Leilão de Agosto de 2018

13 e 14 de Agosto de 2018



001 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Galo - serigrafia - 39/60 - 63 x 43 cm - canto inferior direito - 1966 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



002 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Fachada - serigrafia - 28/50 - 36 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



003 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Arara vermelha - escultura em madeira - 43 x 11 x 11 cm - não assinado -



004 - ZORÁVIA BETTIOL (1935)

"O primeiro beijo" - xilogravura - 39 x 27 cm - canto inferior direito -
No estado.

Gravadora, tapeceira, designer de jóias, desenhista, pintora, professora, Zoravia Bettiol nasceu em Porto Alegre, RS. Graduou-se em pintura pelo Instituto de Belas Artes de Porto Alegre. De 1956 a 1957 foi aluna de desenho e xilogravura no ateliê do escultor Vasco Prado, com quem foi casada durante 28 anos. Dedicou-se principalmente à tapeçaria e à gravura. Em 1968 mudou-se para Varsóvia, Polônia, para realização de estudos na área têxtil no Atelier Maria Laskiewicz. Durante o período em que residiu na Polônia cursou a Escola de Belas Artes de Varsóvia. Nos anos 70, já de volta ao Brasil, figurou em diversas exposições nacionais e internacionais. Entre os prêmios destacam-se: o primeiro prêmio de desenho no 18º Salão Municipal de Belas-Artes de Belo Horizonte (1962), o primeiro prêmio de gravura no 2º Salão de Arte Religiosa Brasileira de Londrina (1966), o prêmio nacional de gravura na 1ª Bienal Nacional de Artes Plásticas de Salvador (1966), recebeu o Prêmio Medalha Cidade de Porto Alegre (1985) e foi homenageada com o troféu destaque em artes plásticas 87. MEC, VOL. 1 PÁG. 223 E 224; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 727; LEONOR AMARANTE, PÁG. 146; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 128; www.artprice.com.



005 - ANTONIO GARCIA PASCOAL (1939)

"Minas Gerais" - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2018 -

Assina Pascoal. Pintor nascido em Itapui, SP, em 17 de novembro. Participa de coletivas desde 1990, tendo recebido prêmio, dentre outros, Medalha de Bronze, no SA na CEF em São Caetano do Sul - 1991. JULIO LOUZADA vol.9, pág. 655.



006 - ALEX LUIZI (1964)

Paisagem - óleo sobre eucatex - 38 x 46 cm - canto inferior direito - 1990 -

Pintor, Alexandre Luizi Campos é natural de Poços de Caldas, MG. Assina Alex Luigi. Inicia-se na vida artística aos 15 anos com desenhos sob a orientação de seu avô materno De Luizi. Tem participado de diversas exposições e Salões oficiais onde recebeu inúmeros prêmios. Individuais: Poços de Caldas, MG (1988); São Paulo, SP (1990); Campinas, SP (1989, 1990); Campestre, MG (1989); Taubaté, SP (1989); Joinville, SC (1990); Ribeirão Preto, SP (1991); Itajubá, MG (1992).. Coletivas: Poços de Caldas, MG (1986, 1987); Santos, SP (1986); São Paulo, SP (1987 a 1996); Campinas, SP (1987, 1988 a 1996); Curitiba, PR (1988, 1990 a 1994); Joinville, SC (1988 a 1996); Blumenau, SC (1988, 1996); Ribeirão Preto, SP (1990 a 1992); Mogi Mirim, SP (1990 a 1994); Itajubá, MG (1990 a 1996); Camboriú, SC (1992); Porto Alegre, RS (1991 a 1994); Lages e Florianópolis, SC (1991 a 1996); Campos do Jordão, SP (1994). JULIO LOUZADA, vol.5, pág. 600; vol. 6, pág. 619; vol. 9, pág.499.



007 - CLÓVIS GRACIANO (1907 - 1988)

Capoeiristas - serigrafia - 33,5 x 26,5 cm - canto inferior direito - 1963 -

Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



008 - ALBERTO LUME (1944)

Florista - óleo sobre tela - 100 x 80 cm - canto inferior direito -

Português da Ilha da Madeira, onde nasceu a 6/2/1944, LUME, como é conhecido e assina as suas obras, fixou residência no Brasil a partir de 1954. Trouxe na sua bagagens sólidos conhecimentos de bom desenhista e excepcional colorista. Adota os temas brasileiros em suas obras com rara felicidade, fazendo com que as suas obras sejam muito disputadas em leilões e por colecionadores. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 601 602



009 - FERNANDO BARROS (XX)

Casario - acrílico sobre tela - 30 x 20 cm - canto inferior direito e dorso - São Paulo -

Pintor atuante em São Paulo. Assina Barros. Participou de mostras coletivas e recebeu alguns prêmios e medalhas.



010 - MANOEL MARTINS (1911 - 1979)

Cidade - técnica mista - 40 x 29,5 cm - canto inferior direito - 1965 -
No estado.

Natural de São Paulo, MANOEL MARTINS participou ativamente do Grupo Santa Helena, onde defendeu a necessidade de fazer da arte uma profissão, e ocupar com ela, um espaço na sociedade. Manoel Martins, a partir da exposição da Familia Artística Paulista em 1937, realizado pelos integrantes do Grupo, desenvolveu obras no âmbito do figurativo, buscando incorporar a vida, o movimento, as aglomerações do mundo urbano, substituindo a figuração pós-impressionistas por elementos racionais do cubismo com a valorização do expressionismo. TEIXEIRA LEITE, pág. 316; JULIO LOUZADA, vol.11, pág. 201; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; ARTE NO BRASIL, pág. 784, Acervo FIEO.



011 - CARLOS BRESEGUELLO (1958)

Composição - serigrafia sobre tela - 19/50 - 72 x 72 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor e escultor nascido em São José do Rio Preto, SP. Expõe individualmente a partir de 1983, e participa coletivas na Capital e no Interior desde 1972. JÚLIO LOUZADA vol.8, pág.133; ITAÚ CULTURAL.



012 - IWAO NAKAJIMA (1934 - 2011)

Colheita de algodão - óleo sobre tela - 22 x 16 cm - canto inferior direito e dorso - 1977 - -São Paulo -
No estado.

Natural de Guma-Ken, Japão, onde nasceu a 9 de abril de 1934, permanecendo no Japão, onde fez estudos de pintura e desenho, até 1955, quando se transfere para o Brasil, como técnico em pintura sobre esmalte. É associado na APBA. Expõe individualmente a partir de 1982, e participa de coletivas a partir de 1974, inclusive no exterior. Em seu curriculum constam diversas premiações em certames oficiais. Faleceu em Embu das Artes em 3 de setembro de 2011. JULIO LOUZADA, vol. 6 pág. 767



013 - FANG (1931 - 2012)

Pássaro - desenho a nanquim - 11,5 x 21,5 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1989 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Chien Kong Fang, ou simplesmente Fang, nasceu na cidade de Tung Cheng, China e faleceu em São Paulo. Estudou sumiê e aquarela na China em 1945. Veio morar em São Paulo com a família em 1951, naturalizando-se brasileiro em 1971. Entre 1954 e 1956, estudou pintura com Yoshiya Takaoka em São Paulo. Viajou, em 1977, para a América do Norte, Europa e Ásia, onde desenvolveu o seu trabalho de pintura. Em 1981, foi realizado o curta metragem biográfico ‘O Caminho de Fang’, em São Paulo. Visitou a China, convidado pelo governo chinês, em 1985. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1959, 1961, 1962, 1978, 1981, 1993, 2005); Salvador, BA (1962); Rio de Janeiro (1978, 1986); Schleswing, Alemanha (1985); Lugana, EUA (1990); Americana, SP (1994); Formosa, Taiwan (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1957) e em São Paulo (1960 a 1962, 1967 a 1969, 1978, 1979, 1991). Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1978). MEC, VOL. 2, PÁG. 124; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 366; VOL. 6, PÁG. 378; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 189; PONTUAL, PÁG. 201; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; www.fang.com.br; www.artprice.com.



014 - JONAS MATOS (1984)

Paisagem - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito -

Pintor autodidata nascido em Tucuruí, Pará. Atualmente reside em Guarulhos, SP dedicando seu tempo integral à pintura. https://www.artmajeur.com/pt/gallery/celio-kennedy/portfolio/jonas-matos/291925; https://betomelodia.blogspot.com.br/2017/03/carlos-miranda-betomelodia-brasil-jonas-matos-pintores-paisagismo-impressionismo-artes-plasticas-brasileiras-brazilian-painters-artists-art-brazil.html.



015 - JOSÉ ANTONIO MORETO (1938)

Rio - óleo sobre tela - 22 x 14 cm - canto inferior direito - 1989 -

Natural de Pederneiras, SP, onde nasceu em 14/7/1938. Seu principal mestre e orientador foi Aldo Cardarelli. Fixou-se em Campinas, onde seu talento paisagista é bem reconhecido. Sua pintura é neo-clássica, e produz paisagens, marinhas, naturezas-mortas e figuras. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 694; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



016 - LUIZ ANTONIO DE LUCA (XX)

"Égua e Pôtro Árabes" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso - 2001 -

Pintor. Iniciou sua carreira em 1976 trabalhando em uma indústria que desenvolvia projetos de vidros. Formado na Faculdade Luzwell e passando também pela Escola Panamericana de Artes, foi em 1983 que deu início à sua carreira artística profissional. Ao mesmo tempo foi desenhista projetista criando frascos para perfumarias como Mahogany e Avon. unaspsp.edu.br/Noticia/Ler/encontro_com_a_arte_reune_artistas_no_unasp_sp_0;



017 - LUIS ZEBINI (1962)

Palhaço - óleo sobre tela colada em eucatex - 39 x 29 cm - canto inferior direito - 2018 -

Pintor e desenhista autodidata, ativo em São Paulo. Fez parte do grupo "Quinteto do Marquês" de artistas plásticos com várias tendências. Tem participado de muitas mostras coletivas, entre as quais, da exposição "A arte brasileira invade Moscou" na Rússia, em 2016.



018 - EDISON DE SOUZA (XX)

Cais - técnica mista - 20,5 x 47,5 cm - canto inferior direito - 1985 -

Segundo o crítico e historiador de arte, ex diretor do MAC, Wolfgang Pfeiffer: " ... Edison, artista experimentado e mestre no uso das tintas, liberou a expressividade das suas pinturas. A beleza das tonalidades e das transparências estão realmente presentes de maneira convincente. Delas resulta a luminosidade colorística do nosso pintor." Coletivas a partir de 1962, no país e no exterior (Chile e Portugal), com diversas premiações (Medalhas de Ouro e Prata - Chile; Medalhas de Bronze - Salvador-BA e São Paulo-SP; Medalha de Prata - Lisboa-Portugal).



019 - EDUARDO MORI (1943)

Composição - técnica mista - 22 x 34 cm - canto inferior direito -

Nascido em São Paulo, iniciou seus estudo artísticos em Paris, onde residiu por longos anos, realizando algumas exposições de desenhos e óleos, retratando cenas do cotidiano. Posteriormente radicou-se em Los Angeles-EUA onde, mais liberto da influência acadêmica, se fixou no abstracionismo, buscando apenas na cor a forma de expressar toda a sua arte, com a qual se consagrou. JULIO LOUZADA vol.11, pág.219



020 - JOÃO BAPTISTA CASTAGNETO (1862 - 1900)

Barco - sépia - 31 x 23 cm - lado direito - 1898 -
Ex coleção Doutor Ricardo Espírito Santo.

Pintor especializado em marinhas, foi aluno de Georg Grimm, exímio colorista, fez impressionismo institivamente; pintou em geral pequenos quadros a óleo, usando como suporte até tampas de caixas de charuto; fez também aquarelas e desenhos. MEC vol.1, pág. 368; PONTUAL, págs. 117/118; TEIXEIRA LEITE, pág. 112; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 416; LEONOR AMARANTE, pág. 42.



021 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Flor - serigrafia - 52 x 20 cm - canto inferior direito - 1964 -
Com a seguinte dedicatória: "Para Lourdes e Maria com carinho Aldemir Martins,1964". No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



022 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Figuras - técnica mista - 29 x 23 cm - canto inferior direito - 1920 -
No estado.



023 - ALFREDO MUCCI (1920)

"Janela com flores" - óleo sobre tela - 70 x 60 cm - canto inferior esquerdo - 1973 -

Alfredo Mucci nasceu em Roma, Itália. Pintor, desenhista, gravador e mosaicista, estudou pintura e mosaico em Roma e Ravenna. Em l953, transferiu-se para o Brasil e realizou estudos sobre arqueologia, etnografia e folclore, efetuando pesquisas em suas viagens pelo interior do país. Recebeu o Prêmio Brasil, da Sociedade dos Artistas Nacionais, em 1956; foi pesquisador credenciado pela Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro e pertence à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Dedicou-se à decoração mural, tendo idealizado e executado numerosos painéis a óleo e em mosaico, especialmente no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Extrema, MG. É autor do "Compêndio Histórico-técnico da arte do mosaico, editado pelo "Ao Livro Técnico", do Rio de Janeiro, com apresentação de Ricardo Averini, professor de História da Arte da Universidade de Perugia, na Itália. Realizou diversas exposições de pintura na Itália e no Brasil. Suas obras figuram em coleções particulares da Europa, Estados Unidos e Brasil, com destaque as do Museu de Arte de São Paulo e do Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. PONTUAL, PÁG.375; MEC, vol. 3, pág.225; www.jusbrasil.com.br.



024 - ANGEL CESTAC (1948)

"El antifaz" - óleo sobre tela - 40 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - 1994 -
Com etiqueta de Marques Galeria - Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1191 - X 67, São Paulo - SP, no dorso.

Argentino da cidade de Azul, Província de Buenos Aires, onde nasceu a 4 de agôsto de 1948. Começou a estudar na ENBA Rogério Irurtina, na sua cidade natal. A partir de 1969 estuda na ENBA de Buenos Aires, recebendo o certificado de Mestre Nacional de Artes Plásticas e Professor Nacional de Pintura. Ativo em São Paulo, SP, onde reside e expõe individualmente a partir de 1980, e coletivamente desde 1979. JULIO LOUZADA, vol. 5, PÁG. 233



025 - ÉLON BRASIL (1957)

"Ritual do casamento" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto superior esquerdo e dorso - 2016 - São Paulo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



026 - ARMANDO LEITE (XIX - XX)

"Poveiro em descanso" - óleo sobre madeira - 26 x 41 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1944 -
Saco de São Francisco, Niterói - RJ.

Mencionado no "O mercado da Arte" no Brasil - Léo Christiano Editorial, pág.123, 1984; Acervo FIEO.



027 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Subindo o morro - desenho a nanquim - 18 x 10 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



028 - ALDO RAIMONDI (1902 - 1998)

Animais - aquarela - 10 x 15 cm - canto inferior esquerdo - 1946 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador italiano nascido em Roma. Foi ativo na Bélgica e participou de diversas exposições coletivas. BENEZIT; www.artprice.com; www.invaluable.com.



029 - ANATOL WLADYSLAW (1913 - 2004)

"Estudo capa" - técnica mista - 22 x 21 cm - canto inferior direito - 1951 -

Pintor e desenhista nascido em Varsóvia, Polonia; faleceu em São Paulo, aos 91 anos de idade. No Brasil desde 1930, fixou residência em São Paulo, naturalizando-se brasileiro. Dedicou-se à pintura e ao desenho a partir de 1946, participando da I à IX Bienal, recebendo diversas premiações. Formado em engenharia no Mackenzie, tornou-se um dos pioneiros da arte abstrata, participando ativamente do movimento Ruptura, ao lado de Valdemar Cordeiro, Lothar Charoux e Luiz Sacilotto. Figura no acervo do MAM-RJ e MNBA de Buenos Aires. JULIO LOUZADA, VOL, 4, pág, 1177. MEC, VOL, 4 pág, 512. TEIXEIRA LEITE, pág, 544. WALMIR AYALA, VOL 2. pág, 442; PONTUAL, pág. 553; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 921.



030 - DARCY PENTEADO (1926 - 1987)

"Menino e sol listrado" - óleo sobre tela e colagem - 35 x 22 cm - canto inferior esquerdo - 1972 -

Desenhista, pintor, cenógrafo, figurinista e escritor nascido e falecido em São Roque, SP. Após os 10 anos mudou-se para São Paulo para concluir seus estudos. Distinguiu-se pelos desenhos que realizou que o levou a trabalhar em agências de publicidade, de desenho industrial e como figurinista de magazines. Iniciou, como autodidata, a cenografia para teatro e televisão, além da literatura (1944) e começou a expor, como artista plástico, em 1949. Passou a integrar em São Paulo o Grupo Novíssimos (1948). Desde 1955 vinha participando na televisão, como diretor de arte. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1954 e 1956 – MAM, 1961, 1963, 1981, 1983); Rio de Janeiro (1956, 1959); Recife, PE (1983); Pelotas, RS (1984). Viajou por diversas vezes à Europa onde morou por sete anos e também expôs individualmente em: Hamburgo, Alemanha (1964); Roma, Itália (1965, 1967); Paris, França (1966). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1953, 1955, 1963, 1965, 1967, 1973, 1985, 1986); Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1960, 1961); Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP (1959, 1962); Bienal de Paris (1961); Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1969, 1973, 1974). Recebeu a Medalha de Prata no SPAM (1961); Prêmio Governador do Estado (1954) como cenógrafo; o Prêmio Jabuti (1962) como ilustrador; Menção Honrosa (1977) da Revista Status como contista. MEC VOL. 3, PÁG. 365; PONTUAL PÁG. 416; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 747; VOL. 3, PÁG. 874; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG 183; TEIXEIRA LEITE PÁG 401; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 717; LEONOR AMARANTE PÁG. 75; www.artprice.com.



031 - INÁCIO RODRIGUES (1946)

"Paloma" - litografia - 3/60 - 75 x 54 cm - canto inferior esquerdo - 1982 -
No estado.

Pintor, desenhista, entalhador e gravador, natural de Acaraú, CE. Iniciou-se em pintura como autodidata (1957). Viajou para diversos países da América Latina (1960-1965) com o objetivo de participar de exposições e acabou se fixando, em 1966, no Rio de Janeiro. Pintou a cúpula da Catedral Municipal e o Hotel Porto Velho em Porto Velho, RO (1962 e 1965). Expôs individualmente em diversas capitais brasileiras e também no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais e foi premiado em: Curitiba, PR (1971); Rio de Janeiro (1970, 1973, 1975, 1977, 1978); Belo Horizonte, MG (1970, 1971); Campinas, SP (1971, 1972); Florianópolis, SC (1972); Niterói, RJ (1974); Embu, SP (1974); Amparo, SP (1994, 1996); São José dos Campos, SP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 834; VOL. 4, PÁG. 959; VOL. 12, PÁG. 345; TEIXEIRA LEITE PÁG. 450. WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 259; MEC VOL. 4, PÁG. 91; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



032 - IMRE MAGYAR (XX)

Paisagem - óleo sobre tela - 60 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2005 -

Pintor húngaro, radicado no Brasil desde 1950, com diversas exposições e participação de Salões Oficiais.



033 - ANOR MENDES (1953)

Pescador - escultura em bronze - 26 x 14 x 19 cm - assinado -

Escultor sul-mato-grossense Anor Mendes Pereira Filho, ou simplesmente Anor Mendes, nasceu em Terenos, mas foi criado em Aquidauana. Tem quase 30 anos de vida dedicados à escultura. Começou ainda jovem no ramo das artes - quando estava no quartel, descobriu-se desenhista. Partiu para a serigrafia, pintura, mas foi na escultura que se empenhou e ganhou grande destaque. Tem obras espalhadas pelo Brasil, Paraguai, Israel, Itália, entre outros lugares. Mesmo reconhecido, nunca gostou de participar de salão de artes. http://www.ensaiogeral.com.br/noticias/personalidade/o_escultor_anor_mendes.



034 - ARPAD SZENES (1897 - 1985)

Figura - desenho - 27,5 x 18,5 cm - lado direito - 1943 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor nascido em Budapeste, Hungria, onde estudou. Radicou-se em Paris em 1925. Trabalhou com André Lhote e Fernand Léger. Casou-se com a pintora portuguesa Maria Helena Vieira da Silva. em 1940 transferiu-se para o nosso pais onde permaneceu por 7 anos, tendo exposto em diversas ocasiões.MEC vol.4 pág. 347 JULIO LOUZADA vol. 5 pág. 1023.



035 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Composição - gravura - 17/80 - 65 x 95 cm - canto inferior direito - 1988 -
No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



036 - CESAR ROMERO (1950)

"Vôo emblemático sobre verde" - liquitex sobre tela - 27 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1982 - Bahia -
No estado.

Baiano Feira de Santana BA, onde nasceu a 18 de outubro de 1950. É medico, e vive e trabalha em Salvador- BA, desde 1966. Autodidata, é artista gráfico, ilustrador, fotógrafo e membro de júri de salões. Expõe individualmente desde 1972 e coletivamente a partir de 1971, inclusive no exterior. "A arte de César Romero se baseia num constante processo de síntese em torno dos seus símbolos, criados não para mostrar os problemas espirituais do homem, mas como uma escrita particular para com ela dizer o que pensa deles e o modo como vivem hoje. (...) Optando pelo simbolismo, César Romero evita o óbvio da ilustração direta e leva o espectador a decifrar seus motivos pois afirma seus temas de modo tão exato, que o seu intento prevalece claro. Seu trabalho é investigador e tenta descobrir ironias inerentes ao transmitir idéias, sem desprezar os aspectos secundários que contribuem para a experiência estética. Calculista, não recebe bem os acidentes imprevisíveis e, embora seu processo seja de síntese, sua técnica é cumulativa, utilizando-se de formas bem conhecidas que adota, adapta, modifica e combina, para dar a elas uma existência significativa. (...) Para acomodar a multiplicidade de suas mensagens invade outros territórios de criatividade e vai incorporar legados de componentes literários ou da música popular. (...) Também esquemas de origem geométrica e ótica são frequentemente elaborados pelo seu pensamento. A riqueza destas referências é deliberada e tende a equilibrar a inspiração, exposta ao rigoroso teste do experimento condicionado, que predetermina seus resultados. O que primeiro chama atenção no trabalho de César Romero é a técnica limpa, as belas combinações cromáticas que chegam a parecer apenas isto. Só depois, com vagar, é que vamos atentando para o significado do que a princípio parece só forma (...). " Matilde Matos, in CESAR Romero: abordagem: pinturas. Apresentação de Matilde Matos. s.l.: Galeria da Pousada do Carmo, 1976. ACERVO FIEO. ITAU CULTURAL



037 - HÉLIOS SEELINGER (1878 - 1965)

Figura - guache - 29 x 23 cm - canto inferior esquerdo -

Natural do Rio de Janeiro, seu pai era alemão e sua mãe brasileira, descendentes de franceses e gregos. O artista estudou na ENBA (1892-1896), onde foi aluno de Henrique Bernardelli. Recebeu influência do artista alemão Franz von Stuck, na Academia de Belas Artes de Munique, onde ali foram seus contemporâneos Kandinsky, Paul Klee e Franz Marc. SEELINGER decorou o salão nobre do Clube Naval do Rio de Janeiro, a convite do Ministério do Marinha (1910). PONTUAL, pág.481; TEIXEIRA LEITE, pág. 466; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 431; ARTE NO BRASIL, pág. 574.



038 - CAMILO MICHALKA (1921 - 2012)

Cachoeira - óleo sobre eucatex - 25 x 16,5 cm - canto inferior direito -

Pintor e arquiteto nascido em Viena, Áustria. Assina C. Michalka. Veio para o Brasil em 1931. Submeteu, em 1940, um trabalho seu ao Salão Nacional de Belas Artes, RJ, o qual conquistou uma Menção Honrosa. Na mesma ocasião recebeu outras Menções Honrosas pelos Salões Paulista e do Rio Grande do Sul, além de Prêmio Aquisição Euclides da Cunha, dividido com Manoel Santiago, no Salão Fluminense de Belas Artes, RJ; Medalha de Bronze no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1957); Medalha de Prata no Salão dos Artistas Brasileiros (1960), entre outros. Formou-se arquiteto em 1947. Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro em 1983, 1986 e 1987, após se aposentar como arquiteto e radicar-se em Teresópolis, RJ. ITAU CULTURAL; JÚLIO LOUZADA VOL.3, PÁG. 736, VOL. 12, PÁG. 275; therezopolisassim.blogspot.com.br.



039 - SUSUMO HARADA (1938)

Bambus - gravura - 2/5 - 16,5 x 19,5 cm - canto inferior direito - 1993 -

Pintor, desenhista, gravador autodidata nascido em Barueri, SP. Realizou exposições individuais em: Embu, SP (1982); São Paulo (1983); Itapevi, SP (1983); Goiânia, GO (1987); Piracicaba, SP (2009), entre outras. Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Salão de Artes Plásticas de Embu, SP (1979); Exposição de Artes de São João da Boa Vista, SP (1980); Salão de Artes Plásticas de Presidente Prudente, SP (1980 a 1982); Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo (1980); Salão de Belas Artes de Piracicaba, SP (1981); Salão Bunkyo, São Paulo (1982, 1983); Artistas Premiados do Interior de São Paulo, Paço das Artes - São Paulo (1982); Salão Paulista, São Paulo (1983); Salão de Arte Contemporânea de Santo André, SP (1983). Foi premiado em: São João da Boa Vista, SP (1981); Matão, SP (1982); Araras, SP (1982, 1983); São Paulo (1982, 1983); Assis, SP (1982); Embu, SP (1981, 1982); Santo André, SP (1983); Salvador, BA (1983). ITAU CULTURAL; www.artbizshopping.com.br; www.camarapiracicaba.sp.gov.br.



040 - MAX THEODOR STRECKENBACH (1865 - 1936)

Natureza morta - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador alemão nascido e falecido em Eckernförde. De 1876 a 1885 estudou medicina na "Schleswig Cathedral School" por diversas cidades da Alemanha. Foi autodidata em pintura e, em 1902, após retorno a Eckernförde, decidiu optar pela pintura. Seus trabalhos ganharam notoriedade nacional, foram expostos pela Alemanha e, por muitas vezes, capa da revista americana "Better Homes and Gardens". BENEZIT; www.artprice.com; www.artnet.com.



041 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Cangaceiro - litografia - 6/50 - 72 x 57 cm - canto inferior direito - 1970 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



042 - FANG (1931 - 2012)

Figura - óleo sobre tela - 65 x 54 cm - canto inferior esquerdo - 1970 -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e professor, Chien Kong Fang, ou simplesmente Fang, nasceu na cidade de Tung Cheng, China e faleceu em São Paulo. Estudou sumiê e aquarela na China em 1945. Veio morar em São Paulo com a família em 1951, naturalizando-se brasileiro em 1971. Entre 1954 e 1956, estudou pintura com Yoshiya Takaoka em São Paulo. Viajou, em 1977, para a América do Norte, Europa e Ásia, onde desenvolveu o seu trabalho de pintura. Em 1981, foi realizado o curta metragem biográfico ‘O Caminho de Fang’, em São Paulo. Visitou a China, convidado pelo governo chinês, em 1985. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1959, 1961, 1962, 1978, 1981, 1993, 2005); Salvador, BA (1962); Rio de Janeiro (1978, 1986); Schleswing, Alemanha (1985); Lugana, EUA (1990); Americana, SP (1994); Formosa, Taiwan (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1957) e em São Paulo (1960 a 1962, 1967 a 1969, 1978, 1979, 1991). Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1978). MEC, VOL. 2, PÁG. 124; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 366; VOL. 6, PÁG. 378; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 189; PONTUAL, PÁG. 201; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; www.fang.com.br; www.artprice.com.



043 - ESCOLA JAPONESA, SÉC. XX

Gueixa - pintura sobre seda - 42,5 x 21 cm - canto inferior esquerdo ilegível -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



044 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Composição - técnica mista - 23 x 15 cm - canto inferior direito - 1963 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



045 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)

Animais fantásticos - óleo sobre tela - 60 x 90 cm - canto inferior esquerdo - 1969 -
Com etiqueta de "A Galeria" Rua Haddock Lobo, 1111 São Paulo - SP. No estado.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



046 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX

Na taberna - óleo sobre tela - 24,5 x 30,5 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



047 - GERDA BRENTANI (1906 - 1999)

"Harpia" - desenho a nanquim - 67 x 47 cm - canto inferior direito - 1966 -
Com etiqueta da Retrospectiva da artista, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM, no dorso. Paspatur no estado.

Nasceu em Triestre, Itália, no dia 27 de fevereiro de 1908. Desenhista e gravadora. No Brasil desde 1939, fixou residência em São Paulo, Capital. Iniciou estudos com Ernesto de Fiori e Rossi Osir, por volta de 1940. De traço humoristico, a artista destacou-se no cenário artístico/crítico nacional, cuja obra tem participado em mostras nacionais e internacionais, com sucesso de crítica. JULIO LOUZADA vol.1, pág.153; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; Acervo FIEO.



048 - MENASE VAIDERGORN (1927)

"Quatro futeboleiros" - óleo sobre tela colada em mdf - 40 x 27 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



049 - FERNANDO COELHO (1939)

Paisagem - óleo sobre tela - 18,5 x 27 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1967 -
No estado.

Pintor baiano nascido em Salvador. Inicialmente publicitário de sucesso, dedica-se integralmente à pintura a partir de 1963. Além de exposições individuais nas Galerias Querino (Salvador), Astréia (SP), e Bonino (RJ), expôs na Alemanha e participou dos SNAM e BNAP. Produz pintura que, fixando paisagens urbanos, se situa entre o figurativismo e o abstracionismo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 209/210; MEC, vol. 1,pág. 441; PONTUAL, pág. 139; TEIXEIRA LEITE, pág. 126; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74.; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



050 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Marinha - óleo sobre cartão - 27 x 35 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1959 - Rio de Janeiro -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



051 - GLAUCO PINTO DE MORAES (1928 - 1990)

"Máscara asteca" - serigrafia - 20/60 - 66 x 48 cm - canto inferior direito - 1984 -
Com certificado de autenticidade firmado pelo autor em 1984.

Pintor, desenhista e gravador nascido em Passo Fundo, RS e falecido em São Paulo, em 5/5/1990. Em 1968 abandona a carreira jurídica para se dedicar somente à pintura. Para tanto muda-se para São Paulo, onde participa com sucesso na XIII BSP, através do tema Locomotivas. Artista engajado, participou de todos os movimentos nas décadas de 70 e 80. O festejado crítico Jacob Klintowitz assim se referiu ao artista e obra no seu livro O Oficio da Arte: A Pintura: "um dos casos raros de pintor tardio, oriundo de outra atividade. Talvez seja o que explique a repentina maturidade humana desta pintura já revelada pronta aos olhos do público brasileiro." TEIXEIRA LEITE, 408; JULIO LOUZADA, vol. 12, pág. 179; RGS, pág. 226; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 754; LEONOR AMARANTE, pág. 267.



052 - MARIO ORNATI (1887 - 1955)

Paisagem - óleo sobre madeira - 36,5 x 27 cm - canto inferior esquerdo - 1914 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e professor italiano nascido em Vigevano e falecido em Milão. Os primeiros estudos de desenho começaram aos dez anos de idade na escola, em Vigevano. Aos quatorze anos, matriculou-se na Academia de Belas Artes de Brera, em Milão; aos 21 anos formou-se com o maior prêmio na escola de pintura de Cesare Tallone. Por essa alta distinção, foi premiado com a "Hayez Biennial Pension". Foi para Roma, frequentou a escola do pintor Aristide Sartorio mas, depois de alguns meses, abandonou-o para iniciar sua carreira artística sozinho. Realizou exposições individuais em: Busto Arsizio (1929); Vigevano (1931, 1933); Varese (1943, 1944); Milão (1935, 1936, 1938, 1946); Legnano (1951). Participou de diversas mostras e Salões oficiais, destacando-se: Exposição Internacional de Roma (1909); Exposição Nacional de Brera (1910, 1912, 1914, 1915, 1925); Exposições Nacionais de Turim e Vercelli (1912); mostra coletiva em Nápoles e Exposição Internacional de Barcelona, Espanha (1913); exposição na "Società Belle Arti" no novo Pavilhão Permanente em Milão (1921, 1925, 1926, 1927, 1930); XIII Internacional de Veneza (1922 – convidado); Florença (1933). Recebeu o prêmio de pintura no Concurso Gavazzi (1909); prêmio "Pensionato Hayez" da Academia de Brera (1919); prêmio Milyus (1920); venceu o Concurso Nacional para a Cátedra de Figuras da Academia Brera (1922). www.comune.vigevano.pv.it/contenuti/cultura/sottopagine/biografia-di-mario-ornati; www.artprice.com.



053 - MARIO SILÉSIO (1913 - 1990)

Composição - guache - 45 x 36,5 cm - canto inferior direito - 1959 -

Pintor, desenhista, muralista e vitralista. Cursa direito na Universidade de Minas Gerais - UMG (atual Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG), em Belo Horizonte, entre 1930 e 1935. Estuda desenho e pintura na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte (Escola Guignard), sob a orientação de Alberto da Veiga Guignard, entre 1943 e 1949. Em 1953 viaja para Paris, como bolsista do governo francês, e ingressa no curso de André Lhote. De volta ao Brasil, entre 1957 e 1960 executa diversos painéis em edifícios públicos e privados de Belo Horizonte, como Banco Mineiro de Produção, Condomínio Retiro das Pedras, Inspetoria de Trânsito, Teatro Marília, Escola de Direito da UFMG e Departamento Estadual de Trânsito. É também de Silésio o mural feito para o Clube dos Engenheiros, em Araruama, Rio de Janeiro. Executa os vitrais da Igreja dos Ferros em 1964. ITAÚ CULTURAL.



054 - RODOLPHO TAMANINI NETTO (1951)

"Bar da ladeira" - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo - 1970 - São Paulo -

Nasceu em São Paulo. Pintor urbano, soube captar o ambiente de sua cidade natal, essa cidade tão complexa, tão imensa, tão feia, mas que a gente ama, ficando com jeito de explicar as razões dessa paixão para quem não vive aqui (Jacques Ardies). JULIO LOUZADA vol.9, pág. 834; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 235.



055 - ANA KALAYDJIAN (1959)

"Série xícara de café" - fotografia - 16,5 x 16,5 cm - dorso - 2011 -

Artista plástica e professora, Ana Luisa Kalaydjian Sanazar nasceu em São Paulo. Assina Kalaydjian. Formou-se em Artes Plásticas pela Universidade Mackenzie, SP (1979). Fez especialização em modelagem e modelo vivo com Luiz Portinari (1980, 1981) e com Santos Lopes; esculturas em mármore, granito e madeira com Renato Brunello (1982); cerâmica com Flávia Amaral; joalheria e soldas com Renato Camargo. Realizou exposições individuais em: São Paulo (2002); Florianópolis, SC (2010). Participou de mostras coletivas e Salões oficiais em: São Paulo (1980, 1981, 1982, 1984, 1997, 1999, 2002, 2005, 2006); Fortaleza, CE (2009); Itajaí, SC (2010); Ribeirão Preto, SP (2004, 2011); Londrina, PR (2011); Jataí, GO (2011); Salvador, BA (2011). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 530; ITAU CULTURAL; http://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/scultura/marp/expo/i14pgm2004.php.



056 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

Paisagem - desenho a nanquim - 17,5 x 27 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Marchand Isaac Ficz, Rio de Janeiro - RJ. No estado.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



057 - FRANCISCO COCULILO (1895 - 1978)

Paquetá - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito - Rio de Janeiro -

Paisagista nascido no Rio de Janeiro, aluno de Luiz Graner. Realizou exposições individuais em várias cidades brasileiras. Catálogo de Exp. de Paisagem Brasileira - MEC-MNBA/Rio/1944; MEC, vol. 1, pág. 40; TEODORO BRAGA, pág. 73; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 208; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74; Acervo FIEO.



058 - MARIO GRUBER (1927 - 2011)

"Moleque" - gravura - 1/20 - 34 x 24 cm - canto inferior direito - 1955 -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador, escultor, muralista - Mário Gruber Correia nasceu em Santos, SP. Autodidata, começou a pintar em 1943. Mudou-se para São Paulo em 1946 e matriculou-se na Escola de Belas Artes, onde foi aluno do escultor Nicolau Rollo. Em 1947, ganhou o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo ’19 Pintores’. No ano seguinte realizou sua primeira exposição individual e passou a estudar gravura com Poty e a trabalhar com Di Cavalcanti. Recebeu bolsa de estudo em 1949, foi morar em Paris, onde estudou na ‘École Nationale Supérieure des Beaux-Arts’ com o gravador Édouard Goerg e trabalhou com Candido Portinari. Retornou ao Brasil em 1951 e fundou o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde voltou a residir. Foi professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1953 e na Fundação Armando Álvares Penteado entre 1961 e 1964. De 1974 a 1978, morou em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, morou em Olinda, Pernambuco. Em 1979, montou ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realizou obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Além de ter realizado muitas exposições individuais, participou de várias mostras e salões oficiais: Salão Paulista de Arte Moderna; Panorama da Arte Moderna Brasileira; Bienal Internacional de São Paulo e na França, Espanha, Estados Unidos, Colômbia, Holanda, Finlândia, Alemanha. PONTUAL, PÁG. 253; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 370; MEC, VOL. 1, PÁG. 466; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.649; ARTE NO BRASIL, PÁG. 803; LEONOR AMARANTE, PÁG. 376; ACERVO FIEO.



059 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Figura na paisagem - litografia - 19 x 14 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



060 - BIBI ZOGBÉ (1890 - 1973)

Flores - óleo sobre eucatex - 85 x 74 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora - Labibé Zogbé, conhecida como Bibi, nasceu em Sahel Alma, Líbano. Emigrou para a Argentina aos dezesseis anos. Sua carreira artística começou em 1930 com aulas de pintura com Dimitrov Bogdan e uma série de exposições em: Buenos Aires (1934), Paris (1935), Chile (1939), Uruguai, Rio de Janeiro. Depois da Segunda Guerra viveu em Paris, Dakar e Líbano (1947). No Líbano, realizou uma exposição individual em 'Cénacle Libanais' e participou de uma mostra coletiva no Museu Nacional Libanês (1947). Seu talento foi reconhecido, o que lhe valeu ser mencionada no Benezit. Conhecida, desde sua primeira individual, como 'A pintora das flores'. lebanesepainters.com; www.onefineart.com; www.artprice.com; www.askart.com; www.invaluable.com.



061 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Bate papo" - serigrafia - 98/200 - 49 x 65 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze galerias em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



062 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)

Paisagem - óleo sobre tela - 34 x 46 cm - canto inferior direito -

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



063 - IUR SERAVAT FULAM (1959)

"Simetrias assimétricas" - técnica mista - 20 x 29 cm - dorso -

Pseudônimo do autor. Natural de São Paulo (SP), filho primogênito de um casal ligado à atividade cultural (pai artista gráfico e plástico e mãe escritora). Autodidata neste campo, embora tenha tido grande estímulo para o desenho e a pintura acompanhando a atividade artística de seu pai, que também foi marchand a partir da década de 60, permitindo que tivesse estreito contato e pudesse realizar uma grande experimentação ao longo dos anos tanto para a linguagem figurativa com temas ligados ao cotidiano, como para a geométrica. É professor universitário e consultor na área de assuntos públicos e instituições políticas.



064 - AGENOR SILVA (1940)

Figura - desenho a nanquim - 50 x 35 cm - centro inferior - 1976 -

Pintor e desenhista, Agenor Conceição da Silva, nasceu em Bom Jesus, RS. Autodidata, recebeu alguma orientação artistica de Vicente Caruzo e Inácio Justo. Criando figuras irreais, o artista cria o mundo fantástico com um quê de esotérico. Expõe individualmente desde 1968 e participa de coletivas nacionais e internacionais a partir de 1970, tendo recebido divesas premiações. JÚLIO LOUZADA vol.6, pág. 1052



065 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Jibóia - desenho a nanquim - 10 x 17 cm - canto inferior direito - 1929 -
No estado.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



066 - LEOPOLDO RAIMO (1912 - 2001)

Composição - óleo sobre cartão - 34 x 26 cm - canto inferior direito - 1952 -

Pintor e gravador, nascido em Botucatu/SP, com diversas participações em Salões e Exposições, tais como: Salão Paulista de Arte Moderna, Salão Baiano de Belas Artes, Bienal de São Paulo e Salão Nacional de Arte Moderna, entre outros. MEC. VOL. 4, PÁG. 22



067 - JAIR GLASS (1948)

"Folha de estudos" - desenho a naquim, terra e giz de cêra - 24,5 x 35 cm - centro inferior - 1979 -

Pintor e desenhista natural de São Paulo-SP. Estudou desenho e plástica na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Expõe individualmente desde 1977 e coletivamente a partir de 1973. JULIO LOUZADA vol. 3 pág. 461; ITAU CULTURAL.



068 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Flores - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito -
Oscarlina Vampré.



069 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - pastel - 16 x 22 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



070 - ARNALDO FERRARI (1906 - 1974)

"Construção Paulistana" - óleo sobre madeira - 70,5 x 70,5 cm - canto inferior direito e dorso - 25/01/1961 -
No estado.

Pintor, desenhista e professor, Arnaldo Ferrari nasceu e faleceu em São Paulo SP. Seguindo a profissão do pai, trabalhou como pintor decorador, realizando frisos decorativos para residências. Estudou artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, entre 1925 e 1935. Em 1934, dividiu um ateliê com amigos no edifício Santa Helena e, pela amizade com o pintor Mario Zanini, aproximou-se dos demais integrantes do Grupo Santa Helena. Frequentou também o curso livre de pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes, entre 1936 e 1938, onde teve aulas de desenho e pintura com Enrico Vio. Entre 1950 e 1959, integrou o Grupo Guanabara, com Thomaz Ianelli, Tomie Ohtake, Tikashi Fukushima e Oswald de Andrade Filho, entre outros. Realizou diversas exposições individuais, participou de várias mostras e Salões oficiais e foi premiado em São Paulo (1958, 1959, 1961, 1963, 1966) e em Santo André (1971). Participou da 7ª à 11ª Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969, 1971). Foi apresentada retrospectiva de sua obra em 1975, no Paço das Artes, SP e catálogo com textos de Theon Spanudis, José Geraldo Vieira e Mário Schenberg, entre outros. ITAÚ CULTURAL; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 304; MEC, VOL. 2, PÁG. 149; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 191; PONTUAL, PÁG. 207; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 378; WALTER ZANINI, PÁG.678, ACERVO FIEO.



071 - GUTO LACAZ (1948)

"Pequenas grandes ações" - serigrafia - 48/50 - 70 x 100 cm - canto inferior direito - 2003 -

Carlos Augusto Martins Lacaz , nasceu em São Paulo-SP. Artista multimídia, ilustrador, designer, desenhista e cenógrafo. Graduou-se em eletrônica industrial pelo Liceu Eduardo Prado-SP, em 1970, e em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São José dos Campos-SP, em 1974. Realiza diversas performances entre 1983 e 1989, destacando-se Eletro-Performance, Estranha Descoberta Acidental e O Executivo Heavy Metal. Na década de 1990, ilustra os livros Crescente: 1977-1990, de Duda Machado; Num Zoológico de Letras, de Régis Bonvicino; e o Balé dos Skazka's, de Kátia Canton. JULIO LOUZADA, vol. 11 pág. 167; ITAU CULTURAL.



072 - CLECIUS COSER (1959)

Figura - escultura em pedra - 59 x 34 x 17 cm - assinado - 2000 -
No estado.

Escultor, natural de Espumoso/RS. Em 1976 residiu em Curitiba, onde manteve atelier de escultura. Cursou artes plásticas na FEMP, naquela cidade, aprimorando seus estudos de desenho e pintura. Decidiu-se pela escultura após um período de estudos com Ronaldo Vargas, que o apresentou ao Centro de Criatividade de Curitiba/PR. Além de esculpir em mármore, Clecius Coser executa grandes painéis de concreto e granito, em baixos altos relevos. É sempre com a pedra que ele lida, polindo-a ou conservando a rugosidade, conforme o motivo. Em 1987 instalou atelier em São Paulo com a escultora Marta Hirazberg Jakoby. Coletivas em 1985 na Fundação Armando Álvares Penteado/SP. JÚLIO LOUZADA, vol. 6, pág. 270.



073 - OMAR PELLEGATTA (1925 - 2000)

Paisagem - óleo sobre papel - 29 x 20 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista e gravador nascido em Busto Arsizio, Itália. Assina Pellegata. Veio para o Brasil em 1927, estudou na Associação Paulista de Belas Artes, foi aluno de Ettore Federighi e Durval Pereira, Takaoka, Mário Zanini, Otone Zorlini. Viveu e trabalhou em Santos, SP. Fez parte do Grupo Tapir (1970) com Giancarlo Zorlini, João Simeone, José Procópio de Moraes, Glicério Geraldo Canelosso e do Grupo Chácara Flora com Emídio Dias de Carvalho, Arlindo Ortolani, Heitor Carilo, Glicério Geraldo Canelosso. Realizou exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil como: Salão Paulista de Belas Artes (desde 1958), Salão Municipal de Belas Artes de Belo Horizonte, MG (1960), entre outros, recebendo muitos prêmios. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG.735; MEC VOL.3, PÁG.363; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



074 - GEORGES ANTOINE ROCHEGROSSE (1859 - 1938)

Harém - guache - 20 x 15 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, ilustrador, litógrafo e professor nascido em Versailles, Seine-et-Oise, França. Iniciou-se na pintura, ainda garoto, com o artista Alfred Dehodencq. Com doze anos entrou para Academia Julian onde foi aluno de Boulanger e Jules Lefebvre. Após 1887 tornou-se membro da Sociedade dos Artistas Franceses. Participou dos muitos Salões oficiais em Paris e foi premiado em 1882, 1883, 1888, 1889 (Exposição Universal); 1906. Foi Cavaleiro da Legião de Honra (1892) e Oficial da Legião de Honra (1910). Ilustrou obras dos escritores e poetas, seus amigos: Baudelaire, Victor Hugo, Gustave Flaubert. Em 1894 foi para a Algéria e, lá, tornou-se professor da Academia de Artes. BENEZIT VOL. 9; PÁG. 24; mbarouen.fr ; www.galeriearyjan.com; www.artprice.com; www.the-athenaeum.org; www.artnet.com; www.christies.com.



075 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Índia" - desenho a lápis - 20 x 10 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



076 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)

Emblema - serigrafia - 57/70 - 55 x 39 cm - canto inferior direito - 1978 -

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



077 - INGRES SPELTRI (1940)

Composição - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). É professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



078 - SERGIO FANELLI (1959)

"Árvore" - gravura - 11,5 x 16,5 cm - canto inferior direito - 2004 -

Pintor, desenhista e gravador. Nasceu em São Paulo, em 26/4/1959. "Sua pintura é essencialmente abstrata, mas com uma referência dinâmica ao vislumbrar na paisagem urbana fios elétricos e pipas" (Fabre Rolim - 1986). Participa de coletivas com sucesso de crítica. JULIO LOUZADA, vol.. 6 pág. 377



079 - VITTÓRIO GOBBIS (1894 - 1968)

"Mercado São João em 1860" - litografia - H.C. - 28 x 38 cm - canto inferior direito - 1954 - São Paulo -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e restaurador nascido em Motta di Livrenza, Itália e falecido em São Paulo. Filho e neto de pintor e decorador, frequentou academias em Veneza e Roma, contrariando a opinião do pai que desejava que ele seguisse carreira no comércio. Trabalhou como pintor e restaurador em Veneza até 1923 quando resolveu abandonar a profissão e partir para o Brasil, fixando-se em São Paulo. Em 1931 participou do Salão Revolucionário, realizado por Lucio Costa na Escola Nacional de Belas Artes, RJ. No decorrer da década participou ativamente da cena artística paulistana - tornou-se sócio-fundador da Sociedade Pró-Arte Moderna e do Clube dos Artistas Modernos, criados em 1932; realizou sua primeira mostra individual (1933). Participou, ao lado de Candido Portinari, da "International Exhibition of Painting" (1935) no "Carnegie Institute", Pittsburgh - Estados Unidos. Destaca-se também sua participação como idealizador e membro da Família Artística Paulista; seu envolvimento na criação do Salão de Maio e a proximidade com os artistas do Grupo Santa Helena. Organizou o 1º Salão de Arte da Feira Nacional de Indústrias (1941). Nas décadas de 1930 e 1940, seu próprio ateliê funcionou como um núcleo disseminador de arte. Participou de inúmeras mostras coletivas e oficiais como a I e II Bienal Internacional de São Paulo, entre outras. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1933, 1935, 1965); Salão Paulista de Belas Artes, SP (1933, 1936, 1956). Em 1965, em função de sua experiência no campo do restauro, foi incumbido de transportar e restaurar o afresco da "Santa Ceia", de Antonio Gomide, que foi doado ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. MEC VOL.2, PÁG.271; TEIXEIRA LEITE PÁG. 220; PONTUAL PÁG.240; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.350; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 423; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL PÁG. 777, ACERVO FIEO; www.artprice.com.



080 - JOSEPH FRANÇOIS DÉSIRÉ THIERRY (1812 - 1866)

Interior - aquarela - 50 x 35 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e cenógrafo francês nascido e falecido em Paris. Estudou na Escola de Belas Artes de Paris onde foi aluno de Gros. Participou do "Salon" de 1833 a 1867. Recebeu a Medalha de Bronze em 1844. Criou muitos cenários para a Ópera de Paris. BENEZIT; www.artprice.com.



081 - EVANY FANZERES (1940)

Composição - serigrafia - P.A./VI - 46 x 47 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintora, desenhista, gravadora e escultora, Evany Santos Araújo Fanzeres nasceu no Rio de Janeiro. Iniciou seus estudos em aulas particulares de desenho, a partir de 1954. No período entre 1958 e 1961, matriculada no Instituto de Belas Artes, estudou desenho e história da arte. Entre 1959 e 1961, fez cursos de pintura e linguagem estética com Aluísio Carvão e Ivan Serpa no Ateliê Livre do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, na Escolinha de Arte do Brasil, estudou xilogravura com Solange Simas e gravura em metal com Orlando Silva; estudou artes gráficas, fotografia e pintura na "Central School of Arts" de Londres (1962). Foi para Düsseldorf, Alemanha (1963) onde realizou estágio na "Staatliche Kunstakademie" com bolsa do "Deutscher Akademischer Austausch Dienst – DAAD". Tornou-se bolsista da Fundação Calouste Gulbenkian de Lisboa (1971). Realizou exposições individuais em: Londres, Inglaterra (1961); Alemanha (1961 em Colônia e Bonn, 1962 em Münster e Essen); Lisboa, Portugal (1971); Rio de Janeiro (1973, 2004); São Paulo (1976); Braga, Portugal (2003). Participou do Salão de Arte Moderna, RJ (1961, 1965, 1968); Bienal de Salvador, BA (1966); Bienal Internacional de São Paulo (1966, 1967 – Prêmio Aquisição Itamaraty), entre outras coletivas. Participou do Projeto ABC/Arte Contemporânea Brasileira, realizando uma exposição individual no MAM – RJ (1982) que resultou em sua indicação para representar o Brasil na 41ª edição da Bienal de Veneza. A partir de 1992, passou a viver e trabalhar em Berlim, Alemanha. PONTUAL PÁG. 201; MEC VOL. 2, PÁG. 124; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



082 - GREGÓRIO GRUBER (1957)

Moça - desenho a caneta esferográfica - 34 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, cenógrafo, escultor e fotógrafo, nascido em Santos-SP. Filho do artista plástico Mário Gruber, em cujo atelier cursou litografia e fez estágio em artes plásticas e fotografia. Estudou desenho com Frederico Nasser -SP. Em Paris cursou desenho na Académie de la Grand Chaumière. Em 1976 recebeu o Prêmio de Melhor Gravador da APCA-SP. O Itaú Cultural-SP, produz filme sobre o artista (1992). JULIO LOUZADA vol.3, pág. 484; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



083 - GAETANO ESPOSITO (1858 - 1911)

Velho homem do mar - óleo sobre tela - 45 x 30 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Excepcional paisagista e pintor de história, nasceu em Salermo / Itália. Expôs a partir de 1877 em Nápolis e Turin / Itália.Especializou-se em retratos e paisagens; diversas exposições em seu país e em diversas cidades européias. ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 758; BENEZIT, vol. 4, pág. 200.



084 - JOAQUIM LOPES FIGUEIRA JUNIOR (1904 - 1943)

Rosto - desenho a lápis - 17 x 14,5 cm - canto inferior direito - 1941 -
No estado.

Escultor, pintor e designer gráfico nascido em São Paulo, SP e falecido em Ribeirão Preto, SP. Estudou cerâmica no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo e frequentou o ateliê de Waldemar Belisário (entre 1919 e 1922). Por intermédio de Raphael Galvez tornou-se aluno do escultor Nicola Rollo (entre 1922 e 1924). Retornou ao Liceu (1925) para frequentar aulas noturnas no setor de desenho e artes. Neste mesmo ano, trabalhou por três meses na Oficina de Escultura e Marmoraria Sílvio de Mauro, em Taquaritinga. Passou a frequentar o ateliê de Hélio de Giusti (1926). Montou um ateliê com o escultor e médico Eduardo O. Pirajá (1933) e posteriormente com Bruno Giorgi (1939). Realizou sua primeira exposição individual em 1936. Integrou a Família Artística Paulista (entre 1937 e 1940) ao lado de artistas como Bonadei, Volpi, Rebolo e Clóvis Graciano, participando de suas exposições em 1937 e 1940. Também participou do Salão Paulista de Belas Artes, SP em 1934, 1935 (3º Prêmio em Escultura), 1936 (Pequena medalha de Ouro em Escultura), 1937, 1939; do Salão da Associação de Artes Plásticas Francisco Lisboa, Porto Alegre – RS em 1938, 1940; da Divisão Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, RJ em 1941 (Prêmio de Viagem ao País); entre outras mostras. MEC VOL.2, PÁG.173; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 382; PONTUAL PÁG. 212; TEIXEIRA LEITE PÁG.193; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL; WALTER ZANINI PÁG. 586.



085 - JOSÉ DAMASCENO (1968)

"Título" - serigrafia - P.A. - 29,5 x 21 cm - canto inferior direito - 2005 -

Artista plástico, José Damasceno Albues Júnior nasceu no Rio de Janeiro. Estudou arquitetura na Universidade Santa Úrsula, no Rio de Janeiro, sem concluir o curso. No começo da década de 1990, voltou-se para as artes plásticas. Participou, entre outras, da 25ª Bienal Internacional de São Paulo (2002) com a instalação "Trilha Sonora", da 51ª Bienal de Veneza (2005) com a instalação "O Final do Eclipse". Recebeu o Prêmio Cidade no 14º Salão de Arte de Ribeirão Preto, SP (1989); o Prêmio Aquisição do 13º Salão Nacional de Artes Plásticas na FUNARTE (1993); o Prêmio "UNESCO Pour la Promotion des Arts" em Paris (1995); o "Price Waterhouse" (1995) na mostra Panorama da Arte Brasileira, do Museu de Arte Moderna de São Paulo. ITAU CULTURAL; www.historiadasartes.com; www.artprice.com.



086 - GUERINO GROSSO (1907 - 1988)

Galinheiro - óleo sobre tela - 20 x 30 cm - canto inferior direito -

Natural de Rio Claro, neste Estado, Guerino Grosso iniciou seu aprendizado artístico em 1917. Frequentou a Escola de Belas Artes de São Paulo. Artista de grande sensibilidade, dedicou-se à pintura de naturezas mortas com metais, confirmando-se como um dos melhores do gênero. JULIO LOUZADA, vol, 12 ,pág 189. MEC, vol, 2, pág, 284; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



087 - LEÓN FERRARI (1920 - 2013)

Dormitório - litografia - 81/100 - 70 x 76 cm - canto inferior direito - 1986 -

Gravador e escultor argentino, natural da cidade de Buenos Aires. Começou a fazer escultura em 1954, com diversos materiais e com arame de aço inoxidável. Em 1962, iniciou sua série de desenhos escritos. Em 1964 colaborou com Rafael Albertino no livro de poesias e desenhos "Escritos en el Aire", editado por Vanni Scheiwiller em Milão. Em 1965, abandonou a arte abstrata e participou do movimento cultural que acompanhou a atividade política argentina, colaborando na organização de diversas mostras coletivas. A partir de 1976 fixa residência no Brasil, em São Paulo, onde voltou a esculpir e experimentar outras técnicas, como fotocópias, etc. Desenvolveu uma série de esculturas sonoras que deram origem aos instrumentos lúdicos musicais com os quais deu 4 concertos-performance. JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 403



088 - JOSÉ SABÓIA (1949)

Torcida do flamengo - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



089 - JOAN MIRÓ (1893 - 1980)

Composição - serigrafia - 55/75 - 37 x 27 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, ceramista e escultor. Assinava Joan Miró e Miró. Nasceu em Montroig, Espanha e faleceu em Palma de Mallorca - Ilhas Baleares, Espanha. Entrou para Escola de Belas Artes de Barcelona com quinze anos, aperfeiçoando-se com o arquiteto Gali. Começou a expor em 1918 na sua terra natal e pouco depois, transfere-se para Paris. Assinou o manifesto surrealista em 1924. Em 1940 voltou à Espanha - Mallorca. Trabalhou com o ceramista Llorens Artigas. Em 1947 realizou um mural em Cincinnati, EUA, e um para a Universidade de Harvard, em 1950 (hoje substituído por uma cópia cerâmica, cujo original se encontra no MOMA de Nova York). Em 1958 trabalhou em dois gigantescos murais em cerâmica para a UNESCO, em Paris. A Fundação Joan Miró foi inaugurada em Montjuic, Barcelona, em 1975. Outras obras suas podem ser vistas na maioria dos museus e coleções de arte moderna espalhados pelo mundo. JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG.638; VOL. 4, PÁG. 746; VOL. 6, PÁG. 735; VOL.8, PÁG. 576; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 435; ITAU CULTURAL; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE – MARTINS FONTES.



090 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

"Vênus" - óleo sobre tela - 27 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1973 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Ex-coleção Zito Saback - Rio de Janeiro - RJ.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



091 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - serigrafia - 11/100 - 69 x 49 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



092 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Ovelhas - óleo sobre madeira - 12,5 x 17,5 cm - canto inferior direito -
A. Ladd.



093 - NOBUO TORIY (1947)

Pescador - óleo sobre tela - 38 x 46 cm - canto inferior direito e dorso - 1978 -

Pintor, I. Nobuo Toriy nasceu em Onda Verde, SP. Assina N. Toriy. Participou das coletivas: XIV SAP do Grupo Seibi, SP (1970); Salão Bunkyo, SP (1972 a 1979, 1981 a 1985); Liberdade Garô Galeria de Arte, SP (1987); Rosa Gallery, SP (1992); Fundação Mokiti Okada, SP (1993, 1995); Centenário de Amizade Brasil-Japão no Museu Metropolitano de Curitiba, PR (1995). Foi premiado nos Salões Bunkyo em 1972, 1973 e 1974. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.6, PÁG.1124; VOL. 8, PÁG. 840; www.imigrantesjaponeses.com.br.



094 - OCTAV BÃNCILÃ (1872 - 1944)

Natureza morta - óleo sobre cartão - 30,5 x 27 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, gravador, professor e ativista político romeno nascido em Botosani e falecido em Bucareste. Frequentou a Escola de Belas Artes de Iasi onde foi aluno de Gheorghe Panaiteanu Bardasare, Constantin Daniel Stahi e Emanoil Bardasare. Entre 1894 e 1898, continuou seus estudos na Academia de Belas Artes de Munique. Em Iasi foi professor de desenho e caligrafia na Escola Normal "Vasile Lupu" (1901) e no ginásio "Stefan cel Mare", e desde 1916 até 1937 foi professor na Escola de Belas Artes. Durante o período 1908-1935, relizou exposições individuais, participou de mostras coletivas em Iasi e Bucareste e com outros artistas da época: Gheorghe Petrascu, Jean Alexandru Steriadi, Paul Verona, Ion Mateescu. Em 1942 recebeu o Prêmio Nacional, no Salão da Moldávia. g1b2i3.wordpress.com/alexandru-ciucurencu-pictor-roman/octav-bancila-4-februarie-1872-botosani-–-3-aprilie-1944-bucuresti/; www.artprice.com; www.mutualart.com.



095 - VANIA TOLEDO (1945)

"Corpo à venda" - fotografia - 24 x 36 cm - dorso -
Com etiqueta de Fotosport - São Paulo - SP, no dorso.

Fotógrafa, Vania Rosa Cordeiro de Toledo nasceu em Paracatu, MG. Formou-se em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (1973). Autodidata, iniciou a carreira fotográfica em 1978 no jornal "Aqui São Paulo", de Samuel Wainer e foi responsável por colunas de estreias e festas, com Antonio Bivar, assumindo em seguida o cargo de editora de fotografia do jornal. Abriu seu próprio estúdio em 1981. Durante a década de 1980, colaborou com diferentes jornais e revistas do Brasil e do exterior como Vogue, Interview, Claudia, Veja, IstoÉ, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Time, Life. Além disso, produziu capas de livros e discos e calendários. Destacou-se como retratista ao publicar os livros "Homens" (1980) e "Personagens Femininos" (1992). Essa obra lhe valeu o Prêmio Excelência Gráfica concedido pela Associação Brasileira de Técnicos Gráficos - ABTG e a exposição correspondente recebeu o Prêmio de Melhor do Ano de 1993 da Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA. Publicou também os livros "Vania Toledo" (1996) e "Salomé" (1997). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1991, 1992, 1995, 1996, 2001, 2004, 2005, 2007, 2008 - Pinacoteca); Rio de Janeiro (1992, 1997); Santo André, SP (2008) e participou de várias mostras coletivas. ITAU CULTURAL; http://www.colecaopirellimasp.art.br.



096 - FUKUDA (1943)

Composição - acrílico sobre tela - 30 x 35 cm - canto inferior direito -
Com carimbo de Bel Galeria de Arte e Antiquário - São Paulo - SP, no dorso.

Pintor, gravador e escultor, Roberto Kenji Fukuda nasceu em Indiana, SP. Iniciou-se na pintura com orientação de seu pai, o pintor Tamotsu Fukuda, um dos imigrantes japoneses pioneiros no Brasil. Como escultor foi o responsável pela criação do monumento comemorativo aos Jogos Pan-Americanos, do Rio de Janeiro (2007). Realizou exposições individuais em: Lins, SP (1963); Rio de Janeiro (1988, 1989); São Paulo (1988,1991); Curitiba, PR (1989); Brasília, DF (1989); Belo Horizonte, MG (1991). Participou de várias mostras coletivas pelo Brasil, Alemanha, França e Estados Unidos. JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 120; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO; www.galeriamaradolzan.com.br.



097 - PIETRO SCOPPETTA (1863 - 1920)

Paris - óleo sobre madeira - 23 x 43 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador italiano nascido em Amalfi e falecido em Nápoles. Foi aluno de Giacomo Di Chirico; estudou em Roma, Paris e Londres. Como ilustrador, trabalhou para Treves ("Illustrazione Italiana"). digilander.libero.it/trombealvento/vari/scopetta.htm; www.artprice.com.



098 - MENOTTI DEL PICCHIA (1892 - 1988)

"Quem foi?" - desenho a lápis - 25,5 x 17,5 cm - canto inferior direito -
No estado.

Literáto, crítico e pintor. Foi um dos principais articuladores da semana de arte modena de 1922, juntamente com Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Di Cavalcanti , entre outros. Defendeu uma cultura esclusivamente nacional. Sua Ligação com as artes plásticas também foi insisiva, defendendo e divulgando artistas que na época eram mal aceitos ou incompreendidos, como Anita Malfatti, Victor Brecheret. JULIO LOUZADA, vol. 1 pag. 765; WALTER ZANINI, pág. 519; ARTE NO BRASIL, pág. 655; LEONOR AMARANTE, pág. 49.



099 - OLIVIER CHARLES DE PENNE (1831 - 1897)

Monge - aquarela - 26 x 20 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, caricaturista e ilustrador frances nascido em Paris e falecido em Marlotte (agora Bourron-Marlotte), perto de Fontainebleau. Foi aluno de Léon Cogniet e Charles Jacque. Produziu ilustrações para "L'Illustration". Recebeu o segundo Prêmio no "Grand Prix" de Roma (1857). Em Paris, participou do "Salon" e do "Salon des Artistes Français" onde foi premiado com a Medalha de Bronze (1872), Medalha de Prata (1883) e Medalha de Prata na "Exposition Universelle" (1889). BENEZIT; www.artprice.com; www.drouot.com; www.arcadja.com.



100 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Figuras - técnica mista - 35 x 53 cm - centro inferior - 1972 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Ex coleção Roberto Mansur - São Paulo - SP.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



101 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Fachada - serigrafia - 11/50 - 41 x 51 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



102 - ANTONIO PETICOV (1946)

"The Garden" - serigrafia - P.A. XIX/XXXV - 84 x 57 cm - canto inferior direito - 1983 -

Nasceu em Assis, SP. Desenhista, gravador e escultor. Autodidata. Integra os movimentos movimentos artísticos de vanguarda da segunda metade da década de 60. De produção diversificada, segue tendências variadas das vanguardas artísticas internacionais das últimas décadas. Participa de várias exposições entre elas, Bienal Internacional de São Paulo, 1967, 1969 e 1989; Panorama da Pintura Brasileira, no MAM/SP, São Paulo, 1983; Destaques da Arte Contemporânea Brasileira, no MAM/SP, 1985; Bienal Brasileira de Design, Curitiba, 1990; OFF Bienal, no MuBE, São Paulo, 1996; Arte Suporte Computador, na Casa das Rosas, São Paulo, 1997. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 757/758; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE, pág. 185. Acervo FIEO.



103 - OSCAR NIEMEYER (1907 - 2012)

"Até quando?" - litografia - P.I.11/20 - 43 x 65 cm - canto inferior direito -
No estado.

Oscar Niemeyer Soares Filho nasceu no Rio de Janeiro. Arquiteto, gravador e urbanista. Forma-se em arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes - ENBA, Rio de Janeiro, em 1934. Nesse ano, passa a freqüentar o escritório do arquiteto e urbanista Lucio Costa. Em 1936, integra a comissão criada para definir os planos da sede do Ministério da Educação e Saúde, no Rio de Janeiro, com a supervisão do arquiteto suíço Le Corbusier, a quem assiste como desenhista. Entre 1940 e 1944 projeta o conjunto arquitetônico da Pampulha, Belo Horizonte - MG, que se configura como um marco de sua obra, pois rompe com os conceitos rigorosos do funcionalismo e utiliza uma linguagem de formas novas, de superfícies curvas, explorando as possibilidades plásticas do concreto armado. Em 1947, é convidado pela Organização das Nações Unidas - ONU a participar da comissão de arquitetos encarregada de definir os planos de sua futura sede em Nova York. Seu projeto, associado ao de Le Corbusier, é escolhido como base do plano definitivo. No Rio de Janeiro, em 1955, funda a revista ‘Módulo’ e no ano seguinte começa a colaborar na construção da nova capital do Brasil, Brasília, cujo plano urbanístico é confiado a Lucio Costa. Participou da I e II Bienal Internacional de São Paulo. Em 1965 é realizada uma retrospectiva sua no Museu do Louvre, Paris, a primeira dedicada a um arquiteto. Projetou inúmeras obras pelo mundo e recebeu vários prêmios. O Parque Ibirapuera (1951), São Paulo, também foi um dos seus grandes projetos. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.5, PÁG.744; VOL.6, PÁG.785; MEC, VOL.3, PÁG. 263; DICIONÁRIO OXFORD; www.niemeyer.org.br.



104 - RAFFAELLO MARTINI DE LUCCA (1912 - 1996)

Natureza morta - óleo sobre tela - 40 x 55 cm - canto superior direito e dorso - 03/06/1947 - São Paulo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor italiano natural de Luca, onde nasceu em 17/7/1912. Cursou o Instituto D´Arte Lucchesi e depois estudou em Roma. Segundo crítica publicada no jornal Fanfulla, F. Cenni escrevia que "...Raffaello Martini representa, indubitavelmente, um raro exemplo de técnica pictórica..." O artista esteve várias vezes no Brasil, onde realizou exposições de sucesso de crítica e de público. São famosas as suas paisagens e as localidades onde os soldados brasileiros cobateram na Itália. JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 691.



105 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Pássaro" - acrílico sobre papel - 08 x 12 cm - canto inferior direito - 1998/1999 - São Paulo -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



106 - RUBENS GERCHMAN (1942 - 2008)

No carro - serigrafia - 40/50 - 69 x 99 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



107 - TOMOO HANDA (1906 - 1996)

Cavalo - desenho a lápis - 19,5 x 24 cm - canto inferior direito - 3/1935 -

Pintor, desenhista e historiador. Natural de Utsonomiya, Japão, imigrou para o Brasil no início do séc. passado.Foi o grande precursor dos artistas nipo-brasileiros em atividade no País, cuja obra praticou com finura e lirismo. Foi o mestre inconteste de duas gerações de artistas que nele tinham seu líder. PONTUAL, 259; JULIO LOUZADA, vol. 2, 489; TEIXEIRA LEITE, pág. 242; ITAU CULTURAL ; WALTER ZANINI, pág. 587.



108 - GIOVANNI GARGANO (1952)

Composição - múltiplo em bronze - 8/20 - 18 x 12 x 08 cm - assinado -
No estado.

Pintor e escultor, Giovanni Gárgano Breder nasceu em Itaperuna, RJ. Formou-se em Arquitetura e Urbanismo na UFF. Realizou diversas exposições individuais: Rio de Janeiro (1987, 1992); Niterói, RJ (1988, 1990, 1996,2003). Participou de várias mostras e Salões oficiais: Niterói, RJ (1984, 1986, 1990, 2002); Rio de Janeiro (1982, 1983, 1987, 1998, 2000, 2002); Saquarema, RJ (1984); Teresópolis, RJ (1987); Curitiba, PR (1988, 2001); Cairo, Egito (1986). Em 1980 foi premiado em Saquarema, RJ. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 453; VOL. 6; PÁG. 436; VOL. 13, PÁG. 145.



109 - FRANS KRAJCBERG (1921 - 2017)

Composição - técnica mista sobre madeira - 27 x 35 cm - canto inferior direito - 1970 -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ.

Escultor, pintor, gravador e fotógrafo nascido em Kozienice, Polônia. Estudou engenharia e artes na Universidade de Leningrado, Rússia. Durante a Segunda Guerra Mundial perdeu toda a família em um campo de concentração. Mudou-se para a Alemanha, ingressando na Academia de Belas Artes de Stuttgart, onde foi aluno de Willy Baumeister. Chegou ao Brasil em 1948. Em 1951, participou da 1ª Bienal Internacional de São Paulo com duas pinturas. Residiu por um breve período no Paraná, isolando-se na floresta para pintar. Em 1956, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde dividiu o ateliê com o escultor Franz Weissmann. Naturalizou-se brasileiro no ano seguinte. A partir de 1958, alternou residência entre o Rio de Janeiro, Paris e Ibiza. Desde 1972, reside em Nova Viçosa, no litoral sul da Bahia. Ampliou o trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais, utilizando troncos e raízes, sobre os quais realiza intervenções. Viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso e fotografa os desmatamentos e queimadas, revelando imagens dramáticas. Na década de 1980, iniciou a série ‘Africana’, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. O Instituto Frans Krajcberg, em Curitiba, foi inaugurado em 2003 recebendo a doação de mais de uma centena de obras do artista. No fim de 2008 realizou sua primeira grande exposição individual em São Paulo - 65 esculturas e 40 fotos de queimadas, exibidas no pavilhão da Oca, no Parque do Ibirapuera. TEIXEIRA LEITE, PÁG. 272; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 514; VOL. 6, PÁG. 559; MEC VOL. 2, PÁG. 411; PONTUAL PÁG. 293; www.artprice.com; www.eca.usp.br; www.macniteroi.com.br; planetasustentavel.abril.com.br.



110 - LEOPOLDO RAIMO (1912 - 2001)

"Composição" - óleo sobre tela - 100 x 80 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1955 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com a seguinte inscrição no dorso: "Estudo painel Edifício Scala Ribeirão Preto - São Paulo - SP e resquícios de etiqueta do VII Salão de Arte Contemporânea de Santo André. No estado.

Pintor e gravador, nascido em Botucatu/SP, com diversas participações em Salões e Exposições, tais como: Salão Paulista de Arte Moderna, Salão Baiano de Belas Artes, Bienal de São Paulo e Salão Nacional de Arte Moderna, entre outros. MEC. VOL. 4, PÁG. 22



111 - CARYBÉ (1911 - 1997)

Capoeira - desenho a nanquim - 29 x 21 cm - canto inferior direito -

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



112 - REINALDO MANZKE (1906 - 1980)

Paisagem - guache - 20 x 15 cm - canto inferior direito -

Pintor, nascido e falecido em Blumenau, SC. Participou regularmente do Salão Paulista de Belas Artes, recebendo premiações diversas. JULIO LOUZADA, vol 9, pág, 529. MEC, VOL, 3,pág, 65. PONTUAL,pág,335; TEODORO BRAGA; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



113 - IGNÁCIO DA NEGA (1945)

"Boite da Vani" - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 1982 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP. Com diversas inscrições. No estado.

Natural de Surubim, PE. Iniciou-se na decoração de andores de procissão, ajudando a sua mãe. Recebeu orientação de Alaerte Bandim. Em São Paulo, orienta-se com M. Boy e Iracema Arditi. Seu tema preferido são as cenas típicas do nordeste. Participou de diversas exposições coletivas e individuais. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 511. Acervo FIEO. -



114 - MITSUTAKA KOGURE (1938)

"Cidade La Paz" - óleo sobre tela - 74 x 104 cm - canto inferior direito - 1981 -
No estado.

Natural de Gunmaken, Japão. Formou-se na Escola de Belas Artes de Tóquio. Participou de coletivas naquela cidade até 1960, quando fixa residência em São Paulo. Figurou desde então na BSP (1963) e dos VII e VIII salões de Artes Plásticas do Grupo Seibi, com premiações. Participou também dos salões organizados pelo MAM-RJ e do SPAM-SP. Conforme texto do pintor Tikashi Fukushima, Kogure "pinta becos e cantos obscuros, dando-lhes colorido mágico, modernizando a estrutura." JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 512; MEC, vol. 2-pág. 410; ROBERTO PONTUAL, pág.292; Acervo FIEO.



115 - JOSÉ MORAES (1921 - 2003)

Canto de ateliê - desenho a lápis e colagem - 62 x 41 cm - centro inferior - 1989 -

Pintor, gravador, desenhista, escultor, ilustrador e professor, José Machado de Morais nasceu no Rio de Janeiro e faleceu em São Paulo. Assina José Moraes. Formou-se em pintura pela Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1941). Paralelamente aos estudos universitários, teve aulas de pintura com Quirino Campofiorito. Tornou-se assistente de Candido Portinari, em Brodosqui (1942) e trabalhou com o mesmo na execução do painel da capela de São Francisco de Assis, de Oscar Niemeyer, em Belo Horizonte (1945). Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1945, 1947, 1966, 1968, 1969, 1970); São Paulo (1962, 1965, 1967, 1970, 1979 – MAM, SP, 1982, 1983, 1984, 1986); Bagé, RS (1946, 1979); Pelotas, RS (1946); Porto Aiegre, RS (1948, 1980, 1988, 1992, 1995); Uberlândia, MG (1952, 1972, 1977, 1978, 1987); Belo Horizonte, MG (1964); Campinas, SP (1974); Cataguases, MG (1981); Goiânia, GO (1987); Brasília, DF (1989, 1995). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil como: Panorama da Arte Brasileira – MAM, São Paulo (1969, 1970, 1971, 1973, 1976, 1977) e no exterior. Foi premiado, nos anos de 1940, em quatro edições do Salão Nacional de Belas Artes – RJ. Com o prêmio Viagem ao Exterior recebido na 55ª edição (1949), viajou para Itália onde permaneceu estudando pintura mural (1950 a 1951). De volta ao Rio de Janeiro, dedicou-se à execução de mosaicos e afrescos até 1958, quando se mudou para São Paulo. Tornou-se professor na FAAP (1967). Aperfeiçoou-se em serigrafia (1971) com Michel Caza, em Paris, para onde retornou em outras três ocasiões, com a mesma finalidade. Fez também estágios em litografia com Michel Potier, na "École de Beaux-Arts", Paris, e com Eugène Shenker, no "Centre de Gravure Contemporaine", Genebra. MEC VOL. 3, PÁG. 196; Pontual pág. 369; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 646; VOL. 2, PÁG. 689; VOL. 5, PÁG. 706; VOL. 6, PÁG. 748; VOL. 8, PÁG. 586; VOL. 12, PÁG. 278; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 602, ACERVO FIEO.



116 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - técnica mista - 48 x 68 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. No estado.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



117 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Crucificado - guache - 34 x 24 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



118 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem - aquarela - 35 x 23 cm - canto inferior esquerdo ilegível - 1956 -



119 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem - desenho a nanquim - 11 x 18 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



120 - RITA LOUREIRO (1952)

"Igapó" - óleo sobre tela - 65 x 120 cm - canto inferior direito - 1992 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com etiqueta da Dan Galeria, Av. Estados Unidos, 1638 - São Paulo, SP, no dorso. No estado.

Pintora autodidata nascida em Manaus, AM. Viveu no Rio de Janeiro, de 1976 a 1979, onde começou a pintar. Voltou para Manaus. Foi incluída no livro ‘Le Rêve et Les Naifs’ publicado pela Editora Max Fourny - Paris, França (1982) e ilustrou uma edição para bibliófilos do livro ‘Macunaíma’ de Mário de Andrade no Rio de Janeiro (1984). Realizou várias exposições individuais no Brasil, Alemanha e Inglaterra. Participou também de mostras e Salões oficiais. ITAU CULTURAL; www.artprice.com; www.amazonas.am.gov.br; animaelibri.blogspot.com.br.



121 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Peixes - serigrafia - 43/60 - 50 x 29 cm - canto inferior direito - 1995 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



122 - NERIVAL RODRIGUES (1942)

Futebol - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo - 2008 -

Pintor criado no interior do País, prova que o primitivismo do Brasil se faz na busca constante, na pesquisa consciente do ambiente telúrico do sertão, da magia do Pantanal e das belezas naturais desta nação. Nordestino de origem, soube captar os elementos naturais em suas viagens ao sul, fixando-se em São Paulo-SP, onde participou de várias exposições. Individuais desde 1982 e coletivas a partir de 1976, com premiações. JULIO LOUZADA, vol. 4 pág. 794



123 - NEUTON FREITAS DE ANDRADE (1938)

Trabalhadores - óleo sobre tela - 49 x 39 cm - canto inferior direito - 1973 -

Nasceu em Timburi, SP, a 7 de abril. Foi lavrador na colheita de café e algodão. Mudou-se para São Paulo em 1958, dedicando-se à pintura a partir de 1959. Trata-se de pintor espontâneo, de técnica rudimentar, tratando de modo ingênuo, os temas caipiras. Seu currículo inclui uma extensa de participações em coletivas nacionais e internacionais, com sucesso de crítica e público. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 65



124 - EVANICE BONAVOGHI (1951)

Natureza morta - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2000 -

Pintora nascida em São Paulo-SP, no dia 31 de agosto de 1951. Assina suas obras: E. BONAVOGHI. Cursou pintura com o prof. Chaumin, com Ana Maria Delfiori e com Francisco Cuoco. Também estudou com Maria Gayo e Marisa Solimeo (1995). Em 1996, estudou com Álvaro Lima, na Sérgio Longo Galeria de Arte. Sua primeira coletiva foi em 1993.. JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 46



125 - PAULA KADUNC (1954)

Composição - técnica mista - 70 x 50 cm - canto inferior direito -

Paula Kadunc, pseudônimo artístico de Maria Paula Kadunc, nasceu em São Paulo. Frequentou um curso clássico de arte e comunicação na época de colégio. Formou-se em historia (1975) e nos anos seguintes realizou viagens de estudo pela Europa, Japão, China e Filipinas. No inicio da década de 80 trabalhou no Museu de Arte de São Paulo como assessora de imprensa e relações publicas auxiliando ainda na curadoria de diversas exposições. Na década de 90 frequentou o ateliê do escultor Paulo Tadee onde trabalhou com desenhos e pinturas geométricas e passou a fundir esculturas em bronze. Estudou técnica de pintura com Marysia Portinari. Tem participado com suas obras de várias exposições coletivas e leilões de arte. Possui obras em diversas coleções particulares e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. www.artemaisnet.com.br/artistas/paula-kadunc.html; www.catalogodasartes.com.br; www.al.sp.gov.br; www.artprice.com; www.askart.com.



126 - EDGARD CALHADO (1943)

"Mangueira" - óleo sobre tela - 38 x 28 cm - canto inferior direito -

Pintor natural de Olimpia, SP, onde nasceu em 20 de julho de 1943. Em 1968, já residindo em Osasco, SP, formou o Grupo de Osasco, expondo na Praça da República, SP. A partir de 1975, dedica-se exclusivamente à pintura. Expôs seus trabalhos na Itália (Nápoles) e nos EUA (Miami). Autodidata, em seus temas predominam as reminiscências de sua infância, vegetações agrícolas, motivos rurais, etc. Possui extenso curriculum de exposições, individuais, a partir de 1968, e coletivas, depois de 1966, no Brasil e no Exterior. JULIO LOUZADA, vol. 3 pág. 193



127 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Figuras - escultura em terracota policromada - Variadas cm - assinados -



128 - RODRIGO DE HARO (1939)

Mulheres - desenho a lápis - 10,5 x 13,5 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Rodrigo de Haro nasceu em Paris-França. Pintor, desenhista e escritor. Divide suas atividades profissionais entre Florianópolis e São Paulo. Por volta de 1987, trabalha na decoração do Teatro Municipal de Florianópolis com 80 painéis Mandalas. Entre as mostras de que participa, destacam-se: Coletiva Artistas Catarinenses, Santa Catarina, 1955 (Prêmio Aquisição); Salão Nacional do Paraná, 1967; Arte Fantástica, no Paço das Artes de São Paulo, 1972; Destaques da Pintura Brasileira, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1985; Mostra do Desenho Brasileiro, no Museu de Arte Contemporânea de Curitiba, Paraná, 1994. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 244; PONTUAL, pág. 260; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 143; WALTER ZANINI, pág. 805; ITAU CULTURAL.



129 - FRANCISCO CUOCO (1928)

"Figuras" - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - canto inferior direito - 1975 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Pintor e professor, participou do Salão Paulista de Belas Artes onde obteve medalha de bronze e o 2º prêmio Governo do Estado-1956-1970; participou, também, do 1º Salão Panamericano de Arte-RGS-1958; 3º Salão de Arte de São Bernardo do Campo-1970 e do Salão Oficial de Belas Artes de Santos-1970/71. MEC, vol. 1, pág. 502; Acervo FIEO.



130 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Composição - técnica mista - 20,2 x 29,5 cm - canto inferior direito - 1964 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com Certificado de Autenticidade nº IAB- 1520 do Instituto Antonio Bandeira.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



131 - DARCILIO LIMA (1944 - 1991)

Surreal - litografia - 7/50 - 67 x 45 cm - canto inferior direito - 1968 -

Cearense de Cascavel, o festejado desenhista Darcilio foi para o Rio de Janeiro, e já depois de haver iniciado autodidaticamente seu trabalho no campo da pintura e da utilização do lápis cêra. Recebeu orientação de Ivan Serpa, passando a dedicar-se especialmente ao desenho a bico-de-pena, com a permanente fixação gráfica da fantasia erótica como veículo de impacto crítico. PONTUAL, pág. 159. MEC, vol.1, pág.17; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE; ITAU CULTURAL.



132 - ENIO CINTRA (1952)

"O fruto" - acrílico sobre tela - 65 x 81 cm - canto inferior direito e dorso - 1997 -

Pintor, gravador, ilustrador e escritor nascido em São Paulo, SP. Realizou exposições individuais e tem participado de mostras coletivas e oficiais como: Bienal de Artes Visuais de São João da Boa Vista, São João da Boa Vista - SP (2000). Participou também de inúmeros Júris de seleção e premiação em Salões Oficiais. ITAU CULTURAL; http://eniocintra.blogspot.com/.



133 - VANNIE GAMA (1997)

"Leis da predação" - óleo sobre tela - 100 x 90 cm - canto inferior esquerdo - 2017 -

Pintora, desenhista e escultora, Vanessa Pavelski da Gama nasceu em São Paulo. Iniciou seus estudos artísticos na UNESP (2015) e foi vencedora da ”Formula Scholarship – Santander, 8th edition" de uma bolsa de estudo para a Universidade de Heidelberg na Alemanha onde vive atualmente. Tem participado de mostras coletivas e oficiais, como da 28ª EXMART em Bauru, SP (2017). vanniegama.wordpress.com.



134 - MOBY (1922 - 1978)

Composição - óleo sobre tela e colagem - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1976 -

Moby, nome artístico de Mogns Osterbie, natural de Copenhagem, Dinamarca. Pintor e desenhista, frequentou na sua cidade natal a Escola de Arte Decorativa e a Real Academia de Belas Artes. No Brasil, fixou-se em São Paulo, onde realizou diversas individuais, cuja crítica, principalmente de Quirino da Silva, lhe foram favoráveis, transcrevendo comentários de Mário Schenberg. PONTUAL, pág. 363; MEC, vol. 3, pág. 1; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



135 - ARTHUR ALVES FIGUEIREDO (1924 - XX)

Marinha - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1998 - São Paulo -

Pintor nascido em Indaiatuba, SP. Assina Arthur Figueiredo. Iniciou sua formação artística com Caetano Miami, Silvio Alves, Augusto Barboso e curso de cerâmica com Mme Leduc, no Museu de Arte de São Paulo (década de 60). Participou de vários Salões oficiais, obtendo vários prêmios em: São Paulo (1978, 1983); Estados Unidos (década de 60); São Lourenço, MG (1983); Rio de Janeiro (1983). JULIO LOUZADA VOL 1, PÁG. 383.



136 - MENASE VAIDERGORN (1927)

"Boiada" - óleo sobre tela colada em mdf - 20 x 40 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



137 - SYLVIO ALVES (1926)

Barcos - óleo sobre tela - 37 x 54 cm - canto inferior direito -

Formado e ativo em São Paulo, foi expositor do Salão Paulista de Belas Artes. Especializou-se na Academia de Belas Artes de Roma e na Escola Superior de Belas Artes, na Academia Julien e na Grande Chaumièrè, na França. MEC, vol. 1, pág. 72; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.55; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



138 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Parque - óleo sobre madeira - 86 x 69 cm - canto inferior esquerdo - 1957- São Paulo -
H. Mirgatowski.



139 - SUSUMO HARADA (1938)

Borboleta - gravura - 1/50 - 16,5 x 19,5 cm - canto inferior direito - 1993 -

Pintor, desenhista, gravador autodidata nascido em Barueri, SP. Realizou exposições individuais em: Embu, SP (1982); São Paulo (1983); Itapevi, SP (1983); Goiânia, GO (1987); Piracicaba, SP (2009), entre outras. Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Salão de Artes Plásticas de Embu, SP (1979); Exposição de Artes de São João da Boa Vista, SP (1980); Salão de Artes Plásticas de Presidente Prudente, SP (1980 a 1982); Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo (1980); Salão de Belas Artes de Piracicaba, SP (1981); Salão Bunkyo, São Paulo (1982, 1983); Artistas Premiados do Interior de São Paulo, Paço das Artes - São Paulo (1982); Salão Paulista, São Paulo (1983); Salão de Arte Contemporânea de Santo André, SP (1983). Foi premiado em: São João da Boa Vista, SP (1981); Matão, SP (1982); Araras, SP (1982, 1983); São Paulo (1982, 1983); Assis, SP (1982); Embu, SP (1981, 1982); Santo André, SP (1983); Salvador, BA (1983). ITAU CULTURAL; www.artbizshopping.com.br; www.camarapiracicaba.sp.gov.br.



140 - SILVIO OPPENHEIM (1941 - 2012)

Composição - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - centro - 2010 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, desenhista, arquiteto e professor nascido e falecido em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Arquitetura da USP (1965) e completou sua formação na Alemanha, quando ganhou do governo alemão uma bolsa de estudos para a 'Technisce Universitat' (TU) em Berlim Ocidental. Em 1979 assumiu a cadeira de arquitetura de interiores na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Produziu intensamente como arquiteto e como artista plástico. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1965, 1972, 1975 a 1977, 1979, 1981, 1982, 1986 a 1989); Rio de Janeiro (1985); Brasília, DF (1978); Curitiba, PR (1980, 1987); Goiânia, GO (1989); Vitória, ES (1989). Participou de exposições coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969); '5 Pintores de Vanguarda', Porto Alegre, RS (1965); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971, 1973, 1976, 1979); Tóquio, Japão (1985) e outras. JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.745; VOL. 4, PÁG. 829; MEC, VOL.3, PÁG.301; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; www.sp.senac.br; www.resenhando.com; www.artprice.com.



141 - JOSÉ SILVEIRA D'AVILA (1924 - 1985)

"Estátua da Amizade" - água forte original - 21 x 16,5 cm - canto inferior direito - 1950 - Rio -

Pintor, gravador, escultor e vitralista natural de Florianópolis, SC. Estudou pintura e escultura na antiga ENBA, onde foi premiado diversas vezes. No SNAM alcançou inicialmente isenção de Juri e Prêmios Viagem ao País e ao Estrangeiro. Em 1950 organizou juntamente com Carlos Oswald, o Ateliê de Arte para incremento da gravura. Coletivas a partir de 1953, obtendo diversas premiações em Salões Oficiais. JULIO LOUZADA, vol 4 pág. 302. ITAÚ CULTURAL.



142 - HANS GRABNER (XX)

Paisagem - óleo sobre tela - 70 x 98 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista austríaco com diversas participações em mostras coletivas e Salões oficiais. www.artprice.com; www.artnet.com.



143 - KIMI NII (1947)

"Disco" - cerâmica - h= 3,5 cm d= 10 cm - assinado -
Com certificado de autenticidade da autora.

Ceramista e escultora nascida em Hiroshima, Japão. Aos nove anos mudou-se com os pais para o Brasil, instalando-se em São Paulo. Formou-se em Desenho Industrial na FAAP e desde 1978 dedica-se à cerâmica em alta temperatura (1300º). Realizou exposições individuais em: São Paulo (1980, 1982, 1985, 1992, 1994, 1997, 1998, 2004, 2014); Rio de Janeiro (1996, 2015, 2016); Vitória, ES (1996); Curitiba, PR (2007); Tóquio, Japão (1999, 2001, 2008); Florianópolis, SC (2003 - Museu de Arte de Santa Catarina); Bruxelas, Bélgica (2004); Barcelona, Espanha (2007). Na exposição no Instituto Tomie Ohtake, SP (2004) apresentou, além das séries "Donguris" e "Diamantes", uma grande peça de madeira, intitulada "Giroforma", com 2,70 metros de comprimento e 2,60 metros de diâmetro, uma novidade em sua obra. Tem participado de inúmeras mostras coletivas e oficiais aqui no Brasil e no exterior. ITAU CULTURAL; http://kiminii.com.br/home/; www.artprice.com.



144 - INGRES SPELTRI (1940)

"Alegria,alegria" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). É professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



145 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Peixe" - desenho a lápis e aquarela - 21 x 10 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



146 - SIRON FRANCO (1947)

Animal - desenho a lápis de cor - 20 x 29 cm - não assinado -
Siron Franco é artista selecionado para a próxima Bienal de São Paulo e também realizará mostra individual simultaneamente ao evento, na Galeria Marcelo Guarnieri- São Paulo-SP.

Pintor, escultor, ilustrador, desenhista, gravador e diretor de arte, Gessiron Alves Franco nasceu em Goiás, GO. Mudou-se para Goiânia (1950) onde estudou pintura (1960) com D. J. Oliveira e Cleber Gouvêa e também foi aluno-ouvinte da Escola de Belas Artes da Universidade Católica de Goiânia. Frequentou os ateliês de Bernardo Cid e Walter Levy, em São Paulo (1969 e 1971), integrando o grupo que fez a exposição 'Surrealismo e Arte Fantástica', na Galeria Seta. Em 1975, com o Prêmio Viagem ao Exterior (1975 – Salão Nacional de Arte Moderna, RJ) residiu entre capitais europeias e o Brasil. Iniciou o projeto 'Ver-A-Cidade' (1979) realizando diversas interferências no espaço urbano de Goiânia. Desde 1986 realiza monumentos públicos baseados na realidade social do país. Fez direção de arte para documentários de televisão (1985 a 1987) como 'Xingu', concebido por Washington Novaes, premiado com medalha de ouro no Festival Internacional de Televisão de Seul. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Nacional de Artes Plásticas, Salvador – BA (1968); Bienal Nacional, SP (1974); Bienal Internacional de São Paulo (1975 – Prêmio de Pintura, 1979, 1989, 1991); Panorama da Arte Atual Brasileira, SP (1976, 1983, 1989); Salão Nacional de Arte Contemporânea, Belo Horizonte – MG (1979); Bienal de Valparaíso, Chile (1981); Bienal de Medellín, Colômbia (1981); 'A Cor e o Desenho do Brasil' - Itália, São Paulo, Holanda, Portugal, França (1984); Bienal de Artes Visuais do MERCOSUL, Porto Alegre – RS (1997, 2005); 'Brasil+500 Mostra do Redescobrimento', São Paulo (2000); Bienal de Havana, Cuba (2003), entre outras. WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 343; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 206; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 957; PONTUAL PÁG. 222; MEC VOL. 2, PÁG. 206; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 760; LEONOR AMARANTE PÁG. 240, ACERVO FIEO; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



147 - LUCIA HELENA SIEPMANN (XX)

Composição - fotografia - 44 x 66 cm - não assinado -

Fotógrafa com participações em mostras coletivas.



148 - INIMÁ DE PAULA (1918 - 1999)

Farol - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - canto inferior direito - 1970 -

Pintor e desenhista mineiro nascido em Itanhomi e falecido em Belo Horizonte. A partir de 1937, frequentou o Núcleo Antônio Parreiras, em Juiz de Fora, MG. Em 1940, instalou-se no Rio de Janeiro e matriculou-se nas aulas de Argemiro Cunha no Liceu de Artes e Ofícios , as quais abandonou em pouco tempo. Passou a pintar com alguns dos ex-integrantes do Núcleo Bernardelli. Em 1944, transferiu-se para Fortaleza, onde conheceu artistas locais e participou da criação da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP). Voltou ao Rio de Janeiro (1945) e expôs com Aldemir Martins, Antonio Bandeira e Jean-Pierre Chabloz , na galeria Askanasy. Em 1948, graças ao apoio de Candido Portinari , fez sua primeira mostra individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/RJ). Em 1950, ganhou o prêmio de viagem ao país do Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) e, no ano seguinte, viajou e expôs na Bahia. Em 1952, recebeu o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). Em Paris (1954-1956) assistiu a cursos na 'Académie de la Grande Chaumière' e na' École Normale Supérieure des Beaux-Arts', acompanhou as aulas de André Lhote e de Gino Severini. Quando voltou participou da V Bienal Internacional de São Paulo e, na primeira metade dos anos 1960, mudou-se para Belo Horizonte. Em 1998 foi criada a Fundação Inimá de Paula em Belo Horizonte. JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.152; PONTUAL, pág. 271; MEC, VOL.3, PÁG.355; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 401 1 404; TEIXEIRA LEITE, PÁG.260; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 870; ACERVO FIEO; www.museuinimadepaula.org.br; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



149 - VITTÓRIO GOBBIS (1894 - 1968)

"Rua da Imperatriz em 1860" - litografia - H.C. - 28 x 38 cm - canto inferior direito - 1954 - São Paulo -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e restaurador nascido em Motta di Livrenza, Itália e falecido em São Paulo. Filho e neto de pintor e decorador, frequentou academias em Veneza e Roma, contrariando a opinião do pai que desejava que ele seguisse carreira no comércio. Trabalhou como pintor e restaurador em Veneza até 1923 quando resolveu abandonar a profissão e partir para o Brasil, fixando-se em São Paulo. Em 1931 participou do Salão Revolucionário, realizado por Lucio Costa na Escola Nacional de Belas Artes, RJ. No decorrer da década participou ativamente da cena artística paulistana - tornou-se sócio-fundador da Sociedade Pró-Arte Moderna e do Clube dos Artistas Modernos, criados em 1932; realizou sua primeira mostra individual (1933). Participou, ao lado de Candido Portinari, da "International Exhibition of Painting" (1935) no "Carnegie Institute", Pittsburgh - Estados Unidos. Destaca-se também sua participação como idealizador e membro da Família Artística Paulista; seu envolvimento na criação do Salão de Maio e a proximidade com os artistas do Grupo Santa Helena. Organizou o 1º Salão de Arte da Feira Nacional de Indústrias (1941). Nas décadas de 1930 e 1940, seu próprio ateliê funcionou como um núcleo disseminador de arte. Participou de inúmeras mostras coletivas e oficiais como a I e II Bienal Internacional de São Paulo, entre outras. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1933, 1935, 1965); Salão Paulista de Belas Artes, SP (1933, 1936, 1956). Em 1965, em função de sua experiência no campo do restauro, foi incumbido de transportar e restaurar o afresco da "Santa Ceia", de Antonio Gomide, que foi doado ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. MEC VOL.2, PÁG.271; TEIXEIRA LEITE PÁG. 220; PONTUAL PÁG.240; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.350; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 423; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL PÁG. 777, ACERVO FIEO; www.artprice.com.



150 - HAYDÉA SANTIAGO (1896 - 1980)

Paisagem - óleo sobre tela colada em madeira - 55 x 54 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Natural da cidade do Rio de Janeiro, onde veio a falecer. Estudou na Escola Nacional de Belas Artes. Foi aluna de Modesto Brocos e Amoedo. Aperfeiçoou seus estudos com Eliseu Visconti. Residiu em Paris com o marido, Manoel Santiago, de 1928 a 1932, participando do Salão de Artistas Franceses. No Brasil recebu diversas premiações no SNBA, bem como nos diversos Salões Oficiais de que participou, tais como SPBA, SMBA-RJ, SNAM e na I BSP. Teve como temas a paisagem, a figura, a natureza morta e o gênero. REIS JUNIOR, vol. 1, pág. 146; TEODORO BRAGA, pág. 211; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 290 e 292; TEIXEIRA LEITE, pág. 460; ITAÚ CULTURAL..



151 - ANTONIO HENRIQUE AMARAL (1935 - 2015)

"Bambu" - litografia - 10/28 - 50 x 66 cm - canto inferior direito - 1978 -
Reproduzido na página 169 do livro "Antônio Henrique Amaral - Obra gráfica 1957-2003".

Gravador, desenhista e pintor, foi aluno de Lívio Abramo no MAM / SP, e de Shiko Munakata, no Pratt Graphic Art, em Nova York. Artista consagrado nacional e internacionalmente. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 37; MEC, vol. 1, pág. 73; PONTUAL, pág. 21;TEIXEIRA LEITE, pág. 23 a 25; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 754; ARTE NO BRASIL, pág.903; LEONOR AMARANTE, pág. 170; Acervo FIEO.



152 - OMAR PELLEGATTA (1925 - 2000)

Galo - monotipia - 28 x 20,5 cm - canto inferior direito -
Com etiqueta de Azulão Galeria - São Paulo, SP - no dorso.

Pintor, desenhista e gravador nascido em Busto Arsizio, Itália. Assina Pellegata. Veio para o Brasil em 1927, estudou na Associação Paulista de Belas Artes, foi aluno de Ettore Federighi e Durval Pereira, Takaoka, Mário Zanini, Otone Zorlini. Viveu e trabalhou em Santos, SP. Fez parte do Grupo Tapir (1970) com Giancarlo Zorlini, João Simeone, José Procópio de Moraes, Glicério Geraldo Canelosso e do Grupo Chácara Flora com Emídio Dias de Carvalho, Arlindo Ortolani, Heitor Carilo, Glicério Geraldo Canelosso. Realizou exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil como: Salão Paulista de Belas Artes (desde 1958), Salão Municipal de Belas Artes de Belo Horizonte, MG (1960), entre outros, recebendo muitos prêmios. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG.735; MEC VOL.3, PÁG.363; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



153 - SEVERINO VITALINO (1940)

Lampião - escultura em terracota - 25 x 23 x 09 cm - assinado - 25/10/1994 - Caruaru - PE -

Ceramista, Severino Pereira dos Santos - o Severino Vitalino nasceu em Ribeira dos Campos, PE. Ainda criança se mudou (1948) com sua família para o Alto do Moura em Caruaru. Severino é filho do mestre Vitalino e continuador de sua obra. Desde muito pequeno já ajudava seu pai a fazer as pecinhas de barro. Na antiga casa do seu pai, no Alto do Moura, hoje funciona a Casa Museu Mestre Vitalino. É o responsável pelo local onde também utiliza para expor suas peças. Suas obras podem ser encontradas em coleções nacionais e estrangeiras. artepopularbrasil.blogspot.com.br/2010/11/severino-vitalino.html; www.artedobrasil.com.br; www.museucasadopontal.com.br; www.oreinadodalua.com.br.



154 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - dorso -

Pintora nascida em Maringá, PR, Iniciou sua carreira artística em 1983. Desde 2000, dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte, expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil. http://www.klockner-art.com; www.artprice.com.



155 - PAULO SANGIULIANO (1907 - 1984)

Estudo - desenho a lápis - 30,5 x 22 cm - canto inferior direito - 25/01/1950 -
No estado.

Pintor paulistano nascido a 13 de setembro, e falecido na cidade de São Vicente, neste Estado, a 12 de junho de 1984. Estudou com os profs. Colasuonno e Antonio Rocco. Após com Pietro Strina e finalmente passou a frequentar o ateliê do grande Pedro Alexandrino. Participou por dois anos do Grupo Santa Helena, liderado por Rebolo. Paisagista, realizou diversas viagens pelo País, retratando com maestria a sua natureza. Participou ativamente de mostras oficiais. JULIO LOUZADA vol.6, pág. 997; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; Acervo FIEO.



156 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)

Porto - óleo sobre tela - 37 x 55 cm - canto inferior direito -

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



157 - JORGE GUINLE FILHO (1947 - 1987)

Composição - técnica mista - 15 x 23 cm - canto inferior esquerdo - 1980 -
No estado.

Pintor, desenhista e gravador nascido e falecido em Nova York, EUA. Mudou-se com a família para o Brasil ainda no ano de seu nascimento e permaneceu no Rio de Janeiro até 1955. Desse ano até 1962, acompanhando a mãe, morou em Paris e, em seguida, em Nova York, onde residiu até 1965. Na França, em paralelo a sua formação regular, iniciou, como autodidata, estudos de pintura e frequentou museus e galerias de arte, prática que manteve quando se transferiu para os Estados Unidos. De 1965 a 1974 viveu no Rio de Janeiro e passou temporadas em Londres e Paris, cidade para onde retornou nesse último ano e se estabeleceu por mais três anos. Em 1977, voltou a residir no Rio de Janeiro. Seu trabalho ganhou repercussão e, na década de 1980, integrou as principais exposições de arte do país. A produção do artista, concentrada em seus últimos sete anos de vida, foi dedicada, sobretudo à pintura. Jorge Guinle foi um importante incentivador da revalorização da pintura promovida pelo grupo de jovens artistas conhecido como Geração 80. Participou da mostra ‘Como Vai Você, Geração 80?’, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage - EAV/Parque Lage, Rio de Janeiro, 1984, escreveu um texto para a edição especial da revista ‘Módulo’ dedicada a essa mostra, participou de várias exposições e eventos realizados por esses artistas e escreveu sobre suas obras. Participou também da 17ª e 18ª Bienal Internacional de São Paulo (1983 e 1985). Em 1985 recebeu o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro no 8º Salão Nacional de Artes Plásticas, MAM-RJ. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.482; LEONOR AMARANTE, PÁG. 312. ACERVO FIEO.



158 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Interior de igreja - óleo sobre madeira - 38 x 27 cm - canto inferior direito -



159 - SUSUMO HARADA (1938)

Ave - técnica mista - 25 x 25 cm - canto inferior direito - São Paulo -

Pintor, desenhista, gravador autodidata nascido em Barueri, SP. Realizou exposições individuais em: Embu, SP (1982); São Paulo (1983); Itapevi, SP (1983); Goiânia, GO (1987); Piracicaba, SP (2009), entre outras. Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Salão de Artes Plásticas de Embu, SP (1979); Exposição de Artes de São João da Boa Vista, SP (1980); Salão de Artes Plásticas de Presidente Prudente, SP (1980 a 1982); Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo (1980); Salão de Belas Artes de Piracicaba, SP (1981); Salão Bunkyo, São Paulo (1982, 1983); Artistas Premiados do Interior de São Paulo, Paço das Artes - São Paulo (1982); Salão Paulista, São Paulo (1983); Salão de Arte Contemporânea de Santo André, SP (1983). Foi premiado em: São João da Boa Vista, SP (1981); Matão, SP (1982); Araras, SP (1982, 1983); São Paulo (1982, 1983); Assis, SP (1982); Embu, SP (1981, 1982); Santo André, SP (1983); Salvador, BA (1983). ITAU CULTURAL; www.artbizshopping.com.br; www.camarapiracicaba.sp.gov.br.



160 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - 55 x 74 cm - canto inferior direito - 1964 -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



161 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Galo - serigrafia - 11/100 - 59 x 43 cm - canto inferior direito - 1986 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



162 - JOSÉ SABÓIA (1949)

Trabalhadores - óleo sobre tela - 70 x 50 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



163 - ANITA MALFATTI (1896 - 1964)

Utensílios - ponta seca - 18 x 13 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, gravadora, ilustradora e professora, Anita Catarina Malfatti nasceu e faleceu em São Paulo. Iniciou seu aprendizado artístico com a mãe, Bety Malfatti. Residiu na Alemanha (1910-1914) onde frequentou, por um ano, a Academia Imperial de Belas Artes - Berlim e, posteriormente, estudou com Fritz Burger-Mühlfeld, Lovis Corinth e Ernst Bischoff-Culm. Nesse período também se dedicou ao estudo da gravura. De 1915 a 1916 residiu em Nova York e teve aulas com George Brant Bridgman, Dimitri Romanoffsky e Dodge, na Arts Students League of New York, e com Homer Boss, na Independent School of Art. Sua primeira individual aconteceu em São Paulo, em 1914. Estudou, também, pintura com Pedro Alexandrino (1919) e com Georg Elpons (1920). Em 1922, participou da Semana de Arte Moderna e integrou ao lado de Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti Del Pichia, o Grupo dos Cinco. No ano seguinte, recebeu bolsa de estudo do Pensionato Artístico do Estado de São Paulo e partiu para Paris, onde foi aluna de Maurice Denis, frequentou cursos livres de arte e manteve contatos com Fernand Léger, Henri Matisse e Tsugouharu Foujita. Retornou ao Brasil em 1928. Na década de 1930, em São Paulo, integrou a Sociedade Pró-Arte Moderna - SPAM, a Família Artística Paulista - FAP e participou do Salão Revolucionário. Realizou exposições individuais e participou de muitas mostras e Salões oficiais, entre elas a 1ª e a 7ª Bienal Internacional de São Paulo. É considerada a primeira representante do modernismo no Brasil. BENEZIT VOL. 7, PÁG. 118; TEODORO BRAGA PÁG. 151; MEC VOL. 3, PÁG. 45; PONTUAL PÁG. 332; WALMIR AYALA VOL. 2, PÁG. 33; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 478; ARTE NO BRASIL PÁG. 652; LEONOR AMARANTE PÁG. 24; DICIONÁRIO OXFORD; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 571; www.infoescola.com; www.macvirtual.usp.br; www.pinturabrasileira.com; www.fapesp.br.



164 - SERGIO FERRO (1938)

Figuras - desenho a nanquim e aquarela - 31 x 44 cm - canto inferior direito - 1971 -
No estado.

Natural de Curitiba-PR, onde nasceu a 25 de julho de 1938. Desenhista e arquiteto (FAU-SP 1962), reside e é ativo em Paris desde 1972, para onde foi obrigado a exilar-se por motivos políticos. "(...) Coube a Sérgio Ferro, Flávio Império e Cláudio Tozzi, todos formados em Arquitetura, na segunda metade dos anos 60, a prática de uma pintura de espírito sociopolítico. No caso de Ferro, a figuração cruenta perseveraria nas pinturas durante seu exílio na França." Walter Zanini, in ZANINI, Walter, org. História geral da arte no Brasil. Apresentação de Walther Moreira Salles. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, Fundação Djalma Guimarães, 1983. JULIO LOUZADA, vol. 10 pág. 346/347; WALTER ZANINI, pág. 734; TEIXEIRA LEITE, pág. 192; ITAU CULTURAL.



165 - ANTONIO HENRIQUE AMARAL (1935 - 2015)

Composição - pastel - 43 x 31,5 cm - canto inferior direito - 1980 -
Com etiqueta da Tema Arte Contemporânea, Rua Tatui, 145 - São Paulo - SP., no dorso

Gravador, desenhista e pintor, foi aluno de Lívio Abramo no MAM / SP, e de Shiko Munakata, no Pratt Graphic Art, em Nova York. Artista consagrado nacional e internacionalmente. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 37; MEC, vol. 1, pág. 73; PONTUAL, pág. 21;TEIXEIRA LEITE, pág. 23 a 25; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 754; ARTE NO BRASIL, pág.903; LEONOR AMARANTE, pág. 170; Acervo FIEO.



166 - UBI BAVA (1915 - 1988)

"Estudo II" - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1960 -
No estado.

Natural da cidade paulista de Santos. Faleceu em São Paulo. Arquiteto, professor, pintor, desenhista e escultor. Foi aluno de Lucilio de Albuquerque e de Henrique Cavalleiro. Foi professor de desenho artístico da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, FAU/UFRJ. Entre as diversas exposições de que participou, destacam-se: Salão Nacional de Belas Artes - Divisão Moderna, Rio de Janeiro (1949); Bienal Internacional de São Paulo (1951 a 1955, 1959, 1973, 1975); Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1961, 1968); Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM/SP (1975, 1976); Exposição Itinerante de Arte Moderna no Brasil por Argentina, Chile e Peru (1957). Foi premiado no Rio de Janeiro (1949, 1961 - Prêmio de Viagem ao Estrangeiro); Curitiba, PR (1972). Viajou pela Europa, com o Prêmio de Viagem, e se fixou na Itália por dois anos. TEIXEIRA LEITE; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 5 PÁG. 98; WALTER ZANINI, PÁG. 676; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, PÁG. 933; pitoresco.com.br; mac.pr.gov.br; arcadja.com;web.artprice.com.



167 - YASUICHI KOJIMA (1934)

"Rosa" - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso - 2016 -

Pintor e ceramista nascido em Tajimi, Japão - cuja população vive de cerâmica e porcelana. Seu pseudônimo artístico é Kojima. Recebeu influência de seu pai, Shigueo Kojima - tradicional artista e ceramista japonês conhecido pelo nome artístico Juho Kojima. Formou-se na Escola de Cerâmica Industrial de Tajimi - Gifu, Japão. Veio para o Brasil em 1953, trabalhou por cinco anos em São Caetano e transferiu-se para Mauá onde, como seu pai, montou sua própria fábrica de cerâmicas e porcelanas que está em atividade até hoje. Naturalizou-se brasileiro e estudou pintura com Manabu Mabe, Takaoka e Nakajima. Realizou exposição individual em Poá, SP (2009) e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo (2013). Participou de diversas mostras e Salões oficiais em: São Bernardo do Campo, SP (1967); São Paulo (1968, 1969, 2001 a 2010); Poá, SP (2009-como convidado); Embu, SP (2012 - Prêmio Prata). www.mauamemoria.com.br; www.radaroficial.com.br/d/31498914; issuu.com/shinzenbi/docs/makoto_5/27.



168 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

"Casa do administrador" - água forte - P.A. - 30 x 50 cm - canto inferior direito - 1971 -
Esta gravura consta no catálogo Raisonné de Tarsila do Amaral.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



169 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Composição - pastel - 16 x 21 cm - canto inferior esquerdo -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



170 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

"Vendedoras de peixes" - óleo sobre tela - 69 x 87 cm - lado direito e dorso - 1972 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Acompanha a obra recibo de compra original firmado pelo autor, datado de 10 de setembro de 1972. Ex coleção Senhor Irineu Gomes da Rosa Filho - São Paulo SP.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



171 - DAREL VALENÇA LINS (1924 - 2017)

Figuras - litografia - 23/50 - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Gravador, pintor, desenhista, ilustrador e professor nascido em Palmares, PE. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco (entre 1941 e 1942). Mudou-se para o Rio de Janeiro (1946); estudou gravura em metal com Henrique Oswald (1948) e recebeu aconselhamento técnico de Oswaldo Goeldi. Atuou como ilustrador em diversos periódicos: revista 'Manchete'; jornais 'Última Hora' e 'Diário de Notícias'; diversos livros: 'Memórias de um Sargento de Milícias' (1957), de Manuel Antônio de Almeida; 'Poranduba Amazonense' (1961), de Barbosa Rodrigues; 'São Bernardo' (1992), de Graciliano Ramos e 'A Polaquinha' (2002), de Dalton Trevisan. Encarregou-se das publicações da Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil (entre 1953 e 1966). Lecionou gravura em metal no Museu de Arte de São Paulo - Masp (1951); litografia na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (entre 1955 e 1957) e na FAAP, São Paulo (1961 a 1964). Realizou painéis para o Palácio dos Arcos, em Brasília (1968-1969) e para a IBM do Brasil, no Rio de Janeiro (1979). Realizou muitas exposições individuais, destacando-se: Rio de Janeiro (1949, 1963, 1964, 1966, 1968, 1973, 1995); Recife, PE (1951); Itália (1952 – Milão, 1958 - Roma); São Paulo (1953 – MASP, 1960, 1967). Participou de várias mostras e Salões oficiais, entre as quais: Salão Nacional de Arte Moderna (1952 a 1960) onde recebeu Prêmio de Viagem ao País (1952) e Prêmio de Viagem ao Estrangeiro (1957); Bienal Internacional de São Paulo (1961 a 1967) recebendo Prêmio Melhor Desenhista Nacional (1963) e Sala Especial (1965); Gravadores Brasileiros Contemporâneos, EUA (1966); Bienal de Tóquio, Japão (1964); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1988, 1993). MEC VOL.3, PÁG. 18; PONTUAL, PÁG.160; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 313; VOL. 8, PÁG. 246; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 715; ARTE NO BRASIL, PÁG. 839; LEONOR AMARANTE, PÁG. 125; ACERVO FIEO; www.graphias.com.br; www.artprice.com.



172 - MARCOS CONCÍLIO (1945)

Composição - técnica mista - 51 x 51 cm - canto superior direito - 1975 -
No estado.

Pintor paulistano. Participou de exposições e Mostras oficiais como: Salão de Arte Contemporânea de Santo André, SP (1971, 1972); Salão de Arte Contemporânea de Campinas, SP (1974); Bienal Internacional de São Paulo (1975); Imagens do Brasil, Bruxelas (1973); "The Brazilian Landscapes", Toronto – Canadá (1975); Panorama Arte Atual Brasileira, São Paulo - MAM (1977, 1980, 1984, 1988); entre outras. Foi premiado no IV Salão Paulista de Arte Contemporânea (1974). JULIO LOUZADA VOL. 8, PÁG. 215; ITAU CULTURAL; http://biografias.netsaber.com.br/biografia-3622/biografia-de-marcos-concilio.



173 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Nu - desenho a carvão - 29 x 22 cm - canto inferior direito -

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



174 - LOTHAR CHAROUX (1912 - 1987)

Linhas - litografia - 9/50 - 65 x 49 cm - canto inferior direito - 1974 -

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



175 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Cangaceiro - escultura em bronze - 20 x 08 x 3,5 cm - assinado -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



176 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)

"Emblema" - serigrafia - 46/70 - 63 x 46 cm - canto inferior direito - 1970- Brasília -

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



177 - MESTRE EXPEDITO (1933)

Santo Antonio - escultura em madeira - 23 x 07 x 05 cm - assinado -

Expedito Antonino dos Santos, o Mestre Expedito, é um grande nome da arte santeira piauiense. Suas peças entalhadas na madeira, são admiradas no Brasil e no exterior, contribuindo para a valorização do Piauí pela criatividade de seus artesãos e qualidade de suas criações.



178 - TÉIA DE SOUSAS (1945)

"Casório - Caiçara" - óleo sobre tela - 32,5 x 55,5 cm - canto inferior direito e dorso - 2005 -

Pintora primitiva ativa no Estado de São Paulo. Suas obras nos trazem belas cenas do cotidiano das pessoas no campo. Suas cores são bem dosadas e a composição agrada aos olhos, pois traz harmonia e tranquilidade. A artista expõe regularmente, com sucesso de público e vendas.



179 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)

Flores - litografia - 301/500 - 62 x 49 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



180 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)

Banhista - escultura em bronze - 33 x 09 x 07 cm - assinado -

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



181 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Cangaceiro - litografia - 11/60 - 62 x 44 cm - canto inferior direito - 1976 -
No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



182 - VICENTE MECOZZI (1909 - 1964)

Mar - óleo sobre cartão - 70 x 70 cm - canto inferior esquerdo -

Vicente Caetano Onorato Mecozzi era natural de Frascatti-Itália, vindo a falecer na cidade de São Paulo-SP. Pintor, veio para o Brasil com o pai, o pintor Arnaldo Mecozzi, fixando residência em São Paulo. Nesta cidade estudou na Escola de Belas Artes, e teve aulas com seu pai e com o pintor Lopes de Leão. Foi um dos incentivadores do Sindicato dos Artistas Plásticos e fundador do Clube de Artistas de São Paulo. Decorou, junto com o pai, o Santuário do Sagrado Coração de Maria e a Capela Funerária dos Padres Jesuítas no Cemitério do Santíssimo, além da Matriz do Brás, de Jundiaí e de Santos. Por volta de 1940, passou integrar a Família Artística Paulista - FAP. Coletivas desde 1934, figurando com regularidade nas mostras do Salão Paulista de Belas Artes, onde recebeu diversas premiações. JULIO LOUZADA vol. 2, pág. 661; ITAÚ CULTURAL ; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 798.



183 - SILKE GROSSMANN (XX)

Nu - fotografia - 39 x 28 cm - dorso -

Fotógrafa e professora do Departamento de Artes Gráficas, Tipografia e Fotografia da Universidade de Hamburgo, Alemanha. Realizou exposição individual em Berlim, Alemanha (2016) e participou de mostras coletivas em: Munique, Alemanha (2012, 2016); Bremen, Alemanha (2012). Publicou os seus próprios livros e filmes de fotografia experimental, como também contribuiu para o trabalho editorial da "Materialverlag" da universidade e supervisionou numerosas publicações. http://photography-now.com/artist/silke-grossmann; www.artprice.com.



184 - YUJI TAMAKI (1916 - 1979)

Paisagem - óleo sobre tela - 38 x 46 cm - canto inferior esquerdo -

Nascido em Fukui, Japão, é um dos mais significativos pintores nipo-brasileiros. Foi também professor. Chegou ao Brasil em 1932. Junto com Takaoka, vai para o Rio de Janeiro, onde estudou com Bruno Lechowsky, congregando o Núcleo Bernardelli. Em São Paulo integra o Seibi-kai, participando do III SPBA e do SNBA em 1937 e 1938, conquistando medalhas de bronze e ouro, respectivamente. Integrou o Grupo do Jacaré e do Guanabara (II, III). Sua obra é marcada pelo mancha cromática, essencialidade do desenho, avizinhando-se do que seria posteriormente a abstração. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 820; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL



185 - ANTOINE VOLLON (1833 - 1900)

Faisão - óleo sobre madeira - 47 x 36 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e gravador francês nascido em Lyon e falecido em Paris. Iniciou-se como aprendiz de um gravador, cursou a Escola de Belas Artes de Lyon (1850-1853) onde foi aluno do gravador Vibert e trabalhou como decorador de panelas e fogões. Em 1859 mudou-se para Paris e conviveu com Théodule Ribot, François Bonvin, Daubigny e Daumier. Autodidata como pintor, expôs nas edições do 'Salon' desde 1864. Foi premiado em Lyon (1852 – gravura), em Paris (1865, 1868, 1869, 1878, 1900) e foi oficial da Legião de Honra. Em 1879, Edmond Renoir – irmão do pintor impressionista Pierre-August Renoir, organizou uma exposição retrospectiva de suas obras e por isso foi eleito membro do 'Institute de France' (1894). BENEZIT VOL. 10, PÁG.565; ITAU CULTURAL; www.wildenstein.com; www.nationalgallery.org.uk; www.stephenongpin.com; www.frick.org; www.metmuseum.org; www.artprice.com; www.artnet.com.



186 - MANABU MABE (1924 - 1997)

Composição - serigrafia - 27/100 - 49 x 69 cm - canto inferior direito - 1981 -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e ilustrador nascido no Japão e falecido em São Paulo. Assina Mabe. De Kobe, Japão, emigrou com a família para o Brasil (1934) para dedicar-se ao trabalho na lavoura de café no interior de São Paulo. Interessado em pintura, começou a pesquisar, como autodidata, em revistas japonesas e livros sobre arte. No fim da década de 1940, em São Paulo, conheceu o pintor Tomoo Handa e Yoshiya Takaoka. Integrou-se ao Grupo Seibi, Grupo 15, Grupo Guanabara. Mudou-se para São Paulo (1957) para dedicar-se exclusivamente à pintura. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras coletivas e oficiais no Brasil e exterior. Entre muitos prêmios recebidos, destacam-se: 1953 - Prêmio aquisição no Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro; 1957 - Pequena Medalha de Ouro no VI Salão Paulista de Arte Moderna, SP; 1958 - Grande Medalha de Ouro no VII Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo; 1959 - Prêmio Governador do Estado no VIII Salão Paulista de Arte Moderna, SP; Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP; Melhor Pintor Nacional na 5ª Bienal Internacional de São Paulo; Prêmio Braun e Prêmio Bolsa de Estudos na I Bienal de Paris, França; Prêmio aquisição no ‘Dallas Museum of Fine Arts’, Dallas, Estados Unidos; 1960 - Prêmio Fiat na 30ª Bienal de Veneza, Itália; 1962 - Primeiro Prêmio na I Bienal Americana de Arte de Córdoba, Espanha. ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1050; EIXEIRA LEITE, PÁG. 296; PONTUAL, PÁG. 325; MEC, VOL. 3, PÁG. 13; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 644; LEONOR AMARANTE, PÁG. 83, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 561; ACERVO FIEO; www.mabe.com.br; www.pinturabrasileira.com; www.museumanabumabe.com.br; www.escritoriodearte.com; www.brasilescola.com; www.artprice.com.



187 - LIA MITTARAKIS (1934 - 1998)

Flores - óleo sobre eucatex - 53 x 71 cm - canto inferior esquerdo - 1989 - Ilha de Paquetá -

Pintora e professora primária, nasceu e faleceu no Rio de Janeiro RJ. Autodidata em pintura, lecionou a sua técnica na Escolinha de Arte, na Ilha de Paquetá. Anatole Jakovsky inclui a artista em seu livro Les Proverbes Vus par les Peintres Naifs. Entre as mostras de que participa, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro; Naifs del Brasile, Naifs di Haiti, no Festival Mundial de Spoleto, Itália; Artistas Brasileiros, Bratislava (Tchecoslováquia), 1969; Encontro Carioca de Pintura Ingênua, Rio de Janeiro, 1977; Naifs em Coletiva, na Villa Riso Tradição - Arte Cultura (Sala Especial) Rio de Janeiro, 1997. Expôs individualmente na sua cidade natal, em 1970 e 1972, participando de coletivas no Rio de Janeiro, Italia, Estados Unidos, Tchecoslováquia e Cidade do México. "(...) Para Lia Mittaraquis, a vida é uma festa, cujo cenário é formado pelas praças de Paquetá, a águas cheias de embarcações embandeiradas, com o Pão de Açúcar e um Rio de Janeiro ao fundo - num conjunto paradisíaco. Lia conservou uma imagem pura e ideal da sua ilha e da megalópole que a domina. Ela conseguiu integrar, em perspectiva vertical e simultânea, a idéia de que o mundo só existe como festa domingueira, sem os dias excepcionais de um carnaval carioca; ou o mundo místico ou festivo dos ritos afro-brasileiros. " Walmir Ayala, in AYALA, Walmir. O Brasil por seus artistas = Brazil through its artists. trad. Tradução de John Stephen Morris, Ida Cecília Raiche de Araújo e Zuleika Santos Andrade. Rio de Janeiro: Nórdica; São Paulo: Círculo do Livro, s.d. ITAU CULTURAL



188 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Composição - óleo sobre tela - 100 x 100 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2014 -
Pereira Oliveira.



189 - INNOCÊNCIO BORGHESE (1897 - 1985)

Paisagem - óleo sobre tela - 30 x 43 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



190 - FÉLIX BRISSOT DE WARVILLE (1818 - 1892)

Estábulo - óleo sobre tela - 70 x 100 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista frances, Félix Saturnin Brissot de Warville nasceu em Véron – Yonne e faleceu em Versailles. Foi aluno de Léon Cogniet, na Escola de Belas Artes de Paris. Trabalhou como administrador no Palácio de Compiègne. Pintou muitas cenas campestres e de animais pelas províncias francesas e pela Espanha (1870 a 1875). BENEZIT; www.artprice.com.



191 - MANEZINHO ARAUJO (1910 - 1993)

Festa - serigrafia - 306/350 - 38 x 58 cm - canto inferior direito -

Com apenas dezesseis anos de idade mudou-se para Recife, a fim de concluir seus estudos. Após cursar a escola de comércio de Pernambuco, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi buscar fama através da música, sua primeira paixão. Destacou-se como compositor e intérprete de música popular nordestina, o que lhe valeu a possibilidade de montar um restaurante de comida nordestina em SP, muito famoso durante vários anos, o Cabeça Chata. Apesar de viver, em SP, suas raízes ainda permanecem em Pernambuco. De uma forma autodidata começou a dedicar-se à pintura, retratando o folclore nordestino, sua gente, suas vidas, fase que sustentou até o seu desaparecimento, com uma menção surrealista. Expôs individualmente nas Galerias Astreia e Capela (SP), e na Ranulfo em Recife (1969). Em 1968, apresentado por Aldemir Martins, teve publicado o álbum de serigrafias Meu Brasil. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 56; MEC, vol. 1, pág. 109; PONTUAL, pág. 38; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 18; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 832; Acervo FIEO.



192 - JOSÉ DE DOME (1921 - 1982)

Igreja - técnica mista - 42 x 31,5 cm - canto inferior direito - 1972 - Cabo Frio -
No estado.

Pintor e desenhista, José Antonio dos Santos nasceu em Estância, SE. Assina José de Dome. Autodidata, residiu por vinte e dois anos em Salvador - BA onde recebeu orientações de Jenner Augusto, Mário Cravo, Carlos Bastos, Carybé, Mirabeau e, no Rio de Janeiro, firmou-se como pintor (década de 60). Pouco depois se instalou em Cabo Frio, RJ. Realizou exposições individuais em: Salvador, BA (1955, 1956, 1958, 1964); Rio de Janeiro (1961, 1964 a 1968, 1972); Lima, Peru (1966); São Paulo (1969); Londres (1971). Participou também de muitas mostras coletivas e oficiais. MEC VOL. 2, PÁG. 60; PONTUAL, pág. 183; JULIO LOUZADA, VOL. 1; PÁG. 339; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



193 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata com gato - técnica mista - 20 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1972 -
Ex coleção Sr. Antonio Osmar Alves de Oliveira ,São Paulo - SP.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



194 - JOAQUIM MIGUEL DUTRA (1864 - 1930)

Garças - óleo sobre tela - 53 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1926 -

Pintor nascido e falecido em Piracicaba. Notabilizou-se pelas paisagens documentárias locais, realizando ainda trabalhos em São Paulo, Limeira, Caconde, São Carlos e Capivari. Foi pai dos pintores Alipio, Antonio de Pádua, Archimedes e João Dutra.PONTUAL, pág. 186; MEC, vol. 2, pág. 84; TEIXEIRA LEITE, pág. 171, RUTH TARASANTCHI.



195 - ARNALDO FERRARI (1906 - 1974)

Composição - guache - 23 x 13 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor, desenhista e professor, Arnaldo Ferrari nasceu e faleceu em São Paulo SP. Seguindo a profissão do pai, trabalhou como pintor decorador, realizando frisos decorativos para residências. Estudou artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, entre 1925 e 1935. Em 1934, dividiu um ateliê com amigos no edifício Santa Helena e, pela amizade com o pintor Mario Zanini, aproximou-se dos demais integrantes do Grupo Santa Helena. Frequentou também o curso livre de pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes, entre 1936 e 1938, onde teve aulas de desenho e pintura com Enrico Vio. Entre 1950 e 1959, integrou o Grupo Guanabara, com Thomaz Ianelli, Tomie Ohtake, Tikashi Fukushima e Oswald de Andrade Filho, entre outros. Realizou diversas exposições individuais, participou de várias mostras e Salões oficiais e foi premiado em São Paulo (1958, 1959, 1961, 1963, 1966) e em Santo André (1971). Participou da 7ª à 11ª Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969, 1971). Foi apresentada retrospectiva de sua obra em 1975, no Paço das Artes, SP e catálogo com textos de Theon Spanudis, José Geraldo Vieira e Mário Schenberg, entre outros. ITAÚ CULTURAL; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 304; MEC, VOL. 2, PÁG. 149; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 191; PONTUAL, PÁG. 207; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 378; WALTER ZANINI, PÁG.678, ACERVO FIEO.



196 - EDILSON ARAÚJO (1950)

Trabalhadores - óleo sobre tela - 60 x 46 cm - centro inferior -
No estado.

Pintor autodidata nascido em Ouro Branco, RN. A partir de 1980, veio para São Paulo, começou a pintar. Frequentou a Escola Panamericana de Arte. Em 1985 algumas de suas pinturas foram apresentadas em selos natalinos dos Correios e também em cartões natalinos da campanha Pronav/LBA. Realizou exposição individual em Santos, SP (1982) e tem participado de inúmeras mostras coletivas e oficiais. Recebeu Medalha de Bronze no Salão Nacional de Artes Plásticas Alberto Santos Dumont, SP (1981, 1982); Menção Honrosa no Salão Nacional de Artes Plásticas Pablo Picasso (1981); Medalha de Prata no Salão Nacional de Artes Plásticas Brigadeiro Eduardo Gomes (1982) e no Salão Nacional de Artes Plásticas de Araçatuba (1982); Prêmio Aquisição no Salão de Artes Plásticas de Taboão da Serra (1982); Medalha de Ouro no Salão da Paisagem da UNAP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 82; artenaifrio.blogspot.com/2012/01/edilson-araujo.html; www.edilsonaraujo.com.



197 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Burro com caçuá - escultura em terracota - 19 x 24 x 26 cm - não assinado -



198 - DIONISIO DEL SANTO (1925 - 1999)

Triângulos - guache - 15,5 x 19,5 cm - canto inferior direito - 1989 -

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



199 - BENJAMIN SILVA (1927)

Figuras - óleo sobre eucatex - 30 x 21 cm - canto inferior direito e dorso - 1965 -

Cearense de Juazeiro, Benjamin Silva antes de se mudar para o Rio de Janeiro, então com 20 anos, foi seringueiro no Amazonas. Foi aluno de Inimá de Paula na Escola do Povo, nos idos de 1950. Inicialmente figurativista, após 1963 adota uma linha de expressionismo agressivo. Sua pintura passeou também pelo surrealismo. MEC, vol.4, pág.246; TEIXEIRA LEITE, pág.70; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 943.



200 - FRANCISCO REBOLO GONSALES (1903 - 1980)

Caminho na mata - óleo sobre madeira - 32 x 22,5 cm - canto inferior direito - 1965 -
Com etiqueta de "A Galeria" Rua Haddock Lobo, 1111 São Paulo - SP, no dorso.

Pintor e gravador nascido e falecido em São Paulo. Iniciou seus estudos em artes na Escola Profissional Masculina do Brás, onde teve aulas de desenho com o professor Barquita (1915 e 1917). Aos 14 anos, trabalhou como aprendiz de decorador de paredes. Paralelamente à sua atividade como decorador, atuou como jogador de futebol. Em 1926, montou ateliê de decoração na Rua São Bento. A partir de 1933, transferiu seu ateliê para uma sala no Palacete Santa Helena, quando se iniciou na pintura. A partir de 1935, partilhou seu ateliê com Mario Zanini. Posteriormente, outras salas do Palacete foram transformadas em ateliês e ocupadas por vários pintores, entre eles: Fulvio Pennacchi, Bonadei, Humberto Rosa, Clóvis Graciano, Alfredo Volpi, Rizzotti e Manoel Martins. Mais tarde, este grupo de artistas passou a ser denominado Grupo Santa Helena. Rebolo esteve presente em todos os importantes eventos ligados à história da arte moderna. Integrou, por exemplo, o Salão de Maio, os Salões da Família Artística Paulista e do Sindicato dos Artistas Plásticos; pertenceu ao grupo de artistas que defendeu a criação de um Museu de Arte Moderna em São Paulo e, mais tarde, a Bienal, entre outros feitos que foram relatados na cronologia de sua vida artística. Um ponto alto de sua carreira foi quando recebeu, no Salão de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o "Prêmio de Viagem ao Exterior", em 1954. Em 1956, fez curso de restauração no Vaticano, participando da recuperação de uma obra de Raphael. A partir de 1959, incentivado por Marcelo Grassmann, iniciou uma série de experiências como gravador. MEC, VOL. 4, PÁG. 28; TEODORO BRAGA, PÁG. 202; PONTUAL, PÁG. 447; REIS JR., PÁG. 382; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 433; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; LEONOR AMARANTE, PÁG. 13; ARTE NO BRASIL; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 807; VOL. 13, PÁG. 278; www.sampa.art.br; www.macvirtual.usp.br; www.unesp.br.



201 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Pássaro - xilogravura - P.A. IV/IV - 49 x 69 cm - canto inferior direito - 1988 -
Com carimbo de Perez Sola -Itapecerica da Serra - SP nº 324, no dorso. No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



202 - RENINA KATZ (1925)

Composição - xilogravura - 37/75 - 70 x 50 cm - canto inferior direito - 1975 -
No estado.

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



203 - CHRISTIANE GRIGOLETTO (1968)

Composição - técnica mista sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior direito e dorso - 2007 -
No estado.

Pintora natural da cidade paulista de Jundiaí, onde nasceu a 28 de abril de 1968. Iniciou na arte em 1979, na escola Espaço Arte. Formou-se em 1989, na PUC de Campinas-SP. Individuais em Campinas e Jundiaí, nos anos de 1993 a 1996. JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 386



204 - WEGA NERY (1912 - 2007)

Composição - técnica mista - 30,5 x 23 cm - canto inferior direito - 1960 -

Natural de Corumbá-MT, estudou desenho e pintura na Escola de Belas Artes em São Paulo entre 1946 e 1949. Nos anos 50, aperfeiçoou estudos com Joaquim da Rocha Ferreira, Yoshiya Takaoka e Samson Flexor. Participou do Grupo Guanabara em 1952 e do Atelier-Abstração, liderado por Samson Flexor, em 1953. Expõs individualmente a partir de 1955. Recebeu o prêmio de melhor desenhista nacional em 1957 e o prêmio aquisição nacional em 1963. PONTUAL, pág. 551; TEIXEIRA LEITE, pág. 541, JULIO LOUZADA vol.9, pág. 919; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 942; LEONOR AMARANTE, pág. 57.



205 - RUDOLF VON BOHR (1818 - 1872)

Dama - óleo sobre tela - 58 x 46 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista austríaco nascido em Viena com diversas participações em exposições e Salões coletivos. www.artprice.com; www.dorotheum.com.



206 - RAUL DE VICENZI (XX)

Barcos - sépia - 18,5 x 13,5 cm - canto inferior direito - 1944 -
No estado.

Pintor e desenhista italiano com diversas participações em mostras e Salões oficiais. JULIO LOUSADA VOL 12, PÁG 127.



207 - NUCA DE TRACUNHAÉM (1937)

Florista - escultura em terracota - 27 x 10 x 08 cm - assinado -

Manoel Gomes da Silva, o Nuca de Tracunhaém, é um dos mais antigos e expressivos artistas de Tracunhaém tendo sempre trabalhado junto com sua esposa Maria. O artista possui o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco honraria obtida através de um processo de candidatura por indicação de entidades culturais e órgãos governamentais e da avaliação do Conselho Estadual de Cultura (CEC). Os agraciados assumem a missão de transmitir os seus conhecimentos a alunos e aprendizes em programas de ensino e aprendizagem. Tudo começou quando Mestre Nuca recebeu uma encomenda para fazer Leões. Seus Leões, quase sempre sentados, lembram os feitos de louça em Portugal que decoravam os jardins e varandas de muitas residências de antigamente. A característica marcante é o modo de apresentar as jubas que são feitas com dezenas de fragmentos circulares meio achatados, e também com pregas formando sulcos verticais. Outra peça inconfundível de Nuca e Maria são as bonecas com os cabelos encaracolados. Outras figuras também são produzidas: pinhas, animais:peixes, galinhas etc. Os trabalhos de Nuca e Maria são encontrados em Museus e coleções particulares no Brasil e no exterior. FONTE: www.ceramicanorio.com.br



208 - P. LICATTI (1910 - 1990)

Velho - óleo sobre eucatex - 33 x 27 cm - canto inferior direito -

José Paulo LICATTI, nasceu em Taquaritinga, SP, a 5 de agôsto e faleceu na Capital-SP, onde era ativo, em 27 de outubro de 1990. Pintor e desenhista formado em 1935 na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Foi discípulo dos professores Antonio Rocco e Enrico Vio, da Real Academia de Napoli-Itália. A partir de 1939 LICATTI conquista diversas premiações, participando em diversas exposições no Brasil e no exterior. JULIO LOUZADA vol.11, pág.173



209 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)

Flores - off set - 58 x 45 cm - não assinado -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



210 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - acrílico sobre tela - 95,5 x 153,5 cm - canto inferior direito - 1987 -
Com Declaração de Autenticidade firmada pelo autor, datada de 10 de fevereiro de 1992. (Atenção clientes que não residem em São Paulo: transporte especial devido ao tamanho. Consulte-nos antes de dar seu lance) .

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



211 - NONÊ DE ANDRADE (1914 - 1972)

Dançarinas - litografia - Nº 5/ ex. 23 - 28,5 x 21,5 cm - canto inferior direito -
Procedente da coleção do crítico de arte Mário Schenberg, São Paulo - SP.

Pintor, desenhista e escritor, nascido e falecido em São Paulo, Capital. O artista era filho de Oswald de Andrade, um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna. Iniciou seus estudos em Paris, e, no Brasil, recebeu orientação de Portinari, Segall, Tarsila e Anita Malfatti, filiando-se desde então às tendências inovadoras das artes plásticas brasileiras. Expositor do SNBA-RJ e da Bienal de SP. São numerosas as referências críticas a respeito de sua obra. MEC, vol 1 pág. 100; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; LEONOR AMARANTE, pág. 75, Acervo FIEO.



212 - ROMILDO DE ANDRADE (XX)

Figuras - entalhe em madeira policromado - 26 x 99 cm - dorso -

Entalhador e pintor pernambucano, descendente de uma família de artistas. Morou em Salvador, BA e no Rio de Janeiro. Tem participado de diversas mostras coletivas pelo Brasil. www.jornaldebrasilia.com.br; www.youtube.com/watch?v=wCUfXCkACNg.



213 - PEDRO CORRÊA (1920 - 1990)

Paisagem - técnica mista - 22,5 x 11 cm - canto inferior direito -

Paraibano de Campina Grande, foi artisticamente orientado pelo pintor Augusto Rodrigues, no Rio de Janeiro. Fixou residência em São Paulo, onde é ativo, inclusive através de uma escola de arte que mantém na cidade. Participou regularmente do SPBA, tendo também realizado várias individuais. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 271 e 272, Acervo FIEO.



214 - IWAO NAKAJIMA (1934 - 2011)

Colheita - óleo sobre tela - 22 x 16 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1977 - São Paulo -
No estado.

Natural de Guma-Ken, Japão, onde nasceu a 9 de abril de 1934, permanecendo no Japão, onde fez estudos de pintura e desenho, até 1955, quando se transfere para o Brasil, como técnico em pintura sobre esmalte. É associado na APBA. Expõe individualmente a partir de 1982, e participa de coletivas a partir de 1974, inclusive no exterior. Em seu curriculum constam diversas premiações em certames oficiais. Faleceu em Embu das Artes em 3 de setembro de 2011. JULIO LOUZADA, vol. 6 pág. 767



215 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figura masculina" - desenho a lápis - 21,5 x 16 cm - centro inferior - 1975 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



216 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Maternidade - técnica mista - 13,5 x 18,5 cm - não assinado -
No estado.



217 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA (1930 - 1999)

Marilyn - serigrafia - 6/25/100 - 41 x 41 cm - canto inferior direito - 1969/1974 -
No estado.

Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico e professor natural do Recife, PE; faleceu em Campinas, SP. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Trabalhou no campo de comunicação visual sendo um dos responsáveis pela renovação da Arte-Cartaz Paulista (1951). Em 1953 passou a fazer parte do Grupo Ruptura, a convite de Waldemar Cordeiro. Participou de várias edições do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957); das Bienais de 1955 a 1967; da Exposição Nacional de Arte Concreta; da mostra Panorama da Arte Atual Brasileira; da mostra Tendências Construtivas e de outras exposições em: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima, Roma, Londres, Paris (Salão de Outono) e Zurique (exposição de Arte Concreta –'Konkrete Kunst', organizada por Max Bill). Recebeu o convite (1954) para representar o Brasil na 27ª Bienal de Veneza, no entanto, recusou se apresentar por terem negado a participação de outros membros do Grupo Ruptura. Em São Paulo pintou murais no Largo São Bento, no Edifício Estação Ciência, nas estações São Bento e Santana do Metrô, na Praça Roosevelt, na fachada do MAC/USP e fez uma pintura lateral no Elevado Costa e Silva (popularmente conhecido como Minhocão). Em 1958, foi responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realizou as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. MEC VOL. 2, PÁG. 481; PONTUAL PÁG. 314; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 678; www.pinturabrasileira.com; www.mac.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



218 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Pescador - entalhe em madeira - 30 x 11 cm - assinado -
José.



219 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Bandeirinhas - off set - P.A. - 53 x 38 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



220 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Cangaceiro" - serigrafia - 36/100 - 25 x 15 cm - canto inferior direito - 1960 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



221 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Galo - serigrafia - 13/100 - 60 x 44 cm - canto inferior direito - 1986 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



222 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Fachada - serigrafia - 12/50 - 40 x 28 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



223 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Arara azul - escultura em madeira - 43 x 11 x 11 cm - não assinado -



224 - EDUARDO KENJI TAKEBAYASHI (1949)

Índios - óleo sobre tela - 50 x 90 cm - canto inferior direito - 1999 -

Nasceu em Junqueirópolis, SP, em 20 de maio de 1949. Participou de coletivas realizadas em SP, Porto Alegre e Brasilia, recebendo premiações. JULIO LOUZADA, vol. 7 pág. 687.



225 - BLANCO Y COUTO (1950)

Natureza morta - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - canto superior direito e dorso - 1988 -

José Manoel BLANCO Y COUTO nasceu em La Coruña, Espanha, vindo para o Brasil em 1962. Expõe regularmente desde 1975, com sucesso de crítica, público e vendas. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 105; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 36.



226 - ANTONIO CARLOS DE CASTRO (1959)

Na beira do lago - óleo sobre tela - 25 x 25 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor. Assina A. Castro. Iniciou sua educação artística com seu pai, Nelson de Castro, também artista plástico. Formou-se em Artes Plásticas, Programação visual e Design pela Universidade de Guarulhos, SP. Teve aulas com Aldemir Martins, Antônio Arena e Djalma Urban. Participou de mostras coletivas oficiais em: São Paulo (1980 a 1982, 1987, 2000); Guarulhos, SP (1990, 1996, 1998). Foi premiado em São Paulo (1981, 1982, 1987). JULIO LOUZADA VOL. 13, PÁG. 74.



227 - DIRCEU CARVALHO (1942)

Caçando passarinho - óleo sobre tela - 14 x 24 cm - canto inferior direito - 1974 -

O artista nasceu na cidade paulista de Dois Córregos, em 10 de setembro de 1942. Foi orientado por Edgar Calhado e Cassio M´Boy. Pintor ingênuo, retrata a vida rural numa fartura de frutas, cavalos, bois, santas e noivas. Expõe individualmente a partir de 1970, e coletivamente desde 1968, com diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol. 4 pág. 225; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



228 - ALBERTO LUME (1944)

Na praia - óleo sobre tela - 80 x 100 cm - canto inferior direito -

Português da Ilha da Madeira, onde nasceu a 6/2/1944, LUME, como é conhecido e assina as suas obras, fixou residência no Brasil a partir de 1954. Trouxe na sua bagagens sólidos conhecimentos de bom desenhista e excepcional colorista. Adota os temas brasileiros em suas obras com rara felicidade, fazendo com que as suas obras sejam muito disputadas em leilões e por colecionadores. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 601 602



229 - FERNANDO BARROS (XX)

Casario - acrílico sobre tela - 30 x 20 cm - canto inferior direito e dorso - São Paulo -

Pintor atuante em São Paulo. Assina Barros. Participou de mostras coletivas e recebeu alguns prêmios e medalhas.



230 - MANOEL MARTINS (1911 - 1979)

Cidade - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito -

Natural de São Paulo, MANOEL MARTINS participou ativamente do Grupo Santa Helena, onde defendeu a necessidade de fazer da arte uma profissão, e ocupar com ela, um espaço na sociedade. Manoel Martins, a partir da exposição da Familia Artística Paulista em 1937, realizado pelos integrantes do Grupo, desenvolveu obras no âmbito do figurativo, buscando incorporar a vida, o movimento, as aglomerações do mundo urbano, substituindo a figuração pós-impressionistas por elementos racionais do cubismo com a valorização do expressionismo. TEIXEIRA LEITE, pág. 316; JULIO LOUZADA, vol.11, pág. 201; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; ARTE NO BRASIL, pág. 784, Acervo FIEO.



231 - CARLOS BRESEGUELLO (1958)

Composição - serigrafia sobre tela - 10/50 - 73 x 73 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor e escultor nascido em São José do Rio Preto, SP. Expõe individualmente a partir de 1983, e participa coletivas na Capital e no Interior desde 1972. JÚLIO LOUZADA vol.8, pág.133; ITAÚ CULTURAL.



232 - IWAO NAKAJIMA (1934 - 2011)

Colheita de café - óleo sobre tela - 22 x 16 cm - canto inferior direito e dorso - 1977 - São Paulo -
No estado.

Natural de Guma-Ken, Japão, onde nasceu a 9 de abril de 1934, permanecendo no Japão, onde fez estudos de pintura e desenho, até 1955, quando se transfere para o Brasil, como técnico em pintura sobre esmalte. É associado na APBA. Expõe individualmente a partir de 1982, e participa de coletivas a partir de 1974, inclusive no exterior. Em seu curriculum constam diversas premiações em certames oficiais. Faleceu em Embu das Artes em 3 de setembro de 2011. JULIO LOUZADA, vol. 6 pág. 767



233 - FANG (1931 - 2012)

Touro - desenho a nanquim e aquarela - 12,5 x 16,5 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1978 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Chien Kong Fang, ou simplesmente Fang, nasceu na cidade de Tung Cheng, China e faleceu em São Paulo. Estudou sumiê e aquarela na China em 1945. Veio morar em São Paulo com a família em 1951, naturalizando-se brasileiro em 1971. Entre 1954 e 1956, estudou pintura com Yoshiya Takaoka em São Paulo. Viajou, em 1977, para a América do Norte, Europa e Ásia, onde desenvolveu o seu trabalho de pintura. Em 1981, foi realizado o curta metragem biográfico ‘O Caminho de Fang’, em São Paulo. Visitou a China, convidado pelo governo chinês, em 1985. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1959, 1961, 1962, 1978, 1981, 1993, 2005); Salvador, BA (1962); Rio de Janeiro (1978, 1986); Schleswing, Alemanha (1985); Lugana, EUA (1990); Americana, SP (1994); Formosa, Taiwan (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1957) e em São Paulo (1960 a 1962, 1967 a 1969, 1978, 1979, 1991). Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1978). MEC, VOL. 2, PÁG. 124; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 366; VOL. 6, PÁG. 378; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 189; PONTUAL, PÁG. 201; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; www.fang.com.br; www.artprice.com.



234 - JONAS MATOS (1984)

Pescador - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor autodidata nascido em Tucuruí, Pará. Atualmente reside em Guarulhos, SP dedicando seu tempo integral à pintura. https://www.artmajeur.com/pt/gallery/celio-kennedy/portfolio/jonas-matos/291925; https://betomelodia.blogspot.com.br/2017/03/carlos-miranda-betomelodia-brasil-jonas-matos-pintores-paisagismo-impressionismo-artes-plasticas-brasileiras-brazilian-painters-artists-art-brazil.html.



235 - JOSÉ PAULO MOREIRA DA FONSECA (1922 - 2004)

Portão - óleo sobre eucatex - 23 x 16 cm - canto inferior direito e dorso - 1989 - Rio de Janeiro -
No estado.

Pintor, advogado, filósofo e poeta, nascido e falecido no Rio de Janeiro. Autodidata, dedicou-se à pintura a partir de 1950. Realizou várias exposições individuais em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Alemanha, Portugal, Inglaterra, Áustria, Estados Unidos, México e participou de muitas mostras e Salões oficiais pelo Brasil e Europa. MEC, VOL. 2, PÁG. 183; WALMIR AYALA VOL. 1, PÁG. 423 A 427; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 268; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO.



236 - LUIZ ZEMINIAN (1947)

Flores - óleo sobre tela colada em eucatex - 67 x 48 cm - canto inferior esquerdo - 1993 -

Pintor com diversas participações em exposições coletivas e salões oficiais. JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 942.



237 - LUIS ZEBINI (1962)

O palhaço e o pássaro - óleo sobre tela colada em eucatex - 39 x 29 cm - canto inferior direito - 2018 -

Pintor e desenhista autodidata, ativo em São Paulo. Fez parte do grupo "Quinteto do Marquês" de artistas plásticos com várias tendências. Tem participado de muitas mostras coletivas, entre as quais, da exposição "A arte brasileira invade Moscou" na Rússia, em 2016.



238 - EDISON DE SOUZA (XX)

No parque - aquarela - 25 x 35 cm - canto inferior esquerdo - 1985 -

Segundo o crítico e historiador de arte, ex diretor do MAC, Wolfgang Pfeiffer: " ... Edison, artista experimentado e mestre no uso das tintas, liberou a expressividade das suas pinturas. A beleza das tonalidades e das transparências estão realmente presentes de maneira convincente. Delas resulta a luminosidade colorística do nosso pintor." Coletivas a partir de 1962, no país e no exterior (Chile e Portugal), com diversas premiações (Medalhas de Ouro e Prata - Chile; Medalhas de Bronze - Salvador-BA e São Paulo-SP; Medalha de Prata - Lisboa-Portugal).



239 - EDUARDO MORI (1943)

Composição - técnica mista - 34 x 22 cm - centro inferior -

Nascido em São Paulo, iniciou seus estudo artísticos em Paris, onde residiu por longos anos, realizando algumas exposições de desenhos e óleos, retratando cenas do cotidiano. Posteriormente radicou-se em Los Angeles-EUA onde, mais liberto da influência acadêmica, se fixou no abstracionismo, buscando apenas na cor a forma de expressar toda a sua arte, com a qual se consagrou. JULIO LOUZADA vol.11, pág.219



240 - JAN FRANS I VAN BREDAEL (1686 - 1750)

Paisagem com figuras - óleo sobre tela - 56 x 70 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista holandês com participações em mostras coletivas. Suas obras têm sido comercializadas em diversos leilões na Europa. www.artprice.com; www.invaluable.com.



241 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Pássaro - litografia - 55/200 - 15 x 22,5 cm - canto inferior direito - 1990 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



242 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Caricatura - técnica mista - 32 x 23,5 cm - canto inferior direito - 1959 -
T. A. - No estado.



243 - ALFREDO MUCCI (1920)

Telhados - óleo sobre tela - 60 x 70 cm - canto inferior esquerdo - 1973 -

Alfredo Mucci nasceu em Roma, Itália. Pintor, desenhista, gravador e mosaicista, estudou pintura e mosaico em Roma e Ravenna. Em l953, transferiu-se para o Brasil e realizou estudos sobre arqueologia, etnografia e folclore, efetuando pesquisas em suas viagens pelo interior do país. Recebeu o Prêmio Brasil, da Sociedade dos Artistas Nacionais, em 1956; foi pesquisador credenciado pela Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro e pertence à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Dedicou-se à decoração mural, tendo idealizado e executado numerosos painéis a óleo e em mosaico, especialmente no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Extrema, MG. É autor do "Compêndio Histórico-técnico da arte do mosaico, editado pelo "Ao Livro Técnico", do Rio de Janeiro, com apresentação de Ricardo Averini, professor de História da Arte da Universidade de Perugia, na Itália. Realizou diversas exposições de pintura na Itália e no Brasil. Suas obras figuram em coleções particulares da Europa, Estados Unidos e Brasil, com destaque as do Museu de Arte de São Paulo e do Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. PONTUAL, PÁG.375; MEC, vol. 3, pág.225; www.jusbrasil.com.br.



244 - ANTONIO DEL NIDO Y NAVAS (1893 - XX)

Músico - óleo sobre tela - 46 x 27 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista espanhol com participações em mostras coletivas. www.artprice.com; http://research.frick.org/spanish/browserecord.php?-action=browse&-recid=3648.



245 - ÉLON BRASIL (1957)

Cidade - óleo sobre tela - 80 x 60 cm - canto superior esquerdo -

Artista plástico autodidata nascido na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se para São Paulo (1968), ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artistas Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Morou na Suíça por seis meses. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1993, 1998, 1999, 2002, 2006, 2008); Toronto, Canadá (1993); Basiléia, Suíça (1993, 1995, 1997, 1999); Bahia (1993, 1995); Berna, Suíça (1995); Bruxelas, Bélgica (1996); Blumenau, SC (1998); Rio de Janeiro (1999); Paris, França (2004); Londres, Inglaterra (2005); Los Angeles, EUA (2006). Tem participado de mostras coletivas e oficiais. ITAU CULTURAL; www.elon.brasil.nom.br.



246 - ANGELO CANNONE (1899 - 1992)

"Capri" - óleo sobre tela - 26 x 38 cm - canto inferior esquerdo e dorso -

Pintor, desenhista e professor nascido em Abruzzo, Itália. Assinava D’Angelo, Angelo Cannone e A. Cannone. Aos cinco anos mudou-se para Nápoles com sua família. Em fins de 1947, veio para o Brasil, residiu algum tempo em São Paulo e depois se mudou para o Rio de Janeiro, onde se radicou e lá faleceu. Estudou no Instituto de Belas Artes de Nápoles com Paolo Vetri. Viveu em Roma durante quatro anos com uma pensão conquistada em um concurso em Nápoles. Lecionou desenho no Instituto Técnico. Expôs individualmente em São Paulo (1947, 1993) e no Rio de Janeiro (1947, 1973, 1980, 1984). Foi premiado, na Itália, em: 1922, 1925, 1929, 1941 e, no Brasil, em 1960. Em 1972 pintou o retrato do papa Pio X, em tamanho natural, que está na Igreja dos Italianos, RJ. WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 168; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 187; VOL. 3, PÁG. 203; VOL.8, PÁG. 165; VOL. 9, PÁG. 171; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com; www.arcadja.com.



247 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

O mestre e suas criações - desenho a nanquim - 29 x 19 cm - canto inferior direito -
No estado.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



248 - ANTONIO CUNHA (XIX - XX)

Natureza morta - óleo sobre tela - 39,5 x 49 cm - canto inferior direito - 1941 - Rio de Janeiro -
No estado.

Pintor, com participação e premiação (medalha de bronze) no SNBA-RJ em 1948 e no Salão da SBBA-RJ (1948). JULIO LOUZADA, vol 10, pág 251.



249 - ARMANDO SENDIN (1928)

Menina - óleo sobre tela - 54 x 65 cm - canto inferior esquerdo - 1977 -
Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP. No estado.

Pintor, desenhista, gravador, escultor e ceramista. Realizou estudos artísticos na Espanha e na França. Retornando ao Brasil, (após figurar em mostras coletivas no estrangeiro) e fixando-se em São Paulo, participou em 1967, do 1º SOP, XVI SPAM, I Salão de Arte Contemporânea de Santos (Prêmio Prefeitura). Ganhou o 1º Prêmio de pintura na mostra Roma e a Campanha Romana (Auditório-Itália, São Paulo). Ainda em 1967, expôs individualmente na Galeria F. Domingo, de São Paulo, voltando a fazê-lo nas galerias KLM (São Paulo, 1968), do Centro Cultural Brasil-Estados Unidos (São Paulo, 1968) e Goeldi (GB, 1968), também apresentado seus trabalhos, com Maria de Lourdes Novais e Vitor Décio Gerhard, na Galeria IBEU (GB, 1968). Figurou ainda no II SOP (1968). A respeito de suas obras, de caráter abstracionista, disse Samson Flexor, em 1968: "Considero os óleos e guaches de Armando Sendin como sendo lugares ideais de encontro e fusão dos elementos primordiais: a terra e o fogo. Fusão resultando em cinzas com focos de brasa que a frescura dos azuis-turquesa mal consegue apagar". Em 1965 publicou o livro Cerâmica Artística, especialidade que lecionou, entre 1959 e 1964, em escola por ele próprio fundada em São Paulo. TEIXEIRA LEITE, pág.472; WALMIR AYALA, vol.2, pág.316-317; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 754; LEONOR AMARANTE, pág. 196. Acervo FIEO.



250 - OTTONE ZORLINI (1891 - 1967)

Marinha - óleo sobre cartão - 18 x 23 cm - canto inferior direito -
Com etiqueta do ateliê do artista, no dorso.

Pintor, escultor, desenhista e ceramista nascido em Gorgo al Monticano - Treviso, Itália e falecido em São Paulo. Iniciou sua trajetória profissional aos 13 anos de idade quando começou a trabalhar em uma fábrica de cerâmica. Os dados sobre sua formação, ainda na Itália, são incertos. Ingressou na Academia de Belas Artes de Veneza (entre 1905 e 1906). Também no início do século XX, teria estudado com o escultor Umberto Feltrin e teria frequentado como aluno o ateliê de cerâmica Cacciapuoti (entre 1911 e 1915). Em Veneza (1919) executou retratos e monumentos funerários. Veio para o Brasil (1927) onde realizou o Monumento aos Heróis da Travessia do Atlântico, em São Paulo, no ano seguinte. Passou a conviver com os pintores Mario Zanini, Francisco Rebolo e Alfredo Volpi, integrantes do Grupo Santa Helena. Com esses artistas, viajou constantemente pelos arredores do litoral paulista, entre 1936 e 1943. Além dessas atividades, participou da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo. De 1959 a 1963, dedicou-se à escultura elaborando bustos e obras fúnebres. Realizou exposições individuais em: Treviso, Itália (1925, 1948); São Paulo (1936, 1950). Participou de exposições coletivas em: Veneza, Itália (1923, 1924 – Bienal); Pádua, Itália (1926); São Paulo - Salão Paulista de Belas Artes (1931 – Medalha de Bronze, 1935 – Grande Medalha de Prata, 1951 – Menção Honrosa, 1957 – Pequena Medalha de Ouro, 1959, 1962 e 1964 – Prêmio Aquisição); Treviso, Itália (1953 – Prêmio, 1954 – Aquisição); entre outras. MEC VOL. 4, PÁGS. 534 E 535; PONTUAL PÁG. 559; CATÁLOGO DE PINTORES ITALIANOS NO BRASIL, SOCIARTE/82; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1091; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 623; www.artprice.com.



251 - JOÃO ROSSI (1932 - 2000)

"S.P. Urbana" - gravura - 68/100 - 22 x 30 cm - canto inferior direito - 1986 -

Pintor, gravador, ceramista, professor e escultor, natural de São Paulo, onde nasceu a 24 de dezembro. Autodidata, lecionou em cursos de desenho, cerâmica e pintura na APBA e na FAAP-SP. Executou murais de cerâmica na cidade de São Paulo. " A paisagem urbana de São Paulo foi sempre o grande tema de João Rossi, um dos artistas mais significativos da geração seguinte à dos artistas do Santa Helena." - Mário Schemberg. JULIO LOUZADA, vol. 7 pág. 610; ITAÚ CULTURAL; TEIXEIRA LEITE, pág. 452; PONTUAL, pág. 463 ; WALTER ZANINI, pág. 734, Acervo FIEO.



252 - IMRE MAGYAR (XX)

Vaso de plantas - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2005 -

Pintor húngaro, radicado no Brasil desde 1950, com diversas exposições e participação de Salões Oficiais.



253 - ANOR MENDES (1953)

Composição - escultura em pedra - 32 x 21 x 10 cm - assinado - 2006 -

Escultor sul-mato-grossense Anor Mendes Pereira Filho, ou simplesmente Anor Mendes, nasceu em Terenos, mas foi criado em Aquidauana. Tem quase 30 anos de vida dedicados à escultura. Começou ainda jovem no ramo das artes - quando estava no quartel, descobriu-se desenhista. Partiu para a serigrafia, pintura, mas foi na escultura que se empenhou e ganhou grande destaque. Tem obras espalhadas pelo Brasil, Paraguai, Israel, Itália, entre outros lugares. Mesmo reconhecido, nunca gostou de participar de salão de artes. http://www.ensaiogeral.com.br/noticias/personalidade/o_escultor_anor_mendes.



254 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA (1914 - 1979)

Anjo - guache - 16 x 12 cm - canto inferior direito -

Pintora, desenhista, ilustradora, cartazista, cenógrafa e gravadora. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. No final da década de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras instruções de desenho no Liceu de Artes Ofícios e com o pintor Emeric Marcier, hóspede da pensão que Djanira instalou no bairro de Santa Teresa. Os contatos com os artistas Carlos Scliar, Milton Dacosta , Arpad Szenes , Vieira da Silva e Jean-Pierre Chabloz , frequentadores de sua pensão, proporcionaram um ambiente estimulador que a levou a expor no 48º Salão Nacional de Belas Artes, em 1942. No ano seguinte, realizou sua primeira mostra individual, na Associação Brasileira de Imprensa - ABI. Em 1945, viajou para Nova York. De volta ao Brasil, realizou o mural ‘Candomblé’ para a residência do escritor Jorge Amado, em Salvador, e painel para o Liceu Municipal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Entre 1953 e 1954, viajou a estudo para a União Soviética. De volta ao Rio de Janeiro, tornou-se uma das líderes do movimento pelo Salão Preto e Branco, um protesto de artistas contra os altos preços do material para pintura. Realizou em 1963, o painel de azulejos ‘Santa Bárbara’, para a capela do túnel Santa Bárbara, Laranjeiras, Rio de Janeiro. No ano de 1966, a editora Cultrix publicou um álbum com poemas e serigrafias de sua autoria. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil, EUA e Europa. Foi premiada no Rio de Janeiro (1943, 1944, 1949, 1950 a 1953, 1955, 1963) e em São Paulo (1951, 1955). Participou da 1ª e da 2ª Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955). Em 1977, o Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, realizou uma grande retrospectiva de sua obra. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 336; PONTUAL, PÁG. 181; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 164; MEC, VOL. 2, PÁG 58; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG, 263; WALTER ZANINI, PÁG. 810; ARTE NO BRASIL, PÁG. 824; ACERVO FIEO.



255 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figuras" - desenho a caneta hidrográfica - 21 x 20 cm - canto inferior direito - 1979 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



256 - DOMINGO MOTTA (1872 - 1962)

Paisagem - óleo sobre tela - 24 x 33 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador italiano com diversas participações em exposições coletivas. www.artprice.com; www.arcadja.com; www.artnet.com.



257 - INIMÁ DE PAULA (1918 - 1999)

Paisagem - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - centro inferior - 1970 -

Pintor e desenhista mineiro nascido em Itanhomi e falecido em Belo Horizonte. A partir de 1937, frequentou o Núcleo Antônio Parreiras, em Juiz de Fora, MG. Em 1940, instalou-se no Rio de Janeiro e matriculou-se nas aulas de Argemiro Cunha no Liceu de Artes e Ofícios , as quais abandonou em pouco tempo. Passou a pintar com alguns dos ex-integrantes do Núcleo Bernardelli. Em 1944, transferiu-se para Fortaleza, onde conheceu artistas locais e participou da criação da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP). Voltou ao Rio de Janeiro (1945) e expôs com Aldemir Martins, Antonio Bandeira e Jean-Pierre Chabloz , na galeria Askanasy. Em 1948, graças ao apoio de Candido Portinari , fez sua primeira mostra individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/RJ). Em 1950, ganhou o prêmio de viagem ao país do Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) e, no ano seguinte, viajou e expôs na Bahia. Em 1952, recebeu o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). Em Paris (1954-1956) assistiu a cursos na 'Académie de la Grande Chaumière' e na' École Normale Supérieure des Beaux-Arts', acompanhou as aulas de André Lhote e de Gino Severini. Quando voltou participou da V Bienal Internacional de São Paulo e, na primeira metade dos anos 1960, mudou-se para Belo Horizonte. Em 1998 foi criada a Fundação Inimá de Paula em Belo Horizonte. JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.152; PONTUAL, pág. 271; MEC, VOL.3, PÁG.355; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 401 1 404; TEIXEIRA LEITE, PÁG.260; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 870; ACERVO FIEO; www.museuinimadepaula.org.br; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



258 - B.J. TOBIAS (1894 - 1976)

Quintal - óleo sobre tela - 64 x 49 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Participou do Salão Paulista de Belas Artes, tendo obtido os prêmios: Prefeitura de São Paulo, Valentim Amaral e I. Dinis, respectivamente em 1934, 1935, 1958, 1961 e 1962. MEC, vol.4, pág.404; THEODORO BRAGA, pág.230; JULIO LOUZADA, vol.4, pág.1098.



259 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Rosto - litografia - 19 x 14 cm - canto inferior direito -

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



260 - JOHN ATKINSON GRIMSHAW (1836 - 1893)

Paisagem - óleo sobre tela - 50 x 68 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista inglês nascido e falecido em Leeds. Artista autodidata. Era funcionário da "Great Northern Railway" até 1861 quando passou a se dedicar integralmente à pintura. Começou a expor seus trabalhos em Leeds na década de 1860. Pintou, principalmente, para patronos de arte privados e exibiu apenas cinco trabalhos na "Royal Academy" entre 1874 e 1886 e um na Galeria Grosvenor. BENEZIT; www.johnatkinsongrimshaw.org; www.artprice.com.



261 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Galo - serigrafia - 23/100 - 19 x 14 cm - canto inferior direito - 1958 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



262 - ESCOLA ASIÁTICA, SÉCULO XX

Dançarinas - técnica mista - 93 x 64 cm - centro inferior -
Com a seguinte inscrição: "A. Ray. Adnyana". Petulu Distrito de Ubud, Gianyar, Bali, Indonésia. No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



263 - ESCOLA JAPONESA, SÉC. XX

Gueixas - pintura sobre seda - 42,5 x 21 cm - centro esquerdo ilegível -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")



264 - IVAN SERPA (1923 - 1973)

Figuras - técnica mista - 27 x 18,5 cm - canto inferior direito - 1959 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Ivan Ferreira Serpa nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Estudou gravura e desenho com Axel Leskoschek (entre 1946 e 1948) no Rio de Janeiro. Em 1949, ministrou suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, onde, a partir de 1952, exerceu sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oiticica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Em 1957, recebeu o prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, RJ. Participou da exposição ’Opinião 65’, evento que marca a difusão de uma nova arte de tendência figurativa, a neofiguração. Em 1970, fundou, com Bruno Tausz, o Centro de Pesquisa de Arte no Rio de Janeiro. Participou da Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1961, 1963, 1965) e da Bienal de Veneza (1952, 1954, 1962, 1966). PONTUAL, PÁG 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 605; ARTE NO BRASIL, PÁG. 840; LEONOR AMARANTE, PÁG. 26; MEC VOL. 4, PÁG. 221; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 899.



265 - FRANCISCO DA SILVA (1910 - 1985)

Galos - têmpera sobre tela - 44 x 63 cm - centro inferior - 1977 -
No estado.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



266 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem - óleo sobre madeira - 21 x 29 cm - não assinado -



267 - GLADYS MALDAUM (1943)

"Série reflexos" - óleo sobre papel - 46,5 x 39,5 cm - canto inferior esquerdo - 1988 -

Pintora e desenhista, natural de São Paulo-SP, onde nasceu a 29/9/1943. Iniciou sua carreira em 1961, cursando desenho e modelo vivo com o prof. Lubra, aperfeiçoando-se na figura com o prof. Amadeo Scavone. Estudou Composição e Sumiê com o pintor Fang. Segundo Enock Sacramento, a autora mostra-se interessada por aspectos particulares da paisagem e da figura humana. Sua obra é uma forma particular de registrar a natureza e uma recriação da figura humana. Individuais a partir de 1970 e coletivas desde 1971, com sucesso de crítica e de público, tendo recebido nestes certames diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 190/191, Acervo FIEO.



268 - MAXIMILIAN VARTULI (XX)

Natureza morta - óleo sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - MMII -

Pintor e desenhista com participações em mostras coletivas.



269 - FERNANDO COELHO (1939)

Paisagem - óleo sobre tela - 19 x 27 cm - centro inferior e dorso - 1967 -
Com certificado de autenticidade firmado pelo autor. No estado.

Pintor baiano nascido em Salvador. Inicialmente publicitário de sucesso, dedica-se integralmente à pintura a partir de 1963. Além de exposições individuais nas Galerias Querino (Salvador), Astréia (SP), e Bonino (RJ), expôs na Alemanha e participou dos SNAM e BNAP. Produz pintura que, fixando paisagens urbanos, se situa entre o figurativismo e o abstracionismo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 209/210; MEC, vol. 1,pág. 441; PONTUAL, pág. 139; TEIXEIRA LEITE, pág. 126; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74.; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



270 - JOSÉ FERRAZ DE ALMEIDA JR. (1850 - 1899)

Retrato - óleo sobre tela colada em madeira - 49 x 40 cm - lado direito -
No estado.

Nasceu em Itú, SP, 8/5/1850, e faleceu, assassinado em Piracicaba, em 13/11/1899. Foi aluno de Vitor Meirelles (pintura) e de Jules Le Chevrel (desenho), a Academia Imperial de Belas Artes, do Rio de Janeiro. Seu curso foi brilhante, tendo obtido 9 premiações. Foi pensionista do Império, aperfeiçoando-se na Europa. Pinta com singular maestria temas ligados ao homem do campo, retratos e paisagens rurais. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 49; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 418; ARTE NO BRASIL, pág. 566; F. ACQUARONE, pág. 89, RUTH TARASANTCHI.



271 - HELENOS SILVA (1941)

"Amantes" - litografia - P.A. - 60 x 40 cm - canto inferior direito - 1982 -

Pintor pernambucano, há longos anos em São Paulo, já participou da Bienal de São Paulo e realizou inúmeras individuais. MEC, vol. 2-pág. 334; WALMIR AYALA, vol. 1-págs. 386/7; PONTUAL, pág. 262; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 462, ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO.



272 - MOSÈ DI GIOSUÈ BIANCHI (1840 - 1904)

Na sacada - óleo sobre tela - 55,5 x 40 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador italiano nascido em Monza, Lombardia e falecido em Milão. Estudou com Giuseppe Bertini na Academia de Belas Artes de Brera, em Milão. Durante seus estudos, viajou para Roma, Veneza e Paris onde expôs, com sucesso, pela primeira vez (1878). Estabeleceu-se em Milão. Na "Exposition Universelle" em Paris de 1900 expôs uma série de águas-fortes. A partir de 1898, atuou como diretor da "Accademia di Belle Arti Cignaroli", em Verona. BENEZIT; www.artprice.com.



273 - NEWTON REZENDE (1912 - 1994)

"Homenagem a Graciliano Ramos..." - desenho a nanquim - 28,5 x 24,5 cm - centro inferior - 1954 -
Com a seguinte inscrição: "Homenagem a Graciliano em "Memórias do Cárcere", NR. Ex-coleção Antônio Maluf - Galeria Seta - São Paulo - SP.

Pintor, desenhista, gravador e escultor, Newton da Silva Rezende nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Foi autodidata em pintura. Viajou a Buenos Aires (1946) onde trabalhou como artista publicitário. De volta ao Brasil, fixou residência no Rio de Janeiro e realizou sua primeira individual, no Instituto dos Arquitetos do Brasil, RJ (1948). Participou do Concurso Internacional de Publicidade (1962) em Miami, Estados Unidos, e recebeu Menção Honrosa. Recebeu o título de Diretor do Ano (1968), outorgado pelo Clube dos Diretores de Arte do Brasil. Realizou mais exposições individuais em: São Paulo (1971 - Museu de Arte Brasileira – FAAP, 1973, 1975); Rio de Janeiro (1962, 1965, 1968, 1969, 1970, 1972, 1974). Participou do Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1948); do Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1954 a 1958); do Panorama da Arte Atual Brasileira – MAM, SP (1974, 1979), entre outras mostras coletivas e oficiais. Ferreira Gullar escreveu um livro sobre sua obra que foi editado pela Galeria Bonino (1980). A Rede Globo e a Riotur lhe prestaram homenagem: a primeira em Noite Única em 1983 e, a segunda em 1986. MEC VOL. 4, PÁG. 54; PONTUAL PÁG. 450; ITAU CULTURAL; TEIXEIRA LEITE PÁG. 444; WALTER ZANINI PÁG. 755; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 820; www.artprice.com; www.artnet.com; www.blouinartinfo.com.



274 - RODOLPHO TAMANINI NETTO (1951)

Na beira do lago - óleo sobre tela - 22 x 16 cm - canto inferior esquerdo -

Nasceu em São Paulo. Pintor urbano, soube captar o ambiente de sua cidade natal, essa cidade tão complexa, tão imensa, tão feia, mas que a gente ama, ficando com jeito de explicar as razões dessa paixão para quem não vive aqui (Jacques Ardies). JULIO LOUZADA vol.9, pág. 834; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 235.



275 - ARAQUÉM ALCÂNTARA (1951)

Marinha - fotografia - 30/100 - 54 x 74 cm - canto inferior direito - Trancoso - BA -

Fotógrafo, jornalista e professor, Araquém Alcântara Pereira nasceu em Florianópolis, SC. Estudou jornalismo na Universidade de Santos (SP). Começou a trabalhar como fotojornalista em São Paulo nos anos setenta, colaborando com os jornais 'O Estado de São Paulo', 'Jornal da Tarde' e com a revista 'Isto É', antes de passar a trabalhar de forma independente em meados dos anos oitenta. Realizou sua primeira matéria de cunho ambientalista, a documentação do Parque da Juréia em Iguape, SP (1979). Celebrado como um dos precursores da fotografia ecológica no país, já publicou mais de 15 livros, tendo ainda participado de várias mostras coletivas e realizado inúmeras exposições individuais. Seu livro 'Terra Brasil' (Editora DBA e, em seguida, Edições Melhoramentos, 1998) é o livro de fotografia brasileiro mais vendido de todos os tempos, tendo ultrapassado a marca dos 100 mil exemplares. Merecem menção ainda os livros: 'Árvores mineiras' (1987); 'Juréia, a luta pela vida' (1988); 'Mar de Dentro e Brasil: Herança ambiental' (1990); 'Estações Ecológicas do Brasil' (1992); 'Santa Catarina' (1993); 'Projeto Dique e Ecologia no Brasil: Mitos e realidade' (1995); 'Brasil Iluminado' (2000); 'Paisagem brasileira' (2003); 'Pantanal' (2003); 'Brasileiros' (2004). Entre prêmios recebidos, destacam-se a 'Presença das Crianças nas Américas', concedido pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância – UNICEF (1979); o Grande Prêmio da 1ª Bienal de Fotografia Ecológica, Porto Alegre (1982); melhor exposição em 1993, concedido pela Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA. ITAU CULTURAL; www.funarte.gov.br; www.jornaldafotografia.com.br.



276 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

Paisagem - desenho a nanquim - 10 x 12 cm - canto inferior direito -
Ex coleção Marchand Isaac Ficz, Rio de Janeiro - RJ.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



277 - FILIP PAPST (1915)

Paisagem nevada - óleo sobre tela - 70 x 100 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista romeno com várias participações em mostras coletivas. www.artprice.com; www.artnet.com.



278 - MARIO GRUBER (1927 - 2011)

"Bica branca" - gravura - 6/10 - 17 x 22 cm - canto inferior direito - 03/1956 - Santos - SP -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador, escultor, muralista - Mário Gruber Correia nasceu em Santos, SP. Autodidata, começou a pintar em 1943. Mudou-se para São Paulo em 1946 e matriculou-se na Escola de Belas Artes, onde foi aluno do escultor Nicolau Rollo. Em 1947, ganhou o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo ’19 Pintores’. No ano seguinte realizou sua primeira exposição individual e passou a estudar gravura com Poty e a trabalhar com Di Cavalcanti. Recebeu bolsa de estudo em 1949, foi morar em Paris, onde estudou na ‘École Nationale Supérieure des Beaux-Arts’ com o gravador Édouard Goerg e trabalhou com Candido Portinari. Retornou ao Brasil em 1951 e fundou o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde voltou a residir. Foi professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1953 e na Fundação Armando Álvares Penteado entre 1961 e 1964. De 1974 a 1978, morou em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, morou em Olinda, Pernambuco. Em 1979, montou ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realizou obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Além de ter realizado muitas exposições individuais, participou de várias mostras e salões oficiais: Salão Paulista de Arte Moderna; Panorama da Arte Moderna Brasileira; Bienal Internacional de São Paulo e na França, Espanha, Estados Unidos, Colômbia, Holanda, Finlândia, Alemanha. PONTUAL, PÁG. 253; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 370; MEC, VOL. 1, PÁG. 466; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.649; ARTE NO BRASIL, PÁG. 803; LEONOR AMARANTE, PÁG. 376; ACERVO FIEO.



279 - TOMIE OHTAKE (1913 - 2015)

Composição - gravura - P.A. - 47 x 67 cm - canto inferior direito - 1989 -

Pintora, gravadora, escultora nascida em Kyoto, Japão e radicada no Brasil desde 1936, país que adotou, inclusive, a cidadania. Fixou-se em São Paulo. Em 1952, iniciou-se em pintura com o artista Keisuke Sugano. No ano seguinte, integrou o Grupo Seibi, do qual participavam Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, Flavio - Shiró, Tadashi Kaminagai , entre outros. A partir dos anos 1970, trabalhou com serigrafia, litogravura e gravura em metal. Dedicou-se também à escultura e realizou algumas delas para espaços públicos. Realizou muitas exposições individuais em todo o Brasil e exterior, além de ter participado de diversas mostras e Salões oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1961, 1963, 1965, 1985, 1989, 1996, 1998); Bienal de Veneza, Itália (1972); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973, 1976, 1983, 1986, 1989, 1993). Recebeu, em Brasília, o Prêmio Nacional de Artes Plásticas do Ministério da Cultura - Minc, em 1995 e muitos outros. Em 2000 foi criado o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. MEC, VOL. 3, PÁG. 323; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 690; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 791; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 140; PONTUAL, PÁG. 390; ART PRICE ANNUAL 1990, PÁG. 1464; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 362; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, PÁG. 939; LEONOR AMARANTE, PÁG. 170; WALTER ZANINI, PÁG. 693; ACERVO FIEO.



280 - EMILE CHARLES LAMBINET (1815 - 1877)

Na beira do rio - óleo sobre papel colado em madeira - 33 x 45 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Nascido em Versailles, esse pintor expôs em salões da França entre 1833 e 1878; sua excelente pintura foi comparada às de Corot e Daubigny; excepcional paisagista, com obras em diversos Museus da Europa. ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 1390; BENEZIT , vol. 6, pág. 404.



281 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Os acrobatas" - serigrafia - 114/180 - 70 x 94 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze galerias em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



282 - SILVIA ALVES (1947)

"Ubatuba - Saco da Ribeira" - óleo sobre tela - 27 x 42 cm - canto inferior direito e dorso - 2001 -
Reproduzido na página 035 do livro " 70 anos de pintura - Uma vida em arte"

Pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz Silvia Ferraro Alves nasceu em São Paulo. Estudou desenho e escultura com Alvaro de Bauptista (1980 a 1984) na Universidade de Campinas; formou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes (1986); mestrado em Aquarela na Faculdade Santa Marcelina (1998); frequentou o ateliê de Gravura do Museu Lasar Segall (1985 a 1988); os ateliês de pintura e desenho dos professores Lecy Bomfim, Salvador Rodrigues, Deusdedith Campanelli, Colette Pujol, Djalma Urban, Francisco Cuoco, Fang, o ateliê de escultura no Museu Brasileiro de Escultura (1980 a 1994) e aquarela com Iole Di Natale (1994 a 1998). Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais. Foi premiada em 1983, 1989, 1991, 1993, 1994, 1997, 1999, 2000, em São Paulo. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL, 10, PÁG, 49; www.silviaalves.art.br.



283 - IUR SERAVAT FULAM (1959)

"Alguém me chama?" - acrílico sobre tela - 50 x 40 cm - dorso - 2017 -

Pseudônimo do autor. Natural de São Paulo (SP), filho primogênito de um casal ligado à atividade cultural (pai artista gráfico e plástico e mãe escritora). Autodidata neste campo, embora tenha tido grande estímulo para o desenho e a pintura acompanhando a atividade artística de seu pai, que também foi marchand a partir da década de 60, permitindo que tivesse estreito contato e pudesse realizar uma grande experimentação ao longo dos anos tanto para a linguagem figurativa com temas ligados ao cotidiano, como para a geométrica. É professor universitário e consultor na área de assuntos públicos e instituições políticas.



284 - ALFREDO CESCHIATTI (1918 - 1989)

Mulheres - desenho a nanquim - 25 x 17 cm - canto inferior direito -

Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



285 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem Antropofágica - desenho a lápis - 14 x 17 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



286 - ISABEL LAGINHAS (1942)

Composição - técnica mista - 31 x 22,5 cm - canto inferior esquerdo - 1980 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, desenhista, escultora, tapeceira e ilustradora nascida em Lisboa, Portugal. É formada em Pintura pela Escola de Artes Decorativas António Arroio e pela Escola de Belas Artes de Lisboa. Frequentou também o curso "Estudo da Cor", organizado pelo I.N.I. e foi professora de desenho na Escola Francisco Arruda e de Tapeçaria na Escola de Artes Decorativas António Arroio. Entre 1974 e 1977 pertenceu à Comissão Etária dos Espetáculos. No âmbito da investigação em tapeçaria moderna, à qual se dedica desde 1970, foi bolsista da Fundação Calouste Gulbenkian nos anos de 1976, 1977, 1982 e 1991. Ao longo do seu percurso artístico, recebeu vários prêmios e realizou várias exposições em Portugal e no estrangeiro. Ilustrou vários livros infantis, de poesia e contos e desenhou figurinos para teatro. www.cps.pt; www.artprice.com; gulbenkian.pt/museu/artist/isabel-laginhas/; http://www.ecultura.sapo.pt/evento/9649.



287 - J. CARLOS (1884 - 1950)

Conversando - desenho a nanquim e aquarela - 28 x 39 cm - canto inferior direito -

Chargista, caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, José Carlos de Brito Cunha nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi um dos formadores da tradição da charge brasileira ao lado de Raul Pederneiras e K.Lixto, e criador de tipos como a negrinha 'Lamparina', a 'Melindrosa' e o 'Almofadinha'. Autodidata, iniciou a carreira de caricaturista ainda estudante, quando publicou um de seus desenhos na revista 'O Tagarela' (1902). Em seguida, passou a colaborar regularmente com a revista e no ano seguinte desenhou sua primeira capa na publicação. Colaborou em muitos órgãos da imprensa carioca como 'O Tico Tico', 'Fon-Fon', 'Careta', 'A Cigarra', 'Vida Moderna', 'Eu Sei Tudo', 'Revista da Semana' e 'O Cruzeiro'. Entre 1922 e 1930, exerceu o cargo de diretor artístico das empresas 'O Malho', onde iniciou uma grande série de charges de caráter político, satirizando fatos e personalidades nacionais e estrangeiras. A vertente política foi explorada pelo artista desde o início de sua carreira, sendo ele o responsável pela execução de uma série de charges antibelicistas executadas no período abrangido pelas duas grandes guerras e principalmente durante os dois governos de Getúlio Vargas (1883 - 1954). Esses trabalhos foram publicados principalmente na revista 'A Careta'. Também fez esculturas, foi autor de teatro de revista e letrista de música popular. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646; ITAU CULTURAL; www.ims.com.br; www.dec.ufcg.edu.br; www.artprice.com.



288 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Flores - óleo sobre tela - 46 x 61 cm - canto inferior esquerdo -
Oscarlina Vampré. No estado.



289 - MARGHERITA CAFFI (1647 - 1710)

Flores - óleo sobre tela - 70 x 99 cm - canto inferior esquerdo -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora e desenhista italiana nascida em Cremona e falecida em Milão. Suas obras têm sido comercializadas em leilões e participado de exposições coletivas como na "Uffizi Galleries, The Uffizi", Itália; em Munique, Alemanha (2003) no Kunsthalle der Hypo-Kulturstiftung intitulada "Still World: Três séculos de pintura de natureza-morta italiana" (Stille Welt: Italienische Stilleben aus Drei Jahrhunderten); entre outras. BENEZIT; www.artprice.com; www.mutualart.com.



290 - ARNALDO FERRARI (1906 - 1974)

"Casario II" - óleo sobre eucatex - 79 x 77 cm - canto inferior direito e dorso -
No estado.

Pintor, desenhista e professor, Arnaldo Ferrari nasceu e faleceu em São Paulo SP. Seguindo a profissão do pai, trabalhou como pintor decorador, realizando frisos decorativos para residências. Estudou artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, entre 1925 e 1935. Em 1934, dividiu um ateliê com amigos no edifício Santa Helena e, pela amizade com o pintor Mario Zanini, aproximou-se dos demais integrantes do Grupo Santa Helena. Frequentou também o curso livre de pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes, entre 1936 e 1938, onde teve aulas de desenho e pintura com Enrico Vio. Entre 1950 e 1959, integrou o Grupo Guanabara, com Thomaz Ianelli, Tomie Ohtake, Tikashi Fukushima e Oswald de Andrade Filho, entre outros. Realizou diversas exposições individuais, participou de várias mostras e Salões oficiais e foi premiado em São Paulo (1958, 1959, 1961, 1963, 1966) e em Santo André (1971). Participou da 7ª à 11ª Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969, 1971). Foi apresentada retrospectiva de sua obra em 1975, no Paço das Artes, SP e catálogo com textos de Theon Spanudis, José Geraldo Vieira e Mário Schenberg, entre outros. ITAÚ CULTURAL; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 304; MEC, VOL. 2, PÁG. 149; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 191; PONTUAL, PÁG. 207; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 378; WALTER ZANINI, PÁG.678, ACERVO FIEO.



291 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - litografia - P.A. - 65 x 47 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



292 - FLORIANO TEIXEIRA (1923 - 2000)

Nu - escultura em bronze - 08 x 22 x 13 cm - assinado -

Nasceu em Cajapió, Maranhão. Foi pintor, desenhista, gravador e cenógrafo. Estudou desenho, ainda em São Luís (Maranhão), com Rubens Damasceno em 1935 e pintura com João Lázaro de Figueiredo em 1940. Em 1952, em Fortaleza (Ceará), participa da criação do Grupo dos Independentes, com Antonio Bandeira e J. Siqueira. Em 1962, organiza e dirige o Museu de Arte da UFC. Ilustra vários livros, destacando-se entre eles: Dona Flor e seus Dois Maridos, A Morte e a Morte de Quincas Berro D'Água, O Menino Grapiúna - todos de Jorge Amado - e A Terra dos Meninos Pelados, de Graciliano Ramos. Entre as exposições de que participa, destacam-se: Salão de Abril, várias edições entre 1950 e 1957 (Primeiro Prêmio, 1952, 1953, 1957); I ao III Salão dos Independentes, Fortaleza, 1952/1953/1954; I Bienal Nacional de Artes Plásticas, Salvador, 1966 (Grande Prêmio); Panorama da Arte Atual Brasileira, no MAM/SP, de São Paulo, várias edições entre 1969 e 1976; Os Ilustradores de Jorge Amado, na Fundação Casa de Jorge Amado, Salvador, 1988; SCAP: 50 Anos, na Sociedade Cearense de Artes Plásticas, Fortaleza, 1991. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 13 pág 328



293 - ODILLA MESTRINER (1928)

"Árvore" - acrílico sobre tela - 60 x 45 cm - canto inferior direito e dorso - 1980 -

Desenhista, pintora, artista gráfica e gravadora, natural de Ribeirão Preto-SP, nascida no dia 18/8/1928. Estudou com Domenico Lazzarini na Escola Municipal de Belas Artes de Ribeirão Preto. Expôs individualmente no RJ, em 1959. Em 1973, recebeu o Prêmio Melhor Desenhista pela Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA. Como nota o historiador da arte Tadeu Chiarelli, Odilla Mestriner associa duas tendências preponderantes, a tentativa de expressar sentimentos e a opção pelo traço e pelo desenho, em contraposição à cor. Em seus primeiros trabalhos, a partir do fim da década de 1950, ela retira os temas do ambiente que a cerca e que se revela também opressor: a casa, com seus muros, janelas e portas, e a cidade, trabalhada de forma geométrica, como uma sucessão de ruas ou quarteirões. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 634; ITAUCULTURAL. Acervo FIEO.



294 - FERNAND LÉGER (1881 - 1955)

Composição - técnica mista - 48 x 33 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, ceramista; mosaicista, ilustrador, professor e designer francês, Jules-Fernand-Henri Léger nasceu em Argentan e faleceu em Gif-sur-Yvette. Fez também desenhos para vitrais, tapetes, cenários para o teatro e balé, projetos de decoração e trabalhos para o cinema. Era filho de camponeses. Iniciou a sua formação artística aos catorze anos, sendo aprendiz de um arquiteto em Caen. Cursou a Escola de Artes Decorativas e a Escola de Belas Artes em Paris (a partir de 1900). Conviveu com os artistas: Archipenko, Chagall, Laurens, Lipchitz, Soutine, Delaunay, Blaise Cendrars, Pablo Picasso, Georges Braque, Henri Rousseau, Le Corbusier, Van Doesburg, Mondrian, Ozenfant. Realizou a sua primeira grande obra, “Nus na floresta” (1909-1910), apresentada no Salão dos Independentes (1911). Juntou-se ao Grupo Puteaux (1911) e com Ozenfant fundou um estúdio livre chamado "Académie Moderne", em Paris. Foi recrutado para as trincheiras com o início da Primeira Grande Guerra (1914). Recebeu Tarsila do Amaral em seu ateliê entre 1923-1924. Produziu seu primeiro mural para "Pavillon de l’Esprit Nouveau" construído por Le Corbusier, em Paris (1925). Na Segunda Grande Guerra, exilou-se nos Estados Unidos, onde foi professor na Universidade de Yale e no Mills College, tendo voltado para França em 1945. Concebeu os vitrais da Igreja do Sacré-Coeur de Audincourt e um painel para o Palácio das Nações Unidas em Nova York (1951), entre outras obras. Realizou diversas exposições individuais, destacando-se: em Chicago, EUA (1935 – Retrospectiva); no Museu de Arte Moderna, Paris (1949, 1953); no Museu de Artes Decorativas, Paris (1952, 1955) e muitas outras participações em mostras coletivas e oficiais. Foi homenageado com o Grande Prêmio da Bienal Internacional de São Paulo (1955). BENEZIT; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 569; ITAU CULTURAL; www.historiadasartes.com; www.ebiografia.com; www.guggenheim.org; www.artprice.com.



295 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figura" - desenho a lápis e aquarela - 13,5 x 14 cm - canto inferior direito - 1967 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



296 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)

Emblema - serigrafia - 50/70 - 56 x 40 cm - canto inferior direito - 1970 - Brasília -

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



297 - INGRES SPELTRI (1940)

"Alegria, alegria" - óleo sobre tela colada em eucatex - 55,5 x 83,5 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). É professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



298 - JOEL FIRMINO DO AMARAL (1951)

"Paraty" - óleo sobre tela - 30 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2018 -

Pintor radicado em São Paulo, onde é ativo. São muito apreciadas as suas aquarelas, que retratam os casarios de cidades mineiras e do interior do País. Em 1985, recebeu prêmio aquisição no SPBA, e em 1988 prêmio no SPBA-SP. JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 39; Acervo FIEO.



299 - VITTÓRIO GOBBIS (1894 - 1968)

"Convento da Luz" - litografia - H.C. - 28 x 38 cm - canto inferior direito - 1954 - -São Paulo -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador e restaurador nascido em Motta di Livrenza, Itália e falecido em São Paulo. Filho e neto de pintor e decorador, frequentou academias em Veneza e Roma, contrariando a opinião do pai que desejava que ele seguisse carreira no comércio. Trabalhou como pintor e restaurador em Veneza até 1923 quando resolveu abandonar a profissão e partir para o Brasil, fixando-se em São Paulo. Em 1931 participou do Salão Revolucionário, realizado por Lucio Costa na Escola Nacional de Belas Artes, RJ. No decorrer da década participou ativamente da cena artística paulistana - tornou-se sócio-fundador da Sociedade Pró-Arte Moderna e do Clube dos Artistas Modernos, criados em 1932; realizou sua primeira mostra individual (1933). Participou, ao lado de Candido Portinari, da "International Exhibition of Painting" (1935) no "Carnegie Institute", Pittsburgh - Estados Unidos. Destaca-se também sua participação como idealizador e membro da Família Artística Paulista; seu envolvimento na criação do Salão de Maio e a proximidade com os artistas do Grupo Santa Helena. Organizou o 1º Salão de Arte da Feira Nacional de Indústrias (1941). Nas décadas de 1930 e 1940, seu próprio ateliê funcionou como um núcleo disseminador de arte. Participou de inúmeras mostras coletivas e oficiais como a I e II Bienal Internacional de São Paulo, entre outras. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1933, 1935, 1965); Salão Paulista de Belas Artes, SP (1933, 1936, 1956). Em 1965, em função de sua experiência no campo do restauro, foi incumbido de transportar e restaurar o afresco da "Santa Ceia", de Antonio Gomide, que foi doado ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. MEC VOL.2, PÁG.271; TEIXEIRA LEITE PÁG. 220; PONTUAL PÁG.240; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.350; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 423; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL PÁG. 777, ACERVO FIEO; www.artprice.com.



300 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XVIII

Na beira do rio - óleo sobre tela - 38 x 46 cm - não assinado -
No estado.



301 - EVANY FANZERES (1940)

Composição - serigrafia - 5/125 - 55 x 75 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintora, desenhista, gravadora e escultora, Evany Santos Araújo Fanzeres nasceu no Rio de Janeiro. Iniciou seus estudos em aulas particulares de desenho, a partir de 1954. No período entre 1958 e 1961, matriculada no Instituto de Belas Artes, estudou desenho e história da arte. Entre 1959 e 1961, fez cursos de pintura e linguagem estética com Aluísio Carvão e Ivan Serpa no Ateliê Livre do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, na Escolinha de Arte do Brasil, estudou xilogravura com Solange Simas e gravura em metal com Orlando Silva; estudou artes gráficas, fotografia e pintura na "Central School of Arts" de Londres (1962). Foi para Düsseldorf, Alemanha (1963) onde realizou estágio na "Staatliche Kunstakademie" com bolsa do "Deutscher Akademischer Austausch Dienst – DAAD". Tornou-se bolsista da Fundação Calouste Gulbenkian de Lisboa (1971). Realizou exposições individuais em: Londres, Inglaterra (1961); Alemanha (1961 em Colônia e Bonn, 1962 em Münster e Essen); Lisboa, Portugal (1971); Rio de Janeiro (1973, 2004); São Paulo (1976); Braga, Portugal (2003). Participou do Salão de Arte Moderna, RJ (1961, 1965, 1968); Bienal de Salvador, BA (1966); Bienal Internacional de São Paulo (1966, 1967 – Prêmio Aquisição Itamaraty), entre outras coletivas. Participou do Projeto ABC/Arte Contemporânea Brasileira, realizando uma exposição individual no MAM – RJ (1982) que resultou em sua indicação para representar o Brasil na 41ª edição da Bienal de Veneza. A partir de 1992, passou a viver e trabalhar em Berlim, Alemanha. PONTUAL PÁG. 201; MEC VOL. 2, PÁG. 124; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



302 - GUILLERMO VON PLOCKI (1958)

Composição - acrílico sobre tela - 120 x 80 cm - canto inferior direito - 2000 -

Artista plástico, designer gráfico e professor nascido em Córdoba, Argentina. Graduou-se em Ilustração e Design Gráfico em Munique, Alemanha (1988-1991). Realizou exposições individuais em: Munique, Alemanha (1999); Buenos Aires, Argentina (2007); São Paulo (2013, 2016). Participou de muitas mostras coletivas e oficiais na Alemanha e em São Paulo. Recebeu o Prêmio Governador do Estado no 11º Salão Paulista de Arte Contemporânea, SP. ITAU CULTURAL; http://www.centrodearte.com.br; https://www.guillermovonplocki.com/about



303 - GUIDO TOTOLI (1937)

Banhistas - óleo sobre tela - 100 x 75 cm - canto superior esquerdo -
No estado.

Italiano, radicado no Brasil, Totoli é acima de tudo ótimo paisagista e pintor de figuras, fazendo uso de uma cor e de uma pincelada vivas e truculentas. Tem se dedicado com muita felicidade às cerâmicas. MEC, vol.4, pág. 408; JULIO LOUZADA, vol.11, pág. 325, Acervo FIEO.



304 - MARIETTE LYDIS (1894 - 1970)

"Les yeux noirs" - desenho a lápis - 32 x 23 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintora, desenhista, gravadora e ilustradora nascida em Viena, Áustria e falecida em Buenos Aires, Argentina. Viajou pela Rússia, Inglaterra, Itália, Grécia, Egito, Turquia e Estados Unidos. Chegou a Paris em 1927 e logo realizou sua primeira exposição. No início, seu trabalho era voltado para as ilustrações na literatura. Ilustrou: 'Les Fleurs du Mal' de Charles Baudelaire; 'Lettres sur le Serviteur Châtié' de Henri de Montherlant; o Alcorão; 'Autres Rhumbs' de Paul Valéry; 'Le Zodiaque' de Jane Régny; ' Romans et Nouvelles' de Pierre Louys; entre outros. Foi membro do 'Salon d’Automne'. Com a perseguição aos nazistas, viveu por breve período em Winchcombe, Inglaterra e se refugiou em Buenos Aires (1940). BENEZIT; www.annexgalleries.com; www.artprice.com.



305 - LUCIA HELENA SIEPMANN (XX)

Paisagem - fotografia - 19,5 x 99 cm - não assinado -

Fotógrafa com participações em mostras coletivas.



306 - FREDERICO BRACHER JUNIOR (1920 - 1984)

Torre da igreja - técnica mista - 24 x 33 cm - canto inferior direito - 1972 -

Natural da cidade do Rio de Janeiro e falecido em BH, MG. Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, violinista, professor de pintura e de violino. Inicia seus estudos de pintura com Amilcar Agretti (1931). Sua pintura, durante toda sua carreira, é realizada dentro do modelo acadêmico. Funda a Associação dos Artistas Plásticos de Minas Gerais. Casa-se com Lélia Lenz, com quem tem quatro filhos: Amarilis, Amíriam, Alexandre e Alcione, dos quais os três primeiros tornam-se artistas plásticos. A partir de 1935 realiza várias exposições individuais no Automóvel Clube de Montes Claros MG e no de Belo Horizonte. Em 1938 recebe o Prêmio de Pintura do jornal Estado de Minas. Inaugura, em Montes Claros, sua primeira escola de artes para o ensino de pintura e música, em 1939. Em 1980 realiza no Palácio das Artes de Belo Horizonte uma retrospectiva em comemoração aos seus 50 anos de vida artística. Em 1986, dois anos após sua morte, o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro realiza uma ampla retrospectiva da sua obra, numa mostra que segue para o Museu de Arte de São Paulo, e outras cidades. JULIO LOUZADA, vol. 2 pág. 159; ITAU CULTURAL.



307 - LEÓN FERRARI (1920 - 2013)

"Collage: David" - litografia - P.A. - 42 x 29,5 cm - canto inferior direito - 1986 -

Gravador e escultor argentino, natural da cidade de Buenos Aires. Começou a fazer escultura em 1954, com diversos materiais e com arame de aço inoxidável. Em 1962, iniciou sua série de desenhos escritos. Em 1964 colaborou com Rafael Albertino no livro de poesias e desenhos "Escritos en el Aire", editado por Vanni Scheiwiller em Milão. Em 1965, abandonou a arte abstrata e participou do movimento cultural que acompanhou a atividade política argentina, colaborando na organização de diversas mostras coletivas. A partir de 1976 fixa residência no Brasil, em São Paulo, onde voltou a esculpir e experimentar outras técnicas, como fotocópias, etc. Desenvolveu uma série de esculturas sonoras que deram origem aos instrumentos lúdicos musicais com os quais deu 4 concertos-performance. JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 403



308 - JOSÉ SABÓIA (1949)

Trabalhadores - óleo sobre tela - 70 x 100 cm - canto inferior direito -

Pintor, José Sabóia do Nascimento nasceu em Almadina-BA. Artista autodidata foi para o Rio de Janeiro em 1967 e começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na feira hippie de Ipanema. Fez sua primeira exposição individual em Fortaleza, CE (1970). Entre as exposições de que participou, destacam-se: I e III Salão Nacional de Artes Plásticas do Ceará, Fortaleza, (1969, 1971 - Prêmio Aquisição); Dez Pintores no Rio de Janeiro, no MNBA, RJ (1983); ‘Brésil Naifs’, Paris (1986); ‘Salon d'Art Naif’- Marseilha, França (1987); ‘Pintura, Presença e Povo na Arte Brasileira’ no Museu da Casa Brasileira - São Paulo (1990); ‘Visões do Rio’ no MAM, RJ (1996). No exterior expôs individualmente em São Francisco, EUA e Munique, Alemanha, além de participar de coletivas em vários países e, principalmente na França, com exposições organizadas pela Galeria Jacqueline Bricard e uma presença cativa na ‘Galerie Naïfs du Monde Entier’ em Paris. José Sabóia participou do Concurso Internacional de Morges, quando seu quadro foi eleito pelo público, a melhor obra de 60 participantes de 22 países, premiação que originou o convite da Galeria Kasper para realizar uma exposição individual em 1997. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO; www.artprice.com; www.nautilus.com.br; www.ardies.com.



309 - JOAN MIRÓ (1893 - 1980)

Composição - litografia - 101/150 - 37 x 55 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, ceramista e escultor. Assinava Joan Miró e Miró. Nasceu em Montroig, Espanha e faleceu em Palma de Mallorca - Ilhas Baleares, Espanha. Entrou para Escola de Belas Artes de Barcelona com quinze anos, aperfeiçoando-se com o arquiteto Gali. Começou a expor em 1918 na sua terra natal e pouco depois, transfere-se para Paris. Assinou o manifesto surrealista em 1924. Em 1940 voltou à Espanha - Mallorca. Trabalhou com o ceramista Llorens Artigas. Em 1947 realizou um mural em Cincinnati, EUA, e um para a Universidade de Harvard, em 1950 (hoje substituído por uma cópia cerâmica, cujo original se encontra no MOMA de Nova York). Em 1958 trabalhou em dois gigantescos murais em cerâmica para a UNESCO, em Paris. A Fundação Joan Miró foi inaugurada em Montjuic, Barcelona, em 1975. Outras obras suas podem ser vistas na maioria dos museus e coleções de arte moderna espalhados pelo mundo. JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG.638; VOL. 4, PÁG. 746; VOL. 6, PÁG. 735; VOL.8, PÁG. 576; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 435; ITAU CULTURAL; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE – MARTINS FONTES.



310 - GREGÓRIO GRUBER (1957)

Centro de São Paulo - pastel - 99 x 69 cm - canto inferior esquerdo -
Reproduzido no convite deste Leilão.

Pintor, desenhista, gravador, cenógrafo, escultor e fotógrafo, nascido em Santos-SP. Filho do artista plástico Mário Gruber, em cujo atelier cursou litografia e fez estágio em artes plásticas e fotografia. Estudou desenho com Frederico Nasser -SP. Em Paris cursou desenho na Académie de la Grand Chaumière. Em 1976 recebeu o Prêmio de Melhor Gravador da APCA-SP. O Itaú Cultural-SP, produz filme sobre o artista (1992). JULIO LOUZADA vol.3, pág. 484; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



311 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Nu - serigrafia - P.A. 1ª Cor - 50 x 70 cm - canto inferior direito -

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



312 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Alvorecer - óleo sobre tela - 60 x 100 cm - canto inferior direito ilegível -



313 - MAURICIO ARRAES (1956)

"Lambe - lambe" - óleo sobre tela colada em eucatex - 50 x 75 cm - canto inferior esquerdo - 1978 -
Com etiqueta da Galeria de Arte Ipanema, Rua Aníbal de Mendonça, 27, Rio de Janeiro - RJ, no dorso.

Pintor, desenhista e cenógrafo, Maurício Arraes de Alencar nasceu em Recife, PE. Durante o tempo de exílio do pai, Miguel Arraes, o pintor viveu entre a Argélia e a França, onde cursou Sociologia da Arte em Paris. Quando regressou ao Brasil, em 1978, passou a se dedicar exclusivamente às artes plásticas. Realizou exposições individuais em: Recife, PE (2011, 2012) e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais no: Rio de Janeiro (1978, 1981, 1982, 1985); Curitiba, PR (1979); Salvador, BA (1988); Olinda, PE (1989); São Paulo (2011). ITAU CULTURAL; www.mauricioarraes.com; fernandomachado.blog.br/um-sucesso-o-vernissage-de-mauricio-arraes.



314 - ORESTE COLOMBARI (XIX - XX)

Rosas - óleo sobre tela - 35 x 55 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista e professor italiano. Foi professor de Camargo Freire, em Campinas e de Nicolau José Biagini - pintor da cúpula da Catedral Metropolitana de São Sebastião, em Ribeirão Preto, em viagem de estudos à Itália, na década de 20. Realizou exposições individuais em: São Paulo e Salvador - BA (1940), São Paulo, Santos e Bauru (1941). MEC VOL. 1, PÁG. 443; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 272; www.itaucultural.org.br/aplicexternas/.../artistas_imp.cfm / camargo freire; www.jornalacidade.com.br.



315 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

"Casa de Bustamante em 1938" - óleo sobre cartão - 12 x 16 cm - dorso - 1938 -
No estado.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



316 - GASTÃO FORMENTI (1894 - 1974)

Flores - óleo sobre madeira - 26 x 34 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1943 -
No estado.

Pintor nascido em Guaratinguetá-SP. Após iniciar-se em arte com Pedro Strina, em São Paulo, foi residir no Rio de Janeiro, onde, com seu pai, dedicou-se à execução de vitrais. Recebeu medalhas de bronze e de prata no SNBA, do qual ainda participava em 1961. TEODORO BRAGA, pág. 98; WALMIR AYALA vol.1, pág.317; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



317 - PIETRO SCOPPETTA (1863 - 1920)

Jovem - óleo sobre madeira - 40 x 40 cm - canto superior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador italiano nascido em Amalfi e falecido em Nápoles. Foi aluno de Giacomo Di Chirico; estudou em Roma, Paris e Londres. Como ilustrador, trabalhou para Treves ("Illustrazione Italiana"). digilander.libero.it/trombealvento/vari/scopetta.htm; www.artprice.com.



318 - MARIO ZANINI (1907 - 1971)

Rosto - desenho a carvão e pastel - 44 x 31 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



319 - PÉRICLES (1924 - 1961)

"O amigo da onça" - técnica mista - 39 x 28 cm - canto inferior direito -

Caricaturista e cartunista, Péricles de Andrade Maranhão nasceu em Recife, PE e faleceu no Rio de Janeiro. Publicou seus primeiros desenhos na Revista do Colégio Marista do Recife, onde estudou na década de 1930. Por volta de 1942, chegou ao Rio de Janeiro e ingressou nos 'Diários Associados', de Assis Chateaubriand, iniciando sua produção em 'O Guri' e, pouco depois, na revista 'A Cigarra', onde lançou seu personagem 'Oliveira Trapalhão'. A partir de 1945, ilustrou os textos de Millôr Fernandes na seção Pif-Paf da revista 'O Cruzeiro'. 'Laurindo e Miriato Gostosão' foram outros personagens criados por Péricles, mas o de maior sucesso foi 'O Amigo da Onça', publicado pela primeira vez em 1943 em' O Cruzeiro'. 'O Amigo da Onça' foi produzido por quase 20 anos e, mesmo após a morte de seu criador, continuou a ser publicado no traço de Carlos Estevão. Sua criação foi capaz de transpor as páginas desenhadas em 'O Cruzeiro' e permanecer na memória visual e humorística brasileira. Seus trabalhos participaram, após a sua morte, de exposições em: Curitiba, PR (1980); São Paulo (1983, 1997, 2001); Belo Horizonte (1997); Brasília (1998); Penápolis, SP (1998). ITAU CULTURAL.



320 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - técnica mista - 37 x 27 cm - canto inferior esquerdo - 1965 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Ex coleção Roberto Mansur - São Paulo - SP.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



321 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Bandeiras e mastro - serigrafia - 1/70 - 50 x 67 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



322 - SILVIO OPPENHEIM (1941 - 2012)

Composição - serigrafia - 7/23 - 50 x 68 cm - canto inferior direito - 1987 -

Pintor, desenhista, arquiteto e professor nascido e falecido em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Arquitetura da USP (1965) e completou sua formação na Alemanha, quando ganhou do governo alemão uma bolsa de estudos para a 'Technisce Universitat' (TU) em Berlim Ocidental. Em 1979 assumiu a cadeira de arquitetura de interiores na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie. Produziu intensamente como arquiteto e como artista plástico. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1965, 1972, 1975 a 1977, 1979, 1981, 1982, 1986 a 1989); Rio de Janeiro (1985); Brasília, DF (1978); Curitiba, PR (1980, 1987); Goiânia, GO (1989); Vitória, ES (1989). Participou de exposições coletivas e oficiais como: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969); '5 Pintores de Vanguarda', Porto Alegre, RS (1965); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971, 1973, 1976, 1979); Tóquio, Japão (1985) e outras. JULIO LOUZADA, VOL. 2, PÁG.745; VOL. 4, PÁG. 829; MEC, VOL.3, PÁG.301; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; www.pinacoteca.org.br; www.sp.senac.br; www.resenhando.com; www.artprice.com.



323 - OSWALDO GOELDI (1895 - 1961)

Girassol - xilogravura colorida - 11 x 09 cm - canto inferior direito -
Reproduzido sob o n° 92 - J em catálogo de Leilão da Bolsa de Arte do Rio de Janeiro, realizado em 19 de maio de 2009, em São Paulo.

Desenhista, gravador, ilustrador e professor nascido e falecido no Rio de Janeiro, filho de Emilio Goeldi, naturalista suíço. Com um ano de idade, mudou-se com a família para Belém, Pará e depois para Berna, Suíça (1905). Em Zurique, ingressou no curso de Engenharia e, em Genebra, matriculou-se na 'Ecole des Arts et Métiers' (1917) mas, abandonou ambos os cursos. A seguir, passou a ter aulas no ateliê de Serge Pahnke e Henri van Muyden. Realizou sua primeira exposição individual (1917), em Berna, quando conheceu a obra de Alfred Kubin, sua grande influência artística e com quem se correspondeu por vários anos. Retornou ao Brasil (1919), trabalhou como ilustrador e realizou sua primeira exposição individual no Rio de Janeiro (1921). Conheceu Ricardo Bampi (1923) que o iniciou na xilogravura. Fez desenhos e gravuras para periódicos e livros como 'Cobra Norato', de Raul Bopp (1937) com suas primeiras xilogravuras coloridas, entre outros. Foi professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1955) onde abriu uma oficina de xilogravura. Exposições individuais em: Berna, Suíça (1917, 1930); Rio de Janeiro (1921); Belém, PA (1938); São Paulo (1951); Paris (1952). Participou de várias exposições coletivas e mostras oficiais, destacando-se: Exposição itinerante da 'International Business Machine Corporation', EUA (1941 a 1944); 'Exhibition of Modern Brazilian Paintings', Inglaterra (1943, 1944, 1945); Bienal Internacional de São Paulo (1951 - Prêmio de Gravura, 1953 - Sala Especial, 1955, 1961, 1969, 1971, 1979, 1985); Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956, 1958); Bienal de Gravura, Checoslováquia (1950); Bienal Internacional de Xilogravura, Tóquio (1952); Bienal Interamericana do México, Cidade do México (1960 - I Prêmio Internacional de Gravura). PONTUAL PÁG.240; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.130; MEC VOL.2, PÁG.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG.521; ARTE NO BRASIL PÁG. 672; ACERVO FIEO; www.oswaldogoeldi.org.br; www.centrovirtualgoeldi.com; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



324 - QUIRINO CAMPOFIORITO (1902 - 1993)

"Kakis e praia" - óleo sobre tela colada em eucatex - 25 x 55 cm - canto inferior direito e dorso - 1985 - Niterói - RJ -

Pintor, desenhista, gravador, crítico, ilustrador, caricaturista e professor, natural da cidade de Belém-PA, e falecido em Niterói-RJ. Estudou pintura na ENBA-RJ, tendo como professores Modesto Brocos, João Batista da Costa, Augusto Bracet e Rodolfo Chambelland. Prêmio Viagem à Europa em 1929. Em Paris, estuda no Ateliê de Pongheon da Académie Julian e na Académie de La Grand Chaumière, até 1932. Em Roma, freqüenta o curso de pintura da Escola de Belle Arti e o curso de desenho do Círculo Artístico e da Academia Inglesa de Roma, entre 1932 e 1934. Participou do Núcleo Bernardelli, tornando-se seu presidente em 1942. Expôs individualmente por diversas vezes no Rio de Janeiro, participando de coletivas por diversas cidades brasileiras. "Se bem que o magistério e a atividade crítica tenham sem dúvida roubado ao artista tempo precioso, Campofiorito é autor de considerável bagagem, destacando-se como autor de vistas urbanas, estudos de nu e figuras, naturezas-mortas e alegorias, nas quais repercute muito intensa a influência de De Chirico e do Metafisicismo". LEITE, José Roberto Teixeira. REIS JR., pág. 382; TEODORO BRAGA, pág. 63; WALMIR AYALA, vol. 1, pags. 162 e 165; PONTUAL, pág. 103/104; TEIXEIRA LEITE, pág. 102; MEC, vol. 1, pág. 332; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 572; ARTE NO BRASIL, pág. 647; Acervo FIEO.



325 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figura feminina" - desenho a nanquim e aquarela - 18,7 x 15 cm - centro superior - 1976 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



326 - RUBENS GERCHMAN (1942 - 2008)

O beijo - serigrafia - P.A. XV/XX - 35 x 47 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



327 - MARCIO SCHIAZ (1965)

Natureza morta - técnica mista - 17 x 25 cm - canto inferior direito -

Paulistano, o pintor nasceu em 10/5/1965. Estudou na APBA-SP, onde desenvolveu curso de desenho e pintura, frequentado sessões de modelo vivo. Individuais desde 1989 e coletivas em Salões Oficiais, com sucesso de crítica. Recebeu diversos prêmios. JULIO LOUZADA, vol.13, pág. 304; Acervo FIEO.



328 - JAIME NICOLA DE OLIVEIRA (XX)

Anjo - escultura em pedra - 20 x 22 x 13 cm - assinado -

Jaime NICOLA de Oliveira, natural de Quipapá(PE), acostumado a desenhar e entalhar a madeira desde criança, aprendeu a esculpir observando o trabalho de um artista do Recife em seu Atelier. Conhecido por suas esculturas de cabeças de Santos e Anjos, tira proveito da textura da madeira para recriar com sua poderosa imaginção até mesmo anjos cangaceiros, além de também esculpir essas formas em pedra calcárea.



329 - HENFIL (HENRIQUE DE SOUZA FILHO) (1944 - 1988)

"Orelhão" - desenho a nanquim - 26 x 20,5 cm - canto superior esquerdo -

Mineiro de Ribeirão das Neves, onde nasceu em 5 de fevereiro de 1944, e faleceu na cidade do Rio de Janeiro-RJ, em 4 de janeiro de 1988. Iniciou sua carreira como cartunista, quadrinhista, foi colaborador de O Pasquim (1969). Em 1970 lançou a revista Os Fradinhos, seus personagens mais famosos e que possuem sua marca registrada: um desenho humorístico, crítico e satírico, com personagens tipicamente brasileiros e que retratavam a situação nacional da época. Sua importância na História em Quadrinhos no Brasil se deve à renovação que trouxe ao desenho humorístico nacional. Henfil atuou ainda em teatro, cinema, televisão e literatura, tendo sido marcante a sua atuação nos movimentos políticos e sociais do País.



330 - MARIA POLO (1937 - 1983)

Composição - óleo sobre eucatex - 100 x 75 cm - canto inferior direito - 1962 -
Reproduzido no convite deste Leilão. No estado.

Pintora, desenhista, gravadora e vitralista nascida em Veneza, Itália e falecida no Rio de Janeiro. Estudou no Instituto de Arte de Veneza, entre 1949 e 1955 e no ateliê de De Pisis, em Roma, de 1955 a 1959. Veio para o Brasil em 1959 fixando-se em São Paulo e, a partir de 1962, no Rio de Janeiro. Realizou diversas exposições individuais em algumas das principais capitais do País e no exterior. Participou de muitas mostras e Salões oficiais, entre as quais: Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967); Panorama de Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1969, 1970, 1973). Foi premiada no 10º Salão Paulista de Arte Moderna, SP (1961). MEC, VOL. 3, PÁG. 424; PONTUAL, PÁG. 430; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 776; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 697; www.catalogodasartes.com.br; www.bolsadearte.com; www.artprice.com.



331 - CARYBÉ (1911 - 1997)

"Derrapagem" - serigrafia - 84/200 - 66 x 49 cm - canto inferior direito -
Reproduzido no catálogo da Mostra Itinerante do artista realizada em treze galerias em 1995, realização Galvão Bueno Marketing Cultural e patrocínio da Galeria de Arte André - São Paulo - SP.

Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Pintor, gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista - naturalizado brasileiro desde 1957. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro (1925) e, entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade (1943). Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Uma de suas obras mais conhecidas é o conjunto de painéis “Os povos afros”, os “Ibéricos” e “Libertadores” de 1988 que fazem parte da decoração do mural do Memorial da América Latina, SP. Recebeu o primeiro prêmio de Desenho na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955) e salas especiais nas de 1961, 1971 e 1973, entre outras exposições e prêmios. Parte de sua produção encontra-se no Museu Afro-Brasileiro de Salvador. PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180 E 181; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111 E 112; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO; infoescola.com; suapesquisa.com; pinturabrasileira.com.



332 - FRANCISCO BRENNAND (1927)

Composição - cerâmica - 10 x 10 cm - não assinado -

Pintor e ceramista. Estudou com André Lhote e Fernand Léger, em Paris. Participou de importantes bienais e salões, nacionais e internacionais. Realizou individuais de pintura e cerâmica no MAM-SP em 1960 e outras importantes salas de arte. Executou trabalhos murais em edifícios públicos e particulares no Recife e no estrangeiro. Suassuna considerou a sua pintura "bela, forte e brasileira". Brennand é referência mundial como artista puramente brasileiro. JULIO LOUZADA, VOL, 10, pág 141. PONTUAL, pág, 88. MEC, VOL , 1, pág, 294; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 879. Acervo FIEO. -



333 - HEITOR DE PINHO (1897 - 1968)

Paisagem - óleo sobre tela - 33 x 41 cm - canto inferior direito - 1955 -

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde estudou na antiga Escola Nacional de Belas Artes. Foi discípulo de Rodolfo Chambelland, Batista da Costa, Lucílio de Albuquerque e Modesto Brocos. Participa de Salões Oficiais a partir de 1924, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.247; MEC. Vol.3, pág.400; WALMIR AYALA. Vol.2, pág.194; TEIXEIRA LEITE, pág.408; PONTUAL, pág.426.



334 - MILLAN HORVAT (1946)

Paisagem - óleo sobre tela - 40 x 50 cm - canto inferior direito - 1980 -
Com resquícios de etiqueta de Dan Galeria, Rua Padre João Manoel, 1160 - São Paulo, SP, no dorso. No estado.

Pintor iuguslavo, natural de Novi Sad, onde nasceu a 26 de maio de 1946. Residente e ativo em São Paulo, cuja obra foi assim apresentada por Pietro Maria Bardi: " ... sua arte pode ser inscrita na categoria que Ortega y Gasset reservava aos artífices que comunicam e são entendidos pelos apreciadores do figurativo. Pintura rica em percepções que transparecem num conceber geométrico, pacatas colorações justamente apropriadas às composições. As paisagens reconstroem idealmente as arquiteturas, harmonizando-as e as exaltando em sigulares sínteses formais." JULIO LOUZADA, vol. 12 pág. 275, Acervo FIEO.



335 - RAMÓN CASAS Y CARBO (1866 - 1932)

"Dama con sombrero" - desenho a carvão e lápis de cor - 55,5 x 37 cm - canto inferior direito -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e ilustrador espanhol nascido e falecido em Barcelona. Tinha dezesseis anos quando foi para Paris estudar com Carolus Duran (1882) e depois, na Espanha, estudou com os mestres no Prado. Ficou em Paris até 1894 e teve contato com Utrillo, Rusiñol e Zuloaga, entre outros. Expôs retratos de crianças no "Salon de la Société Nationale des Beaux-Arts" que era membro desde 1903; recebeu a comenda do "Cavaleiro da Legião de Honra"; na "Exposición Nacional de Bellas Artes" ganhou a medalha de terceiro lugar (1892) e a do primeiro lugar (1904) e teve uma sala com suas obras em homenagem ao centenário de seu nascimento. Participou de outras coletivas oficiais e recebeu medalhas de ouro em Berlim, Munique e Viena. BENEZIT; www.artprice.com; art-now-and-then.blogspot.com.br/2013/10/ramon-casas-y-carbo.html.



336 - RANCHINHO (1923 - 2003)

Paisagem - óleo sobre cartão colado em eucatex - 32 x 47 cm - canto inferior direito - 1979 -

Pintor e desenhista, Sebastião Theodoro Paulino da Silva nasceu em Oscar Bressane, SP e faleceu em Assis, SP. Filho de agricultores mudou-se com a família para Assis, após a morte do pai em 1925. Analfabeto e apresentando desvios comportamentais, somente aos 24 anos conseguiu o primeiro trabalho auxiliando na produção de garapa. Com a morte do seu patrão e protetor, João Romero, conhecido como João Garapeiro, passou a sobreviver como catador de papéis, latas e garrafas, morando em ranchos abandonados, o que lhe valeu o apelido de Ranchinho. Foi incentivado pelo escritor José Nazareno Mimessi, fundador do Museu de Arte Primitiva de Assis, a aprender técnicas de guache e acrílica sobre aglomerado de madeira. Realizou exposições individuais em: Assis, SP (1974 a 1976); Bauru, SP (1981); São Paulo (1982, 1988, 1998). Entre as diversas mostras coletivas e oficiais, destacam-se: 12ª Bienal Internacional de São Paulo (1973), Bienal Nacional, SP (1976), Bienal Brasileira de Arte Naïf, Piracicaba – SP (1994, 1998, 2000, 2002); Cidade do México, México (1980). Foi premiado em: Assis, SP (1971, 1980); Piracicaba, SP (1987, 1994 e 1998 - Bienal Brasileira de Arte Naïf, SESC). JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 931; VOL. 10, PÁG. 729; VOL. 11, PÁG. 259; VOL. 13, PÁG. 276; ITAU CULTURAL, ACERVO FIEO; artepopularbrasil.blogspot.com.br.



337 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Nu - desenho a nanquim e aquarela - 40 x 28 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



338 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Carmen Miranda - desenho a nanquim - 32 x 22 cm - canto inferior esquerdo -
Luiz. No estado.



339 - TARSILA DO AMARAL (1890 - 1973)

Paisagem - desenho a nanquim - 14,5 x 20 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintora e desenhista, Tarsila do Amaral nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Estudou escultura com William Zadig e com Mantovani, em 1916, na capital paulista. No ano seguinte teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti. Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na ‘Académie Julian’ e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote, Albert Gleizes e Fernand Léger. Foi a criadora de duas das principais tendências ou movimentos de nossa arte nacionalista: o Pau Brasil e o Antropofagia. A convite da Comissão do IV Centenário de São Paulo fez, em 1954, o painel ‘Procissão do Santíssimo’ e, em 1956, entregou ‘O Batizado de Macunaíma’, sobre a obra de Mário de Andrade, para a Livraria Martins Editora. A retrospectiva Tarsila: 50 Anos de Pintura, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo , em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR., PÁG.388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 958.



340 - MARIA AUXILIADORA SILVA (1935 - 1974)

Sagrada família - óleo sobre tela - 132 x 93 cm - canto inferior direito - São Paulo - 1971 -
Reproduzido no convite deste Leilão. No estado.

Desenhando desde criança, ligou-se ao grupo de Solano Trindade, músico, teatrólogo e poeta negro no Embu-SP. Seu talento ingênuo foi reconhecido por Mário Schemberg, que a incentivou. Participou de exposições nacionais e internacionais, alcançando posição de respeito no campo das artes. Apreciam-se suas cenas de vida popular que ela exalta numa felicidade descritiva, vibrações em côres vistosas . Postumamente foi dedicado um livro, editado por Giulio Bolaffi, Torino, Itália, com texto de Pietro Maria Bardi, e versões em inglês, alemão e francês. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág, 827. MEC, vol. 4, pág,275; ARTE NO BRASIL, pág. 832. Acervo FIEO.



341 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Paisagem - xilogravura - 3/50 - 33 x 44 cm - canto inferior direito - 1983 -
Com relevo seco de Impressão Atual.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



342 - OLAVO SOARES (1917)

Composição - óleo sobre tela colada em eucatex - 23 x 17 cm - canto inferior esquerdo -
Com monograma.

Natural de São Paulo, SP, onde nasceu a 7 de agosto de 1917. De formação autodidata, fez cursos de aperfeiçoamento com o pintor Reynaldo Manske. Expôs pela primeira vez em 1962, na Associação Paulista de Belas Artes, tendo acumulado nestes anos todos diversas premiações. Expondo também no exterior, recebeu a seguinte critica do Senhor Claude Cotti, Presidente da Sociedade Academica de Arts Liberaux: "A pintura de Olavo Soares respira a vida e o movimento, talvez não a alegria de viver, mas uma força natural cheia de panteísmo e de expansão das formas, dominando o espaço." A Pinacoteca de SP, conserva uma de suas obras. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 926



343 - FELIPE HELLMEISTER (XX)

Paisagem - fotografia - 37 x 55 cm - canto inferior direito - 1998 -

Fotógrafo e diretor de cena, mais conhecido como Fepa, é especializado em campanhas de moda, beleza e life style. Realizou exposições individuais e participou de coletivas em diversos espaços culturais como o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), o Museu da Imagem e do Som e a Pinacoteca do Estado de São Paulo. Seu trabalho integra o acervo permanente do MASP desde 2009, na coleção Pirelli de Fotografia. Recebeu os prêmios: Nikon Photo Contest International (1992, 1993); Prêmio Conrado Wessel (2005); Prêmio Porto Seguro de Fotografia (2008). ITAU CULTURAL; www.felipehellmeister.com.br; www.udegustar.com/felipe-hellmeister/.



344 - EYMARD BRANDÃO (1946)

Composição - técnica mista - 80 x 110 cm - dorso - 2004 - Belo Horizonte -

Pintor, desenhista e professor nascido em Belo Horizonte, MG. Graduou-se em artes plásticas pela Escola Guignard, hoje integrada a UEMG, onde exerceu o cargo de Diretor (entre 2004 a 2008) e lecionou desde o início dos anos setenta até 2015. Realizou exposições individuais em: Belo Horizonte, MG (1985); São Paulo (1989). Participou de mostras coletivas e Salões oficiais no: Rio de Janeiro (1978); Recife, PE (1980 a 1983); Curitiba, PR (1982, 1986, 1988); Brasília, DF (1982, 1983); São Paulo (1983, 1985); Belo Horizonte, MG (1982, 1984 a 1987); Campo Grande, MS (1983); Ribeirão Preto, SP (1985, 1988). Foi premiado no Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, Recife - PE (1980, 1981 e 1982); no Salão de Arte de Ribeirão Preto, SP (1985 e 1988); entre outros. ITAU CULTURAL; http://www.agendabh.com.br/ponteio-recebe-eymard-brandao-com-exposicao-outros-lugares/.



345 - PAULA KADUNC (1954)

Composição - acrílico sobre tela - 70 x 65 cm - dorso - 2017 -
Obra 723 do catálogo da artista.

Paula Kadunc, pseudônimo artístico de Maria Paula Kadunc, nasceu em São Paulo. Frequentou um curso clássico de arte e comunicação na época de colégio. Formou-se em historia (1975) e nos anos seguintes realizou viagens de estudo pela Europa, Japão, China e Filipinas. No inicio da década de 80 trabalhou no Museu de Arte de São Paulo como assessora de imprensa e relações publicas auxiliando ainda na curadoria de diversas exposições. Na década de 90 frequentou o ateliê do escultor Paulo Tadee onde trabalhou com desenhos e pinturas geométricas e passou a fundir esculturas em bronze. Estudou técnica de pintura com Marysia Portinari. Tem participado com suas obras de várias exposições coletivas e leilões de arte. Possui obras em diversas coleções particulares e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. www.artemaisnet.com.br/artistas/paula-kadunc.html; www.catalogodasartes.com.br; www.al.sp.gov.br; www.artprice.com; www.askart.com.



346 - EDILSON ARAÚJO (1950)

Trabalhadores - acrílico sobre tela - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1991 -

Pintor autodidata nascido em Ouro Branco, RN. A partir de 1980, veio para São Paulo, começou a pintar. Frequentou a Escola Panamericana de Arte. Em 1985 algumas de suas pinturas foram apresentadas em selos natalinos dos Correios e também em cartões natalinos da campanha Pronav/LBA. Realizou exposição individual em Santos, SP (1982) e tem participado de inúmeras mostras coletivas e oficiais. Recebeu Medalha de Bronze no Salão Nacional de Artes Plásticas Alberto Santos Dumont, SP (1981, 1982); Menção Honrosa no Salão Nacional de Artes Plásticas Pablo Picasso (1981); Medalha de Prata no Salão Nacional de Artes Plásticas Brigadeiro Eduardo Gomes (1982) e no Salão Nacional de Artes Plásticas de Araçatuba (1982); Prêmio Aquisição no Salão de Artes Plásticas de Taboão da Serra (1982); Medalha de Ouro no Salão da Paisagem da UNAP (1983). JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 82; artenaifrio.blogspot.com/2012/01/edilson-araujo.html; www.edilsonaraujo.com.



347 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Crucificado - escultura em terracota policromada - 40 x 26 x 16 cm - não assinado -



348 - ROSARIO MORENO (1918)

Composição - técnica mista - 75 x 53 cm - canto inferior direito - 1963 -
No estado.

Artista com participação na Bienal Internacional de São Paulo e em Evandro Carneiro Leilões - Rio de Janeiro.



349 - JOSÉ PINTO (1932 - 2008)

Fazenda - óleo sobre tela - 52 x 76 cm - centro inferior - 1977 -

José Wense Pinto é natural de Ilhéus, BA. Assina José Pinto. Autodidata, veio para o Rio de Janeiro em 1951. Em 1953 freqüenta a Associação Brasileira de Desenho e começa a pintar profissionalmente em1969. Participou de diversas exposições e Salões oficiais: 1969,1970 a 1974 - Rio de Janeiro, RJ; 1970; Milão e Espoleto, Itália; Nova York, EUA; Londres, Inglaterra; 1971 - Recife,PE. Individuais: 1969 e 1971 - Rio de Janeiro, RJ; 1970 - Bahia; 1971 - São Paulo, SP e 1973 - Brasília, DF. Prêmios: 1972 - Rio de Janeiro, RJ. Possui obras em: Museu Regional de Feira de Santana, BA; Museu Laval - Henri Rousseau, França; Museu de Viçosa, MG; Agências do Banco do Brasil em São Francisco, EUA; acervo da Cia. Shell e Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, RJ. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.769; vol. 8, pág. 660. ITAU CULTURAL.



350 - BENEDITO CALIXTO DE JESUS (1853 - 1927)

"Veleiro na praia" - aquarela e bico de pena - 17 x 24 cm - canto inferior direito - 1909 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com expertise firmada por Celso Calixto Rios. Ex coleção Doutor Ricardo Espírito Santo.

Pintor, professor, historiador, ensaísta, nascido em Conceição de Itanhaém, SP e falecido em São Paulo. Transferiu-se para Brotas, SP, onde adquiriu noções de pintura com o tio Joaquim Pedro de Jesus, ao auxiliá-lo na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Realizou sua primeira individual em São Paulo, no ano de 1881. Fixou-se por algum tempo em Santos e depois de ter executado a decoração do Teatro Guarani, partiu para Paris em 1883, estudando na Academia Julian e no ateliê de Jean François Raffaëlli. Retornou ao Brasil em 1885 e passou a residir em São Vicente. Produziu inúmeras marinhas em que representa o litoral paulista; realizou diversos painéis de temas religiosos para igrejas na capital e interior do Estado de São Paulo; pintou vistas de antigos trechos das cidades de São Paulo, Santos e São Vicente para o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, por encomenda do diretor do museu o historiador Afonso d´Escragnolle Taunay. Dedicou-se também a estudos históricos da região e à preservação de seu patrimônio e publicou, entre outros, os livros 'A Vila de Itanhaém' (1895) e 'Capitanias Paulistas' (1924). Existem obras suas nos acervos de diversos museus brasileiros. TEODORO BRAGA PÁG. 51; REIS JR PÁG. 214; LAUDELINO FREIRE PÁG. 387; PONTUAL PÁG. 68/69; MEC VOL.1, PÁG. 326/327; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.153; MAYER/83 PÁG. 601; TEIXEIRA LEITE PÁG. 97; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 505; ARTE NO BRASIL PÁG. 599, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 172. ACERVO FIEO.



351 - DARCILIO LIMA (1944 - 1991)

Figuras surreais - litografia - 14/20 - 68 x 48 cm - canto inferior direito - 1971 -

Cearense de Cascavel, o festejado desenhista Darcilio foi para o Rio de Janeiro, e já depois de haver iniciado autodidaticamente seu trabalho no campo da pintura e da utilização do lápis cêra. Recebeu orientação de Ivan Serpa, passando a dedicar-se especialmente ao desenho a bico-de-pena, com a permanente fixação gráfica da fantasia erótica como veículo de impacto crítico. PONTUAL, pág. 159. MEC, vol.1, pág.17; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE; ITAU CULTURAL.



352 - RENZO EMILIANO RANZINI (1930)

Marinha - aquarela - 20 x 27 cm - canto inferior esquerdo -

Pintor e desenhista, Renzo Emiliano Ranzini nasceu em São Paulo, neto do também pintor e arquiteto Felisberto Ranzini. Assina Renzo Ranzini ou R. Ranzini. Foi o último morador da Casa Ranzini (até 2006), propriedade projetada pelo seu avô e hoje centro de atividades culturais, educacionais e artísticas. http://www.casaranzini.blogspot.com; http://spcity.com.br/casa-ranzini-cheia-de-beleza-e-historia-para-vermos/.



353 - WILSON PIRAN (1951)

"Emoção" - múltiplo em madeira e purpurina - 51 x 12 cm - assinado - 1986 -
Da série: "Nem tudo que brilha é ouro".

Artista plástico nascido em Nova Friburgo, RJ. Transferiu-se para o Rio de Janeiro (1969) e ingressou na antiga Escola Nacional de Belas Artes, frequentando o curso de pintura, aluno de Abelardo Zaluar, Mário Barata e Quirino Campofiorito. Trabalhou como decorador de vitrines de joalherias (de 1970 a 1984) criando e realizando vitrines para lojas pelo Brasil e no exterior. Paralelamente começou a participar de Salões de Arte oficiais e exposições coletivas, recebendo diversos prêmios. Realizou exposições individuais no: Rio de Janeiro (1977 - Museu Nacional de Belas Artes, 1980 – FUNARTE, 1982, 1984, 1989, 2000 - MAM); Porto Alegre, RS (1982); São Paulo (1983). ITAU CULTURAL; www.wilsonpiran.com.



354 - MOBY (1922 - 1978)

"O menino e o papagaio" - óleo sobre tela e colagem - 100 x 120 cm - canto superior direito - 1976 -

Moby, nome artístico de Mogns Osterbie, natural de Copenhagem, Dinamarca. Pintor e desenhista, frequentou na sua cidade natal a Escola de Arte Decorativa e a Real Academia de Belas Artes. No Brasil, fixou-se em São Paulo, onde realizou diversas individuais, cuja crítica, principalmente de Quirino da Silva, lhe foram favoráveis, transcrevendo comentários de Mário Schenberg. PONTUAL, pág. 363; MEC, vol. 3, pág. 1; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



355 - EDUARD PAUL RÜDISÜLHI (1875 - 1938)

Paisagem - óleo sobre cartão - 45 x 60 cm - canto inferior direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor e desenhista com participações em mostras coletivas. www.artprice.com.



356 - MENASE VAIDERGORN (1927)

Retirantes - óleo sobre tela - 30 x 54 cm - canto inferior direito -

Pintor nascido em Hotin, Romênia. Assina MVAIDERGORN. Seus pais vieram para o Brasil (1932) fixando residência em São Paulo. Ingressou na Associação Paulista de Belas Artes (fim da década de 1940) onde conheceu Dario Mecatti que muito o estimulou. Viajou pelo norte da África e Europa. Realizou exposições individuais e participou de diversos salões e mostras coletivas oficiais, recebendo diversos prêmios, entre eles: os do Salão Paulista de Belas Artes, SP (1976 - Medalha de Bronze, 2000 – Prêmio Aquisição, 2001 – Grande Medalha de Prata). JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 1011; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



357 - WALTER LEWY (1905 - 1995)

Nu - óleo sobre tela - 26 x 33 cm - canto inferior direito - 1977 -

Gravador, pintor, ilustrador, paisagista, desenhista e publicitário nascido em Bad Oldesloe, Alemanha e falecido em São Paulo. Estudou na Escola de Artes e Ofícios de Dortmund, Alemanha (1923-1927). Nesse período, filiou-se à tendência do realismo mágico. Em 1928 participou de coletivas em Dortmund, Gelsenkirchen, Boclusim e outras cidades. Com a crise econômica de 1929, Lewy perdeu seu emprego de desenhista numa gráfica e foi viver com os pais no interior, tornando-se ilustrador de anedotas em jornais. Realizou sua primeira exposição individual em Bad Lippspringe (1932), mas foi fechada quando a Câmara de Arte Alemã proibiu a participação de judeus na vida artística. Escapando dessa situação opressora, o artista imigrou para o Brasil (1938), retomando profissionalmente a pintura. Deixou para trás centenas de trabalhos, que foram enviados para a Holanda e perdidos durante os bombardeios da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). No Brasil, fixou-se em São Paulo. Nos primeiros anos fez desenho publicitário e mais tarde capas de livros e ilustrações para diversas editoras. Ilustrou obras de Bertrand Russell, Machado de Assis e Arnold Toynbee, entre outras. Mais tarde, empregou-se como diagramador, letrista e arte-finalista nas agências de propaganda De Carli, Lintas Publicidade, Martinelli, Santos & Santos e Thompson Propaganda. Participou de Salões Nacionais e Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1965, recebendo diversas premiações oficiais. JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 497; MEC, VOL. 2, PÁG. 474; TEODORO BRAGA, PÁG. 245; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 286; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 630; LEONOR AMARANTE, PÁG. 142; ACERVO FIEO.



358 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Vaso de Flores - óleo sobre tela - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo ilegível -



359 - SUSUMO HARADA (1938)

Borboleta - gravura - 5/5 - 16,5 x 19,5 cm - canto inferior direito - 1993 -

Pintor, desenhista, gravador autodidata nascido em Barueri, SP. Realizou exposições individuais em: Embu, SP (1982); São Paulo (1983); Itapevi, SP (1983); Goiânia, GO (1987); Piracicaba, SP (2009), entre outras. Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Salão de Artes Plásticas de Embu, SP (1979); Exposição de Artes de São João da Boa Vista, SP (1980); Salão de Artes Plásticas de Presidente Prudente, SP (1980 a 1982); Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo (1980); Salão de Belas Artes de Piracicaba, SP (1981); Salão Bunkyo, São Paulo (1982, 1983); Artistas Premiados do Interior de São Paulo, Paço das Artes - São Paulo (1982); Salão Paulista, São Paulo (1983); Salão de Arte Contemporânea de Santo André, SP (1983). Foi premiado em: São João da Boa Vista, SP (1981); Matão, SP (1982); Araras, SP (1982, 1983); São Paulo (1982, 1983); Assis, SP (1982); Embu, SP (1981, 1982); Santo André, SP (1983); Salvador, BA (1983). ITAU CULTURAL; www.artbizshopping.com.br; www.camarapiracicaba.sp.gov.br.



360 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA (1930 - 1999)

"Abertura/ vermelha - amarelo" - acrílico sobre tela colada em eucatex - 80 x 80 cm - dorso - 1987 -
Reproduzido no convite deste Leilão. Com etiqueta nº DF 045/87 de Performance Galeria de Arte - Brasília - DF, no dorso.

Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico e professor natural do Recife, PE; faleceu em Campinas, SP. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Trabalhou no campo de comunicação visual sendo um dos responsáveis pela renovação da Arte-Cartaz Paulista (1951). Em 1953 passou a fazer parte do Grupo Ruptura, a convite de Waldemar Cordeiro. Participou de várias edições do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957); das Bienais de 1955 a 1967; da Exposição Nacional de Arte Concreta; da mostra Panorama da Arte Atual Brasileira; da mostra Tendências Construtivas e de outras exposições em: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima, Roma, Londres, Paris (Salão de Outono) e Zurique (exposição de Arte Concreta –'Konkrete Kunst', organizada por Max Bill). Recebeu o convite (1954) para representar o Brasil na 27ª Bienal de Veneza, no entanto, recusou se apresentar por terem negado a participação de outros membros do Grupo Ruptura. Em São Paulo pintou murais no Largo São Bento, no Edifício Estação Ciência, nas estações São Bento e Santana do Metrô, na Praça Roosevelt, na fachada do MAC/USP e fez uma pintura lateral no Elevado Costa e Silva (popularmente conhecido como Minhocão). Em 1958, foi responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realizou as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. MEC VOL. 2, PÁG. 481; PONTUAL PÁG. 314; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 678; www.pinturabrasileira.com; www.mac.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



361 - JOSÉ SILVEIRA D'AVILA (1924 - 1985)

"Praça da República" - água forte original - 21 x 16,5 cm - canto inferior direito - 1951 - Rio -
No estado.

Pintor, gravador, escultor e vitralista natural de Florianópolis, SC. Estudou pintura e escultura na antiga ENBA, onde foi premiado diversas vezes. No SNAM alcançou inicialmente isenção de Juri e Prêmios Viagem ao País e ao Estrangeiro. Em 1950 organizou juntamente com Carlos Oswald, o Ateliê de Arte para incremento da gravura. Coletivas a partir de 1953, obtendo diversas premiações em Salões Oficiais. JULIO LOUZADA, vol 4 pág. 302. ITAÚ CULTURAL.



362 - FANG (1931 - 2012)

Paisagem - óleo sobre tela - 37,5 x 45,5 cm - canto superior direito - 1959 -

Pintor, desenhista, gravador e professor, Chien Kong Fang, ou simplesmente Fang, nasceu na cidade de Tung Cheng, China e faleceu em São Paulo. Estudou sumiê e aquarela na China em 1945. Veio morar em São Paulo com a família em 1951, naturalizando-se brasileiro em 1971. Entre 1954 e 1956, estudou pintura com Yoshiya Takaoka em São Paulo. Viajou, em 1977, para a América do Norte, Europa e Ásia, onde desenvolveu o seu trabalho de pintura. Em 1981, foi realizado o curta metragem biográfico ‘O Caminho de Fang’, em São Paulo. Visitou a China, convidado pelo governo chinês, em 1985. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1959, 1961, 1962, 1978, 1981, 1993, 2005); Salvador, BA (1962); Rio de Janeiro (1978, 1986); Schleswing, Alemanha (1985); Lugana, EUA (1990); Americana, SP (1994); Formosa, Taiwan (1994). Foi premiado no Rio de Janeiro (1957) e em São Paulo (1960 a 1962, 1967 a 1969, 1978, 1979, 1991). Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1978). MEC, VOL. 2, PÁG. 124; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 366; VOL. 6, PÁG. 378; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 189; PONTUAL, PÁG. 201; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; www.fang.com.br; www.artprice.com.



363 - LOUCO - BOAVENTURA DA SILVA FILHO (1932 - 1992)

Última ceia - escultura em madeira - 44 x 93 x 12 cm - assinado -

O autor, conhecido como Louco, é natural de Cachoeira, histórica cidade baiana, às margens do rio Paraguaçu. Foi aí que começou seu trabalho. Pouco a pouco suas esculturas tornaram-se amplamente conhecidas, garantindo, para Boaventura, um lugar de destaque entre os artistas populares brasileiros. A partir do reconhecimento de sua obra, participou de exposições significativas como a mostra do Centro Domus, em Milão, Itália; o Espírito Criador do Povo Brasileiro, através da coleção de Abelardo Rodrigues, e Sete Brasileiros e seu Universo, em Brasília. É dele a seguinte explicação para o seu novo nome: "É porque sou louco pra trabalhar! Fui o primeiro artista da cidade. Trabalho com inspiração e amor. Às vezes me afasto de tudo - vou pro mato, fico lá sozinho, sem zuada, só com o meu radinho e os troncos de madeira, despreocupado, longe da mulher, dos dez filhos, dos fregueses. eles conversam muito e atrapalham. E a mulher quer muita coisa, Mulher é como criança, nada chega." (texto extraído do livro O Reinado da Lua - Escultores Populares do Nordeste, de Silvia Rodrigues Coimbra, Flávia Martins e Maria Letícia Duarte - Ed. Salamandra, 1980, págs. 112, 113 e 114).



364 - INGRES SPELTRI (1940)

"Além do futuro - I" - óleo sobre tela colada em eucatex - 55 x 86 cm - canto inferior direito e dorso -

Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor nascido em Jau, SP. Filho do pintor Augusto Speltri com quem se iniciou na pintura, ainda criança. Em 1959 mudou-se para São Paulo onde estudou Música (1960-1964). É professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. Realizou exposições individuais, em São Paulo, nos anos de 1977, 1981, 1978, 1984. Participou de várias mostras e Salões oficiais, sendo premiado em: São Paulo (1963, 1966, 1970, 1971); Santo André, SP (1976). JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 1012; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; MEC VOL. 4, PÁG. 338; PONTUAL PÁG. 504; www.artprice.com; www.speltri.com.



365 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Figuras" - acrílico sobre papel - 30 x 21,5 cm - canto inferior direito - 1993 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



366 - SIRON FRANCO (1947)

"Visões rupestres" - serigrafia - 145/200 - 47 x 67 cm - canto inferior direito - 1998 -
Siron Franco é artista selecionado para a próxima Bienal de São Paulo e também realizará mostra individual simultaneamente ao evento, na Galeria Marcelo Guarnieri- São Paulo-SP.

Pintor, escultor, ilustrador, desenhista, gravador e diretor de arte, Gessiron Alves Franco nasceu em Goiás, GO. Mudou-se para Goiânia (1950) onde estudou pintura (1960) com D. J. Oliveira e Cleber Gouvêa e também foi aluno-ouvinte da Escola de Belas Artes da Universidade Católica de Goiânia. Frequentou os ateliês de Bernardo Cid e Walter Levy, em São Paulo (1969 e 1971), integrando o grupo que fez a exposição 'Surrealismo e Arte Fantástica', na Galeria Seta. Em 1975, com o Prêmio Viagem ao Exterior (1975 – Salão Nacional de Arte Moderna, RJ) residiu entre capitais europeias e o Brasil. Iniciou o projeto 'Ver-A-Cidade' (1979) realizando diversas interferências no espaço urbano de Goiânia. Desde 1986 realiza monumentos públicos baseados na realidade social do país. Fez direção de arte para documentários de televisão (1985 a 1987) como 'Xingu', concebido por Washington Novaes, premiado com medalha de ouro no Festival Internacional de Televisão de Seul. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Bienal Nacional de Artes Plásticas, Salvador – BA (1968); Bienal Nacional, SP (1974); Bienal Internacional de São Paulo (1975 – Prêmio de Pintura, 1979, 1989, 1991); Panorama da Arte Atual Brasileira, SP (1976, 1983, 1989); Salão Nacional de Arte Contemporânea, Belo Horizonte – MG (1979); Bienal de Valparaíso, Chile (1981); Bienal de Medellín, Colômbia (1981); 'A Cor e o Desenho do Brasil' - Itália, São Paulo, Holanda, Portugal, França (1984); Bienal de Artes Visuais do MERCOSUL, Porto Alegre – RS (1997, 2005); 'Brasil+500 Mostra do Redescobrimento', São Paulo (2000); Bienal de Havana, Cuba (2003), entre outras. WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 343; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 206; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 957; PONTUAL PÁG. 222; MEC VOL. 2, PÁG. 206; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 760; LEONOR AMARANTE PÁG. 240, ACERVO FIEO; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



367 - MARCEL GAUTHEROT (1910 - 1996)

"Folha de Carnaúba" - fotografia - 19,5 x 19,5 cm - não assinado - 1942 - Messejana - CE -
No estado.

Fotógrafo, Marcel André Félix Gautherot nasceu em Paris, França e faleceu no Rio de Janeiro. Realizou inicialmente estudos de arquitetura, passando depois a se dedicar à fotografia. Veio para o Brasil (1940). O interesse pelo país fora despertado pela leitura do romance "Jubiabá", de Jorge Amado. Após uma breve passagem pela região amazônica, fixou-se no Rio de Janeiro. Realizou trabalhos de documentação fotográfica para o recém-criado Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Viajou pelo Rio São Francisco (anos de 1940) registrando os tipos humanos e as festas populares e religiosas com um olhar quase antropológico. Com o fotógrafo Pierre Verger, que conheceu em Paris, realizou viagens pelo país, documentando, entre outros assuntos, a arquitetura colonial e moderna. Ao longo de sua carreira, colaborou com revistas especializadas brasileiras e europeias. Na década de 1970 sua produção destinou-se principalmente a livros editados no país e no exterior. Foi autor, entre outros, dos livros "Pernambuco/Recife/Olinda" (1970), "Congonhas do Campo" (1973) e "Bahia, Rio São Francisco, Recôncavo e Salvador" (1995). Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro (1996); São Paulo (1996 – Pinacoteca). Participou de mostras coletivas oficiais em: Paris (1937, 1958); Bruxelas, Bélgica (1958); Zurique, Suíça (1992).Em 1999, o acervo de cerca de 25 mil imagens do fotógrafo foi adquirido pelo Instituto Moreira Salles (IMS), no Rio de Janeiro. ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



368 - INIMÁ DE PAULA (1918 - 1999)

Igreja - desenho a nanquim - 30 x 22 cm - canto inferior direito - 1970 -

Pintor e desenhista mineiro nascido em Itanhomi e falecido em Belo Horizonte. A partir de 1937, frequentou o Núcleo Antônio Parreiras, em Juiz de Fora, MG. Em 1940, instalou-se no Rio de Janeiro e matriculou-se nas aulas de Argemiro Cunha no Liceu de Artes e Ofícios , as quais abandonou em pouco tempo. Passou a pintar com alguns dos ex-integrantes do Núcleo Bernardelli. Em 1944, transferiu-se para Fortaleza, onde conheceu artistas locais e participou da criação da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP). Voltou ao Rio de Janeiro (1945) e expôs com Aldemir Martins, Antonio Bandeira e Jean-Pierre Chabloz , na galeria Askanasy. Em 1948, graças ao apoio de Candido Portinari , fez sua primeira mostra individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/RJ). Em 1950, ganhou o prêmio de viagem ao país do Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) e, no ano seguinte, viajou e expôs na Bahia. Em 1952, recebeu o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). Em Paris (1954-1956) assistiu a cursos na 'Académie de la Grande Chaumière' e na' École Normale Supérieure des Beaux-Arts', acompanhou as aulas de André Lhote e de Gino Severini. Quando voltou participou da V Bienal Internacional de São Paulo e, na primeira metade dos anos 1960, mudou-se para Belo Horizonte. Em 1998 foi criada a Fundação Inimá de Paula em Belo Horizonte. JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.152; PONTUAL, pág. 271; MEC, VOL.3, PÁG.355; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 401 1 404; TEIXEIRA LEITE, PÁG.260; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 870; ACERVO FIEO; www.museuinimadepaula.org.br; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



369 - VITTÓRIO GOBBIS (1894 - 1968)

"Faculdade de Direito e Convento S.Francisco" - litografia - H.C. - 28 x 38 cm - canto inferior direito - 1954 - São Paulo -

Pintor, desenhista, gravador e restaurador nascido em Motta di Livrenza, Itália e falecido em São Paulo. Filho e neto de pintor e decorador, frequentou academias em Veneza e Roma, contrariando a opinião do pai que desejava que ele seguisse carreira no comércio. Trabalhou como pintor e restaurador em Veneza até 1923 quando resolveu abandonar a profissão e partir para o Brasil, fixando-se em São Paulo. Em 1931 participou do Salão Revolucionário, realizado por Lucio Costa na Escola Nacional de Belas Artes, RJ. No decorrer da década participou ativamente da cena artística paulistana - tornou-se sócio-fundador da Sociedade Pró-Arte Moderna e do Clube dos Artistas Modernos, criados em 1932; realizou sua primeira mostra individual (1933). Participou, ao lado de Candido Portinari, da "International Exhibition of Painting" (1935) no "Carnegie Institute", Pittsburgh - Estados Unidos. Destaca-se também sua participação como idealizador e membro da Família Artística Paulista; seu envolvimento na criação do Salão de Maio e a proximidade com os artistas do Grupo Santa Helena. Organizou o 1º Salão de Arte da Feira Nacional de Indústrias (1941). Nas décadas de 1930 e 1940, seu próprio ateliê funcionou como um núcleo disseminador de arte. Participou de inúmeras mostras coletivas e oficiais como a I e II Bienal Internacional de São Paulo, entre outras. Foi premiado no Salão Nacional de Belas Artes, RJ (1933, 1935, 1965); Salão Paulista de Belas Artes, SP (1933, 1936, 1956). Em 1965, em função de sua experiência no campo do restauro, foi incumbido de transportar e restaurar o afresco da "Santa Ceia", de Antonio Gomide, que foi doado ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. MEC VOL.2, PÁG.271; TEIXEIRA LEITE PÁG. 220; PONTUAL PÁG.240; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.350; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 423; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 579; ARTE NO BRASIL PÁG. 777, ACERVO FIEO; www.artprice.com.



370 - HENRI JOSEPH HARPIGNIES (1819 - 1916)

Paisagem - óleo sobre tela - 42 x 55 cm - canto inferior esquerdo - 1907 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor francês nascido em Valenciennes e falecido em Saint Privé. Foi um viajante comercial, mas seu gosto pela pintura o levou, aos 27 anos, a se tornar artista. Decidiu ter aulas de pintura com Achard e, após uma viagem de estudos à Itália, expôs no Salão de Paris em 1853. Estudou profundamente a Escola de Barbizon e especialmente Corot. Continuou participando do Salão de Paris até que, em 1863, sua pintura foi recusada pelo Salão. Destruiu a pintura e partiu para a Itália onde permaneceu por dois anos. Retornou a Paris com uma série de pinturas e voltou a participar dos Salões (1866, 1868, 1869,1878, 1897) ganhando várias medalhas até finalmente conseguir o Grande Prêmio em 1900. Recebeu a Cruz do Cavaleiro da Legião de Honra (1875), a Cruz de Oficial (1883) e a Cruz de Comandante (1901). Participou também da exposição da Sociedade dos Novos Aquarelistas tanto em Londres como na França. BENEZIT VOL. 5, PÁG. 409; JULIO LOUZADA VOL. 10, PÁG. 417; web.artprice.com; 19thcenturypaintings.com; www.nationalgallery.org.uk; www.artcyclopedia.com.



371 - CARLOS SCLIAR (1920 - 2001)

Casario - litografia - Nº 2/ ex. 23 - 28,5 x 21,5 cm - canto inferior direito -
Procedente da coleção do crítico de arte Mário Schenberg, São Paulo - SP.

Desenhista, gravador, pintor, ilustrador, cenógrafo, roteirista e designer gráfico que nasceu em Santa Maria da Boca do Monte, RS e faleceu no Rio de Janeiro. Assina Scliar. Estudou com Gustav Epstein, em Porto Alegre, em 1934. Participou, em 1938, da fundação da Associação Riograndense de Artes Plásticas Francisco Lisboa. Entre 1939 e 1947, residindo em São Paulo, integrou a Família Artística Paulista - FAP. No Rio de Janeiro, escreveu e dirigiu em 1944 o documentário 'Escadas', sobre os pintores Arpad Szenes e Vieira da Silva com os quais conviveu desde 1941. Convocado pela Força Expedicionária Brasileira - FEB, participou da Segunda Guerra Mundial, na Itália. Morando em Paris de 1947 a 1950, cursou gravura com Galanis na Escola de Belas Artes e teve contato com o gravador mexicano Leopoldo Méndez. De volta ao Brasil, fundou com Vasco Prado o Clube de Gravura de Porto Alegre. Em 1956, passou a viver no Rio de Janeiro. Foi diretor do departamento de arte da revista 'Senhor' entre 1958 e 1960. Fundou a editora Ediarte, em 1962, com os colecionadores Gilberto Chateaubriand, Michel Loeb, Carlos Nicolaievski e o pintor José Paulo Moreira da Fonseca. Realizou durante toda sua vida exposições individuais e participou de inúmeras coletivas e Salões oficiais, recebendo muitos prêmios. Também foram realizadas várias exposições póstumas. MEC VOL.4, PÁG. 214; TEODORO BRAGA, PÁG. 66; WALMIR AYALA VOL.2, PÁG. 306 a 309; PONTUAL, PÁG. 479 e 480; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.884; VOL.2, PÁG. 925; VOL.13, PÁG. 305; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; RGS, PÁG. 442; ACERVO FIEO.



372 - OMAR PELLEGATTA (1925 - 2000)

Mulheres - óleo sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior direito e dorso -
No estado.

Pintor, desenhista e gravador nascido em Busto Arsizio, Itália. Assina Pellegata. Veio para o Brasil em 1927, estudou na Associação Paulista de Belas Artes, foi aluno de Ettore Federighi e Durval Pereira, Takaoka, Mário Zanini, Otone Zorlini. Viveu e trabalhou em Santos, SP. Fez parte do Grupo Tapir (1970) com Giancarlo Zorlini, João Simeone, José Procópio de Moraes, Glicério Geraldo Canelosso e do Grupo Chácara Flora com Emídio Dias de Carvalho, Arlindo Ortolani, Heitor Carilo, Glicério Geraldo Canelosso. Realizou exposições individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil como: Salão Paulista de Belas Artes (desde 1958), Salão Municipal de Belas Artes de Belo Horizonte, MG (1960), entre outros, recebendo muitos prêmios. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG.735; MEC VOL.3, PÁG.363; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO; www.brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



373 - SONIA EBLING (1926 - 2006)

Nu - escultura em bronze - 08 x 22 x 13 cm - assinado -

Escultora, pintora e professora, Sonia Ebling de Kermoal nasceu em Taquara, RS e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou sua formação fazendo cursos de pintura e escultura na Escola de Belas Artes do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, entre 1944 e 1951. De 1956 a 1959, viajou por vários países da Europa, estudando com Zadkine, em Paris, França. Residiu nessa cidade, entre 1959 e 1968, e recebeu uma bolsa de estudo da Fundação Calouste Gulbenkian. De volta ao Brasil, executou relevo para o Palácio dos Arcos, em Brasília. Realizou muitas exposições individuais, entre elas: Rio de Janeiro (1959, 1967); Paris, França (1961); Alemanha (1964); Porto Alegre, RS (1967); Brasília, DF (1968); Washington, EUA (1968). Diversas foram as participações em mostras coletivas e oficiais, destacando-se: Salão Nacional de Arte Moderna, RJ (1951- Prêmio Isenção de Júri, 1952, 1953, 1955 – Prêmio Viagem ao Exterior); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1959, 1965, 1967); Salão de Belas Artes do Rio Grande do Sul (1953, 1956 – Prêmio); Salão Baiano de Belas Artes (1954); Salão Paulista de Arte Moderna (1955); 'Salon des Femmes Peintres et Sculpteurs', Museu de Arte Moderna de Paris (1957); Bienal de Arte Triveneta, Pádua – Itália (1957). MEC VOL. 2, PÁG. 89; PONTUAL PÁG. 187; JULIO LOUZADA VOL 3, PÁG. 363; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 720; ARTE NO BRASIL PÁG. 868; RGS PÁG. 454; soniaeblingesculturas.com.br; www.brasilartesenciclopedias.com.br; www.artprice.com.



374 - IRINEIDE KLOCKNER (1961)

Composição - óleo sobre tela - 50 x 70 cm - dorso -

Pintora nascida em Maringá, PR, Iniciou sua carreira artística em 1983. Desde 2000, dedica-se exclusivamente à pintura em tela, tendo durante estes anos aprimorado sua arte em diversas técnicas, através da convivência com artistas de diferentes estilos. Nos últimos anos tem buscado inspiração em grandes nomes do Abstracionismo, como Jackson Pollock e Jonas Gerard, e desenvolveu seu próprio estilo. Em sua arte, expressa a beleza da vida, em todos seus pormenores e complexidades, na união dos traços aparentemente desconexos se criam momentos únicos. Durante sua carreira, participou de exposições ao longo de toda a região Sul, tendo assinado mais de 2000 obras de arte, que hoje embelezam residências e ambientes corporativos em todo o Brasil. http://www.klockner-art.com; www.artprice.com.



375 - PAULO VALLE JÚNIOR (1889 - 1958)

Estudo - desenho a lápis - 28 x 19 cm - canto inferior direito -
No estado.

Assina Valle Jr. Pintor e desenhista nascido em Pirassununga, SP e falecido em São Paulo. Ingressou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo em 1902, onde estudou com Oscar Pereira da Silva até 1906. Nesse ano viajou para Paris, com bolsa de estudo concedida pelo governo do Estado de São Paulo, frequentou a ‘Académie Julian’ - Paris e foi aluno dos pintores Marcel André Baschet, Jean-Paul Laurens e Henri Paul Royer. O Estado de São Paulo lhe concedeu mais uma bolsa de estudo (1913) e foi para a Europa onde ficou até 1915. Teve uma relevante participação no processo de profissionalização dos artistas em São Paulo, na criação da Sociedade Paulista de Belas Artes, em 1924, no debate sobre a criação do Departamento Histórico e Artístico do Estado de São Paulo e na fundação do Sindicato dos Pintores de São Paulo, primeiro do gênero no Brasil. Entre 1937 e 1954, ocupou a presidência do Salão Paulista de Belas Artes e participou da comissão organizadora e do júri de seleção de várias edições do evento. Entre 1948 e 1952, passou nova temporada na ‘Académie Julian’, com apoio de Irene e Freddy Keller, seus parentes, que receberam parte da sua produção do período pelo custeio da viagem. Além de ter participado de várias mostras oficiais, apresentou uma exposição retrospectiva na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, em 1956. TEODORO BRAGA PÁG. 187; REIS JUNIOR PÁG. 373; MEC VOL. 4, PÁG. 441; PONTUAL PÁG. 531; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1019; www.artprice.com.



376 - SYLVIO PINTO (1918 - 1997)

Marinha - óleo sobre tela - 65 x 100 cm - canto inferior direito -

Pintor, Sylvio da Silva Pinto nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Assina S. Pinto. Teve as primeiras noções de desenho no Liceu de Artes e Ofícios, RJ. Mais tarde recebeu lições de seu pai – o Pinto das Tintas. Foi ainda na casa paterna que conheceu Pancetti. Estudou no Núcleo Bernardelli (1938) e se dedicou exclusivamente à pintura a partir de 1940. Fundou e dirigiu no Jacarezinho, bairro carioca, uma escolinha de arte para crianças pobres. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1988, 1992); Brasília, DF (1988,1993); Rio de Janeiro (1989, 1991, 1993, 1994, 1995); Constância, Portugal (1991). Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais como a I Bienal Internacional de São Paulo (1951). Foi premiado no: Rio de Janeiro (1941, 1943, 1945, 1948, 1949, 1952 – Prêmio Viagem ao Exterior, 1957 – Prêmio Viagem Nacional, 1988, 1989); Salvador, BA (1946, 1950); Constância, Portugal (1994); Brasília, DF (1994); Niterói, RJ (1996). MEC, VOL. 3, PÁG. 419, ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 894; VOL. 5, PÁG. 820; VOL. 6, PÁG. 890; VOL. 7, PÁG. 562; VOL. 8, PÁG. 661; VOL. 10, PÁG. 693; ACERVO FIEO; www.academia.org.br; www.artprice.com.



377 - KAICHI SATO (1932)

Cavalos - técnica mista - 26 x 33,5 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Natural de Osaka, Japão. Pintor e desenhista, faz uma arte figurativa moderna, onde resquícios de uma cultura milenar misturam-se à criatividade contemporânea. Concorre em Salões e participa de exposições desde 1979, com sucesso de crítica e de público. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 882



378 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Cenas Judaicas - técnica mista - 63 x 48 cm - não assinado -
No estado.



379 - NOEMIA MOURÃO (1912 - 1992)

Maternidade - técnica mista - 49 x 33,5 cm - canto inferior esquerdo - 1949 -
Com dedicatória. No estado.

Pintora e desenhista. Assina Noemia. Realizou sua primeira individual em 1934, no Rio de Janeiro. Residiu na Europa de 1934 a 1940, frequentando em Paris as academias de la Grande Chaumière e Ranson. Expôs em Montevideu e Buenos Aires. Foi citada por REIS JUNIOR e TEODORO BRAGA. Foi aluna (1932) e mulher (1933) de Di Cavalcanti. MEC vol.3, pág. 265; WALMIR AYALA vol.2, pág.135; PONTUAL, pág. 375; TEIXEIRA LEITE, pág. 356; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 684. Acervo FIEO.



380 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD (1896 - 1962)

"Paisagem mineira" - óleo sobre madeira - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 1958 -
Reproduzido na quarta capa do catálogo deste Leilão. Com Certificado de Autenticidade firmado pelo atual Presidente da Fundação Guignard, Dr. Pierre Santos, datado de 13 de fevereiro de 2014.

Pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador, Alberto da Veiga Guignard nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Em dois períodos, entre 1917 e 1918 e entre 1921 e 1923, frequentou a Real Academia de Belas Artes de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris, onde participou do Salão de Outono. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da Bienal Internacional de São Paulo (1951) e outras. PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; www.pinturabrasileira.com; www.brasilescola.com; web.artprice.com.



381 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Rendeira - litografia - 3/100 - 50 x 35 cm - canto inferior direito - 1980 -
No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



382 - JUAN ANTONIO BENLLIURE Y GIL (1860 - 1930)

Espanhola - aquarela - 14,5 x 9,5 cm - centro inferior -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e professor espanhol nascido em Valencia e falecido em Madri. Veio de uma família de artistas conhecida como "Clã Benlliure". Foi aluno de Francisco Salinas e de seu irmão José, estudou em Roma na Academia Espanhola. Foi professor de artes na Escola Superior de Belas Artes de São Fernando e na Academia de Madri. Participou de Salões oficiais e foi premiado na Exposição Nacional de Madri em 1884, 1887, 1892, 1895, 1901, 1920 e na Exposição de Roma em 1919. BENEZIT; marianobenlliure.org; www.biografiasyvidas.com; www.artprice.com.



383 - ANTONIO POTEIRO (1925 - 2010)

Figura e pássaros - gravura - 6/150 BR - 45 x 56 cm - canto inferior direito -
No estado.

Escultor, pintor e ceramista, Antonio Batista de Souza nasceu em Aldeia de Santa Cristina da Pousa, Braga - Portugal e faleceu em Goiânia, GO. Imigrou com a família para o Brasil em 1926. Fixaram-se em Araguari, no Triângulo Mineiro. Autodidata, herdou do pai a técnica e a sensibilidade iniciando suas atividades como ceramista. Em 1958, já com sua família constituída, passou a viver definitivamente em Goiás. Adotou o apelido de "Poteiro", por sugestão da folclorista Regina Lacerda, que o orientou a assinar seus bonecos de barro. Mais tarde foi estimulado a pintar telas por Siron Franco e Cleber Gouvêa. Lecionou cerâmica no Centro de Atividades do SESC e nas cidades de Hannover e Düsseldorf, na Alemanha. Realizou exposições individuais e participou de muitas mostras coletivas e oficiais pelo Brasil e exterior, como: Bienal Internacional de São Paulo (1981 e 1991); Biennalle Internazionale "NAIF", Cittá di Como, Itália (1976); V Bienalle Internazionale "NAIFS", entre Fiera e Lombardia, Itália (1980); III Bienal de Havana, Cuba (1989); III Bienal de Artes de Goiás (1993) e Bienal Brasileira de Arte "NAIF", SESC Piracicaba (1994). Recebeu o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA, na categoria escultura (1985), Menção Honrosa na I Bienal Internacional de Óbidos – Portugal (1987); Grande Prêmio no XIV Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte, MG (1982); entre outros. Em 1997, foi homenageado com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura, Brasil. WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 217; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 31; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 808; LEONOR AMARANTE, PÁG. 294, MEC VOL. 3, PÁG. 432; ACERVO FIEO; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 925; VOL. 4, PÁG. 907; www.antoniopoteiro.com; artepopularbrasil.blogspot.com.br; www.artprice.com.



384 - RODOLPHO AMOÊDO (1857 - 1941)

Paisagem - desenho a lápis - 07 x 12 cm - canto inferior direito - Paris -

Natural da cidade de Salvador, o artista chegou ao Rio de Janeiro no ano de 1868, ingressando, cinco anos depois, no Liceu de Artes e Ofícios e, em 1874, na Academia Imperial de Belas Artes, onde teria Vitor Meirelles, Agostinho da Mota e João Zeferino da Costa como mestres. Na Escola de Belas Artes de Paris, já estudante bolsista da Academia, aperfeiçoou-se com Cabanel e Puvis de Chavanes. De volta ao Rio de Janeiro, onde viria a falecer, destacou-se no exercício do magistério, como professor honorário e, posteriormente, como diretor da antiga Escola Nacional de Belas Artes. Dono de grande preciosismo técnico, Amoedo aborda com despojamento os mais delicados matizes nos seus temas, geralmente a figura humana. O MNBA possui em seu acervo mais de 300 obras do artista TEIXEIRA LEITE, 26/29; PONTUAL, pág. 24; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 411; ARTE NO BRASIL, pág. 566.; JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁGS. 58/59/60; F. ACQUARONE, pág. 101.



385 - ANTONIO BANDEIRA (1922 - 1967)

Composição - técnica mista - 31,5 x 23 cm - canto inferior direito - 1963 -
Com Certificado de Autenticidade nº IAB- 1518 do Instituto Antonio Bandeira.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



386 - TRINAZ FOX (1899 - 1964)

Dom Quixote e Sancho Pança - desenho a nanquim - 26,5 x 32 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor, desenhista e caricaturista. Viveu durante muitos anos na Europa. De volta ao Brasil, colaborou em diversas revistas e jornais cariocas na década de 1920, inclusive como redator, destacando-se: D. Quixote, O Tagarela e O Combate. entre 1930 e 1940 fixou-se na Argentina, publicando trabalhos na imprensa de Buenos Aires e Santa Fé. PONTUAL, pág. 526; MEC vol.2, pág. 188; HISTORIA DA CARICATURA NO BRASIL, pág. 1421;



387 - SERGIO MILLIET (1898 - 1966)

Composição - técnica mista - 47,5 x 40,5 cm - canto superior direito -

Nascido e falecido em São Paulo, Capital. Poeta, ensaísta, crítico literário e de arte, e pintor. Ao lado de suas múltiplas atividades de poeta, crítico e estudioso das artes plásticas, Sergio Milliet também foi assíduo pintor de domingo, especialmente das praias de Santos. Foi diretor artístico do MAM-SP, o qual organizou em 1969, uma exposição de sua pintura, comentada no Jornal do Brasill, de 22/9/1969. PONTUAL, pág. 361; JULIO LOUZADA vol.10, pág. 598; ITAÚ CULTURAL; TEIXEIRA LEITE, pág. 325. Acervo FIEO.



388 - TSUGUHARU FOUJITA (1886 - 1968)

O gato e a formiga - desenho a nanquim - 15 x 22,5 cm - centro direito -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor modernista japonês que se naturalizou francês e se converteu ao catolicismo. Viveu no Rio de Janeiro durante o ano de 1931 e o início de 1932, curto período durante o qual entrou em contato com artistas e poetas modernistas do período, expôs no Palace Hotel no Rio de Janeiro e, em São Paulo, no espaço expositivo à praça Ramos de Azevedo. Coletivas a partir de 1930 em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. ITAÚ CULTURAL.



389 - MARIA LEONTINA (1917 - 1984)

Estandarte - pastel - 40 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintora, gravadora e desenhista. Maria Leontina Mendes Franco da Costa nasceu em São Paulo, SP e faleceu no Rio de Janeiro, RJ. Iniciou estudos de desenho com Antônio Covello, em São Paulo (1938), e na primeira metade da década de 1940 estudou pintura com Waldemar da Costa. Em 1946, no Rio de Janeiro, frequentou o ateliê de Bruno Giorgi e fez curso de museologia no Museu Histórico Nacional, entre 1946 e 1948. Em 1947, participou da exposição ‘19 Pintores’, na Galeria Prestes Maia, em São Paulo, ao lado de Lothar Charoux, Marcelo Grassmann, Aldemir Martins, Luiz Sacilotto e Flavio-Shiró. Em 1951, foi convidada pelo psiquiatra e crítico de arte Osório César para orientar o setor de artes plásticas do Hospital Psiquiátrico do Juqueri. No mesmo ano, organizou uma mostra dos internos no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1952, com bolsa de estudo do governo francês, viajou para a Europa, acompanhada pelo marido, o pintor Milton Dacosta. Em Paris, entre 1952 e 1954, frequentou o ateliê de gravura de Johnny Friedlaender. Na década de 1960, realizou painel de azulejos para o Edifício Copan e vitrais para a Igreja Episcopal Brasileira da Santíssima Trindade, ambos em São Paulo. Realizou exposições individuais e participou de inúmeras mostras, Salões oficiais e Bienais como a Bienal de Veneza (1950, 1952, 1956). Foi premiada no Rio de Janeiro (1944, 1950, 1955, 1957, 1980); em São Paulo (1944; 1947; 1951; 1954; 1958; 1960; 1980; 1955, 1959, 1965 - Bienais Internacionais; 1969, 1970 - Panoramas da Arte Atual Brasileira; 1975 - prêmio pintura da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA); Brasília, DF (1980); Curitiba, PR (1980; Porto Alegre, RS (1980); Nova York (1960 - Fundação Guggenheim). ITAU CULTURAL; MEC, VOL. 2, PÁG. 471; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 309; PONTUAL, PÁG. 338; ARTE NO BRASIL, PÁG. 772; LEONOR AMARANTE, PÁG. 25; WALTER ZANINI, PÁG. 645; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 572.



390 - IBERÊ CAMARGO (1914 - 1994)

"Carretéis e dados" - óleo sobre tela - 56 x 78 cm - canto inferior direito e dorso - 29/09/1982 -
Reproduzido na capa do catálogo e no convite deste Leilão. Com certificado de autenticidade firmado pelo autor, datado Rio, 88.

Pintor, gravador, desenhista, escritor e professor, natural da cidade de Restinga Seca, RS, e falecido em Porto Alegre. Foi aluno de Salvador Parlagreco e João Fahrion. No Rio de Janeiro, a partir de 1942, estudou pouco tempo na Escola Nacional de Belas Artes, trocando-a pelos ensinamentos de Guignard. Fundou com outros artistas o 'Grupo Guignard' (1943). Recebeu o prêmio viagem ao estrangeiro em 1947. Morou dois anos em Paris e Roma, aperfeiçoando-se com De Chirico, Lhote, Achille e Rosa em pintura e com Petrucci, em gravura. Voltou ao Brasil (1950) e tornou-se membro da Comissão Nacional de Artes Plásticas (1952). Fundou o curso de gravura do Instituto Municipal de Belas Artes do Rio de Janeiro (1953), hoje Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Executou painel de 49 metros quadrados (1966) oferecido pelo Brasil à Organização Mundial de Saúde (OMS), em Genebra. Realizou inúmeras exposições individuais e participou de mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e exterior como Bienal Internacional de São Paulo, Bienal de Arte Hispano-Americana em Madri, Bienal de Veneza, Bienal de Gravuras em Tóquio, entre outras exposições importantes. Foi considerado o Melhor Pintor Nacional na VI Bienal de São Paulo (1961) e conquistou inúmeros prêmios. Entre suas publicações, constam o artigo 'Tratado sobre Gravura em Metal' (1964), o livro técnico 'A Gravura' (1992) e o livro de contos 'No Andar do Tempo: 9 contos e um esboço autobiográfico' (1988). MEC, VOL.1, PÁG.328; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁG.156; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.51; TEIXEIRA LEITE, PÁG.101; PONTUAL, PÁG.100; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 853; LEONOR AMARANTE, PÁG. 127; www.iberecamargo.org.br; brasilescola.uol.com.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



391 - EDUARDO IGLESIAS (1940)

Paisagem - litografia - 30/100 - 60 x 40 cm - canto inferior direito - 1981 -

Natural de Marilia, SP. Transferiu-se para São Paulo em 1957. Participa de exposições desde 1962. Já apresentou seus trabalhos no Brasil, Estados Unidos e Europa. Seus trabalhos levam o expectador e o analista a uma incursão, nem sempre fácil, através do mundo das ambiguidades visuais ou das imagens oníricas... É assim que várias de suas composições, com figuras ou pássaros, tornam-se fantásticos vasos de flores, ou um navegante, que faz seu barco ir cortando as vagas, com uma árvore florida, 'a feição da vela de uma escuna submete a indagações o suporte de suas telas..." . (Antonio Bento, crítico de arte, 1981). JULIO LOUZADA vol.2, pág. 510; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



392 - LORENZO DELLEANI (1840 - 1908)

Paisagem invernal - óleo sobre madeira - 60 x 84,5 cm - canto inferior direito - 16/05/1906 -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador italiano nascido em Pollone, Piemonte e falecido em Turim. Foi mandado por seus pais para St-Jean-de-Maurienne - França para aprender música, mas desistiu e optou pela pintura. Até seu retorno para a Itália, estudou na Academia Albertina. Expôs pela primeira vez em 1863. BENEZIT; www.artprice.com.



393 - MANOEL SANTIAGO (1897 - 1987)

Cascudas - óleo sobre eucatex - 30 x 19 cm - canto inferior esquerdo e dorso -
No estado.

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



394 - KENNEDY BAHIA (1929 - 2005)

Baiana - desenho a nanquim - 32 x 22 cm - canto superior esquerdo -
No estado.

Pintor e tapeceiro, KENNEDY era natural de Viña del Mar, Chile. Sua obras estão repletas de sentimentos. Os temas principais do artista são a fauna e flora brasileiras, aos quais dedicou seu amor e admiração por toda a sua vida. Era residente e ativo na Bahia, de onde adotou o nome artístico. JULIO LOUZADA, vol.10, pág.85; MEC, vol.2, pág.406; PONTUAL, pág.290



395 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Gato vermelho" - acrílico sobre papel - 29 x 42 cm - canto inferior direito -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



396 - RUBEM VALENTIM (1922 - 1991)

"Emblema Serigráfico" - serigrafia - 43/100 - 29,5 x 22 cm - canto inferior direito - 1988 - Brasília -

Escultor, pintor, gravador, professor nascido em Salvador, BA e falecido em São Paulo. Iniciou-se nas artes visuais na década de 1940, como pintor autodidata. Entre 1946 e 1947 participou do movimento de renovação das artes plásticas na Bahia, com Mario Cravo Júnior, Carlos Bastos e outros artistas. Em 1953 formou-se em jornalismo pela Universidade da Bahia e publicou artigos sobre arte. Residiu no Rio de Janeiro entre 1957 e 1963, onde se tornou professor assistente de Carlos Cavalcanti no curso de história da arte do Instituto de Belas Artes. Residiu em Roma entre 1963 e 1966, com o prêmio viagem ao exterior, obtido no Salão Nacional de Arte Moderna. Em 1966 participou do Festival Mundial de Artes Negras em Dacar, Senegal. Ao retornar ao Brasil, residiu em Brasília e lecionou pintura no Ateliê Livre do Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB. Em 1972, fez um mural de mármore para o edifício-sede da Novacap em Brasília, considerado sua primeira obra pública. Em 1979, Valentim realizou escultura de concreto aparente, instalada na Praça da Sé, em São Paulo, definindo-a como o Marco Sincrético da Cultura Afro-Brasileira e, no mesmo ano e foi designado, por uma comissão de críticos, para executar cinco medalhões de ouro, prata e bronze, para a Casa da Moeda do Brasil. Em 1998 o Museu de Arte Moderna da Bahia inaugurou a Sala Especial Rubem Valentim no Parque de Esculturas. Foi premiado nas Bienais Internacionais de São Paulo de 1967 e 1973, entre outros. PONTUAL, PÁG.532; WALMIR AYALA, VOL.2, PÁGS.395; TEIXEIRA LEITE, PÁG.517; MEC, VOL.4, PÁG.443; JULIO LOUZADA, VOL.11, PÁG.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 682; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 257, ACERVO FIEO; web.artprice.com.



397 - MESTRE GALDINO (1929 - 1996)

Figura - escultura em terracota - 30 x 15 x 14 cm - assinado -

Manuel Galdino de Freitas nasceu na cidade pernambucana de São Caetano, próximo ao Alto do Moura onde faleceu. Em 1940, mudou-se para Caruaru, PE, onde passou a trabalhar em olaria, fazendo telhas e tijolos. Tornou-se funcionário municipal trabalhando na construção civil. Nas horas vagas, distraía-se modelando figuras de barro, entre elas a de Judas, para as brincadeiras de malhação da Semana Santa. Sua trajetória como artista teve início a partir de 1974, quando foi destacado pela prefeitura para executar serviços no Alto do Moura, onde fez amigos que o introduziram na arte de "bonecos", principal atividade local. Apaixonou-se de tal maneira pela modelagem em cerâmica, que se despediu do trabalho público e mudou-se com a família para o Alto do Moura. Tentou vários negócios alternativos, ao mesmo tempo em que se dedicou febrilmente à produção de novos bonecos. Suas criações formaram um repertório de obras delirantes e originais, consagrando os monstros autofágicos e outros personagens de forte conteúdo onírico, como Lampião-Sereia e São Francisco Cangaceiro. O Museu do Barro de Caruaru e o Memorial Mestre Galdino, criado em 1996, são alguns dos museus onde se pode admirar sua obra. ITAU CULTURAL; www.popular.art.br; artepopularbrasil.blogspot.com.br.



398 - TILMA SÁ (XX)

Vista de Salvador - óleo sobre tela - 78 x 98,5 cm - canto inferior direito -

Pintora primitiva baiana com diversas participações em mostras coletivas.



399 - ROMERO BRITTO (1963)

Composição - off set - 264/300 - 49 x 69 cm - canto inferior direito -

Romero Francisco da Silva Britto nasceu em Recife, PE. Pintor e gravador autodidata. Começou seu interesse pelas artes na infância, quando usava sucatas, papelões e jornais para exercitar a sua criatividade. Iniciou o curso de Direito na Universidade Católica de Pernambuco, mas depois viajou para os Estados Unidos e lá se estabeleceu. Criou três obras de arte para a ‘Absolut Vodka’ (1988), reproduzidas em mais de 60 publicações internacionais e, em 1995, seu trabalho foi estampado em 1,5 bilhões de latinhas de refrigerante Pepsi. Foi contratado para inserir os astros da Disney no contexto de sua arte pop em 1997. Entre as realizações, merecem destaque: a criação dos selos postais que levam o nome de Esportes para a paz, sobre as olimpíadas de Pequim - China; uma pirâmide que esteve instalada no Hide Park, em Londres, que deverá ser encaminhada para o museu da criança, na cidade do Cairo, Egito. Suas pinturas estão presentes em aeroportos pelo mundo como os de São Paulo, Washington DC, Nova York e Miami. Vale citar outros locais onde se pode ver e apreciar as suas obras: Montreux Jazz Raffles le Montreux Palace Hotel e Azul Basel Children’s Hospital, ambos na Suíça, e o Sheba Sheba Medical Center, Tel Aviv, em Israel. Realizou exposições Individuais a partir de 1991 e participou de mostras coletivas em São Paulo (1998, 2003, 2004); Rio de Janeiro (2003); Brasília (2012); Paris (2008, 2010). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 12, PÁG. 65; www.britto.com; www.e-biografias.net; www.artprice.com.



400 - BRUNO GIORGI (1905 - 1993)

Nu - escultura em bronze - 31 x 12 x 10 cm - assinado -
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro, RJ. No estado.

Escultor, desenhista e pintor paulista nascido em Mococa, SP e falecido no Rio de Janeiro. Mudou-se com a família para Itália, e fixou-se em Roma (1913). Iniciou estudos de desenho e escultura com o professor Loss (1920). Participou de movimentos antifascistas e foi preso (1931) por motivos políticos. Foi extraditado para o Brasil (1935) por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, viajou para Paris e frequentou as academias ‘La Grand Chaumière’ e ‘Ranson’, onde estudou com Aristide Maillol e conviveu com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, retornou a São Paulo e junto com Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Sérgio Milliet, entre outros, participou do Movimento Modernista; foi um dos membros da Família Artística Paulista e do Grupo Santa Helena. Em 1943, transferiu-se para o Rio de Janeiro. A convite do ministro Gustavo Capanema instalou ateliê no antigo Hospício da Praia Vermelha, onde orientou jovens artistas como Francisco Stockinger. Possui obras em espaços públicos como ‘Monumento à Juventude Brasileira’ (1947), nos jardins do antigo Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema - RJ; ‘Candangos’ (1960), na Praça dos Três Poderes, e ‘Meteoro’ (1967), no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; ‘Integração’ (1989), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Participou das Bienais de Veneza (1950, 1952); participou das I, II, IV e IX Bienais de São Paulo, período em que recebeu o prêmio de melhor escultor brasileiro (1953) e sala especial (1967). MEC, VOL.2, PÁG. 250; PONTUAL, PÁG. 237; MAYER/84, PÁG. 1333; BENEZIT VOL. 5, PÁG. 14; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 587; ARTE NO BRASIL, PÁG. 715; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 422; www.artprice.com; www.pinturabrasileira.com; www.dec.ufcg.edu.br; www.monumentos.art.br.



401 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Figura - litografia - 21/60 - 40 x 31 cm - canto inferior direito - 1998 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



402 - WILHELM STEINHAUSEN (1846 - 1924)

Pastora - óleo sobre tela - 73 x 101 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador, Wilhelm August Theodor Steinhausen nasceu em Sorau (atual Zary, Polônia) e faleceu em Frankfurt, Alemanha. Estudou na Academia de Berlim e na Escola de Arte Karlsruhe. Após ter viajado pela Itália, viveu sucessivamente em Munique, Berlim e Frankfurt. Participou de mostras coletivas e Salões oficiais e, em Paris, na Exposição Universal recebeu Menção Honrosa (1900). BENEZIT; www.artprice.com.



403 - MARTÍN CHAMBI (1891 - 1973)

Paisagem - fotografia - 52 x 69 cm - dorso -
No estado. (Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Fotógrafo peruano de origem indígena nascido em Puno, uma das regiões mais pobres do Peru. O pai mudou-se com a família para a província de Carabaya onde foi trabalhar numa mina de ouro. Perto dali, na mina de Santo Domingo, aprendeu os rudimentos da fotografia, decidindo assumi-la como ofício. Foi para Arequipa (1908). Depois de trabalhar como aprendiz de Max T. Vargas durante nove anos, montou o próprio estúdio em Sicuani. Seus primeiros cartões-postais foram publicados nesse mesmo ano, 1917. Em 1923, abriu em Cuzco um novo estúdio, fotografando tanto os compatriotas indígenas quanto as figuras importantes da sociedade. A partir daí, fez frequentes viagens pelos Andes, onde capturou imagens impressionantes de ruínas incas, bem como a cor local das paisagens desoladas e seus habitantes. Expôs em diversas mostras coletivas em Lima e Arequipa, no Peru; em La Paz, Bolívia (1925); em Santiago do Chile (1936). Foi repórter fotográfico para o jornal peruano "La Crónica" e para as revistas "Variedades" e "Mundial"; para o "La Nación" de Buenos Aires (1918 a 1930). Sua obra foi, também, publicada na revista norte americana "National Geographic" em fevereiro de 1938. http://martinchambi.org; https://ims.com.br/titular-colecao/martin-chambi/; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



404 - YUJI TAMAKI (1916 - 1979)

Fachada - técnica mista - 22,5 x 31,5 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Nascido em Fukui, Japão, é um dos mais significativos pintores nipo-brasileiros. Foi também professor. Chegou ao Brasil em 1932. Junto com Takaoka, vai para o Rio de Janeiro, onde estudou com Bruno Lechowsky, congregando o Núcleo Bernardelli. Em São Paulo integra o Seibi-kai, participando do III SPBA e do SNBA em 1937 e 1938, conquistando medalhas de bronze e ouro, respectivamente. Integrou o Grupo do Jacaré e do Guanabara (II, III). Sua obra é marcada pelo mancha cromática, essencialidade do desenho, avizinhando-se do que seria posteriormente a abstração. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 820; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL



405 - ALDO BONADEI (1906 - 1974)

Casario - óleo sobre cartão colado em eucatex - 45 x 32 cm - canto inferior direito - 1972 -
Ex coleção Sr. Antonio Osmar Alves de Oliveira ,São Paulo - SP.

Pintor, designer, gravador, figurinista e professor - Aldo Cláudio Felipe Bonadei nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Entre 1923 e 1928 foi aluno de Pedro Alexandrino, período em que também frequentou o ateliê de Antonio Rocco. Viajou para a Itália, entre 1930 e 1931, e frequentou a Academia de Belas Artes de Florença, onde teve aulas com Felice Carena e seu assistente Ennio Pozzi, ambos ligados ao movimento ‘novecento’. Nesse período, dedicou-se ao desenho da figura humana, principalmente ao nu. Retornou a São Paulo no início da década de 1930 e participou ativamente do Grupo Santa Helena, da Família Artística Paulista - FAP e do Sindicato dos Artistas Plásticos. Em 1949 lecionou na Escola Livre de Artes Plásticas, primeira escola de arte moderna de São Paulo e participou do Grupo Teatro de Vanguarda. No ano seguinte, fundou a Oficina de Arte - O. D. A., com Odetto Guersoni e Bassano Vaccarini. No fim da década de 1950 atuou como figurinista nas peças ‘Vestido de Noiva’, de Nelson Rodrigues, e ‘Casamento Suspeitoso’, de Ariano Suassuna. Também desenhou alguns figurinos para dois filmes dirigidos por Walter Hugo Khoury: ‘Fronteiras do Inferno’ (1958) e ‘Na Garganta do Diabo’(1959). Realizou muitas exposições individuais e participou de vários Salões oficiais destacando-se: Bienal Internacional de São Paulo (1ª, 2ª, 3ª, 6ª, 7ª); Bienal de Veneza (1952); Panorama da Arte Moderna Brasileira (1970). MEC, VOL. 1, PÁG. 247; PONTUAL, PÁGS. 78/79; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 258; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; LEONOR AMARANTE, PÁG. 72; ACERVO FIEO.



406 - MANABU MABE (1924 - 1997)

Composição - serigrafia - 9/150 - 49 x 71 cm - canto inferior direito - 1996 -

Pintor, desenhista, gravador e ilustrador nascido no Japão e falecido em São Paulo. Assina Mabe. De Kobe, Japão, emigrou com a família para o Brasil (1934) para dedicar-se ao trabalho na lavoura de café no interior de São Paulo. Interessado em pintura, começou a pesquisar, como autodidata, em revistas japonesas e livros sobre arte. No fim da década de 1940, em São Paulo, conheceu o pintor Tomoo Handa e Yoshiya Takaoka. Integrou-se ao Grupo Seibi, Grupo 15, Grupo Guanabara. Mudou-se para São Paulo (1957) para dedicar-se exclusivamente à pintura. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras coletivas e oficiais no Brasil e exterior. Entre muitos prêmios recebidos, destacam-se: 1953 - Prêmio aquisição no Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro; 1957 - Pequena Medalha de Ouro no VI Salão Paulista de Arte Moderna, SP; 1958 - Grande Medalha de Ouro no VII Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo; 1959 - Prêmio Governador do Estado no VIII Salão Paulista de Arte Moderna, SP; Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, SP; Melhor Pintor Nacional na 5ª Bienal Internacional de São Paulo; Prêmio Braun e Prêmio Bolsa de Estudos na I Bienal de Paris, França; Prêmio aquisição no ‘Dallas Museum of Fine Arts’, Dallas, Estados Unidos; 1960 - Prêmio Fiat na 30ª Bienal de Veneza, Itália; 1962 - Primeiro Prêmio na I Bienal Americana de Arte de Córdoba, Espanha. ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1050; EIXEIRA LEITE, PÁG. 296; PONTUAL, PÁG. 325; MEC, VOL. 3, PÁG. 13; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 644; LEONOR AMARANTE, PÁG. 83, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 561; ACERVO FIEO; www.mabe.com.br; www.pinturabrasileira.com; www.museumanabumabe.com.br; www.escritoriodearte.com; www.brasilescola.com; www.artprice.com.



407 - LIA MITTARAKIS (1934 - 1998)

"Fruta - pão" - óleo sobre eucatex - 71 x 53 cm - canto inferior esquerdo - 1989 - Ilha de Paquetá -

Pintora e professora primária, nasceu e faleceu no Rio de Janeiro RJ. Autodidata em pintura, lecionou a sua técnica na Escolinha de Arte, na Ilha de Paquetá. Anatole Jakovsky inclui a artista em seu livro Les Proverbes Vus par les Peintres Naifs. Entre as mostras de que participa, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro; Naifs del Brasile, Naifs di Haiti, no Festival Mundial de Spoleto, Itália; Artistas Brasileiros, Bratislava (Tchecoslováquia), 1969; Encontro Carioca de Pintura Ingênua, Rio de Janeiro, 1977; Naifs em Coletiva, na Villa Riso Tradição - Arte Cultura (Sala Especial) Rio de Janeiro, 1997. Expôs individualmente na sua cidade natal, em 1970 e 1972, participando de coletivas no Rio de Janeiro, Italia, Estados Unidos, Tchecoslováquia e Cidade do México. "(...) Para Lia Mittaraquis, a vida é uma festa, cujo cenário é formado pelas praças de Paquetá, a águas cheias de embarcações embandeiradas, com o Pão de Açúcar e um Rio de Janeiro ao fundo - num conjunto paradisíaco. Lia conservou uma imagem pura e ideal da sua ilha e da megalópole que a domina. Ela conseguiu integrar, em perspectiva vertical e simultânea, a idéia de que o mundo só existe como festa domingueira, sem os dias excepcionais de um carnaval carioca; ou o mundo místico ou festivo dos ritos afro-brasileiros. " Walmir Ayala, in AYALA, Walmir. O Brasil por seus artistas = Brazil through its artists. trad. Tradução de John Stephen Morris, Ida Cecília Raiche de Araújo e Zuleika Santos Andrade. Rio de Janeiro: Nórdica; São Paulo: Círculo do Livro, s.d. ITAU CULTURAL



408 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

Paisagem - óleo sobre cartão - 34 x 41 cm - canto inferior direito -
No estado.



409 - JOSÉ MARIA DE SOUZA (1935 - 1987)

"Canavial" - óleo sobre tela - 38 x 46 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1974 -
No estado.

Baiano de Valença, Bahia. Diplomou-se na Escola de Belas Artes da Bahia, onde teve como prof. Mario Cravo em gravura e Juarez Paraíso, em desenho. Realizou várias individuais no Rio de Janeiro, cidade onde se fixou por algum tempo, retornando para a Bahia. Sua figuração é pessoal e o limite profundo de sua obra está povoado de algo cuja definição se coloca entre o humilde e o grotesco. Realizou individuais a partir de 1960 (entre elas: Galeria Bonino, RJ-1965 e 1967); e coletivas (SNAM-RJ 1959, 1962 e 1963, entre outras). JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 498; ITAÚ CULTURAL.



410 - ALFRED VERWEE (1838 - 1895)

Cavalos na praia - óleo sobre tela - 36 x 60 cm - canto inferior esquerdo -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista e gravador, Alfred Jacques Verwee nasceu em St-Joost-ten-Node e faleceu em Bruxelas. Iniciou-se com seu pai - o pintor Louis Pierre Verwee, trabalhou com Verboeckhoven e estudou com F.K. Deweirdt (1853-1858). Viveu em Londres (1867-1868), viajou pela Itália e Países Baixos. No seu retorno à Bélgica fundou e dirigiu uma associação de pintores em Knokke. Em Bruxelas ajudou a fundar a Sociedade de Belas Artes (1868). Sempre ia a Paris e conviveu com Diaz, Théodore Rousseau, Manet, Barye e Troyon. A partir de 1857 participou dos Salões de Bruxelas com Medalha de Ouro em 1863; dos Salões de Paris com medalhas em 1864 e 1878; da Exposição Universal de Paris com Medalha de Ouro em 1889. Recebeu a comenda do Cavaleiro da Legião de Honra (1881), Cavaleiro da Ordem de Leopoldo (1871), Oficial (1881) e Comandante (1894). BENEZIT; art-now-and-then.blogspot.com.br; www.artprice.com.



411 - MILTON DACOSTA (1915 - 1988)

Vênus - serigrafia - 11/30 - 22 x 30 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura (1929) com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli, entre outros, criou o Núcleo Bernardelli (1931). Viajou para Estados Unidos (1945), com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na "Art's Students League". Foi para a Europa (1946) e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na "Académie de La Grande Chaumière". Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e frequentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no "Salon d'Automne", Paris e regressou ao Brasil (1947). Casou-se com a pintora Maria Leontina (1949) e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais, entre as quais, a "Homenagem a Milton Dacosta" na Galeria da Praça, RJ, com curadoria de Luiz Carlos Moreira (1973). Participou de inúmeros Salões e mostras coletivas, como: Bienal de Veneza (1950); Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1955, 1957, 1979); Panorama de Arte Brasileira, MAM – SP (1971). Foi premiado, também, nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 302; VOL. 3, PÁG. 310; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO; www.artprice.com.



412 - JOSÉ DE DOME (1921 - 1982)

Paisagem - pastel - 27,5 x 47 cm - canto inferior direito - Cabo Frio -
No estado.

Pintor e desenhista, José Antonio dos Santos nasceu em Estância, SE. Assina José de Dome. Autodidata, residiu por vinte e dois anos em Salvador - BA onde recebeu orientações de Jenner Augusto, Mário Cravo, Carlos Bastos, Carybé, Mirabeau e, no Rio de Janeiro, firmou-se como pintor (década de 60). Pouco depois se instalou em Cabo Frio, RJ. Realizou exposições individuais em: Salvador, BA (1955, 1956, 1958, 1964); Rio de Janeiro (1961, 1964 a 1968, 1972); Lima, Peru (1966); São Paulo (1969); Londres (1971). Participou também de muitas mostras coletivas e oficiais. MEC VOL. 2, PÁG. 60; PONTUAL, pág. 183; JULIO LOUZADA, VOL. 1; PÁG. 339; ITAU CULTURAL; www.artprice.com.



413 - EMILIANO DI CAVALCANTI (1897 - 1976)

Mulata - desenho a lápis - 21 x 13,5 cm - canto inferior esquerdo -
No estado.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG 82; MEC, VOL 2, PÁGS 53 E 54; PONTUAL, PÁGS 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL 1, PÁGS 256 E 257; ART SALES, VOL 1, PÁG 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG 446; LEONOR AMARANTE, PÁG 12, ACERVO FIEO; artprice.com.



414 - IVAN FREITAS (1931)

Composição - técnica mista - 31 x 50 cm - canto inferior direito -
No estado.

Pintor e muralista, nasceu em João Pessoa-PB. Realiza sua primeira mostra individual na Biblioteca Pública, em 1957. Reside em Paris (1962 e 1963), com bolsa de estudos da Maison de France, e, de 1969 a 1972, em Nova Iorque, Estados Unidos, comissionado pela International Telephone and Telegraph Corporation. De volta ao Brasil, pinta mural de mais de 1000 metros quadrados na parede externa da Escola Nacional de Música, no Rio de Janeiro, em 1984 - o primeiro do Projeto Arte nos Muros. Participa de diversas coletivas, tais como: SNAM-RJ (1959/1961); Bienal Internacional de São Paulo (1961/1975), dentre tantas outras. JULIO LOUZADA vol.11, pág.117; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 764; LEONOR AMARANTE, pág. 239.



415 - ARNALDO FERRARI (1906 - 1974)

Figura - guache - 45 x 54 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista e professor, Arnaldo Ferrari nasceu e faleceu em São Paulo SP. Seguindo a profissão do pai, trabalhou como pintor decorador, realizando frisos decorativos para residências. Estudou artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, entre 1925 e 1935. Em 1934, dividiu um ateliê com amigos no edifício Santa Helena e, pela amizade com o pintor Mario Zanini, aproximou-se dos demais integrantes do Grupo Santa Helena. Frequentou também o curso livre de pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes, entre 1936 e 1938, onde teve aulas de desenho e pintura com Enrico Vio. Entre 1950 e 1959, integrou o Grupo Guanabara, com Thomaz Ianelli, Tomie Ohtake, Tikashi Fukushima e Oswald de Andrade Filho, entre outros. Realizou diversas exposições individuais, participou de várias mostras e Salões oficiais e foi premiado em São Paulo (1958, 1959, 1961, 1963, 1966) e em Santo André (1971). Participou da 7ª à 11ª Bienal Internacional de São Paulo (1963, 1965, 1967, 1969, 1971). Foi apresentada retrospectiva de sua obra em 1975, no Paço das Artes, SP e catálogo com textos de Theon Spanudis, José Geraldo Vieira e Mário Schenberg, entre outros. ITAÚ CULTURAL; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 304; MEC, VOL. 2, PÁG. 149; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 191; PONTUAL, PÁG. 207; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 378; WALTER ZANINI, PÁG.678, ACERVO FIEO.



416 - EDISON DE SOUZA (XX)

Paisagem - aquarela - 35 x 25 cm - canto inferior direito - 1985 -
No estado.

Segundo o crítico e historiador de arte, ex diretor do MAC, Wolfgang Pfeiffer: " ... Edison, artista experimentado e mestre no uso das tintas, liberou a expressividade das suas pinturas. A beleza das tonalidades e das transparências estão realmente presentes de maneira convincente. Delas resulta a luminosidade colorística do nosso pintor." Coletivas a partir de 1962, no país e no exterior (Chile e Portugal), com diversas premiações (Medalhas de Ouro e Prata - Chile; Medalhas de Bronze - Salvador-BA e São Paulo-SP; Medalha de Prata - Lisboa-Portugal).



417 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Trabalhador - escultura em terracota - 34 x 14 x 12 cm - assinado - Goiana - PE -
Luiz Carlos. No estado.



418 - DIONISIO DEL SANTO (1925 - 1999)

Pastor - guache - 21 x 18 cm - canto inferior direito - 1983 -

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



419 - BELMONTE (1897 - 1947)

Rosto - aquarela - 34 x 20 cm - canto inferior esquerdo -

Benedito Bastos Barreto - caricaturista, desenhista, pintor, ilustrador, escritor, jornalista e historiador - nasceu e faleceu em São Paulo. Iniciou sua carreira em 1912 publicando suas primeiras caricaturas na revista paulista ‘Rio Branco’ e paralelamente colaborou na revista carioca ‘D. Quixote’. Durante seus primeiros anos de trabalho publicou em diferentes periódicos paulistas e, em 1921, empregou-se na recém-inaugurada ‘Folha da Noite’, substituindo Voltolino. Nesse periódico passou a utilizar o pseudônimo Belmonte como assinatura de seus desenhos e em 1925 criou o personagem Juca Pato. Durante a Revolução Constitucionalista de 1932 criou o logotipo para os bônus de guerra que no período das batalhas substituíram como dinheiro a moeda oficial. No ano de 1936, começou a publicar no jornal ‘Folha da Manhã’ diversas charges de Juca Pato tendo como temática a crítica ao nazismo. Produzidas até o ano de 1946, elas acabaram se configurando numa grande série sobre a Segunda Guerra Mundial. Essas charges foram reunidas e publicadas em 1982 com o título de ‘Caricatura dos Tempos’. Autor de diversos livros de caricatura e história publicou, entre outros, os seguintes títulos: ‘Assim Falou Juca Pato’ (1933), ’ No Tempo dos Bandeirantes’ (1939) e ‘O Brasil de Ontem’ (1940), com desenhos inspirados nos trabalhos de Rugendas. TEODORO BRAGA, PÁG. 49 E 50; PONTUAL, PÁG. 67; MEC, VOL. 1, PÁG. 213; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 69; JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG. 109; CARICATURISTAS BRASILEIROS, DE PEDRO CORRÊA DO LAGO, PÁG. 100; ARTE NO BRASIL, PÁG. 392; WALTER ZANINI, PÁG. 806; ACERVO FIEO; www.artprice.com; www.saopauloantiga.com.br.



420 - YUJI TAMAKI (1916 - 1979)

"Igreja com muro" - óleo sobre tela - 75 x 90 cm - canto inferior esquerdo -
Com etiqueta da Galeria de Arte Ipanema, Rua Farme de Amoedo, 56 - Rio de Janeiro - R.J, no dorso.

Nascido em Fukui, Japão, é um dos mais significativos pintores nipo-brasileiros. Foi também professor. Chegou ao Brasil em 1932. Junto com Takaoka, vai para o Rio de Janeiro, onde estudou com Bruno Lechowsky, congregando o Núcleo Bernardelli. Em São Paulo integra o Seibi-kai, participando do III SPBA e do SNBA em 1937 e 1938, conquistando medalhas de bronze e ouro, respectivamente. Integrou o Grupo do Jacaré e do Guanabara (II, III). Sua obra é marcada pelo mancha cromática, essencialidade do desenho, avizinhando-se do que seria posteriormente a abstração. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 820; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL



421 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Flores - xilogravura - 65/75 - 15 x 14 cm - canto inferior direito -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



422 - RENINA KATZ (1925)

Plantas - aquarela - 16 x 10,5 cm - canto inferior direito -

Gravadora, desenhista, ilustradora e professora, Renina Katz Pedreira nasceu no Rio de Janeiro. Assina Renina e Renina Katz. Cursou a Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1947 a 1950) e teve como professores, entre outros, Henrique Cavalleiro e Quirino Campofiorito. Licenciou-se em desenho pela Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Iniciou-se em xilogravura com Axl Leskoschek, em 1946. Incentivada por Poty, ingressou no curso de gravura em metal, oferecido por Carlos Oswald no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Mudou-se para São Paulo em 1951, e lecionou gravura no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e, posteriormente, na Fundação Armando Álvares Penteado, até a década de 1960. Em 1956, publicou o primeiro álbum de gravuras, intitulado ‘Favela’. A partir dessa data, foi docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo por 28 anos. Realizou muitas exposições individuais pelo Brasil, EUA, Chile, Paraguai, Portugal, Itália, Holanda e participou, entre as diversas mostras e Salões oficiais, das: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1959, 1961, 1963, 1985, 1989); Bienal de Veneza, Itália (1956, 1986); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1974, 1977, 1980, 1984). Foi premiada no Rio de Janeiro (1951, 1952) e em São Paulo (1955, 1984). MEC VOL.2, PÁG.403; PONTUAL, PÁG. 288; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.441; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG.15; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 606; ARTE NO BRASIL; www.artprice.com; www.catalogodasartes.com.br; www.editora.unicamp.br; www.laboratoriodasartes.com.br; artenaescola.org.br.



423 - COLETTE PUJOL (1913 - 1999)

Flores - guache - 25 x 35,5 cm - canto inferior direito -
Paspatur no estado.

Esta premiadíssima pintora e professora paulistana, recebeu as suas primeiras aulas de desenho e pintura de Antonio Rocco e de Lucília Fraga, ainda na capital paulista. Residindo em Salvador, freqüentou a Escola de Belas Artes, onde foi aluna de Presciliano Silva (1942 a 1944); a partir de 1946 até 1949, estudou na Europa. Possui obras em museus brasileiros. PONTUAL, pág. 440; MEC, vol. 3, pág. 438; TEODORO BRAGA, pág. 73; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



424 - TOMÁS SANTA ROSA (1909 - 1956)

Composição - guache - 21,5 x 10 cm - canto superior esquerdo -
Com carimbo da coleção Benedito Lacorte Peretto - São Paulo, no dorso.

Pintor, gravador, cenógrafo e professor autodidata, Tomás Santa Rosa Júnior nasceu em João Pessoa, PB e falecido em Nova Délhi, Índia. Fixou-se no Rio de Janeiro (1932), começou a trabalhar como auxiliar de Portinari e iniciou também sua carreira de ilustrador que se estenderia por longa série de obras de escritores brasileiros e estrangeiros, que incluiu, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves, Dostoievski. É considerado o primeiro cenógrafo moderno brasileiro. Entre as exposições das quais participou destacam-se: o Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1941 - Medalha de Prata); Um Século de Pintura Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (1952); II Bienal Internacional de São Paulo (1953); Salão Preto e Branco do III Salão Nacional de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1954); 'Arts Primitifs et Modernes Brésiliennes', no Museu de Etnografia de Neuchâtel, Suíça (1955). Após sua morte, suas obras foram expostas nas seguintes mostras: Exposição de Artes Gráficas de Tomás Santa Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1958); Retrospectiva no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (1975); Santa Rosa, Carnaval e Figurinos na Fundação Nacional de Arte (Funarte) de São Paulo (1985); e Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo (1994). PONTUAL, PÁG. 472; MEC VOL. 4, PÁG. 177; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 572; LEONOR AMARANTE; www.funarte.gov.br; cpdoc.fgv.br; www.artprice.com.



425 - ZECHETTO (1927)

"Palhaço" - óleo sobre tela - 50 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 1986 - São Paulo -

José Lino ZECHETTO nasceu em Birigui, SP, em 2 de janeiro de 1927. Sobre este sensível pintor, assim escreveu Theodoro Meireles, em artigo publicado n'O Estado de São Paulo, edição de 18/5/1980: " Observação, pensamento, trabalho marcam a sua carreira, transparecem na sua pintura que vem de longo tempo crescendo aparentemente tranquila, escondendo às vezes, o quanto de inquietação artística, de observação constantee apaixonada e até mesmo sofrida, se concentra em apenas uma tela." O autor expõe coletivamente desde 1966, com diversas premiações, constando em coleções particulares do Brasil e do Exterior. MEC, vol 4, pág. 531; JULIO LOUZADA vol.10, pág. 960, Acervo FIEO.



426 - QUIRINO DA SILVA (1902 - 1981)

Nu - técnica mista - 33,5 x 20 cm - canto inferior esquerdo -
Com estudo no dorso.

Nasceu no Rio de Janeiro e faleceu em São Paulo. Pintor, gravador, escultor e crítico de arte. É considerado como uma das mais legítimas expressões nas artes plásticas do Brasil. Muito dinâmico e dotado de espírito inquieto, fez de São Paulo o campo de suas aspirações, onde participou de vários movimentos artísticos locais, tendo sido o crítico de arte responsável do Diário de São Paulo e dos Diários Associados. Foi então que, por sua iniciativa e insistência junto a Assis Chateaubriand, foi criado o MASP. Integrou-se no movimento que já vinha da Semana de 22. JULIO LOUZADA vol.9, pág. 708; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 545; ARTE NO BRASIL, pág. 795.



427 - SEVERINA BATISTA (1933)

Árvores floridas - escultura em terracota - 27 x 10 x 10 cada cm - assinado -

Ceramista, Severina Francisca Ramos nasceu em Tracunhaém, PE. Filha de mãe louceira a quem ajudava pegando barro e lenha e prosseguiu na mesma atividade ao casar-se com um homem que se dedicava à olaria. Manteve-se por muito tempo como auxiliar e, somente aos quarenta anos, arriscou-se a produzir as próprias figuras. Trabalha o barro natural elaborando peças de 30 a 40 cm de altura. Cria santos, bichos e figuras zooantropomorfas, dividindo a finalização com o marido, que se encarrega do acabamento na base e também de deixar as peças ocas e leves. www.museucasadopontal.com.br/pt-br/severina-batista.



428 - RACHEL VAZ DE ARRUDA (1926)

Garrafas - óleo sobre tela - 39 x 49 cm - canto inferior esquerdo - 2003 - São Paulo -

Pintora e professora que nasceu em São Paulo. Assina Rachel. Em 1942 iniciou seus estudos artísticos no ateliê de Waldemar da Costa. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1953, 1963, 1965, 1970, 1971, 1979); Penápolis, SP (1959, 1966); Santos (1969); Bruxelas, Bélgica (1975); Toronto, Canadá (1976). Participou da I Bienal Internacional de São Paulo e de muitas mostras oficiais onde foi premiada em: Campinas, SP (1966); São Paulo (1966, 1967). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 1, PÁG. 145; PONTUAL PÁG.41; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 803.



429 - PABLO PICASSO (1881 - 1973)

A paz - off set - 64 x 48 cm - não assinado - 25/07/1961 -
(Obra de artista estrangeiro vendida como "atribuída")

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



430 - ROBERTO BURLE MARX (1909 - 1994)

Composição - técnica mista - 75 x 105 cm - canto inferior esquerdo -
Ex coleção Sr. Antonio Osmar Alves de Oliveira ,São Paulo - SP.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com. ACERVO FIEO.



431 - OCTÁVIO ARAÚJO (1926 - 2015)

"Danaé" - litografia - 11/100 - 50 x 65 cm - canto inferior direito - 1972 -
Obra reproduzida no catálogo da exposição "Octávio Araújo 20 anos depois" realizada no Museu de Arte de São Paulo "Assis Chateaubriand" - MASP - em outubro de 1972. No estado.

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e artista gráfico, Octávio Ferreira de Araújo nasceu em Terra Roxa, SP e faleceu em São Paulo. Estudou pintura na Escola Profissional Masculina do Brás, SP com Edmundo Migliaccio e José Barchitta (1939 e 1943). Integrou o Grupo dos 19 (1947). Dois anos depois, viajou para Paris onde estudou gravura na "École National Supérieure des Beaux-Arts" e frequentou o Gabinete de Estampas do Museu do Louvre. Retornou ao Brasil (1951) e, no ano seguinte, passou a residir no Rio de Janeiro. Indicado pelo pintor Clóvis Graciano, trabalhou como auxiliar de Candido Portinari. Com o prêmio de gravura do Salão Para Todos, realizado no Rio de Janeiro (1959), viajou para a China. Recebeu uma bolsa de estudos (1960) do Instituto Répin, em Leningrado, atual São Petersburgo, patrocinada pelo Ministério da Cultura da União Soviética (atual Rússia). Frequentou o Instituto Poligráfico em Moscou (1961). Permaneceu nessa cidade por oito anos, e trabalhou como ilustrador de livros latino-americanos, tradutor e dublador de documentários. Foi realizada a mostra "Octávio Araújo: 20 Anos Depois" (1972) no MASP, SP, e foi publicado o livro "Octávio Ferreira de Araújo: 10 Anos de Pintura" (1979) de José Roberto Teixeira Leite. Participou do Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM – SP (1971, 1974); da Bienal Nacional, SP (1974); entre outras exposições no Brasil e no exterior.TEIXEIRA LEITE PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 71; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL PÁG. 803; WALTER ZANINI PÁG. 645; ACERVO FIEO; www.pinturabrasileira.com; www.artprice.com.



432 - SAMSON FLEXOR (1907 - 1971)

Composição - aquarela - 12 x 15,5 cm - canto inferior direito - 1960 -
Com carimbo da coleção Benedito Lacorte Peretto - São Paulo, no dorso.

Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



433 - PEDRO CORRÊA (1920 - 1990)

Figura - técnica mista - 22,5 x 11 cm - canto inferior direito -

Paraibano de Campina Grande, foi artisticamente orientado pelo pintor Augusto Rodrigues, no Rio de Janeiro. Fixou residência em São Paulo, onde é ativo, inclusive através de uma escola de arte que mantém na cidade. Participou regularmente do SPBA, tendo também realizado várias individuais. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 271 e 272, Acervo FIEO.



434 - JONAS MATOS (1984)

Na estrada - óleo sobre tela - 19 x 29 cm - canto inferior direito -

Pintor autodidata nascido em Tucuruí, Pará. Atualmente reside em Guarulhos, SP dedicando seu tempo integral à pintura. https://www.artmajeur.com/pt/gallery/celio-kennedy/portfolio/jonas-matos/291925; https://betomelodia.blogspot.com.br/2017/03/carlos-miranda-betomelodia-brasil-jonas-matos-pintores-paisagismo-impressionismo-artes-plasticas-brasileiras-brazilian-painters-artists-art-brazil.html.



435 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

"Pintor" - desenho a lápis - 09 x 14 cm - canto inferior direito - 1982 -
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. No estado.

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.



436 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX

"Coração cósmico" - acrílico sobre eucatex - 39 x 54 cm - canto inferior direito e dorso - 1989 -
Gilberto Jones.



437 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA (1930 - 1999)

Marilyn - serigrafia - 6/25/100 - 41 x 41 cm - canto inferior direito - 1969/1974 -

Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico e professor natural do Recife, PE; faleceu em Campinas, SP. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Trabalhou no campo de comunicação visual sendo um dos responsáveis pela renovação da Arte-Cartaz Paulista (1951). Em 1953 passou a fazer parte do Grupo Ruptura, a convite de Waldemar Cordeiro. Participou de várias edições do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957); das Bienais de 1955 a 1967; da Exposição Nacional de Arte Concreta; da mostra Panorama da Arte Atual Brasileira; da mostra Tendências Construtivas e de outras exposições em: Buenos Aires, Rosário, Santiago, Lima, Roma, Londres, Paris (Salão de Outono) e Zurique (exposição de Arte Concreta –'Konkrete Kunst', organizada por Max Bill). Recebeu o convite (1954) para representar o Brasil na 27ª Bienal de Veneza, no entanto, recusou se apresentar por terem negado a participação de outros membros do Grupo Ruptura. Em São Paulo pintou murais no Largo São Bento, no Edifício Estação Ciência, nas estações São Bento e Santana do Metrô, na Praça Roosevelt, na fachada do MAC/USP e fez uma pintura lateral no Elevado Costa e Silva (popularmente conhecido como Minhocão). Em 1958, foi responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realizou as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. MEC VOL. 2, PÁG. 481; PONTUAL PÁG. 314; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG. 678; www.pinturabrasileira.com; www.mac.usp.br; www.pinacoteca.org.br; www.artprice.com.



438 - ARTE POPULAR BRASILEIRA (XX)

Pescador - entalhe em madeira - 56 x 24 x 03 cm - não assinado -



439 - ALFREDO VOLPI (1896 - 1988)

Bandeirinhas - serigrafia - 3/100 - 68 x 34,5 cm - canto inferior direito -

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



440 - ALDEMIR MARTINS (1922 - 2006)

Gato - serigrafia - 49/75 - 41 x 29 cm - centro inferior - 1970 -

Desenhista, pintor, gravador e ilustrador - nasceu em Ingazeiras, CE e faleceu em São Paulo. Em 1941, participou da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte. Três anos depois, a instituição passou a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas - SCAP. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Realizou muitas individuais e participou de várias mostras e Salões oficiais pelo Brasil e exterior. Recebeu o prêmio de melhor desenhista na 3ª Bienal Internacional de São Paulo (1955), na Bienal de Veneza (1956), prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna – RJ (1959), permanecendo por dois anos na Itália e em muitos outros certames. MEC, VOL. 3, PÁG. 78, PONTUAL, PÁGS. 342/343; ARTE NO BRASIL, VOL 2, PÁG. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; LEONOR AMARANTE, PÁG. 18; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 591; VOL. 4, PÁG. 693; ACERVO FIEO; artprice.com.