,5 x 27 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Marchand Isaac Ficz, Rio de Janeiro - RJ. No estado.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



066 - REYNALDO FONSECA (1925)
Lance Livre - VENDIDO

Maternidade - serigrafia - P.A. - 63 x 50 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e professor pernambucano, natural da cidade do Recife, onde é ativo. Estudou no Rio de Janeiro, pintura com Portinari e gravura em metal com Henrique Oswald. Conquistou diversos prêmios em pintura e gravura na Divisão Moderna do SNBA-RJ. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.263; MEC, vol.2, pág.184; PONTUAL, pág.220; TEIXEIRA LEITE, pág.205; WALMIR AYALA, vol.2, págs. 243 a 245; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 879.



067 - WASHINGTON MAGUETAS (1942)
Lance Livre - VENDIDO

"Galeria" - óleo sobre tela colada em eucatex - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 1987 -
Com etiqueta da Portal Galeria de Arte, no dorso.

Pintor, escultor, professor, compositor e poeta - Washington Luiz da Costa Maguetas nasceu em Taquaritinga, SP. Assina W. Maguetas. Autodidata no início de sua carreira, depois recebeu orientações do escultor italiano Francesco Bassi nas suas primeiras esculturas em argila (1954) e do pintor Oscar Valzachiem em Catanduva, SP. Tornou-se professor de desenho e pintura em 1960. Aos 15 anos recebeu o primeiro prêmio de pintura - bolsa de estudo dada pela Câmara Municipal de Taquaritinga, entre vários outros ao longo de sua vida. Projetou esculturas para espaços públicos em Taquaritinga, SP; Novo Horizonte, SP; Santa Adélia, SP. Realizou muitas exposições individuais e participou de muitas mostras e Salões oficiais no Brasil e exterior. ITAU CULTURAL; MEC. VOL. 3, PÁG. 42; JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG. 617; VOL. 5, PÁG. 625; VOL. 6, PÁG. 649; www.maguetas.com.br; www.artprice.com; www.galleryfrance.com.



068 - NEY TECÍDIO (1929)
Lance Livre - VENDIDO

"Retrato de José Vieira" - óleo sobre eucatex - 61 x 37 cm - canto inferior esquerdo - 1984 -
Com dedicatória no dorso. No estado.

Pintor, desenhista e professor nascido na cidade do Rio de Janeiro, no dia 16 de julho de 1929. O crítico Mário Margutti discutiu sobre as obras do artista dizendo que " No princípio, ele desenvolvida o tracejado puro, criando jogos de linhas sobre o papel. O desejo de plasmar volumes trouxe o sombreado, as meias-tintas e um curioso contradesenho: sobre fundo negro. Ney construia figuras realistas para estruturas vazadas em branco. A seguir veio o mergulho no mundo enfeitiçante das cores, através da difícil arte da aquarela. Daí para a pintura foi um passo natural ..." JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 1084



069 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Estudo - desenho a carvão - 41 x 32 cm - não assinado -



070 - JURANDIR UBIRAJARA CAMPOS (1912 - 1972)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - óleo sobre tela - 35 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1945 -

Pintor ativo em São Paulo, especializou-se em natureza-morta e figura. Expôs no Salão Paulista de Belas Artes, obtendo menção honrosa (1943), pequena medalha de prata (1944), grande medalha de prata (1947) e medalha de ouro (1957). Em 1954, expôs no SNBA-RJ. MEC, vol. 1, pág. 334; JULIO LOUZADA, vol. 6, pág. 193; ITAU CULTURAL



071 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)
Lance Livre - VENDIDO

Mulata e pássaros - serigrafia - 12,5 x 22 cm - não assinado -
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



072 - MANUEL FERREIRA (1927)
Lance Livre - VENDIDO

Barcos - óleo sobre cartão colado em eucatex - 29 x 39 cm - canto inferior direito - 2006 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e arquiteto com participações em mostras coletivas.



073 - TAPETE ORIENTAL,
Lance Livre - VENDIDO


Ponto de nó, feito a mão, de lã, Paquistão, medindo: 1,89 x 1,27 = 2,40 m². No estado.



074 - HEINZ KÜHN (1908 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista sobre papel - 23 x 39,5 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Berlim, Alemanha, e falecido em São Paulo. Iniciou seus estudos em sua terra natal, expondo obras na Alemanha e na França. Transferiu-se para o Brasil em 1950, fixando residência em São Paulo. Realizou exposições individuais em São Paulo (1952, 1956 - MAM, 1959 a 1962). Participou de mostras e Salões oficiais, entre eles: II, III e VIII da Bienal Internacional de São Paulo; II, IX, X e XIV Salão Paulista de Arte Moderna onde conquistou a Medalha de Prata (1952), o Prêmio Aquisição (1955) e a Medalha de Ouro (1965); XVIII Salão Municipal de Belo Horizonte; I Concurso Nacional de Joias - Prêmio de Viagem a Brasília. MEC VOL. 2, PÁG. 430; PONTUAL PÁG. 295; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 688; www.artprice.com.



075 - GRAUBEM DO MONTE LIMA (1889 - 1972)
Lance Livre - VENDIDO

Pássaros e borboletas - óleo sobre tela - 40 x 32 cm - canto inferior direito - 1969 -

Pintora natural de Iguatu, CE. Faleceu na cidade do Rio de Janeiro. Fixou residência no Rio de Janeiro em 1908, onde se iniciou na pintura como autodidata (1958). Em 1960, prosseguiu seus estudos com Ivan Serpa, no MAM-RJ. Entre as exposições das quais participou, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1962 e 1963; Bienal Internacional de São Paulo, de 1963 a 1967; Bienal Americana de Arte, Córdoba (Argentina), 1964; Oito Pintores Brasileiros, na Galeria Jacques Massol, Paris (França), 1965; Bienal Nacional de Artes Plásticas, Salvador, Bahia, 1966; Artistas Primitivos Brasileiros Contemporâneos, no Museu de Arte Moderna de Buenos Aires, Argentina, 1966. PONTUAL, pag. 250; ITAU CULTURAL; MEC VOL. 2, PÁG. 282; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 443.



076 - MACIEJ ANTONI BABINSKI (1931)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - gravura - 4/15 - 12 x 15,5 cm - canto inferior direito - 1959 -

Gravador, ilustrador, pintor, desenhista e professor nascido em Varsóvia, Polônia. Migrou com a família para a Inglaterra (1940), por causa da Segunda Guerra Mundial. Iniciou sua formação artística com o padre Raphael Williams O.S.B. Fixou-se com a família em Montreal, Canadá (1949) onde estudou pintura com John Goodwin Lyman, na "McGill University". Além disso, teve aulas de gravura com Eldon Grier e fez cursos de desenho e pintura com Goodrich Roberts na "Art Association of Montreal". Paralelamente, aproximou-se do grupo de vanguarda "Les Automatistes" reunido em torno de Paul-Émile Borduas e, juntos, expuseram no "Musée des Beaux-Arts de Montréal" (1952) e realizou sua primeira individual (1953). Mudou-se para o Brasil (1953) e permaneceu no Rio de Janeiro até 1965. Teve contato com Oswaldo Goeldi, Augusto Rodrigues e Darel. Realizou 24 águas-fortes para o livro "Cadernos de João", de Aníbal Machado, editado pelos Cem Bibliófilos do Brasil (1961). Em 1965 foi convidado a lecionar no Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília - ICA/UnB, da qual se afastou um ano depois em virtude de perseguições políticas. Após viver oito anos em São Paulo (1966 a 1974), mudou-se para Minas Gerais e foi lecionar na Universidade Federal de Uberlândia (1979 a 1987). Com a anistia política foi reintegrado à UnB (1988), lá permanecendo até se aposentar (1991) quando passou a residir no interior do Ceará. Expôs na Bienal Internacional de São Paulo (1967, 1985). Participou de várias edições do Salão Nacional de Arte Moderna, do Salão Paulista e do Panorama da Arte Atual Brasileira, entre outros eventos de arte. Foi realizada a retrospectiva "Babinski: 50 Anos de Brasil", em Brasília (2004). TEIXEIRA LEITE PÁG. 48; PONTUAL PÁGS. 46 E 47; MEC VOL. 1, PÁG. 157; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 69; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 81; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 720; ARTE NO BRASIL PÁG. 903, ACERVO FIEO; www.iar.unicamp.br; www.artprice.com.



077 - ADÃO SILVÉRIO (1942)
Lance Livre - VENDIDO

"Festa do Divino" - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1969 -

Adão José Santos, nasceu em Redenção da Serra - SP. Pintor, artista plástico e cenotécnico, seu pseudônimo Adão Silvério foi adotado em 1962. Reside e é ativo na cidade de São José dos Campos - SP. Autodidata, iniciou-se na pintura em 1965 e foi incentivado por Mestre Justino. Desde 1966 participa de exposições coletivas e Salões oficiais pelo Brasil com diversas premiações em: São Paulo (1971, 1977, 1983); Rio Claro, SP (1978); Jacareí, SP (1979); Piracicaba, SP (1981); São José dos Campos, SP (1987); Taubaté, SP (1990, 1991) e outros. MEC, VOL. 4, PÁG. 283; www.adaosilverio.digitalvale.com.br.



078 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Pescador - escultura em madeira - 60 x 16 x 32 cm - não assinado -



079 - CARLOS BASTOS (1925 - 2004)
Lance Livre - VENDIDO

Praça - desenho a nanquim - 36 x 27 cm - canto inferior direito -

Pintor, ilustrador e cenógrafo, Carlos Frederico Bastos nasceu e faleceu em Salvador, BA. Iniciou sua formação artística na Escola de Belas-Artes da Universidade da Bahia onde ingressou em 1944 e assistiu às aulas de João Mendonça Filho, Raymundo Aguiar e Alberto Valença. Nesse ano, participou, ao lado de Mario Cravo Júnior e de Genaro, da 1ª Mostra de Arte Moderna da Bahia. Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946) e concluiu os estudos na Escola Nacional de Belas Artes. Estudou também na Sociedade Brasileira de Belas Artes e na Fundação Getúlio Vargas, aluno de Santa Rosa, Iberê Camargo e Carlos Oswald. Paralelamente, fez cursos particulares com Candido Portinari e aulas de cenografia com Martim Gonçalves. De volta a Salvador (1947) organizou sua primeira individual na Biblioteca Pública. Nesse mesmo ano, realizou especialização na "Arts Students League", Nova York - EUA. Foi para Paris (1949) onde fez cursos de pintura mural e afresco na "École Nationale Supérieure des Beaux-Arts" e aulas de desenho na "Académie de la Grande Chaumière". Voltou ao Brasil (1951) e após novo período em Paris (1957 a 1958), montou seu ateliê no Solar da Jaqueira em Salvador, fixando-se na cidade. Realizou exposições individuais em: Nova York, EUA (1948); Salvador, BA (1961 a 1965); Rio de Janeiro (1961); Belo Horizonte, MG (1969); São Paulo (1970, 1971) e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu Medalhas de Prata no I e II Salão Baiano de Belas Artes (1949, 1950); o Prêmio Jabuti de Ouro (1958) como ilustrador. Ilustrou diversos livros nas décadas de 1970 e 1980. WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.89; PONTUAL PÁG. 58; MEC VOL. 1, PÁG. 189; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.101; VOL.4, PÁG. 121; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



080 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)
Lance Livre - VENDIDO

Rua - óleo sobre madeira - 17,5 x 12,5 cm - dorso - 1929 -
Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP.

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



081 - FERNANDO LEMOS (1926)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - serigrafia - 18/150 - 24 x 29 cm - canto inferior direito - 1981 -

José Fernandes de Lemos nasceu em Lisboa, Portugal. Pintor, desenhista, fotógrafo, gravador, artista gráfico, muralista, poeta. Estuda pintura e litografia na Escola de Artes Decorativas Antonio Arroio, e pintura na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. Cedo identifica-se e define-se como "surrealista, pintando, desenhando, escrevendo poesia" e fotografando. Os poucos anos dedicados à fotografia, entre 1949 e 1951, possibilitou-lhe realizar uma série de exposições individuais no Brasil e na Europa e ganhar o Prêmio Anual de Fotografia, concedido pelo Centro Português de Fotografia, na cidade do Porto, em 2001. Em 1953, muda-se para São Paulo, naturalizando-se brasileiro por volta de 1960. Em 1955, vai a Portugal, Suíça, Holanda e França com o prêmio viagem ao exterior recebido da Fundação Bienal de São Paulo e, em 1962, recebe bolsa de estudos para o Japão, patrocinada pela Fundação Calouste Gulbenkian. Participa, entre outras exposições coletivas, da Bienal Internacional de São Paulo, várias edições entre 1953 e 1967; Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo, 1958; Panorama da Arte Brasileira, no MAM/SP, em 1970, 1973 e 1979; Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal, São Paulo, em 1984; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1 págs. 536/537. Acervo FIEO.



082 - JOÃO ALVES (1905 - 1970)
Lance Livre - VENDIDO

Casario - óleo sobre tela - 50 x 61 cm - canto inferior esquerdo - 1963 -

Pintor ingênuo, autodidata, cuja obra tem como tema a paisagem urbana de Salvador, capital de seu Estado natal. Expôs individualmente no Museu de Arte Moderna de Salvador em 1961, e na Galeria Montmartre - RJ em 1965, com apresentação de Jorge Amado. JULIO LOUZADA vol. 9 pág 38; TEIXEIRA LEITE, pág. 22; ITAU CULTURAL; MEC, vol. 1, pág. 71; PONTUAL, pág. 20. Acervo FIEO.



083 - NONÊ DE ANDRADE (1914 - 1972)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - desenho a lápis - 28,5 x 20 cm - canto inferior direito - 1956 -

Pintor, desenhista e escritor, nascido e falecido em São Paulo, Capital. O artista era filho de Oswald de Andrade, um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna. Iniciou seus estudos em Paris, e, no Brasil, recebeu orientação de Portinari, Segall, Tarsila e Anita Malfatti, filiando-se desde então às tendências inovadoras das artes plásticas brasileiras. Expositor do SNBA-RJ e da Bienal de SP. São numerosas as referências críticas a respeito de sua obra. MEC, vol 1 pág. 100; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; LEONOR AMARANTE, pág. 75, Acervo FIEO.



084 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Rosto - desenho a lápis - 17 x 15 cm - canto inferior direito - 1916 -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



085 - HELENOS SILVA (1941)
Lance Livre - VENDIDO

"Nostalgia" - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1989 - São Paulo -

Pintor, ilustrador, desenhista, gravador e publicitário, Edson Heleno da Silva nasceu em Recife, PE. Assina Helenos. Começou a pintar aos 19 anos de idade, ilustrando painéis de instrução para cursos militares internos em Recife. Na década de 1960, produziu faixas e cartazes para as campanhas políticas de Miguel Arraes, iniciou seus trabalhos no campo publicitário e de ilustração não deixando de se envolver nos movimentos de arte de Recife, Olinda, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Vem para São Paulo em 1969. Realizou exposições individuais em: Rio de Janeiro (1963, 1967, 1973, 1975, 1978); Recife, PE (1969 – Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, 1981); São Paulo (1969, 1971, 1973, 1974, 1976, 1977, 1978, 1981, 1983, 1986); Campina Grande, PB (1971 – Museu de Arte Contemporânea de Campina Grande); Brasília, DF (1974); Santos, SP (1979, 1982, 1984); Salvador, BA (1980); Olinda, PE (1985); Goiânia, GO (1985); Fortaleza, CE (1985). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1965, 1969); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1973, 1976|). Foi premiado em: Salvador, BA (1966 - I Bienal da Bahia); Recife, PE (1966, 1967); Rio de Janeiro (1968 – Salão Esso de Artistas Jovens, MAM-RJ); Brasília, DF (1968); Jundiaí, SP (1969); Campinas, SP (1970). Produziu documentários para a TV Cultura de Pernambuco e a de São Paulo (entre 1968 e 1974). MEC VOL. 2, PÁG. 334; WALMIR AYALA VOL. 1-PÁGS. 386; PONTUAL PÁG. 262; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 462, VOL.2, PÁG.492; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO.



086 - MARIA BONOMI (1935)
Lance Livre - VENDIDO

"Do minotauro" - litografia - 3/100 - 49 x 69 cm - canto inferior direito - 1988 -

Gravadora, pintora, figurinista, cenógrafa, muralista e escultora nascida em Meina, Itália. Mudou-se para o Rio de Janeiro ainda criança. Em São Paulo (década de 1950), estudou inicialmente com Yolanda Mohalyi, Karl Plattner e Livio Abramo. Na 'Columbia University', Nova York - EUA estudou artes gráficas com Hans Muller e História da Arte Comparada com Meyer Schapiro. Obteve bolsa de estudos no Pratt Institute, Nova York - EUA onde trabalhou com Seong Moy e Fritz Eichenberg, entre outros. De volta ao Brasil (1959) continuou seu aperfeiçoamento na gravura com Friedlaender no MAM, RJ. Fundou com Lívio Abramo o 'Estudio Gravura' (década de 1960), em São Paulo. Realizou várias exposições individuais e tem participado de muitas mostras coletivas e oficiais, no Brasil e no exterior. Recebeu, entre outros, o Prêmio de Melhor Gravador da VIII Bienal de São Paulo (1965); o Prêmio de Gravura na V Bienal de Paris (1968); o Prêmio de Gravura da VIII Exposição Internacional Ljubljana, modalidade xilogravura; o Prêmio de Aquisição na IX Bienal de mesmo nome (1971), culminando com o Prêmio Internacional de Gravura, modalidade litografia (1983). Como cenógrafa vale destacar o Prêmio de Revelação de Cenógrafa e Melhor Figurinista com a peça 'As feiticeiras de Salém' de Arthur Miller. O Prêmio Revelação dado pela APCT – Associação Paulista de Críticos Teatrais se repetiu nos anos de 1962, 1965 e 1967. Em 1965, recebeu o Prêmio Molière como melhor cenógrafa da peça "A megera domada”, de Shakespeare. Desde 1975 tem realizado numerosos painéis em concreto, de grandes dimensões, como os do Saguão do Maksoud Hotel e do Banco Sudameris do Brasil, as fachadas laterais do Esporte Clube Sírio e do Edifício J. Riskallah Joye, todos em São Paulo e, em Santiago do Chile, os painéis do Banco Exterior da Espanha. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.142; PONTUAL PÁG.80; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.692; ARTE NO BRASIL PÁG.837; LEONOR AMARANTE PÁG.75, ACERVO FIEO; www.memorial.org.br; www.pinacoteca.org.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



087 - FRANCISCO PROHANE (1921)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre eucatex - 11,5 x 21,5 cm - canto inferior direito -

Nascido no Piemonte, Itália, na cidade de Santa Vitória, Prohane imigrou para o Brasil em 1931, com a família. Recebeu orientação de Osvaldo Fuoco, Osvaldo L. Siqueira e Francisco Cuoco. Em agosto de 1983 recebeu a Comenda da Ordem do Mérito das Artes Plásticas e em dezembro do mesmo ano, a de Cavaleiro Oficial. Considerado pintor do campo, Prohane é remanescente do grupo de artistas que pintam ao natural. Também é conhecido como um dos maiores pesquisadores do folclore brasileiro. JULIO LOUZADA vol.10, pág.715; Acervo FIEO.



088 - EMMANUEL MANE-KATZ (1894 - 1962)
Lance Livre - VENDIDO

O Rabino - óleo sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, escultor e professor nascido em Kremenchug, Ucrânia e falecido em Tel Aviv, Israel. Vinha de uma família judia ortodoxa e pretendia ser rabino. Após estudar na Escola de Belas Artes em Kiev foi para Paris (1913) onde frequentou no ateliê de Fernand Cormon. Voltou para a Ucrânia depois da I Guerra, trabalhou na comitiva do Ballet Russo e foi nomeado professor na Academia de Cracóvia (1917). Voltou para Paris (1921) e conseguiu a cidadania francesa (1927). Participou, desde então, dos principais Salões parisienses e realizou exposições individuais. Entre 1928 e 1937 viajou para o Egito, Palestina e Síria. De 1940 a 1945, refugiou-se em Nova York onde começou a fazer esculturas. Após a II Guerra realizou várias viagens a Israel, de 1948 até o seu falecimento, e foi deixando uma série de trabalhos seus e de sua coleção particular de etnografia judaica em Haifa que formaram as bases do Museu Mane-Katz. Em 1953 doou também oito pinturas suas para o Museu Glitzenstein em Safed. BENEZIT VOL. 7, PÁG. 132; rogallery.com; www.bbc.co.uk; www.tate.org.uk; www.artprice.com; www.artnet.com; www.catalogodasartes.com.br.



089 - GIUSEPPE IRLANDINI (1924 - 1997)
Lance Livre - VENDIDO

Fachada - óleo e areia sobre eucatex - 41 x 33 cm - canto inferior direito - 1970 -

Natural de Bolzano, Itália, veio para o Brasil em 1948. Em sua terra natal estudou na Academia de Belas Artes de Veneza e residiu em Paris. De 1949 a 1953 trabalhou nos murais do túmulo do Padre José de Anchieta, em Vitória-ES. Dedicou-se a restauração de obras de arte, fundando a Galeria Irlandini-RJ (1968). Realizou diversas exposições. Jacob Klintowitz observa que os trabalhos do artista apresentam-se "...ricos em textura com um colorido seguro. Irlandini experimentou as conquistas da Arte Moderna: movimento, textura, abstração e geometria. E em todas tem revelado o seu metier e o seu talento..." JULIO LOUZADA, vol 01 - pág 484



090 - FRANS KRAJCBERG (1921 - 2017)
Lance Livre - VENDIDO

Pássaro - guache - 22 x 26 cm - canto inferior esquerdo - 1951 -
Reproduzido sob o n° 043 em catálogo de Leilão de Arte de James Lisboa, Leiloeiro Oficial, São Paulo - SP, realizado em novembro de 2016.

Escultor, pintor, gravador e fotógrafo nascido em Kozienice, Polônia. Estudou engenharia e artes na Universidade de Leningrado, Rússia. Durante a Segunda Guerra Mundial perdeu toda a família em um campo de concentração. Mudou-se para a Alemanha, ingressando na Academia de Belas Artes de Stuttgart, onde foi aluno de Willy Baumeister. Chegou ao Brasil em 1948. Em 1951, participou da 1ª Bienal Internacional de São Paulo com duas pinturas. Residiu por um breve período no Paraná, isolando-se na floresta para pintar. Em 1956, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde dividiu o ateliê com o escultor Franz Weissmann. Naturalizou-se brasileiro no ano seguinte. A partir de 1958, alternou residência entre o Rio de Janeiro, Paris e Ibiza. Desde 1972, reside em Nova Viçosa, no litoral sul da Bahia. Ampliou o trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais, utilizando troncos e raízes, sobre os quais realiza intervenções. Viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso e fotografa os desmatamentos e queimadas, revelando imagens dramáticas. Na década de 1980, iniciou a série ‘Africana’, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. O Instituto Frans Krajcberg, em Curitiba, foi inaugurado em 2003 recebendo a doação de mais de uma centena de obras do artista. No fim de 2008 realizou sua primeira grande exposição individual em São Paulo - 65 esculturas e 40 fotos de queimadas, exibidas no pavilhão da Oca, no Parque do Ibirapuera. TEIXEIRA LEITE, PÁG. 272; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 514; VOL. 6, PÁG. 559; MEC VOL. 2, PÁG. 411; PONTUAL PÁG. 293; www.artprice.com; www.eca.usp.br; www.macniteroi.com.br; planetasustentavel.abril.com.br.



091 - GERSON DE SOUZA (1926 - 2008)
Lance Livre - VENDIDO

"Menino Deus" - xilogravura - P.A. - 39 x 40 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor. Autodidata. Fixou-se no Rio de Janeiro, onde exerceu a profissão de carteiro dos Correios, e onde começou a pintar em 1950. Participou da V Bienal de São Paulo, de vários Salões Nacionais e exposições coletivas no exterior. Várias individuais e coletivas no País. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 127; PONTUAL, pág. 236/237; MEC, vol. 2, pág. 248; TEIXEIRA LEITE, pág. 220; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 347, Acervo FIEO.



092 - SAUL STEINBERG (1914 - 1999)
Lance Livre - VENDIDO

O artista - desenho a nanquim e aquarela - 41 x 29 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Desenhista, pintor, gravador, ilustrador, cartunista, escultor, natural da Romênia. Estudou Filosofia em Bucareste, Romênia e Arquitetura em Milão, Itália. Nos anos 30 publicou seus cartuns na revista italiana Bertoldo. Em 1940, seus desenhos começam a aparecer nas revistas ‘Life’ e’ Harper’s Bazaar’. Vai para os Estados Unidos em 1941 e passa a publicar, regularmente, seus trabalhos na revista ‘The New Yorker’ por quase 60 anos, além de se dedicar intensamente às diversas formas de expressão. A primeira exposição de seus trabalhos se deu em Nova York, em 1943. E várias outras aconteceram por museus da Europa e Estados Unidos, inclusive no Museu de Arte de São Paulo, São Paulo. Retrospectivas de sua obra foram realizadas no Museu Whitney de Arte Americana, Nova York (1978); no Instituto de Arte Moderna, em Valencia - Espanha (2002); na Pinacoteca do Estado, São Paulo (2011). BENEZ IT, VOL. 9, PÁG. 805; MEC, VOL. 4, PÁG. 341; ITAU CULTURAL; www.saulsteinbergfoundation.org; www.artcyclopedia.com; www.britannica.com.



093 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Estudo - desenho a carvão - 36 x 31 cm - não assinado -



094 - LUCIANO MAURICIO (1925)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - óleo sobre madeira - 34 x 24 cm - dorso - 1985 - Friburgo -
No estado.

Natural da cidade do Rio de Janeiro, onde é ativo. Pintor, desenhista e cenógrafo. Formou-se em pintura pela antiga ENBA. Recebeu menção honrosa em desenho e medalha de prata em arte decorativa no SNBA. Figurou ainda nos III, XI, XII, XIV e XV SNAM (entre 1954 e 1966), na VIII BSP (1965). Em 1955 lecionou no MASP. JULIO LOUZADA, vol. 1; TEIXEIRA LEITE, pág 292; MEC, vol. 3 pág. 107; PONTUAL, pág. 350.



095 - CANDIDO DE OLIVEIRA (1961)
Lance Livre - VENDIDO

"Les grands boulevards" - óleo sobre tela - 110 x 150 cm - canto inferior direito e dorso - 2009 - Paris -
(Atenção clientes que não residem em São Paulo: transporte especial devido ao tamanho. Consulte-nos antes de dar seu lance) .

Pintor, Edmilson Cândido de Oliveira é natural de Pesqueira, Pernambuco. Assinava até 1985: Edmilson e, atualmente, assina Cândido de Oliveira. Teve como mestres José Ismael e Gilberto Geraldo. Realizou exposição individual em São Paulo (1995) e participa de mostras coletivas desde 1993, com premiações em: Guarulhos, SP (1993); Matão, SP (1994); Amparo, SP (1995); São Paulo (1995). JULIO LOUZADA VOL.7, PÁG. 520; VOL. 8, PÁG. 620; www.artnet.com.



096 - MARIO GRUBER (1927 - 2011)
Lance Livre - VENDIDO

"Cipó nº 2" - gravura - P.A. - 53 x 35,5 cm - canto inferior direito - 1961 -

Pintor, desenhista, gravador, escultor, muralista - Mário Gruber Correia nasceu em Santos, SP. Autodidata, começou a pintar em 1943. Mudou-se para São Paulo em 1946 e matriculou-se na Escola de Belas Artes, onde foi aluno do escultor Nicolau Rollo. Em 1947, ganhou o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo ’19 Pintores’. No ano seguinte realizou sua primeira exposição individual e passou a estudar gravura com Poty e a trabalhar com Di Cavalcanti. Recebeu bolsa de estudo em 1949, foi morar em Paris, onde estudou na ‘École Nationale Supérieure des Beaux-Arts’ com o gravador Édouard Goerg e trabalhou com Candido Portinari. Retornou ao Brasil em 1951 e fundou o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde voltou a residir. Foi professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1953 e na Fundação Armando Álvares Penteado entre 1961 e 1964. De 1974 a 1978, morou em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, morou em Olinda, Pernambuco. Em 1979, montou ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realizou obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Além de ter realizado muitas exposições individuais, participou de várias mostras e salões oficiais: Salão Paulista de Arte Moderna; Panorama da Arte Moderna Brasileira; Bienal Internacional de São Paulo e na França, Espanha, Estados Unidos, Colômbia, Holanda, Finlândia, Alemanha. PONTUAL, PÁG. 253; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 370; MEC, VOL. 1, PÁG. 466; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.649; ARTE NO BRASIL, PÁG. 803; LEONOR AMARANTE, PÁG. 376; ACERVO FIEO.



097 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - pastel - 15,5 x 19 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



098 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

São Judas Tadeu - escultura em madeira - 39 x 15 x 11 cm - assinado -
Mestre Paulino.



099 - MENASE VAIDERGORN (1927)
Lance Livre - VENDIDO

Na estrada - óleo sobre tela colada em eucatex - 15,5 x 26,5 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



100 - YOSHIYA TAKAOKA (1909 - 1978)
Lance Livre - VENDIDO

Vista de Montmartre - Paris - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior direito - 1950 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, desenhista, caricaturista e cenógrafo nascido em Tóquio, Japão e falecido em São Paulo, SP. Aprendeu pintura com Shin Kurihara, em Tóquio (entre 1921 e 1925). Veio com a família para o Brasil (1925) para trabalhar na lavoura de café. Atuou como pintor de paredes e caricaturista. Em São Paulo (1926 a 1929) cursou a Escola Profissional Masculina do Brás e frequentou o Grupo Santa Helena (a partir de 1931). Transferiu-se para o Rio de Janeiro (1934) onde aperfeiçoou sua pintura com Bruno Lechowski e na Escola Nacional de Belas Artes. Integrou o Núcleo Bernardelli ao lado de José Pancetti, Edson Motta e Milton Dacosta, entre outros. Fez parte (1935) do Grupo Seibi, SP. Formou (1948) o Grupo 15 ou "do Jacaré" com Tomoo Handa, Tamaki, Flavio-Shiró, Antônio Carelli, Geraldo de Barros e outros. Integrou (1950 a 1959) o Grupo Guanabara, SP. Viveu em Paris (entre 1952 e 1954) onde frequentou a "Académie de la Grande Chaumière" e estudou mosaico com Gino Severini, no curso Leonardo da Vinci. Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1936, 1937); Curitiba, PR (1948); São Paulo (1948) e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1951 e 1959); da 1ª Bienal de Tóquio (1953); Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); várias edições do Salão Paulista de Belas Artes, SP. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); no Salão Paulista de Belas Artes, SP (1946, 1957, 1958, 1959, 1960, 1961, 1964, 1968). O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand fez mostra em sua homenagem em 1955 e 1980. PONTUAL PÁG. 510; TEIXEIRA LEITE PÁG. 490; MEC VOL. 4, PÁG. 352; TEODORO BRAGA PÁG. 220; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 361; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 954; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com.



101 - CARYBÉ (1911 - 1997)
Lance Livre - VENDIDO

"Os acrobatas" - serigrafia - 80/180 - 70 x 94 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze galerias em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



102 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

Marinha - óleo sobre tela - 26 x 35 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1961 - Bertioga - SP -

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



103 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)
Lance Livre - VENDIDO

Ator - desenho a nanquim, aquarela e guache - 31 x 21 cm - centro inferior -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



104 - ALUISIO CARVÃO (1920 - 2001)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - aquarela - 15 x 12 cm - canto inferior direito -

Pintor, escultor, Ilustrador, ator, cenógrafo e professor nascido em Belém, PA e falecido em Poços de Caldas, MG. Iniciou suas atividades artísticas como ilustrador, no Pará. Atuou também como escultor e cenógrafo. Passou a dedicar-se à pintura em 1946 quando realizou sua primeira exposição individual no Amapá, onde residiu temporariamente. Em 1949 foi contemplado pelo MEC com uma bolsa destinada a professores de artes e mudou-se para o Rio de Janeiro. Ingressou no curso livre de pintura de Ivan Serpa, no MAM, RJ (1952). Integrou o Grupo Frente (entre 1953 e 1956). Assinou com os artistas Amilcar de Castro, Franz Weissmann, Lygia Clark, Lygia Pape e o poeta Reynaldo Jardim, o "Manifesto Neoconcreto", escrito por Ferreira Gullar em 1959. Foi contemplado no Salão Nacional de Arte Moderna com o prêmio de viagem ao exterior. Como artista visitante, ingressou na Hochschule für Gestaltung - HfG, em Ulm, na Alemanha. Viajou por vários países da Europa e retornou ao Brasil em 1963. Participou de inúmeras mostras coletivas e oficiais, no Brasil e exterior, como: 1ª Exposição Nacional de Arte Abstrata (1953), Petrópolis-RJ; mostras do Grupo Frente, RJ (1954 e 1955); 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, SP (1956) e RJ (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1953, 1955, 1957, 1961, 1973, 1983, 1991); Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1953 a 1960); 4ª Bienal de Tóquio (1957); 1ª Bienal Interamericana do México (1958); Exposição de Arte Neoconcreta, RJ (1959), SP e Salvador; "Konkrete Kunst", Zurique, Suíça (1960); Exposição de Arte Neoconcreta, Munique, Alemanha; "Nova Objetividade Brasileira", MAM-RJ (1967); "Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner", MAM-SP (1980) e MAM-RJ (1999); exposição retrospectiva no Museu Metropolitano de Arte de Curitiba (1996), no MAM, Salvador–BA e MAM, RJ. PONTUAL PÁG. 115; MEC VOL. 1, PÁG. 367; JULIO LOUZADA, VOL. 5 PÁG. 210; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, 655; LEONOR AMARANTE, 75; ARTE NO BRASIL, 921; ACERVO FIEO.



105 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Tensão - escultura em mármore - 13,5 x 12,5 x 04 cm - assinado -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



106 - FUKUDA (1943)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - 35/50 - 54 x 50 cm - canto inferior direito - 2012 -

Pintor, gravador e escultor, Roberto Kenji Fukuda nasceu em Indiana, SP. Iniciou-se na pintura com orientação de seu pai, o pintor Tamotsu Fukuda, um dos imigrantes japoneses pioneiros no Brasil. Como escultor foi o responsável pela criação do monumento comemorativo aos Jogos Pan-Americanos, do Rio de Janeiro (2007). Realizou exposições individuais em: Lins, SP (1963); Rio de Janeiro (1988, 1989); São Paulo (1988,1991); Curitiba, PR (1989); Brasília, DF (1989); Belo Horizonte, MG (1991). Participou de várias mostras coletivas pelo Brasil, Alemanha, França e Estados Unidos. JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 120; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO; www.galeriamaradolzan.com.br.



107 - MARLÔ (1952)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 9,5 x 12 cm - canto inferior esquerdo - 1982 -

Pintora natural de Ilhéus/BA, iniciou sua carreira em 1974, expondo coletivamente em diversas galerias, entre elas Galeria Cravo-Canela - São Paulo e Galeria Jacques Ardies - São Paulo.



108 - J. CARLOS (1884 - 1950)
Lance Livre - VENDIDO

Cantores - desenho a nanquim - 24 x 20 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



109 - BIN KONDO (1937)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela colada em eucatex - 54 x 64 cm - canto inferior esquerdo - 1987 -

Pintor e desenhista chinês. Realizou sua formação artística no Japão, residindo em São Paulo desde 1960. Diversas exposições individuais e coletivas. Várias premiações.PONTUAL, pág. 292; MEC, vol.2, pág. 411; JÚLIO LOUZADA, vol. 9, pág. 453; WALTER ZANINI, pág. 697, Acervo FIEO.



110 - OSCAR PEREIRA DA SILVA (1867 - 1939)
Base: R$ 5.000,00 - VENDIDO

Trabalhador - óleo sobre tela - 21,5 x 15 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, decorador, desenhista, professor, Oscar Pereira da Silva nasceu em São Fidélis, RJ e faleceu em São Paulo. Estudou na Academia Imperial de Belas Artes (1882-1887), foi aluno de Zeferino da Costa, Victor Meirelles, Chaves Pinheiro e José Maria de Medeiros. Em 1887, tornou-se ajudante de Zeferino da Costa na decoração da Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro. Conquistou o último prêmio de viagem ao exterior concedido pelo imperador dom Pedro II, transferindo-se para Paris (1889) onde estudou com Léon Bonnat e Jean-Léon Gérôme. No período em que permaneceu na França, produziu diversos estudos e telas. Retornou ao Brasil em 1896. No Rio de Janeiro, realizou uma exposição individual no salão da Escola Nacional de Belas Artes , onde foram apresentados os trabalhos feitos na Europa. No mesmo ano, transferiu-se para São Paulo. Lecionou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, no Ginásio do Estado e ministrou aulas particulares em seu ateliê. Em 1897, fundou o Núcleo Artístico, que, mais tarde, se transformou na Escola de Belas Artes, onde deu aulas. Trabalhou na decoração do Teatro Municipal de São Paulo (entre 1903 e 1911) elaborando três murais: 'O Teatro na Grécia Antiga', 'A Dança' e 'A Música'. Realizou pinturas para Igreja de Santa Cecília (entre 1907 e 1917). Como pensionista do Governo do Estado de São Paulo, viajou a Paris em 1925. QUIRINO CAMPOFIORITO, IN CAMPOFIORITO, QUIRINO. HISTÓRIA DA PINTURA BRASILEIRA NO SÉCULO XIX. ED.PINAKOTHEKE-SP, 1983. PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL VOL. 1, PÁG. 245; TEODORO BRAGA PÁG. 177; LAUDELINO FREIRE PÁG. 383; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 185; MEC VOL. 4, PÁG.277; PONTUAL PÁG. 419; TEIXEIRA LEITE PÁG. 402; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 437; ARTE NO BRASIL PÁG. 553, ACERVO FIEO; F. ACQUARONE PÁG. 187, RUTH TARASANTCHI; www.artprice.com; www.pinacoteca.org.br; www.dezenovevinte.net.



111 - DAREL VALENÇA LINS (1924 - 2017)
Lance Livre - VENDIDO

"Mulher 1ª" - litografia - 7/100 - 42 x 56 cm - canto inferior direito - 1982 -
No estado.

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



112 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Mulheres - escultura em metal - 25 x 15 x 15 cm - não assinado -
No estado.



113 - CARMELO GENTIL (1955)
Lance Livre - VENDIDO

Lago - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, Carmelo Gentil Filho nasceu em São Caetano do Sul, SP. Iniciou-se em desenho e pintura na Fundação das Artes de São Caetano do Sul, tendo seguido cursos com Marcos Galli Fiorilo e com Antonio Euclides Rios. Realizou exposições individuais em: Piracicaba, SP (1989); Santo André, SP (1989, 2004, 2012); São Paulo (2002, 2003, 2005, 2012). Participou de muitos Salões, mostras oficiais e recebeu vários prêmios, entre os quais: Medalha de Ouro - LX Salão de Belas Artes de Piracicaba, SP - 2012; Prêmio Aquisitivo - XVIII SABBART (Salão Brasileiro de Belas Artes de Ribeirão Preto, SP) - 2009; Medalha de Ouro - Primeiro Salão de Belas Artes de São Paulo, SP - 2007; Grande Medalha de Prata - LIII Salão Paulista de Belas Artes de São Paulo, SP - 2002. ITAU CULTURAL; JULIO LOUSADA VOL. 13, PÁG. 146; http://cgentil.com.br.



114 - DANILO DI PRETE (1911 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre cartão colado em madeira - 17 x 12,5 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Antonio de Souza Naves Filho - Campinas - SP.

Pintor, artista visual, ilustrador e cartazista nascido em Pisa, Itália. Autodidata, iniciou sua carreira aos vinte anos na Itália. Integrou na Segunda Guerra Mundial o grupo de 'Artistas Italianos em Armas' e, com eles, ilustrou episódios da guerra na Albânia, Grécia e Iugoslávia, sendo premiado em: Caselli (1932), Livorno (1933), Viareggio (1938), Florença (1939), Cremona e Nápoles (1943). Chegou ao Brasil em 1946, fixou-se em São Paulo dedicando-se à atividade publicitária e, como cartazista, representou o Brasil e foi premiado em várias mostras internacionais de propaganda. Participou da Quadrienal de Roma (1943), Salão de Maio, Paris (1952); XXVI e XXX Bienal de Veneza (1952 e 1960); Bienal Internacional de São Paulo (1951 a 1967 - nelas recebendo o prêmio de Melhor Pintor Nacional em 1951 e 1965 e salas especiais de seus trabalhos em 1961 e 1967); Bienal Americana de Arte, Córdoba – Argentina (1962); entre outras mostras no Brasil e exterior com mais prêmios. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.333; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 163; PONTUAL, PÁG. 179; MEC VOL. 2, PÁG. 57; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 647; ARTE NO BRASIL, PÁG. 898; LEONOR AMARANTE, PÁG. 13; www.pinturabrasileira.com; www.pinacoteca.org.br; www.moma.org; www.artprice.com; www.arcadja.com; www.artnet.com.



115 - DIMITRI ISMAILOVITCH (1898 - 1976)
Base: R$ 2.700,00 - Aguardando oferta

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 27 x 35 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor russo, estudou em 1918 e 1919 na Academia de Belas Artes da Ucrânia, e em 1927 radicou-se no Rio de Janeiro, tendo participado de diversas exposições individuais e salões oficiais. Pintor de natureza morta, paisagem e retratos. TEODORO BRAGA, pág. 123; REIS JUNIOR, pág. 379; PONTUAL, pág. 274; MEC, vol. 2, pág. 367; ITAÚ CULTURAL.



116 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Vênus e pássaro - serigrafia - 8/25 - 22,5 x 28,5 cm - canto inferior direito - 1967 -

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



117 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

"Vista do sítio" - óleo sobre eucatex - 19 x 50 cm - canto inferior direito e dorso ilegível - 1995 -



118 - CARLOS PRADO (1908 - 1992)
Lance Livre - VENDIDO

Procissão - desenho a nanquim - 20 x 23 cm - canto inferior esquerdo - 1940 -

Arquiteto, pintor, gravador e ceramista paulistano. Recebeu menção honrosa no SPBA de 1935, participando também na I e II BSP e na exposição de Arte Moderna no Brasil, realizada em Buenos Aires, Rosário, Santiago do Chile e Valparaíso, em 1957. No dizer de TEIXEIRA LEITE, em sua obra A Gravura Brasileira Contemporânea, Carlos Prado utilizava por vezes a gravura como meio expressivo, subordinando-a, porém, a interesses maiores. TEIXEIRA LEITE, pág. 421; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 254. PONTUAL, pág. 438; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582; ARTE NO BRASIL, pág. 781. Acervo FIEO.



119 - SANDRO JOSÉ DA SILVA (1965)
Lance Livre - VENDIDO

"Natureza morta" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2012 -

Pintor autodidata natural de Pernambuco. Cresceu no Rio de Janeiro. Passou a se dedicar profissionalmente à arte a partir dos dezoito anos. Em 1998 mudou-se para Iguaba Grande, Região dos Lagos. Tem participado de várias mostras e Salões oficiais como: ‘Medial 1ª Art Biennial’, Londres (2005 – Prêmio); UNAP, SP (Prêmio); ‘XIII Circuito Internacional de Arte Brasileira’, Polônia – Alemanha - Áustria (2008); ‘International Contemporary Art IV’ (2011), no Museu das Américas – Flórida, EUA e em Santa Fé, Argentina; ‘International Art Fair’ (2012) em Buenos Aires, Argentina.



120 - JACQUES DOUCHEZ (1921 - 2012)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela - 54 x 81 cm - canto inferior direito - 1956 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, tapeceiro e professor nascido em Mâcon, França e falecido em São Paulo. Começa sua aprendizagem em pintura ainda na França. Chegando ao Brasil em 1947, aperfeiçoa sua técnica com Caetano de Gennaro. Posteriormente, integra o grupo Atelier-Abstração onde recebe orientação de Flexor. Em 1957, Douchez e seu amigo Norberto Nicola, também aluno de Flexor, cria o Atelier Douchez-Nicola. Exposições individuais: São Paulo, SP (1959, 1963, 1975, 1979, 1984, 1989, 2003); Rio de Janeiro, RJ (1963,1968); Lima, Peru (1965); Washington, EUA (1976); Santos, SP (1977,2003); Campos do Jordão, SP (1981); Curitiba, PR (1982); Campinas, SP (1984); Jundiaí, SP (1987). Exposições coletivas: São Paulo, SP (1953 a 1959 - Bienais de São Paulo, 1961 a 1965,1967 a 1980,1982 a 1988, 1994, 1996, 1998 a 2000); Japão (1955,1970); EUA (1958,1971,1977); França (1958,1975); Belo Horizonte, MG (1961, 1970, 1974,1977); Curitiba, PR (1961); Rio de Janeiro, RJ (1961 a 1963, 1966,1967,1970,1977,1978,1983, 1999); Campinas,SP (1962,1996); Peru (1962,1965,1967); Uruguai (1963); Inglaterra (1965); Chile (1965,1980); México (1966,1970); Áustria (1966); Holanda (1968); Brasília, DF (1969,1973,1977); Alemanha (1970, 1980); Argentina (1975,1977,1978); Portugal (1975,1980); Suíça (1975); Porto Alegre, RS (1981,1985); Penápolis, SP (1982); São Caetano do Sul, SP (1986); Itapecerica da Serra, SP (1988). Prêmios: São Paulo, SP(1953 e 1971- Bienais de São Paulo;1976). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA,vol.1,pág.341 e vol.2, pág.359.



121 - GUILHERME DE FARIA (1942)
Lance Livre - VENDIDO

"Pausa" - litografia - 3/40 - 100 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, desenhista e poeta, Guilherme Caiuby de Faria nasceu em São Paulo. Teve formação autodidata. Iniciou carreira artística em 1962, dedicando-se à produção de desenhos, gravuras e pinturas. Realizou viagem ao interior da Bahia e de Pernambuco, entrando em contato com artistas populares (por volta de 1970). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1964, 1966, 1967, 1971, 1974, 1984, 1996, 1997, 2010); Toronto, Canadá (1975); Assunção, Paraguai (1976); Porto Alegre, RS (1978); Ribeirão Preto, SP (1980); Marília, SP (1980); Munique, Alemanha (1983); Quito, Equador (1986); Penápolis, SP (1987); entre outras. Participou de mostras coletivas e oficiais como: I Exposição do Jovem Desenho Nacional, MAC – SP (1965); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1971, 1974, 1977, 1980); Bienal Internacional de São Paulo (1967); I Bienal Latino-Americana, SP (1978); "25 Contemporary Brazilian Artists", Tóquio – Japão (1979); Bienal Internacional de Artes Gráficas, Liubliana – Eslovênia (1989). A partir de 2001 passou a compor cordéis de cunho sertanejo, publicando-os em folhetos ilustrados com xilogravuras de sua autoria. Iniciou carreira de cordelista e declamador em São Paulo, dedicando-se também à divulgação de contos e poemas atribuídos à escritora Alma Welt. MEC VOL.2, PÁG. 142; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 371; VOL. 13, PÁG. 126; PONTUAL PÁG. 202; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; biografias.netsaber.com.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



122 - RENATO SOTTOMAYOR (1921 - 1958)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - desenho a nanquim e aquarela - 30 x 23 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, ilustrador e decorador nascido no Rio de Janeiro onde estuda na Escola Nacional de Belas Artes. Faleceu em Santos, SP. Em 1950, transfere-se para São Paulo e passa a lecionar no MAM. Também estuda com André Lhote e Gino Severini, em Paris. Como decorador, colaborou com o arquiteto Sérgio Bernardes e também se destacou como ilustrador de obras literárias. Exposição individual em Roma (1952). Participou, em São Paulo, da 1ª Bienal e do Salão de Arte Moderna (1951); em Paris (1956) da exposição do Museu de Arte Moderna. MEC, VOL. 4, PÁG. 310; PONTUAL, PÁG. 500; JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 306.



123 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)
Lance Livre - VENDIDO

Mulata - desenho a lápis - 21 x 13,5 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



124 - REINALDO MANZKE (1906 - 1980)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - guache - 27 x 19 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, nascido e falecido em Blumenau, SC. Participou regularmente do Salão Paulista de Belas Artes, recebendo premiações diversas. JULIO LOUZADA, vol 9, pág, 529. MEC, VOL, 3,pág, 65. PONTUAL,pág,335; TEODORO BRAGA; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



125 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

Peixes - têmpera sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -
Com carimbo da Galeria Varanda, Rua Xavier da Silveira, 59 - Rio de Janeiro, RJ - no dorso. No estado.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



126 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)
Lance Livre - VENDIDO

Emblema - serigrafia - 38/70 - 51 x 34 cm - canto inferior direito - 1988 - São Paulo -

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



127 - JOSÉ MORAES (1921 - 2003)
Lance Livre - VENDIDO

"Fragmentos" - acrílico sobre tela colada em eucatex - 40 x 30 cm - centro inferior e dorso - 1987 - São Paulo -
Com etiqueta da 6ª Seleção de Artistas Contemporâneos, realizada pela Sociarte em 1987, no Clube Atlético Monte Líbano. Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP.

Pintor, gravador, desenhista, escultor, ilustrador e professor, José Machado de Morais nasceu no Rio de Janeiro e faleceu em São Paulo. Assina José Moraes. Formou-se em pintura pela Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1941). Paralelamente aos estudos universitários, teve aulas de pintura com Quirino Campofiorito. Tornou-se assistente de Candido Portinari, em Brodosqui (1942) e trabalhou com o mesmo na execução do painel da capela de São Francisco de Assis, de Oscar Niemeyer, em Belo Horizonte (1945). Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1945, 1947, 1966, 1968, 1969, 1970); São Paulo (1962, 1965, 1967, 1970, 1979 – MAM, SP, 1982, 1983, 1984, 1986); Bagé, RS (1946, 1979); Pelotas, RS (1946); Porto Aiegre, RS (1948, 1980, 1988, 1992, 1995); Uberlândia, MG (1952, 1972, 1977, 1978, 1987); Belo Horizonte, MG (1964); Campinas, SP (1974); Cataguases, MG (1981); Goiânia, GO (1987); Brasília, DF (1989, 1995). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil como: Panorama da Arte Brasileira – MAM, São Paulo (1969, 1970, 1971, 1973, 1976, 1977) e no exterior. Foi premiado, nos anos de 1940, em quatro edições do Salão Nacional de Belas Artes – RJ. Com o prêmio Viagem ao Exterior recebido na 55ª edição (1949), viajou para Itália onde permaneceu estudando pintura mural (1950 a 1951). De volta ao Rio de Janeiro, dedicou-se à execução de mosaicos e afrescos até 1958, quando se mudou para São Paulo. Tornou-se professor na FAAP (1967). Aperfeiçoou-se em serigrafia (1971) com Michel Caza, em Paris, para onde retornou em outras três ocasiões, com a mesma finalidade. Fez também estágios em litografia com Michel Potier, na "École de Beaux-Arts", Paris, e com Eugène Shenker, no "Centre de Gravure Contemporaine", Genebra. MEC VOL. 3, PÁG. 196; Pontual pág. 369; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 646; VOL. 2, PÁG. 689; VOL. 5, PÁG. 706; VOL. 6, PÁG. 748; VOL. 8, PÁG. 586; VOL. 12, PÁG. 278; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 602, ACERVO FIEO.



128 - CHARLES THÉODORE PERRON (1862 - 1934)
Lance Livre - VENDIDO

Camponesa - escultura em metal - 44 x 15 x 10 cm - assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Escultor francês nascido em Paris. Foi aluno de Falguière, Roy e Hiolin. Tornou-se membro do "Salon des Artistes Français" em 1896. Participou de Salões oficiais e foi premiado com: Menção Honrosa em 1896, Medalha de Terceiro lugar em 1897, Medalha de Segundo lugar em 1899, Menção Honrosa em 1900 na Exposição Universal, Medalha de Primeiro lugar em 1910. BENEZIT; www.artprice.com.



129 - GASTÃO FORMENTI (1894 - 1974)
Lance Livre - VENDIDO

Parque - óleo sobre madeira - 26 x 34 cm - canto inferior esquerdo - 1953 - Rio de Janeiro -
Com as seguintes etiquetas no dorso: "A Galeria" Rua Haddock Lobo, 1111 - São Paulo - SP" e "Maison Des Arts", Rua Voluntários da Pátria, 455 - Rio de Janeiro - RJ, no dorso.

Pintor nascido em Guaratinguetá-SP. Após iniciar-se em arte com Pedro Strina, em São Paulo, foi residir no Rio de Janeiro, onde, com seu pai, dedicou-se à execução de vitrais. Recebeu medalhas de bronze e de prata no SNBA, do qual ainda participava em 1961. TEODORO BRAGA, pág. 98; WALMIR AYALA vol.1, pág.317; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



130 - GUSTAVO DALL'ARA (1865 - 1923)
Lance Livre - VENDIDO

Carga de cavalaria - aquarela - 31 x 49 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão. No estado.

Pintor, ilustrador, decorador e caricaturista italiano, Gustavo Giovanni Dall'Ara nasceu em Rovigo, Itália e faleceu em Vargem Alegre, RJ. Realizou sua formação artística na Academia de Belas Artes de Veneza estudando com Villa, Franco Dall'Andrea e Deslandes; trabalhou como desenhista e caricaturista do periódico "Sior Tonin Bonagrazi" (1889). Por volta de 1889, veio radicar-se no Rio de Janeiro, como convidado para ilustrar um dos jornais cariocas da época – "Vida Fluminense" e também por motivos de saúde. Integrou a comissão de estudo (entre 1893 e 1895) dirigida pelo engenheiro Aarão Reis, encarregada pelo governo da província de Minas Gerais de planejar e construir a nova capital da província, em Arraial do Curral d´El Rei, atual Belo Horizonte. Realizou (1904) pinturas decorativas em uma das salas da Vila Itararé, em Petrópolis, Rio de Janeiro. Expôs na "Esposizione Nationali di Venezia", Veneza – Itália (1887); Exposição Geral de Belas Artes, RJ (1901 a 1907, 1909, 1910, 1913, 1914, 1916, 1918) onde foi premiado com Medalha de Prata em duas edições. O historiador Laudelino Freire dedicou um fascículo à sua biografia na obra "Galeria Histórica dos Pintores", trazendo informações em sua maior parte relatadas pelo próprio artista. Foi publicado o livro "Gustavo Dall´Ara" de autoria de Ronaldo do Valle Simões, Sandra Quintella e Umberto Cosentino, pela editora Winston (1986). MEC VOL. 2, PÁG. 14; REIS JR. PÁG. 270; PONTUAL PÁG. 157; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 234; CATÁLOGO DA EXP. DE PAISAGEM BRASILEIRA - MIN. DA EDUC. E SAÚDE - MNBA/RIO/1944; LAUDELINO FREIRE PÁG. 388; TEODORO BRAGA PÁG. 78; TEIXEIRA LEITE PÁG. 144; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL PÁG. 839; www.artprice.com.



131 - FANG (1931 - 2012)
Lance Livre - VENDIDO

Gatos - serigrafia - 32/50 - 22 x 49 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Chien Kong Fang, ou simplesmente Fang, nasceu na cidade de Tung Cheng, China e faleceu em São Paulo. Estudou sumiê e aquarela na China em 1945. Veio morar em São Paulo com a família em 1951, naturalizando-se brasileiro em 1971. Entre 1954 e 1956, estudou pintura com Yoshiya Takaoka em São Paulo. Viajou, em 1977, para a América do Norte, Europa e Ásia, onde desenvolveu o seu trabalho de pintura. Em 1981, foi realizado o curta metragem biográfico ‘O Caminho de Fang’, em São Paulo. Visitou a China, convidado pelo governo chinês, em 1985. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1959, 1961, 1962, 1978, 1981, 1993, 2005); Salvador, BA (1962); Rio de Janeiro (1978, 1986); Schleswing, Alemanha (1985); Lugana, EUA (1990); Americana, SP (1994); Formosa, Taiwan (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1957) e em São Paulo (1960 a 1962, 1967 a 1969, 1978, 1979, 1991). Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1978). MEC, VOL. 2, PÁG. 124; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 366; VOL. 6, PÁG. 378; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 189; PONTUAL, PÁG. 201; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; www.fang.com.br; www.artprice.com.



132 - CESAR LACANNA (1901 - 1983)
Lance Livre - VENDIDO

Quintal - óleo sobre cartão - 39 x 31,5 cm - canto inferior direito - 1940 -
Com etiqueta de "A Galeria" Rua Haddock Lobo, 1111 São Paulo - SP. Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP.

Pintor, escultor e ceramista paulista, estudou com Elpons e Barchitta. Como pintor, trabalhou a paisagem, a natureza-morta, nus e retratos, numa atmosfera realista, evocativa de Daumier. TEODORO BRAGA, pág.136; MEC vol.2, pág. 435; WALMIR AYALA, vol.1, pág.453; PONTUAL, pág.297; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 623.



133 - VINCENZO CENCIN (1925 - 2010)
Lance Livre - VENDIDO

"Marinha" - óleo sobre tela colada em placa - 17 x 17 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade do Autor, datado de 20 de agosto de 2007.

Pintor e engenheiro nascido em Veneza, Itália e falecido em São Paulo. Formou-se engenheiro eletromecânico na Itália. Iniciou-se na pintura sob a orientação de Francescchini (1941) na cidade de Tolmezzo. Durante a Segunda Guerra Mundial enfrentou os fascistas e foi preso por alemães, ficando um ano e meio em um campo de concentração. Terminada a guerra emigrou para o Brasil, fixando residência em São Paulo (1949). Nos anos de 1950, 1960 e 1970, sem abandonar a pintura, trabalhou como engenheiro eletrônico numa indústria de eletrodomésticos de São Paulo. Em 1980 aposentou-se para dedicar-se somente à pintura, montando em 1981 a Galeria Velha Europa. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1981, 1982, 1992); Fortaleza, CE (1986); Rio de Janeiro (1986, 1987, 1988); Blumenau, SC (1990). Participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais, recebendo alguns prêmios. Em 1992 realizou-se exposição comemorativa dos 50 anos de sua pintura em São Paulo. JULIO LOUZADA, VOL.2, PÁG. 262; VOL. 6, PÁG. 239; ITAU CULTURAL; portalartes.com.br; oscardambrosio.com.br; www.artprice.com.



134 - HENRIQUE PIZZI (1917)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre eucatex - 34,5 x 24,5 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor e desenhista natural da cidade de Santos-SP, onde reside e é ativo. Tem realizado destacadas apresentações em sua cidade natal e na Capital. Expondo desde o início dos anos 50, o artista tem participado de inúmeros Salões importantes, com premiações no Salão Paulista de Belas Artes nos anos de 1972, 1973, 1976 e 1977, dentre outras. JULIO LOUZADA, vol 01 - pág 774



135 - ÉLON BRASIL (1957)
Lance Livre - VENDIDO

"O guerreiro iniciado" - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto superior esquerdo e dorso - 2017 - São Paulo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



136 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Na tourada - serigrafia - 38 x 36 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



137 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 59 x 70 cm - canto inferior direito -
V. Glamañ.



138 - GUIMA (1927 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 19 x 24 cm - canto inferior direito e dorso - 1979 -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e poeta paulista, Luís de Souza Guimarães nasceu em Taubaté, SP e faleceu em São Paulo. Assina Guima. Residiu por trinta anos no Rio de Janeiro onde estudou na antiga Escola do Povo (1950) cursando gravura com Carlos Werneck (1950- 1951); recebeu orientações de pintura com Inimá de Paula, Darwin da Silva e Luciano Maurício; fez o curso de Desenho Estrutural e Composição com Santa Rosa no MAM e outros cursos de desenho. Voltou para São Paulo (1958), aprendeu xilogravura com Marcelo Grassmann e litografia com Darel na FAAP. Realizou exposição individual em Taubaté – SP, São Paulo, Teresópolis - RJ, Espírito Santo, Rio de Janeiro (1963, 1965, 1966, 1967, 1970). Participou de inúmeras mostras e Salões oficiais como: I Bienal do Estado do Rio de Janeiro (1956); Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1958 a 1970); I Bienal Nacional de Artes Plásticas da Bahia, Salvador – BA (1968). Também em Praga, República Checa; coletiva itinerante pela América do Sul; Barcelona, Espanha; Roma, Itália; Connecticut, EUA. Recebeu prêmios no Rio de Janeiro, Londrina – PR, Niterói – RJ, Petrópolis – RJ, Taubaté – SP, Brasília – DF. MEC VOL. 2, PÁG. 306; PONTUAL PÁG.257; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁGS. 377; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 455; ITAU CULTURAL. .



139 - FRANCISCO COCULILO (1895 - 1978)
Lance Livre - VENDIDO

Marinha - óleo sobre tela colada em cartão - 28 x 38,5 cm - canto inferior direito - Rio de Janeiro -

Paisagista nascido no Rio de Janeiro, aluno de Luiz Graner. Realizou exposições individuais em várias cidades brasileiras. Catálogo de Exp. de Paisagem Brasileira - MEC-MNBA/Rio/1944; MEC, vol. 1, pág. 40; TEODORO BRAGA, pág. 73; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 208; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74; Acervo FIEO.



140 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)
Lance Livre - VENDIDO

"Composição abstrata" - acrílico sobre cartão - 70 x 100 cm - canto inferior direito - 1989 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Declaração de Autenticidade de Burle & Carneiro - Galeria de Arte, Rua Visconde de Pirajá, 82 - SS112 - Ipanema - RJ, datada de 07 de agosto de 2002.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



141 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Gato - serigrafia - 38/100 - 43 x 49 cm - não assinado -
Tiragem póstuma editada pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



142 - MASSAO OKINAKA (1913 - 2000)
Lance Livre - VENDIDO

"Angra dos Reis" - óleo sobre tela - 61 x 50 cm - canto inferior direito e dorso -
Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP.

Pintor, desenhista, professor e grande mestre do sumiê. Era natural de Kyoto, Japão, onde iniciou os seus estudos artísticos na Escola de Belas Artes. Estudou com Yamamoto Shunkyo na Escola Sanae; Pintura Ocidental na Kansai Bijitsu In; com Onishi Kakyo, Kuroda Jyutaro e Nahara Kenzo. Veio para o Brasil e fixou residência em Lins, SP (1932). Mudou-se para São Paulo (1940). Sete anos depois, casou-se com Alina Rei Takaishi, também pintora. Integrou-se à Associação dos Artistas Internacionais da UNESCO, Grupo Seibi, Grupo do Jacaré; Grupo Quinze e Grupo Guanabara. Formou o Grupo Ypê de sumiê e foi o criador do curso dessa técnica na Aliança Cultural Brasil-Japão. Lecionou na FAAP, na USP e na Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa (Bunkyo). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1958, 1967 a 1970, 1972, 1993 – exposição retrospectiva na Pinacoteca); Curitiba, PR (1972); Kobe, Japão (1976). Participou da I Bienal Internacional de São Paulo e de muitos outros Salões oficiais. Foi premiado no Salão Paulista de Belas Artes (1949, 1956, 1960); no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1951); Exposições do Grupo Seibi (1952, 1958, 1960), entre outros. MEC VOL. 3, PÁG. 293; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 739; VOL. 3, PÁG. 819; VOL. 4, PÁG. 821; VOL.8, PÁG. 620; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; madeinjapan.com.br; pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



143 - CLEMÊNCIA PEREIRA DE SOUSA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Moringa - escultura em terracota policromada - 42 x 37 x 21 cm - assinado -

Escultora com participações em mostras e feiras de arte popular.



144 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)
Lance Livre - VENDIDO

No circo - técnica mista sobre papel - 29 x 20 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



145 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)
Lance Livre - VENDIDO

Anjo - guache - 34 x 30,5 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



146 - RENINA KATZ (1925)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - litografia - 27/100 - 37 x 27 cm - canto inferior direito -

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



147 - EDOARDO DE MARTINO (1838 - 1912)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - aquarela - 14 x 22,5 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Pintor especializado em marinhas e cenas navais. Suas belas telas, cuja precisão de detalhes e harmonia de concepção logo agradaram, e o colocaram em excelente posição junto ao Governo Imperial, ainda mais que contava com a amizade dos Almirantes Barroso e Tamandaré, que conhecera na sua viagem da Europa para Montevidéu, de passagem pelo Recife e Rio de Janeiro. Foi designado pintor oficial, a fim de fixar e retratar para a posteridade cenas e episódios da Guerra do Paraguai. BENEZIT, vol. 7, pág. 225; LAUDELINO FREIRE, págs. 135, 141, 154 e 503; TEODORO BRAGA, pág. 81; REIS JR, pág. 132; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 245; ARTE NO BRASIL, pág. 533.



148 - MARGHERITA CAFFI (1647 - 1710)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 70 x 99 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora e desenhista italiana nascida em Cremona e falecida em Milão. Suas obras têm sido comercializadas em leilões e participado de exposições coletivas como na "Uffizi Galleries, The Uffizi", Itália; em Munique, Alemanha (2003) no Kunsthalle der Hypo-Kulturstiftung intitulada "Still World: Três séculos de pintura de natureza-morta italiana" (Stille Welt: Italienische Stilleben aus Drei Jahrhunderten); entre outras. BENEZIT; www.artprice.com; www.mutualart.com.



149 - OSWALDO LOBO (1940 - 1977)
Lance Livre - VENDIDO

"Recanto" - óleo sobre eucatex - 24 x 35 cm - canto inferior direito - 1977 - Florianópolis -

Nasceu e faleceu em Campinas, SP, (12/10/1940 - 2/7/1977). Estudou com Aldo Cardarelli. Segundo Samyra B. Serpa Crespo, o autor... "Descoberto por conhecido colecionador, recebeu deste integral apoio, dedicando-se, a partir de então, inteiramente à pintura. Foi artista de grande qualidade e recursos, com técnica bem pessoal, segura, forte e amadurecida. Seu tema principal eram as paisagens que, com pinceladas fortes e pastosas, em grossas camadas, refletiam a facilidade com que dominava o pincel (...). " JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 586; ITAU CULTURAL



150 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)
Base: R$ 11.000,00 - Aguardando oferta

"Mulata de Rosa" - guache, carvão e pastel sobre cartão - 23 x 35 cm - canto inferior direito e dorso - 1952 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Procedente da coleção do Sr. Caio Ribeiro, São Paulo - SP. Com etiqueta firmada pelo autor, no dorso.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



151 - HERTON ROITMAN (1943)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia em técnica mista - 27/40 - 50 x 71 cm - canto inferior direito - 2001 -

Nascido em Porto Alegre, RS, no dia 28 de junho de 1943. Residindo em São Paulo, formou-se pela ECA-USP. Com parte de sua vida artística voltada para o teatro e elaboração de figurinos, fez diversos cursos ligados a esta arte, onde também lecionou. Participa de exposições a partir de 1966, apresentando a mostra Máscaras, na Galeria Guignard, de BH-MG. ganhando diversos prêmios, tais como os de Melhor Figurinista do Ano, nos anos de 1964, 65, 66, 67, o de Melhor Cenógrafo, 1967, Revelação Desenho, 1967, e o de Melhor Figurinista Brasileiro, medalha de outro, XII Bienal Internacional, SP. RGS, pág. 251.



152 - PÍNDARO MARTINS CASTELO BRANCO (1930)
Lance Livre - VENDIDO

Vaso de flores - óleo sobre tela colada em eucatex - 51 x 32 cm - canto inferior direito -

Pintor, professor, ilustrador e cartazista, natural de Floriano-PI. Estudou na antiga ENBA-RJ, onde foi aluno de Henrique Cavalleiro. Expõe individualmente desde 1966 e coletivamente desde 1960, em certames oficiais de importância, recebendo premiações. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 246; ITAÚ CULTURAL.



153 - KILIM
Lance Livre - VENDIDO


Feito a mão, de lã, medindo 1,06 x 0,87 m = 0,92 m². Com Certificado de Taurisano Tapetes Orientais, datado de 01 de fevereiro de 1995, Rio de Janeiro - RJ. No estado.



154 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

"Sítio do Zé Reis" - óleo sobre eucatex - 25 x 35 cm - canto inferior direito - 1974 - Guarulhos - SP -

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



155 - ANTONIO ROCCO (1880 - 1944)
Base: R$ 2.500,00 - Aguardando oferta

Em repouso - óleo sobre tela - 48 x 84 cm - canto inferior esquerdo - 1935 -

Pintor italiano, natural de Amalfi. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Nápoles. No Brasil, fixou-se em São Paulo. Participou do SNBA e no SPBA de 1933, recebendo importantes premiações. A PINACOTECA - SP possui obras de sua autoria. TEODORO BRAGA; JULIO LOUZADA, vol 13 pág. 286; ITAÚ CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



156 - RUBENS GERCHMAN (1942 - 2008)
Lance Livre - VENDIDO

No carro - serigrafia - 8/50 - 70 x 100 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



157 - ANTONIO PESSOA (1943)
Lance Livre - VENDIDO

Figura e monumento - múltiplo em bronze -
Lote composto por dois múltiplos, medidas: 1ª) 17 x 04 x 03 cm. - não assinada. 2ª) 19 x 03 x 0,5 cm. - assinada.

Escultor, assina Tonny. Radicado no Rio de Janeiro detentor de bom curriculo nacional e internacional com inumeras participações em Salões Oficiais,varias vezes premiado. Ótimo mercado.



158 - INGRES SPELTRI (1940)
Lance Livre - VENDIDO

"Alagados" - óleo sobre madeira - 52 x 179 cm - canto inferior direito e dorso - 08/1999 -
(Atenção clientes que não residem em São Paulo: transporte especial devido ao tamanho. Consulte-nos antes de dar seu lance) .

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



159 - MENASE VAIDERGORN (1927)
Lance Livre - VENDIDO

"Florista" - óleo sobre tela - 26 x 35 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



160 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)
Lance Livre - VENDIDO

Casario - óleo sobre tela - 46 x 36 cm - canto inferior direito - 1972 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



161 - INOS CORRADIN (1929)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - serigrafia - P.A. - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



162 - INOS CORRADIN (1929)
Lance Livre - VENDIDO

"Equilibrista" - escultura em terracota - 33 x 28 x 16,5 cm - assinado - 2019 -
Com Certificado de Autenticidade firmado pelo Autor.

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



163 - ZECHETTO (1927)
Lance Livre - VENDIDO

Homem - óleo sobre eucatex - 25,5 x 20 cm - canto inferior direito - 1980 -
No estado.

José Lino ZECHETTO nasceu em Birigui, SP, em 2 de janeiro de 1927. Sobre este sensível pintor, assim escreveu Theodoro Meireles, em artigo publicado n'O Estado de São Paulo, edição de 18/5/1980: " Observação, pensamento, trabalho marcam a sua carreira, transparecem na sua pintura que vem de longo tempo crescendo aparentemente tranquila, escondendo às vezes, o quanto de inquietação artística, de observação constantee apaixonada e até mesmo sofrida, se concentra em apenas uma tela." O autor expõe coletivamente desde 1966, com diversas premiações, constando em coleções particulares do Brasil e do Exterior. MEC, vol 4, pág. 531; JULIO LOUZADA vol.10, pág. 960, Acervo FIEO.



164 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

"Moscou 1985" - técnica mista sobre papel - 29 x 40,5 cm - não assinado -
No estado.



165 - ELMO DIDIER (1936)
Lance Livre - VENDIDO

"Raízes II" - óleo sobre tela - 90 x 110 cm - canto inferior direito e dorso - 1987 -
No estado.

Pintor e ilustrador mineiro de Araguari. Iniciou-se na ilustração de revistas e nas esculturas em areia, tendo participado do Grupo da Litográfica Ipiranga. Frequentou a Escola Paulista de Belas Artes. Sobre o artista e obra, assim escreveu seu incentivador Fernando C. Lemos: "... é absolutamente autodidata, extremamente curioso, observador, captando e conseguindo executar as mais difíceis tarefas de ordem técnica, chegando mesmo a resultados surpreendentes no trato do óleo em particular. Sua obra tende para o surreal, dentro de um acabamento impecável". JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 350; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



166 - HENRIQUE CAVALLEIRO (1892 - 1975)
Lance Livre - VENDIDO

Nu - técnica mista sobre papel - 30 x 21,5 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista e professor. Foi aluno de Eliseu Visconti, tendo recebido em 1918 o prêmio de viagem à Europa. Participou de diversos salões e exposições. REIS JR., pág. 375; TEODORO BRAGA, pág. 117; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 2, pág. 45 e 275; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 187 e 190; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 446; ARTE NO BRASIL, pág. 556; Acervo FIEO.



167 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - pastel - 18 x 27 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



168 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - desenho a nanquim - 14 x 20 cm - canto inferior direito -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



169 - IVAN SERPA (1923 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista sobre papel - 23,5 x 33 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



170 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)
Lance Livre - VENDIDO

"Vaso de flores" - óleo sobre tela - 59 x 45 cm - centro inferior e dorso - 1957 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Laudo de Autenticidade da Fundação Guignard, datado de 23 de abril de 2019.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



171 - ANTONIO PICCINNI (1846 - 1920)
Lance Livre - VENDIDO

Figura - gravura - 20 x 14 cm - não assinado -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador italiano nascido em Trani, Apulia e falecido em Roma. Iniciou seus estudos artísticos com Quercia em sua cidade natal. Em 1863, estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles, tendo como mestres Biagio Molinato, Tommaso Aloysio Juvara e Domenico Morelli. Dois anos depois, ganhou bolsa e pensão para estudar pintura, oferecida pela Província de Bari. Como oficial do Ministério da Marinha Italiana, executou os relevos das costas italianas, africana, asiática e americana. Em meados de 1896, veio para o Brasil e viveu no Rio de Janeiro até meados de 1905. Participou da Exposição Geral de Belas Artes, RJ (1895, 1905 - Medalha de Ouro) e da exposição 'Pintores Italianos no Brasil' no MAM, SP (1982). BENEZIT; ITAU CULTURAL; www.artic.edu; www.artprice.com.



172 - MARIO ZANINI (1907 - 1971)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - aquarela e guache - 29 x 18 cm - canto inferior direito -

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



173 - GABRIELE DESTEFANO (1936)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - técnica mista sobre tela - 70 x 100 cm - não assinado -
Com etiqueta da Galeria de Arte Ipanema, Rio de Janeiro - RJ, no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, escultor e cenógrafo italiano nascido em Reggio Calabria. No final da década de 1970, mudou-se para Nova York, depois para Los Angeles e mais tarde para o Brasil onde iniciou sua jornada interior entre as comunidades dos índios Yanomami passando vinte anos. Em 1974 expôs com Andy Warhol no "Palazzo dei Diamanti" em Ferrara, Itália; trabalhou na cenografia e em figurinos de muitos shows de Vittório Grassman, incluindo "Affabulazione" de Pier Paolo Pasolini. Realizou exposição individual em Reggio Calabria, Itália (2011); Roma, Itália (2014). www.nuovocinemapalazzo.it/2014/10/07/l-amazzonia-di-gabriele-destefano/; www.tuttoqui.it/node/19373; www.artprice.com.



174 - HEITOR DE PINHO (1897 - 1968)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - canto inferior direito - 1955 -

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde estudou na antiga Escola Nacional de Belas Artes. Foi discípulo de Rodolfo Chambelland, Batista da Costa, Lucílio de Albuquerque e Modesto Brocos. Participa de Salões Oficiais a partir de 1924, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.247; MEC. Vol.3, pág.400; WALMIR AYALA. Vol.2, pág.194; TEIXEIRA LEITE, pág.408; PONTUAL, pág.426.



175 - ENRICO VIO (1874 - 1960)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior direito - 1920 -

Pintor e professor. Estudou no Instituto de Belas Artes de Veneza, sendo discípulo de Ettore Tito e Guglielmo Ciardi. Individuais em Veneza (1904) e Milão (1906). Veio para o Brasil, fixando-se em São Paulo, onde dedicou-se ao ensino da pintura, formando numerosos discípulos. Participou do Salão Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro (1916 e 1936), obtendo medalha de prata no primeiro. Foi também premiado no Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo. Seus trabalhos foram expostos em "O Retrato na Coleção da Pinacoteca", Secretaria da Cultura, Ciências e Tecnologia, Pinacoteca do Estado, São Paulo (1976). Realizou exposições individuais no liceu de Artes e Ofício de São Paulo, a partir de 1902. Referências a seu respeito em: Guia de Seção Histórica do Museu Paulista de Afonso E. Taunay, S.P. (1937); Anuário da Escola Politécnica de São Paulo, 1937, pág.23; Revista do Instituto Geográfico Brasileiro, vol.265, out/dez (1964), pág.130; TEODORO BRAGA, pág.239; ITAU CULTURAL; PONTUAL, pág. 543; WALTER ZANINI, pág. 505, RUTH TARASANTCHI.



176 - SANDRO MANZINI (1903 - 1992)
Lance Livre - VENDIDO

Girassóis - óleo sobre eucatex - 40 x 32 cm - canto inferior direito -
No estado.

Italiano de Verona, frequentou ainda jovem a Academia de Belas Artes de sua cidade natal, obtendo dois importantes prêmios. Veio para o Brasil em 1925, fixando-se em São Paulo-SP, onde realizou diversas individuais de 1935 a 1941, além de participar com certa frequência do Salão Paulista de Belas Artes, onde obteve Medalha de Bronze em 1940. Tem como temas preferidos naturezas mortas, paisagens e principalmente flores. JULIO LOUZADA, vol 1 - pág 576



177 - JOSÉ ALVES (1953)
Lance Livre - VENDIDO

Figura - escultura em madeira - 23,5 x 17 x 03 cm - assinado -

Escultor, José Alves da Cruz nasceu no Recife, PE. Desde criança já cutucava pedaços de pau com uma faquinha. Aos 17 anos, foi trabalhar em uma galeria de arte na praia de Boa Viagem, Recife onde conheceu e ajudou Nhô Caboclo no seu trabalho. Começou a fazer seus próprios bonecos, mudou-se para Olinda. Passou a assinar suas peças como Zé Alves de Olinda. http://www.artedobrasil.com.br/jose_alves.html.



178 - TIDE HELLMEISTER (1942 - 2009)
Lance Livre - VENDIDO

Borboleta - técnica mista e colagem - 21,5 x 15,5 cm - centro inferior -

Artista plástico, pintor, desenhista paulistano, com participações em diversas exposições coletivas em São Paulo e Rio de Janeiro. É hoje um dos mestres da colagem no Brasil. ITAÚ CULTURAL.



179 - NILO SIQUEIRA (1943)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre eucatex - 18 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor natural de Amparo-SP, com diversas participações em exposições coletivas e Salões Oficiais. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 956, Acervo FIEO.



180 - IBERÊ CAMARGO (1914 - 1994)
Lance Livre - VENDIDO

"Signos" - óleo sobre tela - 55 x 75 cm - canto inferior direito e dorso - 24/08/1975-Rio de Janeiro -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com etiqueta e Certificado nº 0352, datado de 30 de agosto de 1983, da Galeria Paulo Prado - São Paulo, SP, averbado pelo autor. Imagens e documentação arquivados na Fundação Iberê Camargo para futuro registro. Ex coleção Irineu Gomes da Rosa Filho - São Paulo, SP.

Pintor, gravador, desenhista, escritor e professor, natural da cidade de Restinga Seca, RS, e falecido em Porto Alegre. Foi aluno de Salvador Parlagreco e João Fahrion. No Rio de Janeiro, a partir de 1942, estudou pouco tempo na Escola Nacional de Belas Artes, trocando-a pelos ensinamentos de Guignard. Fundou com outros artistas o 'Grupo Guignard' (1943). Recebeu o prêmio viagem ao estrangeiro em 1947. Morou dois anos em Paris e Roma, aperfeiçoando-se com De Chirico, Lhote, Achille e Rosa em pintura e com Petrucci, em gravura. Voltou ao Brasil (1950) e tornou-se membro da Comissão Nacional de Artes Plásticas (1952). Fundou o curso de gravura do Instituto Municipal de Belas Artes do Rio de Janeiro (1953), hoje Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Executou painel de 49 metros quadrados (1966) oferecido pelo Brasil à Organização Mundial de Saúde (OMS), em Genebra. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e exterior como Bienal Internacional de São Paulo, Bienal de Arte Hispano-Americana em Madri, Bienal de Veneza, Bienal de Gravuras em Tóquio, entre outras exposições importantes. Foi considerado o Melhor Pintor Nacional na VI Bienal de São Paulo (1961) e conquistou inúmeros prêmios. Entre suas publicações, constam o artigo 'Tratado sobre Gravura em Metal' (1964), o livro técnico 'A Gravura' (1992) e o livro de contos 'No Andar do Tempo: 9 contos e um esboço autobiográfico' (1988). MEC, VOL.1, PÁG.328; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.156; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.51; TEIXEIRA LEITE, PÁG.101; PONTUAL, PÁG.100; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 853; LEONOR AMARANTE, PÁG. 127; www.iberecamargo.org.br; brasilescola.uol.com.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



181 - ISABEL PONS (1912)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - gravura - P.A. - 45 x 65 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Barcelona, Espanha. Importante gravadora, desenhista e pintora. Estudou pintura na Escola de Belas Artes de Barcelona (1925-1930). Ilustrou poemas de Garcia Lorca. Fixou residencia no Rio de Janeiro a partir de 1948. Estudou gravura com Friedlaender, no MAM-RJ, em 1959. A partir de então dedica-se principalmente à atividade de gravadora em metal, técnica que domina como poucos e a consagrou no cenário nacional e internacional. Está representada em diversos museus brasileiros e estrangeiros, como o MNBA, MAM-RJ, MOMA-NY, etc MEC, vol. 3-pág. 425; PONTUAL-pág. 431; WALMIR AYALA, vol. 2, págs.203/4; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 707; ARTE NO BRASIL, pág. 853; LEONOR AMARANTE, pág. 126.



182 - RAFAEL PEREZ BARRADAS (1890 - 1929)
Lance Livre - VENDIDO

Família - técnica mista - 34 x 27 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, ilustrador, cenógrafo, figurinista e cartunista uruguaio nascido e falecido em Montevidéu. Filho de pais espanhóis. Não se sabe se teve um aprendizado sistemático, mas, seu pai era pintor. Mudou-se para a Espanha (1913) e viajou para a Itália e França. Sua primeira exposição individual foi em Madri (1918) onde propôs seu conceito estético: o vibracionismo. Trabalhou como ilustrador para muitas revistas em Montevidéu, Buenos Aires e Espanha. Participou de Salões e exposições em Madri (1912, 1917); em Condal - Barcelona (1916); em Montevidéu (1923); em Paris - na Exposição Internacional de Artes Decorativas (1925) onde ganhou o Prêmio na categoria de teatro e na Bienal de Artes Decorativas (1927). Voltou para o Uruguai em 1928. Uma exposição retrospectiva de suas obras foi realizada no Museu de Belas Artes de Montevidéu em 1972. BENEZIT; mnav.gub.uy; www.artprice.com.



183 - UBIRACI PINTO (1945 - 2008)
Lance Livre - VENDIDO

Na praia - óleo sobre eucatex - 15,5 x 21,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Natural da cidade do Rio de Janeiro, onde nasceu em 26/1/1945. Assina seus trabalhos UBIRACI PINTO. Teve como mestre e incentivador o pai, Silvio Pinto, festejado pintor carioca. Ubiraci concentra grande parte de sua atuação artística no exterior. Participou de coletivas no Canadá, Venezuela, EUA, Inglaterra e Israel. No Brasil, recebeu Menção Honrosa e Medalha de Bronze no SNBA. JULIO LOUZADA vol. 1, pág. 771; MEC vol. 3, pág. 419; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



184 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Rainha africana - óleo sobre tela - 65 x 85 cm - não assinado -
No estado.



185 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Ritmo - escultura em mármore - 22 x 11 x 08 cm - assinado -

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



186 - STELLA NAVES (1945)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela - 32 x 40,5 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora ativa no Estado de São Paulo. Suas cores são bem dosadas e a composição agrada aos olhos, pois traz harmonia e tranquilidade. A artista expõe regularmente, com sucesso de público e vendas.



187 - JOSÉ MORAES (1921 - 2003)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - aquarela - 20 x 26 cm - canto inferior esquerdo - 2002 -
No estado.

Pintor, gravador, desenhista, escultor, ilustrador e professor, José Machado de Morais nasceu no Rio de Janeiro e faleceu em São Paulo. Assina José Moraes. Formou-se em pintura pela Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1941). Paralelamente aos estudos universitários, teve aulas de pintura com Quirino Campofiorito. Tornou-se assistente de Candido Portinari, em Brodosqui (1942) e trabalhou com o mesmo na execução do painel da capela de São Francisco de Assis, de Oscar Niemeyer, em Belo Horizonte (1945). Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1945, 1947, 1966, 1968, 1969, 1970); São Paulo (1962, 1965, 1967, 1970, 1979 – MAM, SP, 1982, 1983, 1984, 1986); Bagé, RS (1946, 1979); Pelotas, RS (1946); Porto Aiegre, RS (1948, 1980, 1988, 1992, 1995); Uberlândia, MG (1952, 1972, 1977, 1978, 1987); Belo Horizonte, MG (1964); Campinas, SP (1974); Cataguases, MG (1981); Goiânia, GO (1987); Brasília, DF (1989, 1995). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil como: Panorama da Arte Brasileira – MAM, São Paulo (1969, 1970, 1971, 1973, 1976, 1977) e no exterior. Foi premiado, nos anos de 1940, em quatro edições do Salão Nacional de Belas Artes – RJ. Com o prêmio Viagem ao Exterior recebido na 55ª edição (1949), viajou para Itália onde permaneceu estudando pintura mural (1950 a 1951). De volta ao Rio de Janeiro, dedicou-se à execução de mosaicos e afrescos até 1958, quando se mudou para São Paulo. Tornou-se professor na FAAP (1967). Aperfeiçoou-se em serigrafia (1971) com Michel Caza, em Paris, para onde retornou em outras três ocasiões, com a mesma finalidade. Fez também estágios em litografia com Michel Potier, na "École de Beaux-Arts", Paris, e com Eugène Shenker, no "Centre de Gravure Contemporaine", Genebra. MEC VOL. 3, PÁG. 196; Pontual pág. 369; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 646; VOL. 2, PÁG. 689; VOL. 5, PÁG. 706; VOL. 6, PÁG. 748; VOL. 8, PÁG. 586; VOL. 12, PÁG. 278; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 602, ACERVO FIEO.



188 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)
Lance Livre - VENDIDO

"Bar da noite" - desenho a nanquim - 19 x 19 cm - canto superior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



189 - HELENA PEREIRA DA SILVA OHASHI (1895 - XX)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela colada em eucatex - 20 x 27 cm - canto inferior esquerdo - 1947 -

Paulistana, Helena era filha do pintor Oscar Pereira da Silva, de quem recebeu seus primeiros conhecimentos artísticos. Em 1929 seguiu para Paris, onde aperfeiçoou-se em pintura com Jean Paul Laurens. Casou-se com o pintor Kai Ohashi, em Paris, passando a residir em Kobe, Japão. Expôs em Paris (1933), no SNBA-RJ (1936), e no SPBA (1940), e individualmente no Brasil, em 1940, apresentando trabalhos executados no Japão. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 689, RUTH TARASANTCHI.



190 - HEITOR DOS PRAZERES (1898 - 1966)
Lance Livre - VENDIDO

"Chorinho nos arcos" - óleo sobre eucatex - 32 x 42 cm - canto inferior direito -
Com Autenticação da família do artista, na pessoa do curador da obra, Sr. Heitor dos Prazeres Filho.

Pintor, compositor, marceneiro, Heitor dos Prazeres nasceu e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou-se na pintura por volta de 1937, como autodidata, estimulado pelo jornalista e desenhista Carlos Cavalcanti. No período de 1937 a 1946, trabalhou em rádios do Rio de Janeiro e ingressou como ritmista na Rádio Nacional, em 1943. Recebeu o 3º lugar para artistas nacionais na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951) e foi homenageado com sala especial na 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1953). No ano seguinte, criou cenários e figurinos para o Balé do IV Centenário da Cidade de São Paulo. Realizou sua primeira exposição individual, em 1959, no Rio de Janeiro. Em 1965, Antônio Carlos Fontoura produziu um documentário sobre sua obra. Tornou-se um artista destacado, atuando como compositor, instrumentista e letrista de música popular brasileira. Participou da fundação das primeiras escolas de samba cariocas, entre elas a Estação Primeira de Mangueira. Em comemoração ao centenário de seu nascimento, em 1999, foi realizada mostra retrospectiva no Espaço BNDES e no Museu Nacional de Belas Artes. Em 2003, foi publicado o livro ‘Heitor dos Prazeres: Sua Arte e Seu Tempo’, da jornalista Alba Lírio. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.247; MEC. VOL.3, PÁG.400; WALMIR AYALA. VOL.2, PÁG.194; TEIXEIRA LEITE, PÁG.408; PONTUAL, PAG.439; WALTER ZANINI, PÁG.810; LEONOR AMARANTE, PÁG. 266; ACERVO FIEO.



191 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)
Lance Livre - VENDIDO

"Animação" - xilogravura - 23 x 32 cm - canto inferior direito - 2016 -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



192 - JOSÉ ANDRADE (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Onça - escultura em madeira - 10 x 28 x 12 cm - assinado -

Escultor de Prados, MG, com diversas participações em mostras coletivas.



193 - SILVA COSTA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Igreja - encáustica sobre eucatex - 60 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 1968 -
Com etiqueta n° 658 de Cosme Velho Galeria de Arte, São Paulo - SP, no dorso. Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP.

Pintor com diversas participações em mostras e Salões oficiais.



194 - ROSALINA DA CONCEIÇÃO SEVILHA (1923)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre eucatex - 27 x 17 cm - canto inferior direito -

Nascida em Portugal, Rosalina veio para o Brasil em 1937, onde cursou artesanato e pintura. Dedicou-se posteriormente somente à pintura, recebendo ensinamentos de Sante Bullo, Vicente Gallardo e José Solha. Participou de diversas exposições, recebendo premiações. JULIO LOUZADA, vol. 10 pág. 819.



195 - J. CARLOS (1884 - 1950)
Lance Livre - VENDIDO

Capa da revista "O malho" - desenho a nanquim e aquarela - 41 x 29 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



196 - ROBERTO MORVAN (1917 - 1984)
Lance Livre - VENDIDO

Horizonte - óleo sobre tela - 16 x 22 cm - dorso - 1982 -

Batizado Ruy de Castilho França, o autor, que assinava suas obras Roberto Morvan, nasceu na cidade de Florianópolis, em 11/10/1917 e faleceu na cidade do Rio de Janeiro em 5/5/1984. Fixou residência no Rio de Janeiro em 1963, e sob o pesudônimo de Roberto Morvan, passou a dedicar-se quase que exclusivamente às artes. Individuais a partir de 1964 e coletivas desde 1977, inclusive em galerias no exterior, principalmente na Europa. Sua pintura aproximava-se da de Pollock, denotando uma preocupação na pesquisa de texturas. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 719



197 - NILDA NEVES (1961)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintora. Nasceu em 1961 em Botuporã, no sertão da Bahia. Em Brumado, BA, estudou contabilidade. Com a família morou em várias cidades do estado, voltou para sua cidade natal onde foi professora particular e de escola pública, ensinando matemática. Perdendo parte da família nos anos de 1990, resolveu vir para São Paulo em 1999 e, em 2010, escreveu o romance ‘O Lavrador do Sertão’ em três dias. Logo depois lançou ‘O Belo Sertão’, com os seres lendários do Brasil, na Bienal do Livro do mesmo ano. Para produzir a capa do livro resolveu ela mesma pintar e, desde então, não parou mais de produzir, contando suas lembranças e histórias do sertão. Em 2015 realizou sua primeira individual –‘ Meu Sertão’ na Galeria Mezanino, SP; participou da 45º Chapel Art Show, SP (2016) e da Bienal Naïf (2016)- SESC Piracicaba, SP. www.galeriamezanino.com/nilda_neves.htm ; bienalnaifs.sescsp.org.br/2016/artistas/nilda-neves.



198 - THOMAZ IANELLI (1932 - 2001)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - aquarela - 28 x 32 cm - canto inferior direito -

Natural de São Paulo, estudou com Angelo Simeone na Associação Paulista de Belas Artes (1953). Participou de coletivas do Grupo Guanabara. Expôs individualmente desde 1960, em diversas cidade do País e no exterior (Madrid, Paris, Bilbao e Lima), e particpou de coletivas nacionais e estrangeiras, sendo presença constante em mostras antológicas de pintura brasileira no país e no estrangeiro. Sobre sua obra mais recente, já se disse pertencer a um mundo de suavidades carinhosas, poéticas, sem se tornar adocicado, monótono e cansativo. Um mundo feérico, aberto, fluído. Viveu no Paraná, com grande sucesso de público e crítica. TEIXERIA LEITE, pág. 507; MEC, vol. 2, pág. 345; WALTER ZANINI, pág. 755; ARTE NO BRASIL, pág.914, Acervo FIEO.



199 - ESCOLA RUSSA, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Mulher - técnica mista sobre papel - 26 x 19 cm - canto inferior direito -
A.W. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



200 - SILVIO OPPENHEIM (1941 - 2012)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - centro - 2010 -

Pintor, desenhista, arquiteto e professor nascido e falecido em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Arquitetura da USP (1965) e completou sua formação na Alemanha, quando ganhou do governo alemão uma bolsa de estudos para a 'Technisce Universitat' (TU) em Berlim Ocidental. Em 1979 assumiu a cadeira de arquitetura de interiores na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Produziu intensamente como arquiteto e como artista plástico. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1965, 1972, 1975 a 1977, 1979, 1981, 1982, 1986 a 1989); Rio de Janeiro (1985); Brasília, DF (1978); Curitiba, PR (1980, 1987); Goiânia, GO (1989); Vitória, ES (1989). Participou de exposições coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969); '5 Pintores de Vanguarda', Porto Alegre, RS (1965); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971, 1973, 1976, 1979); Tóquio, Japão (1985) e outras. JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.745; VOL. 4, PÁG. 829; MEC, VOL.3, PÁG.301; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; www.sp.senac.br; www.resenhando.com; www.artprice.com.



201 - JAYME XANDÓ (1942 - 2007)
Lance Livre - VENDIDO

Minério - xilogravura - P.A. - 34 x 50 cm - canto inferior direito - 1985 -

Artista plástico com diversas participações em mostras e Salões oficiais, destacando-se: Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1966); Bienal Nacional, SP (1974); Salão Paulista de Arte Contemporânea, SP (1976); Salão de Ates Plásticas da Noroeste, Penápolis - SP (1982); Salão Nacional de Artes Plásticas, RJ (1982); Mostra de Gravura Cidade de Curitiba, Curitiba – PR (1984). ITAU CULTURAL; www.casadaxilogravura.com.br; www.artprice.com.



202 - FERNANDO BARROS (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Casario - acrílico sobre tela - 30 x 20 cm - canto inferior direito e dorso - São Paulo -

Pintor atuante em São Paulo. Assina Barros. Participou de mostras coletivas e recebeu alguns prêmios e medalhas.



203 - ANTONIO DEL NIDO Y NAVAS (1893 - XX)
Lance Livre - VENDIDO

Músico - óleo sobre tela - 46 x 27 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista espanhol com participações em mostras coletivas. www.artprice.com; http://research.frick.org/spanish/browserecord.php?-action=browse&-recid=3648.



204 - CAMILO EDUARDO TAVARES (1932 - 2014)
Lance Livre - VENDIDO

"Os sete jogos proibidos" - acrílico sobre tela - 30 x 40 cm - centro inferior e dorso - Rio de Janeiro -

Paulistano, o pintor foi membro de juri da Associação dos Artistas Plásticos de São Paulo. Segundo depoimento do próprio artista: " Os meus quadros são carregados de humanismo, amor e realidade, uma verdadeira mensagem filosófica pois quem leva a vida com amor à arte, é feliz." Expõe individualmente desde 1971, inclusive MAM-RJ em 1974; e coletivamente a partir de 1970. Internacionalmente, expôs a partir de 1971, destacando-se Alemanha, EUA, México e Itália. JULIO LOUZADA, vol.4, pág. 1083. Acervo FIEO.



205 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Pescadores - óleo sobre cartão - 11 x 24 cm - canto inferior esquerdo - Década de 1950 -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



206 - KASUO WAKABAYASHI (1931)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - 3/60 - 46 x 48 cm - canto inferior direito -

Pintor japonês, natural de Kobe. Iniciou seus estudos na Escola Técnica de Hikone em Shiga, Japão (1944); frequentou a Escola de Belas Artes e a Academia Niki, em Tóquio, e as aulas de desenho e pintura de Kanosuke Tamura (entre 1947 e 1950). Tornou-se membro do Grupo Babel, composto por Rokuichi, Kaibara, Ko Nishimura e outros; do grupo Seiki; publicou álbum de pinturas e poesias (1953) e participou do Delta (1954), além de ilustrar os jornais "Shinko Shimbum" e "All Sports". Em 1952 montou seu atelier. Veio para o Brasil (1961), radicou-se em São Paulo onde se integrou ao Grupo Seibi. Realizou exposições individuais em: Tóquio, Japão (1957, 1976); Osaka, Japão (1959); Kobe, Japão (1960, 1976); Rio de Janeiro (1963, 1970, 1971, 1973, 1975, 1977, 1979 a 1981, 1983, 1984, 1987); São Paulo (1965, 1968, 1969, 1971, 1980, 1993, 2001, 2017 – SOCIARTE); Brasília, DF (1972, 1974, 1977, 1980); Washington, EUA (1969); Nova York, EUA (1983). Em 1968, naturalizou-se brasileiro. Vem participando de diversas mostras coletivas e oficiais, desde os Salões Japoneses (entre as décadas de 1940 e 1960) onde foi premiado em 1947, 1950, 1954 e 1959 e de outras, destacando-se: Salão do Grupo Seibi de Artistas Plásticos, SP - Grande Medalha de Ouro (1963); 12º Salão Paulista de Arte Moderna - Medalha de Ouro (1963); Bienal Internacional de São Paulo (entre 1963 e 1967) - Prêmio Aquisição do Itamarati na 9ª edição; exposição itinerante pela Europa e América – "Mestres do Abstracionismo Brasileiro" (1984); Salão de Abril do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – Primeiro Prêmio (1966). Foi publicado o livro "Wakabayashi" (1992) e uma retrospectiva de sua obra foi realizada no Paço das Artes, SP (1993). TEIXEIRA LEITE PÁG. 540; PONTUAL PÁG. 550; MEC VOL. 4, PÁG. 501; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1064; VOL. 6, PÁG. 1181ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL PÁG. 939, ACERVO FIEO; www.artprice.com.



207 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre madeira - 15 x 21 cm - canto inferior esquerdo ilegível -
Com dedicatória no dorso, datada de 21 de março de 1952.



208 - JOSÉ BEZERRA (1952)
Lance Livre - VENDIDO

Santa - escultura em madeira - 26 x 08 x 07 cm - assinado -

Escultor, poeta e músico. Nasceu em Buíque, Pernambuco, vive e trabalha na Reserva Ecológica do Vale do Catimbau, sertão de Pernambuco. Trabalhou na roça até final de 2002 quando iniciou uma nova profissão: a de artesão em madeira. Realizou uma exposição individual em São Paulo, em 2009. ITAU CULTURAL; www.galeriaestacao.combr; www.flickr.com.



209 - ALDO CARDARELLI (1915 - 1986)
Lance Livre - VENDIDO

Casas na beira do lago - óleo sobre madeira - 24 x 33 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor sensível, Cardarelli era natural de Campinas, em cujos arredores sairam muitas da suas preciosas paisagens. TEODORO BRAGA, pág. 64/65, MEC, vol. 1, pág. 353; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 170; PONTUAL, pág. 107; JÚLIO LOUZADA,vol.6, pág. 202; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



210 - TITO DE ALENCASTRO (1934 - 1999)
Lance Livre - VENDIDO

"No cais" - óleo sobre tela colada em eucatex - 40 x 27 cm - canto inferior esquerdo - 08/11/1980 -

Pintor, desenhista, gravador, mosaicista, cenógrafo, dramaturgo, poeta, ator e cantor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Assina Tito de Alencastro. Ingressou na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1956) onde estudou desenho com Zaluar e composição com Quirino Campofiorito e Santa Rosa. Paralelamente, estudou técnicas de mosaico com José Moraes e gravura em metal com Johnny Friedlaender no MAM, RJ. Formou-se em Museologia pelo Museu Nacional de Belas Artes, RJ, estudando com Gustavo Barroso. Atuou em numerosos concertos de câmara e óperas no Rio de Janeiro como ator e cantor. Fixou residência em São Paulo em 1961. Como cenógrafo, trabalhou no filme "Roleta Russa" e nas peças "O Grande Sonhador", "Você Pode Ser O Que Quiser", "Macho Beleza e Monólogo a Dois", as três de sua autoria. Executou os painéis "Os Imigrantes" e "O Trabalho e o Lazer" (1979). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1966 – Galeria Seta, 1970, 1973, 1976, 1980 a 1985, 1995); Rio de janeiro (1967, 1978, 1983); Uberlândia, MG (1981); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1984). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas. Recebeu o primeiro Prêmio Aquisição no I Salão da Jovem Gravura no MAM, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 29; PONTUAL PÁG. 14; MEC VOL, 1, PÁG. 45; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 39, VOL. 2, PÁG. 43; VOL. 11, PÁG. 6; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



211 - JULIO PLAZA (1938 - 2003)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - 6/40 - 55 x 40 cm - canto inferior direito -

Julio Plaza González nasceu em Madri, Espanha e faleceu em São Paulo. Artista intermídia, escritor, gravador e professor. Inicia sua formação artística na década de 1950, com estudos livres em Madri. Posteriormente freqüenta a Escola de Belas Artes, em Paris. Vem ao Brasil em 1967, integrando a representação espanhola que participa da 9ª Bienal Internacional de São Paulo. Ingressa na Escola Superior de Desenho Industrial, no Rio de Janeiro, com bolsa de estudos concedida pelo Itamaraty. Leciona linguagem visual e artes plásticas, como artista residente, na Universidade de Puerto Rico (1969 e 1973). Em seguida, muda-se para São Paulo, onde se torna professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e da Fundação Armando Álvares Penteado. Funda, em 1978, o Centro de Artes Visuais Aster, com Donato Ferrari , Walter Zanini e Regina Silveira , com quem foi casado. Publica com Augusto de Campos os livros ‘Caixa Preta’ e ‘Poemóbiles’(1975), é autor de publicações teóricas sobre arte, como ‘Videografia em Videotexto’ (1986) e ‘Os Processos Criativos com os Meios Eletrônicos: Poéticas Digitais’, com Monica Tavares (1998). Na década de 1990, leciona no Instituto de Artes da Unicamp. Realizou muitas exposições individuais; participou de inúmeras mostras oficiais e exposições póstumas foram realizadas em São Paulo (2003, 2004). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 921; MEC VOL.3, PÁG. 423; www.acervos.art.br; artprice.com.



212 - ALAN CASSIANO (1985)
Lance Livre - VENDIDO

"Um dia estranho" - aquarela sobre papel - 30 x 22 cm - canto inferior direito - 2016 -

Artista plástico. Alan de Lima Cassiano vive e trabalha em São Paulo. É formado em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda (2009); fez aulas de pintura e desenho com Gilberto Marchi (2014-2015) e Desenho, Pintura e História da Arte na Escola de Artes 28 de Julho (2000). Realizou exposições individuais em 2006, 2007, 2008, 2012, 2014. Tem participado de muitas mostras coletivas e Salões oficiais como o 1º Salão de Arte Moderna de São Caetano do Sul (2012) e coletivas na Pinacoteca Municipal de São Caetano do Sul (2011, 2018). www.alancassiano.com.



213 - LIA MITTARAKIS (1934 - 1998)
Lance Livre - VENDIDO

Na praia - óleo sobre eucatex - 72 x 53 cm - canto inferior esquerdo - 1988 - Ilha de Paquetá -

Pintora e professora nascida no Rio de Janeiro e falecida na Ilha de Paquetá, RJ. Autodidata em pintura ensinou a sua técnica na Escolinha de Arte, na Ilha de Paquetá onde vivia. Expôs individualmente no Rio de Janeiro em 1964, 1965, 1969, 1970, 1972, 1974, 1982. Entre as mostras e salões dos quais participou, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, RJ; "Naifs del Brasile, Naifs di Haiti" no Festival Mundial de Spoleto, Itália; "Artistas Brasileiros" em Bratislava, Tchecoslováquia (1969); Encontro Carioca de Pintura Ingênua, RJ (1977); “O mundo fascinante dos Pintores Naïfs” no Paço Imperial (1988 e 1989); Naïfs em Coletiva, na Villa Riso Tradição - Arte Cultura (Sala Especial), RJ (1997); além de outras coletivas no Rio de Janeiro, Itália, Estados Unidos, Alemanha, Suíça, Portugal, Inglaterra, Argentina, Tchecoslováquia e Cidade do México. ITAU CULTURAL; www.ardies.com; artenaifrio.blogspot.com; www.artprice.com.



214 - RICARDO ZANZAL (1968)
Lance Livre - VENDIDO

"Cosmos 2" - técnica mista sobre tela - 30 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 -

Pintor e desenhista nascido em Maringá, PR. Autodidata. É filho do artista plástico paulista e radicado no Paraná - Zanzal Mattar que dentre as milhares de obras que executou, estão as pinturas internas da Catedral Nossa Senhora da Glória, em Maringá. Formou-se em engenharia, atuou durante muitos anos em grandes obras e em vários segmentos até se dedicar integralmente à pintura a partir de 2014. Tem participado de várias mostras coletivas pelo Brasil e Estados Unidos. www.guiadasartes.com.br/ricardo-zanzal.



215 - TORQUATO BASSI (1880 - 1967)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 80 x 149 cm - canto inferior esquerdo -
(Atenção clientes que não residem em São Paulo: transporte especial devido ao tamanho. Consulte-nos antes de dar seu lance) .

Nascido em Ferrara / Itália, veio para o Brasil ainda muito jovem, fixando-se em São Paulo, onde desenvolveu sua vida artística. Participou durante anos do Salão de Belas Artes do Rio de Janeiro, Salão Paulista de Belas Artes e de mostras de pintores italianos. Tem obras na Pinacoteca do Estado de São Paulo e no Museu Paulista de Belas Artes. TEODORO BRAGA, pág. 47; PONTUAL, pág. 58; MEC, vol. 1, pág. 188; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 89; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



216 - LIA MITTARAKIS (1934 - 1998)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre eucatex - 53 x 73 cm - canto inferior esquerdo - 1989 - Ilha de Paquetá -

Pintora e professora nascida no Rio de Janeiro e falecida na Ilha de Paquetá, RJ. Autodidata em pintura ensinou a sua técnica na Escolinha de Arte, na Ilha de Paquetá onde vivia. Expôs individualmente no Rio de Janeiro em 1964, 1965, 1969, 1970, 1972, 1974, 1982. Entre as mostras e salões dos quais participou, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, RJ; "Naifs del Brasile, Naifs di Haiti" no Festival Mundial de Spoleto, Itália; "Artistas Brasileiros" em Bratislava, Tchecoslováquia (1969); Encontro Carioca de Pintura Ingênua, RJ (1977); “O mundo fascinante dos Pintores Naïfs” no Paço Imperial (1988 e 1989); Naïfs em Coletiva, na Villa Riso Tradição - Arte Cultura (Sala Especial), RJ (1997); além de outras coletivas no Rio de Janeiro, Itália, Estados Unidos, Alemanha, Suíça, Portugal, Inglaterra, Argentina, Tchecoslováquia e Cidade do México. ITAU CULTURAL; www.ardies.com; artenaifrio.blogspot.com; www.artprice.com.



217 - DANIEL RYO SHINOZAKI (1965 - 2010)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - desenho a crayon sobre papel - 31 x 46 cm - não assinado - 2009 -
Com autenticação da irmã do artista no canto inferior direito. No estado.

Pintor, gravador e fotógrafo nascido em Presidente Prudente, SP e falecido em São Paulo. Formou-se em Engenharia Civil pela Escola Politécnica de São Paulo – USP (1990) e obteve mestrado no Instituto de Artes da UNICAMP. Frequentou inúmeros cursos de extensão universitária inclusive no Japão (1989). Participou de várias mostras coletivas oficiais em: São Paulo (1992 a 1995, 1999, 2000, 2001); Santos, SP (1993 - Bienal); Curitiba, PR (1993, 2003); Campinas, SP (2002, 2004); Porto Alegre, RS (2003); Bragança Paulista, SP (2007). Recebeu o Prêmio Estímulo da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo com o projeto ‘Foices: retratos de agricultores da zona rural’ (1994). Em 2013 foram realizadas exposições individuais de suas obras em São Paulo, Embu das Artes e Mauá. ITAU CULTURAL; www.radaroficial.com.br; www.abcdmaior.com.br; www.mauamemoria.com.br.



218 - JOSÉ SABÓIA (1949)
Lance Livre - VENDIDO

Na rede - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



219 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)
Lance Livre - VENDIDO

"Igreja Nossa Senhora das Dores" - aquarela - 34 x 25 cm - canto inferior direito - Paraty -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



220 - WALTER LEWY (1905 - 1995)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem surreal - óleo sobre tela - 60 x 81 cm - canto inferior esquerdo - 1986 -
No estado.

Gravador, pintor, ilustrador, paisagista, desenhista e publicitário nascido em Bad Oldesloe, Alemanha e falecido em São Paulo. Estudou na Escola de Artes e Ofícios de Dortmund, Alemanha (1923-1927). Nesse período, filiou-se à tendência do realismo mágico. Em 1928 participou de coletivas em Dortmund, Gelsenkirchen, Boclusim e outras cidades. Com a crise econômica de 1929, Lewy perdeu seu emprego de desenhista numa gráfica e foi viver com os pais no interior, tornando-se ilustrador de anedotas em jornais. Realizou sua primeira exposição individual em Bad Lippspringe (1932), mas foi fechada quando a Câmara de Arte Alemã proibiu a participação de judeus na vida artística. Escapando dessa situação opressora, o artista imigrou para o Brasil (1938), retomando profissionalmente a pintura. Deixou para trás centenas de trabalhos, que foram enviados para a Holanda e perdidos durante os bombardeios da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). No Brasil, fixou-se em São Paulo. Nos primeiros anos fez desenho publicitário e mais tarde capas de livros e ilustrações para diversas editoras. Ilustrou obras de Bertrand Russell, Machado de Assis e Arnold Toynbee, entre outras. Mais tarde, empregou-se como diagramador, letrista e arte-finalista nas agências de propaganda De Carli, Lintas Publicidade, Martinelli, Santos & Santos e Thompson Propaganda. Participou de Salões Nacionais e Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1965, recebendo diversas premiações oficiais. JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 497; MEC, VOL. 2, PÁG. 474; TEODORO BRAGA, PÁG. 245; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 286; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 630; LEONOR AMARANTE, PÁG. 142; ACERVO FIEO.



221 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)
Lance Livre - VENDIDO

Cavalo - matriz de xilogravura - 12 x 17 cm - centro inferior -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



222 - ISRAEL DE FARIA SODRÉ (1965)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 41 x 31 cm - canto inferior direito -

Natural de Jundiaí, SP, onde nasceu a 31 de outubro de 1965. Estudou com Alexandre Reider. Coletiva em 1995 e 1996, ambas em Jundiaí. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 384



223 - DARCY PENTEADO (1926 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista sobre cartão - 22 x 22 cm - centro inferior - 1961 -
No estado.

Desenhista, pintor, cenógrafo, figurinista e escritor nascido e falecido em São Roque, SP. Após os 10 anos mudou-se para São Paulo para concluir seus estudos. Distinguiu-se pelos desenhos que realizou que o levou a trabalhar em agências de publicidade, de desenho industrial e como figurinista de magazines. Iniciou, como autodidata, a cenografia para teatro e televisão, além da literatura (1944) e começou a expor, como artista plástico, em 1949. Passou a integrar em São Paulo o Grupo Novíssimos (1948). Desde 1955 vinha participando na televisão, como diretor de arte. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1954 e 1956 – MAM, 1961, 1963, 1981, 1983); Rio de Janeiro (1956, 1959); Recife, PE (1983); Pelotas, RS (1984). Viajou por diversas vezes à Europa onde morou por sete anos e também expôs individualmente em: Hamburgo, Alemanha (1964); Roma, Itália (1965, 1967); Paris, França (1966). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1953, 1955, 1963, 1965, 1967, 1973, 1985, 1986); Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1960, 1961); Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP (1959, 1962); Bienal de Paris (1961); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1973, 1974). Recebeu a Medalha de Prata no SPAM (1961); Prêmio Governador do Estado (1954) como cenógrafo; o Prêmio Jabuti (1962) como ilustrador; Menção Honrosa (1977) da Revista Status como contista. MEC VOL. 3, PÁG. 365; PONTUAL PÁG. 416; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 747; VOL. 3, PÁG. 874; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG 183; TEIXEIRA LEITE PÁG 401; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 717; LEONOR AMARANTE PÁG. 75; www.artprice.com.



224 - MÁRIO, FILHO DO LOUCO (XX)
Lance Livre - VENDIDO

"Yemanjá" - escultura em madeira - 35 x 06 x 03 cm - assinado -

Escultor e entalhador de Cachoeira, BA. Batizado Mário Neves da Gama Silva. É um dos nove filhos do escultor Boaventura da Silva Filho, conhecido como Louco. Tem participado de mostras e feiras de arte popular pelo Brasil. www.oreinadodalua.com.br/escultores/mario-filho-do-louco-mario-neves-da-gama-silva/; artepopularbrasil.blogspot.com/2011/03/louco.html.



225 - RUBENS GERCHMAN (1942 - 2008)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - 94/110 - 48 x 35 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



226 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Domingo - escultura em cerâmica - 19 x 27 x 05 cm - canto inferior direito -
F.M.S. - Juazeiro do Norte - CE. No estado.



227 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Marinhas - aquarela - Cada 11 x 16 cm - não assinados -
Lote composto de três aquarelas, emoldurados individualmente.



228 - WALTER LEWY (1905 - 1995)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem surreal - serigrafia - 20/100 - 51 x 66 cm - canto inferior direito - 1978 -

Gravador, pintor, ilustrador, paisagista, desenhista e publicitário nascido em Bad Oldesloe, Alemanha e falecido em São Paulo. Estudou na Escola de Artes e Ofícios de Dortmund, Alemanha (1923-1927). Nesse período, filiou-se à tendência do realismo mágico. Em 1928 participou de coletivas em Dortmund, Gelsenkirchen, Boclusim e outras cidades. Com a crise econômica de 1929, Lewy perdeu seu emprego de desenhista numa gráfica e foi viver com os pais no interior, tornando-se ilustrador de anedotas em jornais. Realizou sua primeira exposição individual em Bad Lippspringe (1932), mas foi fechada quando a Câmara de Arte Alemã proibiu a participação de judeus na vida artística. Escapando dessa situação opressora, o artista imigrou para o Brasil (1938), retomando profissionalmente a pintura. Deixou para trás centenas de trabalhos, que foram enviados para a Holanda e perdidos durante os bombardeios da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). No Brasil, fixou-se em São Paulo. Nos primeiros anos fez desenho publicitário e mais tarde capas de livros e ilustrações para diversas editoras. Ilustrou obras de Bertrand Russell, Machado de Assis e Arnold Toynbee, entre outras. Mais tarde, empregou-se como diagramador, letrista e arte-finalista nas agências de propaganda De Carli, Lintas Publicidade, Martinelli, Santos & Santos e Thompson Propaganda. Participou de Salões Nacionais e Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1965, recebendo diversas premiações oficiais. JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 497; MEC, VOL. 2, PÁG. 474; TEODORO BRAGA, PÁG. 245; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 286; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 630; LEONOR AMARANTE, PÁG. 142; ACERVO FIEO.



229 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Bandeirinhas - serigrafia - 42/50 - 44 x 61 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



230 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Galo - serigrafia - 13/100 - 20 x 16,5 cm - canto inferior direito - 1958 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.

18 de Junho de 2019
(Terça) Lotes 231 a 460



231 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Galo - serigrafia - 52/100 - 58 x 45 cm - canto inferior direito - 1967 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



232 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Fachada - serigrafia - 42/100 - 53 x 42 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



233 - ISRAEL DE FARIA SODRÉ (1965)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 60 x 30 cm - canto inferior direito -

Natural de Jundiaí, SP, onde nasceu a 31 de outubro de 1965. Estudou com Alexandre Reider. Coletiva em 1995 e 1996, ambas em Jundiaí. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 384



234 - LUIS ZEBINI (1962)
Lance Livre - VENDIDO

"A apresentação" - óleo sobre tela colada em eucatex - 40 x 29 cm - canto inferior direito - 2018 -

Pintor e desenhista autodidata, ativo em São Paulo. Fez parte do grupo "Quinteto do Marquês" de artistas plásticos com várias tendências. Tem participado de muitas mostras coletivas, entre as quais, da exposição "A arte brasileira invade Moscou" na Rússia, em 2016.



235 - DAVID SOBRAL (1930)
Lance Livre - VENDIDO

"A fúria da mula preta" - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo - 1999 -

"David Augusto Sobral nasceu em 1930, quando seus pais viajavam para a Europa. Filho de um motorneiro da Light, ele foi registrado em Beira Alta, Portugal, onde viveu seus primeiros cinco anos, mudando para São Paulo, Brasil, sete anos depois. Autodidata, ele aperfeiçoou sua técnica com um artista local, conhecido como Alemão, aprimorando o estilo, que se concentrou na representação gráfica de frases e ditados populares. Essa veia satírica chamou a atenção, por exemplo, do Museu de Arte Naïf, em Figueras, Espanha, que já adquiriu 25 trabalhos do artista. Figuras fantásticas e motivos folclóricos são encontrados em numerosas imagens. Animais que tocam instrumentos musicais com cores bem fortes, por exemplo, são uma constante, assim como imagens próximas ao surrealismo, em sua irreverência e capacidade ilimitada de subverter e surpreender". Oscar D’Ambrosio, jornalista e crítico de arte.



236 - LINO FARNESI (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Viajante - óleo sobre eucatex - 24 x 14 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista italiano com diversas participações em mostras coletivas italianas, como: Foggia (1954); Vasto (1962 – 2º lugar na edição do Premio Vasto d'Arte Contemporânea). www.reciproca.it/Contributi/Marchesiello_patrimonio_artistico/Marchesiello_patr_art_TESTO/pag35_40.htm; www.premiovasto.it.



237 - LOURDES GUANABARA (1930)
Lance Livre - VENDIDO

Forró - óleo sobre tela - 45 x 60 cm - canto inferior direito - 1968 -

Pintora nascida em Alto Longá, PI, com Participações em mostras coletivas. www.museudosol.art.br/Menu/lightbox/lourdesguanabara.



238 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)
Lance Livre - VENDIDO

"Igreja de Nossa Senhora das Dores" - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 2019 - Paraty -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



239 - MARCIO SCHIAZ (1965)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - técnica mista sobre papel - 19 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista, Márcio Bueno de Souza nasceu em São Paulo. Assina M. Schiaz. Estudou na APBA, SP onde cursou desenho e pintura, frequentado sessões de modelo vivo. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1989, 1992, 1993, 1995, 1999); Araraquara, SP (1990); Santos, SP (1994, 1996, 1999, 2000); Campinas, SP (1996). Tem participado de inúmeras mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiado em: São Paulo (1989, 1992, 1994); Araraquara, SP (1989); Rio de Janeiro (1989). JULIO LOUZADA VOL.5, PÁG. 963; VOL. 6, PÁG. 1028; VOL. 8, PÁG. 764; VOL. 10, PÁG. 802; VOL. 13, PÁG. 304. ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



240 - GIUSEPPE PERISSINOTTO (1881 - 1965)
Lance Livre - VENDIDO

"Recanto Serrano" - óleo sobre tela - 41 x 33 cm - canto inferior esquerdo - Rio de Janeiro -
Com carimbos do Salão Paulista de Belas Artes, 1960 e 1962, São Paulo - SP, no dorso.

Nascido em Musile, Veneza, Itália, veio para o Brasil ainda criança e cuja família radicou-se no interior de São Paulo. Fez estudos de pintura na Academia de Belas Artes de Veneza, para onde retornou aos dezoitos anos, prosseguindo para Florença e demais centros de arte da Itália onde se aperfeiçoou; retornou a cidade de São Paulo em 1912, dedicando-se exclusivamente a sua pintura que sempre teve como tema paisagens, marinhas naturezas mortas e figuras. Expôs em várias capitais do Brasil, com sucesso de crítica e público; foi um dos idealizadores do SPBA, ao lado de Souza Pereira e outros. ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



241 - AUGUSTO RODRIGUES (1913 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Mulher - litografia aquarelada - 22/50 - 37 x 51 cm - canto inferior direito - 1978 -

Desenhista, caricaturista e educador, Augusto Rodrigues nasceu em Recife-PE, onde frequentou a partir de 1932, o ateliê de Percy Lau. Participou em 1934 da primeira exposição de arte moderna de Pernambuco. Desenhista e caricaturista por excelência, o artista destacou-se no Sul do País, participando de salões, coletivas e individuais, recebendo honrarias e premiações. Criou diversos personagens, amparado na visão do cotidiano das grandes cidades. MEC, vol. 4, pág. 89; PONTUAL, pág. 457; TEODORO BRAGA, pag. 43; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 602; ARTE NO BRASIL, pág. 517.



242 - REINALDO MANZKE (1906 - 1980)
Lance Livre - VENDIDO

Jangadeiros - guache - 20 x 27 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Pintor, nascido e falecido em Blumenau, SC. Participou regularmente do Salão Paulista de Belas Artes, recebendo premiações diversas. JULIO LOUZADA, vol 9, pág, 529. MEC, VOL, 3,pág, 65. PONTUAL,pág,335; TEODORO BRAGA; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



243 - SILVIA ALVES (1947)
Lance Livre - VENDIDO

"Luz da primavera" - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1983 -

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



244 - ADELSON DO PRADO (1944)
Lance Livre - VENDIDO

Pássaro e caju - desenho a nanquim - 11 x 11 cm - canto inferior direito - 1973 - Rio de Janeiro -

Pintor e desenhista, Adelson Filadelfo do Prado nasceu em Vitória da Conquista, BA. Assina Adelson do Prado. Autodidata, começou a desenhar aos treze anos, copiando imagens religiosas e igrejas da sua cidade. Realizou a 1ª Convenção dos Artistas Locais (1960) e inaugurou o painel da Biblioteca Pública Monteiro Lobato, em Vitória da Conquista. Transferiu-se para Salvador (1962) participando desde então de diversas exposições coletivas e oficiais, entre as quais da I BNAP (1966). Foi premiado no I SNAP (1966); na mostra coletiva do Museu de Arte Moderna do Espírito Santo, Vitória (1966). Exposições individuais: Salvador, BA (1996, 1998); Rio de Janeiro (1967, 1969, 1971, 1999); Nova York, EUA (1971). Em 1977, inaugurou o painel do Salão Nobre da Tribuna de Honra do Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. PONTUAL PÁG. 4; TEIXEIRA LEITE PÁG. 14; WALMIR AYALA VOL.2, PÁG.221; MEC VOL. 3, PÁG. 434; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 782; VOL. 9, PÁG. 698; ITAU CULTURAL; artenaifrio.blogspot.com.br; www.artprice.com.



245 - ARTE POPULAR INDIANA
Lance Livre - VENDIDO

Figuras e Deuses - cerâmica policromada - Medidas variadas cm - não assinado -
Lote composto por 13 peças, montadas em caixa de 106 x 18 x 05 cm. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



246 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - serigrafia - 66/150 - 56 x 37,5 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



247 - ABRAHAN PALATNIK (1928)
Lance Livre - VENDIDO

Elefante - múltiplo em acrílico - 6,5 x 10 x 02 cm - assinado -

Artista cinético, pintor, desenhista, escultor, natural de Natal, RN. Em 1932, muda-se com a família para a região onde, atualmente, se localiza o Estado de Israel. Inicia seus estudos de arte no ateliê do pintor Haaron Avni e do escultor Sternshus e estuda estética com Shor. Freqüenta o Instituto Municipal de Arte de Tel Aviv. Retorna ao Brasil em 1948 e se instala no Rio de Janeiro. Convive com os artistas Ivan Serpa, Renina Katz e Almir Mavignier. Por volta de 1949, inicia estudos no campo da luz e do movimento, que resultam no Aparelho Cinecromático, exposto em 1951 na I Bienal Internacional de São Paulo, onde recebe menção honrosa do júri internacional. Em 1954, integra o Grupo Frente, ao lado de Ivan Serpa, Ferreira Gullar, Mário Pedrosa, Franz Weissmann, Lygia Clark e outros. Desenvolve a partir de 1964 os Objetos Cinéticos, um desdobramento dos cinecromáticos e é considerado, internacionalmente, um dos pioneiros da arte cinética. Participou também das II, III, V, VI, VIII, IX Bienais de São Paulo, do IX Salão Nacional de Arte Moderna, RJ, e da XXII Bienal de Veneza, entre muitas outras no Brasil e no exterior. BENEZIT VOL. 8, PÁG. 89; PONTUAL, PÁG. 401; MEC VOL.3, PÁG. 329; ITAUCULTURAL.



248 - ALEXANDRE RAPOPORT (1929)
Lance Livre - VENDIDO

Na praça - desenho a nanquim e aquarela - 22 x 14 cm - canto inferior esquerdo - 1946 -

Arquiteto, pintor, gravador, desenhista industrial e professor, RAPOPORT nasceu no Rio de Janeiro, onde cursou a Faculdade Nacional de Arquitetura da antiga Universidade do Brasil. Fêz aprendizado de gravura na antiga ENBA em 1952. Conquistou menções honrosas em pintura e desenho no SNBA a partir de 1948. WALMIR AYALA,vol. 2, pág. 237; MEC, vol. 4, pág. 26; PONTUAL, pág. 447; TEIXEIRA LEITE, pág. 431; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 260; ITAU CULTURAL.



249 - BRUNA POLONI (XX - XX)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - óleo sobre eucatex - 19 x 27 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, ceramista e decoradora nascida na Itália e falecida no Rio de Janeiro. Ativa no Rio de Janeiro onde foi discípula de Eurico Moreira Alves no liceu de Artes e Ofícios. Participou das coletivas no Rio de Janeiro: Salão da Sociedade Brasileira de Belas Artes (1952, 1956, 1958, 1959, 1964); Salão Nacional de Belas Artes (1954); Salão do Mar (1958); em Recife, PE: Salão Anual de Pintura (1955). MEC VOL. 3, PÁG. 424; JULIO LOUZADA VOL. 6, PÁG. 899; ITAU CULTURAL.



250 - IGNÁCIO DA NEGA (1945)
Lance Livre - VENDIDO

"Um domingo no cabaré" - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito - 1983 -

Pintor, Inácio Ramos da Silva (o "g" incluído no nome é para dar charme às telas) nasceu em Surubim, PE. Começou sua atividade artística ajudando a mãe a decorar andores de procissões e a fazer flores de papel. Aos 20 anos, mudou-se para São Paulo onde desempenhou várias atividades. Nas horas vagas, fazia desenhos a lápis, mas sem ainda pensar em viver de pintar. Voltou para Pernambuco (1970), estudou na Escola de Belas Artes de Recife e recebeu orientações de Alaerte Baudim. De volta a São Paulo (meados de 1970) orientou-se com M. Boy e Iracema Arditi. Foi convidado (1980) a realizar uma exposição no Museu do Sol, em Penápolis - SP e passou a assinar os quadros como Ignácio da Nega - homenagem à mãe, falecida em 1979 e conhecida como Nega em seu ofício de decoradora e costureira. Realizou exposições individuais em: Olinda, PE (1973); Penápolis, SP (1980). Participou de mostras coletivas e oficiais, destacando-se: Bienal Naïfs do Brasil, Piracicaba – SP (1996); POP Brasil: a arte popular e o popular na arte, CCBB – SP (2002); Arte Naïf, Galeria Jacques Ardies – SP (2004, 2005). JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG. 511; VOL. 5, PÁG. 495; ACERVO FIEO; ITAU CULTURAL; artenaifrio.blogspot.com/2012/02/ignacio-da-nega.html.



251 - CARLOS BRACHER (1940)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - serigrafia - 54/160 - 90 x 64 cm - canto inferior direito -

Natural de Juiz de Fora / MG, onde fez seus primeiros estudos. Orientou-se com Faiga Ostrower, Frederico Moraes, Inimá de Paula e Orlandino Seitas Fernandes. Grande retratista, excelente pintor de flores, mestre do intimismo mineiro, sabe lidar com brilhantismo, como poucos, com o desafio da paisagem mineira. Catálogo da Panorama de Arte Atual Brasileira - Museu de Arte Moderna de São Paulo/1976; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 118/ 120/ 123; PONTUAL, pág. 83; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 41; MEC, vol. 1, pág. 255; TEIXEIRA LEITE, pág. 83; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 802.



252 - GIBA ILHABELA (1948)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - técnica mista sobre papel - 11,5 x 19 cm - canto inferior direito - 1975 -
No estado.

Pintor e desenhista autodidata, nascido e criado no arquipélago de Ilhabela, SP. Teve como mentor, o pintor basco Fernando Odriozola, que definiu influências decisivas para a consolidação de sua técnica. Os dois conviveram em Ilhabela e, inclusive, fundaram o primeiro movimento cultural do município (1967) quando criaram um ateliê coletivo que se tornou referência regional e berço para o tradicional Salão de Artes Waldemar Belisário, que completou 45 anos. Veio para São Paulo (década de 1970) onde expôs na Praça da República e pela rica cultura nordestina. Mora, hoje, em Fortaleza e integra a roda de artistas cearenses contemporâneos. Possui obras em museus e pinacotecas fora do país, além de acervos pessoais pelo mundo. Completou 50 anos de carreira em 2018 e, para celebrar a data especial, a Fundação Arte e Cultura de Ilhabela realizou a exposição “50 Anos Fazendo Arte” (2019). www.tamoiosnews.com.br/exposicao/ilhabela-obras-do-artista-giba-ilhabela-estao-expostas-na-sede-da-fundacao-de-arte-e-cultura/.



253 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX
Lance Livre - VENDIDO

Damas - óleo sobre madeira - 38 x 30 cm - canto inferior esquerdo ilegível -
No estado.



254 - EMMA TONANNI (XX)
Lance Livre - VENDIDO

"Velhos barcos" - óleo sobre tela - 49 x 68 cm - canto inferior direito e dorso - 1977 -

Pintora nascida em Monte Alto, SP. Iniciou seu aprendizado artístico com o professor Yoshiyuki Miura e depois foi aluna de Salvador Rodrigues, Durval Pereira e Waldemar da Costa. Participou de várias mostras e Salões oficiais como: Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976, 1979, 1980, 2001); Salão de Belas Artes de Piracicaba, Piracicaba - SP (1979); Salão de Artes Plásticas de Itu, Itu - SP (1976); entre outros pelo interior do estado de São Paulo. Foi premiada em: São Paulo (1976, 1979); São Bernardo do Campo, SP (1976); Rio Claro, SP (1975); Amparo, SP (1975). ITAU CULTURAL.



255 - MOBY (1922 - 1978)
Lance Livre - VENDIDO

Irmãs - óleo sobre tela - 50 x 63 cm - canto superior direito - 1969 -

Pintor e desenhista, Mogens Osterbye nasceu em Copenhague, Dinamarca e faleceu em São Paulo. Assinava Moby. Estudou na Escola de Arte Decorativa e na Real Academia de Belas-Artes de Copenhague com o pintor Kresten Iversen. Passou um período em Paris após a Segunda Guerra Mundial. Em seguida, sabe-se que viajou muito de navio pelo Oriente e pelo Atlântico, exercendo várias atividades. Seu primeiro paradeiro no Brasil foi o Recôncavo Baiano, por volta de 1955. Terminou por fixar-se em São Paulo, onde participou do 1º Salão do Trabalho (1962); expôs na Galeria Astréia (1963), no Clube Escandinavo de São Paulo (1964) e na Galeria de Arte da Casa do Artista Plástico (1965). Participou de mostras na Galeria Atrium – SP (1967) e no Paço das Artes (1971). No Rio de Janeiro, realizou uma individual na Galeria Goeldi (1966). PONTUAL PÁG. 363; MEC VOL. 3, PÁG. 1; JULIO LOUZADA VOL. 8, PÁG. 578; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



256 - GERARDO DE SOUSA (1950)
Lance Livre - VENDIDO

"Abstrato V" - óleo sobre tela - 52 x 52 cm - canto inferior direito e dorso - 1989 - Rio de Janeiro -

Pintor, Gerardo Luiz de Sousa nasceu em Guaraciaba do Norte, CE. Assina Gerardo de Sousa. Ativo no Rio de Janeiro onde, em 1973, começou a expor seus trabalhos na Feirarte, Praça General Osório. Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1974 a 1978, 1980, 1985, 1987); Niterói, RJ (1979, 1983), Teresópolis, RJ (1982). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais no Rio de Janeiro e pelo o Brasil. No exterior expôs em: Milão (1975); San Salvador, Caracas, Toronto e Nova York (1976); Nova Jersey e Genebra (1977); Santiago do Chile (1979); Paris (1986); Tóquio (1989); Eslováquia (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1974) e em Piracicaba, SP (1992). MEC VOL. 4, PÁG. 313; JULIO LOUZADA VOL. 11, PÁG. 306.



257 - J. CARLOS (1884 - 1950)
Lance Livre - VENDIDO

"A batucada começou (1940)" - desenho a nanquim - 30 x 24 cm - canto inferior esquerdo -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



258 - M. MATTOS (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre eucatex - 22 x 16 cm - canto inferior direito - Parati - RJ -

Pintor e desenhista com diversas participações em mostras coletivas. JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 665; VOL. 6, PÁG. 706.



259 - EMILE TUCHBAND (1933 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Barcos - óleo sobre tela - 16 x 22 cm - canto superior direito -

Natural de Paris, fixou residência no Brasil a partir de 1956. Cursou a Escola de Belas Artes e a Escola de Arquitetura em Paris. Foi auxiliar de Marc Chagall na elaboração do teto da Ópera de Paris. Em 1960 realizou o cartaz do filme Orfeu do Carnaval. Pintor adepto à escola francesa, levava para as suas telas paisagens e impressões do Brasil, em cores vivas e composição exótica. BENEZIT, 10/301; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 999 ; Acervo FIEO.



260 - SERGEI YUR'EVICH SUDEIKIN (1883 - 1946)
Lance Livre - VENDIDO

Dançarina - técnica mista sobre cartão - 32 x 22 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, ilustrador e designer russo nascido perto de Smolensk ou em São Petersburgo e falecido em Nyack, NY. Estudou com Konstantin Korovin na Escola de Pintura, Escultura e Arquitetura de Moscou (1897 a 1909) e na Academia de São Petersburgo (1909 a 1911). Foi para Paris (1920) onde frequentou a "Académie de la Grande Chaumière" e para os Estados Unidos (1923). Pertenceu ao grupo Golubaya Roza (Blue Rose). Participou de exposições na Rússia, França e Estados Unidos. Em 2003, esteve representado na exposição sobre arte e artistas russos em Paris - "Paris 1910-1960" - organizada pelo Museu Russo em São Petersburgo e que visitou o Museu Von der Heydt, Wuppertal e o "Musée des Beaux-Arts", Bordeaux. BENEZIT; artinvestment.ru/en/auctions/?c=75001; www.artprice.com.



261 - CHRISTINA PARISI (1946)
Lance Livre - VENDIDO

"Fênix" - litografia - 36/70 - 100 x 71 cm - canto inferior esquerdo - 1995 -
No estado.

Desenhista e gravadora. Faz curso de especialização em desenho e história da arte na Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP. É aluna de Odair Magalhães e Selma Daffre, em curso de gravura em metal. Em 1979, realiza sua primeira exposição individual na Pinacoteca Municipal de Franca, na cidade de Franca, em São Paulo. Em 1980, ganha o Prêmio Revelação do Ano da Associação Paulista de Críticos de Arte. ITAÚ CULTURAL.



262 - DURVAL PEREIRA (1917 - 1984)
Lance Livre - VENDIDO

Barcos - óleo sobre eucatex - 10 x 20 cm - canto inferior direito - 1975 -

Nascido e falecido em São Paulo onde foi pintor e professor ativo. Premiado com a Menção Honrosa no Salão Paulista de Belas Artes em 1944, passou a viver exclusivamente da pintura. Em 1946, estudou artes plásticas na Associação Paulista de Belas Artes. Pintava ao ar livre, aos domingos, com os pintores Salvador Rodrigues, Salvador Santisteban, Cirilo Agostinho, Jaime Dinis, Djalma Urban, Innocencio Borghese, e outros. Premiado praticamente em todos os Salões de que participou, acumulou, em toda sua carreira, 419 prêmios de todos os cantos do mundo. Recebeu ao todo, 15 comendas das mais importantes do Brasil. Nos últimos três anos de sua vida recebeu também todos os Primeiros Prêmios e Medalhas de Ouro nas exposições de Paris, Rouen, Lyon, Roma, Miami e Milão (o maior prêmio dado à pintura: ‘La Madonina de Milano’). MEC, vol. 3, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 749; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO; www.tntarte.com.br.



263 - ANA MARIA VIOLA PENTEADO (1950)
Lance Livre - VENDIDO

"Amálgama = humanidade" - acrílico sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 2002 -

Pintora e desenhista nascida em São Paulo. Assinava Viola (até 1989). Atualmente assina A.M.A.. Cursou desenho com Romildo Paiva, Ida Zami e Dalto de Luca (1987) e na FAAP – SP; técnicas com João Rossi e Felipe Senatore; e outras matérias de filosofia, estética e história da arte. Realizou exposições individuais em: Sorocaba, SP (1987); São Paulo (1988, 1989, 1990, 1993); Santos, SP (1992). Participou de mostras coletivas e recebeu Menção Honrosa no 11º Salão Santos Dumont, no Círculo Militar do Estado de São Paulo, SP (1986). Foi diretora cultural do São Paulo Futebol Clube, onde organizou e coordenou o 1º Salão de Artes Plásticas do Clube (1988). JULIO LOUZADA VOL. 6, PÁG.864; ITAU CULTURAL.



264 - DJALMA AMÂNCIO DA COSTA (1918 - 1981)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 38 x 47 cm - canto inferior direito - 1978 -

Pintor e desenhista nascido e falecido no Rio de Janeiro. Participou de várias mostras coletivas. Assina Djalma da Costa.



265 - LORENZO DELLEANI (1840 - 1908)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre madeira - 60 x 84,5 cm - canto inferior direito - 16/05/1906 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador italiano nascido em Pollone, Piemonte e falecido em Turim. Foi mandado por seus pais para St-Jean-de-Maurienne - França para aprender música, mas desistiu e optou pela pintura. Até seu retorno para a Itália, estudou na Academia Albertina. Expôs pela primeira vez em 1863. BENEZIT; www.artprice.com.



266 - RAIMUNDO DE OLIVEIRA (1930 - 1966)
Lance Livre - VENDIDO

Torre de Babel - xilogravura - 3/10 - 30 x 42 cm - canto inferior direito -

Raimundo Falcão de Oliveira nasceu em Feira de Santana, BA e faleceu em Salvador, BA. Pintor, desenhista e gravador. Iniciou-se nas artes por intermédio da mãe, pintora de temática religiosa, que o encaminhou para o desenho e a pintura, como também o orientou na religião. Incentivado pela professora de desenho, expôs pela primeira vez no Ginásio Santanópolis, onde retratou os professores da escola. Após a conclusão do curso ginasial, em 1947, seguiu para Salvador, onde fez cursos regulares de pintura com Maria Célia Amado, na Escola de Belas Artes da Universidade da Bahia, e conheceu Mario Cravo Júnior e Jenner Augusto . Realizou a primeira individual no hall da Prefeitura de Feira de Santana, em 1951, momento em que se ligou a um grupo de artistas independentes, responsável pelos ‘Cadernos da Bahia’. Residiu em São Paulo de 1958 a 1964, depois voltou a morar na Bahia. Viveu no Rio de Janeiro entre 1965 e 1966. Realizou exposição individual no MAM, RJ (1966), entre outras, e participou, também entre outras, da 7ª e 8ª Bienal de São Paulo (1963 e 1965). Em Salvador foi premiado em 1955 e 1956. No ano de sua morte foi editada a ‘Pequena Bíblia de Raimundo de Oliveira. Xilogravuras’, pela Galeria Bonino e Petite Galerie, organizada por Julio Pacello, com prefácio de Jorge Amado. Em 1982, foi publicado o segundo álbum do artista, ‘Via Crucis’, pela Fundação Cultural do Estado da Bahia, e foi inaugurada a Galeria Raimundo de Oliveira, em Salvador. TEIXEIRA LEITE, 365; PONTUAL, 394; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; MEC VOL. 3, PÁG. 299; JULIO LOUZADA VOL. 7, PÁG. 524; ACERVO FIEO.



267 - JOSÉ LUIZ CARDOSO DE ALMEIDA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

"Figura feminina" - acrílico sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso - 2013 -
Com Certificado de Autenticidade firmado pelo autor, datado Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2013.

Pintor atuante no Rio de Janeiro. Assina J.L.Almeida. Frequentou, por volta de 1976, a escola de Arte "Colmeia dos Pintores do Brasil", RJ, que foi fundada pelo pintor Levino Fanzeres. Realizou exposições individuais em: São João do Meriti, RJ (1997, 2001); Rio de Janeiro (1998). Participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiado em: São João do Meriti, RJ (1979, 1989, 1995); Nilópolis, RJ (1993); Rio de Janeiro (1995, 1998, 2008 a 2013).



268 - FRANCISCO MANNA (1879 - 1943)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre madeira - 13 x 19 cm - canto inferior direito -
Com dedicatória.

Pintor e desenhista italiano, natural da Sicilia, onde nasceu a 15 de julho de 1879. Chegou ao Brasil com oito anos de idade, fixando-se com a família em Porto Alegre. Recebeu aulas de do artista italiano Romualdo Pratti. Seguiu para a Itália em 1901, onde cursou a Real Academia de Roma. No Rio de Janeiro, a partir de 1903, passou a frequentar como aluno livre as aulas de João Zeferino da Costa, Henrique Bernardelli e João Baptista da Costa, na Escola Nacional de Belas Artes. Recebeu o prêmio de viagem ao estrangeiro, mas não pode desfrutá-lo, haja vista sua condição de estrangeiro. MEC., vol.3, pág.47; PONTUAL, pág.334; WALMIR AYALA, vol.2, pág.37; TEIXEIRA LEITE, pág.306.; ITAÚ CULTURAL.



269 - MASAO (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Homenagem a Monet - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito - 1995 -
Com inscrições no dorso.

Pintor com diversas exposições coletivas e participacões em Salões. JULIO LOUZADA, vol.9, pag.558.



270 - GIUSEPPE GIARDIELLO (1887 - 1920)
Lance Livre - VENDIDO

Pescador - óleo sobre tela - 42 x 52 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista italiano nascido em Nápoles. Participou de diversas mostras e Salões oficiais. Suas obras têm sido comercializadas em leilões de toda a Europa. www.artnet.com; artist.christies.com; www.artprice.com; www.arcadja.com.



271 - DARCILIO LIMA (1944 - 1991)
Lance Livre - VENDIDO

Figura surreal - litografia - 22/30 - 65 x 50 cm - canto inferior direito - 1970 -

Cearense de Cascavel, o festejado desenhista Darcilio foi para o Rio de Janeiro, e já depois de haver iniciado autodidaticamente seu trabalho no campo da pintura e da utilização do lápis cêra. Recebeu orientação de Ivan Serpa, passando a dedicar-se especialmente ao desenho a bico-de-pena, com a permanente fixação gráfica da fantasia erótica como veículo de impacto crítico. PONTUAL, pág. 159. MEC, vol.1, pág.17; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE; ITAU CULTURAL.



272 - MANOEL CHATEL DIAS (1917)
Lance Livre - VENDIDO

Baiana - acrílico sobre tela - 41 x 33 cm - canto inferior direito -

Seguidor da temática primitivista, exerce suas atividades artísticas na cidade do Rio de Janeiro, onde nasceu. Naquela cidade, participou do SNBA, obtendo Menção Honrosa. Participa de outros certames oficiais nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, e também no exterior (Nova Iorque). JULIO LOUZADA vol.1, pág. 255.



273 - MENASE VAIDERGORN (1927)
Lance Livre - VENDIDO

"Cozinha caipira" - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



274 - GINO BRUNO (1889 - 1977)
Lance Livre - VENDIDO

Canto de ateliê - óleo sobre tela - 50 x 90 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Nascido e falecido em São Paulo, este pintor foi especialista em figuras, interiores e naturezas-mortas. TEODORO BRAGA, pág. 108; MEC, vol. 1, pág. 299; PONTUAL, pág. 92; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 135; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 623; Acervo FIEO.



275 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Candangos - múltiplo em bronze - 31 x 15 x 04 cm - assinado -

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



276 - RENINA KATZ (1925)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - gravura - H.C. - 25 x 23 cm - canto inferior direito - 1999 -

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



277 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre eucatex - 49 x 52 cm - não assinado -
No estado.



278 - ANGELO CANNONE (1899 - 1992)
Lance Livre - VENDIDO

Barqueiro - óleo sobre eucatex - 20 x 30 cm - canto inferior esquerdo e dorso -

Pintor, desenhista e professor nascido em Abruzzo, Itália. Assinava D’Angelo, Angelo Cannone e A. Cannone. Aos cinco anos mudou-se para Nápoles com sua família. Em fins de 1947, veio para o Brasil, residiu algum tempo em São Paulo e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se radicou e lá faleceu. Estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles com Paolo Vetri. Viveu em Roma durante quatro anos com uma pensão conquistada em um concurso em Nápoles. Lecionou desenho no Instituto Técnico. Expôs individualmente em São Paulo (1947, 1993) e no Rio de Janeiro (1947, 1973, 1980, 1984). Foi premiado, na Itália, em: 1922, 1925, 1929, 1941 e, no Brasil, em 1960. Em 1972 pintou o retrato do papa Pio X, em tamanho natural, que está na Igreja dos Italianos, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 168; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 187; VOL. 3, PÁG. 203; VOL.8, PÁG. 165; VOL. 9, PÁG. 171; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com; www.arcadja.com.



279 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

"Paisagem do Rio Pirassununga" - óleo sobre cartão colado em eucatex - 25 x 35 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1971 -
No estado.

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



280 - CHARLES FRANÇOIS DAUBIGNY (1817 - 1878)
Base: R$ 7.300,00 - Aguardando oferta

"La plage de Villerville" - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e gravador francês nascido e falecido em Paris. Assina Daubigny. Associado à Escola de Barbizon, não viveu nessa cidade. Foi um dos pioneiros da pintura ‘plein air’ na França. Nascido em uma família de artistas, seu pai e seus tios também pintavam, Daubigny teve como primeiro mestre o próprio pai, Edmé François. Aos dezessete anos, após a morte de sua mãe, resolveu viajar e foi para Roma, onde visitou todos os museus. De volta a Paris, integrou-se à classe de Paul Delaroche na Escola de Belas Artes (1838) e o pintor Granet, conservador do Museu do Louvre, empregou-o como restaurador de quadros. Não era um trabalho que apreciava e achava uma profanação tocar em uma obra prima. Despedido do Louvre passou a fazer ilustrações comerciais, desenhos para caixas de bombons e gravações sobre madeira. Em 1838, 1840 e 1845 participou de Salões apresentando algumas águas-fortes. A partir de 1844, sua reputação como pintor começou a se firmar. Em 1857 expôs, no Salão, a obra ‘Le Printemps’ e com o sucesso, foi encarregado da decoração das escadas dos salões de Estado no Louvre. Graças a esse trabalho e à posse de uma pequena herança, realizou um antigo sonho: mandou construir uma barca - ‘Bottin’ - que lhe serviu de habitação e permitiu uma vida errante em contato direto e permanente com sua fonte de inspiração: os rios e canais. Em 1874 foi feito cavaleiro da ‘Legion d’Honneur’. Vários museus da Europa possuem obras suas. BENEZIT VOL. 3, PÁG. 369; DICIONÁRIO OXFORD PÁG. 143; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.314; www.charles-francois-daubigny.org; www.nationalgallery.org.uk; www.rehs.co; www.britannica.com; artnet.com; artist.christies.com; web.artprice.com.



281 - DAREL VALENÇA LINS (1924 - 2017)
Lance Livre - VENDIDO

Nu - litografia - 24/50 - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



282 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)
Lance Livre - VENDIDO

Vaso de flores - técnica mista sobre papel - 40 x 30 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. No estado.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



283 - INGRES SPELTRI (1940)
Lance Livre - VENDIDO

"Alagados" - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



284 - NANDO RIBEIRO (1963)
Lance Livre - VENDIDO

Músicos - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2019 -

Pintor e desenhista, Fernando Ferreira Ribeiro nasceu em Pires Ferreira, Ceará. É autodidata em pintura e desenho. Assinava Ferferi até 1993. Atualmente assina Nando Ribeiro. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais em: Embu, SP (1983 a 1985, 1989, 1992, 1993, 1998); Guarujá, SP (1987); São Paulo (1988, 1990, 1991, 2004); Sorocaba, SP (1988, 1992); Bruxelas, Bélgica (1988); Avignon, França (1990); Três Fronteiras, SP (1994); Itanhaém, SP (1995); Poços de Caldas, MG (1997); Campinas, SP (1999, 2000); Campo Grande, MS (2002). Recebeu Menção Honrosa (1985) no Espaço Cultural IBM Brasil, SP e em Três Fronteiras, SP (1994). JULIO LOUZADA VOL. 8, PÁG 698; www.artmajeur.com/pt/nandoribeiro/presentation.



285 - GUERINO GROSSO (1907 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - canto inferior direito - 1952 -

Pintor, desenhista e professor nascido em Rio Claro, SP e falecido em São Paulo. Iniciou seu aprendizado artístico, em 1917, com Lúcia Machado e Igino Acquarone. Frequentou a Escola de Belas Artes de São Paulo. Foi sócio-fundador da Associação Paulista de Belas Artes de São Paulo onde atuou como professor e conselheiro a partir de 1942. Participou do Salão Paulista de Belas Artes, SP em: 1942 (Menção Honrosa), 1943, 1944, 1947, 1948, 1949, 1951, 1952 (Medalha de Bronze), 1953, 1964, 1967 (Pequena Medalha de Prata), 1980; do Salão de Verão – SP em 1975 (Grande Medalha de Prata); do Salão de Belas Artes de Rio Claro em 1957 (Medalha de Ouro), 1979 (Menção Honrosa). MEC VOL. 2, PÁG. 284; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 448; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO.



286 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Flor - serigrafia - 16 x 16 cm - canto inferior direito - 1984 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



287 - JOSÉ SABÓIA (1949)
Lance Livre - VENDIDO

Trabalhadores - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



288 - MIRAMAR BORGES (1951)
Lance Livre - VENDIDO

Coruja - escultura em madeira - 33 x 17 x 14 cm - assinado -
No estado.

Escultor mineiro nascido em Cachoeira do Brumado, município de Mariana. Antes de ser escultor, trabalhou na roça e também na produção de utensílios domésticos em pedra sabão, um trabalho bastante comum na região de Mariana. Autodidata, em 1982 começou a esculpir em madeira. Recebeu muito apoio de Artur Pereira, um dos grandes mestres da escultura mineira, que também era de Cachoeira do Brumado e grande incentivador de muitos outros artistas da cidade. Participou da mostra coletiva: "Pop Brasil: a arte popular e o popular na arte" no Centro Cultural Banco do Brasil, SP (2002); entre outras. artepopularbrasil.blogspot.com/2011/03/miramar-borges.html; artedobrasil.com.br/miramar_borges.html; ITAU CULTURAL.



289 - JEAN PIERRE LACOURT (1938)
Lance Livre - VENDIDO

"Igreja São Francisco" - pastel - 36 x 42 cm - canto inferior direito - Olinda - PE -
Reproduzido sob o n° 151 em catálogo de Leilão de Arte de James Lisboa, Leiloeiro Oficial, São Paulo - SP, realizado em setembro de 2016. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e arquiteto francês. Formado em arquitetura, exerceu esta profissão em Paris e nas províncias francesas até 2002. Pinta assiduamente desde muito jovem. Viajou pela França, Europa, Mediterrâneo e América Latina. Participou de mostra coletiva em São Paulo em 2004. Realizou exposição individual, também em São Paulo, em 2010. ITAU CULTURAL; www.galeriandre.com.br/jean-pierre-lacourt/.



290 - VINCENZO CENCIN (1925 - 2010)
Lance Livre - VENDIDO

"Marinha" - óleo sobre tela colada em madeira - 50 x 73 cm - canto inferior direito - 2006 -
Com certificado de autenticidade do Autor, datado de 07 de maio de 2007. No estado.

Pintor e engenheiro nascido em Veneza, Itália e falecido em São Paulo. Formou-se engenheiro eletromecânico na Itália. Iniciou-se na pintura sob a orientação de Francescchini (1941) na cidade de Tolmezzo. Durante a Segunda Guerra Mundial enfrentou os fascistas e foi preso por alemães, ficando um ano e meio em um campo de concentração. Terminada a guerra emigrou para o Brasil, fixando residência em São Paulo (1949). Nos anos de 1950, 1960 e 1970, sem abandonar a pintura, trabalhou como engenheiro eletrônico numa indústria de eletrodomésticos de São Paulo. Em 1980 aposentou-se para dedicar-se somente à pintura, montando em 1981 a Galeria Velha Europa. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1981, 1982, 1992); Fortaleza, CE (1986); Rio de Janeiro (1986, 1987, 1988); Blumenau, SC (1990). Participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais, recebendo alguns prêmios. Em 1992 realizou-se exposição comemorativa dos 50 anos de sua pintura em São Paulo. JULIO LOUZADA, VOL.2, PÁG. 262; VOL. 6, PÁG. 239; ITAU CULTURAL; portalartes.com.br; oscardambrosio.com.br; www.artprice.com.



291 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)
Lance Livre - VENDIDO

Cavaleiro - gravura - H.C. - 21 x 21 cm - canto inferior direito - 1978 -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



292 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - aquarela - 34 x 24 cm - canto inferior direito - Tiradentes - MG -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



293 - ANTONIO PESSOA (1943)
Lance Livre - VENDIDO

Bustos - múltiplo em bronze - assinados -
Lote composto por dois múltiplos, medidas: 1ª) 14 x 09 x 06 cm. 2ª) 09 x 05 x 04 cm.

Escultor, assina Tonny. Radicado no Rio de Janeiro detentor de bom curriculo nacional e internacional com inumeras participações em Salões Oficiais,varias vezes premiado. Ótimo mercado.



294 - GONZALO FONSECA (1922 - 1997)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre cartão - 19 x 31 cm - canto superior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e escultor uruguaio nascido em Montevidéu e falecido na Itália. Quando criança visitava frequentemente a Europa junto com a família. Estudou arquitetura na Universidade do Uruguai (1939 a 1941) e frequentou o Ateliê Joaquim Torres Garcia (1942 a 1949), em Montevidéu. Viveu em Paris (1952 a 1957), viajou para o Egito, Espanha e mudou-se para Nova York (1958). Dividiu seu tempo entre Nova York e Itália. Realizou obras públicas (entre 1962 e 1970) - playgrounds, monumentos, passagens subterrâneas em: "New School of Social Research", Nova York; "Alza Laboratory", Palo Alto - California; Reston – Virginia; Bronx, Nova York; torre de concreto na cidade olímpica do México. Realizou exposição individual na "Portland Art Exhibit" (1968) e no "Jewish Museum" em Nova York (1970). Participou de mostras coletivas como: "Latin-American Artists of the 20th Century" no Museu de Arte Moderna de Nova York (1933); "Abstraction: The Amerindian Paradigm" no Centro Julio González do Instituto de Arte Moderna de Valencia (2001). Foi convidado de honra na exposição de esculturas "Volkesund", na Dinamarca (1985). Uma exposição retrospectiva de suas obras e de seu filho Caio foi realizada no Centro Julio González do Instituto de Arte Moderna de Valencia em 2003. BENEZIT; www.gonzalofonseca.com; www.artprice.com.



295 - HELENOS SILVA (1941)
Lance Livre - VENDIDO

Conversando - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior esquerdo - 1989 -

Pintor, ilustrador, desenhista, gravador e publicitário, Edson Heleno da Silva nasceu em Recife, PE. Assina Helenos. Começou a pintar aos 19 anos de idade, ilustrando painéis de instrução para cursos militares internos em Recife. Na década de 1960, produziu faixas e cartazes para as campanhas políticas de Miguel Arraes, iniciou seus trabalhos no campo publicitário e de ilustração não deixando de se envolver nos movimentos de arte de Recife, Olinda, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Vem para São Paulo em 1969. Realizou exposições individuais em: Rio de Janeiro (1963, 1967, 1973, 1975, 1978); Recife, PE (1969 – Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, 1981); São Paulo (1969, 1971, 1973, 1974, 1976, 1977, 1978, 1981, 1983, 1986); Campina Grande, PB (1971 – Museu de Arte Contemporânea de Campina Grande); Brasília, DF (1974); Santos, SP (1979, 1982, 1984); Salvador, BA (1980); Olinda, PE (1985); Goiânia, GO (1985); Fortaleza, CE (1985). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1965, 1969); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1973, 1976|). Foi premiado em: Salvador, BA (1966 - I Bienal da Bahia); Recife, PE (1966, 1967); Rio de Janeiro (1968 – Salão Esso de Artistas Jovens, MAM-RJ); Brasília, DF (1968); Jundiaí, SP (1969); Campinas, SP (1970). Produziu documentários para a TV Cultura de Pernambuco e a de São Paulo (entre 1968 e 1974). MEC VOL. 2, PÁG. 334; WALMIR AYALA VOL. 1-PÁGS. 386; PONTUAL PÁG. 262; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 462, VOL.2, PÁG.492; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO.



296 - RIGOBERT BONNE (1727 - 1795)
Lance Livre - VENDIDO

"Carte de la partte septentrionale du Bresil" - litografia - 23 x 33 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Cartógrafo e hidrógrafo francês nascido em Raucourt. Seus mapas são encontrados no ‘Atlas Moderne’ (1762), ‘Raynal's Histoire Philos du Commerce des Indes’ (1774, ‘Atlas Encyclopédique’ (1787-1788), entre outros). www.mapsofworld.com; www.theantiquarium.com; www.artprice.com.



297 - MAAMOR JANTAN (1961)
Lance Livre - VENDIDO

Floresta - técnica mista sobre tela - 66 x 86 cm - centro inferior -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor autodidata da Indonésia. Embora ele esteja morando na cidade desde os anos 80, frequentemente retrata cenas de campos de arroz, vilas de pescadores, barcos, redes e praias arenosas em suas pinturas. Tem participado de mostas coletivas. www.askart.com; www.artprice.com.



298 - NEWTON REZENDE (1912 - 1994)
Lance Livre - VENDIDO

Homenagem a Graciliano Ramos - desenho a nanquim - 29 x 24,5 cm - centro inferior - 1954 -
Com etiqueta de Galeria Seta, Rua Antonio Carlos, 282 - São Paulo - SP, no dorso.

Pintor, desenhista, gravador e escultor, Newton da Silva Rezende nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Foi autodidata em pintura. Viajou a Buenos Aires (1946) onde trabalhou como artista publicitário. De volta ao Brasil, fixou residência no Rio de Janeiro e realizou sua primeira individual, no Instituto dos Arquitetos do Brasil, RJ (1948). Participou do Concurso Internacional de Publicidade (1962) em Miami, Estados Unidos, e recebeu Menção Honrosa. Recebeu o título de Diretor do Ano (1968), outorgado pelo Clube dos Diretores de Arte do Brasil. Realizou mais exposições individuais em: São Paulo (1971 - Museu de Arte Brasileira – FAAP, 1973, 1975); Rio de Janeiro (1962, 1965, 1968, 1969, 1970, 1972, 1974). Participou do Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1948); do Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1954 a 1958); do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP (1974, 1979), entre outras mostras coletivas e oficiais. Ferreira Gullar escreveu um livro sobre sua obra que foi editado pela Galeria Bonino (1980). A Rede Globo e a Riotur lhe prestaram homenagem: a primeira em Noite Única em 1983 e, a segunda em 1986. MEC VOL. 4, PÁG. 54; PONTUAL PÁG. 450; ITAU CULTURAL; TEIXEIRA LEITE PÁG. 444; WALTER ZANINI PÁG. 755; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 820; www.artprice.com; www.artnet.com; www.blouinartinfo.com.



299 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Estudo - desenho a carvão - 24 x 45 cm - não assinado -



300 - JOÃO DUTRA (1893 - 1984)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela colada em cartão - 25 x 34 cm - canto inferior esquerdo - 1924 -

Nasceu em Rio Claro, SP, e faleceu em Piracicaba-SP. Descendente da família Dutra, composta de pintores ativos em São Paulo a partir do Séc. XVIII durante várias gerações. Expôs pela primeira vez em 1919, em São Paulo, onde realizaria outras mostras até 1937. Participou do SNBA, recendo medalha de prata. Destacou-se como autor de naturezas mortas. TEODORO BRAGA, pág. 85; MEC, vol. 2, pág. 84; TEIXEIRA LEITE, pág. 171; PONTUAL, pág. 186; ITAU CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



301 - FANG (1931 - 2012)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - serigrafia - 147/180 - 57 x 71 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Chien Kong Fang, ou simplesmente Fang, nasceu na cidade de Tung Cheng, China e faleceu em São Paulo. Estudou sumiê e aquarela na China em 1945. Veio morar em São Paulo com a família em 1951, naturalizando-se brasileiro em 1971. Entre 1954 e 1956, estudou pintura com Yoshiya Takaoka em São Paulo. Viajou, em 1977, para a América do Norte, Europa e Ásia, onde desenvolveu o seu trabalho de pintura. Em 1981, foi realizado o curta metragem biográfico ‘O Caminho de Fang’, em São Paulo. Visitou a China, convidado pelo governo chinês, em 1985. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1959, 1961, 1962, 1978, 1981, 1993, 2005); Salvador, BA (1962); Rio de Janeiro (1978, 1986); Schleswing, Alemanha (1985); Lugana, EUA (1990); Americana, SP (1994); Formosa, Taiwan (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1957) e em São Paulo (1960 a 1962, 1967 a 1969, 1978, 1979, 1991). Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1978). MEC, VOL. 2, PÁG. 124; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 366; VOL. 6, PÁG. 378; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 189; PONTUAL, PÁG. 201; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; www.fang.com.br; www.artprice.com.



302 - MANINHA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Casal - técnica mista sobre papel - 23,5 x 21,5 cm - centro inferior - 1981 -
Com a seguinte inscrição: "O que aconteceu o estado de despertar".

Natural do Estado do Amazonas, a pintora Maninha nunca teve a preocupação de agradar ou contrariar e usando de uma liberdade de expressão rara, suas produções são uma união explosiva de símbolos colhidos com naturalidade desconcertante. Realizou uma individual na Petite Galerie, RJ, em 1868, com crítica de Pietro Maria Bardi. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 574; MEC, vol. 3, pág. 47.



303 - TAPETE ORIENTAL,
Lance Livre - VENDIDO


Ponto de nó, feito a mão, de lã, Paquistão, medindo: 1,14 x 0,71m = 0,81 m². No estado.



304 - HELIO DE CASTRO (1960)
Lance Livre - VENDIDO

Pescadores - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo -

Excepcional pintor de paisagens e marinhas, dono de refinada técnica e composição, com inspiração nas escolas européias. JULIO LOUSADA, vol. 4, pág. 514



305 - FRANS KRAJCBERG (1921 - 2017)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista sobre papel - 14 x 07 cm - canto inferior direito -

Escultor, pintor, gravador e fotógrafo nascido em Kozienice, Polônia. Estudou engenharia e artes na Universidade de Leningrado, Rússia. Durante a Segunda Guerra Mundial perdeu toda a família em um campo de concentração. Mudou-se para a Alemanha, ingressando na Academia de Belas Artes de Stuttgart, onde foi aluno de Willy Baumeister. Chegou ao Brasil em 1948. Em 1951, participou da 1ª Bienal Internacional de São Paulo com duas pinturas. Residiu por um breve período no Paraná, isolando-se na floresta para pintar. Em 1956, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde dividiu o ateliê com o escultor Franz Weissmann. Naturalizou-se brasileiro no ano seguinte. A partir de 1958, alternou residência entre o Rio de Janeiro, Paris e Ibiza. Desde 1972, reside em Nova Viçosa, no litoral sul da Bahia. Ampliou o trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais, utilizando troncos e raízes, sobre os quais realiza intervenções. Viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso e fotografa os desmatamentos e queimadas, revelando imagens dramáticas. Na década de 1980, iniciou a série ‘Africana’, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. O Instituto Frans Krajcberg, em Curitiba, foi inaugurado em 2003 recebendo a doação de mais de uma centena de obras do artista. No fim de 2008 realizou sua primeira grande exposição individual em São Paulo - 65 esculturas e 40 fotos de queimadas, exibidas no pavilhão da Oca, no Parque do Ibirapuera. TEIXEIRA LEITE, PÁG. 272; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 514; VOL. 6, PÁG. 559; MEC VOL. 2, PÁG. 411; PONTUAL PÁG. 293; www.artprice.com; www.eca.usp.br; www.macniteroi.com.br; planetasustentavel.abril.com.br.



306 - MACIEJ ANTONI BABINSKI (1931)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - litografia - P.A. - 23 x 22 cm - canto inferior direito - 1962 -

Gravador, ilustrador, pintor, desenhista e professor nascido em Varsóvia, Polônia. Migrou com a família para a Inglaterra (1940), por causa da Segunda Guerra Mundial. Iniciou sua formação artística com o padre Raphael Williams O.S.B. Fixou-se com a família em Montreal, Canadá (1949) onde estudou pintura com John Goodwin Lyman, na "McGill University". Além disso, teve aulas de gravura com Eldon Grier e fez cursos de desenho e pintura com Goodrich Roberts na "Art Association of Montreal". Paralelamente, aproximou-se do grupo de vanguarda "Les Automatistes" reunido em torno de Paul-Émile Borduas e, juntos, expuseram no "Musée des Beaux-Arts de Montréal" (1952) e realizou sua primeira individual (1953). Mudou-se para o Brasil (1953) e permaneceu no Rio de Janeiro até 1965. Teve contato com Oswaldo Goeldi, Augusto Rodrigues e Darel. Realizou 24 águas-fortes para o livro "Cadernos de João", de Aníbal Machado, editado pelos Cem Bibliófilos do Brasil (1961). Em 1965 foi convidado a lecionar no Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília - ICA/UnB, da qual se afastou um ano depois em virtude de perseguições políticas. Após viver oito anos em São Paulo (1966 a 1974), mudou-se para Minas Gerais e foi lecionar na Universidade Federal de Uberlândia (1979 a 1987). Com a anistia política foi reintegrado à UnB (1988), lá permanecendo até se aposentar (1991) quando passou a residir no interior do Ceará. Expôs na Bienal Internacional de São Paulo (1967, 1985). Participou de várias edições do Salão Nacional de Arte Moderna, do Salão Paulista e do Panorama da Arte Atual Brasileira, entre outros eventos de arte. Foi realizada a retrospectiva "Babinski: 50 Anos de Brasil", em Brasília (2004). TEIXEIRA LEITE PÁG. 48; PONTUAL PÁGS. 46 E 47; MEC VOL. 1, PÁG. 157; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 69; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 81; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 720; ARTE NO BRASIL PÁG. 903, ACERVO FIEO; www.iar.unicamp.br; www.artprice.com.



307 - ADELSON DO PRADO (1944)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 46 x 66 cm - canto superior direito - 1966 -

Pintor e desenhista, Adelson Filadelfo do Prado nasceu em Vitória da Conquista, BA. Assina Adelson do Prado. Autodidata, começou a desenhar aos treze anos, copiando imagens religiosas e igrejas da sua cidade. Realizou a 1ª Convenção dos Artistas Locais (1960) e inaugurou o painel da Biblioteca Pública Monteiro Lobato, em Vitória da Conquista. Transferiu-se para Salvador (1962) participando desde então de diversas exposições coletivas e oficiais, entre as quais da I BNAP (1966). Foi premiado no I SNAP (1966); na mostra coletiva do Museu de Arte Moderna do Espírito Santo, Vitória (1966). Exposições individuais: Salvador, BA (1996, 1998); Rio de Janeiro (1967, 1969, 1971, 1999); Nova York, EUA (1971). Em 1977, inaugurou o painel do Salão Nobre da Tribuna de Honra do Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. PONTUAL PÁG. 4; TEIXEIRA LEITE PÁG. 14; WALMIR AYALA VOL.2, PÁG.221; MEC VOL. 3, PÁG. 434; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 782; VOL. 9, PÁG. 698; ITAU CULTURAL; artenaifrio.blogspot.com.br; www.artprice.com.



308 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Caçador - escultura em madeira - 37 x 11 x 09 cm - assinado -
Antonio Joto.



309 - NICOLA ASCIONE (1870 - 1957)
Lance Livre - VENDIDO

Estudo - desenho a lápis - 30 x 41 cm - canto inferior direito - 1888 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Excepcional pintor italiano, ficou conhecido como o titã da cenografia, da perspectiva e da cor. O autor ainda revolucionou a técnica de contrução do altar. Fonte: http://www.torreweb.it/raimondo/nicolaascioneit.htm



310 - GEORGINA DE ALBUQUERQUE (1885 - 1962)
Lance Livre - VENDIDO

Igreja - óleo sobre madeira - 18,5 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintora e professora. Aos 15 anos, inicia sua formação artística com o pintor italiano Rosalbino Santoro (1858 - s.d.). Muda-se para o Rio de Janeiro em 1904, matricula-se na Escola Nacional de Belas Artes - Enba e estuda com Henrique Bernardelli. Em 1906, casa-se com o pintor Lucílio de Albuquerque e viaja para a França. Em Paris, frequenta a École Nationale Supérieure des Beaux-Arts e ainda a Académie Julian, onde é aluna de Henri Royer. Volta ao Brasil em 1911, expõe em São Paulo e, partir dessa data, participa regularmente da Exposição Geral de Belas Artes. De 1927 a 1948, leciona desenho artístico na Enba e, em 1935, é professora do curso de artes decorativas do Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal. Em 1940, em sua casa no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, funda o Museu Lucílio de Albuquerque, e institui um curso pioneiro de desenho e pintura para crianças. Entre 1952 e 1954, exerce o cargo de diretora da Enba. TEIXEIRA LEITE, págs. 15 e 16; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 22 a 26; TEODORO BRAGA, pág. 107; REIS JR., pág. 370; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 1, págs.17 e 141; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 455; ARTE NO BRASIL, pág 574; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



311 - FERNANDO ODRIOZOLA (1921 - 1986)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - gravura - 20/100 - 51 x 71 cm - canto inferior direito - 1978 -
No estado.

Fernando Pascual Odriozola nasceu em Oviedo, Espanha e faleceu em São Paulo. Pintor, desenhista e gravador. Começou a pintar em 1936. Veio para o Brasil em 1953 e fixou residência em São Paulo. No ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual na Galeria Portinari. O Museu de Arte Moderna de São Paulo dedicou-lhe outra individual, em 1955. Na década de 1960, lecionou no Instituto de Arte Contemporânea da Fundação Armando Álvares Penteado e colaborou como ilustrador nos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de S. Paulo, e na revista Habitat. Em 1964, integrou, com Wesley Duke Lee , Yo Yoshitome e Bin Kondo , o Grupo Austral, ligado ao movimento internacional Phases. Participou das 7ª, 8ª, 9ª, 12ª, 13ª, 14ª, 15ª e 18ª Bienais Internacionais de São Paulo onde foi premiado na 7ª, 8ª, e 14ª edição; da 7ª Bienal de Tóquio; dos 2º e 5º Panoramas da Arte Atual Brasileira, entre outras. No ano de seu falecimento, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) realizou uma exposição retrospectiva póstuma em sua homenagem. JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG. 231; MEC VOL.3, PÁG.291; PONTUAL PÁG. 389; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 737; ARTE NO BRASIL PÁG.907; LEONOR AMARANTE PÁG. 143; ACERVO FIEO.



312 - JOÃO ALVES (1905 - 1970)
Lance Livre - VENDIDO

Lavadeira - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito - 1958 -

Pintor ingênuo, autodidata, cuja obra tem como tema a paisagem urbana de Salvador, capital de seu Estado natal. Expôs individualmente no Museu de Arte Moderna de Salvador em 1961, e na Galeria Montmartre - RJ em 1965, com apresentação de Jorge Amado. JULIO LOUZADA vol. 9 pág 38; TEIXEIRA LEITE, pág. 22; ITAU CULTURAL; MEC, vol. 1, pág. 71; PONTUAL, pág. 20. Acervo FIEO.



313 - PAGU (1910 - 1962)
Lance Livre - VENDIDO

Figura - desenho a nanquim - 32,5 x 26 cm - canto inferior esquerdo -

Escritora e jornalista, Patrícia Rehder Galvão nasceu em São João da Boa Vista, SP. Muda-se com a família para São Paulo quando tinha três anos. Aos dezoito anos, após ter completado seus estudos, já está integrada ao Movimento Antropofágico, de cunho Modernista, sob influência de Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, colaborando com desenhos para a Revista de Antropofagia. Em 1931, junto com Oswald de Andrade, funda o jornal tablóide O Homem do Povo onde escreve artigos, faz desenhos, charges e vinhetas. Em 1933 Pagú lança seu primeiro romance, Parque Industrial - romance proletário, sob o pseudônimo de Mara Lobo por exigência do Partido Comunista. Falece em Santos, SP, depois de uma vida de militância política e social bastante agitada. www.vidaslusofonas.pt/pagu; pt.wikipedia.org.



314 - THÉO (DJALMA PIRES FERREIRA) (1901 - 1980)
Lance Livre - VENDIDO

"Salva vidas" - desenho a nanquim e guache - 41 x 29 cm - canto superior esquerdo -
No estado.

Caricaturista, Théo é o pseudônimo de Djalma Pires Ferreira, nascido na Bahia e falecido em Araruama, RJ, filho de um ex-tenente da Guerra de Canudos. Veio para o Rio de Janeiro com 21 anos. Autodidata, publicou seus primeiros trabalhos na "Tarde" (1918 a 1922) e no "Diário de Notícias", seção esportes (1919). Foi o divulgador da "Bola do Dia" das colunas de "O Globo" e colaborou no "Malho", "Careta", "Fon-Fon", em outras revistas e jornais do Rio de Janeiro e na "Cigarra", em São Paulo. Exposições póstumas: São Paulo (1997, 2003); Belo Horizonte, MG (1997); Campinas, SP (1997); Brasília, DF (1998). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 4, PÁG. 384; CARICATURISTAS BRASILEIROS 1836 – 2001, PÁG. 120; memoria.oglobo.globo.com; www.guiadosquadrinhos.com; www.ibahia.com.



315 - CANDIDO DE OLIVEIRA (1961)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, Edmilson Cândido de Oliveira é natural de Pesqueira, Pernambuco. Assinava até 1985: Edmilson e, atualmente, assina Cândido de Oliveira. Teve como mestres José Ismael e Gilberto Geraldo. Realizou exposição individual em São Paulo (1995) e participa de mostras coletivas desde 1993, com premiações em: Guarulhos, SP (1993); Matão, SP (1994); Amparo, SP (1995); São Paulo (1995). JULIO LOUZADA VOL.7, PÁG. 520; VOL. 8, PÁG. 620; www.artnet.com.



316 - MARIA BONOMI (1935)
Lance Livre - VENDIDO

"Caracalla" - litografia - P.A. - 40 x 73 cm - canto inferior direito - 1982 -

Gravadora, pintora, figurinista, cenógrafa, muralista e escultora nascida em Meina, Itália. Mudou-se para o Rio de Janeiro ainda criança. Em São Paulo (década de 1950), estudou inicialmente com Yolanda Mohalyi, Karl Plattner e Livio Abramo. Na 'Columbia University', Nova York - EUA estudou artes gráficas com Hans Muller e História da Arte Comparada com Meyer Schapiro. Obteve bolsa de estudos no Pratt Institute, Nova York - EUA onde trabalhou com Seong Moy e Fritz Eichenberg, entre outros. De volta ao Brasil (1959) continuou seu aperfeiçoamento na gravura com Friedlaender no MAM, RJ. Fundou com Lívio Abramo o 'Estudio Gravura' (década de 1960), em São Paulo. Realizou várias exposições individuais e tem participado de muitas mostras coletivas e oficiais, no Brasil e no exterior. Recebeu, entre outros, o Prêmio de Melhor Gravador da VIII Bienal de São Paulo (1965); o Prêmio de Gravura na V Bienal de Paris (1968); o Prêmio de Gravura da VIII Exposição Internacional Ljubljana, modalidade xilogravura; o Prêmio de Aquisição na IX Bienal de mesmo nome (1971), culminando com o Prêmio Internacional de Gravura, modalidade litografia (1983). Como cenógrafa vale destacar o Prêmio de Revelação de Cenógrafa e Melhor Figurinista com a peça 'As feiticeiras de Salém' de Arthur Miller. O Prêmio Revelação dado pela APCT – Associação Paulista de Críticos Teatrais se repetiu nos anos de 1962, 1965 e 1967. Em 1965, recebeu o Prêmio Molière como melhor cenógrafa da peça "A megera domada”, de Shakespeare. Desde 1975 tem realizado numerosos painéis em concreto, de grandes dimensões, como os do Saguão do Maksoud Hotel e do Banco Sudameris do Brasil, as fachadas laterais do Esporte Clube Sírio e do Edifício J. Riskallah Joye, todos em São Paulo e, em Santiago do Chile, os painéis do Banco Exterior da Espanha. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.142; PONTUAL PÁG.80; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.692; ARTE NO BRASIL PÁG.837; LEONOR AMARANTE PÁG.75, ACERVO FIEO; www.memorial.org.br; www.pinacoteca.org.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



317 - LUIZ PINTO (1939 - 2012)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 20 x 25 cm - canto inferior direito -

Mineiro de Sete Lagoas, onde nasceu a 19 de agôsto de 1939. Pintor, desenhista, ilustrador e professor. Assinava as suas obras: LUIZ PINTO. Foi aluno de Guignard, com quem iniciou seus estudos de pintura, de 1957 a 1960 (Belo Horizonte). Recebeu aulas de Edgard Walter, no Rio de Janeiro (1968-1969). Ativo em São Paulo a partir de 1984, quando aqui se radicou. Artista de méritos, suas obras são muito apreciadas pelos colecionadores do estilo academico. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 265, Acervo FIEO



318 - ESCOLA ASIÁTICA, SÉCULO XX
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem nevada - óleo sobre tela - 50 x 61 cm - canto inferior esquerdo ilegível -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



319 - MARIO MACHADO PORTELLA (1897 - 1964)
Lance Livre - VENDIDO

Estaleiro - aquarela - 41 x 50 cm - canto inferior direito - 1959 -
No estado.

Pintor que completou sua formação artística na Inglaterra sob a orientação de Frank Fischer. Participou de várias exposições e Salões oficiais em: São Paulo, SP (1945); Rio de Janeiro, RJ (1948, 1949, 1954, 1958). Prêmios: Rio de Janeiro, RJ (1948 e 1954). Possui obras no Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, RJ. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 564. ITAU CULTURAL.



320 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)
Lance Livre - VENDIDO

Mulata - óleo sobre tela - 92 x 65 cm - canto inferior direito e dorso - 1965 - Rio de Janeiro -
Com a seguinte dedicatória no dorso: "A minha querida Ivette, beijo do E. Di Cavalcanti, Rio, 06/04/1965". Acompanha a obra carta de próprio punho do autor também datada de 06 de abril de 1965, enviando o referido quadro como presente. Com carimbo da Petite Galerie - Praça General Ozório 53, Rio de Janeiro, no dorso.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



321 - GILVAN SAMICO (1928 - 2013)
Lance Livre - VENDIDO

"Interior com casal" - xilogravura - P.A. - 20 x 20 cm - canto inferior esquerdo - 1958 -

Batizado Gilvan José Meira Lins Samico, o artista nasceu em 15/6/1928, na capital pernambucana de Recife. Inicia-se na pintura como autodidata. Em 1948, freqüenta a Sociedade de Arte Moderna do Recife. Estuda xilogravura com Lívio Abramo, em 1957, na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1958 estuda gravura com Oswaldo Goeldi na Escola Nacional de Belas Artes-RJ. Em 1968, recebe o prêmio viagem ao exterior no 17º Salão Nacional de Arte Moderna-MAM-RJ. Em 1971, integra o Movimento Armorial, voltado à cultura popular nordestina e à literatura de cordel. Os quarenta anos de gravura do artista foram comemorados em 1997 com importante exposição no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro. JULIO LOUZADA vol.10, pág. 784; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 688.



322 - YOSHIYA TAKAOKA (1909 - 1978)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - aquarela - 43 x 33 cm - canto inferior direito - Ouro Preto - MG -

Pintor, desenhista, caricaturista e cenógrafo nascido em Tóquio, Japão e falecido em São Paulo, SP. Aprendeu pintura com Shin Kurihara, em Tóquio (entre 1921 e 1925). Veio com a família para o Brasil (1925) para trabalhar na lavoura de café. Atuou como pintor de paredes e caricaturista. Em São Paulo (1926 a 1929) cursou a Escola Profissional Masculina do Brás e frequentou o Grupo Santa Helena (a partir de 1931). Transferiu-se para o Rio de Janeiro (1934) onde aperfeiçoou sua pintura com Bruno Lechowski e na Escola Nacional de Belas Artes. Integrou o Núcleo Bernardelli ao lado de José Pancetti, Edson Motta e Milton Dacosta, entre outros. Fez parte (1935) do Grupo Seibi, SP. Formou (1948) o Grupo 15 ou "do Jacaré" com Tomoo Handa, Tamaki, Flavio-Shiró, Antônio Carelli, Geraldo de Barros e outros. Integrou (1950 a 1959) o Grupo Guanabara, SP. Viveu em Paris (entre 1952 e 1954) onde frequentou a "Académie de la Grande Chaumière" e estudou mosaico com Gino Severini, no curso Leonardo da Vinci. Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1936, 1937); Curitiba, PR (1948); São Paulo (1948) e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1951 e 1959); da 1ª Bienal de Tóquio (1953); Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); várias edições do Salão Paulista de Belas Artes, SP. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); no Salão Paulista de Belas Artes, SP (1946, 1957, 1958, 1959, 1960, 1961, 1964, 1968). O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand fez mostra em sua homenagem em 1955 e 1980. PONTUAL PÁG. 510; TEIXEIRA LEITE PÁG. 490; MEC VOL. 4, PÁG. 352; TEODORO BRAGA PÁG. 220; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 361; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 954; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com.



323 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Estudo - desenho a carvão - 41 x 32 cm - não assinado -



324 - JOÃO SIMEONI (1907 - 1969)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - óleo sobre cartão colado em eucatex - 43 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor autodidata nascido e falecido em São Paulo. Era integrante do Grupo Tapir e conselheiro da Associação Paulista de Belas Artes. Participou de várias edições do Salão Paulista de Belas Artes, SP onde foi premiado em 1952, 1957, 1960 e no Salão de São Bernardo do Campo. Com o Grupo Tapir expôs em Barcelona, Espanha (1967) e em São Paulo (1970). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 4, PÁG. 285.



325 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - guache - 20 x 28,5 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Marchand Isaac Ficz, Rio de Janeiro - RJ.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



326 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Vênus - serigrafia - 8/30 - 22 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



327 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - pastel - 17 x 22,5 cm - canto inferior direito -
Com monograma.

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



328 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX
Lance Livre - VENDIDO

Bailarina - escultura em bronze - 45 x 38 x 15 cm - não assinado -



329 - MENASE VAIDERGORN (1927)
Lance Livre - VENDIDO

"Conjunto oriental" - óleo sobre tela - 24 x 41 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



330 - TITO DE ALENCASTRO (1934 - 1999)
Lance Livre - VENDIDO

"Família" - óleo sobre tela colada em eucatex - 90 x 60 cm - canto inferior direito - Década de 1980 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Autenticação no dorso nº 1087 firmada pelo Autor e por Yur Fogaça, herdeiro do artista, datada de 03 de julho de 1985.

Pintor, desenhista, gravador, mosaicista, cenógrafo, dramaturgo, poeta, ator e cantor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Assina Tito de Alencastro. Ingressou na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1956) onde estudou desenho com Zaluar e composição com Quirino Campofiorito e Santa Rosa. Paralelamente, estudou técnicas de mosaico com José Moraes e gravura em metal com Johnny Friedlaender no MAM, RJ. Formou-se em Museologia pelo Museu Nacional de Belas Artes, RJ, estudando com Gustavo Barroso. Atuou em numerosos concertos de câmara e óperas no Rio de Janeiro como ator e cantor. Fixou residência em São Paulo em 1961. Como cenógrafo, trabalhou no filme "Roleta Russa" e nas peças "O Grande Sonhador", "Você Pode Ser O Que Quiser", "Macho Beleza e Monólogo a Dois", as três de sua autoria. Executou os painéis "Os Imigrantes" e "O Trabalho e o Lazer" (1979). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1966 – Galeria Seta, 1970, 1973, 1976, 1980 a 1985, 1995); Rio de janeiro (1967, 1978, 1983); Uberlândia, MG (1981); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1984). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas. Recebeu o primeiro Prêmio Aquisição no I Salão da Jovem Gravura no MAM, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 29; PONTUAL PÁG. 14; MEC VOL, 1, PÁG. 45; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 39, VOL. 2, PÁG. 43; VOL. 11, PÁG. 6; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



331 - CARYBÉ (1911 - 1997)
Lance Livre - VENDIDO

"Batucada" - serigrafia - 187/200 - 93 x 71 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze galerias em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP. No estado.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



332 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

"Trecho da antiga Pinacoteca do Estado..." - óleo sobre eucatex - 27 x 35 cm - canto inferior direito e dorso - 1964 -
Complemento de título: "Trecho da antiga Pinacoteca do Estado na Praça da Luz". No estado.

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



333 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)
Lance Livre - VENDIDO

Atriz - desenho a nanquim, aquarela e guache - 30 x 20,5 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



334 - ANTONIO BENEVENTO (1945)
Lance Livre - VENDIDO

"Reminiscências" - aquarela sobre papel - 35 x 49 cm - canto inferior direito - 08/1986 -

Nasceu em Nova Friburgo/RJ. Em 1963 estuda com Chlau Deveza na Escola Fluminense de Belas Artes. Realizou diversas exposições coletivas e individuais, recebendo em 1981, o Troféu Mário Pedrosa, concedido pela Associação Internacional de Críticos de Arte, pela melhor exposição individual do ano - Galeria Bonino/RJ. ITAÚ CULTURAL.



335 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Mulher - escultura em metal - 30 x 09 x 07 cm - assinatura ilegível -
No estado.



336 - FLÁVIO DE CARVALHO (1899 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Mulheres - gravura - 39/100 - 63 x 43 cm - canto inferior direito - 1971 -

Pintor, desenhista, escultor, arquiteto, cenógrafo, decorador, escritor, teatrólogo e engenheiro, Flávio Resende de Carvalho nasceu em Amparo da Barra Mansa, RJ e faleceu em Valinhos, SP. Mudou-se com a família para São Paulo em 1900. Estudou em Paris (1911) e depois em Newcastle, Inglaterra (1914) onde iniciou o curso de engenharia civil (1918 a 1922) no "Armstrong College" da Universidade de Durham e ingressou no curso noturno de artes da "King Edward the Seventh School of Fine Arts". Voltou a residir em São Paulo (1922) aonde chegou logo após a realização da Semana de Arte Moderna. Abriu um ateliê (1932) onde fundou o Clube dos Artistas Modernos - CAM com Antonio Gomide, Di Cavalcanti e Carlos Prado. Criou o Teatro da Experiência (1933) e encenou o "Bailado do Deus Morto" - espetáculo de teatro-dança de sua autoria para o qual criou cenografia e figurino e que teve, em sua maioria, atores negros. Realizou, em 1934, a sua primeira exposição individual que foi fechada pela polícia sob alegação de atentado ao pudor e reaberta alguns dias depois, por ordem judicial. Realizou os desenhos da "Série Trágica" (1947) em que registrou a morte da própria mãe. Participou da Bienal de Veneza, Itália (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951 a 1967) com Sala Especial e Prêmio Maior na VII edição (1963); XIV Salão Paulista de Arte Moderna, SP com Grande Medalha de Ouro (1965), entre muitas outras mostras oficiais. Como escultor, sua obra Monumento ao Soldado Constitucionalista de 1932 foi premiada no Salão Paulista de Belas Artes (1932). TEODORO BRAGA PÁG. 95; REIS JR. PÁG. 379; PONTUAL PÁG. 113; MEC VOL.1, PÁG. 363; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 177; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 478; ARTE NO BRASIL PÁG. 746; LEONOR AMARANTE PÁG. 28; ACERVO FIEO; BENEZIT; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 220; www.artprice.com.



337 - MAURICE MOSHE PROWIZUR (1933 - 2002)
Lance Livre - VENDIDO

"Couplé Assis" - giclée - 30/100 - 120 x 110 cm - não assinado -
Com certificado de autenticidade emitido por Hércules Bergier, detentor dos direitos autorais do pintor. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista nascido na Bélgica em uma família judaico tradicional e humilde. Devido às perseguições aos judeus durante a Segunda Guerra, com parte da família exterminada e com quatorze anos, deixou a Bélgica e foi para Israel, o estado hebreu recém-criado. Morou em um kibutz, serviu o exército e, influenciado por um amigo, matriculou-se na Escola de Artes de Marcel Yanko. Conheceu Marc Chagal que o aconselhou a se aperfeiçoar em seu país de origem. Voltou para a Bélgica (1955) onde foi recebido na Academia de Belas Artes de Bruxelas. Terminou os estudos com a melhor menção - o prêmio Charles Buls e um diploma de decorador. A irmã mais velha tinha imigrado pra o Brasil depois da guerra e o convidou a vir quando terminasse os estudos. Casou-se e veio (1960). Foi contratado por um arquiteto e passou a decorar mansões e apartamentos em São Paulo, Rio e Bahia. Participou da Bienal de São Paulo (1963). Em 1964, com a ditadura militar, decidiu retornar a Bruxelas, atormentado pelas lembranças de guerra e com medo da repressão. Realizou exposições na Bélgica em: Bruxelas (1991); Gante; Antuérpia. BENEZIT; mauriceprowizur.be/historia.html ; www.artprice.com.



338 - JOÃO LUIZ (1938)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 22 x 33 cm - canto inferior direito - 1982 - Rio de Janeiro -

Pintor com diversas exposições individuais e coletivas. Participação e premiação em Salões Oficiais. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 497.



339 - ARMANDO VIANNA (1897 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - óleo sobre madeira - 27 x 35 cm - canto inferior direito e dorso - 1984 -

Este grande pintor carioca foi discípulo de Rodolfo Chambelland e Rodolfo Amoedo na antiga Escola Nacional de Belas Artes e de Eurico Alves e Stefano Cavalaro, no Liceu de Arte e Ofícios do Rio de Janeiro. É ainda hoje, considerado um dos maiores aquarelistas brasileiros. Realizou exposições individuais e em todas as principais capitais brasileiras. MEC vol.4, pág.470; JULIO LOUZADA vol.3, pág.186. PONTUAL pág. 538; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



340 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Torso - escultura em mármore - h = 27 cm - base -
Reproduzida no convite deste Leilão. Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



341 - EDUARDO SUED (1925)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - 98/125 - 66 x 72 cm - canto inferior direito - 2005 -
No estado.

Natural da cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde reside e é ativo. Pintor, desenhista, ilustrador e gravador. Formou-se na Escola Nacional de Engenharia do Rio de Janeiro em 1948. Foi aluno de desenho e pintura do pintor Henrique Boese. Trabalhou como desenhista no escritório do arquiteto Oscar Niemeyer (1950-1951). Freqüenta os ateliês de La Grande Chaumière e L'Académies Julian em Paris (1951), retornando ao Rio de Janeiro em 1953, onde estuda gravura em metal com Iberê Camargo. Diversas exposições coletivas e individuais. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 975/976; ARTE NO BRASIL, pág. 814; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



342 - CARLOS CÂNDIDO (1955)
Lance Livre - VENDIDO

"Assemblage" - materiais diversos - 25 x 20 cm - assinado - 2002 -

Paraibano de Juripiranga, o autor é autodidata. Após breve passagem por Brasília, fixou residência no Rio de Janeiro, onde é ativo. De seu contato com as feiras de antiguidades, veio o interesse por experiências com materiais não convencionais, fixando-se numa espécie de "assemblage". Ao apropriar-se de materiais de diversas formas e procedências, realiza intervenções escultóricas, por meio de associações inusitadas de objetos.Um delicado, contundente e, por vezes, também intrigante sopro poético emana dessas obras.



343 - DAKIR PARREIRAS (1893 - 1967)
Lance Livre - VENDIDO

"Lagoa Rodrigo de Freitas" - aquarela - 27 x 44 cm - canto inferior direito - 1950 -
No estado.

Filho e discípulo do grande Antonio Parreiras, aperfeiçoou-se em Paris com Laurens, destacando-se como paisagista e retratista de méritos. LAUDELINO FREIRE, pág. 519; TEODORO BRAGA, pág. 184; MEC, vol.3, pág. 336; PONTUAL, pág. 407; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 170; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



344 - MARCELO TANAKA (1966)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela - 50 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2002 -

Pintor nascido em Bragança Paulista, SP. Mudou-se para São Paulo com um ano de idade. Seu primeiro professor foi Nobuyoshi Takashima, um velho amigo de seu pai, com quem teve aulas de língua japonesa, teorias, técnicas e sabedoria oriental, além de pintura com pastel oleoso. Cursou publicidade e educação física na Universidade de São Paulo, graduando-se em 1984 e 1989, respectivamente. A seguir, viajou para o Japão onde se formou em Historia da arte contemporânea. É considerado mestre da Técnica de pintura encáustica por muitos críticos de arte no Brasil e no exterior. Entre as inúmeras exposições coletivas e individuais, destacam-se: Espaço Cultural Leonardo da Vinci, São Paulo (1998); II Coletiva de Artes Plásticas, Santos; I Salão Fauna e Flora do Brasil, Santos; Arte Paleta de Ouro 2000 - Cabo Frio, RJ; Escola de Comunicações e Arte da USP, SP; Salas Vip da TAM: no Aeroporto de Congonhas - SP (2000), no Aeroporto de Curitiba, PR e no Aeroporto de Londrina, PR; Mostra de Arquitetos e Decoradores, SP; Mostra de Arquitetos e Decoradores, Campos do Jordão, SP (2001); II Salão Comemorativo "São Paulo 448 Anos" - Universidade Santo Amaro - SP; "Universo Feminino" - Universidade Santo Amaro, SP; "Solidariedade" - Casa da Fazenda - SP; Sala São Paulo - Estação Júlio Prestes - SP; "Formas e Cores" - Hotel Della Volpe - SP; VI Concurso de Artes Plásticas "Arte In Forma" Na Galeria Mali Villas Boas, SP; 3° Salão de Arte Contemporânea Brasileira - SP (2002); Hotel La Posta Del Gangrejo, Punta Del Este, Uruguai; Hotel Conrad, Punta Del Este, Uruguai (2003). Recebeu vários prêmios, entre eles, o de artista plástico do ano (2005) - homenagem recebida em Campinas, SP. www.al.sp.gov.br/noticia/?id=295599; www.vinhedo.sp.gov.br/2012/08/23/marcelo-tanaka-artista-plastico-mestre-da-milenar-tecnica-encaustica-e-uma-das-atracoes-do-salao-de-artes-visuais-de-vinhedo/.



345 - EDGARD OEHLMEYER (1909 - 1967)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre cartão colado em placa - 39 x 49 cm - canto inferior esquerdo - 1964 -

Pintor nascido em Rio Claro e falecido em São Paulo. Nessa cidade cursou pintura com o prof. Carlos Hadler na Escola Profissional. Foi discípulo de Amadeo Scavone e Antonio Rocco. Realizou exposição individual em São Paulo (1941). Participou de várias edições do Salão Paulista de Belas Artes, SP; do Salão Nacional de Belas Artes, RJ e outras mostras oficiais. Foi premiado em: São Paulo (1939, 1940, 1946, 1949, 1953, 1962); Rio de Janeiro (1947). TEODORO BRAGA, PÁG. 175; MEC. VOL.3, PÁG. 291; MAYER/1984, PAG. 1070; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 362; PONTUAL, PÁG. 389; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 686; www.museuvirt.com.br.



346 - PIETRINA CHECCACCI (1941)
Lance Livre - VENDIDO

"Reflexo" - serigrafia - 15/99 - 40 x 40 cm - canto inferior direito - 1983 -
No estado.

Nasceu em Taranto, Itália. Pintora e desenhista. Vindo para o Brasil em 1954, fixou-se no Rio de Janeiro. Formou-se no curso de pintura da antiga ENBA em 1964. Apresentando seus trabalhos desde 1961, participou, entre outras mostras coletivas, dos XII, XIII, XIV, XV, XVII, XVIII SNAM (entre 1963 e 1969), Exposição Geral de Belas Artes do IV Centenário (GB, 1965), Prêmio Homenagem a Dante (Piccola Galeria, GB, 1965) I e II SEAJ (1965 e 1968), I Salão de Abril (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1966), XXIV Spar. BA (1967 / segundo prêmio de pintura) e XXII e XXIII SMBABH (1967 e 1968). Expôs individualmente no Instituto de Belas Artes (GB, 1961), nas galerias Varanda (GB, 1966), Grupiara (Belo Horizonte, 1966), Celina (Juiz de Fora, 1966), Concivivium (Salvador, 1967), da Cultura Francesa (Porto Alegre, 1968) e Atelier de Arte (Belo Horizonte, 1969), bem como na Petite Galerie (GB, 1968), apresentando nesta última seus estandartes. PONTUAL, pág. 133; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 203; MEC, vol. 1, pág. 435; WALTER ZANINI, pág. 740; ITAÚ CULTURAL. Acervo FIEO.



347 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Menina com flores - aquarela - 16 x 11,5 cm - canto inferior direito - 1922 -
Com etiqueta da Galeria Uirapuru de José Roberto Bortoletto - Av. Santo Amaro, 1451 - São Paulo - SP, no dorso. Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP.



348 - CÉLIA RACHEL RVK (1951)
Lance Livre - VENDIDO

"Falso brilhante II" - óleo sobre tela - 80 x 100 cm - canto inferior direito e dorso - 2001 -

Pseudônimo artístico de Célia Rachel Daiuto Cursino que nasceu em São Paulo. No inicio de sua carreira artística realizou curso de decoração no Iadesp (1965-1668), curso de desenho publicitário (1968-1962), curso de escultura no atelier de Luiz Morrone (a partir de 1972). Cursou artes plásticas (1986-1988) e participou de um grupo de trabalho com o artista Paulo Nesadal (1987). Fez litografia com Romildo Paiva (1990), historia da arte com Rodrigo Naves (1991) e historia da arte ocidental com Alberto Beuttenmuller (2000). Em 1991 foi selecionada para integrar a participação brasileira na exposição da Academia de Arte Moderna em Roma. Realizou exposições individuais e participou de mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: 17º e 20º Salão de Arte Contemporânea de Santo Andre, SP; Salão de Arte Contemporânea de Pernambuco (1989); 18° Salão da Primavera de Resende, RJ (1990); Casa da Cultura de Araraquara, SP (1991); "Oito Novos" - Espaço Cultural Casper Libero, SP (1992, 1993); Salão de Arte de Jundiaí, SP (1992); 7° Salão Brasileiro de Arte, Fundação Mokiti Okada, SP (1992); Clube Alto de Pinheiros, SP (1994); Espaço Cultural do Banco Central do Brasil, SP (1996); Espaço Cultural do Citybank, SP (1997); Exposição Permanente no Aeroporto Internacional de Guarulhos-São Paulo sala VIP da VARIG, SP (1998-2001); Aeroporto Internacional de Nova York (1999); Espaço VIP do Diners Club Aeroporto Guarulhos, SP (2001). Foi premiada no: XXIII Salão de Artes Plásticas, São Lourenço, MG; VIII Salão de Artes Plásticas, Araraquara, SP; XIII Salão de Arte Contemporânea de Sorocaba, SP; VII Salão de Belas Artes de Poços de Caldas, MG; X Salão de Artes Plásticas de Rio Claro,SP. www.al.sp.gov.br/noticia/?id=285990.



349 - YASUICHI KOJIMA (1934)
Lance Livre - VENDIDO

"Flor da primavera" - óleo sobre tela - 60 x 73 cm - canto inferior direito e dorso - 1968 -
Com as seguintes etiquetas no dorso: Retrospectiva 50 anos Yasuichi Kojima e I Salão Municipal de Arte Contemporânea de Santo André.

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



350 - JOSÉ DE OLIVEIRA MACAPARANA (1952)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem surreal - óleo sobre eucatex - 50 x 45 cm - canto inferior direito e dorso - 1975 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Escultor, autodidata, o artista é natural de Macaparana, PE, sendo filho e neto de marceneiros. Faz sua primeira exposição individual na Galeria Empetur em 1970, no Recife. Entre 1972 e 1973, reside no Rio de Janeiro; depois muda-se para São Paulo. Entre as mostras de que participa, destacam-se: IV Bienal Ibero-Americana de Arte, Cidade do México, 1984 (Artista Convidado); Salão de Arte Contemporânea, São Paulo, 1986; MAC - 25 Anos, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, 1988; Bienal Internacional de São Paulo 1991; Tendências Construtivas no Acervo do MAC/USP, no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, 1996. JULIO LOUZADA, vol. 9 pág. 509; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



351 - GUILHERME DE FARIA (1942)
Lance Livre - VENDIDO

Cavalo - litografia - 20/100 - 75 x 55 cm - canto superior direito - 1978 -

Pintor, gravador, desenhista e poeta, Guilherme Caiuby de Faria nasceu em São Paulo. Teve formação autodidata. Iniciou carreira artística em 1962, dedicando-se à produção de desenhos, gravuras e pinturas. Realizou viagem ao interior da Bahia e de Pernambuco, entrando em contato com artistas populares (por volta de 1970). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1964, 1966, 1967, 1971, 1974, 1984, 1996, 1997, 2010); Toronto, Canadá (1975); Assunção, Paraguai (1976); Porto Alegre, RS (1978); Ribeirão Preto, SP (1980); Marília, SP (1980); Munique, Alemanha (1983); Quito, Equador (1986); Penápolis, SP (1987); entre outras. Participou de mostras coletivas e oficiais como: I Exposição do Jovem Desenho Nacional, MAC – SP (1965); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1971, 1974, 1977, 1980); Bienal Internacional de São Paulo (1967); I Bienal Latino-Americana, SP (1978); "25 Contemporary Brazilian Artists", Tóquio – Japão (1979); Bienal Internacional de Artes Gráficas, Liubliana – Eslovênia (1989). A partir de 2001 passou a compor cordéis de cunho sertanejo, publicando-os em folhetos ilustrados com xilogravuras de sua autoria. Iniciou carreira de cordelista e declamador em São Paulo, dedicando-se também à divulgação de contos e poemas atribuídos à escritora Alma Welt. MEC VOL.2, PÁG. 142; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 371; VOL. 13, PÁG. 126; PONTUAL PÁG. 202; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; biografias.netsaber.com.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



352 - GERALDO CASTRO (1914 - 1992)
Lance Livre - VENDIDO

Lavadeiras - óleo sobre placa - 32,5 x 23,5 cm - canto inferior direito -

Nascido e falecido no Rio de Janeiro. Pintor de orientação conservadora, ainda assim logrou impor-se à consideração de críticos como Quirino Campofiorito, o qual lhe louvou a liberdade cromática e a sensibilidade vibrante. São especialmente apreciadas as suas marinhas, feitas com agilidade de execução e com energia. Expositor do Salão Nacional de Belas Artes desde 1947, nele recebeu em 1962 o prêmio de viagem ao estrangeiro. MEC vol.1, pág.387; ITAÚ CULTURAL;.



353 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)
Lance Livre - VENDIDO

Mulata - desenho a lápis - 20,5 x 14 cm - canto inferior esquerdo -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



354 - MARIE LOUISE MATTOS (1916)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 54 x 45 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1990 -

Nascida em Paris, França, filha do escultor Antônio Pinto de Mattos. Pintora, cresceu em ambiente de intensa produção artística, tomando gosto pela arte desde muito criança. Transferiu-se para o Brasil na dec. de 40, passou a frequentar o Liceu de Artes e Ofícios do RJ, onde foi aluna de Armando Viana (1946). Já no ano seguinte recebia Menção Honrosa no SNBA. Nesse mesmo salão conquistou ainda a Medalha de Prata (1951). Ganhadora de prêmio viagem 'a Europa (1960), participou de salões na capital da França. Algumas de suas obras encontram-se no MNBA-RJ. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 610, Acervo FIEO.



355 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

Borboleta - têmpera sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito - 1971 -
Com carimbo da Galeria Varanda, Rua Xavier da Silveira, 59 - Rio de Janeiro, RJ - no dorso.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



356 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)
Lance Livre - VENDIDO

"Emblema serigráfico" - serigrafia - 112/150 - 51 x 33,5 cm - não assinado - 1974 - Brasília -
Obra póstuma assinada em relevo seco.

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



357 - JOSÉ MORAES (1921 - 2003)
Lance Livre - VENDIDO

Recanto de ateliê - aquarela - 32,5 x 25 cm - canto inferior direito - 24/12/1982 -

Pintor, gravador, desenhista, escultor, ilustrador e professor, José Machado de Morais nasceu no Rio de Janeiro e faleceu em São Paulo. Assina José Moraes. Formou-se em pintura pela Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1941). Paralelamente aos estudos universitários, teve aulas de pintura com Quirino Campofiorito. Tornou-se assistente de Candido Portinari, em Brodosqui (1942) e trabalhou com o mesmo na execução do painel da capela de São Francisco de Assis, de Oscar Niemeyer, em Belo Horizonte (1945). Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1945, 1947, 1966, 1968, 1969, 1970); São Paulo (1962, 1965, 1967, 1970, 1979 – MAM, SP, 1982, 1983, 1984, 1986); Bagé, RS (1946, 1979); Pelotas, RS (1946); Porto Aiegre, RS (1948, 1980, 1988, 1992, 1995); Uberlândia, MG (1952, 1972, 1977, 1978, 1987); Belo Horizonte, MG (1964); Campinas, SP (1974); Cataguases, MG (1981); Goiânia, GO (1987); Brasília, DF (1989, 1995). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil como: Panorama da Arte Brasileira – MAM, São Paulo (1969, 1970, 1971, 1973, 1976, 1977) e no exterior. Foi premiado, nos anos de 1940, em quatro edições do Salão Nacional de Belas Artes – RJ. Com o prêmio Viagem ao Exterior recebido na 55ª edição (1949), viajou para Itália onde permaneceu estudando pintura mural (1950 a 1951). De volta ao Rio de Janeiro, dedicou-se à execução de mosaicos e afrescos até 1958, quando se mudou para São Paulo. Tornou-se professor na FAAP (1967). Aperfeiçoou-se em serigrafia (1971) com Michel Caza, em Paris, para onde retornou em outras três ocasiões, com a mesma finalidade. Fez também estágios em litografia com Michel Potier, na "École de Beaux-Arts", Paris, e com Eugène Shenker, no "Centre de Gravure Contemporaine", Genebra. MEC VOL. 3, PÁG. 196; Pontual pág. 369; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 646; VOL. 2, PÁG. 689; VOL. 5, PÁG. 706; VOL. 6, PÁG. 748; VOL. 8, PÁG. 586; VOL. 12, PÁG. 278; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 602, ACERVO FIEO.



358 - CIÇA (1935)
Lance Livre - VENDIDO

Máscara - escultura em cerâmica - 24 x 20 cm - assinado -
No estado.

Cícera Fonseca da Silva ou Cícera Lira nasceu no sítio do Brejo Seco - Juazeiro do Norte, CE. Iniciou-se na cerâmica aos dez anos, incentivada por um tio. Vendia suas panelinhas e cofrinhos nas feiras de Juazeiro do Norte, Crato Barbalha e Missão Velha. Trabalhou na agricultura e só retomou à cerâmica aos vinte e seis anos, depois de casada. Em 1960 começou a fazer figuras: santos e cenas regionais e a partir de 1972, as máscaras. Em 1987 várias de suas máscaras foram selecionadas para a exposição ‘Brésil, Arts Populaires’ no Grand Palais em Paris e uma de suas máscaras, a capa do catálogo. Expôs no Museu de Arte de Brasília – Exposição de Arte Popular Brasileira organizada pelo MinC (1988); em São Paulo (2001, 2006); no Rio de Janeiro (2001, 2012). Participou da Mostra do Redescobrimento na Bienal em São Paulo (2000). Possui obras no Museu do Folclore Edson Carneiro, no Centro Cultural São Francisco. ITAU CULTURAL; PEQUENO DICIONÁRIO; www.popular.art.br.



359 - GEZA HELLER (1902 - 1992)
Lance Livre - VENDIDO

Cidade vista do topo do morro - óleo sobre papel colado em eucatex - 31 x 43 cm - canto inferior direito -
Esta obra participou sob o número 209 do leilão Soraia Cals, Rio de Janeiro - RJ, realizado em abril de 2019.

Natural da cidade húngara de Kecskemer, e falecido no Rio de Janeiro, em 20/3/1992, cidade onde fixou residência. Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e arquiteto. Integrou o grupo de sete artistas que em torno de Guignard desenvolvem uma visão introspectiva da natureza. Entre eles Iberê Camargo, Milton Risuro, e outros. Foi premiado com o 1º lugar no concurso de priojetos para a remodelação do Jockey Club de São Paulo. Participou, com premiações, de diversos salões oficiais. TEIXEIRA LEITE, pág. 244; JULIO LOUZADA vol 13 pág. 165; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 598.



360 - JUAN PABLO SALINAS Y TERUEL (1871 - 1946)
Lance Livre - VENDIDO

"Napoleão e Josefina" - óleo sobre madeira - 25 x 39,5 cm - canto inferior direito - Roma -
Reproduzido no convite deste Leilão. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor da Escola Espanhola nascido em Madri e falecido em Roma, Itália. Em Madri, estudou na Escola de San Fernando de Belas Artes. Em 1886 mudou-se para Roma, onde seu irmão, o também pintor Augustin, estava lá desde 1883 com uma bolsa que lhe foi atribuída pelo governo de Saragoça. Os dois irmãos viviam no estúdio de Augustin na Via Margutta. Em Roma frequentou a Academia Chigi e o Círculo Internacional de Belas Artes. Viajou para Paris. Participou da Exposição Nacional de Madri (1887). BÉNÉZIT vol. 9, pág. 249; www.artprice.com; www.christies.com; masp.art.br; www.museodelprado.es.



361 - FERENC KISS (1944)
Lance Livre - VENDIDO

Rainha na praia - gravura - 27/50 - 11 x 24 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Kesztheliy, Hungria. Artista autodidata, emigra para o Brasil em 1958, onde freqüenta o curso livre de modelo vivo da Associação Paulista de Belas Artes, em São Paulo. Fez ilustrações a bico de pena para o suplemento literário do jornal "O Estado de São Paulo" entre 1964 e 1965. Participu de diversas coletivas a partir de 1962, destacando-se: Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo, 1962/1966 (Medalha de Bronze, 1962 e Medalha de Prata, 1966); Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo, 1962 (Medalha de Bronze); Salão Paulista de Arte Contemporânea, São Paulo, 1969/1972 (Prêmio Aquisição); Panorama da Arte Brasileira, no MAM/SP, 1971. JULIO LOUZADA, vol. 4 pág. 574; ITAÚ CULTURAL; PONTUAL, pág. 290.



362 - JOHANNES HENDRIK FREDRIKS (1751 - 1822)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 60 x 48,5 cm - não assinado -
Com etiqueta de autoria atribuída, no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista holandês nascido e falecido em Breda (North Brabant). Foi ativo em Breda, Haarlem e em Haia. Era aluno na "Haagse Confreriekamer van Pictura", Haia (1778 – 1817). Visitou Paris (1780). Fundou uma escola de desenho (1799) com Charles van der Sluyse, diretor da "Teken-Academie" em Antuérpia, Henri Louis de la Rivière e o professor de desenho da academia militar de Breda, Antoine Henri van Straatum. BENEZIT; www.pastellists.com/Articles/Fredriks.pdf; www.artprice.com.



363 - VERA SALLES DO AMARAL (1934)
Lance Livre - VENDIDO

Frutas - técnica mista sobre papel - 45 x 65 cm - canto inferior direito e dorso - 1980 -
Com etiqueta da Galeria de Arte Bonfiglioli, Rua Augusta 2995, São Paulo - SP. Com a seguinte dedicatória no dorso: "Aos caros amigos Lalucha e Wilson, que esta data se repita por muitos anos repletos de carinho e felicidade, são os votos da Vera Salles do Amaral, 23/04/1981". Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP.

Pintora, gravadora e desenhista, Vera Helena Salles do Amaral de Campos nasceu em São Paulo, SP. Formou-se em biblioteconomia (1953). Iniciou suas atividades artísticas (1967) estudando pintura com Nélson Nóbrega; desenho com Waldemar da Costa (1968), com Ernestina Karman (1970) e com Juarez Magno (1975). Frequentou a Escola Brasil (1970-1972) onde teve orientações de Frederico Nasser, Baravelli, Carlos Fajardo e José Resende; os ateliês de Frederico Nasser e Carlos Fajardo (1973) e fez curso de cerâmica com Carlos Paes Villaró. Realizou exposições individuais em: Santo André, SP (1972); São Paulo (1975, 1978, 1981). Participou de mostras coletivas e dos Salões de Arte Contemporânea de São Paulo (1970 a 1972), de Campinas (1972), de Piracicaba (1974), Santo André (1974); do Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1977), entre outros. ITAU CULTURAL.



364 - GALDINO GUTTMANN BICHO (1888 - 1955)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela colada em madeira - 30 x 38 cm - canto inferior direito -

Nascido em Petrópolis, passou sua infância em Sergipe, transferindo-se para o Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Foi aluno de Zeferino da Costa e de Rodolpho Amoedo. Recebeu diversos prêmios pelas suas participações em Salões Nacionais, inclusive o de Viagem à Europa em 1921. De espírito inquieto e temperamento polêmico, foi elemento ativo na vida artística carioca, sobretudo antes do predomínio das tendências modernas de que fora um dos precursores, pelo gosto nas pesquisas de luz dos impressionistas. LAUDELINO FREIRE, pág. 512; TEODORO BRAGA, pág. 114; REIS JUNIOR, pág. 372; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 104; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 2, pág. 248; ARTE NO BRASIL, pág. 602.



365 - ÉLON BRASIL (1957)
Lance Livre - VENDIDO

"A guerreira iniciada" - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - canto superior esquerdo e dorso - São Paulo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



366 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Sylvette - serigrafia - 40/350 - 51 x 40 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



367 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Interior de igreja - óleo sobre madeira - 38 x 27 cm - canto inferior direito ilegível -



368 - GUIMA (1927 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Animais fantásticos - gravura - P.A. - 23 x 26 cm - canto inferior direito - 1968 -

Pintor, desenhista, gravador e poeta paulista, Luís de Souza Guimarães nasceu em Taubaté, SP e faleceu em São Paulo. Assina Guima. Residiu por trinta anos no Rio de Janeiro onde estudou na antiga Escola do Povo (1950) cursando gravura com Carlos Werneck (1950- 1951); recebeu orientações de pintura com Inimá de Paula, Darwin da Silva e Luciano Maurício; fez o curso de Desenho Estrutural e Composição com Santa Rosa no MAM e outros cursos de desenho. Voltou para São Paulo (1958), aprendeu xilogravura com Marcelo Grassmann e litografia com Darel na FAAP. Realizou exposição individual em Taubaté – SP, São Paulo, Teresópolis - RJ, Espírito Santo, Rio de Janeiro (1963, 1965, 1966, 1967, 1970). Participou de inúmeras mostras e Salões oficiais como: I Bienal do Estado do Rio de Janeiro (1956); Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1958 a 1970); I Bienal Nacional de Artes Plásticas da Bahia, Salvador – BA (1968). Também em Praga, República Checa; coletiva itinerante pela América do Sul; Barcelona, Espanha; Roma, Itália; Connecticut, EUA. Recebeu prêmios no Rio de Janeiro, Londrina – PR, Niterói – RJ, Petrópolis – RJ, Taubaté – SP, Brasília – DF. MEC VOL. 2, PÁG. 306; PONTUAL PÁG.257; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁGS. 377; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 455; ITAU CULTURAL. .



369 - FRANCISCO BARATTI (XX)
Lance Livre - VENDIDO

"Mamutes" - acrílico sobre tela - 82 x 122 cm - canto inferior direito -
Reproduzido na página 45 do livro "Francisco Baratti, Uma Aventura Plástica".

Pintor que realizou exposição individual em São Paulo (2010) e participou de mostras coletivas em: Jundiaí, SP (2005); São Paulo (2010). ITAU CULTURAL.



370 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)
Lance Livre - VENDIDO

"Vaso de flores" - óleo sobre tela - 65 x 50 cm - canto inferior direito - 1940 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Declaração de Autenticidade firmada pelo Autor, datada de 08 de outubro de 1992.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



371 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Mulher e pássaros - gravura - P.A. - 51 x 41 cm - canto inferior direito -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



372 - MASAO ESAKA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Araucárias - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1994 -

Pintor e desenhista com diversas participações em mostras coletivas, dentre elas: a exposição "Paisagem Paulistana" na Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social, São Paulo (2004). ITAU CULTURAL.



373 - FRANKLIN (1935)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - múltiplo em bronze - 13 x 9,5 x 6,5 cm - assinado -

Pintor, escultor e ceramista nascido em Urandi, BA. Iniciou sua carreira com o avô, com quem aprendeu modelagem para fundição e serviço de forjaria. De 1948 a 1956, estudou entalhe no SENAI, modelagem e escultura no Liceu de Artes e Ofícios, em São Paulo. Cursou também Artes em Geral com os professores Galilei Emendabili e Vicente Larocca, além de muitos outros. Em 1957, transferiu-se para o Rio Grande do Sul. Nessa fase fez também cerâmica artística e pintura. A partir de 1975 dedicou-se exclusivamente à escultura e tem participado de uma série de exposições coletivas e projetos diversos, em São Paulo e em diversas cidades do país. Podemos citar como principais: "Arte no Brasil - Uma História de V Séculos", Museu de Arte Moderna, de São Paulo; "Escultura Brasileira", na Artes-Paço, em Recife, PE; "Um século no Brasil", no Museu de Arte Moderna, de São Paulo.. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 422; www.escultorfranklin.com.



374 - TOMOSHIGUE KUSUNO (1935)
Base: R$ 1.500,00 - Aguardando oferta

Pássaro - óleo sobre tela - 41 x 33 cm - canto inferior esquerdo - 1973 -

Desenhista, pintor, artista visual, professor e gravador, natural de Yubari, Japão. . Estudou na Universidade de Arte e fez parte do Núcleo de Arte de Vanguarda, em Tóquio, Japão, na década de 1950. Imigrou para o Brasil em 1960 fixando-se em São Paulo. No ano seguinte, participou do 10º Salão Paulista de Arte Moderna. Em 1962 foi premiado no Salão do Paraná, em Curitiba, e no Salão do Grupo Seibi de Artistas Plásticos, em São Paulo - neste salão também ganhou o grande prêmio em 1970, na sua 14ª edição. Ainda na década de 1960, uniu-se a artistas ligados a tendências da nova figuração e participou das mostras: ‘Opinião 65’, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e ‘Propostas 65’, na Fundação Armando Álvares Penteado, SP. No Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, expôs em várias ocasiões, participando da mostra Jovem Arte Contemporânea, na qual recebeu prêmios em 1967 e 1972. Participou também da Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1977, 1983, 1985), do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP (1970, 1976, 1977, 1979, 1986). JULIO LOUZADA, VOL.4, PÁG.1101; MEC, VOL.2, PÁG.430; PONTUAL, PÁG.295; TEIXEIRA LEITE, PÁG.274; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.452; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 697; ARTE NO BRASIL, PÁG. 968; LEONOR AMARANTE, PÁG. 171, ACERVO FIEO.



375 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)
Lance Livre - VENDIDO

Entidade - guache - 41 x 31 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



376 - RENINA KATZ (1925)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - litografia - 70/90 - 60 x 42 cm - canto inferior direito - 1984 -

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



377 - FARID ZACHARIAS (1928)
Lance Livre - VENDIDO

Maçãs - óleo sobre madeira - 13 x 18 cm - dorso - 1988 - Rio de Janeiro -

Pintor nascido no Rio de Janeiro. Estudou pintura com Henrique Salvio no Instituto Nacional de Belas Artes (1961) e com Eduardo Bortk (1988). Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro em 1991 e em 1992. Participou de inúmeras mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiado no Rio de Janeiro (1988 a 1993) e em Brasília, DF (1992). JULIO LOUZADA VOL. 6, PÁG. 1203, VOL. 7, PÁG. 761.



378 - MILLAN HORVAT (1946)
Lance Livre - VENDIDO

"Composição em cinza com vaso de flores" - óleo sobre eucatex - 130 x 100 cm - canto inferior esquerdo - 1983 -
Com etiqueta da Dan Galeria, Rua Padre João Manoel, 1160 - São Paulo, SP, no dorso. No estado.

Pintor iuguslavo, natural de Novi Sad, onde nasceu a 26 de maio de 1946. Residente e ativo em São Paulo, cuja obra foi assim apresentada por Pietro Maria Bardi: " ... sua arte pode ser inscrita na categoria que Ortega y Gasset reservava aos artífices que comunicam e são entendidos pelos apreciadores do figurativo. Pintura rica em percepções que transparecem num conceber geométrico, pacatas colorações justamente apropriadas às composições. As paisagens reconstroem idealmente as arquiteturas, harmonizando-as e as exaltando em sigulares sínteses formais." JULIO LOUZADA, vol. 12 pág. 275, Acervo FIEO.



379 - OSCAR TECÍDIO (1926 - 1995)
Lance Livre - VENDIDO

"Tranquilidade" - óleo sobre eucatex - 13 x 35 cm - canto inferior direito e dorso - 1986 - RJ -

Este excepcional pintor paisagista, era natural do Rio de Janeiro, onde foi ativo. Teve como mestres Osvaldo Teixeira, Armando Ramos e Heitor de Pinho na Escola Nacional de Belas Artes. Dedicou-se em especial pelas marinhas, e foi grande defensor da preservação ecológia. Carlos Drummond de Andrade assim se pronunciou sobre esta bandeira do autor: " Dois colecionadores disputam a compra da Poluição de Tecídio. O que adquirir a obra terá a baía e a poluição em casa. Se for mesmo um bom colecionador, e já possuir, digamos um Castagneto (...), poderá entregar-se a um exercício ecológico amargo útil. A baía de ontem e de hoje. O que tínhamos e o que já perdemos. O que estamos perdendo..." Realizou individual em 1968, participando de coletivas a partir de 1956, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 964.



380 - FULVIO PENNACCHI (1905 - 1992)
Lance Livre - VENDIDO

"Casas na praia" - óleo sobre eucatex - 20 x 30 cm - canto superior esquerdo e dorso - 1986 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com etiqueta do Ateliê do autor n° 141-CO.257-86A, no dorso.

Pintor, ceramista, desenhista, ilustrador, gravador, professor nascido na cidade de Villa Collemandina, Itália e falecido em São Paulo. Em 1924 foi para Lucca e iniciou sua formação artística no ‘Regio Istituto di Belle Arti’ onde teve aulas com o pintor Pio Semeghini. Mudou-se para São Paulo em 1929 e dedicou-se a diferentes atividades até 1933, quando passou a auxiliar Galileo Emendabili na execução de monumentos funerários. Em 1935, conheceu Francisco Rebolo, passou a frequentar seu ateliê e conviveu com os artistas do Grupo Santa Helena. Nessa mesma época integrou a Família Artística Paulista e iniciou a produção de painéis em afresco e óleo para residências, igrejas, hotéis e outras edificações, destacando-se os afrescos de grandes dimensões para a Igreja Nossa Senhora da Paz, no bairro do Glicério, executados entre 1941 e 1948. Em 1965, iniciou um período de recolhimento e manteve-se afastado das exposições e do circuito artístico. Em 1973, reabriu seu ateliê e recebeu diversas homenagens no Brasil e na Itália. Nesse mesmo ano conheceu a ceramista Eunice Pessoa e com ela desenvolveu um grande número de peças que foram expostas em 1975. Sem nunca ter abandonado as atividades artísticas, voltou a figurar em diversas mostras e continuou a produzir painéis em afresco. Em 1980, Pietro Maria Bardi publicou um livro sobre sua obra. Nove anos depois, foi lançado o livro ‘Ofício Pennacchi’, organizado por Valério Antonio Pennacchi, responsável também pela publicação, em 2002, do livro ‘Fulvio Pennacchi: Pintura Mural’. Importante retrospectiva da obra do artista foi realizada, em 1973, no MAM - São Paulo. TEODORO BRAGA, PÁG. 192; MEC, VOL, 3, PÁG. 365; WALMIR AYALA, VOL, 2, PÁG. 182; PONTUAL, PÁG. 416; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 740; ACERVO FIEO.



381 - IVALD GRANATO (1949 - 2016)
Lance Livre - VENDIDO

Figura - serigrafia - 38/50 - 19,5 x 18 cm - canto inferior direito - 2011 -

Pintor, desenhista, gravador, artista multimídia nascido em Campos, RJ e falecido em São Paulo. Estudou pintura com Robert Newman (1966). Participou do grupo de vanguarda "Nova Figuração Brasileira" (1968). Depois, frequentou por um breve período a Escola de Belas Artes. A partir da década de 1970, realizou performances e intervenções, recorrendo à fotografia e ao vídeo para documentá-las. No início da década de 1980, participou de eventos com a Banda Performática, do artista José Roberto Aguilar, que associava pintura, música, teatro e circo. Realizou exposições individuais em: Campos, RJ (1965 a 1967); Rio de Janeiro (1965, 1970, 1972, 1973, 1982, 1983, 1985, 1987, 1992, 2002); São Paulo (1974, 1975, 1977 a 1980, 1982 a 1987, 1989 a 1991, 1995, 1997); Curitiba, PR (1977); Brasília, DF (1978); Alemanha (1984 a 1987, 1989); Porto Alegre, RS (1985, 1989); Ribeirão Preto, SP (1985); Vitória, ES (1986); Nova York, EUA (1988); Belém, PA (1988); Japão (1991, 1992); Belo Horizonte, MG (1992); Porto Velho, RO (1997); Salvador, BA (2002); Olinda, PE (2002). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e estrangeiro. Foi premiado no: Rio de Janeiro (1969, 1970 – Salão Nacional de Arte Moderna, 1972); São Paulo (1979 e 1982 – Melhor Desenhista do Ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, 1983 – Prêmio Pintura no Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM-SP, 1990); Campos, RJ (1988); Osaka, Japão (1990 – I Trienal). PONTUAL, PÁG. 248; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 228; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.740; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 267; ACERVO FIEO; www.ivaldgranato.com.br; www.artprice.com.



382 - PÉRICLES (1924 - 1961)
Lance Livre - VENDIDO

"O amigo da onça" - técnica mista sobre papel - 41 x 29 cm - canto inferior direito -

Caricaturista e cartunista, Péricles de Andrade Maranhão nasceu em Recife, PE e faleceu no Rio de Janeiro. Publicou seus primeiros desenhos na Revista do Colégio Marista do Recife, onde estudou na década de 1930. Por volta de 1942, chegou ao Rio de Janeiro e ingressou nos 'Diários Associados', de Assis Chateaubriand, iniciando sua produção em 'O Guri' e, pouco depois, na revista 'A Cigarra', onde lançou seu personagem 'Oliveira Trapalhão'. A partir de 1945, ilustrou os textos de Millôr Fernandes na seção Pif-Paf da revista 'O Cruzeiro'. 'Laurindo e Miriato Gostosão' foram outros personagens criados por Péricles, mas o de maior sucesso foi 'O Amigo da Onça', publicado pela primeira vez em 1943 em' O Cruzeiro'. 'O Amigo da Onça' foi produzido por quase 20 anos e, mesmo após a morte de seu criador, continuou a ser publicado no traço de Carlos Estevão. Sua criação foi capaz de transpor as páginas desenhadas em 'O Cruzeiro' e permanecer na memória visual e humorística brasileira. Seus trabalhos participaram, após a sua morte, de exposições em: Curitiba, PR (1980); São Paulo (1983, 1997, 2001); Belo Horizonte (1997); Brasília (1998); Penápolis, SP (1998). ITAU CULTURAL.



383 - RIOKAI OHASHI (1895 - 1943)
Lance Livre - VENDIDO

No cavalete - óleo sobre tela colada em eucatex - 35 x 26 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Riokay Ohashi era natural do Japão. Desenhava desde criança e com 23 anos vai estudar com Saburosuke Okada em Tóquio, Japão. Em 1927 vai para Paris e freqüenta o grupo de Yuso Saeki e do qual faziam parte também Takanori Oguisa, Yokote e Yamagushi. Depois vai para a Academia de la Grande Chaumière, onde conheceu e se casou com a pintora e pianista Helena Pereira da Silva, filha de Oscar Pereira da Silva. Participou de diversos Salões parisienses como: o “Indépendents”, o “d’Automne” e o “des Tuilleries”. Regressou ao Japão em 1933 e realizou diversas mostras individuais em Kobe, Osaka, Nagoya, Tóquio e Formosa, em Taiwan. Em 1940 veio ao Brasil e à Argentina em Missão Cultural Oficial do Governo Japonês e expôs sucessivamente no Rio de Janeiro, São Paulo e Buenos Aires. Em 1941 regressa ao Japão. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 690; vol.2, pág. 738 e 739. ITAU CULTURAL.



384 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre eucatex - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 1945 -

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



385 - ARMANDO SENDIN (1928)
Lance Livre - VENDIDO

Nu - óleo sobre tela - 100 x 80 cm - canto inferior direito - 1976 -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador, escultor e ceramista. Realizou estudos artísticos na Espanha e na França. Retornando ao Brasil, (após figurar em mostras coletivas no estrangeiro) e fixando-se em São Paulo, participou em 1967, do 1º SOP, XVI SPAM, I Salão de Arte Contemporânea de Santos (Prêmio Prefeitura). Ganhou o 1º Prêmio de pintura na mostra Roma e a Campanha Romana (Auditório-Itália, São Paulo). Ainda em 1967, expôs individualmente na Galeria F. Domingo, de São Paulo, voltando a fazê-lo nas galerias KLM (São Paulo, 1968), do Centro Cultural Brasil-Estados Unidos (São Paulo, 1968) e Goeldi (GB, 1968), também apresentado seus trabalhos, com Maria de Lourdes Novais e Vitor Décio Gerhard, na Galeria IBEU (GB, 1968). Figurou ainda no II SOP (1968). A respeito de suas obras, de caráter abstracionista, disse Samson Flexor, em 1968: "Considero os óleos e guaches de Armando Sendin como sendo lugares ideais de encontro e fusão dos elementos primordiais: a terra e o fogo. Fusão resultando em cinzas com focos de brasa que a frescura dos azuis-turquesa mal consegue apagar". Em 1965 publicou o livro Cerâmica Artística, especialidade que lecionou, entre 1959 e 1964, em escola por ele próprio fundada em São Paulo. TEIXEIRA LEITE, pág.472; WALMIR AYALA, vol.2, pág.316-317; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 754; LEONOR AMARANTE, pág. 196. Acervo FIEO.



386 - RUBENS GERCHMAN (1942 - 2008)
Lance Livre - VENDIDO

"Domingos da Guia" - serigrafia - 30/150 - 42,5 x 39 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



387 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Oratório - objeto em madeira - 44 x 23 x 21 cm - não assinado -



388 - INGRES SPELTRI (1940)
Lance Livre - VENDIDO

"Peixes" - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



389 - MENASE VAIDERGORN (1927)
Lance Livre - VENDIDO

Gondoleiro - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



390 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)
Base: R$ 50.000,00 - Aguardando oferta

"Cidade de Paris" - óleo sobre tela colada em madeira - 33 x 48 cm - canto inferior direito - 1948 - Paris -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Certificado de Autenticidade nº IAB-0070 do Instituto Antonio Bandeira. Esta obra participou da Exposição "Do Crepúsculo ao Noturno", realizada na Galeria da Abolição do Palácio do Governo do Estado do Ceará, em Fortaleza de 6 outubro a 6 de novembro de 2017, estando reproduzida na página 101 do Livro da Exposição e também com etiqueta da referida mostra no dorso.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



391 - INOS CORRADIN (1929)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - serigrafia - P.A. - 49 x 69 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



392 - JADIR JOÃO EGIDIO (1933)
Base: R$ 1.500,00 - Aguardando oferta

Sanfoneiro - escultura em madeira - 50 x 08 x 13 cm - assinado -

Escultor nascido em Divinópolis, MG. Criado na área rural foi para a cidade em 1960 e trabalhou como carroceiro até 1977. Desde então exerce o ofício de escultor concentrando-se especialmente na escultura, em madeira, de santos, figuras da cultura regional e pessoas próximas de seu afeto. Em 1986 participou da Sala do Artista popular n.22, ‘Escultores de Divinópolis’, no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular – Rio de Janeiro. PEQUENO DICIONÁRIO PÁG. 245 E 246; www.galeriabrasiliana.com.br; www.galeriaestacao.com.br; tvcultura.cmais.com.br/teimosia/jadir-joao-egidio; www.pitoresco.com.br.



393 - CÍCERO MONTEIRO (1939)
Lance Livre - VENDIDO

"Bandinha" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1979 -

Alagoano de União dos Palmares, aos dezoito anos foi para o Recife-PE, ingressando na Marinha. Radicou-se em São Paulo, onde produziu intensamente, sendo considerado por Ciccilio Matarazzo, famoso mecenas, um dos mais importantes e originais pintores primitivos brasileiros. JULIO LOUZADA vol.3, pág. 754; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



394 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 41 x 27 cm - dorso -
No estado.



395 - FARNESE DE ANDRADE (1926 - 1996)
Base: R$ 2.000,00 - VENDIDO

Nu - técnica mista sobre cartão colado em eucatex - 71 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1978 -
No estado.

Pintor, escultor, desenhista, gravador, ilustrador, Farnese de Andrade Neto nasceu em Araguari, MG e faleceu no Rio de Janeiro. Mudou-se para Belo Horizonte (1942) onde estudou desenho com Guignard, na Escola do Parque (entre 1945 e 1948). Foi para o Rio de Janeiro (1948) para tratar uma tuberculose pulmonar. Trabalhou como ilustrador (entre 1950 e 1960) para o Suplemento Literário do 'Diário de Notícias', 'Correio da Manhã', ' Jornal de Letras', e para as revistas 'Rio Magazine', 'Sombra', 'O Cruzeiro', 'Revista Branca' e 'Manchete'. Em 1959, frequentou o Ateliê de Gravura do MAM, RJ, aperfeiçoando-se em gravura em metal com Johnny Friedlaender. Em 1964 começou a criar obras com materiais descartados, coletados nas praias e nos aterros, conduzindo-o aos 'assemblages' e às 'caixas'. Posteriormente utilizou armários, oratórios, gamelas, ex-votos, adquiridos em antiquários e depósitos de materiais usados. Fotografias antigas também estão presentes em sua obra. A partir de 1967, utilizou resina de poliéster, envolvendo materiais perecíveis. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras coletivas e oficiais, destacando-se: VI a IX Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967); Bienal de Carrara, Itália (1962); Bienal Americana de Gravura, Chile (1963, 1965); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Bienal de Veneza (1968); Panorama Atual da Arte brasileira, SP (1969, 1975); Sala Especial na I Bienal de Arte Panamericana, SP (1978), entre outras. No Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1969, 1970) recebeu o prêmio de viagem ao país e ao exterior, respectivamente. Partiu para a Espanha, instalou um estúdio em Barcelona e lá permaneceu até 1975. Também foi premiado em Belo Horizonte, MG (1962); Curitiba, PR (1962); Brasília, DF (1966); São Paulo (1967 – IX Bienal). PONTUAL PÁG. 203; MEC VOL. 2, PÁG. 143; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 64; VOL. 2, PÁG. 68; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 760; ARTE NO BRASIL, PÁG. 911; ACERVO FIEO; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



396 - HENRIQUE CAVALLEIRO (1892 - 1975)
Lance Livre - VENDIDO

Menina e flor - desenho a caneta esferográfica - 22 x 30 cm - canto inferior direito - 24/02/1969 - Teresópolis -

Pintor, desenhista e professor. Foi aluno de Eliseu Visconti, tendo recebido em 1918 o prêmio de viagem à Europa. Participou de diversos salões e exposições. REIS JR., pág. 375; TEODORO BRAGA, pág. 117; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 2, pág. 45 e 275; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 187 e 190; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 446; ARTE NO BRASIL, pág. 556; Acervo FIEO.



397 - MAURICE ESTEVE (1904 - 2001)
Lance Livre - VENDIDO

"Étude pour murale" - técnica mista sobre papel - 23,5 x 32,5 cm - canto inferior direito - Nice -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, litógrafo, designer têxtil e muralista francês nascido e falecido em Culan. Veio para Paris (1913) com seus pais e se impressionou, em suas visitas ao Louvre, com Courbet, Delacroix, Chardin, Tintoretto e com ‘A batalha de San Romano’ de Paolo Uccello. Voltou a Culan durante guerra onde ficou por quatro anos. Em 1915 começou a pintar sendo encorajado por sua mãe. Retornou a Paris (1919), frequentou algumas aulas de design e ateliês livres em Montparnasse e na Academia Colarossi. Realizou regularmente exposições individuais em Paris, Copenhagen, Estocolmo e Genebra. Retrospectivas foram realizadas em Basel (1961), Düsseldorf, Copenhagen, Oslo, no Museu Cantini - Marselha (1981), no ‘Musée de l'Etat’ - Luxembourgo, no ‘Museum of Metz’, nas ‘Galeries Nationales du Grand Palais’ – Paris (1986). Participou de muitas mostras e Salões oficiais, destacando-se: ‘Salon des Surindépendants’, Paris (1929 a 1938); ‘Salon d'Automne’, Paris (1941 a 1944); ‘Salon des Tuileries’, Paris (1946 e 1961); ‘Musée de l'État’, Luxemburgo (1949); Nova York (1950); ‘Salon de Mai’, Paris (entre 1950 e 1955); ‘Royal Academy of Art’, Londres ( 1951); Bienal de Veneza (1954); ‘Carnegie Institute’, Pittsburgh - EUA (1955); Documenta II, Kassel (1959); ‘Paris 1937-1957’, Centre Georges Pompidou - ‘Musée National d'Art Moderne’, Paris (1981). Em 1970 recebeu o Grande Prêmio Nacional de Artes. BENEZIT; www.maurice-esteve.com; www.artprice.com.



398 - ANNA MARIA MAIOLINO (1942)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - serigrafia - P.I. - 100 x 72 cm - canto inferior esquerdo - 1995 -

Gravadora pintora, escultora, artista multimídia e desenhista, natural de Scalea (Calábria), Itália. Residiu na Venezuela com a família, onde estudou pintura na Escola de Belas Artes Cristóbal Rojas. Posteriormente transferiu sua residência para o Rio de Janeiro, onde fez curso de gravura em madeira na ENBA. Frequentou o ateliê de Ivan Serpa, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e estudou gravura com Adir Botelho, em 1963. Entre 1968 e 1971, estudou no Pratt Graphic Center, em Nova York. A partir da década de 1970, começou a trabalhar com diversas mídias, como a instalação, a fotografia e filmes. Participou nos anos 60 do movimento carioca Nova Figuração, com Vergara, Gerchman, Antonio Dias e Roberto Magalhães. Realizou exposições individuais a partir de 1967 e participou de inúmeras mostras oficiais pelo Brasil e exterior, inclusive da Bienal de São Paulo. Em 1990, recebeu o prêmio de melhor mostra do ano, da Associação Brasileira de Críticos de Arte - ABCA, pela exposição individual realizada em 1989, no Centro Cultural Cândido Mendes. Realizou em Nova York, em 2002, exposição retrospectiva acompanhada do livro ‘A Life Line/Vida Afora’. Em 2012 venceu a primeira edição do Prêmio MASP/Mercedes-Benz de Artes Visuais e foi umas das artistas que representou o Brasil na Documenta de Kassel, Alemanha. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.5 PÁG.630; MEC VOL. 3, PÁG. 43; PONTUAL PÁG. 331.



399 - IVAN SERPA (1923 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras fantásticas - técnica mista sobre papel - 29 x 21 cm - canto inferior direito - 17/06/1965 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



400 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)
Lance Livre - VENDIDO

"Marinha" - óleo sobre tela - 38 x 47 cm - canto inferior direito e dorso - 1969 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com Certificado de Autenticidade de "Renot Escritório de Prestação de Serviços para o Mercado de Arte", datado de 21 de julho de 2004, São Paulo - SP.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



401 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - desenho a nanquim - 12 x 20 cm - canto inferior direito -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



402 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Menino - técnica mista sobre papel telado - 23 x 14 cm - canto inferior direito -
Ex-coleção Zito Saback - Rio de Janeiro - RJ.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



403 - GABRIELE DESTEFANO (1936)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - técnica mista sobre tela - 110 x 80 cm - canto inferior direito -
Com etiqueta da Galeria de Arte Ipanema, Rio de Janeiro - RJ, no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, escultor e cenógrafo italiano nascido em Reggio Calabria. No final da década de 1970, mudou-se para Nova York, depois para Los Angeles e mais tarde para o Brasil onde iniciou sua jornada interior entre as comunidades dos índios Yanomami passando vinte anos. Em 1974 expôs com Andy Warhol no "Palazzo dei Diamanti" em Ferrara, Itália; trabalhou na cenografia e em figurinos de muitos shows de Vittório Grassman, incluindo "Affabulazione" de Pier Paolo Pasolini. Realizou exposição individual em Reggio Calabria, Itália (2011); Roma, Itália (2014). www.nuovocinemapalazzo.it/2014/10/07/l-amazzonia-di-gabriele-destefano/; www.tuttoqui.it/node/19373; www.artprice.com.



404 - HEITOR DE PINHO (1897 - 1968)
Lance Livre - VENDIDO

Marinha - óleo sobre madeira - 27 x 40,5 cm - canto inferior direito - 1950 -
No estado.

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde estudou na antiga Escola Nacional de Belas Artes. Foi discípulo de Rodolfo Chambelland, Batista da Costa, Lucílio de Albuquerque e Modesto Brocos. Participa de Salões Oficiais a partir de 1924, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.247; MEC. Vol.3, pág.400; WALMIR AYALA. Vol.2, pág.194; TEIXEIRA LEITE, pág.408; PONTUAL, pág.426.



405 - FELISBERTO RANZINI (1881 - 1976)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre madeira - 32 x 20 cm - canto inferior direito - 26/12/1920 -

Arquiteto, desenhista e escritor, Felisberto Ranzini nasceu em Mântua, Itália e faleceu em São Paulo - SP. Sobresaiu-se principalmente na técnica de aquarela, na qual se especializou. Suas composições em óleo são claras e detalhadas, quase que miniaturistas. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 805; MEC vol.4, pág. 26, RUTH TARASANTCHI.



406 - ROBERTO DE ALMEIDA (1940)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 40 x 32 cm - canto inferior esquerdo -

Pernambucano do Recife, este artista foi aluno do curso regular da Escola de Belas Artes da Universidade de Munique, Alemanha. Em 1964 participa da fundação do Atelier e Galeria do Mercado da Ribeira, em Olinda, onde também lecionava História da arte. Exposições individuais e coletivas no Rio de Janeiro e coletivas em Salvador e Recife. JULIO LOUZADA, vol.1 pág. 51.



407 - JOSÉ ALVES (1953)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - escultura em madeira - 23,5 x 50 cm - canto inferior direito -

Escultor, José Alves da Cruz nasceu no Recife, PE. Desde criança já cutucava pedaços de pau com uma faquinha. Aos 17 anos, foi trabalhar em uma galeria de arte na praia de Boa Viagem, Recife onde conheceu e ajudou Nhô Caboclo no seu trabalho. Começou a fazer seus próprios bonecos, mudou-se para Olinda. Passou a assinar suas peças como Zé Alves de Olinda. http://www.artedobrasil.com.br/jose_alves.html.



408 - TIDE HELLMEISTER (1942 - 2009)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista e colagem - 21,5 x 16 cm - centro inferior -

Artista plástico, pintor, desenhista paulistano, com participações em diversas exposições coletivas em São Paulo e Rio de Janeiro. É hoje um dos mestres da colagem no Brasil. ITAÚ CULTURAL.



409 - PAULO GERSON RIBEIRO (1969)
Lance Livre - VENDIDO

"Caminho de volta" - óleo sobre tela - 20 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 -

Pintor e professor. Assina Gerson. Sua principal exposição individual foi a "Arte sem Limites" no Espaço Cultural Cidade Ademar, SP. Tem participado de exposições coletivas.



410 - ORLANDO TERUZ (1902 - 1984)
Lance Livre - VENDIDO

"Baiana com Tabuleiro na cabeça" - óleo sobre tela - 41 x 27 cm - canto inferior direito e dorso - 1968 - Rio de Janeiro -
Reproduzido na capa do catálogo e no convite deste Leilão. Com etiqueta n°684 de Cosme Velho Galeria de Arte, São Paulo - SP, no dorso. Ex coleção Lalucha Sigaud, São Paulo - SP. Com Expertise nº 06 013 68 emitida pelo Sr. Rogério Teruz, datada de 28 de maio de 2019.

Natural do Rio de Janeiro, RJ, foi aluno de Rodolfo Chambelland e Batista da Costa na antiga ENBA. Participa do SNBA a partir de 1924, ganhando diversas premiações, inclusive o prêmio de viagem ao exterior. Diversos e importantes museus do mundo tem obras suas, inclusive o Hermitage de Moscou. TERUZ encanta pela sua apurada técnica e temas, seus personagens e suas cores. TEODORO BRAGA- pág. 226; PONTUAL- -págs. 520/1; WALMIR AYALA, vol. 2-págs. 379/81; MEC, vol. 4-pág. 383; TEIXEIRA LEITE, pág. 505; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 578, Acervo FIEO.



411 - ISABEL PONS (1912)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - gravura - H.C. - 50 x 69 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Barcelona, Espanha. Importante gravadora, desenhista e pintora. Estudou pintura na Escola de Belas Artes de Barcelona (1925-1930). Ilustrou poemas de Garcia Lorca. Fixou residencia no Rio de Janeiro a partir de 1948. Estudou gravura com Friedlaender, no MAM-RJ, em 1959. A partir de então dedica-se principalmente à atividade de gravadora em metal, técnica que domina como poucos e a consagrou no cenário nacional e internacional. Está representada em diversos museus brasileiros e estrangeiros, como o MNBA, MAM-RJ, MOMA-NY, etc MEC, vol. 3-pág. 425; PONTUAL-pág. 431; WALMIR AYALA, vol. 2, págs.203/4; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 707; ARTE NO BRASIL, pág. 853; LEONOR AMARANTE, pág. 126.



412 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela - 39 x 59 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



413 - PAUL SÉRUSIER (1864 - 1927)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre cartão - 31 x 42 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, professor e teórico francês, Louis Paul Henri Sérusier nasceu em Paris e faleceu em Morlaix. Estudou na 'Académie Julian' e no estúdio Doucet. Em 1888, conheceu Gauguin e Émile Bernard em Pont-Aven, converteu-se ao credo artístico simbolista e fundou o movimento Nabi ao lado de Denis, Bonnard, Vuillard e outros, tornado-se o principal teórico do grupo. Viajou pela Itália, Alemanha, Inglaterra e, em 1908, tornou-se professor na 'Académie Ranson' em Paris. Suas teorias estão no seu livro: 'ABC da Pintura'. Decorou o 'Theatre de l'Oeuvre de Lugné-Poe' e a igreja 'Châteauneuf-du-Faou'. Realizou exposição individual em Pont-Aven (1872); em Paris (1909). Participou de várias mostras coletivas e oficiais, incluindo a primeira exposição dos Nabis na 'Galerie Barc de Boutteville' (1891). Em Paris, uma exposição retrospectiva póstuma foi realizada no Museu Galliéra (1947), entre muitas outras. BENEZIT; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE; www.theartstory.org; www.musee-orsay.fr; www.historiadasartes.com; www.artprice.com.



414 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Maternidade - óleo sobre tela - 83 x 67 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



415 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)
Lance Livre - VENDIDO

Fiandeira - escultura em bronze - 76 x 25 x 08 cm - assinado -

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



416 - MAURO MUNHOZ JR. (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela - 80 x 80 cm - dorso -
No estado.

Pintor com participações em mostras coletivas. feiradeartesdotrianon.blogspot.com/2012/03/mauro-pintura-025.html.



417 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Linhas - guache - 28,5 x 23,5 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



418 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)
Lance Livre - VENDIDO

Cavaleiro - desenho a nanquim - 27 x 35 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



419 - HELENA PEREIRA DA SILVA OHASHI (1895 - XX)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre cartão - 29 x 22,5 cm - canto inferior esquerdo - 1960 -

Paulistana, Helena era filha do pintor Oscar Pereira da Silva, de quem recebeu seus primeiros conhecimentos artísticos. Em 1929 seguiu para Paris, onde aperfeiçoou-se em pintura com Jean Paul Laurens. Casou-se com o pintor Kai Ohashi, em Paris, passando a residir em Kobe, Japão. Expôs em Paris (1933), no SNBA-RJ (1936), e no SPBA (1940), e individualmente no Brasil, em 1940, apresentando trabalhos executados no Japão. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 689, RUTH TARASANTCHI.



420 - HEITOR DOS PRAZERES (1898 - 1966)
Lance Livre - VENDIDO

"Trabalhadores na roça" - óleo sobre eucatex - 41 x 50 cm - canto inferior direito - 10/08/1964 - RJ -
Com Autenticação da família do artista, na pessoa do curador da obra, Sr. Heitor dos Prazeres Filho.

Pintor, compositor, marceneiro, Heitor dos Prazeres nasceu e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou-se na pintura por volta de 1937, como autodidata, estimulado pelo jornalista e desenhista Carlos Cavalcanti. No período de 1937 a 1946, trabalhou em rádios do Rio de Janeiro e ingressou como ritmista na Rádio Nacional, em 1943. Recebeu o 3º lugar para artistas nacionais na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951) e foi homenageado com sala especial na 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1953). No ano seguinte, criou cenários e figurinos para o Balé do IV Centenário da Cidade de São Paulo. Realizou sua primeira exposição individual, em 1959, no Rio de Janeiro. Em 1965, Antônio Carlos Fontoura produziu um documentário sobre sua obra. Tornou-se um artista destacado, atuando como compositor, instrumentista e letrista de música popular brasileira. Participou da fundação das primeiras escolas de samba cariocas, entre elas a Estação Primeira de Mangueira. Em comemoração ao centenário de seu nascimento, em 1999, foi realizada mostra retrospectiva no Espaço BNDES e no Museu Nacional de Belas Artes. Em 2003, foi publicado o livro ‘Heitor dos Prazeres: Sua Arte e Seu Tempo’, da jornalista Alba Lírio. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.247; MEC. VOL.3, PÁG.400; WALMIR AYALA. VOL.2, PÁG.194; TEIXEIRA LEITE, PÁG.408; PONTUAL, PAG.439; WALTER ZANINI, PÁG.810; LEONOR AMARANTE, PÁG. 266; ACERVO FIEO.



421 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)
Lance Livre - VENDIDO

"Terreiro de macumba" - xilogravura - 66 x 47 cm - canto inferior direito - 2008 -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



422 - MANUEL EUDÓCIO (1931)
Lance Livre - VENDIDO

Indo para a feira - escultura em barro - 13 x 05 x 05 cm - assinado -
No estado.

Manuel Eudócio Rodrigues, natural de Alto do Moura, próximo a Caruaru, (PE). Começa a modelar o barro da mesma maneira como as demais crianças criadas em ambientes oleiros no Brasil: observando os parentes próximos e fazendo animaizinhos de brincadeira. Em 1949, conhece Mestre Vitalino quando este se transfere para o Alto do Moura, tornando-se então seu discípulo. Assim como Zé Caboclo, seu cunhado, inicialmente produzia esculturas em barro natural. Influenciado pelo mercado, passa a pintar parcialmente as peças com tintas fortes e coloridas. Apaixonado pela "arte de boneco", criou um grande repertório de figuras: cangaceiros, casais de noivos a cavalo, maracatus e Bumba-meu-boi. É considerado um dos primeiros ceramistas da localidade onde nasceu e vive até hoje. Casado, teve nove filhos, dos quais cinco seguiram-lhe o ofício.



423 - VICENTE CARUSO (1913 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Negra - óleo sobre tela - 56 x 47 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor. No Rio de Janeiro, conquistou diversas premiações nos salões oficiais de que participou, tais como: Salão da Sociedade dos Artistas Brasileiros, em 1968 e Salão Nacional de Belas Artes, em 1970. Em São Paulo, ganhou a Pequena Medalha de Prata, no Salão Paulista de Belas Artes de 1952. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 220, Acervo FIEO.



424 - RODOLFO WEIGEL (1907 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Frutas - óleo sobre tela - 23 x 32,5 cm - canto inferior direito -

Pintor e fotógrafo nascido na Áustria e falecido no Rio de Janeiro. Radicado no Brasil. Participou do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1937) onde foi premiado com Medalha de Bronze e da Bienal de Arte Fotográfica Brasileira, Volta Redonda – RJ (1974) MEC VOL. 4, PÁG. 505; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1070; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



425 - J. CARLOS (1884 - 1950)
Lance Livre - VENDIDO

Capa da revista "O malho" - desenho a nanquim e aquarela - 41 x 29 cm - canto inferior direito -
No estado.

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



426 - ROBERTO FEITOSA (1943)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 40 x 78 cm - canto inferior esquerdo - 1980/1981 -

Pintor natural da cidade do Rio de Janeiro-RJ. Segundo o crítico Roberto Pontual, "A atividade de pintar foi acontecimento inesperado e repentino na sua vida, por volta de 1968. Professor de inglês, integrado diretamente na contemporaneidade, isto pareceria entrar em conflito com a infância que permanece na sua pintura. Mas se o tema ali é o mundo sob a visão de criança, a técnica de Feitosa, apesar do quase absoluto autodidatismo, atinge requinte surpreendente - o que veio situá-lo em posição especial entre tantos outros pintores ingênuos surgidos mais ou menos à mesma época. Não é propriamente o passado mítico da humanidade o que ele deseja fixar, localizando-o em luminoso e harmônico Paraíso vegetal, como mero ilustrador de temas bíblicos; com a dose exata de subconsciência, termina registrando partículas e estruturas que simbolizam referências mais viscerais à própria condição humana de vir ao mundo no corpo da uterina tranquilidade e de precisar romper o ovo da harmonia para fundar o rumo de sua existência. O corpo da uterina tranquilidade está todo contido nas formas ovais que persistentemente utiliza para nelas distribuir a fundação de seu magnético universo: elas atuam em diversos níveis simbólicos, sintetizando a forma da Terra, que também é mãe, asilo, proteção, recolhimento, fonte da qual se parte um dia, expulso, para receber e enfrentar o mundo". PONTUAL, Roberto. Arte/Brasil/hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973. ITAUCULTURAL, JULIO LOUZADA vol 2 pág 391 e vol 3 pág 400.



427 - NILDA NEVES (1961)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintora. Nasceu em 1961 em Botuporã, no sertão da Bahia. Em Brumado, BA, estudou contabilidade. Com a família morou em várias cidades do estado, voltou para sua cidade natal onde foi professora particular e de escola pública, ensinando matemática. Perdendo parte da família nos anos de 1990, resolveu vir para São Paulo em 1999 e, em 2010, escreveu o romance ‘O Lavrador do Sertão’ em três dias. Logo depois lançou ‘O Belo Sertão’, com os seres lendários do Brasil, na Bienal do Livro do mesmo ano. Para produzir a capa do livro resolveu ela mesma pintar e, desde então, não parou mais de produzir, contando suas lembranças e histórias do sertão. Em 2015 realizou sua primeira individual –‘ Meu Sertão’ na Galeria Mezanino, SP; participou da 45º Chapel Art Show, SP (2016) e da Bienal Naïf (2016)- SESC Piracicaba, SP. www.galeriamezanino.com/nilda_neves.htm ; bienalnaifs.sescsp.org.br/2016/artistas/nilda-neves.



428 - THOMAZ IANELLI (1932 - 2001)
Lance Livre - VENDIDO

Natureza morta - técnica mista sobre papel - 20 x 30 cm - canto inferior esquerdo -
Ex coleção Antonio de Souza Naves Filho - Campinas - SP.

Natural de São Paulo, estudou com Angelo Simeone na Associação Paulista de Belas Artes (1953). Participou de coletivas do Grupo Guanabara. Expôs individualmente desde 1960, em diversas cidade do País e no exterior (Madrid, Paris, Bilbao e Lima), e particpou de coletivas nacionais e estrangeiras, sendo presença constante em mostras antológicas de pintura brasileira no país e no estrangeiro. Sobre sua obra mais recente, já se disse pertencer a um mundo de suavidades carinhosas, poéticas, sem se tornar adocicado, monótono e cansativo. Um mundo feérico, aberto, fluído. Viveu no Paraná, com grande sucesso de público e crítica. TEIXERIA LEITE, pág. 507; MEC, vol. 2, pág. 345; WALTER ZANINI, pág. 755; ARTE NO BRASIL, pág.914, Acervo FIEO.



429 - ESCOLA RUSSA, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - técnica mista sobre papel - 19 x 28 cm - canto inferior direito -
A.W. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



430 - SILVIO OPPENHEIM (1941 - 2012)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - centro - 2010 -

Pintor, desenhista, arquiteto e professor nascido e falecido em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Arquitetura da USP (1965) e completou sua formação na Alemanha, quando ganhou do governo alemão uma bolsa de estudos para a 'Technisce Universitat' (TU) em Berlim Ocidental. Em 1979 assumiu a cadeira de arquitetura de interiores na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Produziu intensamente como arquiteto e como artista plástico. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1965, 1972, 1975 a 1977, 1979, 1981, 1982, 1986 a 1989); Rio de Janeiro (1985); Brasília, DF (1978); Curitiba, PR (1980, 1987); Goiânia, GO (1989); Vitória, ES (1989). Participou de exposições coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969); '5 Pintores de Vanguarda', Porto Alegre, RS (1965); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971, 1973, 1976, 1979); Tóquio, Japão (1985) e outras. JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.745; VOL. 4, PÁG. 829; MEC, VOL.3, PÁG.301; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; www.sp.senac.br; www.resenhando.com; www.artprice.com.



431 - JESUS FUERTES (1938 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Ave - litografia colorida a mão pelo autor - 1/100 - 16 x 10,5 cm - canto inferior direito - 1982 -

Pintor e escultor espanhol. Expôs pela 1ª vez em Berlim, conquistando o 2º prêmio no Salão Internacional dos Jovens Surrealistas Europeus, em 1955. Várias exposições entre 1954 e 1972 em Paris, Bruxelas, Nova York, Genebra, Roma, Boston, Zaragoza, conquistando em 1962, o Grande Prêmio de Roma.JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 361; ITAU CULTURAL.



432 - FERNANDO BARROS (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Casario - acrílico sobre tela - 30 x 20 cm - canto inferior direito e dorso - São Paulo -

Pintor atuante em São Paulo. Assina Barros. Participou de mostras coletivas e recebeu alguns prêmios e medalhas.



433 - ARLINDO CASTELLANE DI CARLI (1910 - 1985)
Lance Livre - VENDIDO

Negra - óleo sobre tela - 56 x 36 cm - canto inferior direito e dorso -
Com a seguinte dedicatória no dorso: "Ao Dr. Octávio G. Bulhões of. carinhosamente Castellane - Rio, 15-07-74".

Pintor e escultor. Assina Castellane. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo (1925) onde foi aluno de José Maria da Silva Neves, Enrico Vio e Avelino Najara. Trabalhou (1928) como aprendiz de modelador, na Casa Francesa e na Oficina Nicola & Sala, em Santos, SP. Entre 1938 e 1940, viveu em Ribeirão Preto, SP, e teve contato com a obra do pintor Armando Balloni, pela qual foi fortemente influenciado. Realizou exposição individual no Museu Nacional de Belas Artes, RJ, em 1949. Participou do Salão Paulista de Belas Artes - SPBA, SP (1942 a 1945, 1947, 1949, 1951, 1952, 1953, 1957, 1958, 1960, 1964, 1965); do Salão Nacional de Belas Artes - SNBA, RJ (1942, 1944, 1947, 1953, 1957); da exposição "Um século de Pintura Brasileira" no Museu Nacional de Belas Artes, RJ (1952); entre outras. Foi premiado no SPBA, SP (1942, 1943, 1947, 1949, 1952, 1953, 1957, 1958, 1960, 1964 – Prêmio Viagem pelo País, 1965); no SNBA, RJ (1942, 1947, 1953 – Prêmio Viagem ao Estrangeiro, 1957). MEC, VOL. 1, PÁG. 355; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 183; PONTUAL PÁG. 118; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 229; ITAU CULTURAL.



434 - CARLOS MARTINS (1924 - 1999)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 16 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1986 -

Pintor e desenhista fluminense, com diversas participações em salões oficiais, exposições individuais e coletivas. Retrata as paisagens de sua terra com emoção e lirismo. MEC. vol.3, pág, 79; JULIO LOUZADA, vol.9 pág.553; ITAÚ CULTURAL.



435 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

A volta da pesca - óleo sobre cartão - 18 x 21,5 cm - canto inferior esquerdo - 1967 - Rio de Janeiro -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



436 - KASUO WAKABAYASHI (1931)
Lance Livre - VENDIDO

"Mari" - serigrafia - 64/120 - 71 x 50 cm - canto inferior direito - 2006 -

Pintor japonês, natural de Kobe. Iniciou seus estudos na Escola Técnica de Hikone em Shiga, Japão (1944); frequentou a Escola de Belas Artes e a Academia Niki, em Tóquio, e as aulas de desenho e pintura de Kanosuke Tamura (entre 1947 e 1950). Tornou-se membro do Grupo Babel, composto por Rokuichi, Kaibara, Ko Nishimura e outros; do grupo Seiki; publicou álbum de pinturas e poesias (1953) e participou do Delta (1954), além de ilustrar os jornais "Shinko Shimbum" e "All Sports". Em 1952 montou seu atelier. Veio para o Brasil (1961), radicou-se em São Paulo onde se integrou ao Grupo Seibi. Realizou exposições individuais em: Tóquio, Japão (1957, 1976); Osaka, Japão (1959); Kobe, Japão (1960, 1976); Rio de Janeiro (1963, 1970, 1971, 1973, 1975, 1977, 1979 a 1981, 1983, 1984, 1987); São Paulo (1965, 1968, 1969, 1971, 1980, 1993, 2001, 2017 – SOCIARTE); Brasília, DF (1972, 1974, 1977, 1980); Washington, EUA (1969); Nova York, EUA (1983). Em 1968, naturalizou-se brasileiro. Vem participando de diversas mostras coletivas e oficiais, desde os Salões Japoneses (entre as décadas de 1940 e 1960) onde foi premiado em 1947, 1950, 1954 e 1959 e de outras, destacando-se: Salão do Grupo Seibi de Artistas Plásticos, SP - Grande Medalha de Ouro (1963); 12º Salão Paulista de Arte Moderna - Medalha de Ouro (1963); Bienal Internacional de São Paulo (entre 1963 e 1967) - Prêmio Aquisição do Itamarati na 9ª edição; exposição itinerante pela Europa e América – "Mestres do Abstracionismo Brasileiro" (1984); Salão de Abril do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – Primeiro Prêmio (1966). Foi publicado o livro "Wakabayashi" (1992) e uma retrospectiva de sua obra foi realizada no Paço das Artes, SP (1993). TEIXEIRA LEITE PÁG. 540; PONTUAL PÁG. 550; MEC VOL. 4, PÁG. 501; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1064; VOL. 6, PÁG. 1181ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL PÁG. 939, ACERVO FIEO; www.artprice.com.



437 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Barqueiro - óleo sobre madeira - 16 x 43 cm - canto inferior direito ilegível -



438 - JOSÉ BEZERRA (1952)
Lance Livre - VENDIDO

Santa - escultura em madeira - 27 x 10 x 08 cm - assinado -

Escultor, poeta e músico. Nasceu em Buíque, Pernambuco, vive e trabalha na Reserva Ecológica do Vale do Catimbau, sertão de Pernambuco. Trabalhou na roça até final de 2002 quando iniciou uma nova profissão: a de artesão em madeira. Realizou uma exposição individual em São Paulo, em 2009. ITAU CULTURAL; www.galeriaestacao.combr; www.flickr.com.



439 - ALFREDO EUGUL SAMAD (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Na praia - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 01/12/1974 - São Paulo -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Pintor argentino natural de Navarro, Provincia de Buenos Aires. Fixou residência no Brasil a partir de 1954. Expôs individualmente em Buenos Aires em 1951, participando de coletivas a partir de 1953, destacando-se: III Salão Nacional de Artes Plásticas do Rio de Janeiro (Gravura), Salão Museu de Arte Moderna -MAM-SP (Desenho) e III Salão Brasileiro de Arte (Fundação Mokiti Okada) São Paulo (pintura). Recebeu o Prêmio Aquisição no III Salão de Arte Contemporânea de Americana-SP.



440 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - xilogravura - 7/12 - 17 x 22 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



441 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)
Lance Livre - VENDIDO

Figura e animais - gravura - P.A. - 37 x 51 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



442 - ALAN CASSIANO (1985)
Lance Livre - VENDIDO

"Boneca bêbada II" - aquarela sobre papel - 42 x 30 cm - canto inferior direito - 2015 -

Artista plástico. Alan de Lima Cassiano vive e trabalha em São Paulo. É formado em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda (2009); fez aulas de pintura e desenho com Gilberto Marchi (2014-2015) e Desenho, Pintura e História da Arte na Escola de Artes 28 de Julho (2000). Realizou exposições individuais em 2006, 2007, 2008, 2012, 2014. Tem participado de muitas mostras coletivas e Salões oficiais como o 1º Salão de Arte Moderna de São Caetano do Sul (2012) e coletivas na Pinacoteca Municipal de São Caetano do Sul (2011, 2018). www.alancassiano.com.



443 - JESUALDO (1940)
Lance Livre - VENDIDO

"Peixe folha" - acrílico sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 -

Pintor nascido em Santa Rosa, RS. Autodidata no início de sua carreira, teve aulas com Colete Pujol. Participou de vários Salões e exposições oficiais em: Canoas, RS (1960); Aparecida do Norte, SP (1961); São Carlos, SP (1964); São Paulo (1966 a 1968, 1985). Foi premiado, em 1966, no Salão da Escola de Belas Artes de São Paulo.



444 - RICARDO ZANZAL (1968)
Lance Livre - VENDIDO

"Cosmos 1" - técnica mista sobre tela - 30 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 -

Pintor e desenhista nascido em Maringá, PR. Autodidata. É filho do artista plástico paulista e radicado no Paraná - Zanzal Mattar que dentre as milhares de obras que executou, estão as pinturas internas da Catedral Nossa Senhora da Glória, em Maringá. Formou-se em engenharia, atuou durante muitos anos em grandes obras e em vários segmentos até se dedicar integralmente à pintura a partir de 2014. Tem participado de várias mostras coletivas pelo Brasil e Estados Unidos. www.guiadasartes.com.br/ricardo-zanzal.



445 - RONI BRANDÃO (1935 - 1991)
Lance Livre - VENDIDO

Caju - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 03/1978 - São Paulo -
No estado.

Pintor e desenhista, nascido em Pirajú-SP. Começa a dedicar-se às artes a partir de 1967. Iniciando com desenhos em preto e branco, depois veio a cor, o óleo, trazendo as grandes figuras femininas. Depois de 1978 as paisagens se expandiam, silenciosas, infinitas, como se fossem de outros planetas. Participou de exposições e salões nacionais e internacionais a partir de 1967, recebendo diversos prêmios. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 150; MEC, VOL 1, pág, 291; ITAÚ CULTURAL.



446 - LIA MITTARAKIS (1934 - 1998)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre eucatex - 54 x 72 cm - canto inferior esquerdo - 1989 - Ilha de Paquetá -

Pintora e professora nascida no Rio de Janeiro e falecida na Ilha de Paquetá, RJ. Autodidata em pintura ensinou a sua técnica na Escolinha de Arte, na Ilha de Paquetá onde vivia. Expôs individualmente no Rio de Janeiro em 1964, 1965, 1969, 1970, 1972, 1974, 1982. Entre as mostras e salões dos quais participou, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, RJ; "Naifs del Brasile, Naifs di Haiti" no Festival Mundial de Spoleto, Itália; "Artistas Brasileiros" em Bratislava, Tchecoslováquia (1969); Encontro Carioca de Pintura Ingênua, RJ (1977); “O mundo fascinante dos Pintores Naïfs” no Paço Imperial (1988 e 1989); Naïfs em Coletiva, na Villa Riso Tradição - Arte Cultura (Sala Especial), RJ (1997); além de outras coletivas no Rio de Janeiro, Itália, Estados Unidos, Alemanha, Suíça, Portugal, Inglaterra, Argentina, Tchecoslováquia e Cidade do México. ITAU CULTURAL; www.ardies.com; artenaifrio.blogspot.com; www.artprice.com.



447 - DANIEL RYO SHINOZAKI (1965 - 2010)
Lance Livre - VENDIDO

"Duas figuras" - desenho a crayon sobre papel - 31 x 46 cm - não assinado - 2009 -
Com autenticação da irmã do artista no canto inferior direito. No estado.

Pintor, gravador e fotógrafo nascido em Presidente Prudente, SP e falecido em São Paulo. Formou-se em Engenharia Civil pela Escola Politécnica de São Paulo – USP (1990) e obteve mestrado no Instituto de Artes da UNICAMP. Frequentou inúmeros cursos de extensão universitária inclusive no Japão (1989). Participou de várias mostras coletivas oficiais em: São Paulo (1992 a 1995, 1999, 2000, 2001); Santos, SP (1993 - Bienal); Curitiba, PR (1993, 2003); Campinas, SP (2002, 2004); Porto Alegre, RS (2003); Bragança Paulista, SP (2007). Recebeu o Prêmio Estímulo da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo com o projeto ‘Foices: retratos de agricultores da zona rural’ (1994). Em 2013 foram realizadas exposições individuais de suas obras em São Paulo, Embu das Artes e Mauá. ITAU CULTURAL; www.radaroficial.com.br; www.abcdmaior.com.br; www.mauamemoria.com.br.



448 - LAIS RUBIÃO (1923)
Lance Livre - VENDIDO

Flores - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1982 -

Foi aluna de desenho de Salvador Rodrigues e Carlos Fajardo, e de paisagem de Antonio Helio Cabral. Desde 1977 participa de exposições coletivas e individuais, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 750, Acervo FIEO.



449 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)
Lance Livre - VENDIDO

"Igreja Nossa Senhora da Conceição" - aquarela - 39 x 29 cm - canto inferior direito - Ouro Preto - MG -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



450 - HEINZ KÜHN (1908 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista e colagem sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor nascido em Berlim, Alemanha, e falecido em São Paulo. Iniciou seus estudos em sua terra natal, expondo obras na Alemanha e na França. Transferiu-se para o Brasil em 1950, fixando residência em São Paulo. Realizou exposições individuais em São Paulo (1952, 1956 - MAM, 1959 a 1962). Participou de mostras e Salões oficiais, entre eles: II, III e VIII da Bienal Internacional de São Paulo; II, IX, X e XIV Salão Paulista de Arte Moderna onde conquistou a Medalha de Prata (1952), o Prêmio Aquisição (1955) e a Medalha de Ouro (1965); XVIII Salão Municipal de Belo Horizonte; I Concurso Nacional de Joias - Prêmio de Viagem a Brasília. MEC VOL. 2, PÁG. 430; PONTUAL PÁG. 295; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 688; www.artprice.com.



451 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)
Lance Livre - VENDIDO

"Dona Fulô" - matriz de xilogravura - 16 x 17 cm - canto inferior esquerdo -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



452 - ISRAEL DE FARIA SODRÉ (1965)
Lance Livre - VENDIDO

Cesto de flores - óleo sobre tela - 60 x 90 cm - canto inferior direito -

Natural de Jundiaí, SP, onde nasceu a 31 de outubro de 1965. Estudou com Alexandre Reider. Coletiva em 1995 e 1996, ambas em Jundiaí. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 384



453 - DARCY PENTEADO (1926 - 1987)
Lance Livre - VENDIDO

Composição - técnica mista sobre cartão - 22 x 22 cm - canto inferior esquerdo - 1961 -
No estado.

Desenhista, pintor, cenógrafo, figurinista e escritor nascido e falecido em São Roque, SP. Após os 10 anos mudou-se para São Paulo para concluir seus estudos. Distinguiu-se pelos desenhos que realizou que o levou a trabalhar em agências de publicidade, de desenho industrial e como figurinista de magazines. Iniciou, como autodidata, a cenografia para teatro e televisão, além da literatura (1944) e começou a expor, como artista plástico, em 1949. Passou a integrar em São Paulo o Grupo Novíssimos (1948). Desde 1955 vinha participando na televisão, como diretor de arte. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1954 e 1956 – MAM, 1961, 1963, 1981, 1983); Rio de Janeiro (1956, 1959); Recife, PE (1983); Pelotas, RS (1984). Viajou por diversas vezes à Europa onde morou por sete anos e também expôs individualmente em: Hamburgo, Alemanha (1964); Roma, Itália (1965, 1967); Paris, França (1966). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1953, 1955, 1963, 1965, 1967, 1973, 1985, 1986); Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1960, 1961); Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP (1959, 1962); Bienal de Paris (1961); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1973, 1974). Recebeu a Medalha de Prata no SPAM (1961); Prêmio Governador do Estado (1954) como cenógrafo; o Prêmio Jabuti (1962) como ilustrador; Menção Honrosa (1977) da Revista Status como contista. MEC VOL. 3, PÁG. 365; PONTUAL PÁG. 416; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 747; VOL. 3, PÁG. 874; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG 183; TEIXEIRA LEITE PÁG 401; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 717; LEONOR AMARANTE PÁG. 75; www.artprice.com.



454 - MESTRE FIDA (1957)
Lance Livre - VENDIDO

Ex voto - escultura em madeira - 23 x 09 x 10 cm - assinado -

Escultor. Valfrido de Oliveira Cezar, mais conhecido como Mestre Fida, nasceu na comunidade Quilombola do Timbó, localizado no distrito Iratama, município de Garanhuns, PE. Faz esculturas em madeira, entre as quais, a mais famosa e a que mais caracteriza sua obra é o homem-cata-vento, uma escultura articulada com braços grandes e pás sensíveis à ação do vento. Além de seus famosos cata-ventos, o artista esculpe ex-votos e utilitários de madeira e cestaria de cipó. É herdeiro dos tradicionais saberes materiais do povo Quilombola do Timbó e de antigos mestres como o contador de histórias Ciço de Rosinha, marco fundamental de sua formação artística. Participa, todos os anos, do Salão de Arte Popular de Pernambuco e da Praça dos Mestres na Fenearte (Feira Internacional de Arte, Recife). Suas obras já fizeram parte de diversas exposições pelo Brasil, dentre elas: a "Mostra do Redescobrimento", ocorrida em São Paulo no ano 2000 em comemoração aos 500 anos do descobrimento do Brasil. artepopularbrasil.blogspot.com/2011/09/mestre-fida.html.



455 - RUBENS GERCHMAN (1942 - 2008)
Lance Livre - VENDIDO

"Eu te amo" - serigrafia - H.C. - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



456 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem imaginária - escultura em cerâmica - 18 x 26 x 07 cm - canto inferior direito -
E.C.M. - Juazeiro do Norte - CE.



457 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX
Lance Livre - VENDIDO

Paisagem - aquarela - 21 x 26 cm - não assinado -



458 - TRINAZ FOX (1899 - 1964)
Lance Livre - VENDIDO

Figuras - aguada de nanquim - 34 x 50 cm - centro inferior - 1948 -

Pintor, desenhista e caricaturista. Viveu durante muitos anos na Europa. De volta ao Brasil, colaborou em diversas revistas e jornais cariocas na década de 1920, inclusive como redator, destacando-se: D. Quixote, O Tagarela e O Combate. entre 1930 e 1940 fixou-se na Argentina, publicando trabalhos na imprensa de Buenos Aires e Santa Fé. PONTUAL, pág. 526; MEC vol.2, pág. 188; HISTORIA DA CARICATURA NO BRASIL, pág. 1421;



459 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)
Lance Livre - VENDIDO

Fachada - serigrafia - 38/50 - 54 x 36 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



460 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)
Lance Livre - VENDIDO

Gato - serigrafia - P.I. - 71 x 50 cm - não assinado -
Tiragem póstuma editada pelo Estúdio Aldemir Martins. No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.