ROGÉRIO DIAS (1945 - )

Pintor, desenhista, gravador, escultor, designer gráfico, cartunista, ator, decorador, ilustrador, cenógrafo e publicitário, Rogério José de Moura e Dias nasceu em Jacarezinho, PR. Assina R. Dias. Autodidata, quando criança conviveu com Sigaud, por ocasião da pintura dos painéis da catedral de Jacarezinho. Participou de oficina de gravura orientada por Calderari (1965) e teve uma de suas primeiras gravuras selecionadas para o Salão de Arte Cidade de Curitiba. Trabalhou com design gráfico, fotografia e stands (1966). Em 1970, incursionou pelas artes cênicas, como ator, cenógrafo e design gráfico, participou do grupo teatral XPTO, de peças dirigidas por Manoel Carlos Karan, e como ator no filme “O Diabo tem Mil Chifres”, de Penna Filho. Trabalhou como diretor de arte da revista “Passarola”, da Varig (1975 a 1979) e, como ilustrador, do “Correio Brasiliense” (1983) e do “Correio de Notícias” (1984 e 1985). Executou (1996) para a prefeitura de Curitiba um painel de azulejos de 50 metros, em homenagem ao Rio Iguaçu, instalado na praça ao lado do Palácio Iguaçu, no Centro Cívico. Realizou exposições individuais na galeria do Centro Cultural Brasil Estados Unidos – CCBEU, Curitiba - PR (1977, 1992), no Museu Metropolitano de Arte, Curitiba – PR (1994). Participou de mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiado no Salão Paranaense, Curitiba - PR de 1981. JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 336; VOL. 12, PÁG. 134; ITAU CULTURAL.