Leilão de Fevereiro de 2017

21, 22 e 23 de Fevereiro de 2017



001 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Flores - serigrafia - P.A. - 68 x 48 cm - canto inferior direito -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



002 - ANTONIO GARCIA PASCOAL (1939)

Marinha - óleo sobre tela - 20 x 40 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2016 -

Assina Pascoal. Pintor nascido em Itapui, SP, em 17 de novembro. Participa de coletivas desde 1990, tendo recebido prêmio, dentre outros, Medalha de Bronze, no SA na CEF em São Caetano do Sul - 1991. JULIO LOUZADA vol.9, pág. 655.



003 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata no espelho - serigrafia - P.A. - 43 x 26 cm - centro inferior -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



004 - SERGIO RENATO YPLINSKY (1947)

Pastora - óleo sobre eucatex - 50 x 78 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Araxá, MG, no dia 20/2/1947. A sua pintura, de tendência impressionista, evoca o paisagismo, os costumes e os interiores de seculares catedrais do velho mundo. Expõe individualmente a partir de 1969, participando de coletivas a partir de 1976, com diversas premiações. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 360.



005 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

Cabeça de Alexandre - serigrafia - P.I. - 43 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura, em 1929, com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli , entre outros, criou o Núcleo Bernardelli em 1931. Viajou para Estados Unidos em 1945, com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na Art's Students League of New York. Em 1946, foi para a Europa e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na Académie de La Grande Chaumière. Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e freqüentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no Salon d'Automne (Paris) e regressou ao Brasil em 1947. Em 1949, casou-se com a pintora Maria Leontina e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais e também recebeu prêmios nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO.



006 - HELIO DE CASTRO (1960)

Barcos - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito e dorso - 2014 -

Excepcional pintor de paisagens e marinhas, dono de refinada técnica e composição, com inspiração nas escolas européias. JULIO LOUSADA, vol. 4, pág. 514



007 - ALOYZIO ZALUAR (1937)

Índios - óleo sobre eucatex - 30 x 40 cm - lado direito e dorso - 2016 -

Natural da cidade do Rio de Janeiro. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1956. Participou de diversos SNAM entre 1958 e 1967, recebendo a Certificado de Isenção em 1966. Expõe individualmente a partir de 1964. TEIXEIRA LEITE chamou atenção, em 1964, para a influência de Goeldi nos seus trabalhos que, mais tarde, abordaram a temática do carnaval carioca, levando o artista e poeta José Paulo Moreira da Fonseca a situá-lo na fronteira entre o desenho e a pintura. ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 349; MEC, vol. 4, pág. 528; PONTUAL, pág. 556; ACERVO FIEO, pág. 785. Acervo FIEO. -



008 - ANTONIO CARPENTIERI (1930 - 1987)

Interior - óleo sobre eucatex - 66 x 45 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Natural de Nápoles, Itália, Carpentieri foi descendente de família abastada, há três gerações ligadas às artes plásticas. No Brasil desde 1952, tornou-se aluno de Angelo Cannone, Briante e De Corsi. Expôs diversas vezes com excelente crítica na Itália, cujas galerias e museus possuem obras suas. JULIO LOUZADA, vol.1, pág.215; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 176; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



009 - DURVAL PEREIRA (1917 - 1984)

"As lavadeiras" - litografia sobre tela - 72/103 - 37 x 53 cm - dorso -
Esta reprodução sobre tela do quadro "As lavadeiras" de autoria de Durval Pereira, foi feita por processo exclusivo da Litografia Mattavelli S.A. em edição limitada, assinada e autênticada pelo autor, sob o número 72/103.

Nascido e falecido em São Paulo onde foi pintor e professor ativo. Premiado com a Menção Honrosa no Salão Paulista de Belas Artes em 1944, passou a viver exclusivamente da pintura. Em 1946, estudou artes plásticas na Associação Paulista de Belas Artes. Pintava ao ar livre, aos domingos, com os pintores Salvador Rodrigues, Salvador Santisteban, Cirilo Agostinho, Jaime Dinis, Djalma Urban, Innocencio Borghese, e outros. Premiado praticamente em todos os Salões de que participou, acumulou, em toda sua carreira, 419 prêmios de todos os cantos do mundo. Recebeu ao todo, 15 comendas das mais importantes do Brasil. Nos últimos três anos de sua vida recebeu também todos os Primeiros Prêmios e Medalhas de Ouro nas exposições de Paris, Rouen, Lyon, Roma, Miami e Milão (o maior prêmio dado à pintura: ‘La Madonina de Milano’). MEC, vol. 3, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 749; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO; www.tntarte.com.br.



010 - CARLOS AUGUSTO (XX)

Velho - óleo sobre tela - 65 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 1972 - Sorocaba - SP -

Pintor e desenhista com diversas participações em mostras coletivas e oficiais.



011 - GREGÓRIO GRUBER (1957)

Moça - desenho a lápis de cor - 34 x 26 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, cenógrafo, escultor e fotógrafo, nascido em Santos-SP. Filho do artista plástico Mário Gruber, em cujo atelier cursou litografia e fez estágio em artes plásticas e fotografia. Estudou desenho com Frederico Nasser -SP. Em Paris cursou desenho na Académie de la Grand Chaumière. Em 1976 recebeu o Prêmio de Melhor Gravador da APCA-SP. O Itaú Cultural-SP, produz filme sobre o artista (1992). JULIO LOUZADA vol.3, pág. 484; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



012 - ESCOLA CUZQUENHA, SÉC.XIX

Santa - óleo sobre tela colada em cartão - 15 x 13 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



013 - WALTER LEWY (1905 - 1995)

A cruz - xilogravura - 8/20 - 20 x 16 cm - canto inferior direito - 1943 -

Gravador, pintor, ilustrador, paisagista, desenhista e publicitário nascido em Bad Oldesloe, Alemanha e falecido em São Paulo. Estudou na Escola de Artes e Ofícios de Dortmund, Alemanha (1923-1927). Nesse período, filiou-se à tendência do realismo mágico. Em 1928 participou de coletivas em Dortmund, Gelsenkirchen, Boclusim e outras cidades. Com a crise econômica de 1929, Lewy perdeu seu emprego de desenhista numa gráfica e foi viver com os pais no interior, tornando-se ilustrador de anedotas em jornais. Realizou sua primeira exposição individual em Bad Lippspringe (1932), mas foi fechada quando a Câmara de Arte Alemã proibiu a participação de judeus na vida artística. Escapando dessa situação opressora, o artista imigrou para o Brasil (1938), retomando profissionalmente a pintura. Deixou para trás centenas de trabalhos, que foram enviados para a Holanda e perdidos durante os bombardeios da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). No Brasil, fixou-se em São Paulo. Nos primeiros anos fez desenho publicitário e mais tarde capas de livros e ilustrações para diversas editoras. Ilustrou obras de Bertrand Russell, Machado de Assis e Arnold Toynbee, entre outras. Mais tarde, empregou-se como diagramador, letrista e arte-finalista nas agências de propaganda De Carli, Lintas Publicidade, Martinelli, Santos & Santos e Thompson Propaganda. Participou de Salões Nacionais e Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1965, recebendo diversas premiações oficiais. JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 497; MEC, VOL. 2, PÁG. 474; TEODORO BRAGA, PÁG. 245; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 286; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 630; LEONOR AMARANTE, PÁG. 142; ACERVO FIEO.



014 - OSCAR TECÍDIO (1926 - 1995)

"Céu" - óleo sobre eucatex - 38 x 46 cm - canto inferior direito e dorso - 1988 -
Com etiqueta da Galeria Rachid - Rio de Janeiro - RJ, no dorso.

Este excepcional pintor paisagista, era natural do Rio de Janeiro, onde foi ativo. Teve como mestres Osvaldo Teixeira, Armando Ramos e Heitor de Pinho na Escola Nacional de Belas Artes. Dedicou-se em especial pelas marinhas, e foi grande defensor da preservação ecológia. Carlos Drummond de Andrade assim se pronunciou sobre esta bandeira do autor: " Dois colecionadores disputam a compra da Poluição de Tecídio. O que adquirir a obra terá a baía e a poluição em casa. Se for mesmo um bom colecionador, e já possuir, digamos um Castagneto (...), poderá entregar-se a um exercício ecológico amargo útil. A baía de ontem e de hoje. O que tínhamos e o que já perdemos. O que estamos perdendo..." Realizou individual em 1968, participando de coletivas a partir de 1956, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 964.



015 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Composição - xilogravura - P.A. - 39 x 29 cm - canto inferior direito -
No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



016 - VICENTE CARUSO (1913 - 1988)

Figura - desenho a lápis - 35 x 24 cm - canto inferior direito - 1940 -

Pintor. No Rio de Janeiro, conquistou diversas premiações nos salões oficiais de que participou, tais como: Salão da Sociedade dos Artistas Brasileiros, em 1968 e Salão Nacional de Belas Artes, em 1970. Em São Paulo, ganhou a Pequena Medalha de Prata, no Salão Paulista de Belas Artes de 1952. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 220, Acervo FIEO.



017 - SERGIO MIGLIACCIO (1936)

Flores - óleo sobre tela - 22 x 16 cm - canto inferior direito -

Paulistano, nasceu em 26/1/1936. Em 1952, inicia por conta própria seus estudos de desenho, estudando posteriormente com a prof. Alice Moreira. A partir de 1958, foi aluno por seis anos do mestre Edmundo Migliaccio, seu tio, nas técnicas de desenho, pastel e óleo. Desde 1964 pinta profissionalmente, seguindo sua própria intuição na execução de retratos, nus, cenas urbanas, rurais, de gênero e naturezas mortas. Criou para a Industrias Votorantim, motivos para estamparia de tecidos, seguindo as tendências da moda da época. Individuais em 1970 e 1975. Coletivas a partir de 1982, figurando no SPBA-SP e UNAP-SP. JULIO LOUZADA, vol. 3 pág. 739



018 - ANTONIO PETICOV (1946)

Paisagem - giclée - 85/100 - 27 x 20 cm - dorso - 2002 -

Nasceu em Assis, SP. Desenhista, gravador e escultor. Autodidata. Integra os movimentos movimentos artísticos de vanguarda da segunda metade da década de 60. De produção diversificada, segue tendências variadas das vanguardas artísticas internacionais das últimas décadas. Participa de várias exposições entre elas, Bienal Internacional de São Paulo, 1967, 1969 e 1989; Panorama da Pintura Brasileira, no MAM/SP, São Paulo, 1983; Destaques da Arte Contemporânea Brasileira, no MAM/SP, 1985; Bienal Brasileira de Design, Curitiba, 1990; OFF Bienal, no MuBE, São Paulo, 1996; Arte Suporte Computador, na Casa das Rosas, São Paulo, 1997. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 757/758; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE, pág. 185. Acervo FIEO.



019 - ANTONIO ARENA (1917)

"Camponesa - Calábria" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, expôs no SPBA, conquistando a Medalha de Bronze em 1925 com seus trabalhos Cabeça de Negro e Flores. Apresentou a obra Marinha no XX Salão da Associação Paulista de Belas Artes. JULIO LOUZADA, vol. 3 pag. 67



020 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Estudo de botânica - gravura aquarelada - 22 x 13 cm - não assinado -



021 - CALISTO CORDEIRO, DITO K.LIXTO (1877 - 1957)

Figuras do nordeste - desenho a nanquim - 23 x 20 cm - canto inferior direito -

Desenhista, caricaturista e pintor. Estudou na ENBA. Desenhou o primeiro sêlo de impôsto de consumo impresso no Brasil. Sua atividade de caricaturista durou mais de 30 anos, com intensa colaboração em jornais e revistas do Rio de Janeiro, tais como O Riso, D. Quixote, Carêta, A Semana Ilustrada, Fon-Fon!, Ilustração Brasileira, A Caricatura, O Cruzeiro, O Tagarela, O Malho e tantas outras. Participou de diversos certames do gênero. Sua excepcional obra é até hoje objeto de estudo por especialistas, que não se cansam de lhe tecer elogiosas críticas. PONTUAL, pág. 291; JULIO LOUZADA vol 12 pág. 218; WALTER ZANINI, pág. 806; ARTE NO BRASIL; HISTÓRIA DA CARICATURA NO BRASIL, pág. 1014.



022 - ATHOS BULCÃO (1918 - 2008)

"Azulejos do Instituto..." - impressão sobre azulejo - 15 x 15 cada cm - não assinado -
Complemento do título: "Azulejos do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, DF". Complemento de técnica : "Impressão contemporânea feita pelo Instituto Athos Bulcão, sobre azulejos, com imagens do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - DF"

Pintor e desenhista. Começou a dedicar-se a arte estimulado por Portinari, que, em 1945, o convidou a trabalhar nas obras da Pampulha, em Belo Horizonte. No ano anterior realizara exposição individual na sede recém-inaugurada do Instituto dos Arquitetos do Brasil no Rio de Janeiro, voltando a fazê-lo na Capital mineira em 1946 e 1947. Já então conquistara medalhas de prata em pintura e desenho no SNBA. Recebendo bolsa de estudos no governo francês, viajou em 1948 para Paris, onde permaneceu um ano, visitando ainda a Itália. De regresso ao Brasil, passou a dedicar-se também a trabalhos no campo da decoração. Residindo mais recentemente em Brasília, ali criou azulejos e vitrais para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, com motivos cristãos da Pomba e da Estrela, símbolos do Divino Espírito Santo e da natividade. Participou como isento de júri dos II SAMDF (1965), realizando em 1968 exposição individual de desenhos em Brasília (Galeria Encontro). Rubem Braga focalizou-o em uma crônica publicada na revista Manchete (14 de agosto de 1954). TEODORO BRAGA, PÁG. 59; MEC, vol. 1, pág. 301; WALMIR AYALA, vol.1, pág. 140; PONTUAL, pág. 93; TEIXEIRA LEITE, pág. 92; JÚLIO LOUZADA, vol. 7, pág.112; ITAÚ CULTURAL.



023 - EDSON FRANCESCHINI (1953)

Paisagem - óleo sobre tela - 25 x 17 cm - canto inferior direito -

Natural da cidade paulista de Araraquara, onde nasceu a 8 de junho. Estudou na Escola Panamericana de Arte em São Paulo. Realizou diversas exposições individuais, tendo participado com sucesso de outras tantas coletivas. Seus quadros possuem luz e encanto pessoais, que caracterizam a paleta desse pintor de velhos casarões de fazendas e cidades antigas de velhas tradições. JULIO LOUZADA vol.3, pág. 425; Acervo FIEO.



024 - PAULO CALAZANS (1947 - 2016)

"Varal di Nápoles" - serigrafia - P.A. - 82 x 67 cm - canto inferior direito - 2014 -

Mineiro de Caratinga, onde nasceu a 25 de maio de 1947. Gravador, desenhista, fotógrafo e poeta. Dos 15 aos 30 anos executou trabalhos na área visual (pintura, ilustração, gravura, fotografia, cenografia, entre outros), o que gerou a sua formação atual. Sua obra reflete várias tendências, ora passando uma releitura na História da Arte no período 1300/1950, ora desenvolvendo imagens a partir do inconsciente racionalizado. Individuais e coletivas a partir de 1983, com premiações. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 49.



025 - ÉZIO MONARI (1935)

"Música" - óleo sobre cartão - 39 x 27 cm - canto inferior direito e dorso - 2002 -

Pintor ativo em São Paulo. Participou do Salão Paulista de Belas Artes de 1961, recebendo menção honrosa. JULIO LOUZADA vol.7, pág.483; MEC vol.3, pág.169, Acervo FIEO.



026 - SILVIO OPPENHEIM (1941 - 2012)

Composição - litografia - 4/50 - 95 x 73 cm - canto inferior esquerdo - 1989 -

Pintor, desenhista, arquiteto e professor nascido e falecido em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Arquitetura da USP (1965) e completou sua formação na Alemanha, quando ganhou do governo alemão uma bolsa de estudos para a 'Technisce Universitat' (TU) em Berlim Ocidental. Em 1979 assumiu a cadeira de arquitetura de interiores na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Produziu intensamente como arquiteto e como artista plástico. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1965, 1972, 1975 a 1977, 1979, 1981, 1982, 1986 a 1989); Rio de Janeiro (1985); Brasília, DF (1978); Curitiba, PR (1980, 1987); Goiânia, GO (1989); Vitória, ES (1989). Participou de exposições coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969); '5 Pintores de Vanguarda', Porto Alegre, RS (1965); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971, 1973, 1976, 1979); Tóquio, Japão (1985) e outras. JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.745; VOL. 4, PÁG. 829; MEC, VOL.3, PÁG.301; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; www.sp.senac.br; www.resenhando.com; www.artprice.com.



027 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Mini rosa" - óleo sobre tela - 20 x 31 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



028 - BAJADO (1912 - 1996)

"Sonho meu" - aquarela e nanquim - 47 x 27 cm - canto inferior direito - 113/05/1973 - Olinda. -

Natural de Maraial-PE, onde nasceu a 9 de dezembro de 1912, falecendo na cidade de Olinda, no dia 15 de Novembro de 1996. Viveu e foi ativo nas cidades de Recife e Olinda, onde era Cartazista e Pintor de Alegorias para Carnavais. Expôs individualmente em 1990 e 1992. Coletivamente expôs em São Paulo (mostra Tradição e Ruptura), Rio de Janeiro e Paris. Postumamente foram realizadas outras mostras de sua obra. "A matéria-prima de Bajado é o povo de Olinda, com seus costumes, sofrimentos e alegrias; ele os interpreta com bom-humor, em meio a uma atmosfera carnavalesca a que nem sequer faltam, por vezes, a nota fescenina, mulheres de maiô e as sereias praianas, de anatomia desengonçada e tão pouca sensualidade a olhos não-sertanejos. E quando pinta para açougues, neles figura touros enormes, ´bichos que se desgastaram no caminho desde as grutas de Lascaux e Altamira até o sujo matadouro de Peixinhos, e que são mais parentes que propriamente consumo desta população pobre´. " José Roberto Teixeira Leite, na obra abaixo. TEIXEIRA LEITE, pág.51; JULIO LOUZADA, vol.2, pág.96.



029 - INOS CORRADIN (1929)

Marinha - serigrafia - 118/120 - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



030 - EUGÊNIO DE PROENÇA SIGAUD (1889 - 1979)

Pescadores - óleo sobre tela colada em madeira - 21,5 x 17 cm - canto inferior esquerdo - 1947 -
Com etiqueta da Bolsa de Arte do Rio de Janeiro, no dorso.

Estudou desenho na Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro com Modesto Brocos, formando-se em arquitetura em 1932, nessa mesma escola. A partir de 1935, dedicou-se à pintura mural e, de 1937, à pintura de temas sociais, com predominância de motivos de operários em construção e trabalhadores rurais. Caracteriza-se por uma grande versatilidade técnica, sendo dos raros pintores brasileiros a utilizar, lado a lado, o óleo, a têmpera e a encáustica, além da aquarela e do guache. Participou do Núcleo Bernardelli. PONTUAL, pág. 489; MEC, vol. 4, pág. 243; TEIXEIRA LEITE, pág. 475 e 476; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 324 a 327; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL, pág. 763, Acervo FIEO.



031 - HENFIL (HENRIQUE DE SOUZA FILHO) (1944 - 1988)

"Orelhão" - desenho a nanquim - 30 x 20 cm - canto superior esquerdo -

Mineiro de Ribeirão das Neves, onde nasceu em 5 de fevereiro de 1944, e faleceu na cidade do Rio de Janeiro-RJ, em 4 de janeiro de 1988. Iniciou sua carreira como cartunista, quadrinhista, foi colaborador de O Pasquim (1969). Em 1970 lançou a revista Os Fradinhos, seus personagens mais famosos e que possuem sua marca registrada: um desenho humorístico, crítico e satírico, com personagens tipicamente brasileiros e que retratavam a situação nacional da época. Sua importância na História em Quadrinhos no Brasil se deve à renovação que trouxe ao desenho humorístico nacional. Henfil atuou ainda em teatro, cinema, televisão e literatura, tendo sido marcante a sua atuação nos movimentos políticos e sociais do País.



032 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Criadores de pássaros" - serigrafia - 69/250 - 70 x 50 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



033 - JOSÉ BARBOSA (1948)

Anjo - técnica mista - 30 x 20 cm - canto inferior direito -
Com a seguinte inscrição: "Viva Olinda".

Pernambucano de Olinda, onde nasceu em agosto de 1948. Filho de marceneiro, iniciou sua carreira em 1963, como escultor-talhador, incentivado pelo pintor Adão Pinheiro. Integrou e organizou o movimento de Arte Ribeira, que tinha a participação dos artistas João Câmara, Vicente do Rego Monteiro e Guita Charifker - movimento dissolvido pouco tempo depois pela repressão militar. No Rio de Janeiro envolveu-se com a elite artística carioca, participando do progresso da vanguarda com suas talhas e gravuras em metal com imagerns exuberantes inspiradas na sua terra natal. Residiu na Alemanha, expondo seus trabalhos na França, Alemanha, Suiça e Inglaterra. Individuais a partir de 1964 e coletivas desde 1965. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 36; ITAU CULTURAL.



034 - GRYNER (1917 - 2009)

Paisagem - óleo sobre tela - 27 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1982 -
Com a seguinte dedicatória no dorso: "Para meu amigo Chlau Deveza, com amizade Gryner 28/12/1985 - Rio".

Pintor, Rachmyl Mendel Gryner nasceu em Ilza, Polônia. Assina Gryner. Fez seus estudos artísticos na Europa. Transferiu-se para o Brasil em 1935 e aqui se aperfeiçoou no Liceu de Artes e Ofícios - RJ, onde foi aluno de Tomás Santa Rosa e Armando Vianna, entre outros. Cursou ainda cenografia na Escola Nacional de Belas Artes - RJ. Entre 1948 e 1950 voltou à Europa, passando por Polônia, Bélgica e França, expondo seus trabalhos. No Rio de Janeiro expôs individualmente (1966) e, entre 1952 e 1966, participou de Salões oficiais onde foi premiado. Realizou também obras em mosaico no Rio de Janeiro. JULIO LOUZADA VOL.6, PÁG.471; mosaicosdobrasil.tripod.com/id45.html.



035 - ETTORE ELIO XIMENES (1855 - 1926)

Nu - escultura em gesso - 39 x 50 x 25,5 cm - assinado -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Escultor, pintor e ilustrador italiano nascido em Palermo e falecido em Roma. Cursou a Academia de Belas Artes de Palermo e, em seguida, estudou com Domenico Morelli. Expôs em Palermo, Florença, Nápoles, Viena e em Paris onde recebeu a Medalha de Ouro na Exposição Universal (1900). Em 1922 consagrou-se como autor do Monumento do Ipiranga, SP e do Painel baseado na tela de Pedro Américo. BENEZIT VOL. 10, PÁG. 834; JULIO LOUZADA, VOL. 13, PÁG. 359; www.arcadja.com.



036 - RENINA KATZ (1925)

Composição - litografia - 10/50 - 32 x 23 cm - canto inferior direito -
No estado.

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



037 - ARNALDO PEDROSO D'HORTA (1914 - 1973)

Plantas - desenho a nanquim - 33 x 44 cm - canto inferior direito - 1951 - Praia Grande -
No estado.

Gravador e crítico de arte, o autor nasceu e faleceu em São Paulo-SP. Iniciou a sua carreira no jornalismo em 1931, escrevendo para vários jornais, revistas e emissoras de rádio. Começa a pintar aos 34 anos. Entre 1954 e 1955, elabora a capa do álbum para o Ballet do 4º Centenário e o catálogo da Bienal Internacional de São Paulo. Dedica-se à gravura em metal e à xilogravura. É o primeiro artista brasileiro premiado na Bienal de Veneza, em 1954. Participa do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, várias edições entre 1952 e 1970 (isenção de júri, 1955, e prêmio viagem ao estrangeiro, 1960); Individual, no MAM/SP, 1952 e 1956; Bienal Internacional de São Paulo, várias edições, entre 1953 e 1961; Artistas Latino-Americanos, no Musée d?Art Moderne de la Ville de Paris, 1962. Postumamente suas obras figuram em Arnaldo Pedroso D'Horta: desenhos, incisões, xilogravuras, no Centro Cultural São Paulo, 1983; Obras para Ilustração do Suplemento Literário: 1956 - 1967, no MAM/SP, 1993; Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal, São Paulo, 1994. "Na recusa oposta a todas as soluções da moda, na procura contraditória de ritmos (que ousaríamos chamar, por sua vez, antidecorativos, desde que podem envolver uma corajosa opção em favor do feio), define-se esta exigência intelectual, que é básica em Arnaldo. Assim, o inédito das formas empresta-lhe autonomia suficiente para se impor como expressão. (...) Arnaldo Pedroso D´Horta gosta dos modos de expressão que, por meio de conquistas lentas, contínuas, laboriosas, tendem a um efeito que comove também a própria mente, a uma geometria da desordem alcançada através de sensíveis vibrações. (...) O que nos parece importante é o conflito, a teimosia, a aplicação sem tréguas que transparece dos seus trabalhos, a luta dramática, sempre renovada, com o traço." Armando B. Ferrari Críticas sobre Arnaldo Pedroso D´Horta para catálogo da XV Bienal - SP (Curriculum do artista). ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



038 - ALFREDO NORFINI (1867 - 1945)

Igreja - aquarela - 22 x 28 cm - canto inferior direito - 1942 -

Pintor, fez os primeiros estudos na cidade natal, Florença, Itália, e mais tarde cursou a Real Academia San Lucca, de Roma, pela qual se diplomou em 1892. Vindo ao Brasil, radicou-se em São Paulo, participando de várias exposições no Rio de Janeiro, São Paulo e Recife. Participou do SNBA, nos anos 1899, 1908, 1909, e do Salão Paulista de Belas Artes, obtendo pequena medalha de prata (1934 - 1943). LAUDELINO FREIRE, pág. 518; TEODORO BRAGA, pág. 173; MEC, vol. 3, pág. 267; PONTUAL, pág. 386; ITAÚ CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



039 - FERNANDO ODRIOZOLA (1921 - 1986)

Composição - gravura - Prova - 29 x 20,5 cm - centro inferior - 1962 -

Fernando Pascual Odriozola nasceu em Oviedo, Espanha e faleceu em São Paulo. Pintor, desenhista e gravador. Começou a pintar em 1936. Veio para o Brasil em 1953 e fixou residência em São Paulo. No ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual na Galeria Portinari. O Museu de Arte Moderna de São Paulo dedicou-lhe outra individual, em 1955. Na década de 1960, lecionou no Instituto de Arte Contemporânea da Fundação Armando Álvares Penteado e colaborou como ilustrador nos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de S. Paulo, e na revista Habitat. Em 1964, integrou, com Wesley Duke Lee , Yo Yoshitome e Bin Kondo , o Grupo Austral, ligado ao movimento internacional Phases. Participou das 7ª, 8ª, 9ª, 12ª, 13ª, 14ª, 15ª e 18ª Bienais Internacionais de São Paulo onde foi premiado na 7ª, 8ª, e 14ª edição; da 7ª Bienal de Tóquio; dos 2º e 5º Panoramas da Arte Atual Brasileira, entre outras. No ano de seu falecimento, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) realizou uma exposição retrospectiva póstuma em sua homenagem. JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG. 231; MEC VOL.3, PÁG.291; PONTUAL PÁG. 389; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 737; ARTE NO BRASIL PÁG.907; LEONOR AMARANTE PÁG. 143; ACERVO FIEO.



040 - DANILO DI PRETE (1911 - 1985)

"Caminhos cósmicos - Urano E-10" - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - canto inferior direito e dorso - 1973 -

Pintor, artista visual, ilustrador e cartazista nascido em Pisa, Itália. Autodidata, iniciou sua carreira aos vinte anos na Itália. Integrou na Segunda Guerra Mundial o grupo de 'Artistas Italianos em Armas' e, com eles, ilustrou episódios da guerra na Albânia, Grécia e Iugoslávia, sendo premiado em: Caselli (1932), Livorno (1933), Viareggio (1938), Florença (1939), Cremona e Nápoles (1943). Chegou ao Brasil em 1946, fixou-se em São Paulo dedicando-se à atividade publicitária e, como cartazista, representou o Brasil e foi premiado em várias mostras internacionais de propaganda. Participou da Quadrienal de Roma (1943), Salão de Maio, Paris (1952); XXVI e XXX Bienal de Veneza (1952 e 1960); Bienal Internacional de São Paulo (1951 a 1967 - nelas recebendo o prêmio de Melhor Pintor Nacional em 1951 e 1965 e salas especiais de seus trabalhos em 1961 e 1967); Bienal Americana de Arte, Córdoba – Argentina (1962); entre outras mostras no Brasil e exterior com mais prêmios. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.333; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 163; PONTUAL, PÁG. 179; MEC VOL. 2, PÁG. 57; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 647; ARTE NO BRASIL, PÁG. 898; LEONOR AMARANTE, PÁG. 13; www.pinturabrasileira.com; www.pinacoteca.org.br; www.moma.org; www.artprice.com; www.arcadja.com; www.artnet.com.



041 - BUSTAMANTE SÁ (1907 - 1988)

Paisagem - óleo sobre tela - 24 x 41 cm - canto inferior direito e dorso -

Natural da cidade do Rio de Janeiro, estudou na ENBA naquela cidade, onde foi aluno de Rodolfo Amoedo e Rodolfo Chambelland. Participou do Núcleo Bernardelli, do qual foi um dos fundadores em 1931. Participou de sucessivas versões do SNBA a partir de 1928, recebendo diversas premiações. Excepcional pintor do gênero paisagem. TEODORO BRAGA, pág. 59; REIS JR. , pág. 385; MEC,vol. 4, pág. 127; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 145 e 147; TEIXEIRA LEITE, pág. 94; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 47; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL, pág. 763; Acervo FIEO.



042 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Paisagem - óleo sobre cartão colado em eucatex - 28 x 17 cm - canto inferior direito -



043 - GASTÃO Z. FRAZÃO (XX)

Composição - aquarela - 46 x 64 cm - canto inferior direito -

Artista plástico e arquiteto que tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo (1967); Salão Paulista de Arte Contemporânea, São Paulo (1976); Salão Nacional de Artes Plásticas, Rio de Janeiro (1979). ITAUCULTURAL.



044 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Obras diversas - gravura - 42/50 - 38 x 27 cm - canto inferior direito - 1980 -
Sete matrizes impressas no mesmo papel.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



045 - DOMENICO LAZZARINI (1920 - 1987)

Maternidade - óleo sobre tela - 33 x 19 cm - canto inferior direito -

Nasceu na cidade italiana de Viareggio, vindo a falecer na cidade do Rio de Janeiro. Em 1940, ainda na Itália, nas cidades de Lucca e Florença, realiza estudos com Rosai e Vedova. Já no Brasil, dá aulas de pintura na Escola de Belas Artes de Araraquara, São Paulo, em 1950. Em 1957, cria a Escola de Belas Artes de Ribeirão Preto e, em 1961, leciona no Museu de Arte do Rio de Janeiro. Em 1974, conquista o Prêmio Tetra d'Oro em Roma. Entre as exposições de que participa, destacam-se: Exposição de Lucca, Itália, 1946 a 1948; Bienal de Veneza, Itália, 1948; Jovens Pintores de Araraquara, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1954; Salão Nacional de Arte Moderna (Isenção de Júri, 1959 e Prêmio Aquisição, 1962), Rio de Janeiro, 1958 a 1962; Bienal Internacional de São Paulo, 1959 e 1961; Galeria de Arte da Folha, São Paulo, 1959 e 1960; Domenico Lazzarini, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1963; 100 Obras Itaú, no Museu de Arte de São Paulo, 1985. BÉNÉZIT, vol. 6, pág. 499; JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 179; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 964; Acervo FIEO.



046 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Distribuindo moedas - litografia off set aquarelada. - 29 x 20 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



047 - ANATOL WLADYSLAW (1913 - 2004)

Composição - desenho a nanquim - 18 x 29 cm - canto inferior direito - 1949 -

Pintor e desenhista nascido em Varsóvia, Polonia; faleceu em São Paulo, aos 91 anos de idade. No Brasil desde 1930, fixou residência em São Paulo, naturalizando-se brasileiro. Dedicou-se à pintura e ao desenho a partir de 1946, participando da I à IX Bienal, recebendo diversas premiações. Formado em engenharia no Mackenzie, tornou-se um dos pioneiros da arte abstrata, participando ativamente do movimento Ruptura, ao lado de Valdemar Cordeiro, Lothar Charoux e Luiz Sacilotto. Figura no acervo do MAM-RJ e MNBA de Buenos Aires. JULIO LOUZADA, VOL, 4, pág, 1177. MEC, VOL, 4 pág, 512. TEIXEIRA LEITE, pág, 544. WALMIR AYALA, VOL 2. pág, 442; PONTUAL, pág. 553; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 921.



048 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

O baile - serigrafia - P.A. - 54 x 39 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



049 - GEORGES WAMBACH (1901 - 1965)

Catedral - desenho a nanquim e aquarela - 23 x 12 cm - canto inferior direito - 1938 -

Belga de nascimento, veio a falecer no Rio de Janeiro. Excepcional aquarelista, que retratou o Brasil em suas inúmeras incursões. "Georges Wambach (1901-1965) talvez tenha sido um dos últimos exemplares de uma espécie em extinção, ou já extinta, quem sabe: a dos artistas viajantes de que o século XIX foi pródigo. Artistas com cavalete, paleta, tintas e pincéis na mochila, que vararam o mundo em busca do fantástico, do erótico, e, sobretudo, do excitante desconhecido, aventura que até custou a vida de alguns como Adrien Taunay, que viu a morte aos 25 anos em pleno Mato Grosso." Fernando Cerqueira Lemos, in AQUARELAS de Georges Wambach: impressões do Brasil. Ed. Marca d´Água-SP, 1988. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 343; TEIXEIRA LEITE, pág. 540; ITAÚ CULTURAL.



050 - LUCY CITTI FERREIRA (1911)

Natureza morta - óleo sobre cartão colado em eucatex - 55 x 66 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, desenhista e gravadora, nascida na cidade de São Paulo-SP. Estudou em Paris com André Chapuy, e cursou a Escola de Belas Artes. Expôs no Salão das Tulherias. No Brasil desde 1934, trabalhou com Lasar Segall. Seu estilo e figurativo com tendência ao expressionismo JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 344.



051 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem antropofágica - litografia - P.A. - 19,5 x 27 cm - canto inferior direito -
Esta obra consta no catálogo Raisonné de Tarsila do Amaral.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



052 - ANGELO SIMEONE (1899 - 1963)

Nu - óleo sobre tela - 52 x 86 cm - canto inferior esquerdo - 09/01/1942 - São Paulo -
No estado.

Pintor italiano, veio com a família para o Brasil em 1901, fixando-se em São Paulo, onde, aos dezessete anos, passou a freqüentar o Liceu de Artes e Ofícios como aluno de José Perissinoto. Participando regularmente do SPBA, nele obteve o prêmio Prefeitura de São Paulo, 1934,1953 e 1956, medalha de bronze,1935, pequena e grande medalhas de prata 1941 e 1944, primeiro prêmio Governo do Estado 1957, prêmios de aquisição 1957, 1959, 1961 e 1962, prêmio Caixa Econômica Federal de São Paulo, 1963 e prêmio Polifix, 1964. Conquistou, ainda, medalha de prata no Salão Santista de Belas Artes do Rio Grande do Sul. Foi incluído na mostra 50 Anos da Paisagem Brasileira, organizada por Sergio Miliet, em São Paulo . Há obras de sua autoria na Pinacoteca e no Palácio do Governo desse último Estado. Quirino da Silva focalizou-o na sua coluna do Diário da Noite (São Paulo, 20 de junho de 1968). TEODORO BRAGA, pág. 216; MEC, vol.4, pág. 285; PONTUAL, pág. 497; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 340; TEIXEIRA LEITE, pág. 483; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO, pág. 388, RUTH TARASANTCHI.



053 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Janela - litografia - 42 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



054 - HILDE WEBER (1913 - 1994)

Uvas - pintura sobre azulejo - 15 x 15 cm - centro inferior -
Obra executada no Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP.

Pintora, desenhista e caricaturista alemã. Iniciou o seu aprendizado de desenho e artes gráficas em Hamburgo, por volta de 1930, interrompendo três anos mais tarde, quando transferiu-se para o Brasil (país de quem se tornaria cidadã naturalizada), fixando-se primeiramente em São Paulo, até 1949. Entre 1941 e 1949, colaborou com trabalhos de pintura para o atelier OSIRARTE de azulejos. Foi caricaturista de diversos periódicos, destacando-se o Estado de São Paulo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 391; PONTUAL, pág.265; MEC, vol. 2, pág. 337; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; ARTE NO BRASIL.



055 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)

Paisagem - desenho a nanquim - 13 x 22 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



056 - LOUISE BOURGEOIS (1911 - 2010)

Composição - litografia off set - 2/9 - 29 x 16 cm - canto inf. esquerdo e canto inf. direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, desenhista, gravadora, escultora e professora nascida em Paris e falecida em Nova York. Estudou Matemática na Sorbonne (1932-1935), arte na Escola do Louvre, na Escola de Belas Artes, na Academia Escandinávia, com Bissière, Cassandre, André Lhote, Othon Friesz, Paul Colin, Wlérick, Fernand Léger. Conviveu com André Breton e com os Surrealistas. Casou-se com o historiador de arte Robert Goldwater e mudou-se para Nova York (1938), tornando-se cidadã americana em 1951. Durante os anos da Segunda Guerra, conviveu com artistas que tinham emigrado da Europa, entre eles, Miró, Tanguy, Ozenfant, Le Corbusier. Nessa época seu trabalho era focado no desenho, na gravura e não produziu esculturas até 1949. Destacam-se as exposições individuais, entre tantas, em: Nova York (1949, 1950, 1953, 1955); Chicago (1953); ‘White Art Museum at Cornell University’ (1959); ‘University of Chicago’ (1971 - retrospectiva); MOMA, Nova York (1982 - retrospectiva, 1994); Frankfurter Kunstverein, Frankfurt, Alemanha (1989–91 - retrospectiva); ‘Musée d'Art Moderne’, Paris (1995); ‘Museum of Contemporary Art’, Los Angeles (2007). Participou da Bienal de Veneza (1993, 1999). Recebeu o Grande Prêmio de Escultura do Ministério de Cultura Francês (1991); o Leão de Ouro na Bienal de Veneza (1999); a Medalha de Honra da Academia de Belas Artes da Pensilvânia em Filadélfia (2005), entre outros. BENEZIT; www.guggenheim.org; www.tate.org.uk; www.artecapital.net; www.artprice.com.



057 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - litografia - 16/100 - 55 x 73 cm - canto inferior direito -

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



058 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Guerreiro - gravura - P.A. - 39 x 53 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



059 - ODOTERES RICARDO DE OZIAS (1940)

"Ele nasceu!" - óleo sobre eucatex - 19 x 24 cm - canto inferior direito - 2000 -
Com certificado do Museu Internacional de Arte Naif do Brasil - MIAN, nº 2545 firmado por Lucien Finkelstein, no dorso.

Pintor e desenhista nascido em Eugenópolis, MG, filho de agricultores empregados em uma fazenda. Alfabetizou-se, passou a trabalhar no campo e, mais tarde, como ajudante de padeiro, na cidade de Eugenópolis. Em 1960, veio para o Rio de Janeiro, foi pedreiro, manobrador e auxiliar de agente especial de estação na Rede Ferroviária Federal. Trabalhou no escritório como auxiliar de expediente e, com o desenho, fazia caricaturas dos colegas. Executou as ilustrações do livro 'Madeiras da Amazônia - identificação de 100 Espécies', editado pela própria empresa. Começou a pintar depois dessa experiência. Participou das seguintes mostras coletivas: Encontros e Reencontros na Arte Naïf: Brasil-Haiti, Brasilia, DF (2005); Encontros e Reencontros na Arte Naïf: Brasil-Haiti, Museu de Arte Brasileira – São Paulo, SP (2005). ITAUCULTURAL; www.acasa.org.br/autor/odoteres-ricardo-de-ozias.



060 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)

Meninos soltando pipa - óleo sobre tela - 46 x 38 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



061 - RAFAEL PEREZ BARRADAS (1890 - 1929)

Operário - desenho a carvão e lápis de cor - 30 x 23 cm - canto superior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, ilustrador, cenógrafo, figurinista e cartunista uruguaio nascido e falecido em Montevidéu. Filho de pais espanhóis. Não se sabe se teve um aprendizado sistemático, mas, seu pai era pintor. Mudou-se para a Espanha (1913) e viajou para a Itália e França. Sua primeira exposição individual foi em Madri (1918) onde propôs seu conceito estético: o vibracionismo. Trabalhou como ilustrador para muitas revistas em Montevidéu, Buenos Aires e Espanha. Participou de Salões e exposições em Madri (1912, 1917); em Condal - Barcelona (1916); em Montevidéu (1923); em Paris - na Exposição Internacional de Artes Decorativas (1925) onde ganhou o Prêmio na categoria de teatro e na Bienal de Artes Decorativas (1927). Voltou para o Uruguai em 1928. Uma exposição retrospectiva de suas obras foi realizada no Museu de Belas Artes de Montevidéu em 1972. BENEZIT; mnav.gub.uy; www.artprice.com.



062 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Pescadores - óleo sobre madeira - 25 x 50 cm - canto inferior direito ilegível -



063 - FERNAND LEGER (1881 - 1955)

Composição - guache - 20 x 14 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Nasceu em Argentam, perto de Paris, em 1881. Era filho de camponeses. Em Paris, a partir de 1900, cursou a Escola de Artes Decorativas e a Escola de Belas Artes. Recebeu influência das pinceladas geométricas de Cézanne e, posteriormente, das descobertas de Matisse. Em 1908 conheceu os cubistas e em 1910 pintou Nus na Floresta. Foi para o fronte na primeira Guerra Mundial. A partir de 1917, sua obra apresenta locomotivas e engrenagens, mostrando aspectos do mundo industrializado. Seus personagens adquirem, também, mecanizações, não possuindo humanidade. Recebeu Tarsilla do Amaral em seu ateliê entre 1923-1924, tendo sido marcante sua influência na formação da artista e do próprio Modernismo Brasileiro, na questão do progresso industrial. Na década seguinte, pintou murais, liberou formas e cores, tornando-se um pintor mais abstrato. Durante a Segunda Guerra, refugiou-se nos Estados Unidos. Voltou à França em 1945 onde, além de mosaicos e vitrais para igrejas, trabalhou em decoração e desenhou figurinos de balê. Morreu em 1955, em Gif-sur-Yvette, na França. JULIO LOUZADA, vol. 2 pag. 569



064 - FRANCISCO COCULILO (1895 - 1978)

Pôr do sol - óleo sobre tela - 45 x 63 cm - canto inferior direito -

Paisagista nascido no Rio de Janeiro, aluno de Luiz Graner. Realizou exposições individuais em várias cidades brasileiras. Catálogo de Exp. de Paisagem Brasileira - MEC-MNBA/Rio/1944; MEC, vol. 1, pág. 40; TEODORO BRAGA, pág. 73; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 208; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74; Acervo FIEO.



065 - INOS CORRADIN (1929)

Homem sentado - múltiplo em ceramica - 20 x 20 x 13 cm - assinado -

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



066 - JOÃO SIMEONI (1907 - 1969)

Natureza morta - óleo sobre tela - 55 x 66 cm - canto inferior direito - 1967 -
No estado.

Paisagista de origem italiana, sua obra caracteriza-se pela força e pelo lirismo. MEC, vol. 4-pág. 285. Acervo FIEO.



067 - MENOTTI DEL PICCHIA (1892 - 1988)

Políticos - desenho a lápis - 19 x 3 cm - centro inferior -

Literáto, crítico e pintor. Foi um dos principais articuladores da semana de arte modena de 1922, juntamente com Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Di Cavalcanti , entre outros. Defendeu uma cultura esclusivamente nacional. Sua Ligação com as artes plásticas também foi insisiva, defendendo e divulgando artistas que na época eram mal aceitos ou incompreendidos, como Anita Malfatti, Victor Brecheret. JULIO LOUZADA, vol. 1 pag. 765; WALTER ZANINI, pág. 519; ARTE NO BRASIL, pág. 655; LEONOR AMARANTE, pág. 49.



068 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)

Barco - óleo sobre madeira - 25 x 34 cm - canto inferior direito -

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



069 - DALVAN DA SILVA FILHO (1966)

"O teatro" - acrílico sobre eucatex - 19 x 24 cm - canto inferior direito - 1998 - Rio de Janeiro. -
Com certificado do Museu Internacional de Arte Naif do Brasil - MIAN, nº 1364 firmado por Lucien Finkelstein, no dorso.

Pintor nascido no Rio de Janeiro. Assina Dalvan da Silva Filho ou Dalvan. Foi técnico de mecânica, inspetor de qualidade e piloto, antes de se dedicar à pintura (1986). Expôs em vários salões e mostras do Brasil, destacando-se: 'O Mundo Fascinante dos Pintores Naïfs', Paço Imperial do Rio de Janeiro (1989); Bienal Naïfs do Brasil, Piracicaba – SP (1996, 2002); 'Encontros e Reencontros na Arte Naïf: Brasil-Haiti', Brasília - DF e Museu de Arte Brasileira, São Paulo, SP. Suas obras são encontradas no MIAN – Museu Internacional de Arte Naïf do Brasil. ITAUCULTURAL; artenaifrio.blogspot.com.br.



071 - ENRIQUE BUENAVENTURA (1925 - 2003)

"Candomblé" - técnica mista - 16 x 11 cm - canto inferior direito - 1991 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, teatrólogo nascido e falecido em Cali, Colômbia. Estudou artes plásticas em Cali e em Bogotá. Foi fundador do Teatro Experimental de Cali (1955); o 'Taller de Teatro' (1975) e a Escola de Teatro (1980). Apoia-se no desenho e na pintura para visualizar e organizar a qualidade plástica de sua expressão teatral. www.enriquebuenaventura.org.



072 - NONÊ DE ANDRADE (1914 - 1972)

Figuras - desenho a carvão - 32 x 27 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista e escritor, nascido e falecido em São Paulo, Capital. O artista era filho de Oswald de Andrade, um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna. Iniciou seus estudos em Paris, e, no Brasil, recebeu orientação de Portinari, Segall, Tarsila e Anita Malfatti, filiando-se desde então às tendências inovadoras das artes plásticas brasileiras. Expositor do SNBA-RJ e da Bienal de SP. São numerosas as referências críticas a respeito de sua obra. MEC, vol 1 pág. 100; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; LEONOR AMARANTE, pág. 75, Acervo FIEO.



073 - MARIA LEONOR APPE (1933)

Flores - óleo sobre tela - 40 x 40 cm - canto inferior direito - 2015 -

Nasceu em Santos, SP, no dia 22 de maio, transferindo residência para a Capital com a família em 1942, onde reside e é ativa. Desde cedo acompanhava o trabalho do pai, então pintor amador, que procurava incentivá-la nas artes plásticas. Autodidata, após o falecimento do pai em 1968, dedica-se à pintura, recebendo ensinamentos dos mestres Nestor Peres, Colete Pujol e Waldemar da Costa. A partir de 1990 dedica-se totalmente à pintura e à aquarela; integra a Diretoria da Associação Paulista de Belas Artes, da qual é sócia benemérita e conselheira perpétua. Participou de diversos certames oficiais, com premiações várias, tais como medalhas de bronze e de prata. Acervo Fieo.



074 - FRANCISCO REBOLO GONSALES (1903 - 1980)

Modelo - aquarela - 21 x 13 cm - canto inferior direito -

Pintor e gravador nascido e falecido em São Paulo. Iniciou seus estudos em artes na Escola Profissional Masculina do Brás, onde teve aulas de desenho com o professor Barquita (1915 e 1917). Aos 14 anos, trabalhou como aprendiz de decorador de paredes. Paralelamente à sua atividade como decorador, atuou como jogador de futebol. Em 1926, montou ateliê de decoração na Rua São Bento. A partir de 1933, transferiu seu ateliê para uma sala no Palacete Santa Helena, quando se iniciou na pintura. A partir de 1935, partilhou seu ateliê com Mario Zanini. Posteriormente, outras salas do Palacete foram transformadas em ateliês e ocupadas por vários pintores, entre eles: Fulvio Pennacchi, Bonadei, Humberto Rosa, Clóvis Graciano, Alfredo Volpi, Rizzotti e Manoel Martins. Mais tarde, este grupo de artistas passou a ser denominado Grupo Santa Helena. Rebolo esteve presente em todos os importantes eventos ligados à história da arte moderna. Integrou, por exemplo, o Salão de Maio, os Salões da Família Artística Paulista e do Sindicato dos Artistas Plásticos; pertenceu ao grupo de artistas que defendeu a criação de um Museu de Arte Moderna em São Paulo e, mais tarde, a Bienal, entre outros feitos que foram relatados na cronologia de sua vida artística. Um ponto alto de sua carreira foi quando recebeu, no Salão de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o "Prêmio de Viagem ao Exterior", em 1954. Em 1956, fez curso de restauração no Vaticano, participando da recuperação de uma obra de Raphael. A partir de 1959, incentivado por Marcelo Grassmann, iniciou uma série de experiências como gravador. MEC, VOL. 4, PÁG. 28; TEODORO BRAGA, PÁG. 202; PONTUAL, PÁG. 447; REIS JR., PÁG. 382; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 433; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; LEONOR AMARANTE, PÁG. 13; ARTE NO BRASIL; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 807; VOL. 13, PÁG. 278; www.sampa.art.br; www.macvirtual.usp.br; www.unesp.br.



075 - LIVROS


1-Renée Lefèvre, Concepção de Enock Sacramento, textos de Benjamin Steinbruch, Enock Sacramento e Ruth Sprung Tarasantchi, edição do autor, 2006.
2-Roberto Magalhães, texto de Frederico Morais, Editora Salamandra, 1996.
3-Stockinger Vida e Obra, texto de José Francisco Alves, editora Multiarte, 2012.
4-Tatiana Blass, edição Galeria Millan e Automática, 176 páginas, 2016.
5- Tozzi Traço e Trajetória”, textos de Ricardo B. Kimaid Junior e Toz, edição Movimento Arte Contemporânea, 2013.
6-Vieira da Silva no Brasil, concepção de Nelson Aguilar, textos de Nelson Aguilar, Valéria Lamego e Henrique Lian, Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2007.
7-Arpad Szenes e Vieira da Silva Período Brasileiro, textos de Emanoel Araujo e José Sommer Ribeiro, Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2001.
8-Arpad Szenes e Vieira da Silva Retratos, texto de Nelson Aguilar, Chácara do Céu (RJ) e Museu Lasar Segall (SP), 1997.
9-Wesley Duke Lee, texto de Cacilda Teixeira da Costa, Ricardo Camargo Galeria, 2016.




077 - JOSÉ PANCETTI (1902 - 1958)

Paisagem - aquarela - 31 x 23 cm - dorso -
Com a seguinte dedicatória: "Ao grande amigo Cesário de Melo com affeto J Pancetti". -

Giuseppe Gianinni Pancetti nasceu em Campinas, SP e faleceu no Rio de Janeiro. Filho de imigrantes italianos foi mandado aos dez anos de idade para a Itália, onde trabalhou em diversos ofícios até entrar para a marinha mercante italiana. De volta ao Brasil, em 1920, trabalhou na Oficina Beppe, São Paulo (1921), especializada em decoração de pintura de parede, como cartazista, pintor de parede e auxiliar do pintor Adolfo Fonzari. Em 1922 ingressou na Marinha de Guerra Brasileira, viajando pelo país e exterior, transferindo-se para a reserva em 1946, no posto de Segundo Tenente. Começou a pintar, auto didaticamente em 1924 e, em 1925, servindo no encouraçado Minas Gerais, pintou suas primeiras obras. No ano seguinte, para progredir na carreira, integrou o quadro de pintores dentro da "Companhia de Praticantes e Especialistas em Convés". Passou a frequentar, a partir de 1932, o Núcleo Bernardelli, no Rio de Janeiro, onde recebeu orientação de Manoel Santiago, Edson Motta, Rescála e Bruno Lechowski. Participou do Salão Nacional de Belas Artes, sendo premiado em 1934, 1936, 1939 e, já na Divisão Moderna, recebeu o Prêmio Viagem ao Estrangeiro (1941), o Prêmio Viagem ao País (1947) e a Medalha de Ouro (1948). Figurou na Bienal de Veneza em 1950; ano em que passa a residir em Salvador, BA. Integrou a mostra "Um Século de Pintura Brasileira", realizada no Museu Nacional de Belas Artes (1952) e a exposição "Arte Moderna no Brasil" que percorreu as cidades de Buenos Aires, Rosário, Santiago e Lima, todas em 1957. Participou duas vezes da Bienal de São Paulo, em 1951 e 1955. Mereceu Sala Especial na Bienal da Bahia - Salvador, em 1966. O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro realizou, em 1962, exposição retrospectiva de sua obra. TEODORO BRAGA, PÁG. 130; PONTUAL, PÁGS. 403 E 404; MEC, VOL. 3, PÁG. 332; REIS JUNIOR, PÁG. 383; ITAU CULTURAL; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 380; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 597; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.mamcampinas.com.br.



078 - INGRES SPELTRI (1940)

"Violinos - opus 2616" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). É professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



079 - V. PASINI (XIX - XX)

Alameda - óleo sobre madeira - 50 x 70 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista italiano com diversas participações em mostras e Salões oficiais. Suas obras têm sido comercializadas em muitos leilões pelo mundo. www.metmuseum.org; www.artprice.com; www.artnet.com.



081 - WEGA NERY (1912 - 2007)

Composição - desenho a nanquim - 65 x 48 cm - canto inferior esquerdo - 1961 -

Natural de Corumbá-MT, estudou desenho e pintura na Escola de Belas Artes em São Paulo entre 1946 e 1949. Nos anos 50, aperfeiçoou estudos com Joaquim da Rocha Ferreira, Yoshiya Takaoka e Samson Flexor. Participou do Grupo Guanabara em 1952 e do Atelier-Abstração, liderado por Samson Flexor, em 1953. Expõs individualmente a partir de 1955. Recebeu o prêmio de melhor desenhista nacional em 1957 e o prêmio aquisição nacional em 1963. PONTUAL, pág. 551; TEIXEIRA LEITE, pág. 541, JULIO LOUZADA vol.9, pág. 919; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 942; LEONOR AMARANTE, pág. 57.



082 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Natureza morta - óleo sobre tela - 09 x 16 cm - canto inferior direito ilegível - 1993 -
Com carimbo de Alphaville Galeria de Arte, Rio de Janeiro - RJ, no dorso.



083 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figura" - desenho a nanquim - 9,5 x 09 cm - canto inferior direito - 1969 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



084 - EUTHIMIOS PAPADIMITRIOU (1895 - 1959)

Natureza morta - gravura - P.A. - 33 x 27 cm - canto inferior direito -
Com etiqueta da Segunda Bienal de Arte Moderna de São Paulo - 1953 - 1954, no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista com participações em mostras coletivas. Suas obras têm sido comercializadas em vários leilões pelo mundo. www.artprice.com; www.mutualart.com; www.niceartgallery.com.



085 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Cascudas - óleo sobre eucatex - 38 x 36 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1969 - Teresópolis -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



086 - GUIDO TOTOLI (1937)

Casario - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -

Italiano, radicado no Brasil, Totoli é acima de tudo ótimo paisagista e pintor de figuras, fazendo uso de uma cor e de uma pincelada vivas e truculentas. Tem se dedicado com muita felicidade às cerâmicas. MEC, vol.4, pág. 408; JULIO LOUZADA, vol.11, pág. 325, Acervo FIEO.



087 - CARLOS OSWALD (1882 - 1971)

"Dia chuvoso em Petrópolis" - gravura - 1/100 - 30 x 50 cm - canto inferior direito -
Reproduzido na página 88 do livro "Carlos Oswald" editado pelo Museu Nacional de Belas Artes. -

Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



088 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - serigrafia - P.A. - 61 x 44 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



089 - ALEXANDER CALDER (1898 - 1976)

Composição - técnica mista - 19 x 17 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Escultor e pintor americano que nasceu em Filadélfia e faleceu em Nova York. Seu avô e seu pai eram escultores e sua mãe, pintora. Formou-se engenheiro mecânico em Nova Jersey. Em 1923 foi para o ‘Art Student’s League’ ,Nova York, onde foi aluno, entre outros, de George Lucks e John Sloan. Divertia-se com seus amigos fazendo esboços rápidos de pessoas na rua, no metrô e destacou-se por sua habilidade em dar uma sensação de movimento usando uma única linha ininterrupta. Logo já estava construindo esculturas em arame, a primeira das quais - um relógio solar em forma de galo, feita em 1925. Concebeu brinquedos móveis para uma indústria e pequenas figuras de palhaços e animais com as quais fazia exibições de circo em seu ateliê. Foi para Paris e conheceu Joan Miró, Fernand Léger, James Johnson Sweeney e Marcel Duchamp. Ao longo dos anos 30 tornou-se conhecido em Paris e nos EUA por seus retratos e esculturas em arame, suas composições abstratas e deus desenhos. Em 1931 integrou-se ao grupo ‘ Abstration-Création’ com Jean Arp, Mondrian e Jean Helion, produzindo sua primeira construção móvel não figurativa. Tais construções eram movimentadas por motores ou pela mão e receberam de Marcel Duchamp o nome de ‘móbiles’, em 1932; Arp sugeriu para todas as demais construções o nome de ‘stábiles’. A partir de 1934 começou a construir móbiles não motorizados. Foram realizadas retrospectivas de suas obras em: Springfield - Massachussetts, EUA (1938); Museu de Arte Moderna de Nova York, EUA (1943); Museu Guggenheim de Nova York, EUA (1964); Fundação Maeght, Saint Paul de Vence, França (1969); Museu Whitney de Arte Americana, Nova York, EUA (1976). Produziu também muitas obras públicas, realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras coletivas e oficiais, inclusive no Brasil. ITAU CULTURAL; BENEZIT VOL. 2, PÁG. 455; DICIONÁRIO OXFORD; www.calder.org; www.nga.gov; www.gagosian.com; www.britannica.com; www.tate.org.uk; artnet.com; web.artprice.com.



090 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Casal - aquarela - 30 x 24 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Mauro Bonfim, Rio de Janeiro - RJ. -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



091 - JOÃO ALVES (1905 - 1970)

Casario - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1964 -
No estado.

Pintor ingênuo, autodidata, cuja obra tem como tema a paisagem urbana de Salvador, capital de seu Estado natal. Expôs individualmente no Museu de Arte Moderna de Salvador em 1961, e na Galeria Montmartre - RJ em 1965, com apresentação de Jorge Amado. JULIO LOUZADA vol. 9 pág 38; TEIXEIRA LEITE, pág. 22; ITAU CULTURAL; MEC, vol. 1, pág. 71; PONTUAL, pág. 20. Acervo FIEO.



092 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Na praia" - serigrafia - 98/200 - 29 x 39 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze capitais em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



093 - PEDRO WEINGÄRTNER (1856 - 1929)

Paisagem - desenho a lápis - 11,5 x 27 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor gaúcho de origem alemã, Weingärtner estudou no Brasil, Alemanha e Itália, residindo por longos anos na Europa. Ao retornar ao Brasil, dedicou-se a temática gauchesca, que lhe motivou os trabalhos mais sensíveis. Um dos pioneiros da gravura de arte no Brasil. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 343; BENEZIT, vol. 10, pág. 675; TEODORO BRAGA, pág. 246; REIS JUNIOR, pág. 220/224; MEC, vol. 4, pág. 506/507; LAUDELINO FREIRE, pág. 386; PONTUAL, pág. 551/552; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 438/439; MAYER/84, pág. 1268; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 443; ARTE NO BRASIL, pág. 560; RGS, pág. 402.



094 - LUIZ GUALBERTO (1904 - 1963)

"Luz crepúsculo" - óleo sobre madeira - 17 x 26 cm - canto inferior direito e dorso - 1927 - Rio Batalha -

Natural da cidade de Bragança Paulista-SP, onde nasceu a 20 de fevereiro de 1904 e falecido em São Paulo, Capital, a 29 de novembro de 1963. Pintor desenhista, assinava suas obras LUIZ GUALBERTO. Foi aluno do festejado pintor Campos Ayres. Mudou-se para São João da Boa Vista-SP em 1930, a fim de lecionar desenho no antigo Ginásio do Estado. Lá conviveu com Araújo Lima. O artista retratou de forma poética a paisagem sanjoanense, com seus rios, montanhas e crepúsculos. JULIO LOUZADA, vol. 8 pág. 375; Acervo FIEO.



095 - ANTONIO PESSOA (1943)

Banco da praça - escultura em bronze - 15 x 07 x 14,5 cm - assinado -
Base no estado.

Escultor, assina Tonny. Radicado no Rio de Janeiro detentor de bom curriculo nacional e internacional com inumeras participações em Salões Oficiais,varias vezes premiado. Ótimo mercado.



096 - APRÍGIO (1954)

"Das calçadas de Olinda" - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1988 -
Com etiqueta nº 1161 de Tema Arte Contemporânea, Rua Peixoto Gomide, 1895 - São Paulo - SP., no dorso.

Pintor pernambucano, Ricardo Aprígio Fonseca Ferreira, natural de Recife. Estudou desenho e pintura com Rubens Sacramento, Noêmia e Vera Victor, em Olinda. Concluiu o curso de Comunicação Visual pela Universidade Federal de Pernambuco, em 1977. A partir de 1980 participa da Oficina Guaianazes de Gravuras e em 1983 frequenta o ateliê de litogravura do prof. Dimitri Papageorgiu, na Escola de Belas Artes de San Fernando, em Madri, Espanha. Individuais desde 1973 e coletivas a partir de 1972. JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 59



097 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - guache - 20 x 28 cm - canto inferior direito - 1957 -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



098 - MARIO ZANINI (1907 - 1971)

Nu - desenho a carvão - 45 x 31,5 cm - canto inferior direito - 1966 -
Com estudo no dorso.

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



099 - EDSON MOTTA (1910 - 1981)

Cais - aquarela - 21 x 30 cm - canto inferior direito -

Mineiro de Juiz de Fora, estudou na ENBA no Rio de Janeiro, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland, Marques Junior e Outros. Foi um dos fundadores do Núcleo Bernardelli, que dirigiu por alguns anos. Expositor nas diversas versões do SNBA. Em 1939 ganhou o premio viagem à Europa, onde estudou Conservação e Restauro, ofício que lhe renderia prestígio e respeito no País, PONTUAL, 374; TEIXEIRA LEITE, 336; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579.



100 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

Vênus - óleo sobre tela - 27 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1974 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura, em 1929, com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli , entre outros, criou o Núcleo Bernardelli em 1931. Viajou para Estados Unidos em 1945, com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na Art's Students League of New York. Em 1946, foi para a Europa e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na Académie de La Grande Chaumière. Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e freqüentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no Salon d'Automne (Paris) e regressou ao Brasil em 1947. Em 1949, casou-se com a pintora Maria Leontina e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais e também recebeu prêmios nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO.



101 - LUCILIO DE ALBUQUERQUE (1877 - 1939)

Paisagem - óleo sobre tela colada em madeira - 28 x 21 cm - canto inferior esquerdo -

Natural de Barras, PI, Lucílio de Albuquerque frequentou a ENBA no Rio de Janeiro, onde foi aluno de Zeferino da Costa, Rodolfo Amoedo e Henrique Bernardelli. Expõe pela primeira vez em 1902, recebendo menção e premiações neste e nos demais certames de que participou (1904, 1907 e 1912). Profesor, foi iniciador de Portinari. Artista de vários gêneros, destacou-se como paisagista e pintor de figuras. Foi casado com a artista Georgina de Albuquerque. JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 196; TEIXEIRA LEITE, pág. 16; PONTUAL, pág. 10; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág.455; ARTE NO BRASIL, pág. 564, Acervo FIEO.



102 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paris - óleo sobre madeira - 30 x 19 cm - canto inferior esquerdo -
P. Alberti.



103 - TITO DE ALENCASTRO (1934 - 1999)

Composição - óleo sobre tela - 60 x 60 cm - canto inferior direito e dorso -
Com etiqueta da Dan Galeria, Av. Estados Unidos, 1638 - São Paulo, SP, no dorso.

Pintor, desenhista, gravador e mosaicista, radicou-se em 1961 em São Paulo, após ter estudado no Rio de Janeiro com Abelardo Zaluar, José Morais e Johnny Friedlaender. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 29; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 6; PONTUAL, pág. 14; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



104 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem - desenho a nanquim - 10 x 17 cm - canto inferior direito -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



105 - DAREL VALENÇA LINS (1924)

"Quase gata nº 15473" - litografia - P.A. VII/ XX - 70 x 50 cm - canto inferior direito - 1973 -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



106 - JEAN DUFAU (XIX - XX)

Paisagem - óleo sobre tela - 46 x 55 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista com participação em mostras coletivas e Salões. www.artprice.com.



107 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

Cristo - desenho a nanquim - 19,5 x 14,5 cm - canto inferior direito - 1955 -

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



108 - SONIA REZZE (1941)

"Peróticas 4" - aquarela - 56 x 37 cm - canto inferior direito - 1987 -
Com etiqueta de exposição realizada no Paço das Artes, Avenida Europa, 158 - São Paulo-SP em Agosto de 1988. -

Pintora, desenhista e gravadora, Sonia Maria Gargantini Rezze nasceu em Campinas, SP. Assina Sonia Rezze. Formou-se em Pedagogia em Campinas. Em 1971, em São Paulo, cursou a Escola Panamericana de Arte, teve aulas com José Palud, Egul Samad e Walter Lewy. Em 1973 e 1975 frequentou o Atelier Rumoarte e o Atelier Caminhos recebendo orientações de Sara Goldman, Ana Maria Barros, Rafael de Maia Rosa. Em 1976 abriu ateliê com Sara Goldman e Teresinha Ehmke formando o Grupo Quarta-Feira que permaneceu expondo conjuntamente até 1986. Entre 1980 e 1982 esse grupo se ampliou com a adesão de José de Moraes, Ricardo Amadeo e João Xavier, chamando-se temporariamente Grupo dos Seis. Expôs individualmente em 1991, em São Paulo. Participou de muitas mostras coletivas e oficiais no Brasil e exterior. Foi premiada em São Paulo (1973); Capivari, SP (1974). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 5; PÁG. 873; VOL. 8, PÁG. 697.



109 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - serigrafia - P.E - 62 x 77 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Edição póstuma com relevo seco do Projeto Burle Marx.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



110 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Composição - óleo sobre tela colada em eucatex - 63 x 48 cm - canto inferior esquerdo -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



111 - ALEXANDER REIDER (1973)

Curva do rio - óleo sobre tela - 80 x 100 cm - canto inferior direito e dorso - 1994 - São Paulo -

Pintor e desenhista nascido em São Paulo. Assina A. Reider. Iniciou seus estudos, de forma autodidata, aos quinze anos. Em 1990 passou a ter aulas com Luís Pinto e depois formou-se em desenho pela Escola Panamericana de Artes, em São Paulo. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1999); Piracicaba, SP (1999); Alphaville, SP (1999). Participou de várias mostras coletivas e oficiais. Foi premiado em: São Paulo (1998, 1999); Ribeirão Preto, SP (1999). ITAU CULTURAL; JÚLIO LOUZADA VOL. 8, PÁG. 688; VOL. 12, PÁG. 335; VOL. 13, PÁG. 279.



112 - ANA CRISTINA ANDRADE (1953)

"Comanchinho" - gravura - 1/15 - 30 x 30 cm - canto inferior direito - 1984 -
Complemento de técnica: Ponta seca e maneira negra.

Ana Cristina Andrade Moreira é pintora, gravadora, desenhista, professora e designer vidreira. Iniciou sua formação artística na Escola Superior de Arte Santa Marcelina, SP (1972-1975). Aprendeu gravura em metal (1980-1990) com Iole Di Natale; técnicas de gravura na Scuola Internazionale di Gráfica em Veneza, Itália (1983); Gravura Especial com Evandro Carlos Jardim, no MAC-SP (1991); Técnica Calcográfica Experimental com Mario Benedetti, na FASM-SP (1997); Vitrofusão com Roberto Bonino. Exposições individuais: São Paulo, SP (1984, 1987, 1995, 2003); Bauru, SP (1989); “Projeto Interior com Arte” – Museu Banespa (1998 – Exposição itinerante pelo interior do Estado de São Paulo). Coletivas: Epinal, França (1975); São Paulo, SP (1974, 1982, 1984, 1985, 1986, 1988, 1994, 1995, 2000, 2002 a 2004, 2012 – SP ESTAMPA); Santo André, SP (1982); Novo Hamburgo, RS (1982); Taiwan, China (1983, 1985); San Juan, Porto Rico (1983); Santos, SP (1983); Cabo Frio, RJ (1983); Ribeirão Preto,SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba,SP (1984); Veneza, Itália (1984, 1985); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986); Limeira, SP (1986); Washington D.C.,EUA (1991); Campos do Jordão, SP (1991); Kanagawa, Japão (1992); Maastricht, Holanda (1993); Illinois, EUA (1994); Cidade do México, México (1996); Jacareí, SP (1998); Budapeste, Hungria (1996); Uzice, Yuguslávia (1997); Ourense, Espanha (1994, 2006). Prêmios: São Paulo, SP (1974); Novo Hamburgo, RS (1982); Santos, SP (1983); Ribeirão Preto, SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba, SP (1984); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986). JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 62; vol.2, pág. 66; Acervo FIEO. ITAU CULTURAL.



113 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato Amarelo com Flores" - acrílico sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2001 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



114 - CARMÉLIO CRUZ (1924)

Composição - óleo sobre eucatex - 45,5 x 55 cm - canto inferior direito e dorso - 1973 - São Paulo -

Natural de Canindé, CE. Pintor e desenhista iniciou suas atividades artísticas em sua terra natal. De 1947 a 1950 lecionou desenho no Rio, na Associação Brasileira de Desenho. Fixou-se em São Paulo a partir de então, participando de diversas Bienais até 1967 e nos SNAM, de 1959 a 1963, recebendo diversas premiações. Expôs individualmente em diversas cidades do País. Sobre sua obra, assim se referiu Theon Spanudis (1965): "Partindo de algumas experiências plásticas de Paul Klee, desenvolveu nos últimos anos uma pintura sui-generis, que se caracteriza pelo feliz casamento de dois elementos diferentes, senão opostos (...) Um elemento rítmico, linear que invade a tela e a subdivide em segmentos rítmicos, e um elemento cromático, difuso", encontrando nas suas obras "evocações poéticas de muros antigos, muros abandonados, muros com musgo, e a melancolia de cidadezinhas do interior (...) com seus humildes casebres ritmicamente seriados." MEC, vol. 1, pág. 498; PONTUAL, pág. 152; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 224/226; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



115 - TOMIE OHTAKE (1913 - 2015)

Composição - gravura - P.E. - 67 x 43 cm - canto inferior direito - 1989 -

Pintora, gravadora, escultora nascida em Kyoto, Japão e radicada no Brasil desde 1936, país que adotou, inclusive, a cidadania. Fixou-se em São Paulo. Em 1952, iniciou-se em pintura com o artista Keisuke Sugano. No ano seguinte, integrou o Grupo Seibi, do qual participavam Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, Flavio - Shiró, Tadashi Kaminagai , entre outros. A partir dos anos 1970, trabalhou com serigrafia, litogravura e gravura em metal. Dedicou-se também à escultura e realizou algumas delas para espaços públicos. Realizou muitas exposições individuais em todo o Brasil e exterior, além de ter participado de diversas mostras e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1961, 1963, 1965, 1985, 1989, 1996, 1998); Bienal de Veneza, Itália (1972); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973, 1976, 1983, 1986, 1989, 1993). Recebeu, em Brasília, o Prêmio Nacional de Artes Plásticas do Ministério da Cultura - Minc, em 1995 e muitos outros. Em 2000 foi criado o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. MEC, VOL. 3, PÁG. 323; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 690; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 791; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 140; PONTUAL, PÁG. 390; ART PRICE ANNUAL 1990, PÁG. 1464; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 362; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, PÁG. 939; LEONOR AMARANTE, PÁG. 170; WALTER ZANINI, PÁG. 693; ACERVO FIEO.



116 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Cavaleiros - desenho a nanquim e aquarela - 20 x 17 cm - canto superior direito - 20/12/1962 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



117 - BENJAMIN SILVA (1927)

Figuras - óleo sobre eucatex - 30 x 21 cm - canto inferior direito e dorso - 1965 -

Cearense de Juazeiro, Benjamin Silva antes de se mudar para o Rio de Janeiro, então com 20 anos, foi seringueiro no Amazonas. Foi aluno de Inimá de Paula na Escola do Povo, nos idos de 1950. Inicialmente figurativista, após 1963 adota uma linha de expressionismo agressivo. Sua pintura passeou também pelo surrealismo. MEC, vol.4, pág.246; TEIXEIRA LEITE, pág.70; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 943.



118 - MIGUEL DOS SANTOS (1944)

Bicho - cerâmica - 19 x 19,5 cm - dorso - 1974 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Pintor, desenhista e ceramista, Miguel Domingos dos Santos nasceu em Caruaru, PE. Assina Miguel dos Santos. Residindo em João Pessoa desde 1960, apresentou pela primeira vez suas pinturas em 1961 no Recife. Em 1967 começou a dedicar-se também à cerâmica. Realizou exposições individuais em: Connecticut, EUA (1967); João Pessoa, PA (1968, 1971, 1980, 1987); Belo Horizonte, MG (1968); Juiz de Fora, MG (1969); Recife, PE (1970, 1976, 1982, 1987); Rio de Janeiro (1972, 1975, 1980, 1986); São Paulo (1975, 1979, 1982, 1986 - MASP, 1987). Participou de inúmeras mostras e Salões oficiais pelo Brasil e no exterior como em: Bruxelas, Bélgica (1973); Nigéria (1977); Santiago do Chile, Chile (1980); Alemanha (1987); Copenhague, Dinamarca (1989). MEC VOL. 4, PÁG. 186; PONTUAL PÁG. 476; JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 773; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



119 - EDGAR COGNAT (1919 - 1994)

"Antigo moinho" - gravura - 24 x 32 cm - canto inferior direito - 1986 -
Na matriz a informação E. Cognat - Petrópolis - 1951.

Pintor, desenhista e gravador nascido no Rio de Janeiro. Começou seus estudos aos dezessete anos na classe de desenho, pintura e artes decorativas com o Professor Carlos Chambelland. Aprofundou-se por conta própria na arte da gravura, produzindo obras com o amigo e gravador Hans Steiner. Em 1967, assumiu a direção da Oficina de Gravuras do Liceu de Artes e Ofícios, sucedendo Carlos Oswald, considerado o pai da gravura no Brasil. Participou, entre outros, do Salão Nacional de Belas Artes - RJ; onde obteve medalhas de bronze, prata e de ouro; da I Exposição do Auto-Retrato no Museu Nacional de Belas Artes - RJ (1944); do Salão Paulista de Belas Artes - SP (1942); do Salão Municipal de Belas Artes - RJ (1954). MEC VOL. 1 PÁG. 442; PONTUAL PÁG. 139; ITAU CULTURAL; www.opapeldaarte.com.br.



120 - EMIL NOLDE (1867 - 1956)

Rosto - óleo sobre tela - 86 x 70 cm - canto inferior esquerdo -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com as seguintes etiquetas no dorso: "Fritz Gurlitt Berlin e Galerie Alex Vömel - Düsseldorf. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, gravador, escultor e professor, Emil Hansen, filho de camponeses, nasceu em Nolde, norte da Alemanha perto da fronteira com a Dinamarca. Estudou para ser marceneiro e entalhador, quando jovem. Trabalhou em Munique, em Karlsruhe - onde fez o curso de Arte Aplicada e em Berlim. Também fez estudos, entre outros, em Paris (Academia Julian), em Copenhague (escola de Kristian Zartman). Em 1902 se casou e mudou seu nome para Nolde. De 1905 a 1907 foi membro do ‘Die Brücke’, em Dresden, da ‘Secession’, em Berlim, até 1910.. Esteve viajando pela Itália, Rússia, Extremo Oriente e ilhas do Pacífico. Profundamente religioso, suas pinturas mais famosas são figurações do Velho e Novo Testamentos, paisagens e foi um dos expoentes da pintura floral do século XX. Embora tenha sido um antigo defensor do Partido Nacional-Socialista, teve sua obra declarada degenerada pelos nazistas e foi proibido de pintar. Mesmo assim, executou em segredo pequenas aquarelas (chamadas "pinturas não-pintadas"), a partir das quais concebeu grandes telas a óleo depois da guerra. Em 1926 fixou-se em Seebüll, também no norte da Alemanha quase fronteira da Dinamarca, onde viveu até morrer. Lá há a Fundação Nolde que possui uma extraordinária coleção de suas obras. BENEZIT VOL.. 7, PÁG. 743; EMIL NOLDE - CATÁLOGO EXPOSIÇÃO EM PARIS E MONTPELLIER, RMN 2008; DICIONÁRIO OXFORD, PÁG. 379; www.germanexpressionism.com; www.moma.org; www.britannica.com; www.emil-nolde.com.



121 - JORGE REIDER (1912 - 1962)

Rosas - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito -

Natural da Áustria, foi pintor ativo em São Paulo, expondo no Salão Paulista de Belas Artes em 1952. Sua obra é vasta, tendo pintado mais de três mil telas durante a sua carreira, sendo as flores o seu tema predileto. JULIO LOUZADA vol.3, pág.953.



122 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Pescador - óleo sobre cartão - 42 x 55 cm - canto inferior direito ilegível - 1886 -



123 - JOHN GRAZ (1891 - 1980)

"Marrocos mulheres em preto" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo - 1978 -
Com declaração de autenticidade de obra nº 020 do Instituto John Graz.

Pintor, decorador, escultor e artista gráfico, John Louis Graz nasceu em Genebra, Suíça e faleceu em São Paulo. Ingressou no curso de arquitetura, decoração e desenho da Escola de Belas Artes de Genebra (1908), onde foi aluno de Eugène Gilliard, Gabriel Vernet e Daniel Baud-Bovy. Foi discípulo também de Edouard Ravel. Na Escola de Belas Artes de Munique (1911 a 1913) estudou decoração, design e publicidade com Carl Moos. Retornou à Escola de Belas Artes de Genebra (1913 a 1915) e passou boa parte do tempo em companhia dos irmãos Regina Gomide e Antonio Gomide. Recebeu, por duas vezes, a Bolsa Lissignol e partiu para estudos na Espanha. De volta à Suíça, realizou vários trabalhos como ilustrador. Em 1920, veio para o Brasil e, nesse mesmo ano, casou-se em São Paulo com Regina Gomide. Por intermédio de Oswald de Andrade, o casal passou a fazer parte da vida intelectual da cidade. Participou da Semana de Arte Moderna de 1922 e de muitas outras exposições coletivas e oficiais. Realizou exposições individuais na capital paulista. Teve um de seus trabalhos publicados na revista Klaxon, 7ª edição (1922). Trabalhou com o arquiteto Gregori Warchavchik (1923). Projetou e executou a decoração de residências paulistanas, desenhando móveis, luminárias, afrescos, vitrais, maçanetas, banheiros e jardins. Tornou-se sócio-fundador da Sociedade Pró-Arte Moderna - SPAM (1932). Produziu inúmeras capas da revista 'Ilustração Artística do Brasil' (anos de 1930) e formou o 'Grupo 7' com Regina Graz, Antonio Gomide, Elisabeth Nobiling , Rino Levi, Victor Brecheret e Yolanda Mohalyi . TEODORO BRAGA PÁG. 112; PONTUAL,PÁG. 251; MEC VOL. 2, PÁG. 283; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 530; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; LEONOR AMARANTE PÁG. 200, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 443; ACERVO FIEO; www.institutojohngraz.org.br; www.artprice.com.



124 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Vaqueiro" - desenho a nanquim e aquarela - 41 x 32 cm - canto inferior direito - 1977 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



125 - VITALINO FILHO (XX)

À caminho da feira - escultura em cerâmica - 25 x 11 x 09 cm - assinado -

Ceramista de Caruaru-PE, o autor é filho e primeiro herdeiro da arte do pai, o grande Mestre Vitalino. Citado no livro O REINADO DA LUA, Escultores Populares do Nordeste, de Silvia Rodrigues Coimbra e Outros, Ed. Salamdra, 1980.



126 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulher sentada - desenho a nanquim - 41 x 29 cm - canto inferior direito - 1960 -
Este trabalho foi adquirido no Leilão realizado nos dias 04,05 e 06 de dezembro de 1963 no Museu de Arte de São Paulo, em benefício do Hospital Albert Einstein, realizado por Florestano - Leiloeiro Oficial, conforme etiquetas no dorso.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



127 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)

Linhas - guache - 33 x 21 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



128 - BELMIRO DE ALMEIDA (1858 - 1935)

Santos - desenho a lápis - 27 x 27 cm - canto inferior esquerdo -

Esse grande pintor brasileiro, cuja carreira artística começou pela caricatura, viveu em Paris quase toda a sua existência. Ao fim da vida, abeirou-se dos novos estilos artísticos em voga na Europa, praticando incursões até no campo do Futurismo. Luciano Migliaccio, assim se refere `a obra do mestre: " Belmiro (...) punha fim à época em que a arte brasileira ainda era prisioneira da retórica dos gêneros e se fundamentava na transposição em chave nacional da tradição européia. Dava início a uma arte nova, inspirada na realidade social urbana contemporânea, falando da transformação dos costumes no interior da família e da condição da mulher na sociedade moderna. Era uma pintura que objetivava a educação moral do público, imitando o exemplo da pintura vitoriana inglesa, mas adotando a estética do naturalismo francês. O artista deixava de ser uma espécie de sumo sacerdote do culto da nação, passando a recusar a idéia de uma pintura celebrativa, promovida pelo Estado e distante da representação da atualidade. Assim, como Amoedo e Aurélio Figueiredo, Belmiro tentava encarnar o modelo do artista dandy, o intelectual urbano que fazia de sua arte um estilo e um modo de vida (...)" in: MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO (2000: SÃO PAULO, SP), AGUILAR, Nelson (org. ), SASSOUN, Suzanna (coord. ). Arte do século XIX. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. p. 148. REIS JR, pág.224; THEODORO BRAGA, pág.49; Primores da Pint, no Brasil, vol.1, pág.229; LAUDELINO FREIRE, págs.382/383; WALMIR AYALA, vol.1, págs. 30/31; TEIXEIRA LEITE, pág. 68/69; PONTUAL, págs.66/67; MEC, vol.1, pág.48; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 420; ARTE NO BRASIL, pág. 553; F. ACQUARONE, pág. 117.



130 - HEITOR DOS PRAZERES (1898 - 1966)

Sambistas - óleo sobre tela colada em eucatex - 50 x 60 cm - canto inferior direito - 07/10/1964-Rio de Janeiro -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com autenticação da família do artista, na pessoa do curador da obra, Sr. Heitor dos Prazeres Filho.

Pintor, compositor, marceneiro, Heitor dos Prazeres nasceu e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou-se na pintura por volta de 1937, como autodidata, estimulado pelo jornalista e desenhista Carlos Cavalcanti. No período de 1937 a 1946, trabalhou em rádios do Rio de Janeiro e ingressou como ritmista na Rádio Nacional, em 1943. Recebeu o 3º lugar para artistas nacionais na 1ª Bienal Internacional de São Paulo (1951) e foi homenageado com sala especial na 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1953). No ano seguinte, criou cenários e figurinos para o Balé do IV Centenário da Cidade de São Paulo. Realizou sua primeira exposição individual, em 1959, no Rio de Janeiro. Em 1965, Antônio Carlos Fontoura produziu um documentário sobre sua obra. Tornou-se um artista destacado, atuando como compositor, instrumentista e letrista de música popular brasileira. Participou da fundação das primeiras escolas de samba cariocas, entre elas a Estação Primeira de Mangueira. Em comemoração ao centenário de seu nascimento, em 1999, foi realizada mostra retrospectiva no Espaço BNDES e no Museu Nacional de Belas Artes. Em 2003, foi publicado o livro ‘Heitor dos Prazeres: Sua Arte e Seu Tempo’, da jornalista Alba Lírio. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.247; MEC. VOL.3, PÁG.400; WALMIR AYALA. VOL.2, PÁG.194; TEIXEIRA LEITE, PÁG.408; PONTUAL, PAG.439; WALTER ZANINI, PÁG.810; LEONOR AMARANTE, PÁG. 266; ACERVO FIEO.



131 - ALDIR MENDES DE SOUZA (1941 - 2007)

"Geo/metria" - óleo sobre tela - 80 x 100 cm - dorso - 1985 -

Pintor, desenhista, gravador, escultor, médico, roteirista e diretor de cinema nascido e falecido em São Paulo. Autodidata em pintura começou a expor no início da década de 1960, desenvolvendo paralelamente as carreiras de médico e de artista. Em 1992, comemorou 30 anos de pintura com exposição no Paço das Artes, em São Paulo. No mesmo ano, na Itália, publicou ‘Geometrie Parlanti’, livro sobre sua obra que conta com textos de críticos italianos e com um poema de Haroldo de Campos, escrito com base na obra de Souza especialmente para essa publicação. Ao longo de sua carreira participou de eventos de destaque como a Bienal Internacional de São Paulo (1967, 1969, 1971, 1973 e 1977), Bienal Ibero Americana do México (1987 e 1989), Bienal de Havana Cuba (1991), além de diversas exposições individuais em galerias dos Estados Unidos, Itália, Portugal, França e Espanha. Em 2006 realizou a exposição Cores do Buraco Negro, com performance da bailarina Larissa de Moraes, no Centro Brasileiro Britânico, em São Paulo. Foi premiado em: São Paulo (1966, 1970, 1972 – Bienal Nacional, 1977 – Bienal Internacional); São Caetano do Sul, SP (1967, 1968); Campinas, SP (1968); Curitiba, PR (1969, 1979); Belo Horizonte, MG (1970); Santo André, SP (1970); Rio de Janeiro (1971); Cidade do México, México (1982). PONTUAL, PÁG. 501; MEC, VOL. 4, PÁG. 310; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA - MUSEU DE ARTE MODERNA -1976; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 18; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 349; JÚLIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 40; ITAÚ CULTURAL; LEONOR AMARANTE, PÁG. 252; ACERVO FIEO; www.escritoriodearte.com; masp.art.br; www.catalogodasartes.com.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



132 - LIVIO ABRAMO (1903 - 1992)

"Festa" - xilogravura - P.A. - 30 x 21 cm - canto inferior esquerdo - 1954 -

Gravador, desenhista, pintor, ilustrador, jornalista e professor, nasceu em Araraquara, SP e faleceu em Assunção, Paraguai. Mudou-se para São Paulo, onde, em 1909, estudou desenho com Enrico Vio no Colégio Dante Alighieri. No início dos anos de 1920, fez ilustrações para pequenos jornais e entrou em contato com a obra de Oswaldo Goeldi e de gravadores expressionistas alemães. Realizou as primeiras gravuras em 1926. Em 1947, ilustrou o livro ‘Pelo Sertão’, do escritor Afonso Arinos de Mello Franco, publicado em 1949. Com essa série de ilustrações, apresentadas no Salão Nacional de Belas Artes, obteve o prêmio de viagem ao exterior. Seguiu para a Europa em 1951. Em Paris frequentou o Atelier 17, aperfeiçoando-se em gravura em metal com Stanley William Hayter. De volta ao Brasil, foi premiado como o melhor gravador nacional na Bienal Internacional de São Paulo, nas edições de 1953 e de 1963. Deu aulas de xilogravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Foram seus alunos, entre outros, Maria Bonomi e Antonio Henrique Amaral . Fundou o Estúdio Gravura, em 1960, com Maria Bonomi. Em 1962, foi convidado pelo Itamaraty a integrar a Missão Cultural Brasil-Paraguai, posteriormente Centro de Estudos Brasileiros. Mudou-se para o Paraguai e dirigiu até 1992, o Setor de Artes Plásticas e Visuais. Foi fundador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Paraguai. PONTUAL, PÁG. 1, JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 19; MEC VOL.1, PÁG. 33; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 795; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; ACERVO FIEO.



133 - CARYBÉ (1911 - 1997)

Família - desenho a nanquim - 29 x 21 cm - canto inferior direito -

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



134 - LOUISE BOURGEOIS (1911 - 2010)

Composição - litografia off set - 10/100 - 21 x 16 cm - canto inf. esquerdo e canto inf. direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, desenhista, gravadora, escultora e professora nascida em Paris e falecida em Nova York. Estudou Matemática na Sorbonne (1932-1935), arte na Escola do Louvre, na Escola de Belas Artes, na Academia Escandinávia, com Bissière, Cassandre, André Lhote, Othon Friesz, Paul Colin, Wlérick, Fernand Léger. Conviveu com André Breton e com os Surrealistas. Casou-se com o historiador de arte Robert Goldwater e mudou-se para Nova York (1938), tornando-se cidadã americana em 1951. Durante os anos da Segunda Guerra, conviveu com artistas que tinham emigrado da Europa, entre eles, Miró, Tanguy, Ozenfant, Le Corbusier. Nessa época seu trabalho era focado no desenho, na gravura e não produziu esculturas até 1949. Destacam-se as exposições individuais, entre tantas, em: Nova York (1949, 1950, 1953, 1955); Chicago (1953); ‘White Art Museum at Cornell University’ (1959); ‘University of Chicago’ (1971 - retrospectiva); MOMA, Nova York (1982 - retrospectiva, 1994); Frankfurter Kunstverein, Frankfurt, Alemanha (1989–91 - retrospectiva); ‘Musée d'Art Moderne’, Paris (1995); ‘Museum of Contemporary Art’, Los Angeles (2007). Participou da Bienal de Veneza (1993, 1999). Recebeu o Grande Prêmio de Escultura do Ministério de Cultura Francês (1991); o Leão de Ouro na Bienal de Veneza (1999); a Medalha de Honra da Academia de Belas Artes da Pensilvânia em Filadélfia (2005), entre outros. BENEZIT; www.guggenheim.org; www.tate.org.uk; www.artecapital.net; www.artprice.com.



135 - DIONISIO DEL SANTO (1925 - 1999)

"Tema 397" - serigrafia - Permuta IV - 10/27 - 19 x 19 cm - canto inferior direito - 1976 -

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



136 - PAULO CALAZANS (1947 - 2016)

"Varal da Pamplona" - acrílico sobre tela - 90 x 120 cm - canto inferior direito e dorso - São Paulo -

Mineiro de Caratinga, onde nasceu a 25 de maio de 1947. Gravador, desenhista, fotógrafo e poeta. Dos 15 aos 30 anos executou trabalhos na área visual (pintura, ilustração, gravura, fotografia, cenografia, entre outros), o que gerou a sua formação atual. Sua obra reflete várias tendências, ora passando uma releitura na História da Arte no período 1300/1950, ora desenvolvendo imagens a partir do inconsciente racionalizado. Individuais e coletivas a partir de 1983, com premiações. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 49.



137 - CARLOS PRADO (1908 - 1992)

Procissão - desenho a nanquim - 21 x 24 cm - canto inferior esquerdo - 1940 -

Arquiteto, pintor, gravador e ceramista paulistano. Recebeu menção honrosa no SPBA de 1935, participando também na I e II BSP e na exposição de Arte Moderna no Brasil, realizada em Buenos Aires, Rosário, Santiago do Chile e Valparaíso, em 1957. No dizer de TEIXEIRA LEITE, em sua obra A Gravura Brasileira Contemporânea, Carlos Prado utilizava por vezes a gravura como meio expressivo, subordinando-a, porém, a interesses maiores. TEIXEIRA LEITE, pág. 421; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 254. PONTUAL, pág. 438; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582; ARTE NO BRASIL, pág. 781. Acervo FIEO.



139 - CRISTINA CAPPER SOUZA (1880 - 1954)

Figuras - desenho a nanquim - 25 x 21 cm - centro inferior - 1894 -

Pintora paraense, nasceu e faleceu em Belém. Foi para Paris muito jovem, onde frequentou a Academia Julien. Expôs em Lisboa e no Rio de Janeiro JULIO LOUZADA, vol. 10 pág 842



140 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - acrílico sobre tela - 123 x 152 cm - canto inferior direito - 1986 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com declaração de autenticidade, datada de 12 de Abril de 1992, firmada pelo autor. (Atenção clientes que não residem em São Paulo: transporte especial devido ao tamanho. Consulte-nos antes de dar seu lance) .

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



141 - LEIDE CAVALOTTI HADDAD (1943 - 2015)

Nus - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - canto inferior direito - 1992 -

Pintora, desenhista, paisagista e decoradora nascida em São Paulo. Cursou a Escola Panamericana de Arte (1981) e a escola Paulista de Arte e Decoração – ESPADE (1988). Participou de várias mostras coletivas.



142 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Veneza - desenho a nanquim e aquarela - 24 x 15 cm - não assinado -
No estado.



143 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Figuras fantásticas - xilogravura - P.A. - 36 x 28,5 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



144 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 41 x 61 cm - canto inferior direito -

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



145 - WESLEY DUKE LEE (1931 - 2010)

"Cartografia anímica (álbum) - off-set - Cada: 37 x 49 cm - 1980 -
Álbum assinado por Patricia Lee. No estado.

Pintor, desenhista, gravador, artista gráfico, professor - nasceu e faleceu em São Paulo. Iniciou seus estudos de desenho em 1950, no MASP. Em 1952 viajou para os EUA para dedicar-se ao aprendizado de artes gráficas na ’Parson's School of Design’ e na ‘American Institute of Graphic Arts’ (Nova York). De volta ao Brasil trabalhou no campo da pintura e do desenho, aperfeiçoando-se com Karl Plattner, em São Paulo (1957). Em seguida transferiu-se para Paris, onde frequentou a ‘Académie de la Grande Chaumière’ e estudou gravura com Johnny Friedlaender. Retornou ao Brasil em 1960. Em 1963, iniciou trabalho com os jovens artistas Carlos Fajardo, Frederico Nasser, José Resende, Luiz Paulo Baravelli, entre outros. Nesse ano, realizou, no João Sebastião Bar, em São Paulo, ‘O Grande Espetáculo das Artes’, um dos primeiros ‘happenings’ do Brasil. Procurou organizar um movimento artístico, o realismo mágico, com Maria Cecília, Bernardo Cid, Otto Stupakoff e Pedro Manuel-Gismondi, e outros. Em 1966, com Nelson Leirner, Geraldo de Barros, José Resende, Carlos Fajardo e Frederico Nasser, fundou, como reação ao mercado de arte, o Grupo Rex, que existiu até 1967. Participou de diversas exposições coletivas e Bienais no Brasil e no exterior, realizando individuais por todo o Brasil. MEC, VOL.2, PÁG.465; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.466; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 282; PONTUAL, PÁG.305 E 306; JULIO LOUZADA, VOL.8, PÁG.459; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 815; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143. ACERVO FIEO.



146 - MENASE WAIDERGORN (1927)

"Horizonte distante" - óleo sobre tela - 28 x 36 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940), onde conheceu Dario Mecatti. Viajou pelo norte da África e Europa. Participou de diversos salões, coletivas oficiais e recebeu diversos prêmios. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



147 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Trabalhador - desenho a nanquim - 17 x 15 cm - canto inferior direito - 1945 -
Com dedicatória datada de 29/11/1946.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



148 - THEODORO DE BONA (1904 - 1990)

Moça - óleo sobre madeira - 43 x 33 cm - canto inferior esquerdo - 1945 -

Natural de Morretes, PR, onde nasceu a 11 de junho de 1904, e falecido em Curitiba, PR, em 20/9/1990. Pintor e desenhista.Foi aluno de Gina Bianchi e Ercília Cecchi. Frequentou assiduamente o ateliê do pintor Alfredo Andersen, convivendo com Traple, Freyesleben, Augusto Perneta, Taborda Jr e outros artistas locais. Aperfeiçoou-se na Europa, para onde seguiu em 1927. Estudou na Real Academia de Belas Artes de Veneza, frequentando aulas de Ettore Tito e Vicenzo Stefani. No Brasil, a partir de 1936, expõe com sucesso as suas obras e leciona pintura e desenho na Escola de Belas Artes do Paraná. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 44; ITAÚ CULTURAL.



149 - GUIDO VIARO (1897 - 1971)

Paisagem - óleo sobre madeira - 41 x 33 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e professor, nasceu em Badia Polesine, Itália. Fez estudos de formação artística em Veneza e Bolonha, naquele País, vindo para o Brasil em 1928. Radicou-se em Curitiba 1930, onde lecionou pintura e desenho. Participou, recebendo premiações, em diversos Salões nacionais. JULIO LOUZADA vol.aa, pág.335; TEIXEIRA LEITE, pág. 522, PONTUAL, pág. 539; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 449; ARTE NO BRASIL, pág. 883.



150 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

"Vaso de flores" - óleo sobre tela colada em cartão - 42 x 35 cm - canto inferior direito - 1959 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com a seguinte declaração de próprio punho, no dorso: " Reconheço este quadro Vaso de flores um óleo sobre tela colado em cartão medindo 42 x 35 cm de 1959 de minha autoria. Rio 10 de setembro de 1972. E.di Cavalcanti."

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



151 - GIOVANNI MIGLIARA (1785 - 1837)

Interior de igreja - óleo sobre tela - 40 x 51 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Desenhista, pintor e professor nascido em Alexandria e falecido em Milão, ambas na Itália. Representante da Escola Italiana foi pintor de decoração de teatro, em Milão: Teatro Carcano (1804) e La Scala (1805-1809). Muito conhecido por sua pintura de gênero, arquitetura e história, foi membro das Academias de: Milão, Turim, Nápoles e Viena. Em 1822 foi nomeado professor da Academia de Belas Artes de Milão e, em 1833, pintor da corte do rei Charles Albert, da Sardenha. Possui obras nos Museus de: Bérgamo, Roma, Milão, Trieste, Itália; Rouen, França; São Petersburgo, Rússia; Madri, Espanha; Munique, Alemanha. BENEZIT, VOL.7, PÁG. 405; artnet.com; christies.com; fr.wikipedia.org.



152 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Xaréu" - serigrafia - 72/200 - 50 x 67 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze capitais em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



153 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Cangaceiro" - desenho a nanquim e aquarela - 10 x 10,5 cm - canto inferior direito - 1966 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



154 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Marinha - óleo sobre tela - 68 x 98 cm - canto inferior direito -
E. Borkemeyer.



155 - LÚCIO BITTENCOURT (1953)

Dom Quixote - escultura em ferro - 80 x 23 x 21 cm - assinado -

Nascido em 1953, em Mogi das Cruzes (SP), iniciou sua carreira artística em 1979 e partir daí já produziu mais de 12 mil peças entre elas 200 monumentos que chegam a 30 metros de altura e que estão instalados em praças públicas de diversas cidades. Tem cerca de 200 prêmios, sendo o primeiro em 1979 no Salão Oficial de Taubaté. Já participou de cerca de duas mil exposições coletivas e individuais nacionais e internacionais e tem suas obras espalhadas por diversos lugares do Brasil e no exterior, como Lisboa, Lyon, Porto Rico e Paris. Recentemente passou a integrar a coleção "Contando a Arte" escrita pelo renomado crítico de arte Oscar D’Ambrosio. Em toda sua trajetória, Bittencourt já participou de mais de duas mil exposições no Brasil e exterior. http://bittencourtesculturas.com.br/site/



156 - SUETONIO MEDEIROS (1970)

"Caprichos do amor" - desenho a carvão e pastel - 41 x 29 cm - canto inferior direito -

Alagoano, Suetônio Cícero Medeiros ministra aulas de desenho na Fundação Cultural de Blumenau (FCB). Desenvolve uma linguagem própria independente de escola ou estilo, realizando trabalhos nas mais diversas áreas artísticas, como a pintura, escultura, desenho, restauração, modelagem, maquetaria, fundição e metalgrafia. Suas obras baseiam-se em estudos desenvolvidos acerca de filósofos gregos pitagóricos que defendiam a obtenção da harmonia através da proporção da freqüência, enfatizando a crescente necessidade de se conseguir harmonizar as partes com o todo. Realizou várias exposições coletivas e individuais.https://semanadeartesdafurb.wordpress.com/curriculos/



157 - ANGELO CANNONE (1899 - 1992)

Paisagem - óleo sobre tela - 66 x 81 cm - canto inferior esquerdo - década de 1940 -

Pintor, desenhista e professor nascido em Abruzzo, Itália. Assinava D’Angelo, Angelo Cannone e A. Cannone. Aos cinco anos mudou-se para Nápoles com sua família. Em fins de 1947, veio para o Brasil, residiu algum tempo em São Paulo e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se radicou e lá faleceu. Estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles com Paolo Vetri. Viveu em Roma durante quatro anos com uma pensão conquistada em um concurso em Nápoles. Lecionou desenho no Instituto Técnico. Expôs individualmente em São Paulo (1947, 1993) e no Rio de Janeiro (1947, 1973, 1980, 1984). Foi premiado, na Itália, em: 1922, 1925, 1929, 1941 e, no Brasil, em 1960. Em 1972 pintou o retrato do papa Pio X, em tamanho natural, que está na Igreja dos Italianos, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 168; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 187; VOL. 3, PÁG. 203; VOL.8, PÁG. 165; VOL. 9, PÁG. 171; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com; www.arcadja.com.



158 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

"Estudo - Painel Goiás X" - desenho a nanquim e aguada - 25 x 32 cm - canto inferior direito - década 1950 -

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



159 - INÁCIO RODRIGUES (1946)

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 30 x 30 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1969 -

Pintor, desenhista, entalhador e gravador, natural de Acaraú, CE. Iniciou-se em pintura como autodidata (1957). Viajou para diversos países da América Latina (1960-1965) com o objetivo de participar de exposições e acabou se fixando, em 1966, no Rio de Janeiro. Pintou a cúpula da Catedral Municipal e o Hotel Porto Velho em Porto Velho, RO (1962 e 1965). Expôs individualmente em diversas capitais brasileiras e também no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais e foi premiado em: Curitiba, PR (1971); Rio de Janeiro (1970, 1973, 1975, 1977, 1978); Belo Horizonte, MG (1970, 1971); Campinas, SP (1971, 1972); Florianópolis, SC (1972); Niterói, RJ (1974); Embu, SP (1974); Amparo, SP (1994, 1996); São José dos Campos, SP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 834; VOL. 4, PÁG. 959; VOL. 12, PÁG. 345; TEIXEIRA LEITE PÁG. 450. WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 259; MEC VOL. 4, PÁG. 91; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



160 - ADRIAEN COORTE (c.1660 - 1723)

Frutas - óleo sobre tela - 50,5 x 68 cm - canto inferior esquerdo - 1685 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com etiquetas de: Galerie Arnold - Dresden - Alemanha e Kunsthaus Zurich - Suíça, no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista holandês. Foi ativo em Middelburg (1685-1723) - uma cidade comercial próspera na província de Zeeland, Holanda e, em Delft (1694). Foi membro da St Luke's Guild. Obras suas se encontram no Rijksmuseum, Amsterdam; no Koninklijk Mus. voor Schone Kunsten, Antuérpia; no Museu do Louvre, Paris; no Mauritshuis, Haia; entre outros. BENEZIT; www.rijksmuseum.nl; www.artprice.com; www.sothebys.com; www.nga.gov.



161 - LUIGI PAGAN (1907 - 1980)

Veneza - óleo sobre tela - 48 x 69 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista nascido em Chioggia - Veneza, Itália. Pertencia a uma pobre família de pescadores. Perdeu seu pai na juventude e cuidou de dois irmãos mais jovens. Conseguiu estudar num colégio para órfãos de guerra. Em Turim trabalhou, estudou e conheceu a tradição artística do Piemonte. Voltou para Chioggia e aperfeiçoou suas técnicas na ‘School of Carmini’ e na Academia de Belas Artes de Veneza. Suas obras têm sido comercializadas em leilões por todo o mundo. www.eugeniodavenezia.eu; www.artprice.com; www.invaluable.com; www.artnet.com.



162 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Marinha - óleo sobre tela colada em eucatex - 31 x 41 cm - canto inferior direito ilegível -



163 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Figura - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



164 - MODESTO BROCOS Y GOMES (1852 - 1936)

Jardim - aquarela - 31 x 26 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e professor, nascido em Santiago de Compostela, Espanha, a 9 de fevereiro de 1852, e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde era radicado e ativo, no dia 28 de novembro de 1936. Era brasileiro naturalizado. Estudou com Vitor Meireles e Zeferino da Costa, na Academia Imperial de Belas Artes-RJ (até 1875). Em Paris estudou com Henri Lehmann. Em 1952, o MNBA-RJ organizou importante retrospectiva de sua obra, por ocasião do centenário do seu nascimento. JULIO LOUZADA vol.10, pág. 144; MEC vol.1, pág. 297; PONTUAL, pág. 91; TEIXEIRA LEITE, pág. 88; WALMIR AYALA vol.1, pág.134; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 418; 602.A, ACERVO FIEO.



165 - BANKSY (1974)

"Peace" - litografia off set - 120/300 - 38 x 28 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Com certificado de Edicion, emitido por Suc. de Salerno e Hijos - (Italy) e carimbo em relevo seco do editor. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Grafiteiro, pintor, ativista, cineasta. Chama-se Robin Banks e nasceu em Bristol - Inglaterra, de acordo com o tabloide inglês 'Daily Mail', mas ninguém conseguiu comprovar. A revelação de sua identidade já esteve em leilão no site e-Bay, mas a oferta foi retirada. Passou anos desenvolvendo sua técnica até se lançar em trabalhos maiores e mais polêmicos - sem nunca revelar sua identidade. Considerado o criador da 'street art', ganhou notoriedade através das intervenções urbanas - modificando sinalizações de rua, imprimindo sua própria moeda e, ilegalmente, pendurando suas obras em instituições como o Louvre e o Museu de Arte Moderna. Hoje suas obras se espalham por galerias em: Londres, Los Angeles, Nova York, Roma, Munique, e até no muro que separa Israel e Palestina (2005). Assinou a capa do álbum 'Think Tank' (2003), da banda Blur. Em 2009 uma exposição de suas obras 'Banksy vs Bristol Museum' foi realizada em sua cidade natal. Seu documentário 'Exit Through the Gift Shop' (2011) chegou a ser indicado ao Oscar. super.abril.com.br; www.smithsonianmag.com; www.artprice.com; banksy.co.uk; www.artsy.net; www.artnet.com.



166 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - desenho a nanquim - 28 x 20 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



167 - MARIO ZANINI (1907 - 1971)

Casario - desenho a crayon - 24 x 33 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



168 - CÉLIA NAHAS GARCIA (XX)

Composição - técnica mista - 70 x 100 cm - canto inferior direito -

Artista plástica nascida em São Paulo. É pedagoga e desenvolve sua arte como autodidata. Realizou exposições individuais em São Paulo (2013, 2014) e tem participado de inúmeras mostras coletivas e oficiais, destacando-se: 'Exposição Museo do Café' (2013);?'Artexpo New York', Nova York -



169 - HISAMATSU MITAKE (1916 - 2015)

Paisagem - óleo sobre tela - 24 x 33 cm - canto inferior direito - 2015 -

Pintor com participações nas seguintes mostras: II Salão de Paisagem Paulista, em 1969; Salão de Belas Artes de Santos-SP, em 1971 e Salão de Belas Artes de Piracicaba-SP, em 1972. JULIO LOUZADA, vol.3, pág. 746.



170 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Vaso Azul com Flores" - acrílico sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2003 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



171 - ISABEL PONS (1912)

Composição - gravura - 10/30 - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Barcelona, Espanha. Importante gravadora, desenhista e pintora. Estudou pintura na Escola de Belas Artes de Barcelona (1925-1930). Ilustrou poemas de Garcia Lorca. Fixou residencia no Rio de Janeiro a partir de 1948. Estudou gravura com Friedlaender, no MAM-RJ, em 1959. A partir de então dedica-se principalmente à atividade de gravadora em metal, técnica que domina como poucos e a consagrou no cenário nacional e internacional. Está representada em diversos museus brasileiros e estrangeiros, como o MNBA, MAM-RJ, MOMA-NY, etc MEC, vol. 3-pág. 425; PONTUAL-pág. 431; WALMIR AYALA, vol. 2, págs.203/4; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 707; ARTE NO BRASIL, pág. 853; LEONOR AMARANTE, pág. 126.



172 - TORQUATO BASSI (1880 - 1967)

Paisagem - óleo sobre tela - 22 x 30 cm - canto inferior direito -

Nascido em Ferrara / Itália, veio para o Brasil ainda muito jovem, fixando-se em São Paulo, onde desenvolveu sua vida artística. Participou durante anos do Salão de Belas Artes do Rio de Janeiro, Salão Paulista de Belas Artes e de mostras de pintores italianos. Tem obras na Pinacoteca do Estado de São Paulo e no Museu Paulista de Belas Artes. TEODORO BRAGA, pág. 47; PONTUAL, pág. 58; MEC, vol. 1, pág. 188; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 89; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



173 - OMAR PELLEGATTA (1925 - 2000)

Barcos - óleo sobre tela colada em eucatex - 19 x 27 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, desenhista e gravador nascido em Busto Arsizio, Itália. Assina Pellegata. Veio para o Brasil em 1927, estudou na Associação Paulista de Belas Artes, foi aluno de Ettore Federighi e Durval Pereira, Takaoka, Mário Zanini, Otone Zorlini. Viveu e trabalhou em Santos, SP. Fez parte do Grupo Tapir (1970) com Giancarlo Zorlini, João Simeone, José Procópio de Moraes, Glicério Geraldo Canelosso e do Grupo Chácara Flora com Emídio Dias de Carvalho, Arlindo Ortolani, Heitor Carilo, Glicério Geraldo Canelosso. Realizou exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil como: Salão Paulista de Belas Artes (desde 1958), Salão Municipal de Belas Artes de Belo Horizonte, MG (1960), entre outros, recebendo muitos prêmios. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG.735; MEC VOL.3, PÁG.363; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



174 - SILVIA ALVES (1947)

"São Paulo no outono" - técnica mista - 34 x 47 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



175 - AUGUSTO HERKENHOFF (1965 - XX)

"Dr. Von" - óleo sobre tela - 100 x 80 cm - centro esquerdo e dorso - 2000 -

Nasceu em Cachoeiro do Itapemirim, ES. Formou-se em Direito, no Rio de Janeiro, em 1984.De 1985 a 1986, estudou com Katie Van Scherpenberg no MAM/RJ. Entre 1985 e 1988 estudou pintura com Ronaldo do Rego Macedo, Katie Van Scherpenberg e Manfredo Souzanetto, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Entre 1986 e 1995 participou de diversos Salões, entre eles o I Salão Capixaba de Artes Plásticas, V Salão da Ferrovia – RFFSA, onde recebeu o Prêmio Aquisição, no Rio de Janeiro, 12º Salão Carioca de Arte Universitária, 13º e 16º Salão Carioca Rioarte, VII Salão Paulista de Arte Contemporânea, 13º Salão Nacional de Artes Plásticas, Rio de Janeiro, XV Salão Nacional de Artes Plásticas, recebendo o 1º Prêmio, com a séria Amarelas, Rio de Janeiro. Neste mesmo período participou de várias exposições individuais e coletivas em diversos estados do Brasil. http://pt.shvoong.com/humanities/424525-biografia-augusto-herkenhoff/



176 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 80 x 120 cm - canto inferior direito -

Nascida em 1961, na cidade de Maringá/PR, Irineide Klöckner iniciou sua carreira artística em 1983, e passou pelos mais variados campos das artes plásticas, vivenciando as mais diversas técnicas de pintura. Desde 2000, Irineide dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte Irineide expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, Klöckner participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil.



177 - ULYSSES FARIAS (1960)

"Elo" - acrílico sobre madeira - 30 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Desenhista, pintor, fotógrafo, escultor, poeta e professor nascido em São Paulo. Tem participado de muitos eventos culturais, mostras e Salões oficiais em Socorro, SP (2006 a 2014); Brasília, DF (2010); Mairiporã, SP (2007); São Paulo (2013). Recebeu, em 2012, o primeiro lugar em um concurso de fotografias.



178 - MARIA WOCHNIK (XX)

Natureza morta - pintura sobre azulejo - 15 x 15 cm - canto inferior direito -
Obra executada no Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP. No estado.

Pintora radicada em São Paulo, foi participante temporária da Osirarte, conforme citação no catálogo Osirarte - Pinacoteca do Estado de São Paulo - 1985



179 - HÉRCULES BARSOTTI (1914 - 2010)

Composição - serigrafia - P.A. - 50 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, programador visual, gravador, nascido e falecido em São Paulo, SP. Iniciou-se nas artes em 1926, estudando desenho e composição com o pintor Enrico Vio. Começou a pintar em 1940 e, na década seguinte, realizou as primeiras pinturas concretas, além de trabalhar como desenhista têxtil e projetar figurino para o teatro. Em 1954, com Willys de Castro, fundou o Estúdio de Projetos Gráficos, elaborou ilustrações para várias revistas e desenvolveu estampas de tecidos produzidos em sua tecelagem. Foi para a Europa (1958) com o intuito de estudar novas tendências e aprimorar suas técnicas. Foi premiado no Salão Paulista de Arte Moderna (1958, 1959), no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1960) e realizou diversas exposições individuais. Na década de 1960, foi convidado por Ferreira Gullar a integrar-se ao Grupo Neoconcreto do Rio de Janeiro e participou das exposições de arte do grupo realizadas no Ministério da Educação e Cultura, RJ e no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1960, expôs na mostra 'Konkrete Kunst' (Arte Concreta), organizada por Max Bill, em Zurique. Entre 1963 e 1965, colaborou na fundação e participou do Grupo Novas Tendências, em São Paulo. Participou da IV, V, VI e VIII Bienal Internacional de São Paulo; do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP, entre outras exposições oficiais. Em 2004, o MAM - SP organizou uma retrospectiva do artista. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PAG. 98; VOL. 2, PÁG. 108; ITAU CULTURAL; PONTUAL PÁG. 57; MEC VOL. 1; PÁG. 187; www.pinturabrasileira.com; www.macvirtual.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



180 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Barcos - óleo sobre cartão - 22 x 32 cm - canto inferior direito e dorso - 1956 - Rio -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



181 - ROBERTO SCORZELLI (1938)

Flor - monotipia - 31 x 09 cm - canto inferior direito - 1959 -

Pintor e desenhista natural da cidade do Rio de Janeiro, onde nasceu a 17 de agosto de 1938. Frequentou a Escola de Belas Artes-RJ e entre 1955 e 1959, estudou desenho com Abelardo Zaluar, pintura com Henrique Cavalleiro e gravura com Darel, dedicando-se inicialmente ao desenho. Na déc 70 seu trabalho toma o rumo da abstração construtivista, voltando na déc. seguinte para o figurativismo sob a forma de paisagens do Rio de Janeiro. Em 1991 o crítico italiano Carlo Belloi comenta sobre uma mostra que o artista participou em Milão: " ... A superposição de diversas cores favorecem uma percepção cromática em regras de combinações entre transparências e superfícies sobrepostas, dando visão, estímulos de planos e profundidade." Individuais a partir de 1962 e coletivas desde 1959, inclusive internacionais. JULIO LOUZADA, vol 6 pág 1037



182 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Paisagem - óleo sobre tela - 57 x 79 cm - canto inferior direito -
Baltran. -



183 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Ouro Preto" - óleo sobre tela - 45 x 32 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



184 - RAMON CÁCERES (1944)

Composição - serigrafia - 20/20 - 68 x 68 cm - canto inferior direito -

Natural de Quilindy, Paraguai, fixou residência em São Paulo no ano de 1970, tornando-se discípulo da restauradora internacional Luciana Battioli, que o elogia pela técnica perfeita, sensibilidade aguda de exímio colorista. Tem como proposta estética o purismo da forma equilibrado notavelmente com um cromatismo muito particular e ritmado.Tem obras no MASP, no México e em coleções particulares no Brasil e no Paraguai. JULIO LOUZADA vol.2, pág. 191; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



185 - FAMÍLIA JULIÃO

4 aves. - escultura em madeira - assinado -
Anésio Julião. Medidas: 1º - 14 x 11 x 08 cm, 2º - 13 x 15 x 05 cm, 3º - 10 x 12 x 06 cm, 4º - 07 x 10 x 04 cm.

Ativa em Prados, MG. José de Pádua Lisboa (conhecido como Zezinho Julião, sobrenome do avô), carpinteiro, fabricante de arreios para montaria, móveis rústicos, caibros, transmite aos nove filhos a técnica de trabalhar a madeira. Itamar (falecido em 2004) é o primeiro dos irmãos a iniciar-se na escultura, aos dez anos de idade. No início eram imagens de Cristo, santos e anjos até encontrar seu imaginário próprio: montanhas com macacos saindo de grutas e os leões. Os outros irmãos (José, Valdir, João, Eleusa, Eliana, Vicentina, Maria e Antonio) se voltaram para a escultura em madeira devido ao êxito de Itamar. Uns se especializaram em montanhas com pássaros de asas espalmadas e serpentes em alto- relevo, outros em blocos de madeira nos quais são cavadas pequenas grutas de onde emergem cães, onças com filhotes, lobos, tatus. Na vizinhança há outros da família: Anésio Julião (Anésio Geraldo da Silva), Ari, Antonio e Márcio Julião (Márcio Geraldo Luz da Silva), filho de Anésio. Suas obras foram expostas em Paris (1987) na exposição "Brésil, Arts Populaires" e na Mostra do Redescobrimento na Fundação Bienal, em São Paulo (2000). LÉLIA COELHO FROTA , PEQUENO DICIONÁRIO DA ARTE DO POVO BRASILEIRO - PÁG. 261 A 263.



186 - MANEZINHO ARAUJO (1910 - 1993)

Feira - serigrafia sobre tecido - 33 x 50 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -

Com apenas dezesseis anos de idade mudou-se para Recife, a fim de concluir seus estudos. Após cursar a escola de comércio de Pernambuco, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi buscar fama através da música, sua primeira paixão. Destacou-se como compositor e intérprete de música popular nordestina, o que lhe valeu a possibilidade de montar um restaurante de comida nordestina em SP, muito famoso durante vários anos, o Cabeça Chata. Apesar de viver, em SP, suas raízes ainda permanecem em Pernambuco. De uma forma autodidata começou a dedicar-se à pintura, retratando o folclore nordestino, sua gente, suas vidas, fase que sustentou até o seu desaparecimento, com uma menção surrealista. Expôs individualmente nas Galerias Astreia e Capela (SP), e na Ranulfo em Recife (1969). Em 1968, apresentado por Aldemir Martins, teve publicado o álbum de serigrafias Meu Brasil. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 56; MEC, vol. 1, pág. 109; PONTUAL, pág. 38; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 18; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 832; Acervo FIEO.



187 - JORGE RACHID BUSSAB (1927)

Plantas - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1978 -

Pintor, gravador, ceramista, escultor e tapeceiro, natural da cidade de São Paulo, onde nasceu a 28 de fevereiro. Estudou com Aldo Bonadei por cinco anos. Segundo o renomado crítico Jacob Klintowitz, " A aproximação de Bussab com os elementos naturais, a sua discrição e pouco convívio com os movimentos internacionais da arte, o seu recolhimento, o tornaram distante das correntes e modas de arte. Os seus motivos são constantes, a sua maneira de pintar e o tratamento que ele dá aos seus motivos, o seu sistema, é inventivo." JULIO LOUZADA vol.10, pág. 153



188 - REINALDO MANZKE (1906 - 1980)

Cabana - guache - 17 x 20 cm - canto superior esquerdo -

Pintor, nascido e falecido em Blumenau, SC. Participou regularmente do Salão Paulista de Belas Artes, recebendo premiações diversas. JULIO LOUZADA, vol 9, pág, 529. MEC, VOL, 3,pág, 65. PONTUAL,pág,335; TEODORO BRAGA; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



189 - RAYMUNDO JOSE NOGUEIRA (1909 - 1962)

Composição - desenho a nanquim - 30 x 40 cm - centro inferior - 1954 -

Pintor, arquiteto, decorador e musicista. Fixou residência no Rio de Janeiro em 1932, e em 1934 começou a pintar, seguindo os moldes acadêmicos. Influenciado pela pintura de Antônio Bandeira, parte para o abstracionismo (1951). No Rio realizou alguns trabalhos de arquitetura, e foi um dos colaboradores de Niemeyer, na construção de Brasília. Participou do Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1952-1962) e das I, II, III, IV e V Bienal de São Paulo (1951-1961). MEC, vol. 3 pág. 266.



190 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)

"Jardim da Aclimação" - óleo sobre eucatex - 36 x 32 cm - canto inferior direito - 1934 -

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



191 - RENZO GORI (1911 - 1999)

Paisagem árabe - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor de estilo, participou de diversos Salões Nacionais, com premiações; muito apreciado por colecionadores de cenas árabes. TEODORO BRAGA, pág. 110; MEC, vol. 2, pág. 278; JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 390; Acervo FIEO.



192 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Figuras - desenho a nanquim - 33 x 42 cm - canto inferior direito - 1973 -



193 - ARMANDO PACHECO (1913 - 1965)

Veneza - óleo sobre tela - 46 x 38 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador e desenhista, nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro. Ingressou no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro em 1930, aos 17 anos de idade, ali tornando-se aluno de Isaltino Barbosa e aluno de Oswaldo Teixeira no ano seguinte. Na ENBA, foi aluno de Rodolpho Chambelland e Augusto Bracet. Participou regularmente do SNBA-RJ, conquistando prêmio viagem ao Exterior em 1950. Em 1968 o Museu Nacional de Belas Artes realizou um exposição com seus principais trabalhos. JULIO LOUZADA vol.1b, pág.705; TEXEIRA LEITE, pág. 372; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 766.



194 - EVANDRO SYBINE (1974)

"Fechei os olhos e dormi" - gravura - P.A. - 15 x 27 cm - canto inferior direito - 2001 -

Artista plástico, natural de São Paulo, SP. Reside e trabalha há 28 anos em Salvador, BA. Formado pela EBA-UFBA, mestre no PPGAV pela mesma instituição (2010) onde também atuou como professor substituto no Departamento de Expressão Gráfica e Tridimensional (2006, 2007, 2010, 2011). Em 2010 tornou-se professor do curso de gravura em metal das Oficinas de Expressão Plásticas do MAM, BA. Tem participado de várias mostras e exposições oficiais. circuitodasartes.art.br.



195 - CAROLUS, (CARLOS CANNONE) (1928 - 1995)

Figuras - óleo sobre tela - 46 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1980 -

Pintor, estudou com o pai Angelo Canone, na Itália, antes de emigrar para o Brasil em 1951. Ativo no Rio de Janeiro, realizou diversas exposições individuais e coletivas. MEC, vol.1, pág. 360; JULIO LOUZADA vol.5, pág. 205.



196 - JOSÉ ROBERTO AGUILAR (1941)

Composição - serigrafia - 27/50 - 40 x 55 cm - canto inferior direito - 1978 -

Surgiu em 1963, quando expôs na VII Bienal de São Paulo. Autodidata. Participou de diversas e importantes exposições coletivas, ligado ao figurativismo expressionista e à pop-art. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág, 34. PONTUAL, pág, 6. MEC , vol 1, pág,40; TEIXEIRA LEITE, pág. 14; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág 734; ARTE NO BRASIL, pág 975; LEONOR AMARANTE, pág. 170; Acervo FIEO.



197 - GENTIL CORRÊA (1932)

Carnaval - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso - 2010 -

Pintor autodidata, Gentil Jorge Gusmão Corrêa nasceu em Recife, PE. Assina Genticorrêa. Veio para o Rio de Janeiro em 1947 e, na década de 70, foi para Teresópolis, RJ. Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro (1970, 1972, 1974, 1976, 1979, 1981, 1982, 1992); em Teresópolis, RJ (1982, 1987). Participou de inúmeras mostras coletivas e Salões oficiais do Rio de Janeiro, sendo premiado em 1968, 1969, 1970, 1971, 1974, 1977, 1979, 1980 e 1982. MEC VOL. 1, PÁG. 465; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 289; VOL. 4, PÁG. 280; VOL. 6, PÁG. 268; VOL. 7, PÁG.185



198 - LUISA DÓRIA (XX)

"Armando Álvares Penteado" - monotipia e pastel - 32 x 31 cm - dorso - 2008 -
Série: Acredite em mim. Com estudo no dorso.

Desenhista, pintora, ilustradora, cartunista e diretora de arte. Formou-se em artes plásticas pela FAAP (2011). Produziu muitos quadrinhos independentes e expôs seus trabalhos plásticos no Chile com a Casa da Xiclet. Criou a produtora Coyote (2011) onde realiza trabalhos voltados para cenografia, direção de arte, manufatura de objetos e efeitos especiais para cinema, vídeos, produções áudio visuais em geral. Sua primeira história em quadrinhos editorial “Aranha” foi lançada pela Cachalote, na coleção 1ØØØ. cargocollective.com/luisadoriakiddo; casadaxiclet.com.



199 - RAFAELO CASTELLANI (1966)

Veneza - óleo sobre tela - 20 x 40 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1977 -
No estado.

Pintor e desenhista com diversas participações em mostras coletivas e oficiais. JULIO LOUZADA VOL. 12, PÁG. 94.



200 - LUCILIO DE ALBUQUERQUE (1877 - 1939)

Capela - óleo sobre cartão - 33 x 41 cm - canto inferior direito -

Natural de Barras, PI, Lucílio de Albuquerque frequentou a ENBA no Rio de Janeiro, onde foi aluno de Zeferino da Costa, Rodolfo Amoedo e Henrique Bernardelli. Expõe pela primeira vez em 1902, recebendo menção e premiações neste e nos demais certames de que participou (1904, 1907 e 1912). Profesor, foi iniciador de Portinari. Artista de vários gêneros, destacou-se como paisagista e pintor de figuras. Foi casado com a artista Georgina de Albuquerque. JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 196; TEIXEIRA LEITE, pág. 16; PONTUAL, pág. 10; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág.455; ARTE NO BRASIL, pág. 564, Acervo FIEO.



201 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Triângulos - serigrafia - 24 x 14 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



202 - CARLOS A. DE AGOSTINI (XIX - XX)

Paisagem - óleo sobre madeira - 19 x 31 cm - canto inferior direito -

Carlos Alberto de Agostini, pintor e desenhista com diversas participações em Salões oficiais como: Exposição Geral de Belas Artes, Rio de Janeiro (1898, 1901 a 1903, 1907, 1908); Salão Nacional de Belas Artes (1916 ) Menção Honrosa de Primeiro Grau). MEC VOL. 2, PÁG. 20; ITAU CULTURAL.



203 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - serigrafia - P.I. - 52 x 43 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



204 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)

"Alcântara" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor radicado em São Paulo, onde é ativo. São muito apreciadas as suas aquarelas, que retratam os casarios de cidades mineiras e do interior do País. Em 1985, recebeu prêmio aquisição no SPBA, e em 1988 prêmio no SPBA-SP. JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 39; Acervo FIEO.



205 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Violeiro - serigrafia - 32/100 - 70 x 50 cm - canto inferior direito - 1980 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



206 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Composição - serigrafia - 15/100 - 68 x 50 cm - canto inferior direito - 1982 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



207 - ANTONIO PINGITORI (1931)

Natureza morta - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1986 -

Natural de São Paulo, onde nasceu em 20 de janeiro de 1931. Iniciou seus estudos de desenho com o prof. Cláudio Biancardi, aos 12 anos de idade. Frequentou posteriormente curso no MASP e na Pinacoteca-SP. Foi discípulo de Durval Pereira, Salvador Rodrigues Junior e de Nicola Petti. Desde 1961 está radicado em Atibaia, SP. Dedica-se exclusivamente à pintura desde 1980. Em 1987, pintou sete retratos de ex-presidentes da Câmara Municipal de Atibaia. JULIO LOUZADA, vol. 3 pág. 905



208 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata com gato - serigrafia - P.I. - 52 x 43 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



209 - HELIO DE CASTRO (1960)

Barcos - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -

Excepcional pintor de paisagens e marinhas, dono de refinada técnica e composição, com inspiração nas escolas européias. JULIO LOUSADA, vol. 4, pág. 514



210 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

Alexandre - serigrafia - P.A. - 42 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura, em 1929, com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli , entre outros, criou o Núcleo Bernardelli em 1931. Viajou para Estados Unidos em 1945, com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na Art's Students League of New York. Em 1946, foi para a Europa e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na Académie de La Grande Chaumière. Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e freqüentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no Salon d'Automne (Paris) e regressou ao Brasil em 1947. Em 1949, casou-se com a pintora Maria Leontina e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais e também recebeu prêmios nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO.



211 - BETH MAGLI (1944)

Fazenda - óleo sobre tela - 19 x 27 cm - canto inferior direito - 08/1980 -
Com etiqueta de Academus Galeria de Arte, Al. Lorena, 1918, São Paulo - SP, no dorso.

Paulistana, viveu sua juventude no interior de São Paulo e no Paraná. Autodidata, seus temas iniciais foram os motivos brasileiros do interior paulista e quadros folclóricos de Salvador, Bahia. Suas obras, de grande sensibilidade e fantasia, retratam a farta e rica diversidade das cores tropicais. Expõe desde 1981, inclusive na Alemanha (1992 e 1993). Suas obras fazem parte de coleções no Brasil, USA, Suiça, Alemanha, França, Italia, Espanha e Inglaterra. JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 517



212 - ALOYZIO ZALUAR (1937)

Borboleta - óleo sobre cartão - 26 x 36 cm - lado esquerdo e dorso - 2016 -

Natural da cidade do Rio de Janeiro. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1956. Participou de diversos SNAM entre 1958 e 1967, recebendo a Certificado de Isenção em 1966. Expõe individualmente a partir de 1964. TEIXEIRA LEITE chamou atenção, em 1964, para a influência de Goeldi nos seus trabalhos que, mais tarde, abordaram a temática do carnaval carioca, levando o artista e poeta José Paulo Moreira da Fonseca a situá-lo na fronteira entre o desenho e a pintura. ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 349; MEC, vol. 4, pág. 528; PONTUAL, pág. 556; ACERVO FIEO, pág. 785. Acervo FIEO. -



213 - YOSHIYA TAKAOKA (1909 - 1978)

Tropilha - aquarela - 13 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1971 -
No estado.

Pintor e desenhista nascido em Tóquio, Japão, veio para o Brasil em 1925, fixando-se no interior de São Paulo, trabalhando na lavoura. Mudou-se para São Paulo, onde ganhava a vida vendendo pastéis, fazendo caricaturas e como pintor de paredes. Foi aluno de Bruno Lechowsky no Rio de Janeiro. Foi um dos fundadores do Grupo Seibi, que reuniu artistas plásticos da colônia japonesa em São Paulo (1935). Fundou em 1948, juntamente com Geraldo de Barros e Antonio Carelli, o Grupo dos Quinze. Viveu em Paris de 1952 a 1953, estudando técnica de mosaico; Freqüentou o Núcleo Bernardelli, onde se ligou de amizade a Pancetti. Participou de diversos salões e exposições, nacionais e estrangeiras, recebendo diversas premiações. PONTUAL, pág. 510; TEIXEIRA LEITE, pág. 490; MEC, vol. 4, pág. 352; TEODORO BRAGA, pág. 220; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 361; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL.



214 - DANIEL CAMILLI (1980)

Composição - gravura - 17 x 11 cm - dorso - 2002 -

Artista plástico nascido em Osasco, SP, com diversas participações em exposições e mostras coletivas. ITAU CULTURAL; www.canalcontemporaneo.art.br.



215 - CAMPOS SALLES (1917)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 18 x 28 cm - canto inferior direito - 1984 -

Pintor, desenhista e arquiteto, Ranulpho de Campos Salles Filho nasceu em São Paulo. Assina Campos Salles. Vive e trabalha em Campinas, SP. Realizou exposições individuais e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiado em: Nova Odessa, SP (1976); Jaboticabal, SP (1969, 1971); Santa Bárbara D’Oeste, SP (1972, 1978); São Paulo (1974); Piracicaba, SP (1975, 1978); Araras, SP (1983, 1985); Campinas, SP (1984). ITAU CULTURAL; JULIO LOUSADA VOL. 2, PÁG. 210. ACERVO FIEO.



216 - EDUARDO MORI (1943)

Homem sentado - desenho a lápis - 30 x 20 cm - canto inferior direito - 1967 -

Nascido em São Paulo, iniciou seus estudo artísticos em Paris, onde residiu por longos anos, realizando algumas exposições de desenhos e óleos, retratando cenas do cotidiano. Posteriormente radicou-se em Los Angeles-EUA onde, mais liberto da influência acadêmica, se fixou no abstracionismo, buscando apenas na cor a forma de expressar toda a sua arte, com a qual se consagrou. JULIO LOUZADA vol.11, pág.219



217 - ENRIQUE SERRA Y AUQUÉ (1859 - 1918)

Namorados - óleo sobre tela - 45 x 40 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador nascido em Barcelona, Espanha e falecido em Roma, Itália. Foi aluno de R. Marti y Alsina. Teve ateliê em Roma e em Paris, simultaneamente. Participou de muitas mostras oficiais da Europa. Recebeu a Medalha de Ouro na Exposição de Barcelona em 1888. BENEZIT VOL. 9, PÁG. 535; www.artprice.com; www.arcadja.com; www.christies.com.



218 - VERA GOULART (1954)

"Cafezinho" - gravura - P.A.1 - 18 x 24 cm - canto inferior direito - 2002 -

Pintora, desenhista, gravadora, escultora, poeta e atriz performática nascida no Rio de Janeiro. Artista autodidata começou a desenhar em 1967. Atualmente divide seu tempo entre os ateliês do Brasil e da Suíça. Frequenta esporadicamente os ateliês dos artistas Sandro Donatello e Tancredo Araujo, onde realizou suas primeiras pinturas. Suas primeiras gravuras foram realizadas no Museu Lasar Segall - São Paulo, nas aulas com o artista professor Mubarak. Dando continuidade às gravuras, frequentou o atelier da artista e professora de artes Ursula Jakob na Europa. Sua primeira litografia é feita no atelier Fernand Mourlot em Paris. Suas primeiras esculturas, bronze e terra, foram realizadas no atelier do artista Branquinho da escola de arte de Maria Tereza Vieira, no Rio de Janeiro. Expõe regularmente desde 1980 em mostras coletivas e individuais, em galerias e museus de diversos países. Recebeu o Prêmio Incentivo no 5º Salão de Arte Contemporânea do SESC - Amapá (2004) e Prêmio Bienal Brasileira da Bélgica (2008). ITAU CULTURAL; JULIO LOUSADA VOL. 6 PÁG. 462, www.goulart.ch; www.colecaodearte.com.br.



219 - MARJÔ (1961)

Paisagem - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1990 -

Maria José Calheiros de Mattos, assina Marjô, é natural de Santa Luzia do Norte, AL. Seus orientadores foram grandes mestres da pintura brasileira como: Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Takeshi Suzuki, Reinaldo Manske, entre outros. Foi uma das fundadoras do Grupo Guanabara em 1950 e participa de todas as suas exposições. Participou de diversos Salões oficiais e exposições coletivas: São Paulo, SP (1947 a 1951, 1953, 1954, 1956, 1957, 1969, 1974, 1978, 1979, 1992); Rio de Janeiro, RJ (1948, 1949); Santos, SP (1952), Cuzco, Peru (1977); Paris, França (1978). Exposições individuais: Califórnia, USA (1956); São Paulo, SP (1976, 1986). Prêmios: São Paulo, SP (1948, 1949, 1954, 1956,1957); Rio de Janeiro, RJ (1948, 1949); Jundiaí, SP (1978). JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 686. ITAÚ CULTURAL.



220 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Figura - xilogravura - 32 x 23,5 cm - canto inferior direito - 1954 -
Com a seguinte inscrição: "Ilustração para o livro Cururu de Paulo Vanzolini - 1954".

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



221 - SEBASTIÃO JANUÁRIO (1939)

Bodes - técnica mista - 15 x 26 cm - canto inferior direito - 1968 -

Pintor mineiro de Guanhães, MG. Vindo para o Rio de Janeiro, inicou-se na pintura, recebendo breve orientação de Ivan Serpa no Museu de Arte Moderna. Começou a apresentar seus trabalhos em 1963, viajando em seguida para Paris, onde residiu durante dois anos. Seus temas são ora sacros, ora representam o cotidiano das pessoas, mas sempre com cores demasiadas e soltas, com uma visão ingênua da realidade. Individuais a partir de 1968, na Galeria Giro e coletivas desde 1963, inclusive no XVIII Salão Nacional de Arte Moderna-RJ. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 514; PONTUAL, pág. 276; Acervo FIEO.



222 - SEBASTIÃO FALCIANO (1926)

"Cozinha da roça" - óleo sobre tela - 46 x 54,5 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor paulistano, estudou na Escola de Belas Artes de São Paulo, tendo tambem participado de Salões Oficiais e Exposições. JULIO LOUZADA, VOL, 8, pág, 302.



223 - CÂNDIDO PORTINARI (1903 - 1962)

"Fundação de São Paulo" - off-set - 18 x 30 cm - não assinado - 1986 -
Presente de natal confeccionado pelo Grupo Banco de Boston em 1986, para seus clientes, conforme documento no dorso.

Pintor, gravador, ilustrador e professor. Nasceu em Brodósqui, SP e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou-se na pintura em meados da década de 1910, auxiliando na decoração da Igreja Matriz de Brodósqui. Em 1918, mudou-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, ingressou no Liceu de Artes e Ofícios e na Escola Nacional de Belas Artes , na qual cursou desenho figurativo com Lucílio de Albuquerque e pintura com Rodolfo Amoedo , Baptista da Costa e Rodolfo Chambelland . Em 1929, viajou para a Europa com o prêmio de viagem ao exterior, e percorreu vários países durante dois anos. Em 1935, recebeu prêmio do Carnegie Institute de Pittsburgh pela pintura ‘Café’, tornando-se o primeiro modernista brasileiro premiado no exterior. No mesmo ano, foi convidado a lecionar pintura mural e de cavalete no Instituto de Arte da Universidade do Distrito Federal, quando teve como alunos Burle Marx e Edith Behring , entre outros. Em 1936, realizou seu primeiro mural, que integrou o Monumento Rodoviário da Estrada Rio-São Paulo. Em seguida, convidado pelo ministro Gustavo Capanema pintou vários painéis para o novo prédio do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Em 1940, após exposição itinerante pelos Estados Unidos, a Universidade de Chicago publicou o primeiro livro a seu respeito, ‘Portinari: His Life and Art’. Em 1941, pintou os painéis para a Biblioteca do Congresso em Washington D.C.. Em 1956, com a inauguração dos painéis ‘Guerra e Paz’ na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, recebeu o prêmio Guggenheim. BENEZIT, VOL.8, PÁGS. 440; REIS JUNIOR, PÁGS. 383; TEODORO BRAGA, PÁGS. 195; PONTUAL, PÁGS. 432; MEC, VOL.3, PÁGS 427; MAYER. 89, PÁG.1327; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 550; ARTE NO BRASIL, PÁG. 571; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12; F. ACQUARONE, PÁG. 241



224 - ANÉLIO LATINI FILHO (1926 - 1986)

"Jardim" - óleo sobre tela - 38 x 46 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1983 -

Nasceu em Nova Friburgo, RJ. Foi pintor, desenhista e cineasta. Estudou com Antonio Parreiras. Como cineasta, foi o pioneiro do desenho animado no Brasil. MEC, vol. 2, pág. 442; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 169.



225 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Estudo de botânica - gravura aquarelada - 22 x 13 cm - não assinado -



226 - ALBANO AGNER DE CARVALHO (1899 - 1986)

Pão de Açúcar - aquarela - 11 x 20 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Curitiba, PR, onde fez estudos de pintura com o mestre Alfredo Andersen. Indo para o Rio de Janeiro em 1929, integrou-se desde então nas atividades artísticas locais, lá expondo individualmente em 1930, 1943, 1950 e 1961. Expôs também em Curitiba, em 1950, 1952, 1966 e 1968. Recebeu menção honrosa no SNBA e medalha de prata no Salão Fluminense de Belas Artes. PONTUAL, pág. 113; MEC, vol. 1, pág. 361; TEODORO BRAGA, pág. 29; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 176/177; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO, pág. 925.



227 - ARMANDO VIANNA (1897 - 1988)

Marinha - óleo sobre madeira - 24 x 35 cm - canto inferior direito - 1965 -

Este grande pintor carioca foi discípulo de Rodolfo Chambelland e Rodolfo Amoedo na antiga Escola Nacional de Belas Artes e de Eurico Alves e Stefano Cavalaro, no Liceu de Arte e Ofícios do Rio de Janeiro. É ainda hoje, considerado um dos maiores aquarelistas brasileiros. Realizou exposições individuais e em todas as principais capitais brasileiras. MEC vol.4, pág.470; JULIO LOUZADA vol.3, pág.186. PONTUAL pág. 538; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



228 - EDSON DI BERNARDI (1940)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 1987 -

Nasceu em Florianópolis, SC, em 29 de outubro de 1940. Em 1963 conhece o pintor Carol Kossak, com o qual tem aulas de pintura. Aprimorou sua técnica na Europa e nos EUA. Em 1968 toma contato com a pintura de Mecatti, passando a frequentar o seu ateliê, tornando-se um dos seus discípulos e também um dos maiores divulgadores de sua obra. O autor desenvolve temas de paisagens, motivos árabes, litorais, marinhas, casarios, crianças e flores numa técnica bem particular obtida em anos de pesquisa. Coletivas a partir de 1985, com premiações, destacando-se a Viagem ao Exterior no Salão Curitiba de Arte (1988). Individuais desde 1986. JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 141/142



229 - PAULO CALAZANS (1947 - 2016)

"Varal di Roma" - serigrafia - P.A. - 100 x 53 cm - canto inferior direito - 2014 -

Mineiro de Caratinga, onde nasceu a 25 de maio de 1947. Gravador, desenhista, fotógrafo e poeta. Dos 15 aos 30 anos executou trabalhos na área visual (pintura, ilustração, gravura, fotografia, cenografia, entre outros), o que gerou a sua formação atual. Sua obra reflete várias tendências, ora passando uma releitura na História da Arte no período 1300/1950, ora desenvolvendo imagens a partir do inconsciente racionalizado. Individuais e coletivas a partir de 1983, com premiações. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 49.



230 - ÉZIO MONARI (1935)

Nu - pastel - 55 x 37 cm - canto inferior esquerdo - 1984 -

Pintor ativo em São Paulo. Participou do Salão Paulista de Belas Artes de 1961, recebendo menção honrosa. JULIO LOUZADA vol.7, pág.483; MEC vol.3, pág.169, Acervo FIEO.



231 - RUBENS MATUCK (1952)

"Obda Leuly" - litografia - 10/35 - 53 x 34 cm - canto inferior direito - 1972 -

Paulistano, o autor é gravador, pintor, escultor, desenhista, ilustrador, designer. Arquiteto pela FAU-SP em 1977. Freqüenta os ateliês de pintura de Aldemir Martins e de Flexor; o de gravura de Evandro Carlos Jardim e de Renina Katz, e o de escultura de Van Acker. Ilustra páginas de publicações, como o Jornal da Tarde, de 1969 a 1976; e as revistas Playboy e IstoÉ, entre outras. É autor e ilustrador de diversos livros infanto-juvenis. Em 1993, recebe o Prêmio Jabuti pela ilustração do livro infantil O sapato furado. Conforme depoimento de Aldemir Martins..."Desenhista dos mais finos e senhor da mão que revela os mistérios das coisas e seres. Conhecedor de peixes, passáros, animais e pessoas. De corpo inteiro aí está Rubens Matuck que conhece e capta a leveza dos traços e a crueza dos sonhos, o mapa da amizade e leva para o papel as dúvidas e certezas das artes. Eis meu amigo que conhece e trilha os caminhos do Nordeste e calca em seda os caminhos de Marco Polo, na poesia dos tempos, como caravaneiro e artista. Da poeira dos tempos sugere retratos, pesquisa de almas, senhor do preto e branco, dono das riquezas das cores, senhor do carinho arabe, misturados nestes sonhos o cadinho da amizade. Meu amigo." in MATUCK, Rubens. Rubens Matuck. São Paulo, Escritório de Arte Val de Almeida Jr., 1993. ITAÚ CULTURAL.



232 - YOLANDA MOHALYI (1909 - 1978)

Natureza morta - desenho a carvão - 60 x 45 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, gravadora e professora, Yolanda Lederer Mohalyi nasceu em Kolozsvar, capital da Transilvânia, Hungria (atual Cluj Napoca, Romênia) e faleceu em São Paulo, SP. Na Hungria estudou pintura na Escola Livre de Nagygania e na Real Academia de Belas Artes de Budapeste (1927). Em 1931, veio para o Brasil e fixou-se em São Paulo, onde lecionou desenho e pintura. Foram seus alunos, entre outros, Maria Bonomi e Giselda Leirner. A partir de 1935, começou a frequentar o ateliê de Lasar Segall. Integrou o Grupo Sete (1937) ao lado de Victor Brecheret, Antonio Gomide e Elisabeth Nobiling. Em 1951 realizou suas primeiras xilogravuras com Hansen Bahia . Entre as décadas de 1950 e 1960 executou, em São Paulo, vitrais para a Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP, murais para as igrejas Cristo Operário e São Domingos, mosaicos para residências particulares e vitrais para a Capela de São Francisco, em Itatiaia. Representou o Brasil na 1ª Bienal Americana de Arte (1962), Argentina, tendo alguns de seus trabalhos escolhidos pelo crítico Herbert Read para uma exposição itinerante nos Estados Unidos. Participou da I, II, IV, V, VI, VII, VIII e IX Bienal Internacional de São Paulo; da II e V Bienais de Tóquio, entre outras, Recebeu diversos prêmios como: o Prêmio Leirner de Arte Contemporânea (1958), o Prêmio de Melhor Pintor Nacional na 7ª Bienal Internacional de São Paulo (1963). TEIXEIRA LEITE, PÁG. 331; PONTUAL, PÁG. 363; MEC VOL.3, PÁG. 168; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 937; LEONOR AMARANTE, PÁG. 75; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 639; ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; mam.org.br; masp.art.br; www.artprice.com.



233 - ABELARDO ZALUAR (1924 - 1987)

Composição - óleo sobre paleta - 18 x 23 cm - canto inferior esquerdo - 1981 -

Pintor, desenhista, gravador, professor. Entre 1944 e 1948, assiste às aulas da Escola Nacional de Belas Artes (Enba). Participou do I ao XII e do XV SNAM (entre 1952 e 1966/ prêmio de viagem ao estrangeiro em 1963.). Realizou exposições individuais no MNBA (1947) e na Galeria Ambiente (São Paulo, 1960), Museu de Arte de Belo Horizonte (1960), Instituto de Belas Artes de Porto Alegre (1961), Petite Galerie-GB (1962). Sua obra experimentou uma simplificação de traços de tendência geometrizante, levando Frederico Morais a comentar a seu respeito em 1969; "Não se pensem que Zaluar, por ser um partidário da ordem, afaste deliberadamente o imprevisto, a contribuição do acaso, o vôo poético (...) seus últimos trabalhos fazem lembrar, na monumentalidade silenciosa da forma despojada, o mundo futuro do espaço cósmico, das estruturas moventes, das plataformas que se acoplam ou se dividem numa metamorfose constante". Encontra-se representado no acervo do MNBA, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e Museu de Arte de Belo Horizonte. WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 449/50; MEC, vol. 4, pág. 527; PONTUAL, pág. 556; TEIXEIRA LEITE, pág. 546; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934; LEONOR AMARANTE, pág. 218.



234 - INOS CORRADIN (1929)

Malabarista - serigrafia - 22/100 - 66 x 48 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



235 - TÚLIO MUGNAINI (1895 - 1975)

"Villa Borghese" - óleo sobre tela colada em cartão - 22 x 33 cm - canto inferior direito e dorso - 1970 - Roma -

Pintor, Mugnaini realizou sua formação artística na Itália e na França. No SPBA conquistou as pequenas medalhas de prata (1933) e de ouro (1943), o segundo prêmio Fernando Costa (1943), o primeiro prêmio Governo do Estado (1957) e os prêmios Assembléia Legislativa do Estado (1960) e Prefeitura de São Paulo (1961). Recebeu ainda medalha de prata no SNBA de 1936. Pintor de paisagens, figuras e naturezas-mortas, coube-lhe realizar os trabalhos decorativos da Basílica de Nossa Senhora do Carmo-SP. De 1945 a 1965, ocupou a diretoria da Pinacoteca do Estado SP, onde se encontra sua tela "Outono", que exibiu no Salão de Paris de 1934. Recebeu consagradoras premiações nos salões nacionais. PONTUAL, pág. 375; TEODORO BRAGA, pág. 165; MEC, vol. 3, pág. 226; REIS JUNIOR, pág. 376; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 615, Acervo FIEO; ITAUCULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



236 - GLORIA DE ALMEIDA (1923)

Menino - pastel - 45 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1965 -

Pintora, desenhista e gravadora nascida em Ribeirão Bonito, SP. Iniciou sua formação artística no Clube de Arte de Santos com Mercedes Massera e, em São Paulo, com o pintor Augusto Barroso. Realizou exposições individuais em São Paulo (1971); em Santos, SP (1974). Participou de muitas mostras coletivas e oficiais no Brasil e exterior. Foi premiada em: São Caetano do Sul, SP (1967); Embu, SP (1971); Jundiaí, SP (1972); Piracicaba, SP (1973). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 1, PÁG. 65; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 476.



237 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Cantoria da manhã" - serigrafia - 42/250 - 50 x 68 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



238 - JOSÉ CARLOS NOGUEIRA DA GAMA (XX)

"Paisagem do estado do Rio" - acrílico sobre eucatex - 26 x 36 cm - canto inferior direito - 1976 -

Pintor e desenhista com diversas participações em mostras coletivas.



239 - GIUSEPPE PERISSINOTTO (1881 - 1965)

Rosas - óleo sobre tela - 37 x 47 cm - canto inferior direito -

Nascido em Musile, Veneza, Itália, veio para o Brasil ainda criança e cuja família radicou-se no interior de São Paulo. Fez estudos de pintura na Academia de Belas Artes de Veneza, para onde retornou aos dezoitos anos, prosseguindo para Florença e demais centros de arte da Itália onde se aperfeiçoou; retornou a cidade de São Paulo em 1912, dedicando-se exclusivamente a sua pintura que sempre teve como tema paisagens, marinhas naturezas mortas e figuras. Expôs em várias capitais do Brasil, com sucesso de crítica e público; foi um dos idealizadores do SPBA, ao lado de Souza Pereira e outros. ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



240 - ODOARDO BORRANI (1834 - 1905)

Florença - aquarela - 43 x 24 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, professor, decorador de cerâmica, ilustrador italiano nascido em Pisa e falecido em Florença. Estudou com Bianchi, Bezzuoli e Pollastrini, na Academia de Belas Artes de Florença (1853); depois continuou por conta própria a fazer seus estudos. Sua obra 'Lorenzo the Magnificent Fleeing to the Sacristy of the Cathedral' (1859) recebeu a Medalha de Ouro numa exposição da Academia de Florença. Pertenceu ao Grupo dos Macchiaioli junto com Telemaco Signorini e Vincenzo Cabianca. Em 1862, trabalhou com Giuseppe Abbati, Silvestro Lega, Raffaello Sernesi e Signorini, nos arredores de Florença, perto de Piagentina. Esse grupo de pintores se tornou conhecido como a escola de Piagentina. BENEZIT; www.artprice.com; www.giovannifattori.com; www.tuttartpitturasculturapoesiamusica.com.



241 - FLAVIO SHIRÓ TANAKA (1928)

"Bom dia" - desenho a caneta hidrográfica - 19 x 28 cm - canto inferior esquerdo - 2008 - São Paulo -
Com dedicatória.

Nasceu em Sapporo, Japão, imigrando com a família para o Brasil em 1932. Após estada no Pará, transfere-se para São Paulo em 1940, onde trava amizade com Octávio Araújo, Marcelo Grassmann e Luiz Sacilotto. Freqüenta o Grupo Santa Helena (1943). Em 1947, integra o Grupo Seibi, participa da mostra 19 Pintores e, em 1949, do Grupo 15. Em 1950, realiza a primeira individual na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro. Com bolsa de estudo, viaja a Paris, onde permanece de 1953 a 1983. Estuda mosaico com Gino Severini, gravura em metal com Johnny Friedlaender e litografia na Escola Superior de Belas Artes de Paris; também freqüenta o ateliê de Sugai e Tabuchi. Nesse período, participa também do movimento artístico brasileiro e integra o Grupo Austral (Movimento Phases) de São Paulo.. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 298.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 649; ARTE NO BRASIL, pág. 803; LEONOR AMARANTE, pág. 330.



242 - ARTHUR FRAZÃO (1890 - 1967)

Barcos - óleo sobre tela - 50 x 69 cm - canto inferior direito - 1962 - Pará -

Pintor e fotógrafo nascido em Belém, PA. Recebeu orientações do pintor espanhol Francisco da Silva y Estrada, em Belém. Com bolsa de estudos, aperfeiçoou-se na Academia de Dresden, Alemanha, como aluno de Martin Schumann. Retornou ao Brasil (1911) e abriu a 'Fotografia Frazão', em Belém. Expôs por diversas vezes individualmente e recebeu premiações em certames artísticos locais. Participou do Salão Paraense de Belas Artes (1945) e das exposições póstumas: 'Caminho das Águas', Museu de Arte de Belém, Belém - PA (1995); 'Salão Unama de Pequenos Formatos', Universidade da Amazônia, Galeria de Arte, Belém – PA (2000). PONTUAL PÁG. 223; MEC VOL. 2, PÁG. 208, JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 427; ITAUCULTURAL.



243 - AI HIRSCHFELD (1903 - 2003)

"Baryshnikov" - desenho a nanquim - 28 x 23 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Desenhista, caricaturista e ilustrador nascido em St. Louis, MO - EUA. Estudou no 'Art Student's League', Nova York. Mudou-se para Paris (1924) e continuou a estudar. Viajou pelo leste asiático. Tornou-se especialmente conhecido por suas caricaturas no 'New York Times' (a partir de 1929) retratando as personalidades do 'show-business'. Ilustrou vários livros também. Expôs individualmente em Nova York no: 'Staten Island Museum' (1961); Hammer Gallery (1967); 'Museum Performing Arts', Lincoln Center (1968) e foi premiado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos. alhirschfeld.com; www.artprice.com; www.biography.com.



244 - JOSÉ MARIA DA SILVA NEVES (1896 - XX)

Paisagem - óleo sobre tela colada em madeira - 37 x 28 cm - canto inferior direito - 1950 -

Pintor, arquiteto e professor ativo em São Paulo. Participou do São Paulista de Belas Artes, onde obteve prêmios por diversas vezes. Pintor de natureza morta, paisagem e retratos. É autor da decoração do teto da Capela-Mor da Igreja do antigo convento de Sta Tereza, nas Perdizes/SP. MEC, vol.3, pág.260; JULIO LOUZADA, vol.6, pág.1060, Acervo FIEO.



245 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulheres e pássaros - guache - 30 x 21 cm - canto inferior direito - 1967 -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



246 - GENEVIÈVE CLAISSE (1935)

Círculos - serigrafia - 93/100 - 76 x 49 cm - canto inferior direito -
Obra editada por Denise René - Paris - França. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Desenhista, pintora, tapeceira, gravadora, escultora e artista multimídia nascida em Quiévy (Nord), França. Aluna e colaboradora de Auguste Herbin, do qual é aparentada. Sua primeira exposição foi em Paris, em 1958. Depois de 1960 expôs nos Estados Unidos e na maior parte dos Salões franceses e estrangeiros como: Salão de Maio (1960); Bienal de Paris (1965, 1967, 1970 - Prêmio); Salão de Outono (1965, 1970); Tel-Aviv (1965); Montreal, Canadá (1967); Tchecoslováquia (1968); Japão (1969); Egito (1970). Possui obras nos Museus de: Washington; Fundação Joseph Hirshhorn; I.B.M. Corporation, Nova York; Museu Cantonal de Belas Artes de Lausanne; Museu de Chaux-de-Fond; Museu de Grenoble; Chicago (Arte Contemporânea); Buffalo, Albright Knox Art. BENEZIT VOL.3, PÁG. 47; artprice.com; artnet.com; askart.com.



247 - SEBASTIÃO ROBERTO MIRANDA (1948)

Paisagem árabe - óleo sobre tela colada em eucatex - 16 x 22 cm - canto inferior direito ilegível - 1993 -

Natural de Brodosqui, SP, onde nasceu a 26 de agôsto de 1948. Miranda fez cursos individuais para aprimorar o seu dom nato pela pintura, inclusive com o prof. Antonio van Acker, na Escola de Belas Artes de São Paulo. Expôs individualmente a partir de 1987, e participa de coletivas desde 1983. Recebeu prêmios em 1983, 1985, e 1989. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 214.



248 - APARECIDA AZEDO (1929 - 2006)

"O banho de rio" - acrílico sobre eucatex - 30 x 24 cm - canto inferior esquerdo - 2000 - Rio de Janeiro -
Com certificado do Museu Internacional de Arte Naif do Brasil - MIAN, nº 2107 firmado por Lucien Finkelstein, no dorso.

Pintora nascida em Brodósqui, SP. No início foi autodidata, mas quando veio para o Rio de Janeiro (1950) foi aluna de Ivan Serpa. Fez sua primeira exposição em 1973. Participou de várias exposições coletivas: Rio de Janeiro (1978, 1979); Piracicaba, SP (1996); Brasília, DF (2005); São Paulo (2005). ITAU CULTURAL; www.acessa.com.



249 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figuras" - desenho a lápis - 28 x 22 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



250 - DOMENICO LAZZARINI (1920 - 1987)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 30 x 58 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Nasceu na cidade italiana de Viareggio, vindo a falecer na cidade do Rio de Janeiro. Em 1940, ainda na Itália, nas cidades de Lucca e Florença, realiza estudos com Rosai e Vedova. Já no Brasil, dá aulas de pintura na Escola de Belas Artes de Araraquara, São Paulo, em 1950. Em 1957, cria a Escola de Belas Artes de Ribeirão Preto e, em 1961, leciona no Museu de Arte do Rio de Janeiro. Em 1974, conquista o Prêmio Tetra d'Oro em Roma. Entre as exposições de que participa, destacam-se: Exposição de Lucca, Itália, 1946 a 1948; Bienal de Veneza, Itália, 1948; Jovens Pintores de Araraquara, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1954; Salão Nacional de Arte Moderna (Isenção de Júri, 1959 e Prêmio Aquisição, 1962), Rio de Janeiro, 1958 a 1962; Bienal Internacional de São Paulo, 1959 e 1961; Galeria de Arte da Folha, São Paulo, 1959 e 1960; Domenico Lazzarini, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1963; 100 Obras Itaú, no Museu de Arte de São Paulo, 1985. BÉNÉZIT, vol. 6, pág. 499; JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 179; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 964; Acervo FIEO.



251 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Noel Rosa - desenho a nanquim - 16 x 10 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



252 - ANDY WARHOL (1928 - 1987)

"Portrait of Ingrid-Bergman" - litografia off set - 47/500 - 38 x 27 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Com certificado de Edicion, emitido por Suc. de Salerno e Hijos - (Italy) e carimbo em relevo seco do editor. No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, artista gráfico, ilustrador, fotógrafo e cineasta - Andrew Warhola nasceu na Pensilvânia, EUA, filho de pais originários da Eslováquia. Em 1945 entrou para o Instituto de Tecnologia de Carnegie, em Pittsburgh, hoje Universidade Carnegie Mellon e se graduou em Design. Mudou-se para Nova York, começou a trabalhar como ilustrador de revistas (Vogue, Harper's Bazaar e The New Yorker) e a fazer anúncios publicitários, iniciando uma carreira de sucesso e ganhando diversos prêmios como diretor de arte (do Art Director's Club e do The American Institute of Graphic Arts). Fez a sua primeira mostra individual em Nova York (1952) e esses trabalhos foram mostrados em diversos lugares durante os anos 50, incluindo o Museu de Arte Moderna. Passa a assinar Warhol. Reinventa a Pop Art com seus múltiplos serigráficos com temas do cotidiano e artigos de consumo, além de rostos de celebridades e símbolos icônicos da história da arte. Em meados da década de 1960 radicaliza a idéia de artista multimídia e passa a militar em outras áreas que incluem a música e o cinema. Publica ‘ The Philosophy of Andy Warhol (from A to B and Back Again, 1977)’ e ‘POPism: The Warhol Sixties’, juntamente com Pat Hackett (1982). Nessa época também cria os canais de TV: ‘Andy Warhol's TV e Andy Warhol's Fifteen Minutes’. Suas obras foram expostas em muitos museus e galerias ao redor do mundo. Em 1994 foi inaugurado o The Andy Warhol Museum em Pittsburgh, Pensilvânia. BENEZIT, VOL.10, PÁG. 638; ITAUCULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.9, PÁG. 918; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE; www.warholfoundation.org; /www.warhol.org; educacao.uol.com.br; www.artchive.com; www.artnet.com; www.historiadaarte.com.br; famouspainter.com; artprice.com



253 - FRANKLIN CASSARO (1962)

"Esferídea dobrada (Corte)" - fotografia - 18 x 24 cm - dorso - 1992 -

Artista plástico nascido no Rio de Janeiro. Estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. Expôs individualmente no Rio de Janeiro (2001 – MAM, 2005, 2006, 2008); em São Paulo (1988 – FUNARTE e MAC, 2004); em Belo Horizonte, MG (2002 – Museu de Arte da Pampulha). Tem participado de muitas mostras coletivas e oficiais, destacando-se: Bienal do MERCOSUL, Porto Alegre – RS (1999); Mostra da Gravura de Curitiba, PR (2000); Bienal de Havana, Cuba (2000); Panorama de Arte Brasileira, SP – MAM (2005, 2008); Alemanha (2005); Suécia (2009). ITAUCULTURAL; nucleodepesquisacorporal.blogspot.com.br.



254 - LOURDES DE DEUS (1959)

Pau de fita - óleo sobre tela - 20 x 15 cm - centro inferior - 2003 -

Nascida em Custódia, PE, em 1959, Lourdes mudou-se para Osasco quando tinha apenas dois anos de idade. Casou-se com o pintor naïf Waldomiro de Deus, em 1976, e convivendo com o dia-a-dia do artista, passou a tomar gosto pela arte, começando a pintar em 1992. Daí em diante, seu trabalho foi se aperfeiçoando. "Assim como o poeta falava das flores, as telas de Lourdes parecem ser feitas para decorar, mas revelam uma consciente e elaborada transformação da realidade. As festas populares do interior e as formas da natureza ganham então novas conotações e levam a refletir sobre a complexidade do mundo moderno que nos afasta das coisas mais simples e belas da vida." Oscar Dambrosio, in: http://www.artcanal.com.br/oscardambrosio/lourdesdedeus.htm. Acervo FIEO.



255 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Praia - óleo sobre cartão colado em eucatex - 35 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1962 - Rio de Janeiro -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



256 - HÉRCULES BARSOTTI (1914 - 2010)

Composição - serigrafia - P.A. - 50 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, programador visual, gravador, nascido e falecido em São Paulo, SP. Iniciou-se nas artes em 1926, estudando desenho e composição com o pintor Enrico Vio. Começou a pintar em 1940 e, na década seguinte, realizou as primeiras pinturas concretas, além de trabalhar como desenhista têxtil e projetar figurino para o teatro. Em 1954, com Willys de Castro, fundou o Estúdio de Projetos Gráficos, elaborou ilustrações para várias revistas e desenvolveu estampas de tecidos produzidos em sua tecelagem. Foi para a Europa (1958) com o intuito de estudar novas tendências e aprimorar suas técnicas. Foi premiado no Salão Paulista de Arte Moderna (1958, 1959), no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1960) e realizou diversas exposições individuais. Na década de 1960, foi convidado por Ferreira Gullar a integrar-se ao Grupo Neoconcreto do Rio de Janeiro e participou das exposições de arte do grupo realizadas no Ministério da Educação e Cultura, RJ e no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1960, expôs na mostra 'Konkrete Kunst' (Arte Concreta), organizada por Max Bill, em Zurique. Entre 1963 e 1965, colaborou na fundação e participou do Grupo Novas Tendências, em São Paulo. Participou da IV, V, VI e VIII Bienal Internacional de São Paulo; do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP, entre outras exposições oficiais. Em 2004, o MAM - SP organizou uma retrospectiva do artista. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PAG. 98; VOL. 2, PÁG. 108; ITAU CULTURAL; PONTUAL PÁG. 57; MEC VOL. 1; PÁG. 187; www.pinturabrasileira.com; www.macvirtual.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



257 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Menino e gato - desenho a lápis e aguada - 37 x 28 cm - canto inferior direito - 1948 -

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



258 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Pescadores - desenho a nanquim - 33 x 26 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



259 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem Antropofágica - desenho a lápis - 14 x 17 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



260 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)

Santana Mestra - serigrafia - 23 x 13 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ.

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



261 - LOUISE BOURGEOIS (1911 - 2010)

Figura - litografia off set - 9/10 - 29 x 14 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, desenhista, gravadora, escultora e professora nascida em Paris e falecida em Nova York. Estudou Matemática na Sorbonne (1932-1935), arte na Escola do Louvre, na Escola de Belas Artes, na Academia Escandinávia, com Bissière, Cassandre, André Lhote, Othon Friesz, Paul Colin, Wlérick, Fernand Léger. Conviveu com André Breton e com os Surrealistas. Casou-se com o historiador de arte Robert Goldwater e mudou-se para Nova York (1938), tornando-se cidadã americana em 1951. Durante os anos da Segunda Guerra, conviveu com artistas que tinham emigrado da Europa, entre eles, Miró, Tanguy, Ozenfant, Le Corbusier. Nessa época seu trabalho era focado no desenho, na gravura e não produziu esculturas até 1949. Destacam-se as exposições individuais, entre tantas, em: Nova York (1949, 1950, 1953, 1955); Chicago (1953); ‘White Art Museum at Cornell University’ (1959); ‘University of Chicago’ (1971 - retrospectiva); MOMA, Nova York (1982 - retrospectiva, 1994); Frankfurter Kunstverein, Frankfurt, Alemanha (1989–91 - retrospectiva); ‘Musée d'Art Moderne’, Paris (1995); ‘Museum of Contemporary Art’, Los Angeles (2007). Participou da Bienal de Veneza (1993, 1999). Recebeu o Grande Prêmio de Escultura do Ministério de Cultura Francês (1991); o Leão de Ouro na Bienal de Veneza (1999); a Medalha de Honra da Academia de Belas Artes da Pensilvânia em Filadélfia (2005), entre outros. BENEZIT; www.guggenheim.org; www.tate.org.uk; www.artecapital.net; www.artprice.com.



262 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - litografia - 7/30 - 29 x 21 cm - canto inferior direito -

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



263 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA (1930 - 1999)

"Estudo IV" - técnica mista - 38 x 35 cm - canto inferior direito - 1967 -

Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico e professor natural do Recife, PE; faleceu em Campinas, SP. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Trabalhou no campo de comunicação visual sendo um dos responsáveis pela renovação da Arte-Cartaz Paulista (1951). Em 1953 passou a fazer parte do Grupo Ruptura, a convite de Waldemar Cordeiro. Participou de várias edições do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957); das Bienais de 1955 a 1967; da Exposição Nacional de Arte Concreta; da mostra Panorama da Arte Atual Brasileira; da mostra Tendências Construtivas e de outras exposições em: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima, Roma, Londres, Paris (Salão de Outono) e Zurique (exposição de Arte Concreta –'Konkrete Kunst', organizada por Max Bill). Recebeu o convite (1954) para representar o Brasil na 27ª Bienal de Veneza, no entanto, recusou se apresentar por terem negado a participação de outros membros do Grupo Ruptura. Em São Paulo pintou murais no Largo São Bento, no Edifício Estação Ciência, nas estações São Bento e Santana do Metrô, na Praça Roosevelt, na fachada do MAC/USP e fez uma pintura lateral no Elevado Costa e Silva (popularmente conhecido como Minhocão). Em 1958, foi responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realizou as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. MEC VOL. 2, PÁG. 481; PONTUAL PÁG. 314; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 678; www.pinturabrasileira.com; www.mac.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



264 - INIMÁ DE PAULA (1918 - 1999)

Casario - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - canto inferior esquerdo - 1970 -

Pintor e desenhista mineiro nascido em Itanhomi e falecido em Belo Horizonte. A partir de 1937, frequentou o Núcleo Antônio Parreiras, em Juiz de Fora, MG. Em 1940, instalou-se no Rio de Janeiro e matriculou-se nas aulas de Argemiro Cunha no Liceu de Artes e Ofícios , as quais abandonou em pouco tempo. Passou a pintar com alguns dos ex-integrantes do Núcleo Bernardelli. Em 1944, transferiu-se para Fortaleza, onde conheceu artistas locais e participou da criação da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP). Voltou ao Rio de Janeiro (1945) e expôs com Aldemir Martins, Antonio Bandeira e Jean-Pierre Chabloz , na galeria Askanasy. Em 1948, graças ao apoio de Candido Portinari , fez sua primeira mostra individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/RJ). Em 1950, ganhou o prêmio de viagem ao país do Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) e, no ano seguinte, viajou e expôs na Bahia. Em 1952, recebeu o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). Em Paris (1954-1956) assistiu a cursos na 'Académie de la Grande Chaumière' e na' École Normale Supérieure des Beaux-Arts', acompanhou as aulas de André Lhote e de Gino Severini. Quando voltou participou da V Bienal Internacional de São Paulo e, na primeira metade dos anos 1960, mudou-se para Belo Horizonte. Em 1998 foi criada a Fundação Inimá de Paula em Belo Horizonte. JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.152; PONTUAL, pág. 271; MEC, VOL.3, PÁG.355; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 401 1 404; TEIXEIRA LEITE, PÁG.260; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 870; ACERVO FIEO; www.museuinimadepaula.org.br; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



265 - EDOARDO DE MARTINO (1838 - 1912)

Veleiro - óleo sobre tela colada em madeira - 47 x 85 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor especializado em marinhas e cenas navais. Suas belas telas, cuja precisão de detalhes e harmonia de concepção logo agradaram, e o colocaram em excelente posição junto ao Governo Imperial, ainda mais que contava com a amizade dos Almirantes Barroso e Tamandaré, que conhecera na sua viagem da Europa para Montevidéu, de passagem pelo Recife e Rio de Janeiro. Foi designado pintor oficial, a fim de fixar e retratar para a posteridade cenas e episódios da Guerra do Paraguai. BENEZIT, vol. 7, pág. 225; LAUDELINO FREIRE, págs. 135, 141, 154 e 503; TEODORO BRAGA, pág. 81; REIS JR, pág. 132; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 245; ARTE NO BRASIL, pág. 533.



266 - FERNANDO LEMOS (1926)

Composição - litografia - 38/70 - 61 x 80 cm - canto inferior direito -

José Fernandes de Lemos nasceu em Lisboa, Portugal. Pintor, desenhista, fotógrafo, gravador, artista gráfico, muralista, poeta. Estuda pintura e litografia na Escola de Artes Decorativas Antonio Arroio, e pintura na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. Cedo identifica-se e define-se como "surrealista, pintando, desenhando, escrevendo poesia" e fotografando. Os poucos anos dedicados à fotografia, entre 1949 e 1951, possibilitou-lhe realizar uma série de exposições individuais no Brasil e na Europa e ganhar o Prêmio Anual de Fotografia, concedido pelo Centro Português de Fotografia, na cidade do Porto, em 2001. Em 1953, muda-se para São Paulo, naturalizando-se brasileiro por volta de 1960. Em 1955, vai a Portugal, Suíça, Holanda e França com o prêmio viagem ao exterior recebido da Fundação Bienal de São Paulo e, em 1962, recebe bolsa de estudos para o Japão, patrocinada pela Fundação Calouste Gulbenkian. Participa, entre outras exposições coletivas, da Bienal Internacional de São Paulo, várias edições entre 1953 e 1967; Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo, 1958; Panorama da Arte Brasileira, no MAM/SP, em 1970, 1973 e 1979; Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal, São Paulo, em 1984; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1 págs. 536/537. Acervo FIEO.



267 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Passeando no bosque - óleo sobre madeira - 43 x 28 cm - canto inferior esquerdo ilegível -
No estado.



268 - ROSINA BECKER DO VALLE (1914 - 2000)

"O pierrot" - aquarela - 40 x 14 cm - centro inferior - 1978 -

Foi aluna de Ivan Serpa, no Atelier Livre de Pintura do MAM-RJ. Pintora ingênua ou naif, Rosina tem como principais temas as manifestações populares, como carnaval, capoeira, etc. Participa de coletivas oficiais desde 1957 (Salão Nacional de Arte Moderna-RJ). Diversas instituições possuem obras suas em acervo, tais como MAM-RJ, MAM-SP, Museu de Buenos Aires, Museu de Hamburgo, Alemanha, Fundação Castro Maia-RJ. etc WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 401; MEC, vol. 4, pág. 441; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810.



269 - FRANCISCO COCULILO (1895 - 1978)

Jangadas - óleo sobre tela colada em eucatex - 54 x 65 cm - canto inferior direito -

Paisagista nascido no Rio de Janeiro, aluno de Luiz Graner. Realizou exposições individuais em várias cidades brasileiras. Catálogo de Exp. de Paisagem Brasileira - MEC-MNBA/Rio/1944; MEC, vol. 1, pág. 40; TEODORO BRAGA, pág. 73; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 208; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74; Acervo FIEO.



270 - FRANCISCO BRENNAND (1927)

Composição - cerâmica - 10 x 10 cm - não assinado -

Pintor e ceramista. Estudou com André Lhote e Fernand Léger, em Paris. Participou de importantes bienais e salões, nacionais e internacionais. Realizou individuais de pintura e cerâmica no MAM-SP em 1960 e outras importantes salas de arte. Executou trabalhos murais em edifícios públicos e particulares no Recife e no estrangeiro. Suassuna considerou a sua pintura "bela, forte e brasileira". Brennand é referência mundial como artista puramente brasileiro. JULIO LOUZADA, VOL, 10, pág 141. PONTUAL, pág, 88. MEC, VOL , 1, pág, 294; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 879. Acervo FIEO. -



271 - ENRICO BIANCO (1918 - 2013)

"Trabalhadores do trigal" - óleo sobre eucatex - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1991 -
Com etiqueta da Contorno Artes Ltda., Rua Marquês de São Vicente, loja 52, Rio de Janeiro - RJ, no dorso.

Pintor, desenhista, gravador e ilustrador nascido em Roma, Itália e falecido no Rio de Janeiro. Filho da pianista Maria Bianco-Lanzi e de Francesco Bianco, escritor e correspondente internacional do "Jornal do Brasil". Na década de 1930, em Roma, iniciou seus estudos com Maud Latou, Deoclécio Redig de Campos - que chegou a diretor do Museu do Vaticano, Dante Ricci - outrora professor da família real. Sua primeira exposição individual se deu em Roma (1936). Logo depois de sua chegada ao Brasil, Rio de Janeiro (entre 1935 e 1937) estudou com Portinari no Instituto de Arte da Universidade do Distrito Federal e, no ano seguinte, foi seu assistente em diversas obras, destacando-se os murais do MEC, os painéis do Banco da Bahia, o edifício da ONU, entre outros. Ilustrou edição especial de Caçada de Esmeraldas, de Olavo Bilac e o álbum de gravação do poema sinfônico Anhanguera, de Hekel Tavares, em 1951. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais inclusive da Bienal de São Paulo (1951), da Bienal do México (1960). Exposições retrospectivas de suas obras foram realizadas, em 1982, no Museu Nacional de Belas Artes - RJ e no Museu de Arte de São Paulo - SP. THEODORO BRAGA, PÁG. 54; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 99; MEC, VOL. 1, PÁG. 242; PONTUAL, PÁG. 76; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 594; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.124; VOL. 2, PÁG. 132; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com; www.galeriandre.com.br.



272 - MENASE WAIDERGORN (1927)

"Roseiral" - óleo sobre tela - 42 x 21 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940), onde conheceu Dario Mecatti. Viajou pelo norte da África e Europa. Participou de diversos salões, coletivas oficiais e recebeu diversos prêmios. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



273 - INÁCIO RODRIGUES (1946)

Fósseis - giclée - 53 x 43 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor, desenhista, entalhador e gravador, natural de Acaraú, CE. Iniciou-se em pintura como autodidata (1957). Viajou para diversos países da América Latina (1960-1965) com o objetivo de participar de exposições e acabou se fixando, em 1966, no Rio de Janeiro. Pintou a cúpula da Catedral Municipal e o Hotel Porto Velho em Porto Velho, RO (1962 e 1965). Expôs individualmente em diversas capitais brasileiras e também no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais e foi premiado em: Curitiba, PR (1971); Rio de Janeiro (1970, 1973, 1975, 1977, 1978); Belo Horizonte, MG (1970, 1971); Campinas, SP (1971, 1972); Florianópolis, SC (1972); Niterói, RJ (1974); Embu, SP (1974); Amparo, SP (1994, 1996); São José dos Campos, SP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 834; VOL. 4, PÁG. 959; VOL. 12, PÁG. 345; TEIXEIRA LEITE PÁG. 450. WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 259; MEC VOL. 4, PÁG. 91; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



274 - REGINA VATER (1943)

Vídeo Art - fotografia off set - 276/1000 - 29 x 61 cm - canto inferior direito -
Vídeo art: "25/ Regina Vater/ Vídeo art/ Galeria Arte Global/ São Paulo"

Artista intermídia, ilustradora, desenhista, pintora, fotógrafa, professora, Regina Maria da Motta Vater nasceu no Rio de Janeiro. Estudou desenho e pintura no ateliê de Frank Schaeffer (1958 a 1962) e com Iberê Camargo (1962 a 1965), no Rio de Janeiro. Cursou por três anos, até 1964, a Faculdade Nacional de Arquitetura e nesse mesmo ano realizou sua primeira exposição individual. No início dos anos 1970, mudou-se para São Paulo e trabalhou nas agências de publicidade DPZ e MPM. Estudou silkscreen no Pratt Institute, em Nova York (1972) quando ganhou o prêmio de viagem ao exterior, concedido pela União Nacional de Arte Moderna. Morou em Paris entre 1974 e 1975. De volta ao Brasil, fez curso de filme super-8, na Escola Griffe, em São Paulo. É autora, entre outros, dos livros infantis ‘Tungo Tungo’ e ‘Uma Amizade Bem Temperada’, publicados no fim da década de 1970. Organizou a primeira exposição de arte contemporânea e experimental brasileira em Nova York: Contemporary Brazilian Works on Paper: 49 artistas, na Nobé Gallery, em 1979. Como bolsista da Fundação Guggenheim, retornou a Nova York, em 1980, para desenvolver pesquisas sobre instalações, iniciada em 1970. Em 1983, editou um número da revista ‘Flue’, publicada pelo Franklin Furnance Archives, dedicado à arte experimental produzida na América Latina. Três anos depois, passou a viver em Austin, Estados Unidos, com o marido, também artista, Bill Lundberg. Foi curadora da exposição Brazilian Visual Poetry, com participação de 51 artistas, no Mexic-Arte Museum, Austin, 2002. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1967, 1969, 1977); do Panorama da Arte Atual Brasileira (1973); da Bienal de Veneza (1976), entre as muitas exposições oficiais. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 13; PÁG. 344; MEC VOL. 4, PÁG. 447; PONTUAL PÁG. 535; www.imediata.com; web.artprice.com.



275 - EDOUARD-LEON CORTÈS (1882 - 1975)

Paris - óleo sobre tela - 33 x 46 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor nascido e falecido em Lagny-sur-Maine, França. Filho do pintor espanhol Antonio Cortés que foi para a Exposição Universal em Paris (1855) e se estabeleceu com a família em Lagny-sur-Marne. Iniciou seu filho no aprendizado da pintura e, com dezesseis anos, apresentou uma pintura na Sociedade dos Artistas Franceses (1899) onde foi bem recebido pela crítica e pelo público. Foi um ativo membro da ‘Union des Beaux-Arts de Lagny’ (1927 a 1930) e seu primeiro presidente. Participou também de exposições em Paris incluindo: o Salão de Outono, Salão de Inverno, Salão da Sociedade Nacional de Horticultura e Salão dos Independentes, onde ganhou diversos prêmios. BENEZIT VOL. 3, PÁG. 193; JULIO LOUSADA, VOL. 1, PÁG. 272; www.rehs.com; www.artprice.com; artist.christies.com; www.askart.com.



276 - ESCOLA RUSSA, SÉC. XX

Composição - técnica mista - 20 x 28 cm - canto inferior direito - 1964 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



277 - NOEMIA MOURÃO (1912 - 1992)

Mulheres - desenho a nanquim - 29 x 23 cm - lado direito -

Pintora e desenhista. Assina Noemia. Realizou sua primeira individual em 1934, no Rio de Janeiro. Residiu na Europa de 1934 a 1940, frequentando em Paris as academias de la Grande Chaumière e Ranson. Expôs em Montevideu e Buenos Aires. Foi citada por REIS JUNIOR e TEODORO BRAGA. Foi aluna (1932) e mulher (1933) de Di Cavalcanti. MEC vol.3, pág. 265; WALMIR AYALA vol.2, pág.135; PONTUAL, pág. 375; TEIXEIRA LEITE, pág. 356; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 684. Acervo FIEO.



278 - MARIA POLO (1937 - 1983)

Composição - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior esquerdo - 1966 -

Pintora, desenhista, gravadora e vitralista nascida em Veneza, Itália e falecida no Rio de Janeiro. Estudou no Instituto de Arte de Veneza, entre 1949 e 1955 e no ateliê de De Pisis, em Roma, de 1955 a 1959. Veio para o Brasil em 1959 fixando-se em São Paulo e, a partir de 1962, no Rio de Janeiro. Realizou diversas exposições individuais em algumas das principais capitais do País e no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais, entre as quais: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967); Panorama de Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973). Foi premiada no 10º Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1961). MEC, VOL. 3, PÁG. 424; PONTUAL, PÁG. 430; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 776; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 697; www.catalogodasartes.com.br; www.bolsadearte.com; www.artprice.com.



279 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)

Peixes - óleo sobre tela - 16 x 22 cm - centro inferior -

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



280 - LIVROS


1-Fernando Lemos - O Real como Enigma, desenhos e fotografias, autografado, bilingue português e inglês, textos de Annateresa Fabris, Leonor Nazaré, Maria Teresa Guimarães de Lemos e Fernando Lemos, edição das galerias Millan e FASS, 2016.
2-Iberê Camargo, texto de Paulo Venâncio Filho, Fundação Iberê Camargo, 2003.
3-Iole de Freitas A Escrita do Movimento, curadoria de Marc Pottier, edição da Roberto Alban Galeria, 2016.
4-Ismael Nery Em Busca da Essência, curadoria de Denise Mattar, textos de Denise Mattar e Tadeu Chiarelli, edição da Galeria Almeida e Dale, 2015.
5-José Damasceno Plano de Observaçã”, curadoria e texto de Ligia Canongia, Santander Cultural, 2015.
6-José Antonio de Lima Trajetórias, curadoria de Fernando Bini, textos de Katia Canton, Luiza Interlenghi, Orlando Dasilva, Adalice Araújo, Nilson Monteiro, Paulo Camargo, Maria Cecília Araújo de Noronha, Guilermo Machuca, José Carlos Fernandes, Fabricio Vaz Nunes e outros, edição Del Vecchio Arte e Comunicação, 2013.




281 - GEORGES ROUAULT (1871 - 1958)

Figura - gravura - 41 x 29 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, gravador, designer, ilustrador e cenógrafo nascido e falecido em Paris. Iniciou a carreira como pintor de vitrais, estudou na Escola Nacional Superior de Belas Artes de Paris e frequentou o ateliê de Elie Delaunay e de Gustave Moreau. Realizou diversas exposições individuais, entre as quais: Galeria Druet, Paris (1910 – a primeira, 1924); MOMA, Nova York (1938, 1945, 1953); Museu de Arte Moderna – Centro Georges Pompidou, Paris (1952, 1971, 1983, 1992); Museu do Louvre, Paris (1964). Participou de mostras e Salões oficiais como o 'Salon d'Automne' com os 'Fauves' (1905); Bienal de Veneza (1948); várias edições do 'Salon des Artistes Français', do 'Salon des Artistes Independants' e do 'Salon de Mai'. Foi contratado por Vollard para ilustrar, com águas-fortes, vários livros (de 1916 a 1939) como o 'Miserere et Guerre' com texto de André Suarès. Idealizou os vitrais para a igreja de Plateau d'Assy – Haute-Savoie, Passy – França (1945) e, seguidamente, diversos cenários para os balés russos de Serguei Diaguilev. Em 1898 foi o primeiro curador do Museu Moreau. BENEZIT VOL. 9, PÁG. 124; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE; educacao.uol.com.br; www.rouault.org; www.moma.org; www.tate.org.uk www.artprice.com; www.artnet.



282 - JOSÉ PAULO MOREIRA DA FONSECA (1922 - 2004)

"Sonata rosa" - óleo sobre tela - 41 x 33 cm - centro inferior e dorso - 1992 -
Com carimbo de Alphaville Galeria de Arte, Rio de Janeiro - RJ, no dorso.

Pintor, advogado, filósofo e poeta, nascido e falecido no Rio de Janeiro. Autodidata, dedicou-se à pintura a partir de 1950. Realizou várias exposições individuais em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Alemanha, Portugal, Inglaterra, Áustria, Estados Unidos, México e participou de muitas mostras e Salões oficiais pelo Brasil e Europa. MEC, VOL. 2, PÁG. 183; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 423 A 427; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 268; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO.



283 - MARIA BONOMI (1935)

"Sobretudo perto" - litografia - 41/50 - 69 x 52 cm - canto inferior direito -

Gravadora, pintora, figurinista, cenógrafa, muralista e escultora nascida em Meina, Itália. Mudou-se para o Rio de Janeiro ainda criança. Em São Paulo (década de 1950), estudou inicialmente com Yolanda Mohalyi, Karl Plattner e Livio Abramo. Na 'Columbia University', Nova York - EUA estudou artes gráficas com Hans Muller e História da Arte Comparada com Meyer Schapiro. Obteve bolsa de estudos no Pratt Institute, Nova York - EUA onde trabalhou com Seong Moy e Fritz Eichenberg, entre outros. De volta ao Brasil (1959) continuou seu aperfeiçoamento na gravura com Friedlaender no MAM, RJ. Fundou com Lívio Abramo o 'Estudio Gravura' (década de 1960), em São Paulo. Realizou várias exposições individuais e tem participado de muitas mostras coletivas e oficiais, no Brasil e no exterior. Recebeu, entre outros, o Prêmio de Melhor Gravador da VIII Bienal de São Paulo (1965); o Prêmio de Gravura na V Bienal de Paris (1968); o Prêmio de Gravura da VIII Exposição Internacional Ljubljana, modalidade xilogravura; o Prêmio de Aquisição na IX Bienal de mesmo nome (1971), culminando com o Prêmio Internacional de Gravura, modalidade litografia (1983). Como cenógrafa vale destacar o Prêmio de Revelação de Cenógrafa e Melhor Figurinista com a peça 'As feiticeiras de Salém' de Arthur Miller. O Prêmio Revelação dado pela APCT – Associação Paulista de Críticos Teatrais se repetiu nos anos de 1962, 1965 e 1967. Em 1965, recebeu o Prêmio Molière como melhor cenógrafa da peça "A megera domada”, de Shakespeare. Desde 1975 tem realizado numerosos painéis em concreto, de grandes dimensões, como os do Saguão do Maksoud Hotel e do Banco Sudameris do Brasil, as fachadas laterais do Esporte Clube Sírio e do Edifício J. Riskallah Joye, todos em São Paulo e, em Santiago do Chile, os painéis do Banco Exterior da Espanha. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.142; PONTUAL PÁG.80; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.692; ARTE NO BRASIL PÁG.837; LEONOR AMARANTE PÁG.75, ACERVO FIEO; www.memorial.org.br; www.pinacoteca.org.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



284 - RIOKAI OHASHI (1895 - 1943)

Paisagem - técnica mista - 25 x 31 cm - canto inferior esquerdo - São Paulo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Riokay Ohashi era natural do Japão. Desenhava desde criança e com 23 anos vai estudar com Saburosuke Okada em Tóquio, Japão. Em 1927 vai para Paris e freqüenta o grupo de Yuso Saeki e do qual faziam parte também Takanori Oguisa, Yokote e Yamagushi. Depois vai para a Academia de la Grande Chaumière, onde conheceu e se casou com a pintora e pianista Helena Pereira da Silva, filha de Oscar Pereira da Silva. Participou de diversos Salões parisienses como: o “Indépendents”, o “d’Automne” e o “des Tuilleries”. Regressou ao Japão em 1933 e realizou diversas mostras individuais em Kobe, Osaka, Nagoya, Tóquio e Formosa, em Taiwan. Em 1940 veio ao Brasil e à Argentina em Missão Cultural Oficial do Governo Japonês e expôs sucessivamente no Rio de Janeiro, São Paulo e Buenos Aires. Em 1941 regressa ao Japão. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 690; vol.2, pág. 738 e 739. ITAU CULTURAL.



286 - UBI BAVA (1915 - 1988)

"Estudo II" - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1960 -
No estado.

Natural da cidade paulista de Santos. Faleceu em São Paulo. Arquiteto, professor, pintor, desenhista e escultor. Foi aluno de Lucilio de Albuquerque e de Henrique Cavalleiro. Foi professor de desenho artístico da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, FAU/UFRJ. Entre as diversas exposições de que participou, destacam-se: Salão Nacional de Belas Artes - Divisão Moderna, Rio de Janeiro (1949); Bienal Internacional de São Paulo (1951 a 1955, 1959, 1973, 1975); Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1961, 1968); Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM/SP (1975, 1976); Exposição Itinerante de Arte Moderna no Brasil por Argentina, Chile e Peru (1957). Foi premiado no Rio de Janeiro (1949, 1961 - Prêmio de Viagem ao Estrangeiro); Curitiba, PR (1972). Viajou pela Europa, com o Prêmio de Viagem, e se fixou na Itália por dois anos. TEIXEIRA LEITE; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 5 PÁG. 98; WALTER ZANINI, PÁG. 676; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, PÁG. 933; pitoresco.com.br; mac.pr.gov.br; arcadja.com;web.artprice.com.



287 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem - óleo sobre cartão - 20 x 24 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



288 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Pássaro" - acrílico sobre papel - 27,7 x 29,5 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



289 - CARMÉLIO CRUZ (1924)

Mulher e pássaro - técnica mista - 25 x 19 cm - canto inferior direito - 1976 - Rio de Janeiro -
No estado.

Natural de Canindé, CE. Pintor e desenhista iniciou suas atividades artísticas em sua terra natal. De 1947 a 1950 lecionou desenho no Rio, na Associação Brasileira de Desenho. Fixou-se em São Paulo a partir de então, participando de diversas Bienais até 1967 e nos SNAM, de 1959 a 1963, recebendo diversas premiações. Expôs individualmente em diversas cidades do País. Sobre sua obra, assim se referiu Theon Spanudis (1965): "Partindo de algumas experiências plásticas de Paul Klee, desenvolveu nos últimos anos uma pintura sui-generis, que se caracteriza pelo feliz casamento de dois elementos diferentes, senão opostos (...) Um elemento rítmico, linear que invade a tela e a subdivide em segmentos rítmicos, e um elemento cromático, difuso", encontrando nas suas obras "evocações poéticas de muros antigos, muros abandonados, muros com musgo, e a melancolia de cidadezinhas do interior (...) com seus humildes casebres ritmicamente seriados." MEC, vol. 1, pág. 498; PONTUAL, pág. 152; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 224/226; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



290 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Cascudas - óleo sobre madeira - 23 x 18 cm - canto inferior esquerdo -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



291 - JOÃO TIMÓTHEO DA COSTA (1879 - 1930)

Figura - óleo sobre tela colada em madeira - 46 x 28 cm - canto superior esquerdo - 1925 - Rio de Janeiro -

Pintor e decorador ativo no Rio de Janeiro, onde nasceu e faleceu. Ingresou na ENBA-RJ em 1894, onde foi aluno de Rodolfo Amoedo e João Zeferino da Costa. Expôs no SNBA-RJ entre 1906-1913, tendo obtido todos os prêmios, exceto o de viagem, que nunca pleiteou. Além de retratos, marinhas, cenas de gênero e gravuras em metal, deixou decorações em diversos edifícios públicos e particulares, como por exemplo no Copacabana Palace-RJ. O MNBA possui diversas obras suas. MEC, vol. 1, pág. 471; TEIXEIRA LEITE, pág. 508. ITAÚ CULTURAL, ARTE NO BRASIL, PONTUAL, pág. 522; ARTE NO BRASIL, pág. 556.



292 - CARLOS PAEZ VILARÓ (1923 - 2014)

Figura e gato - litografia off set - 27 x 44 cm - centro inferior - 2012 -
Com a seguinte dedicatória: "A Milton, un abrazo Carlos Paez - 21/02/2012". (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, ceramista, muralista uruguaio nascido em Montevidéu e falecido em Casapueblo. Autodidata, desde cedo se envolveu com as artes gráficas trabalhando na imprensa em Barracas e Avellaneda, em Buenos Aires. No final da década de 1940 regressou a Montevidéu e passou a dedicar-se inteiramente aos temas do Candomblé e da dança afro-oriental. Esses mesmos temas o motivaram a fazer uma viagem ao Brasil e aos países onde a raça negra predomina como Senegal, Libéria, Congo, Camarões e Nigéria. Conheceu Picasso, Dali, De Chirico e Calder em seus ateliês (década de 1950). Em 1969 regressou ao Uruguai e continuou as obras de sua casa, conhecida como 'Casapueblo' em Punta Ballena, modelada com suas próprias mãos e com ajuda dos pescadores, que se transformou em um símbolo do lugar. A partir de 1970 viveu alternadamente nos Estados Unidos, Brasil e Uruguai. Realizou exposições, entre outras, na França, Inglaterra, Estados Unidos e retrospectivas na China e no Egito. Participou também da Bienal Internacional de São Paulo em 1965, 1969 e 1971. Sua arte mural se encontra no Uruguai, Chile, Brasil, África, Austrália, Estados Unidos, Polinésia. ITAU CULTURAL; BENEZIT VOL. 8, PÁG. 80; carlospaezvilaro.com.uy; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



293 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Figuras - litografia off set - 24 x 17 cm - canto inferior direito -
Com a seguinte dedicatória: " Ao querido amigo Luiz, do velho E. di Cavalcanti." No estado.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



294 - GUIDO VIARO (1897 - 1971)

Deposição - desenho a crayon - 26 x 38 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e professor, nasceu em Badia Polesine, Itália. Fez estudos de formação artística em Veneza e Bolonha, naquele País, vindo para o Brasil em 1928. Radicou-se em Curitiba 1930, onde lecionou pintura e desenho. Participou, recebendo premiações, em diversos Salões nacionais. JULIO LOUZADA vol.aa, pág.335; TEIXEIRA LEITE, pág. 522, PONTUAL, pág. 539; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 449; ARTE NO BRASIL, pág. 883.



295 - ISMAEL NERY (1900 - 1934)

"Bailarina - Croquis" - aquarela - 23 x 15 cm - canto inferior direito -
Com etiqueta da Galeria de Arte Collectio - Rua Suécia, 308 - São Paulo, SP - no dorso.

Pintor e desenhista, considerado o precursor do surrealismo no Brasil; ainda criança fixou-se no Rio de Janeiro; posteriormente fez duas longas viagens à Europa; seus trabalhos iniciais são ligados ao expressionismo; seguem-se o período cubista - ao qual pertence a notável fase azul - e, a partir de 1927, o surrealista. Sua obra trata de temas de amor e poesia, centralizados na figura humana, muitas vezes sua mulher Adalgisa, abstraindo a paisagem e o ambiente. ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1052; MEC, vol. 3, pág. 257; TEIXEIRA LEITE, pág. 351/2; PONTUAL, pág. 381/2; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 531; LEONOR AMARANTE, pág. 142.



296 - ROOSEVELT PEDROSA DE SIQUEIRA (1937)

Paisagem - óleo sobre tela - 46 x 38 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1971 -

Pintor, desenhista, gravador, publicitário e jornalista nascido em São José do Egito, PE. Radicou-se em São Paulo onde cursou desenho artístico. Realizou exposição individual no Espaço Cultural Planeta Cerveja, SP. Participou de várias mostras coletivas e oficiais, destacando-se: I Salão Mineiro de Santana do Parnaíba, SP; II Mostra de Arte de São Paulo; II, III e IV Salões da Paisagem Paulista, SP; XXIX e XXX Exposições Coletivas da Associação de Belas Artes, SP (1974, 1975); Feira de Arte da Secretaria de Turismo, SP (1967, 1972); Feira do Conselho de Turismo do Embu, SP (1967, 1972). Foi premiado em: São Paulo (1969, 1974, 1977, 1981, 1986 a 1988, 1990, 1992); Santo André, SP (1972); Franco da Rocha, SP (1975); Guaíra, SP (1978); Presidente Prudente, SP (1978, 1979); Embu, SP (1980); Paranapuã, SP (1985, 1986); Estrela D’Oeste, SP (1985); entre outros. MEC VOL. 4, PÁG. 287; PONTUAL PÁG. 461; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 1069; VOL. 6, PÁG. 968; VOL. 8, PÁG. 719.



297 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Bate papo" - serigrafia - 68/200 - 50 x 67 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze capitais em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



298 - PÉRICLES (1924 - 1961)

"O amigo da onça" - desenho a nanquim e guache - 42 x 30 cm - centro inferior -

Caricaturista e cartunista, Péricles de Andrade Maranhão nasceu em Recife, PE e faleceu no Rio de Janeiro. Publicou seus primeiros desenhos na Revista do Colégio Marista do Recife, onde estudou na década de 1930. Por volta de 1942, chegou ao Rio de Janeiro e ingressou nos 'Diários Associados', de Assis Chateaubriand, iniciando sua produção em 'O Guri' e, pouco depois, na revista 'A Cigarra', onde lançou seu personagem 'Oliveira Trapalhão'. A partir de 1945, ilustrou os textos de Millôr Fernandes na seção Pif-Paf da revista 'O Cruzeiro'. 'Laurindo e Miriato Gostosão' foram outros personagens criados por Péricles, mas o de maior sucesso foi 'O Amigo da Onça', publicado pela primeira vez em 1943 em' O Cruzeiro'. 'O Amigo da Onça' foi produzido por quase 20 anos e, mesmo após a morte de seu criador, continuou a ser publicado no traço de Carlos Estevão. Sua criação foi capaz de transpor as páginas desenhadas em 'O Cruzeiro' e permanecer na memória visual e humorística brasileira. Seus trabalhos participaram, após a sua morte, de exposições em: Curitiba, PR (1980); São Paulo (1983, 1997, 2001); Belo Horizonte (1997); Brasília (1998); Penápolis, SP (1998). ITAU CULTURAL.



299 - LUIZ VENTURA (1930)

"Beatriz de blusa amarela" - óleo sobre tela - 30 x 30 cm - canto superior esquerdo e dorso -

Pintor, desenhista e gravador, com várias exposições individuais e participação em coletivas no Brasil e no exterior. Aperfeiçoa seus estudos na Europa e Oriente. Dá aulas de gravura em madeira na Universidade Católica no Chile. Publica em Honduras, o seu "Manual de Grabado em Madera, Técnicas Occidental y Oriental". ITAÚ CULTURAL.



300 - LOUCO - BOAVENTURA DA SILVA FILHO (1932 - 1992)

Profeta - entalhe em madeira - 54 x 12 x 12 cm - assinado - 06/09/1979 -

O autor, conhecido como Louco, é natural de Cachoeira, histórica cidade baiana, às margens do rio Paraguaçu. Foi aí que começou seu trabalho. Pouco a pouco suas esculturas tornaram-se amplamente conhecidas, garantindo, para Boaventura, um lugar de destaque entre os artistas populares brasileiros. A partir do reconhecimento de sua obra, participou de exposições significativas como a mostra do Centro Domus, em Milão, Itália; o Espírito Criador do Povo Brasileiro, através da coleção de Abelardo Rodrigues, e Sete Brasileiros e seu Universo, em Brasília. É dele a seguinte explicação para o seu novo nome: "É porque sou louco pra trabalhar! Fui o primeiro artista da cidade. Trabalho com inspiração e amor. Às vezes me afasto de tudo - vou pro mato, fico lá sozinho, sem zuada, só com o meu radinho e os troncos de madeira, despreocupado, longe da mulher, dos dez filhos, dos fregueses. eles conversam muito e atrapalham. E a mulher quer muita coisa, Mulher é como criança, nada chega." (texto extraído do livro O Reinado da Lua - Escultores Populares do Nordeste, de Silvia Rodrigues Coimbra, Flávia Martins e Maria Letícia Duarte - Ed. Salamandra, 1980, págs. 112, 113 e 114).



301 - ANTONIO EUSTÁQUIO (XX)

"Rural" - óleo sobre mdf - 37 x 57 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2016 -

Nascido em Raul Soares, Minas Gerais, Antônio Eustáquio de Jesus foi criado em Mariana onde recebeu várias influências artísticas. Com apenas 11 ou 12 anos, convivia com artistas locais. Em meados de 1980, mudou-se para o litoral capixaba, onde fazia trabalhos com coisas do mar (conchas corais, areia, etc.). Voltou a Minas (1990) passando a viver em Belo Horizonte, onde começou a pintar. Lá conviveu novamente com artistas, como a pintora Eny de Carvalho. Tem participado de exposições coletivas e oficiais, destacando-se: Coletiva no Casarão Centro Cultural Nhô-Quim Drummond, Sete Lagoas - MG (2007); Coletiva na Casa Thomas Jefferson (2010); Bienal do SESC de Piracicaba (2010 - Prêmio); Exposição no SESC-BH (2012); Exposição na Casa dos Contos, Ouro Preto – MG (2013). Foi convidado a participar do Museu Internacional de Arte Naïf do Brasil – MIAN (RJ). http://artenaifrio.blogspot.com.br/2016/01/antonio-eustaquio.html.



302 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - pastel - 15 x 18 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



303 - MACIEJ ANTONI BABINSKI (1931)

Nu - gravura - 17/25 - 31 x 25 cm - canto inferior direito -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Natural de Varsóvia, Polônia, viveu sucessivamente na Inglaterra e no Canadá, radicando-se em 1953 no Brasil. Antigo aluno de Maurice Denis em Paris, e expoente da pintura abstracionista canadense. Babinski foi colega de Goeldi, de quem adotou a linguagem expressionista. Esplêndido gravador. Atualmente vive é ativo no Ceará. TEIXEIRA LEITE, pág. 48; PONTUAL, págs. 46 e 47; MEC, vol. 1, pág. 157; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 69; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 24; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 903, Acervo FIEO.



304 - EMILIO GRAU-SALA (1911 - 1975)

Moça - desenho a nanquim e aquarela - 30 x 20 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, ilustrador e decorador nascido em Barcelona, Espanha. Estudou na Escola de Belas Artes de Barcelona e iniciou sua carreira pública em 1929. Mudou-se para Paris em 1932 onde participou dos principais Salões anuais. Nos Estados Unidos, além de ter participado regularmente de exposições, recebeu o Prêmio Carnegie em Pittsburgh. Ilustrou as obras de Flaubert, Baudelaire e Maupassant. BENEZIT VOL. PÁG. 175; www.artprice.com; rogallery.com; artist.christies.com; www.artnet.com.



305 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulher e galo - óleo sobre tela - 40 x 20 cm - canto inferior direito - 1972 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



306 - LUBRA (XX)

Flores - óleo sobre tela colada em eucatex - 70 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor e professor ativo em São Paulo. JULIO LOUZADA vol.4, pág. 636.



307 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paris - óleo sobre madeira - 30 x 19 cm - canto inferior direito -
P.Alberti.



308 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Nu - desenho a nanquim - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



309 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem Antropofágica - desenho a lápis - 9 x 18 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



310 - DAREL VALENÇA LINS (1924)

Figura - litografia - P. A. - 43 x 27 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



311 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Banhistas - desenho a nanquim e aquarela - 21 x 14 cm - centro inferior -
No estado.

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



312 - ALBERTO NICOLAU (1961)

Flores - óleo sobre tela - 150 x 50 cm - canto inferior direito - 1999 -
(Atenção clientes que não residem em São Paulo: transporte especial devido ao tamanho. Consulte-nos antes de dar seu lance) .

Pintor, desenhista e músico nascido em Belém do Pará, PA. Começou a pintar aos nove anos de idade com Ana Luiza Guerreiro Carvalho e estudou desenho e pintura com Benedicto Mello (1971 a 1976), em Belém. Radicado em Paris a partir de 1980, estudou piano na 'École Normale Supérieure de Musique' (1980) e pintura na Academia 'La Grande Chaumière' (1985) e com o pintor Henrique Ahil (1985 a 2000). Tem participado de diversas mostras coletivas e oficiais no: Rio de Janeiro (1987, 1992, 1997, 2000, 2001, 2004, 2010); Belém, PA (1988, 2005, 2006); Paris (1990, 1991, 1997, 1998, 2000 a 2004, 2006); São Paulo (1991, 1993, 1996, 2004, 2009, 2010); Coréia do Sul (1997); Curitiba, PR (2001); Londres, Inglaterra (2003). ITAUCULTURAL; www.albertonicolau.com; www.artprice.com.



313 - LUIS PAULO BARAVELLI (1942)

"Esboço de casa e..." - pastel - 35 x 50 cm - canto inferior direito - 20/10/1972 -
Complemento do título: "Esboço de casa e paisagem para Lú". Com etiqueta da Galeria Luisa Strina - São Paulo, no dorso. No estado.

Paulistano, BARAVELLI é pintor, desenhista, escultor, arquiteto e artista gráfico, formado em desenho e pintura na FAAP-SP, e em arquitetura na USP. Aperfeiçoou-se em pintura com Wesley Duke Lee. Fundos a Escola de Arte Brasil, juntamente com Carlos Alberto Fajardo, José Resende e Frederico Nasser. É um pesquisador de múltiplas técnicas e materiais, desde o desenho e a pintura até a escultura e o objeto, desde o ferro e a madeira até o acrílico e a fórmica. É artista contemporâneo de expressão e reconhecimento da crítica especializada. JULIO LOUZADA vol.2, pág. 98; TEIXEIRA LEITE, pág. 55; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 908; LEONOR AMARANTE, pág. 154; Acervo FIEO.



314 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - serigrafia - 1/120 - 62 x 80 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Edição póstuma com relevo seco do Projeto Burle Marx.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



315 - IONE SALDANHA (1921 - 2001)

Bambu - têmpera sobre bambu - 127 x 9 x 9 cm - assinado -
Reproduzido no convite deste Leilão. Ex coleção Renato Antônio Brogiolo. - Rio de Janeiro. -

Pintora, escultora e desenhista nascida em Alegrete, RS e falecida no Rio de Janeiro. Realizou seus primeiros estudos no Rio de Janeiro, no ateliê de Pedro Luís Corrêa de Araújo (1948). Estudou a técnica de afresco em Paris, na ‘Académie Julian’, e em Florença, na Itália (1951). Realizou exposições individuais em: Rio de Janeiro (1956, 1959, 1962, 1965, 1968, 1971, 1981, 1984, 1987, 1988,1990); São Paulo (1956, 1983, 1985, 1987); Santiago do Chile, Chile (1961); Berna, Suíça (1963, 1964); Roma, Itália (1964). Em 1969 recebeu o prêmio de viagem ao exterior no 7º Resumo de Arte do Jornal do Brasil e foi para os Estados Unidos e Europa. Participou de várias edições da Bienal de São Paulo, com prêmio aquisição em 1967 e sala especial em 1975 e 1979. Em 2001 foi realizada a retrospectiva ’Ione Saldanha e a Simplicidade da Cor’, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói - MAC/Niterói. PONTUAL PÁG.468; MEC VOL. 4, PÁG. 150; JULIO LOUZADA, VOL. 3, PÁG. 1004; VOL. 5, PÁG. 916; ITAUCULTURAL; RGS PÁG. 263; www.macvirtual.usp.br; www.margs.rs.gov.br; www.cultura.rj.gov.br; www.galeria-ipanema; www.artprice.com.



316 - SERGEI YUR'EVICHI SUDEIKIN (1886 - 1946)

Sonho - guache - 24 x 27 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Desenhista, pintor, ilustrador, cartunista e decorador nascido em Smolensk, Rússia e falecido em Nyack, NY, EUA. Estudou na 'Moscow PS School', Academia Imperial, São Petersburgo, Rússia e na 'Académie de La Grand Chaumière', Paris. Expôs em Nova York em 1929 e 1930. Participou dos Salões de Outono, Paris; do 'Diaghilev's World of Art'; do 'Russian Artists'. www.artprice.com; www.artnet.com; www.christies.com; www.arcadja.com.



317 - ANA CRISTINA ANDRADE (1953)

"Caminho de Itapecerica" - gravura - 3/10 - 25 x 40 cm - canto inferior direito - 1982 -
Complemento de técnica: ponta seca. -

Ana Cristina Andrade Moreira é pintora, gravadora, desenhista, professora e designer vidreira. Iniciou sua formação artística na Escola Superior de Arte Santa Marcelina, SP (1972-1975). Aprendeu gravura em metal (1980-1990) com Iole Di Natale; técnicas de gravura na Scuola Internazionale di Gráfica em Veneza, Itália (1983); Gravura Especial com Evandro Carlos Jardim, no MAC-SP (1991); Técnica Calcográfica Experimental com Mario Benedetti, na FASM-SP (1997); Vitrofusão com Roberto Bonino. Exposições individuais: São Paulo, SP (1984, 1987, 1995, 2003); Bauru, SP (1989); “Projeto Interior com Arte” – Museu Banespa (1998 – Exposição itinerante pelo interior do Estado de São Paulo). Coletivas: Epinal, França (1975); São Paulo, SP (1974, 1982, 1984, 1985, 1986, 1988, 1994, 1995, 2000, 2002 a 2004, 2012 – SP ESTAMPA); Santo André, SP (1982); Novo Hamburgo, RS (1982); Taiwan, China (1983, 1985); San Juan, Porto Rico (1983); Santos, SP (1983); Cabo Frio, RJ (1983); Ribeirão Preto,SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba,SP (1984); Veneza, Itália (1984, 1985); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986); Limeira, SP (1986); Washington D.C.,EUA (1991); Campos do Jordão, SP (1991); Kanagawa, Japão (1992); Maastricht, Holanda (1993); Illinois, EUA (1994); Cidade do México, México (1996); Jacareí, SP (1998); Budapeste, Hungria (1996); Uzice, Yuguslávia (1997); Ourense, Espanha (1994, 2006). Prêmios: São Paulo, SP (1974); Novo Hamburgo, RS (1982); Santos, SP (1983); Ribeirão Preto, SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba, SP (1984); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986). JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 62; vol.2, pág. 66; Acervo FIEO. ITAU CULTURAL.



318 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Linhas - desenho a nanquim e colagem - 23 x 15 cm - canto inferior direito - 1953 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



319 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Marinha com Coqueiros" - acrílico sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2003 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



320 - TOMIE OHTAKE (1913 - 2015)

Composição - litografia - P.A. - 78 x 35 cm - canto inferior direito - 1999 -

Pintora, gravadora, escultora nascida em Kyoto, Japão e radicada no Brasil desde 1936, país que adotou, inclusive, a cidadania. Fixou-se em São Paulo. Em 1952, iniciou-se em pintura com o artista Keisuke Sugano. No ano seguinte, integrou o Grupo Seibi, do qual participavam Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, Flavio - Shiró, Tadashi Kaminagai , entre outros. A partir dos anos 1970, trabalhou com serigrafia, litogravura e gravura em metal. Dedicou-se também à escultura e realizou algumas delas para espaços públicos. Realizou muitas exposições individuais em todo o Brasil e exterior, além de ter participado de diversas mostras e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1961, 1963, 1965, 1985, 1989, 1996, 1998); Bienal de Veneza, Itália (1972); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973, 1976, 1983, 1986, 1989, 1993). Recebeu, em Brasília, o Prêmio Nacional de Artes Plásticas do Ministério da Cultura - Minc, em 1995 e muitos outros. Em 2000 foi criado o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. MEC, VOL. 3, PÁG. 323; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 690; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 791; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 140; PONTUAL, PÁG. 390; ART PRICE ANNUAL 1990, PÁG. 1464; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 362; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, PÁG. 939; LEONOR AMARANTE, PÁG. 170; WALTER ZANINI, PÁG. 693; ACERVO FIEO.



321 - ALESSIO ISSUPOFF (1889 - 1957)

Cavaleiro - óleo sobre madeira - 18 x 25 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, artista gráfico e professor nascido em Kirov, Rússia e falecido em Roma, Itália. Filho de um entalhador e dourador. Começou seus estudos artísticos em Viatka, antes de se mudar para Moscou (1908) onde estudou na Escola de Pintura, Escultura e Arquitetura de Moscou (até 1913) com Abram Arkhipov, entre outros. Participou de várias exposições coletivas da 'Peredvizhniki (Association of Traveling Art Exhibitions)' – tornando-se membro em 1916; da 'Union of Russian Artists' e da 'Viatka Arts Circle' em Moscou, São Petersburgo e Viatka. Morou em Tashkent, Samarkand e retornou a Moscou em 1922, tornando-se membro da AKhRR, pintando temas relacionados à Revolução Bolchevista de 1917. Pelo avanço de sua tuberculose, mudou-se para Roma (1925). Realizou diversas exposições individuais pela Itália, França, Holanda e Bélgica nas décadas de 1920 e 1930. Em 1959, sua esposa retornou à União Soviética e doou suas obras para arquivos de museus nacionais, incluindo 'State Tretyakov Gallery' e o 'Viatka Art Museum', em Kirov. BENEZIT; www.artprice.com.



322 - BIBI ZOGBÉ (1890 - 1973)

Flores - óleo sobre tela colada em cartão - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora - Labibé Zogbé, conhecida como Bibi, nasceu em Sahel Alma, Líbano. Emigrou para a Argentina aos dezesseis anos. Sua carreira artística começou em 1930 com aulas de pintura com Dimitrov Bogdan e uma série de exposições em: Buenos Aires (1934), Paris (1935), Chile (1939), Uruguai, Rio de Janeiro. Depois da Segunda Guerra viveu em Paris, Dakar e Líbano (1947). No Líbano, realizou uma exposição individual em 'Cénacle Libanais' e participou de uma mostra coletiva no Museu Nacional Libanês (1947). Seu talento foi reconhecido, o que lhe valeu ser mencionada no Benezit. Conhecida, desde sua primeira individual, como 'A pintora das flores'. lebanesepainters.com; www.onefineart.com; www.artprice.com; www.askart.com; www.invaluable.com.



323 - MABEL FERNANDES MACHADO (1961)

"Festa junina 2002" - acrílico sobre eucatex - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 2002 -
Com certificado do Museu Internacional de Arte Naif do Brasil - MIAN, nº 3355firmado por Lucien Finkelstein, no dorso.

Pintora nascida no Rio de Janeiro. Começou a pintar aos onze anos de idade. Realizou exposição individual no Museu Internacional de Arte Naïf, RJ (2004) e tem participado de diversas mostras coletivas e oficiais como: SESC, RJ (2002); Biblioteca da Ilha do Governador, RJ (2003, 2004); “Naive Spring” Uri and Rami Nachushtan Museum, Kibbutz Ashdot Yaacov Meuchad, Israel (2004); 'Encontros e Reencontros na Arte Naïf: Brasil-Haiti', Centro Cultural Banco do Brasil, Brasília – DF e Museu de Arte Brasileira,São Paulo- SP (2005). ITAUCULTURAL; www.ginagallery.com.



324 - ALFREDO VACCARI (1877 - 1933)

Paisagem - óleo sobre cartão - 29 x 39 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador italiano nascido e falecido em Turim. Estudou na Academia de Milão e trabalhou para o 'Le Monde Illustré', em Paris. BENEZIT; www.artprice.com; www.artnet.com.



325 - JEAN METZINGER (1883 - 1956)

"Menina e pássaro" - óleo sobre tela - 62 x 52 cm - canto inferior direito - 1916 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com as seguintes etiquetas no dorso: Galerie Beyeler - Basel/Bâle e Galerie L'effort Moderne - Paris. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e teórico francês nascido em Nantes e falecido em Paris. Começou a pintar aos 15 anos, em 1903 fixou-se em Paris e frequentou diversas academias. Também frequentou o ateliê de Pablo Picasso em Bateau-Lavoir. A partir de 1910, passou a observar os passos experimentais da primeira fase da pintura cubista de Georges Braque e Picasso, resultando no artigo "Notas sobre a Pintura". No mesmo ano, expôs no Salão de Outono com Albert Gleizes e Le Fauconnier e, no Salão dos Independentes, o 'Retrato de Guillaume Apollinaire', considerado o primeiro retrato cubista. Em 1911, no mesmo Salão, foi um dos principais organizadores da primeira grande manifestação pública do Cubismo, a 'Sala 41' e um dos fundadores da ‘Section d'Or’ com exposição de mesmo nome - evento em que convergem as várias linhas cubistas. Escreveu, em 1912, junto com Albert Gleizes ‘Du Cubisme’ - a primeira obra desta nova estética. Participou dos principais Salões de Paris, de Berlim (1913), Nova York (1916). Após o servir na I Guerra Mundial voltou a Paris. Realizou exposições individuais em Londres, Inglaterra (1930) e em Chicago, EUA (1953). BENEZIT VOL. 7, PÁG. 364; OXFORD PÁG. 347; ITAU CULTURAL; www.jean-metzinger.com; www.mac.usp.br; www.guggenheim.org; www.metmuseum.org; www.tate.org.uk; www.philamuseum.org; web.artprice.com; artnet.com



326 - DANIEL AZULAY (1947)

"O rebanho urbano" - desenho a nanquim - 51 x 34 cm - centro inferior -
No estado.

Nascido no Rio de Janeiro, Daniel Azulay é desenhista autodidata, artista plástico, músico e compositor. Formou-se em Direito pela Universidade Cândido Mendes em 1969. Nessa época começou a publicar suas primeiras histórias em quadrinhos e cartuns em revistas e jornais. Participou da Exposição de Montreal, Canadá (1968) e do Salão Internacional do Humor em Bruxelas, Bélgica (1969). Há mais de 25 anos desenvolve seu trabalho pioneiro aliando educação e entretenimento para o público infantil. Sua grande criação, a "Turma do Lambe-Lambe", cresceu em linguagem de quadrinhos e ganhou formato televisivo durante dez anos consecutivos, sendo apresentada em duas redes de televisão (Bandeirantes e Educativa). www.danielazulay.com.br



327 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

A chegada - aquarela - 20 x 29 cm - não assinado -



328 - JAN CYBIS (1897 - 1972)

Paisagem - óleo sobre cartão - 48 x 34 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e professor da Escola Polonesa nascido em Wroblin - Silésie. Foi aluno da Academia de Belas Artes de Wroclaw e de Cracóvia (1919-1924). Em Wroclaw estudou sob a supervisão de Otto Müller - membro do grupo expressionista alemão ‘Die Brücke’. Foi para Paris (1924-1931) e foi um dos fundadores do "Comité de Paris". Com esse grupo expôs na polônia e em outros países. Depois de 1945 foi professor na Academia de Varsóvia. Realizou exposições individuais em Cracóvia (1934), em Poznan (1948), em Varsóvia (1956). Participou da Bienal de Veneza (1936, 1948), da Bienal Internacional de São Paulo (1959), entre outras. Foi premiado em 1955 (Highest Polish State) e em 1956 (Solomon Guggenheim Foundation). BENEZIT VOL. 3, PÁG.307; culture.pl; www.artprice.com; www.artnet.com; www.sothebys.com.



329 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figuras" - desenho a caneta hidrográfica - 19 x 16,5 cm - canto inferior esquerdo - 1979 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



330 - ABRAHAN PALATNIK (1928)

Coruja - múltiplo em acrílico - 7,5 x 4,5 x 02 cm - assinado -
Com etiqueta de exportação do artista.

Artista cinético, pintor, desenhista, escultor, natural de Natal, RN. Em 1932, muda-se com a família para a região onde, atualmente, se localiza o Estado de Israel. Inicia seus estudos de arte no ateliê do pintor Haaron Avni e do escultor Sternshus e estuda estética com Shor. Freqüenta o Instituto Municipal de Arte de Tel Aviv. Retorna ao Brasil em 1948 e se instala no Rio de Janeiro. Convive com os artistas Ivan Serpa, Renina Katz e Almir Mavignier. Por volta de 1949, inicia estudos no campo da luz e do movimento, que resultam no Aparelho Cinecromático, exposto em 1951 na I Bienal Internacional de São Paulo, onde recebe menção honrosa do júri internacional. Em 1954, integra o Grupo Frente, ao lado de Ivan Serpa, Ferreira Gullar, Mário Pedrosa, Franz Weissmann, Lygia Clark e outros. Desenvolve a partir de 1964 os Objetos Cinéticos, um desdobramento dos cinecromáticos e é considerado, internacionalmente, um dos pioneiros da arte cinética. Participou também das II, III, V, VI, VIII, IX Bienais de São Paulo, do IX Salão Nacional de Arte Moderna, RJ, e da XXII Bienal de Veneza, entre muitas outras no Brasil e no exterior. BENEZIT VOL. 8, PÁG. 89; PONTUAL, PÁG. 401; MEC VOL.3, PÁG. 329; ITAUCULTURAL.



331 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Cenas baianas - serigrafia - 21 x 14 cm - centro inferior na tela serigráfica -
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



332 - LULA CARDOSO AYRES (1910 - 1987)

Composição - serigrafia - 24 x 14 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ.

Pintor, fotógrafo, desenhista, ilustrador, muralista, cenógrafo, professor, Luiz Gonzaga Cardoso Ayres nasceu e faleceu em Recife, PE. Estudou desenho e pintura com Heinrich Moser (1922 a 1924). Viajou para Paris em 1925, frequentou museus e ateliês de pintores como Maurice Denis e entrou em contato com os movimentos artísticos modernos da Europa. Regressou ao Brasil no ano seguinte. No Rio de Janeiro, estabeleceu ateliê no bairro de Laranjeiras, frequentou informalmente a Escola Nacional de Belas Artes e teve aulas com Rodolfo Amoedo e Carlos Chambelland. Conheceu Candido Portinari, de quem se tornou amigo. Profissionalmente, realizou cenários para teatro e atuou como ilustrador e caricaturista na revista ‘Para Todos’. No fim de 1932, voltou a Pernambuco para ajudar a administrar a usina de açúcar da família e residiu em Cucaú até 1944. Retornou ao Recife. Executou painéis e murais em várias cidades brasileiras, entre eles se destaca o elaborado para o Aeroporto dos Guararapes e para o metrô (1984), no Recife. Em 1947, fundou um curso de desenho para crianças. Como professor, atuou na Escola de Belas Artes do atual Centro de Artes e Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. Participou de muitas mostras coletivas e das três primeiras Bienais de São Paulo (1951 a 1955). Em 1960, realizou exposição retrospectiva no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 31; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 293; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 879; ACERVO FIEO.



333 - BELMONTE (1897 - 1947)

Paisagem - aquarela - 23 x 28 cm - canto inferior esquerdo -
Com dedicatória. No estado. -

Benedito Bastos Barreto - caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, escritor, jornalista e historiador - nasceu e faleceu em São Paulo. Iniciou sua carreira em 1912 publicando suas primeiras caricaturas na revista paulista ‘Rio Branco’ e paralelamente colaborou na revista carioca ‘D. Quixote’. Durante seus primeiros anos de trabalho publicou em diferentes periódicos paulistas e, em 1921, empregou-se na recém-inaugurada ‘Folha da Noite’, substituindo Voltolino. Nesse periódico passou a utilizar o pseudônimo Belmonte como assinatura de seus desenhos e em 1925 criou o personagem Juca Pato. Durante a Revolução Constitucionalista de 1932 criou o logotipo para os bônus de guerra que no período das batalhas substituíram como dinheiro a moeda oficial. No ano de 1936, começou a publicar no jornal ‘Folha da Manhã’ diversas charges de Juca Pato tendo como temática a crítica ao nazismo. Produzidas até o ano de 1946, elas acabaram se configurando numa grande série sobre a Segunda Guerra Mundial. Essas charges foram reunidas e publicadas em 1982 com o título de ‘Caricatura dos Tempos’. Autor de diversos livros de caricatura e história publicou, entre outros, os seguintes títulos: ‘Assim Falou Juca Pato’ (1933), ’ No Tempo dos Bandeirantes’ (1939) e ‘O Brasil de Ontem’ (1940), com desenhos inspirados nos trabalhos de Rugendas. TEODORO BRAGA, PÁG. 49 E 50; PONTUAL, PÁG. 67; MEC, VOL. 1, PÁG. 213; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 69; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 109; CARICATURISTAS BRASILEIROS, DE PEDRO CORRÊA DO LAGO, PÁG. 100; ARTE NO BRASIL, PÁG. 392; WALTER ZANINI, PÁG. 806; ACERVO FIEO; www.artprice.com; www.saopauloantiga.com.br.



334 - JUAN GRIS (1887 - 1927)

"Retrato de Daniel Henry Kahnweiler " - desenho a lápis - 30 x 20 cm - canto superior direito - 09/1921 -
Com dedicatória. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador, escultor, cenógrafo e figurinista - José Victoriano González nasceu em Madri, Espanha e faleceu em Boulogne-Billancourt, França. Estudou desenho mecânico na 'Escuela de Artes y Manufacturas', Madri (1902-1904), mas, logo passou a se dedicar à pintura estudando com o pintor José Maria Carbonero (1904-1905). Mudou seu nome (1906) para Juan Gris ao ilustrar o livro de poemas de José Santos Chocano: 'Alma America'(Libreria General de Victoriano Suárez, Madri). Fez ilustrações para os jornais 'Blanco y Negro', 'Madrid Cómico' e 'Papitu'. Mudou-se para Paris (1906) onde tomou parte das primeiras manifestações do cubismo e continuou fazendo ilustrações para as revistas: 'L’Assiette au Beurre', 'Le Charivari', 'Le Cri de Paris', 'Le Frou Frou' e 'Le Témoin'. Introduziu em sua obra os 'papiers collés' (1914) e utilizando essa técnica no quadro 'O violão', deu origem ao que se denominou cubismo sintético. Colaborou com cenários e figurinos para os balés russos de Sergei Diaghilev. Frequentou o Grupo de Puteaux formado pelos irmãos Duchamp, Picabia e Gleizes, tornando-se amigos de Henri Matisse. Realizou exposições individuais em: Paris (1911, 1912,1919, 1921); Dusseldorf, Alemanha (1920); Berlim, Alemanha (1925, 1930); Londres, Inglaterra (1926). Participou do 'Salon des Indépendants' e do 'Salon de la Section d’Or', Paris (1912, 1920); 'Third Juryfreie Kunstschaudu Kunsthaus Lepke', Berlim (1912); 'The New Movement in Art', Londres (1917); 'Exposition Cubiste', Bruxelas (1920);' Exposition d’Avant-Garde', Barcelona (1921); 'Exposition d’estampes modernes', Paris (1924); ' French Art Exhibition', Londres (1926); 'An International Exhibition of Modern Art', itinerante pelos Estados Unidos (1926); entre outras muitas retrospectivas pelo mundo desde a sua morte. BENEZIT; ITAUCULTURAL; DICIONÁRIO OXFORD; www.juangris.org; www.dec.ufcg.edu.br; www.tate.org.uk; www.moma.org; www.artprice.com.



335 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

"Telhados com pombos" - óleo sobre tela - 38 x 46 cm - canto inferior direito - 1969 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com etiqueta de Exposição no Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM, no dorso.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



336 - BORJALO (1925 - 2004)

Impaciente - desenho a nanquim - 19 x 28 cm - canto inferior direito -

Caricaturista, Mauro Borja Lopes nasceu em Pitangui, MG. Em 1947 começou a trabalhar, na Folha de Minas, com caricaturas esportivas; a seguir , no Diário de Minas, com caricaturas políticas; no Rio de Janeiro, a partir de 1953, nas revistas: O Cruzeiro, A Cigarra e Manchete. Figurou também nas publicações estrangeiras: Washington Post, Sport Life, Stag, Picture Post, Sport et Vie, Sétimo Giorno, Aptonbladet e Combate. Participou do álbum Seis Desenhistas Brasileiros de Humor (1962) e foi premiado no Festival de Bordighere. Exposições coletivas: em 1997: São Paulo, Belo Horizonte e Campinas; em 1998: Brasília e Penápolis, SP. ITAÚ CULTURAL; MEC VOL.1, PÁG. 252.



337 - LIVIO ABRAMO (1903 - 1992)

"Macumba" - litografia - 29,5 x 39 cm - canto inferior esquerdo - 1959 -
Com a seguinte dedicatória: "Oferece com um abraço ao Quirino cordialmente."

Gravador, desenhista, pintor, ilustrador, jornalista e professor, nasceu em Araraquara, SP e faleceu em Assunção, Paraguai. Mudou-se para São Paulo, onde, em 1909, estudou desenho com Enrico Vio no Colégio Dante Alighieri. No início dos anos de 1920, fez ilustrações para pequenos jornais e entrou em contato com a obra de Oswaldo Goeldi e de gravadores expressionistas alemães. Realizou as primeiras gravuras em 1926. Em 1947, ilustrou o livro ‘Pelo Sertão’, do escritor Afonso Arinos de Mello Franco, publicado em 1949. Com essa série de ilustrações, apresentadas no Salão Nacional de Belas Artes, obteve o prêmio de viagem ao exterior. Seguiu para a Europa em 1951. Em Paris frequentou o Atelier 17, aperfeiçoando-se em gravura em metal com Stanley William Hayter. De volta ao Brasil, foi premiado como o melhor gravador nacional na Bienal Internacional de São Paulo, nas edições de 1953 e de 1963. Deu aulas de xilogravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Foram seus alunos, entre outros, Maria Bonomi e Antonio Henrique Amaral . Fundou o Estúdio Gravura, em 1960, com Maria Bonomi. Em 1962, foi convidado pelo Itamaraty a integrar a Missão Cultural Brasil-Paraguai, posteriormente Centro de Estudos Brasileiros. Mudou-se para o Paraguai e dirigiu até 1992, o Setor de Artes Plásticas e Visuais. Foi fundador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Paraguai. PONTUAL, PÁG. 1, JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 19; MEC VOL.1, PÁG. 33; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 795; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; ACERVO FIEO.



338 - CARYBÉ (1911 - 1997)

Capoeira - desenho a nanquim - 65 x 50 cm - canto inferior direito - 1961 -
Com a seguinte declaração de Solange Bernabó, firmada em 27 de setembro de 2005: " DECLARAÇÃO. Declaro para os devidos fins que a obra aqui reproduzida, medindo 65 x 50 cm, datada de 1961, é um desenho a nanquim sobre papel, colada em placa de duratex, do artista plástico Carybé. O desenho citado foi colorido posteriormente por pessoa desconhecida. Salvador, 27 de setembro de 2005 SOLANGE BERNABÓ".

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



339 - JULIO PLAZA (1938 - 2003)

Composição - dobradura - P.A. - 40 x 58 cm - dorso -
No estado.

Julio Plaza González nasceu em Madri, Espanha e faleceu em São Paulo. Artista intermídia, escritor, gravador e professor. Inicia sua formação artística na década de 1950, com estudos livres em Madri. Posteriormente freqüenta a Escola de Belas Artes, em Paris. Vem ao Brasil em 1967, integrando a representação espanhola que participa da 9ª Bienal Internacional de São Paulo. Ingressa na Escola Superior de Desenho Industrial, no Rio de Janeiro, com bolsa de estudos concedida pelo Itamaraty. Leciona linguagem visual e artes plásticas, como artista residente, na Universidade de Puerto Rico (1969 e 1973). Em seguida, muda-se para São Paulo, onde se torna professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e da Fundação Armando Álvares Penteado. Funda, em 1978, o Centro de Artes Visuais Aster, com Donato Ferrari , Walter Zanini e Regina Silveira , com quem foi casado. Publica com Augusto de Campos os livros ‘Caixa Preta’ e ‘Poemóbiles’(1975), é autor de publicações teóricas sobre arte, como ‘Videografia em Videotexto’ (1986) e ‘Os Processos Criativos com os Meios Eletrônicos: Poéticas Digitais’, com Monica Tavares (1998). Na década de 1990, leciona no Instituto de Artes da Unicamp. Realizou muitas exposições individuais; participou de inúmeras mostras oficiais e exposições póstumas foram realizadas em São Paulo (2003, 2004). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 921; MEC VOL.3, PÁG. 423; www.acervos.art.br; artprice.com.



340 - DIONISIO DEL SANTO (1925 - 1999)

Composição - guache - 24 x 18 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



341 - PAULO CALAZANS (1947 - 2016)

"Varal da Alameda Itu" - acrílico sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso -

Mineiro de Caratinga, onde nasceu a 25 de maio de 1947. Gravador, desenhista, fotógrafo e poeta. Dos 15 aos 30 anos executou trabalhos na área visual (pintura, ilustração, gravura, fotografia, cenografia, entre outros), o que gerou a sua formação atual. Sua obra reflete várias tendências, ora passando uma releitura na História da Arte no período 1300/1950, ora desenvolvendo imagens a partir do inconsciente racionalizado. Individuais e coletivas a partir de 1983, com premiações. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 49.



342 - CARMELA PEREIRA (1936)

A banda - óleo sobre eucatex - 40 x 60 cm - canto inferior esquerdo - 21/11/1992 -

Natural de Piracicaba (SP), onde ainda reside, Carmela Pereira nasceu em 1936. Foi criada em orfanato e trabalhou grande parte de sua vida como empregada doméstica. Freqüentando o SESC Piracicaba e participando da Escola Aberta da Terceira Idade, Carmela foi descoberta como pintora naïf em 1991, quando foi convidada para fazer a sua primeira exposição individual no próprio SESC. Até então, desde 1978, pintava anonimamente utilizando telhas, pedaços de madeira, duratex e, eventualmente, tela. Além de pintar e fazer esculturas, escreve poesias, contos e histórias infantis. Escreveu e conseguiu publicar o "Manual da Empregada Doméstica", um livro de Contos de Natal e outros escritos. Carmela Pereira sempre foi selecionada nas Bienais Naïfs do Brasil, tendo recebido o Prêmio Aquisição, em 1994, e Prêmio Ilustração, na edição deste ano, com a obra "Meu Castelo de Flores", expressiva composição plástica de grande lirismo e suavidade. SESC - SP.



343 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)

Flores - serigrafia - 110/500 - 59 x 40 cm - canto inferior direito na tela serigráfica - 21/04/1958 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



344 - BRUNO LECHOWSKY (1889 - 1941)

Paisagem - aquarela - 20 x 24 cm - não assinado -
Com carimbo do Governo Polonês no dorso, datando a obra entre 1928 e 1930, e autenticando em 03/11/1941.

Natural da Polônia, este grande pintor e professor veio para o Brasil em 1926, fixando-se inicialmente no Paraná, para depois vir a residir de forma permanente no Rio de Janeiro, o qual pintou com todas as cores e luzes. Integrou o Núcleo Bernardelli, onde orientou mestres como Tamaki, Takaoka, e principalmente Pancetti, a quem chegaria a marcar, inclusive nas cores chapadas. TEODORO BRAGA, pág. 139; PONTUAL, pág. 305; MEC, vol. 2, pág. 465; TEIXEIRA LEITE, pág. 281/282; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 449; ARTE NO BRASIL, pág. 764.



345 - FULVIO PENNACCHI (1905 - 1992)

"Colheita" - acrílico sobre duratex - 50 x 70 cm - canto inferior direito e dorso - 1980 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com etiqueta do ateliê do autor n° 010-101142-80 B, no dorso.

Pintor, ceramista, desenhista, ilustrador, gravador, professor nascido na cidade de Villa Collemandina, Itália e falecido em São Paulo. Em 1924 foi para Lucca e iniciou sua formação artística no ‘Regio Istituto di Belle Arti’ onde teve aulas com o pintor Pio Semeghini. Mudou-se para São Paulo em 1929 e dedicou-se a diferentes atividades até 1933, quando passou a auxiliar Galileo Emendabili na execução de monumentos funerários. Em 1935, conheceu Francisco Rebolo, passou a frequentar seu ateliê e conviveu com os artistas do Grupo Santa Helena. Nessa mesma época integrou a Família Artística Paulista e iniciou a produção de painéis em afresco e óleo para residências, igrejas, hotéis e outras edificações, destacando-se os afrescos de grandes dimensões para a Igreja Nossa Senhora da Paz, no bairro do Glicério, executados entre 1941 e 1948. Em 1965, iniciou um período de recolhimento e manteve-se afastado das exposições e do circuito artístico. Em 1973, reabriu seu ateliê e recebeu diversas homenagens no Brasil e na Itália. Nesse mesmo ano conheceu a ceramista Eunice Pessoa e com ela desenvolveu um grande número de peças que foram expostas em 1975. Sem nunca ter abandonado as atividades artísticas, voltou a figurar em diversas mostras e continuou a produzir painéis em afresco. Em 1980, Pietro Maria Bardi publicou um livro sobre sua obra. Nove anos depois, foi lançado o livro ‘Ofício Pennacchi’, organizado por Valério Antonio Pennacchi, responsável também pela publicação, em 2002, do livro ‘Fulvio Pennacchi: Pintura Mural’. Importante retrospectiva da obra do artista foi realizada, em 1973, no MAM - São Paulo. TEODORO BRAGA, PÁG. 192; MEC, VOL, 3, PÁG. 365; WALMIR AYALA, VOL, 2, PÁG. 182; PONTUAL, PÁG. 416; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 740; ACERVO FIEO.



346 - STEPHAN ELEUTHERIADES (1922)

Procissão - desenho a lápis de cor - 16 x 16,5 cm - canto inferior esquerdo - 1966 -

Pintor e arquiteto, Stephan Cleobule Eleutheriades nasceu em Mangália - Romênia, filho de pai grego. Em Bucareste, formou-se arquiteto e se iniciou na pintura participando do Salão da Juventude Artística. Transferiu-se para o Rio de Janeiro (1951) onde desenvolveu sua carreira de arquiteto e pintor. Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro (1956, 1962, 1965, 1968, 1972, 1977, 1984, 1986); em Belo Horizonte, MG (1973); em Juiz de Fora, MG (1979, 1980); em São Paulo (1986). Participou de várias mostras coletivas e oficiais como: Salão de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1952); Bienal Internacional de São Paulo (1959). Recebeu Menção Honrosa no Rio de Janeiro (1953). MEC VOL. 2; PÁG. 92; PONTUAL PÁG. 191; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 354; VOL. 3, PÁG. 370; http://lardulcilar.blogspot.com.br/2010/05/beleza-para-todo-o-sempre.html.



347 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Composição - técnica mista - 50 x 43 cm - centro -
Vicente Fusco.



348 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Cavalo - xilogravura - 17 x 16 cm - centro inferior - 1944 -

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



349 - GUIMA (1927 - 1993)

Paisagem - óleo sobre tela - 19 x 24 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1972 -

Pintor e desenhista de mérito invulgar, Guima era paulista de Taubaté, residiu por muitos anos no Rio de Janeiro e praticava o figurativismo expressionista, por vezes eivado de notas líricas, de outras descambando para o fantástico. MEC, vol. 2, pág. 306; PONTUAL, pág.257; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 377/8; JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 407; ITAÚ CULTURAL.



350 - ALFRED KOENIG (XX)

Baiana - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo - Rio de Janeiro -

Pintor suiço, viveu nos Estados Unidos e no Brasil. Participou de diversas exposições e mostras oficiais.



351 - MENASE WAIDERGORN (1927)

"Beco em Ouro Preto" - óleo sobre tela - 30 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940), onde conheceu Dario Mecatti. Viajou pelo norte da África e Europa. Participou de diversos salões, coletivas oficiais e recebeu diversos prêmios. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



352 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Composição - aquarela - 20 x 24 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Dr. Noel Grinberg - Rio de Janeiro, RJ. -

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



353 - THEODORO DE BONA (1904 - 1990)

Estudo - sangüínea - 23 x 31 cm - canto inferior direito - 1935 - Veneza -
No estado.

Natural de Morretes, PR, onde nasceu a 11 de junho de 1904, e falecido em Curitiba, PR, em 20/9/1990. Pintor e desenhista.Foi aluno de Gina Bianchi e Ercília Cecchi. Frequentou assiduamente o ateliê do pintor Alfredo Andersen, convivendo com Traple, Freyesleben, Augusto Perneta, Taborda Jr e outros artistas locais. Aperfeiçoou-se na Europa, para onde seguiu em 1927. Estudou na Real Academia de Belas Artes de Veneza, frequentando aulas de Ettore Tito e Vicenzo Stefani. No Brasil, a partir de 1936, expõe com sucesso as suas obras e leciona pintura e desenho na Escola de Belas Artes do Paraná. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 44; ITAÚ CULTURAL.



354 - SAID AHMADY (XX)

"Passeio na praia" - óleo sobre tela - 70 x 100 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, professor autodidata nascido em Teerã, Irã. Seu interesse pela arte começou ainda menino ao pintar aquarelas e, um pouco mais tarde, ao produzir serigrafias em sua terra natal. Descobriu sua paixão pela técnica quando se mudou para o Brasil, Rio de Janeiro (1983). Desde 1989, expõe seus trabalhos em espaços culturais, galerias e salões de arte. Realizou exposição individual em Paraty, RJ (2010). www.paratyonline.com.



355 - IBERÊ CAMARGO (1914 - 1994)

"Figuras" - técnica mista sobre papel Schoeller - 102 x 71 cm - centro inferior e dorso - 06/02/85 - Porto Alegre -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com etiqueta nº 4458 de Cláudio Gil Studio de Arte - Rua Teixeira de Melo 30 A, Rio de Janeiro - RJ, no dorso.Ex-coleção Deputado Federal Athié Jorge Coury, Santos - SP. Obra cadastrada na Fundação Iberê Camargo, com documentação em arquivo para futuro registro.

Pintor, gravador, desenhista, escritor e professor, natural da cidade de Restinga Seca, RS, e falecido em Porto Alegre. Foi aluno de Salvador Parlagreco e João Fahrion. No Rio de Janeiro, a partir de 1942, estudou pouco tempo na Escola Nacional de Belas Artes, trocando-a pelos ensinamentos de Guignard. Fundou com outros artistas o 'Grupo Guignard' (1943). Recebeu o prêmio viagem ao estrangeiro em 1947. Morou dois anos em Paris e Roma, aperfeiçoando-se com De Chirico, Lhote, Achille e Rosa em pintura e com Petrucci, em gravura. Voltou ao Brasil (1950) e tornou-se membro da Comissão Nacional de Artes Plásticas (1952). Fundou o curso de gravura do Instituto Municipal de Belas Artes do Rio de Janeiro (1953), hoje Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Executou painel de 49 metros quadrados (1966) oferecido pelo Brasil à Organização Mundial de Saúde (OMS), em Genebra. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e exterior como Bienal Internacional de São Paulo, Bienal de Arte Hispano-Americana em Madri, Bienal de Veneza, Bienal de Gravuras em Tóquio, entre outras exposições importantes. Foi considerado o Melhor Pintor Nacional na VI Bienal de São Paulo (1961) e conquistou inúmeros prêmios. Entre suas publicações, constam o artigo 'Tratado sobre Gravura em Metal' (1964), o livro técnico 'A Gravura' (1992) e o livro de contos 'No Andar do Tempo: 9 contos e um esboço autobiográfico' (1988). MEC, VOL.1, PÁG.328; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.156; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.51; TEIXEIRA LEITE, PÁG.101; PONTUAL, PÁG.100; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 853; LEONOR AMARANTE, PÁG. 127; www.iberecamargo.org.br; brasilescola.uol.com.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



356 - IUR SERAVAT FULAM (1959)

"Série disputa por espaço 02" - acrílico sobre papel - 30 x 42 cm - canto inferior esquerdo - 2016 -

Pseudônimo do autor. Natural de São Paulo (SP), filho primogênito de um casal ligado à atividade cultural (pai artista gráfico e plástico e mãe escritora). Autodidata neste campo, embora tenha tido grande estímulo para o desenho e a pintura acompanhando a atividade artística de seu pai, que também foi marchand a partir da década de 60, permitindo que tivesse estreito contato e pudesse realizar uma grande experimentação ao longo dos anos tanto para a linguagem figurativa com temas ligados ao cotidiano, como para a geométrica. É professor universitário e consultor na área de assuntos públicos e instituições políticas.



357 - CARLO BRANCACCIO (1861 - 1920)

Veneza - aquarela - 26 x 34 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Nasceu e faleceu em Nápoles. Participou de inúmeras exposições e Salões oficiais em Nápoles, Milão, Londres, Mônaco, Paris (1902 a 1904, 1907) e Buenos Aires. JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 173; BENEZIT, vol.2, pág. 270.



358 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato" - acrílico sobre papel - 28,5 x 25,5 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



359 - FAUSTO PIRANDELLO (1899 - 1975)

Nu - óleo sobre tela - 87 x 60 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e escultor italiano nascido e falecido em Roma. Filho do escritor siciliano Luigi Pirandello. Estudou na Academia de Belas Artes de Roma e, em seguida, foi para Paris (1927 a 1932). Realizou exposições individuais em Roma, a partir de 1925. Participou de várias mostras coletivas oficiais: Bienal de Veneza (a partir de 1926); Quadrienal de Roma (a partir de 1935); Grupo Corrente, Milão (1939); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1957); Exposição Internacional de Pittsburgh (1955). Recebeu o Prêmio do Conselho de Roma na Quadrienal de Roma (1951); o 'Marzotto Prize', Valdagno (1953) e o Prêmio Fiorino, Florença (1957). BENEZIT; ITAUCULTURAL; www.associazionefaustopirandello.it; www.scuolaromana.it www.artprice.com.



360 - MESTRE SAÚBA (1953)

Zé Matuto vai à praia - escultura em madeira e tecido, pintada. - 40 x 19 x 102 cm -

Antonio Elias da Silva nasceu em Carpina, Pernambuco. É conhecido pelo apelido que ganhou ainda jovem - Mestre Saúba, o qual faz referência ao fato dele ter conseguido retirar um relógio de dentro de um grande formigueiro de saúbas. Confecciona bonecos de mamulengo, arte que aprendeu com outro mestre de Carpina, Pedro Rosa. Além de escultor, é um exímio dançarino e juntamente com D. Lindalva, uma boneca de madeira em tamanho natural, faz um espetáculo pitoresco que sempre atrai centenas de pessoas nos lugares onde se apresenta. Também é ventríloquo e contracena com o boneco Benedito e outros. Já trabalhou com Alceu Valença, Marisa Monte e Antônio Nóbrega. Em São Paulo, trabalhou na montagem de ‘Cadê o Meu Herói’ no Centro Cultural São Paulo. Morou durante alguns anos em Itapecerica da Serra, SP, mas atualmente vive em sua terra natal, Florestina, município de Carpina, Pernambuco. Fez exposições por todo o país e nos Estados Unidos. Há bonecos de sua autoria em museus e coleções particulares espalhados por todo o Brasil, como o Museu Casa do Pontal (Rio de Janeiro, RJ) e o Centro Cultural São Francisco (João Pessoa, PB). ITAU CULTURAL; artepopularbrasil.blogspot.com.br; EM NOME DO AUTOR - BETH LIMA E VALFRIDO LIMA, PROPOSTA EDITORIAL; www.galeriaestacao.com.br; culturanordestina.blogspot.com.br; www.popular.art.br; www.artedobrasil.com.br.



361 - SUETONIO MEDEIROS (1970)

Nu - escultura em politetrafluoretileno - 09 x 33 x 15 cm - assinado -

Alagoano, Suetônio Cícero Medeiros ministra aulas de desenho na Fundação Cultural de Blumenau (FCB). Desenvolve uma linguagem própria independente de escola ou estilo, realizando trabalhos nas mais diversas áreas artísticas, como a pintura, escultura, desenho, restauração, modelagem, maquetaria, fundição e metalgrafia. Suas obras baseiam-se em estudos desenvolvidos acerca de filósofos gregos pitagóricos que defendiam a obtenção da harmonia através da proporção da freqüência, enfatizando a crescente necessidade de se conseguir harmonizar as partes com o todo. Realizou várias exposições coletivas e individuais.https://semanadeartesdafurb.wordpress.com/curriculos/



362 - ANGELO CANNONE (1899 - 1992)

"Sorrento" - óleo sobre madeira - 15 x 39 cm - canto inferior esquerdo e dorso -

Pintor, desenhista e professor nascido em Abruzzo, Itália. Assinava D’Angelo, Angelo Cannone e A. Cannone. Aos cinco anos mudou-se para Nápoles com sua família. Em fins de 1947, veio para o Brasil, residiu algum tempo em São Paulo e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se radicou e lá faleceu. Estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles com Paolo Vetri. Viveu em Roma durante quatro anos com uma pensão conquistada em um concurso em Nápoles. Lecionou desenho no Instituto Técnico. Expôs individualmente em São Paulo (1947, 1993) e no Rio de Janeiro (1947, 1973, 1980, 1984). Foi premiado, na Itália, em: 1922, 1925, 1929, 1941 e, no Brasil, em 1960. Em 1972 pintou o retrato do papa Pio X, em tamanho natural, que está na Igreja dos Italianos, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 168; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 187; VOL. 3, PÁG. 203; VOL.8, PÁG. 165; VOL. 9, PÁG. 171; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com; www.arcadja.com.



363 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - técnica mista - 56 x 75 cm - canto inferior direito - 1985 -

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



364 - NICOLO BARABINO (1832 - 1891)

Cristo - "Cópia di Velazquez" - óleo sobre tela - 84 x 61 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor italiano nascido em Sampierdarena – Gênova e falecido em Florença. Iniciou seus estudos artísticos na ‘Accademia Ligustica di Belle Arti’ e, em 1857, recebeu uma bolsa de estudo para a Academia de Belas Artes de Florença. Em 1856 expôs, em Florença, ‘Madone Consolatrice’ e ‘Death of Pope Boniface VIII’ com grande sucesso. Em 1859 pintou ‘Consolatrix afflictorum’ para a capela do hospital de Savona. Viajou para Paris (1880) e três anos depois realizou uma longa viagem pela Espanha. Em 1887 expôs em Veneza e, uma de suas pinturas (‘Madonna - Quasi Oliva Speciosa in Campis ‘), foi comprada pela rainha da Itália. Trabalhou predominantemente em Gênova onde seus afrescos ‘Galileo before the Inquisition’, ‘Caponni Appearing before Charles VIII’ e ‘Sicilian Vespers ‘podem ser encontrados no Palácio Celesia. Trabalhou junto com Luigi Ferrario no Teatro Carlo Felice’. BENEZIT; www.arte.it; www.artprice.com.



365 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)

Chama - escultura em bronze - 27 x 18 x 18 cm - assinado -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. Obs.: Medida acima não contempla a base. Medida da base: 25 x 26 x 26 cm.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



366 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)

Orando - matriz de xilogravura - 17,5 x 11 cm - assinado -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



367 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Meninos e cão - desenho a nanquim e aquarela - 30 x 20 cm - canto inferior direito ilegível - 1949 -



368 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Figuras - técnica mista - 20 x 15 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



369 - NELSON SARGENTO (1924)

Composição - guache - 14 x 10 cm - canto inferior direito -

Autodidata - pintor, compositor, cantor, escritor, músico e ator, Nelson Mattos nasceu no Rio de Janeiro, RJ. Foi sargento do Exército de 1945 a 1949, daí o apelido que tomou como nome artístico após ter participado do musical "Rosa de Ouro". A partir de 1982, passou a conciliar a carreira de músico com a de artista plástico. Expôs no Rio de Janeiro em: 1973, 1983, 1993 – Museu da Imagem e do Som, 1994, 1995 – Museu do Folclore, 1998, 1999 - Museu da Imagem e do Som. dicionariompb.com.br; artenaifrio.blogspot.com.br.



370 - BARBARA CRISTINA DEISTER (XX)

"Madona" - acrílico sobre eucatex - 19 x 24 cm - canto inferior direito e dorso - 2007 -
Com certificado do Museu Internacional de Arte Naif do Brasil - MIAN, nº 6045 firmado por Lucien Finkelstein, no dorso.

Pintora autodidata nascida no Rio de Janeiro. Realizou sua primeira individual nas salas de leitura da Biblioteca Popular de Botafogo, da Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, RJ. Participou de mostras coletivas, destacando-se a da Feira de Artesanato promovida pelo Sindicato dos Artesãos na cidade de Miguel Pereira, RJ. www.acasa.org.br/autor/barbara-cristina-deister.



371 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulatas - serigrafia - P.A. - 52 x 44 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



372 - MARIO ZANINI (1907 - 1971)

Paisagem - óleo sobre tela - 50 x 65 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



373 - CÉLIA NAHAS GARCIA (XX)

"Bellíssima" - técnica mista e colagem - 57 x 81 cm - canto inferior direito -

Artista plástica nascida em São Paulo. É pedagoga e desenvolve sua arte como autodidata. Realizou exposições individuais em São Paulo (2013, 2014) e tem participado de inúmeras mostras coletivas e oficiais, destacando-se: 'Exposição Museo do Café' (2013);?'Artexpo New York', Nova York -



374 - HOLMES NEVES (1925 - 2008)

Favela - desenho a nanquim - 31 x 23 cm - canto inferior direito - 1959 -

Natural de Lima Duarte, MG. Pintor, desenhista e gravador. Fixou residência no Rio de Janeiro, após estudos com Guignard, Misabel Pedrosa e Edite Behring em Belo Horizonte. Sobre a sua obra, transcrevemos texto de Henrique Pongetti, na apresentação do artista no catálogo de sua mostra HOLMES Neves: pinturas, na Galeria de Arte e Pesquisa da UFES, 1978: ". . . Eu gosto muito da pintura de Holmes, dos seus quadros de Ouro Preto, motivo insistente e fascinante na sua obra. Se o tema e certa sutileza de feitura nos lembra o Mestre, há hoje na sua arte uma autonomia indiscutível, as marcas de uma inconfundível personalidade. Suas cidades mortas não surgem envoltas na melancolia acinzentada que parecia refletir nas paisagens a alma infantil e ao mesmo tempo infeliz de Guignard. Sobre a pátina do tempo suas casas e igrejas, transfiguradas pela luz montanhesa, recebem cores festivas, reconquistam a mocidade, revivem. " TEIXEIRA LEITE, pág. 352; JULIO LOUZADA, vol.10, pág. 425; ITAÚ CULTURAL; PONTUAL, pág. 383; Acervo FIEO.



375 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato Vermelho com Vaso de Flores" - acrílico sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2002 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



376 - INOS CORRADIN (1929)

Menina - serigrafia - 16/100 - 70 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



377 - TORQUATO BASSI (1880 - 1967)

Casa de pescador - óleo sobre tela colada em eucatex - 26 x 37 cm - canto inferior direito -

Nascido em Ferrara / Itália, veio para o Brasil ainda muito jovem, fixando-se em São Paulo, onde desenvolveu sua vida artística. Participou durante anos do Salão de Belas Artes do Rio de Janeiro, Salão Paulista de Belas Artes e de mostras de pintores italianos. Tem obras na Pinacoteca do Estado de São Paulo e no Museu Paulista de Belas Artes. TEODORO BRAGA, pág. 47; PONTUAL, pág. 58; MEC, vol. 1, pág. 188; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 89; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



378 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 80 x 120 cm - canto inferior direito -

Nascida em 1961, na cidade de Maringá/PR, Irineide Klöckner iniciou sua carreira artística em 1983, e passou pelos mais variados campos das artes plásticas, vivenciando as mais diversas técnicas de pintura. Desde 2000, Irineide dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte Irineide expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, Klöckner participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil.



379 - SILVIA ALVES (1947)

"Saco da Ribeira" - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1993 - Ubatuba -

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



380 - ANGELO AGOSTINI (1843 - 1910)

Dom Pedro II - desenho a nanquim - 57 x 41 cm - canto inferior esquerdo -

Angelo Agostini nasceu em Vercelli, Itália e faleceu na cidade do Rio de Janeiro, onde residia e era ativo. Caricaturista, ilustrador, desenhista, crítico, pintor, gravador. Estudou desenho em 1858 em Paris, Fixa residência em São Paulo a partir de 1860, e quatro anos depois funda, com Luís Gonzaga Pinto da Gama e Sizenando Barreto Nabuco de Araújo, o semanário liberal Diabo Coxo. Em 1866, cria, com Américo de Campos e Antônio Manuel Reis, o jornal O Cabrião, periódico semanal, no qual publica sátiras sobre a Guerra do Paraguai. Muda-se para o Rio de Janeiro e passa a colaborar no periódico O Arlequim e na revista Vida Fluminense, além de outros periódicos. Durante a campanha abolicionista, Agostini publica na revista a série de caricaturas Cenas da Escravidão, em que, fazendo referência aos passos da paixão, apresenta, em 14 ilustrações, diversas formas de tortura a que eram submetidos os negros cativos. TEODORO BRAGA, pág. 35; LAUDELINO FREIRE, pág. 155; REIS JR., pág. 206; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 17; PONTUAL, pág. 6; TEIXEIRA LEITE,pág. 14; ITAÚ CULTURAL.



381 - LUIS SEOANE (1910 - 1979)

Figura - têmpera sobre cartão - 57 x 35 cm - canto superior esquerdo - 1957 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, ilustrador, escritor, advogado nascido em Buenos Aires, Argentina e falecido em A Corunha, Espanha. Em 1910 foi, com seus pais, para a A Corunha, Galícia e, em 1920, mudou-se para Santiago de Compostela onde se formou em Direito e Ciências Sociais (1932). Realizou suas primeiras exposições entre 1927 e 1933. Volta para A Corunha e atuou como advogado trabalhista e participou de atividades políticas. Foi para Buenos Aires quando começou a Guerra Mundial. Publicou livros e revistas. Em 1949 viajou para a Europa, expôs em Londres e conheceu Henry Moore, Herbert Read, Lucien Freud, Pablo Picasso, Oscar Dominguez; em 1952 a 1962 expôs em Nova York; em 1963 a 1979 expôs na Espanha, Alemanha, Itália, Suíça, Brasil. Recebeu prêmios em 1958 na Argentina e em Bruxelas. BENEZIT VOL. 9, PÁG. 525; www.luisseoanefund.org; web.artprice.com; www.britannica.com; www.artnet.com.



382 - ULYSSES FARIAS (1960)

"Plano azul" - técnica mista - 30 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Desenhista, pintor, fotógrafo, escultor, poeta e professor nascido em São Paulo. Tem participado de muitos eventos culturais, mostras e Salões oficiais em Socorro, SP (2006 a 2014); Brasília, DF (2010); Mairiporã, SP (2007); São Paulo (2013). Recebeu, em 2012, o primeiro lugar em um concurso de fotografias.



383 - ORLANDO BRITO (1920 - 1981)

"Rua" - óleo sobre tela - 16 x 24 cm - canto inferior direito e dorso - 1981 - Salvador - BA -

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, foi pintor e desenhista. Ocupou durante vários anos, a cadeira de Desenho e Pintura do Instituto de Belas Artes, além de ser membro do juri do SNBA, ambos no Rio de Janeiro. Realizou individuais em diversas Galerias de Arte do Rio de Janeiroe participou também de várias exposições pelo interior do Brasil. Expôs no SNBA-RJ, nos anos de 1954, 1962, 1965 (obtendo neste o Grande Prêmio IV Centenário da cidade), e 1967. JULIO LOUZADA vol.11, pág.44; ITAÚ CULTURAL.



384 - MARIA WOCHNIK (XX)

Natureza morta - pintura sobre azulejo - 15 x 15 cm - canto inferior direito -
Obra executada no Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP.

Pintora radicada em São Paulo, foi participante temporária da Osirarte, conforme citação no catálogo Osirarte - Pinacoteca do Estado de São Paulo - 1985



385 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Paisagem com cavalo - óleo sobre tela - 38 x 61 cm - canto inferior esquerdo e dorso -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



386 - HÉRCULES BARSOTTI (1914 - 2010)

Composição - serigrafia - P.A. - 50 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, programador visual, gravador, nascido e falecido em São Paulo, SP. Iniciou-se nas artes em 1926, estudando desenho e composição com o pintor Enrico Vio. Começou a pintar em 1940 e, na década seguinte, realizou as primeiras pinturas concretas, além de trabalhar como desenhista têxtil e projetar figurino para o teatro. Em 1954, com Willys de Castro, fundou o Estúdio de Projetos Gráficos, elaborou ilustrações para várias revistas e desenvolveu estampas de tecidos produzidos em sua tecelagem. Foi para a Europa (1958) com o intuito de estudar novas tendências e aprimorar suas técnicas. Foi premiado no Salão Paulista de Arte Moderna (1958, 1959), no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1960) e realizou diversas exposições individuais. Na década de 1960, foi convidado por Ferreira Gullar a integrar-se ao Grupo Neoconcreto do Rio de Janeiro e participou das exposições de arte do grupo realizadas no Ministério da Educação e Cultura, RJ e no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1960, expôs na mostra 'Konkrete Kunst' (Arte Concreta), organizada por Max Bill, em Zurique. Entre 1963 e 1965, colaborou na fundação e participou do Grupo Novas Tendências, em São Paulo. Participou da IV, V, VI e VIII Bienal Internacional de São Paulo; do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP, entre outras exposições oficiais. Em 2004, o MAM - SP organizou uma retrospectiva do artista. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PAG. 98; VOL. 2, PÁG. 108; ITAU CULTURAL; PONTUAL PÁG. 57; MEC VOL. 1; PÁG. 187; www.pinturabrasileira.com; www.macvirtual.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



387 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Cavaleiros árabes - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - não assinado -



388 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Minotauro cego" - óleo sobre tela - 23 x 33 cm - canto inferior direito e dorso - 2004 -

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



389 - MAGDA STÁBILE (1952)

Espanhola - óleo sobre tela - 60 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintora nascida em São Paulo, Capital, em 28/11/1952. Graduada pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Frequenta os cursos de arte da Escola Panamericana de Artes, SENAI, SESC e do MUBE. Recebe orientações dos professores Franulic, Adelino Rodrigues, Herman Sedoya, Antonio Santos Lopes e Carmen Rolim Arruda. Individuais em 1998 e coletivas a partir de 1978. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 311



390 - LUIS TOMASELLO (1915 - 2014)

Composição - escultura de parede em madeira - d= 44 cm - dorso - 1974 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e escultor argentino nascido em La Plata. Quando adolescente teve aulas de desenho, frequentou a ‘Nacional de Bellas Artes Prilidiano Pueyrredón’ em Buenos Aires (1932 a 1938) e a ‘Escuela Superior de Bellas Artes Ernesto de la Cárcova’ (até 1944). Conviveu com os pintores Emilio Pettoruti e Carmelo Arden Quin. Viajou a Paris (1951) e para lá se mudou em 1957 onde havia uma comunidade latina americana de artistas cinéticos. Realizou muitas exposições individuais, participou de mostras coletivas e oficiais. Executou muitas obras públicas na Argentina, França, México e Estados Unidos. Sua obra ‘Chromoplastic Mural ‘(2011) pode ser vista no ‘Nelson-Atkins Museum of Art’ em Kansas City. BENEZIT; www.sicardi.com; www.artprice.com.



391 - WALDYR MATTOS (1916)

Barco - óleo sobre tela - 46 x 55 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 03/03/1985 -

Natural da cidade do Rio de Janeiro, onde nasceu a 21/6/1916. Segundo Carlos Cavalcanti, o autor "... Essencialmente figurativo, com algumas incursões sem muito sucesso pela abstração (...) entregou-se ao trabalho dentro dos postulados Pop-Nova Figuração, procurando criar uma arte de acento popular, de fundo urbano, ou suburbano, com forte referência ao social." Individuais a partir de 1960 e coletivas desde 1952. JULIO LOUZADA, vol. 12 - pág 431



392 - DAVI (1950)

Hortênsias - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - canto inferior esquerdo -

Dagoberto Vito, DAVI, nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 5/4/1950. A partir de 1963 dedica-se à pintura floral por influência do professor Rancoleto Lubra. Em 1987 representa o Brasil em evento da Riotur em Paris, onde foi premiado com uma Bolsa de Estudos. Expõe individualmente desde 1983 e coletivamente a partir de 1972. JULIO LOUZADA vol.10, pág. 269.



393 - REINALDO MANZKE (1906 - 1980)

Choupana - guache - 20 x 15 cm - canto inferior direito -

Pintor, nascido e falecido em Blumenau, SC. Participou regularmente do Salão Paulista de Belas Artes, recebendo premiações diversas. JULIO LOUZADA, vol 9, pág, 529. MEC, VOL, 3,pág, 65. PONTUAL,pág,335; TEODORO BRAGA; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



394 - HUGO DEMARCO (1932 - 1995)

Quadrados - serigrafia - 3/75 - 64 x 49 cm - canto inferior direito -
Obra editada por Denise René - Paris - França. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

HUGO DEMARCO (1932 – 1995) Desenhista, pintor, escultor cinético e professor, Hugo Rodolfo Demarco nasceu em Buenos Aires, Argentina e faleceu em Paris. Estudou na Escola de Belas Artes de Buenos Aires onde foi professor de desenho e gravura. Instalou-se em Paris, em 1963, graças a uma bolsa do governo francês. Realizou muitas individuais pela Europa e na Galeria Denise René - Paris (1968, 1981, 1994). Participou também de várias mostras coletivas e oficiais pelo mundo como a Bienal de Paris (1967), "The Responsive Eye" - Nova York (1965); Documenta de Kassel - Alemanha (1968), entre outras; e das manifestações em torno do movimento: em 1967, no Museu de Arte Moderna da cidade de Paris - ‘Mouvement II em 1964’, ‘Lumière et Mouvement’ e ‘Art Cinétique’; na Galeria Denise René - ‘Structures, Lumière et Mouvement’ e em 1996, Galeria Denise René - ‘Lumière et Mouvement’. BENEZIT VOL. 3, PÁG. 484; www.hugodemarco.com; artprice.com; artnet.com; artfact.com.



395 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)

Quintal - óleo sobre eucatex - 29 x 35 cm - canto inferior direito - 1970 - Guarulhos -

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



396 - RAFAELO CASTELLANI (1966)

Pescador - óleo sobre tela - 16 x 22 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor e desenhista com diversas participações em mostras coletivas e oficiais. JULIO LOUZADA VOL. 12, PÁG. 94.



397 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem surreal - desenho a nanquim - 64 x 50 cm - canto inferior direito ilegível - 1967 -



398 - ESCOLA FRANCESA, SÉC. XIX

Cena romântica - litografia - 30 x 25 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



399 - HARTWING BURCHARD (1920)

"Estrelas sobre o Viaduto do Chá" - serigrafia - 14 x 24 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ.

Pintor alemão, estudou na Universidade de Hamburgo, transferindo-se na década de 60 para o Brasil, naturalizando-se em 1967. Realizou exposições individuais no MASP-SP, no MNBA-RJ e na Galeria Debret-Paris. Também participou da Bienal Nacional de São Paulo, do Salão de Inverno de Paris e do Salão Nacional de Artes Plásticas do Rio de Janeiro, entre outros. WALMIR AYALA vol. 1, pág 140.



400 - CARLOS PEREGRINA RIOS (XX)

Chorando - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1978 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista mexicano com diversas participações em mostras e Salões oficiais. www.artprice.com; www.invaluable.com.



401 - JORDÃO MACHADO (1954)

Tapete - litografia - 14/55 - 70 x 49 cm - canto inferior direito - 1983 - São Paulo -
No estado.

Pintor e desenhista nascido em Goiânia, Goiás, com diversas participações em mostras e Salões oficiais, entre os quais: Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM - SP (1987). ITAUCULTURAL.



402 - FREDERICO BRACHER JUNIOR (1920 - 1984)

Flores - óleo sobre tela - 66 x 54 cm - canto inferior direito - 1948 -

Natural da cidade do Rio de Janeiro e falecido em BH, MG. Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, violinista, professor de pintura e de violino. Inicia seus estudos de pintura com Amilcar Agretti (1931). Sua pintura, durante toda sua carreira, é realizada dentro do modelo acadêmico. Funda a Associação dos Artistas Plásticos de Minas Gerais. Casa-se com Lélia Lenz, com quem tem quatro filhos: Amarilis, Amíriam, Alexandre e Alcione, dos quais os três primeiros tornam-se artistas plásticos. A partir de 1935 realiza várias exposições individuais no Automóvel Clube de Montes Claros MG e no de Belo Horizonte. Em 1938 recebe o Prêmio de Pintura do jornal Estado de Minas. Inaugura, em Montes Claros, sua primeira escola de artes para o ensino de pintura e música, em 1939. Em 1980 realiza no Palácio das Artes de Belo Horizonte uma retrospectiva em comemoração aos seus 50 anos de vida artística. Em 1986, dois anos após sua morte, o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro realiza uma ampla retrospectiva da sua obra, numa mostra que segue para o Museu de Arte de São Paulo, e outras cidades. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 159; ITAU CULTURAL.



403 - HEINZ KÜHN (1908 - 1987)

Composição - monotipia - 31 x 43 cm - canto inferior direito - 1960 -

Pintor nascido em Berlim, Alemanha, e falecido em São Paulo. Iniciou seus estudos em sua terra natal, expondo obras na Alemanha e na França. Transferiu-se para o Brasil em 1950, fixando residência em São Paulo. Realizou exposições individuais em São Paulo (1952, 1956 - MAM, 1959 a 1962). Participou de mostras e Salões oficiais, entre eles: II, III e VIII da Bienal Internacional de São Paulo; II, IX, X e XIV Salão Paulista de Arte Moderna onde conquistou a Medalha de Prata (1952), o Prêmio Aquisição (1955) e a Medalha de Ouro (1965); XVIII Salão Municipal de Belo Horizonte; I Concurso Nacional de Joias - Prêmio de Viagem a Brasília. MEC VOL. 2, PÁG. 430; PONTUAL PÁG. 295; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 688; www.artprice.com.



404 - PAULA KADUNC (1954)

Composição - acrílico sobre tela - 30 x 20 cm - dorso - 2016 -
Registrado sobre o nº 624 do catálogo da autora.

Paula Kadunc, pseudônimo artístico de Maria Paula Kadunc, nasceu em São Paulo. Frequentou um curso clássico de arte e comunicação na época de colégio. Formou-se em historia (1975) e nos anos seguintes realizou viagens de estudo pela Europa, Japão, China e Filipinas. No inicio da década de 80 trabalhou no Museu de Arte de São Paulo como assessora de imprensa e relações publicas auxiliando ainda na curadoria de diversas exposições. Na década de 90 frequentou o ateliê do escultor Paulo Tadee onde trabalhou com desenhos e pinturas geométricas e passou a fundir esculturas em bronze. Estudou técnica de pintura com Marysia Portinari. Tem participado com suas obras de várias exposições coletivas e leilões de arte. Possui obras em diversas coleções particulares e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. www.artemaisnet.com.br/artistas/paula-kadunc.html; www.catalogodasartes.com.br; www.al.sp.gov.br; www.artprice.com; www.askart.com.



405 - LUIZ GUALBERTO (1904 - 1963)

Corredeira - óleo sobre eucatex - 28 x 38 cm - canto inferior direito -

Natural da cidade de Bragança Paulista-SP, onde nasceu a 20 de fevereiro de 1904 e falecido em São Paulo, Capital, a 29 de novembro de 1963. Pintor desenhista, assinava suas obras LUIZ GUALBERTO. Foi aluno do festejado pintor Campos Ayres. Mudou-se para São João da Boa Vista-SP em 1930, a fim de lecionar desenho no antigo Ginásio do Estado. Lá conviveu com Araújo Lima. O artista retratou de forma poética a paisagem sanjoanense, com seus rios, montanhas e crepúsculos. JULIO LOUZADA, vol. 8 pág. 375; Acervo FIEO.



406 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Bandeirinhas e mastro - serigrafia - 96/100 - 28 x 37 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



407 - CLÓVIS KROSCHINSKY (1932)

Árabes - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor e desenhista nascido em Potirendaba, SP. Iniciou-se na pintura em 1969. Participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais. Recebeu os seguintes prêmios no: 5º Salão de Artes Plásticas da ITAP (1980); I Salão Nacional de Artes Plásticas (1982); Sociedade Brasileira de Belas Artes (1982); 2º Salão Nacional de Artes Plásticas Jean Batista Debret (1983); 8º SNAR Alberto Santos Dumont (1983); Exposição de Arte no Bahia Oton Palace Hotel, Salvador, BA (1983); 3º Salão Nacional de Artes Plásticas no Museu da Aeronáutica (1983). JULIO LOUZADA VOL. I, PÁG. 515.



408 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Meia noite - serigrafia - P.A. - 52 x 44 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



409 - JOSÉ BARRETO RIBEIRO DE MENESES (1906 - XX)

Paisagem - óleo sobre madeira - 37 x 45 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista alagoano, autodidata, ativo no Rio de Janeiro. Participou do Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo, SP (1939, 1940) e do II Salão do Instituto de Belas-Artes do Rio Grande do Sul (1940) onde obteve Medalha de Prata. MEC VOL. 3, PÁG. 140; ITAUCULTURAL.



410 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Frutas - gravura - 50/100 - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 1995 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



411 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Rendeira - litografia - 32/350 - 44 x 44 cm - canto inferior direito - 1978 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



412 - EMILIO WOLFF (XX)

Paisagem - óleo sobre madeira - 40 x 32 cm - canto inferior direito -

Pintor ativo em São Paulo, SP, onde realizou exposição individual na Galeria Prestes Maia (1960), e recebeu medalha de Bronze no SPBA-SP (1963) JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 1177.



413 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata com violão - serigrafia - P.I. - 48 x 31 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



414 - HILÁRIO ZARZANA (1934 - 1991)

Flores - óleo sobre eucatex - 31 x 40 cm - canto inferior direito - 1988 -

Paulistano, o pintor HILARIO era também odontólogo, profissão que exerceu paralelamente às artes até 1981, quando passou a dedicar-se integralmente à pintura. Cursou pintura na Faculdade Marcelo Tupinambá e desenho artístico no IUB. A partir de 1981 expõe suas obras, obtendo premiações. JULIO LOUZADA, vol. 13 pág. 166, Acervo FIEO.



415 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

Cabeça de Alexandre - serigrafia - P.A. - 42 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura, em 1929, com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli , entre outros, criou o Núcleo Bernardelli em 1931. Viajou para Estados Unidos em 1945, com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na Art's Students League of New York. Em 1946, foi para a Europa e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na Académie de La Grande Chaumière. Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e freqüentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no Salon d'Automne (Paris) e regressou ao Brasil em 1947. Em 1949, casou-se com a pintora Maria Leontina e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais e também recebeu prêmios nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO.



416 - YOSHIYA TAKAOKA (1909 - 1978)

Cavalo - desenho a nanquim - 21 x 27 cm - canto inferior direito - 1956 -
No estado.

Pintor e desenhista nascido em Tóquio, Japão, veio para o Brasil em 1925, fixando-se no interior de São Paulo, trabalhando na lavoura. Mudou-se para São Paulo, onde ganhava a vida vendendo pastéis, fazendo caricaturas e como pintor de paredes. Foi aluno de Bruno Lechowsky no Rio de Janeiro. Foi um dos fundadores do Grupo Seibi, que reuniu artistas plásticos da colônia japonesa em São Paulo (1935). Fundou em 1948, juntamente com Geraldo de Barros e Antonio Carelli, o Grupo dos Quinze. Viveu em Paris de 1952 a 1953, estudando técnica de mosaico; Freqüentou o Núcleo Bernardelli, onde se ligou de amizade a Pancetti. Participou de diversos salões e exposições, nacionais e estrangeiras, recebendo diversas premiações. PONTUAL, pág. 510; TEIXEIRA LEITE, pág. 490; MEC, vol. 4, pág. 352; TEODORO BRAGA, pág. 220; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 361; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL.



417 - ALUISIO GAVAZZONI (1931)

"Série Portas de Cabo Frio" - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - canto inferior direito e dorso - 1978 -
Com dedicatória no dorso.

Pintor e desenhista, nasceu em Niterói-RJ. Estudou desenho com a pintora Maria Helena Fonseca. Foi discípulo de Domenico Lazzarini, com quem se aperfeiçoou em pintura. Impressionista, imprime aos seus quadros um estilo muito pessoal. O mar é seu tema preferido. Frequentou os atelies de Geraldo Castro, Armínio Paschoal, Lídio Bandeira de Mello, Antenor Finatti, Pedro Betzold, Oscar Tecídio, Laerpe Motta e Manoel Santiago. Individuais desde 1967. O autor participou de inúmeras exposições coletivas, com diversas premiações, conforme nos dá conta a lista publicada na bibliografia abaixo. JULIO LOUZADA, vol 2, página 435. Acervo FIEO. -



418 - JOSÉ RIOS PINTO (1926)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1981 -

Pintor paulista da cidade de Santa Lúcia, onde nasceu a 22 de agosto de 1926. Estudou com Reynaldo Manzke e Campão, na Capital, nas técnicas de óleo e aquarela. Participa dos Salões Oficiais a partir de 1974, havendo recebido mais de 95 prêmios com suas lindas paisagens, que o consagraram. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 824.



419 - ANTONIO GARCIA PASCOAL (1939)

Paisagem - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso -

Assina Pascoal. Pintor nascido em Itapui, SP, em 17 de novembro. Participa de coletivas desde 1990, tendo recebido prêmio, dentre outros, Medalha de Bronze, no SA na CEF em São Caetano do Sul - 1991. JULIO LOUZADA vol.9, pág. 655.



420 - FERNANDO LISBOA (1934 - 1978)

Figuras - desenho a nanquim - 32 x 46 cm - centro inferior - 1976 -

Pintor, escultor, desenhista, gravador, Fernando de Souza Lisboa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou-se no desenho e na pintura em 1961. Em 1968 foi um dos artistas escolhidos pela Adriática Têxtil para reproduzir obras de tapeçarias estampadas. Dedicou-se também à publicidade no Rio de Janeiro. Participou de várias mostras e Salões oficiais como: LXXII e LXXIII Salões Nacionais de Belas Artes, RJ (1967, 1968); Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1969, 1973); ‘Mostra de Arte Sesquicentenário da Independência e Brasil Plástica – 72’, SP (1972); Bienal Internacional de São Paulo, SP (1973). Recebeu Medalha de Bronze no LXII Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1967). JULIO LOUZADA VOL. 6, PÁG. 602, ITAUCULTURAL.



421 - ERNESTO CAPOBIANCO (1918)

"Ouro Preto" - óleo sobre tela - 68 x 90 cm - canto inferior direito e dorso - 1979 -

Pintor ativo em São Paulo. Tem como tema paisagens rurais e casas de colonos. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 177, Acervo FIEO.



422 - THEREZA MIRANDA (1928)

Musical - serigrafia - 16/250 - 31 x 23 cm - canto inferior direito - 2002 -

Desenhista e gravadora, nasceu na cidade do Rio de Janeiro. Estudou com Anna Letycia e Valter Marques, no Ateliê de Gravura do MAM-RJ. "Os cortes de suas estampas são felizes, deixando que os brancos se valorizem dentro da competição. Thereza Miranda está se firmando como um dos valores novos da gravura atual." (Antonio Bento). Individuais em 1970, 1972 e 1974, no Brasil e no Exterior. Coletivas desde 1966, destacando-se as Bienais de Salvador (1966 e 1968), Internacional de Gravura na Polonia (1968 e 1970) e II Internacional de Gravuras na Inglaterra e Bienal de Gravura de Florença (Itália) (1970). JULIO LOUZADA, vol. 3 pág. 744



423 - MANOEL GELLA (XX)

Mesa posta - óleo sobre tela - 55 x 65 cm - canto inferior direito -
No estado.

Manoel Gella Lavadia, pintor natural de Huesca, Espanha. Já pintava quando chegou ao Brasil, em 1948. Participou de diversas exposições coletivas no Peru, Chile, Argentina e Brasil. Realizou , em 1971, exposição individual no Rio de Janeiro e Huesca, Espanha. http://www.galeriazildafraletti.com.br; http://hemeroteca.abc.es



424 - SÁ CORTES (XX)

Baiana - técnica mista - 31 x 22 cm - canto inferior direito -

Pintor com diversas participações em mostras coletivas.



425 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Figura - xilogravura - 32 x 23 cm - canto inferior direito - 1954 -
Com a seguinte inscrição: "Ilustração para o livro Cururu de Paulo Vanzolini - 1954".

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



426 - SERGIO MIGLIACCIO (1936)

Caravana árabe - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Paulistano, nasceu em 26/1/1936. Em 1952, inicia por conta própria seus estudos de desenho, estudando posteriormente com a prof. Alice Moreira. A partir de 1958, foi aluno por seis anos do mestre Edmundo Migliaccio, seu tio, nas técnicas de desenho, pastel e óleo. Desde 1964 pinta profissionalmente, seguindo sua própria intuição na execução de retratos, nus, cenas urbanas, rurais, de gênero e naturezas mortas. Criou para a Industrias Votorantim, motivos para estamparia de tecidos, seguindo as tendências da moda da época. Individuais em 1970 e 1975. Coletivas a partir de 1982, figurando no SPBA-SP e UNAP-SP. JULIO LOUZADA, vol. 3 pág. 739



427 - ALEX TERUZ (1946)

Composição - óleo sobre tela - 59 x 120 cm - canto superior direito e dorso - 1985 -
No estado.

Pintor e professor, é filho do mestre Orlando Teruz. Antonio Bento declarou: "Alexandre optou pela abstração lírica. Faz quadros e painéis na base de grandes acordes de cores. Busca, com empenho, harmonias tonais e, também, de natureza formal para as suas composições, algumas de grande porte." - Coletivas em 1973 e 1991, no Rio de Janeiro. JULIO LOUZADA, vol. 9 pág. 859.



428 - AXEL LESKOSCHEK (1889 - 1976)

Paisagem - aquarela - 25 x 35 cm - canto inferior direito -

Importante gravador, pintor e professor austríaco. Realizou sua formação artística na Áustria e ali publicou álbuns de xilogravuras e águas-fortes. Veio residir no Brasil em 1930, fugindo do nazismo, aqui ficando até 1950. Ilustrou diversas publicações nacionais, entre elas, e principalmente, as edições brasileiras dos romances de Dostoiévski (Ed. José Olimpio). Foi professor, entre outros, de Renina Katz, Fayga Ostrower e Ivan Serpa. MAYER/88, pág.494; JULIO LOUZADA, vol.1, pág.609; BENEZIT, vol.6, pág.612, ART PRICE ANNUAL/2000, pág.1464; PONTUAL, pág.309, TEIXEIRA LEITE, pág.284; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 605; ARTE NO BRASIL, pág. 840; Acervo FIEO.



429 - INOS CORRADIN (1929)

Menino - serigrafia - P.A. - 48 x 27 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



430 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Chá da tarde - gravura - 33/90 - 66 x 46 cm - canto inferior direito ilegível -



431 - RAMON CÁCERES (1944)

Composição - serigrafia - 16/20 - 68 x 68 cm - canto inferior direito -

Natural de Quilindy, Paraguai, fixou residência em São Paulo no ano de 1970, tornando-se discípulo da restauradora internacional Luciana Battioli, que o elogia pela técnica perfeita, sensibilidade aguda de exímio colorista. Tem como proposta estética o purismo da forma equilibrado notavelmente com um cromatismo muito particular e ritmado.Tem obras no MASP, no México e em coleções particulares no Brasil e no Paraguai. JULIO LOUZADA vol.2, pág. 191; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



432 - ATHOS BULCÃO (1918 - 2008)

"Azulejos da Igrejinha" - impressão sobre azulejo - 15 x 15 cada cm - não assinado -
Complemento de técnica : "Impressão contemporânea feita pelo Instituto Athos Bulcão, sobre azulejos, com imagens da Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima, Brasília - DF"

Pintor e desenhista. Começou a dedicar-se a arte estimulado por Portinari, que, em 1945, o convidou a trabalhar nas obras da Pampulha, em Belo Horizonte. No ano anterior realizara exposição individual na sede recém-inaugurada do Instituto dos Arquitetos do Brasil no Rio de Janeiro, voltando a fazê-lo na Capital mineira em 1946 e 1947. Já então conquistara medalhas de prata em pintura e desenho no SNBA. Recebendo bolsa de estudos no governo francês, viajou em 1948 para Paris, onde permaneceu um ano, visitando ainda a Itália. De regresso ao Brasil, passou a dedicar-se também a trabalhos no campo da decoração. Residindo mais recentemente em Brasília, ali criou azulejos e vitrais para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, com motivos cristãos da Pomba e da Estrela, símbolos do Divino Espírito Santo e da natividade. Participou como isento de júri dos II SAMDF (1965), realizando em 1968 exposição individual de desenhos em Brasília (Galeria Encontro). Rubem Braga focalizou-o em uma crônica publicada na revista Manchete (14 de agosto de 1954). TEODORO BRAGA, PÁG. 59; MEC, vol. 1, pág. 301; WALMIR AYALA, vol.1, pág. 140; PONTUAL, pág. 93; TEIXEIRA LEITE, pág. 92; JÚLIO LOUZADA, vol. 7, pág.112; ITAÚ CULTURAL.



433 - JOSÉ INACIO (1927)

"Estrada do destino" - óleo sobre tela colada em mdf - 50 x 61 cm - canto inferior direito - 1965 -

Pintor primitivista assina ZÉ INÁCIO. Começou a pintar em 1961, foi irmão da pintora Iracema Arditi. Participou de coletivas na Galeria Seta, SP (1962); VII e VIII Bienal de São Paulo (1963 e 1965); Salão Esso de Artistas Jovens, RJ (1965); Galeria Voltaico, RJ (1969); Club Pueblo, em Madrid; e outras capitais européias (1970); Galeria Brasileira de Arte, SP e Salão Nacional de Arte Moderna. Individuais na Galeria Seta, SP. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 1087.



434 - PAULO CALAZANS (1947 - 2016)

"Varal da Barra da Tijuca" - serigrafia - 18/100 - 81 x 65 cm - canto inferior direito - 2013 -
No estado.

Mineiro de Caratinga, onde nasceu a 25 de maio de 1947. Gravador, desenhista, fotógrafo e poeta. Dos 15 aos 30 anos executou trabalhos na área visual (pintura, ilustração, gravura, fotografia, cenografia, entre outros), o que gerou a sua formação atual. Sua obra reflete várias tendências, ora passando uma releitura na História da Arte no período 1300/1950, ora desenvolvendo imagens a partir do inconsciente racionalizado. Individuais e coletivas a partir de 1983, com premiações. JULIO LOUZADA vol.11, pág. 49.



435 - CLÓVIS GRACIANO (1907 - 1988)

Músico - gravura - P.A. XI/XX - cid cm -

Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



436 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Arco íris" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



437 - CÍCERO DIAS (1908 - 2003)

Figuras - serigrafia - 98/100 - 66 x 52 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, cenógrafo e professor - Cícero dos Santos Dias nasceu em Escada, PE e faleceu em Paris. Iniciou estudos de desenho em sua terra natal e mudou-se para o Rio de Janeiro, onde se matriculou, em 1925, nos cursos de arquitetura e pintura da Escola Nacional de Belas Artes, mas não os concluiu. Entrou em contato com o grupo modernista e, em 1929, colaborou com a ‘Revista de Antropofagia’. Em 1931, no Salão Revolucionário, na Enba, expôs o polêmico painel, tanto por sua dimensão quanto pela temática: ‘Eu Vi o Mundo... Ele Começava no Recife’. Ilustrou, em 1933, ‘Casa Grande & Senzala’, de Gilberto Freyre. Em 1937 foi preso no Recife quando da decretação do Estado Novo. A seguir, incentivado por Di Cavalcanti, viajou para Paris onde conheceu Georges Braque, Henri Matisse, Fernand Léger e Pablo Picasso, de quem se tornou amigo. Em 1942, foi preso pelos nazistas e enviado a Baden-Baden, na Alemanha. Entre 1943 e 1945, viveu em Lisboa como Adido Cultural da Embaixada do Brasil. Retornou a Paris onde integrou o grupo abstrato Espace. Em 1948, realizou o mural do edifício da Secretaria das Finanças do Estado de Pernambuco, considerado o primeiro trabalho abstrato do gênero na América Latina. Em 1965, foi homenageado com sala especial na Bienal Internacional de São Paulo. Inaugurou, em 1991, painel de 20 metros na Estação Brigadeiro do Metrô de São Paulo. No Rio de Janeiro, foi inaugurada a Sala Cícero Dias no Museu Nacional de Belas Artes - MNBA. Recebeu do governo francês a Ordem Nacional do Mérito da França, em 1998, aos 91 anos. MEC, VOL.2, PÁG.50; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.252; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 157, PONTUAL, PÁGS. 174; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 146; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 334; ACERVO FIEO; web.artprice.com.



438 - FANG (1931 - 2012)

Crianças - óleo sobre tela - 60 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2001 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Chien Kong Fang, ou simplesmente Fang, nasceu na cidade de Tung Cheng, China e faleceu em São Paulo. Estudou sumiê e aquarela na China em 1945. Veio morar em São Paulo com a família em 1951, naturalizando-se brasileiro em 1971. Entre 1954 e 1956, estudou pintura com Yoshiya Takaoka em São Paulo. Viajou, em 1977, para a América do Norte, Europa e Ásia, onde desenvolveu o seu trabalho de pintura. Em 1981, foi realizado o curta metragem biográfico ‘O Caminho de Fang’, em São Paulo. Visitou a China, convidado pelo governo chinês, em 1985. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1959, 1961, 1962, 1978, 1981, 1993, 2005); Salvador, BA (1962); Rio de Janeiro (1978, 1986); Schleswing, Alemanha (1985); Lugana, EUA (1990); Americana, SP (1994); Formosa, Taiwan (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1957) e em São Paulo (1960 a 1962, 1967 a 1969, 1978, 1979, 1991). Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1978). MEC, VOL. 2, PÁG. 124; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 366; VOL. 6, PÁG. 378; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 189; PONTUAL, PÁG. 201; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; www.fang.com.br; www.artprice.com.



439 - DOUGLAS KRIEGER (1954)

Paisagem com araucárias - óleo sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor, desenhista e professor nascido em Curitiba, PR. Assinava Bussolo. Iniciou sua carreira em 1977, como discípulo de Theodoro De Bona. Formou-se no Curso de Desenho de Figura Humana na UFPR. Realizou exposições individuais em: Curitiba, PR (1978, 1979, 1983 a 1986, 1995); SESC itinerante no Paraná (1986): Maringá, Toledo, Cascavel, Campo Mourão, Londrina, Pato Branco, Ponta Grossa; Campo Largo, PR (1993); Araucária, PR (1994). Participou de muitas coletivas e mostras oficiais pelo Paraná (1978, 1979, 1980 a 1984). Foi premiado em 1982 e 1983. JULIO LOUZADA VOL. 6, PÁG. 562; VOL. 11, PÁG. 165; douglaskrieger.blogspot.com.br.



440 - GILBERTO DOS ANJOS EVARISTO (1935)

Retirantes - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo -

Natural de Bragança, Portugal, EVARISTO é autodidata, inciando-se na pintura em 1962. Fez especialização em 1982 com a professora Gladys Maldaum. Desde 1986 participa da exposições coletivas e Salões de Arte, recebendo premiações. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 377, Acervo FIEO.



441 - LI GUANGBIN (XX)

Veneza - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista nascido na China onde aprendeu a pintura a óleo. Aprimorou sua técnica na Itália, Estados Unidos e, atualmente, vive em São Paulo, Brasil. Possui diversas participações em mostras coletivas e oficiais.



442 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"A sol aberto" - serigrafia - 68/250 - 50 x 70 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



443 - JOSÉ BARBOSA (1948)

A caminho da missa - óleo sobre tela colada em eucatex - 30 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1973 -

Pernambucano de Olinda, onde nasceu em agosto de 1948. Filho de marceneiro, iniciou sua carreira em 1963, como escultor-talhador, incentivado pelo pintor Adão Pinheiro. Integrou e organizou o movimento de Arte Ribeira, que tinha a participação dos artistas João Câmara, Vicente do Rego Monteiro e Guita Charifker - movimento dissolvido pouco tempo depois pela repressão militar. No Rio de Janeiro envolveu-se com a elite artística carioca, participando do progresso da vanguarda com suas talhas e gravuras em metal com imagerns exuberantes inspiradas na sua terra natal. Residiu na Alemanha, expondo seus trabalhos na França, Alemanha, Suiça e Inglaterra. Individuais a partir de 1964 e coletivas desde 1965. JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 36; ITAU CULTURAL.



444 - IBERÊ CAMARGO (1914 - 1994)

Figura - desenho a nanquim - 10 x 09 cm - canto inferior esquerdo - 1952 -

Pintor, gravador, desenhista, escritor e professor, natural da cidade de Restinga Seca, RS, e falecido em Porto Alegre. Foi aluno de Salvador Parlagreco e João Fahrion. No Rio de Janeiro, a partir de 1942, estudou pouco tempo na Escola Nacional de Belas Artes, trocando-a pelos ensinamentos de Guignard. Fundou com outros artistas o 'Grupo Guignard' (1943). Recebeu o prêmio viagem ao estrangeiro em 1947. Morou dois anos em Paris e Roma, aperfeiçoando-se com De Chirico, Lhote, Achille e Rosa em pintura e com Petrucci, em gravura. Voltou ao Brasil (1950) e tornou-se membro da Comissão Nacional de Artes Plásticas (1952). Fundou o curso de gravura do Instituto Municipal de Belas Artes do Rio de Janeiro (1953), hoje Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Executou painel de 49 metros quadrados (1966) oferecido pelo Brasil à Organização Mundial de Saúde (OMS), em Genebra. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e exterior como Bienal Internacional de São Paulo, Bienal de Arte Hispano-Americana em Madri, Bienal de Veneza, Bienal de Gravuras em Tóquio, entre outras exposições importantes. Foi considerado o Melhor Pintor Nacional na VI Bienal de São Paulo (1961) e conquistou inúmeros prêmios. Entre suas publicações, constam o artigo 'Tratado sobre Gravura em Metal' (1964), o livro técnico 'A Gravura' (1992) e o livro de contos 'No Andar do Tempo: 9 contos e um esboço autobiográfico' (1988). MEC, VOL.1, PÁG.328; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.156; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.51; TEIXEIRA LEITE, PÁG.101; PONTUAL, PÁG.100; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 853; LEONOR AMARANTE, PÁG. 127; www.iberecamargo.org.br; brasilescola.uol.com.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



445 - PIETRINA CHECCACCI (1941)

Dedos - múltiplo em bronze - 93/100 - 16 x 08 x 07 cm - assinado -

Nasceu em Taranto, Itália. Pintora e desenhista. Vindo para o Brasil em 1954, fixou-se no Rio de Janeiro. Formou-se no curso de pintura da antiga ENBA em 1964. Apresentando seus trabalhos desde 1961, participou, entre outras mostras coletivas, dos XII, XIII, XIV, XV, XVII, XVIII SNAM (entre 1963 e 1969), Exposição Geral de Belas Artes do IV Centenário (GB, 1965), Prêmio Homenagem a Dante (Piccola Galeria, GB, 1965) I e II SEAJ (1965 e 1968), I Salão de Abril (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1966), XXIV Spar. BA (1967 / segundo prêmio de pintura) e XXII e XXIII SMBABH (1967 e 1968). Expôs individualmente no Instituto de Belas Artes (GB, 1961), nas galerias Varanda (GB, 1966), Grupiara (Belo Horizonte, 1966), Celina (Juiz de Fora, 1966), Concivivium (Salvador, 1967), da Cultura Francesa (Porto Alegre, 1968) e Atelier de Arte (Belo Horizonte, 1969), bem como na Petite Galerie (GB, 1968), apresentando nesta última seus estandartes. PONTUAL, pág. 133; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 203; MEC, vol. 1, pág. 435; WALTER ZANINI, pág. 740; ITAÚ CULTURAL. Acervo FIEO.



446 - REDÍ (SYLVIO REDINGER) (1940 - 2004)

O bêbado - desenho a nanquim - 24 x 14 cm - canto inferior direito -

Cartunista e ilustrador. Se demonstrou precocemente o seu talento para as artes, Redi também deixou cedo sua marca na imprensa: em 1958, com apenas 18 anos de idade, trabalhando na Bloch Editores, produzia a contracapa da revista Manchete Esportiva, justo no ano em que o Brasil conquistou seu primeiro título mundial de futebol, na Copa da Mundo da Suécia. O currículo de Redi na imprensa é extenso: trabalhou na Editora Brasil América (histórias em quadrinhos), nos jornais A Notícia, Correio da Manhã (ao lado de Fortuna), O Globo, Última Hora e Pasquim (escrevia textos, fazia charges e era modelo de fotonovelas), nas revistas Shalom, Fatos e Fotos, O Cruzeiro, Status, Pop, Senhor, Playboy, Pif Paf, Bundas, Enciclopédia de Humor da Colômbia, Cara Alegre (Portugal), Crisis (Argentina), Pardon (Alemanha), Plus and Plexus (francesa), Gallery, National Lampoon, Fortune e Time (Estados Unidos). No final dos anos 70, já residindo em Nova York, Redi conseguiu um feito extraordinário: publicou a primeira e única ilustração da capa do New York Times. O jornal, um dos mais importantes do mundo, gostava tanto de seu trabalho que solicitou ao serviço de imigração que fornecesse ao Redi um Green Card, prontamente concedido, e, posteriormente, a sua cidadania americana, igualmente aprovada. Ele também fez ilustrações para o Wall Street Journal. (extraído parcialmente do site Fundação Sylvio Redinger).



447 - ARNALDO PEDROSO D'HORTA (1914 - 1973)

Troncos - desenho a nanquim - 46 x 59 cm - canto inferior direito - 1951 - Praia Grande -
No estado.

Gravador e crítico de arte, o autor nasceu e faleceu em São Paulo-SP. Iniciou a sua carreira no jornalismo em 1931, escrevendo para vários jornais, revistas e emissoras de rádio. Começa a pintar aos 34 anos. Entre 1954 e 1955, elabora a capa do álbum para o Ballet do 4º Centenário e o catálogo da Bienal Internacional de São Paulo. Dedica-se à gravura em metal e à xilogravura. É o primeiro artista brasileiro premiado na Bienal de Veneza, em 1954. Participa do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, várias edições entre 1952 e 1970 (isenção de júri, 1955, e prêmio viagem ao estrangeiro, 1960); Individual, no MAM/SP, 1952 e 1956; Bienal Internacional de São Paulo, várias edições, entre 1953 e 1961; Artistas Latino-Americanos, no Musée d?Art Moderne de la Ville de Paris, 1962. Postumamente suas obras figuram em Arnaldo Pedroso D'Horta: desenhos, incisões, xilogravuras, no Centro Cultural São Paulo, 1983; Obras para Ilustração do Suplemento Literário: 1956 - 1967, no MAM/SP, 1993; Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal, São Paulo, 1994. "Na recusa oposta a todas as soluções da moda, na procura contraditória de ritmos (que ousaríamos chamar, por sua vez, antidecorativos, desde que podem envolver uma corajosa opção em favor do feio), define-se esta exigência intelectual, que é básica em Arnaldo. Assim, o inédito das formas empresta-lhe autonomia suficiente para se impor como expressão. (...) Arnaldo Pedroso D´Horta gosta dos modos de expressão que, por meio de conquistas lentas, contínuas, laboriosas, tendem a um efeito que comove também a própria mente, a uma geometria da desordem alcançada através de sensíveis vibrações. (...) O que nos parece importante é o conflito, a teimosia, a aplicação sem tréguas que transparece dos seus trabalhos, a luta dramática, sempre renovada, com o traço." Armando B. Ferrari Críticas sobre Arnaldo Pedroso D´Horta para catálogo da XV Bienal - SP (Curriculum do artista). ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



448 - ALVARUS COTRIM (1904 - 1985)

"Ao Mendez" - desenho a nanquim - 28 x 20 cm - canto inferior direito -
Com dedicatória ao caricaturista Mendez.

Caricaturista, jornalista, historiador da arte, escritor e professor - Álvaro Cotrim nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Conhecido como Alvarus. Publicou seu primeiro desenho no jornal ‘A Bola’ (1923). Em 1925, seu trabalho ganhou reconhecimento quando passou a ilustrar as páginas do jornal ‘A Pátria’, publicou desenhos nas revistas ‘Shimmy’, ‘A Maçã’ e ‘Vida Moderna’. Ilustrou, com J. Carlos , as páginas da revista ‘Para Todos’ (1927) e, no ano seguinte, começou a trabalhar no jornal ‘A Manhã’ e ‘A Crítica’. Na empresa ‘A Noite’, ilustrou as revistas ‘Vamos Ler’, ‘Carioca’ e ‘Noite Ilustrada ‘(1928). Lançou seu primeiro livro: ‘Hoje Tem Espetáculo’ (1941). Viajou a Paris para cobrir a Conferência de Paz (1946), como correspondente da empresa ‘A Noite’ e lá permaneceu por seis meses enviando desenhos e notícias. Publicou ‘Alvarus e Seus Bonecos’ (1952), ‘Daumier e Pedro I’ (1961), ‘Santos Dumont e a Caricatura’, ‘Caricatura também É História’, ‘Artur de Azevedo e a Caricatura’ e ‘J. Carlos’. ITAUCULTURAL; www.artprice.com.



449 - FERNANDO ODRIOZOLA (1921 - 1986)

Composição - gravura - Prova - 45 x 21 cm - canto inferior direito - 1962 -

Fernando Pascual Odriozola nasceu em Oviedo, Espanha e faleceu em São Paulo. Pintor, desenhista e gravador. Começou a pintar em 1936. Veio para o Brasil em 1953 e fixou residência em São Paulo. No ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual na Galeria Portinari. O Museu de Arte Moderna de São Paulo dedicou-lhe outra individual, em 1955. Na década de 1960, lecionou no Instituto de Arte Contemporânea da Fundação Armando Álvares Penteado e colaborou como ilustrador nos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de S. Paulo, e na revista Habitat. Em 1964, integrou, com Wesley Duke Lee , Yo Yoshitome e Bin Kondo , o Grupo Austral, ligado ao movimento internacional Phases. Participou das 7ª, 8ª, 9ª, 12ª, 13ª, 14ª, 15ª e 18ª Bienais Internacionais de São Paulo onde foi premiado na 7ª, 8ª, e 14ª edição; da 7ª Bienal de Tóquio; dos 2º e 5º Panoramas da Arte Atual Brasileira, entre outras. No ano de seu falecimento, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) realizou uma exposição retrospectiva póstuma em sua homenagem. JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG. 231; MEC VOL.3, PÁG.291; PONTUAL PÁG. 389; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 737; ARTE NO BRASIL PÁG.907; LEONOR AMARANTE PÁG. 143; ACERVO FIEO.



450 - MARIO ZANINI (1907 - 1971)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 30 x 36 cm - canto inferior direito - 1967 -
Ex coleção Carminha Leonard - São Paulo - SP.

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



451 - EMILE GODCHAUX (1860 - 1938)

Paisagem - óleo sobre tela colada em madeira - 116 x 89 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor francês com diversas participações em exposições e Salões oficiais como a Exposição Geral de Belas Artes realizada no Rio de Janeiro em 1905. Suas obras têm sido comercializadas em leilões pelo mundo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 12, PÁG. 180; www.artprice.com; www.artnet.com; www.christies.com; www.arcadja.com.



452 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paris - gravura - 21 x 31 cm - canto inferior direito ilegível -



453 - GASTÃO Z. FRAZÃO (XX)

Composição - técnica mista - 80 x 60 cm - canto inferior direito - 1956 -

Artista plástico e arquiteto que tem participado de mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo (1967); Salão Paulista de Arte Contemporânea, São Paulo (1976); Salão Nacional de Artes Plásticas, Rio de Janeiro (1979). ITAUCULTURAL.



454 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato" - desenho a lápis e aquarela - 10 x 10 cm - canto inferior direito - 1976 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



455 - EUGÊNIO LATOUR (1874 - 1942)

Colhendo flores - óleo sobre cartão - 31 x 39 cm - canto inferior esquerdo -

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde frequentou a ENBA a partir de 1894. Foi aluno de Rodolfo Amoedo, Zeferino da Costa e H. Bernardelli. Expôs no SNBA em diversas oportunidades, recebendo premiações, inclusive de viagem ao exterior. Latour é um pintor da expressão humana, e feminina sobretudo. Cada cabeça sua representa um estado de alma. Aqui tristeza, dor concentrada; ali a despreocupação e o coquetismo. Sua obra é graciosa, sensível e elegante. JULIO LOUZADA, Vol. pág.522, TEIXEIRA LEITE, pág. 278, PONTUAL, pág. 300, ITAÚ CULTURAL, ARTE NO BRASIL, pág. 556.



456 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Confusão - guache - 40 x 35 cm - canto inferior direito -
Capa da Revista Careta. -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



457 - ANGELO CANNONE (1899 - 1992)

"Porto de Napoli" - óleo sobre tela colada em eucatex - 55 x 45 cm - canto inferior esquerdo - 1927 - Napoli -
No estado.-

Pintor, desenhista e professor nascido em Abruzzo, Itália. Assinava D’Angelo, Angelo Cannone e A. Cannone. Aos cinco anos mudou-se para Nápoles com sua família. Em fins de 1947, veio para o Brasil, residiu algum tempo em São Paulo e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se radicou e lá faleceu. Estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles com Paolo Vetri. Viveu em Roma durante quatro anos com uma pensão conquistada em um concurso em Nápoles. Lecionou desenho no Instituto Técnico. Expôs individualmente em São Paulo (1947, 1993) e no Rio de Janeiro (1947, 1973, 1980, 1984). Foi premiado, na Itália, em: 1922, 1925, 1929, 1941 e, no Brasil, em 1960. Em 1972 pintou o retrato do papa Pio X, em tamanho natural, que está na Igreja dos Italianos, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 168; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 187; VOL. 3, PÁG. 203; VOL.8, PÁG. 165; VOL. 9, PÁG. 171; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com; www.arcadja.com.



458 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - serigrafia - H.C. - 63 x 46 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



459 - GIOVANNI BOLDINI (1842 - 1931)

Moça - pastel - 60 x 42 cm - canto inferior direito - 1904 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor italiano nascido em Ferrara, filho de um pintor de temas religiosos. Mudou-se para Florença (1962) para estudar pintura e se associou ao movimento dos ‘Macchiaioli’, embora tenha se tornado mais conhecido por seus retratos. Foi para Paris (1867); para Londres e voltou a Paris (1872) tornando-se amigo de Edgar Degas. Tornou-se famoso retratista tanto em Londres como em Paris. Foi comissário da Exposição de Paris de 1889 e recebeu a comenda da Legião de Honra por esse feito. BENEZIT; www.giovanniboldini.org; artemoderna.comune.fe.it; www.artprice.com.



460 - SILVIO OPPENHEIM (1941 - 2012)

Composição - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - centro - 2010 -

Pintor, desenhista, arquiteto e professor nascido e falecido em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Arquitetura da USP (1965) e completou sua formação na Alemanha, quando ganhou do governo alemão uma bolsa de estudos para a 'Technisce Universitat' (TU) em Berlim Ocidental. Em 1979 assumiu a cadeira de arquitetura de interiores na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Produziu intensamente como arquiteto e como artista plástico. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1965, 1972, 1975 a 1977, 1979, 1981, 1982, 1986 a 1989); Rio de Janeiro (1985); Brasília, DF (1978); Curitiba, PR (1980, 1987); Goiânia, GO (1989); Vitória, ES (1989). Participou de exposições coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969); '5 Pintores de Vanguarda', Porto Alegre, RS (1965); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971, 1973, 1976, 1979); Tóquio, Japão (1985) e outras. JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.745; VOL. 4, PÁG. 829; MEC, VOL.3, PÁG.301; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; www.sp.senac.br; www.resenhando.com; www.artprice.com.



461 - HILDE WEBER (1913 - 1994)

Doces - pintura sobre azulejo - 15 x 15 cm - centro inferior -
Obra executada no Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP.

Pintora, desenhista e caricaturista alemã. Iniciou o seu aprendizado de desenho e artes gráficas em Hamburgo, por volta de 1930, interrompendo três anos mais tarde, quando transferiu-se para o Brasil (país de quem se tornaria cidadã naturalizada), fixando-se primeiramente em São Paulo, até 1949. Entre 1941 e 1949, colaborou com trabalhos de pintura para o atelier OSIRARTE de azulejos. Foi caricaturista de diversos periódicos, destacando-se o Estado de São Paulo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 391; PONTUAL, pág.265; MEC, vol. 2, pág. 337; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; ARTE NO BRASIL.



462 - ANGELO GUIDO (1893 - 1969)

Figuras - óleo sobre tela - 40 x 33 cm - canto inferior esquerdo - 1948 -

Pintor e desenhista natural da cidade italiana de Cremona, e falecido em Pelotas, RS. Fez estudos no Liceu de Artes de São Paulo, com Piza e Borioni. Trabalhou com Fromenti e Adolfo Fonzari. Decorou o Salão Nobre do Instituto Histórico e Geográfico, em Salvador. Expõe com Benedito Calixto em 1922. Fixou-se em Porto Alegre a partir de 1925. TEODORO BRAGA, pág. 36; REIS JR., pág. 389; MEC, vol. 2, pág. 304; PONTUAL, pág. 254; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 373; TEIXEIRA LEITE, pág. 236; JÚLIO LOUZADA, vol. 10, pág. 403; RGS, pág. 89; ITAÚ CULTURAL.



463 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

"O destemido" - guache - 18 x 26 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



464 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Sol poente - litografia off set - 24 x 27 cm - canto inferior direito - 1972 -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



465 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)

Paisagem - desenho a nanquim - 34,5 x 42 cm - canto inferior direito - 1970 -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



466 - LOUISE BOURGEOIS (1911 - 2010)

Mulher gato - litografia off set - 14/19 - 13 x 16 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, desenhista, gravadora, escultora e professora nascida em Paris e falecida em Nova York. Estudou Matemática na Sorbonne (1932-1935), arte na Escola do Louvre, na Escola de Belas Artes, na Academia Escandinávia, com Bissière, Cassandre, André Lhote, Othon Friesz, Paul Colin, Wlérick, Fernand Léger. Conviveu com André Breton e com os Surrealistas. Casou-se com o historiador de arte Robert Goldwater e mudou-se para Nova York (1938), tornando-se cidadã americana em 1951. Durante os anos da Segunda Guerra, conviveu com artistas que tinham emigrado da Europa, entre eles, Miró, Tanguy, Ozenfant, Le Corbusier. Nessa época seu trabalho era focado no desenho, na gravura e não produziu esculturas até 1949. Destacam-se as exposições individuais, entre tantas, em: Nova York (1949, 1950, 1953, 1955); Chicago (1953); ‘White Art Museum at Cornell University’ (1959); ‘University of Chicago’ (1971 - retrospectiva); MOMA, Nova York (1982 - retrospectiva, 1994); Frankfurter Kunstverein, Frankfurt, Alemanha (1989–91 - retrospectiva); ‘Musée d'Art Moderne’, Paris (1995); ‘Museum of Contemporary Art’, Los Angeles (2007). Participou da Bienal de Veneza (1993, 1999). Recebeu o Grande Prêmio de Escultura do Ministério de Cultura Francês (1991); o Leão de Ouro na Bienal de Veneza (1999); a Medalha de Honra da Academia de Belas Artes da Pensilvânia em Filadélfia (2005), entre outros. BENEZIT; www.guggenheim.org; www.tate.org.uk; www.artecapital.net; www.artprice.com.



467 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - serigrafia - P.I. - 62 x 77 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Edição póstuma com relevo seco do Projeto Burle Marx.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



468 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Guerreiro - gravura - 12/50 - 50 x 70 cm - canto inferior direito -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



469 - GEORGINA DE ALBUQUERQUE (1885 - 1962)

Rosas - óleo sobre tela - 53,5 x 72,5 cm - canto inferior direito -

Pintora e professora. Aos 15 anos, inicia sua formação artística com o pintor italiano Rosalbino Santoro (1858 - s.d.). Muda-se para o Rio de Janeiro em 1904, matricula-se na Escola Nacional de Belas Artes - Enba e estuda com Henrique Bernardelli. Em 1906, casa-se com o pintor Lucílio de Albuquerque e viaja para a França. Em Paris, frequenta a École Nationale Supérieure des Beaux-Arts e ainda a Académie Julian, onde é aluna de Henri Royer. Volta ao Brasil em 1911, expõe em São Paulo e, partir dessa data, participa regularmente da Exposição Geral de Belas Artes. De 1927 a 1948, leciona desenho artístico na Enba e, em 1935, é professora do curso de artes decorativas do Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal. Em 1940, em sua casa no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, funda o Museu Lucílio de Albuquerque, e institui um curso pioneiro de desenho e pintura para crianças. Entre 1952 e 1954, exerce o cargo de diretora da Enba. TEIXEIRA LEITE, págs. 15 e 16; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 22 a 26; TEODORO BRAGA, pág. 107; REIS JR., pág. 370; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 1, págs.17 e 141; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 455; ARTE NO BRASIL, pág 574; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



470 - MARIA LEONOR APPE (1933)

Pavão misterioso - óleo sobre tela - 70 x 70 cm - canto inferior direito - 2016 -

Nasceu em Santos, SP, no dia 22 de maio, transferindo residência para a Capital com a família em 1942, onde reside e é ativa. Desde cedo acompanhava o trabalho do pai, então pintor amador, que procurava incentivá-la nas artes plásticas. Autodidata, após o falecimento do pai em 1968, dedica-se à pintura, recebendo ensinamentos dos mestres Nestor Peres, Colete Pujol e Waldemar da Costa. A partir de 1990 dedica-se totalmente à pintura e à aquarela; integra a Diretoria da Associação Paulista de Belas Artes, da qual é sócia benemérita e conselheira perpétua. Participou de diversos certames oficiais, com premiações várias, tais como medalhas de bronze e de prata. Acervo Fieo.



471 - HENRIQUE BERNARDELLI (1858 - 1936)

Estudos - técnica mista - 50 x 46 cm - canto inferior direito -

Natural de Valparaíso, Chile, Henrique Bernardelli faleceu no Rio de Janeiro, cidade brasileira que adotou, inclusive a nacionalidade na década de 1870. Frequentou a Academia Imperial de Belas Artes, inclusive como aluno de Zeferino da Costa. Em 1878 viajou para a Itália, encontrando-se com o irmão, Rodolfo, escultor, que gozava merecido prêmio de viagem conquistado na Academia. Foi professor da ENBA-RJ. Os seus trabalhos inculcam um temperamento irriquieto, nervoso, sôfrego de impressões. A sua obra é original, vigorosa, cheia de calor e de ousadia. MEC, vol.1, pág.217/218; WALMIR AYALA, vol.1, pág.96/7; TEIXEIRA LEITE, pág.71, ARTE NO BRASIL, vol.1, pág.32; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 411; ARTE NO BRASIL, pág. 392; F. ACQUARONE.



472 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem nevada - óleo sobre tela - 65 x 25 cm - canto inferior direito ilegível -



473 - JESUÍNO LEITE RIBEIRO (1935 - 2012)

Paisagem - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1981 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Jesuíno Leite Ribeiro nasceu e faleceu em Guaxupé, MG. Foi pintor, desenhista, gravador e professor. Assinava Jesuíno e era, na família, conhecido como Zino. Estudou na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte e na antiga Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, onde se aperfeiçoou em gravura com Oswaldo Goeldi. Foi professor de desenho no Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília. Exposições individuais: Rio de Janeiro (1960, 1969, 1970, 1977, 1979); São Paulo (1963, 1966, 1980, 1983, 1986); Salvado, BA (1963); Roma, Itália (1971, 1972); Campinas, SP (1983); Guaxupé, MG (2010, 2011). Participou de várias mostras oficiais e foi premiado em: Belo Horizonte, MG (1957, 1959); Salvador, BA (1963). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 495; VOL. 2, PÁG. 535; VOL. 10, PÁG 451; MEC VOL. 2, PÁG. 374; PONTUAL PÁG. 279; ITAU CULTURAL.



474 - DOMENICO LAZZARINI (1920 - 1987)

Paisagem - óleo sobre tela - 19 x 22 cm - canto inferior direito - 1979 -

Nasceu na cidade italiana de Viareggio, vindo a falecer na cidade do Rio de Janeiro. Em 1940, ainda na Itália, nas cidades de Lucca e Florença, realiza estudos com Rosai e Vedova. Já no Brasil, dá aulas de pintura na Escola de Belas Artes de Araraquara, São Paulo, em 1950. Em 1957, cria a Escola de Belas Artes de Ribeirão Preto e, em 1961, leciona no Museu de Arte do Rio de Janeiro. Em 1974, conquista o Prêmio Tetra d'Oro em Roma. Entre as exposições de que participa, destacam-se: Exposição de Lucca, Itália, 1946 a 1948; Bienal de Veneza, Itália, 1948; Jovens Pintores de Araraquara, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1954; Salão Nacional de Arte Moderna (Isenção de Júri, 1959 e Prêmio Aquisição, 1962), Rio de Janeiro, 1958 a 1962; Bienal Internacional de São Paulo, 1959 e 1961; Galeria de Arte da Folha, São Paulo, 1959 e 1960; Domenico Lazzarini, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1963; 100 Obras Itaú, no Museu de Arte de São Paulo, 1985. BÉNÉZIT, vol. 6, pág. 499; JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 179; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 964; Acervo FIEO.



475 - FRANCISCO BRENNAND (1927)

Ovo - cerâmica - 09 x 08 x 08 cm - assinado -

Pintor e ceramista. Estudou com André Lhote e Fernand Léger, em Paris. Participou de importantes bienais e salões, nacionais e internacionais. Realizou individuais de pintura e cerâmica no MAM-SP em 1960 e outras importantes salas de arte. Executou trabalhos murais em edifícios públicos e particulares no Recife e no estrangeiro. Suassuna considerou a sua pintura "bela, forte e brasileira". Brennand é referência mundial como artista puramente brasileiro. JULIO LOUZADA, VOL, 10, pág 141. PONTUAL, pág, 88. MEC, VOL , 1, pág, 294; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 879. Acervo FIEO. -



477 - MENOTTI DEL PICCHIA (1892 - 1988)

Menina - óleo sobre tela colada em cartão - 43 x 31 cm - canto inferior direito - 1956 -

Literáto, crítico e pintor. Foi um dos principais articuladores da semana de arte modena de 1922, juntamente com Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Di Cavalcanti , entre outros. Defendeu uma cultura esclusivamente nacional. Sua Ligação com as artes plásticas também foi insisiva, defendendo e divulgando artistas que na época eram mal aceitos ou incompreendidos, como Anita Malfatti, Victor Brecheret. JULIO LOUZADA, vol. 1 pag. 765; WALTER ZANINI, pág. 519; ARTE NO BRASIL, pág. 655; LEONOR AMARANTE, pág. 49.



478 - INÁCIO RODRIGUES (1946)

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 30 x 30 cm - centro inferior e dorso - 1988 -

Pintor, desenhista, entalhador e gravador, natural de Acaraú, CE. Iniciou-se em pintura como autodidata (1957). Viajou para diversos países da América Latina (1960-1965) com o objetivo de participar de exposições e acabou se fixando, em 1966, no Rio de Janeiro. Pintou a cúpula da Catedral Municipal e o Hotel Porto Velho em Porto Velho, RO (1962 e 1965). Expôs individualmente em diversas capitais brasileiras e também no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais e foi premiado em: Curitiba, PR (1971); Rio de Janeiro (1970, 1973, 1975, 1977, 1978); Belo Horizonte, MG (1970, 1971); Campinas, SP (1971, 1972); Florianópolis, SC (1972); Niterói, RJ (1974); Embu, SP (1974); Amparo, SP (1994, 1996); São José dos Campos, SP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 834; VOL. 4, PÁG. 959; VOL. 12, PÁG. 345; TEIXEIRA LEITE PÁG. 450. WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 259; MEC VOL. 4, PÁG. 91; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



479 - SERGIO RENATO YPLINSKY (1947)

Pastora - óleo sobre eucatex - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Nasceu em Araxá, MG, no dia 20/2/1947. A sua pintura, de tendência impressionista, evoca o paisagismo, os costumes e os interiores de seculares catedrais do velho mundo. Expõe individualmente a partir de 1969, participando de coletivas a partir de 1976, com diversas premiações. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 360.



481 - ADRIANA VAREJÃO (1964)

Composição - desenho a caneta esferográfica - 23 x 19 cm - centro -
Com a seguinte dedicatória: "Para Dado, com o afeto da A. Varejão".

Pintora nascida no Rio de Janeiro. Frequentou cursos livres na Escola de Artes Visuais do Parque Lage - EAV/Parque Lage, RJ, entre 1981 e 1985. Realizou diversas exposições individuais, a primeira foi no Rio de Janeiro (1988), pelo Brasil e exterior. Tem participado de mostras coletivas e oficiais, entre elas: Salão Nacional de Artes Plásticas, Rio de Janeiro (1987); ‘Stedelijk Museum’, Amsterdam (1988); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988); ‘Liljevachs Konsthall’, Estocolmo (1991); Museu de Arte Moderna, São Paulo (1993); Bienal de Havana (1994); Museu de Arte Moderna de Nova York (1994); Bienal Internacional de São Paulo (1994); Bienal de Johannesburg (1995); Bienal de Veneza (1995); Instituto de Arte Contemporânea de Boston (1996); exposição itinerante ‘Ultrabaroque: Aspects of Post-Latin American Art’ – Museu de Arte Contemporânea de San Diego, Museu de Arte Moderna de Fort Worth, Museu de Arte Moderna de São Francisco e Museu de Arte de Miami (2001). Desde 2008 há um pavilhão com exposição permanente de suas obras em Inhotim Centro de Arte Contemporânea – Brumadinho, MG. BENEZIT; ITAU CULTURAL; www.adrianavarejao.net; www.artprice.com.



482 - NONÊ DE ANDRADE (1914 - 1972)

Dormindo - desenho a carvão - 32 x 27 cm - canto inferior direito - 1950 -

Pintor, desenhista e escritor, nascido e falecido em São Paulo, Capital. O artista era filho de Oswald de Andrade, um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna. Iniciou seus estudos em Paris, e, no Brasil, recebeu orientação de Portinari, Segall, Tarsila e Anita Malfatti, filiando-se desde então às tendências inovadoras das artes plásticas brasileiras. Expositor do SNBA-RJ e da Bienal de SP. São numerosas as referências críticas a respeito de sua obra. MEC, vol 1 pág. 100; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; LEONOR AMARANTE, pág. 75, Acervo FIEO.



483 - INGRES SPELTRI (1940)

"Cho-ku-rei opus 4916" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). É professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



484 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)

Dragão - têmpera sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo - 1971 -

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



485 - LIVROS


1-Darcílio Lima Um Universo Fantástico, curadoria de Guilherme Gutman, textos de Afonso Henrique Costa, Guilherme Gutman e Mario Pedrosa, edição da Caixa Cultural, 2015.
2-Felipe Barbosa, textos de Paulo Reis, Guilherme Bueno, Marisa Florido e Fernando Cocchiarale, edição trilingue português, espanhol e inglês, edição Dardo (Espanha), 2008.
3-Francisco Brennand Senhor da Vázea, da Argila e do Fogo, Curadoria e texto de Emanoel Araújo, edição bilingue português inglês, Santander Cultural, 2016.
4- Brennand Esculturas 1974-1998, curadoria e texto de Olívio Tavares de Araújo, Pinacotreca do Estado de São Paulo, 1998.
5-Carlito Carvalhosa, conceito de Lorenzo Mammi e textos de Rodrigo Naves e Alberto Tassinari, Editora Cosac & Naify, 2000.
6-Claudio Tozzi Estruturas do Real, texto de Jacob Klintowitz, Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, 2012.
7-Elifas Andreato 50 Anos, curadoria e texto de João Rocha Rodrigues, Museu Correios Brasília, 2016.
8-Eliseu Visconti 150 Anos, curadoria e texto de Denise Mattar, Galeria Almeida e Dale e Projeto Eliseu Visconti, 2016.




486 - GEORGES BRAQUE (1882 - 1963)

Natureza morta - litografia off set - 38 x 74 cm - canto inferior esquerdo na matriz -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, escultor e gravador francês nascido em Argenteuil em 13/05/1882 e falecido em Paris no dia 31/08/1966. O único pintor francês a pertencer ao mesmo tempo ao fauvismo e ao cubismo. Foi contemporâneo de Picasso, com quem trabalhou ativamente, elaborando todo o arsenal de linguagem plástica das diferentes fases cubistas. Todavia Braque, trilhou um caminho diferente mas igualmente importante e genial, do artista espanhol. Com uma ousadia estética que escandalizou meia Paris, ao apresentar seus primeiros papiers collés, enveredou por caminhos próprios, sem no entanto ter renegado as aquisições essenciais do cubismo. Expôs pela primeira vez no Salão dos Independentes em 1907, na condição de fauvista com obras executadas sob influência dos mestres Matisse, Klaminek e Derain. De 1908 a 1914 as obras de Braque devem ser consideradas no contexto da elaboração do cubismo, e da estreita vivência com Picasso. A partir de 1911 Braque inaugura a gravura moderna ao introduzir pela primeira vez em suas pinturas, as superfícies pintadas, falsa madeira e falso mármore e objetos retirados do cotidiano (pedaços de jornais, pacotes de tabaco), compondo efeitos surpreendentes. Realizou esculturas a partir de década de 20. Sua obra gráfica adquire fama em 1960, quando é apresentada na Biblioteca Nacional em Paris. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 151



487 - JOSÉ PAULO MOREIRA DA FONSECA (1922 - 2004)

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 40 x 16 cm - centro inferior - 1981 -

Pintor, advogado, filósofo e poeta, nascido e falecido no Rio de Janeiro. Autodidata, dedicou-se à pintura a partir de 1950. Realizou várias exposições individuais em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Alemanha, Portugal, Inglaterra, Áustria, Estados Unidos, México e participou de muitas mostras e Salões oficiais pelo Brasil e Europa. MEC, VOL. 2, PÁG. 183; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 423 A 427; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 268; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO.



488 - INGRES SPELTRI (1940)

"Oppus 181116 - Série Alegria - alegria" - óleo sobre tela - 63 x 100 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). É professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



489 - BENIAMINO PARLAGRECO (1856 - 1902)

Gado - óleo sobre tela colada em madeira - 23 x 32 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista italiano, tendo realizado sua formação artística em Nápoles, veio fixar-se no Rio de Janeiro em 1895, onde morreria de febre amarela. Já em 1898 conquistava a medalha de outro no Salão Nacional de Belas Artes. Encontram-se obras suas no Museu Nacional de Belas Artes e na Pinacoteca do Estado de São Paulo.Obras de sua autoria são raríssimas e grandemente disputadas. LAUDELINO FREIRE, pág. 517; THEODORO BRAGA, pág. 183; WALMIR AYALA, vol.2, pág.57; PONTUAL, págs. 386 e 406; ARTE NO BRASIL.



491 - FELISBERTO RANZINI (1881 - 1976)

"Rio Mandy - Freguesia do Ó" - aquarela - 29 x 23 cm - canto inferior esquerdo -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Arquiteto, desenhista e escritor, Felisberto Ranzini nasceu em Mântua, Itália e faleceu em São Paulo - SP. Sobresaiu-se principalmente na técnica de aquarela, na qual se especializou. Suas composições em óleo são claras e detalhadas, quase que miniaturistas. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 805; MEC vol.4, pág. 26, RUTH TARASANTCHI.



492 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Militares - desenho a nanquim - 32 x 24 cm - não assinado -



493 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato" - desenho a caneta esferográfica e aquarela - 9,5 x 5,5 cm - lado esquerdo - 1986 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



494 - GUIMA (1927 - 1993)

Marinha - óleo sobre tela - 46 x 55 cm - canto inferior direito e dorso - 1968 -
Com as seguintes etiquetas no dorso: Contorno Artes Ltda., Rua Marquês de São Vicente, loja 52, Rio de Janeiro - RJ e 8º Salão Petropolitano de Pintura, Major Julio Koeler.

Pintor e desenhista de mérito invulgar, Guima era paulista de Taubaté, residiu por muitos anos no Rio de Janeiro e praticava o figurativismo expressionista, por vezes eivado de notas líricas, de outras descambando para o fantástico. MEC, vol. 2, pág. 306; PONTUAL, pág.257; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 377/8; JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 407; ITAÚ CULTURAL.



495 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Nu - óleo sobre tela colada em madeira - 37 x 46 cm - canto inferior esquerdo - 1935 - Rio de Janeiro -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



496 - JOAQUIM MIGUEL DUTRA (1864 - 1930)

Natureza morta - óleo sobre tela - 40 x 60 cm - canto inferior direito - 1915 -

Pintor nascido e falecido em Piracicaba. Notabilizou-se pelas paisagens documentárias locais, realizando ainda trabalhos em São Paulo, Limeira, Caconde, São Carlos e Capivari. Foi pai dos pintores Alipio, Antonio de Pádua, Archimedes e João Dutra.PONTUAL, pág. 186; MEC, vol. 2, pág. 84; TEIXEIRA LEITE, pág. 171, RUTH TARASANTCHI.



497 - CARLOS OSWALD (1882 - 1971)

Flores - óleo sobre tela - 72 x 99 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



498 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Figuras da noite - serigrafia - 24 x 14 cm - canto inferior esquerdo na tela serigráfica -
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



499 - MITSUTAKA KOGURE (1938)

Fachada - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito - 1991 -
No estado.

Natural de Gunmaken, Japão. Formou-se na Escola de Belas Artes de Tóquio. Participou de coletivas naquela cidade até 1960, quando fixa residência em São Paulo. Figurou desde então na BSP (1963) e dos VII e VIII salões de Artes Plásticas do Grupo Seibi, com premiações. Participou também dos salões organizados pelo MAM-RJ e do SPAM-SP. Conforme texto do pintor Tikashi Fukushima, Kogure "pinta becos e cantos obscuros, dando-lhes colorido mágico, modernizando a estrutura." JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 512; MEC, vol. 2-pág. 410; ROBERTO PONTUAL, pág.292; Acervo FIEO.



500 - MARIO GRUBER (1927 - 2011)

"Fantasiado" - óleo sobre tela - 70 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 2004 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Declaração de autenticidade firmada pelo autor, datada de 10 de março de 2008.

Pintor, desenhista, gravador, escultor, muralista - Mário Gruber Correia nasceu em Santos, SP. Autodidata, começou a pintar em 1943. Mudou-se para São Paulo em 1946 e matriculou-se na Escola de Belas Artes, onde foi aluno do escultor Nicolau Rollo. Em 1947, ganhou o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo ’19 Pintores’. No ano seguinte realizou sua primeira exposição individual e passou a estudar gravura com Poty e a trabalhar com Di Cavalcanti. Recebeu bolsa de estudo em 1949, foi morar em Paris, onde estudou na ‘École Nationale Supérieure des Beaux-Arts’ com o gravador Édouard Goerg e trabalhou com Candido Portinari. Retornou ao Brasil em 1951 e fundou o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde voltou a residir. Foi professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1953 e na Fundação Armando Álvares Penteado entre 1961 e 1964. De 1974 a 1978, morou em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, morou em Olinda, Pernambuco. Em 1979, montou ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realizou obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Além de ter realizado muitas exposições individuais, participou de várias mostras e salões oficiais: Salão Paulista de Arte Moderna; Panorama da Arte Moderna Brasileira; Bienal Internacional de São Paulo e na França, Espanha, Estados Unidos, Colômbia, Holanda, Finlândia, Alemanha. PONTUAL, PÁG. 253; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 370; MEC, VOL. 1, PÁG. 466; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.649; ARTE NO BRASIL, PÁG. 803; LEONOR AMARANTE, PÁG. 376; ACERVO FIEO.



501 - QUIRINO CAMPOFIORITO (1902 - 1993)

Composição - desenho a nanquim e guache - 09 x 15 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, crítico, ilustrador, caricaturista e professor, natural da cidade de Belém-PA, e falecido em Niterói-RJ. Estudou pintura na ENBA-RJ, tendo como professores Modesto Brocos, João Batista da Costa, Augusto Bracet e Rodolfo Chambelland. Prêmio Viagem à Europa em 1929. Em Paris, estuda no Ateliê de Pongheon da Académie Julian e na Académie de La Grand Chaumière, até 1932. Em Roma, freqüenta o curso de pintura da Escola de Belle Arti e o curso de desenho do Círculo Artístico e da Academia Inglesa de Roma, entre 1932 e 1934. Participou do Núcleo Bernardelli, tornando-se seu presidente em 1942. Expôs individualmente por diversas vezes no Rio de Janeiro, participando de coletivas por diversas cidades brasileiras. "Se bem que o magistério e a atividade crítica tenham sem dúvida roubado ao artista tempo precioso, Campofiorito é autor de considerável bagagem, destacando-se como autor de vistas urbanas, estudos de nu e figuras, naturezas-mortas e alegorias, nas quais repercute muito intensa a influência de De Chirico e do Metafisicismo". LEITE, José Roberto Teixeira. REIS JR., pág. 382; TEODORO BRAGA, pág. 63; WALMIR AYALA, vol. 1, pags. 162 e 165; PONTUAL, pág. 103/104; TEIXEIRA LEITE, pág. 102; MEC, vol. 1, pág. 332; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 572; ARTE NO BRASIL, pág. 647; Acervo FIEO.



502 - CARYBÉ (1911 - 1997)

Nu - serigrafia - XXXIII/XXXV - 64 x 42 cm - canto inferior direito -

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



503 - PÉRICLES (1924 - 1961)

"O amigo da onça" - desenho a nanquim e aquarela - 37 x 30 cm - canto inferior direito -

Caricaturista e cartunista, Péricles de Andrade Maranhão nasceu em Recife, PE e faleceu no Rio de Janeiro. Publicou seus primeiros desenhos na Revista do Colégio Marista do Recife, onde estudou na década de 1930. Por volta de 1942, chegou ao Rio de Janeiro e ingressou nos 'Diários Associados', de Assis Chateaubriand, iniciando sua produção em 'O Guri' e, pouco depois, na revista 'A Cigarra', onde lançou seu personagem 'Oliveira Trapalhão'. A partir de 1945, ilustrou os textos de Millôr Fernandes na seção Pif-Paf da revista 'O Cruzeiro'. 'Laurindo e Miriato Gostosão' foram outros personagens criados por Péricles, mas o de maior sucesso foi 'O Amigo da Onça', publicado pela primeira vez em 1943 em' O Cruzeiro'. 'O Amigo da Onça' foi produzido por quase 20 anos e, mesmo após a morte de seu criador, continuou a ser publicado no traço de Carlos Estevão. Sua criação foi capaz de transpor as páginas desenhadas em 'O Cruzeiro' e permanecer na memória visual e humorística brasileira. Seus trabalhos participaram, após a sua morte, de exposições em: Curitiba, PR (1980); São Paulo (1983, 1997, 2001); Belo Horizonte (1997); Brasília (1998); Penápolis, SP (1998). ITAU CULTURAL.



504 - LUIZ GUALBERTO (1904 - 1963)

"Pôr do sol" - óleo sobre madeira - 17 x 26 cm - canto inferior direito e dorso - 1927- S. Carlos do Pinhal -

Natural da cidade de Bragança Paulista-SP, onde nasceu a 20 de fevereiro de 1904 e falecido em São Paulo, Capital, a 29 de novembro de 1963. Pintor desenhista, assinava suas obras LUIZ GUALBERTO. Foi aluno do festejado pintor Campos Ayres. Mudou-se para São João da Boa Vista-SP em 1930, a fim de lecionar desenho no antigo Ginásio do Estado. Lá conviveu com Araújo Lima. O artista retratou de forma poética a paisagem sanjoanense, com seus rios, montanhas e crepúsculos. JULIO LOUZADA, vol. 8 pág. 375; Acervo FIEO.



505 - ALFREDO CESCHIATTI (1918 - 1989)

Guanabara - escultura em bronze - 16 x 44 x 10 cm - assinado -
Com selo de Zani Fundição Artística, Rio de Janeiro - Brasil.

Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



506 - CARMELLO SENNA (1925)

"Mulher loba" - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1991 -

Pernambucano de Campina Grande, o autor pinta profissionalmente desde 1964, tendo como temática o folclore e o povo nordestinos. Extraí-se da bibliografia abaixo indicada a seguinte crítica: " Dentro de sua temática rústica, procura transmitir, através de seus personagens típicos e místicos, uma mensagem de paz e beleza pela exuberância da agressividade de sua combinação de cores" . Participa de coletivas a partir de 1970, com diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol. 8, pág. 770



507 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - pastel - 26 x 26 cm - canto inferior direito -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



508 - MACIEJ ANTONI BABINSKI (1931)

Bacanal - gravura - 28/110 - 36 x 45 cm - canto inferior direito - 1967 -

Natural de Varsóvia, Polônia, viveu sucessivamente na Inglaterra e no Canadá, radicando-se em 1953 no Brasil. Antigo aluno de Maurice Denis em Paris, e expoente da pintura abstracionista canadense. Babinski foi colega de Goeldi, de quem adotou a linguagem expressionista. Esplêndido gravador. Atualmente vive é ativo no Ceará. TEIXEIRA LEITE, pág. 48; PONTUAL, págs. 46 e 47; MEC, vol. 1, pág. 157; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 69; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 24; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 903, Acervo FIEO.



509 - EDUARDO GAROFALO (1971)

"Tempestade" - fotografia - 30 x 40 cm - dorso -
Com certificado de autenticidade - Registro: 070731 152639, assinado pelo autor, no dorso.

Eduardo da Silva Garofalo - pintor, desenhista e gravador nascido em São Paulo. Assina Eduardo Garofalo. Cursou a Faculdade Paulista de Artes. Têm participado de exposições coletivas e oficiais, entre elas: 'Desenhos no Mapa Cultural Paulista', Centro Permanente de Exposições, Guarulhos, SP; 'Retratos a Mão Livre no Caldeirão das Artes', Espaço Cultural da Universidade Mackenzie, SP (2000); 'Desenhos', Espaço Cultural do Centro Universitário Maria Antonia - USP, SP (2001); 'Nus de Modelo Vivo', Espaço Cultural da Faculdade Paulista de Artes, SP; e 'A Figura Humana', Casa de Cultura da Penha, SP (2002); 'Figuras recorrentes', Espaço Cultural Albano Hartz, Novo Hamburgo, RS (2012). ITAUCULTURAL; www.al.sp.gov.br.



510 - MARIA POLO (1937 - 1983)

Composição - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior direito - 1966 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintora, desenhista, gravadora e vitralista nascida em Veneza, Itália e falecida no Rio de Janeiro. Estudou no Instituto de Arte de Veneza, entre 1949 e 1955 e no ateliê de De Pisis, em Roma, de 1955 a 1959. Veio para o Brasil em 1959 fixando-se em São Paulo e, a partir de 1962, no Rio de Janeiro. Realizou diversas exposições individuais em algumas das principais capitais do País e no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais, entre as quais: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967); Panorama de Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973). Foi premiada no 10º Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1961). MEC, VOL. 3, PÁG. 424; PONTUAL, PÁG. 430; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 776; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 697; www.catalogodasartes.com.br; www.bolsadearte.com; www.artprice.com.



511 - S. MARESCA (1900 - XX)

Pescador - óleo sobre tela - 51 x 38 cm - centro esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista italiano com diversas participações em mostras coletivas e oficiais. www.artprice.com; www.artnet.com; www.findartinfo.com.



512 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Casa de fazenda - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - não assinado -



513 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

No barco - guache - 34 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



514 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Cisnes - desenho a nanquim - 14 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



515 - DAREL VALENÇA LINS (1924)

Acordando - litografia - 15/50 - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



517 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

Ouro Preto - desenho a nanquim - 16 x 25 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Isaac Ficz, Rio de Janeiro - RJ. -

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



518 - SILVIO OPPENHEIM (1941 - 2012)

Composição - técnica mista e colagem - 60 x 40 cm - centro direito e dorso - 1968 - Berlim -
Com a seguinte dedicatória no dorso: "Ao Oscar com um grande abraço do amigo Silvio, São Paulo 14 de outubro de 1971".

Pintor, desenhista, arquiteto e professor nascido e falecido em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Arquitetura da USP (1965) e completou sua formação na Alemanha, quando ganhou do governo alemão uma bolsa de estudos para a 'Technisce Universitat' (TU) em Berlim Ocidental. Em 1979 assumiu a cadeira de arquitetura de interiores na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Produziu intensamente como arquiteto e como artista plástico. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1965, 1972, 1975 a 1977, 1979, 1981, 1982, 1986 a 1989); Rio de Janeiro (1985); Brasília, DF (1978); Curitiba, PR (1980, 1987); Goiânia, GO (1989); Vitória, ES (1989). Participou de exposições coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969); '5 Pintores de Vanguarda', Porto Alegre, RS (1965); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971, 1973, 1976, 1979); Tóquio, Japão (1985) e outras. JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.745; VOL. 4, PÁG. 829; MEC, VOL.3, PÁG.301; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; www.sp.senac.br; www.resenhando.com; www.artprice.com.



519 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - serigrafia - 51/120 - 61 x 74 cm - canto inferior direito na tela serigráfica -
Edição póstuma com relevo seco do Projeto Burle Marx.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



520 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato Verde com Vaso de Flores" - acrílico sobre tela - 80 x 100 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2001 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



521 - ALFREDO EUGUL SAMAD (XX)

Volta da igreja - óleo sobre tela - 54 x 65 cm - canto inferior direito - 01/05/1983 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Pintor argentino natural de Navarro, Provincia de Buenos Aires. Fixou residência no Brasil a partir de 1954. Expôs individualmente em Buenos Aires em 1951, participando de coletivas a partir de 1953, destacando-se: III Salão Nacional de Artes Plásticas do Rio de Janeiro (Gravura), Salão Museu de Arte Moderna -MAM-SP (Desenho) e III Salão Brasileiro de Arte (Fundação Mokiti Okada) São Paulo (pintura). Recebeu o Prêmio Aquisição no III Salão de Arte Contemporânea de Americana-SP.



522 - ANA CRISTINA ANDRADE (1953)

"Interior I" - gravura - 25/50 - 25 x 25 cm - canto inferior direito - 1989 -
Complemento de técnica: água forte e água tinta. -

Ana Cristina Andrade Moreira é pintora, gravadora, desenhista, professora e designer vidreira. Iniciou sua formação artística na Escola Superior de Arte Santa Marcelina, SP (1972-1975). Aprendeu gravura em metal (1980-1990) com Iole Di Natale; técnicas de gravura na Scuola Internazionale di Gráfica em Veneza, Itália (1983); Gravura Especial com Evandro Carlos Jardim, no MAC-SP (1991); Técnica Calcográfica Experimental com Mario Benedetti, na FASM-SP (1997); Vitrofusão com Roberto Bonino. Exposições individuais: São Paulo, SP (1984, 1987, 1995, 2003); Bauru, SP (1989); “Projeto Interior com Arte” – Museu Banespa (1998 – Exposição itinerante pelo interior do Estado de São Paulo). Coletivas: Epinal, França (1975); São Paulo, SP (1974, 1982, 1984, 1985, 1986, 1988, 1994, 1995, 2000, 2002 a 2004, 2012 – SP ESTAMPA); Santo André, SP (1982); Novo Hamburgo, RS (1982); Taiwan, China (1983, 1985); San Juan, Porto Rico (1983); Santos, SP (1983); Cabo Frio, RJ (1983); Ribeirão Preto,SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba,SP (1984); Veneza, Itália (1984, 1985); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986); Limeira, SP (1986); Washington D.C.,EUA (1991); Campos do Jordão, SP (1991); Kanagawa, Japão (1992); Maastricht, Holanda (1993); Illinois, EUA (1994); Cidade do México, México (1996); Jacareí, SP (1998); Budapeste, Hungria (1996); Uzice, Yuguslávia (1997); Ourense, Espanha (1994, 2006). Prêmios: São Paulo, SP (1974); Novo Hamburgo, RS (1982); Santos, SP (1983); Ribeirão Preto, SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba, SP (1984); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986). JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 62; vol.2, pág. 66; Acervo FIEO. ITAU CULTURAL.



523 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

Paisagem - xilogravura - 18 x 21 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



524 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Composição - óleo sobre tela - 27 x 22 cm - dorso - 5-3-67 -
Ex-coleção Zito Saback - Rio de Janeiro - RJ.-

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



525 - TOMIE OHTAKE (1913 - 2015)

Composição - serigrafia - P.A. - 100 x 70 cm - canto inferior direito - 2002 -

Pintora, gravadora, escultora nascida em Kyoto, Japão e radicada no Brasil desde 1936, país que adotou, inclusive, a cidadania. Fixou-se em São Paulo. Em 1952, iniciou-se em pintura com o artista Keisuke Sugano. No ano seguinte, integrou o Grupo Seibi, do qual participavam Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, Flavio - Shiró, Tadashi Kaminagai , entre outros. A partir dos anos 1970, trabalhou com serigrafia, litogravura e gravura em metal. Dedicou-se também à escultura e realizou algumas delas para espaços públicos. Realizou muitas exposições individuais em todo o Brasil e exterior, além de ter participado de diversas mostras e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1961, 1963, 1965, 1985, 1989, 1996, 1998); Bienal de Veneza, Itália (1972); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973, 1976, 1983, 1986, 1989, 1993). Recebeu, em Brasília, o Prêmio Nacional de Artes Plásticas do Ministério da Cultura - Minc, em 1995 e muitos outros. Em 2000 foi criado o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. MEC, VOL. 3, PÁG. 323; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 690; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 791; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 140; PONTUAL, PÁG. 390; ART PRICE ANNUAL 1990, PÁG. 1464; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 362; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, PÁG. 939; LEONOR AMARANTE, PÁG. 170; WALTER ZANINI, PÁG. 693; ACERVO FIEO.



526 - ADELSON DO PRADO (1944)

Rendeiras - óleo sobre tela - 65 x 100 cm - canto superior direito -
Com carimbo de Weber Moraés - Marchand - Bahia.-

Baiano, Adelson do Prado recria, num ambiente singelo, costumes, paisagens e crenças de sua paisagem natal. PONTUAL, pág. 14; TEIXEIRA LEITE, pág. 14; WALMIR AYALA vol.2, pág.221; ITAÚ CULTURAL..



527 - BENJAMIN SILVA (1927)

Figuras - óleo sobre eucatex - 30 x 22 cm - canto inferior direito e dorso -

Cearense de Juazeiro, Benjamin Silva antes de se mudar para o Rio de Janeiro, então com 20 anos, foi seringueiro no Amazonas. Foi aluno de Inimá de Paula na Escola do Povo, nos idos de 1950. Inicialmente figurativista, após 1963 adota uma linha de expressionismo agressivo. Sua pintura passeou também pelo surrealismo. MEC, vol.4, pág.246; TEIXEIRA LEITE, pág.70; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 943.



528 - MIGUEL DOS SANTOS (1944)

Bailarina - cerâmica - 18 x 18 cm - dorso -

Pintor, desenhista e ceramista, Miguel Domingos dos Santos nasceu em Caruaru, PE. Assina Miguel dos Santos. Residindo em João Pessoa desde 1960, apresentou pela primeira vez suas pinturas em 1961 no Recife. Em 1967 começou a dedicar-se também à cerâmica. Realizou exposições individuais em: Connecticut, EUA (1967); João Pessoa, PA (1968, 1971, 1980, 1987); Belo Horizonte, MG (1968); Juiz de Fora, MG (1969); Recife, PE (1970, 1976, 1982, 1987); Rio de Janeiro (1972, 1975, 1980, 1986); São Paulo (1975, 1979, 1982, 1986 - MASP, 1987). Participou de inúmeras mostras e Salões oficiais pelo Brasil e no exterior como em: Bruxelas, Bélgica (1973); Nigéria (1977); Santiago do Chile, Chile (1980); Alemanha (1987); Copenhague, Dinamarca (1989). MEC VOL. 4, PÁG. 186; PONTUAL PÁG. 476; JULIO LOUZADA, VOL. 9, PÁG. 773; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



529 - EDGAR COGNAT (1919 - 1994)

Nu - desenho a caneta esferográfica - 29 x 23 cm - canto inferior direito - 1974 -

Pintor, desenhista e gravador nascido no Rio de Janeiro. Começou seus estudos aos dezessete anos na classe de desenho, pintura e artes decorativas com o Professor Carlos Chambelland. Aprofundou-se por conta própria na arte da gravura, produzindo obras com o amigo e gravador Hans Steiner. Em 1967, assumiu a direção da Oficina de Gravuras do Liceu de Artes e Ofícios, sucedendo Carlos Oswald, considerado o pai da gravura no Brasil. Participou, entre outros, do Salão Nacional de Belas Artes - RJ; onde obteve medalhas de bronze, prata e de ouro; da I Exposição do Auto-Retrato no Museu Nacional de Belas Artes - RJ (1944); do Salão Paulista de Belas Artes - SP (1942); do Salão Municipal de Belas Artes - RJ (1954). MEC VOL. 1 PÁG. 442; PONTUAL PÁG. 139; ITAU CULTURAL; www.opapeldaarte.com.br.



530 - ANTONIO FERRIGNO (1863 - 1940)

Buscando lenha - óleo sobre tela - 54 x 38 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Representou com maestria a chamada Escola de Amalfi. Estudou com Di Chirico e Morelli. Expôs em 1882 em Nápoles, imigrando para o Brasil em 1892, permanecendo em São Paulo até 05, quando retornou à Itália e fixou residência definitivamente em Salerno. No Brasil executou paisagens e marinhas, utilizando de técnica pictórica empastada e de um colorido cheio de vivacidade. Várias obras suas ficaram no Brasil, em importantes coleções particulares. ANTONIO FERRIGNO; BENEZIT, vol. 4, pág. 343; ANUAL ART SALES INDEX/82, vol.1, pág. 383; TEODORO BRAGA, pág. 94; MEC, vol. 2, pág. 156; LAUDELINO FREIRE, págs. 381 e 389; REIS JÚNIOR, pág. 365; PONTUAL, pág. 212. TEIXEIRA LEITE, pág. 192; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 535, RUTH TARASANTCHI.



531 - LEOPOLDO GOTUZZO (1887 - 1983)

Nossa Senhora da Conceição - óleo sobre tela - 48 x 43 cm - canto inferior direito - 1946 - Rio de Janeiro -

Gaúcho de Pelotas, Gotuzzo foi pintor e desenhista. Estudou em Roma com Joseph Noel a partir de 1909. Permaneceu na Europa por vários anos, aperfeiçoando a sua arte em diversas cidades. Enviava suas obras para os Salões Nacionais, conquistando diversas premiações. Pintor de paisagens e nús, dedicou-se também ao retrato, inclusive a crayon. É artista que teve seu talendo reconhecido por todos os críticos de sua época, figurando em publicações especializadas. JULIO LOUZADA vol.10, pág. 395; PONTUAL, pág. 247; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 601.



532 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Paisagem - aquarela e nanquim - 17 x 25 cm - canto inferior direito ilegível - 1877 -



533 - SAMSON FLEXOR (1907 - 1971)

Bípide - aquarela - 51 x 41 cm - canto inferior direito - 1968 -

Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



534 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Peixe" - desenho a lápis e aquarela - 7,5 x 10,5 cm - canto superior direito - 1964 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



535 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)

Tensão - escultura em bronze - 28 x 17 x 17 cm - assinado -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo. - Rio de Janeiro. -

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



536 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Pescadores - desenho a nanquim - 30 x 23 cm - canto inferior direito - 1934 -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



537 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)

Linhas - serigrafia - 18/75 - 30 x 30 cm - canto inferior direito - 1974 -

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



538 - BENEDITO JOSÉ DE ANDRADE (1906 - 1979)

Briga de galos - óleo sobre tela - 50 x 58 cm - canto inferior direito -

Através de sua arte obteve destaques e prêmio nas exposições em que participou, como o SPBA, onde foi agraciado com o Prêmio Costa Ribeiro. Recebeu Medalha de Bronze em 1948 e Pequena Medalha de Prata em 1949. Mais tarde em 1951, conquistou o Prêmio Prefeitura de São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, onde foi aluno de Viggiani, Panelli e Enrico Vio. Além do SPBA, participou e também obteve premiações no Salão de Belas Artes e no Salão de Santos. Colecionadores particulares do Brasil e do exterior possuem obras suas. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 57; MEC, vol. 1, pág. 80; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



539 - CARVALHO DE CASTRO (1948)

Barcos - óleo sobre tela de juta - 60 x 80 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista, Antonio Carlos Carvalho de Castro nasceu em São Paulo. Assinava Cacau (até setembro de 1993). Atualmente assina Carvalho de Castro. Estudou pintura na Associação São Bernardense de Belas Artes, SP (1979) onde ganhou uma Medalha de Ouro ainda como aluno. Teve como mestres Paulo Marinho e Moro. Realizou exposição individual em São Bernardo do Campo (1982). Participou de muitas mostras coletivas e oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1981 a 1983, 1985 a 1987, 1989 a 1991); Diadema, SP (1985); Paranapuã, SP (1986); Guaíra, SP (1987); Itatiba, SP (1989); Santo André, SP (1991); Guarujá, SP (1991); Itanhaém, SP (1991); Embu, SP (1992) e, no exterior: Bolívia, Chile, México, Portugal, Espanha, Itália e Japão. Foi premiado em Santo André, SP (1991) e em São Bernardo do Campo, SP (prêmio 'Nossa Gente'). JULIO LOUZADA VOL. 6, PÁG. 217.



540 - AGOSTINHO BATISTA DE FREITAS (1927 - 1997)

Estrada - óleo sobre tela - 70 x 120 cm - canto inferior direito - 1988 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Começou a pintar no início da década de 1950 (e ele próprio relatou que vendia seus trabalhos na Praça do Correio da capital paulista) sendo logo descoberto por Pietro Maria Bardi que organizou uma exposição de seus trabalhos no Museu de Arte de São Paulo, em 1952, mais tarde apresentados também, no Museu de Arte Moderna de São Paulo e da Bahia e no Museu de Arte Contemporânea de Campinas. Participou da XXXIII Bienal de Veneza (1966). MEC, vol. 2, pág. 210; PONTUAL, pág. 225; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 323; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 208; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 214; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 832; Acervo FIEO.



541 - CY TOMBLY (1928 - 2011)

Composição - técnica mista - 40 x 28 cm - canto superior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, gravador, escultor e fotógrafo americano nascido em Lexington, Virginia e falecido em Roma, Itália. Estudou na Escola do Museu de Belas Artes de Boston, no ‘Art Students League’ em Nova York e no ‘Black Mountain College’ na Carolina do Norte com Robert Motherwell e Franz Kline. Visitou a Europa pela primeira vez em 1952 e mudou-se para Roma, definitivamente, em 1957. Realizou exposições individuais nos Estados Unidos (1968, 1975, 1979, 1985, 1987, 1988, 1990, 1994); Suíça (1973, 2002); Alemanha (1975, 1976, 1981, 1984, 2003); Espanha (1987); França (1988, 2007); Canadá (1992); Inglaterra (2008) e a mostra ‘Cy Twombly: 50 Years on Paper ‘ (2003) passou pelo ‘ State Hermitage Museum’ em São Petersburgo, pela ‘Pinakothek der Moderne’ em Munique, pelo ‘Centre Georges Pompidou’ em Paris e pela ‘Serpentine Gallery’ em Londres. Participou de inúmeras mostras oficiais pelo mundo, inclusive da Bienal de Veneza em 1964. BENEZIT; www.cytwombly.info; www.tate.org.uk; www.moma.org; www.artprice.com.



542 - WILSON JOLICOEUR (1932)

"Villa retiro" - óleo sobre tela - 70 x 51 cm - canto inferior direito - 04/1965 -
Com etiquetas da Biennale de São Paulo de 1965, no dorso. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor nascido em Porto Príncipe, Haiti. Foi membro do Centro de Arte e do 'Foyer des Art Plastiques'. Participou de várias mostras coletivas em seu país e no exterior. www.haitianpaintings.com; www.worthpoint.com/worthopedia/wilson-jolicoeur-haitian-scene-132902434.



543 - CARYBÉ (1911 - 1997)

Figuras - desenho a nanquim - 30 x 20 cm - canto inferior direito -

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



545 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)

Músicos - guache - 23 x 14 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



546 - PAULO CLÁUDIO ROSSI OSIR (1890 - 1959)

Mulher - óleo sobre tela colada em cartão - 83 x 63 cm - canto inferior direito -
Com etiqueta de Irineu Angulo, leiloeiro oficial - São Paulo, no dorso.

Pintor e arquiteto nascido e falecido em São Paulo. Estudou na Europa, e em 1921 expõe individualmente em sua cidade natal. Integrou, mais tarde, a Família Artística Paulista. Seu estilo combina elementos impressionistas e cubistas. Criou a OSIRARTE, firma especializada no fabrico de azulejos artísticos. TEODORO BRAGA, pág. 208; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 268; PONTUAL, pág. 462; MEC, vol, 3, pág. 303; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 128; ARTE NO BRASIL; WALTER ZANINI, pág. 579, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



547 - CARLOS PRADO (1908 - 1992)

Músico - desenho a lápis de cor - 28 x 22 cm - canto inferior direito -

Arquiteto, pintor, gravador e ceramista paulistano. Recebeu menção honrosa no SPBA de 1935, participando também na I e II BSP e na exposição de Arte Moderna no Brasil, realizada em Buenos Aires, Rosário, Santiago do Chile e Valparaíso, em 1957. No dizer de TEIXEIRA LEITE, em sua obra A Gravura Brasileira Contemporânea, Carlos Prado utilizava por vezes a gravura como meio expressivo, subordinando-a, porém, a interesses maiores. TEIXEIRA LEITE, pág. 421; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 254. PONTUAL, pág. 438; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582; ARTE NO BRASIL, pág. 781. Acervo FIEO.



548 - PABLO MATANIA (1936)

Paisagem - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1973 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e cartógrafo argentino nascido em Buenos Aires. Veio para o Brasil, Rio de Janeiro, em 1958. Participou de mostras coletivas. JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 608; www.artprice.com; www.mutualart.com.



549 - IGNÁCIO DA NEGA (1945)

"Folclore Pernambucano" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - centro inferior e dorso - 1982 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Natural de Surubim, PE. Iniciou-se na decoração de andores de procissão, ajudando a sua mãe. Recebeu orientação de Alaerte Bandim. Em São Paulo, orienta-se com M. Boy e Iracema Arditi. Seu tema preferido são as cenas típicas do nordeste. Participou de diversas exposições coletivas e individuais. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 511. Acervo FIEO. -



550 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

"Figuras" - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1969 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com etiqueta e carimbo da Galeria Mirante das Artes de propriedade do Professor Pietro Maria Bardi, Fundador e Diretor do Museu de Arte de São Paulo, MASP, no dorso .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



552 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem - óleo sobre tela - 32 x 20 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



553 - STEPHAN ELEUTHERIADES (1922)

"Falésia com girassóis" - óleo sobre tela - 60 x 73 cm - canto inferior direito - 1981 -

Pintor e arquiteto, Stephan Cleobule Eleutheriades nasceu em Mangália - Romênia, filho de pai grego. Em Bucareste, formou-se arquiteto e se iniciou na pintura participando do Salão da Juventude Artística. Transferiu-se para o Rio de Janeiro (1951) onde desenvolveu sua carreira de arquiteto e pintor. Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro (1956, 1962, 1965, 1968, 1972, 1977, 1984, 1986); em Belo Horizonte, MG (1973); em Juiz de Fora, MG (1979, 1980); em São Paulo (1986). Participou de várias mostras coletivas e oficiais como: Salão de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1952); Bienal Internacional de São Paulo (1959). Recebeu Menção Honrosa no Rio de Janeiro (1953). MEC VOL. 2; PÁG. 92; PONTUAL PÁG. 191; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 354; VOL. 3, PÁG. 370; http://lardulcilar.blogspot.com.br/2010/05/beleza-para-todo-o-sempre.html.



554 - MARCELO GRASSMANN (1925 - 2013)

Figuras - gravura - 53 x 39 cm - canto inferior direito -

Desenhista, gravador, ilustrador, pintor, escultor e professor, nasceu em São Simão, SP. Estuda fundição, mecânica e entalhe em madeira na Escola Profissional Masculina do Brás, SP. Passa a realizar xilogravuras a partir de 1943. Atua como ilustrador do Suplemento Literário do ‘Diário de São Paulo’, do ‘O Estado de S. Paulo’ e do ‘Jornal do Estado da Guanabara’. Quando reside no Rio de Janeiro, a partir de 1949, freqüenta os cursos de gravura em metal, com Henrique Oswald e de litografia, com Poty, no Liceu de Artes e Ofícios. Em Salvador (1952), trabalha com Mario Cravo Júnior. .Recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (1953) e vai para a Academia de Artes Aplicadas, em Viena. Passa a dedicar-se principalmente ao desenho, à litografia e à gravura em metal. Em 1969, sua obra completa é adquirida pelo governo do Estado de São Paulo, passando a integrar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Em 1978, a casa em que nasceu, em São Simão, é transformada em museu e tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo - Condephaat. Participou de muitas exposições e das Bienais de: São Paulo (1951 a 1961, 1967, 1969, 1979, 1985, 1989); Veneza (1950, 1956, 1958, 1962); Paris (1959). Principais prêmios: Bienal de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1959, 1967); Bienal de Veneza (1950, 1956, 1958,1962); Bienal de Paris (1959). PONTUAL, PÁG. 249; MEC, VOL. 2, PÁG. 281 E 282; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 439; VOL. 5, PÁG. 453; VOL. 9, PÁG. 383.



555 - LIVROS


1-Luiz Aquila Quase Tudo A Never Ending Tour, organizaçãode Lauro Cavalcanti, textos de Frederico Morais, Wilson Coutinho, Casimiro Xavier de Mendonça, Eudoro de Sousa, Marcus Lontra, Olívio Tavares, Lélia Coelho Frota, Felipe ChaimovichLauro Cavalcanti, Roberto Pontual e outros, Réptil Editora Ltda., 2013.
2-Luiz Zerbini Rasura, 220 páginas, editora Cosac Naify, 2006.
3-Leonardo Kossoy Only You, textos de Fernando Azevedo, Roberto Tejada e Ana Kifer, G. Ermakoff Casa Editorial, 2015.
4-Mira O Espaço Infindável de Mira Schendel, texto de Taísa Palhares, Galeria Frente, 2015.
5-Niobe Xandó, textos de Antonio Carlos Suster Abdalla e Antonio Gonçalves Filho, Cult Arte e Comunicação, 2015.
6-Pablo Atchugarry, curadoria de Gilberto Habib Oliveira e Maria Lucia Montes, edição bilingue português e inglês, Paulo Darzé Galeria de Arte, 2015.




556 - MENASE WAIDERGORN (1927)

"A ceia" - óleo sobre tela - 20 x 40 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940), onde conheceu Dario Mecatti. Viajou pelo norte da África e Europa. Participou de diversos salões, coletivas oficiais e recebeu diversos prêmios. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



557 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Composição - aquarela - 20 x 34 cm - canto inferior esquerdo -
Ex coleção Dr. Noel Grinberg - Rio de Janeiro, RJ. -

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



558 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Jibóia - desenho a nanquim - 10 x 17 cm - canto inferior direito - 1929 -

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



559 - GUIDO TOTOLI (1937)

Fábrica - óleo sobre eucatex - 28 x 50 cm - canto inferior direito -

Italiano, radicado no Brasil, Totoli é acima de tudo ótimo paisagista e pintor de figuras, fazendo uso de uma cor e de uma pincelada vivas e truculentas. Tem se dedicado com muita felicidade às cerâmicas. MEC, vol.4, pág. 408; JULIO LOUZADA, vol.11, pág. 325, Acervo FIEO.



560 - JOSÉ FERRAZ DE ALMEIDA JR. (1850 - 1899)

Caboclo - óleo sobre tela - 46 x 38 cm - canto superior esquerdo - 1895 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com declaração de autenticidade firmada pelo Sr. Marcos Marcondes, editor do livro José Ferraz de Almeida Junior, datada de 27 de janeiro de 2017.

Nasceu em Itú, SP, 8/5/1850, e faleceu, assassinado em Piracicaba, em 13/11/1899. Foi aluno de Vitor Meirelles (pintura) e de Jules Le Chevrel (desenho), a Academia Imperial de Belas Artes, do Rio de Janeiro. Seu curso foi brilhante, tendo obtido 9 premiações. Foi pensionista do Império, aperfeiçoando-se na Europa. Pinta com singular maestria temas ligados ao homem do campo, retratos e paisagens rurais. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 49; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 418; ARTE NO BRASIL, pág. 566; F. ACQUARONE, pág. 89, RUTH TARASANTCHI.



561 - CAMILLE PISSARRO (1830 - 1903)

Paisagem - desenho a carvão - 12,5 x 32,5 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador nascido em Charlotte Amalie – Ilha de St Thomas, Antilhas e falecido em Paris. Aos doze anos de idade foi para um internato em Paris onde sua paixão pelo desenho teve o incentivo do diretor da escola – Monsieur Savary. Voltou para St Thomas (1847) para se iniciar no comércio de seu pai e, em seu tempo de lazer, continuava a desenhar ao ar livre. Viajou para a Venezuela com o artista dinamarquês Fritz Melbye, abandonando a carreira comercial. Partiu para Paris (1855) onde estudou na Escola de Belas Artes e na Academia Suíça sob as orientações dos mestres Jean-Baptiste-Camille Corot, Gustave Courbet e Charles-Francois Daubigny. Considerado o ‘Pai do Impressionismo’, constantemente aconselhava artistas mais jovens e encorajava-os a aderir à tendência revolucionária que ajudou a construir. Refugiou-se em Londres (1870-1871) durante a Guerra Franco-Prussiana e, quando retornou, encontrou destruídas sua casa e suas primeiras pinturas. Voltou outras vezes a Londres, sempre pintando. Participou do Salão dos Artistas Franceses (1859, 1864 a 1866, 1868, 1869); do Salão dos Recusados (1863); das Exposições dos Impressionistas (1874 - 1886). BENEZIT; www.camille-pissarro.org; www.infoescola.com; www.nationalgallery.org.uk; www.impressionniste.net; www.artprice.com.



562 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Os acrobatas" - serigrafia - 66/180 - 70 x 93 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze capitais em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



563 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Galo" - desenho a caneta e aquarela - 14,6 x 11 cm - canto superior direito - 1987 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



564 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)

Casario - óleo sobre tela - 48 x 59 cm - canto inferior esquerdo - 1972 -

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



565 - MESTRE GALDINO (1929 - 1996)

Cangaceiro - escultura em cerâmica - 54 x 15 x 17 cm - não assinado -
No estado.

Manuel Galdino de Freitas nasceu na cidade pernambucana de São Caetano, próximo ao Alto do Moura onde faleceu. Em 1940, mudou-se para Caruaru, PE, onde passou a trabalhar em olaria, fazendo telhas e tijolos. Tornou-se funcionário municipal trabalhando na construção civil. Nas horas vagas, distraía-se modelando figuras de barro, entre elas a de Judas, para as brincadeiras de malhação da Semana Santa. Sua trajetória como artista teve início a partir de 1974, quando foi destacado pela prefeitura para executar serviços no Alto do Moura, onde fez amigos que o introduziram na arte de "bonecos", principal atividade local. Apaixonou-se de tal maneira pela modelagem em cerâmica, que se despediu do trabalho público e mudou-se com a família para o Alto do Moura. Tentou vários negócios alternativos, ao mesmo tempo em que se dedicou febrilmente à produção de novos bonecos. Suas criações formaram um repertório de obras delirantes e originais, consagrando os monstros autofágicos e outros personagens de forte conteúdo onírico, como Lampião-Sereia e São Francisco Cangaceiro. O Museu do Barro de Caruaru e o Memorial Mestre Galdino, criado em 1996, são alguns dos museus onde se pode admirar sua obra. ITAU CULTURAL; www.popular.art.br; artepopularbrasil.blogspot.com.br.



566 - SUETONIO MEDEIROS (1970)

"Caprichos do amor" - desenho a carvão e pastel - 29,5 x 42 cm - canto inferior direito -

Alagoano, Suetônio Cícero Medeiros ministra aulas de desenho na Fundação Cultural de Blumenau (FCB). Desenvolve uma linguagem própria independente de escola ou estilo, realizando trabalhos nas mais diversas áreas artísticas, como a pintura, escultura, desenho, restauração, modelagem, maquetaria, fundição e metalgrafia. Suas obras baseiam-se em estudos desenvolvidos acerca de filósofos gregos pitagóricos que defendiam a obtenção da harmonia através da proporção da freqüência, enfatizando a crescente necessidade de se conseguir harmonizar as partes com o todo. Realizou várias exposições coletivas e individuais.https://semanadeartesdafurb.wordpress.com/curriculos/



567 - ANGELO CANNONE (1899 - 1992)

Pescadores - óleo sobre eucatex - 15 x 39 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista e professor nascido em Abruzzo, Itália. Assinava D’Angelo, Angelo Cannone e A. Cannone. Aos cinco anos mudou-se para Nápoles com sua família. Em fins de 1947, veio para o Brasil, residiu algum tempo em São Paulo e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se radicou e lá faleceu. Estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles com Paolo Vetri. Viveu em Roma durante quatro anos com uma pensão conquistada em um concurso em Nápoles. Lecionou desenho no Instituto Técnico. Expôs individualmente em São Paulo (1947, 1993) e no Rio de Janeiro (1947, 1973, 1980, 1984). Foi premiado, na Itália, em: 1922, 1925, 1929, 1941 e, no Brasil, em 1960. Em 1972 pintou o retrato do papa Pio X, em tamanho natural, que está na Igreja dos Italianos, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 168; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 187; VOL. 3, PÁG. 203; VOL.8, PÁG. 165; VOL. 9, PÁG. 171; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com; www.arcadja.com.



568 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - técnica mista - 66 x 90 cm - canto inferior direito - 1985 -

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



569 - INÁCIO RODRIGUES (1946)

Paisagem - óleo sobre tela - 41,5 x 50,5 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 - São Paulo -

Pintor, desenhista, entalhador e gravador, natural de Acaraú, CE. Iniciou-se em pintura como autodidata (1957). Viajou para diversos países da América Latina (1960-1965) com o objetivo de participar de exposições e acabou se fixando, em 1966, no Rio de Janeiro. Pintou a cúpula da Catedral Municipal e o Hotel Porto Velho em Porto Velho, RO (1962 e 1965). Expôs individualmente em diversas capitais brasileiras e também no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais e foi premiado em: Curitiba, PR (1971); Rio de Janeiro (1970, 1973, 1975, 1977, 1978); Belo Horizonte, MG (1970, 1971); Campinas, SP (1971, 1972); Florianópolis, SC (1972); Niterói, RJ (1974); Embu, SP (1974); Amparo, SP (1994, 1996); São José dos Campos, SP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 834; VOL. 4, PÁG. 959; VOL. 12, PÁG. 345; TEIXEIRA LEITE PÁG. 450. WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 259; MEC VOL. 4, PÁG. 91; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



570 - ANITA MALFATTI (1896 - 1964)

Flores - óleo sobre tela - 60 x 104 cm - canto inferior esquerdo -
Repoduzido na capa do catálogo e no convite deste leilão. Com declaração de autenticidade firmada por Georgina Malfatti, irmã da autora, datada de 20 de dezembro de 1964 e etiqueta de Domus Galeria de Arte, Rua Pe. João Manoel 861 - São Paulo - SP, no dorso.

Pintora, desenhista, gravadora, ilustradora e professora, Anita Catarina Malfatti nasceu e faleceu em São Paulo. Iniciou seu aprendizado artístico com a mãe, Bety Malfatti. Residiu na Alemanha (1910-1914) onde frequentou, por um ano, a Academia Imperial de Belas Artes - Berlim e, posteriormente, estudou com Fritz Burger-Mühlfeld, Lovis Corinth e Ernst Bischoff-Culm. Nesse período também se dedicou ao estudo da gravura. De 1915 a 1916 residiu em Nova York e teve aulas com George Brant Bridgman, Dimitri Romanoffsky e Dodge, na Arts Students League of New York, e com Homer Boss, na Independent School of Art. Sua primeira individual aconteceu em São Paulo, em 1914. Estudou, também, pintura com Pedro Alexandrino (1919) e com Georg Elpons (1920). Em 1922, participou da Semana de Arte Moderna e integrou ao lado de Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti Del Pichia, o Grupo dos Cinco. No ano seguinte, recebeu bolsa de estudo do Pensionato Artístico do Estado de São Paulo e partiu para Paris, onde foi aluna de Maurice Denis, frequentou cursos livres de arte e manteve contatos com Fernand Léger, Henri Matisse e Tsugouharu Foujita. Retornou ao Brasil em 1928. Na década de 1930, em São Paulo, integrou a Sociedade Pró-Arte Moderna - SPAM, a Família Artística Paulista - FAP e participou do Salão Revolucionário. Realizou exposições individuais e participou de muitas mostras e Salões oficiais, entre elas a 1ª e a 7ª Bienal Internacional de São Paulo. É considerada a primeira representante do modernismo no Brasil. BENEZIT VOL. 7, PÁG. 118; TEODORO BRAGA PÁG. 151; MEC VOL. 3, PÁG. 45; PONTUAL PÁG. 332; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 33; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 478; ARTE NO BRASIL PÁG. 652; LEONOR AMARANTE PÁG. 24; DICIONÁRIO OXFORD; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 571; www.infoescola.com; www.macvirtual.usp.br; www.pinturabrasileira.com; www.fapesp.br.



571 - HÉRCULES BARSOTTI (1914 - 2010)

Composição - serigrafia - P.A. - 50 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, programador visual, gravador, nascido e falecido em São Paulo, SP. Iniciou-se nas artes em 1926, estudando desenho e composição com o pintor Enrico Vio. Começou a pintar em 1940 e, na década seguinte, realizou as primeiras pinturas concretas, além de trabalhar como desenhista têxtil e projetar figurino para o teatro. Em 1954, com Willys de Castro, fundou o Estúdio de Projetos Gráficos, elaborou ilustrações para várias revistas e desenvolveu estampas de tecidos produzidos em sua tecelagem. Foi para a Europa (1958) com o intuito de estudar novas tendências e aprimorar suas técnicas. Foi premiado no Salão Paulista de Arte Moderna (1958, 1959), no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1960) e realizou diversas exposições individuais. Na década de 1960, foi convidado por Ferreira Gullar a integrar-se ao Grupo Neoconcreto do Rio de Janeiro e participou das exposições de arte do grupo realizadas no Ministério da Educação e Cultura, RJ e no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1960, expôs na mostra 'Konkrete Kunst' (Arte Concreta), organizada por Max Bill, em Zurique. Entre 1963 e 1965, colaborou na fundação e participou do Grupo Novas Tendências, em São Paulo. Participou da IV, V, VI e VIII Bienal Internacional de São Paulo; do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP, entre outras exposições oficiais. Em 2004, o MAM - SP organizou uma retrospectiva do artista. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PAG. 98; VOL. 2, PÁG. 108; ITAU CULTURAL; PONTUAL PÁG. 57; MEC VOL. 1; PÁG. 187; www.pinturabrasileira.com; www.macvirtual.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



572 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Casario - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



573 - TIKASHI FUKUSHIMA (1920 - 2001)

Composição - óleo sobre tela - 50 x 60 cm - canto inferior direito -

Pintor e gravador, natural da cidade japonesa de Fukushima, faleceu em São Paulo. Veio para o Brasil em 1940, fixando-se em Lins, SP. Recebendo influência de Manabu Mabe, começou a se interessar por pintura. Em 1946, seguiu para o Rio de Janeiro, onde estudou com Tadashi Kaminagai e, entre 1947 e 1948, frequentou aulas na Escola Nacional de Belas Artes. Em 1949, mudou-se para São Paulo e montou uma oficina de molduras no que passou a ser ponto de encontro dos artistas de tendências afins e que formaram, em 1950, o Grupo Guanabara. Nesse período, integrou também o Grupo Seibi. Entre 1977 e 1990, foi presidente da Comissão de Artes Plásticas da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa. Em 1979, foi membro da Comissão de Artes da Fundação Brasil-Japão de Artes Plásticas. Realizou muitas exposições individuais e participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais no Brasil e pelo mundo. Em 2001, a Pinacoteca do Estado de São Paulo, exibiu uma mostra retrospectiva de sua obra. JULIO LOUZADA, VOL. 13 PÁG. 141; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 210; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 644; LEONOR AMARANTE, PÁG. 383; artnet.com; arcadja.com.



574 - NOEMIA MOURÃO (1912 - 1992)

Nu - desenho a nanquim - 24 x 14 cm - canto inferior direito -

Pintora e desenhista. Assina Noemia. Realizou sua primeira individual em 1934, no Rio de Janeiro. Residiu na Europa de 1934 a 1940, frequentando em Paris as academias de la Grande Chaumière e Ranson. Expôs em Montevideu e Buenos Aires. Foi citada por REIS JUNIOR e TEODORO BRAGA. Foi aluna (1932) e mulher (1933) de Di Cavalcanti. MEC vol.3, pág. 265; WALMIR AYALA vol.2, pág.135; PONTUAL, pág. 375; TEIXEIRA LEITE, pág. 356; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 684. Acervo FIEO.



575 - BANKSY (1974)

"Bomb Hugger (2)" - litografia off set - 31/300 - 38 x 27 cm - canto inferior direito na matriz -
Com certificado de Edicion, emitido por Suc. de Salerno e Hijos - (Italy) e carimbo em relevo seco do editor. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Grafiteiro, pintor, ativista, cineasta. Chama-se Robin Banks e nasceu em Bristol - Inglaterra, de acordo com o tabloide inglês 'Daily Mail', mas ninguém conseguiu comprovar. A revelação de sua identidade já esteve em leilão no site e-Bay, mas a oferta foi retirada. Passou anos desenvolvendo sua técnica até se lançar em trabalhos maiores e mais polêmicos - sem nunca revelar sua identidade. Considerado o criador da 'street art', ganhou notoriedade através das intervenções urbanas - modificando sinalizações de rua, imprimindo sua própria moeda e, ilegalmente, pendurando suas obras em instituições como o Louvre e o Museu de Arte Moderna. Hoje suas obras se espalham por galerias em: Londres, Los Angeles, Nova York, Roma, Munique, e até no muro que separa Israel e Palestina (2005). Assinou a capa do álbum 'Think Tank' (2003), da banda Blur. Em 2009 uma exposição de suas obras 'Banksy vs Bristol Museum' foi realizada em sua cidade natal. Seu documentário 'Exit Through the Gift Shop' (2011) chegou a ser indicado ao Oscar. super.abril.com.br; www.smithsonianmag.com; www.artprice.com; banksy.co.uk; www.artsy.net; www.artnet.com.



576 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - desenho a nanquim - 23 x 15 cm - não assinado -
Com certificado de autenticidade firmado pelo Professor Doutor José Roberto Teixeira Leite, datado de 02 de maio de 1976.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



577 - MARIO ZANINI (1907 - 1971)

Feira - guache - 17 x 24 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



578 - CÉLIA NAHAS GARCIA (XX)

"New Orleans" - técnica mista e colagem - 72 x 100 cm - canto inferior direito -

Artista plástica nascida em São Paulo. É pedagoga e desenvolve sua arte como autodidata. Realizou exposições individuais em São Paulo (2013, 2014) e tem participado de inúmeras mostras coletivas e oficiais, destacando-se: 'Exposição Museo do Café' (2013);?'Artexpo New York', Nova York -



579 - HISAMATSU MITAKE (1916 - 2015)

Choupana - óleo sobre tela - 24 x 33 cm - canto inferior esquerdo - 2006 -

Pintor com participações nas seguintes mostras: II Salão de Paisagem Paulista, em 1969; Salão de Belas Artes de Santos-SP, em 1971 e Salão de Belas Artes de Piracicaba-SP, em 1972. JULIO LOUZADA, vol.3, pág. 746.



580 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato Amarelo" - acrílico sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2002 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



581 - ISAURA DE MORAIS RIBEIRO (XX)

Domingo no parque - óleo sobre tela - 60 x 65 cm - centro inferior -

Artista plástica com diversas participações em mostras coletivas. Artista exclusiva da L'Hasta Galeria de Arte, SP.



582 - TORQUATO BASSI (1880 - 1967)

"Árvores em flor" - óleo sobre tela - 22 x 30 cm - canto inferior direito -

Nascido em Ferrara / Itália, veio para o Brasil ainda muito jovem, fixando-se em São Paulo, onde desenvolveu sua vida artística. Participou durante anos do Salão de Belas Artes do Rio de Janeiro, Salão Paulista de Belas Artes e de mostras de pintores italianos. Tem obras na Pinacoteca do Estado de São Paulo e no Museu Paulista de Belas Artes. TEODORO BRAGA, pág. 47; PONTUAL, pág. 58; MEC, vol. 1, pág. 188; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 89; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



583 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior direito -

Nascida em 1961, na cidade de Maringá/PR, Irineide Klöckner iniciou sua carreira artística em 1983, e passou pelos mais variados campos das artes plásticas, vivenciando as mais diversas técnicas de pintura. Desde 2000, Irineide dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte Irineide expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, Klöckner participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil.



584 - SILVIA ALVES (1947)

"É setembro em São Paulo" - óleo sobre tela - 46 x 38 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



585 - AUGUSTO HERKENHOFF (1965 - XX)

Figura - aquarela - 31 x 23 cm - canto inferior direito - 1996 -

Nasceu em Cachoeiro do Itapemirim, ES. Formou-se em Direito, no Rio de Janeiro, em 1984.De 1985 a 1986, estudou com Katie Van Scherpenberg no MAM/RJ. Entre 1985 e 1988 estudou pintura com Ronaldo do Rego Macedo, Katie Van Scherpenberg e Manfredo Souzanetto, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Entre 1986 e 1995 participou de diversos Salões, entre eles o I Salão Capixaba de Artes Plásticas, V Salão da Ferrovia – RFFSA, onde recebeu o Prêmio Aquisição, no Rio de Janeiro, 12º Salão Carioca de Arte Universitária, 13º e 16º Salão Carioca Rioarte, VII Salão Paulista de Arte Contemporânea, 13º Salão Nacional de Artes Plásticas, Rio de Janeiro, XV Salão Nacional de Artes Plásticas, recebendo o 1º Prêmio, com a séria Amarelas, Rio de Janeiro. Neste mesmo período participou de várias exposições individuais e coletivas em diversos estados do Brasil. http://pt.shvoong.com/humanities/424525-biografia-augusto-herkenhoff/



586 - CABRAL (1948)

Paisagem - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto superior direito - 1978 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Antônio Hélio Cabral, formado em arquitetura pela USP em 1974. Foi professor de pintura e desenho em diversas instituições de 1973 a 1984, tendo organizado mostras de artes brasileiras no Museu Lasar Segall, cujo ateliê de artes plásticas também orientou por algum tempo. Como pintor é adepto do figurativismo expressionista. TEIXEIRA LEITE, pág. 96; JULIO LOUZADA vol.10, pág.159; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



587 - ULYSSES FARIAS (1960)

Composição - técnica mista - 30 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Desenhista, pintor, fotógrafo, escultor, poeta e professor nascido em São Paulo. Tem participado de muitos eventos culturais, mostras e Salões oficiais em Socorro, SP (2006 a 2014); Brasília, DF (2010); Mairiporã, SP (2007); São Paulo (2013). Recebeu, em 2012, o primeiro lugar em um concurso de fotografias.



588 - HENRIQUE BONIFACIO (1954)

Natureza morta - serigrafia - 43/50 - 38 x 51 cm - canto inferior direito - 1988 -

Pintor fluminense nascido em Niterói/RJ. Frequentou a Escola Fluminense de Belas Artes de 1971 a 1974. Em 1975 passou a cursar a Escola Nacional de Belas Artes/RJ onde permaneceu até 1981 estudando com Israel Pedrosa. Participou de diversos salões oficiais, com premiações e inúmeras exposições individuais pelo Brasil. O Banco do Estado do Ceará e a Petrobras possuem obras em seus acervos. JÚLIO LOUZADA, vol. 3, pág. 143.



589 - MARIA BONOMI (1935)

"Turva" - litografia - 29/100 - 50 x 76 cm - centro inferior - 1976 -

Gravadora, pintora, figurinista, cenógrafa, muralista e escultora nascida em Meina, Itália. Mudou-se para o Rio de Janeiro ainda criança. Em São Paulo (década de 1950), estudou inicialmente com Yolanda Mohalyi, Karl Plattner e Livio Abramo. Na 'Columbia University', Nova York - EUA estudou artes gráficas com Hans Muller e História da Arte Comparada com Meyer Schapiro. Obteve bolsa de estudos no Pratt Institute, Nova York - EUA onde trabalhou com Seong Moy e Fritz Eichenberg, entre outros. De volta ao Brasil (1959) continuou seu aperfeiçoamento na gravura com Friedlaender no MAM, RJ. Fundou com Lívio Abramo o 'Estudio Gravura' (década de 1960), em São Paulo. Realizou várias exposições individuais e tem participado de muitas mostras coletivas e oficiais, no Brasil e no exterior. Recebeu, entre outros, o Prêmio de Melhor Gravador da VIII Bienal de São Paulo (1965); o Prêmio de Gravura na V Bienal de Paris (1968); o Prêmio de Gravura da VIII Exposição Internacional Ljubljana, modalidade xilogravura; o Prêmio de Aquisição na IX Bienal de mesmo nome (1971), culminando com o Prêmio Internacional de Gravura, modalidade litografia (1983). Como cenógrafa vale destacar o Prêmio de Revelação de Cenógrafa e Melhor Figurinista com a peça 'As feiticeiras de Salém' de Arthur Miller. O Prêmio Revelação dado pela APCT – Associação Paulista de Críticos Teatrais se repetiu nos anos de 1962, 1965 e 1967. Em 1965, recebeu o Prêmio Molière como melhor cenógrafa da peça "A megera domada”, de Shakespeare. Desde 1975 tem realizado numerosos painéis em concreto, de grandes dimensões, como os do Saguão do Maksoud Hotel e do Banco Sudameris do Brasil, as fachadas laterais do Esporte Clube Sírio e do Edifício J. Riskallah Joye, todos em São Paulo e, em Santiago do Chile, os painéis do Banco Exterior da Espanha. JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.142; PONTUAL PÁG.80; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.692; ARTE NO BRASIL PÁG.837; LEONOR AMARANTE PÁG.75, ACERVO FIEO; www.memorial.org.br; www.pinacoteca.org.br; www.bcb.gov.br; www.artprice.com.



590 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 15 x 23 cm - canto inferior esquerdo - 1950 -
No estado.

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



591 - MAGDA STÁBILE (1952)

Espanhola - óleo sobre tela - 60 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintora nascida em São Paulo, Capital, em 28/11/1952. Graduada pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Frequenta os cursos de arte da Escola Panamericana de Artes, SENAI, SESC e do MUBE. Recebe orientações dos professores Franulic, Adelino Rodrigues, Herman Sedoya, Antonio Santos Lopes e Carmen Rolim Arruda. Individuais em 1998 e coletivas a partir de 1978. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 311



592 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Lago - óleo sobre tela colada em cartão - 22 x 15 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



593 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Ikebana moderna" - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



594 - DARIO MECATTI (1909 - 1976)

Retrato - óleo sobre madeira - 38 x 25 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista nascido em Florença, Itália e falecido em São Paulo, SP. Na Itália recebeu orientação artística de Camillo Innocenti, trabalhou em um banco e pintou cartazes para a sala de cinema de seu primo. Em 1933, mudou-se para a África, onde permaneceu por aproximadamente sete anos viajando pelo norte do continente. Neste período conheceu a Líbia, Ilha de Malta, Tunísia, Turquia, Argélia, Marrocos, além de Portugal e Espanha. Durante a viagem retratou cenas destes países e realizou algumas exposições com o pintor florentino Renzo Gori, com quem residiu por pouco tempo em Paris. Em 1939, conheceu a Ilha de São Miguel, nos Açores e lá encontrou Maria da Paz com quem posteriormente se casou. No ano de 1940, mudou-se para o Brasil, passou pouco tempo no Rio de Janeiro e depois um período em Minas Gerais, onde visitou as cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Mudou-se no final do ano para São Paulo, onde entre 1941 e 1945, trabalhou na Galeria Fiorentina, na Rua Barão de Itapetininga, de propriedade de Malho Benedetti. Em 1945 conheceu Nicolino Bianco que passou a adquirir os quadros do artista para serem expostos na Loja de Móveis Paschoal Bianco. Apresentou-o para clientes e amigos que passaram a encomendar retratos. Neste período entrou em contato com Ezio Barbini, dono da Galeria Internacional que vendeu regularmente suas obras, além de apresenta-lo a um grupo de jovens artistas a quem orientou. Em 1946 construiu na Rua Feliciano Maia a sua casa estúdio, onde realizou exposições individuais anuais, sendo a última no ano de 1976, data de seu falecimento. TEODORO BRAGA, PÁG. 161/2; MEC, VOL. 3, PÁG. 109; PONTUAL, PÁG. 352; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 72; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 320; ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 611; ACERVO FIEO.



595 - ANTONIO CARINGI (1905 - 1981)

" O Laçador" - escultura em bronze - 31 x 13 x 11 cm - assinado - 1964 -

Escultor e professor nascido e falecido em Pelotas, RS. Em 1918, acompanhando a família, mudou-se para Porto Alegre, onde se graduou em Ciências e Letras. Em 1928, embarcou para a Europa para assumir o cargo de adido cultural no consulado brasileiro em Munique e estudar arte na Academia de Belas Artes desta cidade onde teve aulas com os escultores Hermann Hahn e Hans Stangl. Como adido consular ainda exerceu cargos diplomáticos em vários países europeus. Em 1934, voltou ao Brasil, para concorrer e venceu o concurso para a estátua equestre do general Bento Gonçalves, inaugurada em Porto Alegre, (1935), na comemoração do centenário da Revolução Farroupilha. Retornou à Europa em 1936, indo para Berlim, onde se especializou em plástica monumental com Arno Breker. Concluídos seus estudos na Alemanha, mudou-se para Roma. Empreendeu nessa época diversas viagens, sempre a estudos, visitando países como Dinamarca, Suécia, França e Países Balcânicos, detendo-se em estudos clássicos na Itália, Grécia e Turquia. Devido à Segunda Guerra Mundial, decidiu voltar definitivamente ao Brasil (1940), residindo em Porto Alegre. Em 1942 mudou-se para Pelotas. Lecionou escultura na Escola de Belas Artes de Pelotas (1952 a 1980), atual Instituto de Letras e Artes da Universidade Federal de Pelotas. Realizou exposição individual em Porto Alegre, RS (1997) e participou de várias mostras coletivas e oficiais, como: Salão de Outono, RS (1925); Salão Paulista de Belas Artes, SP (1942); no Rio de Janeiro (1950). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1933, 1938); Munique, Alemanha (1934); Porto Alegre, RS (1940, 1977); Pelotas, RS (1980). ITAUCULTURAL, www.vivaocharque.com.br; www.viveresaber.com.br.



596 - MARLENE HORI (XX)

Composição - gravura - P.A. IV - 53 x 48 cm - canto inferior direito - 1973 -

Desenhista e gravadora com diversas exposições e participações em mostras oficiais, destacando-se: Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1973); Salão Paranaense, Curitiba, PR (1973); Salão Nacional de Arte Contemporânea, Belo Horizonte, MG (1973); Panorama de Arte Atual Brasileira, São Paulo, SP (1974, 1977); Mostra Anual de Gravura Cidade de Curitiba, Curitiba, PR (1978). ITAUCULTURAL.



597 - JORGE FRANCO (1955)

Flores - acrílico sobre cartão colado eucatex - 80 x 60 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor e desenhista, nasceu em Barretos-SP no dia 13 de maio de 1955. Entre 1979 e 1981, frequentou o Atelie Livre de Artes do Museu Lasar Segall, orientado por Helio Cabra, travando conhecimento com outros artistas como Hugo Adami, Rafael Galvez e Antonio Carelli. Individuais em 1991, e coletivas a partir de 1983. JULIO LOUZADA, vol 5 - pág 392



598 - REINALDO MANZKE (1906 - 1980)

Paisagem - guache - 19 x 26 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, nascido e falecido em Blumenau, SC. Participou regularmente do Salão Paulista de Belas Artes, recebendo premiações diversas. JULIO LOUZADA, vol 9, pág, 529. MEC, VOL, 3,pág, 65. PONTUAL,pág,335; TEODORO BRAGA; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



599 - MANOEL PACHECO (XX - XX)

"O caminho" - técnica mista - 47 x 32 cm - canto inferior direito - 1977 -

Pintor e desenhista com diversas participações em exposições coletivas e salões oficiais. JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 248



600 - ALBERTO LUME (1944)

Menina - óleo sobre tela - 60 x 40 cm - canto inferior direito e dorso -

Português da Ilha da Madeira, onde nasceu a 6/2/1944, LUME, como é conhecido e assina as suas obras, fixou residência no Brasil a partir de 1954. Trouxe na sua bagagens sólidos conhecimentos de bom desenhista e excepcional colorista. Adota os temas brasileiros em suas obras com rara felicidade, fazendo com que as suas obras sejam muito disputadas em leilões e por colecionadores. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 601 602



601 - M. MATTOS (XX)

"Ilha das cabras e Morrete" - aquarela - 23 x 33 cm - canto inferior direito - Praia do Sonho - Itanhaém -

Pintor e desenhista com diversas participações em mostras coletivas. JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 665; VOL. 6, PÁG. 706.



602 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Senhorita - óleo sobre cartão - 27 x 22 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



603 - EDUARDO SUED (1925)

Composição - serigrafia - P.A. - 80 x 36 cm - canto inferior direito - 2013 -

Natural da cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde reside e é ativo. Pintor, desenhista, ilustrador e gravador. Formou-se na Escola Nacional de Engenharia do Rio de Janeiro em 1948. Foi aluno de desenho e pintura do pintor Henrique Boese. Trabalhou como desenhista no escritório do arquiteto Oscar Niemeyer (1950-1951). Freqüenta os ateliês de La Grande Chaumière e L'Académies Julian em Paris (1951), retornando ao Rio de Janeiro em 1953, onde estuda gravura em metal com Iberê Camargo. Diversas exposições coletivas e individuais. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 975/976; ARTE NO BRASIL, pág. 814; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



604 - ÉLON BRASIL (1957)

"Maiarí" - litografia off set - 19/30 - 68 x 48 cm - canto superior esquerdo - 2001 -
No estado.

Artista plástico autodidata, nasceu em 1957, na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se em 1968 para São Paulo, aos 12 anos, ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artista Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, Élon ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Hoje, sua obra figurativa e abstrata é composta por imagens da terra: índios, negros e caboclos, cercados por textura e cores marcantes. Sua temática busca ressaltar e preservar a cultura brasileira e suas próprias raízes. Filho de baianos - mãe negra, neta de índios, e pai (o artista Milton Brasil), neto de imigrantes italianos e portugueses - Élon resgata em sua história e origem, a fonte de inspiração . Ao morar na Suíça por seis meses, obteve a oportunidade de expor o seu trabalho em diversas ocasiões, tornando-se conhecido internacionalmente, principalmente com encomendas para colecionadores europeus. JULIO LOUZADA vol. 11, pág.154.



605 - CARLOS BORGES (1959)

Pássaros - óleo sobre tela colada em eucatex - 22 x 28 cm - canto superior esquerdo -

Pintor e escultor, natural de Itumbiara, GO. Formou-se em Desenho e Artes Plásticas na UNB, Brasília - DF, em 1982. Exposição individual em Brasília (1992). Coletivas em Brasília, Goiânia, GO e Cuiabá, MT (1991). Prêmios: Brasília, DF (1991, 1992). JULIO LOUZADA, VOL. 6, PÁG.142.



606 - J. BORGES (JOSÉ FRANCISCO BORGES) (1935)

Anjo - matriz de xilogravura - 20 x 12 cm - centro inferior -

Gravador e pintor, nasceu em Bezerros, PE, em 20/12/1935. Tinha sucesso com seus folhetos de cordel, mas foi a falta de material de ilustração para a capa de seu próximo trabalho que o levou para a xilogravura, passando a ser reconhecido nacional e internacionalmente. Em novembro de 1997 veio para São Paulo como um dos convidados do Encontro da Cultura Brasileira, na exposição O Cordel e a Arte dos Livros, que aconteceu no Salão Arco 2 da Estação Julio Prestes. JULIO LOUZADA, vol 10, pág 127; Acervo FIEO; ITAÚ CULTURAL.



607 - EUNICE FIGUEIRA (XX)

Flores - óleo sobre tela - 80 x 120 cm - canto inferior esquerdo -

Filha do escultor e pintor Joaquim Lopes Figueira, que fez parte do Grupo Santa Helena. Cumpriu seus estudos artísticos com os professores Nico Rossa / Luigi Neviani na Escola Panamericana de Arte no ano de 1971 / 73.Continuou seus estudos de desenho e pintura com o professor Menacho Martins. Contemporaneamente freqüentou o curso de Modelagem - Escultura no Liceu de Artes e Ofícios com o professor Reidan. Em 1987, participou da Exposição na II Expo Brasil Portugal.



608 - GUILHERME SECCHIN (1959 - 2016)

Composição - aquarela - 37 x 55 cm - canto inferior direito -

Pintor e desenhista, João Guilherme Vianna Secchin nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, ES e faleceu em São Paulo. Nos anos 70, o pintor morou nos Estados Unidos onde fez cursos de aquarela na 'Butler County Community College'. Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro (1982 a 1987, 1992 a 1994, 1997, 1998, 2000); Vitória, ES (1989) e São Paulo (1997). Participou de mostras coletivas e Salões oficiais no: Rio de Janeiro (1984, 1985, 1992, 1994 a 1997, 2000); São Paulo (1988); Vitória, ES (1995); Belo Horizonte, MG (1996); Nova York, EUA (1985, 1988, 1990); Los Angeles, EUA (1988); Paris, França (1991); Roma, Itália (1991); Maputo, Moçambique (1994); Cuenca, Equador (1994). JULIO LOUZADA VOL. 13, PÁG. 306; ITAUCULTURAL; oglobo.globo.com.



609 - ONIELO ROMANELLO (1926)

Flores - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor italiano com diversas exposições individuais e coletivas. Participou de salões oficiais em diversas capitais européias. ARTPRICE e JULIO LOUZADA vol.5, pág., 899.



610 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)

Casario - óleo sobre tela - 50 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor radicado em São Paulo, onde é ativo. São muito apreciadas as suas aquarelas, que retratam os casarios de cidades mineiras e do interior do País. Em 1985, recebeu prêmio aquisição no SPBA, e em 1988 prêmio no SPBA-SP. JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 39; Acervo FIEO.



611 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Triângulos - serigrafia - 24 x 14 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



612 - OMAR PELLEGATTA (1925 - 2000)

Porto - guache - 31 x 20 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, desenhista e gravador nascido em Busto Arsizio, Itália. Assina Pellegata. Veio para o Brasil em 1927, estudou na Associação Paulista de Belas Artes, foi aluno de Ettore Federighi e Durval Pereira, Takaoka, Mário Zanini, Otone Zorlini. Viveu e trabalhou em Santos, SP. Fez parte do Grupo Tapir (1970) com Giancarlo Zorlini, João Simeone, José Procópio de Moraes, Glicério Geraldo Canelosso e do Grupo Chácara Flora com Emídio Dias de Carvalho, Arlindo Ortolani, Heitor Carilo, Glicério Geraldo Canelosso. Realizou exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil como: Salão Paulista de Belas Artes (desde 1958), Salão Municipal de Belas Artes de Belo Horizonte, MG (1960), entre outros, recebendo muitos prêmios. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG.735; MEC VOL.3, PÁG.363; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



613 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Casal - serigrafia - H.C. - 52 x 43 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



614 - J. M. RUCK (1939)

"Campos dourados" - óleo sobre tela - 30 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2015 -

Pintora, professora e restauradora, Jany Marylene Ruck nasceu em Agudos, SP. Assinava Jany até 1984. Atualmente assina JM. Ruck. Em Campinas fez cursos livres de desenho e pintura com Elenice Menegon, Aldo Cardarelli, Djalma Urban e Álvaro de Batista. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em: São José do Rio Preto, SP (1984, 1985, 1991); Campinas, SP (1985, 1996); São João da Boa Vista, SP (1985); Itatiba, SP (1985,1987, 1988); Mogi Mirim, SP (1987); Poços de Caldas, MG (1987); Piracicaba, SP (1988); Limeira, SP (1989); Araras, SP (1991); Ribeirão Preto, SP (2003). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 7 PÁG. 614; VOL. 9, PÁG. 750.



615 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Coruja - xilogravura - P.A. - 30 x 36 cm - canto inferior direito - 1988 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.