Leilão de Fevereiro de 2019

25 e 26 de Fevereiro de 2019



001 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Galo - serigrafia - 63/100 - 57 x 38 cm - canto inferior direito - 1967 -
Paspatur no estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



002 - ADRIANO GAMBIM (1983)

"Estação da Luz, em cores quentes" - serigrafia - 27/30 - 28 x 40,5 cm - canto inferior direito - 2013 -

Pintor, desenhista, gravador e arte-educador. Sua formação artística foi na UNIMESP e UNESP, São Paulo. Realizou exposições individuais em Guarulhos (2004, 2008, 2009, 2010, 2011) e tem participado de várias mostras coletivas e Salões individuais como: Guarulhos, SP (2001, 2007 a 2013); São Paulo (2008, 2010); Araraquara, SP (2006, 2010, 2012); Franca, SP (2008); Catanduva, SP (2008); Suzano, SP (2009); Ubatuba, SP (2005, 2009); Ribeirão Preto, SP (2010); Mairiporã, SP (2010); Santo André, SP (2010); Santos, SP (2011); Araras, SP (2013); Embu, SP (2013); Curitiba, PR (2012); Porto Alegre, RS (2013); Brasília, DF (2013); Castro, PR (2013); Ceará (2012); Espanha (2005 a 2008, 2013); Finlândia (2007); México (2009); Itália (2007, 2009); Romênia (2007, 2010). Foi premiado em: Guarulhos, SP (2007 a 2009, 2011); Mairiporã, SP (2011); Espanha (2011); Araraquara, SP (2010, 2012, 2013); Araras, SP (2012); Rio Claro, SP (2013). www.artprice.com.



003 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Fachada e bandeiras - serigrafia - 5/100 - 32 x 36 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



004 - ALFREDO EUGUL SAMAD (XX)

"Moinho de vento" - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 21/04/1980 -
No estado.

Pintor argentino natural de Navarro, Provincia de Buenos Aires. Fixou residência no Brasil a partir de 1954. Expôs individualmente em Buenos Aires em 1951, participando de coletivas a partir de 1953, destacando-se: III Salão Nacional de Artes Plásticas do Rio de Janeiro (Gravura), Salão Museu de Arte Moderna -MAM-SP (Desenho) e III Salão Brasileiro de Arte (Fundação Mokiti Okada) São Paulo (pintura). Recebeu o Prêmio Aquisição no III Salão de Arte Contemporânea de Americana-SP.



005 - JOSÉ ANDRADE (XX)

Onça - escultura em madeira - 10 x 26 x 13 cm - assinado -

Escultor de Prados, MG, com diversas participações em mostras coletivas.



006 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Flores - óleo sobre tela colada em madeira - 25 x 38 cm - não assinado -
No estado.



007 - ALDARI HENRIQUES TOLEDO (1915 - 2000)

Rosto - técnica mista sobre papel - 24 x 16,5 cm - lado direito - 1987 -

Arquiteto, pintor e desenhista nascido e falecido no Rio de Janeiro. Tendo feito estudos com Portinari na antiga Universidade do Distrito Federal (entre 1932 e 1935), dedicou-se à pintura e ao desenho paralelamente à sua atividade preferencial no campo da arquitetura. Participou de todos os Salões Modernos realizados no Brasil desde 1935 e recebeu Medalha de Prata em Pintura (1940) e Desenho (1941) na Divisão Moderna do SNBA e Menção Honrosa em Arquitetura no mesmo certame, do qual foi membro do júri em 1943. Expôs em Londres, Inglaterra (1944) e participou de mostra de artistas brasileiros na Argentina - Buenos Aires e La Plata (1945). TEIXEIRA LEITE PÁG. 510; PONTUAL, PÁG. 523; MEC VOL. 4, PÁG. 404; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 980; ITAU CULTURAL.



008 - DAVID SOBRAL (1930)

"No rio que tem piranha..." - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo - 13/02/2009 -
Complemento de título: "No rio que tem piranha jacaré nada de costas".

"David Augusto Sobral nasceu em 1930, quando seus pais viajavam para a Europa. Filho de um motorneiro da Light, ele foi registrado em Beira Alta, Portugal, onde viveu seus primeiros cinco anos, mudando para São Paulo, Brasil, sete anos depois. Autodidata, ele aperfeiçoou sua técnica com um artista local, conhecido como Alemão, aprimorando o estilo, que se concentrou na representação gráfica de frases e ditados populares. Essa veia satírica chamou a atenção, por exemplo, do Museu de Arte Naïf, em Figueras, Espanha, que já adquiriu 25 trabalhos do artista. Figuras fantásticas e motivos folclóricos são encontrados em numerosas imagens. Animais que tocam instrumentos musicais com cores bem fortes, por exemplo, são uma constante, assim como imagens próximas ao surrealismo, em sua irreverência e capacidade ilimitada de subverter e surpreender". Oscar D’Ambrosio, jornalista e crítico de arte.



009 - DIRCE PIRES (1930)

Favela - óleo sobre tela - 60 x 73 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Tatuí, SP, no dia 24 de abril de 1930, assina suas obras DIRCE PIRES. Pintora ingênua, suas obras tem como tema cenas rurais e aspectos da vida interiorana. Viúva do pintor Walter Lewy. Autodidata, com participações em coletivas, inclusive no exterior JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 771, Acervo FIEO.



010 - ALFRED VERWEE (1838 - 1895)

Marinha - óleo sobre tela - 36 x 60 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador, Alfred Jacques Verwee nasceu em St-Joost-ten-Node e faleceu em Bruxelas. Iniciou-se com seu pai - o pintor Louis Pierre Verwee, trabalhou com Verboeckhoven e estudou com F.K. Deweirdt (1853-1858). Viveu em Londres (1867-1868), viajou pela Itália e Países Baixos. No seu retorno à Bélgica fundou e dirigiu uma associação de pintores em Knokke. Em Bruxelas ajudou a fundar a Sociedade de Belas Artes (1868). Sempre ia a Paris e conviveu com Diaz, Théodore Rousseau, Manet, Barye e Troyon. A partir de 1857 participou dos Salões de Bruxelas com Medalha de Ouro em 1863; dos Salões de Paris com medalhas em 1864 e 1878; da Exposição Universal de Paris com Medalha de Ouro em 1889. Recebeu a comenda do Cavaleiro da Legião de Honra (1881), Cavaleiro da Ordem de Leopoldo (1871), Oficial (1881) e Comandante (1894). BENEZIT; art-now-and-then.blogspot.com.br; www.artprice.com.



011 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)

Dragão - têmpera sobre tela - 44 x 65 cm - canto inferior direito - 1976 -
No estado.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



012 - ANNA DUBSKY (XX - 1988)

Paisagem - óleo sobre tela - 60 x 120 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, Anna Haupt Dubsky nasceu em Viena, Áustria. Assinava A. Dubsky. Participou de muitas mostras e Salões oficiais, entre eles, o Salão de Belas Artes de Piracicaba (1981) realizado na Casa das Artes Plásticas 'Miguel Dutra' em Piracicaba, SP. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 13, PÁG. 117.



013 - PAULO DE TARSO AQUARONE (1956)

"Com" - objeto em técnica mista - 18 x 46 x 11 cm - assinado -

Pintor e poeta, nasceu em São Paulo, SP, no dia 27 de agosto de 1956. Expõe individualmente pela primeira vez em 1996, inclusive em Portugal (2000), e vem participando de coletivas a partir de 1999, com sucesso de crítica. O autor reside e é ativo em São Paulo-SP.



015 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA (1909 - 1996)

Fazenda - óleo sobre tela - 40 x 55 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1977 -
Ex coleção Dr. Nelson Mendes - Marília - SP.

Pintor, desenhista, escritor, escultor, repentista nascido em Sales de Oliveira, SP e falecido em São Paulo. Trabalhador rural, de pouca formação escolar, foi autodidata. Em 1931, mudou-se para São José do Rio Preto, SP. Participou da exposição de inauguração da Casa de Cultura da cidade (1946), quando suas pinturas chamaram atenção dos críticos Lourival Gomes Machado, Paulo Mendes de Almeida e do filósofo João Cruz e Costa. Dois anos depois, realizou mostra individual na Galeria Domus, SP. Nessa ocasião Pietro Maria Bardi, diretor do MASP, adquiriu seus quadros e depositou parte deles no acervo do museu. O MAM, SP editou seu primeiro livro, ‘Romance de Minha Vida’ (1949). Na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951), recebeu prêmio aquisição do ‘Museum of Modern Art’ (MoMA) de Nova York. Em 1966, o artista criou o Museu Municipal de Arte Contemporânea de São José do Rio Preto e gravou dois LPs, ambos chamados ‘Registro do Folclore Mais Autêntico do Brasil’, com composições de sua autoria. No mesmo ano, ganhou Sala Especial na 33ª Bienal de Veneza. Publicou ainda os livros ‘Maria Clara’ (1970), ‘Alice’ (1972); ‘Sou Pintor, Sou Poeta’ (1982); e ‘Fazenda da Boa Esperança’ (1987). Transferiu-se de São José do Rio Preto para São Paulo, em 1973. Em 1980, foi fundado o Museu de Arte Primitivista José Antônio da Silva (MAP), em São José do Rio Preto, com obras do artista e peças do antigo Museu Municipal de Arte Contemporânea. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de muitos certames oficiais pelo Brasil e exterior recebendo muitos prêmios. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



016 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)

Paisagem - óleo sobre tela - 24 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



017 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)

Figuras - off set - 39 x 24 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



018 - ADÃO DE LOURDES CASSIANO (1945)

Coruja - escultura em madeira - 33 x 15 x 16 cm - assinado -
No estado.

Escultor, natural de Mariana, MG. Até os 26 anos trabalhou na construção civil.. Conheceu a pedra sabão, bastante comum e farta na região, quando foi construir o Grupo Escolar de Cachoeira do Brumado, distrito de Mariana. Começou a esculpir algumas peças. Foi discípulo do escultor Artur Pereira que o convenceu a largar a pedra e usar a madeira. A madeira que uso, eu mesmo vou cortar, guiado pelo IBAMA. Nós retiramos o cedro, mas plantamos novas árvores.



019 - YARA TUPYNAMBÁ (1932)

Casario - desenho a carvão - 34,5 x 51,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Esta excepcional gravadora, desenhista e professora, é natural de Montes Claros, MG. Estudou com Guignard e Misabel Pedrosa em BH, após com Goeldi. Participou do SNBABH desde 1953, recebendo diversas premiações. PONTUAL, pág. 527. JULIO LOUZADA. vol 11, pág 328; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



020 - DARIO MECATTI (1909 - 1976)

Paisagem - óleo sobre tela colada em madeira - 28 x 33,5 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista nascido em Florença, Itália e falecido em São Paulo, SP. Na Itália recebeu orientação artística de Camillo Innocenti, trabalhou em um banco e pintou cartazes para a sala de cinema de seu primo. Em 1933, mudou-se para a África, onde permaneceu por aproximadamente sete anos viajando pelo norte do continente. Neste período conheceu a Líbia, Ilha de Malta, Tunísia, Turquia, Argélia, Marrocos, além de Portugal e Espanha. Durante a viagem retratou cenas destes países e realizou algumas exposições com o pintor florentino Renzo Gori, com quem residiu por pouco tempo em Paris. Em 1939, conheceu a Ilha de São Miguel, nos Açores e lá encontrou Maria da Paz com quem posteriormente se casou. No ano de 1940, mudou-se para o Brasil, passou pouco tempo no Rio de Janeiro e depois um período em Minas Gerais, onde visitou as cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Mudou-se no final do ano para São Paulo, onde entre 1941 e 1945, trabalhou na Galeria Fiorentina, na Rua Barão de Itapetininga, de propriedade de Malho Benedetti. Em 1945 conheceu Nicolino Bianco que passou a adquirir os quadros do artista para serem expostos na Loja de Móveis Paschoal Bianco. Apresentou-o para clientes e amigos que passaram a encomendar retratos. Neste período entrou em contato com Ezio Barbini, dono da Galeria Internacional que vendeu regularmente suas obras, além de apresenta-lo a um grupo de jovens artistas a quem orientou. Em 1946 construiu na Rua Feliciano Maia a sua casa estúdio, onde realizou exposições individuais anuais, sendo a última no ano de 1976, data de seu falecimento.Também pintou sob os pseudônimos de: Felice, G. Felice, Giordano Felice, Giord, N. Giordane, N. Giordani, Nizza e A. Gelli. TEODORO BRAGA, PÁG. 161/2; MEC, VOL. 3, PÁG. 109; PONTUAL, PÁG. 352; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 72; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 320; ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 611; ACERVO FIEO.



021 - JORGE MORI (1932)

"Girassóis" - gravura - VII/XXX - 31,5 x 21,5 cm - canto inferior direito -
Complemento da técnica: Ponta seca, água forte e água tinta.

Pintor nascido em São Paulo, Capital, foi o mais novo dos componentes do famoso Grupo dos 19. Desde 1952 fixou-se na Europa, tendo estudado em Paris as técnicas da pintura, do mosaico e do afresco. Em 1978 expôs em São Paulo, com sucesso, pinturas realistas, nas quais se revela um admirador dos velhos mestres italianos, flamengos e espanhóis. JULIO LOUZADA, vol. 9 pág. 599; ARTE NO BRASIL, pág. 816; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 649.



022 - JOSÉ BENEVENUTO MADUREIRA (1903 - 1976)

"Igreja de Santa Luzia" - óleo sobre tela - 46 x 55 cm - canto inferior esquerdo e dorso -
No estado.

Nascido em Sorocaba / SP, radicou-se em Santos onde foi ativo em sua arte. Estudou com Campos Ayres e Enrico Vio. Participou de coletivas no Salão Paulista de Belas Artes / SP, Salão Nacional de Belas Artes / RJ e Salão de Belas Artes / Santos/SP, tendo recebido diversos prêmios. Tem obras na Pinacoteca do Estado de São Paulo, Palácio e Prefeitura de São Paulo. MEC, vol. 3, pág. 36; JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 566, Acervo FIEO.



023 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)

Linhas - serigrafia - 4/50 - 35 x 35 cm - canto inferior direito - 1972 -

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



024 - LIA MITTARAKIS (1934 - 1998)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 54 x 72,5 cm - canto inferior esquerdo - 1991 - Ilha de Paquetá -

Pintora e professora nascida no Rio de Janeiro e falecida na Ilha de Paquetá, RJ. Autodidata em pintura ensinou a sua técnica na Escolinha de Arte, na Ilha de Paquetá onde vivia. Expôs individualmente no Rio de Janeiro em 1964, 1965, 1969, 1970, 1972, 1974, 1982. Entre as mostras e salões dos quais participou, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, RJ; "Naifs del Brasile, Naifs di Haiti" no Festival Mundial de Spoleto, Itália; "Artistas Brasileiros" em Bratislava, Tchecoslováquia (1969); Encontro Carioca de Pintura Ingênua, RJ (1977); “O mundo fascinante dos Pintores Naïfs” no Paço Imperial (1988 e 1989); Naïfs em Coletiva, na Villa Riso Tradição - Arte Cultura (Sala Especial), RJ (1997); além de outras coletivas no Rio de Janeiro, Itália, Estados Unidos, Alemanha, Suíça, Portugal, Inglaterra, Argentina, Tchecoslováquia e Cidade do México. ITAU CULTURAL; www.ardies.com; artenaifrio.blogspot.com; www.artprice.com.



025 - ÉLON BRASIL (1957)

"Reflexão" - óleo sobre tela - 41 x 41 cm - canto superior esquerdo e dorso - São Paulo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



026 - ANTONIO BERNI (1905 - 1981)

Composição - óleo sobre madeira - 19 x 31 cm - canto superior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, gravador e professor nascido em Rosário, Argentina. Sua formação artística se iniciou em Rosário e depois em Madri e Paris, onde foi aluno de André Lothe e Othon Friez (1925 a 1931). Recebeu influências de Salvador Dali, de De Chirico e posteriormente de Siqueiros. Realizou muitas exposições individuais na Europa, Estados Unidos, América do Sul e participou de diversas coletivas e Salões oficiais como: Madri (1920 a 1922, 1924); São Paulo - Bienal Internacional (1959); Rio de Janeiro (1966 - MAM, 1998); Veneza - Bienal (1962); Buenos Aires - retrospectiva no MNBA (1997). JULIO LOUZADA VOL. 12, PÁG. 48; MEC vol.1, pág. 221; www.oni.escuelas.edu.ar; www.artcyclopedia.com; www.buenosaires.gov.ar; www.arslatino.com; www.catalogodasartes.com.br; www.gaudi.com.br; pt.infobiografias.com.



027 - CARLOS PRADO (1908 - 1992)

Procissão - desenho a nanquim - 20 x 23,5 cm - canto inferior esquerdo - 1940 -

Arquiteto, pintor, gravador e ceramista paulistano. Recebeu menção honrosa no SPBA de 1935, participando também na I e II BSP e na exposição de Arte Moderna no Brasil, realizada em Buenos Aires, Rosário, Santiago do Chile e Valparaíso, em 1957. No dizer de TEIXEIRA LEITE, em sua obra A Gravura Brasileira Contemporânea, Carlos Prado utilizava por vezes a gravura como meio expressivo, subordinando-a, porém, a interesses maiores. TEIXEIRA LEITE, pág. 421; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 254. PONTUAL, pág. 438; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582; ARTE NO BRASIL, pág. 781. Acervo FIEO.



028 - OLAF HAJEK (1965)

Fumante - giclée - 40 x 29,5 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista alemão nascido em Rendsburg. Após ter se graduado em Design Gráfico na Universidade de Ciências Aplicadas em Dusseldorf, mudou-se para Amsterdam, na Holanda e começou a trabalhar como artista freelancer. Realizou exposições individuais em: Berlim, Alemanha (2012, 2013, 2015); Cidade do Cabo, África do Sul (2013, 2016, 2018); Munique, Alemanha (2016); entre outras em Hamburgo, Alemanha e Atlanta, EUA. olafhajek.com; www.artprice.com.



029 - ROSÁLIA LERNER (1952)

Baralho - aquarela - 29 x 21,5 cm - centro inferior -

Natural de São Paulo, SP, onde teve sua formação artística e aulas de pintura em aquarela com Antonio Hélio Cabral, José Guyer Salles, Ubirajara Ribeiro e Tuneu. Exposições coletivas: São Paulo, SP (1973,1974,1976,1977,1981,1986,1987,1998 a 2000,2004 a 2007); Rio Grande do Sul (1987); Paraná (1987), São Caetano do Sul, SP (2008). Prêmios: São Paulo,SP (1967,1986,1999, 2007). www.rosalialerner.com, www. artcanal.com.br.



030 - IBERÊ CAMARGO (1914 - 1994)

Dados - técnica mista sobre cartão - 29 x 40 cm - canto inferior direito - 1976 -

Pintor, gravador, desenhista, escritor e professor, natural da cidade de Restinga Seca, RS, e falecido em Porto Alegre. Foi aluno de Salvador Parlagreco e João Fahrion. No Rio de Janeiro, a partir de 1942, estudou pouco tempo na Escola Nacional de Belas Artes, trocando-a pelos ensinamentos de Guignard. Fundou com outros artistas o 'Grupo Guignard' (1943). Recebeu o prêmio viagem ao estrangeiro em 1947. Morou dois anos em Paris e Roma, aperfeiçoando-se com De Chirico, Lhote, Achille e Rosa em pintura e com Petrucci, em gravura. Voltou ao Brasil (1950) e tornou-se membro da Comissão Nacional de Artes Plásticas (1952). Fundou o curso de gravura do Instituto Municipal de Belas Artes do Rio de Janeiro (1953), hoje Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Executou painel de 49 metros quadrados (1966) oferecido pelo Brasil à Organização Mundial de Saúde (OMS), em Genebra. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e exterior como Bienal Internacional de São Paulo, Bienal de Arte Hispano-Americana em Madri, Bienal de Veneza, Bienal de Gravuras em Tóquio, entre outras exposições importantes. Foi considerado o Melhor Pintor Nacional na VI Bienal de São Paulo (1961) e conquistou inúmeros prêmios. Entre suas publicações, constam o artigo 'Tratado sobre Gravura em Metal' (1964), o livro técnico 'A Gravura' (1992) e o livro de contos 'No Andar do Tempo: 9 contos e um esboço autobiográfico' (1988). MEC, VOL.1, PÁG.328; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.156; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.51; TEIXEIRA LEITE, PÁG.101; PONTUAL, PÁG.100; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 853; LEONOR AMARANTE, PÁG. 127; www.iberecamargo.org.br; brasilescola.uol.com.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



031 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Gato - litografia - 3/30 - 53 x 50 cm - canto inferior direito -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



032 - NILTON ZANOTTI (1945)

"Natureza morta com bule amarelo" - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1993 -

Natural de São Paulo, Capital, onde iniciou seus estudos artísticos com 17 anos. Cursou a APBA e foi desenhista publicitário. Obteve novos conhecimentos artísticos com o pintor Franulic. A partir de 1983, seus trabalhos adquiriram um estilo próprio e de formas definidas como " Luas" . Expõe regularmente, com sucesso de crítica e de público. JULIO LOUZADA vol.2, pág.1083, Acervo FIEO.



033 - ANTONIO MANUEL (1947)

Figuras - desenho a caneta hidrográfica - 27,5 x 45,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, escultor, gravador e desenhista, Antônio Manuel de Oliveira nasceu em Avelãs de Caminha (Barrados), Portugal. Veio para o Brasil com seis anos de idade, fixando-se no Rio de Janeiro. Em meados da década de 1960, estudou na Escolinha de Arte do Brasil, com Augusto Rodrigues , e freqüentou o ateliê de Ivan Serpa. Foi também aluno ouvinte da Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Assinava seus trabalhos, nessa época, com o pseudônimo de Antomá. Realizou muitas exposições individuais: Rio de Janeiro (1967, 1973, 1975, 1980, 1983, 1985, 1986, 1988, 1993, 1997, 2001, 2002); São Paulo (1975, 1986, 1990, 1999, 2002, 2003); Vitória, ES (1998), Niterói, RJ (1998); Paris (1999); Porto, Portugal (2000). Participou de inúmeros Salões oficiais onde se destacam os seguintes prêmios: Rio de Janeiro (1966, 1969); Curitiba, PR (1966, 1968); Campinas, SP (1967, 1968); Petrópolis, RJ (1967); São Paulo (1967 - 9ª Bienal Internacional). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 8, PÁG. 58; VOL. 11, PÁG. 16; PONTUAL, PÁG. 34; MEC, VOL. 3, PÁG. 48.



034 - MARIA GUADALUPE (1914 - 2015)

Brincando de roda - óleo sobre eucatex - 19,5 x 14,5 cm - canto inferior direito - 1974 -

Pintora autodidata, Maria Guadalupe Mundin da Costa Canedo nasceu em Monte Carmelo, MG. Assina M. Guadalupe. Começou a pintar profissionalmente a partir de 1969. Viveu e trabalhou em São Paulo. Expôs individualmente em: São Paulo (1969 a 1971, 1974, 1977, 1983); Belo Horizonte, MG (1972, 1975). Participou de mostras coletivas e oficiais em: São Paulo (1979 a 1984, 1986 a 1991, 1993); Piracicaba, SP (1992); Rio de Janeiro (1985); Paris, França (1983); Holanda (1983); Brasília, DF (1987). Foi premiada em Monte Sião, MG (1978); Piracicaba, SP (1992). JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 681; VOL. 6, PÁG. 472; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 232. Acervo FIEO; artenaifrio.blogspot.com.br.



035 - LOUCO - BOAVENTURA DA SILVA FILHO (1932 - 1992)

Maternidade - escultura em madeira - 70 x 25 x 08 cm - assinado -
No estado.

O autor, conhecido como Louco, é natural de Cachoeira, histórica cidade baiana, às margens do rio Paraguaçu. Foi aí que começou seu trabalho. Pouco a pouco suas esculturas tornaram-se amplamente conhecidas, garantindo, para Boaventura, um lugar de destaque entre os artistas populares brasileiros. A partir do reconhecimento de sua obra, participou de exposições significativas como a mostra do Centro Domus, em Milão, Itália; o Espírito Criador do Povo Brasileiro, através da coleção de Abelardo Rodrigues, e Sete Brasileiros e seu Universo, em Brasília. É dele a seguinte explicação para o seu novo nome: "É porque sou louco pra trabalhar! Fui o primeiro artista da cidade. Trabalho com inspiração e amor. Às vezes me afasto de tudo - vou pro mato, fico lá sozinho, sem zuada, só com o meu radinho e os troncos de madeira, despreocupado, longe da mulher, dos dez filhos, dos fregueses. eles conversam muito e atrapalham. E a mulher quer muita coisa, Mulher é como criança, nada chega." (texto extraído do livro O Reinado da Lua - Escultores Populares do Nordeste, de Silvia Rodrigues Coimbra, Flávia Martins e Maria Letícia Duarte - Ed. Salamandra, 1980, págs. 112, 113 e 114).



036 - OLIMPIA COUTO (1947)

Flor - serigrafia - 100/140 - 44 x 10 cm - canto inferior direito -
No estado.

Mineira de Estrela do Indaiá, a autora é pintora, muralista e gravadora. Estudou na Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais-BH. Como assistente da gravurista Yara Tupynambá (1932) , executa os murais Gênesis, A Criação do Mundo, na Igreja de Ferros, MG, e Guerra e Paz, na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Em 1979, seu trabalho é destacado em sala especial na Bienal Nacional, em São Paulo. "Sei que deveria, nesta apresentação, falar da limpeza da cor e do domínio que demonstra agora, do arrojo das composições com cortes ousados e planos definidos, do requinte das modulações das cores, sinfonias harmônicas de verdes e rosas, mas a emoção maior de assistir sua plenitude presente, que comove meu coração, dá-me vontade de lembrar-lhe coisas muito mais importantes que a técnica e a estrutura composicional que você adquiriu ao longo dos anos de aprendizado e dura luta. Quero lembrar-lhe, Olímpia, que você é um dos elos de uma grande corrente começada em Florença, no Quatrocentto, com Fra Angelico e Boticelli e chegada à Minas pelas mãos de Guignard, representando algo bem maior que a técnica das transparências e do grafismo que caracterizaram a arte mineira: antes, a capacidade de ver a vida através da poesia das coisas, numa atitude reflexivamente poética que transcende o tempo, herança maior que Guignard nos legou." Yara Tupynambá, in: OLÍMPIA Couto. Belo Horizonte: Galeria Guignard, 1982. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 79; ITAÚ CULTURAL.



037 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)

Flautista - aquarela e guache - 21 x 13 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



038 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Oratório - objeto em madeira - 65 x 33,5 x 20 cm - não assinado -



039 - NANDO RIBEIRO (1963)

Músico - óleo sobre tela - 30 x 25 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2019 -

Cearense de Pires Ferreira, onde nasceu em 30/3/1963. Segundo Milton Teixeira, "...Os valores artísticos, inerentes no jovem (...) recriaram a terra craquelenta em colheitas e as figuras sedentas e as substituiram por jovens saciados de olhares passivos, próprios dos que não anseiam mudança alguma. A onirilidade de Nando Ribeiro traz para a tela seu mundo recriado, grandemente influenciado pelos mestres brasileiros, como Di Cavalcanti e Portinari." Coletivas a partir de 1983 em São Paulo e no exterior, com sucesso de crítica. JULIO LOUZADA, vol 8 - pág 698



040 - LEOPOLDO RAIMO (1912 - 2001)

Composição - óleo sobre cartão - 33 x 25,5 cm - canto inferior direito - 1952 -

Pintor e gravador, nascido em Botucatu/SP, com diversas participações em Salões e Exposições, tais como: Salão Paulista de Arte Moderna, Salão Baiano de Belas Artes, Bienal de São Paulo e Salão Nacional de Arte Moderna, entre outros. MEC. VOL. 4, PÁG. 22



041 - ANNA LETYCIA (1929 - 2018)

Composição - gravura - 56/110 - 53 x 27 cm - canto inferior direito - 1967 -

Fluminense de Petrópolis, é gravadora e professora. Estudou com André Lhote e Ivan Serpa no Rio de Janeiro. A partir da década de 1950 voltou-se inteiramente para o trabalho como gravadora. Foi aluna de Iberê Camargo, Darel e Goeldi, ainda no Rio de Janeiro. Artista de renome nacional e internacional, cujas obras enriquecem acervos privados e públicos. PONTUAL, pág. 28; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 16; WALTER ZANINI, pág. 703; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL.



042 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - desenho a nanquim - 48 x 69 cm - canto inferior direito - 1985 -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



043 - JORGE WASHINGTON PINEYRUA (1954)

Paisagem - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior esquerdo - 1992 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor uruguaio radicado no Brasil há vários anos. Natural de Libertad, onde nasceu em 17/11/1954. Com 21 anos realizava desenhos para a Editora Abril, dedicando-se a partir dessa mesma época à pintura. Fez vários murais em sua cidade natal. O autor hoje é considerado um dos mais destacados pintores acadêmicos, valorizado pela sua objetividade, composição e distribuição de luz. JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 888



044 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Composição - desenho a nanquim e colagem - 23 x 17,5 cm - canto inferior direito - 1953 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



045 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Vaso de flores" - grafite e aquarela sobre papel - 19,5 x 25,5 cm - centro inferior - 1999 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



046 - RAMÓN CASAS Y CARBO (1866 - 1932)

"Dama con sombrero" - desenho a carvão e lápis de cor - 55,5 x 37 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador espanhol nascido e falecido em Barcelona. Tinha dezesseis anos quando foi para Paris estudar com Carolus Duran (1882) e depois, na Espanha, estudou com os mestres no Prado. Ficou em Paris até 1894 e teve contato com Utrillo, Rusiñol e Zuloaga, entre outros. Expôs retratos de crianças no "Salon de la Société Nationale des Beaux-Arts" que era membro desde 1903; recebeu a comenda do "Cavaleiro da Legião de Honra"; na "Exposición Nacional de Bellas Artes" ganhou a medalha de terceiro lugar (1892) e a do primeiro lugar (1904) e teve uma sala com suas obras em homenagem ao centenário de seu nascimento. Participou de outras coletivas oficiais e recebeu medalhas de ouro em Berlim, Munique e Viena. BENEZIT; www.artprice.com; art-now-and-then.blogspot.com.br/2013/10/ramon-casas-y-carbo.html.



047 - BERTONI FILHO (1892 - 1959)

Paisagem - óleo sobre tela - 45 x 69 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor paisagista, filho de Angelo Bertoni, e irmão de J. Bertoni. Como seu pai, fixou temas do Rio de Janeiro, de grande valor iconográfico. JULIO LOUZADA, vol. 1, pag. 120; ACERVO FIEO, pág. 329.



048 - J. J. SILVA (XX)

Lagoa Rodrigo de Freitas - óleo sobre tela - 27 x 41 cm - canto inferior esquerdo - 23/07/1957 -

Pintor e desenhista com participações em mostras coletivas.



049 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Figurino teatral - técnica mista sobre papel - 29,5 x 20 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



050 - ARNALDO FERRARI (1906 - 1974)

"Casario II" - óleo sobre eucatex - 78 x 77 cm - canto inferior direito e dorso -
No estado.

Pintor, desenhista e professor, Arnaldo Ferrari nasceu e faleceu em São Paulo SP. Seguindo a profissão do pai, trabalhou como pintor decorador, realizando frisos decorativos para residências. Estudou artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, entre 1925 e 1935. Em 1934, dividiu um ateliê com amigos no edifício Santa Helena e, pela amizade com o pintor Mario Zanini, aproximou-se dos demais integrantes do Grupo Santa Helena. Frequentou também o curso livre de pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes, entre 1936 e 1938, onde teve aulas de desenho e pintura com Enrico Vio. Entre 1950 e 1959, integrou o Grupo Guanabara, com Thomaz Ianelli, Tomie Ohtake, Tikashi Fukushima e Oswald de Andrade Filho, entre outros. Realizou diversas exposições individuais, participou de várias mostras e Salões oficiais e foi premiado em São Paulo (1958, 1959, 1961, 1963, 1966) e em Santo André (1971). Participou da 7ª à 11ª Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969, 1971). Foi apresentada retrospectiva de sua obra em 1975, no Paço das Artes, SP e catálogo com textos de Theon Spanudis, José Geraldo Vieira e Mário Schenberg, entre outros. ITAÚ CULTURAL; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 304; MEC, VOL. 2, PÁG. 149; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 191; PONTUAL, PÁG. 207; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 378; WALTER ZANINI, PÁG.678, ACERVO FIEO.



051 - CLÓVIS GRACIANO (1907 - 1988)

Músico - serigrafia - 97/150 - 47 x 38 cm - canto inferior direito - 1980 -
No estado.

Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



052 - TÉIA DE SOUSAS (1945)

"Porto da Jararaca" - óleo sobre madeira - 31 x 98,5 cm - canto inferior direito e dorso - 2015 -

Pintora primitiva ativa no Estado de São Paulo. Suas obras nos trazem belas cenas do cotidiano das pessoas no campo. Suas cores são bem dosadas e a composição agrada aos olhos, pois traz harmonia e tranquilidade. A artista expõe regularmente, com sucesso de público e vendas.



053 - IUR SERAVAT FULAM (1959)

"Homenagem à Colômbia" - técnica mista sobre papel - 20 x 29 cm - dorso - 2015 -
Série Países.

Pseudônimo do autor. Natural de São Paulo (SP), filho primogênito de um casal ligado à atividade cultural (pai artista gráfico e plástico e mãe escritora). Autodidata neste campo, embora tenha tido grande estímulo para o desenho e a pintura acompanhando a atividade artística de seu pai, que também foi marchand a partir da década de 60, permitindo que tivesse estreito contato e pudesse realizar uma grande experimentação ao longo dos anos tanto para a linguagem figurativa com temas ligados ao cotidiano, como para a geométrica. É professor universitário e consultor na área de assuntos públicos e instituições políticas.



054 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Jarro - escultura em terracota - 37 x 27 x 24 cm - assinado - 08/1988 -
No estado.



055 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

No bar - xilogravura - 2/3 - 16,5 x 16,5 cm - canto inferior esquerdo - 1971 -
Tiragem póstuma datada de 1971 e assinada por Beatriz Reynal. No estado.

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



056 - PIETRO SCOPPETTA (1863 - 1920)

Paris - óleo sobre madeira - 23 x 43 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador italiano nascido em Amalfi e falecido em Nápoles. Foi aluno de Giacomo Di Chirico; estudou em Roma, Paris e Londres. Como ilustrador, trabalhou para Treves ("Illustrazione Italiana"). digilander.libero.it/trombealvento/vari/scopetta.htm; www.artprice.com.



057 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA (1909 - 1996)

"Tudo no mundo se acaba..." - aguada de nanquim - 30 x 45 cm - canto inferior direito - 1966 -
Complemento de título: "Tudo no mundo se acaba, tudo tem seu fim, eu virei uma carniça estas árvores ficaram assim". No estado.

Pintor, desenhista, escritor, escultor, repentista nascido em Sales de Oliveira, SP e falecido em São Paulo. Trabalhador rural, de pouca formação escolar, foi autodidata. Em 1931, mudou-se para São José do Rio Preto, SP. Participou da exposição de inauguração da Casa de Cultura da cidade (1946), quando suas pinturas chamaram atenção dos críticos Lourival Gomes Machado, Paulo Mendes de Almeida e do filósofo João Cruz e Costa. Dois anos depois, realizou mostra individual na Galeria Domus, SP. Nessa ocasião Pietro Maria Bardi, diretor do MASP, adquiriu seus quadros e depositou parte deles no acervo do museu. O MAM, SP editou seu primeiro livro, ‘Romance de Minha Vida’ (1949). Na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951), recebeu prêmio aquisição do ‘Museum of Modern Art’ (MoMA) de Nova York. Em 1966, o artista criou o Museu Municipal de Arte Contemporânea de São José do Rio Preto e gravou dois LPs, ambos chamados ‘Registro do Folclore Mais Autêntico do Brasil’, com composições de sua autoria. No mesmo ano, ganhou Sala Especial na 33ª Bienal de Veneza. Publicou ainda os livros ‘Maria Clara’ (1970), ‘Alice’ (1972); ‘Sou Pintor, Sou Poeta’ (1982); e ‘Fazenda da Boa Esperança’ (1987). Transferiu-se de São José do Rio Preto para São Paulo, em 1973. Em 1980, foi fundado o Museu de Arte Primitivista José Antônio da Silva (MAP), em São José do Rio Preto, com obras do artista e peças do antigo Museu Municipal de Arte Contemporânea. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de muitos certames oficiais pelo Brasil e exterior recebendo muitos prêmios. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



058 - MANOEL MENACHO (1926 - 2011)

Vaso com plantas - óleo sobre tela - 42,5 x 32 cm - canto inferior direito e dorso - 1993 -

Pintor e gravador ativo em São Paulo, SP, onde participa desde 1959 de vários Salões, entre eles SPBA (1959), Salão de Belas Artes de Santos (1970/1971) e tantos outros. JULIO LOUZADA, vol. 13 pág. 223, Acervo FIEO.



059 - MARIO SILÉSIO (1913 - 1990)

Composição - guache - 34 x 49 cm - canto inferior direito - 1957 -
Ex coleção Antonio de Souza Naves Filho - Campinas - SP.

Pintor, desenhista, muralista e vitralista. Cursa direito na Universidade de Minas Gerais - UMG (atual Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG), em Belo Horizonte, entre 1930 e 1935. Estuda desenho e pintura na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte (Escola Guignard), sob a orientação de Alberto da Veiga Guignard, entre 1943 e 1949. Em 1953 viaja para Paris, como bolsista do governo francês, e ingressa no curso de André Lhote. De volta ao Brasil, entre 1957 e 1960 executa diversos painéis em edifícios públicos e privados de Belo Horizonte, como Banco Mineiro de Produção, Condomínio Retiro das Pedras, Inspetoria de Trânsito, Teatro Marília, Escola de Direito da UFMG e Departamento Estadual de Trânsito. É também de Silésio o mural feito para o Clube dos Engenheiros, em Araruama, Rio de Janeiro. Executa os vitrais da Igreja dos Ferros em 1964. ITAÚ CULTURAL.



060 - RICARDO KRIEGER (1949 - 1991)

"Antonina - PR" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 1988 -
No estado.

Pintor paranaense, com diversas exposições individuais e obras nos acervos: Museu de Arte Contemporênea do Paraná, Caixa Econômica Federal de Curitiba, Clube Curitibano, Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul em Porto Alegre, Banco do Brasil, Banestado e Câmara Municipal de Curitiba. JÚLIO LOUZADA, vol.13, pág 182.



061 - DARCILIO LIMA (1944 - 1991)

Figuras surreais - litografia - 15/20 - 62 x 42 cm - canto inferior direito - 1971 -

Cearense de Cascavel, o festejado desenhista Darcilio foi para o Rio de Janeiro, e já depois de haver iniciado autodidaticamente seu trabalho no campo da pintura e da utilização do lápis cêra. Recebeu orientação de Ivan Serpa, passando a dedicar-se especialmente ao desenho a bico-de-pena, com a permanente fixação gráfica da fantasia erótica como veículo de impacto crítico. PONTUAL, pág. 159. MEC, vol.1, pág.17; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE; ITAU CULTURAL.



062 - BETO (1971)

Patativa do Assaré - escultura em madeira - 23 x 12 x 19 cm - assinado -

Escultor cearense, Adalberto Soares da Silva começou a talhar suas primeiras esculturas na madeira (1985) e já era conhecido pelo apelido que mais tarde seria sua marca registrada: Beto. Cícero Isídio, seu irmão mais velho, era ligado à Associação de Artesãos do Padre Cícero e, sempre que podia, dava algumas peças para ele fazer, enquanto o ajudava a desenvolver suas habilidades de artesão até ser aceito no Centro de Cultura Mestre Noza, em Juazeiro do Norte – CE. http://caririrevista.com.br/em-cada-quintal-uma-oficina/.



063 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - dorso -

Pintora nascida em Maringá, PR, Iniciou sua carreira artística em 1983. Desde 2000, dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte, expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil. http://www.klockner-art.com; www.artprice.com.



064 - CAROL KOSSAK (1895 - 1976)

Carro de boi - guache - 26 x 19,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor polonês ativo em São Paulo. Assinava C. Kossak e C. Kokott. Realizou exposição individual em 1941 em São Paulo e participou de várias exposições coletivas e Salões nas décadas de 30 e 40. MEC VOL.2 PÁG. 411; TEODORO BRAGA, PÁG. 134; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 512; VOL. 12, PÁG. 218; ACERVO FIEO; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



065 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA (1930 - 1999)

Composição - acrílico sobre tela colado em madeira - 50 x 72 cm - dorso - 1986 - São Paulo -

Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico e professor natural do Recife, PE; faleceu em Campinas, SP. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Trabalhou no campo de comunicação visual sendo um dos responsáveis pela renovação da Arte-Cartaz Paulista (1951). Em 1953 passou a fazer parte do Grupo Ruptura, a convite de Waldemar Cordeiro. Participou de várias edições do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957); das Bienais de 1955 a 1967; da Exposição Nacional de Arte Concreta; da mostra Panorama da Arte Atual Brasileira; da mostra Tendências Construtivas e de outras exposições em: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima, Roma, Londres, Paris (Salão de Outono) e Zurique (exposição de Arte Concreta –'Konkrete Kunst', organizada por Max Bill). Recebeu o convite (1954) para representar o Brasil na 27ª Bienal de Veneza, no entanto, recusou se apresentar por terem negado a participação de outros membros do Grupo Ruptura. Em São Paulo pintou murais no Largo São Bento, no Edifício Estação Ciência, nas estações São Bento e Santana do Metrô, na Praça Roosevelt, na fachada do MAC/USP e fez uma pintura lateral no Elevado Costa e Silva (popularmente conhecido como Minhocão). Em 1958, foi responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realizou as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. MEC VOL. 2, PÁG. 481; PONTUAL PÁG. 314; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 678; www.pinturabrasileira.com; www.mac.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



066 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Série negra - técnica mista sobre papel - 20 x 17 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



067 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Figura - desenho a nanquim e guache - 28 x 23,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



068 - MAX THEODOR STRECKENBACH (1865 - 1936)

Natureza morta - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador alemão nascido e falecido em Eckernförde. De 1876 a 1885 estudou medicina na "Schleswig Cathedral School" por diversas cidades da Alemanha. Foi autodidata em pintura e, em 1902, após retorno a Eckernförde, decidiu optar pela pintura. Seus trabalhos ganharam notoriedade nacional, foram expostos pela Alemanha e, por muitas vezes, capa da revista americana "Better Homes and Gardens". BENEZIT; www.artprice.com; www.artnet.com.



069 - NELSON ALQUEZARE ROMÁN (1941)

"Menino com chapéu" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo - 1998 -

Nasceu em São Paulo-SP, (15/9/1941). Expõe desde 1965. Fez viagens ao exterior para aperfeiçoamento (1988 - Espanha; 1993 - América do Sul; 1994 - USA e 1995 - Europa). Expôs individualmente em 2002, no Centro Cultural Brasil-Espanha, em Brasilia. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 51



070 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Composição - técnica mista sobre cartão - 18,8 x 29,6 cm - não assinado - Década de 1960 -
Com Certificado de Autenticidade nº IAB-1028 do Instituto Antonio Bandeira.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



071 - DAREL VALENÇA LINS (1924 - 2017)

"Da série os travesseiros" - litografia - 47/70 - 54 x 73 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



072 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Trabalhador - múltiplo em bronze - 17 x 11 x 08 cm - não assinado -



073 - ROMILDO DE ANDRADE (XX)

Na sala do trono - entalhe em madeira - 35,5 x 24 cm - canto inferior direito -

Entalhador e pintor pernambucano, descendente de uma família de artistas. Morou em Salvador, BA e no Rio de Janeiro. Tem participado de diversas mostras coletivas pelo Brasil. www.jornaldebrasilia.com.br; www.youtube.com/watch?v=wCUfXCkACNg.



074 - INGRES SPELTRI (1940)

Composição - óleo sobre tela colada em eucatex - 50 x 76 cm - canto inferior direito e dorso - 1997 -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



075 - MANUEL GRACIANO (1926)

Maternidade - escultura em madeira - 89 x 30 x 27 cm - assinado -

Manoel Graciano Cardoso, escultor, é natural de Santana do Cariri/CE. Participou de vários Salões e exposições: em 1996, 2003 e 2005 - Porto Alegre, RS; em 2001 - São Paulo, SP; Rio de Janeiro, RJ; em 2002 - São Paulo, SP. ITAU CULTURAL.



076 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - pastel - 18 x 25 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



077 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)

Linhas - guache - 22 x 21 cm - canto inferior direito - 1979 -
Ex coleção artista plástico Inácio Rodrigues, Atibaia - SP.

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



078 - PETER PAUL RUBENS (1577 - 1640)

"Retrato de Nicolaas Rubens" - fac-símile - 29 x 23 cm - não assinado -
O desenho original deste fac-símile esta reproduzido na página 25 do livro P.P. Rubens de autoria de Frans Baudouin. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador nascido em Siegen, Alemanha e falecido em Antuérpia, Bélgica. Foi um importante pintor flamengo, um dos maiores representantes do Barroco na Europa do século XVII. Após o falecimento de seu pai, a família voltou para a Antuérpia (1589). Estudou pintura com Tobias Verhaeght, com Adam von Noort (1591), com Otto van Veen (1594 - 1598) e recebeu o título de mestre na Corporação dos Pintores de Antuérpia. Mudou-se para a Itália (1600) e foi contratado por Vincenzo Gonzaga, Duque de Mântua, como pintor da corte. Viajou para Florença e Roma, onde estudou a técnica usada por Michelangelo no Juízo Final na Capela Sistina e por Rafael, nos afrescos. Recebeu sua primeira encomenda (1601) do cardeal da Áustria. Em 1603 recebeu sua primeira missão diplomática. Foi mandado para Madri para tratar de negócios políticos com o rei Filipe III e seu ministro o Duque de Lerma. De volta à Itália, recebeu diversas encomendas. Com a morte de sua mãe (1608) voltou para a Antuérpia. Aceitou a incumbência (1609) do Arquiduque Alberto e sua esposa Isabel de ser o pintor da corte de Antuérpia ao lado de seu mestre, Otto van Veen, que também trabalhou para o arquiduque. Em 1611 abriu seu próprio estúdio. Foi para Paris, a convite de Maria de Medicis e executou uma série de telas para o Palácio de Luxemburgo (1622 a 1625). Viajou para Madri em missão diplomática (1628) e, em seguida, para Londres onde recebeu a encomenda de decorar a sala real de recepções. Preparou a decoração urbanística de Antuérpia para a acolhida do Cardeal-infante Fernando (1634). Iniciou a decoração do castelo de caça do rei da Espanha (1636). Pintou seu último autorretrato em 1640. Além de um corpo monumental de pinturas e desenhos, também deixou inúmeras gravuras, estudos para joias, ilustrações de livros e desenhos de tapeçaria. A comissão de Antuérpia, encarregada de cotejar suas gravuras, reuniu nada menos que 2.253 itens (excluindo mais 484 desenhos). BENEZIT; www.ebiografia.com; www.artprice.com.



079 - LUIZ BORIM (XX)

"Maré alta" - óleo sobre tela - 23,5 x 32,5 cm - canto inferior direito e dorso - 1985 - Ubatuba -
No estado.

Pintor e desenhista com participações em mostras coletivas. JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 147.



080 - HEITOR DOS PRAZERES (1898 - 1966)

"Samba no asfalto" - óleo sobre placa - 37 x 63 cm - canto inferior direito - 15/02/1961 - Rio. -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com autenticação da família do artista, na pessoa do curador da obra, Sr. Heitor dos Prazeres Filho.

Pintor, compositor, marceneiro, Heitor dos Prazeres nasceu e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou-se na pintura por volta de 1937, como autodidata, estimulado pelo jornalista e desenhista Carlos Cavalcanti. No período de 1937 a 1946, trabalhou em rádios do Rio de Janeiro e ingressou como ritmista na Rádio Nacional, em 1943. Recebeu o 3º lugar para artistas nacionais na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951) e foi homenageado com sala especial na 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1953). No ano seguinte, criou cenários e figurinos para o Balé do IV Centenário da Cidade de São Paulo. Realizou sua primeira exposição individual, em 1959, no Rio de Janeiro. Em 1965, Antônio Carlos Fontoura produziu um documentário sobre sua obra. Tornou-se um artista destacado, atuando como compositor, instrumentista e letrista de música popular brasileira. Participou da fundação das primeiras escolas de samba cariocas, entre elas a Estação Primeira de Mangueira. Em comemoração ao centenário de seu nascimento, em 1999, foi realizada mostra retrospectiva no Espaço BNDES e no Museu Nacional de Belas Artes. Em 2003, foi publicado o livro ‘Heitor dos Prazeres: Sua Arte e Seu Tempo’, da jornalista Alba Lírio. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.247; MEC. VOL.3, PÁG.400; WALMIR AYALA. VOL.2, PÁG.194; TEIXEIRA LEITE, PÁG.408; PONTUAL, PAG.439; WALTER ZANINI, PÁG.810; LEONOR AMARANTE, PÁG. 266; ACERVO FIEO.



081 - EMANOEL ARAÚJO (1940)

Casario - xilogravura - 53 x 36 cm - canto inferior direito - 03/1964 -
No estado.

Escultor, desenhista, ilustrador, figurinista, gravador, cenógrafo, pintor, curador e museólogo, Emanoel Alves de Araújo nasceu em Santo Amaro da Purificação, BA. Aprendeu marcenaria com Eufrásio Vargas e trabalhou com linotipia e composição gráfica na Imprensa Oficial em sua cidade natal. Na década de 1960, mudou-se para Salvador e ingressou na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, onde estudou gravura com Henrique Oswald. Em 1972, foi premiado com Medalha de Ouro na 3ª Bienal Gráfica de Florença, Itália. Recebeu, no ano seguinte, o prêmio de Melhor Gravador, e, em 1983, o de Melhor Escultor, da Associação Paulista de Críticos de Arte, entre muitos outros prêmios. Entre 1981 e 1983, instalou e dirigiu o Museu de Arte da Bahia, em Salvador. Realizou muitas exposições individuais (desde 1959) e participou de inúmeras mostras coletivas, Salões oficiais nacionais e internacionais. Em 1988, foi convidado a lecionar artes gráficas e escultura no 'Arts College', na 'The City University of New York'. De 1992 a 2002, exerceu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo e foi responsável pela revitalização da instituição. Foi, entre 1995 e 1996, membro convidado da Comissão dos Museus e do Conselho Federal de Política Cultural, instituídos pelo Ministério da Cultura. Fundou o Museu Afro Brasil, em 2004, onde é Diretor Curador. Em 2007 foi homenageado pelo Instituto Tomie Ohtake com a exposição 'Autobiografia do Gesto – Cosmogonia dos Símbolos', que reuniu obras de 45 anos de sua carreira. TEIXEIRA LEITE, PÁG. 190; MEC, VOL. 2, PÁG. 143; PONTUAL, PÁG. 37; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 68; VOL. 2, PÁG. 64; VOL. 4, PÁG. 75; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, PÁG. 846; WALTER ZANINI, PÁG. 770; ACERVO FIEO; www.emanoelaraujo.com.br; www.museuafrobrasil.org.br; www.pinturabrasileira.com; www.museuhistoriconacional.com.br; www.artprice.com.



082 - EMILE CHARLES LAMBINET (1815 - 1877)

Na beira do rio - óleo sobre papel colado em madeira - 33 x 45 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Nascido em Versailles, esse pintor expôs em salões da França entre 1833 e 1878; sua excelente pintura foi comparada às de Corot e Daubigny; excepcional paisagista, com obras em diversos Museus da Europa. ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 1390; BENEZIT , vol. 6, pág. 404.



083 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)

Emblema - serigrafia - 23/40 - 44 x 30 cm - canto inferior direito - 1980 - DF -

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



084 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)

Cais - óleo sobre tela - 47 x 56 cm - canto inferior direito - Década de 1960 -
No estado.

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



085 - WALTER LEWY (1905 - 1995)

Paisagem surreal - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito - 1984 -

Gravador, pintor, ilustrador, paisagista, desenhista e publicitário nascido em Bad Oldesloe, Alemanha e falecido em São Paulo. Estudou na Escola de Artes e Ofícios de Dortmund, Alemanha (1923-1927). Nesse período, filiou-se à tendência do realismo mágico. Em 1928 participou de coletivas em Dortmund, Gelsenkirchen, Boclusim e outras cidades. Com a crise econômica de 1929, Lewy perdeu seu emprego de desenhista numa gráfica e foi viver com os pais no interior, tornando-se ilustrador de anedotas em jornais. Realizou sua primeira exposição individual em Bad Lippspringe (1932), mas foi fechada quando a Câmara de Arte Alemã proibiu a participação de judeus na vida artística. Escapando dessa situação opressora, o artista imigrou para o Brasil (1938), retomando profissionalmente a pintura. Deixou para trás centenas de trabalhos, que foram enviados para a Holanda e perdidos durante os bombardeios da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). No Brasil, fixou-se em São Paulo. Nos primeiros anos fez desenho publicitário e mais tarde capas de livros e ilustrações para diversas editoras. Ilustrou obras de Bertrand Russell, Machado de Assis e Arnold Toynbee, entre outras. Mais tarde, empregou-se como diagramador, letrista e arte-finalista nas agências de propaganda De Carli, Lintas Publicidade, Martinelli, Santos & Santos e Thompson Propaganda. Participou de Salões Nacionais e Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1965, recebendo diversas premiações oficiais. JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 497; MEC, VOL. 2, PÁG. 474; TEODORO BRAGA, PÁG. 245; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 286; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 630; LEONOR AMARANTE, PÁG. 142; ACERVO FIEO.



086 - BONAVENTURA CARIOLATO (1894 - 1989)

"Malcesine" - óleo sobre eucatex - 32,5 x 22,5 cm - canto inferior esquerdo - 1987 -

Radicado em São Paulo, este excelente pintor participou ativamente de salões oficiais e de outros realizados periodicamentre, obtendo prêmios significativos no SPBA (menção honrosa em 1934 e medalha de bronze, em 1941). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 211



087 - MILTON MARCOLINO DA SILVA (XX)

Crucificado - escultura em madeira - 79 x 11 x 13 cm - assinado -

Escultor mineiro de Divinópolis e casado com uma das netas de G.T.O. (Geraldo Teles de Oliveira), um mestre cada vez mais famoso e reconhecido pelos amantes e colecionadores de arte popular. E como costuma acontecer nas oficinas familiares, ele segue o trabalho do mestre. Assina suas obras como M.M.S. galeriapontes.com.br/?portfolio=milton-marcolino-da-silva; artedobrasil.com.br.



088 - ANTONIO CARPENTIERI (1930 - 1987)

Veleiro - óleo sobre eucatex - 39 x 28 cm - canto inferior direito -
No estado.

Natural de Nápoles, Itália, Carpentieri foi descendente de família abastada, há três gerações ligadas às artes plásticas. No Brasil desde 1952, tornou-se aluno de Angelo Cannone, Briante e De Corsi. Expôs diversas vezes com excelente crítica na Itália, cujas galerias e museus possuem obras suas. JULIO LOUZADA, vol.1, pág.215; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 176; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



089 - ANNA DUBSKY (XX - 1988)

Flores - óleo sobre tela - 59 x 29 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, Anna Haupt Dubsky nasceu em Viena, Áustria. Assinava A. Dubsky. Participou de muitas mostras e Salões oficiais, entre eles, o Salão de Belas Artes de Piracicaba (1981) realizado na Casa das Artes Plásticas 'Miguel Dutra' em Piracicaba, SP. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 13, PÁG. 117.



090 - YOSHIYA TAKAOKA (1909 - 1978)

Mulher com colar de pérolas - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1967 -
Reproduzido no convite deste Leilão. No estado.

Pintor, desenhista, caricaturista e cenógrafo nascido em Tóquio, Japão e falecido em São Paulo, SP. Aprendeu pintura com Shin Kurihara, em Tóquio (entre 1921 e 1925). Veio com a família para o Brasil (1925) para trabalhar na lavoura de café. Atuou como pintor de paredes e caricaturista. Em São Paulo (1926 a 1929) cursou a Escola Profissional Masculina do Brás e frequentou o Grupo Santa Helena (a partir de 1931). Transferiu-se para o Rio de Janeiro (1934) onde aperfeiçoou sua pintura com Bruno Lechowski e na Escola Nacional de Belas Artes. Integrou o Núcleo Bernardelli ao lado de José Pancetti, Edson Motta e Milton Dacosta, entre outros. Fez parte (1935) do Grupo Seibi, SP. Formou (1948) o Grupo 15 ou "do Jacaré" com Tomoo Handa, Tamaki, Flavio-Shiró, Antônio Carelli, Geraldo de Barros e outros. Integrou (1950 a 1959) o Grupo Guanabara, SP. Viveu em Paris (entre 1952 e 1954) onde frequentou a "Académie de la Grande Chaumière" e estudou mosaico com Gino Severini, no curso Leonardo da Vinci. Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1936, 1937); Curitiba, PR (1948); São Paulo (1948) e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1951 e 1959); da 1ª Bienal de Tóquio (1953); Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); várias edições do Salão Paulista de Belas Artes, SP. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); no Salão Paulista de Belas Artes, SP (1946, 1957, 1958, 1959, 1960, 1961, 1964, 1968). O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand fez mostra em sua homenagem em 1955 e 1980. PONTUAL PÁG. 510; TEIXEIRA LEITE PÁG. 490; MEC VOL. 4, PÁG. 352; TEODORO BRAGA PÁG. 220; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 361; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 954; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com.



091 - ENRICO BIANCO (1918 - 2013)

Bandeirante - gravura - Prova - 33 x 25 cm - canto inferior direito - 1949 -
Ilustração para o livro "O caçador de esmeraldas de Olavo Bilac".

Pintor, desenhista, gravador e ilustrador nascido em Roma, Itália e falecido no Rio de Janeiro. Filho da pianista Maria Bianco-Lanzi e de Francesco Bianco, escritor e correspondente internacional do "Jornal do Brasil". Na década de 1930, em Roma, iniciou seus estudos com Maud Latou, Deoclécio Redig de Campos - que chegou a diretor do Museu do Vaticano, Dante Ricci - outrora professor da família real. Sua primeira exposição individual se deu em Roma (1936). Logo depois de sua chegada ao Brasil, Rio de Janeiro (entre 1935 e 1937) estudou com Portinari no Instituto de Arte da Universidade do Distrito Federal e, no ano seguinte, foi seu assistente em diversas obras, destacando-se os murais do MEC, os painéis do Banco da Bahia, o edifício da ONU, entre outros. Ilustrou edição especial de Caçada de Esmeraldas, de Olavo Bilac e o álbum de gravação do poema sinfônico Anhanguera, de Hekel Tavares, em 1951. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais inclusive da Bienal de São Paulo (1951), da Bienal do México (1960). Exposições retrospectivas de suas obras foram realizadas, em 1982, no Museu Nacional de Belas Artes - RJ e no Museu de Arte de São Paulo - SP. THEODORO BRAGA, PÁG. 54; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 99; MEC, VOL. 1, PÁG. 242; PONTUAL, PÁG. 76; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 594; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.124; VOL. 2, PÁG. 132; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com; www.galeriandre.com.br.



092 - FRANCISCO STOCKINGER (1919 - 2009)

Nu - múltiplo em bronze - 3/50 - 17 x 05 x 04 cm - assinado -

Natural de Traum, Áustria, Xico Stockinger, como é conhecido, foi aluno de Bruno Giorgi e desde 1954, radicado em Porto Alegre, á um escultor da figura humana e do animal. Também é excelente desenhista e gravador. Começou a expor na década de 40, no Rio de Janeiro, recebendo premiações. Desempenhou importante papel no desenvolvimento das artes plástica gaúcha. Tem seu nome firmado no cenário nacional e internacional, como escultor expressivo e original. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.311; PONTUAL, pág.506; MEC., vol.4, pág.342/3.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 868; LEONOR AMARANTE, pág. 136.



093 - JOSÉ SABÓIA (1949)

Colhendo frutas - óleo sobre tela - 30 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



094 - MANINHA (XX)

"Lili Marlene" - técnica mista sobre papel - 25 x 23 cm - canto inferior direito - 1981 -

Natural do Estado do Amazonas, a pintora Maninha nunca teve a preocupação de agradar ou contrariar e usando de uma liberdade de expressão rara, suas produções são uma união explosiva de símbolos colhidos com naturalidade desconcertante. Realizou uma individual na Petite Galerie, RJ, em 1868, com crítica de Pietro Maria Bardi. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 574; MEC, vol. 3, pág. 47.



095 - ETTORE FEDERIGHI (1909 - 1979)

Natureza morta com tacho de cobre - óleo sobre tela - 38,5 x 57,5 cm - canto superior direito - 1967 -

Pintor ativo em São Paulo, participou do SPBA, conquistando menção honrosa (1952), pequena medalha de prata (1957), prêmio aquisição (1958 / 59 / 60), grande medalha de prata (1961) e várias outras, bem como várias participações em Salões. MEC, vol. 2, pág. 145; JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 387.; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



096 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - desenho a lápis - 20,5 x 12 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



097 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Homenagem a JK - múltiplo em alumínio - 25 x 13 x 04 cm - não assinado -



098 - FRANS KRAJCBERG (1921 - 2017)

Composição - técnica mista - 13,5 x 09 cm - canto inferior direito - 1972 -
No estado.

Escultor, pintor, gravador e fotógrafo nascido em Kozienice, Polônia. Estudou engenharia e artes na Universidade de Leningrado, Rússia. Durante a Segunda Guerra Mundial perdeu toda a família em um campo de concentração. Mudou-se para a Alemanha, ingressando na Academia de Belas Artes de Stuttgart, onde foi aluno de Willy Baumeister. Chegou ao Brasil em 1948. Em 1951, participou da 1ª Bienal Internacional de São Paulo com duas pinturas. Residiu por um breve período no Paraná, isolando-se na floresta para pintar. Em 1956, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde dividiu o ateliê com o escultor Franz Weissmann. Naturalizou-se brasileiro no ano seguinte. A partir de 1958, alternou residência entre o Rio de Janeiro, Paris e Ibiza. Desde 1972, reside em Nova Viçosa, no litoral sul da Bahia. Ampliou o trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais, utilizando troncos e raízes, sobre os quais realiza intervenções. Viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso e fotografa os desmatamentos e queimadas, revelando imagens dramáticas. Na década de 1980, iniciou a série ‘Africana’, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. O Instituto Frans Krajcberg, em Curitiba, foi inaugurado em 2003 recebendo a doação de mais de uma centena de obras do artista. No fim de 2008 realizou sua primeira grande exposição individual em São Paulo - 65 esculturas e 40 fotos de queimadas, exibidas no pavilhão da Oca, no Parque do Ibirapuera. TEIXEIRA LEITE, PÁG. 272; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 514; VOL. 6, PÁG. 559; MEC VOL. 2, PÁG. 411; PONTUAL PÁG. 293; www.artprice.com; www.eca.usp.br; www.macniteroi.com.br; planetasustentavel.abril.com.br.



099 - RENZO GORI (1911 - 1999)

Paisagem - óleo sobre madeira - 21 x 25,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista, restaurador e músico nascido em Florença, Itália. Assina Gori. Era filho de renomado pintor e restaurador. Exímio violinista passou a estudar saxofone e clarineta, tornando-se hábil instrumentista. Foi para a África com vinte e dois anos, formou um conjunto musical com músicos italianos para tocar em festas e casamentos. Depois foi para Túnis, Malta, voltou para Túnis e depois para o Marrocos francês. Desenhava nas horas de folga. Data dessa época seu encontro com Dario Mecatti, também músico e competente violinista que tinha ido para a África em 1933. Com tantas identificações na arte e na música, ficaram muito amigos, tornando-se seu inseparável discípulo. Apaixonou-se pela pintura e produziu dia e noite. Foi para Paris e Açores onde realizou várias exposições com êxito. Embarcou como marinheiro e veio para o Brasil, junto com Mecatti, aportando no Rio de Janeiro. Sempre expondo, percorreu várias cidades até se instalar em São Paulo. Abriu seu ateliê de restauro em 1945. Exposições individuais: Brasília, DF (1977); São Paulo (1977). Participou de muitas mostras e Salões oficiais no: Marrocos – Fez, Rabat, Casablanca (1936, 1937, 1939); Açores, São Miguel (1939); Rio de Janeiro (1940); Belo Horizonte, MG (1940); São Paulo (1940, 1941 a 1944, 1946, 1949, 1975, 1976, 1978, 1979); Curitiba, PR (1943); Petrópolis, RJ (1945). Foi premiado no Salão Paulista de Belas Artes em 1943. TEODORO BRAGA PÁG. 110; MEC VOL. 2, PÁG. 278; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 430; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



100 - RUBENS GERCHMAN (1942 - 2008)

"Beijo" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso - 2003 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com declaração de autenticidade datada de 25 de outubro de 2003, firmada pelo autor.

Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



101 - DAREL VALENÇA LINS (1924 - 2017)

Composição - litografia - H.C. - 33 x 21 cm - canto inferior direito - 2008 -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



102 - GREGÓRIO GRUBER (1957)

Menina - desenho a caneta esferográfica - 34 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor, cenógrafo e fotógrafo, Luís Gregório Gruber Novaes Correia nasceu em Santos, SP. Assina Gregório. Frequentou o curso de desenho de Frederico Nasser (1969) e também produziu filmes em super-8. Em 1971, interrompeu o curso de arquitetura na Universidade Mackenzie e passou a frequentar aulas de litografia e de gravura em metal no Ateliê Mário Gruber, seu pai, e no Socorro Curso de Gravura em Metal, respectivamente. Ingressou no curso de artes plásticas da FAAP (1972), abandonando-o no ano seguinte. Viajou para Paris e teve aulas de desenho na "Académie de la Grande Chaumière" (1974). Foi responsável pelo curso de desenho de modelo vivo na Pinacoteca do Estado de São Paulo (1976). Sua obra foi objeto de quatro filmes: "O Gesto Criador" (1977) e "Retrato do Artista Quando Jovem" (1978), ambos de Olívio Tavares de Araújo; "Uma Tarde com Gregório" (1987), de Nelson Pereira dos Santos e "Gregório" (1992), do Instituto Itau Cultural. Realizou exposições individuais em São Paulo (1974, 1976 a 1980, 1982 a 1984, 1988); Campinas, SP (1974); Rio de Janeiro (1975, 1976, 1983); Brasília, DF (1978, 1981); Santos, SP (1979); Porto Alegre, RS (1980). Tem participado de mostras coletivas e oficiais como: Panorama da Arte Atual Brasileira, SP (1971); Bienal Internacional de São Paulo (1973), entre outras. Foi premiado em: Campinas, SP (1972); Jundiaí, SP (1975); São Paulo (1976 - Melhor Gravador da APCA-SP); São Caetano do Sul, SP (1976); Rio de Janeiro (1976); Maldonado, Uruguai (1978 – II Bienal). JULIO LOUZADA VOL.2, PÁG. 468; VOL. 4, PÁG. 488; VOL. 9, PÁG. 385; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



103 - SERGIO TELLES (1936)

"Mangue" - gravura - P.A. - 19 x 24 cm - canto inferior esquerdo -
Gravura do álbum do Mangue. No estado.

Pintor, professor e diplomata, estudou pintura na ENBA/Rio; foi discípulo de Levino Fanzeres, Paul Gagarin, Rodolpho Chambelland e Paschoal Valente. Artista de renome internacional, consagrou-se pela sua requintada técnica de composição e domínio da cor. Com exposição retrospectiva programada para o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro em 2009. TEIXEIRA LEITE, pág. 503; MEC, vol. 4, pág. 380; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 319; ITAÚ CULTURAL. Acervo FIEO.



104 - ALDO MAZZA MILANO (1880 - 1964)

Alegoria - óleo sobre eucatex - 38 x 42,5 cm - canto inferior direito e dorso - 1946 - Maggio -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, ilustrador e caricaturista italiano nascido em Milão e falecido em Gavirate, Varese. Estudou na Academia de Brera, em Milão. Trabalhou para o periódico milanês "Guerino Meschino", de 1904 a 1924, fornecendo caricaturas. BENEZIT; www.artprice.com; www.librirarieantichi.com; www.arteliberty.it.



105 - ARTHUR TIMÓTHEO DA COSTA (1882 - 1922)

Ateliê - óleo sobre tela colada em madeira - 33 x 36 cm - canto inferior esquerdo - Rio de Janeiro -
No estado.

Pintor, desenhista, cenógrafo, entalhador, decorador, Arthur Timótheo da Costa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou seus estudos na Casa da Moeda, onde frequentou o curso de desenho e tomou contato com o processo de gravação de imagens acompanhando a impressão de moedas e selos. Em 1894, incentivado pelo diretor da instituição, matriculou-se com seu irmão João Timótheo da Costa na Escola Nacional de Belas Artes e frequentou as aulas ministradas por Bérard , Zeferino da Costa , Rodolfo Amoedo e Henrique Bernardelli . Entre 1895 e 1900 aprendeu informalmente as técnicas de cenografia com o italiano Oreste Coliva. Participou de diversas edições da Exposição Geral de Belas Artes recebendo o Prêmio de Viagem ao Exterior (1907). Embarcou para Paris (1908) onde permaneceu por aproximadamente dois anos. Viajou para a Itália (1911) como integrante do grupo de artistas escolhidos para executar a decoração do Pavilhão Brasileiro na Exposição Internacional de Turim. Obteve no Salão Nacional de Belas Artes, RJ: a pequena Medalha de Prata (1913), a grande Medalha de Prata (1919), mesmo ano em que fundou com um grupo de artistas a 'Sociedade Brasileira de Belas Artes', à época intitulada 'Juventas'. Conquistou a grande Medalha de Ouro (1920) e propôs, nesse ano, que os artistas filiados à Sociedade Brasileira de Belas Artes participassem livremente nas Exposições Gerais de Belas Artes. Nesse mesmo ano, executou com seu irmão a decoração do Salão Nobre do Fluminense Futebol Clube. Em 1921, participou pela última vez da Exposição Geral de Belas Artes. LAUDELINO FREIRE PÁG. 512; TEODORO BRAGA PÁG. 229; REIS JR. PÁG. 286; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL VOL. 1, PÁG. 57, 153, 313 VOL. 2, PÁG. 89; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 217; PONTUAL PÁG. 522; MEC VOL. 1, PÁG. 468; TEIXEIRA LEITE PÁG. 508; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 532; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 272; museuafrobrasil.org.br; www.artprice.com.



106 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Fachada - serigrafia - 53/60 - 44 x 22 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



107 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Carnaval - desenho a nanquim e aquarela - 29 x 20 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



108 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)

Torso - escultura em mármore - 22 x 07 x 06 cm - assinado -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. Base no estado.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



109 - SIRON FRANCO (1947)

Animais - serigrafia em técnica mista - 158/200 - 47 x 67 cm - canto inferior direito - 1998 -

Pintor, escultor, ilustrador, desenhista, gravador e diretor de arte, Gessiron Alves Franco nasceu em Goiás, GO. Mudou-se para Goiânia (1950) onde estudou pintura (1960) com D. J. Oliveira e Cleber Gouvêa e também foi aluno-ouvinte da Escola de Belas Artes da Universidade Católica de Goiânia. Frequentou os ateliês de Bernardo Cid e Walter Levy, em São Paulo (1969 e 1971), integrando o grupo que fez a exposição 'Surrealismo e Arte Fantástica', na Galeria Seta. Em 1975, com o Prêmio Viagem ao Exterior (1975 – Salão Nacional de Arte Moderna, RJ) residiu entre capitais europeias e o Brasil. Iniciou o projeto 'Ver-A-Cidade' (1979) realizando diversas interferências no espaço urbano de Goiânia. Desde 1986 realiza monumentos públicos baseados na realidade social do país. Fez direção de arte para documentários de televisão (1985 a 1987) como 'Xingu', concebido por Washington Novaes, premiado com medalha de ouro no Festival Internacional de Televisão de Seul. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Nacional de Artes Plásticas, Salvador – BA (1968); Bienal Nacional, SP (1974); Bienal Internacional de São Paulo (1975 – Prêmio de Pintura, 1979, 1989, 1991); Panorama da Arte Atual Brasileira, SP (1976, 1983, 1989); Salão Nacional de Arte Contemporânea, Belo Horizonte – MG (1979); Bienal de Valparaíso, Chile (1981); Bienal de Medellín, Colômbia (1981); 'A Cor e o Desenho do Brasil' - Itália, São Paulo, Holanda, Portugal, França (1984); Bienal de Artes Visuais do MERCOSUL, Porto Alegre – RS (1997, 2005); 'Brasil+500 Mostra do Redescobrimento', São Paulo (2000); Bienal de Havana, Cuba (2003), entre outras. WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 343; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 206; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 957; PONTUAL PÁG. 222; MEC VOL. 2, PÁG. 206; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 760; LEONOR AMARANTE PÁG. 240, ACERVO FIEO; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



110 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)

"Geométrico (Linhas)" - óleo sobre tela - 100 x 35 cm - dorso - 1979 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Certificado de Autenticidade firmado pelo Senhor Raul Sérgio Bueno Charoux, filho do autor, datado de 18 de julho de 2016.

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



111 - FUKUDA (1943)

Composição - serigrafia - 38/100 - 44 x 44 cm - canto inferior direito - 2010 -

Pintor, gravador e escultor, Roberto Kenji Fukuda nasceu em Indiana, SP. Iniciou-se na pintura com orientação de seu pai, o pintor Tamotsu Fukuda, um dos imigrantes japoneses pioneiros no Brasil. Como escultor foi o responsável pela criação do monumento comemorativo aos Jogos Pan-Americanos, do Rio de Janeiro (2007). Realizou exposições individuais em: Lins, SP (1963); Rio de Janeiro (1988, 1989); São Paulo (1988,1991); Curitiba, PR (1989); Brasília, DF (1989); Belo Horizonte, MG (1991). Participou de várias mostras coletivas pelo Brasil, Alemanha, França e Estados Unidos. JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 120; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO; www.galeriamaradolzan.com.br.



112 - CAROL KOSSAK (1895 - 1976)

Na estrada - óleo sobre tela - 24 x 35 cm - canto inferior esquerdo -
Procedente da coleção Aida Santimaria - Jundiaí - SP. No estado.

Pintor polonês ativo em São Paulo. Assinava C. Kossak e C. Kokott. Realizou exposição individual em 1941 em São Paulo e participou de várias exposições coletivas e Salões nas décadas de 30 e 40. MEC VOL.2 PÁG. 411; TEODORO BRAGA, PÁG. 134; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 512; VOL. 12, PÁG. 218; ACERVO FIEO; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



113 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA (1930 - 1999)

Composição - técnica mista sobre papel - 29,5 x 20,5 cm - canto inferior direito - 1959 -

Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico e professor natural do Recife, PE; faleceu em Campinas, SP. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Trabalhou no campo de comunicação visual sendo um dos responsáveis pela renovação da Arte-Cartaz Paulista (1951). Em 1953 passou a fazer parte do Grupo Ruptura, a convite de Waldemar Cordeiro. Participou de várias edições do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957); das Bienais de 1955 a 1967; da Exposição Nacional de Arte Concreta; da mostra Panorama da Arte Atual Brasileira; da mostra Tendências Construtivas e de outras exposições em: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima, Roma, Londres, Paris (Salão de Outono) e Zurique (exposição de Arte Concreta –'Konkrete Kunst', organizada por Max Bill). Recebeu o convite (1954) para representar o Brasil na 27ª Bienal de Veneza, no entanto, recusou se apresentar por terem negado a participação de outros membros do Grupo Ruptura. Em São Paulo pintou murais no Largo São Bento, no Edifício Estação Ciência, nas estações São Bento e Santana do Metrô, na Praça Roosevelt, na fachada do MAC/USP e fez uma pintura lateral no Elevado Costa e Silva (popularmente conhecido como Minhocão). Em 1958, foi responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realizou as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. MEC VOL. 2, PÁG. 481; PONTUAL PÁG. 314; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 678; www.pinturabrasileira.com; www.mac.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



114 - PAULA KADUNC (1954)

Composição - acrílico sobre cartão - 70 x 50 cm - dorso -
Registrado sob o nº 778 no catálogo da autora.

Paula Kadunc, pseudônimo artístico de Maria Paula Kadunc, nasceu em São Paulo. Frequentou um curso clássico de arte e comunicação na época de colégio. Formou-se em historia (1975) e nos anos seguintes realizou viagens de estudo pela Europa, Japão, China e Filipinas. No inicio da década de 80 trabalhou no Museu de Arte de São Paulo como assessora de imprensa e relações publicas auxiliando ainda na curadoria de diversas exposições. Na década de 90 frequentou o ateliê do escultor Paulo Tadee onde trabalhou com desenhos e pinturas geométricas e passou a fundir esculturas em bronze. Estudou técnica de pintura com Marysia Portinari. Tem participado com suas obras de várias exposições coletivas e leilões de arte. Possui obras em diversas coleções particulares e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. www.artemaisnet.com.br/artistas/paula-kadunc.html; www.catalogodasartes.com.br; www.al.sp.gov.br; www.artprice.com; www.askart.com.



115 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Vaso de flores - óleo sobre tela - 46 x 38,5 cm - canto inferior direito e dorso -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



116 - MENASE VAIDERGORN (1927)

Rosas - óleo sobre tela - 30 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



117 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Soldados - desenho a nanquim e aquarela - 37,5 x 28 cm - canto inferior direito -
Capa da Revista "Careta".

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



118 - BONAVENTURA CARIOLATO (1894 - 1989)

"Água suja" - aquarela - 21 x 13 cm - canto inferior esquerdo - 1989 -

Radicado em São Paulo, este excelente pintor participou ativamente de salões oficiais e de outros realizados periodicamentre, obtendo prêmios significativos no SPBA (menção honrosa em 1934 e medalha de bronze, em 1941). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 211



119 - HILÁRIO ZARZANA (1934 - 1991)

Natureza morta - óleo sobre eucatex - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1989 -

Paulistano, o pintor HILARIO era também odontólogo, profissão que exerceu paralelamente às artes até 1981, quando passou a dedicar-se integralmente à pintura. Cursou pintura na Faculdade Marcelo Tupinambá e desenho artístico no IUB. A partir de 1981 expõe suas obras, obtendo premiações. JULIO LOUZADA, vol. 13 pág. 166, Acervo FIEO.



120 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA (1909 - 1996)

"Auto retrato do pintor Silva" - óleo sobre tela - 70 x 40 cm - canto inferior direito - 05/07/1994 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com inscrições.

Pintor, desenhista, escritor, escultor, repentista nascido em Sales de Oliveira, SP e falecido em São Paulo. Trabalhador rural, de pouca formação escolar, foi autodidata. Em 1931, mudou-se para São José do Rio Preto, SP. Participou da exposição de inauguração da Casa de Cultura da cidade (1946), quando suas pinturas chamaram atenção dos críticos Lourival Gomes Machado, Paulo Mendes de Almeida e do filósofo João Cruz e Costa. Dois anos depois, realizou mostra individual na Galeria Domus, SP. Nessa ocasião Pietro Maria Bardi, diretor do MASP, adquiriu seus quadros e depositou parte deles no acervo do museu. O MAM, SP editou seu primeiro livro, ‘Romance de Minha Vida’ (1949). Na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951), recebeu prêmio aquisição do ‘Museum of Modern Art’ (MoMA) de Nova York. Em 1966, o artista criou o Museu Municipal de Arte Contemporânea de São José do Rio Preto e gravou dois LPs, ambos chamados ‘Registro do Folclore Mais Autêntico do Brasil’, com composições de sua autoria. No mesmo ano, ganhou Sala Especial na 33ª Bienal de Veneza. Publicou ainda os livros ‘Maria Clara’ (1970), ‘Alice’ (1972); ‘Sou Pintor, Sou Poeta’ (1982); e ‘Fazenda da Boa Esperança’ (1987). Transferiu-se de São José do Rio Preto para São Paulo, em 1973. Em 1980, foi fundado o Museu de Arte Primitivista José Antônio da Silva (MAP), em São José do Rio Preto, com obras do artista e peças do antigo Museu Municipal de Arte Contemporânea. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de muitos certames oficiais pelo Brasil e exterior recebendo muitos prêmios. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



121 - ISABEL PONS (1912)

"Gravura Branca" - gravura em técnica mista - 5/30 - 55 x 44,5 cm - canto inferior direito - 1961 -
Com as seguintes etiquetas no dorso: Bienal de São Paulo - SP, setembro/dezembro de 1963 e etiqueta da Petite Galerie - Praça General Ozório 53, Rio de Janeiro, no dorso.

Nasceu em Barcelona, Espanha. Importante gravadora, desenhista e pintora. Estudou pintura na Escola de Belas Artes de Barcelona (1925-1930). Ilustrou poemas de Garcia Lorca. Fixou residencia no Rio de Janeiro a partir de 1948. Estudou gravura com Friedlaender, no MAM-RJ, em 1959. A partir de então dedica-se principalmente à atividade de gravadora em metal, técnica que domina como poucos e a consagrou no cenário nacional e internacional. Está representada em diversos museus brasileiros e estrangeiros, como o MNBA, MAM-RJ, MOMA-NY, etc MEC, vol. 3-pág. 425; PONTUAL-pág. 431; WALMIR AYALA, vol. 2, págs.203/4; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 707; ARTE NO BRASIL, pág. 853; LEONOR AMARANTE, pág. 126.



122 - FELISBERTO RANZINI (1881 - 1976)

"Praça Paris" - óleo sobre cartão - 18 x 27,5 cm - canto inferior esquerdo e dorso - Rio de Janeiro -

Arquiteto, desenhista e escritor, Felisberto Ranzini nasceu em Mântua, Itália e faleceu em São Paulo - SP. Sobresaiu-se principalmente na técnica de aquarela, na qual se especializou. Suas composições em óleo são claras e detalhadas, quase que miniaturistas. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 805; MEC vol.4, pág. 26, RUTH TARASANTCHI.



123 - MACHEL ZALTZMAN (1903 - 1985)

O Rabino - óleo sobre tela - 55 x 40 cm - canto inferior esquerdo - 18/01/1951 - São Paulo -
No estado.

Pintor nascido na Polônia, veio para o Brasil em 1931 fixando residencia em São Paulo. Profundo conhecedor da cultura judaica, retratou em suas obras temas e integrantes da comunidade judaica de todo o país. https://www.bnai-brith.org.br/homenagem-a-miguel-zaltzman-pintor-e-retratista-da-comunidade-judaica/



124 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - dorso -

Pintora nascida em Maringá, PR, Iniciou sua carreira artística em 1983. Desde 2000, dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte, expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil. http://www.klockner-art.com; www.artprice.com.



125 - INOS CORRADIN (1929)

Vaso de flores - óleo sobre tela colada em eucatex - 38,5 x 28,5 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



126 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem - desenho a nanquim - 14 x 20 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



127 - MIRAMAR BORGES (1951)

Tucano - escultura em madeira - 32 x 10 x 07 cm - assinado -

Escultor mineiro nascido em Cachoeira do Brumado, município de Mariana. Antes de ser escultor, trabalhou na roça e também na produção de utensílios domésticos em pedra sabão, um trabalho bastante comum na região de Mariana. Autodidata, em 1982 começou a esculpir em madeira. Recebeu muito apoio de Artur Pereira, um dos grandes mestres da escultura mineira, que também era de Cachoeira do Brumado e grande incentivador de muitos outros artistas da cidade. Participou da mostra coletiva: "Pop Brasil: a arte popular e o popular na arte" no Centro Cultural Banco do Brasil, SP (2002); entre outras. artepopularbrasil.blogspot.com/2011/03/miramar-borges.html; artedobrasil.com.br/miramar_borges.html; ITAU CULTURAL.



128 - INÁCIO RODRIGUES (1946)

Paisagem - óleo sobre disco de vinil - d = 25 cm - assinado -

Pintor, desenhista, entalhador e gravador, natural de Acaraú, CE. Iniciou-se em pintura como autodidata (1957). Viajou para diversos países da América Latina (1960-1965) com o objetivo de participar de exposições e acabou se fixando, em 1966, no Rio de Janeiro. Pintou a cúpula da Catedral Municipal e o Hotel Porto Velho em Porto Velho, RO (1962 e 1965). Expôs individualmente em diversas capitais brasileiras e também no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais e foi premiado em: Curitiba, PR (1971); Rio de Janeiro (1970, 1973, 1975, 1977, 1978); Belo Horizonte, MG (1970, 1971); Campinas, SP (1971, 1972); Florianópolis, SC (1972); Niterói, RJ (1974); Embu, SP (1974); Amparo, SP (1994, 1996); São José dos Campos, SP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 834; VOL. 4, PÁG. 959; VOL. 12, PÁG. 345; TEIXEIRA LEITE PÁG. 450. WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 259; MEC VOL. 4, PÁG. 91; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



129 - BORIS KRILOV (1891 - 1977)

Cantoras - óleo sobre tela - 52 x 71 cm - canto inferior direito -
(Atenção clientes que não residem em São Paulo: moldura extremamente frágil que não resiste ao transporte. Em caso de necessidade de despacho precisará ser enviado sem moldura.) (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ceramista russo nascido em Moscou. Antes de se mudar para Paris, estudou pintura com Michaelowsky e Grinkovitch. Expôs suas obras pela Inglaterra, Polônia, França, Sérvia e Dinamarca, América do Norte e do Sul, participando de mostras coletivas. www.askart.com; www.artprice.com.



130 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Na festa - desenho a nanquim - 36 x 21 cm - canto inferior direito - 1938 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com dedicatória.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



131 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)

"Briga da onça com a serpente" - xilogravura - 64 x 47 cm - canto inferior direito - 2010 -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



132 - CARLOS CLÉMEN (1942)

Composição - óleo sobre tela - 54 x 54 cm - dorso - 2004 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Artista plástico, designer gráfico, ilustrador e professor argentino, nascido em Buenos Aires. Atuou no Brasil e na Argentina. Estudou desenho, gravura, pintura e escultura na Escola Nacional de Belas Artes (1955 – 1963); no ateliê de J. C. Castagnino; na "Sociedad Estímulo de Bellas Artes"; Estudos de Estética e Teoria da Arte com o professor Raúl Sciarreta. Integrou a Comissão Diretora da Sociedade Argentina de Artistas Plásticos. Foi júri em Salões Provinciais e Metropolitanos de Buenos Aires. Trabalhou em jornais e revistas de São Paulo, como ilustrador, designer e diagramador. Ministrou cursos de Artes Plásticas no seu atelier e em Universidades do Brasil. Realizou muitas exposições individuais desde 1964 e aqui no Brasil, desde 1974. Participou de diversas mostras coletivas e oficiais como: XV Bienal Internacional de São Paulo (1979); 12º Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1980); 4º, 5º e 6º Salão Nacional de Artes Plásticas, RJ (1981, 1983, 1984); entre outras. ITAU CULTURAL; carlosclemen.blogspot.com.



133 - YUTAKA TOYOTA (1931)

"Espaço-harmonia" - escultura em aço inoxidável - 5/6 - 44 x 19 x 14 cm - assinado - 1984 -

Pintor, escultor, desenhista, gravador e cenógrafo. Yutaka Toyota nasceu em Tendo - Yamagata, Japão. Estudou na Universidade de Artes de Tóquio e no Instituto de Pesquisas Industriais de Shizuoka. Neste último cursou ciências exatas e a técnica industrial de lidar com novos materiais. Transferiu-se para o Brasil em 1958. Entre 1965 e 1968, viveu em Milão, Itália, onde conheceu o designer Bruno Munari. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969, 1987, 1989), do Panorama da Arte Atual Brasileira (1969, 1972, 1975, 1978, 1981, 1985, 1988). Recebeu prêmio na 10ª Bienal Internacional de São Paulo (1969), no 4º Panorama da arte Atual brasileira (1972), no 10º Salão Paulista de Arte Moderna (1963), no 1º Salão Esso de Jovens Artistas (1965); na 2ª Bienal de Artes Plásticas da Bahia, Salvador (1968). A partir da década de 1970, realizou esculturas para espaços públicos e edifícios no Brasil e no exterior: a Praça da Sé (1978), o Hotel Maksoud Plaza (1979), ambos em São Paulo; Parque Toyotomi em Hokkaido, Japão (1979), entre muitos outros. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, Japão, Europa e Américas. Em 1991, foi eleito melhor escultor pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), em São Paulo. MEC VOL. 4, PÁG. 409; PONTUAL PÁG. 525; JULIO LOUZADA, VOL 11, PÁG. 325; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 510; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 933; LEONOR AMARANTE, PÁG. 171; www.yutakatoyota.com; www.pinturabrasileira.com; web.artprice.com.



134 - CARLOS SCLIAR (1920 - 2001)

"Bule amarelo" - litografia - 53/100 - 64 X 49 cm - canto inferior direito - 1979 -

Desenhista, gravador, pintor, ilustrador, cenógrafo, roteirista e designer gráfico que nasceu em Santa Maria da Boca do Monte, RS e faleceu no Rio de Janeiro. Assina Scliar. Estudou com Gustav Epstein, em Porto Alegre, em 1934. Participou, em 1938, da fundação da Associação Riograndense de Artes Plásticas Francisco Lisboa. Entre 1939 e 1947, residindo em São Paulo, integrou a Família Artística Paulista - FAP. No Rio de Janeiro, escreveu e dirigiu em 1944 o documentário 'Escadas', sobre os pintores Arpad Szenes e Vieira da Silva com os quais conviveu desde 1941. Convocado pela Força Expedicionária Brasileira - FEB, participou da Segunda Guerra Mundial, na Itália. Morando em Paris de 1947 a 1950, cursou gravura com Galanis na Escola de Belas Artes e teve contato com o gravador mexicano Leopoldo Méndez. De volta ao Brasil, fundou com Vasco Prado o Clube de Gravura de Porto Alegre. Em 1956, passou a viver no Rio de Janeiro. Foi diretor do departamento de arte da revista 'Senhor' entre 1958 e 1960. Fundou a editora Ediarte, em 1962, com os colecionadores Gilberto Chateaubriand, Michel Loeb, Carlos Nicolaievski e o pintor José Paulo Moreira da Fonseca. Realizou durante toda sua vida exposições individuais e participou de inúmeras coletivas e Salões oficiais, recebendo muitos prêmios. Também foram realizadas várias exposições póstumas. MEC VOL.4, PÁG. 214; TEODORO BRAGA, PÁG. 66; WALMIR AYALA VOL.2, PÁG. 306 a 309; PONTUAL, PÁG. 479 e 480; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.884; VOL.2, PÁG. 925; VOL.13, PÁG. 305; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; RGS, PÁG. 442; ACERVO FIEO.



135 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

"Os vencidos" - desenho a nanquim - 24 x 35 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Stélio Teixeira - Rio de Janeiro - RJ. No estado.

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



136 - CHANINA (1927 - 2012)

Figura - desenho a bico de pena - 31 x 22,5 cm - canto inferior direito - 1968 -

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador e professor, Chanina Luwisz Szejnbejn é natural de Zofjowce, Polônia. Assina Chanina. Veio para o Brasil em 1936. Cursa gravura em metal com Anna Letycia, litografia com João Quaglia e composição com Fayga Ostrower, em Belo Horizonte, em meados de 1940. Em 1946, estuda com Guignard e Franz Weissmann no Instituto de Belas Artes de Belo Horizonte, hoje Escola Guignard. Nesse mesmo ano, ingressa no curso de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, formando-se em 1955. Em paralelo ao exercício da medicina, dedica-se às atividades artísticas e ao ensino, tornando-se professor de pintura na Escola Guignard. Exposições individuais: Belo Horizonte (1961, 1965, 1972, 1975, 1977, 1979, 1982, 1988, 2004); Rio de Janeiro (1971). Coletivas: Belo Horizonte (1952 a 1954, 1964, 1966 a 1970, 1972 a 1974, 1976, 1977, 1979, 1982, 1987); São Paulo (1964, 1967 – Bienal Internacional, 1969 e 1977 – Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM; 1970, 1981, 1990); Rio de Janeiro (1967 a 1970, 1974, 1976, 1977, 1981, 1997); Ouro Preto (1970, 1989); Brasília (1966); Barcelona, Espanha (1969, 1970, 1972); Curitiba (1966, 1967, 1971); Salvador (1966); Vitória (1966); Estados Unidos (1967). Prêmios: Belo Horizonte (1953, 1954, 1966, 1967, 1969, 1979); Barcelona, Espanha (1969, 1970, 1972); Vitória (1966); Rio de Janeiro (1976). JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 263; VOL. 4, PÁG. 256; VOL. 9, PÁG. 206; VOL. 10, PÁG. 223; PONTUAL, PÁG.130; MEC, VOL.1, PÁG. 400.



137 - INGRES SPELTRI (1940)

Menina - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



138 - TAPETE ORIENTAL,


Feito a mão, de lã, Indiano, medindo 201 x 197 cm = 3,96 m².



139 - GASTÃO Z. FRAZÃO (XX)

Composição - aquarela - 21,5 x 14,5 cm - canto inferior direito -

Artista plástico e arquiteto que tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo (1967); Salão Paulista de Arte Contemporânea, São Paulo (1976); Salão Nacional de Artes Plásticas, Rio de Janeiro (1979). ITAUCULTURAL.



140 - BENEDITO CALIXTO DE JESUS (1853 - 1927)

"Duas Santas" - desenho a grafite sobre papel - 51 x 39,5 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com expertise firmada por Celso Calixto Rios datada de 02 de outubro de 2016. No estado.

Pintor, professor, historiador, ensaísta, nascido em Conceição de Itanhaém, SP e falecido em São Paulo. Transferiu-se para Brotas, SP, onde adquiriu noções de pintura com o tio Joaquim Pedro de Jesus, ao auxiliá-lo na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Realizou sua primeira individual em São Paulo, no ano de 1881. Fixou-se por algum tempo em Santos e depois de ter executado a decoração do Teatro Guarani, partiu para Paris em 1883, estudando na Academia Julian e no ateliê de Jean François Raffaëlli. Retornou ao Brasil em 1885 e passou a residir em São Vicente. Produziu inúmeras marinhas em que representa o litoral paulista; realizou diversos painéis de temas religiosos para igrejas na capital e interior do Estado de São Paulo; pintou vistas de antigos trechos das cidades de São Paulo, Santos e São Vicente para o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, por encomenda do diretor do museu o historiador Afonso d´Escragnolle Taunay. Dedicou-se também a estudos históricos da região e à preservação de seu patrimônio e publicou, entre outros, os livros 'A Vila de Itanhaém' (1895) e 'Capitanias Paulistas' (1924). Existem obras suas nos acervos de diversos museus brasileiros. TEODORO BRAGA PÁG. 51; REIS JR PÁG. 214; LAUDELINO FREIRE PÁG. 387; PONTUAL PÁG. 68/69; MEC VOL.1, PÁG. 326/327; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.153; MAYER/83 PÁG. 601; TEIXEIRA LEITE PÁG. 97; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 505; ARTE NO BRASIL PÁG. 599, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 172. ACERVO FIEO.



141 - LIVIO ABRAMO (1903 - 1992)

Paisagem - xilogravura - H.C. - 22 x 20 cm - canto inferior direito -
No estado.

Gravador, desenhista, pintor, ilustrador, jornalista e professor, nasceu em Araraquara, SP e faleceu em Assunção, Paraguai. Mudou-se para São Paulo, onde, em 1909, estudou desenho com Enrico Vio no Colégio Dante Alighieri. No início dos anos de 1920, fez ilustrações para pequenos jornais e entrou em contato com a obra de Oswaldo Goeldi e de gravadores expressionistas alemães. Realizou as primeiras gravuras em 1926. Em 1947, ilustrou o livro ‘Pelo Sertão’, do escritor Afonso Arinos de Mello Franco, publicado em 1949. Com essa série de ilustrações, apresentadas no Salão Nacional de Belas Artes, obteve o prêmio de viagem ao exterior. Seguiu para a Europa em 1951. Em Paris frequentou o Atelier 17, aperfeiçoando-se em gravura em metal com Stanley William Hayter. De volta ao Brasil, foi premiado como o melhor gravador nacional na Bienal Internacional de São Paulo, nas edições de 1953 e de 1963. Deu aulas de xilogravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Foram seus alunos, entre outros, Maria Bonomi e Antonio Henrique Amaral . Fundou o Estúdio Gravura, em 1960, com Maria Bonomi. Em 1962, foi convidado pelo Itamaraty a integrar a Missão Cultural Brasil-Paraguai, posteriormente Centro de Estudos Brasileiros. Mudou-se para o Paraguai e dirigiu até 1992, o Setor de Artes Plásticas e Visuais. Foi fundador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Paraguai. PONTUAL, PÁG. 1, JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 19; MEC VOL.1, PÁG. 33; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 795; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; ACERVO FIEO.



142 - GERSON DE SOUZA (1926 - 2008)

"Genivaldo" - óleo sobre tela - 27 x 22 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1980 - Rio de Janeiro -

Pintor. Autodidata. Fixou-se no Rio de Janeiro, onde exerceu a profissão de carteiro dos Correios, e onde começou a pintar em 1950. Participou da V Bienal de São Paulo, de vários Salões Nacionais e exposições coletivas no exterior. Várias individuais e coletivas no País. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 127; PONTUAL, pág. 236/237; MEC, vol. 2, pág. 248; TEIXEIRA LEITE, pág. 220; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 347, Acervo FIEO.



143 - REMBRANDT VAN RIJN (1606 - 1669)

"Casas de campo iluminadas pelo sol sob um cé - fac-símile - 18 x 24,5 cm - não assinado -
O desenho original deste fác.símile está reproduzido nos livros: Rembrandt. His Life, Work and Times, página 176 e Rembrandt's Landscapes. Drawings and Prints, página 77. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador da Escola Holandesa, Rembrandt Harmenszoon van Rijn nasceu em Leiden e faleceu em Amsterdam. Aos quatorze anos entrou para a Universidade de Leiden e como não lhe interessou o programa, foi estudar arte com o mestre local Jacob van Swanenburch (de 1620 a 1623) e, em Amsterdam, com Pieter Lastman (1624). Em Leiden ainda, trabalhou com o gravador Jan van Vliet - suas primeiras gravuras datadas indicam o ano de 1626 - e começou a ensinar pintura. Seu primeiro aluno foi Gerrit Dou. Mudou-se para Amsterdam (1631), casou-se (1634) e rapidamente se estabeleceu como o principal retratista da cidade – cerca de cinquenta obras datadas de 1632 ou 1633, a maioria é constituída de retratos, além de continuar dando aulas em seu estúdio. Trabalhou suas gravuras, durante a década de 1640, na 'Hundred Guilder Print'. A mais importante encomenda que recebeu na década de 1630 veio do príncipe Frederico Henrique de Orange, consistindo em cinco pinturas de cenas da Paixão. Embora os retratos e cenas religiosas constituam a maior parte de sua obra, ele fez contribuições originais a outros gêneros incluindo a natureza-morta. Na década de 1640 desenvolveu também um interesse pela paisagem; sugeriu-se que, nesse período, ele tenha passado mais tempo no campo para fugir de seus problemas domésticos. É considerado universalmente como o maior água-fortista de todos os tempos e seus desenhos normalmente concebidos como obras independentes e não, como estudos para as pinturas. BENEZIT; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE; REMBRANDT E ARTE DA GRAVURA – catálogo da exposição realizada no Centro Cultural Banco do Brasil, SP em 2002; www.rembrandtpainting.net; www.rijksmuseum.nl; www.metmuseum.org; www.holland.com; www.biography.com; www.metmuseum.org; www.britannica.com; www.nationalgallery.org.uk; www.artprice.com;



144 - GASTÃO FORMENTI (1894 - 1974)

Cabo Frio - óleo sobre eucatex - 45 x 60 cm - canto inferior direito - 1964 -

Pintor nascido em Guaratinguetá-SP. Após iniciar-se em arte com Pedro Strina, em São Paulo, foi residir no Rio de Janeiro, onde, com seu pai, dedicou-se à execução de vitrais. Recebeu medalhas de bronze e de prata no SNBA, do qual ainda participava em 1961. TEODORO BRAGA, pág. 98; WALMIR AYALA vol.1, pág.317; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



145 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Galo" - acrílica sobre papel cartão - 21 x 20,7 cm - canto inferior direito - 1986 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



146 - HELIO SCHONMANN (1960)

Composição - óleo sobre tela colada em eucatex - 60 x 49,5 cm - canto inferior direito -

Natural de São Paulo, nascido em 1 de julho de 1960. Sua formação inicia-se com a frequência ao ateliê do pintor Joji Kussunoki (1969-1974); em 1975, cursou cerâmica com Elizabeth Wanschel e desenho na APBA-SP; em 1978/1979, frequenta o Ateliê Livre Criação em Artes Plásticas do Museu Lasar Segall-SP, as sessões de Modelo Vivo da Pinacoteca do Estado e do Grupo de Raphael Galvez, A. Carelli, S. Mendes, Antonio Helio Cabral e F. di Mauro; de 1979 a 1983, passa a orientador do Ateliê de Livre Criação do Museu Lasar Segall; e, em 1984, estuda escultura com Raphael Galvez. Individual em 1986 - Galeria Seta-SP; e coletivas a partir de 1972, destacando-se XXXII Salão de Belas Artes na Galeria Prestes Maia-SP, e Salão dos Novos de A Hebraica-SP. JULIO LOUZADA, vol. 3 pág. 1034.



147 - SAMSON FLEXOR (1907 - 1971)

Estudo - desenho a nanquim e lápis de cor - 21 x 30,5 cm - canto inferior direito - 1952 -
No estado.

Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



148 - GENILSON SOARES DA SILVA (1940)

Na janela - técnica mista sobre papel - 38,5 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1972 -
No estado.

Pintor ativo em São Paulo. Trabalhou de 1970 até 1975 em grupo com Francisco Inarra e Lydia Okumura, que buscava vivenciar um processo de criação resultante de expressões individuais, tendo por referência o mesmo espaço físico e temporal. Realizou instações, apropriações, ações diretas (happenings), intervençoes e também trabalhos de multimedia. Expôs nos EUA. JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 1051



149 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Figuras - desenho a nanquim - 22 x 16,5 cm - canto inferior direito - 1944 -
No estado.

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



150 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)

Casario - técnica mista sobre cartão - 35 x 52 cm - canto inferior esquerdo - 1969 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



151 - MARIA BONOMI (1935)

"Ocasos, acesos" - litografia - 66/100 - 57 x 76 cm - canto inferior direito -

Gravadora, pintora, figurinista, cenógrafa, muralista e escultora nascida em Meina, Itália. Mudou-se para o Rio de Janeiro ainda criança. Em São Paulo (década de 1950), estudou inicialmente com Yolanda Mohalyi, Karl Plattner e Livio Abramo. Na 'Columbia University', Nova York - EUA estudou artes gráficas com Hans Muller e História da Arte Comparada com Meyer Schapiro. Obteve bolsa de estudos no Pratt Institute, Nova York - EUA onde trabalhou com Seong Moy e Fritz Eichenberg, entre outros. De volta ao Brasil (1959) continuou seu aperfeiçoamento na gravura com Friedlaender no MAM, RJ. Fundou com Lívio Abramo o 'Estudio Gravura' (década de 1960), em São Paulo. Realizou várias exposições individuais e tem participado de muitas mostras coletivas e oficiais, no Brasil e no exterior. Recebeu, entre outros, o Prêmio de Melhor Gravador da VIII Bienal de São Paulo (1965); o Prêmio de Gravura na V Bienal de Paris (1968); o Prêmio de Gravura da VIII Exposição Internacional Ljubljana, modalidade xilogravura; o Prêmio de Aquisição na IX Bienal de mesmo nome (1971), culminando com o Prêmio Internacional de Gravura, modalidade litografia (1983). Como cenógrafa vale destacar o Prêmio de Revelação de Cenógrafa e Melhor Figurinista com a peça 'As feiticeiras de Salém' de Arthur Miller. O Prêmio Revelação dado pela APCT – Associação Paulista de Críticos Teatrais se repetiu nos anos de 1962, 1965 e 1967. Em 1965, recebeu o Prêmio Molière como melhor cenógrafa da peça "A megera domada”, de Shakespeare. Desde 1975 tem realizado numerosos painéis em concreto, de grandes dimensões, como os do Saguão do Maksoud Hotel e do Banco Sudameris do Brasil, as fachadas laterais do Esporte Clube Sírio e do Edifício J. Riskallah Joye, todos em São Paulo e, em Santiago do Chile, os painéis do Banco Exterior da Espanha. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.142; PONTUAL PÁG.80; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.692; ARTE NO BRASIL PÁG.837; LEONOR AMARANTE PÁG.75, ACERVO FIEO; www.memorial.org.br; www.pinacoteca.org.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



152 - JOSÉ SABÓIA (1949)

Torcida do Flamengo - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



153 - RITA GOMES FERREIRA (1959)

Menina - escultura em terracota policromada - 24 x 11 x 11 cm - assinado - Coqueiro do Campo - MG -
Vale do Jequitinhonha.

Rita Gomes Ferreira nasceu no dia 26 de junho de 1959, em Coqueiro Campo, Minas Novas, em Minas Gerais. Aprendeu a trabalhar no barro com sua tia Rosa, quando tinha aproximadamente 11 anos. Mais velha, foi morar em outra cidade e só voltou a trabalhar com barro em 2000, já com 39 anos, quando retornou a Coqueiro Campo. Recomeçou fazendo peças pequenas, como galinhas e flores, mas agora já desenvolve bonecas, segundo ela, as peças mais difíceis. Ela diz que trabalha com cerâmica por necessidade, pois é uma fonte de renda, embora goste de criar sempre peças novas. Membro da Associação dos Artesãos de Coqueiro Campo, já participou de feiras em Montes Claros e em Minas Novas. Fonte: Museu Casa do Pontal/RJ.



154 - RAIMUNDO VIEIRA GONDIM (1944)

Colhendo laranjas - acrílico sobre tela - 15 x 60 cm - canto inferior esquerdo - 2012 -

Pintor e desenhista nascido em Aracati, CE. Começou a pintar com Chico da Silva em 1972. Participou de mostras coletivas e Salões oficiais em: Fortaleza, CE (1973); Natal, RN (1973, 1979); Brasília, DF (1974); Recife, PE (1975 a 1978, 1980); São Paulo (1981 – Prêmio); Embu, SP (1986 a 1990); Campinas, SP (1988); Jaboticabal, SP (1989). JULIO LOUZADA VOL. 10, PÁG. 393; VOL. 11, PÁG. 133.



155 - OSWALDO TEIXEIRA (1905 - 1974)

Mulher e flores - óleo sobre tela colada em cartão - 39 x 29 cm - canto superior esquerdo -

Nascido e falecido no Rio, participou de inúmeras mostras nacionais e internacionais, com várias premiações. Foi por vários anos diretor do MNBA do Rio de Janeiro. TEODORO BRAGA, pág. 225; WALMIR AYALA vol.2, pág.373; MEC vol.4, pág. 378; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 573; ARTE NO BRASIL, pág. 577, Acervo FIEO; F. ACQUARONE, pág. 227.



156 - ANTONIO CARPENTIERI (1930 - 1987)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 22 x 27 cm - canto inferior esquerdo e dorso -

Natural de Nápoles, Itália, Carpentieri foi descendente de família abastada, há três gerações ligadas às artes plásticas. No Brasil desde 1952, tornou-se aluno de Angelo Cannone, Briante e De Corsi. Expôs diversas vezes com excelente crítica na Itália, cujas galerias e museus possuem obras suas. JULIO LOUZADA, vol.1, pág.215; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 176; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



157 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

"Noite de Reis" - aquarela - 20 x 29,5 cm - dorso - 30/05/1940 -
Complemento de título: "Figurinos de Santa Rosa, para a peça Noite de Reis". No estado.

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



158 - BONAVENTURA CARIOLATO (1894 - 1989)

"O mataburro" - óleo sobre madeira - 26 x 32,5 cm - canto inferior direito - 09/1946 -

Radicado em São Paulo, este excelente pintor participou ativamente de salões oficiais e de outros realizados periodicamentre, obtendo prêmios significativos no SPBA (menção honrosa em 1934 e medalha de bronze, em 1941). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 211



159 - TITO DE ALENCASTRO (1934 - 1999)

Composição - técnica mista sobre cartão - 26 x 19 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, mosaicista, cenógrafo, dramaturgo, poeta, ator e cantor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Assina Tito de Alencastro. Ingressou na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1956) onde estudou desenho com Zaluar e composição com Quirino Campofiorito e Santa Rosa. Paralelamente, estudou técnicas de mosaico com José Moraes e gravura em metal com Johnny Friedlaender no MAM, RJ. Formou-se em Museologia pelo Museu Nacional de Belas Artes, RJ, estudando com Gustavo Barroso. Atuou em numerosos concertos de câmara e óperas no Rio de Janeiro como ator e cantor. Fixou residência em São Paulo em 1961. Como cenógrafo, trabalhou no filme "Roleta Russa" e nas peças "O Grande Sonhador", "Você Pode Ser O Que Quiser", "Macho Beleza e Monólogo a Dois", as três de sua autoria. Executou os painéis "Os Imigrantes" e "O Trabalho e o Lazer" (1979). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1966 – Galeria Seta, 1970, 1973, 1976, 1980 a 1985, 1995); Rio de janeiro (1967, 1978, 1983); Uberlândia, MG (1981); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1984). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas. Recebeu o primeiro Prêmio Aquisição no I Salão da Jovem Gravura no MAM, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 29; PONTUAL PÁG. 14; MEC VOL, 1, PÁG. 45; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 39, VOL. 2, PÁG. 43; VOL. 11, PÁG. 6; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



160 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

"Ouro Preto, Paróquia Antonio Dias" - óleo sobre tela - 31 x 38 cm - canto inferior direito e dorso -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Laudo de Autenticidade da Fundação Guignard, datado de 09 de novembro de 2018. No estado.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



161 - NELSON GODOY (1943)

O melhor amigo - xilogravura - 35/100 - 36,5 x 26 cm - canto inferior direito -

Paulista de Presidente Prudente. A carreira deste pintor e desenhista começa a ter destaque na década de 60, quando ele participa de exposições promovidas pela APBA, onde recebe premiações em 1965 e 1966. Ativo no interior do Estado de São Paulo, figura ainda em Salões oficiais de Campinas. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 424, Acervo FIEO



162 - DAVI (1950)

Flores - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior esquerdo -

Dagoberto Vito, DAVI, nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 5/4/1950. A partir de 1963 dedica-se à pintura floral por influência do professor Rancoleto Lubra. Em 1987 representa o Brasil em evento da Riotur em Paris, onde foi premiado com uma Bolsa de Estudos. Expõe individualmente desde 1983 e coletivamente a partir de 1972. JULIO LOUZADA vol.10, pág. 269.



163 - INGRES SPELTRI (1940)

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 75 x 110 cm - canto inferior direito e dorso - 03/10/1996 -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



164 - TOLEDO PIZA (DOMINGOS VIEGAS DE TOLEDO PIZA) (1887 - 1945)

Paisagem - desenho a lápis - 15 x 22,5 cm - dorso - 02/01/1941 - Amparo - SP -
Com autenticação e estudo no dorso.

Pintor, estudou em Paris, voltando ao Brasil em 1933; dedicou-se à paisagem, com características expressionistas. ARTE NO BRASIL vol.2, pág.1054; TEIXEIRA LEITE, pág. 510; ITAÚ CULTURAL.



165 - HERMANN TRAUGOTT RÜDISÜHLI (1864 - 1944)

Paisagem - óleo sobre cartão - 45 x 60 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista suiço com participações em mostras coletivas. www.artprice.com.



166 - TADAO (1947)

Figura - serigrafia - 26/100 - 59 x 82 cm - canto inferior direito - 1990 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Tadao Nakabayashi, nasceu em Shimane, Japão. Suas pinturas sempre tiveram o caráter contemplativo do budismo. Atualmente, o artista encontrou um novo estilo: são formas e figuras lúdicas em cores suaves, mas sem deixar de lado o budismo. Individuais desde 1985 e coletivas em 1988. Internacionais em 1976, 1978 e 1987, todas no Japão. JULIO LOUZADA, vol.4, pág. 1075



167 - THÉO (DJALMA PIRES FERREIRA) (1901 - 1980)

Soldados - desenho a nanquim e aquarela - 34 x 26 cm - canto inferior direito -

Caricaturista, Théo é o pseudônimo de Djalma Pires Ferreira, nascido na Bahia e falecido em Araruama, RJ, filho de um ex-tenente da Guerra de Canudos. Veio para o Rio de Janeiro com 21 anos. Autodidata, publicou seus primeiros trabalhos na "Tarde" (1918 a 1922) e no "Diário de Notícias", seção esportes (1919). Foi o divulgador da "Bola do Dia" das colunas de "O Globo" e colaborou no "Malho", "Careta", "Fon-Fon", em outras revistas e jornais do Rio de Janeiro e na "Cigarra", em São Paulo. Exposições póstumas: São Paulo (1997, 2003); Belo Horizonte, MG (1997); Campinas, SP (1997); Brasília, DF (1998). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 4, PÁG. 384; CARICATURISTAS BRASILEIROS 1836 – 2001, PÁG. 120; memoria.oglobo.globo.com; www.guiadosquadrinhos.com; www.ibahia.com.



168 - DOROTHEA FREIRE (XX)

Composição - escultura em alumínio - 21 x 06 x 06 cm - não assinado -
Com placa de identificação da autora.

Artista plástica com diversas participações em mostras coletivas. É integrante do grupo "Pparalelo de Arte Contemporânea", de Campinas, que realizou a exposição "Tempo-Pparalelo" no Museu de Arte Contemporânea de Campinas José Pancetti - Macc (2011). www.agemcamp.sp.gov.br/cultura/index.php?option=com_content&view=article&id=3295:individuais-e-coletivos&catid=1:ultimas-noticias&Itemid=56&lang=pt;www.atelieaberto.art.br.



169 - TORQUATO BASSI (1880 - 1967)

Na praia - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -
No estado.

Nascido em Ferrara / Itália, veio para o Brasil ainda muito jovem, fixando-se em São Paulo, onde desenvolveu sua vida artística. Participou durante anos do Salão de Belas Artes do Rio de Janeiro, Salão Paulista de Belas Artes e de mostras de pintores italianos. Tem obras na Pinacoteca do Estado de São Paulo e no Museu Paulista de Belas Artes. TEODORO BRAGA, pág. 47; PONTUAL, pág. 58; MEC, vol. 1, pág. 188; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 89; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



170 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

"Vaso de Flores" - guache, nanquim e pastel sobre cartão - 39,5 x 29,5 cm - canto inferior direito - 1939 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com Declaração de autenticidade firmada pelo autor, datada de 25 de março de 1992.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



171 - RENINA KATZ (1925)

Composição - litografia - 9/100 - 37,7 x 26,5 cm - canto inferior direito -

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



172 - LYGIA CLARK (1920 - 1988)

"Bicho Caranguejo" - múltiplo em plástico - 18 x 16 x 14 cm - não assinado -

Pintora, escultora. Muda-se para o Rio de Janeiro, em 1947, e inicia aprendizado artístico com Burle Marx (1909 - 1994). Entre 1950 e 1952, vive em Paris, onde estuda com Fernand Léger (1881 - 1955), Arpad Szenes (1897 - 1985) e Isaac Dobrinsky (1891 - 1973). De volta para o Brasil, integra o Grupo Frente, liderado por Ivan Serpa (1923 - 1973) e formado por Hélio Oiticica (1937 - 1980), Lygia Pape (1929 - 2004), Aluísio Carvão (1920 - 2001), Décio Vieira (1922 - 1988), Franz Weissmann (1911 - 2005) e Abraham Palatnik (1928), entre outros. É uma das fundadoras do Grupo Neoconcreto e participa da sua primeira exposição, em 1959. Gradualmente, troca a pintura pela experiência com objetos tridimensionais. Realiza proposições participacionais como a série Bichos, de 1960, construções metálicas geométricas que se articulam por meio de dobradiças e requerem a co-participação do espectador. Nesse ano, leciona artes plásticas no Instituto Nacional de Educação dos Surdos. Dedica-se à exploração sensorial em trabalhos como A Casa É o Corpo, de 1968. Participa das exposições Opinião 66 e Nova Objetividade Brasileira, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ. Reside em Paris entre 1970 e 1976, período em que leciona na Faculté d´Arts Plastiques St. Charles, na Sorbonne. Nesse período sua atividade se afasta da produção de objetos estéticos e volta-se sobretudo para experiências corporais em que materiais quaisquer estabelecem relação entre os participantes. Retorna para o Brasil em 1976; dedica-se ao estudo das possibilidades terapêuticas da arte sensorial e dos objetos relacionais. Sua prática fará que no final da vida a artista considere seu trabalho definitivamente alheio à arte e próximo à psicanálise. A partir dos anos 1980 sua obra ganha reconhecimento internacional com retrospectivas em várias capitais internacionais e em mostras antológicas da arte internacional do pós-guerra.



173 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Composição" - óleo sobre tela - 46 x 55 cm - canto inferior direito e dorso - 1967 -
Com etiqueta da Retrospectiva do artista no Museu Barão de Mauá - Mauá - SP .

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



174 - ROSÁLIA LERNER (1952)

Casal - aquarela - 24 x 32 cm - canto inferior direito - 2012 -

Natural de São Paulo, SP, onde teve sua formação artística e aulas de pintura em aquarela com Antonio Hélio Cabral, José Guyer Salles, Ubirajara Ribeiro e Tuneu. Exposições coletivas: São Paulo, SP (1973,1974,1976,1977,1981,1986,1987,1998 a 2000,2004 a 2007); Rio Grande do Sul (1987); Paraná (1987), São Caetano do Sul, SP (2008). Prêmios: São Paulo,SP (1967,1986,1999, 2007). www.rosalialerner.com, www. artcanal.com.br.



175 - ÉLON BRASIL (1957)

"O Grande Chefe na Avenida Paulista" - óleo sobre tela - 100 x 130 cm - dorso - São Paulo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



176 - EVANDRO PRADO (1985)

Descobrimento - impressão sobre porcelana - assinado - 2018 -
Medidas: 1ª) d = 27 cm. 2ª) d = 20,5 cm.

Artista plástico multimídia nascido em Campo Grande, MS. Graduou-se em Artes Visuais pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2006). Veio para São Paulo (2008). Junto com outros artistas plásticos criam o grupo "Aluga-se". Com exposições em São Paulo, Dinamarca e Campo Grande, o grupo elaborou o projeto “Até Meio Quilo” (2011) que obteve repercussão nacional e viajou por oito cidades do Brasil. Exposições individuais em: Campo Grande, MS (2006, 2008, 2013); Brasília, DF (2006); Rio de Janeiro (2015); São Paulo (2017). Tem participado de diversas mostras coletivas. Foi premiado em: Dourados, MS (2003); Cuiabá, MT (2004 – 3ª Bienal de Arte Moderna, 2005) Macapá, AP (2004, 2008); Atibaia, SP (2009); Praia Grande, SP (2011); Anápolis, GO (2011); Vinhedo, SP (2017); Piracicaba, SP (2017). Com um projeto aprovado pela FUNARTE, na 8ª Rede Nacional de Artes Visuais, o grupo "Aluga-se"recebeu o prêmio de residência artística (2012) na cidade de Piatã, localizada nos arredores da Chapada Diamantina, BA. ITAUCULTURAL; www.evandroprado.com.br.



177 - ROMEU CAIANI (1923 - 1997)

Casebres na mata - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1992 -

Pintor ativo em São Paulo, com diversas participações em coletivas, tais como: Salão da Paisagem Paulista (1968, 1969 e 1970), com premiação. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.49; MEC, vol.1, pág.324, Acervo FIEO.



178 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)

Ritmo - escultura em mármore - 15 x 08 x 3,5 cm - assinado -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. No estado.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



179 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Os cantores - desenho a nanquim e guache - 20 x 29 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



180 - GEORGES BRAQUE (1882 - 1963)

Composição - técnica mista e colagem sobre papel - 43,5 x 31,5 cm - canto superior direito - 1914 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, escultor e gravador francês nascido em Argenteuil em 13/05/1882 e falecido em Paris no dia 31/08/1966. O único pintor francês a pertencer ao mesmo tempo ao fauvismo e ao cubismo. Foi contemporâneo de Picasso, com quem trabalhou ativamente, elaborando todo o arsenal de linguagem plástica das diferentes fases cubistas. Todavia Braque, trilhou um caminho diferente mas igualmente importante e genial, do artista espanhol. Com uma ousadia estética que escandalizou meia Paris, ao apresentar seus primeiros papiers collés, enveredou por caminhos próprios, sem no entanto ter renegado as aquisições essenciais do cubismo. Expôs pela primeira vez no Salão dos Independentes em 1907, na condição de fauvista com obras executadas sob influência dos mestres Matisse, Klaminek e Derain. De 1908 a 1914 as obras de Braque devem ser consideradas no contexto da elaboração do cubismo, e da estreita vivência com Picasso. A partir de 1911 Braque inaugura a gravura moderna ao introduzir pela primeira vez em suas pinturas, as superfícies pintadas, falsa madeira e falso mármore e objetos retirados do cotidiano (pedaços de jornais, pacotes de tabaco), compondo efeitos surpreendentes. Realizou esculturas a partir de década de 20. Sua obra gráfica adquire fama em 1960, quando é apresentada na Biblioteca Nacional em Paris. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 151



181 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)

Emblema - serigrafia - 50/70 - 56 x 39 cm - canto inferior direito - 1970 - Brasília -

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



182 - GILDA LISBOA (XX)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 28 x 45 cm - canto inferior direito -

Carioca, nascida de família tradicional, bisneta do almirante Tamandaré, Gilda Lisboa se projetou como artista plástica na década de 40, atuando principalmente no Rio de Janeiro. Estudou desenho com Eurico Alves e pintura na Sociedade Brasileira de Belas Artes. Nos anos 60 realizou importantes exposições individuais. Foi detentora de vários e significativos prêmios. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 545 e 546



183 - GRACIETE FERREIRA BORGES (1953)

Casario - óleo sobre tela - 20 x 20 cm - centro inferior e dorso - 2005 -

"Nascida em América Dourada, BA, em 25 de outubro de 1953, Graciete Ferreira Borges se envolveu com o mundo da arte pela convivência com o companheiro José Antônio da Silva, um dos maiores pintores primitivistas do país. Esse relacionamento, que foi de 1981 até o falecimento do artista, em 1996, deixou, claro marcas em sua vida, mas, em termos de pintura, ela está pronta a seguir percurso próprio." Oscar D’Ambrosio, jornalista, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil), in: http://www.artcanal.com.br/oscardambrosio/graciete.htm



184 - MILTON FREITAS (1956)

Retirantes - óleo sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior direito - 2018 -

Pintor, desenhista e professor autodidata, ativo em São Paulo. Foi professor de pintura e teatro na Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Participou de mostras coletivas e oficiais em Presidente Prudente, SP e região. Recebeu alguns prêmios.



185 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

Trabalhadores - xilogravura - 1/12 - 19 x 12,5 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



186 - GISELA EICHBAUM (1920 - 1996)

Composição - aquarela - 15 x 10 cm - canto inferior direito - 1985 -

Pintora e desenhista nascida em Manheim, Alemanha e falecida em São Paulo, SP. Descendente de uma família de músicos viveu em São Paulo desde 1935. Na década de 40, estudou música; cursou pintura e desenho com Yolanda Mohalyi, Samson Flexor e Karl Plattner. Integrou o Atelier-Abstração e frequentou a Escola de Arte Moderna de Nova Iorque, Estados Unidos. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1956 – MAM, 1958 a 1961, 1963, 1966, 1969, 1972, 1974, 1977 – MASP, 1978, 1981, 1983 – Retrospectiva no MASP, 1986 – MASP, 1991, 1994, 1995, 2004, 2005); Washington, EUA (1983); Campinas, SP (1962, 1985); Rio de Janeiro (1965 – MAM, 1974); Santos, SP (1999). Participou de mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se, no Brasil: Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1954 – Prêmio Aquisição, 1955, 1957, 1960, 1962 – Pequena Medalha de Prata, 1966, 1968); Bienal Internacional de São Paulo (1965, 1967); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1973, 1976, 1977, 1979) e outras na Áustria, Espanha, EUA, Israel, Japão e Paraguai. Publicou os livros "Canções sem Palavras", em 1986, e "Meu Diário", em 1994. Pela sua exposição retrospectiva no MASP, recebeu o prêmio de Melhor Desenhista pela Associação Paulista de Críticos de Arte, APCA, em 1983. ITAU CULTURAL; www.giselaeichbaum.com.br; www.mac.usp.br/mac/templates/projetos/seculoxx/modulo3/atelierabs/gisela/index.html;www.artprice.com.



187 - ODETTE EID (1922)

Nossa Senhora - escultura em bronze - 19 x 16 x 07 cm - assinado -

Natural de Zahle, Líbano, ODETTE EID sempre foi uma estudiosa da sua arte maior, que é a escultura. Frequentou os ateliês dos grandes mestres nacionais, como Becheroni e Calabrone. Em vôo solo expôs na Europa em Salões e Galerias de renome. Segundo a crítica especializada, a escultura de ODETTE EID "é fluída, volátil e leve". (Alberto Beuttenmuller). JULIO LOUZADA, vol. 13 pág. 119



188 - DEMÉTRIO LIGOTTI BLACKMAN (XIX - XX)

Quintal - óleo sobre madeira - 16 x 30 cm - canto inferior direito - 1912 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista italiano. Veio para o Brasil no final do século XIX. Formou-se pelo Real Instituto de Belas Artes de Nápoles e foi professor na Escola de Belas Artes, em Nápoles - Itália. Participou de mostras coletivas. itu.sp.gov.br/professor-pery-guarany-blackman-e-homenageado-em-exposicao/;medium.com/portal-expresso/museu-da-energia-expôe-obras-do-prof-pery-guarany-blackman-a23d7b62e964.



189 - DENISE KOVALSKI (XX)

Composição - serigrafia - 11/50 - 25 x 36 cm - canto inferior direito -

Pintora e gravadora com diversas participações em mostras e Salões oficiais. JULIO LOUSADA VOL. 6 PÁG. 559.



190 - ALFREDO ROCCO (1914 - 1999)

Jardim - óleo sobre eucatex - 37,5 x 55 cm - canto inferior esquerdo - 1987 -

Nasceu e faleceu em São Paulo, Capital, onde foi ativo. Pintor de retratos, marinhas, e pinturas de gênero. Inicia-se na pintura estudando com Antônio Rocco e Bigio Gerardenghi (1938). Expôs individualmente em Paris (1940); tendo participado de coletivas a partir de 1938. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 828; PONTUAL, pág. 454; MEC, vol. 4, pág. 82/3; ITAÚ CULTURAL.



191 - SEBASTIÃO JANUÁRIO (1939)

Menino e pássaro - óleo sobre tela - 32,5 x 40 cm - canto inferior direito - 1984 -
No estado.

Pintor mineiro de Guanhães, MG. Vindo para o Rio de Janeiro, inicou-se na pintura, recebendo breve orientação de Ivan Serpa no Museu de Arte Moderna. Começou a apresentar seus trabalhos em 1963, viajando em seguida para Paris, onde residiu durante dois anos. Seus temas são ora sacros, ora representam o cotidiano das pessoas, mas sempre com cores demasiadas e soltas, com uma visão ingênua da realidade. Individuais a partir de 1968, na Galeria Giro e coletivas desde 1963, inclusive no XVIII Salão Nacional de Arte Moderna-RJ. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 514; PONTUAL, pág. 276; Acervo FIEO.



192 - NELSON LEIRNER (1932)

Cubo - múltiplo em alumínio - 10 x 9,5 x 7,5 cm - não assinado -
Com a seguinte inscrição: "Design Nelson Leirner"

Paulista da Capital, o autor descende de uma família de artistas. Foi aluno de Joan Ponç e Samson Flexor. Participa de coletivas a partir de 1958, inclusive com premiações nas bienais de Tóquio e São Paulo. Sua trajetória artística merece ser melhor conhecida pelos admiradores de sua obra. TEIXEIRA LEITE, pág. 283; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 734; ARTE NO BRASIL, pág. 893; LEONOR AMARANTE, pág. 154.



193 - SILVIA ALVES (1947)

"Verão em São Paulo" - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 2015 - São Paulo -

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



194 - ROSÁLIA LERNER (1952)

Casal - serigrafia - P.A. - 34 x 49 cm - canto inferior direito -

Natural de São Paulo, SP, onde teve sua formação artística e aulas de pintura em aquarela com Antonio Hélio Cabral, José Guyer Salles, Ubirajara Ribeiro e Tuneu. Exposições coletivas: São Paulo, SP (1973,1974,1976,1977,1981,1986,1987,1998 a 2000,2004 a 2007); Rio Grande do Sul (1987); Paraná (1987), São Caetano do Sul, SP (2008). Prêmios: São Paulo,SP (1967,1986,1999, 2007). www.rosalialerner.com, www. artcanal.com.br.



195 - TOMIE OHTAKE (1913 - 2015)

Composição - gravura - P.A. - 44,5 x 61 cm - canto inferior direito - 1989 -

Pintora, gravadora, escultora nascida em Kyoto, Japão e radicada no Brasil desde 1936, país que adotou, inclusive, a cidadania. Fixou-se em São Paulo. Em 1952, iniciou-se em pintura com o artista Keisuke Sugano. No ano seguinte, integrou o Grupo Seibi, do qual participavam Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, Flavio - Shiró, Tadashi Kaminagai , entre outros. A partir dos anos 1970, trabalhou com serigrafia, litogravura e gravura em metal. Dedicou-se também à escultura e realizou algumas delas para espaços públicos. Realizou muitas exposições individuais em todo o Brasil e exterior, além de ter participado de diversas mostras e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1961, 1963, 1965, 1985, 1989, 1996, 1998); Bienal de Veneza, Itália (1972); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973, 1976, 1983, 1986, 1989, 1993). Recebeu, em Brasília, o Prêmio Nacional de Artes Plásticas do Ministério da Cultura - Minc, em 1995 e muitos outros. Em 2000 foi criado o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. MEC, VOL. 3, PÁG. 323; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 690; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 791; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 140; PONTUAL, PÁG. 390; ART PRICE ANNUAL 1990, PÁG. 1464; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 362; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, PÁG. 939; LEONOR AMARANTE, PÁG. 170; WALTER ZANINI, PÁG. 693; ACERVO FIEO.



196 - WALDECI DE DEUS (1952)

Paisagem - óleo sobre tela - 25 x 25 cm - canto inferior direito - 2004 -

Pintora, natural de Boa Nova, Bahia. Veio para São Paulo, com a família, aos quinze anos de idade. Autodidata, começou a pintar no final dos anos 60 e já em 1969 ganhou seu primeiro prêmio ao participar de uma coletiva. Realizou exposições individuais em: São Paulo, Osasco, Santos, Ribeirão Preto, Jaboticabal, Suzano, Salvador - BA e participou de várias coletivas pelo Brasil, Estados Unidos, Alemanha e Itália. www.waldecidedeus.kit.net.



197 - SUETONIO MEDEIROS (1970)

Anjo - desenho a caneta esferográfica - 41 x 29 cm - canto inferior direito -

Alagoano, Suetônio Cícero Medeiros ministra aulas de desenho na Fundação Cultural de Blumenau (FCB). Desenvolve uma linguagem própria independente de escola ou estilo, realizando trabalhos nas mais diversas áreas artísticas, como a pintura, escultura, desenho, restauração, modelagem, maquetaria, fundição e metalgrafia. Suas obras baseiam-se em estudos desenvolvidos acerca de filósofos gregos pitagóricos que defendiam a obtenção da harmonia através da proporção da freqüência, enfatizando a crescente necessidade de se conseguir harmonizar as partes com o todo. Realizou várias exposições coletivas e individuais.https://semanadeartesdafurb.wordpress.com/curriculos/



198 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Caricatura - técnica mista - 32 x 23,5 cm - canto inferior direito - 1959 -
T. A. - No estado.



199 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Bandeirinhas - serigrafia - 36/100 - 49 x 33 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



200 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Peixe - off set - 45 x 28,5 cm - canto inferior direito na matriz - 1963 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



201 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Galo - serigrafia - 15/100 - 47 x 31 cm - canto inferior direito - 1985 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



202 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Ônibus - escultura em folha de flange - 42 x 47 cm - dorso - Tiradentes - MG -
Jorge Luiz. No estado.



203 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Bandeirinhas - serigrafia - 10/100 - 32 x 43 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



204 - ANTONIO PAIM VIEIRA (1895 - 1988)

Composição - cerâmica - d = 29 cm - dorso -

Paulistano, foi ceramista, caricaturista e desenhista. Executou as capas dos livros A Boneca Vestida de Arlequim, de Álvaro Moreira, e Senhora da Melancolia, de Pereira da Silva. Foi um dos fundados da revista Para-Todos, Ariel e Brasil-Social, nas quais colaborou como desenhista e iniciador da nossa cerâmica artística. Citado por Teodoro Braga, Herman Lima, em História da Caricatura no Brasil (1963). MEC, vol. 3, pág. 327; JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 250



205 - JOSÉ ANDRADE (XX)

Onça - escultura em madeira - 11 x 26 x 13 cm - assinado -

Escultor de Prados, MG, com diversas participações em mostras coletivas.



206 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Vendedores de frutas - óleo sobre tela - 12 x 22 cm - canto inferior direito - 1975 -
Gerardo. No estado.



207 - ALEX DOS SANTOS (1980)

"O casamento" - óleo sobre tela - 49 x 69 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 -

Alex Benedito dos Santos nasceu em Jaboticabal, SP, no dia 13 de fevereiro de 1980. Pintor autodidata, fez cursos de escultura com o prof. Silvio Scarpa e xilogravura com o prof. Saulo. Participou de "workshops" com o pintor Sigbert Franklin, em 2001. Tem participado regularmente dos diversos Salões Oficiais nas cidades do interior do Estado, destacando-se: I e II Bienal de Artes e Cultura de Jaboticabal, em 1999 e 2001, Salão de Artes Plásticas de Brodósqui, em 2003, quando foi selecionado para o Mapa Cultural Paulista, Salão de Artes Plásticas de Araraquara, em 2003, Salão de Artes Plásticas de Guarulhos, onde obteve Menção Honrosa, em 2004, Salão de Artes Plásticas de Santos, em 2004, Salão de Artes de Piracicaba, em 2005, Salão de Artes Plásticas de Sales de Oliveira, em 2005, onde obteve Menção Honrosa, Salão de Artes Plásticas de Catanduva, obtendo Menção Honrosa, em 2006. Foi premiado com o 1º lugar nos Salões de Artes de Mococa, em 2003, Sales de Oliveira, em 2003, Araraquara, em 2004 e Piracicaba, em 2006. Expõe individualmente desde 2004. Acervo FIEO. -



208 - DAVID SOBRAL (1930)

"Piteira comprida" - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo - 12/02/2009 -
Com inscrições.

"David Augusto Sobral nasceu em 1930, quando seus pais viajavam para a Europa. Filho de um motorneiro da Light, ele foi registrado em Beira Alta, Portugal, onde viveu seus primeiros cinco anos, mudando para São Paulo, Brasil, sete anos depois. Autodidata, ele aperfeiçoou sua técnica com um artista local, conhecido como Alemão, aprimorando o estilo, que se concentrou na representação gráfica de frases e ditados populares. Essa veia satírica chamou a atenção, por exemplo, do Museu de Arte Naïf, em Figueras, Espanha, que já adquiriu 25 trabalhos do artista. Figuras fantásticas e motivos folclóricos são encontrados em numerosas imagens. Animais que tocam instrumentos musicais com cores bem fortes, por exemplo, são uma constante, assim como imagens próximas ao surrealismo, em sua irreverência e capacidade ilimitada de subverter e surpreender". Oscar D’Ambrosio, jornalista e crítico de arte.



209 - DIRCE PIRES (1930)

Paisagem - óleo sobre tela - 54 x 74 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Nasceu em Tatuí, SP, no dia 24 de abril de 1930, assina suas obras DIRCE PIRES. Pintora ingênua, suas obras tem como tema cenas rurais e aspectos da vida interiorana. Viúva do pintor Walter Lewy. Autodidata, com participações em coletivas, inclusive no exterior JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 771, Acervo FIEO.



210 - ANTOINE VOLLON (1833 - 1900)

Aves - óleo sobre madeira - 47 x 36 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e gravador francês nascido em Lyon e falecido em Paris. Iniciou-se como aprendiz de um gravador, cursou a Escola de Belas Artes de Lyon (1850-1853) onde foi aluno do gravador Vibert e trabalhou como decorador de panelas e fogões. Em 1859 mudou-se para Paris e conviveu com Théodule Ribot, François Bonvin, Daubigny e Daumier. Autodidata como pintor, expôs nas edições do 'Salon' desde 1864. Foi premiado em Lyon (1852 – gravura), em Paris (1865, 1868, 1869, 1878, 1900) e foi oficial da Legião de Honra. Em 1879, Edmond Renoir – irmão do pintor impressionista Pierre-August Renoir, organizou uma exposição retrospectiva de suas obras e por isso foi eleito membro do 'Institute de France' (1894). BENEZIT VOL. 10, PÁG.565; ITAU CULTURAL; www.wildenstein.com; www.nationalgallery.org.uk; www.stephenongpin.com; www.frick.org; www.metmuseum.org; www.artprice.com; www.artnet.com.



211 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)

Dragão - têmpera sobre tela - 44 x 65 cm - canto inferior direito - 1976 -
No estado.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



212 - ANTONIO BENEVENTO (1945)

Composição - aquarela e guache - 34,5 x 48,5 cm - canto inferior direito - 08/1986 -

Nasceu em Nova Friburgo/RJ. Em 1963 estuda com Chlau Deveza na Escola Fluminense de Belas Artes. Realizou diversas exposições coletivas e individuais, recebendo em 1981, o Troféu Mário Pedrosa, concedido pela Associação Internacional de Críticos de Arte, pela melhor exposição individual do ano - Galeria Bonino/RJ. ITAÚ CULTURAL.



213 - PEDRO SABIÁ (1956)

Pássaro - óleo sobre tela - 50 x 50 cm - canto inferior direito - 1995 -
No estado.

Pintor, desenhista e entalhador, Pedro Luiz Sabiá é autodidata, nascido em Jundiaí, SP. Fazia trabalhos em entalhe desde os 12 anos de idade. Iniciou-se na pintura a óleo em 1994. Assina Pedro Sabiá nas pinturas e Sabiá nos entalhes. Participou das mostras coletivas no Centro Cultural Tao Sigulda, Campo Limpo Paulista – SP em 1995 e 1996, entre outras. Dois de seus trabalhos foram capas da lista telefônica de Jundiaí e região em 1996 e 1997, respectivamente. JULIO LOUZADA VOl. 7, PÁG. 620; VOL. 10, PÁG. 777; http://www.portaldeitupeva.com.br/blog-conteudo/566/pedro-sabia-serrazul-itupeva.



214 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Guerreiro - gravura - 10/50 - 48 x 64 cm - canto inferior direito -
No estado.

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



215 - LEVINO FANZERES (1884 - 1956)

Paisagem - óleo sobre madeira - 33 x 41 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor e professor. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios e na antiga ENBA, ambas no Rio de Janeiro, recebendo nesta última, orientação de Zeferino da Costa e de João Batista da Costa. Excepcional colorista, interpreta com sentimento e honestidade o momento da natureza que se propõe a retratar, e sempre com admirável êxito. TEIXEIRA LEITE, pág.190; PONTUAL, pág.201; JULIO LOUZADA vol.2, pág.387; ITAU CULTURAL.



216 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)

"Igreja de Nossa Senhora das Dores" - óleo sobre tela - 30 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 - Paraty - RJ -

Pintor nascido em São Paulo, onde é ativo. Assina Amaral. Foi aluno de Colette Pujol. Tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu: prêmio aquisição no SAPBA (1985); prêmio no SPBA-SP (1988); Menção Honrosa no 38º Salão Livre APBA (1989); Troféu APBA no 19º Salão Paisagem Paulista (1990); Troféu Inocêncio Borghese no 20º Salão Paulista de Artes APBA (1992); 1º lugar no 3o. Salão Artes Plásticas Brasil/Portugal (1995); Grande Medalha de Prata no 1º Salão de Paisagem Brasileira (2000); Pequena Medalha de Ouro no 6º Salão de Desenho (2006); Prêmio APBA no 28º Salão de Paisagem Paulista APBA. JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 39; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



217 - FERNANDO BARROS (XX)

Casario - acrílico sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - São Paulo -

Pintor atuante em São Paulo. Assina Barros. Participou de mostras coletivas e recebeu alguns prêmios e medalhas.



218 - ANTONIO PESSOA (1943)

Rosto - escultura em bronze - 34 x 14 x 05 cm - assinado -

Escultor, assina Tonny. Radicado no Rio de Janeiro detentor de bom curriculo nacional e internacional com inumeras participações em Salões Oficiais,varias vezes premiado. Ótimo mercado.



219 - SANDRO JOSÉ DA SILVA (1965)

"Mercado de flores" - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 2014 -

Pintor autodidata natural de Pernambuco. Cresceu no Rio de Janeiro. Passou a se dedicar profissionalmente à arte a partir dos dezoito anos. Em 1998 mudou-se para Iguaba Grande, Região dos Lagos. Tem participado de várias mostras e Salões oficiais como: ‘Medial 1ª Art Biennial’, Londres (2005 – Prêmio); UNAP, SP (Prêmio); ‘XIII Circuito Internacional de Arte Brasileira’, Polônia – Alemanha - Áustria (2008); ‘International Contemporary Art IV’ (2011), no Museu das Américas – Flórida, EUA e em Santa Fé, Argentina; ‘International Art Fair’ (2012) em Buenos Aires, Argentina.



220 - DARIO MECATTI (1909 - 1976)

Porto - óleo sobre tela - 31 x 40 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Pintor e desenhista nascido em Florença, Itália e falecido em São Paulo, SP. Na Itália recebeu orientação artística de Camillo Innocenti, trabalhou em um banco e pintou cartazes para a sala de cinema de seu primo. Em 1933, mudou-se para a África, onde permaneceu por aproximadamente sete anos viajando pelo norte do continente. Neste período conheceu a Líbia, Ilha de Malta, Tunísia, Turquia, Argélia, Marrocos, além de Portugal e Espanha. Durante a viagem retratou cenas destes países e realizou algumas exposições com o pintor florentino Renzo Gori, com quem residiu por pouco tempo em Paris. Em 1939, conheceu a Ilha de São Miguel, nos Açores e lá encontrou Maria da Paz com quem posteriormente se casou. No ano de 1940, mudou-se para o Brasil, passou pouco tempo no Rio de Janeiro e depois um período em Minas Gerais, onde visitou as cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Mudou-se no final do ano para São Paulo, onde entre 1941 e 1945, trabalhou na Galeria Fiorentina, na Rua Barão de Itapetininga, de propriedade de Malho Benedetti. Em 1945 conheceu Nicolino Bianco que passou a adquirir os quadros do artista para serem expostos na Loja de Móveis Paschoal Bianco. Apresentou-o para clientes e amigos que passaram a encomendar retratos. Neste período entrou em contato com Ezio Barbini, dono da Galeria Internacional que vendeu regularmente suas obras, além de apresenta-lo a um grupo de jovens artistas a quem orientou. Em 1946 construiu na Rua Feliciano Maia a sua casa estúdio, onde realizou exposições individuais anuais, sendo a última no ano de 1976, data de seu falecimento.Também pintou sob os pseudônimos de: Felice, G. Felice, Giordano Felice, Giord, N. Giordane, N. Giordani, Nizza e A. Gelli. TEODORO BRAGA, PÁG. 161/2; MEC, VOL. 3, PÁG. 109; PONTUAL, PÁG. 352; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 72; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 320; ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 611; ACERVO FIEO.



221 - HANSEN BAHIA (1915 - 1978)

Trabalhador - xilogravura - 36 x 27 cm - canto inferior direito -

Gravador, escultor, pintor, ilustrador, poeta, escritor, cineasta e professor, Karl Heinz Hansen nasceu em Hamburgo, Alemanha e faleceu em São Paulo. Serviu como soldado (entre 1936 e 1945) na Segunda Guerra Mundial e atuou como ilustrador de histórias infantis. Autodidata, realizou suas primeiras xilogravuras entre 1946 e 1948. Fixando-se sucessivamente na Itália, Suécia, Inglaterra, emigrou para o Brasil em 1950 residindo de início em São Paulo e a partir de 1955 em Salvador. Ilustrou a publicação 'Flor de São Miguel' (1957), com textos de Jorge Amado, Vinicius de Moraes e de sua autoria; 'Navio Negreiro' (1958), de Castro Alves. Em homenagem à Bahia passou a assinar seus trabalhos como Hansen-Bahia a partir de sua volta à terra natal em 1959. Lá permaneceu até 1963, enquanto trabalhou no ateliê de gravura fundado por ele mesmo no castelo Tittmoning. Viveu na Etiópia (entre 1963 e 1966) onde ajudou a estabelecer a Escola de Belas Artes na cidade de Addis Abeba. Retornou a Salvador e naturalizou-se. Tornou-se professor de artes gráficas da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (1967). Dois anos antes de sua morte, doou em testamento sua produção artística para a cidade de Cachoeira, Bahia, onde foi criada a Fundação Hansen Bahia que recebeu seu acervo artístico de xilogravuras, matrizes, livros, pinturas, prensas e ferramentas de trabalho. Realizou exposições individuais no: Museu de Arte de São Paulo (1950, 1953, 1966); Museu Nacional de Belas Artes, RJ (1952); Museu de Arte Moderna de São Paulo (1954, 1956); Buenos Aires, Argentina (1954, 1955, 1958), entre outras. Participou de muitas mostras coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1961); Salão Nacional de Arte Moderna (1954, 1955). PONTUAL PÁG. 260; MEC VOL. 1, PÁG. 157; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 81; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 720; ARTE NO BRASIL, PÁG. 842; ACERVO FIEO, PÁG. 251; www.hansenbahia.com.br; www.artprice.com.



222 - ERNESTO CAPOBIANCO (1918)

Paisagem - desenho a lápis de cor - 21 x 31 cm - canto inferior direito -

Pintor ativo em São Paulo. Tem como tema paisagens rurais e casas de colonos. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 177, Acervo FIEO.



223 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)

Linhas - técnica mista sobre papel - 20 x 7,5 cm - centro inferior - 1963 -
No estado.

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



224 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Marinha - óleo sobre eucatex - 25,5 x 15 cm - canto inferior esquerdo -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



225 - ÉLON BRASIL (1957)

Índios - técnica mista sobre papel - 49 x 69 cm - canto superior esquerdo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



226 - ANTONIO DEL NIDO Y NAVAS (1893 - XX)

Músico - óleo sobre tela - 46 x 27 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista espanhol com participações em mostras coletivas. www.artprice.com; http://research.frick.org/spanish/browserecord.php?-action=browse&-recid=3648.



227 - CARLOS PRADO (1908 - 1992)

Feira - desenho a nanquim - 21,5 x 30 cm - canto inferior direito - 1937 -
No estado.

Arquiteto, pintor, gravador e ceramista paulistano. Recebeu menção honrosa no SPBA de 1935, participando também na I e II BSP e na exposição de Arte Moderna no Brasil, realizada em Buenos Aires, Rosário, Santiago do Chile e Valparaíso, em 1957. No dizer de TEIXEIRA LEITE, em sua obra A Gravura Brasileira Contemporânea, Carlos Prado utilizava por vezes a gravura como meio expressivo, subordinando-a, porém, a interesses maiores. TEIXEIRA LEITE, pág. 421; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 254. PONTUAL, pág. 438; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582; ARTE NO BRASIL, pág. 781. Acervo FIEO.



228 - OLAF HAJEK (1965)

Punho - giclée - 40 x 29,5 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista alemão nascido em Rendsburg. Após ter se graduado em Design Gráfico na Universidade de Ciências Aplicadas em Dusseldorf, mudou-se para Amsterdam, na Holanda e começou a trabalhar como artista freelancer. Realizou exposições individuais em: Berlim, Alemanha (2012, 2013, 2015); Cidade do Cabo, África do Sul (2013, 2016, 2018); Munique, Alemanha (2016); entre outras em Hamburgo, Alemanha e Atlanta, EUA. olafhajek.com; www.artprice.com.



229 - WILHELM WOLLER (1907 - 1954)

Barcos - desenho a nanquim e aquarela - 31 x 40 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, cenógrafo e diretor de arte alemão nascido em Gummersbach, Rhineland, Alemanha e falecido em Nova York, EUA. Estudou na "Arts and Craft School" em Bielefeld, Wesphalia, nas Academias de Belas Artes de Dresden e de Berlim, mas, a sua única exposição individual na Alemanha (Berlim - 1935) foi fechada pela Gestapo 20 minutos após a inauguração, pois, sua arte foi qualificada como arte degenerada. Viveu no Rio de Janeiro (1939 - 1945) como refugiado de guerra, pintando e trabalhando como diretor de uma companhia cinematográfica. Seu quadro "Namoro Sentimental", exposto na Galeria Askanazy, RJ, na Exposição de Arte Condenada pelo III Reich (1945) foi rasgado por três jovens. Viajou pelo Amazonas (1947). Mudou - se para Nova York (1949) onde atuou como cenógrafo de televisão. Depois viajou pela Europa (1954) e retornou aos EUA. Foi incorporado ao grupo artístico surgido na Alemanha conhecido como "Die Brücke" (A Ponte). www.wilhelmwoller.com; berlimvisitaspersonalizadas.com; www.artprice.com.



230 - GUILHERME DE FARIA (1942)

Paisagem visionária - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - canto inferior direito e dorso - 2014 -

Pintor, gravador, desenhista e poeta, Guilherme Caiuby de Faria nasceu em São Paulo. Teve formação autodidata. Iniciou carreira artística em 1962, dedicando-se à produção de desenhos, gravuras e pinturas. Realizou viagem ao interior da Bahia e de Pernambuco, entrando em contato com artistas populares (por volta de 1970). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1964, 1966, 1967, 1971, 1974, 1984, 1996, 1997, 2010); Toronto, Canadá (1975); Assunção, Paraguai (1976); Porto Alegre, RS (1978); Ribeirão Preto, SP (1980); Marília, SP (1980); Munique, Alemanha (1983); Quito, Equador (1986); Penápolis, SP (1987); entre outras. Participou de mostras coletivas e oficiais como: I Exposição do Jovem Desenho Nacional, MAC – SP (1965); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1971, 1974, 1977, 1980); Bienal Internacional de São Paulo (1967); I Bienal Latino-Americana, SP (1978); "25 Contemporary Brazilian Artists", Tóquio – Japão (1979); Bienal Internacional de Artes Gráficas, Liubliana – Eslovênia (1989). A partir de 2001 passou a compor cordéis de cunho sertanejo, publicando-os em folhetos ilustrados com xilogravuras de sua autoria. Iniciou carreira de cordelista e declamador em São Paulo, dedicando-se também à divulgação de contos e poemas atribuídos à escritora Alma Welt. MEC VOL.2, PÁG. 142; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 371; VOL. 13, PÁG. 126; PONTUAL PÁG. 202; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; biografias.netsaber.com.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



231 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)

Paisagem - serigrafia - 72/100 - 36 x 47 cm - canto inferior direito - 1971 -

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



232 - NELSON ALQUEZARE ROMÁN (1941)

Casal - técnica mista sobre papel - 22 x 14,5 cm - canto inferior direito - 1985 -
Com dedicatória.

Nasceu em São Paulo-SP, (15/9/1941). Expõe desde 1965. Fez viagens ao exterior para aperfeiçoamento (1988 - Espanha; 1993 - América do Sul; 1994 - USA e 1995 - Europa). Expôs individualmente em 2002, no Centro Cultural Brasil-Espanha, em Brasilia. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 51



233 - DIONISIO DEL SANTO (1925 - 1999)

Figura - guache - 17 x 13 cm - canto inferior direito - 1978 -

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



234 - PIETRINA CHECCACCI (1941)

Mulher e borboleta - serigrafia - P.A. - 11 x 11 cm - canto inferior direito - 1989 -

Nasceu em Taranto, Itália. Pintora e desenhista. Vindo para o Brasil em 1954, fixou-se no Rio de Janeiro. Formou-se no curso de pintura da antiga ENBA em 1964. Apresentando seus trabalhos desde 1961, participou, entre outras mostras coletivas, dos XII, XIII, XIV, XV, XVII, XVIII SNAM (entre 1963 e 1969), Exposição Geral de Belas Artes do IV Centenário (GB, 1965), Prêmio Homenagem a Dante (Piccola Galeria, GB, 1965) I e II SEAJ (1965 e 1968), I Salão de Abril (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1966), XXIV Spar. BA (1967 / segundo prêmio de pintura) e XXII e XXIII SMBABH (1967 e 1968). Expôs individualmente no Instituto de Belas Artes (GB, 1961), nas galerias Varanda (GB, 1966), Grupiara (Belo Horizonte, 1966), Celina (Juiz de Fora, 1966), Concivivium (Salvador, 1967), da Cultura Francesa (Porto Alegre, 1968) e Atelier de Arte (Belo Horizonte, 1969), bem como na Petite Galerie (GB, 1968), apresentando nesta última seus estandartes. PONTUAL, pág. 133; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 203; MEC, vol. 1, pág. 435; WALTER ZANINI, pág. 740; ITAÚ CULTURAL. Acervo FIEO.



235 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA (1909 - 1996)

Boiada - óleo sobre tela - 33 x 46 cm - canto inferior direito e dorso - 1980 -

Pintor, desenhista, escritor, escultor, repentista nascido em Sales de Oliveira, SP e falecido em São Paulo. Trabalhador rural, de pouca formação escolar, foi autodidata. Em 1931, mudou-se para São José do Rio Preto, SP. Participou da exposição de inauguração da Casa de Cultura da cidade (1946), quando suas pinturas chamaram atenção dos críticos Lourival Gomes Machado, Paulo Mendes de Almeida e do filósofo João Cruz e Costa. Dois anos depois, realizou mostra individual na Galeria Domus, SP. Nessa ocasião Pietro Maria Bardi, diretor do MASP, adquiriu seus quadros e depositou parte deles no acervo do museu. O MAM, SP editou seu primeiro livro, ‘Romance de Minha Vida’ (1949). Na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951), recebeu prêmio aquisição do ‘Museum of Modern Art’ (MoMA) de Nova York. Em 1966, o artista criou o Museu Municipal de Arte Contemporânea de São José do Rio Preto e gravou dois LPs, ambos chamados ‘Registro do Folclore Mais Autêntico do Brasil’, com composições de sua autoria. No mesmo ano, ganhou Sala Especial na 33ª Bienal de Veneza. Publicou ainda os livros ‘Maria Clara’ (1970), ‘Alice’ (1972); ‘Sou Pintor, Sou Poeta’ (1982); e ‘Fazenda da Boa Esperança’ (1987). Transferiu-se de São José do Rio Preto para São Paulo, em 1973. Em 1980, foi fundado o Museu de Arte Primitivista José Antônio da Silva (MAP), em São José do Rio Preto, com obras do artista e peças do antigo Museu Municipal de Arte Contemporânea. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de muitos certames oficiais pelo Brasil e exterior recebendo muitos prêmios. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



236 - ODETTO GUERSONI (1924 - 2007)

"Modular XXII" - xilogravura - 1/1 - 69 x 44,5 cm - canto inferior direito - 1993 -
No estado.

Nasceu em Jaboticabal-SP, e faleceu na cidade de São Paulo, onde residia e era ativo. Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e escultor. Estudou pintura e artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo - Laosp, entre 1941 e 1945. Nesse período, expôs no Sindicato dos Artistas Plásticos e freqüentava o círculo de artistas do Grupo Santa Helena. Em 1947, participa da exposição 19 Pintores, na Galeria Prestes Maia, e é contemplado com uma bolsa de estudo pelo governo francês, no mesmo ano viaja para Paris, onde inicia trabalhos em gravura. Em 1951 fundou a Oficina de Arte, em São Paulo. Estudou gravura com René Cottet, em Genebra e, em Paris, trabalhou no ateliê de Stanley Hayter. A partir de 1960, freqüenta, como estagiário, algumas escolas de arte nos Estados Unidos e no Japão como a The New York School of Printing e a Osaka University, respectivamente. Em 1971, também no Japão, freqüentou o ateliê de I. Jokuriti. Dois anos mais tarde, foi eleito melhor gravador do ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA. Em 1983, participou, com sala especial, da Bienal Ibero-Americana de Montevidéu. Em 1994, a Pinacoteca do Estado de São Paulo realizou uma retrospectiva da obra do artista; , mostra que voltou a acontecer em 2007 sobre a sua obra gráfica, na Estação Pinacoteca-SP, no mesmo ano da morte do autor, que ainda a assistiu em vida. JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 452; MEC, vol,2, pág, 303; TEIXEIRA LEITE, pág,236; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 645; ARTE NO BRASIL, pág. 803; LEONOR AMARANTE, pág. 146, Acervo FIEO.



237 - EUGÊNIO DE PROENÇA SIGAUD (1889 - 1979)

"Operários carregando cimento" - óleo sobre cartão colado em madeira - 21 x 27 cm - canto inferior esquerdo -

Estudou desenho na Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro com Modesto Brocos, formando-se em arquitetura em 1932, nessa mesma escola. A partir de 1935, dedicou-se à pintura mural e, de 1937, à pintura de temas sociais, com predominância de motivos de operários em construção e trabalhadores rurais. Caracteriza-se por uma grande versatilidade técnica, sendo dos raros pintores brasileiros a utilizar, lado a lado, o óleo, a têmpera e a encáustica, além da aquarela e do guache. Participou do Núcleo Bernardelli. PONTUAL, pág. 489; MEC, vol. 4, pág. 243; TEIXEIRA LEITE, pág. 475 e 476; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 324 a 327; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL, pág. 763, Acervo FIEO.



238 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Carranca - escultura em madeira - 48 x 16 x 16 cm - não assinado -



239 - NANDO RIBEIRO (1963)

Caçando passarinho - óleo sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 2019 -

Cearense de Pires Ferreira, onde nasceu em 30/3/1963. Segundo Milton Teixeira, "...Os valores artísticos, inerentes no jovem (...) recriaram a terra craquelenta em colheitas e as figuras sedentas e as substituiram por jovens saciados de olhares passivos, próprios dos que não anseiam mudança alguma. A onirilidade de Nando Ribeiro traz para a tela seu mundo recriado, grandemente influenciado pelos mestres brasileiros, como Di Cavalcanti e Portinari." Coletivas a partir de 1983 em São Paulo e no exterior, com sucesso de crítica. JULIO LOUZADA, vol 8 - pág 698



240 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

Figura - guache - 18,5 x 15 cm - canto inferior direito -
Ex-coleção Zito Saback - Rio de Janeiro - RJ.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



241 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Os acrobatas" - serigrafia - 103/180 - 69 x 93,5 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze galerias em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



242 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - desenho a nanquim - 48 x 69 cm - canto inferior direito - 1985 -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



243 - LAURENT JOUBERT (1952)

Figuras - aquarela e crayon sobre papel - 49 x 62 cm - dorso - 1984 -
Com inscrições e etiqueta de Yvon Lambert - Paris, no dorso. No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista francês nascido em Narbonne. Realizou exposições individuais em: Paris (1982, 1983, 1986, 1989, 1996); Basiléia, Suíça (1987); Praga, República Tcheca (1988); Quimper, França (1992); Coulommiers, França (1994). Participou de diversas mostras coletivas e oficiais, destacando-se: "Musée des Beaux-Arts", Tours (1984); "Salon de Montrouge" (1984, 1985, 1986); Galeria Yvon Lambert, Paris (1985); Fundação Cartier, Paris (1986); ARC - "Musée d'Art Moderne de la Ville" de Paris (1986); "Les Éléphants Sont Parmi Nous", Château-Musée de Dieppe (1987); "Salon des Indépendants" (1988); "La Peinture au Quotidien. France 1984-1988", exposição itinerante pela América Latina; "Les Années quatre-vingt", Fundação Cartier, Jouy-en-Josas (1989); I Bienal de Arte Contemporânea de Johanesburgo (1995). BENEZIT; www.artprice.com.



244 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Figuras - desenho a nanquim, aquarela e guache - 21 x 15 cm - canto inferior esquerdo - 15/06/1972 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



245 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Vaso de flores e gato" - lápis e acrílica sobre papel - 20,5 x 25 cm - canto inferior direito - 1998 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



246 - RENATO LAFFRANCHI (1923 - 2019)

"Ecce Agnus" - óleo e têmpera sobre madeira - 80 x 70 cm - canto inferior direito e dorso - Novembro de 1963 -
Com etiqueta do ateliê do autor, no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e sacerdote italiano nascido em Mântua e falecido em Brescia onde foi ordenado sacerdote em 1946. Ficou dois anos na cidade e sete anos em Pisogne onde começou a pintar. Voltou para Brescia. No ateliê da casa ao lado da basílica, mantinha obras de arte e livros, dedicando-se à pintura. Suas obras adornam as igrejas de toda a província. Participou de exposições em Londres, Brasil, Argentina, Canadá, Estados Unidos e Itália. A última exposição, em Brescia (2016), foi inspirada nos escritos de São Tomás para a liturgia de Corpus Domini com obras expostas no Museu Diocesano e depois doadas à paróquia de "San Nazaro", foi idealizada como tributo por ocasião de seu septuagésimo sacerdócio. www.renatolaffranchi.it; www.giornaledibrescia.it/brescia-e-hinterland/sacerdote-e-artista-è-morto-nella-notte-don-renato-laffranchi-1.3332646; www.artprice.com.



247 - BONAVENTURA CARIOLATO (1894 - 1989)

Paisagem - óleo sobre cartão - 30 x 40 cm - canto inferior direito -
No estado.

Radicado em São Paulo, este excelente pintor participou ativamente de salões oficiais e de outros realizados periodicamentre, obtendo prêmios significativos no SPBA (menção honrosa em 1934 e medalha de bronze, em 1941). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 211



248 - HEINZ KÜHN (1908 - 1987)

Composição - técnica mista sobre papel - 34 x 49 cm - canto inferior direito - 1960 -

Pintor nascido em Berlim, Alemanha, e falecido em São Paulo. Iniciou seus estudos em sua terra natal, expondo obras na Alemanha e na França. Transferiu-se para o Brasil em 1950, fixando residência em São Paulo. Realizou exposições individuais em São Paulo (1952, 1956 - MAM, 1959 a 1962). Participou de mostras e Salões oficiais, entre eles: II, III e VIII da Bienal Internacional de São Paulo; II, IX, X e XIV Salão Paulista de Arte Moderna onde conquistou a Medalha de Prata (1952), o Prêmio Aquisição (1955) e a Medalha de Ouro (1965); XVIII Salão Municipal de Belo Horizonte; I Concurso Nacional de Joias - Prêmio de Viagem a Brasília. MEC VOL. 2, PÁG. 430; PONTUAL PÁG. 295; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 688; www.artprice.com.



249 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Mulher - técnica mista sobre papel - 19 x 15 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



250 - YOSHIYA TAKAOKA (1909 - 1978)

Menina - óleo sobre tela - 35 x 27 cm - canto superior esquerdo - 1967 -

Pintor, desenhista, caricaturista e cenógrafo nascido em Tóquio, Japão e falecido em São Paulo, SP. Aprendeu pintura com Shin Kurihara, em Tóquio (entre 1921 e 1925). Veio com a família para o Brasil (1925) para trabalhar na lavoura de café. Atuou como pintor de paredes e caricaturista. Em São Paulo (1926 a 1929) cursou a Escola Profissional Masculina do Brás e frequentou o Grupo Santa Helena (a partir de 1931). Transferiu-se para o Rio de Janeiro (1934) onde aperfeiçoou sua pintura com Bruno Lechowski e na Escola Nacional de Belas Artes. Integrou o Núcleo Bernardelli ao lado de José Pancetti, Edson Motta e Milton Dacosta, entre outros. Fez parte (1935) do Grupo Seibi, SP. Formou (1948) o Grupo 15 ou "do Jacaré" com Tomoo Handa, Tamaki, Flavio-Shiró, Antônio Carelli, Geraldo de Barros e outros. Integrou (1950 a 1959) o Grupo Guanabara, SP. Viveu em Paris (entre 1952 e 1954) onde frequentou a "Académie de la Grande Chaumière" e estudou mosaico com Gino Severini, no curso Leonardo da Vinci. Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1936, 1937); Curitiba, PR (1948); São Paulo (1948) e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1951 e 1959); da 1ª Bienal de Tóquio (1953); Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); várias edições do Salão Paulista de Belas Artes, SP. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1938); no Salão Paulista de Belas Artes, SP (1946, 1957, 1958, 1959, 1960, 1961, 1964, 1968). O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand fez mostra em sua homenagem em 1955 e 1980. PONTUAL PÁG. 510; TEIXEIRA LEITE PÁG. 490; MEC VOL. 4, PÁG. 352; TEODORO BRAGA PÁG. 220; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 361; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 954; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com.



251 - CLAUDIO TOZZI (1944)

Cidade - serigrafia - P.A. - 41,5 x 61,5 cm - canto inferior direito -

Pintor, arquiteto e gravador, Claudio José Tozzi nasceu em São Paulo. É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Realizou diversas exposições individuais. Participou, entre várias mostras e Salões oficiais, da Bienal Internacional de São Paulo em 1967, 1969, 1977, 1985, 1989, 1991; do Panorama da Arte Atual Brasileira em 1971, 1973, 1976, 1977, 1979, 1980, 1983; da Bienal de Veneza em 1976; da Bienal de Paris em 1980. Criou painéis para espaços públicos de São Paulo, como: ‘Zebra’, colocado na lateral de um prédio da Praça da República; na Estação Sé do Metrô, em 1979; na Estação Barra Funda do Metrô, em 1989; no edifício da Cultura Inglesa, em 1995 e, no Rio de Janeiro, na Estação Maracanã do Metrô Rio, em 1998. WALMIR AYALA VOL.2, PÁG.388; PONTUAL PÁG.525; TEIXEIRA LEITE PÁG. 512; ARTE NO BRASIL VOL.2, PÁG.1059; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 740; LEONOR AMARANTE PÁG. 170; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 992; www.eca.usp.br; www.pinacoteca.org.br.



252 - TÉIA DE SOUSAS (1945)

"Bar do Maneco" - óleo sobre tela - 60 x 37 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintora primitiva ativa no Estado de São Paulo. Suas obras nos trazem belas cenas do cotidiano das pessoas no campo. Suas cores são bem dosadas e a composição agrada aos olhos, pois traz harmonia e tranquilidade. A artista expõe regularmente, com sucesso de público e vendas.



253 - JOÃO DA PAZ (XX)

Composição - óleo sobre eucatex - 50 x 65 cm - canto inferior direito e dorso - 1986 - Bahia -

Pintor e desenhista baiano com participações em mostras coletivas.



254 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

"Louis XVI" - múltiplo em bronze - 16 x 08 x 08 cm - não assinado -



255 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

"A noite" - xilogravura - P.A. V/VII - 15,5 x 23 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade de "Renot Escritório de Prestação de Serviços para o Mercado de Arte", datado de 12 de maio de 2008, São Paulo - SP. No estado.

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



256 - PIETRO SCOPPETTA (1863 - 1920)

Jovem - óleo sobre madeira - 40 x 40 cm - canto superior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador italiano nascido em Amalfi e falecido em Nápoles. Foi aluno de Giacomo Di Chirico; estudou em Roma, Paris e Londres. Como ilustrador, trabalhou para Treves ("Illustrazione Italiana"). digilander.libero.it/trombealvento/vari/scopetta.htm; www.artprice.com.



257 - JOSÉ DE DOME (1921 - 1982)

Paisagem - pastel - 47,5 x 32 cm - canto superior direito - Cabo Frio - RJ -
No estado.

Pintor e desenhista, José Antonio dos Santos nasceu em Estância, SE. Assina José de Dome. Autodidata, residiu por vinte e dois anos em Salvador - BA onde recebeu orientações de Jenner Augusto, Mário Cravo, Carlos Bastos, Carybé, Mirabeau e, no Rio de Janeiro, firmou-se como pintor (década de 60). Pouco depois se instalou em Cabo Frio, RJ. Realizou exposições individuais em: Salvador, BA (1955, 1956, 1958, 1964); Rio de Janeiro (1961, 1964 a 1968, 1972); Lima, Peru (1966); São Paulo (1969); Londres (1971). Participou também de muitas mostras coletivas e oficiais. MEC VOL. 2, PÁG. 60; PONTUAL, pág. 183; JULIO LOUZADA, VOL. 1; PÁG. 339; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



258 - LUIZ VENTURA (1930)

"São Jorge" - óleo sobre tela - 30 x 30 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista e gravador, com várias exposições individuais e participação em coletivas no Brasil e no exterior. Aperfeiçoa seus estudos na Europa e Oriente. Dá aulas de gravura em madeira na Universidade Católica no Chile. Publica em Honduras, o seu "Manual de Grabado em Madera, Técnicas Occidental y Oriental". ITAÚ CULTURAL.



259 - MARTINS DE PORANGABA (1944)

Composição - técnica mista sobre papel - 23,5 x 33,5 cm - canto inferior esquerdo - 1990 -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e professor, José Carlos de Porangaba Martins nasceu em Porangaba, SP. Assina José Carlos Martins, J. Martins, Porangaba e Martins de Porangaba. Fixou residência em São Paulo e cursou desenho, pintura e modelo vivo na Associação Paulista de Belas Artes, entre 1967 e 1970. Na década de 70 estudou gravura com Paulo Mentem e modelagem com Olinda Dalma. Fundou o Atelier J. Martins em 1972. Em 1980, lecionou pintura na Escola Panamericana de Artes. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1976, 1979, 1981, 1982 – MAC, 1984, 1987, 1990, 1991, 1994, 2000); Santo André, SP (1980, 1981); Guarujá, SP (1982); Rio de Janeiro (1982); Washington, EUA (1983); Brasília, DF (1988). Tem participado de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, recebendo vários prêmios em: São Paulo (1979, 1980, 1982); Piracicaba, SP (1981); Embu, SP (1981); Marília, SP (1981); Rio Claro, SP (1982); Santo André, SP (1983, 1984); Rio de Janeiro (1985) ; Lisboa, Portugal (1985); Tampa, EUA (1986); Nice, França (1987). JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 828; VOL. 4, PÁG. 903; VOL. 6, PÁG. 901; VOL. 9, PÁG. 692; VOL. 13, PÁG. 269; ITAU CULTURAL; www.artprice.com; mporangaba.com.



260 - SANTE SCALDAFERRI (1928)

"Romeiros em Procissão" - óleo sobre tela - 73 x 92 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1966 -
No estado.

Natural de Salvador, BA, este importante pintor brasileiro estudou na Escola de Belas Artes da Universidade da Bahia, onde realizou sua primeira exposição individual, em 1957. Foi um dos fundadores da Organização Nacional dos Estudantes de Arte, em 1953. Participou de diversos salões oficiais com premiações e expôs individualmente, nas galeria Domus (Salvador), Goeldi (RJ), Atrium (SP), etc. A seu respeito disse Paulo Gil, em 1965: "... optou pela documentação de aspectos da cultura popular brasileira, mas conferindo-lhe um tratamento erudito (...) é um pintor de ateliê que buscou nas manifestações do povo da Bahia, na sua própria cultura baiana, a magia que marca seus quadros". PONTUAL, pág. 477; JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 1010; Acervo FIEO.



261 - DARCY PENTEADO (1926 - 1987)

"A dama do pássaro" - gravura - 18/20 - 53,5 x 40 cm - canto inferior direito - 1982 -

Desenhista, pintor, cenógrafo, figurinista e escritor nascido e falecido em São Roque, SP. Após os 10 anos mudou-se para São Paulo para concluir seus estudos. Distinguiu-se pelos desenhos que realizou que o levou a trabalhar em agências de publicidade, de desenho industrial e como figurinista de magazines. Iniciou, como autodidata, a cenografia para teatro e televisão, além da literatura (1944) e começou a expor, como artista plástico, em 1949. Passou a integrar em São Paulo o Grupo Novíssimos (1948). Desde 1955 vinha participando na televisão, como diretor de arte. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1954 e 1956 – MAM, 1961, 1963, 1981, 1983); Rio de Janeiro (1956, 1959); Recife, PE (1983); Pelotas, RS (1984). Viajou por diversas vezes à Europa onde morou por sete anos e também expôs individualmente em: Hamburgo, Alemanha (1964); Roma, Itália (1965, 1967); Paris, França (1966). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1953, 1955, 1963, 1965, 1967, 1973, 1985, 1986); Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1960, 1961); Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP (1959, 1962); Bienal de Paris (1961); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1973, 1974). Recebeu a Medalha de Prata no SPAM (1961); Prêmio Governador do Estado (1954) como cenógrafo; o Prêmio Jabuti (1962) como ilustrador; Menção Honrosa (1977) da Revista Status como contista. MEC VOL. 3, PÁG. 365; PONTUAL PÁG. 416; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 747; VOL. 3, PÁG. 874; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG 183; TEIXEIRA LEITE PÁG 401; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 717; LEONOR AMARANTE PÁG. 75; www.artprice.com.



262 - BETO (1971)

Luiz Gonzaga - escultura em madeira - 25 x 12 x 08 cm - assinado -

Escultor cearense, Adalberto Soares da Silva começou a talhar suas primeiras esculturas na madeira (1985) e já era conhecido pelo apelido que mais tarde seria sua marca registrada: Beto. Cícero Isídio, seu irmão mais velho, era ligado à Associação de Artesãos do Padre Cícero e, sempre que podia, dava algumas peças para ele fazer, enquanto o ajudava a desenvolver suas habilidades de artesão até ser aceito no Centro de Cultura Mestre Noza, em Juazeiro do Norte – CE. http://caririrevista.com.br/em-cada-quintal-uma-oficina/.



263 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - dorso -

Pintora nascida em Maringá, PR, Iniciou sua carreira artística em 1983. Desde 2000, dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte, expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil. http://www.klockner-art.com; www.artprice.com.



264 - CÍCERO MONTEIRO (1939)

Paisagem - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito - 1979 -

Alagoano de União dos Palmares, aos dezoito anos foi para o Recife-PE, ingressando na Marinha. Radicou-se em São Paulo, onde produziu intensamente, sendo considerado por Ciccilio Matarazzo, famoso mecenas, um dos mais importantes e originais pintores primitivos brasileiros. JULIO LOUZADA vol.3, pág. 754; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



265 - NIOBE XANDÓ (1915 - 2010)

Composição - técnica mista sobre papel - 17,5 x 49 cm - canto inferior direito -
Registrado sob o número NXO/100/0503 do acervo da família da artista.

Pintora e desenhista natural de Campos Novos Paulista-SP. Foi ativa em São Paulo-SP. Autodidata, freqüentou o ateliê de Raphael Galvez a partir de 1946. Dentre as várias fases de sua obra merecem destaque as Flores Fantásticas, as Máscaras de origens africana e indígena, O Letrismo, o Mecanicismo e o Abstracionismo Geométrico. Participou de várias Bienais Nacionais e recebeu mais de 20 prêmios em Salões de Arte. Participou de mais de 100 exposições nacionais e internacionais e mereceu mais de 100 textos de críticos renomados. Em 2004 teve uma grande mostra antológica no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). Em 2007 teve uma exposição retrospectiva fantástica e merecida na Pinacoteca do Estado de São Paulo. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 435; PONTUAL, pág. 554; WALTER ZANINI, pág. 717; Acervo FIEO; TEIXEIRA LEITE; BENÉZIT; BARDI, Pietro Maria. Profile of the New Brazilian Art. São Paulo. 1970; SCHENBERG, Mário. Pensando a Arte. São Paulo. 1988. Acervo FIEO.



266 - MORIYO KOJIMA (1936)

"Espera" - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 2002 - Mauá - SP -

Pintora nascida em Mirandópolis, SP. Em 1945 mudou-se para Itaquera e depois para Mauá. Tem participado de inúmeras exposições, destacando-se as de: Mauá, SP (2001 e 2002 – Salão de Arte; 2015 – 'Mulheres em Diálogo'; 2016 – Pintores residentes de Mauá); São Paulo (2003 – 3º Salão Figurativo de Bunkyo); Poá, SP (2007 – 2º Salão de Arte); Mogi das Cruzes, SP (2008 – '100 anos da Imigração Japonesa no Brasil'); Embu, SP (2010 – 'Homenagem à Imigração Japonesa', 2014, 2015). Foi premiada em: Poá, SP (2007); Mauá (2015).



267 - J. CARLOS (1884 - 1950)

"Engano" - desenho a nanquim e aquarela - 14,5 x 20 cm - não assinado -
Com diversas inscrições.

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



268 - MENASE VAIDERGORN (1927)

Feira - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



269 - MIGUEL GARCÍA VIVANCOS (1895 - 1972)

"Une noce au village" - óleo sobre tela - 60 x 81 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 07/06/1960 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista espanhol nascido em Mazarrón, Múrcia e falecido em Córdoba. Foi mecânico, relojoeiro, estivador, pintor de casas em Cartagena e Barcelona. Durante a Guerra Civil Espanhola, alistou-se no lado republicano. Foi para a França (1939) e foi ativo na Resistência Francesa durante a Segunda Guerra Mundial. Na Libertação da França (1944), mudou-se para Paris, onde começou a pintar lenços de seda para viver. Começou a pensar em seus próprios projetos e logo estava pintando o primeiro de seus próprios trabalhos. Picasso foi seu primeiro comprador e encorajou-o a ouvir sua inspiração. Sua primeira exposição individual foi idealizada por André Breton, em Paris (1950). Realizou outras exposições: em Londres (1951 e 1952); Paris (1956); Museu de Limoges e em outras cidades do interior. Ilustrou "The Good-for-nothing" de Marcel Aymé, Le Vaurien (1960). BENEZIT; www.artprice.com.



270 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Composição - técnica mista sobre cartão - 18,8 x 29,7 cm - não assinado - Década de 1960 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Certificado de Autenticidade nº IAB-1029 do Instituto Antonio Bandeira.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



271 - DAREL VALENÇA LINS (1924 - 2017)

Figura - litografia - 8/100 - 47 x 33 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



272 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Tenista - múltiplo em bronze - 19 x 19 x 06 cm - assinatura ilegível -



273 - ROMILDO DE ANDRADE (XX)

Divina trindade - entalhe em madeira - 83 x 37 cm - centro inferior -

Entalhador e pintor pernambucano, descendente de uma família de artistas. Morou em Salvador, BA e no Rio de Janeiro. Tem participado de diversas mostras coletivas pelo Brasil. www.jornaldebrasilia.com.br; www.youtube.com/watch?v=wCUfXCkACNg.



274 - INGRES SPELTRI (1940)

"Tensão dinâmica" - óleo sobre mdf - 100 x 100 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



275 - LOUCO - BOAVENTURA DA SILVA FILHO (1932 - 1992)

O profeta - escultura em madeira - 118 x 21 x 23 cm - assinado - 11/02/1977 -

O autor, conhecido como Louco, é natural de Cachoeira, histórica cidade baiana, às margens do rio Paraguaçu. Foi aí que começou seu trabalho. Pouco a pouco suas esculturas tornaram-se amplamente conhecidas, garantindo, para Boaventura, um lugar de destaque entre os artistas populares brasileiros. A partir do reconhecimento de sua obra, participou de exposições significativas como a mostra do Centro Domus, em Milão, Itália; o Espírito Criador do Povo Brasileiro, através da coleção de Abelardo Rodrigues, e Sete Brasileiros e seu Universo, em Brasília. É dele a seguinte explicação para o seu novo nome: "É porque sou louco pra trabalhar! Fui o primeiro artista da cidade. Trabalho com inspiração e amor. Às vezes me afasto de tudo - vou pro mato, fico lá sozinho, sem zuada, só com o meu radinho e os troncos de madeira, despreocupado, longe da mulher, dos dez filhos, dos fregueses. eles conversam muito e atrapalham. E a mulher quer muita coisa, Mulher é como criança, nada chega." (texto extraído do livro O Reinado da Lua - Escultores Populares do Nordeste, de Silvia Rodrigues Coimbra, Flávia Martins e Maria Letícia Duarte - Ed. Salamandra, 1980, págs. 112, 113 e 114).



276 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - pastel - 16 x 22 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



277 - JOSÉ BARBOSA (1948)

Praça - óleo sobre eucatex - 70 x 63 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1973 -

Pernambucano de Olinda, onde nasceu em agosto de 1948. Pintor, desenhista, entalhador, escultor, ilustrador e gravador. Filho de marceneiro, iniciou sua carreira em 1963, como escultor-talhador, incentivado pelo pintor Adão Pinheiro. Integrou e organizou o movimento de Arte Ribeira, que tinha a participação dos artistas João Câmara, Vicente do Rego Monteiro e Guita Charifker - movimento dissolvido pouco tempo depois pela repressão militar. No Rio de Janeiro envolveu-se com a elite artística carioca, participando do progresso da vanguarda com suas talhas e gravuras em metal com imagerns exuberantes inspiradas na sua terra natal. Residiu na Alemanha, expondo seus trabalhos na França, Alemanha, Suiça e Inglaterra. Individuais a partir de 1964 e coletivas desde 1965. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 36; ITAU CULTURAL.



278 - REMBRANDT VAN RIJN (1606 - 1669)

"The Omval" - fac-símile - 20 x 23,5 cm - não assinado -
A gravura original deste fác.símile está reproduzida no livro: Rembrandt's Landscapes. Drawings and Prints, página 196/197. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador da Escola Holandesa, Rembrandt Harmenszoon van Rijn nasceu em Leiden e faleceu em Amsterdam. Aos quatorze anos entrou para a Universidade de Leiden e como não lhe interessou o programa, foi estudar arte com o mestre local Jacob van Swanenburch (de 1620 a 1623) e, em Amsterdam, com Pieter Lastman (1624). Em Leiden ainda, trabalhou com o gravador Jan van Vliet - suas primeiras gravuras datadas indicam o ano de 1626 - e começou a ensinar pintura. Seu primeiro aluno foi Gerrit Dou. Mudou-se para Amsterdam (1631), casou-se (1634) e rapidamente se estabeleceu como o principal retratista da cidade – cerca de cinquenta obras datadas de 1632 ou 1633, a maioria é constituída de retratos, além de continuar dando aulas em seu estúdio. Trabalhou suas gravuras, durante a década de 1640, na 'Hundred Guilder Print'. A mais importante encomenda que recebeu na década de 1630 veio do príncipe Frederico Henrique de Orange, consistindo em cinco pinturas de cenas da Paixão. Embora os retratos e cenas religiosas constituam a maior parte de sua obra, ele fez contribuições originais a outros gêneros incluindo a natureza-morta. Na década de 1640 desenvolveu também um interesse pela paisagem; sugeriu-se que, nesse período, ele tenha passado mais tempo no campo para fugir de seus problemas domésticos. É considerado universalmente como o maior água-fortista de todos os tempos e seus desenhos normalmente concebidos como obras independentes e não, como estudos para as pinturas. BENEZIT; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE; REMBRANDT E ARTE DA GRAVURA – catálogo da exposição realizada no Centro Cultural Banco do Brasil, SP em 2002; www.rembrandtpainting.net; www.rijksmuseum.nl; www.metmuseum.org; www.holland.com; www.biography.com; www.metmuseum.org; www.britannica.com; www.nationalgallery.org.uk; www.artprice.com;



279 - LUIZ BORIM (XX)

Paisagem - óleo sobre tela - 27 x 41 cm - canto inferior direito - 1985 -
No estado.

Pintor e desenhista com participações em mostras coletivas. JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 147.



280 - FRANCISCO BRENNAND (1927)

Painel - cerâmica - 50 x 50 cm - centro inferior -
Com marca da Oficina Cerâmica Francisco Brennand.

Pintor e ceramista. Estudou com André Lhote e Fernand Léger, em Paris. Participou de importantes bienais e salões, nacionais e internacionais. Realizou individuais de pintura e cerâmica no MAM-SP em 1960 e outras importantes salas de arte. Executou trabalhos murais em edifícios públicos e particulares no Recife e no estrangeiro. Suassuna considerou a sua pintura "bela, forte e brasileira". Brennand é referência mundial como artista puramente brasileiro. JULIO LOUZADA, VOL, 10, pág 141. PONTUAL, pág, 88. MEC, VOL , 1, pág, 294; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 879. Acervo FIEO. -



281 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - serigrafia - 60 x 40 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



282 - FILIP PAPST (1915)

Paisagem nevada - óleo sobre tela - 70 x 100 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista romeno com várias participações em mostras coletivas. www.artprice.com; www.artnet.com.



283 - SAUL STEINBERG (1914 - 1999)

Mulher e pássaro - desenho a nanquim - 40 x 28 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Desenhista, pintor, gravador, ilustrador, cartunista, escultor, natural da Romênia. Estudou Filosofia em Bucareste, Romênia e Arquitetura em Milão, Itália. Nos anos 30 publicou seus cartuns na revista italiana Bertoldo. Em 1940, seus desenhos começam a aparecer nas revistas ‘Life’ e’ Harper’s Bazaar’. Vai para os Estados Unidos em 1941 e passa a publicar, regularmente, seus trabalhos na revista ‘The New Yorker’ por quase 60 anos, além de se dedicar intensamente às diversas formas de expressão. A primeira exposição de seus trabalhos se deu em Nova York, em 1943. E várias outras aconteceram por museus da Europa e Estados Unidos, inclusive no Museu de Arte de São Paulo, São Paulo. Retrospectivas de sua obra foram realizadas no Museu Whitney de Arte Americana, Nova York (1978); no Instituto de Arte Moderna, em Valencia - Espanha (2002); na Pinacoteca do Estado, São Paulo (2011). BENEZ IT, VOL. 9, PÁG. 805; MEC, VOL. 4, PÁG. 341; ITAU CULTURAL; www.saulsteinbergfoundation.org; www.artcyclopedia.com; www.britannica.com.



284 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)

Paris - óleo sobre tela - 46 x 55 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



285 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

Ouro Preto - guache - 20,5 x 29 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Marchand Isaac Ficz, Rio de Janeiro - RJ.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



286 - BONAVENTURA CARIOLATO (1894 - 1989)

"Velha ponte de Peixoto" - óleo sobre tela colada em eucatex - 32 x 39 cm - canto inferior esquerdo -

Radicado em São Paulo, este excelente pintor participou ativamente de salões oficiais e de outros realizados periodicamentre, obtendo prêmios significativos no SPBA (menção honrosa em 1934 e medalha de bronze, em 1941). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 211



287 - MILTON MARCOLINO DA SILVA (XX)

Mandala - escultura em madeira - 37 x 32 x 10 cm - assinado -

Escultor mineiro de Divinópolis e casado com uma das netas de G.T.O. (Geraldo Teles de Oliveira), um mestre cada vez mais famoso e reconhecido pelos amantes e colecionadores de arte popular. E como costuma acontecer nas oficinas familiares, ele segue o trabalho do mestre. Assina suas obras como M.M.S. galeriapontes.com.br/?portfolio=milton-marcolino-da-silva; artedobrasil.com.br.



288 - ANTONIO CARPENTIERI (1930 - 1987)

"Avenida Ipiranga" - óleo sobre madeira - 23,5 x 18 cm - canto inferior direito -

Natural de Nápoles, Itália, Carpentieri foi descendente de família abastada, há três gerações ligadas às artes plásticas. No Brasil desde 1952, tornou-se aluno de Angelo Cannone, Briante e De Corsi. Expôs diversas vezes com excelente crítica na Itália, cujas galerias e museus possuem obras suas. JULIO LOUZADA, vol.1, pág.215; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 176; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



289 - HECTOR SAPIA (XX)

"Robot imperial" - óleo sobre tela - 50 x 61 cm - dorso - 1965 -
Com etiqueta de Galeria Seta, Rua Antonio Carlos, 282 - São Paulo, SP - no dorso. No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, desenhista de quadrinhos e publicitário argentino. Foi diretor de criação da revista "Esquire". Em 1970, nas edições de número 62, 63, 64 e 68 da revista italiana "Linus" foram publicadas as histórias de seu personagem "Il Conte de Piombo". No Brasil, o Jornal do Brasil chegou a publicar em diversas edições sua série "Fêmur", um canibal que andava com um osso preso no alto da cabeça. www.janelapedia.com.br/index.php?title=Hector_Sapia; www.jornalirismo.com.br/comunicacao-e-conteudo/gringos-nos-tiraram-da-idade-da-propaganda-lascada/.



290 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Peixes - guache - 32,5 x 48 cm - canto inferior direito e dorso - 1950 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com a seguinte inscrição no dorso: "Declaro que esta obra é um guache de uma série de estudos, realizados para o Hotel Amazonas em 1950. Roberto Burle Marx - 20 de abril de 1984 - Rio de Janeiro".

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista,gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



291 - FERNANDO ODRIOZOLA (1921 - 1986)

Peixe - gravura - Prova Final - 45 x 21,5 cm - centro inferior - 1962 -

Fernando Pascual Odriozola nasceu em Oviedo, Espanha e faleceu em São Paulo. Pintor, desenhista e gravador. Começou a pintar em 1936. Veio para o Brasil em 1953 e fixou residência em São Paulo. No ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual na Galeria Portinari. O Museu de Arte Moderna de São Paulo dedicou-lhe outra individual, em 1955. Na década de 1960, lecionou no Instituto de Arte Contemporânea da Fundação Armando Álvares Penteado e colaborou como ilustrador nos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de S. Paulo, e na revista Habitat. Em 1964, integrou, com Wesley Duke Lee , Yo Yoshitome e Bin Kondo , o Grupo Austral, ligado ao movimento internacional Phases. Participou das 7ª, 8ª, 9ª, 12ª, 13ª, 14ª, 15ª e 18ª Bienais Internacionais de São Paulo onde foi premiado na 7ª, 8ª, e 14ª edição; da 7ª Bienal de Tóquio; dos 2º e 5º Panoramas da Arte Atual Brasileira, entre outras. No ano de seu falecimento, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) realizou uma exposição retrospectiva póstuma em sua homenagem. JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG. 231; MEC VOL.3, PÁG.291; PONTUAL PÁG. 389; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 737; ARTE NO BRASIL PÁG.907; LEONOR AMARANTE PÁG. 143; ACERVO FIEO.



292 - FRANCISCO STOCKINGER (1919 - 2009)

Nu - múltiplo em bronze - 3/50 - 15 x 06 x 04 cm - assinado -

Natural de Traum, Áustria, Xico Stockinger, como é conhecido, foi aluno de Bruno Giorgi e desde 1954, radicado em Porto Alegre, á um escultor da figura humana e do animal. Também é excelente desenhista e gravador. Começou a expor na década de 40, no Rio de Janeiro, recebendo premiações. Desempenhou importante papel no desenvolvimento das artes plástica gaúcha. Tem seu nome firmado no cenário nacional e internacional, como escultor expressivo e original. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.311; PONTUAL, pág.506; MEC., vol.4, pág.342/3.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 868; LEONOR AMARANTE, pág. 136.



293 - JOSÉ SABÓIA (1949)

Trabalhadores - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



294 - MARIO GRUBER (1927 - 2011)

"Anjo siamez rezando lantejoulas" - gravura - H.C. - 17 x 22 cm - canto inferior direito - 1984 -

Pintor, desenhista, gravador, escultor, muralista - Mário Gruber Correia nasceu em Santos, SP. Autodidata, começou a pintar em 1943. Mudou-se para São Paulo em 1946 e matriculou-se na Escola de Belas Artes, onde foi aluno do escultor Nicolau Rollo. Em 1947, ganhou o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo ’19 Pintores’. No ano seguinte realizou sua primeira exposição individual e passou a estudar gravura com Poty e a trabalhar com Di Cavalcanti. Recebeu bolsa de estudo em 1949, foi morar em Paris, onde estudou na ‘École Nationale Supérieure des Beaux-Arts’ com o gravador Édouard Goerg e trabalhou com Candido Portinari. Retornou ao Brasil em 1951 e fundou o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde voltou a residir. Foi professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1953 e na Fundação Armando Álvares Penteado entre 1961 e 1964. De 1974 a 1978, morou em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, morou em Olinda, Pernambuco. Em 1979, montou ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realizou obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Além de ter realizado muitas exposições individuais, participou de várias mostras e salões oficiais: Salão Paulista de Arte Moderna; Panorama da Arte Moderna Brasileira; Bienal Internacional de São Paulo e na França, Espanha, Estados Unidos, Colômbia, Holanda, Finlândia, Alemanha. PONTUAL, PÁG. 253; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 370; MEC, VOL. 1, PÁG. 466; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.649; ARTE NO BRASIL, PÁG. 803; LEONOR AMARANTE, PÁG. 376; ACERVO FIEO.



295 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulatas - desenho a nanquim, aquarela e guache - 17 x 37 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



296 - OSWALDO PINHEIRO (1890 - 1923)

Paris - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - canto inferior direito -
No estado.

Estudou com Carlos de Servi, em São Paulo e na Academia Julian em Paris - Tem obras na Pinacoteca do Estado de São Paulo. JULIO LOUZADA vol. 10 pág. 688.



297 - BETO (1971)

Lampião - escultura em madeira - 26 x 10 x 07 cm - assinado -

Escultor cearense, Adalberto Soares da Silva começou a talhar suas primeiras esculturas na madeira (1985) e já era conhecido pelo apelido que mais tarde seria sua marca registrada: Beto. Cícero Isídio, seu irmão mais velho, era ligado à Associação de Artesãos do Padre Cícero e, sempre que podia, dava algumas peças para ele fazer, enquanto o ajudava a desenvolver suas habilidades de artesão até ser aceito no Centro de Cultura Mestre Noza, em Juazeiro do Norte – CE. http://caririrevista.com.br/em-cada-quintal-uma-oficina/.



298 - FERNANDO LEMOS (1926)

Mulher peixe - colagem - 34 x 58 cm - canto inferior direito - 1971 -

José Fernandes de Lemos nasceu em Lisboa, Portugal. Pintor, desenhista, fotógrafo, gravador, artista gráfico, muralista, poeta. Estuda pintura e litografia na Escola de Artes Decorativas Antonio Arroio, e pintura na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. Cedo identifica-se e define-se como "surrealista, pintando, desenhando, escrevendo poesia" e fotografando. Os poucos anos dedicados à fotografia, entre 1949 e 1951, possibilitou-lhe realizar uma série de exposições individuais no Brasil e na Europa e ganhar o Prêmio Anual de Fotografia, concedido pelo Centro Português de Fotografia, na cidade do Porto, em 2001. Em 1953, muda-se para São Paulo, naturalizando-se brasileiro por volta de 1960. Em 1955, vai a Portugal, Suíça, Holanda e França com o prêmio viagem ao exterior recebido da Fundação Bienal de São Paulo e, em 1962, recebe bolsa de estudos para o Japão, patrocinada pela Fundação Calouste Gulbenkian. Participa, entre outras exposições coletivas, da Bienal Internacional de São Paulo, várias edições entre 1953 e 1967; Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo, 1958; Panorama da Arte Brasileira, no MAM/SP, em 1970, 1973 e 1979; Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal, São Paulo, em 1984; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1 págs. 536/537. Acervo FIEO.



299 - SHOKICHI TAKAKI (1914 - 2006)

Orquídeas - óleo sobre eucatex - 49 x 40 cm - canto inferior direito - 1962 -

Nasceu em Niegata, Japão. No Brasil desde 1927, onde faleceu. Atuou como colono nas lavouras paulistas de café na região de Bebedouro e Nova Granada. Em 1940, já casado, decide vir para a Capital. Autodidata, profissionalizou-se em 1959. Participou de inúmeras mostras coletivas e oficiais como: Salão Paulista de Belas Artes, SP (1952, 1953, 1964, 1968, 1970, 1973, 1975, 1979, 1980, 1984); Salão de Belas Artes de Piracicaba (1963, 1981); Salão Oficial da Academia Paulista de Belas Artes (1981, 1982); Salão de Belas Artes da Sociedade Amigos do Salão Paulista de Belas Artes (1977); Salão de Belas Artes de Ribeirão Preto, SP (1982); 'Le Centre International D´Art Contemporain', Paris – France (1984); 1ª Mostra de Arte Contemporânea Brasileira Expofair - Espelho de Água, Lisboa – Portugal (1985); 'Curtis Hixon Convention Center, Tampa - Flórida – EUA (1986); 'Exposition d´ Artistes Contemporains – Acrópolis Salle des Exposition', Nice – França (1987) e muitas outras. Recebeu premiações como a Pequena e a Grande Medalha de Bronze, a Pequena e a Grande Medalha de Prata, a Pequena e a Grande Medalha de Ouro, Prêmio Viagem ao País e isenção de Júri em quase todas as exposições que participou. JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG. 315; MEC VOL. 4, PÁG. 352; ITAU CULTURAL; www.brazilgallery.com.br; www.artprice.com.



300 - RITA LOUREIRO (1952)

"Ursa Maior" - óleo sobre tela - 150 x 90 cm - canto inferior direito - 1982 -
Reproduzido no convite deste Leilão e no Livro "Macunaíma o herói sem nenhum caráter", de Mário de Andrade, com ilustrações de Rita Loureiro, Editora Itatiaia, Belo Horizonte. (Atenção clientes que não residem em São Paulo: transporte especial devido ao tamanho. Consulte-nos antes de dar seu lance) .

Pintora autodidata nascida em Manaus, AM. Viveu no Rio de Janeiro, de 1976 a 1979, onde começou a pintar. Voltou para Manaus. Foi incluída no livro ‘Le Rêve et Les Naifs’ publicado pela Editora Max Fourny - Paris, França (1982) e ilustrou uma edição para bibliófilos do livro ‘Macunaíma’ de Mário de Andrade no Rio de Janeiro (1984). Realizou várias exposições individuais no Brasil, Alemanha e Inglaterra. Participou também de mostras e Salões oficiais. ITAU CULTURAL; www.artprice.com; www.amazonas.am.gov.br; animaelibri.blogspot.com.br.



301 - DAREL VALENÇA LINS (1924 - 2017)

Cidade - gravura - 56/110 - 31 x 50 cm - canto inferior direito - 1965 -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



302 - ANGELO CANNONE (1899 - 1992)

Pescadores - óleo sobre eucatex - 20 x 26 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, desenhista e professor nascido em Abruzzo, Itália. Assinava D’Angelo, Angelo Cannone e A. Cannone. Aos cinco anos mudou-se para Nápoles com sua família. Em fins de 1947, veio para o Brasil, residiu algum tempo em São Paulo e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se radicou e lá faleceu. Estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles com Paolo Vetri. Viveu em Roma durante quatro anos com uma pensão conquistada em um concurso em Nápoles. Lecionou desenho no Instituto Técnico. Expôs individualmente em São Paulo (1947, 1993) e no Rio de Janeiro (1947, 1973, 1980, 1984). Foi premiado, na Itália, em: 1922, 1925, 1929, 1941 e, no Brasil, em 1960. Em 1972 pintou o retrato do papa Pio X, em tamanho natural, que está na Igreja dos Italianos, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 168; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 187; VOL. 3, PÁG. 203; VOL.8, PÁG. 165; VOL. 9, PÁG. 171; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com; www.arcadja.com.



303 - ANGELO COGLIATI (1915 - 2004)

A família - óleo sobre tela - 73 x 100 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, designer e professor nascido em Seveso - Milão, Itália. Foi para a Real Academia de Brera - Milão onde estudou pintura com o pintor W.Ranghieri, escultura com o Prof. Poliaghi, afrescos e murais para igrejas com o Prof. Aristide Albertella. Uma das primeiras participações artísticas de Angelo Cogliati (1938) foi na mostra do beato Angélico, Artesanato Provincial e Mostra dos Independentes de Milão. Ganhou muitos prêmios da escola de pintura de Brera e realizou várias exposições individuais. Em 1947, depois de haver participado da segunda guerra mundial, desembarcou no Brasil, fixou residência em São Paulo. Expôs no Teatro Municipal de São Paulo (1947), no Rio de Janeiro (1952) e outras exposições foram realizadas nos anos seguintes. Morador do bairro de Vila Mariana desde 1949, quando se casou, recebeu uma das mais belas homenagens que um artista pode receber; a prefeitura na época batizou o quarteirão onde se localiza sua casa de "Quadra Angelo Cogliati", o que o transformou em patrimônio do bairro. Obras de sua autoria: as pinturas das arcadas da fachada e do interior da Igreja Ortodoxa do Paraíso (na Rua Vergueiro); a Via Crucis da Igreja de São Francisco (centro de São Paulo), a pintura da Santa Generosa na Igreja Santa Generosa (na Av. Bernardino de Campos), a pintura em óleo sobre tela da Santa Filomena na Igreja do Santíssimo Sacramento (na Rua Tutóia); a pintura de Santa Catarina, um quadro a óleo sobre tela, exposto na diretoria do Hospital Santa Catarina, na Av. Paulista; a pintura retratando a vida de São Camilo, óleo sobre fórmica que se encontra exposto no hall de entrada do Hospital São Camilo (Av. Pompéia n. 1178). Há também várias estátuas e bustos em bronze e mármore que saíram do cinzel de Angelo Cogliati e hoje encontram-se espalhadas por muitas cidades brasileiras. JULIO LOUZADA VOL. 13, PÁG. 89; www.edesfrancesca.com.br.



304 - ALFREDO GALVÃO (1900 - 1987)

Na praia - óleo sobre madeira - 25 x 17 cm - canto inferior direito e dorso - 16/07/1962 -
Com dedicatória no dorso.

Pintor e professor de arte, ex-diretor do Museu Nacional de Belas Artes, Galvão foi aluno de Amoedo, Chambelland e Lucílio de Albuquerque, tendo conquistado o prêmio de viagem ao estrangeiro no Salão Nacional de Belas Artes de 1927. Cultivou todos os gêneros, fiel ao estilo de sua mocidade. TEODORO BRAGA, págs. 30 e 105; Catálogo da Exp. De Paisagem Brasileira - Min. da Educ. e Saúde - MNBA / Rio / 1944 - n/nº P. 149; REIS JR. ,pág. 380; MEC, vol. 2, pág. 237; PONTUAL, pág. 231; TEIXEIRA LEITE, pág. 214.



305 - OMAR PELLEGATTA (1925 - 2000)

Conversando - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, desenhista e gravador nascido em Busto Arsizio, Itália. Assina Pellegata. Veio para o Brasil em 1927, estudou na Associação Paulista de Belas Artes, foi aluno de Ettore Federighi e Durval Pereira, Takaoka, Mário Zanini, Otone Zorlini. Viveu e trabalhou em Santos, SP. Fez parte do Grupo Tapir (1970) com Giancarlo Zorlini, João Simeone, José Procópio de Moraes, Glicério Geraldo Canelosso e do Grupo Chácara Flora com Emídio Dias de Carvalho, Arlindo Ortolani, Heitor Carilo, Glicério Geraldo Canelosso. Realizou exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil como: Salão Paulista de Belas Artes (desde 1958), Salão Municipal de Belas Artes de Belo Horizonte, MG (1960), entre outros, recebendo muitos prêmios. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG.735; MEC VOL.3, PÁG.363; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



306 - ARMANDO PACHECO (1913 - 1965)

Vilarejo - óleo sobre tela - 57 x 75 cm - canto inferior direito - 1945 -

Pintor, gravador e desenhista, nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro. Ingressou no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro em 1930, aos 17 anos de idade, ali tornando-se aluno de Isaltino Barbosa e aluno de Oswaldo Teixeira no ano seguinte. Na ENBA, foi aluno de Rodolpho Chambelland e Augusto Bracet. Participou regularmente do SNBA-RJ, conquistando prêmio viagem ao Exterior em 1950. Em 1968 o Museu Nacional de Belas Artes realizou um exposição com seus principais trabalhos. JULIO LOUZADA vol.1b, pág.705; TEXEIRA LEITE, pág. 372; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 766.



307 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Rainha do carnaval - desenho a nanquim e aquarela - 30 x 20,5 cm - canto superior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



308 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)

Tensão - escultura em mármore - 18 x 15 x 04 cm - assinado -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. No estado.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



309 - BENJAMIN SILVA (1927)

Figuras - óleo sobre eucatex - 30 x 21 cm - canto inferior direito e dorso - 1965 -

Pintor e gravador cearense natural de Juazeiro. Foi seringueiro no Amazonas. Assina Benjamin. Mudou-se para o Rio de Janeiro (1948), estudou com Inimá de Paula e Sigaud na Escola do Povo. No MAM, RJ, foi aluno de Santa Rosa e, no Liceu de Artes e Ofícios, aprendeu gravura com Orlando da Silva. Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1957 a 1959, 1963, 1964, 1967, 1974, 1976); São Paulo (1958, 1971); Washington, EUA (1969); Veneza, Itália (1971); Belo Horizonte, MG (1972); Nova York, EUA (1974). Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1959, 1963, 1965); do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP (1970); de doze edições do Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (entre 1953 e 1969) e de muitas outras mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu prêmios, inclusive, o Prêmio Viagem ao Estrangeiro no SNAM, RJ (1959) partindo em seguida para a Europa. Passou a residir em Paris (1960), onde realizou pesquisas e estudos em diversos museus e também na "Académie de la Grande Chaumière", da qual desistiu por discordar da orientação recebida. Partiu para o Oriente Próximo, onde continuou seus estudos em museus. Retornou ao Brasil por volta de 1962. MEC VOL.4, PÁG.246; TEIXEIRA LEITE PÁG.70; WALTER ZANINI PÁG. 697; ARTE NO BRASIL PÁG. 943; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 907; VOL. 3, PÁG. 107; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



310 - MARIO GRUBER (1927 - 2011)

"Série Fantasiados com Meninas" - óleo sobre tela - 120 x 100 cm - canto inferior direito e dorso - 10 /03/2008 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com declaração de autenticidade firmada pelo autor em 05 de abril de 2008, São Paulo, SP.

Pintor, desenhista, gravador, escultor, muralista - Mário Gruber Correia nasceu em Santos, SP. Autodidata, começou a pintar em 1943. Mudou-se para São Paulo em 1946 e matriculou-se na Escola de Belas Artes, onde foi aluno do escultor Nicolau Rollo. Em 1947, ganhou o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo ’19 Pintores’. No ano seguinte realizou sua primeira exposição individual e passou a estudar gravura com Poty e a trabalhar com Di Cavalcanti. Recebeu bolsa de estudo em 1949, foi morar em Paris, onde estudou na ‘École Nationale Supérieure des Beaux-Arts’ com o gravador Édouard Goerg e trabalhou com Candido Portinari. Retornou ao Brasil em 1951 e fundou o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde voltou a residir. Foi professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1953 e na Fundação Armando Álvares Penteado entre 1961 e 1964. De 1974 a 1978, morou em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, morou em Olinda, Pernambuco. Em 1979, montou ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realizou obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Além de ter realizado muitas exposições individuais, participou de várias mostras e salões oficiais: Salão Paulista de Arte Moderna; Panorama da Arte Moderna Brasileira; Bienal Internacional de São Paulo e na França, Espanha, Estados Unidos, Colômbia, Holanda, Finlândia, Alemanha. PONTUAL, PÁG. 253; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 370; MEC, VOL. 1, PÁG. 466; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.649; ARTE NO BRASIL, PÁG. 803; LEONOR AMARANTE, PÁG. 376; ACERVO FIEO.



311 - GUYER SALES (1942)

"Amanhecer - a noiva solta os pássaros" - gravura - 25/90 - 45 x 53 cm - canto inferior direito - 1974 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador e professor, José Guyer Salles nasceu em São Paulo. Frequentou o curso de iniciação ao desenho da FAAP - SP onde foi orientado por Nelson Nóbrega e Marcelo Grassmann em pintura e gravura (entre 1962 e 1964). Estudou pintura com Glênio Bianchetti (1965) e gravura com Babinski, na Universidade de Brasília. Viajou para os Estados Unidos, como bolsista do "Pratt Graphics Center" de Nova York, onde atuou também como professor assistente (entre 1970 e 1974). Lecionou no "Art Barn" em Connecticut, EUA. De volta ao Brasil (1976), fundou e dirigiu a Oficina de Gravura 76 - núcleo de artistas destinado ao ensino de gravura. Realizou exposições individuais em São Paulo em 1966, 1967, 1987, 1995, 1997 e participou de mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Participou do "Projeto Cidadania - 200 Anos da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão", da Secretaria do Governo do Estado de São Paulo (1991); ilustrou o livro "Estações", de Flora Figueiredo (1995). PONTUAL PÁG. 258; MEC VOL. 2, PÁG. 310; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 856; VOL.8, PÁG. 380; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



312 - CAROL KOSSAK (1895 - 1976)

Choupanas - guache - 18 x 27,5 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor polonês ativo em São Paulo. Assinava C. Kossak e C. Kokott. Realizou exposição individual em 1941 em São Paulo e participou de várias exposições coletivas e Salões nas décadas de 30 e 40. MEC VOL.2 PÁG. 411; TEODORO BRAGA, PÁG. 134; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 512; VOL. 12, PÁG. 218; ACERVO FIEO; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



313 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA (1930 - 1999)

Composição - guache - 26 x 17 cada cm - canto inferior direito - 1965 -
Trabalho composto de duas obras montadas em uma única moldura, assinadas individualmente. No estado.

Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico e professor natural do Recife, PE; faleceu em Campinas, SP. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Trabalhou no campo de comunicação visual sendo um dos responsáveis pela renovação da Arte-Cartaz Paulista (1951). Em 1953 passou a fazer parte do Grupo Ruptura, a convite de Waldemar Cordeiro. Participou de várias edições do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957); das Bienais de 1955 a 1967; da Exposição Nacional de Arte Concreta; da mostra Panorama da Arte Atual Brasileira; da mostra Tendências Construtivas e de outras exposições em: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima, Roma, Londres, Paris (Salão de Outono) e Zurique (exposição de Arte Concreta –'Konkrete Kunst', organizada por Max Bill). Recebeu o convite (1954) para representar o Brasil na 27ª Bienal de Veneza, no entanto, recusou se apresentar por terem negado a participação de outros membros do Grupo Ruptura. Em São Paulo pintou murais no Largo São Bento, no Edifício Estação Ciência, nas estações São Bento e Santana do Metrô, na Praça Roosevelt, na fachada do MAC/USP e fez uma pintura lateral no Elevado Costa e Silva (popularmente conhecido como Minhocão). Em 1958, foi responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realizou as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. MEC VOL. 2, PÁG. 481; PONTUAL PÁG. 314; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 678; www.pinturabrasileira.com; www.mac.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



314 - PAULA KADUNC (1954)

Composição - acrílico sobre tela - 110 x 40 cm - dorso -
Registrado sob o nº 770 no catálogo da autora.

Paula Kadunc, pseudônimo artístico de Maria Paula Kadunc, nasceu em São Paulo. Frequentou um curso clássico de arte e comunicação na época de colégio. Formou-se em historia (1975) e nos anos seguintes realizou viagens de estudo pela Europa, Japão, China e Filipinas. No inicio da década de 80 trabalhou no Museu de Arte de São Paulo como assessora de imprensa e relações publicas auxiliando ainda na curadoria de diversas exposições. Na década de 90 frequentou o ateliê do escultor Paulo Tadee onde trabalhou com desenhos e pinturas geométricas e passou a fundir esculturas em bronze. Estudou técnica de pintura com Marysia Portinari. Tem participado com suas obras de várias exposições coletivas e leilões de arte. Possui obras em diversas coleções particulares e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. www.artemaisnet.com.br/artistas/paula-kadunc.html; www.catalogodasartes.com.br; www.al.sp.gov.br; www.artprice.com; www.askart.com.



315 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

Paisagem - desenho a nanquim - 16 x 25,5 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



316 - MENASE VAIDERGORN (1927)

Dança do ventre - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



317 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Capa da Revista "O malho" - técnica mista sobre papel - 40 x 29 cm - centro inferior -
No estado.

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



318 - BONAVENTURA CARIOLATO (1894 - 1989)

"Rua em Ouro Preto" - aquarela - 30 x 22 cm - canto inferior direito - 1959 -

Radicado em São Paulo, este excelente pintor participou ativamente de salões oficiais e de outros realizados periodicamentre, obtendo prêmios significativos no SPBA (menção honrosa em 1934 e medalha de bronze, em 1941). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 211



319 - ELIAS TOFANELI (1977)

"Estação da Luz" - óleo sobre tela - 70 x 90 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor autodidata, Elias Morais de Oliveira nasceu em Lupionópolis, PR. Seu nome artístico é Elias Tofaneli. Aos 19 anos de idade mudou-se para uma cidade maior, próximo a São Paulo, onde conheceu e conviveu com alguns artistas, aperfeiçoando seu aprendizado e participando de mostras coletivas. www.proliferarte.com.br/elias-tofaneli/.



320 - GENARO DE CARVALHO (1926 - 1971)

"Obelisco na Praça" - óleo sobre hardboard - 100 x 70 cm - canto inferior direito - 1959 -
Reproduzido no convite deste leilão e na Enciclopédia Itaú, assim identificada: OBELISCO na Praça. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: . Acesso em: 05 de Fev. 2019. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7. No estado.

Tapeceiro, pintor, desenhista. Genaro Antônio Dantas de Carvalho era natural da cidade de Salvador-BA, onde também faleceu. Em 1944, vai para o Rio de Janeiro, e estuda desenho com Henrique Cavalleiro na Sociedade Brasileira de Belas Artes. É considerado um dos principais ativistas pela renovação da arte na Bahia, ao lado de Carlos Bastos, Caribé e Mario Cravo Jr. Com bolsa de estudos do governo francês, Genaro embarca para Paris em 1949, lá estuda com André Lhote e Fernand Léger na École Nationale de Beaux-Arts. Participa, em 1950, dos Salões de Outono, de Maio e dos Independentes. No ano de 1955, cria o primeiro ateliê de tapeçaria no Brasil, na cidade de Salvador, Bahia. Seu trabalho de maior destaque é o mural realizado para o salão interno do Hotel da Bahia, obra com 200 metros quadrados, intitulada Festejos Regionais Bahianos. Em 1967, a Divisão de Cultura do Departamento de Estado Americano realiza o documentário Genaro e a Tapeçaria Brasileira. Expõe na Bienal Internacional de São Paulo, 1951 e 1955; Bienal Internacional de Tapeçaria, Suiça, 1965; e 1º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM, São Paulo, 1969. Postumamente sua obra figura na 1ª Mostra Brasileira de Tapeçaria, no MAB/FAAP, 1974; Tradição e Ruptura, São Paulo, 1984; e 100 Artistas Plásticos da Bahia, no Museu de Arte Sacra, Salvador, 1999. JULIO LOUZADA vol.3, pág. 231; WALTER ZANINI, pág. 638; LEONOR AMARANTE, pág. 75; ITAU CULTURAL.



321 - JOÃO CAMARA (1944)

"Viavel disparate" - litografia - 5/8 - 86 x 61,5 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Importantíssimo artista nacional, natural de João Pessoa, PB, e radicado em Olinda, PE. Pintor, desenhista e gravador, João Câmara conquistou os primeiros prêmios de pintura e de gravura nos SPMEP de 1962 E 1964. Neste último ano fundou, em companhia de artistas locais, o Atelier Coletivo de Ribeira, em Olinda. Exerceu o magistério entre 1967 e 1969, lecionando pintura no Setor de Arte da Universidade Federal da Paraíba. Suas obras, tratando de temas atuais, reúnem mensagens poéticas com uma dose de surrealismo, e que segundo o crítico Walmyr Ayala, " desmistifica toda e qualquer atitude romântica" . Walter Zanini, por sua vez, comenta (1967), que " Suas imagens encadeadas quase como um ´puzzle` parecem amalgamar deuses aztecas e ícones do baralho, assumindo ar de aquilina ´terribilitá` sobriamente derrisório." Participou de quase todas as mostras mais importantes do País, com sucesso de crítica. ITAU CULTURAL; PONTUAL, pág. 100; TEIXEIRA LEITE, pág. 100; WALTER ZANINI , pág. 754; ARTE NO BRASIL, pág. 688; Acervo FIEO.



322 - GAETANO ESPOSITO (1858 - 1911)

Velho lobo do mar - óleo sobre tela - 45 x 30 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Excepcional paisagista e pintor de história, nasceu em Salermo / Itália. Expôs a partir de 1877 em Nápolis e Turin / Itália.Especializou-se em retratos e paisagens; diversas exposições em seu país e em diversas cidades européias. ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 758; BENEZIT, vol. 4, pág. 200.



323 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem - óleo sobre tela - 38 x 46 cm - não assinado -
No estado.



324 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - dorso -

Pintora nascida em Maringá, PR, Iniciou sua carreira artística em 1983. Desde 2000, dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte, expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil. http://www.klockner-art.com; www.artprice.com.



325 - GUERINO GROSSO (1907 - 1988)

Natureza morta - óleo sobre tela - 60 x 100 cm - canto inferior esquerdo - 1974 -
No estado.

Natural de Rio Claro, neste Estado, Guerino Grosso iniciou seu aprendizado artístico em 1917. Frequentou a Escola de Belas Artes de São Paulo. Artista de grande sensibilidade, dedicou-se à pintura de naturezas mortas com metais, confirmando-se como um dos melhores do gênero. JULIO LOUZADA, vol, 12 ,pág 189. MEC, vol, 2, pág, 284; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



326 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Abaporu - desenho a nanquim - 12 x 15 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. No estado.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



327 - MIRAMAR BORGES (1951)

Papagaio - escultura em madeira - 31 x 22 x 15 cm - assinado -

Escultor mineiro nascido em Cachoeira do Brumado, município de Mariana. Antes de ser escultor, trabalhou na roça e também na produção de utensílios domésticos em pedra sabão, um trabalho bastante comum na região de Mariana. Autodidata, em 1982 começou a esculpir em madeira. Recebeu muito apoio de Artur Pereira, um dos grandes mestres da escultura mineira, que também era de Cachoeira do Brumado e grande incentivador de muitos outros artistas da cidade. Participou da mostra coletiva: "Pop Brasil: a arte popular e o popular na arte" no Centro Cultural Banco do Brasil, SP (2002); entre outras. artepopularbrasil.blogspot.com/2011/03/miramar-borges.html; artedobrasil.com.br/miramar_borges.html; ITAU CULTURAL.



328 - INÁCIO RODRIGUES (1946)

Paisagem de Minas - óleo sobre eucatex - 17,5 x 18,5 cm - canto inferior direito - 1980 -

Pintor, desenhista, entalhador e gravador, natural de Acaraú, CE. Iniciou-se em pintura como autodidata (1957). Viajou para diversos países da América Latina (1960-1965) com o objetivo de participar de exposições e acabou se fixando, em 1966, no Rio de Janeiro. Pintou a cúpula da Catedral Municipal e o Hotel Porto Velho em Porto Velho, RO (1962 e 1965). Expôs individualmente em diversas capitais brasileiras e também no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais e foi premiado em: Curitiba, PR (1971); Rio de Janeiro (1970, 1973, 1975, 1977, 1978); Belo Horizonte, MG (1970, 1971); Campinas, SP (1971, 1972); Florianópolis, SC (1972); Niterói, RJ (1974); Embu, SP (1974); Amparo, SP (1994, 1996); São José dos Campos, SP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 834; VOL. 4, PÁG. 959; VOL. 12, PÁG. 345; TEIXEIRA LEITE PÁG. 450. WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 259; MEC VOL. 4, PÁG. 91; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



329 - CAETANO DE ALMEIDA (1964)

"Caetano não consegue dormir" - pintura sobre chapa - 21 x 40 cm - dorso - 1995 -
Com etiqueta da Galeria Luisa Strina - São Paulo, no dorso.

José Caetano de Almeida Filho nasceu em Campinas, SP. Pintor, gravador e professor. Estudou artes plásticas na FAAP onde foi aluno de Evandro Carlos Jardim e Nelson Leirner , entre outros. Por volta de 1984, frequentou os ateliês de gravura da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Foi artista residente na ‘Cité International des Arts’, Paris; no Khoj International Artist, Institute of Fine Art- Modinagar, Índia; na Sacatar Foundation – Salvador, BA. Realizou diversas exposições individuais e tem participado de muitas coletivas e Salões oficiais no Brasil, Europa e Estados Unidos. ITAU CULTURAL; galerialuisastrina.com.br; cultura.gov.br; tvcultura.cmais.com.br.



330 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

"Marinha" - óleo sobre tela - 50 x 71 cm - canto inferior direito e dorso - 1972 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Acompanha a obra recibo de compra original firmado pelo autor, datado de 17 de março de 1972.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



331 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)

"A professora" - xilogravura - 47 x 65 cm - canto inferior direito -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



332 - CARLOS LOUSADA (1905 - 1984)

Procissão - óleo sobre madeira - 21,5 x 54 cm - dorso -

Autodidata, começou a pintar em 1956 e já nesse ano foi aceito no Salão Ferroviário promovido pelo Ministério da Viação. Participou do Salão Nacional de Arte Moderna de 1962 a 1969, recebendo o certificado de Isenção de Júri em 1967, e da Bienal da Bahia em 1966, assim como da mostra " Três Primitivos ", na Galeria Relevo, Rio de Janeiro (1965). Realizou mostras individuais no Museu de Arte Moderna da Bahia (1964), e na Galeria Rosalvo Ribeiro, de Maceió (1965), e em conjunto com Heitor dos Prazeres e Ivan Moraes no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1966).



333 - ODETTE EID (1922)

Figuras - escultura em bronze - 19 x 11 x 04 cm - assinado -

Natural de Zahle, Líbano, ODETTE EID sempre foi uma estudiosa da sua arte maior, que é a escultura. Frequentou os ateliês dos grandes mestres nacionais, como Becheroni e Calabrone. Em vôo solo expôs na Europa em Salões e Galerias de renome. Segundo a crítica especializada, a escultura de ODETTE EID "é fluída, volátil e leve". (Alberto Beuttenmuller). JULIO LOUZADA, vol. 13 pág. 119



334 - CELINA LIMA VERDE (1940)

Menina - desenho a nanquim e aquarela - 25,5 x 23,5 cm - canto inferior direito - 1981 -

Pintora, desenhista e gravadora. Estuda na Escola de Belas Artes de Pernambuco, onde é aluna de Reinaldo Fonseca. A partir de 1952, integra o Ateliê Coletivo da Sociedade de Arte Moderna do Recife, onde dois anos mais tarde começa a desenhar. Em 1984, publica suas aquarelas no livro Pássaros da Madrugada, editado pela Roswitha Kempt Editora. ITAU CULTURAL



335 - ASTRID SALLES (1941)

"Signos indígenas" - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 05/2014 -

Gravadora, desenhista e pintora, diplomou-se pela FAAP-SP. Natural de Piracicaba, Astrid Salles destaca-se pela originalidade de sua técnica e tema (inspirada nos grafismos dos indígenas brasileiros), utilizando materias como gaze, areia, aniagem, entrecasca de coqueiro etc, compondo trabalhos quase tridimensionais, o que lhe valeu excelente crítica internacional, quando de sua exposição na Basiléia, Suiça. A artista expõe no Brasil desde 1965 e no exterior a partir de 1987. JULIO LOUZADA, vol 11, pág 279.



336 - ELYSEU VISCONTI CAVALLEIRO (XX)

Moças - desenho a nanquim e aquarela - 33 x 48 cm - canto inferior esquerdo -
Com dedicatória. No estado.

Desenhista e cineasta, nascido no Rio de Janeiro, neto do pintor Eliseu D'angelo Visconti e filho dos pintores Henrique Cavalleiro e Yvone Visconti Cavalleiro. Acervo FIEO.



337 - INGRES SPELTRI (1940)

"Premonições de Zaratrusta" - óleo sobre madeira - 102 x 75 cm - canto inferior direito e dorso - 1982/1990 -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). Foi professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



338 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)

Vaso de flores - óleo sobre eucatex - 72 x 49 cm - canto inferior direito -

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



339 - GASTÃO Z. FRAZÃO (XX)

Composição - aquarela - 21 x 16 cm - canto inferior direito -

Artista plástico e arquiteto que tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo (1967); Salão Paulista de Arte Contemporânea, São Paulo (1976); Salão Nacional de Artes Plásticas, Rio de Janeiro (1979). ITAUCULTURAL.



340 - BENEDITO CALIXTO DE JESUS (1853 - 1927)

"Coral" - pastel sobre cartão - 106 x 84 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com expertise firmada por Celso Calixto Rios em 02 de outubro de 2016. No estado.

Pintor, professor, historiador, ensaísta, nascido em Conceição de Itanhaém, SP e falecido em São Paulo. Transferiu-se para Brotas, SP, onde adquiriu noções de pintura com o tio Joaquim Pedro de Jesus, ao auxiliá-lo na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Realizou sua primeira individual em São Paulo, no ano de 1881. Fixou-se por algum tempo em Santos e depois de ter executado a decoração do Teatro Guarani, partiu para Paris em 1883, estudando na Academia Julian e no ateliê de Jean François Raffaëlli. Retornou ao Brasil em 1885 e passou a residir em São Vicente. Produziu inúmeras marinhas em que representa o litoral paulista; realizou diversos painéis de temas religiosos para igrejas na capital e interior do Estado de São Paulo; pintou vistas de antigos trechos das cidades de São Paulo, Santos e São Vicente para o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, por encomenda do diretor do museu o historiador Afonso d´Escragnolle Taunay. Dedicou-se também a estudos históricos da região e à preservação de seu patrimônio e publicou, entre outros, os livros 'A Vila de Itanhaém' (1895) e 'Capitanias Paulistas' (1924). Existem obras suas nos acervos de diversos museus brasileiros. TEODORO BRAGA PÁG. 51; REIS JR PÁG. 214; LAUDELINO FREIRE PÁG. 387; PONTUAL PÁG. 68/69; MEC VOL.1, PÁG. 326/327; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.153; MAYER/83 PÁG. 601; TEIXEIRA LEITE PÁG. 97; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 505; ARTE NO BRASIL PÁG. 599, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 172. ACERVO FIEO.



341 - LIVIO ABRAMO (1903 - 1992)

Composição - xilogravura - H.C. - 24,5 x 20 cm - canto inferior direito -
No estado.

Gravador, desenhista, pintor, ilustrador, jornalista e professor, nasceu em Araraquara, SP e faleceu em Assunção, Paraguai. Mudou-se para São Paulo, onde, em 1909, estudou desenho com Enrico Vio no Colégio Dante Alighieri. No início dos anos de 1920, fez ilustrações para pequenos jornais e entrou em contato com a obra de Oswaldo Goeldi e de gravadores expressionistas alemães. Realizou as primeiras gravuras em 1926. Em 1947, ilustrou o livro ‘Pelo Sertão’, do escritor Afonso Arinos de Mello Franco, publicado em 1949. Com essa série de ilustrações, apresentadas no Salão Nacional de Belas Artes, obteve o prêmio de viagem ao exterior. Seguiu para a Europa em 1951. Em Paris frequentou o Atelier 17, aperfeiçoando-se em gravura em metal com Stanley William Hayter. De volta ao Brasil, foi premiado como o melhor gravador nacional na Bienal Internacional de São Paulo, nas edições de 1953 e de 1963. Deu aulas de xilogravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Foram seus alunos, entre outros, Maria Bonomi e Antonio Henrique Amaral . Fundou o Estúdio Gravura, em 1960, com Maria Bonomi. Em 1962, foi convidado pelo Itamaraty a integrar a Missão Cultural Brasil-Paraguai, posteriormente Centro de Estudos Brasileiros. Mudou-se para o Paraguai e dirigiu até 1992, o Setor de Artes Plásticas e Visuais. Foi fundador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Paraguai. PONTUAL, PÁG. 1, JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 19; MEC VOL.1, PÁG. 33; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 795; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; ACERVO FIEO.



342 - JOÃO JOSÉ DA SILVA COSTA (1931 - 2014)

Composição - desenho a bico de pena - 37 x 27 cm - canto inferior direito - 1953 -

Pintor e arquiteto nascido em Teresina, PI. Radicado no Rio de Janeiro, faleceu nessa mesma cidade. Fez estudos de pintura com Ivan Serpa no Museu de Arte Moderna, RJ. Foi um dos participantes, junto com Lygia Clark, Lygia Pape, Ivan Serpa e Aluísio Carvão, do Grupo Frente do Rio de Janeiro, participando de suas mostras coletivas em meados da década de 1950. Figurou ainda nas exposições nacionais de Arte Concreta no Museu de Arte Moderna de São Paulo (1956) e no Ministério da Educação e Cultura no Rio de Janeiro (1957), bem como na mostra’ Arte Moderna no Brasil’ (1957) realizada em Buenos Aires, Rosário, Santiago do Chile e Lima. Apresentou trabalhos na III, VI, VII e IX Bienal Internacional de São Paulo (entre 1955 e 1967) e no IX Salão Nacional de Arte Moderna (1960). MEC VOL. 1, PÁG. 472; PONTUAL PÁG. 146; ITAU CULTURAL; www.brasilartesenciclopedias.com.br; arteconcretista.wordpress.com; www.macniteroi.com.br; oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/morre-joao-jose-costa-um-dos-nomes-do-concretismo-brasileiro-14764542.



343 - REMBRANDT VAN RIJN (1606 - 1669)

"Auto retrato" - fac-símile - 23 x 16,5 cm - não assinado -
A gravura original deste fác.símile está reproduzida no livro: Rembrandt. His Life, Work and Times, página 162. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador da Escola Holandesa, Rembrandt Harmenszoon van Rijn nasceu em Leiden e faleceu em Amsterdam. Aos quatorze anos entrou para a Universidade de Leiden e como não lhe interessou o programa, foi estudar arte com o mestre local Jacob van Swanenburch (de 1620 a 1623) e, em Amsterdam, com Pieter Lastman (1624). Em Leiden ainda, trabalhou com o gravador Jan van Vliet - suas primeiras gravuras datadas indicam o ano de 1626 - e começou a ensinar pintura. Seu primeiro aluno foi Gerrit Dou. Mudou-se para Amsterdam (1631), casou-se (1634) e rapidamente se estabeleceu como o principal retratista da cidade – cerca de cinquenta obras datadas de 1632 ou 1633, a maioria é constituída de retratos, além de continuar dando aulas em seu estúdio. Trabalhou suas gravuras, durante a década de 1640, na 'Hundred Guilder Print'. A mais importante encomenda que recebeu na década de 1630 veio do príncipe Frederico Henrique de Orange, consistindo em cinco pinturas de cenas da Paixão. Embora os retratos e cenas religiosas constituam a maior parte de sua obra, ele fez contribuições originais a outros gêneros incluindo a natureza-morta. Na década de 1640 desenvolveu também um interesse pela paisagem; sugeriu-se que, nesse período, ele tenha passado mais tempo no campo para fugir de seus problemas domésticos. É considerado universalmente como o maior água-fortista de todos os tempos e seus desenhos normalmente concebidos como obras independentes e não, como estudos para as pinturas. BENEZIT; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE; REMBRANDT E ARTE DA GRAVURA – catálogo da exposição realizada no Centro Cultural Banco do Brasil, SP em 2002; www.rembrandtpainting.net; www.rijksmuseum.nl; www.metmuseum.org; www.holland.com; www.biography.com; www.metmuseum.org; www.britannica.com; www.nationalgallery.org.uk; www.artprice.com;



344 - FREDERICO BRACHER JUNIOR (1920 - 1984)

"Bananas" - óleo sobre tela colada em eucatex - 11 x 13 cm - canto inferior direito - 1975 -
Com etiqueta da Realidade Galeria de Arte, Rua Ataulfo de Paiva, 135 - Rio de Janeiro - RJ, no dorso.

Natural da cidade do Rio de Janeiro e falecido em BH, MG. Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, violinista, professor de pintura e de violino. Inicia seus estudos de pintura com Amilcar Agretti (1931). Sua pintura, durante toda sua carreira, é realizada dentro do modelo acadêmico. Funda a Associação dos Artistas Plásticos de Minas Gerais. Casa-se com Lélia Lenz, com quem tem quatro filhos: Amarilis, Amíriam, Alexandre e Alcione, dos quais os três primeiros tornam-se artistas plásticos. A partir de 1935 realiza várias exposições individuais no Automóvel Clube de Montes Claros MG e no de Belo Horizonte. Em 1938 recebe o Prêmio de Pintura do jornal Estado de Minas. Inaugura, em Montes Claros, sua primeira escola de artes para o ensino de pintura e música, em 1939. Em 1980 realiza no Palácio das Artes de Belo Horizonte uma retrospectiva em comemoração aos seus 50 anos de vida artística. Em 1986, dois anos após sua morte, o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro realiza uma ampla retrospectiva da sua obra, numa mostra que segue para o Museu de Arte de São Paulo, e outras cidades. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 159; ITAU CULTURAL.



345 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato" - nanquim e aquarela sobre papel - 20 x 10 cm - canto superior esquerdo - 15/05/1986 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



346 - FRANCISCO CASSIANI (1921)

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 16 x 22 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Mogi Mirim/SP, em 22/9/1921. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios em São Paulo e na Associação Paulista de Belas Artes, estudando posteriormente com o professor e pintor Castellane. Dedicou-se especialmente às naturezas mortas e paisagens, encontrando na histórica e bela cidade de Paraty/RJ, sua maior fonte de inspiração. MEC, vol. 1, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 60; Acervo FIEO.



347 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

"Natureza" - água forte - 20/80 - 20 x 32 cm - canto inferior direito -
Esta gravura consta no catálogo Raisonné de Tarsila do Amaral.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



348 - GERSON DE SOUZA (1926 - 2008)

Figuras - gravura colorida a mão pelo autor - P.A. - 22 x 15,5 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor. Autodidata. Fixou-se no Rio de Janeiro, onde exerceu a profissão de carteiro dos Correios, e onde começou a pintar em 1950. Participou da V Bienal de São Paulo, de vários Salões Nacionais e exposições coletivas no exterior. Várias individuais e coletivas no País. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 127; PONTUAL, pág. 236/237; MEC, vol. 2, pág. 248; TEIXEIRA LEITE, pág. 220; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 347, Acervo FIEO.



349 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Mulher - desenho a nanquim - 48 x 33 cm - canto inferior direito - 1946 -
No estado.

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



350 - DÉCIO VILARES (1851 - 1931)

Flores - óleo sobre tela - 51 x 40 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão. No estado.

Pintor, retratista, fez da figura feminina o seu tema predileto. Criou a bandeira da República, substituindo o escudo pelo Cruzeiro do Sul e acrescentando o lema positivista " Ordem e Progresso" . Dedicou-se também à escultura. ARTE NO BRASIL vol.2, pág.1060; PONTUAL, pág.542; MEC vol.4, pág. 478; TEIXEIRA LEITE, pág. 526; ITAÚ CULTURAL.



351 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

Vênus - serigrafia - 71/100 - 54 x 29,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



352 - JOSÉ SABÓIA (1949)

Trabalhadores - óleo sobre tela - 46 x 54,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



353 - RITA GOMES FERREIRA (1959)

Menina - escultura em terracota policromada - 23 x 11 x 11 cm - assinado - Coqueiro do Campo - MG -
Vale do Jequitinhonha.

Rita Gomes Ferreira nasceu no dia 26 de junho de 1959, em Coqueiro Campo, Minas Novas, em Minas Gerais. Aprendeu a trabalhar no barro com sua tia Rosa, quando tinha aproximadamente 11 anos. Mais velha, foi morar em outra cidade e só voltou a trabalhar com barro em 2000, já com 39 anos, quando retornou a Coqueiro Campo. Recomeçou fazendo peças pequenas, como galinhas e flores, mas agora já desenvolve bonecas, segundo ela, as peças mais difíceis. Ela diz que trabalha com cerâmica por necessidade, pois é uma fonte de renda, embora goste de criar sempre peças novas. Membro da Associação dos Artesãos de Coqueiro Campo, já participou de feiras em Montes Claros e em Minas Novas. Fonte: Museu Casa do Pontal/RJ.



354 - PÉRICLES (1924 - 1961)

"O amigo da onça" - técnica mista sobre papel - 41 x 29 cm - canto inferior direito -

Caricaturista e cartunista, Péricles de Andrade Maranhão nasceu em Recife, PE e faleceu no Rio de Janeiro. Publicou seus primeiros desenhos na Revista do Colégio Marista do Recife, onde estudou na década de 1930. Por volta de 1942, chegou ao Rio de Janeiro e ingressou nos 'Diários Associados', de Assis Chateaubriand, iniciando sua produção em 'O Guri' e, pouco depois, na revista 'A Cigarra', onde lançou seu personagem 'Oliveira Trapalhão'. A partir de 1945, ilustrou os textos de Millôr Fernandes na seção Pif-Paf da revista 'O Cruzeiro'. 'Laurindo e Miriato Gostosão' foram outros personagens criados por Péricles, mas o de maior sucesso foi 'O Amigo da Onça', publicado pela primeira vez em 1943 em' O Cruzeiro'. 'O Amigo da Onça' foi produzido por quase 20 anos e, mesmo após a morte de seu criador, continuou a ser publicado no traço de Carlos Estevão. Sua criação foi capaz de transpor as páginas desenhadas em 'O Cruzeiro' e permanecer na memória visual e humorística brasileira. Seus trabalhos participaram, após a sua morte, de exposições em: Curitiba, PR (1980); São Paulo (1983, 1997, 2001); Belo Horizonte (1997); Brasília (1998); Penápolis, SP (1998). ITAU CULTURAL.



355 - PAULO CLÁUDIO ROSSI OSIR (1890 - 1959)

Marinha - óleo sobre aglomerado - 39 x 54 cm - canto inferior direito - 1957 -

Pintor e arquiteto nascido e falecido em São Paulo. Estudou na Europa, e em 1921 expõe individualmente em sua cidade natal. Integrou, mais tarde, a Família Artística Paulista. Seu estilo combina elementos impressionistas e cubistas. Criou a OSIRARTE, firma especializada no fabrico de azulejos artísticos. TEODORO BRAGA, pág. 208; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 268; PONTUAL, pág. 462; MEC, vol, 3, pág. 303; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 128; ARTE NO BRASIL; WALTER ZANINI, pág. 579, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



356 - ANTONIO CUNHA (XIX - XX)

Natureza morta - óleo sobre tela - 39,5 x 49 cm - canto inferior direito - 1941 - Rio de Janeiro -
No estado.

Pintor, com participação e premiação (medalha de bronze) no SNBA-RJ em 1948 e no Salão da SBBA-RJ (1948). JULIO LOUZADA, vol 10, pág 251.



357 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

"Valentino e Curio" - desenho a nanquim e aquarela - 25 x 21 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



358 - BONAVENTURA CARIOLATO (1894 - 1989)

"Marina Grande em Capri" - aquarela - 22,5 x 29,5 cm - canto inferior esquerdo - 1958 -
No estado.

Radicado em São Paulo, este excelente pintor participou ativamente de salões oficiais e de outros realizados periodicamentre, obtendo prêmios significativos no SPBA (menção honrosa em 1934 e medalha de bronze, em 1941). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 211



359 - SALVADOR DALI (1904 - 1989)

Figuras - litografia - E.A. - 74 x 56 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, gravador, escultor, artista gráfico, ilustrador e designer, Salvador Domingo Felipe Jacinto Dalí i Domènech nasceu em Figueira -Catalunha, Espanha e faleceu na Catalunha. Com um interesse precoce pela pintura, entrou para a Escola Especial de Pintura em Madri (1921) e foi aluno de Moreno Carbonero. Depois, ingressou na 'Real Academia de Bellas Artes de San Fernando' também em Madri. Foi expulso dessa escola e preso por atividades políticas antigovernamentais. Expôs, pela primeira vez, em Barcelona (1925). Conviveu com vários cineastas, artistas e escritores famosos, tais como: Luis Bruñel (com o qual colaborou no curta-metragem "Um chien andalou"), Rafael Alberti e Frederico Garcia Lorca. Em 1929, viajou para Paris e conheceu Pablo Picasso. No ano seguinte, começou a fazer parte do movimento artístico conhecido como surrealismo. Casou-se com Elena Ivanovna Diakonova, conhecida como Gala (1934). Deixou o movimento surrealista por motivos políticos (1939). Morou nos Estados Unidos (1940 a 1948) e voltou para a Espanha. Em 1961 colocou em prática um grande projeto: o 'Teatro-Museo Gala Salvador Dali', em sua terra natal, que reuniu grande parte de suas obras e foi inaugurado em 1974. Destacam-se as exposições individuais realizadas em: Nova York, EUA (1941 – MoMA, 'Museum of Modern Art'; 1965 – ' The Gallery of Modern Art); Paris, França (1979 – MNAM, 'Musée National d’Art Moderne' – 'Centre National d’Art et de Culture Georges Pompidou'); Londres, Inglaterra (1980 – 'Tate Gallery'). Exposições retrospectivas foram realizadas em: Tóquio, Japão (1964, itinerante); NovaYork, EUA (1964); Alemanha (1970 – Roterdam, 1971 – Baden-Baden), entre outras. Recebeu a mais alta distinção da Espanha: Grande Cruz de Isabel a Católica (1964). BENEZIT, VOL.3, PÁG. 329; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 309; ITAU CULTURAL; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE; www.salvador-dali.org; salvadordali.com.br; www.suapesquisa.com; www.artprice.com.



360 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)

"Vaso de flores" - óleo sobre madeira - 41 x 33 cm - canto inferior esquerdo - 1970 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com etiqueta nº 15/31 e carimbo da Galeria Mirante das Artes que foi de propriedade do Professor Pietro Maria Bardi, Fundador e Diretor do Museu de Arte de São Paulo, MASP, no dorso .

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



361 - NORI FIGUEIREDO (1949)

Composição - gravura - 4/50 - 13 x 13 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor e desenhista, natural desta Capital. Expõe individualmente em 2005 na Graphias Casa da Gravura (São Paulo, SP), e coletivamente em 1994, na Pinacoteca-SP; 1999 - Rio de Janeiro - Mostra Rio Gravura. São Paulo: gravura hoje no Palácio Gustavo Capanema; 2000 Investigações. A Gravura Brasileira - Itaú Cultural (São Paulo, SP) e 2001 - Investigações. A Gravura Brasileira (2001 : Brasília, DF) - Itaugaleria (Brasília, DF) ITAUCULTURAL.



362 - LORENZO DELLEANI (1840 - 1908)

Paisagem invernal - óleo sobre madeira - 60 x 84,5 cm - canto inferior direito - 16/05/1906 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador italiano nascido em Pollone, Piemonte e falecido em Turim. Foi mandado por seus pais para St-Jean-de-Maurienne - França para aprender música, mas desistiu e optou pela pintura. Até seu retorno para a Itália, estudou na Academia Albertina. Expôs pela primeira vez em 1863. BENEZIT; www.artprice.com.



363 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)

"Curva de estrada" - óleo sobre cartão - 17,5 x 11 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



364 - TOLEDO PIZA (DOMINGOS VIEGAS DE TOLEDO PIZA) (1887 - 1945)

Estudo - desenho a lápis - 15 x 22,5 cm - não assinado -
Com autenticação e estudo no dorso. No estado.

Pintor, estudou em Paris, voltando ao Brasil em 1933; dedicou-se à paisagem, com características expressionistas. ARTE NO BRASIL vol.2, pág.1054; TEIXEIRA LEITE, pág. 510; ITAÚ CULTURAL.



365 - EDUARDO CAMÕES (1955)

"Igreja do Carmo 1890" - óleo sobre tela - 40 x 70 cm - canto inferior esquerdo e dorso -
Série Pernambuco antiga.

Pintor, desenhista e gravador, sendo que, a partir de 1970, dedicou-se exclusivamente a pintura a óleo. Em 1973 excursionou pelos Estados Unidos, participando de exposições individuais e coletivas. Expôs também no Japão e em várias cidades brasileiras. JÚLIO LOUZADA, vol. 3, pág. 198.



366 - TAKASHI FUKUSHIMA (1950)

Composição - litografia - 44/100 - 25 x 35 cm - canto inferior direito - 1988 -
No estado.

Filho do pintor Tikashi Fukushima, nasceu em São Paulo, Capital. Estuda com Luiz Paulo Baravelli em 1970 e, no mesmo ano, ingressa na FAU-SP. Paralelamente aos estudos universitários, expõe nas Bienais Internacionais de São Paulo em 1973 e 1975, obtendo, nesta última, prêmio aquisição. Em 1990 estuda na Universidade Nacional de Artes e Música de Tóquio, Japão, com bolsa concedida pela Fundação Japão. No mesmo ano, recebe o prêmio de excelência na 1ª Bienal Brasileira de Design, em Curitiba. Desde 1992 leciona desenho no curso de arquitetura e urbanismo da Faculdade de Belas Artes de São Paulo. JULIO LOUZADA, vol. 13 pág. 141; ITAÚ CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 231, Acervo FIEO.



367 - UBI BAVA (1915 - 1988)

"Estudo II" - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - canto inferior direito - 1960 -
No estado.

Natural da cidade paulista de Santos. Faleceu em São Paulo. Arquiteto, professor, pintor, desenhista e escultor. Foi aluno de Lucilio de Albuquerque e de Henrique Cavalleiro. Foi professor de desenho artístico da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, FAU/UFRJ. Entre as diversas exposições de que participou, destacam-se: Salão Nacional de Belas Artes - Divisão Moderna, Rio de Janeiro (1949); Bienal Internacional de São Paulo (1951 a 1955, 1959, 1973, 1975); Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1961, 1968); Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM/SP (1975, 1976); Exposição Itinerante de Arte Moderna no Brasil por Argentina, Chile e Peru (1957). Foi premiado no Rio de Janeiro (1949, 1961 - Prêmio de Viagem ao Estrangeiro); Curitiba, PR (1972). Viajou pela Europa, com o Prêmio de Viagem, e se fixou na Itália por dois anos. TEIXEIRA LEITE; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 5 PÁG. 98; WALTER ZANINI, PÁG. 676; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, PÁG. 933; pitoresco.com.br; mac.pr.gov.br; arcadja.com;web.artprice.com.



368 - ELIAS FRANCISCO DOS SANTOS (1924 - 2014)

Cavalo - escultura em terracota policromada - 23 x 34 x 08 cm - assinado -

Elias Francisco dos Santos, o Seu Elias, nasceu e faleceu em Caruaru, PE. Pertencente a uma família que ajudou a fundar a comunidade do Alto do Moura, é considerado o primeiro discípulo de Vitalino. Começou a trabalhar com o barro quando tinha apenas 10 anos de idade. Depois de trabalhar durante grande parte de sua juventude na produção figurativa, abandonou o oficio e se mudou para o Recife. Aposentou-se e retornou ao Alto do Moura voltando para a cerâmica. Seus trabalhos participaram de muitas exposições de artesões regionais. http://artepopularbrasil.blogspot.com/2011/02/seu-elias.html; http://www.artedobrasil.com.br.



369 - VIRGÍLIO DELLA MONICA (1889 - 1956)

Casarão - óleo sobre cartão - 28 x 36 cm - canto inferior esquerdo - 15/04/1942 -
Com dedicatória. No estado.

Pintor ativo em São Paulo, onde participou do Salão Paulista de Belas Artes em 1940 e 1942. Pintou paisagens, naturezas mortas e figuras. THEODORO BRAGA; JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 302; ACERVO FIEO, pág. 280.



370 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

"Flores, Paisagem e São Sebastião" - óleo sobre madeira - assinados - 1959 -
Reproduzido na capa do catálogo e no convite deste Leilão. Pintura Trifacial - dimensões: Esquerda: 58 x 19 cm. Meio: 65 x 38 cm. Direita: 58 x 19 cm. Com Laudo de Autenticidade da Fundação Guignard, datado de 09 de novembro de 2018.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



371 - RENINA KATZ (1925)

"Percursos" - litografia - 73/100 - 71 x 98 cm - canto inferior direito -

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



372 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - guache - 20 x 29 cm - canto inferior direito - 1958 -
No estado.

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



373 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Rosa" - óleo sobre tela - 32 x 21 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 -

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



374 - PATRICK THOMAS GUÉRATI (1947)

"Cidade à beira do rio" - óleo sobre tela - 27 x 33 cm - canto inferior direito - 1985 - Paraibuna - SP -
Com autenticação do autor no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista irlandes, artista exlusivo da Galeria de Arte André - SP, com diversas participações em exposições coletivas e salões oficiais. Acervo FIEO.



375 - ÉLON BRASIL (1957)

"Criança com pássaro" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto superior esquerdo e dorso - São Paulo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



376 - FRANCISCO BRENNAND (1927)

Composição - cerâmica - 10 x 10 cm - não assinado -

Pintor e ceramista. Estudou com André Lhote e Fernand Léger, em Paris. Participou de importantes bienais e salões, nacionais e internacionais. Realizou individuais de pintura e cerâmica no MAM-SP em 1960 e outras importantes salas de arte. Executou trabalhos murais em edifícios públicos e particulares no Recife e no estrangeiro. Suassuna considerou a sua pintura "bela, forte e brasileira". Brennand é referência mundial como artista puramente brasileiro. JULIO LOUZADA, VOL, 10, pág 141. PONTUAL, pág, 88. MEC, VOL , 1, pág, 294; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 879. Acervo FIEO. -



377 - VIRGÍLIO NEVES (1963)

"Gaia" - óleo e caneta permanente sobre tela - 90 x 70 cm - dorso - 2015 -

Pintor e desenhista nascido em São Paulo, SP. Graduou-se em Publicidade e Propaganda na ECA, Universidade de São Paulo (1980 – 1984); História da Arte na FAAP, SP (2008-2010); Mestrado na UNESP (início em 2017) e tem participado de cursos de desenho e pintura em vários ateliês de artistas e de museus. Realizou exposições individuais em São Paulo em 2014, 2016 e tem participado de mostras coletivas e oficiais. www.smithgaleria.com.br/artista/virgilio-neves/#bio1831-87c3.



378 - JOSÉ BEZERRA (1952)

Ex voto - escultura em madeira - 30 x 13 x 13 cm - assinado -

Escultor, poeta e músico. Nasceu em Buíque, Pernambuco, vive e trabalha na Reserva Ecológica do Vale do Catimbau, sertão de Pernambuco. Trabalhou na roça até final de 2002 quando iniciou uma nova profissão: a de artesão em madeira. Realizou uma exposição individual em São Paulo, em 2009. ITAU CULTURAL; www.galeriaestacao.combr; www.flickr.com.



379 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Conversando - desenho a nanquim e aquarela - 39 x 28 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



380 - TITO DE ALENCASTRO (1934 - 1999)

"Figura com pássaro" - óleo sobre tela colada em eucatex - 90 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 24/06/1984 - SP -
Autenticado no dorso pelo autor e por Yur Fogaça, herdeiro do artista.

Pintor, desenhista, gravador, mosaicista, cenógrafo, dramaturgo, poeta, ator e cantor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Assina Tito de Alencastro. Ingressou na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1956) onde estudou desenho com Zaluar e composição com Quirino Campofiorito e Santa Rosa. Paralelamente, estudou técnicas de mosaico com José Moraes e gravura em metal com Johnny Friedlaender no MAM, RJ. Formou-se em Museologia pelo Museu Nacional de Belas Artes, RJ, estudando com Gustavo Barroso. Atuou em numerosos concertos de câmara e óperas no Rio de Janeiro como ator e cantor. Fixou residência em São Paulo em 1961. Como cenógrafo, trabalhou no filme "Roleta Russa" e nas peças "O Grande Sonhador", "Você Pode Ser O Que Quiser", "Macho Beleza e Monólogo a Dois", as três de sua autoria. Executou os painéis "Os Imigrantes" e "O Trabalho e o Lazer" (1979). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1966 – Galeria Seta, 1970, 1973, 1976, 1980 a 1985, 1995); Rio de janeiro (1967, 1978, 1983); Uberlândia, MG (1981); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1984). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas. Recebeu o primeiro Prêmio Aquisição no I Salão da Jovem Gravura no MAM, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 29; PONTUAL PÁG. 14; MEC VOL, 1, PÁG. 45; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 39, VOL. 2, PÁG. 43; VOL. 11, PÁG. 6; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



381 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)

Emblema - serigrafia - 100/135 - 90 x 61 cm - canto inferior direito - 1989 -
No estado.

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



382 - NIWA SHIRO (1934)

Composição - óleo sobre eucatex - 45 x 97 cm - canto inferior direito - 1971 -
No estado.

Pintor nascido em Okazaki - Honshu, Japão. Veio para o Brasil em 1958, fixando-se em São Paulo onde integrou o Grupo Sakai do Embu. Exposições individuais: São Paulo (1970, 1973, 1974); Teresópolis, RJ (1972); Ystad, Suécia (1974); Paris, França (1974). Participou de mostras e Salões oficiais em São Paulo nos anos de 1974, 1975, 1976, 1977 a 1979. Foi premiado, em 1978, no VII Salão Bunkyo, SP. MEC VOL. 4, PÁG. 242; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 6, PÁG. 792.



383 - MARCEL GAUTHEROT (1910 - 1996)

"Fotografia da Cosigua" - fotografia - 20 x 18 cm - não assinado - C.1970 - Santa Cruz - RJ -
Com carimbo do autor no dorso.

Fotógrafo, Marcel André Félix Gautherot nasceu em Paris, França e faleceu no Rio de Janeiro. Realizou inicialmente estudos de arquitetura, passando depois a se dedicar à fotografia. Veio para o Brasil (1940). O interesse pelo país fora despertado pela leitura do romance "Jubiabá", de Jorge Amado. Após uma breve passagem pela região amazônica, fixou-se no Rio de Janeiro. Realizou trabalhos de documentação fotográfica para o recém-criado Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Viajou pelo Rio São Francisco (anos de 1940) registrando os tipos humanos e as festas populares e religiosas com um olhar quase antropológico. Com o fotógrafo Pierre Verger, que conheceu em Paris, realizou viagens pelo país, documentando, entre outros assuntos, a arquitetura colonial e moderna. Ao longo de sua carreira, colaborou com revistas especializadas brasileiras e europeias. Na década de 1970 sua produção destinou-se principalmente a livros editados no país e no exterior. Foi autor, entre outros, dos livros "Pernambuco/Recife/Olinda" (1970), "Congonhas do Campo" (1973) e "Bahia, Rio São Francisco, Recôncavo e Salvador" (1995). Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro (1996); São Paulo (1996 – Pinacoteca). Participou de mostras coletivas oficiais em: Paris (1937, 1958); Bruxelas, Bélgica (1958); Zurique, Suíça (1992).Em 1999, o acervo de cerca de 25 mil imagens do fotógrafo foi adquirido pelo Instituto Moreira Salles (IMS), no Rio de Janeiro. ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



384 - MILTON FREITAS (1956)

Colhendo flores - óleo sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior direito - 2018 -

Pintor, desenhista e professor autodidata, ativo em São Paulo. Foi professor de pintura e teatro na Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Participou de mostras coletivas e oficiais em Presidente Prudente, SP e região. Recebeu alguns prêmios.



385 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

Noite - xilogravura - 8/12 - 16 x 16 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



386 - EDMUNDO SIMAS (1941)

Lavadeiras do Abaeté - óleo sobre tela - 43 x 55 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1986 - São Paulo -
No estado.

Baiano de Salvador, o artista assina suas obras EDMUNDO SIMAS. Executou em 1969 um mural com 3 metros em alto relevo em cimento cru para a Prefeitura de sua cidade. Especializou-se em desenho e serigrafia. Executou técnicas mistas para cenografia do filme "Revanche dos Bravos" da MGM. Expõe individualmente desde 1969 e coletivamente a partir de 1972, com premiação em 1973 e 1978. JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 1043



387 - ESCOLA ASIÁTICA, SÉCULO XX

Figuras - técnica mista sobre tela - 65 x 45 cm - canto inferior direito - Bali -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



388 - WANDERLEY XAVIER JR. (1971)

Gotas de orvalho - óleo sobre tela - 30 x 24 cm - canto inferior direito - 1998 -

Artista plástico com diversas participações em mostras coletivas.



389 - GISELA EICHBAUM (1920 - 1996)

Composição - técnica mista sobre papel - 10 x 16,5 cm - canto inferior esquerdo - 1971 -
Com inscrições no dorso.

Pintora e desenhista nascida em Manheim, Alemanha e falecida em São Paulo, SP. Descendente de uma família de músicos viveu em São Paulo desde 1935. Na década de 40, estudou música; cursou pintura e desenho com Yolanda Mohalyi, Samson Flexor e Karl Plattner. Integrou o Atelier-Abstração e frequentou a Escola de Arte Moderna de Nova Iorque, Estados Unidos. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1956 – MAM, 1958 a 1961, 1963, 1966, 1969, 1972, 1974, 1977 – MASP, 1978, 1981, 1983 – Retrospectiva no MASP, 1986 – MASP, 1991, 1994, 1995, 2004, 2005); Washington, EUA (1983); Campinas, SP (1962, 1985); Rio de Janeiro (1965 – MAM, 1974); Santos, SP (1999). Participou de mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se, no Brasil: Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1954 – Prêmio Aquisição, 1955, 1957, 1960, 1962 – Pequena Medalha de Prata, 1966, 1968); Bienal Internacional de São Paulo (1965, 1967); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1973, 1976, 1977, 1979) e outras na Áustria, Espanha, EUA, Israel, Japão e Paraguai. Publicou os livros "Canções sem Palavras", em 1986, e "Meu Diário", em 1994. Pela sua exposição retrospectiva no MASP, recebeu o prêmio de Melhor Desenhista pela Associação Paulista de Críticos de Arte, APCA, em 1983. ITAU CULTURAL; www.giselaeichbaum.com.br; www.mac.usp.br/mac/templates/projetos/seculoxx/modulo3/atelierabs/gisela/index.html;www.artprice.com.



390 - ARLINDO CASTELLANE DI CARLI (1910 - 1985)

Natureza morta - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior direito -

Pintor e escultor. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, onde foi aluno de José Maria da Silva Neves e de Enrico Vio. Suas primeiras realizações foram na pintura. Mais tarde passou a dedicar-se também à escultura. Sofreu influência do pintor Armando Balloni. Em 1942, estreando no SPBA, recebeu prêmio de menção honrosa, seguindo-se nos anos posteriores, diversas premiações, inclusive de viagem ao estrangeiro. MEC, vol. 1, pág. 355; WALMIR AYALA, vol.1, págs. 183 e 184; ITAÚ CULTURAL.



391 - SOPHIA TASSINARI (1927 - 2005)

Colhendo café - óleo sobre madeira - 26 x 14,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintora, ceramista e joalheira, esta artista paulistana iniciou seu estudos com Teodoro Braga. Posteriormente teve como companheiros de aula Annita Malfatti e Mario de Andrade. Sua obra é nostálgica, transposta líricamente para as fachadas barrocas, vielas, igrejas e ruínas de cidades históricas brasileiras. JULIO LOUZADA, vol.9, pág. 843; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 644, Acervo FIEO.



392 - PAR DE SERRA LIVROS EM BRONZE

16 x 20 x 08 cada cm -
Com a seguinte inscrição: "Ao Dr. Moitinho Doria, gratidão da família da viúva Accioli".



393 - SILVIA ALVES (1947)

"Ubatuba" - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1993 -

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



394 - ROSSINI PEREZ (1932)

Composição - gravura em técnica mista - 24/24 - 89 x 63 cm - canto inferior direito -

Gravador e pintor, Rossini Quintas Perez nasceu em Macaíba-RN, mudando-se com a família para o Rio de Janeiro em 1940. Em 1951, freqüenta a Associação Brasileira de Desenho e tem aulas com o pintor Ado Malagoli. Após visita à 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951, interessa-se pela gravura. Recebe orientação de Oswaldo Goeldi, Iberê Camargo e, em 1953, de Fayga Ostrower. É assistente de Johnny Friedlaender, com Edith Behring, no Ateliê de Gravura do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, no qual leciona entre 1959 e 1961. No ano seguinte, aperfeiçoa-se em litografia na Rijksakademie, em Amsterdã, como bolsista da Unesco. Reside em Paris de 1962 a 1972. De volta para o Brasil, leciona no Centro de Criatividade da Fundação Cultural do Distrito Federal em 1978. No Rio de Janeiro, entre 1983 e 1986, volta a dar aulas no Ateliê de Gravura do MAM/RJ. "Diante da guerra aberta entre o figurativo e o abstrato, Rossini Perez vai a São Paulo conhecer a 1ª Bienal, trocando, em seguida, a pintura pela gravura. Tal opção deve-se ao seu desejo de ingressar na arte abstrata. Nos anos em que ensina no MAM, resolve suas gravuras com ponta-seca ou combinando diversas técnicas do metal. Constrói composições, contrastando áreas claras e áreas escuras. Essas áreas são, a um tempo, afrontadas e fusionadas, já que cada uma delas tem na outra algo do seu próprio elemento gráfico. Assim, Rossini Perez dá ritmo às composições e as aplaina. Suas gravuras são planejadas; freqüentemente, todavia, são modificadas no processo por lance espontâneo e por acidentes da técnica. Segue esse procedimento mesmo nos trabalhos que faz na Europa, por mais de dez anos, após ter deixado o MAM." Leon Kossovitch e Mayra Laudanna, in: GRAVURA: arte brasileira do século XX. Apresentação Ricardo Ribenboim; texto Leon Kossovitch, Mayra Laudanna, Ricardo Resende. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000. p. 18. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 807; ITAU CULTURAL.



395 - TOMIE OHTAKE (1913 - 2015)

Composição - gravura - P.A. - 98 x 69 cm - canto inferior direito - 2002 -

Pintora, gravadora, escultora nascida em Kyoto, Japão e radicada no Brasil desde 1936, país que adotou, inclusive, a cidadania. Fixou-se em São Paulo. Em 1952, iniciou-se em pintura com o artista Keisuke Sugano. No ano seguinte, integrou o Grupo Seibi, do qual participavam Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, Flavio - Shiró, Tadashi Kaminagai , entre outros. A partir dos anos 1970, trabalhou com serigrafia, litogravura e gravura em metal. Dedicou-se também à escultura e realizou algumas delas para espaços públicos. Realizou muitas exposições individuais em todo o Brasil e exterior, além de ter participado de diversas mostras e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1961, 1963, 1965, 1985, 1989, 1996, 1998); Bienal de Veneza, Itália (1972); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973, 1976, 1983, 1986, 1989, 1993). Recebeu, em Brasília, o Prêmio Nacional de Artes Plásticas do Ministério da Cultura - Minc, em 1995 e muitos outros. Em 2000 foi criado o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. MEC, VOL. 3, PÁG. 323; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 690; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 791; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 140; PONTUAL, PÁG. 390; ART PRICE ANNUAL 1990, PÁG. 1464; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 362; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, PÁG. 939; LEONOR AMARANTE, PÁG. 170; WALTER ZANINI, PÁG. 693; ACERVO FIEO.



396 - WELLINGTON VIRGOLINO (1929 - 1988)

Amantes - serigrafia - 43/100 - 32,5 x 53 cm - canto inferior direito -

Pernambucado do Recife, é pintor e gravador. Pinturas de cromatismo vigoroso e variado em ambientações típicas do nordeste cercam as figuras que povoam os trabalhos de Virgolino, em criações de grande habilidade e lirismo. A propósito de sua obra, assim se manifestou Walter Zanini, na obra de PONTUAL abaixo mencionada: " A raiz popularesca (...) amolda-se perfeitamente ao caráter simbólico e arcaizante de suas representações dominadas por um certo tema exposto com clareza e concisão, não obstante a avassalante presença dos motivos de preenchimento que movimentam e enriquecem todos os aspectos da composição. Na cor densa e úmida transparece ainda a sensibilidade equatorial deste pintor que soube definir uma própria e instintiva fantasia poética." JULIO LOUZADA, vol 1, pág 1039; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 879; PONTUAL, pág. 543.



397 - SUETONIO MEDEIROS (1970)

Anjo - desenho a caneta esferográfica - 41 x 29 cm - canto inferior direito -

Alagoano, Suetônio Cícero Medeiros ministra aulas de desenho na Fundação Cultural de Blumenau (FCB). Desenvolve uma linguagem própria independente de escola ou estilo, realizando trabalhos nas mais diversas áreas artísticas, como a pintura, escultura, desenho, restauração, modelagem, maquetaria, fundição e metalgrafia. Suas obras baseiam-se em estudos desenvolvidos acerca de filósofos gregos pitagóricos que defendiam a obtenção da harmonia através da proporção da freqüência, enfatizando a crescente necessidade de se conseguir harmonizar as partes com o todo. Realizou várias exposições coletivas e individuais.https://semanadeartesdafurb.wordpress.com/curriculos/



398 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 49 x 34,5 cm - canto inferior direito ilegível -



399 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Bandeirinhas - off set - 56/150 - 52 x 38 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



400 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Cangaceiro - serigrafia - 32/100 - 42 x 30 cm - canto inferior direito - 1960 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.