LEILÃO DE ABRIL DE 2013

23, 24 E 25 DE ABRIL DE 2013



001 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Galo - litografia - 138/150 - 54 x 43 cm - canto inferior direito - .

Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



002 - ALOYZIO ZALUAR - (1937)
-

"A última camada de ozônio" - óleo sobre tela - - 50 x 80 cm - centro esquerdo e dorso - 2011 - Rio.

Natural da cidade do Rio de Janeiro. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1956. Participou de diversos SNAM entre 1958 e 1967, recebendo a Certificado de Isenção em 1966. Expõe individualmente a partir de 1964. TEIXEIRA LEITE chamou atenção, em 1964, para a influência de Goeldi nos seus trabalhos que, mais tarde, abordaram a temática do carnaval carioca, levando o artista e poeta José Paulo Moreira da Fonseca a situá-lo na fronteira entre o desenho e a pintura. ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 349; MEC, vol. 4, pág. 528; PONTUAL, pág. 556; ACERVO FIEO, pág. 785. Acervo FIEO. -



003 - BERNARDINO DE SOUZA PEREIRA - (1895 - 1985)
-

"Itanhaem" - óleo sobre tela - - 48 x 66 cm - canto inferior direito e dorso - 1949.

Pintor. Ativo em São Paulo. Foi discípulo de Antonio Rocco. Participou do SNBA, RJ, obtendo menção honrosa (1923), medalha de prata (1930); do SPBA, São Paulo, conquistando a grande medalha de ouro em 1934. De sua autoria o Museu Paulista possui a tela "Primeira Experiência com Balão de Bartolomeu de Gusmão". TEODORO BRAGA, pág. 53; MEC, vol. 3, pág. 367; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



004 - ELISE MARIE ELINGER TOROK - (1925)
-

Favela - óleo sobre madeira - - 80 x 48 cm - canto inferior direito - .

Pintora e desenhista com diversas participações em mostras e Salões oficiais como a IX Bienal Internacional de São Paulo, em 1967. MEC VOL. 4, PÁG. 406.



005 - HOLMES NEVES - (1925 - 2008)
-

"Ouro Preto" - óleo sobre eucatex - - 32 x 22 cm - canto inferior esquerdo - 1964.

Natural de Lima Duarte, MG. Pintor, desenhista e gravador. Fixou residência no Rio de Janeiro, após estudos com Guignard, Misabel Pedrosa e Edite Behring em Belo Horizonte. Sobre a sua obra, transcrevemos texto de Henrique Pongetti, na apresentação do artista no catálogo de sua mostra HOLMES Neves: pinturas, na Galeria de Arte e Pesquisa da UFES, 1978: ". . . Eu gosto muito da pintura de Holmes, dos seus quadros de Ouro Preto, motivo insistente e fascinante na sua obra. Se o tema e certa sutileza de feitura nos lembra o Mestre, há hoje na sua arte uma autonomia indiscutível, as marcas de uma inconfundível personalidade. Suas cidades mortas não surgem envoltas na melancolia acinzentada que parecia refletir nas paisagens a alma infantil e ao mesmo tempo infeliz de Guignard. Sobre a pátina do tempo suas casas e igrejas, transfiguradas pela luz montanhesa, recebem cores festivas, reconquistam a mocidade, revivem. " TEIXEIRA LEITE, pág. 352; JULIO LOUZADA, vol.10, pág. 425; ITAÚ CULTURAL; PONTUAL, pág. 383; Acervo FIEO.



006 - JOSINALDO FERREIRA BARBOSA - (1951)
-

Os ribeirinhos - acrílico sobre tela - - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2011.

Pintor, assina Josinaldo. Com diversas exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior. Tambem participou de Salões, entre eles o Salão de Piracicaba. JÚLIO LOUZADA vol. 12 pág. 214.



007 - MENASE WAIDERGORN - (1927)
-

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - - 12 x 24 cm - canto inferior direito - .

Romeno da cidade de Hotin, Waidergorn veio para o Brasil em 1932, onde seus pais fixaram residência em São Paulo. Ingressou na APBA, onde conheceu Mecatti, que muito o estimulou e orientou, dele assimilando a luminosidade da pintura peninsular muito a gosto do ottocento italiano. Sua pintura aborda todos os gêneros, baseadas tanto nas recordações da infância pobre como nas lembranças das viagens que fez ao norte da Africa e Europa. Participou de diversos salões e coletivas, recebendo diversas premiações JULIO LOUZADA vol.11, pág. 330; Acervo FIEO.



008 - OCTÁVIO ARAÚJO - (1926)
-

Figuras - xilogravura - - 27 x 14 cm - canto inferior direito - .

Este importante artista brasileiro nasceu em Terra Roxa, SP. Em São Paulo foi aluno de Edmundo Migliaccio e José Barchitta, e teve por colegas, dentre outros, Luiz Sacilotto e Marcelo Grassmann, ao lado de quem, no Rio de Janeiro, com 20 anos de idade, expôs pela primeira vêz. Em 1947 integrou o Grupo dos 19. Trabalhou para Portinari em Paris, na confecção do grande mural Pescadores, com quem aprendeu a disciplina e a consciência profissional. Expôs em viagens que fêz pela China, na então União Soviética e nos Estados Unidos. Na sua obra é destaque a figura da mulher, em leitura ora fantástica, ora mágica, mas sempre perturbadora. TEIXEIRA LEITE, pág. 34; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 71; ARTE NO BRASIL, pág. 803; WALTER ZANINI, pág. 645; Acervo FIEO.



009 - BELLÁ PAES LEME - (1910 - XX)
-

"Cabo Frio" - óleo sobre tela - - 46 x 65 cm - dorso - 1944.

Pintora, cenógrafa, figurinista nascida no Rio de Janeiro. Estudou na antiga Escola Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro. Foi discípula de Pedro Correia de Araújo, no Rio de Janeiro e de André Lhote, em Mirmand, França. Participou da Bienal de Artes Plásticas do Teatro, SP (1957, 1959 - premiada nas duas edições); da I Bienal Internacional de São Paulo; da exposição ‘Brazilian-American Cultural Institute’, Washington - EUA. Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro (1944, 1973, 1978, 1985, 1999); Washington, EUA (1971). Entre 1941 a 1975 tornou-se uma das cenógrafas e figurinistas mais conhecidas e premiadas do Brasil. ITAU CULTURAL; MEC VOL. 2, PÁG. 469.



010 - ARMANDO BALLONI - (1901 - 1975)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 73 x 60 cm - canto inferior esquerdo - XLVII.

Italiano, o pintor foi ativo em São Paulo, onde participou do Salão Paulista de Belas Artes a partir de 1933. Foi premiado com medalha de bronze, do Salão de Arte Moderna (1954), e em outros Salões oficiais. Participou da I e II Bienal de São Paulo.Membro e expositor da Familia Artistica Paulista. MEC, vol. 1, pág.159; JULIO LOUZADA vol.10, pág. 87; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582, Acervo FIEO.



011 - BORJALO - (1925 - 2004)
-

Da produção ao consumo - desenho a nanquim - - 30 x 41 cm - canto inferior esquerdo - .

Caricaturista, Mauro Borja Lopes nasceu em Pitangui, MG. Em 1947 começou a trabalhar, na Folha de Minas, com caricaturas esportivas; a seguir , no Diário de Minas, com caricaturas políticas; no Rio de Janeiro, a partir de 1953, nas revistas: O Cruzeiro, A Cigarra e Manchete. Figurou também nas publicações estrangeiras: Washington Post, Sport Life, Stag, Picture Post, Sport et Vie, Sétimo Giorno, Aptonbladet e Combate. Participou do álbum Seis Desenhistas Brasileiros de Humor (1962) e foi premiado no Festival de Bordighere. Exposições coletivas: em 1997: São Paulo, Belo Horizonte e Campinas; em 1998: Brasília e Penápolis, SP. ITAÚ CULTURAL; MEC VOL.1, PÁG. 252.



012 - HEINZ KUHN - (1908 - 1987)
-

Composição - óleo e colagem sobre madeira, sobre tela - - 60 x 44 cm - dorso - 1979.

Nasceu em Berlim, Alemanha, e faleceu em São Paulo-SP. Inicia seus estudos em sua terra natal, expondo obras na Alemanha e na França. No Brasil em 1950, fixa-se em São Paulo. Nesse período sua pintura é figurativa, voltando-se aos poucos, para a abstração geométrica. Theon Spanudis considerava o autor como "um dos pintores mais conscientes, inquietos e produtivos de São Paulo (1964)". A partir dos anos 60 sua pintura se move no âmbito da abstração informal, com eventuais referências ao mundo real. Obra de sua autoria faz parte da Coleção Adolpho Leirner, participando do livro Arte Construtiva no Brasil, de Aracy Amaral (pág. 193) MEC, vol. 2 pág. 430; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 688.



013 - HANS GRUDZINSKI - (1921 - 1986)
-

"Luz verde de todos" - gravura - 6/40 - 60 x 41 cm - canto inferior direito - .

Nascido em Novi Vrbas, Iugoslávia, e falecido em Mauá-SP, este grande pintor, desenhista, gravador e arquiteto viveu para a arte. Ainda na Europa em guerra, expôs nos corredores do hospital em que convalecia na Alemanha. Emigrou para o Brasil em 1947. Trabalhou por 20 anos na Fábrica de Porcelanas Mauá, criando a primeira porcelana fina do país. Gravador por excelência, Grudzinski deixa uma obra rica, cheia de vida, de sentimentos, sonho e mistério do desconhecido.O MAC-USP e outros museus nacionais possuem obras suas em acervo. JULIO LOUZADA, vol.9 pág. 388; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 707.



014 - MANOEL PACHECO - (XX - XX)
-

Fundo de quintal - óleo sobre cartão - - 15 x 18 cm - canto inferior esquerdo - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor e desenhista com diversas participações em exposições coletivas e salões oficiais. JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 248



015 - B.J. TOBIAS - (1894 - 1976)
-

Casebre - aquarela - - 23 x 30 cm - canto inferior direito - .
No estado. -
Participou do Salão Paulista de Belas Artes, tendo obtido os prêmios: Prefeitura de São Paulo, Valentim Amaral e I. Dinis, respectivamente em 1934, 1935, 1958, 1961 e 1962. MEC, vol.4, pág.404; THEODORO BRAGA, pág.230; JULIO LOUZADA, vol.4, pág.1098.



016 - TRINAZ FOX (RUBENS FERREIRA TRINAZ FOX) - (1899 - 1964)
-

Na floresta - desenho a nanquim e ecoline - - 33 x 47 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor, desenhista e caricaturista. Viveu durante muitos anos na Europa. De volta ao Brasil, colaborou em diversas revistas e jornais cariocas na década de 1920, inclusive como redator, destacando-se: D. Quixote, O Tagarela e O Combate. entre 1930 e 1940 fixou-se na Argentina, publicando trabalhos na imprensa de Buenos Aires e Santa Fé. PONTUAL, pág. 526; MEC vol.2, pág. 188; HISTORIA DA CARICATURA NO BRASIL, pág. 1421;



017 - AURÉLIO D'ALINCOURT - (1919 - 1990)
-

Vaidosa - óleo sobre eucatex - - 55 x 46 cm - canto superior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador e professor. Começa a pintar em 1942, sob a orientação de Oswaldo Teixeira e Carlos Chambelland. Cursou a Académie de la Grande Chaumière, Paris, 1952. Atuou como membro da Academia Brasileira de Belas Artes-RJ, em 1956 e faz ilustrações para a revista O Cruzeiro, entre 1957 e 1960. Lecionou pintura no Instituto de Belas Artes. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 234; MEC, vol. 2, pág. 13; PONTUAL, pág. 157; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 82; ITAUCULTURAL.



018 - ROSA SHIROMA BERSANI - (1942)
-

"Um vaso de sacrifício" - técnica mista - - 80 x 100 cm - centro inferior - 2009.

Pintora nascida em Miracatu, SP. Iniciou seu aprendizado artístico em 1961 quando se mudou para São Paulo, estudando pintura com Colette Pujol e Arnaldo Ferrari e escultura com Caciporé Torres. Realizou uma exposição individual em São Paulo (1970) e tem participado de inúmeras mostras e Salões oficiais em: Salvador, BA (1966); Campinas, SP (1966, 1968, 1969); São Paulo (1962, 1966, 1968, 1969 – Bienal, 2004, 2005, 2009); São Caetano do Sul, SP (1967); Itaquera, SP (1969); Dubai, Emirados Árabes (2008); Rio de Janeiro (2008, 2009, 2010); Nova York, EUA (2009, 2010); Alemanha (2009); Quênia (2010); Paris (2010). Prêmios: São Paulo (1966, 2005); São Caetano do Sul, SP (1967); Itaquera, SP (1969); Campinas,SP (1969). MEC VOL.4, PÁG.242; PONTUAL PÁG.489.



019 - ALVARUS COTRIM - (1904 - 1985)
-

Escultor Humberto Cozzo em seu ateliê - desenho a nanquim - - 26 x 19 cm - canto superior direito - 1947.

Álvarus Cotrim , dito Álvarus é um dos dos grandes mestres da caricatura no Brasil. TEODORO BRAGA, pág. 32; MEC, vol. 1, pág. 70.



020 - INNOCÊNCIO BORGHESE - (1897 - 1985)
-

Paisagem - óleo sobre eucatex - - 17 x 24 cm - canto inferior direito - Guarulhos.

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



021 - ACÁCIO FERRAZ GOUVEA - (1885 - 1963)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 26 x 16 cm - canto inferior esquerdo - .
Com pintura de paisagem no dorso. Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor nascido em Portugal e falecido em São Paulo. Participou da Exposição Geral de Belas Artes, no Rio de Janeiro, em 1916 e do Salão Paulista de Belas Artes, em São Paulo, de 1937 a 1954 onde conquistou prêmios em: 1938, 1939, 1947,1953, 1956. ITAU CULTURAL; MEC VOL. 2, PÁG. 279; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 462; VOL. 10, PÁG. 395.



022 - CLÓVIS GRACIANO - (1907 - 1988)
-

São Cristóvão - serigrafia - - 24 x 14 cm - canto inferior esquerdo - .
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ. -
Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



023 - ANGELO DE AQUINO - (1945 - 2007)
-

"O pensamento abstrato - parte 4" - técnica mista - - 43 x 60 cm - canto inferior direito - 1976.

Mineiro de Belo Horizonte, onde nasceu a 2 de agôsto de 1945. Pintor e gravador, assina ÂNGELO DE AQUINO. Seu trabalho tem um bom conceito em Paris, onde encontra mais incentivo e facilidade do que no Brasil. Em muitos de seus quadros aparece a figura do cão Rex, uma de suas criações. Expõe individualmente desde 1969. Coletivamente, desde 1965, inclusive com diversas e respeitadas criticas no exterior. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 19; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 743, Acervo FIEO.



024 - BERTONI FILHO - (1892 - 1959)
-

Marinha - óleo sobre tela - - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor paisagista, filho de Angelo Bertoni, e irmão de J. Bertoni. Como seu pai, fixou temas do Rio de Janeiro, de grande valor iconográfico. JULIO LOUZADA, vol. 1, pag. 120; ACERVO FIEO, pág. 329.



025 - HENRIQUE GOLDSHMIDT - (1865 - 1952)
-

Pensativa - aquarela - - 14 x 8 cm - canto inferior direito - .

Pintor e desenhista nascido (24/2) e falecido no Rio de Janeiro-RJ. Especializou-se nas pequenas e delicadas aquarelas, privilegiando as localidades cariocas. Foi chamado de "...talentoso pintor miniaturista e fantasista" pelo jornal O Paíz do Rio de Janeiro. TEODORO BRAGA, pág. 109; LAUDELINO FREIRE, pág. 389; JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 442.



026 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX -
-

Paisagem - óleo sobre tela colada em eucatex - - 40 x 23 cm - não assinado - .



027 - ANGELO CANNONE - (1899 - 1992)
-

"Venezia" - óleo sobre eucatex - - 33 x 40 cm - canto inferior esquerdo - .
Com autenticação do autor no dorso. -
Nascido na Itália, radicou-se no Brasil. Seu estilo liga-se ao dos Macchiajoli oitocentistas (os equivalentes italianos dos impressionistas franceses) e ao de Pratella em especial. São especialmente notáveis suas paisagens e marinhas. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 168; JULIO LOUZADA vol.11, pág.54; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



028 - HEITOR DE PINHO - (1897 - 1968)
-

Porto - aquarela - - 30 x 40 cm - canto inferior direito - .

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde estudou na antiga Escola Nacional de Belas Artes. Foi discípulo de Rodolfo Chambelland, Batista da Costa, Lucílio de Albuquerque e Modesto Brocos. Participa de Salões Oficiais a partir de 1924, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.247; MEC. Vol.3, pág.400; WALMIR AYALA. Vol.2, pág.194; TEIXEIRA LEITE, pág.408; PONTUAL, pág.426.



029 - ALFREDO VOLPI - (1896 - 1988)
-

Santa - serigrafia - P. I. 3/22 - 60 x 41 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



030 - RENZO GORI - (1911 - 1999)
-

"Na Kasbah de Tanger" - óleo sobre tela - - 50 x 40 cm - canto inferior direito - .

Pintor de estilo, participou de diversos Salões Nacionais, com premiações; muito apreciado por colecionadores de cenas árabes. TEODORO BRAGA, pág. 110; MEC, vol. 2, pág. 278; JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 390; Acervo FIEO.



031 - CARYBÉ - (1911 - 1997)
-

"Criadores de pássaros" - serigrafia - 106/250 - 65 x 46 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista, Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1944, foi a Salvador, e se interessou pela religiosidade e cultura locais. No Rio de Janeiro, auxiliou na montagem do jornal Diário Carioca em 1946 e trabalhou no jornal Tribuna da Imprensa, entre 1949 e 1950. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Das muitas mostras oficiais que participou, destacam-se: Bienais Internacionais de São Paulo em 1951, 1953, 1955 - 1º Prêmio de Desenho, 1971 - Sala Especial e 1977 - Sala Especial; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP (1969). PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO.



032 - JOSÉ SABÓIA - (1949)
-

Trabalhadores - acrílico sobre tela - - 30 x 40 cm - canto inferior direito - .

Nascido em Almadina (BA). Indo para o Rio de Janeiro em 1967, começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na Feira Hippie de Ipanema. Sua primeira individual deu-se em Fortaleza em 1970; a partir de então, tem exposto com freqüência no Rio de Janeiro e em São Paulo. A pintura de Sabóia partiu de uma raiz eminentemente popular, tendo atingido depois um rebuscamento que se traduz no caprichoso desenho de linhas recurvas, na pincelada lisa, impessoal, no colorido reduzido a três ou quatro tons básicos e na composição, dotada daquele inconfundível horror vacui dos ingênuos. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



033 - FERNANDO COELHO - (1939)
-

Favela - óleo sobre tela - - 61 x 86 cm - canto inferior direito - vestígios.

Pintor baiano nascido em Salvador. Inicialmente publicitário de sucesso, dedica-se integralmente à pintura a partir de 1963. Além de exposições individuais nas Galerias Querino (Salvador), Astréia (SP), e Bonino (RJ), expôs na Alemanha e participou dos SNAM e BNAP. Produz pintura que, fixando paisagens urbanos, se situa entre o figurativismo e o abstracionismo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 209/210; MEC, vol. 1,pág. 441; PONTUAL, pág. 139; TEIXEIRA LEITE, pág. 126; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74.; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



034 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Conversa - monotipia sobre xilogravura - - 33 x 29 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



035 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Bordel - serigrafia - P. A. - 50 x 64 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



036 - HERMELINDO FIAMINGHI - (1920 - 2004)
-

Composição - litografia off set - 98/170 - 70 x 60 cm - centro inferior - 1974.

Nasceu em São Paulo, a 22 de outubro de 1920. Pintor e artista gráfico. Dedicou-se regularmente à pintura a partir de 1950, com seu mestre Volpi. Foi um dos pioneiros do concretismo, com o qual rompeu anos mais tarde, para fazer uma pintura mais solta, através de seu diálogo com a cor e da interação com a luz em contato com a natureza. Expõs individualmente a partir de 1961 e coletivamente desde 1955, sempre com premiações. JULIO LOUZADA, vol. 4 pág. 401; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 928; LEONOR AMARANTE, pág. 75.



037 - ANTONIO ROCCO - (1880 - 1944)
-

Moça - óleo sobre tela - - 42 x 32 cm - canto inferior esquerdo - 1943.

Pintor italiano, natural de Amalfi. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Nápoles. No Brasil, fixou-se em São Paulo. Participou do SNBA e no SPBA de 1933, recebendo importantes premiações. A PINACOTECA - SP possui obras de sua autoria. TEODORO BRAGA; JULIO LOUZADA, vol 13 pág. 286; ITAÚ CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



038 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Figura - desenho a nanquim - - 31 x 22 cm - canto inferior esquerdo - década de 1940.

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



039 - HARRY ELSAS - (1925 - 1994)
-

Profeta - óleo sobre tela - - 70 x 50 cm - canto superior direito - LXXX.

Nascido na Alemanha e radicado no Brasil desde 1936, Elsas desenvolveu suas aptidões artísticas com Lasar Segall, que muito o incentivou a ingressar na carreira das artes. Permaneceu no Nordeste brasileiro por oito anos, retratando com maestria e singularidade paisagens e aspectos da vida local, sempre com influência renascentista, com cor e desenhos fortíssimos. Participou de coletivas no Brasil e no exterior a partir de 1962, com excelente repercussão. JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 99. MEC, vol, 2, pág, 111; TEIXEIRA LEITE, pág 176; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



040 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "GUIDA AI MUSEI E ALLA CITTA' DEL VATICANO". GESTIONE VENDITA PUBBLICAZIONI MUSEI VATICANI. CITTA' DEL VATICANO, 1993. 2) "NOVÍSSIMA ARTE BRASILEIRA - UM GUIA DE TENDÊNCIAS". KATIA CANTON. SÃO PAULO: ILUMINURAS, 2001. 3) "SHATTERED DREAMS: SONHOS DESPEDAÇADOS - BEATRIZ MILHAZES / ROSÂNGELA RENNÓ". CATÁLOGO. ALFONS HUG (CURADOR); TRADUÇÃO ROSILÉIA PISARRO CARNELÓS... ET AL. SÃO PAULO: FUNDAÇÃO BIENAL, 2003. 4) "DANIEL SENISE". CATÁLOGO. SÃO PAULO: GALERIA BRITO CIMINO, 2001. 5) "JOSÉ RESENDE". PATRÍCIA CORRÊA. SÃO PAULO: COSAC & NAIFY, 2004. 6) "CARLITO CARVALHOSA". LORENZO MAMMÌ (ORG.). SÃO PAULO: COSAC & NAIFY, 2000.



041 - ANTONIO BANDEIRA - (1922 - 1967)
-

Composição - desenho a nanquim e aquarela - - 19 x 30 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



042 - ROBERTO MARIANO DÓTOLI - (1953 - 1988)
-

Nu - aquarela - - 32 x 23 cm - canto inferior esquerdo - 1982.

Pintor nascido em Ipiguá, SP. Começou sua carreira artística em 1982. Expôs individualmente na Galeria Jacques Ardies - SP em 1987. Participou de várias mostras coletivas em: São Paulo (1986); Paris, França (1986); Rabat, Marrocos (1987). JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 340; ginagallery.com; naiveartonline.com.



043 - GASTÃO FORMENTI - (1894 - 1974)
-

"Rochedos - Avenida Niemeyer" - óleo sobre madeira - - 27 x 35 cm - canto inferior direito e dorso - 1944 - Rio de Janeiro.

Pintor nascido em Guaratinguetá-SP. Após iniciar-se em arte com Pedro Strina, em São Paulo, foi residir no Rio de Janeiro, onde, com seu pai, dedicou-se à execução de vitrais. Recebeu medalhas de bronze e de prata no SNBA, do qual ainda participava em 1961. TEODORO BRAGA, pág. 98; WALMIR AYALA vol.1, pág.317; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



044 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

"Ponte no Bingen" - gravura - 28/100 - 21 x 30 cm - canto inferior direito - .
Reproduzido na página 89 do livro "Carlos Oswald" editado pelo Museu Nacional de Belas Artes. -
Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



045 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Meteoro - múltiplo em bronze - 166/200 - h = 16 cm - assinado - .

Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



046 - ELEONORA ELISABETH KRUG MALFATTI - (XIX - XX)
-

"Paisagem" - desenho a carvão - - 25 x 36 cm - centro inferior e dorso - .
Com etiqueta n° 9121 de Florestano - Leiloeiro Oficial - Av. Rebouças, 3551, São Paulo - SP. -
Pintora natural de Fresne, EUA, residia e era ativa em São Paulo. Premiada na Exposição Nacional-RJ de 1908. Participou da I Exposição Brasileira de Belas Artes-SP (1911-1912). Foi aluna de De Servi e Norfini. Era mãe de Anita Malfatti. MEC- vol 3 pág 45



047 - MASSAO OKINAKA - (1913 - 2000)
-

Igreja - desenho a nanquim e aguada - - 46 x 33 cm - canto superior direito - 1959 - Ouro Preto.

Pintor e grande mestre do sumi-ê, Massao Okinaka era natural de Kyoto, Japão, onde iniciou os seus estudos artísticos. Imigrante, fixou residência em Lins-SP (1932). Em 1947 ingressa no Seibi-kai, e dois anos após, no Grupo do Jacaré e, a partir de 1993, no Grupo Guanabara. Congrega inúmeras exposições coletivas, com premiações. A paisagem predomina suas telas, apresentando uma marca distintiva, expressando o cotidiano urbano, com requintes técnicos, pleno domínio do desenho e inquietação. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 620; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



048 - JOSÉ PAULO MOREIRA DA FONSECA - (1922 - 2004)
-

"Velhas casas" - óleo sobre tela - - 16 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1966 - Rio de Janeiro.

Carioca, advogado, filósofo, poeta e pintor. José Paulo dedicou-se à pintura desde 1950. Fez uso abundante da espátula, lançando luz e cor nos seus temas preferidos: fachadas, portas, janelas, marinhas e paisagens. MEC, vol. 2, pág. 183; WALMIR AYALA vol. 1, pág. 423 a 427; TEIXEIRA LEITE, pág. 268; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



049 - EDUARDO SUED - (1925)
-

Composição - serigrafia - 16/100 - 47 x 65 cm - canto inferior direito - 2009.

Natural da cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde reside e é ativo. Pintor, desenhista, ilustrador e gravador. Formou-se na Escola Nacional de Engenharia do Rio de Janeiro em 1948. Foi aluno de desenho e pintura do pintor Henrique Boese. Trabalhou como desenhista no escritório do arquiteto Oscar Niemeyer (1950-1951). Freqüenta os ateliês de La Grande Chaumière e L'Académies Julian em Paris (1951), retornando ao Rio de Janeiro em 1953, onde estuda gravura em metal com Iberê Camargo. Diversas exposições coletivas e individuais. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 975/976; ARTE NO BRASIL, pág. 814; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



050 - ABELARDO ZALUAR - (1924 - 1987)
-

Composição - óleo sobre eucatex - - 61 x 72 cm - canto inferior direito e dorso - .
Reproduzido sob o número 132 de catálogo de leilão das Galerias em São Paulo, realizado em 30 de setembro de 2009. -
Desenhista, pintor e professor. Frequentou a antiga ENBA, de 1944 a 1948. Participou do I ao XII e do XV SNAM (entre 1952 e 1966/ prêmio de viagem ao estrangeiro em 1963.). Realizou exposições individuais no MNBA (1947) e na Galeria Ambiente (São Paulo, 1960), Museu de Arte de Belo Horizonte (1960), Instituto de Belas Artes de Porto Alegre (1961), Petite Galerie-GB (1962). Sua obra experimentou uma simplificação de traços de tendência geometrizante, levando Frederico Morais a comentar a seu respeito em 1969; "Não se pensem que Zaluar, por ser um partidário da ordem, afaste deliberadamente o imprevisto, a contribuição do acaso, o vôo poético (...) seus últimos trabalhos fazem lembrar, na monumentalidade silenciosa da forma despojada, o mundo futuro do espaço cósmico, das estruturas moventes, das plataformas que se acoplam ou se dividem numa metamorfose constante". Encontra-se representado no acervo do MNBA, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e Museu de Arte de Belo Horizonte. WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 449/50; MEC, vol. 4, pág. 527; PONTUAL, pág. 556; TEIXEIRA LEITE, pág. 546; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934; LEONOR AMARANTE, pág. 218.



051 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Vaso de flores - aquarela - - 26 x 18 cm - canto inferior direito - 21/10/1990.
Com dedicatória e certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



052 - GEORGES WAMBACH - (1901 - 1965)
-

Catedral - desenho a nanquim e aquarela - - 25 x 15 cm - canto inferior direito - 1956.
Com dedicatória. -
Belga de nascimento, veio a falecer no Rio de Janeiro. Excepcional aquarelista, que retratou o Brasil em suas inúmeras incursões. "Georges Wambach (1901-1965) talvez tenha sido um dos últimos exemplares de uma espécie em extinção, ou já extinta, quem sabe: a dos artistas viajantes de que o século XIX foi pródigo. Artistas com cavalete, paleta, tintas e pincéis na mochila, que vararam o mundo em busca do fantástico, do erótico, e, sobretudo, do excitante desconhecido, aventura que até custou a vida de alguns como Adrien Taunay, que viu a morte aos 25 anos em pleno Mato Grosso." Fernando Cerqueira Lemos, in AQUARELAS de Georges Wambach: impressões do Brasil. Ed. Marca d´Água-SP, 1988. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 343; TEIXEIRA LEITE, pág. 540; ITAÚ CULTURAL.



053 - OMAR PELEGATTA - (1925 - 2000)
-

Parati - óleo sobre eucatex - - 18 x 23 cm - canto inferior direito - .

Italiano da Lombardia, PELLEGATTA foi pintor e gravador dedicado a temas sacros e casarios coloniais. Em sua obra, o ser humano é apresentado sempre de modo idealizado, na figura de ternas madonas, santos, coroinhas e cavaleiros. Participou de diversas coletivas e salões, a partir de 1957, recebendo premiações em sua maioria. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.735; MEC vol.3, pág.363; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



054 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Figura e flores - guache - - 34 x 26 cm - canto inferior direito - 1967.
Com etiqueta n° 869B de Renot Galeria de Arte - São Paulo, SP, no dorso. -
Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



055 - TAPETE ORIENTAL, -
-

- - - cm - - .
Ponto de nó, feito a mão, de lã, paquistão kirman, medindo 2,15 x 1,37 = 2,94 m². -



056 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Figuras - desenho a nanquim - - 20 x 15 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



057 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulatas - serigrafia - 169/200 - 60 x 40 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



058 - LEÓN FERRARI - (1920)
-

Composição - litografia - 30 x 50 - 35 x 25 cm - canto inferior direito - 1984.

Gravador e escultor argentino, natural da cidade de Buenos Aires. Começou a fazer escultura em 1954, com diversos materiais e com arame de aço inoxidável. Em 1962, iniciou sua série de desenhos escritos. Em 1964 colaborou com Rafael Albertino no livro de poesias e desenhos "Escritos en el Aire", editado por Vanni Scheiwiller em Milão. Em 1965, abandonou a arte abstrata e participou do movimento cultural que acompanhou a atividade política argentina, colaborando na organização de diversas mostras coletivas. A partir de 1976 fixa residência no Brasil, em São Paulo, onde voltou a esculpir e experimentar outras técnicas, como fotocópias, etc. Desenvolveu uma série de esculturas sonoras que deram origem aos instrumentos lúdicos musicais com os quais deu 4 concertos-performance. JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 403



059 - CLODOMIRO AMAZONAS - (1893 - 1953)
-

Ipê amarelo - óleo sobre madeira - - 23 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1924.

Clodomiro Amazonas Monteiro, nasceu em Taubaté-SP, e faleceu na Capital-SP. Pintor e restaurador, iniciou-se em pintura aos 16 anos, realizando restaurações em telas e afrescos do Convento Santa Clara, em Taubaté. Fixa residência em São Paulo em 1906, quando entra em contato com a obra de Baptista da Costa e tem aulas com o pintor Carlo de Servi. Manteve contato com intelectuais, escritores e artistas como Monteiro Lobato, Menotti del Picchia, Lucílio e Georgina de Albuquerque e também Pedro Alexandrino, entre outros. É um dos fundadores do Salão Paulista de Belas Artes, em 1934. Amazonas foi artista de méritos, cuja pintura, vazada num desenho de grande solidez, e um colorido realista, não deixa de irradiar certa rústica poesia. MEC, vol. 1, pág. 75; TEIXEIRA LEITE, pág. 26; PONTUAL, pág. 24; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 42; TEODORO BRAGA, pág. 72; ITAU CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



060 - FRANCISCO REBOLO GONSALES - (1903 - 1980)
-

Paisagem - óleo sobre eucatex - - 55 x 70 cm - canto inferior direito - .

Grande pintor paulistano, um dos principais membros do Grupo Santa Helena e da Família Artística Paulista, Rebolo é acima de tudo um paisagista de colorido suave e desenho sensível. MEC, vol. 4, pág. 28/29; TEODORO BRAGA, pág. 202/3; PONTUAL, pág. 447/448; REIS JR., pág. 382; TEIXEIRA LEITE, pág. 433/434/435.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; LEONOR AMARANTE, pág. 13; ARTE NO BRASIL; Acervo FIEO.



061 - ARLINDO CASTELLANE DI CARLI - (1910 - 1985)
-

"Casa abandonada" - óleo sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1971 - Pailano - Itália.
Reproduzido no livro "A estilística do axiomismo na pintura de Castellane", de autoria de Geraldo Dutra de Moraes, prancha XLVI e descrito na página 136. -
Pintor e escultor. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, onde foi aluno de José Maria da Silva Neves e de Enrico Vio. Suas primeiras realizações foram na pintura. Mais tarde passou a dedicar-se também à escultura. Sofreu influência do pintor Armando Balloni. Em 1942, estreando no SPBA, recebeu prêmio de menção honrosa, seguindo-se nos anos posteriores, diversas premiações, inclusive de viagem ao estrangeiro. MEC, vol. 1, pág. 355; WALMIR AYALA, vol.1, págs. 183 e 184; ITAÚ CULTURAL.



062 - FELISBERTO RANZINI - (1881 - 1976)
-

Paisagem - aquarela - - 34 x 23 cm - canto inferior direito - .

Arquiteto, desenhista e escritor, Felisberto Ranzini nasceu em Mântua, Itália e faleceu em São Paulo - SP. Sobresaiu-se principalmente na técnica de aquarela, na qual se especializou. Suas composições em óleo são claras e detalhadas, quase que miniaturistas. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 805; MEC vol.4, pág. 26, RUTH TARASANTCHI.



063 - DIONISIO DEL SANTO - (1925 - 1999)
-

Composição - guache - - 38 x 28 cm - canto inferior direito - 1983.

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



064 - TARSILA DO AMARAL - (1886 - 1973)
-

Paisagem - desenho a nanquim - - 10 x 18 cm - canto inferior direito - 1952.

Pintora, escultora e desenhista que nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Assina Tarsila. Na capital paulista, estudou escultura com William Zadig e Mantovani, teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti . Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na Académie Julian e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote , Albert Gleizes e Fernand Léger. No ano seguinte, já no Brasil, com Oswald de Andrade, Olívia Guedes Penteado, Mário de Andrade e outros, acompanhou o poeta Blaise Cendrars, que conheceu em Paris, em viagem às cidades históricas de Minas Gerais. Realizou uma série de trabalhos baseados em esboços feitos durante a viagem. Nesse período, iniciou a chamada fase pau-brasil e, em 1925, ilustrou o livro de poemas ‘Pau-Brasil’, de Oswald de Andrade, publicado em Paris. Em 1928, pintou ‘Abaporu’, tela que inspirou o movimento antropofágico, desencadeado por Oswald de Andrade e Raul Bopp. Tarsila participou da I Bienal de São Paulo em 1951, teve sala especial na VII Bienal de São Paulo e participou da Bienal de Veneza em 1964. A retrospectiva ‘Tarsila: 50 Anos de Pintura’, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR. PÁG. 388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.958; VOL. 4, PÁG. 1081; DICIONÁRIO OXFORD PÁG. 517; www.tarsiladoamaral.com.br.



065 - ALFREDO CESCHIATTI - (1918 - 1989)
-

Pomba - escultura em bronze - - h = 30 cm - assinado - .
Procedente da coleção Evaldo Tadeu de Oliveira - Pirajuí, SP. -
Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



066 - ARMANDO VIANNA - (1897 - 1988)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 55 x 46 cm - canto inferior direito - 1962.

Este grande pintor carioca foi discípulo de Rodolfo Chambelland e Rodolfo Amoedo na antiga Escola Nacional de Belas Artes e de Eurico Alves e Stefano Cavalaro, no Liceu de Arte e Ofícios do Rio de Janeiro. É ainda hoje, considerado um dos maiores aquarelistas brasileiros. Realizou exposições individuais e em todas as principais capitais brasileiras. MEC vol.4, pág.470; JULIO LOUZADA vol.3, pág.186. PONTUAL pág. 538; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



067 - LUIS D'HORTA - (1941)
-

"Origem" - aquarela - - 53 x 80 cm - canto inferior direito - 1991.

Pintor, desenhista, escultor e tapeceiro nascido em São Paulo-SP, em 24/4/1941. Realizou ilistrações para jornais, discos e livros. Segundo Michael Blaich, "... o seu elemento inspirador fundamental é o mundo das cores, pois mesmo nas suas esculturas as superfícies frequentemente coloridas tendem a transformá-las em vivências de pintura." Exposições: coletivas a partir de 1963, no MAM-SP, Paraguai, FAAP-SP, Bélgica e Galeria Bonfiglioli-SP. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 283; ITAÚ CULTURAL.



068 - DINA OLIVEIRA - (1951)
-

"Mulher encantada pela lua" - óleo sobre tela colada em eucatex - - 40 x 50 cm - canto inferior direito - 1985.
Descrito sob o número 4 em catálogo de exposição da artista na Galeria Paulo Prado em outubro de 1985. -
Pintora, desenhista, arquiteta e professora, Dina Maria César de Oliveira nasceu em Belém, PA. Assina Dina Oliveira. Formada em arquitetura pela Universidade Federal do Pará – UFPA expôs pela primeira vez em 1965, no Salão de Artes Plásticas da UFPA. Realizou exposições individuais em: Belém, PA (1982, 1983); São Paulo (1984 a 1989, 2003) e participou de diversos Salões oficiais e mostras coletivas. Recebeu prêmios em: Belém, PA (1968, 1983, 1987); Curitiba, PR (1981 a 1984); Recife, PE (1982, 1983); São José dos Campos, SP (1983); Santo André, SP (1984) e também, em 1986, o Prêmio Revelação - Pintura, concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA, pela exposição individual realizada na Galeria Paulo Prado (São Paulo, 1985). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG.741; VOL. 4, PÁG. 825; VOL. 5, PÁG. 763; VOL. 12, PÁG. 296.



069 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Figuras - desenho a nanquim - - 21 x 13 cm - canto inferior direito - .

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



070 - IBERÊ CAMARGO - (1914 - 1994)
-

Carretéis - técnica mista - - 30 x 45 cm - canto inferior esquerdo - 1975.

Natural da cidade de Restinga Seca, RS, e falecido na capital gaúcha. Foi aluno de Salvador Parlagreco e João Fahrion. No Rio de Janeiro, a partir de 1942, estudou pouco tempo na Escola Nacional de Belas Artes, trocando-a pelos ensinamentos de Guignard. Recebeu o prêmio viagem ao estrangeiro em 1947, na Divisão Moderna do Salão Nacional de Belas Artes. Morou dois anos em Paris e Roma, aperfeiçoando-se com De Chirico, Lhote, Achille e Rosa em pintura e Petrucci em gravura. Foi considerado o Melhor Pintor Nacional na VI Bienal de São Paulo, em 1961. MEC, vol.1, pág.328 e 329; WALMIR AYALA, vol.1, pág.156 a 158; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.51; TEIXEIRA LEITE, pág.101; PONTUAL, pág.100 e 101; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 573; ARTE NO BRASIL, pág. 853; LEONOR AMARANTE, pág. 127.



071 - MARIA LEONTINA - (1917 - 1984)
-

Composição - pastel - - 15x 20 cm - canto inferior direito - .

Aluna de Waldemar da Costa, Maria Leontina é uma pintora que conquista o espectador pela finura de seus acostamentos cromáticos. Em 1947, integrava o Grupo dos 19, e, nos anos "50", passou por interessante fase geométrica. MEC, vol. 2, pág. 471; TEIXEIRA LEITE, pág. 309; PONTUAL, pág. 338; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 772; LEONOR AMARANTE, pág. 25; WALTER ZANINI, pág. 645.



072 - NOEMIA MOURÃO - (1912 - 1992)
-

"Tokio" - aquarela - - 23 x 15 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintora e desenhista. Assina Noemia. Realizou sua primeira individual em 1934, no Rio de Janeiro. Residiu na Europa de 1934 a 1940, frequentando em Paris as academias de la Grande Chaumière e Ranson. Expôs em Montevideu e Buenos Aires. Foi citada por REIS JUNIOR e TEODORO BRAGA. Foi aluna (1932) e mulher (1933) de Di Cavalcanti. MEC vol.3, pág. 265; WALMIR AYALA vol.2, pág.135; PONTUAL, pág. 375; TEIXEIRA LEITE, pág. 356; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 684. Acervo FIEO.



073 - SAMSON FLEXOR - (1907 - 1971)
-

Composição - aquarela - - 17 x 12 cm - canto inferior direito - 1964.

Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



074 - J. CARLOS - (1884 - 1950)
-

O flerte - desenho a nanquim e aquarela - - 20 x 28 cm - canto inferior direito - .

Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, desenhista, ilustrador e caricaturista. Realizou mais de cem mil desenhos, não se conhecendo um único ruim. Observador arguto, retratou com maestria e humor o cotidiano de sua cidade natal, da qual, consta, ausentou-se por duas únicas ocasiões. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646.



075 - IVAN SERPA - (1923 - 1973)
-

Composição - gravura - 25/110 - 36 x 23 cm - canto inferior direito - .
Obra editada pelo Clube da Gravura conforme descrição no dorso assinada pelo crítico de arte Frederico Morais. -
Pintor, desenhista, gravador e professor, estudou com Axel Leskoschek no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oitica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Ivan Serpa possui invejável e extenso curriculum de vida artística, passando de exposições coletivas, a grandes retrospectivas de sua obras. Há um reconhecimento nacional da importância de sua atividade, tratando-se de um dos grandes artistas nacionais. PONTUAL, pág 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 605; ARTE NO BRASIL, pág. 840; LEONOR AMARANTE, pág. 26; Acervo FIEO.



076 - LENÁ PRADO - (1953)
-

"Arranjo Santini" - técnica mista - - 100 x 80 cm - centro esquerdo e dorso - 1992.

Helena da Silva Prado nasceu em Santos, SP. Sua formação artística foi iniciada em Santos (1971/1972), em São Paulo - FAAP (1973) e em Antuérpia, Bélgica na Academia Real de Belas Artes como bolsista da ‘Koninklijke Academia voor Schone Kunsten’ (1975/1976). Também estudou com Antonio Vitor (1983/1984). Realizou exposições individuais em São Paulo (1986, 1989, 1990) e em São José dos Campos, SP (1989). Participou de muitas mostras e Salões oficiais, foi premiada em Santos (1981, 1982) e em São Paulo (1985 - 2º Prêmio Pirelli Pintura Jovem - MASP). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 912; VOL. 5, PÁG. 839.



077 - GIUSEPPE PERISSINOTTO - (1881 - 1965)
-

Nu - óleo sobre tela - - 37 x 47 cm - canto inferior direito - 1943.

Nascido em Musile, Veneza, Itália, veio para o Brasil ainda criança e cuja família radicou-se no interior de São Paulo. Fez estudos de pintura na Academia de Belas Artes de Veneza, para onde retornou aos dezoitos anos, prosseguindo para Florença e demais centros de arte da Itália onde se aperfeiçoou; retornou a cidade de São Paulo em 1912, dedicando-se exclusivamente a sua pintura que sempre teve como tema paisagens, marinhas naturezas mortas e figuras. Expôs em várias capitais do Brasil, com sucesso de crítica e público; foi um dos idealizadores do SPBA, ao lado de Souza Pereira e outros. ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



078 - JOSÉ WASTH RODRIGUES - (1891 - 1957)
-

"Rua do Rosário com 15 de novembro-São Paulo" - aquarela - - 30 x 40 cm - canto inferior esquerdo - 1939.

Pintor, desenhista e historiador paulistano, foi pensionado pelo Estado de São Paulo, estudando no Jean-Paul Laurens, em Paris, de cujo salão oficial participou em 1914. Dedicou-se com intensidade ao desenho a bico de pena. Executou os desenhos e aquarelas do livro Uniformes do Exército Brasileiro, de Gustavo Barroso. JULIO LOUZADA, VOL ,12, pág, 347. MEC, VOL, 4, pág, 92; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



079 - MILTON DACOSTA - (1915 - 1988)
-

Vênus e pássaros - desenho a lápis de cor - - 17 x 19 cm - canto inferior direito - 1971.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura, em 1929, com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli , entre outros, criou o Núcleo Bernardelli em 1931. Viajou para Estados Unidos em 1945, com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na Art's Students League of New York. Em 1946, foi para a Europa e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na Académie de La Grande Chaumière. Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e freqüentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no Salon d'Automne (Paris) e regressou ao Brasil em 1947. Em 1949, casou-se com a pintora Maria Leontina e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais e também recebeu prêmios nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO.



080 - MIRA SCHENDEL - (1918 - 1988)
-

Paisagem - aquarela - - 15 x 10 cm - não assinado - 1979.
Com certificado de autenticidade de Galeria Millan, datado de 10 de abril de 2008. -
Suíça, Mira imigrou para o Brasil em 1949, fixando-se inicialmente em Porto Alegre, onde fez pinturas e esculturas em cerâmica, nas quais assinava Mirra Hargesheimer, seu nome de solteira.. Realizou a sua primeira exposição individual, em 1952. Expôs em 1954 em São Paulo (MAM), para onde se transferiu. Participou de diversos salões, tais como o SPAM e Bienais de São Paulo, Córdoba e Veneza, obtendo premiações. A principio exclusivamente desenhista, com a utilização de signos, índices e símbolos, dedicou-se posteriormente à pintura, dentro da vertente minimalista que norteou toda a sua carreira. TEIXEIRA LEITE, pág. 464; JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 304; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 688; LEONOR AMARANTE, pág. 187.



081 - JOÃO DUTRA - (1893 - 1984)
-

Natureza morta - óleo sobre tela - - 38 x 46 cm - canto inferior esquerdo - .

Nasceu em Rio Claro, SP, e faleceu em Piracicaba-SP. Descendente da família Dutra, composta de pintores ativos em São Paulo a partir do Séc. XVIII durante várias gerações. Expôs pela primeira vez em 1919, em São Paulo, onde realizaria outras mostras até 1937. Participou do SNBA, recendo medalha de prata. Destacou-se como autor de naturezas mortas. TEODORO BRAGA, pág. 85; MEC, vol. 2, pág. 84; TEIXEIRA LEITE, pág. 171; PONTUAL, pág. 186; ITAU CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



082 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Marinha com barcos - óleo sobre madeira - - 16 x 29 cm - canto inferior esquerdo e dorso - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



083 - ENRICO BIANCO - (1918 - 2013)
-

Menino com carneiros - desenho a lápis e aquarela - - 42 x 56 cm - canto inferior direito - 1998.

Nascido na Itália, é hoje considerado um de nossos melhores pintores. Atingiu um estilo pessoal, figurativo, eminentemente lírico, baseado em um desenho livre e numa cor sensível. THEODORO BRAGA, pág. 54; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 99, 110 e 104; MEC, vol. 1, pág. 242; PONTUAL, pág. 76; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 594. Acervo FIEO. -



084 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA - (1909 - 1996)
-

Coqueiros - óleo sobre tela - - 37 x 23 cm - canto inferior direito - 1983.

Considerado por muitos críticos e colecionadores como o mais típico dos nossos pintores ingênuos, Silva foi o intérprete da cena rural de São Paulo, num estilo expontâneo em que assomam, por vezes, soluções plásticas inesperadas. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



085 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

"Cacique" - escultura em bronze - - h = 82 cm - base - 1958/1964.
Reproduzido no livro "Bruno Giorgi", editado por Marcos Marcondes - Art Editora e Editora Record - São Paulo, SP. Procedente da coleção Evaldo Tadeu de Oliveira - Pirajuí, SP. -
Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



086 - JEAN COCTEAU - (1889 - 1963)
-

Figuras - desenho a nanquim - - 18 x 12 cm - canto inferior direito - .
Com inscrições. -
Artista, pintor, ceramista e escritor francês, mundialmente conhecido pela sua poesia, ficção, filmes, balets, etc. A obra de Cocteau reflete a influência recebida e a experiência do artista como: o surrealismo, a psicanálise, o cubismo, a religião católica, etc . No seu tempo Cocteau promoveu uma vanguarda de estilo e moda. Foi amigo de Pablo Picasso, do compositor Erik Satie, do escritor Marcel Proust, e do diretor russo Serge Diaghilev. Jean Cocteau nasceu em Maisons-Lafitte. Seu pai suicidou-se quando Jean tinha somente nove anos, era advogado e amante da pintura, influenciando muito o jovem Jean. JULIO LOUZADA, vol 9 - pág 214; BENEZIT, vol 3 - pág 89



087 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Casais - serigrafia - - 13 x 23 cm - canto inferior direito - na tela serigráfica.
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



088 - JURANDYR AGUIAR - (XX - XX)
-

Natureza morta - óleo sobre tela - - 43 x 51 cm - canto inferior direito - .

Pintor paisagista nascido em Taubaté,SP. Participante do SPBA em 1940, 1943 e 1952, recebendo menção honrosa. Expôs individualmente em diversas cidades paulistas JULIO LOUZADA, VOL, 1, pág, 30; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



089 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX -
-

"Marumby E. F. P." - óleo sobre cartão colado em eucatex - - 28 x 40 cm - canto inferior direito - J. Buchholtz.
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -



090 - VICENTE LEITE - (1900 - 1941)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 41 x 57 cm - canto inferior direito - 1940 - Rio de Janeiro.
Com carimbo do Ministério da Educação e Saúde, Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, Brasil, no dorso. -
Vicente Rosal Ferreira Leite nasceu no estado do Ceará, onde servia na guarda do Palácio do Governo, quando o então governador João Tomé de Sabóia e Silva lhe ofereceu uma bolsa de estudos no Rio de Janeiro, em virtude de seus dotes como desenhista. Na antiga Escola Nacional de Belas-Artes, no Rio, teve Cândido Portinari e Orlando Teruz, entre outros, como seus condiscípulos. De 1920 a 1926 estudou sob a orientação de Lucílio de Albuquerque, Rodolfo Chambelland e João Batista da Costa - de quem sofreu grande influência em sua dedicação às paisagens. Reconhecido e condecorado com menções honrosas em todo país, realizou exposições em diversos estados brasileiros, e também participou de salões em países como Argentina e Estados Unidos. Executou ainda, no Palácio do Governo do Ceará, uma alegoria da Revolução de 1930 - obra onde empregou a técnica pontilhista da última fase dos impressionistas franceses. Suas obras podem ser encontradas no Museu Nacional de Belas-Artes, na Pinacoteca do Estado de São Paulo e no Museu Mariano Procópio, em Juiz de Fora. JULIO LOUZADA, VOL ,10, pág, 487. PONTUAL, pág, 308. MEC, VOL, 2, pág, 468; TEIXEIRA LEITE.pág, 284; ITAÚ CULTURAL.



091 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "MARINA SALEME - SOBRE POÇAS". MARINA SALEME E LISETTE SALGADO. SÃO PAULO: TAKANO EDITORA, 2001. 2) "MARINA SALEME". CATÁLOGO. SÃO PAULO: PAÇO DAS ARTES, 2003. 3) "MARINA SALEME". CAUÊ ALVES. BELO HORIZONTE: AD2 EDITORA, 2011. 4) "CÉLIA EUVALDO". ALBERTO TASSINARI E MARCO SILVEIRA MELLO; VERSÃO PARA O INGLÊS: STEVE BERG. SÃO PAULO: COSAC & NAIFY, 2008. 5) "ARTUR LESCHER". ARTUR LESCHER. SÃO PAULO: COSAC & NAIFY: 2002. 6) "NUNO RAMOS". CATÁLOGO. RIO DE JANEIRO: CENTRO DE ARTE HÉLIO OITICICA, 1999 ; SÃO PAULO: MUSEU DE ARTE MODERNA, 2000. 7) "NUNO RAMOS". ALBERTO TASSINARI ET AL. SÃO PAULO: ÁTICA, 1997.



092 - HAYDÉA SANTIAGO - (1896 - 1980)
-

Paisagem com Dedo de Deus - aquarela - - 24 x 18 cm - canto inferior direito - Teresópolis - RJ.

Natural da cidade do Rio de Janeiro, onde veio a falecer. Estudou na Escola Nacional de Belas Artes. Foi aluna de Modesto Brocos e Amoedo. Aperfeiçoou seus estudos com Eliseu Visconti. Residiu em Paris com o marido, Manoel Santiago, de 1928 a 1932, participando do Salão de Artistas Franceses. No Brasil recebu diversas premiações no SNBA, bem como nos diversos Salões Oficiais de que participou, tais como SPBA, SMBA-RJ, SNAM e na I BSP. Teve como temas a paisagem, a figura, a natureza morta e o gênero. REIS JUNIOR, vol. 1, pág. 146; TEODORO BRAGA, pág. 211; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 290 e 292; TEIXEIRA LEITE, pág. 460; ITAÚ CULTURAL..



093 - JULIO PLAZA - (1938 - 2003)
-

Composição - dobradura - - 40 x 58 cm - dorso - .

Julio Plaza González nasceu em Madri, Espanha e faleceu em São Paulo. Artista intermídia, escritor, gravador e professor. Inicia sua formação artística na década de 1950, com estudos livres em Madri. Posteriormente freqüenta a Escola de Belas Artes, em Paris. Vem ao Brasil em 1967, integrando a representação espanhola que participa da 9ª Bienal Internacional de São Paulo. Ingressa na Escola Superior de Desenho Industrial, no Rio de Janeiro, com bolsa de estudos concedida pelo Itamaraty. Leciona linguagem visual e artes plásticas, como artista residente, na Universidade de Puerto Rico (1969 e 1973). Em seguida, muda-se para São Paulo, onde se torna professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e da Fundação Armando Álvares Penteado. Funda, em 1978, o Centro de Artes Visuais Aster, com Donato Ferrari , Walter Zanini e Regina Silveira , com quem foi casado. Publica com Augusto de Campos os livros ‘Caixa Preta’ e ‘Poemóbiles’(1975), é autor de publicações teóricas sobre arte, como ‘Videografia em Videotexto’ (1986) e ‘Os Processos Criativos com os Meios Eletrônicos: Poéticas Digitais’, com Monica Tavares (1998). Na década de 1990, leciona no Instituto de Artes da Unicamp. Realizou muitas exposições individuais; participou de inúmeras mostras oficiais e exposições póstumas foram realizadas em São Paulo (2003, 2004). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 921; MEC VOL.3, PÁG. 423; www.acervos.art.br; artprice.com.



094 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Flores e frutas - técnica mista - - 42 x 35 cm - canto inferior esquerdo - 1966.

Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



095 - WALTÉRCIO CALDAS - (1946)
-

"Mancha sem mais nada" - Colagem - Múltiplo - nº 40 - 23 x 27 x 11 cm - dorso - .

Waltércio Caldas Júnior nasceu no Rio de Janeiro. Escultor, desenhista, artista gráfico, cenógrafo e figurinista, estudou pintura com Ivan Serpa (1964) no MAM/RJ. Entre 1969 e 1975, realizou desenhos, objetos e fotografias de caráter conceitual. Na década de 1970, lecionou no Instituto Villa-Lobos, RJ; foi co-editor da revista ‘Malasartes’; integrou a comissão de Planejamento Cultural do MAM/RJ; participou da publicação ‘A Parte do Fogo’ e publicou com Carlos Zilio, Ronaldo Brito e José Resende o artigo ‘O Boom, o Pós-Boom, o Dis-Boom’, no jornal ‘Opinião’. Em 1979, sua produção foi analisada no livro ‘Aparelhos’, com ensaio de Ronaldo Brito, e, em 1982, no Manual da Ciência Popular, publicado na série Arte Brasileira Contemporânea, pela Funarte. Em 1986, o vídeo ‘Apaga-te Sésamo’, de Miguel Rio Branco, enfocou a sua produção. Participou das Bienais Internacionais de São Paulo (1987, 1989, 1996, 1998), da Documenta de Kassel (1992), entre outras. Recebeu, em 1993, o Prêmio Mário Pedrosa, da Associação Brasileira de Críticos de Arte - ABCA, por mostra individual realizada no Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, RJ. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 11, PÁG. 49; VOL. 13, PÁG. 60.



096 - DÉCIO VILARES - (1851 - 1931)
-

Senhora - óleo sobre madeira - - 32 x 24 cm - canto inferior esquerdo - 1891.

Pintor, retratista, fez da figura feminina o seu tema predileto. Criou a bandeira da República, substituindo o escudo pelo Cruzeiro do Sul e acrescentando o lema positivista " Ordem e Progresso" . Dedicou-se também à escultura. ARTE NO BRASIL vol.2, pág.1060; PONTUAL, pág.542; MEC vol.4, pág. 478; TEIXEIRA LEITE, pág. 526; ITAÚ CULTURAL.



097 - OSWALDO GOELDI - (1895 - 1961)
-

Figuras na chuva - desenho a nanquim - - 20 x 17 cm - canto inferior direito - .

Desenhista, gravador e professor, nascido no Rio de Janeiro, filho de Emilio A Goeldi, naturalista suiço. A partir dos seis anos estudou na Suiça. Sua obra sofreu influência do expressionista austríaco Alfred Kubin. Retornando ao Brasil em 1919, realizou no Rio de Janeiro sua primeira exposição em 1921, no Liceu de Artes e Ofícios. Publicou albuns e ilustrou diversos e importantes livros. É artista altamente conceituado no País e no exterior, tendo merecido diversas homenagens póstumas, inclusive em filme. PONTUAL pág. 240; JULIO LOUZADA vol.11, pág130; MEC vol. 2, pág.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 521; ARTE NO BRASIL, pág. 672; Acervo FIEO.



098 - JUAREZ MACHADO - (1941)
-

O pintor - desenho a nanquim - - 25 x 25 cm - canto inferior esquerdo - 1970.

Nasceu em Joinville, SC. Atualmente reside e trabalha em Paris, França, onde mantem ateliê. Pintor, escultor, desenhista, caricaturista, jornalista, cenógrafo, escritor e ator. Desenvolveu sólida carreira como desenhista de charges de humor. Sua arte essencialmente criativa, vai do lirismo à violência, da análise microscópica ao extravasamento onírico. Entre as exposições de que participa, destacam-se: 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967; Zona Gallery, Nova Iorque (Estados Unidos), 1981; Retrospectiva Quatro Artistas da Geração 60, no MAC/PR, Curitiba, 1987; Châteaux Bordeaux, no Centro Georges Pompidou, Paris, 1988; Retrospectiva, no MAC/Joinville, 1990; Arte na América Latina: 100 Anos de Produção, no Instituto Estadual de Artes Plásticas da UFRGS, Porto Alegre, 1996. "Juarez Machado expõe a natureza humana, olha, registra, interpreta, ilumina, focaliza. É o mundo dos humanos, mas não é o mundo do juiz dos homens. Aqui não estamos no Juízo Final. Juarez é o artista contemporâneo, ele tem este olhar elaborado pela ciência, o grau de consciência reflexiva. Podemos dizer deste ponto de vista, que esta obra humanística e esta atitude de intensa pesquisa confere ao seu trabalho um caráter anti-medieval." Jacob Klintowitz in: "Juarez Machado - Copacabana 100 Anos, Ed. Simões de Assis, 1992." JULIO LOUZADA vol.11, pág. 186; PONTUAL, pág.284; Acervo FIEO; ITAU CULTURAL; MEC, vol. 3; TEIXEIRA LEITE, pág. 298. Acervo FIEO.



099 - HENRIQUE BOESE - (1897 - 1982)
-

Composição - guache - - 43 x 29 cm - canto inferior esquerdo - 1975.

Natural de Berlim, Alemanha. Pintor. Realizou seus estudos na sua cidade natal, onde foi discípulo de Kothe Kollwitz, entre os anos de 1918 e 1922. Fixou residência no Brasil em 1938, vivendo algum tempo em Caraguatatuba, no litoral paulista. Sua primeira fase foi dedicada 'a pintura expressionista, voltando-se mais tarde para o abstracionismo, gênero em que se fixou e o consagrou. Participou da II, III, V 'a IX Bienal de São Paulo, entre 1953 e 1967, premiado com Isenção do Júri. Realizou exposições individuais no MAM-SP, nas Galerias Seta, São Luiz e Astreia, todas em São Paulo. Participou de exposição em Hamburgo. na Alemanha. JULIO LOUZADA vol. 10 pág. 121; PONTUAL, pág. 78; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697.



100 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA - (1930 - 1999)
-

"Concreto V" - óleo sobre tela - - 30 x 30 cm - dorso - 1961.

Natural da cidade do Recife, PE, o autor foi pintor, arquiteto, desenhista e professor. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Ligado ao grupo Ruptura, Maurício tornou-se um artista de acentuados princípios racionais, sendo o autor de algumas introduções no campo da animação ótica dos espaços, na seriação das construções e ainda na busca específica de retículas coloridas.Participou do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957). Participou também do movimento de arte concreta, figurando nas exposições do MAM-SP (1956), no MEC-RJ (1957), na Exposição Internacional de Arte Concreta, em Zurique (1960), etc JULIO LOUZADA, vol 1, pags 678 e 679; ITAU CULTURAL.



101 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

" Jangada com sol vermelho " - acrílico sobre tela - - 35 x 85 cm - canto inferior direito - 2003.
Com certificado de autenticidade, firmado pelo autor em 20 de Janeiro de 2004. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



102 - JOSÉ MARQUES CAMPÃO - (1892 - 1949)
-

Cozinha - óleo sobre tela colada em cartão - - 41 x 57 cm - canto inferior direito - .

Excelente paisagista paulistano, aluno de Oscar Pereira da Silva, da Academia Julian - Paris, e da Escola Nacional Superior de Belas Artes de Paris, entre 1912 e 1918. Foi membro da Comissão de Orientação Artística de São Paulo em 1944. Expôs no Salão dos Artistas Franceses e em diversas exposições coletivas e individuais. TEODORO BRAGA, pág. 61/62; PONTUAL, pág. 102; MEC, vol. 1, pág. 331; REIS JR., pág. 374; WALMIR AYALA, vol. 1,pág. 160; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



103 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Borboleta - pintura sobre azulejo - - 15 x 30 cm - canto inferior direito - .
Com etiqueta do Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP, no dorso. -
Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



104 - CAMPOS AYRES - (1881 - 1944)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 35 x 50 cm - canto inferior esquerdo - .

Natural de Itapetininga, SP, Campos Ayres foi pensionista do Estado de São Paulo para estudar em Paris a partir de 1909, com Henry Royer, Fleury e Laurens. No SPBA obteve prêmios e menções. Dedicou-se especialmente à pintura de paisagem. A PINACOTECA-SP, possui duas telas de sua autoria. Expôs individualmente em São Paulo, nos anos de 1930, 1933 e 1938, com muito sucesso de público e crítica. TEODORO BRAGA, pág. 63; REIS JR., pág. 368; MEC, vol. 1,pág. 41; PONTUAL, pág. 105; WALMIR AYALA, vol. 1,pág. 167; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO, pág. 11, RUTH TARASANTCHI.



105 - FRANCISCO STOCKINGER - (1919 - 2009)
-

Guerreiro - múltiplo em bronze - 17/60 - h = 35 cm - base - .

Natural de Traum, Áustria, Xico Stockinger, como é conhecido, foi aluno de Bruno Giorgi e desde 1954, radicado em Porto Alegre, á um escultor da figura humana e do animal. Também é excelente desenhista e gravador. Começou a expor na década de 40, no Rio de Janeiro, recebendo premiações. Desempenhou importante papel no desenvolvimento das artes plástica gaúcha. Tem seu nome firmado no cenário nacional e internacional, como escultor expressivo e original. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.311; PONTUAL, pág.506; MEC., vol.4, pág.342/3.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 868; LEONOR AMARANTE, pág. 136.



106 - DARIO MECATTI - (1909 - 1976)
-

Marinha - óleo sobre madeira - - 12 x 22 cm - canto inferior direito - .

Pintor e desenhista nascido em Florença, Itália e falecido em São Paulo, SP. Na Itália recebeu orientação artística de Camillo Innocenti, trabalhou em um banco e pintou cartazes para a sala de cinema de seu primo. Em 1933, mudou-se para a África, onde permaneceu por aproximadamente sete anos viajando pelo norte do continente. Neste período conheceu a Líbia, Ilha de Malta, Tunísia, Turquia, Argélia, Marrocos, além de Portugal e Espanha. Durante a viagem retratou cenas destes países e realizou algumas exposições com o pintor florentino Renzo Gori, com quem residiu por pouco tempo em Paris. Em 1939, conheceu a Ilha de São Miguel, nos Açores e lá encontrou Maria da Paz com quem posteriormente se casou. No ano de 1940, mudou-se para o Brasil, passou pouco tempo no Rio de Janeiro e depois um período em Minas Gerais, onde visitou as cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Mudou-se no final do ano para São Paulo, onde entre 1941 e 1945, trabalhou na Galeria Fiorentina, na Rua Barão de Itapetininga, de propriedade de Malho Benedetti. Em 1945 conheceu Nicolino Bianco que passou a adquirir os quadros do artista para serem expostos na Loja de Móveis Paschoal Bianco. Apresentou-o para clientes e amigos que passaram a encomendar retratos. Neste período entrou em contato com Ezio Barbini, dono da Galeria Internacional que vendeu regularmente suas obras, além de apresenta-lo a um grupo de jovens artistas a quem orientou. Em 1946 construiu na Rua Feliciano Maia a sua casa estúdio, onde realizou exposições individuais anuais, sendo a última no ano de 1976, data de seu falecimento. TEODORO BRAGA, PÁG. 161/2; MEC, VOL. 3, PÁG. 109; PONTUAL, PÁG. 352; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 72; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 320; ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 611; ACERVO FIEO.



107 - ROBERTO BURLE MARX - (1909 - 1994)
-

Composição - desenho a nanquim e aguada - - 50 x 65 cm - canto inferior direito - 1983.

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com.



108 - EUGÊNIO LATOUR - (1874 - 1942)
-

Menina - pastel - - 47 x 34 cm - canto inferior direito - 1928 - Firenze.

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde frequentou a ENBA a partir de 1894. Foi aluno de Rodolfo Amoedo, Zeferino da Costa e H. Bernardelli. Expôs no SNBA em diversas oportunidades, recebendo premiações, inclusive de viagem ao exterior. Latour é um pintor da expressão humana, e feminina sobretudo. Cada cabeça sua representa um estado de alma. Aqui tristeza, dor concentrada; ali a despreocupação e o coquetismo. Sua obra é graciosa, sensível e elegante. JULIO LOUZADA, Vol. pág.522, TEIXEIRA LEITE, pág. 278, PONTUAL, pág. 300, ITAÚ CULTURAL, ARTE NO BRASIL, pág. 556.



109 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD - (1896 - 1962)
-

Ouro Preto - desenho a nanquim - - 25 x 16 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e professor, nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Frequentou a ‘Königliche Akademie der Bildenden Künste’ [Real Academia de Belas Artes] de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. De 1931 a 1943 dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Em 1941 integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da I Bienal Internacional de São Paulo. Foi premiado no Rio de Janeiro (1924, 1929, 1940 - Prêmio de Viagem ao País, 1942, 1948, 1951) e em Buenos Aires, Argentina (1937). PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28.



110 - THEODORO DE BONA - (1904 - 1990)
-

Construção - óleo sobre madeira - - 19 x 24 cm - canto inferior esquerdo - 1959 - Rio de Janeiro.
- Reproduzido no convite deste leilão. Com a seguinte dedicatória: "Ao amigo Sigaud of. Th. De Bona. Rio, 1959". -
Natural de Morretes, PR, onde nasceu a 11 de junho de 1904, e falecido em Curitiba, PR, em 20/9/1990. Pintor e desenhista.Foi aluno de Gina Bianchi e Ercília Cecchi. Frequentou assiduamente o ateliê do pintor Alfredo Andersen, convivendo com Traple, Freyesleben, Augusto Perneta, Taborda Jr e outros artistas locais. Aperfeiçoou-se na Europa, para onde seguiu em 1927. Estudou na Real Academia de Belas Artes de Veneza, frequentando aulas de Ettore Tito e Vicenzo Stefani. No Brasil, a partir de 1936, expõe com sucesso as suas obras e leciona pintura e desenho na Escola de Belas Artes do Paraná. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 44; ITAÚ CULTURAL.



111 - JOSÉ DE OLIVEIRA MACAPARANA - (1952)
-

Floresta - óleo sobre tela colada em madeira - - 20 x 46 cm - canto inferior direito e dorso - .

Escultor, autodidata, o artista é natural de Macaparana, PE, sendo filho e neto de marceneiros. Faz sua primeira exposição individual na Galeria Empetur em 1970, no Recife. Entre 1972 e 1973, reside no Rio de Janeiro; depois muda-se para São Paulo. Entre as mostras de que participa, destacam-se: IV Bienal Ibero-Americana de Arte, Cidade do México, 1984 (Artista Convidado); Salão de Arte Contemporânea, São Paulo, 1986; MAC - 25 Anos, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, 1988; Bienal Internacional de São Paulo 1991; Tendências Construtivas no Acervo do MAC/USP, no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, 1996. JULIO LOUZADA, vol. 9 pág. 509; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



112 - RODOLPHO AMOÊDO - (1857 - 1941)
-

Menino - óleo sobre tela - - 50 x 41 cm - canto inferior direito - 1920.
Com etiqueta de Casa Vieitas, Rua da Quitanda, 99, Rio de Janeiro - RJ, no dorso. -
Natural da cidade de Salvador, o artista chegou ao Rio de Janeiro no ano de 1868, ingressando, cinco anos depois, no Liceu de Artes e Ofícios e, em 1874, na Academia Imperial de Belas Artes, onde teria Vitor Meirelles, Agostinho da Mota e João Zeferino da Costa como mestres. Na Escola de Belas Artes de Paris, já estudante bolsista da Academia, aperfeiçoou-se com Cabanel e Puvis de Chavanes. De volta ao Rio de Janeiro, onde viria a falecer, destacou-se no exercício do magistério, como professor honorário e, posteriormente, como diretor da antiga Escola Nacional de Belas Artes. Dono de grande preciosismo técnico, Amoedo aborda com despojamento os mais delicados matizes nos seus temas, geralmente a figura humana. O MNBA possui em seu acervo mais de 300 obras do artista TEIXEIRA LEITE, 26/29; PONTUAL, pág. 24; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 411; ARTE NO BRASIL, pág. 566.; JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁGS. 58/59/60; F. ACQUARONE, pág. 101.



113 - DÉCIO SONCINI - (1953)
-

"(1 + 1)" - acrílico sobre tela colada em eucatex - - 90 x 120 cm - canto inferior direito - 1984.
Reproduzido e descrito sob o número 34 em catálogo de exposição do artista na Galeria Paulo Prado em junho de 1985. -
Pintor, desenhista e gravador, nascido em São Paulo, no dia 11/2/1953. Pertencente à nova geração de pintores paulistas, o autor cursou a Faculdade de Belas Artes de São Paulo, onde estudou também gravura, obras com conotações expressionistas, que o artista tem mostrado desde a sua estréia em 1975. Em critica, Antônio Zago tece os seguintes comentários sobre a sua obra: "...Décio Soncini trabalha com a memória. Em seu fundamento psicológico a memória é altamente seletiva, deixando apenas alguns detalhes nítidos, envoltos em uma névoa: a névoa do tempo (...)" . Recebeu diversas premiações, inclusive o de aquisição, no I Salão Paulista de Artes Plásticas e Visuais-SP (1980). JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 928/929



114 - ANA CRISTINA ANDRADE - (1953)
-

"Trevi" - gravura em metal - 14/15 - 49 x 39 cm - canto inferior direito - 1983.
Complemento de técnica: ponta seca e maneira negra. -
Ana Cristina Andrade Moreira é pintora, gravadora, desenhista, professora e designer vidreira. Iniciou sua formação artística na Escola Superior de Arte Santa Marcelina, SP (1972-1975). Aprendeu gravura em metal (1980-1990) com Iole Di Natale; técnicas de gravura na Scuola Internazionale di Gráfica em Veneza, Itália (1983); Gravura Especial com Evandro Carlos Jardim, no MAC-SP (1991); Técnica Calcográfica Experimental com Mario Benedetti, na FASM-SP (1997); Vitrofusão com Roberto Bonino. Exposições individuais: São Paulo, SP (1984, 1987, 1995, 2003); Bauru, SP (1989); “Projeto Interior com Arte” – Museu Banespa (1998 – Exposição itinerante pelo interior do Estado de São Paulo). Coletivas: Epinal, França (1975); São Paulo, SP (1974, 1982, 1984, 1985, 1986, 1988, 1994, 1995, 2000, 2002 a 2004, 2012 – SP ESTAMPA); Santo André, SP (1982); Novo Hamburgo, RS (1982); Taiwan, China (1983, 1985); San Juan, Porto Rico (1983); Santos, SP (1983); Cabo Frio, RJ (1983); Ribeirão Preto,SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba,SP (1984); Veneza, Itália (1984, 1985); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986); Limeira, SP (1986); Washington D.C.,EUA (1991); Campos do Jordão, SP (1991); Kanagawa, Japão (1992); Maastricht, Holanda (1993); Illinois, EUA (1994); Cidade do México, México (1996); Jacareí, SP (1998); Budapeste, Hungria (1996); Uzice, Yuguslávia (1997); Ourense, Espanha (1994, 2006). Prêmios: São Paulo, SP (1974); Novo Hamburgo, RS (1982); Santos, SP (1983); Ribeirão Preto, SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba, SP (1984); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986). JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 62; vol.2, pág. 66; Acervo FIEO. ITAU CULTURAL.



115 - FRANCIS VINGOE - (1879 - 1940)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 25 x 36 cm - canto inferior direito - 1908.

Pintor inglês ativo na região de Berkshire e Oxfordshire. www.bbc.co.uk; artprice.com; artfact.com; http://vingoe.name/FrancisVingoe.htm; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 1037.



116 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Boêmio - serigrafia - 156/200 - 76 x 57 cm - canto inferior direito - 1975.
Com autenticação no dorso. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



117 - LOTHAR CHAROUX - (1912 - 1987)
-

Linhas - guache - - 27 x 22 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



118 - FRANCISCO DA SILVA - (1910 - 1985)
-

Galos - têmpera sobre tela - - 50 x 71 cm - canto inferior direito - 1970.
Com carimbo do Mirante das Artes de Pietro Maria Bardi, no dorso. -
Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



119 - MILTON DACOSTA - (1915 - 1988)
-

Cena de ateliê - óleo sobre madeira - - 41 x 31 cm - canto superior direito - 1938- Rio de Janeiro.
Ex coleção de Deocleciano Martins de Oliveira Filho- Rio de Janeiro. -
Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura, em 1929, com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli , entre outros, criou o Núcleo Bernardelli em 1931. Viajou para Estados Unidos em 1945, com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na Art's Students League of New York. Em 1946, foi para a Europa e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na Académie de La Grande Chaumière. Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e freqüentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no Salon d'Automne (Paris) e regressou ao Brasil em 1947. Em 1949, casou-se com a pintora Maria Leontina e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais e também recebeu prêmios nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO.



120 - ATHOS BULCÃO - (1918 - 2008)
-

"Estudo Salão Maior" - óleo sobre tela - - 30 x 46 cm - dorso - 1960.
- Reproduzido no convite deste leilão.
Pintor e desenhista. Começou a dedicar-se a arte estimulado por Portinari, que, em 1945, o convidou a trabalhar nas obras da Pampulha, em Belo Horizonte. No ano anterior realizara exposição individual na sede recém-inaugurada do Instituto dos Arquitetos do Brasil no Rio de Janeiro, voltando a fazê-lo na Capital mineira em 1946 e 1947. Já então conquistara medalhas de prata em pintura e desenho no SNBA. Recebendo bolsa de estudos no governo francês, viajou em 1948 para Paris, onde permaneceu um ano, visitando ainda a Itália. De regresso ao Brasil, passou a dedicar-se também a trabalhos no campo da decoração. Residindo mais recentemente em Brasília, ali criou azulejos e vitrais para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, com motivos cristãos da Pomba e da Estrela, símbolos do Divino Espírito Santo e da natividade. Participou como isento de júri dos II SAMDF (1965), realizando em 1968 exposição individual de desenhos em Brasília (Galeria Encontro). Rubem Braga focalizou-o em uma crônica publicada na revista Manchete (14 de agosto de 1954). TEODORO BRAGA, PÁG. 59; MEC, vol. 1, pág. 301; WALMIR AYALA, vol.1, pág. 140; PONTUAL, pág. 93; TEIXEIRA LEITE, pág. 92; JÚLIO LOUZADA, vol. 7, pág.112; ITAÚ CULTURAL.



121 - PÉRICLES - (1924 - 1961)
-

"O amigo da onça" - guache - - 41 x 29 cm - centro inferior - .

Caricaturista e cartunista, Péricles de Andrade Maranhão nasceu em Recife, PE e faleceu no Rio de Janeiro. Publicou seus primeiros desenhos na Revista do Colégio Marista do Recife, onde estudou na década de 1930. Por volta de 1942, chegou ao Rio de Janeiro e ingressou nos 'Diários Associados', de Assis Chateaubriand, iniciando sua produção em 'O Guri' e, pouco depois, na revista 'A Cigarra', onde lançou seu personagem 'Oliveira Trapalhão'. A partir de 1945, ilustrou os textos de Millôr Fernandes na seção Pif-Paf da revista 'O Cruzeiro'. 'Laurindo e Miriato Gostosão' foram outros personagens criados por Péricles, mas o de maior sucesso foi 'O Amigo da Onça', publicado pela primeira vez em 1943 em' O Cruzeiro'. 'O Amigo da Onça' foi produzido por quase 20 anos e, mesmo após a morte de seu criador, continuou a ser publicado no traço de Carlos Estevão. Sua criação foi capaz de transpor as páginas desenhadas em 'O Cruzeiro' e permanecer na memória visual e humorística brasileira. Seus trabalhos participaram, após a sua morte, de exposições em: Curitiba, PR (1980); São Paulo (1983, 1997, 2001); Belo Horizonte (1997); Brasília (1998); Penápolis, SP (1998). ITAU CULTURAL.



122 - TOMÁS SANTA ROSA - (1909 - 1956)
-

Figura - óleo sobre madeira - - 48 x 34 cm - canto inferior esquerdo - 1942.

Pintor, gravador, cenógrafo e professor. Oriundo da Paraíba, onde nasceu, fixou-se no Rio de Janeiro, iniciando em 1930 sua bem sucedida carreira de ilustrador de obras de autores estrangeiros e brasileiros, que inclui, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves e muitos outros. Sua obra tem reconhecimento nacional e unanimidade de crítica, havendo se destacado em todas as áreas das artes que praticou. PONTUAL, pág. 472; TEIXEIRA LEITE, pág. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 572; LEONOR AMARANTE.



123 - MANUEL FARIA - (1895 - XX)
-

"Campo de Santana" - óleo sobre tela - - 30 x 41 cm - canto inferior direito e dorso - 1945 - Rio de Janeiro.

Pintor e professor. Estudou com Eurico Alves no Liceu de Artes e Ofícios do RJ. Em 1915 tranferiu-se para antiga ENBA, onde foi aluno de João Baptista da Costa, Lucilio de Albuquerque e Rodolfo Chambelland. Manoel Faria é pintor fiel às cores da natureza, aceitando os caprichos do cromatismo da terra brasileira. JULIO LOUZADA vol.1, pág.371, Acervo FIEO.



124 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

São Francisco - óleo sobre tela - - 32 x 25 cm - canto inferior esquerdo - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



125 - ALFREDO CESCHIATTI - (1918 - 1989)
-

Justiça - escultura em bronze - - h = 34 cm - assinado - .
Escultura em tamanho reduzido da obra que fica na Praça dos Três Poderes, Brasília - DF. -
Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



126 - IVAN SERPA - (1923 - 1973)
-

Composição - óleo sobre tela - - 40 x 40 cm - dorso - 1972.
Acompanha nota fiscal de compra em leilão n° 18069, datada de 25/03/2002 de Acir Joaquim da Costa - Leiloeiro Público, com escritório na Av. Rio Branco, 31 - 22° andar - Rio de Janeiro, RJ. -
Pintor, desenhista, gravador e professor, estudou com Axel Leskoschek no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oitica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Ivan Serpa possui invejável e extenso curriculum de vida artística, passando de exposições coletivas, a grandes retrospectivas de sua obras. Há um reconhecimento nacional da importância de sua atividade, tratando-se de um dos grandes artistas nacionais. PONTUAL, pág 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 605; ARTE NO BRASIL, pág. 840; LEONOR AMARANTE, pág. 26; Acervo FIEO.



127 - HAROLDO AMAZONAS - (1905 - SÉC. XX)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 24 x 35 cm - canto inferior esquerdo - .
Com dedicatória no dorso datada de 30/09/72. Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor, desenhista, engenheiro e arquiteto nascido em Taubaté, SP. Assina H. Amazonas. Filho do pintor Clodomiro Amazonas. Formou-se na Escola de Belas Artes em 1935. Expôs individualmente em 1950, participou de várias edições do Salão Paulista e de mostras na cidade de São Vicente, SP. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 45.



128 - RUBEM VALENTIM - (1922 - 1991)
-

"Emblema 89" - acrílico sobre tela - - 70 x 50 cm - dorso - 1989 - São Paulo - SP.

Baiano de Salvador, autodidata, Rubem Valentin pinta desde meados de 1940. Sua primeira coletiva foi em 1949, no Salão Baiano de Belas Artes, do qual participaria outras vezes, recebendo premiações. Viveu no Rio de Janeiro e na Europa, fixando residência permanente em Brasil, DF, há mais de 20 anos. O artista assim explicava a sua arte: "Minha linguagem plástico-visual signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira (mestiça-animista-fetichista). Com o peso da Bahia sobre mim - a cultura vivenciada; com o sangue negro nas veias - o atavismo; com os olhos abertos para o que se faz no mundo - a contemporaneidade; criando os meus signos-símbolos procuro transformar em linguagem visual o mundo encantado, mágico, provavelmente místico que flui continuamente dentro de mim". PONTUAL, pág.532; WALMIR AYALA, vol.2, págs.395 a 397; TEIXEIRA LEITE, pág.517; MEC, vol.4, pág.443; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 874; LEONOR AMARANTE, pág. 257, Acervo FIEO.



129 - YOLANDA MOHALYI - (1909 - 1978)
-

Rosto - óleo sobre tela - - 73 x 60 cm - canto inferior direito - .

Pintora, desenhista e professora. Formação artística na Academia Real de Belas Artes de Budapest. Ativa em São Paulo a partir de 1931. Fez parte do Grupo dos Sete, juntamente com Victor Brecheret, Gomide e outros. Participante de diversas Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1967, recebendo diversas premiações TEIXEIRA LEITE, pág. 331; PONTUAL, pág. 363; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; ARTE NO BRASIL, pág. 937; LEONOR AMARANTE, pág. 75; Acervo FIEO.



130 - ROBERTO BURLE MARX - (1909 - 1994)
-

"Abstrato" - acrílico sobre papel - - 56 x 76 cm - canto inferior direito e dorso - 1991.
- Reproduzido no convite deste leilão. - Com declaração de participação em exposição realizada no Centro Cultural Brasil - Estados Unidos, na Rua Jorge Tibiriçá, 5 - Santos, SP - no mês de setembro de 2001. -
Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com.



131 - FERNANDO ODRIOZOLA - (1921 - 1986)
-

Composição - óleo sobre madeira - - 22 x 33 cm - canto inferior direito - 1980.

Fernando Pascual Odriozola nasceu em Oviedo, Espanha e faleceu em São Paulo. Pintor, desenhista e gravador. Começou a pintar em 1936. Veio para o Brasil em 1953 e fixou residência em São Paulo. No ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual na Galeria Portinari. O Museu de Arte Moderna de São Paulo dedicou-lhe outra individual, em 1955. Na década de 1960, lecionou no Instituto de Arte Contemporânea da Fundação Armando Álvares Penteado e colaborou como ilustrador nos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de S. Paulo, e na revista Habitat. Em 1964, integrou, com Wesley Duke Lee , Yo Yoshitome e Bin Kondo , o Grupo Austral, ligado ao movimento internacional Phases. Participou das 7ª, 8ª, 9ª, 12ª, 13ª, 14ª, 15ª e 18ª Bienais Internacionais de São Paulo onde foi premiado na 7ª, 8ª, e 14ª edição; da 7ª Bienal de Tóquio; dos 2º e 5º Panoramas da Arte Atual Brasileira, entre outras. No ano de seu falecimento, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) realizou uma exposição retrospectiva póstuma em sua homenagem. JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG. 231; MEC VOL.3, PÁG.291; PONTUAL PÁG. 389; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 737; ARTE NO BRASIL PÁG.907; LEONOR AMARANTE PÁG. 143; ACERVO FIEO.



132 - TADASHI KAMINAGAI - (1899 - 1982)
-

"Paisagem" - óleo sobre tela - - 26 x 38 cm - canto inferior direito - Pedreira - São Paulo - SP.

Grande pintor japonês da Escola de Paris, amigo de Marquet, Vlaminch e Déiran, entre outros, passou no Brasil praticamente toda a década de 1940, aqui se ligando de amizades a pintores como Portinari, Pancetti e Djanira, e iniciando na arte vários jovens pintores de ascendência nipônica, como Flávio Shiró Tanaka, por exemplo. Autor de paisagem, naturezas mortas e retratos de excelente qualidade pictórica, Kaminagai veio freqüentes vezes ao Brasil, onde expôs com enorme sucesso. TEODORO BRAGA, pág.134; BENEZIT, vol.6, pág.152; WALMIR AYALA, vol.1, pág.435 e 437; MEC, vol.2, pág.401; PONTUAL, pág.287; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 643; ARTE NO BRASIL; Acervo FIEO.



133 - IONE SALDANHA - (1921 - 2001)
-

Bambu - têmpera sobre bambu - - h=193 cm - assinado parte superior interna - .
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo. - Rio de Janeiro. -
Gaúcha de Alegrete, faleceu na cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde residiu e foi ativa. Pintora, escultora e desenhista, realizou seus primeiros estudos no Rio de Janeiro, no ateliê de Pedro Luís Corrêa de Araújo, em 1948. Estudou a técnica de afresco em Paris, na Académie Julian, e em Florença, na Itália (1951). Inicialmente, produz obras figurativas, como cenas cotidianas e retratos. Realiza também uma série de pinturas de casarios, em que enfatiza a geometria. Posteriormente, sua produção adquire um caráter abstrato. No fim da década de 1960, passa utilizar novos suportes, abandonando a superfície bidimensional, e pintando sobre ripas, carretéis (bobinas de madeira para cabos elétricos) e bambus. Participa de várias edições da Bienal de São Paulo, com prêmio aquisição em 1967, e sala especial em 1975 e 1979. Em 2001, ano de seu falecimento, é realizada a retrospectiva Ione Saldanha e a Simplicidade da Cor, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói - MAC/Niterói. "O que logo impressiona no desdobramento da pintura de Ione Saldanha, a partir da segunda metade dos anos 40, é a coerência interna do percurso, o rumo ordenado e lógico que a tem feito deslocar-se de um a outro ponto sem abandonar a concentração do interesse em alguns poucos problemas básicos (...). Na obra dos últimos 20 anos, Ione Saldanha, sem sair de seu casulo, alinhou-se numa via frequente da pintura contemporânea". PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 916, 917 e 918; ITAUCULTURAL; RGS, pág. 263/264



134 - OSCAR NIEMEYER - (1907 - 2012)
-

Congresso nacional - desenho - - 22 x 51 cm - canto inferior direito e dorso - .

Oscar Niemeyer Soares Filho nasceu no Rio de Janeiro. Arquiteto, gravador e urbanista. Forma-se em arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes - ENBA, Rio de Janeiro, em 1934. Nesse ano, passa a freqüentar o escritório do arquiteto e urbanista Lucio Costa. Em 1936, integra a comissão criada para definir os planos da sede do Ministério da Educação e Saúde, no Rio de Janeiro, com a supervisão do arquiteto suíço Le Corbusier, a quem assiste como desenhista. Entre 1940 e 1944 projeta o conjunto arquitetônico da Pampulha, Belo Horizonte - MG, que se configura como um marco de sua obra, pois rompe com os conceitos rigorosos do funcionalismo e utiliza uma linguagem de formas novas, de superfícies curvas, explorando as possibilidades plásticas do concreto armado. Em 1947, é convidado pela Organização das Nações Unidas - ONU a participar da comissão de arquitetos encarregada de definir os planos de sua futura sede em Nova York. Seu projeto, associado ao de Le Corbusier, é escolhido como base do plano definitivo. No Rio de Janeiro, em 1955, funda a revista ‘Módulo’ e no ano seguinte começa a colaborar na construção da nova capital do Brasil, Brasília, cujo plano urbanístico é confiado a Lucio Costa. Participou da I e II Bienal Internacional de São Paulo. Em 1965 é realizada uma retrospectiva sua no Museu do Louvre, Paris, a primeira dedicada a um arquiteto. Projetou inúmeras obras pelo mundo e recebeu vários prêmios. O Parque Ibirapuera (1951), São Paulo, também foi um dos seus grandes projetos. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.5, PÁG.744; VOL.6, PÁG.785; MEC, VOL.3, PÁG. 263; DICIONÁRIO OXFORD; www.niemeyer.org.br.



135 - TITO DE ALENCASTRO - (1934 - 1999)
-

"Homens na floresta" - óleo sobre tela - - 50 x 40 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1981.
Descrito sob o número 8 em catálogo de exposição do artista na Galeria Paulo Prado em março de 1982. Autenticado no dorso por Yur Fogaça, herdeiro do artista. -
Pintor, desenhista, gravador e mosaicista, radicou-se em 1961 em São Paulo, após ter estudado no Rio de Janeiro com Abelardo Zaluar, José Morais e Johnny Friedlaender. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 29; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 6; PONTUAL, pág. 14; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



136 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Natureza morta - óleo sobre cartão - - 22 x 16 cm - canto inferior esquerdo - .
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo- Rio de Janeiro. -
Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



137 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

A partida - óleo sobre tela - - 46 x 61 cm - canto inferior direito e dorso - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



138 - RUBEM LUDOLF - (1932 - 2010)
-

Composição - óleo sobre tela - - 50 x 50 cm - dorso - .

Batizado Rubem Mauro Cardoso Ludolf, o artista nasceu em Maceió-AL. Foi pintor, arquiteto e paisagista, formou-se em 1955 pela Escola Nacional de Arquitetura da Universidade Brasil-RJ. Foi aluno de Ivan Serpa no curso livre de pintura do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ. Integrou o Grupo Frente entre 1955 e 1956. "Apesar de os artistas concretos do Rio de Janeiro logo terem se desvinculado da ortodoxia do Grupo Ruptura de São Paulo, criando o movimento neoconcreto, Ludolf manteve-se fiel aos princípios teóricos que nortearam o manifesto paulista. Sua obra seguiu regularmente as questões das estruturas seriadas,dos efeitos ópticos orientados pela visão gestáltica do espaço, da cor programada." Ligia Canongia, in PROJETO Arte Brasileira: abstração geométrica 2. Rio de Janeiro: Funarte. Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1988. O artista expõe individualmente a partir de 1958 e coletivamente participa de exposições desde 1954. ITAUCULTURAL; TEIXEIRA LEITE, pág. 292; WALTER ZANINI, pág. 676; MEC, vol. 2, pág. 511.



139 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata com gato - serigrafia - 156/200 - 76 x 57 cm - canto inferior direito - 1975.
Com autenticação no dorso. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



140 - ELISEU D´ANGELO VISCONTI - (1866 - 1944)
-

Menina moça - óleo sobre tela - - 61 x 50 cm - canto inferior direito - .
- Reproduzido no convite deste leilão. - Acompanha nota fiscal de compra em leilão n° 7038 datada de 3 de dezembro de 2001 do Espaço Urca Arte Ltda. Rua Conde de Irajá, 612, Botafogo - Rio de Janeiro, RJ. -
Considerado o maior pintor que trabalhou no Brasil, nasceu na Itália, mas fez sua formação artística na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro e em Paris. Foi sucessivamente, realista, simbolista, adepto do Art Noveau e pós- impressionista, até chegar em algumas paisagens já quase no fim da vida, a uma síntese admirável de todos esses estilos e tendências. Sua obra-prima - e uma das obras- primas da arte brasileira de todos os tempos - é a decoração do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, principamente o friso do foyer, iniciado em 1914. TEODORO BRAGA, pág. 240/241; LAUDELINO FREIRE, págs. 515/ 133/ 151/ 510 e 512; BENEZIT, vol. 10, pág. 535; REIS JR., pág. 293 /300 /304 /371 /375/ 380/ 381/ 388/ 389; MEC, vol. 4, pág. 393; PONTUAL, pág. 543/544/545; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 422 e 423; MAYER/84, pág. 1252; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 420; ARTE NO BRASIL, pág. 553; LEONOR AMARANTE, pág. 42; Acervo FIEO; F. ACQUARONE, pág. 171.



141 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Anjo - guache - - 30 x 22 cm - canto inferior direito - .

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



142 - OTTONE ZORLINI - (1891 - 1967)
-

"Casa e rio Piracicaba" - óleo sobre cartão - - 21 x 27 cm - canto inferior direito - 1948.

Pintor e escultor nascido na Itália e falecido em São Paulo, onde se radicou na década de 1920. Ottoni Zorlini destacou-se como paisagista e pintor de figuras, num estilo afim ao de Volpi e ao de outros ilustres componentes da hoje célebre Família Artística Paulista, cuja obra muito ajudou a difundir. MEC, vol. 4, págs. 534 e 535; PONTUAL, pág. 559; Catálogo de Pintores Italianos no Brasil, SOCIARTE/82; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 623.



143 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Vaso de flores - óleo sobre tela colada em madeira - - 43 x 35 cm - canto inferior direito - .

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



144 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA - (1909 - 1996)
-

Fazenda - óleo sobre tela - - 70 x 100 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1977.
Procedente da família do autor. -
Considerado por muitos críticos e colecionadores como o mais típico dos nossos pintores ingênuos, Silva foi o intérprete da cena rural de São Paulo, num estilo expontâneo em que assomam, por vezes, soluções plásticas inesperadas. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



145 - DIONISIO DEL SANTO - (1925 - 1999)
-

"Criança e pipa" - acrílico sobre tela - - 50 x 70 cm - canto inferior direito e dorso - 1979.

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



146 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Flautista - escultura em bronze - - h = 77 cm - assinado - .
Procedente da coleção Evaldo Tadeu de Oliveira - Pirajuí, SP. -
Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



147 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata - desenho a lápis - - 21 x 14 cm - canto inferior esquerdo - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



148 - SAMSON FLEXOR - (1907 - 1971)
-

Composição - guache - - 31 x 28 cm - canto superior direito - 1952.

Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



149 - OMAR PELEGATTA - (1925 - 2000)
-

Capela - óleo sobre tela - - 35 x 27 cm - canto inferior direito - .

Italiano da Lombardia, PELLEGATTA foi pintor e gravador dedicado a temas sacros e casarios coloniais. Em sua obra, o ser humano é apresentado sempre de modo idealizado, na figura de ternas madonas, santos, coroinhas e cavaleiros. Participou de diversas coletivas e salões, a partir de 1957, recebendo premiações em sua maioria. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.735; MEC vol.3, pág.363; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



150 - JORGE GUINLE FILHO - (1947 - 1987)
-

"The look" - óleo sobre tela - - 147 x 170 cm - dorso - 1980.
- Reproduzido no convite deste leilão.
Pintor e desenhista. Expôs com regularidade no Rio e São Paulo a partir de 1973, com ótimo mercado. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág.482; LEONOR AMARANTE, pág. 312. Acervo FIEO.



151 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Gato vermelho - acrílico sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2003 - São Paulo, SP.
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



152 - RENOT - (1932)
-

"Baianas do Mandaqui" - óleo sobre tela - - 16 x 22 cm - canto superior direito e dorso - 2011.

Tapeceiro, desenhista e pintor baiano, ativo em São Paulo desde 1978, com diversas premiações, exposições e leilões. Também atua no mercado de arte como "marchand". JULIO LOUZADA vol.1, pág. 816, Acervo FIEO.



153 - GUSTAVO DALL'ARA - (1865 - 1923)
-

Paris - óleo sobre tela colada em cartão - - 24 x 30 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor italiano, ilustrador e caricaturista. Realizou sua formação artística na Academia de Belas Artes de Veneza, estudando com Villa, Franco Dall'ara e Deslandes. Por volta de 1889, veio radicar-se no Rio de Janeiro, como convidado para ilustrar um dos jornais cariocas da época e também por motivos de saúde. Paisagista e marinhista, dedicou-se a fixar aspectos do Rio antigo. Nogueira da Silva chamou-o o pintor da cidade, "tanto se entregara ele, o bizarro e macambúzio, Gustavo Dall'ara, ao urbanismo pictural da metrópole. MEC, vol. 2, pág. 14; REIS JR., pág. 270; PONTUAL, pág. 157; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 234; Catálogo da Exp. De Paisagem Brasileira - Min. Da Educ. e Saúde - MNBA/Rio/1944 ; LAUDELINO FREIRE, pág. 388; TEODORO BRAGA, pág. 78; TEIXEIRA LEITE, pág. 144; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 84; ITAÚ CULTURAL.; ARTE NO BRASIL, pág. 839.



154 - TARSILA DO AMARAL - (1886 - 1973)
-

Paisagem Antropofágica - desenho a lápis - - 9 x 18 cm - canto inferior esquerdo - .
Procedente da coleção do crítico de arte José Henrique Fabre Rolim, São Paulo. -
Pintora, escultora e desenhista que nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Assina Tarsila. Na capital paulista, estudou escultura com William Zadig e Mantovani, teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti . Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na Académie Julian e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote , Albert Gleizes e Fernand Léger. No ano seguinte, já no Brasil, com Oswald de Andrade, Olívia Guedes Penteado, Mário de Andrade e outros, acompanhou o poeta Blaise Cendrars, que conheceu em Paris, em viagem às cidades históricas de Minas Gerais. Realizou uma série de trabalhos baseados em esboços feitos durante a viagem. Nesse período, iniciou a chamada fase pau-brasil e, em 1925, ilustrou o livro de poemas ‘Pau-Brasil’, de Oswald de Andrade, publicado em Paris. Em 1928, pintou ‘Abaporu’, tela que inspirou o movimento antropofágico, desencadeado por Oswald de Andrade e Raul Bopp. Tarsila participou da I Bienal de São Paulo em 1951, teve sala especial na VII Bienal de São Paulo e participou da Bienal de Veneza em 1964. A retrospectiva ‘Tarsila: 50 Anos de Pintura’, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR. PÁG. 388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.958; VOL. 4, PÁG. 1081; DICIONÁRIO OXFORD PÁG. 517; www.tarsiladoamaral.com.br.



155 - VITTÓRIO GOBBIS - (1894 - 1968)
-

Paisagem - aquarela - - 31 x 41 cm - centro inferior - .

Natural de Treviso, Itália. Iniciou seus estudos na terra de origem, tendo após fixado residência em São Paulo, onde foi pintor atuante. Obteve diversas premiações nos Salões Paulistas, no SNBA e no Salão Paulista de Arte Moderna. Participou da I e II Bienais de São Paulo. O MNBA e o MASP possuem obras deste festejado pintor. MEC, vol.2, pág.271; TEIXEIRA LEITE, pág. 220; PONTUAL, pág.240; WALMIR AYALA, vol.1, pág.350; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL, pág. 777, Acervo FIEO.



156 - J. CARLOS - (1884 - 1950)
-

Tempos de Guerra - Hitler e Hiroito - aquarela - - 40 x 29 cm - canto inferior direito - .
Capa da revista "Careta". -
Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, desenhista, ilustrador e caricaturista. Realizou mais de cem mil desenhos, não se conhecendo um único ruim. Observador arguto, retratou com maestria e humor o cotidiano de sua cidade natal, da qual, consta, ausentou-se por duas únicas ocasiões. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646.



157 - EDOARDO DE MARTINO - (1838 - 1912)
-

"Ruínas da batalha naval do Riachuelo" - óleo sobre tela - - 23 x 38 cm - canto inferior esquerdo - .
No estado. Guerra do Paraguai - 11/06/1865. -
Pintor especializado em marinhas e cenas navais. Suas belas telas, cuja precisão de detalhes e harmonia de concepção logo agradaram, e o colocaram em excelente posição junto ao Governo Imperial, ainda mais que contava com a amizade dos Almirantes Barroso e Tamandaré, que conhecera na sua viagem da Europa para Montevidéu, de passagem pelo Recife e Rio de Janeiro. Foi designado pintor oficial, a fim de fixar e retratar para a posteridade cenas e episódios da Guerra do Paraguai. BENEZIT, vol. 7, pág. 225; LAUDELINO FREIRE, págs. 135, 141, 154 e 503; TEODORO BRAGA, pág. 81; REIS JR, pág. 132; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 245; ARTE NO BRASIL, pág. 533.



158 - THÉO (DJALMA PIRES FERREIRA) - (1901 - 1980)
-

Juscelino e seu eleitor - desenho a nanquim e aquarela - - 33 x 25 cm - canto inferior direito - .

Caricaturista, Djalma Pires Ferreira, conhecido como Théo, nasceu na Bahia e veio para o Rio de Janeiro com 21 anos. Publicou seus primeiros trabalhos na "Tarde" (1918 a 1922) e no "Diário de Notícias", Seção Esportes (1919). Foi o divulgador da "Bola do Dia" das colunas de "O Globo" e colaborou no "Malho", "Careta", "Fon-Fon", outras revistas e jornais do Rio de Janeiro e na "Cigarra", em São Paulo. Exposições póstumas: São Paulo (1997, 2003); Belo Horizonte, MG (1997); Campinas, SP (1997); Brasília, DF (1998). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 4, PÁG. 384; CARICATURISTAS BRASILEIROS, 1836 - 2001 PÁG. 120.



159 - DURVAL PEREIRA - (1918 - 1984)
-

Paisagem - óleo sobre eucatex - - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1976.

Nascido e falecido em São Paulo, DURVAL PEREIRA foi pintor e professor ativo em São Paulo. Premiado com a Menção Honrosa no SPBA em 1944, passou a viver exclusivamente da pintura. Pintava ao ar livre aos domingos com os pintores Salvador Rodrigues, Salvador Santisteban, Cirilo Agostinho, Jaime Dinis, Djalma Urban, Innocencio Borghese, e outros. Premiado praticamente em todos os Salões de que participou. Recebeu ao todo, 15 comendas das mais importantes do Brasil. Nos últimos três anos de sua vida, recebeu todos os Primeiros Prêmios e Medalhas de Ouro nas exposições de Paris, Rouen, Lyon, Roma, Miami e Milão. MEC, vol. 3, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 1, págs. 749/750/751. ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



160 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "ARTE BRA - MARCOS CHAVES". LUIZA MELLO (COORD.); VERSÃO PARA O INGLÊS RENATO REZENDE. RIO DE JANEIRO: CASA DA PALAVRA, 2007. 2) "ARTE BRA - RAUL MOURÃO". LUIZA MELLO (COORD.); VERSÃO PARA O INGLÊS RENATO REZENDE. RIO DE JANEIRO: CASA DA PALAVRA, 2007. 3) " PAULO PASTA". SÃO PAULO: EDITORA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 1998. 4) "MAM INVENTÁRIO - CATÁLOGO GERAL DO ACERVO DO MUSEU DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO". TADEU CHIARELLI (COORD.). SÃO PAULO: LEMOS EDITORIAL, 2002. 5) "FIGURAÇÕES - 30 ANOS NA ARTE BRASILEIRA". CATÁLOGO. SÃO PAULO: MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 1998. 6) "SÃO PAULO NA LINHA". CARLA CAFÉ E GISELLE BEIGUELMAN. SÃO PAULO: DBA ARTES GRÁFICAS, 2000. 7) "DESIDENTIDAD - ARTE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA NO ACERVO DO MUSEU DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO". CATÁLOGO. SÃO PAULO: MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA, 2006.



161 - ALFREDO VOLPI - (1896 - 1988)
-

Nu - desenho a carvão - - 61 x 42 cm - canto inferior direito - 20/11/1940.

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



162 - RODOLF WEIGEL - (1907 - 1987)
-

Paisagem - óleo sobre cartão - - 18 x 14 cm - canto inferior esquerdo - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor fiel à sua temática do Brasil antigo, executou pinturas nas cidades de Olinda, Salvador e Angra dos Reis (RJ). MEC, vol.4, pág.505; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.343.



163 - MASSAO OKINAKA - (1913 - 2000)
-

Flores - aquarela - - 30 x 22 cm - canto inferior direito - .

Pintor e grande mestre do sumi-ê, Massao Okinaka era natural de Kyoto, Japão, onde iniciou os seus estudos artísticos. Imigrante, fixou residência em Lins-SP (1932). Em 1947 ingressa no Seibi-kai, e dois anos após, no Grupo do Jacaré e, a partir de 1993, no Grupo Guanabara. Congrega inúmeras exposições coletivas, com premiações. A paisagem predomina suas telas, apresentando uma marca distintiva, expressando o cotidiano urbano, com requintes técnicos, pleno domínio do desenho e inquietação. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 620; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



164 - BUSTAMANTE SÁ - (1907 - 1988)
-

Porto - óleo sobre madeira - - 27 x 34 cm - canto inferior direito - 1951 - França.

Natural da cidade do Rio de Janeiro, estudou na ENBA naquela cidade, onde foi aluno de Rodolfo Amoedo e Rodolfo Chambelland. Participou do Núcleo Bernardelli, do qual foi um dos fundadores em 1931. Participou de sucessivas versões do SNBA a partir de 1928, recebendo diversas premiações. Excepcional pintor do gênero paisagem. TEODORO BRAGA, pág. 59; REIS JR. , pág. 385; MEC,vol. 4, pág. 127; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 145 e 147; TEIXEIRA LEITE, pág. 94; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 47; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL, pág. 763; Acervo FIEO.



165 - CARYBÉ - (1911 - 1997)
-

As amazonas - escultura em bronze - - h = 38 cm - assinado - .
Reproduzida no livro "As artes de Carybé" de autoria de Emanoel Araújo. -
Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista, Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1944, foi a Salvador, e se interessou pela religiosidade e cultura locais. No Rio de Janeiro, auxiliou na montagem do jornal Diário Carioca em 1946 e trabalhou no jornal Tribuna da Imprensa, entre 1949 e 1950. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Das muitas mostras oficiais que participou, destacam-se: Bienais Internacionais de São Paulo em 1951, 1953, 1955 - 1º Prêmio de Desenho, 1971 - Sala Especial e 1977 - Sala Especial; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP (1969). PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO.



166 - GERDA BRENTANI - (1906 - 1999)
-

Fachada - desenho a nanquim e aquarela - - 50 x 30 cm - centro inferior - 1983.

Nasceu em Triestre, Itália, no dia 27 de fevereiro de 1908. Desenhista e gravadora. No Brasil desde 1939, fixou residência em São Paulo, Capital. Iniciou estudos com Ernesto de Fiori e Rossi Osir, por volta de 1940. De traço humoristico, a artista destacou-se no cenário artístico/crítico nacional, cuja obra tem participado em mostras nacionais e internacionais, com sucesso de crítica. JULIO LOUZADA vol.1, pág.153; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; Acervo FIEO.



167 - BENEDITO CALIXTO DE JESUS - (1853 - 1927)
-

Marinha - desenho a lápis - - 29 x 48 cm - canto inferior direito - .

Pintor, professor, historiador, ensaísta, nascido em Conceição de Itanhaém, SP e falecido em São Paulo. Transferiu-se para Brotas, SP, onde adquiriu noções de pintura com o tio Joaquim Pedro de Jesus, ao auxiliá-lo na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Realizou sua primeira individual em São Paulo, no ano de 1881. Fixou-se por algum tempo em Santos e depois de ter executado a decoração do Teatro Guarani, partiu para Paris em 1883, estudando na Academia Julian e no ateliê de Jean François Raffaëlli. Retornou ao Brasil em 1885 e passou a residir em São Vicente. Produziu inúmeras marinhas em que representa o litoral paulista; realizou diversos painéis de temas religiosos para igrejas na capital e interior do Estado de São Paulo; pintou vistas de antigos trechos das cidades de São Paulo, Santos e São Vicente para o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, por encomenda do diretor do museu o historiador Afonso d´Escragnolle Taunay. Dedicou-se também a estudos históricos da região e à preservação de seu patrimônio e publicou, entre outros, os livros 'A Vila de Itanhaém' (1895) e 'Capitanias Paulistas' (1924). Existem obras suas nos acervos de diversos museus brasileiros. TEODORO BRAGA PÁG. 51; REIS JR PÁG. 214; LAUDELINO FREIRE PÁG. 387; PONTUAL PÁG. 68/69; MEC VOL.1, PÁG. 326/327; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.153; MAYER/83 PÁG. 601; TEIXEIRA LEITE PÁG. 97; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 505; ARTE NO BRASIL PÁG. 599, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 172.



168 - RENINA KATZ - (1925)
-

"Cabeça de homem" - monotipia - - 31 x 23 cm - canto inferior direito - 1947.
Reproduzido sob o nº 170 em catálogo de leilão de Evandro Carneiro, Rio de Janeiro - RJ, realizado nos dias 19 e 20 de outubro de 2004. -
Pintora, gravadora e professora, Renina Katz é paulista. Sua arte é dominada pelo vigor e pela imaginação. MEC vol.2, pág.403/4; PONTUAL, pág. 288/9; WALMIR AYALA vol.1, pág.441; JULIO LOUZADA vol.11, pág.262; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 606; ARTE NO BRASIL, pág. 834; LEONOR AMARANTE, pág. 98, Acervo FIEO.



169 - ANTONIO BANDEIRA - (1922 - 1967)
-

Nu - desenho a nanquim e aguada - - 64 x 50 cm - canto inferior direito - 27 XI 47.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



170 - ZIRALDO ALVES PINTO - (1932)
-

Família - desenho a nanquim - - 30 x 40 cm - canto inferior direito - .

Desenhista, caricaturista, cartunista, ilustrador, jornalista e escritor. Apresenta seu primeiro desenho aos 7 anos de idade no jornal Folha de Minas, em 1939. Em 1949, muda-se para o Rio de Janeiro, onde colabora nos periódicos infantis Vida Infantil, Vida Juvenil e Sesinho e começa a publicar trabalhos na revista A Cigarra. Em 1952 ingressa na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG e realiza trabalhos mensais na revista Era uma Vez. Em 1954, substitui o caricaturista Borjalo (1925 - 2004) no jornal Folha de Minas e colabora no jornal Binômio. Em 1957, muda-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, começa a trabalhar na revista O Cruzeiro, onde, dois anos depois, cria o personagem Pererê. Com o sucesso desse personagem, a empresa O Cruzeiro passa a publicar uma revista mensal apenas com suas histórias. No ano de 1963, começa a trabalhar no Jornal do Brasil e, em 1964, na revista Pif-Paf, dirigida por Millôr Fernandes (1923). Em 1967, edita o suplemento dominical Cartum JS, do Jornal dos Sports. No ano seguinte, ganha destaque internacional, e tem seus desenhos publicados em revistas estrangeiras. Integra a equipe de fundadores do jornal O Pasquim, lançado em 1969. Desde então, dedica-se à publicação de livros infantis e, entre muitos títulos, destacam-se Flicts (1969), O Menino Maluquinho (1980) e O Bichinho da Maçã (1982). Em 1982 abandona a direção d'O Pasquim para dedicar-se principalmente à literatura infantil. Em 1999, funda as revistas Bundas - paródia da revista Caras - e Palavra. Em 2002, começa a publicar um novo periódico chamado O Pasquim 21. ITAÚ CULTURAL.



171 - ANTONIO MAIA - (1928 - 2008)
-

"Ex voto" - acrílico sobre tela - - 27 x 35 cm - lado esquerdo e dorso - 1979.

Natural de Carmópolis, SE. Pintor e desenhista. Radicado no Rio de Janeiro desde 1955. Em 1959 fez suas primeiras apresentações em coletivas. Estreou no SNAM, obtendo o prêmio de viagem ao exterior (1969). Pertencente àquele grupo de artistas que organizam seu trabalho em torno de valores culturais vindos da expressão popular, o artista assumiu como um dos temas de sua pintura a imagem do ex-voto., escultura religiosa de caráter popular e votivo. O ex-voto representa, para o artista, um ponto de partida na realização de uma paisagem brasileira sem conotações urbanas. É uma pintura em que o mundo dos homens é construído pelos homens e por suas criações. O artista empresta às figuras com que trabalha, os ex-votos, conotações de análise ideológica, e o faz sem palavras, apenas pela força da presença visual. Figurou em diversas coletivas nacionais e internacionais, conquistando prestigio de critica e público. MEC vol.3, pág.42; PONTUAL, pág. 330 e 331; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; Acervo FIEO.



172 - MARCIO SCHIAZ - (1965)
-

"Santana do Parnaíba" - óleo sobre tela - - 40 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2010.

Paulistano, o pintor nasceu em 10/5/1965. Estudou na APBA-SP, onde desenvolveu curso de desenho e pintura, frequentado sessões de modelo vivo. Individuais desde 1989 e coletivas em Salões Oficiais, com sucesso de crítica. Recebeu diversos prêmios. JULIO LOUZADA, vol.13, pág. 304; Acervo FIEO.



173 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX -
-

"Parque do Ibirapuera" - óleo sobre tela - - 38 x 50 cm - canto inferior direito - 1954.



174 - HILDE WEBER - (1913 - 1994)
-

Flamingo - pintura sobre azulejo - - 15 x 15 cm - canto inferior direito - .
Com etiqueta do Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP, no dorso. -
Pintora, desenhista e caricaturista alemã. Iniciou o seu aprendizado de desenho e artes gráficas em Hamburgo, por volta de 1930, interrompendo três anos mais tarde, quando transferiu-se para o Brasil (país de quem se tornaria cidadã naturalizada), fixando-se primeiramente em São Paulo, até 1949. Entre 1941 e 1949, colaborou com trabalhos de pintura para o atelier OSIRARTE de azulejos. Foi caricaturista de diversos periódicos, destacando-se o Estado de São Paulo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 391; PONTUAL, pág.265; MEC, vol. 2, pág. 337; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; ARTE NO BRASIL.



175 - WALTER LEWY - (1905 - 1995)
-

Surreal - óleo sobre tela - - 27 x 35 cm - canto inferior direito - 1976.

Pioneiro do surrealismo, o qual praticava desde que chegou ao Brasil, em 1937, fixando residência em São Paulo. Participou de Salões Nacionais e Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1965, recebendo diversas premiações oficiais. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 497; MEC, vol. 2, pág. 474; TEODORO BRAGA, pág. 245; TEIXEIRA LEITE, pág. 286; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; LEONOR AMARANTE, pág. 142; Acervo FIEO.



176 - CARYBÉ - (1911 - 1997)
-

Orixás - desenho a nanquim - - 30 x 20 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista, Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1944, foi a Salvador, e se interessou pela religiosidade e cultura locais. No Rio de Janeiro, auxiliou na montagem do jornal Diário Carioca em 1946 e trabalhou no jornal Tribuna da Imprensa, entre 1949 e 1950. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Das muitas mostras oficiais que participou, destacam-se: Bienais Internacionais de São Paulo em 1951, 1953, 1955 - 1º Prêmio de Desenho, 1971 - Sala Especial e 1977 - Sala Especial; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP (1969). PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO.



177 - INOS CORRADIN - (1929)
-

"O repouso do equilibrista" - óleo sobre tela - - 80 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - .

Pintor, desenhista, gravador, escultor e cenógrafo, nascido em Vogogna, Itália. Por volta de 1932 mudou-se com a família para Castelbaldo - Padova, onde, em 1945, estudou pintura com professor Tardivello. Em 1947 colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural referente aos mártires da resistência italiana em Castelbaldo. Veio, em 1950, para Jundiaí e São Paulo onde fez parte do núcleo artístico Cooperativa em São Paulo, dirigido pelo pintor argentino Oswaldo Gil Navarro. Executou cenários para o Ballet do IV Centenário de São Paulo, em 1954. Em 1979 foi contratado para pintar um cenário para o Teatro de Rovigo, Itália. Realizou diversas exposições individuais, participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais pelo Brasil e pelo mundo. Foi premiado em Paris (1975) e em Ferrara, Itália (1976). JULIO LOUZADA, VOL. 11, PÁG. 152; PONTUAL, PÁG. 143; MEC, VOL. 1, PÁG. 448; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 215; ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO; inoscorradin.com.br.



178 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

Rosto - monotipia - - 44 x 30 cm - canto inferior direito - .

Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



179 - FRANÇOIS MORELLET - (1926)
-

Composição - serigrafia - E.A. III - 61 x 61 cm - canto inferior direito - .

Artista contemporâneo francês, pintor, gravador e escultor que nasceu em Cholet. Vive e trabalha nessa cidade e em Paris. Foi um dos fundadores do grupo G.R.A.V. (Group de Recherche d’Art Visuel), de 1960 a 1968, junto com os artistas: Francisco Sobrino, Horacio Garcia Rossi , Julio Le Parc, Yvaral, Joël Stein, François e Vera Molnar. Também foi um dos organizadores do movimento internacional de arte cinética: "Nouvelle Tendance". Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras coletivas, em galerias e museus desde 1950, em: Paris, inclusive no Museu do Louvre e D’Orsay; noutras cidades da França: Rennes, Angers, Cluny, Nantes, Saint Paul de Vence, Odeon, Chinon, Le Chateau d’Olonne, Grenoble, Istres, Nancy, Le Chateu Cambrésis; na Alemanha: Stuttgarg, Mainz, Ulm, Marl, Paderborn, Karlsruhe, Münster, Berlim, Bonn, Bremen, Hannover, Rhein, Otterndorf, Reutligen, Kassel (Documenta); na Holanda: Amsterdam, Einhoven; na Suiça: Zurique, Basel; na Itália: Milão, Veneza, Vince; na Bélgica: Gent; na Inglaterra: Birminghan, Newscasttle, Edinburgh, Sheffield, Cardiff, Southampton, Oxford, Leicester; na Dinamarca: Copenhague. Em 1975, aqui no Brasil, obteve o Prêmio Internacional de Pintura na Bienal Internacional de São Paulo. BENEZIT, VOL.7, PÁG. 533; artnet.com; artprice.com; francois-morellet.com; museedulouvre.org; brooklynmuseum.org; rioartecultura.com; fr.wikipedia.org.



180 - ISABEL DE JESUS - (1938)
-

Composição - desenho a nanquim e guache - - 70 x 52 cm - centro inferior - 1970.

Mineira de Cabo Verde, é pintora e desenhista. Começou a pintar em 1965, já em São Paulo. Estudou anteriormente desenho com Iracema Arditi. Participou do setor de desenho do XXIII SPar.BA, 1966, realizando exposições individuais no mesmo ano em São Paulo e Rio. MEC, vol.2, pág.374; PONTUAL, pág.280; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.158; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 226; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



181 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD - (1896 - 1962)
-

Paisagem - aquarela - - 24 x 22 cm - canto inferior direito - 1959.

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e professor, nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Frequentou a ‘Königliche Akademie der Bildenden Künste’ [Real Academia de Belas Artes] de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. De 1931 a 1943 dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Em 1941 integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da I Bienal Internacional de São Paulo. Foi premiado no Rio de Janeiro (1924, 1929, 1940 - Prêmio de Viagem ao País, 1942, 1948, 1951) e em Buenos Aires, Argentina (1937). PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28.



182 - FRANK SCHAEFFER - (1917 - 2008)
-

Operários - óleo sobre cartão - - 100 x 51 cm - canto inferior direito - 1977.

Pintor, desenhista e professor. Realizou sua formação artística com Arpad Szenes no Brasil e, entre 1948 e 1949, com André Lhote e Fernand Léger em Paris. Participou de diversas edições da Bienal SP, do SNAM, e outras mostras importantes, tais como I Bienal Interamericana do México (1958), SAMDF (1964 e 1965), entre outras, todas com premiações. Pintor fiel ao seu estilo, pinta seus tema preferidos através de sua imaginação romântico-expressionista. TEODORO BRAGA, pág. 101; PONTUAL, pág. 477; MEC, vol. 4, págs. 192 e 209; Catálogo da Exposição de Paisagem Brasileira, MEC-MNBA/Rio/1944.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717.



183 - ADRIANO GAMBIM - (1983)
-

"Pai e filho" - acrílico sobre tela - - 40 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 2011.

Pintor, desenhista, gravador e professor. Sua formação artística foi na UNIMESP e UNESP, São Paulo. Realizou exposições individuais em Guarulhos (2008, 2009, 2010, 2011) e tem participado de várias mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Guarulhos, SP (2007 a 2013); Araras, SP (2013); Brasília, DF (2013); Araraquara, SP (2012); Curitiba, PR (2012); Ribeirão Preto, SP (2010); Santo André, SP (2010); Santos, SP (2011); Ceará (2012); Espanha (2005 a 2008, 2013); México (2009); Itália (2007, 2009); Japão (2008); Romênia (2007, 2010). Foi premiado em: Guarulhos, SP (2007 a 2009, 2011); Mairiporã, SP (2011); Espanha (2011); Araraquara, SP (2010, 2012); Araras, SP (2012). artesvisuaisguarulhos.blogspot.com.br, web.artprice.com.



184 - DARCILIO LIMA - (1944)
-

Surreal - litografia - 10/25 - 65 x 50 cm - canto inferior direito - 1972.
No estado. -
Cearense de Cascavel, o festejado desenhista Darcilio foi para o Rio de Janeiro, e já depois de haver iniciado autodidaticamente seu trabalho no campo da pintura e da utilização do lápis cêra. Recebeu orientação de Ivan Serpa, passando a dedicar-se especialmente ao desenho a bico-de-pena, com a permanente fixação gráfica da fantasia erótica como veículo de impacto crítico. PONTUAL, pág. 159. MEC, vol.1, pág.17; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE; ITAU CULTURAL.



185 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX -
-

Ferreiro - escultura em metal - - h = 61 cm - não assinado - .
Peça de decoração. -



186 - UBI BAVA - (1915 - 1988)
-

Composição - desenho a nanquim - - 25 x 27 cm - canto inferior direito - 1958.

Natural da cidade paulista de Santos. Faleceu em São Paulo. Arquiteto, professor, pintor, desenhista e escultor. Foi aluno de Lucilio de Albuquerque e de Henrique Cavalleiro. Foi professor de desenho artístico da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, FAU/UFRJ. Entre as diversas exposições de que participou, destacam-se: Salão Nacional de Belas Artes - Divisão Moderna, Rio de Janeiro (1949); Bienal Internacional de São Paulo (1951 a 1955, 1959, 1973, 1975); Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1961, 1968); Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM/SP (1975, 1976); Exposição Itinerante de Arte Moderna no Brasil por Argentina, Chile e Peru (1957). Foi premiado no Rio de Janeiro (1949, 1961 - Prêmio de Viagem ao Estrangeiro); Curitiba, PR (1972). Viajou pela Europa, com o Prêmio de Viagem, e se fixou na Itália por dois anos. TEIXEIRA LEITE; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL. 5 PÁG. 98; WALTER ZANINI, PÁG. 676; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, PÁG. 933; pitoresco.com.br; mac.pr.gov.br; arcadja.com;web.artprice.com.



187 - COLETTE PUJOL - (1913 - 1999)
-

Nu - pastel - - 70 x 50 cm - canto inferior direito - .
Com etiqueta n° 3536 de Renot Atelier, no dorso, São Paulo - SP, no dorso. -
Esta premiadíssima pintora e professora paulistana, recebeu as suas primeiras aulas de desenho e pintura de Antonio Rocco e de Lucília Fraga, ainda na capital paulista. Residindo em Salvador, freqüentou a Escola de Belas Artes, onde foi aluna de Presciliano Silva (1942 a 1944); a partir de 1946 até 1949, estudou na Europa. Possui obras em museus brasileiros. PONTUAL, pág. 440; MEC, vol. 3, pág. 438; TEODORO BRAGA, pág. 73; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



188 - EDOUARD PAÏL - (1851 - 1916)
-

Rebanho - óleo sobre tela - - 39 x 46 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor da Escola Francesa nascido em Corbigny - Nièvre. Foi aluno de Lavoignat. Participa de diversos Salões oficiais a partir de 1870, foi premiado em 1887 e 1893. Na França, os museus de Clamecy e o de Brest possuem obras suas. BENEZIT VOL.8, PÁG. 84; web.artprice.com; arcadja.com; findartinfo.com.



189 - CARLOS VERGARA - (1941)
-

Carnaval - serigrafia - 16/50 - 45 x 54 cm - canto inferior direito - .

Carlos Augusto Caminha Vergara dos Santos, importantíssimo artista plástico brasileiro, nasceu na cidade gaúcha de Santa Maria-RS. Gravador, fotógrafo e pintor, transfere-se para o Rio de Janeiro na déc. de 50. Dedicou-se ao artesanato de jóias, que são expostas na 7ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1963. Estudou desenho e pintura com Iberê Camargo. Participou das mostras Opinião 65 e 66, no MAM-RJ. Em 1967 produz pinturas figurativas, que revelam afinidades com o expressionismo e a Arte Pop. Atua ainda em colaboração com arquitetos, realizando painéis para diversos edifícios, empregando materiais e técnicas do artesanato popular. Durante os anos 1980, volta à pintura, produzindo quadros abstratos geométricos, nos quais explora, principalmente, tramas de losangos que determinam campos cromáticos. Desde o fim dos anos 1980, emprega pigmentos naturais e minérios, com os quais produz a base para trabalhos em superfícies diversas. Em 1997, realiza a série Monotipias do Pantanal, na qual explora o contato direto com o meio natural, transferindo para a tela texturas de pedras ou folhas, entre outros procedimentos. MEC., vol.4, pág.469; JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 1030; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 734; ARTE NO BRASIL, pág. 966; LEONOR AMARANTE, pág. 168.



190 - INGRES SPELTRI - (1940)
-

Violinos - óleo sobre eucatex - - 61 x 50 cm - canto inferior direito - .

Nasceu em Jau, São Paulo, em 20/01/1940. Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor. Apresentando uma pintura de fases bem demarcadas, onde as possibilidades plásticas do cubismo, do construtivismo e do concretismo foram exploradas com paixão e rigor de pesquisa, o autor tem percorrido um rico itinerário em sua incessante buscar de universo expressivo e de uma linguagem pictórica definitiva. O autor é professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 937; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



191 - JORGE CRESTA GUINLE - (1943 - XX)
-

"Sonhos além Terra" - óleo sobre tela - - 70 x 70 cm - canto inferior esquerdo e dorso - .

Pintor nascido no Rio de Janeiro, RJ. Assinava J. Cresta Guinle e Cresta Guinle. Depois de uma primeira exposição, resultado de um autodidatismo sem conseqüência, voltou a expor, com excelentes resultados, 1973, em mostra coletiva. A esta altura já tinha recebido orientações de Roberto Magalhães. Desde então vem participando de inúmeras exposições e Salões oficiais. Individuais: Rio de Janeiro (1976 a 1979, 1984); São Paulo (1977); França (1977, 1978, 1983); Salvador, BA (1978); Cataguases, MG (1978); Niterói, RJ (1979). Coletivas: Rio de Janeiro (1973, 1977 a 1980, 1983, 1995); São Paulo ( 1977 - Bienal Internacional; 1978- I Bienal Latino Americana); França (1979); Canadá (1982, 1983). Prêmios: Rio de Janeiro (1977 a 1980, 1983). DICIONÁRIO DE PINTORES BRASILEIROS - BOZANO SIMONSEN, VOL. 1, PÁG. 38; JULIO LOUZADA, VOL. 3, PÁG. 498, VOL. 8, PÁG. 379; VOL. 10, PÁG. 407.



192 - JUDITH LAUAND - (1922)
-

Composição - guache - - 40 x 30 cm - canto inferior direito - 1957.

Nasceu na cidade paulista de Pontal. Em 1950 formou-se em artes plásticas na Escola de Belas Artes de Araraquara-SP. Em 1952, já em São Paulo, estuda pintura com Domênico Lazzarini e gravura com Lívio Abramo. Integra o grupo paulista do movimento de arte concreta em 1955. Participa da Bienal Internacional de São Paulo, várias edições entre 1955 e 1969; Exposição Nacional de Arte Concreta, São Paulo, 1956; Tendências Construtivas no Acervo do MAC/USP, Rio de Janeiro, 1996; Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, São Paulo e Rio de Janeiro, 1998 e 1999. Na crítica de Mario Schenberg, ..." Judith Lauand permanece fiel a sua postura e trajetória concretista. Sua obra recente revela a densidade da composição, o apuramento do cromatismo, o equilíbrio do grafismo, conseguidos por constante pesquisa. Judith envereda agora por novos caminhos realizando obras que podem ser chamadas de assimétricas, onde o geometrismo da decomposição cromática destrói a ‘partição eqüilateral’ presente ao longo de sua obra, criando uma nova simetria. " (LAUAND, Judith. Judith Lauand : pinturas. Sao Paulo : Choice Galeria de Arte, 1986. p. 3). JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 479; ITAU CULTURAL.



193 - FRANCISCO REBOLO GONSALES - (1903 - 1980)
-

Paisagem - litografia - 6/70 - 52 x 37 cm - canto inferior direito - .

Grande pintor paulistano, um dos principais membros do Grupo Santa Helena e da Família Artística Paulista, Rebolo é acima de tudo um paisagista de colorido suave e desenho sensível. MEC, vol. 4, pág. 28/29; TEODORO BRAGA, pág. 202/3; PONTUAL, pág. 447/448; REIS JR., pág. 382; TEIXEIRA LEITE, pág. 433/434/435.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; LEONOR AMARANTE, pág. 13; ARTE NO BRASIL; Acervo FIEO.



194 - MARTINS DE PORANGABA - (1944)
-

Figuras - óleo sobre tela - - 21 x 33 cm - canto inferior direito - 1988.

O crítico de arte José Neisten declarou a respeito do artista, em Washington: " O que define o significado de suas telas é a sintaxe: portanto, uma semântica pessoal, tal como evolui na dinâmica de composição, em seu complexo contraponto, e no uso da cor. Nem sempre é possível entender sua pintura com aferição puramente plástica; muitas vezes é preciso pedir ajuda dos critérios musicais, porque Martins frequentemente compõe suas formas e cores com energia e finura de composição musical, onde tom acima ou um quadro de tom abaixo fazem uma diferença enorme no resultado global ". JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 704; ITAU CULTURAL.



195 - PABLO PICASSO - (1881 - 1973)
-

Paz - litografia - 34/200 - 57 x 63 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, escultor, gravador, ceramista, artista gráfico e designer, Pablo Ruiz Picasso nasceu em Málaga, Espanha e faleceu em Mougins, França. Filho de um pintor e mestre de desenho, foi extraordinariamente precoce dominando o desenho acadêmico ainda na infância. Em 1904 estabeleceu-se em Paris tornando-se o centro de um círculo de artistas e escritores de vanguarda como André Breton, Guillaume Apollinaire e Gertrude Stein. Revolucionário, genial, vanguardista, visionário são elogios que definiram Picasso como um dos mestres da pintura. Sua ampla biografia e sua obra representam a arte do século XX. Embora sua obra seja convencionalmente dividida em fases, Picasso trabalhava numa grande variedade de temas e estilos ao mesmo tempo. Sua pintura “Les Demoiselles d’Avignon” (1906-7) é tida como o marco mais importante no desenvolvimento da pintura contemporânea e o primeiro prenúncio do cubismo que desenvolveu em íntima associação com Braque e depois com Gris. Sua obra mais famosa “Guernica” (1937), pintada para o pavilhão espanhol da Exposição Universal de Paris de 1937, expressa toda sua revolta e horror à destruição de Guernica, capital do país basco, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). No campo da escultura foi um dos primeiros artistas a compor esculturas a partir da montagem de materiais variados (e não por modelagem ou entalhe) e fez uso brilhante de objetos encontrados. Também como artista gráfico inclui-se entre os maiores do século. Existem museus consagrados à sua obra em Paris e Barcelona, e outros exemplos de sua inigualável produção distribuem-se por museus do mundo inteiro. Foi o primeiro artista vivo a expor suas obras no Museu do Louvre, quando completou 90 anos. BENEZIT VOL.8, PÁG. 297; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 763; ITAÚ CULTURAL; COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA VOL. 6; infoescola.com; guggenheim.org; moma.org; a rtprice.com; arcadja.com; christies.com.



196 - SÉRVULO ESMERALDO - (1929)
-

Composição - gravura - E/A - 57 x 45 cm - canto inferior direito - .

Cearense de Crato, onde nasceu a 27 de fevereiro de 1929. Escultor e gravador. Importante representante da arte nacional. Expõe individualmente desde 1951, em São Paulo, Rio e Ceará. Participa de coletivas nacionais a partir de 1974 (MAC-SP) e internacionais a partir de 1956 (Cracóvia). É artista de extenso curriculum de exposições e premiações. Tem reconhecimento e cotação internacional. JULIO LOUZADA vol. 4 pág. 365; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 855; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 703; LEONOR AMARANTE, pág. 75.



197 - TITO DE ALENCASTRO - (1934 - 1999)
-

Cavalinho - serigrafia - 50/195 - 27 x 35 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador e mosaicista, radicou-se em 1961 em São Paulo, após ter estudado no Rio de Janeiro com Abelardo Zaluar, José Morais e Johnny Friedlaender. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 29; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 6; PONTUAL, pág. 14; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



198 - MITSUTAKA KOGURE - (1938)
-

Fachada - pastel - - 32 x 15 cm - canto inferior esquerdo - .

Natural de Gunmaken, Japão. Formou-se na Escola de Belas Artes de Tóquio. Participou de coletivas naquela cidade até 1960, quando fixa residência em São Paulo. Figurou desde então na BSP (1963) e dos VII e VIII salões de Artes Plásticas do Grupo Seibi, com premiações. Participou também dos salões organizados pelo MAM-RJ e do SPAM-SP. Conforme texto do pintor Tikashi Fukushima, Kogure "pinta becos e cantos obscuros, dando-lhes colorido mágico, modernizando a estrutura." JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 512; MEC, vol. 2-pág. 410; ROBERTO PONTUAL, pág.292; Acervo FIEO.



199 - MACIEJ ANTONI BABINSKI - (1931)
-

Crianças - desenho a nanquim e aguada - - 31 x 47 cm - canto inferior direito - 1963.

Natural de Varsóvia, Polônia, viveu sucessivamente na Inglaterra e no Canadá, radicando-se em 1953 no Brasil. Antigo aluno de Maurice Denis em Paris, e expoente da pintura abstracionista canadense. Babinski foi colega de Goeldi, de quem adotou a linguagem expressionista. Esplêndido gravador. Atualmente vive é ativo no Ceará. TEIXEIRA LEITE, pág. 48; PONTUAL, págs. 46 e 47; MEC, vol. 1, pág. 157; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 69; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 24; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 903, Acervo FIEO.



200 - CLÓVIS GRACIANO - (1907 - 1988)
-

Figuras - litografia - 38/100 - 44 x 32 cm - canto inferior direito - 1976 - Paris.

Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



201 - JOÃO SANSEVERINO - (1911 - 1990)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 45 x 63 cm - canto inferior direito - .

Pintor com diversas exposições individuais e coletivas. Várias premiações em Salões Oficiais. Em 1933 ganhou Medalha de Ouro e como reconhecimento o Governo Brasileiro lhe concedeu uma Bolsa de Estudos para a Italia de 1935 a 1938. JULIO LOUZADA vol. 4 pág. 990



202 - EVANDRO CARLOS JARDIM - (1935)
-

Pássaro - gravura - 3/30 - 16 x 24 cm - canto inferior direito - .

Excepcional gravador e pintor, diplomado pela Escola de Belas Artes de São Paulo, em 1958. Suas obras são sensíveis, tem apuro artesanal e invenção formal; buscam o insólito da paisagem, transformando em arte quase surreal. PONTUAL, pág. 277; MEC, vol. 2, pág. 372; TEIXEIRA LEITE, pág. 264.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 764; ARTE NO BRASIL, pág. 966; LEONOR AMARANTE, pág. 240. Acervo FIEO. -



203 - EDIR ESCARIÃO - (1948)
-

"Consertando a rede" - desenho a nanquim e lápis de cor - - 33 x 45 cm - canto inferior direito - 2009.

Pintor, desenhista e gravador, natural de Caruaru, PE. Edir Mai Escarião assinava, até 1995, Edir Escarião e E. Escarião, atualmente. Passou a sua infância em Santos, SP. Estudou desenho na Associação Paulista de Belas Artes e pintura com o professor Guido, em São Paulo. Dedica-se à xilogravura a partir de 1977. Exposições individuais: São Paulo, SP (1979, 1987). Coletivas: São Paulo, SP (1973 a 1977, 1982, 1983, 1986, 1987, 1989, 1991, 1992, 1994, 1995); Jundiaí, SP (1975); Brasília, DF (1976); Embu, SP (1977); Santos, SP (1977); Curitiba, PR (1977); Salvador, BA (1980, 1991); Campinas, SP (1981, 1989, 1990, 1991); Americana, SP (1984); Ilhabela, SP (1995); Suíça (1993, 1994). Prêmios: São Paulo, SP (1986, 1987, 1992); Suíça (1992). JULIO LOUZADA, vol.5, pág. 342; vol. 9, pág.294.



204 - ALEXANDRE RAPOPORT - (1929)
-

Natureza morta - monotipia - - 53 x 34 cm - canto inferior direito - 1958.

Arquiteto, pintor, gravador, desenhista industrial e professor, RAPOPORT nasceu no Rio de Janeiro, onde cursou a Faculdade Nacional de Arquitetura da antiga Universidade do Brasil. Fêz aprendizado de gravura na antiga ENBA em 1952. Conquistou menções honrosas em pintura e desenho no SNBA a partir de 1948. WALMIR AYALA,vol. 2, pág. 237; MEC, vol. 4, pág. 26; PONTUAL, pág. 447; TEIXEIRA LEITE, pág. 431; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 260; ITAU CULTURAL.



205 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Menino - gravura - 42/100 - 39 x 26 cm - canto inferior direito - 1974.

Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



206 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Bananas - serigrafia - - 36 x 50 cm - canto inferior direito - 1978.

Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



207 - AMIRA BESSONE - (1927)
-

"Faculdade São Francisco" - óleo sobre tela - - 27 x 35 cm - canto inferior esquerdo e dorso - .

Pintora e desenhista. Em 1937 iniciou estudo de desenho e pintura sob a orientação de Josef Panzner; de 1943 a 1946 estudou desenho e escultura; em 1947 aperfeiçoou-se em pintura e desenho; em 1948 trabalhou em Paris como desenhista de jóias e bijouterias, e continuou os estudos de pintura com Therese Durain; em 1950 transferiu-se para o Brasil, e no ano seguinte trabalhou junto a Walt Disney Productions, em São Paulo, onde criou artigos Disney; em 1961 começou na carreira de artista plástica. Participou de Salões Coletivos e recebeu inúmeros prêmios. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 113



208 - CARLOS LEÃO - (1906 - 1982)
-

Casal - desenho a nanquim e aquarela - - 26 x 19 cm - canto inferior direito - .

Arquiteto, pintor e desenhista ativo no Rio de Janeiro. Participou com Lucio Costa no projeto do edifício sede do Ministério de Educação do Rio de Janeiro (1937). Excepcional desenhista, praticou igualmente a pintura, sempre fiel a uma só temática - "a mulher, seu corpo, seu mundo de amor, sexo e poesia". MEC, vol. 2, pág. 462/3; TEIXEIRA LEITE, pág. 281; PONTUAL, PÁG. 303; JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG.171; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 602; ARTE NO BRASIL, pág. 746.



209 - ÉLON BRASIL - (1957)
-

"Consolação" - óleo sobre tela - - 61 x 81 cm - canto superior esquerdo e dorso - .
Série "Metrópoles". -
Artista plástico autodidata, nasceu em 1957, na praia de Jurujuba, em Niterói-RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Mudando-se em 1968 para São Paulo, aos 12 anos, ganhou sua primeira medalha de ouro na II PINARTE de Pinheiros. Em 1970, juntamente com os artista Aldemir Martins, Clóvis Graciano e Carlos Scliar, Élon ilustrou o livro de poesias "Cantando os Gols" de Tito Battine. Hoje, sua obra figurativa e abstrata é composta por imagens da terra: índios, negros e caboclos, cercados por textura e cores marcantes. Sua temática busca ressaltar e preservar a cultura brasileira e suas próprias raízes. Filho de baianos - mãe negra, neta de índios, e pai (o artista Milton Brasil), neto de imigrantes italianos e portugueses - Élon resgata em sua história e origem, a fonte de inspiração . Ao morar na Suíça por seis meses, obteve a oportunidade de expor o seu trabalho em diversas ocasiões, tornando-se conhecido internacionalmente, principalmente com encomendas para colecionadores europeus.



210 - HELIO DE CASTRO - (1960)
-

Barcos - óleo sobre tela - - 40 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2013.

Excepcional pintor de paisagens e marinhas, dono de refinada técnica e composição, com inspiração nas escolas européias. Julio Lousada, vol. 4, pág. 514



211 - KASUO WAKABAYASHI - (1931)
-

Composição - serigrafia - 64/100 - 70 x 70 cm - canto inferior direito - 1988.

Pintor natural da cidade japonesa de Kobe. Inicia seus estudos na Escola Técnica de Hikone, em Shiga (Japão), em 1944. Em 1946, inicia aprendizado de pintura a óleo. Torna-se membro do Grupo Babel, composto por Rokuichi, Kaibara, Ko Nishimura e outros. Em 1952 monta seu atelier. Em 1961, vem para o Brasil e radica-se em São Paulo, onde integra-se ao Grupo Seibi. Em 1966, é convidado para ser membro do júri do 10º Salão do Grupo Seibi de Artistas Plásticos, salão em que ganha a Grande Medalha de Ouro, na edição de 1963. Em 1968, naturaliza-se brasileiro. Entre 1963 e 1967, participa de várias edições da Bienal Internacional de São Paulo, recebendo o Prêmio Aquisição do Itamarati na 9ª edição. Em 1984, participa da exposição itinerante por Europa e América, Mestres do Abstracionismo Brasileiro; em 1994, participa da Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo. Em 2001, realiza exposição individual comemorativa dos seus 70 anos, na A Galeria em São Paulo. TEIXEIRA LEITE, pág. 540; PONTUAL, pág. 550; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 939, Acervo FIEO.



212 - MENASE WAIDERGORN - (1927)
-

Retirantes - óleo sobre tela colada em eucatex - - 12 x 24 cm - canto inferior direito - .

Romeno da cidade de Hotin, Waidergorn veio para o Brasil em 1932, onde seus pais fixaram residência em São Paulo. Ingressou na APBA, onde conheceu Mecatti, que muito o estimulou e orientou, dele assimilando a luminosidade da pintura peninsular muito a gosto do ottocento italiano. Sua pintura aborda todos os gêneros, baseadas tanto nas recordações da infância pobre como nas lembranças das viagens que fez ao norte da Africa e Europa. Participou de diversos salões e coletivas, recebendo diversas premiações JULIO LOUZADA vol.11, pág. 330; Acervo FIEO.



213 - PAULO LAENDER - (1946)
-

"Barroco XLIV" - encáustica e colagem sobre cartão - - 36 x 28 cm - canto superior direito - 14/05/1965.

Pintor, desenhista, gravador, escultor, arquiteto e professor, Paulo Roberto Frade Laender nasceu em Teófilo Otoni, MG. Mudou-se para Belo Horizonte e iniciou estudos de desenho com Maria Helena Andrés (1962). Dois anos depois, fundou o Grupo Oficina e realizou sua primeira exposição individual. Em 1965, passou a residir no Rio de Janeiro e freqüentou o ateliê de gravura do Museu de Arte Moderna. No ano seguinte, voltou a Belo Horizonte, iniciou graduação em arquitetura pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais, concluída em 1970. A partir desse período desenvolveu desenhos e atividades em cinema, design de jóias e cenografia, dedicou-se à arquitetura e ao design, além de produzir esculturas, gravuras e pinturas. Montou e dirigiu as oficinas de joalheria, fundição e lapidação da Bronfen-Laender (1983). Tem realizado muitas exposições individuais e participado de várias coletivas e Salões oficiais no Brasil e pelo mundo. Teve obras nas Bienais Internacionais de São Paulo em 1965, 1967, 1973 e 1991. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 5, PÁG. 548; MEC VOL. 2, PÁG. 436; PONTUAL PÁG. 298; www.laender.com.br.



214 - ANGELO BROMBO - (1893 - 1962)
-

"Canale S. Girolamo - Veneza" - óleo sobre madeira - - 40 x 50 cm - canto inferior esquerdo e dorso - .

Pintor natural de Chioggia, Veneza. Viveu e trabalhou durante toda a sua vida nessa cidade. Expôs com grande sucesso Europa. ART PRICE.



215 - GUIDO VIARO - (1897 - 1971)
-

"As três Marias" - gravura - 12/20 - 32 x 31 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador e professor, nasceu em Badia Polesine, Itália. Fez estudos de formação artística em Veneza e Bolonha, naquele País, vindo para o Brasil em 1928. Radicou-se em Curitiba 1930, onde lecionou pintura e desenho. Participou, recebendo premiações, em diversos Salões nacionais. JULIO LOUZADA vol.aa, pág.335; TEIXEIRA LEITE, pág. 522, PONTUAL, pág. 539; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 449; ARTE NO BRASIL, pág. 883.



216 - AUGUSTO JOSÉ MARQUES JÚNIOR - (1887 - 1960)
-

Flores - óleo sobre eucatex - - 65 x 85 cm - canto inferior esquerdo - 1959.

Discípulo de Visconti, grande pintor e mestre de pintura, Marques Júnior foi, no lado de Cavalleiro, um dos renovadores da arte nacional, nos primeiros anos do século XX. REIS JR. , pág. 371; TEODORO BRAGA, pág. 159; PONTUAL, pág. 341.342; MEC, vol. 3, pág. 76; TEIXEIRA LEITE, pág. 315; Primores da Pintura no Brasil, pág. 277.



217 - ROBERTO DE LAMONICA - (1933 - 1995)
-

Composição - gravura - 91/110 - 26 x 20 cm - canto inferior direito - 1965.

Gravador, pintor e professor. Inicia seus estudos na Escola de Belas Artes de São Paulo. Trabalha no Museu de Arte de São Paulo sob orientação de Poty e Darel; mais tarde, estuda gravura com Renina Katz. Em 1958, muda-se para o Rio de Janeiro e estuda com Orlando da Silva no Liceu de Artes e Ofícios. No ano seguinte, aperfeiçoa-se com Johnny Friedlaender no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Em 1963, é convidado para lecionar na Escola de Belas Artes de Minneapolis, Estados Unidos. Em 1965, recebe a Bolsa Guggenheim e, no ano seguinte, vai para Nova York onde leciona gravura em várias instituições, como a New School for Social Research e a Art Students League. De 1982 a 1984, dirige o atelier de gravura da Universidade de Sydney. ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 521.



218 - GREGORY FINK - (1946)
-

Figuras - técnica mista - - 70 x 40 cm - canto inferior esquerdo - .

Natural de Londres, Inglaterra (6/9/1946). Pintor, desenhista e gravador ativo em São Paulo, com diversas exposições. JULIO LOUZADA, vol. 12 , pág. 159



219 - ANATOL WLADYSLAW - (1913 - 2004)
-

Composição - desenho a nanquim e aguada - - 34 x 49 cm - canto inferior direito - 1962.
Com etiqueta da Bienal de São Paulo, no dorso. -
Pintor e desenhista nascido em Varsóvia, Polonia; faleceu em São Paulo, aos 91 anos de idade. No Brasil desde 1930, fixou residência em São Paulo, naturalizando-se brasileiro. Dedicou-se à pintura e ao desenho a partir de 1946, participando da I à IX Bienal, recebendo diversas premiações. Formado em engenharia no Mackenzie, tornou-se um dos pioneiros da arte abstrata, participando ativamente do movimento Ruptura, ao lado de Valdemar Cordeiro, Lothar Charoux e Luiz Sacilotto. Figura no acervo do MAM-RJ e MNBA de Buenos Aires. JULIO LOUZADA, VOL, 4, pág, 1177. MEC, VOL, 4 pág, 512. TEIXEIRA LEITE, pág, 544. WALMIR AYALA, VOL 2. pág, 442; PONTUAL, pág. 553; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 921.



220 - HENRIQUE BOESE - (1897 - 1982)
-

Composição - litografia - 3/100 - 70 x 40 cm - canto inferior direito - 1975.

Natural de Berlim, Alemanha. Pintor. Realizou seus estudos na sua cidade natal, onde foi discípulo de Kothe Kollwitz, entre os anos de 1918 e 1922. Fixou residência no Brasil em 1938, vivendo algum tempo em Caraguatatuba, no litoral paulista. Sua primeira fase foi dedicada 'a pintura expressionista, voltando-se mais tarde para o abstracionismo, gênero em que se fixou e o consagrou. Participou da II, III, V 'a IX Bienal de São Paulo, entre 1953 e 1967, premiado com Isenção do Júri. Realizou exposições individuais no MAM-SP, nas Galerias Seta, São Luiz e Astreia, todas em São Paulo. Participou de exposição em Hamburgo. na Alemanha. JULIO LOUZADA vol. 10 pág. 121; PONTUAL, pág. 78; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697.



221 - MANOEL CONSTANTINO - (1899 - 1978)
-

Natureza morta - óleo sobre madeira - - 19 x 11 cm - canto inferior direito - .

Mineiro de Baependi, MG. Pintor, arquiteto e conservador de museu. Foi discípulo de Rodolfo Chambelland e de Batista da Costa, na antiga Escola Nacional de Belas-Artes. Suas composiçõpes são bem estudadas em busca de um perfeito equilíbrio de massas, planos e valores. Primores da Pintura no Brasil, vol 2, págs. 213/251; MEC, vol, 1, págs 445/446; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 37; THEODORO BRAGA, pág. 152/153.



222 - AURÉLIO D'ALINCOURT - (1919 - 1990)
-

Camponesa - óleo sobre tela - - 55 x 46 cm - canto superior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador e professor. Começa a pintar em 1942, sob a orientação de Oswaldo Teixeira e Carlos Chambelland. Cursou a Académie de la Grande Chaumière, Paris, 1952. Atuou como membro da Academia Brasileira de Belas Artes-RJ, em 1956 e faz ilustrações para a revista O Cruzeiro, entre 1957 e 1960. Lecionou pintura no Instituto de Belas Artes. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 234; MEC, vol. 2, pág. 13; PONTUAL, pág. 157; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 82; ITAUCULTURAL.



223 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Anjos - serigrafia - - 23 x 14 cm - canto inferior direito - na tela serigráfica.
Obra impressa por Ateliê Mário Della Parra - Serigrafias - Rio de Janeiro, RJ. -
Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



224 - ANGEL BOTELLO - (1913 - 1986)
-

Composição - pastel - - 30 x 44 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, escultor e artista gráfico. Nasceu em Cangas de Morrazo, Galícia, Espanha. De 1920 a 1935 viveu em Bordeaux, França, onde estudou na Escola de Belas Artes. Voltou para a Espanha, lutou na Guerra Civil Espanhola, vai para a França e República Dominicana (1939), Cuba (1940), Haiti (1944 a 1953). Em 1953, muda-se com sua família para San Juan, Puerto Rico, até vir a falecer depois de intensa atividade artística e viagens de estudo à Paris e Itália. Exposições: República Dominicana (1940); Haiti (1944); EUA (1972, 1980, 1987), Puerto Rico (1977); Inglaterra (1990); Espanha (2005). en.wikipedia.org; artbrokerage.com; web.artprice.com; www.christies.co.uk; www.artnet.



225 - INGRES SPELTRI - (1940)
-

Composição - óleo sobre eucatex - - 95 x 60 cm - canto inferior direito - 1999.

Nasceu em Jau, São Paulo, em 20/01/1940. Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor. Apresentando uma pintura de fases bem demarcadas, onde as possibilidades plásticas do cubismo, do construtivismo e do concretismo foram exploradas com paixão e rigor de pesquisa, o autor tem percorrido um rico itinerário em sua incessante buscar de universo expressivo e de uma linguagem pictórica definitiva. O autor é professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 937; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



226 - PEDRO LOBIANCO - (1939)
-

"Marinheirinho e nu na praia" - óleo sobre tela colada em eucatex - - 60 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 1983.

Desenhista, gravador, artista gráfico e pintor, LOBIANCO nasceu no Rio de Janeiro, RJ, tendo ali cursado desenho e artes gráficas na antiga ENBA. Participa de coletivas desde 1963, e em salões internacionais desde 1967. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 583



227 - ALFREDO VOLPI - (1896 - 1988)
-

Bandeirinhas - litografia - 68/200 - 40 x 32 cm - canto inferior direito - .
Com certificado de autenticidade de Evoluarte R. Antonio Carlos, 196, São Paulo - SP. -
Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



228 - EUGÊNIO PRATI - (1889 - 1979)
-

Figura surreal - desenho a lápis - - 28 x 19 cm - canto inferior direito - .

Escultor, pintor e desenhista, natural de Cerro Veronese, Itália, e falecido em São Paulo-SP. Figura de relevo na escultura paulista, sua produção inclui numerosos crayons e pinturas. Participou de diversos salões, bem como venceu importantes concursos. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 783. MEC vol.3, pág.435/436; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 631.



229 - BERTONI FILHO - (1892 - 1959)
-

Paisagem - óleo sobre cartão - - 24 x 36 cm - canto inferior direito - .
No estado. -
Pintor paisagista, filho de Angelo Bertoni, e irmão de J. Bertoni. Como seu pai, fixou temas do Rio de Janeiro, de grande valor iconográfico. JULIO LOUZADA, vol. 1, pag. 120; ACERVO FIEO, pág. 329.



230 - MESTRE NOZA - (1897 - 1983)
-

Nossa Senhora - entalhe em madeira - - h = 63 cm - base - .

Gravador, escultor e santeiro, Inocêncio Medeiros da Costa ou Inocêncio da Costa Nick nasceu em Taquaritinga do Norte, PE e faleceu em São Paulo, SP. Por volta de 1910, foi para Juazeiro do Norte, CE, onde freqüentou a oficina do mestre-escultor José Domingos. Foi soldado da polícia, funcionário de estrada de ferro, funileiro e gravou rótulos para marcas de aguardente. A partir de 1930 dedicou-se à xilogravura e à escultura de imagens de santos em madeira. Em 1965, um álbum contendo gravuras de sua autoria, da série Via Sacra, foi publicado em Paris, com apresentação do gravador Sérvulo Esmeraldo. Participou de diversas exposições em Crato, Recife, Rio de Janeiro e Paris com esculturas e xilogravuras. Exposições póstumas: Curitiba (1984); São Paulo (1985 – 18ª Bienal Internacional, 1994, 1998, 2000 – Mostra do Redescobrimento, 2004); João Pessoa (1993); Juazeiro do Norte (1997); Brasília (2001); Penápolis (2001); Rio de Janeiro (2005). ITAU CULTURAL; PONTUAL, pág. 387; MEC, vol. 3, pág. 268; http://www.fundaj.gov.br.



231 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX -
-

No jardim - óleo sobre tela - - 51 x 61 cm - canto inferior direito - James Hunter.



232 - HENRIQUE CAVALLEIRO - (1892 - 1975)
-

Paisagem - desenho a lápis de cor - - 25 x 37 cm - canto inferior esquerdo - 1968 - Salvador-BA.

Pintor, desenhista e professor. Foi aluno de Eliseu Visconti, tendo recebido em 1918 o prêmio de viagem à Europa. Participou de diversos salões e exposições. REIS JR., pág. 375; TEODORO BRAGA, pág. 117; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 2, pág. 45 e 275; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 187 e 190; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 446; ARTE NO BRASIL, pág. 556; Acervo FIEO.



233 - HELENOS SILVA - (1941)
-

"Pipocas com sorvetes" - óleo sobre tela - - 70 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1978 - São Paulo.

Pintor pernambucano, há longos anos em São Paulo, já participou da Bienal de São Paulo e realizou inúmeras individuais. MEC, vol. 2-pág. 334; WALMIR AYALA, vol. 1-págs. 386/7; PONTUAL, pág. 262; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 462, ITAÚ CULTURAL; ACERVO FIEO.



234 - ANGELO CANNONE - (1899 - 1992)
-

"Il porto" - óleo sobre eucatex - - 15 x 40 cm - canto inferior direito - .
Com autenticação do autor no dorso. -
Nascido na Itália, radicou-se no Brasil. Seu estilo liga-se ao dos Macchiajoli oitocentistas (os equivalentes italianos dos impressionistas franceses) e ao de Pratella em especial. São especialmente notáveis suas paisagens e marinhas. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 168; JULIO LOUZADA vol.11, pág.54; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



235 - RACHEL VAZ DE ARRUDA - (1926)
-

Figura - óleo sobre tela - - 81 x 60 cm - canto inferior direito - .

Pintora e professora que nasceu em São Paulo. Assina Rachel. Em 1942 iniciou seus estudos artísticos no ateliê de Waldemar da Costa. Realizou exposições individuais em: São Paulo (1953, 1963, 1965, 1970, 1971, 1979); Penápolis, SP (1959, 1966); Santos (1969); Bruxelas, Bélgica (1975); Toronto, Canadá (1976). Participou da I Bienal Internacional de São Paulo e de muitas mostras oficiais onde foi premiada em: Campinas, SP (1966); São Paulo (1966, 1967). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 1, PÁG. 145; PONTUAL PÁG.41; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 803.



236 - CARYBÉ - (1911 - 1997)
-

"Cantoria da manhã" - serigrafia - 120/250 - 46 x 63 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista, Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1944, foi a Salvador, e se interessou pela religiosidade e cultura locais. No Rio de Janeiro, auxiliou na montagem do jornal Diário Carioca em 1946 e trabalhou no jornal Tribuna da Imprensa, entre 1949 e 1950. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Das muitas mostras oficiais que participou, destacam-se: Bienais Internacionais de São Paulo em 1951, 1953, 1955 - 1º Prêmio de Desenho, 1971 - Sala Especial e 1977 - Sala Especial; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP (1969). PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO.



237 - JOSÉ SILVEIRA D'AVILA - (1924 - 1985)
-

"Pão de Açúcar - Rio de Janeiro" - água forte original - - 18 x 24 cm - canto inferior direito - 1957.

Pintor, gravador, escultor e vitralista natural de Florianópolis, SC. Estudou pintura e escultura na antiga ENBA, onde foi premiado diversas vezes. No SNAM alcançou inicialmente isenção de Juri e Prêmios Viagem ao País e ao Estrangeiro. Em 1950 organizou juntamente com Carlos Oswald, o Ateliê de Arte para incremento da gravura. Coletivas a partir de 1953, obtendo diversas premiações em Salões Oficiais. JULIO LOUZADA, vol 4 pág. 302. ITAÚ CULTURAL.



238 - FERNANDO COELHO - (1939)
-

"Existe um ponto em que te vejo no espelho" - óleo sobre tela - - 100 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1976 - Rio.

Pintor baiano nascido em Salvador. Inicialmente publicitário de sucesso, dedica-se integralmente à pintura a partir de 1963. Além de exposições individuais nas Galerias Querino (Salvador), Astréia (SP), e Bonino (RJ), expôs na Alemanha e participou dos SNAM e BNAP. Produz pintura que, fixando paisagens urbanos, se situa entre o figurativismo e o abstracionismo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 209/210; MEC, vol. 1,pág. 441; PONTUAL, pág. 139; TEIXEIRA LEITE, pág. 126; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74.; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



239 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Casario - desenho a nanquim e aquarela - - 22 x 14 cm - canto inferior esquerdo - 1965.

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



240 - FRANCISCO DA SILVA - (1910 - 1985)
-

Galo - têmpera sobre tela - - 65 x 48 cm - canto inferior esquerdo - 1973.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



241 - HERMELINDO FIAMINGHI - (1920 - 2004)
-

Composição - litografia off set - 3/100 - 70 x 60 cm - centro inferior - .

Nasceu em São Paulo, a 22 de outubro de 1920. Pintor e artista gráfico. Dedicou-se regularmente à pintura a partir de 1950, com seu mestre Volpi. Foi um dos pioneiros do concretismo, com o qual rompeu anos mais tarde, para fazer uma pintura mais solta, através de seu diálogo com a cor e da interação com a luz em contato com a natureza. Expõs individualmente a partir de 1961 e coletivamente desde 1955, sempre com premiações. JULIO LOUZADA, vol. 4 pág. 401; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 928; LEONOR AMARANTE, pág. 75.



242 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

"Camponês cavalgando burro" - serigrafia - H. C. - 39 x 26 cm - canto inferior direito - .
Serigrafia reproduzida no catálogo da exposição "Vanguarda modernista na coleção Banco Central". -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



243 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Cascudas - óleo sobre eucatex - - 42 x 36 cm - canto inferior esquerdo - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



244 - GASTÃO FORMENTI - (1894 - 1974)
-

Flores - óleo sobre madeira - - 26 x 35 cm - canto inferior esquerdo - 1954 - Rio de Janeiro, RJ.

Pintor nascido em Guaratinguetá-SP. Após iniciar-se em arte com Pedro Strina, em São Paulo, foi residir no Rio de Janeiro, onde, com seu pai, dedicou-se à execução de vitrais. Recebeu medalhas de bronze e de prata no SNBA, do qual ainda participava em 1961. TEODORO BRAGA, pág. 98; WALMIR AYALA vol.1, pág.317; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



245 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "MARCO BUTI". MARCO BUTI. SÃO PAULO: EDITORA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 1995. 2) "MANEIRA BRANCA - GRAVURAS DE ELISA BRACHER". SÃO PAULO: COSAC & NAIFY: PINACOTECA DO ESTADO, 2006. 3) "LEÓN FERRARI - RETROSPECTIVA". CATÁLOGO. ANDREA GIUNTA (ED.). SÃO PAULO: COSAC & NAIFY, 2006. 4) "GIL VICENTE - 25a BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO". CATÁLOGO. SÃO PAULO, 2002. 5) "P. M. BARDI". FRANCESCO TENTORI; TRADUÇÃO DE EUGÊNIA GORINI ESMERALDO. SÃO PAULO: INSTITUTO LINA BO E P. M. BARDI: IMORENSA OFICIAL DO ESTADO, 2000. 6) "AMILCAR DE CASTRO, MIRA SCHENDEL, SERGIO CAMARGO, WILLYS DE CASTRO". RODRIGO NAVES E TIAGO MESQUITA. SÃO PAULO: INSTITUTO DE ARTE CONTEMPORÂNEA - IAC, 2006. 7) "MADEIRA SOBRE MADEIRA". RODRIGO NAVES E JOÃO MUSA. SÃO PAULO: COSAC E NAIFY, 1998.



246 - HAROLDO AMAZONAS - (1905 - SÉC. XX)
-

Marinha - óleo sobre tela - - 24 x 30 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, engenheiro e arquiteto nascido em Taubaté, SP. Assina H. Amazonas. Filho do pintor Clodomiro Amazonas. Formou-se na Escola de Belas Artes em 1935. Expôs individualmente em 1950, participou de várias edições do Salão Paulista e de mostras na cidade de São Vicente, SP. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 45.



247 - ROBERTO DE SOUZA - (1935)
-

Menino brincando - óleo sobre eucatex - - 56 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - .

Pintor e historiador. Foi aluno de Aurélio d'Alincourt, Oswaldo Teixeira e Edgard Walter. Participou de diversas exposições e salões oficiais desde 1967, obtendo várias premiações. JULIO LOUZADA vol 1, pág. 932; ITAÚ CULTURAL.



248 - ANTONIO MEIRELLES - (1919)
-

"Praia de Maricá" - óleo sobre tela - - 50 x 61 cm - canto inferior direito e dorso - .

Pintor natural da cidade do Recife-PE. Transferiu-se para o Rio de Janeiro em 1936, ingressando na Marinha de Guerra, sem deixar de trabalhar com a pintura, que mais tarde, seria sua dedicação exclusiva. Teve orientação artística de José Pancetti no Liceu de Artes e Ofícios e, também, cursou a antiga ENBA-RJ. Na década de 60 obteve vários prêmios no SNBA-RJ, com medalhas de bronze, prata e menção honrosa. Realizou individuais no Rio de Janeiro, além de participar de Salões Oficiais no Rio e em São Paulo recebendo premiações. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 625



249 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

"Trecho de procissão" - gravura em metal - 29/100 - 29 x 37 cm - canto inferior direito - .
Reproduzido na página 86 do livro "Carlos Oswald" editado pelo Museu Nacional de Belas Artes. -
Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



250 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Nu - escultura em bronze - - h = 28 cm - assinado - .

Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



251 - BENEDITO CALIXTO DE JESUS - (1853 - 1927)
-

Paisagem - desenho a lápis - - 29 x 48 cm - canto inferior direito - .

Pintor, professor, historiador, ensaísta, nascido em Conceição de Itanhaém, SP e falecido em São Paulo. Transferiu-se para Brotas, SP, onde adquiriu noções de pintura com o tio Joaquim Pedro de Jesus, ao auxiliá-lo na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Realizou sua primeira individual em São Paulo, no ano de 1881. Fixou-se por algum tempo em Santos e depois de ter executado a decoração do Teatro Guarani, partiu para Paris em 1883, estudando na Academia Julian e no ateliê de Jean François Raffaëlli. Retornou ao Brasil em 1885 e passou a residir em São Vicente. Produziu inúmeras marinhas em que representa o litoral paulista; realizou diversos painéis de temas religiosos para igrejas na capital e interior do Estado de São Paulo; pintou vistas de antigos trechos das cidades de São Paulo, Santos e São Vicente para o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, por encomenda do diretor do museu o historiador Afonso d´Escragnolle Taunay. Dedicou-se também a estudos históricos da região e à preservação de seu patrimônio e publicou, entre outros, os livros 'A Vila de Itanhaém' (1895) e 'Capitanias Paulistas' (1924). Existem obras suas nos acervos de diversos museus brasileiros. TEODORO BRAGA PÁG. 51; REIS JR PÁG. 214; LAUDELINO FREIRE PÁG. 387; PONTUAL PÁG. 68/69; MEC VOL.1, PÁG. 326/327; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.153; MAYER/83 PÁG. 601; TEIXEIRA LEITE PÁG. 97; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 505; ARTE NO BRASIL PÁG. 599, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 172.



252 - MASSAO OKINAKA - (1913 - 2000)
-

Flores - desenho a nanquim - - 23 x 24 cm - canto inferior direito - .

Pintor e grande mestre do sumi-ê, Massao Okinaka era natural de Kyoto, Japão, onde iniciou os seus estudos artísticos. Imigrante, fixou residência em Lins-SP (1932). Em 1947 ingressa no Seibi-kai, e dois anos após, no Grupo do Jacaré e, a partir de 1993, no Grupo Guanabara. Congrega inúmeras exposições coletivas, com premiações. A paisagem predomina suas telas, apresentando uma marca distintiva, expressando o cotidiano urbano, com requintes técnicos, pleno domínio do desenho e inquietação. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 620; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



253 - JOSÉ RIERA SICART - (1911 - 2007)
-

Gaúcho - óleo sobre eucatex - - 26 x 16 cm - canto superior esquerdo - .

Pintor e ilustrador. Nasceu em Barcelona, Espanha e faleceu em Porto Alegre, Brasil. Diplomado pela Escola de Belas Artes de Barcelona, fez estudos de aperfeiçoamento e realizou algumas exposições na Alemanha e França (1934 a 1939). Em 1950 transferiu-se para o Brasil e se fixou em Porto Alegre, onde foi contratado pela Editora Globo como ilustrador. Também se dedicou à pintura de retratos, paisagens, naturezas mortas, arte sacra e especialmente pinturas com temário gauchesco sendo considerado um especialista no assunto. Participou de várias exposições pelo Rio Grande do Sul e, em São Paulo, foi premiado de 1961 a 1966. JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 902; MEC, VOL.4, PÁG. 242. www.saladearte.com.br.



254 - EDUARDO SUED - (1925)
-

Composição - serigrafia - 16/100 - 66 x 47 cm - canto inferior direito - 2009.

Natural da cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde reside e é ativo. Pintor, desenhista, ilustrador e gravador. Formou-se na Escola Nacional de Engenharia do Rio de Janeiro em 1948. Foi aluno de desenho e pintura do pintor Henrique Boese. Trabalhou como desenhista no escritório do arquiteto Oscar Niemeyer (1950-1951). Freqüenta os ateliês de La Grande Chaumière e L'Académies Julian em Paris (1951), retornando ao Rio de Janeiro em 1953, onde estuda gravura em metal com Iberê Camargo. Diversas exposições coletivas e individuais. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 975/976; ARTE NO BRASIL, pág. 814; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



255 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

" Grande palco " - óleo sobre tela - - 77 x 105 cm - canto inferior direito e dorso - 1961.

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



256 - ATHOS BULCÃO - (1918 - 2008)
-

"Desenvolvimento V" - guache - - 28 x 28 cm - canto inferior direito - .

Pintor e desenhista. Começou a dedicar-se a arte estimulado por Portinari, que, em 1945, o convidou a trabalhar nas obras da Pampulha, em Belo Horizonte. No ano anterior realizara exposição individual na sede recém-inaugurada do Instituto dos Arquitetos do Brasil no Rio de Janeiro, voltando a fazê-lo na Capital mineira em 1946 e 1947. Já então conquistara medalhas de prata em pintura e desenho no SNBA. Recebendo bolsa de estudos no governo francês, viajou em 1948 para Paris, onde permaneceu um ano, visitando ainda a Itália. De regresso ao Brasil, passou a dedicar-se também a trabalhos no campo da decoração. Residindo mais recentemente em Brasília, ali criou azulejos e vitrais para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, com motivos cristãos da Pomba e da Estrela, símbolos do Divino Espírito Santo e da natividade. Participou como isento de júri dos II SAMDF (1965), realizando em 1968 exposição individual de desenhos em Brasília (Galeria Encontro). Rubem Braga focalizou-o em uma crônica publicada na revista Manchete (14 de agosto de 1954). TEODORO BRAGA, PÁG. 59; MEC, vol. 1, pág. 301; WALMIR AYALA, vol.1, pág. 140; PONTUAL, pág. 93; TEIXEIRA LEITE, pág. 92; JÚLIO LOUZADA, vol. 7, pág.112; ITAÚ CULTURAL.



257 - GEORGES WAMBACH - (1901 - 1965)
-

"Ilha de Paquetá" - aquarela - - 31 x 24 cm - canto inferior direito - 1934.

Belga de nascimento, veio a falecer no Rio de Janeiro. Excepcional aquarelista, que retratou o Brasil em suas inúmeras incursões. "Georges Wambach (1901-1965) talvez tenha sido um dos últimos exemplares de uma espécie em extinção, ou já extinta, quem sabe: a dos artistas viajantes de que o século XIX foi pródigo. Artistas com cavalete, paleta, tintas e pincéis na mochila, que vararam o mundo em busca do fantástico, do erótico, e, sobretudo, do excitante desconhecido, aventura que até custou a vida de alguns como Adrien Taunay, que viu a morte aos 25 anos em pleno Mato Grosso." Fernando Cerqueira Lemos, in AQUARELAS de Georges Wambach: impressões do Brasil. Ed. Marca d´Água-SP, 1988. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 343; TEIXEIRA LEITE, pág. 540; ITAÚ CULTURAL.



258 - ROBERTO BURLE MARX - (1909 - 1994)
-

Autógrafo - - - 15 x 16 cm - - .
Autógrafo do artista Roberto Burle Marx, datado de 1979, apresentado em convite de sua exposição no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateubriand em outubro do mesmo ano. -
Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com.



259 - ARMANDO PACHECO - (1913 - 1965)
-

Natureza morta - óleo sobre tela - - 51 x 62 cm - canto inferior direito - 1947 - Rio.

Pintor, gravador e desenhista, nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro. Ingressou no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro em 1930, aos 17 anos de idade, ali tornando-se aluno de Isaltino Barbosa e aluno de Oswaldo Teixeira no ano seguinte. Na ENBA, foi aluno de Rodolpho Chambelland e Augusto Bracet. Participou regularmente do SNBA-RJ, conquistando prêmio viagem ao Exterior em 1950. Em 1968 o Museu Nacional de Belas Artes realizou um exposição com seus principais trabalhos. JULIO LOUZADA vol.1b, pág.705; TEXEIRA LEITE, pág. 372; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 766.



260 - TETSURO SAWADA - (1933 - 1998)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 61 x 73 cm - canto inferior direito - 1978.

Nascido em Hokkaido, Japão. Graduou-se na Universidade de Arte de Musashino. Viajou pela América do Norte e do Sul de 1966 a 1967 e em 1969 também estudou na França e Espanha. Seus trabalhos foram expostos em Tóquio - Japão, Seattle e São Francisco - EUA e possui obras no Museu Britânico - Inglaterra; Museu de Cleveland e Museu de Arte de Cincinnati - EUA e na Academia de Arte de Honolulu - Havaí. Em 1980 ganhou o prêmio na Bienal de Gravura da Noruega. www.castlefinearts.com/japanese; www.artnet.com.



261 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata - desenho a lápis - - 20 x 15 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



262 - OMAR PELEGATTA - (1925 - 2000)
-

Ruela - óleo sobre eucatex - - 18 x 23 cm - canto inferior esquerdo - .

Italiano da Lombardia, PELLEGATTA foi pintor e gravador dedicado a temas sacros e casarios coloniais. Em sua obra, o ser humano é apresentado sempre de modo idealizado, na figura de ternas madonas, santos, coroinhas e cavaleiros. Participou de diversas coletivas e salões, a partir de 1957, recebendo premiações em sua maioria. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.735; MEC vol.3, pág.363; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



263 - LEVINO FANZERES - (1884 - 1956)
-

Barcos - óleo sobre madeira - - 19 x 27 cm - canto inferior direito - .

Pintor e professor. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios e na antiga ENBA, ambas no Rio de Janeiro, recebendo nesta última, orientação de Zeferino da Costa e de João Batista da Costa. Excepcional colorista, interpreta com sentimento e honestidade o momento da natureza que se propõe a retratar, e sempre com admirável êxito. TEIXEIRA LEITE, pág.190; PONTUAL, pág.201; JULIO LOUZADA vol.2, pág.387; ITAU CULTURAL.



264 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Gafieira - serigrafia - - 56 x 38 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



265 - HANS NOBAUER - (1893 - 1971)
-

"Rio de Janeiro visto de Niterói" - óleo sobre tela - - 60 x 73 cm - canto inferior direito - 1934.

Johann Nobauer, pintor e desenhista nascido em Viena, Áustria e falecido no Brasil. Graduou-se na Escola de Belas Artes de Viena, serviu na I Guerra Mundial e quando começou a expor seus trabalhos foi designado, pelo governo da Áustria, para pesquisar a flora e a fauna do Brasil. Mais tarde ignorou os pedidos de retorno e por aqui se estabeleceu. Foi pintor ativo no Rio de Janeiro onde participou dos Salões Nacionais de Belas Artes de 1939 e 1941. Possui obra no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro. Exposições póstumas: Rio de Janeiro (1984); São Paulo (1984, 2008). MEC VOL. 3, PÁG. 264; JULIO LOUZADA VOL. 11, PÁG. 228; TEODORO BRAGA PÁG. 226; ITAU CULTURAL; askart.com; artprice.com; christies.com; www.museuhistoriconacional.com.br.



266 - ARLINDO CASTELLANE DI CARLI - (1910 - 1985)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 70 x 100 cm - canto inferior direito - 1971 - Itália.

Pintor e escultor. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, onde foi aluno de José Maria da Silva Neves e de Enrico Vio. Suas primeiras realizações foram na pintura. Mais tarde passou a dedicar-se também à escultura. Sofreu influência do pintor Armando Balloni. Em 1942, estreando no SPBA, recebeu prêmio de menção honrosa, seguindo-se nos anos posteriores, diversas premiações, inclusive de viagem ao estrangeiro. MEC, vol. 1, pág. 355; WALMIR AYALA, vol.1, págs. 183 e 184; ITAÚ CULTURAL.



267 - FELISBERTO RANZINI - (1881 - 1976)
-

Fachada - aquarela - - 14 x 10 cm - canto inferior direito - .

Arquiteto, desenhista e escritor, Felisberto Ranzini nasceu em Mântua, Itália e faleceu em São Paulo - SP. Sobresaiu-se principalmente na técnica de aquarela, na qual se especializou. Suas composições em óleo são claras e detalhadas, quase que miniaturistas. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 805; MEC vol.4, pág. 26, RUTH TARASANTCHI.



268 - DIONISIO DEL SANTO - (1925 - 1999)
-

Composição - guache - - 19 x 19 cm - canto inferior direito - 1987.

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



269 - TARSILA DO AMARAL - (1886 - 1973)
-

Paisagem - desenho a nanquim - - 20 x 14 cm - canto inferior direito - .

Pintora, escultora e desenhista que nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Assina Tarsila. Na capital paulista, estudou escultura com William Zadig e Mantovani, teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti . Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na Académie Julian e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote , Albert Gleizes e Fernand Léger. No ano seguinte, já no Brasil, com Oswald de Andrade, Olívia Guedes Penteado, Mário de Andrade e outros, acompanhou o poeta Blaise Cendrars, que conheceu em Paris, em viagem às cidades históricas de Minas Gerais. Realizou uma série de trabalhos baseados em esboços feitos durante a viagem. Nesse período, iniciou a chamada fase pau-brasil e, em 1925, ilustrou o livro de poemas ‘Pau-Brasil’, de Oswald de Andrade, publicado em Paris. Em 1928, pintou ‘Abaporu’, tela que inspirou o movimento antropofágico, desencadeado por Oswald de Andrade e Raul Bopp. Tarsila participou da I Bienal de São Paulo em 1951, teve sala especial na VII Bienal de São Paulo e participou da Bienal de Veneza em 1964. A retrospectiva ‘Tarsila: 50 Anos de Pintura’, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR. PÁG. 388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.958; VOL. 4, PÁG. 1081; DICIONÁRIO OXFORD PÁG. 517; www.tarsiladoamaral.com.br.



270 - ALFREDO CESCHIATTI - (1918 - 1989)
-

Pomba - escultura em bronze - - h = 35 cm - assinado - .
Procedente da coleção Evaldo Tadeu de Oliveira - Pirajuí, SP. -
Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



271 - CAROL KOSSAK - (1895 - 1976)
-

Na estrada - óleo sobre cartão - - 47 x 70 cm - canto inferior esquerdo - .

Excepcional pintor ativo em São Paulo, onde realizou exposição individual em 1941. Consta ainda em sua bibliografia, ter participado de várias exposições nas décadas de 30 e 40. Pintou marinhas, animais, principalmente cavalos e figuras. Reputado como grande retratista. MEC vol.2 pág. 411; TEODORO BRAGA, pág. 134.; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 512, Acervo FIEO.



272 - LUCILIA FRAGA - (1895 - 1979)
-

Vaso de flores - óleo sobre tela - - 49 x 34 cm - canto inferior direito - .

Importante pintora que foi ativa na cidade de São Paulo. Participou regularmente do SPBA, recebendo premiações em 1938, 1939, 1960. Quatro de suas obras constam do acervo da PINACOTECA-SP. REIS JUNIOR, pág. 387; THEODORO BRAGA, pág. 145 a 147; PONTUAL, pág. 222; MEC, vol, 2, pág. 188; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



273 - DURVAL PEREIRA - (1918 - 1984)
-

Barcos - óleo sobre eucatex - - 28 x 35 cm - canto inferior esquerdo - 1968.

Nascido e falecido em São Paulo, DURVAL PEREIRA foi pintor e professor ativo em São Paulo. Premiado com a Menção Honrosa no SPBA em 1944, passou a viver exclusivamente da pintura. Pintava ao ar livre aos domingos com os pintores Salvador Rodrigues, Salvador Santisteban, Cirilo Agostinho, Jaime Dinis, Djalma Urban, Innocencio Borghese, e outros. Premiado praticamente em todos os Salões de que participou. Recebeu ao todo, 15 comendas das mais importantes do Brasil. Nos últimos três anos de sua vida, recebeu todos os Primeiros Prêmios e Medalhas de Ouro nas exposições de Paris, Rouen, Lyon, Roma, Miami e Milão. MEC, vol. 3, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 1, págs. 749/750/751. ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



274 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Fazenda - serigrafia - - 33 x 48 cm - canto inferior direito - 1966.

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



275 - LEOPOLDO RAIMO - (1912 - 2001)
-

Composição - acrílico sobre tela - - 64 x 45 cm - canto inferior esquerdo - 1968.

Pintor e gravador, nascido em Botucatu/SP, com diversas participações em Salões e Exposições, tais como: Salão Paulista de Arte Moderna, Salão Baiano de Belas Artes, Bienal de São Paulo e Salão Nacional de Arte Moderna, entre outros. MEC. VOL. 4, PÁG. 22



276 - CHARLES LAPICQUE - (1898 - 1988)
-

Composição - desenho a nanquim - - 31 x 21 cm - canto inferior direito - 1973.

Importantissimo pintor, escultor e gravador francês, natural de Theizé, e falecido em Orsay, em 15 de julho de1988. Como engenheiro desenvolveu sua paixão pelos desenhos geométricos e perspectivas. Incentivado por Jacques Lipchitz, ele decide em 1928 dedicar-se mais à pintura. Em 1937, Lapicque foi contratado para executar 5 paineis decorativos para o Palais de la Découverte em Paris. Despertou particular interesse no Cubismo. Junto com Jean Bazaine e Maurice Estève formaram um grupo distinto da Ecole de Paris. BENEZIT, vol 6 pág. 442/443



277 - NOEMIA MOURÃO - (1912 - 1992)
-

Nu - desenho a nanquim - - 21 x 12 cm - canto inferior direito - .

Pintora e desenhista. Assina Noemia. Realizou sua primeira individual em 1934, no Rio de Janeiro. Residiu na Europa de 1934 a 1940, frequentando em Paris as academias de la Grande Chaumière e Ranson. Expôs em Montevideu e Buenos Aires. Foi citada por REIS JUNIOR e TEODORO BRAGA. Foi aluna (1932) e mulher (1933) de Di Cavalcanti. MEC vol.3, pág. 265; WALMIR AYALA vol.2, pág.135; PONTUAL, pág. 375; TEIXEIRA LEITE, pág. 356; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 684. Acervo FIEO.



278 - SAMSON FLEXOR - (1907 - 1971)
-

Composição - aquarela - - 42 x 60 cm - canto inferior direito - 1963.

Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



279 - J. CARLOS - (1884 - 1950)
-

A mudança - desenho a nanquim e aquarela - - 22 x 31 cm - canto inferior direito - .

Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, desenhista, ilustrador e caricaturista. Realizou mais de cem mil desenhos, não se conhecendo um único ruim. Observador arguto, retratou com maestria e humor o cotidiano de sua cidade natal, da qual, consta, ausentou-se por duas únicas ocasiões. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646.



280 - IVONE VISCONTI CAVALLEIRO - (1901 - 1965)
-

Flores - aquarela - - 33 x 48 cm - canto inferior esquerdo - .

Nasceu em Paris, França e faleceu na cidade do Rio de Janeiro. Pintora, desenhista e ceramista, começou a sua formação artística com o seu pai, o pintor Eliseu Visconti. Estudou gravura com Osvaldo Goeldi (na antiga ENBA) e pintura com André Lhote. Recebeu as medalhas de prata em pintura e de ouro em arte decorativa no SNBA, bem como a medalha de ouro no Salão da Associação dos Artistas Brasileiros de 1964. Participou ainda do VI ao XII SNAM (1957-1964). Era casada com o pintor Henrique Cavaleiro. PONTUAL, 123; JULIO LOUZADA, vol.10, pág.211; MEC, vol.1, pág.393; REIS JR.; TEIXEIRA LEITE, pág.533; WALMIR AYALA, vol.2, pág.424 a 426.



281 - LIVIO ABRAMO - (1903 - 1992)
-

Paisagem - xilogravura - H. C. - 27 x 20 cm - canto inferior esquerdo - 1981 - Brasil.

Gravador, desenhista, pintor, ilustrador, jornalista e professor, nasceu em Araraquara, SP e faleceu em Assunção, Paraguai. Mudou-se para São Paulo, onde, em 1909, estudou desenho com Enrico Vio no Colégio Dante Alighieri. No início dos anos de 1920, fez ilustrações para pequenos jornais e entrou em contato com a obra de Oswaldo Goeldi e de gravadores expressionistas alemães. Realizou as primeiras gravuras em 1926. Em 1947, ilustrou o livro ‘Pelo Sertão’, do escritor Afonso Arinos de Mello Franco, publicado em 1949. Com essa série de ilustrações, apresentadas no Salão Nacional de Belas Artes, obteve o prêmio de viagem ao exterior. Seguiu para a Europa em 1951. Em Paris frequentou o Atelier 17, aperfeiçoando-se em gravura em metal com Stanley William Hayter. De volta ao Brasil, foi premiado como o melhor gravador nacional na Bienal Internacional de São Paulo, nas edições de 1953 e de 1963. Deu aulas de xilogravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Foram seus alunos, entre outros, Maria Bonomi e Antonio Henrique Amaral . Fundou o Estúdio Gravura, em 1960, com Maria Bonomi. Em 1962, foi convidado pelo Itamaraty a integrar a Missão Cultural Brasil-Paraguai, posteriormente Centro de Estudos Brasileiros. Mudou-se para o Paraguai e dirigiu até 1992, o Setor de Artes Plásticas e Visuais. Foi fundador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Paraguai. PONTUAL, PÁG. 1, JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 19; MEC VOL.1, PÁG. 33; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 795; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28; ACERVO FIEO.



282 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Casario - guache - - 25 x 36 cm - canto inferior direito - 1966.

Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



283 - JOSÉ WASTH RODRIGUES - (1891 - 1957)
-

Modelos para móveis de quarto - desenho a lápis - - 46 x 34 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista e historiador paulistano, foi pensionado pelo Estado de São Paulo, estudando no Jean-Paul Laurens, em Paris, de cujo salão oficial participou em 1914. Dedicou-se com intensidade ao desenho a bico de pena. Executou os desenhos e aquarelas do livro Uniformes do Exército Brasileiro, de Gustavo Barroso. JULIO LOUZADA, VOL ,12, pág, 347. MEC, VOL, 4, pág, 92; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



284 - FRANCIS BERNARD - (1943)
-

Animais - óleo sobre tela - - 51 x 61 cm - canto inferior direito - 1997.

Pintor residente em Brasilia DF. Muito conhecido e com bom mercado. JULIO LOUZADA Vol. 4 pág. 139.; ITAÚ CULTURAL.



285 - MIRA SCHENDEL - (1918 - 1988)
-

Paisagem - aquarela - - 15 x 10 cm - não assinado - 1979.
Com certificado de autenticidade de Galeria Millan, datado de 10 de abril de 2008. -
Suíça, Mira imigrou para o Brasil em 1949, fixando-se inicialmente em Porto Alegre, onde fez pinturas e esculturas em cerâmica, nas quais assinava Mirra Hargesheimer, seu nome de solteira.. Realizou a sua primeira exposição individual, em 1952. Expôs em 1954 em São Paulo (MAM), para onde se transferiu. Participou de diversos salões, tais como o SPAM e Bienais de São Paulo, Córdoba e Veneza, obtendo premiações. A principio exclusivamente desenhista, com a utilização de signos, índices e símbolos, dedicou-se posteriormente à pintura, dentro da vertente minimalista que norteou toda a sua carreira. TEIXEIRA LEITE, pág. 464; JULIO LOUZADA, vol. 13, pág. 304; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 688; LEONOR AMARANTE, pág. 187.



286 - MANUEL CARGALEIRO - (1927)
-

Composição - desenho a nanquim e aquarela - - 24 x 22 cm - canto inferior direito - 1958.

Pintor, ceramista, azulejista nascido em Vila Velha do Ródão - Beira Baixa - Portugal. Estudou na Escola de Belas Artes de Lisboa e depois de decidir dedicar-se à cerâmica, estudou com Jorge Barradas na Escola de Artes Decorativas de Lisboa. Conhecido, sobretudo como pintor ceramista, a partir de 1952 participou de várias exposições em Portugal e Paris, recebendo muitos prêmios internacionais por suas criações. Em 1957 ganhou bolsa de estudos e seguiu para a Itália, onde trabalhou. Em 1958 dedicou-se à faiança de Gien. Mudou-se para Paris e começou a trabalhar com pintura. Em 1964 veio ao Brasil e expôs no Rio, Brasília, Porto Alegre e São Paulo. Depois seguiu para a Alemanha, Itália e Japão. Possui obras nos museus de Genebra, Haifa, Jerusalém, Lisboa, Porto, Rabat e Rio de Janeiro. Em 1990 foi criada, em Lisboa, a Fundação Manuel Cargaleiro para a qual ele doou um grande número e uma grande variedade de suas próprias obras e de sua coleção. BENEZIT VOL. 2, PÁG. 524; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 217; VOL. 8, PÁG. 170; infopedia.pt; insideportugaltravel.com; arcadja.com; lisboapatrimoniocultural.pt; artnet.com; web.artprice.com.



287 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 50 x 61 cm - canto inferior direito e dorso - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



288 - ENRICO BIANCO - (1918 - 2013)
-

Rosto - desenho a nanquim - - 48 x 37 cm - canto inferior esquerdo - 1941.

Nascido na Itália, é hoje considerado um de nossos melhores pintores. Atingiu um estilo pessoal, figurativo, eminentemente lírico, baseado em um desenho livre e numa cor sensível. THEODORO BRAGA, pág. 54; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 99, 110 e 104; MEC, vol. 1, pág. 242; PONTUAL, pág. 76; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 594. Acervo FIEO. -



289 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA - (1909 - 1996)
-

A caminho da missa - desenho a nanquim - - 10 x 15 cm - centro inferior - 1969.
Com dedicatória. -
Considerado por muitos críticos e colecionadores como o mais típico dos nossos pintores ingênuos, Silva foi o intérprete da cena rural de São Paulo, num estilo expontâneo em que assomam, por vezes, soluções plásticas inesperadas. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



290 - FRANCISCO BRENNAND - (1927)
-

Composição - placa em cerâmica - - 41 x 61 cm - canto inferior esquerdo - 1983.

Pintor e ceramista. Estudou com André Lhote e Fernand Léger, em Paris. Participou de importantes bienais e salões, nacionais e internacionais. Realizou individuais de pintura e cerâmica no MAM-SP em 1960 e outras importantes salas de arte. Executou trabalhos murais em edifícios públicos e particulares no Recife e no estrangeiro. Suassuna considerou a sua pintura "bela, forte e brasileira". Brennand é referência mundial como artista puramente brasileiro. JULIO LOUZADA, VOL, 10, pág 141. PONTUAL, pág, 88. MEC, VOL , 1, pág, 294; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 879. Acervo FIEO. -



291 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Bordel - serigrafia - - 56 x 38 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



292 - IVALD GRANATO - (1949)
-

Composição - serigrafia - 50/100 - 68 x 48 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor e desenhista. Natural de Campos, RJ, onde viveu até 1966. Estudou com Robert Newman, ingressando em 1967 na Escola de Belas Artes da Universidade do Rio de Janeiro. Em 1968 participa do grupo de vanguarda "Nova Figuração Brasileira". Sua atividade artística desde a década de 60 revela a influência do conceitualismo de Duchamp, mais cerebral do que pictórico, e da "body art", de Joseph Beyus. PONTUAL, pág. 248; TEIXEIRA LEITE, pág. 228; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág.740; ARTE NO BRASIL, pág. 974; LEONOR AMARANTE, pág. 267; Acervo FIEO.



293 - KARL ERNEST PAPF - (1838 - 1910)
-

Plantas - desenho a nanquim - - 23 x 21 cm - canto inferior direito - .

Natural de Dresden, Alemanha, veio para o Brasil em 1867 sob contrato do fotógrafo Albert Henschel. Residiu no Recife - Pernambuco, e Salvador-Bahia. Foi exímio retratista, paisagista e pintor de naturezas mortas, destacando-se aí as orquídeas, que o artista cultivava em um esplêndido orquidário, em sua casa de Petrópolis - RJ. BENEZIT, vol. 8, pág. 119; MAYER / 83, págs. 84/957/1081; MEC, vol. 3, pág. 333; PONTUAL, pág. 405; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 162 e 165. TEIXEIRA LEITE pág. 384; ITAÚ CULTURAL.



294 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX -
-

Cabeça de índio - guache - - 30 x 24 cm - canto inferior direito - F. Becker.
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -



295 - THEODORO DE BONA - (1904 - 1990)
-

No ateliê - óleo sobre eucatex - - 31 x 22 cm - canto inferior esquerdo - .

Natural de Morretes, PR, onde nasceu a 11 de junho de 1904, e falecido em Curitiba, PR, em 20/9/1990. Pintor e desenhista.Foi aluno de Gina Bianchi e Ercília Cecchi. Frequentou assiduamente o ateliê do pintor Alfredo Andersen, convivendo com Traple, Freyesleben, Augusto Perneta, Taborda Jr e outros artistas locais. Aperfeiçoou-se na Europa, para onde seguiu em 1927. Estudou na Real Academia de Belas Artes de Veneza, frequentando aulas de Ettore Tito e Vicenzo Stefani. No Brasil, a partir de 1936, expõe com sucesso as suas obras e leciona pintura e desenho na Escola de Belas Artes do Paraná. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 44; ITAÚ CULTURAL.



296 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "ARTE BRASIL HOJE 50 ANOS DEPOIS", ROBERTO PONTUAL. SÃO PAULO: COLLECTIO ARTES LTDA, 1973 2) "ARCADAS: HISTÓRIA DA FACULDADE DE DIREITO DO LARGO DE SÃO FRANCISCO", ANA LUIZA MARTINS E HELOISA BARBUY. SÃO PAULO: ALTERNATIVA, 1998. 3) "ERNESTO NETO: DENGO", LUIZ CAMILLO OSORIO ET AL. SÃO PAULO: MUSEU DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO, 2010. 4) "ARTE CONTEMPORÂNEA", ENOCK SACRAMENTO. SÃO PAULO: ALEXA CULTURAL, 2011. 5) "NIOBE XANDÓ", MARISTELA QUARENGHI DE MELLO E SILVA ET AL. CURITIBA: MUSEU OSCAR NIEMEYER, 2009. 6) "LUIZ BRAGA RETRATOS AMAZÔNICOS", TADEU CHIARELLI ET AL. SÃO PAULO: MUSEU DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO, 2005. 7) "WOLFGANG TILLMANS", FELIPE CHAIMOVICH ET AL. SÃO PAULO: MUSEU DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO, 2012.



297 - HAYDÉA SANTIAGO - (1896 - 1980)
-

Vaso de flores - óleo sobre tela - - 46 x 38 cm - canto inferior direito - .

Natural da cidade do Rio de Janeiro, onde veio a falecer. Estudou na Escola Nacional de Belas Artes. Foi aluna de Modesto Brocos e Amoedo. Aperfeiçoou seus estudos com Eliseu Visconti. Residiu em Paris com o marido, Manoel Santiago, de 1928 a 1932, participando do Salão de Artistas Franceses. No Brasil recebu diversas premiações no SNBA, bem como nos diversos Salões Oficiais de que participou, tais como SPBA, SMBA-RJ, SNAM e na I BSP. Teve como temas a paisagem, a figura, a natureza morta e o gênero. REIS JUNIOR, vol. 1, pág. 146; TEODORO BRAGA, pág. 211; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 290 e 292; TEIXEIRA LEITE, pág. 460; ITAÚ CULTURAL..



298 - JULIO VIEIRA - (1933 - 2000)
-

Figuras - óleo sobre tela - - 60 x 50 cm - centro inferior e dorso - 1977 - Rio de Janeiro.

Natural da cidade do Rio de Janeiro, foi pintor, gravador e desenhista. Fez curso na antiga Escola Nacional de Belas Artes, entre 1952 e 1956, estudando gravura com Goeldi entre 1954 e 1956. Um trecho da lavra do crítico e pintor Quirino Campofiorito sobre a arte única do artista: " ..A vantagem de Júlio Vieira era sua fidelidade ao transe terrestre. Sua pintura foi sempre um gesto doloroso. Muitas águas rolaram, desde então. Oficializou-se o concretismo e o neoconcretismo. Júlio sempre marginal e sempre um excelente artista. MEC vol. 4 pág. 475 - JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 1034; ITAU CULTURAL



299 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Paisagem - desenho a lápis - - 16 x 22 cm - canto inferior esquerdo - 1969.

Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



300 - WALDOMIRO SANTANNA - (1952)
-

Mulher e flores - óleo sobre eucatex - - 48 x 38 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor e professor, Waldomiro de Freitas Sant'Anna nasceu na cidade paulista de Itápolis. Estudou na Escola de Belas Artes de São Paulo e na Escola de Artes Plásticas da Associação de Ensino de Ribeirão Preto, com Bassano Vaccarini e Pedro Manoel Gismondi. De 1977 a 1981, leciona desenho e pintura para os cursos de educação artística e arquitetura da Universidade Estadual de Londrina, no Paraná. É um dos fundadores da Vila dos Artistas de Osasco, em São Paulo. Entre as exposições de que participa, destacam-se: Salão de Arte Jovem, na União Cultural Brasil-Estados Unidos, Santos, 1973; Bienal Nacional, São Paulo, 1976; Exposição Ribeirão Preto, no Paço das Artes, São Paulo, 1984; Mostra Comemorativa do Cinqüentenário de Londrina - Sala Especial, Paraná, 1984, Mostra Individual, na Galeria Itaú Cultural, Ribeirão Preto, 1981; Mostra Coletiva, na Galeria Itaú Cultural, Ribeirão Preto, 1984/1986; Mostra Festa Junina, São Paulo, 1984/1987. ITAÚ CULTURAL.



301 - DÉCIO VILARES - (1851 - 1931)
-

Senhor - óleo sobre madeira - - 32 x 24 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor, retratista, fez da figura feminina o seu tema predileto. Criou a bandeira da República, substituindo o escudo pelo Cruzeiro do Sul e acrescentando o lema positivista " Ordem e Progresso" . Dedicou-se também à escultura. ARTE NO BRASIL vol.2, pág.1060; PONTUAL, pág.542; MEC vol.4, pág. 478; TEIXEIRA LEITE, pág. 526; ITAÚ CULTURAL.



302 - OTTO BÜNGNER - (1890 - 1965)
-

"Paineiras em flor" - óleo sobre tela colada em cartão - - 27 x 22 cm - canto inferior esquerdo - 1923 - Rio.

Pintor alemão, radicado no Brasil, participou de diversos Salões Nacionais de Belas Artes/RJ conquistando Medalha de Prata em 1915 e Menção Honrosa de Primeiro Grau em 1918; e da Exposição Flamboyant, organizada pela Sociedade Brasileira de Belas Artes/RJ em 1940. JÚLIO LOUZADA, vol. 5, pág. 169; ITAÚ CULTURAL.



303 - JUAREZ MAGNO - (1943)
-

Figura - desenho a nanquim - - 31 x 21 cm - canto inferior direito - 1964.

Pintor, desenhista e cenógrafo, o artista nasceu em Belo Horizonte, MG. Iniciou seus trabalhos artísticos na extinta Escola Guignard, em BH. Transferiu-se para SP, onde na FAAP, foi discípulo de Donato Ferrari. Estudou xilogravura com Edith Bering. Participou de diversas exposições coletivas, expondo também individualmente em São Paulo, por várias ocasiões. Ilustrou vários livros e revistas, confeccionou cartazes, catálogos e cenários para cinema e teatro. Possui obras no acervo de diversos museus e colecionadores particulares no País (MAB-SP, Pinacoteca-SP), e no exterior (Alemanha, Peru, Canadá). JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 568; Acervo FIEO



304 - JOSÉ DE DOME - (1921 - 1982)
-

Cabo Frio - pastel - - 22 x 33 cm - canto inferior esquerdo - .

José de Dome nasceu em Estância, SE. Autodidata, firmou-se como pintor na década de 60. Um amarelo sempre solar e luminoso sobressai em suas telas e a imprecisão nos contornos das figuras, o empastelamento das formas, é um dos recursos utilizados pelo autor para dar aos seus personagens e temas feições dramáticas atenuadas. Foi ativo em Cabo Frio, RJ; o artista expôs individualmente a partir da década de 50. PONTUAL, pág. 183; JULIO LOUZADA, vol 1 pág, 339; ITAU CULTURAL.



305 - PAULO CLÁUDIO ROSSI OSIR - (1890 - 1959)
-

"Retrato do Maestro Ernani Dias" - óleo sobre tela - - 60 x 55 cm - canto inferior direito - .
Reproduzido na página 106 do livro "Do modernismo à Bienal", exposição realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo em março de 1982. Com etiqueta da coleção Paulo Cláudio Rossi Osir e etiqueta do Museu de Arte Moderna de São Paulo, SP. -
Pintor e arquiteto nascido e falecido em São Paulo. Estudou na Europa, e em 1921 expõe individualmente em sua cidade natal. Integrou, mais tarde, a Família Artística Paulista. Seu estilo combina elementos impressionistas e cubistas. Criou a OSIRARTE, firma especializada no fabrico de azulejos artísticos. TEODORO BRAGA, pág. 208; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 268; PONTUAL, pág. 462; MEC, vol, 3, pág. 303; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 128; ARTE NO BRASIL; WALTER ZANINI, pág. 579, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



306 - JESUÍNO LEITE RIBEIRO - (1935 - 2012)
-

Andando de bicilceta - óleo sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1984.

Jesuíno Leite Ribeiro nasceu e faleceu em Guaxupé, MG. Foi pintor, desenhista, gravador e professor. Assinava Jesuíno e era, na família, conhecido como Zino. Estudou na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte e na antiga Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, onde se aperfeiçoou em gravura com Oswaldo Goeldi. Foi professor de desenho no Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília. Exposições individuais: Rio de Janeiro (1960, 1969, 1970, 1977, 1979); São Paulo (1963, 1966, 1980, 1983, 1986); Salvado, BA (1963); Roma, Itália (1971, 1972); Campinas, SP (1983); Guaxupé, MG (2010, 2011). Participou de várias mostras oficiais e foi premiado em: Belo Horizonte, MG (1957, 1959); Salvador, BA (1963). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 495; VOL. 2, PÁG. 535; VOL. 10, PÁG 451; MEC VOL. 2, PÁG. 374; PONTUAL PÁG. 279; ITAU CULTURAL.



307 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Marinha - acrílico sobre tela - - 16 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - Dezembro de 1980.
Com etiqueta da "Galeria Augôsto Augusta" São Paulo e certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



308 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Borboletas - pintura sobre azulejo - - 15 x 30 cm - canto inferior direito - .
Com etiqueta do Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP, no dorso. -
Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



309 - CARLO DE SERVI - (1876 - 1947)
-

Dama - óleo sobre tela - - 38 x 28 cm - canto inferior direito - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Italiano de Lucca, iniciou seus estudos de pintura na Academia de Belas Artes daquela cidade. Em 1896 vem para o Brasil, onde trabalha na decoração de igrejas, estabelecimentos públicos e edifícios particulares, em várias cidades. Retorna para a Itália em 1931, por motivos de saúde. Entre as exposições das quais participa, destacam-se: Salão Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, 1899/1912; Exposição Geral de Belas Artes, na Escola Nacional de Belas Artes, Enba, Rio de Janeiro, 1899; Exposição de Belas Artes e Indústria, São Paulo, 1902. Após sua morte, sua obra figura nas mostras: A Paisagem Brasileira (1650-1976), no Paço das Artes, São Paulo, 1980; História da Pintura Brasileira no Século XIX, no Paço das Artes, São Paulo, 1983; Dezenovevinte: Uma Virada no Século, na Pinacoteca do Estado de São Paulo, Pesp, 1986; O Olhar Italiano sobre São Paulo, na Pesp, 1993. LAUDELINO FREIRE, pág. 517; TEODORO BRAGA, pág. 81; Catálogo da Exp., de Pint Italianos no Bras; Ed. Sociaste/1980; REIS JR, pág.365; MEC vol.2, págs 45 e 46; WLAMIR AYALA, vol.1, págs 247 e 248; PONTUAL, pág. 170; ITAÚ CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



310 - SERGIO ROMAGNOLO - (1957)
-

"Amdias pequeno" - múltiplo em fibra - 124/150 - h = 18 cm - base - 2008.

Pintor, escultor, desenhista, artista intermídia, professor. Estuda na Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado - Faap, por volta de 1975 entra em contato com a obra de Regina Silveira, Nelson Leirner e Julio Plaza. Realiza outdoor para o evento Arte na Rua e o Painel Luminoso do Anhangabaú - Arte Acesa, em 1983. Na mesma época, passa a escrever artigos sobre artes plásticas para revistas especializadas. Em 1985 casa-se com a artista plástica Leda Catunda. ITAÚ CULTURAL. -



311 - DARIO MECATTI - (1909 - 1976)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 40 x 28 cm - canto inferior direito - .
No estado. -
Pintor e desenhista nascido em Florença, Itália e falecido em São Paulo, SP. Na Itália recebeu orientação artística de Camillo Innocenti, trabalhou em um banco e pintou cartazes para a sala de cinema de seu primo. Em 1933, mudou-se para a África, onde permaneceu por aproximadamente sete anos viajando pelo norte do continente. Neste período conheceu a Líbia, Ilha de Malta, Tunísia, Turquia, Argélia, Marrocos, além de Portugal e Espanha. Durante a viagem retratou cenas destes países e realizou algumas exposições com o pintor florentino Renzo Gori, com quem residiu por pouco tempo em Paris. Em 1939, conheceu a Ilha de São Miguel, nos Açores e lá encontrou Maria da Paz com quem posteriormente se casou. No ano de 1940, mudou-se para o Brasil, passou pouco tempo no Rio de Janeiro e depois um período em Minas Gerais, onde visitou as cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Mudou-se no final do ano para São Paulo, onde entre 1941 e 1945, trabalhou na Galeria Fiorentina, na Rua Barão de Itapetininga, de propriedade de Malho Benedetti. Em 1945 conheceu Nicolino Bianco que passou a adquirir os quadros do artista para serem expostos na Loja de Móveis Paschoal Bianco. Apresentou-o para clientes e amigos que passaram a encomendar retratos. Neste período entrou em contato com Ezio Barbini, dono da Galeria Internacional que vendeu regularmente suas obras, além de apresenta-lo a um grupo de jovens artistas a quem orientou. Em 1946 construiu na Rua Feliciano Maia a sua casa estúdio, onde realizou exposições individuais anuais, sendo a última no ano de 1976, data de seu falecimento. TEODORO BRAGA, PÁG. 161/2; MEC, VOL. 3, PÁG. 109; PONTUAL, PÁG. 352; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 72; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 320; ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 611; ACERVO FIEO.



312 - ROBERTO BURLE MARX - (1909 - 1994)
-

Composição - desenho a nanquim e aquarela - - 23 x 27 cm - canto inferior direito - .

Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com.



313 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD - (1896 - 1962)
-

Noite de São João - aquarela - - 19 x 12 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e professor, nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Frequentou a ‘Königliche Akademie der Bildenden Künste’ [Real Academia de Belas Artes] de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. De 1931 a 1943 dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Em 1941 integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da I Bienal Internacional de São Paulo. Foi premiado no Rio de Janeiro (1924, 1929, 1940 - Prêmio de Viagem ao País, 1942, 1948, 1951) e em Buenos Aires, Argentina (1937). PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28.



314 - MILLÔR FERNANDES - (1924 - 2012)
-

O cientista - desenho a nanquim e aquarela - - 41 x 29 cm - canto inferior esquerdo - .

Carioca, o autor é escritor, jornalista, humorista, caricaturista, cenógrafo e teatrólogo. Colaborou com sua arte em diversas publicações de sucesso, tais como O Cruzeiro, Cigarra e Veja. Foi diretor d'O Pasquim. MEC, vol. 2, pág. 148



315 - DARIO MECATTI - (1909 - 1976)
-

Corais - óleo sobre madeira - - cm - canto inferior direito - .
- Reproduzido no convite deste leilão. - Lote composto de duas obras, medindo 60 x 23 cm cada. -
Pintor e desenhista nascido em Florença, Itália e falecido em São Paulo, SP. Na Itália recebeu orientação artística de Camillo Innocenti, trabalhou em um banco e pintou cartazes para a sala de cinema de seu primo. Em 1933, mudou-se para a África, onde permaneceu por aproximadamente sete anos viajando pelo norte do continente. Neste período conheceu a Líbia, Ilha de Malta, Tunísia, Turquia, Argélia, Marrocos, além de Portugal e Espanha. Durante a viagem retratou cenas destes países e realizou algumas exposições com o pintor florentino Renzo Gori, com quem residiu por pouco tempo em Paris. Em 1939, conheceu a Ilha de São Miguel, nos Açores e lá encontrou Maria da Paz com quem posteriormente se casou. No ano de 1940, mudou-se para o Brasil, passou pouco tempo no Rio de Janeiro e depois um período em Minas Gerais, onde visitou as cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Mudou-se no final do ano para São Paulo, onde entre 1941 e 1945, trabalhou na Galeria Fiorentina, na Rua Barão de Itapetininga, de propriedade de Malho Benedetti. Em 1945 conheceu Nicolino Bianco que passou a adquirir os quadros do artista para serem expostos na Loja de Móveis Paschoal Bianco. Apresentou-o para clientes e amigos que passaram a encomendar retratos. Neste período entrou em contato com Ezio Barbini, dono da Galeria Internacional que vendeu regularmente suas obras, além de apresenta-lo a um grupo de jovens artistas a quem orientou. Em 1946 construiu na Rua Feliciano Maia a sua casa estúdio, onde realizou exposições individuais anuais, sendo a última no ano de 1976, data de seu falecimento. TEODORO BRAGA, PÁG. 161/2; MEC, VOL. 3, PÁG. 109; PONTUAL, PÁG. 352; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 72; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 320; ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 611; ACERVO FIEO.



316 - JOSÉ MARIA DE ALMEIDA - (1906 - 1995)
-

"Panorama" - óleo sobre tela - - 73 x 92 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1957 - Rio de Janeiro.

Pintor português, radicado no Brasil (Rio de Janeiro) desde 1920; estudou pintura no Liceu de Artes e Ofícios e na antiga ENBA, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland. Conquistou, no SNBA (ao qual começou a comparecer em 1937), menção honrosa (1939) e as medalhas de bronze (1943) e de prata (1949). Foi premiado também no Salão da Associação dos Artistas Brasileiros (medalhas de ouro e de honra em 1955 e 1965). Fez diversas exposições individuais no Palace Hotel (GB), entre 1940 e 1949, bem como no MNBA (1952 - 1958). Realizou viagens por várias cidades européias que ficaram retratadas em sua pintura, de caráter inteiramente figurativo. TEODORO BRAGA, pág. 31; Catálogo da Exp. de Paisagem Brasileira, Min. da Educ. e Saúde. - MNBA/Rio/1944; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 32; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 7, Acervo FIEO.



317 - RODOLPHO TAMANINI NETTO - (1951)
-

"Veículo de comunicação" - óleo sobre tela - - 13 x 16 cm - canto inferior esquerdo - .

Nasceu em São Paulo. Pintor urbano, soube captar o ambiente de sua cidade natal, essa cidade tão complexa, tão imensa, tão feia, mas que a gente ama, ficando com jeito de explicar as razões dessa paixão para quem não vive aqui (Jacques Ardies). JULIO LOUZADA vol.9, pág. 834; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 235.



318 - PAUL GARFUNKEL - (1900 - 1981)
-

Porto - aquarela - - 22 x 30 cm - canto inferior esquerdo - 1967.

Pintor e desenhista, Paul Garkunfel nasceu na França, na cidade de Fontainebleau, e faleceu no Brasil, em Curitiba-PR. Em 1927 transfere-se para o Brasil, fixando residência em Curitiba a partir de 1936, após passagem por São Paulo e Santos. Integrou o Clube de Gravura do Paraná ao lado de Alcy Xavier e Nilo Previdi. Entre as exposições de que participou, destacam-se: Bienal Internacional de São Paulo, 1951; Salão da Primavera, Curitiba, 1960; Retrospectiva, no Museu de Arte de São Paulo, 1983; 100 Obras Itaú, no Masp, São Paulo, 1985. "Sintetizou sua relação com a natureza ao sugerir: ´Olhemos ao redor de nós, que ainda há muita beleza neste mundo para quem sabe abrir os olhos´. Sem dúvida é um lírico, e dentro de sua obra, fortemente bucólica, encontram-se os sinais de sua esperança e de sua utopia. Avesso ao abstracionismo e suas manifestações, ele procurava traduzir sua preocupação pelo mundo através de um figurativismo direto, claro e sem artifícios metafóricos. " Eugênia Gorini Esmeraldo e Geraldo Serra, in 100 obras Itaú. Pietro Maria Bardi. São Paulo, Banco Itaú, MASP, 1985. JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 448; ITAU CULTURAL; MEC, vol. 2, pág. 241/242.



319 - DIMITRI ISMAILOVITCH - (1898 - 1976)
-

Paisagem - aquarela - - 26 x 36 cm - canto inferior direito - .

Pintor russo, estudou em 1918 e 1919 na Academia de Belas Artes da Ucrânia, e em 1927 radicou-se no Rio de Janeiro, tendo participado de diversas exposições individuais e salões oficiais. Pintor de natureza morta, paisagem e retratos. TEODORO BRAGA, pág. 123; REIS JUNIOR, pág. 379; PONTUAL, pág. 274; MEC, vol. 2, pág. 367; ITAÚ CULTURAL.



320 - ANA CRISTINA ANDRADE - (1953)
-

"O girassol" - gravura em metal - 11/15 - 31 x 25 cm - canto inferior direito - 1997.
Complemento de técnica: ponta seca. -
Ana Cristina Andrade Moreira é pintora, gravadora, desenhista, professora e designer vidreira. Iniciou sua formação artística na Escola Superior de Arte Santa Marcelina, SP (1972-1975). Aprendeu gravura em metal (1980-1990) com Iole Di Natale; técnicas de gravura na Scuola Internazionale di Gráfica em Veneza, Itália (1983); Gravura Especial com Evandro Carlos Jardim, no MAC-SP (1991); Técnica Calcográfica Experimental com Mario Benedetti, na FASM-SP (1997); Vitrofusão com Roberto Bonino. Exposições individuais: São Paulo, SP (1984, 1987, 1995, 2003); Bauru, SP (1989); “Projeto Interior com Arte” – Museu Banespa (1998 – Exposição itinerante pelo interior do Estado de São Paulo). Coletivas: Epinal, França (1975); São Paulo, SP (1974, 1982, 1984, 1985, 1986, 1988, 1994, 1995, 2000, 2002 a 2004, 2012 – SP ESTAMPA); Santo André, SP (1982); Novo Hamburgo, RS (1982); Taiwan, China (1983, 1985); San Juan, Porto Rico (1983); Santos, SP (1983); Cabo Frio, RJ (1983); Ribeirão Preto,SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba,SP (1984); Veneza, Itália (1984, 1985); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986); Limeira, SP (1986); Washington D.C.,EUA (1991); Campos do Jordão, SP (1991); Kanagawa, Japão (1992); Maastricht, Holanda (1993); Illinois, EUA (1994); Cidade do México, México (1996); Jacareí, SP (1998); Budapeste, Hungria (1996); Uzice, Yuguslávia (1997); Ourense, Espanha (1994, 2006). Prêmios: São Paulo, SP (1974); Novo Hamburgo, RS (1982); Santos, SP (1983); Ribeirão Preto, SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba, SP (1984); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986). JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 62; vol.2, pág. 66; Acervo FIEO. ITAU CULTURAL.



321 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata no sofá - serigrafia - 156/200 - 57 x 76 cm - canto inferior direito - 1975.
Com autenticação no dorso. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



322 - LOTHAR CHAROUX - (1912 - 1987)
-

Linhas - gravura - 1/30 - 30 x 30 cm - canto inferior direito - 1971.

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



323 - FRANCISCO DA SILVA - (1910 - 1985)
-

Galo - têmpera sobre tela - - 70 x 50 cm - centro inferior - 1970.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



324 - MILTON DACOSTA - (1915 - 1988)
-

Nu - óleo sobre cartão - - 38 x 33 cm - canto inferior direito - 1937 - Rio.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador. Milton Rodrigues da Costa nasceu em Niterói, RJ e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou estudos de desenho e pintura, em 1929, com o professor alemão August Hantv. No ano seguinte matriculou-se no curso livre de Marques Júnior, na Escola Nacional de Belas Artes. Junto com Edson Motta, Bustamante Sá e Ado Malagoli , entre outros, criou o Núcleo Bernardelli em 1931. Viajou para Estados Unidos em 1945, com o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do ano anterior. Na cidade de Nova York, estudou na Art's Students League of New York. Em 1946, foi para a Europa e após visita a vários países, fixou-se em Paris, onde estudou na Académie de La Grande Chaumière. Conheceu Pablo Picasso, por intermédio de Cícero Dias, e freqüentou os ateliês de Georges Braque e Georges Rouault. Expôs no Salon d'Automne (Paris) e regressou ao Brasil em 1947. Em 1949, casou-se com a pintora Maria Leontina e passou a residir em São Paulo. Realizou muitas exposições individuais e também recebeu prêmios nas Bienais Internacionais de São Paulo (1955, 1957). TEODORO BRAGA, PÁG. 163; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 229; MEC, VOL. 2, PÁG. 13; BENEZIT, VOL. 3, PÁG.315; ITAU CULTURAL; PONTUAL, PÁG. 155; WALTER ZANINI, PÁG. 573; ARTE NO BRASIL, PÁG. 763; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; ACERVO FIEO.



325 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Labareda - escultura em mármore - - h = 50 cm - assinado - .
- Reproduzido no convite deste leilão.
Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



326 - TSUGUHARU FOUJITA - (1886 - 1968)
-

Figura - litografia - 28/50 - 34 x 25 cm - canto inferior direito - 1926.
Litografia da mesma série reproduzida sob o número 7 em catálogo de leilão de 17 de junho de 2003 da Bolsa de Arte do Rio de Janeiro. -
Pintor modernista japonês que se naturalizou francês e se converteu ao catolicismo. Viveu no Rio de Janeiro durante o ano de 1931 e o início de 1932, curto período durante o qual entrou em contato com artistas e poetas modernistas do período, expôs no Palace Hotel no Rio de Janeiro e, em São Paulo, no espaço expositivo à praça Ramos de Azevedo. Coletivas a partir de 1930 em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. ITAÚ CULTURAL.



327 - TOMÁS SANTA ROSA - (1909 - 1956)
-

Rosto - litografia - - 18 x 14 cm - canto inferior direito - .

Pintor, gravador, cenógrafo e professor. Oriundo da Paraíba, onde nasceu, fixou-se no Rio de Janeiro, iniciando em 1930 sua bem sucedida carreira de ilustrador de obras de autores estrangeiros e brasileiros, que inclui, dentre outros, Graciliano Ramos, José Lins do Rêgo, Jorge Amado, Castro Alves e muitos outros. Sua obra tem reconhecimento nacional e unanimidade de crítica, havendo se destacado em todas as áreas das artes que praticou. PONTUAL, pág. 472; TEIXEIRA LEITE, pág. 460; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 572; LEONOR AMARANTE.



328 - MARIE LOUISE MATTOS - (1916)
-

Jardim - óleo sobre tela - - 27 x 22 cm - canto inferior direito e dorso - 1989.
Com etiqueta da Galeria Rachid, Rio de Janeiro - RJ, no dorso. -
Nascida em Paris, França, filha do escultor Antônio Pinto de Mattos. Pintora, cresceu em ambiente de intensa produção artística, tomando gosto pela arte desde muito criança. Transferiu-se para o Brasil na dec. de 40, passou a frequentar o Liceu de Artes e Ofícios do RJ, onde foi aluna de Armando Viana (1946). Já no ano seguinte recebia Menção Honrosa no SNBA. Nesse mesmo salão conquistou ainda a Medalha de Prata (1951). Ganhadora de prêmio viagem 'a Europa (1960), participou de salões na capital da França. Algumas de suas obras encontram-se no MNBA-RJ. JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 610, Acervo FIEO.



329 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

"Cristo e dois apóstolos" - óleo sobre tela - - 80 x 88 cm - não assinado - .
Obra registrada no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN - Ministério da Cultura. Procedente da coleção Sr. Carlos dos Santos Pires - São Paulo, SP. -
Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



330 - ALFREDO CESCHIATTI - (1918 - 1989)
-

Guanabara - escultura em bronze - - h = 30 cm - base - .
Ex coleção Renato Antônio Brogiolo - Rio de Janeiro. -
Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



331 - IVAN SERPA - (1923 - 1973)
-

Figuras - pastel - - 43 x 30 cm - canto inferior direito - 4/2/1966.

Pintor, desenhista, gravador e professor, estudou com Axel Leskoschek no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oitica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Ivan Serpa possui invejável e extenso curriculum de vida artística, passando de exposições coletivas, a grandes retrospectivas de sua obras. Há um reconhecimento nacional da importância de sua atividade, tratando-se de um dos grandes artistas nacionais. PONTUAL, pág 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 605; ARTE NO BRASIL, pág. 840; LEONOR AMARANTE, pág. 26; Acervo FIEO.



332 - HAROLDO AMAZONAS - (1905 - SÉC. XX)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 30 x 40 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, engenheiro e arquiteto nascido em Taubaté, SP. Assina H. Amazonas. Filho do pintor Clodomiro Amazonas. Formou-se na Escola de Belas Artes em 1935. Expôs individualmente em 1950, participou de várias edições do Salão Paulista e de mostras na cidade de São Vicente, SP. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 45.



333 - RUBEM VALENTIM - (1922 - 1991)
-

"Emblema 86" - acrílico sobre tela - - 22 x 27 cm - dorso - Brasilia - DF.

Baiano de Salvador, autodidata, Rubem Valentin pinta desde meados de 1940. Sua primeira coletiva foi em 1949, no Salão Baiano de Belas Artes, do qual participaria outras vezes, recebendo premiações. Viveu no Rio de Janeiro e na Europa, fixando residência permanente em Brasil, DF, há mais de 20 anos. O artista assim explicava a sua arte: "Minha linguagem plástico-visual signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira (mestiça-animista-fetichista). Com o peso da Bahia sobre mim - a cultura vivenciada; com o sangue negro nas veias - o atavismo; com os olhos abertos para o que se faz no mundo - a contemporaneidade; criando os meus signos-símbolos procuro transformar em linguagem visual o mundo encantado, mágico, provavelmente místico que flui continuamente dentro de mim". PONTUAL, pág.532; WALMIR AYALA, vol.2, págs.395 a 397; TEIXEIRA LEITE, pág.517; MEC, vol.4, pág.443; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 874; LEONOR AMARANTE, pág. 257, Acervo FIEO.



334 - FRANCISCO ACQUARONE - (1896 - 1954)
-

A partida - desenho a nanquim e aquarela - - 20 x 26 cm - canto inferior direito - .

Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro, onde foi ativo. Estudou na ENBA-RJ, sendo aluno de Rodolfo Amoedo, Modesto Brocos e Baptista da Costa. Pintor, desenhista, caricaturista, ilustrador, historiador da arte, professor de artes plásticas, crítico de arte, escritor, jornalista "Acquarone (...) é dos que ficaram com os grandes nomes da ´pintura clássica´, sem precisar das excentricidades ou das deformações para brilhar e ser um artista moderno. Não quis chamar a atenção sobre a sua personalidade, através da extravagância da sua pintura. (...) A sua arte é simples e por isso mesmo é bela. As intenções inteligentes, procuradas nos motivos, são fontes de prazer estético, o que quer dizer agradáveis, simpáticas e, portanto, capazes de despertar sentimentos humanos e sadios no inconsciente de todos nós (...)." Gastão Pereira da Silva, in: ACQUARONE, Francisco, VIEIRA, Adão de Queiroz. Primores da Pintura no Brasil. 2.ed. [Rio de Janeiro]: s.n., 1942. THEODORO BRAGA; MEC; TEIXEIRA LEITE, JULIO LOUZADA vol. 1 pag 23; ITAU CULTURAL.



335 - CLODOMIRO AMAZONAS - (1893 - 1953)
-

"Remanso" - óleo sobre tela - - 50 x 65 cm - canto inferior direito e dorso - 1920 - São Paulo.
- Reproduzido no convite deste leilão.
Clodomiro Amazonas Monteiro, nasceu em Taubaté-SP, e faleceu na Capital-SP. Pintor e restaurador, iniciou-se em pintura aos 16 anos, realizando restaurações em telas e afrescos do Convento Santa Clara, em Taubaté. Fixa residência em São Paulo em 1906, quando entra em contato com a obra de Baptista da Costa e tem aulas com o pintor Carlo de Servi. Manteve contato com intelectuais, escritores e artistas como Monteiro Lobato, Menotti del Picchia, Lucílio e Georgina de Albuquerque e também Pedro Alexandrino, entre outros. É um dos fundadores do Salão Paulista de Belas Artes, em 1934. Amazonas foi artista de méritos, cuja pintura, vazada num desenho de grande solidez, e um colorido realista, não deixa de irradiar certa rústica poesia. MEC, vol. 1, pág. 75; TEIXEIRA LEITE, pág. 26; PONTUAL, pág. 24; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 42; TEODORO BRAGA, pág. 72; ITAU CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



336 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Composição - panneau - - 130 x 81 cm - canto inferior direito - na matriz.
"Panneau estampado à mão, exclusivo para Tecidos Paulo Becker. Desenho Bonadei.". Reproduzido sob o nº 199 em catálogo de leilão de Soraia Cals, Rio de Janeiro - RJ, realizado em novembro de 2010. Assim disse o leiloeiro de Soraia Cals sobre a obra, no momento do pregão: frase escrita à mão pelo pintor e assinada por ele. Este é um dos poucos panneaus produzidos por Aldo Bonadei, sendo este um exemplar único.-
Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



337 - TADASHI KAMINAGAI - (1899 - 1982)
-

Vaso de flores - óleo sobre tela - - 65 x 54 cm - canto inferior direito e dorso - 1954.

Grande pintor japonês da Escola de Paris, amigo de Marquet, Vlaminch e Déiran, entre outros, passou no Brasil praticamente toda a década de 1940, aqui se ligando de amizades a pintores como Portinari, Pancetti e Djanira, e iniciando na arte vários jovens pintores de ascendência nipônica, como Flávio Shiró Tanaka, por exemplo. Autor de paisagem, naturezas mortas e retratos de excelente qualidade pictórica, Kaminagai veio freqüentes vezes ao Brasil, onde expôs com enorme sucesso. TEODORO BRAGA, pág.134; BENEZIT, vol.6, pág.152; WALMIR AYALA, vol.1, pág.435 e 437; MEC, vol.2, pág.401; PONTUAL, pág.287; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 643; ARTE NO BRASIL; Acervo FIEO.



338 - ODILLA MESTRINER - (1928)
-

"Figuras" - desenho a nanquim - - 22 x 13 cm - centro inferior - 1975.

Desenhista, pintora, artista gráfica e gravadora, natural de Ribeirão Preto-SP, nascida no dia 18/8/1928. Estudou com Domenico Lazzarini na Escola Municipal de Belas Artes de Ribeirão Preto. Expôs individualmente no RJ, em 1959. Em 1973, recebeu o Prêmio Melhor Desenhista pela Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA. Como nota o historiador da arte Tadeu Chiarelli, Odilla Mestriner associa duas tendências preponderantes, a tentativa de expressar sentimentos e a opção pelo traço e pelo desenho, em contraposição à cor. Em seus primeiros trabalhos, a partir do fim da década de 1950, ela retira os temas do ambiente que a cerca e que se revela também opressor: a casa, com seus muros, janelas e portas, e a cidade, trabalhada de forma geométrica, como uma sucessão de ruas ou quarteirões. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 634; ITAUCULTURAL. Acervo FIEO.



339 - OSCAR PEREIRA DA SILVA - (1867 - 1939)
-

Estudo - desenho a lápis - - 35 x 26 cm - canto inferior direito - 1895.

Grande pintor brasileiro; prêmio de viagem à Europa em 1889, aperfeiçoou-se em Paris com Gérome e Leon Bonnat. "Sem ter revelado impulsos vigorosos que lhe evidenciassem poder emotivo, Oscar Pereira da Silva soube manter no transcorrer de bem cinquenta e sete anos de produção permanente e intensa, desde que retornou ao país, em 1896, todo o cuidado de um desenho severamente elaborado, sem num só instante voltar-se para o novo semblante que a pintura adquiria nessa transposição de tempo. " Quirino Campofiorito, in CAMPOFIORITO, Quirino. História da Pintura Brasileira no Século XIX. Ed.Pinakotheke-SP, 1983. PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 1, págs. 245/281; TEODORO BRAGA, pág. 177/8; LAUDELINO FREIRE, pág. 383; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 185; MEC, vol. 4, pág.277; PONTUAL, pág. 419; TEIXEIRA LEITE, pág. 402; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 437; ARTE NO BRASIL, pág. 553, Acervo FIEO; F. ACQUARONE, pág. 187, RUTH TARASANTCHI.



340 - TIKASHI FUKUSHIMA - (1920 - 2001)
-

Composição - óleo sobre tela - - 80 x 50 cm - canto inferior direito - .

Pintor e gravador, natural da cidade japonesa de Fukushima, faleceu em São Paulo. Veio para o Brasil em 1940, fixando-se em Lins, SP. Recebendo influência de Manabu Mabe, começou a se interessar por pintura. Em 1946, seguiu para o Rio de Janeiro, onde estudou com Tadashi Kaminagai e, entre 1947 e 1948, frequentou aulas na Escola Nacional de Belas Artes. Em 1949, mudou-se para São Paulo e montou uma oficina de molduras no que passou a ser ponto de encontro dos artistas de tendências afins e que formaram, em 1950, o Grupo Guanabara. Nesse período, integrou também o Grupo Seibi. Entre 1977 e 1990, foi presidente da Comissão de Artes Plásticas da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa. Em 1979, foi membro da Comissão de Artes da Fundação Brasil-Japão de Artes Plásticas. Realizou muitas exposições individuais e participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais no Brasil e pelo mundo. Em 2001, a Pinacoteca do Estado de São Paulo, exibiu uma mostra retrospectiva de sua obra. JULIO LOUZADA, VOL. 13 PÁG. 141; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 210; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 644; LEONOR AMARANTE, PÁG. 383; artnet.com; arcadja.com.



341 - IVAN MORAES - (1936)
-

Baianas - óleo sobre tela - - 60 x 20 cm - canto inferior direito - 1971.

Pintor natural da cidade do Rio de Janeiro. Estudou com Ivan Serpa, no MAM-RJ. Participou do IX ao XII SNAM, da VI BSP e II Bienal de Paris. Quirino Campofiorito sobre o temas de seus quadros escreveu: "Tira-os do popular, denuncia afinidades, respeita-lhes a autenticidade. Candomblé, memória de ritos, visões religiosas, gente na rua. O mundo da imagem anedódita, sim, mas a que não falta, em expressão rigorosa, a comunicação artística." PONTUAL, pág. 368;



342 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Praia - óleo sobre cartão - - 22 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



343 - ROSINA BECKER DO VALLE - (1914 - 2000)
-

"A coruja" - aquarela - - 30 x 22 cm - canto inferior direito - 1978.

Foi aluna de Ivan Serpa, no Atelier Livre de Pintura do MAM-RJ. Pintora ingênua ou naif, Rosina tem como principais temas as manifestações populares, como carnaval, capoeira, etc. Participa de coletivas oficiais desde 1957 (Salão Nacional de Arte Moderna-RJ). Diversas instituições possuem obras suas em acervo, tais como MAM-RJ, MAM-SP, Museu de Buenos Aires, Museu de Hamburgo, Alemanha, Fundação Castro Maia-RJ. etc WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 401; MEC, vol. 4, pág. 441; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810.



344 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Pescadores - serigrafia - 156/200 - 57 x 76 cm - canto inferior direito - 1975.
Com autenticação no dorso. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



345 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Gato azul - acrílico sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2002.
- Reproduzido no convite deste leilão. - Com certificado de autenticidade do Estúdio Aldemir Martins.
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



346 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Festa - desenho a nanquim - - 23 x 15 cm - canto inferior direito - .

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



347 - CARLOS CHAMBELLAND - (1884 - 1950)
-

Menina - guache - - 35 x 26 cm - canto inferior direito - .
Capa da revista semanal ilustrada "O Cruzeiro". -
Nasceu e faleceu na cidade do Rio de Janeiro, onde foi ativo. Pintor, professor de pintura e desenho e decorador. Estudou na ENBA-RJ (1901/1907); foi aluno de Zeferino da Costa e Rodolfo Amoedo. Em 1907 recebeu o prêmio de viagem ao exterior, viajando para Paris, onde freqüenta, o ateliê Puvis de Chavannes, com Carriére e Henry Martin. Foi contratado pelo governo brasileiro para a decoração do Pavilhão do Brasil na Exposição Internacional de Turim (Itália), juntamente com seu irmão Rodolfo Chambelland , João Timótheo da Costa e Arthur Timótheo da Costa. O crítico, historiador e pintor carioca Quirino Campofiorito assim escreveu: "A obra de Carlos Chambelland é numerosa e variada nos gêneros abordados, sempre demonstrando o pintor otimista e animado por um entusiasmo nacionalista, entusiasmo este que o leva a preferir, a partir de certa época, a paisagem, os tipos e as cenas populares com que se enriquece sua produção durante o tempo que residiu em Pernambuco. Diferente do ambiente cosmopolita que conhecia no Rio, igual aos dos grandes centros como vira em Paris, o Nordeste lhe desvendou um Brasil autêntico nas coisas populares (...). " in: CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. PONTUAL, pág.128; JULIO LOUZADA, vol 1, pág.251; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 573; ARTE NO BRASIL, pág. 596; F. ACQUARONE, pág. 201.



348 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 27 x 41 cm - canto inferior direito - .

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



349 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA - (1909 - 1996)
-

O violeiro - óleo sobre tela - - 84 x 59 cm - canto inferior esquerdo - 1960.
Com a seguinte inscrição no dorso: "1 milhão". -
Considerado por muitos críticos e colecionadores como o mais típico dos nossos pintores ingênuos, Silva foi o intérprete da cena rural de São Paulo, num estilo expontâneo em que assomam, por vezes, soluções plásticas inesperadas. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



350 - ARTHUR JOSÉ NÍSIO - (1906 - 1974)
-

Paisagem - óleo sobre cartão - - 35 x 51 cm - canto inferior esquerdo - 1941 - Hornback-Alemanha.

Pintor, desenhista, gravador e professor que nasceu e faleceu em Curitiba, PR. Assinava A. Nísio. Cursou a Escola de Belas Artes do Rio Grande do Sul, tornando-se discípulo de Libindo Ferrás e Francis Pelicheck e frequentou o ateliê de Lange de Morretes , em Curitiba. Em 1928, viajou para a Alemanha, onde estudou na Academia de Belas Artes de Munique com Ângelo Jank e no ateliê de Max Bergmann, especializando-se em pinturas de animais. Em 1967, dirigiu e lecionou na Escola de Pinturas de Animais em Vertham Rheim, Alemanha e foi professor também da Escola de Belas Artes da Universidade do Paraná. Participou de muitas exposições e mostras oficiais na Alemanha e aqui no Brasil. Foi premiado em Curitiba, PR em 1947, 1954 (Prêmio de Viagem), 1955 a 1957. ITAU CULTURAL; MEC VOL. 3, PÁG. 264; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 808; VOL. 6, PÁG. 791.



351 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Guerreiro - escultura em bronze - - h = 117 cm - base - .
Procedente da coleção Evaldo Tadeu de Oliveira - Pirajuí, SP. -
Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



352 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata - desenho a lápis - - 21 x 13 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



353 - SAMSON FLEXOR - (1907 - 1971)
-

Composição - aquarela - - 29 x 22 cm - canto inferior direito - 1953.
No estado. -
Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



354 - OMAR PELEGATTA - (1925 - 2000)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 27 x 35 cm - canto inferior direito - .

Italiano da Lombardia, PELLEGATTA foi pintor e gravador dedicado a temas sacros e casarios coloniais. Em sua obra, o ser humano é apresentado sempre de modo idealizado, na figura de ternas madonas, santos, coroinhas e cavaleiros. Participou de diversas coletivas e salões, a partir de 1957, recebendo premiações em sua maioria. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.735; MEC vol.3, pág.363; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



355 - PEDRO ALEXANDRINO - (1864 - 1942)
-

Cesto de uvas - óleo sobre tela - - 66 x 86 cm - canto superior direito - .
- Reproduzido no convite deste leilão.
Pedro Alexandrino Borges nasceu e faleceu em São Paulo, SP. Assina Pedro Alexandrino. Pintor, decorador, desenhista e professor. Iniciou-se na pintura aos 11 anos, ao trabalhar com o decorador francês Barandier, na catedral de Campinas, SP. Nessa época, também auxiliou o decorador francês Stevaux em São Paulo e realizou trabalhos em igrejas, residências e palacetes. Em 1880, recebeu as primeiras lições de pintura do pintor mato-grossense João Boaventura da Cruz. A partir de 1883, estudou com Almeida Júnior em seu ateliê, em São Paulo; de 1887 a 1888, desenho com José Maria de Medeiros, pintura com Zeferino da Costa e como aluno bolsista na Academia Imperial de Belas Artes, RJ. Entre 1890 e 1892 ingressou na Escola Nacional de Belas Artes, mas não conclui o curso. De volta a São Paulo, lecionou desenho no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, em 1895 e 1896. Viajou para Paris em companhia de Almeida Júnior, como pensionista do Estado de São Paulo e frequentou o ateliê de René-Loui Chrétien, a Académie Fernand Carmon, o Ateliê Lauri e estudou com Antoine Vollon e com o pintor Monroy, a partir de 1899. Retornou ao Brasil na primeira década do século XX, estabeleceu-se em São Paulo, onde lecionou desenho e pintura. Teve como alunos: Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Bonadei, entre outros. Realizou exposições individuais e participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais no Brasil e Europa. Foi premiado no Rio de Janeiro (1894, 1895, 1939) e em São Paulo (1922, 1934). TARASANTCHI, RUTH SPRUNG. A VIDA SILENCIOSA NA PINTURA DE PEDRO ALEXANDRINO. 1981. DISSERTAÇÃO (MESTRADO) - ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES - ECA/USP, São Paulo, 1981; ARTISTAS BRASILEIROS - PEDRO ALEXANDRINO -RUTH SPRUNG TARASANTH - Edição EDUSP, 1996; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1039; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 391/2; MEC, VOL. 1, PÁG. 46; ITAU CULTURAL, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 729; VOL. 13, PÁG. 8; PONTUAL PÁG. 410; web.artprice.com.



356 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD - (1896 - 1962)
-

Ouro Preto - desenho a nanquim - - 16 x 24 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e professor, nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Frequentou a ‘Königliche Akademie der Bildenden Künste’ [Real Academia de Belas Artes] de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. De 1931 a 1943 dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Em 1941 integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da I Bienal Internacional de São Paulo. Foi premiado no Rio de Janeiro (1924, 1929, 1940 - Prêmio de Viagem ao País, 1942, 1948, 1951) e em Buenos Aires, Argentina (1937). PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28.



357 - RENOT - (1932)
-

"Casario da Izabela" - óleo sobre tela - - 15 x 15 cm - canto superior direito e dorso - 2010.

Tapeceiro, desenhista e pintor baiano, ativo em São Paulo desde 1978, com diversas premiações, exposições e leilões. Também atua no mercado de arte como "marchand". JULIO LOUZADA vol.1, pág. 816, Acervo FIEO.



358 - GUIMA - (1927 - 1993)
-

Marinha - óleo sobre tela - - 50 x 65 cm - centro inferior e dorso - 1974.
Com etiqueta de Samarte Empreendimentos Artísticos - Rio de Janeiro, RJ - no dorso. -
Pintor e desenhista de mérito invulgar, Guima era paulista de Taubaté, residiu por muitos anos no Rio de Janeiro e praticava o figurativismo expressionista, por vezes eivado de notas líricas, de outras descambando para o fantástico. MEC, vol. 2, pág. 306; PONTUAL, pág.257; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 377/8; JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 407; ITAÚ CULTURAL.



359 - TARSILA DO AMARAL - (1886 - 1973)
-

Paisagem Antropofágica - desenho a lápis - - cm - - .
Composto por três desenho: 1) 6 x 11 cm ass. cid; 2) 7 x 10 cm ass. cid; 3) 7 x 11 ass. cid. Procedentes da coleção do crítico de arte José Henrique Fabre Rolim, São Paulo. -
Pintora, escultora e desenhista que nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Assina Tarsila. Na capital paulista, estudou escultura com William Zadig e Mantovani, teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti . Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na Académie Julian e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote , Albert Gleizes e Fernand Léger. No ano seguinte, já no Brasil, com Oswald de Andrade, Olívia Guedes Penteado, Mário de Andrade e outros, acompanhou o poeta Blaise Cendrars, que conheceu em Paris, em viagem às cidades históricas de Minas Gerais. Realizou uma série de trabalhos baseados em esboços feitos durante a viagem. Nesse período, iniciou a chamada fase pau-brasil e, em 1925, ilustrou o livro de poemas ‘Pau-Brasil’, de Oswald de Andrade, publicado em Paris. Em 1928, pintou ‘Abaporu’, tela que inspirou o movimento antropofágico, desencadeado por Oswald de Andrade e Raul Bopp. Tarsila participou da I Bienal de São Paulo em 1951, teve sala especial na VII Bienal de São Paulo e participou da Bienal de Veneza em 1964. A retrospectiva ‘Tarsila: 50 Anos de Pintura’, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR. PÁG. 388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.958; VOL. 4, PÁG. 1081; DICIONÁRIO OXFORD PÁG. 517; www.tarsiladoamaral.com.br.



360 - WALDEMAR DA COSTA - (1904 - 1982)
-

Telhados - óleo sobre tela - - 61 x 46 cm - canto inferior direito - 1944 - São Paulo.

Paraense de Belém, onde nasceu em 11 de junho de 1904. Faleceu em Curitiba, no ano de 1982. Foi pintor e professor. Estudou na Escola de Belas Artes de Lisboa, em 1910. Foi para Paris, lá permanecendo de 1928 a 1931, quando retornou para o Brasil, integrando-se no meio artístico. Foi professor de Maria Leontina, Charoux e Clovis Graciano. JULIO LOUZADA vol. 12 pág. 115; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág.584; ARTE NO BRASIL, pág. 795; Acervo FIEO.



361 - J. CARLOS - (1884 - 1950)
-

O passeio da madame - desenho a nanquim e aquarela - - 24 x 28 cm - canto inferior direito - .

Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, desenhista, ilustrador e caricaturista. Realizou mais de cem mil desenhos, não se conhecendo um único ruim. Observador arguto, retratou com maestria e humor o cotidiano de sua cidade natal, da qual, consta, ausentou-se por duas únicas ocasiões. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646.



362 - EDGARD OEHLMEYER - (1909 - 1967)
-

Paisagem - óleo sobre cartão - - 33 x 41 cm - canto inferior direito - 1943.

Nasceu em Rio Claro, no dia 31 de maio e falecido em 4 de outubro de 1967. Nessa cidade cursou na Escola Profissional a seção de pintura com o prof. Carlos Hadler. Discípulo de Rocco, foi destacado paisagista e pintor de naturezas-mortas, tendo obtido diversas premiações nos SNBA e SPBA. TEODORO BRAGA, pág. 175; MEC. Vol.3, pág. 291; MAYER/1984, pag. 1070; TEIXEIRA LEITE, pág. 362; PONTUAL, pág. 389; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



363 - THÉO (DJALMA PIRES FERREIRA) - (1901 - 1980)
-

Juscelino em visita à cartomante - desenho a nanquim e aquarela - - 30 x 22 cm - canto inferior esquerdo - .

Caricaturista, Djalma Pires Ferreira, conhecido como Théo, nasceu na Bahia e veio para o Rio de Janeiro com 21 anos. Publicou seus primeiros trabalhos na "Tarde" (1918 a 1922) e no "Diário de Notícias", Seção Esportes (1919). Foi o divulgador da "Bola do Dia" das colunas de "O Globo" e colaborou no "Malho", "Careta", "Fon-Fon", outras revistas e jornais do Rio de Janeiro e na "Cigarra", em São Paulo. Exposições póstumas: São Paulo (1997, 2003); Belo Horizonte, MG (1997); Campinas, SP (1997); Brasília, DF (1998). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 4, PÁG. 384; CARICATURISTAS BRASILEIROS, 1836 - 2001 PÁG. 120.



364 - DURVAL PEREIRA - (1918 - 1984)
-

Ruela - óleo sobre eucatex - - 50 x 40 cm - canto inferior esquerdo - .

Nascido e falecido em São Paulo, DURVAL PEREIRA foi pintor e professor ativo em São Paulo. Premiado com a Menção Honrosa no SPBA em 1944, passou a viver exclusivamente da pintura. Pintava ao ar livre aos domingos com os pintores Salvador Rodrigues, Salvador Santisteban, Cirilo Agostinho, Jaime Dinis, Djalma Urban, Innocencio Borghese, e outros. Premiado praticamente em todos os Salões de que participou. Recebeu ao todo, 15 comendas das mais importantes do Brasil. Nos últimos três anos de sua vida, recebeu todos os Primeiros Prêmios e Medalhas de Ouro nas exposições de Paris, Rouen, Lyon, Roma, Miami e Milão. MEC, vol. 3, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 1, págs. 749/750/751. ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



365 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "SÃO PAULO: VISÃO DOS NIPO-BRASILEIROS". MARIA CECÍLIA FRANÇA LOURENÇO. CATÁLOGO. EDIÇÃO BILÍNGUE PORTUGUÊS E JAPONÊS. SÃO PAULO: MUSEU LASAR SEGALL, 1998. 2) "WILLYS DE CASTRO". ROBERTO CONDURU. SÃO PAULO: COSAC NAIFY, 2005. 3) "PAULO WHITAKER". CATÁLOGO. SÃO PAULO: EDITORA HEDRA, 1999. 4) "PAULO WHITAKER". CATÁLOGO. SÃO PAULO: EDITORA HEDRA, 2002. 5) "ALEX FLEMMING, UMA POÉTICA...". KATIA CANTON. SÃO PAULO: METALIVROS, 2002. 6) "ALEX FLEMMING". MICHAEL NUNGESSER. DREILÄNDERECK, AUSTRIA: STIFTUNG BRASILEA, 2012. 7) "CASSIO MICHALANY - PINTURAS". RODRIGO NAVES. SÃO PAULO: COSAC & NAIFY, 2001.



366 - BENEDITO CALIXTO DE JESUS - (1853 - 1927)
-

Estudo - desenho a carvão - - 60 x 40 cm - centro esquerdo - 1883.
Academia Julian - Paris. Reproduzido no catálogo da exposição "Benedito Calixto - Obras Inéditas", realizada em dezembro de 1984 na Dan Galeria, São Paulo - SP. -
Pintor, professor, historiador, ensaísta, nascido em Conceição de Itanhaém, SP e falecido em São Paulo. Transferiu-se para Brotas, SP, onde adquiriu noções de pintura com o tio Joaquim Pedro de Jesus, ao auxiliá-lo na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Realizou sua primeira individual em São Paulo, no ano de 1881. Fixou-se por algum tempo em Santos e depois de ter executado a decoração do Teatro Guarani, partiu para Paris em 1883, estudando na Academia Julian e no ateliê de Jean François Raffaëlli. Retornou ao Brasil em 1885 e passou a residir em São Vicente. Produziu inúmeras marinhas em que representa o litoral paulista; realizou diversos painéis de temas religiosos para igrejas na capital e interior do Estado de São Paulo; pintou vistas de antigos trechos das cidades de São Paulo, Santos e São Vicente para o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, por encomenda do diretor do museu o historiador Afonso d´Escragnolle Taunay. Dedicou-se também a estudos históricos da região e à preservação de seu patrimônio e publicou, entre outros, os livros 'A Vila de Itanhaém' (1895) e 'Capitanias Paulistas' (1924). Existem obras suas nos acervos de diversos museus brasileiros. TEODORO BRAGA PÁG. 51; REIS JR PÁG. 214; LAUDELINO FREIRE PÁG. 387; PONTUAL PÁG. 68/69; MEC VOL.1, PÁG. 326/327; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.153; MAYER/83 PÁG. 601; TEIXEIRA LEITE PÁG. 97; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 505; ARTE NO BRASIL PÁG. 599, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 172.



367 - ROMILDO PAIVA - (1938)
-

Paisagem - gravura - 24/50 - 52 x 70 cm - canto inferior direito - 1976.

O autor nasceu em São Paulo, onde é ativo. Gravador, estudou com Lívio Abramo gravura e litogravura. Participa de coletivas a partir de 1970, obtendo premiações. MEC, vol. 3, pág. 328; WALTER ZANINI, pág. 765.



368 - MASUMI TSUCHIMOTO - (1934)
-

Composição - óleo sobre tela - - 54 x 65 cm - canto inferior direito - 1961.

Escultor e pintor japonês, natural de Gifu-Kem. Fixou residência em são Paulo-SP, a partir de 1959, vindo a participar do festejado e importante Grupo Seibi, figurando em numerosas exposições daquele grupo, conforme lista apresentada na bibliografia abaixo. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 998; WALTER ZANINI, pág. 769.



369 - ANTONIO BANDEIRA - (1922 - 1967)
-

Composição - desenho a nanquim - - 29 x 41 cm - canto inferior direito - 1949.

Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



370 - SONIA EBLING - (1926 - 2006)
-

Banhista - escultura em bronze - - h = 33 cm - base - .

Nascida em Taquara, RS, SONIA EBLING consagrou-se como escultora e pintora. Participou da I Bienal de São Paulo. Premiada com viagem ao exterior no I SNAM. Morou em Paris 15 anos, onde frenquentou ateliês de artistas importantes e onde aperfeiçoou a sua importante e bela obra. MEC, vol. 2, pág. 89; PONTUAL, pág. 187; JULIO LOUZADA, vol 13, pág. 119; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 868; RGS, pág. 454.



371 - GERDA BRENTANI - (1906 - 1999)
-

Fachada - desenho a nanquim e aquarela - - 41 x 70 cm - canto inferior direito - 1980.

Nasceu em Triestre, Itália, no dia 27 de fevereiro de 1908. Desenhista e gravadora. No Brasil desde 1939, fixou residência em São Paulo, Capital. Iniciou estudos com Ernesto de Fiori e Rossi Osir, por volta de 1940. De traço humoristico, a artista destacou-se no cenário artístico/crítico nacional, cuja obra tem participado em mostras nacionais e internacionais, com sucesso de crítica. JULIO LOUZADA vol.1, pág.153; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; Acervo FIEO.



372 - ALFREDO VOLPI - (1896 - 1988)
-

Composição - serigrafia - - 24 x 14 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



373 - RENINA KATZ - (1925)
-

"Maio" - litografia - 67/100 - 60 x 42 cm - canto inferior direito - .

Pintora, gravadora e professora, Renina Katz é paulista. Sua arte é dominada pelo vigor e pela imaginação. MEC vol.2, pág.403/4; PONTUAL, pág. 288/9; WALMIR AYALA vol.1, pág.441; JULIO LOUZADA vol.11, pág.262; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 606; ARTE NO BRASIL, pág. 834; LEONOR AMARANTE, pág. 98, Acervo FIEO.



374 - BENJAMIN SILVA - (1927)
-

Composição - desenho a nanquim e aguada - - 50 x 65 cm - canto inferior esquerdo - 1961.

Cearense de Juazeiro, Benjamin Silva antes de se mudar para o Rio de Janeiro, então com 20 anos, foi seringueiro no Amazonas. Foi aluno de Inimá de Paula na Escola do Povo, nos idos de 1950. Inicialmente figurativista, após 1963 adota uma linha de expressionismo agressivo. Sua pintura passeou também pelo surrealismo. MEC, vol.4, pág.246; TEIXEIRA LEITE, pág.70; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 697; ARTE NO BRASIL, pág. 943.



375 - YUJI TAMAKI - (1916 - 1979)
-

"Chafariz de Ouro Preto" - óleo sobre tela - - 24 x 19 cm - canto inferior direito - .

Nascido em Fukui, Japão, é um dos mais significativos pintores nipo-brasileiros. Foi também professor. Chegou ao Brasil em 1932. Junto com Takaoka, vai para o Rio de Janeiro, onde estudou com Bruno Lechowsky, congregando o Núcleo Bernardelli. Em São Paulo integra o Seibi-kai, participando do III SPBA e do SNBA em 1937 e 1938, conquistando medalhas de bronze e ouro, respectivamente. Integrou o Grupo do Jacaré e do Guanabara (II, III). Sua obra é marcada pelo mancha cromática, essencialidade do desenho, avizinhando-se do que seria posteriormente a abstração. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 820; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL



376 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Cangaceiro - litografia - 35/100 - 70 x 50 cm - canto inferior direito - 1984.
Com certificado de autenticidade de Evoluarte R. Antonio Carlos, 196, São Paulo - SP. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



377 - MARCOS DE OLIVEIRA - (XX)
-

"Bicho" - acrílico sobre tela - - 30 x 40 cm - dorso - 2012.
Reproduzido no catálogo da exposição "Sobre anjos, santos e guerreiros" realizada de 1 de setembro a 7 de outubro de 2012, na Caixa Cultural - São Paulo, SP. -
Diretor de arte e artista plástico, Marcos Oliveira trabalha com a arte Naïf moderna. Ele também apresenta a cultura nordestina com cores intensas e mãos e pés destacados pelo tamanho. Para ele o Naïf representa o que o Brasil tem de melhor. A arte Naïf é o cartão postal do Brasil no exterior.-



378 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX -
-

Paris - óleo sobre madeira - - 18 x 12 cm - canto inferior esquerdo - C. Russo.
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -



379 - HILDE WEBER - (1913 - 1994)
-

"Nixon" - desenho a caneta esferográfica - - 20 x 29 cm - canto inferior esquerdo - .
Desenho executado em papel timbrado da Associação dos Amigos do Museu de Arte Moderna - São Paulo, SP. -
Pintora, desenhista e caricaturista alemã. Iniciou o seu aprendizado de desenho e artes gráficas em Hamburgo, por volta de 1930, interrompendo três anos mais tarde, quando transferiu-se para o Brasil (país de quem se tornaria cidadã naturalizada), fixando-se primeiramente em São Paulo, até 1949. Entre 1941 e 1949, colaborou com trabalhos de pintura para o atelier OSIRARTE de azulejos. Foi caricaturista de diversos periódicos, destacando-se o Estado de São Paulo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 391; PONTUAL, pág.265; MEC, vol. 2, pág. 337; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; ARTE NO BRASIL.



380 - WALTER SHIGETO TANAKA - (1910 - 1970)
-

Barcos - aquarela - - 34 x 52 cm - canto inferior direito - 1950.

Natural de Kumamoto, Japão, este grande pintor e artista gráfico, viveu parte de sua infância no Peru, tendo se iniciado em pintura na sua terra natal. Imigrou em 1930, fixando-se em São Paulo, onde estudou durante quatro anos na Escola de Belas Artes de São Paulo (até 1935). Com Tomoo Handa (1906-1996), criou o Seibi-kai em 1935. Integrou os Grupos do Jacaré e Guanabara. Selecionado para a I e II Bienais de SP. Aceito para o I e II Salão de Arte Moderna-SP. Conquistou o segundo lugar do Prêmio Governador do Estado em 1951. Sua paisagem organiza-se composicionalmente, valendo-se de técnica apurada e constituindo parcela significativa de sua produção. JULIO LOUZADA, vol. 11; WALTER ZANINI, pág. 587.



381 - CARYBÉ - (1911 - 1997)
-

Orixás - desenho a nanquim - - 30 x 20 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista, Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1944, foi a Salvador, e se interessou pela religiosidade e cultura locais. No Rio de Janeiro, auxiliou na montagem do jornal Diário Carioca em 1946 e trabalhou no jornal Tribuna da Imprensa, entre 1949 e 1950. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Das muitas mostras oficiais que participou, destacam-se: Bienais Internacionais de São Paulo em 1951, 1953, 1955 - 1º Prêmio de Desenho, 1971 - Sala Especial e 1977 - Sala Especial; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP (1969). PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO.



383 - FRANÇOIS MORELLET - (1926)
-

Composição - serigrafia - 2/200 - 61 x 61 cm - canto inferior direito - .

Artista contemporâneo francês, pintor, gravador e escultor que nasceu em Cholet. Vive e trabalha nessa cidade e em Paris. Foi um dos fundadores do grupo G.R.A.V. (Group de Recherche d’Art Visuel), de 1960 a 1968, junto com os artistas: Francisco Sobrino, Horacio Garcia Rossi , Julio Le Parc, Yvaral, Joël Stein, François e Vera Molnar. Também foi um dos organizadores do movimento internacional de arte cinética: "Nouvelle Tendance". Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras coletivas, em galerias e museus desde 1950, em: Paris, inclusive no Museu do Louvre e D’Orsay; noutras cidades da França: Rennes, Angers, Cluny, Nantes, Saint Paul de Vence, Odeon, Chinon, Le Chateau d’Olonne, Grenoble, Istres, Nancy, Le Chateu Cambrésis; na Alemanha: Stuttgarg, Mainz, Ulm, Marl, Paderborn, Karlsruhe, Münster, Berlim, Bonn, Bremen, Hannover, Rhein, Otterndorf, Reutligen, Kassel (Documenta); na Holanda: Amsterdam, Einhoven; na Suiça: Zurique, Basel; na Itália: Milão, Veneza, Vince; na Bélgica: Gent; na Inglaterra: Birminghan, Newscasttle, Edinburgh, Sheffield, Cardiff, Southampton, Oxford, Leicester; na Dinamarca: Copenhague. Em 1975, aqui no Brasil, obteve o Prêmio Internacional de Pintura na Bienal Internacional de São Paulo. BENEZIT, VOL.7, PÁG. 533; artnet.com; artprice.com; francois-morellet.com; museedulouvre.org; brooklynmuseum.org; rioartecultura.com; fr.wikipedia.org.



384 - ANGELO CANNONE - (1899 - 1992)
-

Paisagem - óleo sobre eucatex - - 25 x 30 cm - canto inferior esquerdo - .

Nascido na Itália, radicou-se no Brasil. Seu estilo liga-se ao dos Macchiajoli oitocentistas (os equivalentes italianos dos impressionistas franceses) e ao de Pratella em especial. São especialmente notáveis suas paisagens e marinhas. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 168; JULIO LOUZADA vol.11, pág.54; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



385 - ISABEL CRUZ - (XX)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 8 x 11 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintora com diversas participações em exposições e Salões oficiais, dentre elas: 'Mulheres pintoras: a casa e o mundo' - realizada na Pinacoteca do Estado, São Paulo, de agosto a outubro de 2004, com textos de Marcelo Mattos Araujo e outros. JULIO LOUZADA, VOL. 1, PÁG.295; ITAU CULTURAL.



386 - ADRIANO GAMBIM - (1983)
-

"Drama social" - acrílico sobre tela - - 30 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 2011.

Pintor, desenhista, gravador e professor. Sua formação artística foi na UNIMESP e UNESP, São Paulo. Realizou exposições individuais em Guarulhos (2008, 2009, 2010, 2011) e tem participado de várias mostras coletivas e Salões oficiais, destacando-se: Guarulhos, SP (2007 a 2013); Araras, SP (2013); Brasília, DF (2013); Araraquara, SP (2012); Curitiba, PR (2012); Ribeirão Preto, SP (2010); Santo André, SP (2010); Santos, SP (2011); Ceará (2012); Espanha (2005 a 2008, 2013); México (2009); Itália (2007, 2009); Japão (2008); Romênia (2007, 2010). Foi premiado em: Guarulhos, SP (2007 a 2009, 2011); Mairiporã, SP (2011); Espanha (2011); Araraquara, SP (2010, 2012); Araras, SP (2012). artesvisuaisguarulhos.blogspot.com.br, web.artprice.com.



387 - FRANKLIN GUANABARINO - (1946)
-

Surreal - desenho a nanquim e aquarela - - 67 x 42 cm - canto inferior direito - 1972.

Pintor. Em Belo Horizonte foi aluno de Guignard , Yara Tupinambá, Maria Helena Andrés, Xanina, Inimá de Paula. Em 1973 estudou pintura no México e depois seguiu para Nova York onde frequentou a ‘Factory’, o ateliê de Andy Warhol. Morou também na Alemanha, França, Espanha e Portugal. Ao voltar para o Brasil fixou-se em Penedo – RJ, onde, desde 1998, dedica-se ao Vernissage Restaurante e Galeria de Arte no Rio de Janeiro. Participou de muitas exposições coletivas em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Estados Unidos, Espanha e Portugal. Foi premiado em Belo Horizonte, em 1973. askart.com; artfact.com; restaurantevernissage.blogspot.com.br.



388 - PAULO GAGARIN - (1885 - 1980)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 61 x 50 cm - canto inferior esquerdo - 1939 - Rio de Janeiro-RJ.

Pintor natural de Leningrado - anteriormente São Petesburgo. Estudou na Universidade daquela cidade, vindo para o Brasil em 1921, onde se naturalizou. Fixou-se no Rio de Janeiro, onde no ano seguinte realizou a sua primeira exposição. Recebeu medalha de ouro no SNBA, com participação também no SPBA, com premiações (1940 e 1941). Sobre a sua obra, assim se manifestou o autor: " ... Acredite, nunca estudei pintura. Não tive mestres. O meu mestre foi a natureza opulenta do Brasil" (´in´ A Inquietação das Abelhas, de Angione Costa, 1927) JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 123; PONTUAL, pág. 230; MEC, vol.2, pág. 219; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 2, pág. 146; TEODORO BRAGA, pág. 186; REIS JR., pág. 370.



389 - DARCY PENTEADO - (1926 - 1987)
-

"Fernando de Noronha" - gravura - P. A. 5/10 - 25 x 17 cm - canto inferior direito - 1982.

Desenhista, pintor, cenógrafo, figurinista e escritor, Darcy Penteado foi a personalidade polimorfe, que buscava tornar a própria existência matéria de arte. Em 1948 passou a integrar em São Paulo o Grupo Novíssimos. Expôs individualmente a partir de 1949, participando de inúmeras exposições coletivas e individuais, no país e no exterior. MEC, vol. 3, pág. 365; PONTUAL, pág. 416; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 241. WALMIR AYALA, vol 2, pág 183; TEIXEIRA LEITE, pág 401; ITAÚ CULTURAL ; WALTER ZANINI, pág. 717; LEONOR AMARANTE, pág. 75.



390 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Orfeu - escultura em bronze - - h = 64 cm - base - .

Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



391 - CLÓVIS PESCIO - (1951)
-

Paisagem - óleo sobre eucatex - - 16 x 22 cm - canto inferior direito - .

Pintor e professor, formado pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Foi aluno de Rafael Galvez, Fang e Eiji Yajima. Com individuais a partir de 1990 e coletivas desde 1972. JULIO LOUZADA vol. 6, pág.876.



392 - ROSALVO RIBEIRO - (1865 - 1915)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 12 x 17 cm - canto inferior direito - Maceió.

Pintor, poeta, professor e músico. Retratista e paisagista, pintor de cenas históricas, de formação acadêmica. Nasceu e faleceu na cidade de Maceió, AL. Rosalvo Ribeiro tem grande parte de suas telas voltadas para a temática militar, especialmente cenas da guerra na França. Dedicou-se desde criança ao desenho de figuras e paisagens, tendo exposto, muito jovem, trabalhos a óleo e a crayon. Cursou a Imperial Academia de Belas Artes no Rio de Janeiro. Frequentou a Academia Julien em Paris, sendo discípulo de Edouard Detaille e de Jules Lefebvre. Além do Salon de Paris, o autor participou do SNBA-RJ obtendo Menção Honrosa de Primeiro Grau (1906 e 1907). Também foi incluído na Exposição Retrospectiva da Pintura no Brasil, realizada no Rio de Janeiro (1948), sob os auspícios do MNBA. JULIO LOUZADA, vol 1 pág 821



393 - FULVIO PENNACCHI - (1905 - 1992)
-

São Francisco e os pássaros - litografia - 107/120 - 50 x 40 cm - canto inferior direito - 1979.

Nasceu em 27 de dezembro na cidade de Villa Collemandina, na Itália, e fixou-se no Brasil desde 1929, após ter estudado em Florença, e haver-se diplomado em pintura pela Academia Real de Pintura de Lucca. Pennacchi integrou a Familia Artística Paulista. Muralista de inspiração pré-renascentista, sua pintura é sensível e pessoal de modo especial na interpretação dos grandes temas bíblicos e da vida dos santos (mercê de uma infância marcada por sólida educação religiosa Católica), e na evocação do mundo caipira. Realizada em 1973, considerado o Ano de Pennacchi, importante retrospectiva da obra deste festejado artista no MAM de São Paulo. O artista fez exposições em Milão e foi homenageado em seu país natal. TEODORO BRAGA, pág. 192; MEC, vol, 3, pág. 365; WALMIR AYALA, vol, 2, pág. 182; PONTUAL, pág. 416; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; ARTE NO BRASIL, pág. 784; Acervo FIEO.



394 - JOAN MIRÓ - (1893 - 1980)
-

Composição - litografia - H. C. - 32 x 50 cm - canto inferior direito - .
Litografia original do livro "Joan Miró litógrafo II 1953-1963" de autoria de Raymond Queneau - Ediciones Polígrafa, S. A. - Barcelona, Espanha. -
Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, ceramista e escultor. Assinava Joan Miró e Miró. Nasceu em Montroig, Espanha e faleceu em Palma de Mallorca - Ilhas Baleares, Espanha. Entrou para Escola de Belas Artes de Barcelona com quinze anos, aperfeiçoando-se com o arquiteto Gali. Começou a expor em 1918 na sua terra natal e pouco depois, transfere-se para Paris. Assinou o manifesto surrealista em 1924. Em 1940 voltou à Espanha - Mallorca. Trabalhou com o ceramista Llorens Artigas. Em 1947 realizou um mural em Cincinnati, EUA, e um para a Universidade de Harvard, em 1950 (hoje substituído por uma cópia cerâmica, cujo original se encontra no MOMA de Nova York). Em 1958 trabalhou em dois gigantescos murais em cerâmica para a UNESCO, em Paris. A Fundação Joan Miró foi inaugurada em Montjuic, Barcelona, em 1975. Outras obras suas podem ser vistas na maioria dos museus e coleções de arte moderna espalhados pelo mundo. JULIO LOUZADA, VOL.1, PÁG.638; VOL. 4, PÁG. 746; VOL. 6, PÁG. 735; VOL.8, PÁG. 576; BENEZIT, VOL. 7, PÁG. 435; ITAU CULTURAL; DICIONÁRIO OXFORD DE ARTE – MARTINS FONTES.



395 - INGRES SPELTRI - (1940)
-

"Vaso de flores" - óleo sobre tela colada em eucatex - - 73 x 52 cm - canto inferior direito e dorso - 1996.

Nasceu em Jau, São Paulo, em 20/01/1940. Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor. Apresentando uma pintura de fases bem demarcadas, onde as possibilidades plásticas do cubismo, do construtivismo e do concretismo foram exploradas com paixão e rigor de pesquisa, o autor tem percorrido um rico itinerário em sua incessante buscar de universo expressivo e de uma linguagem pictórica definitiva. O autor é professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 937; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



396 - DANILO DI PRETE - (1911 - 1985)
-

Composição - óleo sobre eucatex - - 11 x 11 cm - canto inferior esquerdo - .

Nasceu em Pisa, Itália. Foi pintor e programador visual. Autodidata, iniciou a sua carreira na Itália. No Brasil desde 1946, participou de todas as Bienais de São Paulo, de 1951 a 1967, nelas recebendo o prêmio de Melhor Pintor Nacional em 1951 e 1965, dispondo de salas especiais para os seus trabalhos em 1961 e 1967. Foi o primeiro colocado no concurso internacional de cartazes para a VII BSP. Artista premiadíssimo. JULIO LOUZADA vol.10, pág.286; TEIXEIRA LEITE , pág. 163; PONTUAL, pág. 179; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 647; ARTE NO BRASIL, pág. 898; LEONOR AMARANTE, pág. 13.



397 - NAIR HERMES DA FONSECA - (1886 - 1981)
-

O barão em Paris - desenho a nanquim e aquarela - - 22 x 14 cm - canto inferior direito - Rian.

Nasceu na cidade do Rio de Janeiro e faleceu na cidade de Niterói-RJ. Também conhecida como Nair de Teffé, assinava RIAN (caricaturas) e Nair Hermes da Fonseca (pinturas). Filha do Barão de Teffé e esposa do Marechal e Presidente da República Hermes da Fonseca, levou uma vida agitada e exótica, principalmente se considerarmos sua filiação aristocrática e a posição de mulher em seu tempo. Publicou suas caricaturas na revista Fon-Fon a partir de 1909. A partir de 1910, nessa mesma revista, publica a série de charges intitulada Galeria das Elegâncias, onde retratava personalidades femininas da época. Foi estimuladora do maxixe como gênero musical e dança, escadalizando a sociedade de seu tempo. Ilustrou o livro The Beautiful Rio de Janeiro, editado em Londres. Fez ainda caricaturas para a série de crônicas de Oto Prazeres, reunidas no livro Petrópolis, a Encantadora. Em 1989, A República no Traço de Rian, exposição intinenrante das suas obras percorreu lo Norte e Nordeste e em 1990, a mesma exposição ocorreu no Museu Histórico Nacional-RJ, além de salões no Sul e no Sudeste. JULIOLOUZADA, vol 5 pág 385; História da Caricatura no Brasil, pág. 1266.



398 - JOAQUIM DUTRA - (1864 - 1930)
-

Natureza morta - óleo sobre tela - - 24 x 47 cm - canto inferior direito - 1927.

Pintor nascido e falecido em Piracicaba. Notabilizou-se pela paisagens documentárias locais, realizando ainda trabalhos em São Paulo, Limeira, Caconde, São Carlos e Capivari. Foi pai dos pintores Alipio, Antonio de Pádua, Archimedes e João Dutra. PONTUAL, pág.186; MEC, vol.2, pág.84; TEIXEIRA LEITE, pág.171; ITAU CULTURAL.



399 - MARIO GRUBER - (1927 - 2011)
-

Composição - monotipia - - 33 x 43 cm - centro inferior - 1996.

Pintor e gravador, Gruber foi um dos principais artistas de São Paulo desde quando, ainda muito jovem, tomou parte no Grupo dos 19. PONTUAL, pág. 253; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 370; MEC, vol. 1, pág. 466; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág.649; ARTE NO BRASIL, pág. 803; LEONOR AMARANTE, pág. 376; Acervo FIEO.



400 - SILVIA ALVES - (1947)
-

"A magnólia" - aquarela - - 23 x 18 cm - canto inferior direito - 1996.

Nascida SILVIA Ferraro ALVES, em São Paulo, SP, a 2 de maio de 1947. É pintora, desenhista, escultora, gravadora, ilustradora, professora, poetiza e atriz, ativa nesta Capital. Estudou pintura e desenho com Lecy Bonfim, e pintura acadêmica com o professor Desdedith Campanelli. Artista festejada nos variados meios em que expressa as suas brilhantes qualidades artísticas. JULIO LOUZADA, vol, 10, pág, 49.



401 - PAULO CHAVES - (1921 - 1989)
-

Composição - acrílico sobre tela colada em eucatex - - 40 x 50 cm - canto inferior direito - 1986 - Maresias, SP.
Com etiqueta da Galeria Paulo Prado - São Paulo, SP - no dorso. -
Natural da cidade de Iguape SP, onde nasceu em 26 de agosto, e faleceu em Santo André - SP. Conforme texto de Samyra B. Serpo Crespo, assim podemos conhecer a trajetória desse excepcional artista brasileiro: "A trajetória de sua pintura foi clássica e teve três fases distintas. Primeiro, o aprendizado acadêmico, o ofício da figura e da imagem do barroquismo nos relevos, a luz crepuscular e o brilho antigo, dando a seus quadros um clima intimista. Mais tarde, passando um ano na Europa, voltou ao Brasil e se viu envolto por um clima sombrio, pessimista e inseguro. O resultado de suas obras é monocromático, com negros e cinzas predominando, dando idéias de ruínas, destruição e caos. Os quadros dessa curta fase são dramáticos, de uma beleza dilacerada e nunca foram expostos. Finalmente, após um ano, sua pintura adquiriu um vigor inusitado em suas expansões horizontais e verticais, hoje livres mas não arbitrárias, evidenciadas pelas luzes e cores plenas, demonstrando a riqueza infinita do seu universo íntimo. " MEC, vol. 1 pág. 435; PONTUAL, pág. 132; TEIXEIRA LEITE, pág. 121; ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 256; WALTER ZANINI, pág. 697, Acervo FIEO.



402 - SOROKU WANI - (1932)
-

"Figura - B" - óleo sobre tela - - 70 x 70 cm - canto inferior direito - 1976.
Com etiqueta de André Galeria de Arte - Alameda Jaú, São Paulo - SP. -
Artista Plástico nascido em Hakodate - Hokkaido, Japão, com diversas participações em mostras coletivas e Salões oficiais como: 4 Grupos de Aquisições Recentes e Doações da International Society of Plastic and Visual Art (1970 : São Paulo, SP) - Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo; Artistas Japoneses na Coleção do MAC (1985 : São Paulo, SP) - Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. ITAÚ CULTURAL.



403 - MENASE WAIDERGORN - (1927)
-

Cavaleiros árabes - óleo sobre tela - - 30 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - .

Romeno da cidade de Hotin, Waidergorn veio para o Brasil em 1932, onde seus pais fixaram residência em São Paulo. Ingressou na APBA, onde conheceu Mecatti, que muito o estimulou e orientou, dele assimilando a luminosidade da pintura peninsular muito a gosto do ottocento italiano. Sua pintura aborda todos os gêneros, baseadas tanto nas recordações da infância pobre como nas lembranças das viagens que fez ao norte da Africa e Europa. Participou de diversos salões e coletivas, recebendo diversas premiações JULIO LOUZADA vol.11, pág. 330; Acervo FIEO.



404 - LUBRA - (XX)
-

Rosas - óleo sobre tela - - 46 x 40 cm - canto inferior direito - .

Pintor e professor ativo em São Paulo. JULIO LOUZADA vol.4, pág. 636.



405 - CLÓVIS GRACIANO - (1907 - 1988)
-

Lua cheia - litografia - 31/100 - 44 x 33 cm - canto inferior direito - 1976 - Paris.

Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



406 - JOÃO ROSSI - (1932 - 2000)
-

"São Paulo ameríndia" - gravura - P. A. - 26 x 50 cm - canto inferior direito - .
Com certificado de autenticidade de Evoluarte R. Antonio Carlos, 196, São Paulo - SP. -
Pintor, gravador, ceramista, professor e escultor, natural de São Paulo, onde nasceu a 24 de dezembro. Autodidata, lecionou em cursos de desenho, cerâmica e pintura na APBA e na FAAP-SP. Executou murais de cerâmica na cidade de São Paulo. " A paisagem urbana de São Paulo foi sempre o grande tema de João Rossi, um dos artistas mais significativos da geração seguinte à dos artistas do Santa Helena." - Mário Schemberg. JULIO LOUZADA, vol. 7 pág. 610; ITAÚ CULTURAL; TEIXEIRA LEITE, pág. 452; PONTUAL, pág. 463 ; WALTER ZANINI, pág. 734, Acervo FIEO.



407 - ESCOLA CUZQUENHA, SÉC.XIX -
-

Nossa Senhora - óleo sobre tela colada em eucatex - - 70 x 56 cm - - .



408 - CAETANO DE ALMEIDA - (1964)
-

Melhor amigo - serigrafia - 58/60 - 27 x 19 cm - canto inferior direito - 1996.

José Caetano de Almeida Filho nasceu em Campinas, SP. Pintor, gravador e professor. Estudou artes plásticas na FAAP onde foi aluno de Evandro Carlos Jardim e Nelson Leirner , entre outros. Por volta de 1984, frequentou os ateliês de gravura da Pinacoteca do Estado de São Paulo . Foi artista residente na ‘Cité International des Arts’, Paris; no Khoj International Artist, Institute of Fine Art- Modinagar, Índia; na Sacatar Foundation – Salvador, BA. Realizou diversas exposições individuais e tem participado de muitas coletivas e Salões oficiais no Brasil, Europa e Estados Unidos. ITAU CULTURAL; galerialuisastrina.com.br; cultura.gov.br; tvcultura.cmais.com.br.



409 - ALEX LUIZI - (1964)
-

Paisagem - óleo sobre eucatex - - 16 x 22 cm - canto inferior direito - 1994.

Pintor, Alexandre Luizi Campos é natural de Poços de Caldas, MG. Assina Alex Luigi. Inicia-se na vida artística aos 15 anos com desenhos sob a orientação de seu avô materno De Luizi. Tem participado de diversas exposições e Salões oficiais onde recebeu inúmeros prêmios. Individuais: Poços de Caldas, MG (1988); São Paulo, SP (1990); Campinas, SP (1989, 1990); Campestre, MG (1989); Taubaté, SP (1989); Joinville, SC (1990); Ribeirão Preto, SP (1991); Itajubá, MG (1992).. Coletivas: Poços de Caldas, MG (1986, 1987); Santos, SP (1986); São Paulo, SP (1987 a 1996); Campinas, SP (1987, 1988 a 1996); Curitiba, PR (1988, 1990 a 1994); Joinville, SC (1988 a 1996); Blumenau, SC (1988, 1996); Ribeirão Preto, SP (1990 a 1992); Mogi Mirim, SP (1990 a 1994); Itajubá, MG (1990 a 1996); Camboriú, SC (1992); Porto Alegre, RS (1991 a 1994); Lages e Florianópolis, SC (1991 a 1996); Campos do Jordão, SP (1994). JULIO LOUZADA, vol.5, pág. 600; vol. 6, pág. 619; vol. 9, pág.499.



410 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Frutas - serigrafia - - 35 x 50 cm - canto inferior direito - 1978.

Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



411 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Peixes - litografia - P. A. - 33 x 23 cm - canto inferior direito - 1981.

Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



412 - ANTONIO AUGUSTO MARX - (1919 - 2008)
-

Vendedora de flores - óleo sobre tela - - 70 x 70 cm - canto inferior direito - .

Arquiteto e pintor ativo em São Paulo, onde participa de mostras coletivas a partir de 1966, com reconhecimento de crítica e público. Artista de muitos recursos técnicos, suas obras tem como tema a paisagem, do campo e da cidade, com conteúdo de atmosfera, côr e equilibrio. MEC vol.3, pág. 99; PONTUAL, pág. 346; JULIO LOUZADA vol.11, pág. 203; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 803, Acervo FIEO.



413 - CARLOS PRADO - (1908 - 1992)
-

Casario - gravura - 47/50 - 34 x 34 cm - canto inferior direito - .

Arquiteto, pintor, gravador e ceramista paulistano. Recebeu menção honrosa no SPBA de 1935, participando também na I e II BSP e na exposição de Arte Moderna no Brasil, realizada em Buenos Aires, Rosário, Santiago do Chile e Valparaíso, em 1957. No dizer de TEIXEIRA LEITE, em sua obra A Gravura Brasileira Contemporânea, Carlos Prado utilizava por vezes a gravura como meio expressivo, subordinando-a, porém, a interesses maiores. TEIXEIRA LEITE, pág. 421; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 254. PONTUAL, pág. 438; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582; ARTE NO BRASIL, pág. 781. Acervo FIEO.



414 - EMANOEL ARAÚJO - (1940)
-

Pelourinho - xilogravura - - 50 x 37 cm - canto inferior direito - 1964.

Gravador e escultor, o baiano Emanuel Araújo estudou com Henrique Oswald e expõe individualmente desde 1960, já tendo mostrado sua obra em inúmeras cidades do Brasil, Europa, Estados Unidos e Extremo Oriente. Foi Diretor da PINACOTECA do Estado de São Paulo, cujo cargo exerceu com extrema competência. TEIXEIRA LEITE, pág. 190; MEC, vol. 2, pág. 143; PONTUAL, pág. 37; JULIO LOUZADA, vol 1, págs. 68/69 e vol. 11, pág. 18; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 846; WALTER ZANINI, pág. 770; Acervo FIEO.



415 - JOÃO CAMARA - (1944)
-

Figura - litografia - 251/300 - 32 x 26 cm - canto inferior direito - .

Importantíssimo artista nacional, natural de João Pessoa, PB, e radicado em Olinda, PE. Pintor, desenhista e gravador, João Câmara conquistou os primeiros prêmios de pintura e de gravura nos SPMEP de 1962 E 1964. Neste último ano fundou, em companhia de artistas locais, o Atelier Coletivo de Ribeira, em Olinda. Exerceu o magistério entre 1967 e 1969, lecionando pintura no Setor de Arte da Universidade Federal da Paraíba. Suas obras, tratando de temas atuais, reúnem mensagens poéticas com uma dose de surrealismo, e que segundo o crítico Walmyr Ayala, " desmistifica toda e qualquer atitude romântica" . Walter Zanini, por sua vez, comenta (1967), que " Suas imagens encadeadas quase como um ´puzzle` parecem amalgamar deuses aztecas e ícones do baralho, assumindo ar de aquilina ´terribilitá` sobriamente derrisório." Participou de quase todas as mostras mais importantes do País, com sucesso de crítica. ITAU CULTURAL; PONTUAL, pág. 100; TEIXEIRA LEITE, pág. 100; WALTER ZANINI , pág. 754; ARTE NO BRASIL, pág. 688; Acervo FIEO.



416 - KASUO WAKABAYASHI - (1931)
-

Composição - serigrafia - 31/100 - 44 x 44 cm - canto inferior direito - .

Pintor natural da cidade japonesa de Kobe. Inicia seus estudos na Escola Técnica de Hikone, em Shiga (Japão), em 1944. Em 1946, inicia aprendizado de pintura a óleo. Torna-se membro do Grupo Babel, composto por Rokuichi, Kaibara, Ko Nishimura e outros. Em 1952 monta seu atelier. Em 1961, vem para o Brasil e radica-se em São Paulo, onde integra-se ao Grupo Seibi. Em 1966, é convidado para ser membro do júri do 10º Salão do Grupo Seibi de Artistas Plásticos, salão em que ganha a Grande Medalha de Ouro, na edição de 1963. Em 1968, naturaliza-se brasileiro. Entre 1963 e 1967, participa de várias edições da Bienal Internacional de São Paulo, recebendo o Prêmio Aquisição do Itamarati na 9ª edição. Em 1984, participa da exposição itinerante por Europa e América, Mestres do Abstracionismo Brasileiro; em 1994, participa da Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal de São Paulo. Em 2001, realiza exposição individual comemorativa dos seus 70 anos, na A Galeria em São Paulo. TEIXEIRA LEITE, pág. 540; PONTUAL, pág. 550; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 939, Acervo FIEO.



417 - MENASE WAIDERGORN - (1927)
-

Meninos jogando bola - óleo sobre tela - - 50 x 70 cm - canto inferior direito - .

Romeno da cidade de Hotin, Waidergorn veio para o Brasil em 1932, onde seus pais fixaram residência em São Paulo. Ingressou na APBA, onde conheceu Mecatti, que muito o estimulou e orientou, dele assimilando a luminosidade da pintura peninsular muito a gosto do ottocento italiano. Sua pintura aborda todos os gêneros, baseadas tanto nas recordações da infância pobre como nas lembranças das viagens que fez ao norte da Africa e Europa. Participou de diversos salões e coletivas, recebendo diversas premiações JULIO LOUZADA vol.11, pág. 330; Acervo FIEO.



418 - ROSSINI PEREZ - (1932)
-

Composição - serigrafia - 18/50 - 71 x 90 cm - canto inferior direito - .

Gravador e pintor, Rossini Quintas Perez nasceu em Macaíba-RN, mudando-se com a família para o Rio de Janeiro em 1940. Em 1951, freqüenta a Associação Brasileira de Desenho e tem aulas com o pintor Ado Malagoli. Após visita à 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951, interessa-se pela gravura. Recebe orientação de Oswaldo Goeldi, Iberê Camargo e, em 1953, de Fayga Ostrower. É assistente de Johnny Friedlaender, com Edith Behring, no Ateliê de Gravura do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, no qual leciona entre 1959 e 1961. No ano seguinte, aperfeiçoa-se em litografia na Rijksakademie, em Amsterdã, como bolsista da Unesco. Reside em Paris de 1962 a 1972. De volta para o Brasil, leciona no Centro de Criatividade da Fundação Cultural do Distrito Federal em 1978. No Rio de Janeiro, entre 1983 e 1986, volta a dar aulas no Ateliê de Gravura do MAM/RJ. "Diante da guerra aberta entre o figurativo e o abstrato, Rossini Perez vai a São Paulo conhecer a 1ª Bienal, trocando, em seguida, a pintura pela gravura. Tal opção deve-se ao seu desejo de ingressar na arte abstrata. Nos anos em que ensina no MAM, resolve suas gravuras com ponta-seca ou combinando diversas técnicas do metal. Constrói composições, contrastando áreas claras e áreas escuras. Essas áreas são, a um tempo, afrontadas e fusionadas, já que cada uma delas tem na outra algo do seu próprio elemento gráfico. Assim, Rossini Perez dá ritmo às composições e as aplaina. Suas gravuras são planejadas; freqüentemente, todavia, são modificadas no processo por lance espontâneo e por acidentes da técnica. Segue esse procedimento mesmo nos trabalhos que faz na Europa, por mais de dez anos, após ter deixado o MAM." Leon Kossovitch e Mayra Laudanna, in: GRAVURA: arte brasileira do século XX. Apresentação Ricardo Ribenboim; texto Leon Kossovitch, Mayra Laudanna, Ricardo Resende. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000. p. 18. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 807; ITAU CULTURAL.



419 - CALISTO CORDEIRO, DITO K.LIXTO - (1877 - 1957)
-

E agora? - desenho a nanquim - - 20 x 29 cm - canto inferior esquerdo - .

Desenhista, caricaturista e pintor. Estudou na ENBA. Desenhou o primeiro sêlo de impôsto de consumo impresso no Brasil. Sua atividade de caricaturista durou mais de 30 anos, com intensa colaboração em jornais e revistas do Rio de Janeiro, tais como O Riso, D. Quixote, Carêta, A Semana Ilustrada, Fon-Fon!, Ilustração Brasileira, A Caricatura, O Cruzeiro, O Tagarela, O Malho e tantas outras. Participou de diversos certames do gênero. Sua excepcional obra é até hoje objeto de estudo por especialistas, que não se cansam de lhe tecer elogiosas críticas. PONTUAL, pág. 291; JULIO LOUZADA vol 12 pág. 218; WALTER ZANINI, pág. 806; ARTE NO BRASIL; HISTÓRIA DA CARICATURA NO BRASIL, pág. 1014.



420 - ARMANDO BALLONI - (1901 - 1975)
-

"Parati" - óleo sobre tela - - 54 x 73 cm - canto inferior direito e dorso - 1969.
Com etiqueta do "Panorama de Arte Atual Brasileira" realizado no Museu de Arte Moderna de São Paulo - SP, no dorso. -
Italiano, o pintor foi ativo em São Paulo, onde participou do Salão Paulista de Belas Artes a partir de 1933. Foi premiado com medalha de bronze, do Salão de Arte Moderna (1954), e em outros Salões oficiais. Participou da I e II Bienal de São Paulo.Membro e expositor da Familia Artistica Paulista. MEC, vol. 1, pág.159; JULIO LOUZADA vol.10, pág. 87; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 582, Acervo FIEO.



421 - MANEZINHO ARAUJO - (1910 - 1993)
-

"Lagoa do Abaeté" - óleo sobre tela - - 55 x 46 cm - canto inferior direito - 1976.

Com apenas dezesseis anos de idade mudou-se para Recife, a fim de concluir seus estudos. Após cursar a escola de comércio de Pernambuco, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi buscar fama através da música, sua primeira paixão. Destacou-se como compositor e intérprete de música popular nordestina, o que lhe valeu a possibilidade de montar um restaurante de comida nordestina em SP, muito famoso durante vários anos, o Cabeça Chata. Apesar de viver, em SP, suas raízes ainda permanecem em Pernambuco. De uma forma autodidata começou a dedicar-se à pintura, retratando o folclore nordestino, sua gente, suas vidas, fase que sustentou até o seu desaparecimento, com uma menção surrealista. Expôs individualmente nas Galerias Astreia e Capela (SP), e na Ranulfo em Recife (1969). Em 1968, apresentado por Aldemir Martins, teve publicado o álbum de serigrafias Meu Brasil. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 56; MEC, vol. 1, pág. 109; PONTUAL, pág. 38; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 18; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 832; Acervo FIEO.



422 - EMIL NOLDE - (1867 - 1956)
-

Nu - gravura - - 22 x 11 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador, escultor e professor, Emil Hansen, filho de camponeses, nasceu em Nolde, norte da Alemanha perto da fronteira com a Dinamarca. Estudou para ser marceneiro e entalhador, quando jovem. Trabalhou em Munique, em Karlsruhe - onde fez o curso de Arte Aplicada e em Berlim. Também fez estudos, entre outros, em Paris (Academia Julian), em Copenhague (escola de Kristian Zartman). Em 1902 se casou e mudou seu nome para Nolde. De 1905 a 1907 foi membro do ‘Die Brücke’, em Dresden, da ‘Secession’, em Berlim, até 1910.. Esteve viajando pela Itália, Rússia, Extremo Oriente e ilhas do Pacífico. Profundamente religioso, suas pinturas mais famosas são figurações do Velho e Novo Testamentos, paisagens e foi um dos expoentes da pintura floral do século XX. Embora tenha sido um antigo defensor do Partido Nacional-Socialista, teve sua obra declarada degenerada pelos nazistas e foi proibido de pintar. Mesmo assim, executou em segredo pequenas aquarelas (chamadas "pinturas não-pintadas"), a partir das quais concebeu grandes telas a óleo depois da guerra. Em 1926 fixou-se em Seebüll, também no norte da Alemanha quase fronteira da Dinamarca, onde viveu até morrer. Lá há a Fundação Nolde que possui uma extraordinária coleção de suas obras. BENEZIT VOL.. 7, PÁG. 743; EMIL NOLDE - CATÁLOGO EXPOSIÇÃO EM PARIS E MONTPELLIER, RMN 2008; DICIONÁRIO OXFORD, PÁG. 379; www.germanexpressionism.com; www.moma.org; www.britannica.com; www.emil-nolde.com.



423 - PAULO VALLE JÚNIOR - (1889 - 1958)
-

Perus - óleo sobre cartão colado em eucatex - - 22 x 27 cm - canto inferior esquerdo - 1920.

Paisagista e marinhista extremamente sensível, Valle Júnior postou-se à parte da renovação determinada pela Semana de Arte Moderna, tendo sido porém artista autêntico e pessoal. TEODORO BRAGA, pág. 187; REIS JUNIOR, pág. 373; MEC, vol 4, págs 441/442; PONTUAL, pág. 531; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



424 - SALVADOR DALI - (1904 - 1989)
-

Surreal - gravura aquarelada - 128/300 - 66 x 50 cm - canto inferior direito - .

Pintor, gravador e cartazista. Grande mestre Catalão. Personagem extravagante, louco, irreverente, apocalíptico, são alguns dos adjetivos mais frequentes dados à sua pessoa, mas foi, sobretudo, um gênio. ART PRICE ANNUAL, 2000, págs.582 a 585: BENEZIT, vol.3, págs. 329 a 331; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 309



425 - HERMELINDO FIAMINGHI - (1920 - 2004)
-

Composição - litografia off set - 96/100 - 70 x 60 cm - centro inferior - .

Nasceu em São Paulo, a 22 de outubro de 1920. Pintor e artista gráfico. Dedicou-se regularmente à pintura a partir de 1950, com seu mestre Volpi. Foi um dos pioneiros do concretismo, com o qual rompeu anos mais tarde, para fazer uma pintura mais solta, através de seu diálogo com a cor e da interação com a luz em contato com a natureza. Expõs individualmente a partir de 1961 e coletivamente desde 1955, sempre com premiações. JULIO LOUZADA, vol. 4 pág. 401; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 928; LEONOR AMARANTE, pág. 75.



426 - AURÉLIO D'ALINCOURT - (1919 - 1990)
-

Camponesa - óleo sobre eucatex - - 27 x 21 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador e professor. Começa a pintar em 1942, sob a orientação de Oswaldo Teixeira e Carlos Chambelland. Cursou a Académie de la Grande Chaumière, Paris, 1952. Atuou como membro da Academia Brasileira de Belas Artes-RJ, em 1956 e faz ilustrações para a revista O Cruzeiro, entre 1957 e 1960. Lecionou pintura no Instituto de Belas Artes. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 234; MEC, vol. 2, pág. 13; PONTUAL, pág. 157; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 82; ITAUCULTURAL.



427 - B.J. TOBIAS - (1894 - 1976)
-

Quintal - aquarela - - 22 x 30 cm - canto inferior direito - .

Participou do Salão Paulista de Belas Artes, tendo obtido os prêmios: Prefeitura de São Paulo, Valentim Amaral e I. Dinis, respectivamente em 1934, 1935, 1958, 1961 e 1962. MEC, vol.4, pág.404; THEODORO BRAGA, pág.230; JULIO LOUZADA, vol.4, pág.1098.



428 - GRAUBEM DO MONTE LIMA - (1889 - 1972)
-

Pássaros e borboletas - óleo sobre tela - - 80 x 45 cm - canto inferior direito - 1968.

Pintora natural da cidade de Iguatu-CE. Faleceu na cidade do Rio de Janeiro-RJ. Fixou residência no Rio de Janeiro em 1908, onde inicia-se na pintura como autodidata em 1958. Em 1960, prossegue seus estudos com Ivan Serpa, no MAM-RJ. Entre as exposições das quais participa, destacam-se: Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1962 e 1963; Bienal Internacional de São Paulo, de 1963 a 1967; Bienal Americana de Arte, Córdoba (Argentina), 1964; Oito Pintores Brasileiros, na Galeria Jacques Massol, Paris (França), 1965; Bienal Nacional de Artes Plásticas, Salvador, Bahia, 1966; Artistas Primitivos Brasileiros Contemporâneos, no Museu de Arte Moderna de Buenos Aires, Argentina, 1966; Arte/Brasil/Hoje - Cinqüenta Anos Depois, na Galeria Collectio, São Paulo, 1973. PONTUAL, pag. 250; ITAU CULTURAL



429 - ADOLFO FONZARI - (1880 - 1959)
-

Flores - óleo sobre tela - - 46 x 34 cm - canto inferior direito - .

Pintor e decorador italiano. Expôs individualmente em Curitiba-PR (1937), Porto Alegre (1939) e São Paulo (1941). Obteve premiações em salões estaduais em São Paulo e Rio Grande do Sul. É de sua autoria a decoração do teto do Teatro Santa Helena, SP. THEODORO BRAGA, pág.98; Pintores Italianos no Brasil-abril/82; TEIXEIRA LEITE, pág.205; MEC. Vol.2, pág.186; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



430 - INNOCÊNCIO BORGHESE - (1897 - 1985)
-

"Bairro do Limão" - óleo sobre eucatex - - 17 x 24 cm - canto inferior direito - 1940.

Pintor e professor paulista, participante do Salão Paulista de Belas Artes, de 1935 a 1961. Diversas exposições individuais e coletivas, com muitas premiações. Pintou muitas paisagens tendo como tema a cidade de São Paulo. TEODORO BRAGA, pág 56; MEC, vol. 1, pág. 251; Acervo FIEO.



431 - ANGELO DE AQUINO - (1945 - 2007)
-

"O pensamento abstrato - parte 42" - técnica mista - - 46 x 60 cm - canto inferior direito - 1976.

Mineiro de Belo Horizonte, onde nasceu a 2 de agôsto de 1945. Pintor e gravador, assina ÂNGELO DE AQUINO. Seu trabalho tem um bom conceito em Paris, onde encontra mais incentivo e facilidade do que no Brasil. Em muitos de seus quadros aparece a figura do cão Rex, uma de suas criações. Expõe individualmente desde 1969. Coletivamente, desde 1965, inclusive com diversas e respeitadas criticas no exterior. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 19; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 743, Acervo FIEO.



432 - CLÓVIS GRACIANO - (1907 - 1988)
-

Família - gravura - P.A. - 15 x 11 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



433 - ALFREDO NORFINI - (1867 - 1945)
-

"Tietê" - óleo sobre tela - - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor, fez os primeiros estudos na cidade natal, Florença, Itália, e mais tarde cursou a Real Academia San Lucca, de Roma, pela qual se diplomou em 1892. Vindo ao Brasil, radicou-se em São Paulo, participando de várias exposições no Rio de Janeiro, São Paulo e Recife. Participou do SNBA, nos anos 1899, 1908, 1909, e do Salão Paulista de Belas Artes, obtendo pequena medalha de prata (1934 - 1943). LAUDELINO FREIRE, pág. 518; TEODORO BRAGA, pág. 173; MEC, vol. 3, pág. 267; PONTUAL, pág. 386; ITAÚ CULTURAL, RUTH TARASANTCHI.



434 - BERTONI FILHO - (1892 - 1959)
-

Casebre - óleo sobre tela - - 30 x 40 cm - canto inferior direito - .
Com etiqueta da Dan Galeria, Rua Padre João Manoel, 1160 - São Paulo, SP - no dorso. -
Pintor paisagista, filho de Angelo Bertoni, e irmão de J. Bertoni. Como seu pai, fixou temas do Rio de Janeiro, de grande valor iconográfico. JULIO LOUZADA, vol. 1, pag. 120; ACERVO FIEO, pág. 329.



435 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Bananeiras - xilogravura - 19/20 - 16 x 20 cm - canto inferior direito - .

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



436 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XIX - XX -
-

Pescadores - óleo sobre tela - - 38 x 30 cm - canto inferior direito - J. Vilarilli - 1908.



437 - ANNA MARIA MAIOLINO - (1942)
-

Composição - gravura - 8/30 - 72 x 56 cm - canto inferior direito - 1971.

Pintora, gravadora e escultora natural de Scalea (Calábria) Itália. Residiu na Venezuela com a família, onde estudou pintura na Escola de Belas Artes Cristóbal Rojas. Posteriormente transferiu sua residência para o Rio de Janeiro-RJ, onde fez curso de gravura em madeira na ENBA. Participou nos anos 60 do movimento carioca Nova Figuração, com Vergara, Gerchman, Antonio Dias e Roberto Magalhães. Em 1978 e 1981 foi estudar em NY. Individuais a partir de 1967 e coletivas desde 1965, inclusive na Bienal de São Paulo. Recebeu premiações. JULIO LOUZADA, vol.5 pág.630



438 - HEITOR DE PINHO - (1897 - 1968)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 38 x 55 cm - canto inferior direito - 1948.

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde estudou na antiga Escola Nacional de Belas Artes. Foi discípulo de Rodolfo Chambelland, Batista da Costa, Lucílio de Albuquerque e Modesto Brocos. Participa de Salões Oficiais a partir de 1924, recebendo diversas premiações. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.247; MEC. Vol.3, pág.400; WALMIR AYALA. Vol.2, pág.194; TEIXEIRA LEITE, pág.408; PONTUAL, pág.426.



439 - ALFREDO VOLPI - (1896 - 1988)
-

Fachada - litografia - P. I. - 31 x 40 cm - canto inferior direito - .
Com certificado de autenticidade de Evoluarte R. Antonio Carlos, 196, São Paulo - SP. -
Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



440 - RENZO GORI - (1911 - 1999)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 65 x 81 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor de estilo, participou de diversos Salões Nacionais, com premiações; muito apreciado por colecionadores de cenas árabes. TEODORO BRAGA, pág. 110; MEC, vol. 2, pág. 278; JULIO LOUZADA, vol. 9, pág. 390; Acervo FIEO.



441 - CARYBÉ - (1911 - 1997)
-

"A sol aberto" - serigrafia - 102/250 - 46 x 64 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista, Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1944, foi a Salvador, e se interessou pela religiosidade e cultura locais. No Rio de Janeiro, auxiliou na montagem do jornal Diário Carioca em 1946 e trabalhou no jornal Tribuna da Imprensa, entre 1949 e 1950. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Das muitas mostras oficiais que participou, destacam-se: Bienais Internacionais de São Paulo em 1951, 1953, 1955 - 1º Prêmio de Desenho, 1971 - Sala Especial e 1977 - Sala Especial; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP (1969). PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO.



442 - JOSÉ SABÓIA - (1949)
-

Colhendo mangas - acrílico sobre tela - - 40 x 30 cm - canto inferior direito - .

Nascido em Almadina (BA). Indo para o Rio de Janeiro em 1967, começou a pintar no ano seguinte, passando a expor seus trabalhos na Feira Hippie de Ipanema. Sua primeira individual deu-se em Fortaleza em 1970; a partir de então, tem exposto com freqüência no Rio de Janeiro e em São Paulo. A pintura de Sabóia partiu de uma raiz eminentemente popular, tendo atingido depois um rebuscamento que se traduz no caprichoso desenho de linhas recurvas, na pincelada lisa, impessoal, no colorido reduzido a três ou quatro tons básicos e na composição, dotada daquele inconfundível horror vacui dos ingênuos. JULIO LOUZADA vol. 11, pág. 278; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 228; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



443 - ARTHUR TIMÓTHEO DA COSTA - (1882 - 1923)
-

Pedra da Gávea - óleo sobre tela colada em cartão - - 29 x 36 cm - canto inferior esquerdo - 1919 - Rio de Janeiro.

Pintor nascido no Rio de Janeiro, iniciou seus estudos, com o seu irmão João Timóteo, como aprendiz da casa da moeda, após estudou na ENBA e obteve prêmio de viagem ao exterior em 1907. Diversos museus brasileiros possuem obras de sua autoria. LAUDELINO FREIRE, pág. 512; TEODORO BRAGA, pág. 229; REIS JR., pág. 286; Primores da Pintura no Brasil, vol. 1, págs. 57, 153, 313 e vol. 2, pág. 89; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 217; PONTUAL, pág. 522; MEC, vol. 1, pág. 468; TEIXEIRA LEITE, pág. 508; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 532.



444 - MARISTELA CABELLO - (1969)
-

Boneca - fotogravura - 7/10 - 19 x 14 cm - canto inferior esquerdo - .

Artista plástica nascida em São Paulo, SP. Realizou exposição individual em São Paulo (2004) e participou de várias mostras oficiais também em São Paulo (2002, 2003). ITAU CULTURAL



445 - CLAUDIO TOZZI - (1944)
-

Astronauta - serigrafia - P. A. - 50 x 50 cm - canto inferior direito - 1970.

Pintor, arquiteto e gravador paulista com diversas exposições e participações em salões e bienais no Brasil e no exterior. Dedicou-se inicialmente à colagem e à gravura, numa utilização crítica das histórias em quadrinhos; numa fase posterior passou a criar múltiplos tridimensionais e a efetuar pesquisas em torno dos efeitos ópticos. WALMIR AYALA vol.2, pág.388/9; PONTUAL, pág.525/6; TEIXEIRA LEITE, pág. 512; ARTE NO BRASIL vol.2, pág.1059; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 740; LEONOR AMARANTE, pág. 170; Acervo FIEO.



446 - FRANCISCO ACQUARONE - (1896 - 1954)
-

Travessura - desenho a nanquim e aquarela - - 20 x 27 cm - canto inferior direito - .

Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro, onde foi ativo. Estudou na ENBA-RJ, sendo aluno de Rodolfo Amoedo, Modesto Brocos e Baptista da Costa. Pintor, desenhista, caricaturista, ilustrador, historiador da arte, professor de artes plásticas, crítico de arte, escritor, jornalista "Acquarone (...) é dos que ficaram com os grandes nomes da ´pintura clássica´, sem precisar das excentricidades ou das deformações para brilhar e ser um artista moderno. Não quis chamar a atenção sobre a sua personalidade, através da extravagância da sua pintura. (...) A sua arte é simples e por isso mesmo é bela. As intenções inteligentes, procuradas nos motivos, são fontes de prazer estético, o que quer dizer agradáveis, simpáticas e, portanto, capazes de despertar sentimentos humanos e sadios no inconsciente de todos nós (...)." Gastão Pereira da Silva, in: ACQUARONE, Francisco, VIEIRA, Adão de Queiroz. Primores da Pintura no Brasil. 2.ed. [Rio de Janeiro]: s.n., 1942. THEODORO BRAGA; MEC; TEIXEIRA LEITE, JULIO LOUZADA vol. 1 pag 23; ITAU CULTURAL.



447 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata - serigrafia - - 56 x 38 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



448 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Índia - desenho a carvão - - 32 x 25 cm - centro inferior - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



449 - ANGELO CANNONE - (1899 - 1992)
-

Marinha - óleo sobre tela - - 61 x 81 cm - canto inferior esquerdo - década de 1940.

Nascido na Itália, radicou-se no Brasil. Seu estilo liga-se ao dos Macchiajoli oitocentistas (os equivalentes italianos dos impressionistas franceses) e ao de Pratella em especial. São especialmente notáveis suas paisagens e marinhas. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 168; JULIO LOUZADA vol.11, pág.54; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



450 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "ESPELHO CEGO - SELEÇÕES DE UMA COLEÇÃO CONTEMPORÂNEA". CATÁLOGO. SÃO PAULO: MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SÃO PAULO, 2001. 2) "MOSTRA AFRICANA DE ARTE CONTEMPORÂNEA". CATÁLOGO. SÃO PAULO: SESC, 2000. 3) "MARCANTONIO VILAÇA". MARIA DO CARMO VILAÇA ET AL. SÃO PAULO: COSAC & NAIFY, 2001. 4) "NOVA ESCULTURA BRASILEIRA - HERANÇAS E DIVERSIDADES". CATÁLOGO. ALEXANDRE MURICCI. RIO DE JANEIRO: GALA EDIÇÕES DE ARTE, 2011. 5) " A BIGGER SPLASH - ARTE BRITÂNICA DA TATE - 1960 - 2003". ROBSON OUTEIRO (ORG.). SÃO PAULO: CONNECTS CULTURA, 2003.



451 - CARLOS SÖRENSEN - (1928 - 2008)
-

Flores - encáustica sobre tela - - 50 x 40 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1991.

Paulista de Baurú, Sorensen fez importantes estudos em Paris, onde a convite do governo francês, freqüenta o ateliê de André Lhote, onde conhece Picasso, Roonet e Fernand Léger e no ano seguinte freqüenta a Escola Superior de Belas Artes-Paris, estudando com Gleizes e André Lhote(1952-1953). Foi artista de múltiplas atividades, ceramista, tapeceiro, cenógrafo, ilustrador, arquiteto, designer e pintor, com sucesso de crítica e de público. Citado em Delta Larouse/1970, pág. 6406; MEC vol.4, pág. 309; PONTUAL, pág. 500, WALMIR AYALA vol.2, pág.347; JULIO LOUZADA vol.11, pág. 306; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



452 - ROBERTO DE SOUZA - (1935)
-

Menino brincando - óleo sobre eucatex - - 56 x 38 cm - canto inferior esquerdo - .
Com dedicatória. -
Pintor e historiador. Foi aluno de Aurélio d'Alincourt, Oswaldo Teixeira e Edgard Walter. Participou de diversas exposições e salões oficiais desde 1967, obtendo várias premiações. JULIO LOUZADA vol 1, pág. 932; ITAÚ CULTURAL.



453 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

"Paisagem - Dia chuvoso" - gravura - 28/100 - 21 x 30 cm - canto inferior direito - .
Reproduzido na página 88 do livro "Carlos Oswald" editado pelo Museu Nacional de Belas Artes. -
Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



454 - GUIMA - (1927 - 1993)
-

"Fósseis" - óleo sobre tela - - 61 x 74 cm - canto inferior direito e dorso - 1966.
Com carimbo do XV Salão Nacional de Arte Moderna - Rio de Janeiro, RJ. -
Pintor e desenhista de mérito invulgar, Guima era paulista de Taubaté, residiu por muitos anos no Rio de Janeiro e praticava o figurativismo expressionista, por vezes eivado de notas líricas, de outras descambando para o fantástico. MEC, vol. 2, pág. 306; PONTUAL, pág.257; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 377/8; JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 407; ITAÚ CULTURAL.



455 - FRANCISCO STOCKINGER - (1919 - 2009)
-

Nu - escultura em bronze - - h = 23 cm - assinado - .
Com certificado de autenticidade de Eskultura Galeria de Arte, São Paulo - SP. -
Natural de Traum, Áustria, Xico Stockinger, como é conhecido, foi aluno de Bruno Giorgi e desde 1954, radicado em Porto Alegre, á um escultor da figura humana e do animal. Também é excelente desenhista e gravador. Começou a expor na década de 40, no Rio de Janeiro, recebendo premiações. Desempenhou importante papel no desenvolvimento das artes plástica gaúcha. Tem seu nome firmado no cenário nacional e internacional, como escultor expressivo e original. JULIO LOUZADA, vol.11, pág.311; PONTUAL, pág.506; MEC., vol.4, pág.342/3.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 868; LEONOR AMARANTE, pág. 136.



456 - GEORGINA DE ALBUQUERQUE - (1885 - 1962)
-

Congresso eucarístico - técnica mista - - 26 x 35 cm - canto inferior direito - .

Pintora e professora. Aos 15 anos, inicia sua formação artística com o pintor italiano Rosalbino Santoro (1858 - s.d.). Muda-se para o Rio de Janeiro em 1904, matricula-se na Escola Nacional de Belas Artes - Enba e estuda com Henrique Bernardelli. Em 1906, casa-se com o pintor Lucílio de Albuquerque e viaja para a França. Em Paris, frequenta a École Nationale Supérieure des Beaux-Arts e ainda a Académie Julian, onde é aluna de Henri Royer. Volta ao Brasil em 1911, expõe em São Paulo e, partir dessa data, participa regularmente da Exposição Geral de Belas Artes. De 1927 a 1948, leciona desenho artístico na Enba e, em 1935, é professora do curso de artes decorativas do Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal. Em 1940, em sua casa no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, funda o Museu Lucílio de Albuquerque, e institui um curso pioneiro de desenho e pintura para crianças. Entre 1952 e 1954, exerce o cargo de diretora da Enba. TEIXEIRA LEITE, págs. 15 e 16; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 22 a 26; TEODORO BRAGA, pág. 107; REIS JR., pág. 370; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 1, págs.17 e 141; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 455; ARTE NO BRASIL, pág 574; Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



457 - MASSAO OKINAKA - (1913 - 2000)
-

paisagem - desenho a lápis e aquarela - - 26 x 48 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor e grande mestre do sumi-ê, Massao Okinaka era natural de Kyoto, Japão, onde iniciou os seus estudos artísticos. Imigrante, fixou residência em Lins-SP (1932). Em 1947 ingressa no Seibi-kai, e dois anos após, no Grupo do Jacaré e, a partir de 1993, no Grupo Guanabara. Congrega inúmeras exposições coletivas, com premiações. A paisagem predomina suas telas, apresentando uma marca distintiva, expressando o cotidiano urbano, com requintes técnicos, pleno domínio do desenho e inquietação. JULIO LOUZADA vol.8, pág. 620; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



458 - JOSÉ PAULO MOREIRA DA FONSECA - (1922 - 2004)
-

Barcos - óleo sobre tela - - 16 x 22 cm - canto inferior direito - .

Carioca, advogado, filósofo, poeta e pintor. José Paulo dedicou-se à pintura desde 1950. Fez uso abundante da espátula, lançando luz e cor nos seus temas preferidos: fachadas, portas, janelas, marinhas e paisagens. MEC, vol. 2, pág. 183; WALMIR AYALA vol. 1, pág. 423 a 427; TEIXEIRA LEITE, pág. 268; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO.



459 - EDUARDO SUED - (1925)
-

Figuras - desenho a lápis - - 12 x 21 cm - canto inferior direito - 1952 - Paris.
Reproduzido sob o nº 323 em catálogo de leilão de Soraia Cals, Rio de Janeiro - RJ, realizado em agosto de 2012. -
Natural da cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde reside e é ativo. Pintor, desenhista, ilustrador e gravador. Formou-se na Escola Nacional de Engenharia do Rio de Janeiro em 1948. Foi aluno de desenho e pintura do pintor Henrique Boese. Trabalhou como desenhista no escritório do arquiteto Oscar Niemeyer (1950-1951). Freqüenta os ateliês de La Grande Chaumière e L'Académies Julian em Paris (1951), retornando ao Rio de Janeiro em 1953, onde estuda gravura em metal com Iberê Camargo. Diversas exposições coletivas e individuais. JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 975/976; ARTE NO BRASIL, pág. 814; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



460 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulatas - desenho a nanquim - - 46 x 35 cm - canto inferior direito - 1961.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



461 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Vaso de flores - acrílica sobre cartão e colagem - - 38 x 38 cm - lado esquerdo - .
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



462 - ROBERTO BURLE MARX - (1909 - 1994)
-

Peixe - pintura sobre azulejo - - 15 x 15 cm - não assinado - .
Com etiqueta do Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP, no dorso. -
Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com.



463 - OMAR PELEGATTA - (1925 - 2000)
-

Sobrado - óleo sobre eucatex - - 18 x 23 cm - canto inferior direito - .

Italiano da Lombardia, PELLEGATTA foi pintor e gravador dedicado a temas sacros e casarios coloniais. Em sua obra, o ser humano é apresentado sempre de modo idealizado, na figura de ternas madonas, santos, coroinhas e cavaleiros. Participou de diversas coletivas e salões, a partir de 1957, recebendo premiações em sua maioria. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.735; MEC vol.3, pág.363; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



464 - LULA CARDOSO AYRES - (1910 - 1987)
-

Menina com pássaro - desenho a nanquim e guache - - 37 x 25 cm - canto inferior esquerdo - .

Natural do Recife, PE, foi pintor e desenhista, tendo se iniciado artisticamente sob a orientação de Henrich Moser, naquela mesma cidade. Estudou no Rio de Janeiro com Carlos Chambelland e na antiga ENBA até 1930, onde foi aluno de Rodolfo Amoedo. Foi contemporâneo nessa escola de Portinari, Teruz, Oswaldo Teixeira, Joaquim da Rocha Ferreira e Orózio Belém. A partir de 1933, já de volta à sua terra natal, dedica-se totalmente aos temas regionais. JULIO LOUZADA vol. 1, pág. 31; TEIXEIRA LEITE, pág. 293; WALTER ZANINI, pág. 637; ARTE NO BRASIL, pág. 879; Acervo FIEO.



465 - TAPETE ORIENTAL, -
-

- - - cm - - .
Caucasiano medindo 120 x 174 cm = 2,09 m². Com certificado de Gaetano Reato - Tappeti Persiani e Caucasici Pregiati - Milão, Itália. -



466 - HAROLDO AMAZONAS - (1905 - SÉC. XX)
-

Flores - óleo sobre tela - - 73 x 50 cm - canto inferior direito - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor, desenhista, engenheiro e arquiteto nascido em Taubaté, SP. Assina H. Amazonas. Filho do pintor Clodomiro Amazonas. Formou-se na Escola de Belas Artes em 1935. Expôs individualmente em 1950, participou de várias edições do Salão Paulista e de mostras na cidade de São Vicente, SP. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 45.



467 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata na sacada - desenho a lápis - - 15 x 10 cm - canto inferior esquerdo - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



468 - LEÓN FERRARI - (1920)
-

Trânsito - litografia - P. A. - 33 x 21 cm - canto inferior direito - 1983.

Gravador e escultor argentino, natural da cidade de Buenos Aires. Começou a fazer escultura em 1954, com diversos materiais e com arame de aço inoxidável. Em 1962, iniciou sua série de desenhos escritos. Em 1964 colaborou com Rafael Albertino no livro de poesias e desenhos "Escritos en el Aire", editado por Vanni Scheiwiller em Milão. Em 1965, abandonou a arte abstrata e participou do movimento cultural que acompanhou a atividade política argentina, colaborando na organização de diversas mostras coletivas. A partir de 1976 fixa residência no Brasil, em São Paulo, onde voltou a esculpir e experimentar outras técnicas, como fotocópias, etc. Desenvolveu uma série de esculturas sonoras que deram origem aos instrumentos lúdicos musicais com os quais deu 4 concertos-performance. JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 403



469 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mangue - serigrafia - - 56 x 38 cm - canto inferior direito - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



470 - ARMANDO VIANNA - (1897 - 1988)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 55 x 46 cm - canto inferior direito - 1962.

Este grande pintor carioca foi discípulo de Rodolfo Chambelland e Rodolfo Amoedo na antiga Escola Nacional de Belas Artes e de Eurico Alves e Stefano Cavalaro, no Liceu de Arte e Ofícios do Rio de Janeiro. É ainda hoje, considerado um dos maiores aquarelistas brasileiros. Realizou exposições individuais e em todas as principais capitais brasileiras. MEC vol.4, pág.470; JULIO LOUZADA vol.3, pág.186. PONTUAL pág. 538; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



471 - ARLINDO CASTELLANE DI CARLI - (1910 - 1985)
-

Paisagem italiana - óleo sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1972 - Paliano - Itália.

Pintor e escultor. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, onde foi aluno de José Maria da Silva Neves e de Enrico Vio. Suas primeiras realizações foram na pintura. Mais tarde passou a dedicar-se também à escultura. Sofreu influência do pintor Armando Balloni. Em 1942, estreando no SPBA, recebeu prêmio de menção honrosa, seguindo-se nos anos posteriores, diversas premiações, inclusive de viagem ao estrangeiro. MEC, vol. 1, pág. 355; WALMIR AYALA, vol.1, págs. 183 e 184; ITAÚ CULTURAL.



472 - FELISBERTO RANZINI - (1881 - 1976)
-

Jardineiro - aquarela - - 27 x 20 cm - canto inferior esquerdo - 1944.

Arquiteto, desenhista e escritor, Felisberto Ranzini nasceu em Mântua, Itália e faleceu em São Paulo - SP. Sobresaiu-se principalmente na técnica de aquarela, na qual se especializou. Suas composições em óleo são claras e detalhadas, quase que miniaturistas. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 805; MEC vol.4, pág. 26, RUTH TARASANTCHI.



473 - DIONISIO DEL SANTO - (1925 - 1999)
-

Composição - guache - - 38 x 28 cm - canto inferior direito - 1983.

Pintor, desenhista, gravador e serigrafista, nasceu em Colatina-ES, e faleceu em Vitória, naquele mesmo Estado. Autodidata. Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da APCA. Participou da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967 (Prêmio Itamarati Aquisição) e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1968 (Prêmio Isenção do Júri). JULIO LOUZADA vol.11, pág. 88; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 934.



474 - TARSILA DO AMARAL - (1886 - 1973)
-

Paisagem antropofágica - desenho a nanquim - - 14 x 20 cm - canto inferior direito - .

Pintora, escultora e desenhista que nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Assina Tarsila. Na capital paulista, estudou escultura com William Zadig e Mantovani, teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti . Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na Académie Julian e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote , Albert Gleizes e Fernand Léger. No ano seguinte, já no Brasil, com Oswald de Andrade, Olívia Guedes Penteado, Mário de Andrade e outros, acompanhou o poeta Blaise Cendrars, que conheceu em Paris, em viagem às cidades históricas de Minas Gerais. Realizou uma série de trabalhos baseados em esboços feitos durante a viagem. Nesse período, iniciou a chamada fase pau-brasil e, em 1925, ilustrou o livro de poemas ‘Pau-Brasil’, de Oswald de Andrade, publicado em Paris. Em 1928, pintou ‘Abaporu’, tela que inspirou o movimento antropofágico, desencadeado por Oswald de Andrade e Raul Bopp. Tarsila participou da I Bienal de São Paulo em 1951, teve sala especial na VII Bienal de São Paulo e participou da Bienal de Veneza em 1964. A retrospectiva ‘Tarsila: 50 Anos de Pintura’, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR. PÁG. 388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.958; VOL. 4, PÁG. 1081; DICIONÁRIO OXFORD PÁG. 517; www.tarsiladoamaral.com.br.



475 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Mulher sentada - escultura em bronze - - h = 35 cm - assinado - .

Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



476 - DURVAL PEREIRA - (1918 - 1984)
-

Paisagem - óleo sobre cartão - - 25 x 35 cm - canto inferior direito - .

Nascido e falecido em São Paulo, DURVAL PEREIRA foi pintor e professor ativo em São Paulo. Premiado com a Menção Honrosa no SPBA em 1944, passou a viver exclusivamente da pintura. Pintava ao ar livre aos domingos com os pintores Salvador Rodrigues, Salvador Santisteban, Cirilo Agostinho, Jaime Dinis, Djalma Urban, Innocencio Borghese, e outros. Premiado praticamente em todos os Salões de que participou. Recebeu ao todo, 15 comendas das mais importantes do Brasil. Nos últimos três anos de sua vida, recebeu todos os Primeiros Prêmios e Medalhas de Ouro nas exposições de Paris, Rouen, Lyon, Roma, Miami e Milão. MEC, vol. 3, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 1, págs. 749/750/751. ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



477 - LUIS D'HORTA - (1941)
-

"Origem" - aquarela e colagem - - 78 x 52 cm - canto inferior direito - 1991.

Pintor, desenhista, escultor e tapeceiro nascido em São Paulo-SP, em 24/4/1941. Realizou ilistrações para jornais, discos e livros. Segundo Michael Blaich, "... o seu elemento inspirador fundamental é o mundo das cores, pois mesmo nas suas esculturas as superfícies frequentemente coloridas tendem a transformá-las em vivências de pintura." Exposições: coletivas a partir de 1963, no MAM-SP, Paraguai, FAAP-SP, Bélgica e Galeria Bonfiglioli-SP. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 283; ITAÚ CULTURAL.



478 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Barcos - pintura sobre azulejo - - 15 x 15 cm - canto inferior direito - .
Com etiqueta do Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP, no dorso. -
Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



479 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Músico - desenho a nanquim - - 29 x 20 cm - canto inferior direito - .

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



480 - FRANCISCO REBOLO GONSALES - (1903 - 1980)
-

"Mulher e flor" - óleo sobre eucatex - - 66 x 41 cm - canto inferior direito - 1966.
Ex-coleção Napoleão de Carvalho - São Paulo - SP. Esta obra participou da "Mostra Retrospectiva 40 anos de Pintura Rebolo" no Museu de Arte Moderna de São Paulo, abril de 1973, estando descrita sob o número 183 do respectivo catálogo. -
Grande pintor paulistano, um dos principais membros do Grupo Santa Helena e da Família Artística Paulista, Rebolo é acima de tudo um paisagista de colorido suave e desenho sensível. MEC, vol. 4, pág. 28/29; TEODORO BRAGA, pág. 202/3; PONTUAL, pág. 447/448; REIS JR., pág. 382; TEIXEIRA LEITE, pág. 433/434/435.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; LEONOR AMARANTE, pág. 13; ARTE NO BRASIL; Acervo FIEO.



481 - FANG, CHEN KONG - (1931 - 2012)
-

Maternidade - óleo sobre tela - - 55 x 65 cm - canto inferior direito - 1986.

Pintor, desenhista e gravador. Ativo em São Paulo, estudou com Y. Takaoka; expôs nos Salões de Belas Artes de São Paulo e do Rio de Janeiro, obtendo diversas premiações. Tem obras em coleções particulares e na Pinacoteca de São Paulo. MEC, vol. 2, pág. 124; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 366; TEIXEIRA LEITE, pág. 189; PONTUAL, pág. 201.; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



482 - NOEMIA MOURÃO - (1912 - 1992)
-

No circo - desenho a lápis - - 28 x 18 cm - canto inferior direito - .

Pintora e desenhista. Assina Noemia. Realizou sua primeira individual em 1934, no Rio de Janeiro. Residiu na Europa de 1934 a 1940, frequentando em Paris as academias de la Grande Chaumière e Ranson. Expôs em Montevideu e Buenos Aires. Foi citada por REIS JUNIOR e TEODORO BRAGA. Foi aluna (1932) e mulher (1933) de Di Cavalcanti. MEC vol.3, pág. 265; WALMIR AYALA vol.2, pág.135; PONTUAL, pág. 375; TEIXEIRA LEITE, pág. 356; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 684. Acervo FIEO.



483 - SAUL STEINBERG - (1914 - 1999)
-

Homem e pássaro - desenho a nanquim e guache - - 30 x 20 cm - canto inferior direito - .

Desenhista, pintor, gravador, ilustrador, cartunista, escultor, natural da Romênia. Estudou Filosofia em Bucareste, Romênia e Arquitetura em Milão, Itália. Nos anos 30 publicou seus cartuns na revista italiana Bertoldo. Em 1940, seus desenhos começam a aparecer nas revistas ‘Life’ e’ Harper’s Bazaar’. Vai para os Estados Unidos em 1941 e passa a publicar, regularmente, seus trabalhos na revista ‘The New Yorker’ por quase 60 anos, além de se dedicar intensamente às diversas formas de expressão. A primeira exposição de seus trabalhos se deu em Nova York, em 1943. E várias outras aconteceram por museus da Europa e Estados Unidos, inclusive no Museu de Arte de São Paulo, São Paulo. Retrospectivas de sua obra foram realizadas no Museu Whitney de Arte Americana, Nova York (1978); no Instituto de Arte Moderna, em Valencia - Espanha (2002); na Pinacoteca do Estado, São Paulo (2011). BENEZ IT, VOL. 9, PÁG. 805; MEC, VOL. 4, PÁG. 341; ITAU CULTURAL; www.saulsteinbergfoundation.org; www.artcyclopedia.com; www.britannica.com.



484 - J. CARLOS - (1884 - 1950)
-

A conversa - desenho a nanquim e aquarela - - 20 x 28 cm - canto inferior direito - .

Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, desenhista, ilustrador e caricaturista. Realizou mais de cem mil desenhos, não se conhecendo um único ruim. Observador arguto, retratou com maestria e humor o cotidiano de sua cidade natal, da qual, consta, ausentou-se por duas únicas ocasiões. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646.



485 - IVAN SERPA - (1923 - 1973)
-

Linhas - desenho a nanquim colorido - - 25 x 20 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador e professor, estudou com Axel Leskoschek no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oitica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Ivan Serpa possui invejável e extenso curriculum de vida artística, passando de exposições coletivas, a grandes retrospectivas de sua obras. Há um reconhecimento nacional da importância de sua atividade, tratando-se de um dos grandes artistas nacionais. PONTUAL, pág 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 605; ARTE NO BRASIL, pág. 840; LEONOR AMARANTE, pág. 26; Acervo FIEO.



486 - LENÁ PRADO - (1953)
-

"Par de vasos" - vinil encerado e acrílica - - 100 x 100 cm - dorso - 1986.
Descrito sob o número 25 em catálogo de exposição da artista na Galeria Paulo Prado em novembro de 1986. -
Helena da Silva Prado nasceu em Santos, SP. Sua formação artística foi iniciada em Santos (1971/1972), em São Paulo - FAAP (1973) e em Antuérpia, Bélgica na Academia Real de Belas Artes como bolsista da ‘Koninklijke Academia voor Schone Kunsten’ (1975/1976). Também estudou com Antonio Vitor (1983/1984). Realizou exposições individuais em São Paulo (1986, 1989, 1990) e em São José dos Campos, SP (1989). Participou de muitas mostras e Salões oficiais, foi premiada em Santos (1981, 1982) e em São Paulo (1985 - 2º Prêmio Pirelli Pintura Jovem - MASP). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 912; VOL. 5, PÁG. 839.



487 - HERMELINDO FIAMINGHI - (1920 - 2004)
-

Composição - guache - - 43 x 31 cm - canto inferior direito - 1954.

Nasceu em São Paulo, a 22 de outubro de 1920. Pintor e artista gráfico. Dedicou-se regularmente à pintura a partir de 1950, com seu mestre Volpi. Foi um dos pioneiros do concretismo, com o qual rompeu anos mais tarde, para fazer uma pintura mais solta, através de seu diálogo com a cor e da interação com a luz em contato com a natureza. Expõs individualmente a partir de 1961 e coletivamente desde 1955, sempre com premiações. JULIO LOUZADA, vol. 4 pág. 401; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 928; LEONOR AMARANTE, pág. 75.



488 - JOSÉ WASTH RODRIGUES - (1891 - 1957)
-

"Antiga Academia de Direito de São Paulo' - aquarela - - 25 x 34 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor, desenhista e historiador paulistano, foi pensionado pelo Estado de São Paulo, estudando no Jean-Paul Laurens, em Paris, de cujo salão oficial participou em 1914. Dedicou-se com intensidade ao desenho a bico de pena. Executou os desenhos e aquarelas do livro Uniformes do Exército Brasileiro, de Gustavo Barroso. JULIO LOUZADA, VOL ,12, pág, 347. MEC, VOL, 4, pág, 92; ITAÚ CULTURAL; ARTE NO BRASIL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



489 - HENRIQUE CAVALLEIRO - (1892 - 1975)
-

Vaso de flores - óleo sobre tela - - 65 x 53 cm - canto inferior esquerdo - c. 1940.

Pintor, desenhista e professor. Foi aluno de Eliseu Visconti, tendo recebido em 1918 o prêmio de viagem à Europa. Participou de diversos salões e exposições. REIS JR., pág. 375; TEODORO BRAGA, pág. 117; PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, vol. 2, pág. 45 e 275; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 187 e 190; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 446; ARTE NO BRASIL, pág. 556; Acervo FIEO.



490 - NORBERTO NICOLA - (1930 - 2007)
-

Composição - óleo sobre tela - - 50 x 70 cm - canto inferior direito - 1958.

Pintor e tapeceiro. Foi aluno de pintura de Samson Flexor, no Atelier Abstração, em 1954. Em 1959, estudou nos centros tapeceiros europeus e cria, com Jacques Douchez, o Ateliê Douchez-Nicola de Tapeçaria. Entre as exposições de que participou, destacam-se: Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo, de 1956 a 1960 (várias vezes premiado); Bienal Internacional de São Paulo, várias edições entre 1963 e 1975; Mostra de Tapeçaria Brasileira, no MAB/Faap, São Paulo, 1974 (1º prêmio); Trienal de Tapeçaria, no MAM/SP, 1979 (Hors Concours); Arte Plumária do Brasil, no Smithsonian Institute e no Museu de Antropologia, Washington (Estados Unidos) e Cidade do México, México, 1982; Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal, São Paulo, 1994. JULIO LOUZADA vol, 4 pág, 800; MEC, vol, 3, pág, 261 e 262; WALMIR AYALA, vol 2, pág, 132; TEIXEIRA LEITE, pág 354. PONTUAL, pág, 384; ITAÚ CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 207.



491 - MAURICIO NOGUEIRA LIMA - (1930 - 1999)
-

Composição - desenho a nanquim - - 30 x 20 cm - canto inferior direito - .

Natural da cidade do Recife, PE, o autor foi pintor, arquiteto, desenhista e professor. Frequentou o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, o MAM-SP e diplomou-se em arquitetura pela Faculdade Mackenzie-SP. Ligado ao grupo Ruptura, Maurício tornou-se um artista de acentuados princípios racionais, sendo o autor de algumas introduções no campo da animação ótica dos espaços, na seriação das construções e ainda na busca específica de retículas coloridas.Participou do Salão Paulista de Arte Moderna, onde obteve, dentre outros, o 1º Prêmio em Cartaz (1951 e 1957). Participou também do movimento de arte concreta, figurando nas exposições do MAM-SP (1956), no MEC-RJ (1957), na Exposição Internacional de Arte Concreta, em Zurique (1960), etc JULIO LOUZADA, vol 1, pags 678 e 679; ITAU CULTURAL.



492 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Conversando na mata - óleo sobre eucatex - - 43 x 29 cm - canto inferior esquerdo e dorso - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



493 - ENRICO BIANCO - (1918 - 2013)
-

Natureza morta - litografia - P. I. - 50 x 70 cm - canto inferior direito - .

Nascido na Itália, é hoje considerado um de nossos melhores pintores. Atingiu um estilo pessoal, figurativo, eminentemente lírico, baseado em um desenho livre e numa cor sensível. THEODORO BRAGA, pág. 54; WALMIR AYALA, vol. 1, págs. 99, 110 e 104; MEC, vol. 1, pág. 242; PONTUAL, pág. 76; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 594. Acervo FIEO. -



494 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA - (1909 - 1996)
-

Cachoeira - óleo sobre azulejo - - 15 x 15 cm - centro e dorso - 1988.

Considerado por muitos críticos e colecionadores como o mais típico dos nossos pintores ingênuos, Silva foi o intérprete da cena rural de São Paulo, num estilo expontâneo em que assomam, por vezes, soluções plásticas inesperadas. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



495 - ALFREDO CESCHIATTI - (1918 - 1989)
-

As iaras - escultura em bronze - - h = 10 cm - assinado - .
Escultura em tamanho reduzido da obra que fica no espelho d´água do Palácio da Alvorada, Brasília - DF. -
Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



496 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Baianas - serigrafia - 156/200 - 76 x 57 cm - canto inferior direito - 1975.
Com autenticação no dorso. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



497 - IVALD GRANATO - (1949)
-

Figura - técnica mista - - 50 x 70 cm - canto inferior direito e dorso - 1979 - São Paulo - Brasil.

Pintor e desenhista. Natural de Campos, RJ, onde viveu até 1966. Estudou com Robert Newman, ingressando em 1967 na Escola de Belas Artes da Universidade do Rio de Janeiro. Em 1968 participa do grupo de vanguarda "Nova Figuração Brasileira". Sua atividade artística desde a década de 60 revela a influência do conceitualismo de Duchamp, mais cerebral do que pictórico, e da "body art", de Joseph Beyus. PONTUAL, pág. 248; TEIXEIRA LEITE, pág. 228; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág.740; ARTE NO BRASIL, pág. 974; LEONOR AMARANTE, pág. 267; Acervo FIEO.



498 - JURANDYR AGUIAR - (XX - XX)
-

Paisagem - óleo sobre tela colada em cartão - - 22 x 27 cm - canto inferior esquerdo - .
Com dedicatória no dorso datada de 30 de setembro de 1970. Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor paisagista nascido em Taubaté,SP. Participante do SPBA em 1940, 1943 e 1952, recebendo menção honrosa. Expôs individualmente em diversas cidades paulistas JULIO LOUZADA, VOL, 1, pág, 30; ITAÚ CULTURAL, Acervo FIEO.



499 - AUTOR DESCONHECIDO, SÉC. XX -
-

"Capella de São Lourenço" - óleo sobre madeira - - 26 x 40 cm - canto inferior esquerdo ilegível - 1923 - São Lourenço.
No estado. Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -



500 - THEODORO DE BONA - (1904 - 1990)
-

"Jovem napolitana" - óleo sobre cartão - - 42 x 32 cm - canto inferior direito - 1930.
Com a seguinte declaração no dorso: "Presente que me fez o autor - Theodoro de Bona - ontem, 10 de fevereiro de 1951. Retrato de uma jovem napolitana feito em Veneza em 1930. Rio, 11 de fevereiro de 1951. Moisés Duele.". -
Natural de Morretes, PR, onde nasceu a 11 de junho de 1904, e falecido em Curitiba, PR, em 20/9/1990. Pintor e desenhista.Foi aluno de Gina Bianchi e Ercília Cecchi. Frequentou assiduamente o ateliê do pintor Alfredo Andersen, convivendo com Traple, Freyesleben, Augusto Perneta, Taborda Jr e outros artistas locais. Aperfeiçoou-se na Europa, para onde seguiu em 1927. Estudou na Real Academia de Belas Artes de Veneza, frequentando aulas de Ettore Tito e Vicenzo Stefani. No Brasil, a partir de 1936, expõe com sucesso as suas obras e leciona pintura e desenho na Escola de Belas Artes do Paraná. JULIO LOUZADA vol. 13 pág. 44; ITAÚ CULTURAL.



501 - LOIO PÉRSIO - (1927 - 2004)
-

Composição - aquarela - - 17 x 22 cm - canto inferior direito - 1971.
Com a seguinte dedicatória: "Ao Vicente, pelo reencontro, o Loio. 6.1972". -
Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, artista gráfico e publicitário, Loio PérsioNavarro Vieira de Magalhães nasceu em Tapiratiba, SP e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou os estudos artísticos com Guido Viaro, em Curitiba, PR.Transferiu-se para o Rio de Janeiro e completou sua formação estudando pintura com Ado Malagoli e cenografia com Santa Rosa (1949- 1950). Em 1951, retornou a Curitiba e fundou o Centro de Gravura do Paraná. Em1953, trabalhou em ateliê comum com o pintor, desenhista e gravador alemão Gunther Schierz, discípulo de Käthe Kollwitz. Transferiu-se para São Paulo em 1958.Com o prêmio de viagem ao exterior, concedido pelo Salão Nacional de Arte Moderna em 1963, viajou para a Europa, no ano seguinte. Foi convidado a trabalhar na Escola Superior de Arte de Stuttgart, Alemanha, em 1965. Entre 1975 e 1976, viajou para Roma, Londres e, em Paris, tornou-se pintor residente na Fundação Karoly. Em 1981, mudou-se para Belo Horizonte, onde lecionou desenho e pintura na Escola Guignard. Em 1995, fixou-se novamente em Curitiba. Realizou inúmeras exposições individuais e participou devárias mostras coletivas, Salões oficiais no Brasil e exterior ganhando muitos prêmios. ITAU CULTURAL; MEC VOL. 3, PÁG.391; PONTUAL, PÁG. 318; JULIO LOUZADAVOL. 5, PÁG.584; VOL.7, PÁG. 404.



502 - HAYDÉA SANTIAGO - (1896 - 1980)
-

Composição - óleo sobre cartão - - 22 x 23 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1924 - Paris.
Com a seguinte inscrição no dorso: "1° lugar concurso de composição - Paris". -
Natural da cidade do Rio de Janeiro, onde veio a falecer. Estudou na Escola Nacional de Belas Artes. Foi aluna de Modesto Brocos e Amoedo. Aperfeiçoou seus estudos com Eliseu Visconti. Residiu em Paris com o marido, Manoel Santiago, de 1928 a 1932, participando do Salão de Artistas Franceses. No Brasil recebu diversas premiações no SNBA, bem como nos diversos Salões Oficiais de que participou, tais como SPBA, SMBA-RJ, SNAM e na I BSP. Teve como temas a paisagem, a figura, a natureza morta e o gênero. REIS JUNIOR, vol. 1, pág. 146; TEODORO BRAGA, pág. 211; WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 290 e 292; TEIXEIRA LEITE, pág. 460; ITAÚ CULTURAL..



503 - JULIO PLAZA - (1938 - 2003)
-

Composição - dobradura - - 40 x 58 cm - dorso - .

Julio Plaza González nasceu em Madri, Espanha e faleceu em São Paulo. Artista intermídia, escritor, gravador e professor. Inicia sua formação artística na década de 1950, com estudos livres em Madri. Posteriormente freqüenta a Escola de Belas Artes, em Paris. Vem ao Brasil em 1967, integrando a representação espanhola que participa da 9ª Bienal Internacional de São Paulo. Ingressa na Escola Superior de Desenho Industrial, no Rio de Janeiro, com bolsa de estudos concedida pelo Itamaraty. Leciona linguagem visual e artes plásticas, como artista residente, na Universidade de Puerto Rico (1969 e 1973). Em seguida, muda-se para São Paulo, onde se torna professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e da Fundação Armando Álvares Penteado. Funda, em 1978, o Centro de Artes Visuais Aster, com Donato Ferrari , Walter Zanini e Regina Silveira , com quem foi casado. Publica com Augusto de Campos os livros ‘Caixa Preta’ e ‘Poemóbiles’(1975), é autor de publicações teóricas sobre arte, como ‘Videografia em Videotexto’ (1986) e ‘Os Processos Criativos com os Meios Eletrônicos: Poéticas Digitais’, com Monica Tavares (1998). Na década de 1990, leciona no Instituto de Artes da Unicamp. Realizou muitas exposições individuais; participou de inúmeras mostras oficiais e exposições póstumas foram realizadas em São Paulo (2003, 2004). ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 921; MEC VOL.3, PÁG. 423; www.acervos.art.br; artprice.com.



504 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Paisagem - desenho a caneta esferográfica - - 11 x 16 cm - canto inferior esquerdo - 1968.
Ex coleção Kim Esteve, São Paulo - SP. -
Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



505 - WALTÉRCIO CALDAS - (1946)
-

Rosto - objeto em alumínio - 4/1000 - 39 x 27 cm - canto inferior direito - .

Waltércio Caldas Júnior nasceu no Rio de Janeiro. Escultor, desenhista, artista gráfico, cenógrafo e figurinista, estudou pintura com Ivan Serpa (1964) no MAM/RJ. Entre 1969 e 1975, realizou desenhos, objetos e fotografias de caráter conceitual. Na década de 1970, lecionou no Instituto Villa-Lobos, RJ; foi co-editor da revista ‘Malasartes’; integrou a comissão de Planejamento Cultural do MAM/RJ; participou da publicação ‘A Parte do Fogo’ e publicou com Carlos Zilio, Ronaldo Brito e José Resende o artigo ‘O Boom, o Pós-Boom, o Dis-Boom’, no jornal ‘Opinião’. Em 1979, sua produção foi analisada no livro ‘Aparelhos’, com ensaio de Ronaldo Brito, e, em 1982, no Manual da Ciência Popular, publicado na série Arte Brasileira Contemporânea, pela Funarte. Em 1986, o vídeo ‘Apaga-te Sésamo’, de Miguel Rio Branco, enfocou a sua produção. Participou das Bienais Internacionais de São Paulo (1987, 1989, 1996, 1998), da Documenta de Kassel (1992), entre outras. Recebeu, em 1993, o Prêmio Mário Pedrosa, da Associação Brasileira de Críticos de Arte - ABCA, por mostra individual realizada no Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, RJ. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 11, PÁG. 49; VOL. 13, PÁG. 60.



506 - DÉCIO VILARES - (1851 - 1931)
-

Belle Époque - óleo sobre tela - - 38 x 40 cm - canto inferior esquerdo - 1895.

Pintor, retratista, fez da figura feminina o seu tema predileto. Criou a bandeira da República, substituindo o escudo pelo Cruzeiro do Sul e acrescentando o lema positivista " Ordem e Progresso" . Dedicou-se também à escultura. ARTE NO BRASIL vol.2, pág.1060; PONTUAL, pág.542; MEC vol.4, pág. 478; TEIXEIRA LEITE, pág. 526; ITAÚ CULTURAL.



507 - OSWALDO GOELDI - (1895 - 1961)
-

O destino do fumante - desenho a nanquim - - 24 x 32 cm - canto inferior direito - .

Desenhista, gravador e professor, nascido no Rio de Janeiro, filho de Emilio A Goeldi, naturalista suiço. A partir dos seis anos estudou na Suiça. Sua obra sofreu influência do expressionista austríaco Alfred Kubin. Retornando ao Brasil em 1919, realizou no Rio de Janeiro sua primeira exposição em 1921, no Liceu de Artes e Ofícios. Publicou albuns e ilustrou diversos e importantes livros. É artista altamente conceituado no País e no exterior, tendo merecido diversas homenagens póstumas, inclusive em filme. PONTUAL pág. 240; JULIO LOUZADA vol.11, pág130; MEC vol. 2, pág.271; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 521; ARTE NO BRASIL, pág. 672; Acervo FIEO.



508 - JUAREZ MACHADO - (1941)
-

Diapasão - aquarela - - 41 x 29 cm - centro inferior - .

Nasceu em Joinville, SC. Atualmente reside e trabalha em Paris, França, onde mantem ateliê. Pintor, escultor, desenhista, caricaturista, jornalista, cenógrafo, escritor e ator. Desenvolveu sólida carreira como desenhista de charges de humor. Sua arte essencialmente criativa, vai do lirismo à violência, da análise microscópica ao extravasamento onírico. Entre as exposições de que participa, destacam-se: 9ª Bienal Internacional de São Paulo, 1967; Zona Gallery, Nova Iorque (Estados Unidos), 1981; Retrospectiva Quatro Artistas da Geração 60, no MAC/PR, Curitiba, 1987; Châteaux Bordeaux, no Centro Georges Pompidou, Paris, 1988; Retrospectiva, no MAC/Joinville, 1990; Arte na América Latina: 100 Anos de Produção, no Instituto Estadual de Artes Plásticas da UFRGS, Porto Alegre, 1996. "Juarez Machado expõe a natureza humana, olha, registra, interpreta, ilumina, focaliza. É o mundo dos humanos, mas não é o mundo do juiz dos homens. Aqui não estamos no Juízo Final. Juarez é o artista contemporâneo, ele tem este olhar elaborado pela ciência, o grau de consciência reflexiva. Podemos dizer deste ponto de vista, que esta obra humanística e esta atitude de intensa pesquisa confere ao seu trabalho um caráter anti-medieval." Jacob Klintowitz in: "Juarez Machado - Copacabana 100 Anos, Ed. Simões de Assis, 1992." JULIO LOUZADA vol.11, pág. 186; PONTUAL, pág.284; Acervo FIEO; ITAU CULTURAL; MEC, vol. 3; TEIXEIRA LEITE, pág. 298. Acervo FIEO.



509 - ROBERTO BURLE MARX - (1909 - 1994)
-

Composição - acrílico sobre tela - - 110 x 110 cm - canto inferior direito - 1989.
Procedente da coleção Sr. Alberto Nasser - Rio de Janeiro, RJ. -
Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com.



510 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

Figuras - óleo sobre tela - - 35 x 27 cm - canto inferior direito e dorso - 1950 - São Paulo.
- Reproduzido no convite deste leilão. - Ex coleção Aníbal Matos - Belo Horizonte, MG. -
Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



511 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Paisagem - acrílico sobre juta - - 40 x 105 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 1986.
Reproduzido na página 219 do livro "Aldemir Martins por Aldemir Martins" editado por Best Point editora, São Paulo, 2005. Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



512 - JOSÉ MARQUES CAMPÃO - (1892 - 1949)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 35 x 27 cm - canto inferior direito - .

Excelente paisagista paulistano, aluno de Oscar Pereira da Silva, da Academia Julian - Paris, e da Escola Nacional Superior de Belas Artes de Paris, entre 1912 e 1918. Foi membro da Comissão de Orientação Artística de São Paulo em 1944. Expôs no Salão dos Artistas Franceses e em diversas exposições coletivas e individuais. TEODORO BRAGA, pág. 61/62; PONTUAL, pág. 102; MEC, vol. 1, pág. 331; REIS JR., pág. 374; WALMIR AYALA, vol. 1,pág. 160; ITAU CULTURAL, Acervo FIEO, RUTH TARASANTCHI.



513 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Natureza morta - aquarela - - 30 x 48 cm - canto superior direito - .
Reproduzido na página 226 do livro "A memória do guardião - a coleção Kim Esteve". -
Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



514 - CAMPOS AYRES - (1881 - 1944)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 35 x 50 cm - canto inferior esquerdo - .

Natural de Itapetininga, SP, Campos Ayres foi pensionista do Estado de São Paulo para estudar em Paris a partir de 1909, com Henry Royer, Fleury e Laurens. No SPBA obteve prêmios e menções. Dedicou-se especialmente à pintura de paisagem. A PINACOTECA-SP, possui duas telas de sua autoria. Expôs individualmente em São Paulo, nos anos de 1930, 1933 e 1938, com muito sucesso de público e crítica. TEODORO BRAGA, pág. 63; REIS JR., pág. 368; MEC, vol. 1,pág. 41; PONTUAL, pág. 105; WALMIR AYALA, vol. 1,pág. 167; ITAU CULTURAL; ACERVO FIEO, pág. 11, RUTH TARASANTCHI.



515 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Candangos - escultura em bronze - - h = 40 cm - base - .
Escultura em tamanho reduzido da obra que fica na Praça dos Três Poderes, Brasília - DF. -
Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



516 - DARIO MECATTI - (1909 - 1976)
-

Tropeiros - óleo sobre tela - - 30 X 40 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor e desenhista nascido em Florença, Itália e falecido em São Paulo, SP. Na Itália recebeu orientação artística de Camillo Innocenti, trabalhou em um banco e pintou cartazes para a sala de cinema de seu primo. Em 1933, mudou-se para a África, onde permaneceu por aproximadamente sete anos viajando pelo norte do continente. Neste período conheceu a Líbia, Ilha de Malta, Tunísia, Turquia, Argélia, Marrocos, além de Portugal e Espanha. Durante a viagem retratou cenas destes países e realizou algumas exposições com o pintor florentino Renzo Gori, com quem residiu por pouco tempo em Paris. Em 1939, conheceu a Ilha de São Miguel, nos Açores e lá encontrou Maria da Paz com quem posteriormente se casou. No ano de 1940, mudou-se para o Brasil, passou pouco tempo no Rio de Janeiro e depois um período em Minas Gerais, onde visitou as cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Ouro Preto. Mudou-se no final do ano para São Paulo, onde entre 1941 e 1945, trabalhou na Galeria Fiorentina, na Rua Barão de Itapetininga, de propriedade de Malho Benedetti. Em 1945 conheceu Nicolino Bianco que passou a adquirir os quadros do artista para serem expostos na Loja de Móveis Paschoal Bianco. Apresentou-o para clientes e amigos que passaram a encomendar retratos. Neste período entrou em contato com Ezio Barbini, dono da Galeria Internacional que vendeu regularmente suas obras, além de apresenta-lo a um grupo de jovens artistas a quem orientou. Em 1946 construiu na Rua Feliciano Maia a sua casa estúdio, onde realizou exposições individuais anuais, sendo a última no ano de 1976, data de seu falecimento. TEODORO BRAGA, PÁG. 161/2; MEC, VOL. 3, PÁG. 109; PONTUAL, PÁG. 352; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 72; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 320; ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 611; ACERVO FIEO.



517 - ROBERTO BURLE MARX - (1909 - 1994)
-

"Abstrato" - acrílico sobre papel - - 56 x 76 cm - canto inferior direito e dorso - 1991.
Com declaração de participação em exposição realizada no Centro Cultural Brasil - Estados Unidos, na Rua Jorge Tibiriçá, 5 - Santos, SP - no mês de setembro de 2001. -
Nasceu em São Paulo e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, paisagista, arquiteto, desenhista, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de jóias, decorador. Durante a infância viveu no Rio de Janeiro. Foi com a família para a Alemanha, em 1928. Em 1929, freqüentou o ateliê de pintura de Degner Klemn. Nos jardins e museus botânicos de Dahlen, em Berlim, entusiasmou-se ao encontrar exemplares da flora brasileira. De volta ao Brasil, fez curso de pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, RJ (1930 - 1934), onde foi aluno de Leo Putz , Augusto Bracet e Celso Antônio. Seu primeiro projeto paisagístico foi para a arquitetura de Lúcio Costa e Gregori Warchavchik, em 1932. Entre 1934 e 1937, ocupou o cargo de diretor de parques e jardins do Recife, PE, onde passou a residir. Nesse período, foi com freqüência ao Rio de Janeiro e teve aulas com Candido Portinari e com o escritor Mário de Andrade. Em 1937, retornou ao Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de Candido Portinari. Foi em 1949, conforme sua paixão por plantas e seu interesse por botânica e jardinagem, que Burle Marx adquiriu um sítio em Barra de Guaratiba, RJ. Com auxílio de botânicos, viajou, coletou, catalogou exemplares de plantas do Brasil e reproduziu em seu sítio a diversidade fitogeográfica brasileira. Em 1985 doou esse sítio, com todo o seu acervo, à extinta Fundação Nacional Pró Memória, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Realizou muitas exposições individuais e projetos paisagísticos, participou de diversas mostras oficiais coletivas pelo Brasil e no exterior. PONTUAL, PÁG. 94; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 93; MEC. VOL.1, PÁG.303; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG.564; ARTE NO BRASIL, PÁG. 738; LEONOR AMARANTE, PÁG. 98; JULIO LOUZADA VOL.1, PÁG. 179; artnet.com.



518 - EUGÊNIO LATOUR - (1874 - 1942)
-

Menina - pastel - - 47 x 34 cm - canto inferior direito - 1928 - Firenze.

Nascido e falecido na cidade do Rio de Janeiro, onde frequentou a ENBA a partir de 1894. Foi aluno de Rodolfo Amoedo, Zeferino da Costa e H. Bernardelli. Expôs no SNBA em diversas oportunidades, recebendo premiações, inclusive de viagem ao exterior. Latour é um pintor da expressão humana, e feminina sobretudo. Cada cabeça sua representa um estado de alma. Aqui tristeza, dor concentrada; ali a despreocupação e o coquetismo. Sua obra é graciosa, sensível e elegante. JULIO LOUZADA, Vol. pág.522, TEIXEIRA LEITE, pág. 278, PONTUAL, pág. 300, ITAÚ CULTURAL, ARTE NO BRASIL, pág. 556.



519 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD - (1896 - 1962)
-

Paisagem - desenho a nanquim - - 14 x 22 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e professor, nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Frequentou a ‘Königliche Akademie der Bildenden Künste’ [Real Academia de Belas Artes] de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. De 1931 a 1943 dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Em 1941 integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da I Bienal Internacional de São Paulo. Foi premiado no Rio de Janeiro (1924, 1929, 1940 - Prêmio de Viagem ao País, 1942, 1948, 1951) e em Buenos Aires, Argentina (1937). PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28.



520 - JUDITH LAUAND - (1922)
-

Composição - óleo sobre tela - - 60 x 60 cm - canto inferior direito e dorso - 1979.
- Reproduzido no convite deste leilão. - Com a seguinte inscrição no dorso: "Acervo 547 óleo A. tela 60 x 60 1979 judith lauand". -
Nasceu na cidade paulista de Pontal. Em 1950 formou-se em artes plásticas na Escola de Belas Artes de Araraquara-SP. Em 1952, já em São Paulo, estuda pintura com Domênico Lazzarini e gravura com Lívio Abramo. Integra o grupo paulista do movimento de arte concreta em 1955. Participa da Bienal Internacional de São Paulo, várias edições entre 1955 e 1969; Exposição Nacional de Arte Concreta, São Paulo, 1956; Tendências Construtivas no Acervo do MAC/USP, Rio de Janeiro, 1996; Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, São Paulo e Rio de Janeiro, 1998 e 1999. Na crítica de Mario Schenberg, ..." Judith Lauand permanece fiel a sua postura e trajetória concretista. Sua obra recente revela a densidade da composição, o apuramento do cromatismo, o equilíbrio do grafismo, conseguidos por constante pesquisa. Judith envereda agora por novos caminhos realizando obras que podem ser chamadas de assimétricas, onde o geometrismo da decomposição cromática destrói a ‘partição eqüilateral’ presente ao longo de sua obra, criando uma nova simetria. " (LAUAND, Judith. Judith Lauand : pinturas. Sao Paulo : Choice Galeria de Arte, 1986. p. 3). JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 479; ITAU CULTURAL.



521 - PERCY LAU - (1908 - 1972)
-

"Pescadores" - desenho a nanquim e aguada - - 17 x 24 cm - canto inferior esquerdo - c 1940.
Com etiqueta da Bolsa de Arte do Rio de Janeiro - Exposição Acervo - no dorso. -
Pintor e desenhista, Percy Lau foi artista sensível, mas não esqueceu o lado documental de sua profissão. BENEZIT, vol.6-pág.472; TEODORO BRAGA, pág. 192; PONTUAL- págs 300/01; MEC, vol. 2, pág. 443; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 602; ARTE NO BRASIL, pág. 879, Acervo FIEO.



522 - RODOLPHO AMOÊDO - (1857 - 1941)
-

Flores - aquarela - - 30 x 18 cm - canto inferior direito - .

Natural da cidade de Salvador, o artista chegou ao Rio de Janeiro no ano de 1868, ingressando, cinco anos depois, no Liceu de Artes e Ofícios e, em 1874, na Academia Imperial de Belas Artes, onde teria Vitor Meirelles, Agostinho da Mota e João Zeferino da Costa como mestres. Na Escola de Belas Artes de Paris, já estudante bolsista da Academia, aperfeiçoou-se com Cabanel e Puvis de Chavanes. De volta ao Rio de Janeiro, onde viria a falecer, destacou-se no exercício do magistério, como professor honorário e, posteriormente, como diretor da antiga Escola Nacional de Belas Artes. Dono de grande preciosismo técnico, Amoedo aborda com despojamento os mais delicados matizes nos seus temas, geralmente a figura humana. O MNBA possui em seu acervo mais de 300 obras do artista TEIXEIRA LEITE, 26/29; PONTUAL, pág. 24; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 411; ARTE NO BRASIL, pág. 566.; JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁGS. 58/59/60; F. ACQUARONE, pág. 101.



523 - DÉCIO SONCINI - (1953)
-

Nu - acrílico sobre tela - - 60 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 1989.

Pintor, desenhista e gravador, nascido em São Paulo, no dia 11/2/1953. Pertencente à nova geração de pintores paulistas, o autor cursou a Faculdade de Belas Artes de São Paulo, onde estudou também gravura, obras com conotações expressionistas, que o artista tem mostrado desde a sua estréia em 1975. Em critica, Antônio Zago tece os seguintes comentários sobre a sua obra: "...Décio Soncini trabalha com a memória. Em seu fundamento psicológico a memória é altamente seletiva, deixando apenas alguns detalhes nítidos, envoltos em uma névoa: a névoa do tempo (...)" . Recebeu diversas premiações, inclusive o de aquisição, no I Salão Paulista de Artes Plásticas e Visuais-SP (1980). JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 928/929



524 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Baianas - serigrafia - 156/200 - 57 x 76 cm - canto inferior direito - 1975.
Com autenticação no dorso. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



525 - BEATRIZ MILHAZES - (1960)
-

"O piano" - serigrafia - 15/100 - 72 x 50 cm - dorso - 1998.

Pintora, gravadora, ilustradora e professora. Forma-se em comunicação social pela Faculdade Hélio Alonso, no Rio de Janeiro, em 1981. Inicia-se em artes plásticas ao ingressar na Escola de Artes Visuais do Parque Lage - EAV/Parque Lage, em 1980, onde mais tarde leciona e coordena atividades culturais. Além da pintura, dedica-se também à gravura e à ilustração. De 1995 a 1996, cursa gravura em metal e linóleo no Atelier 78, com Solange Oliveira e Valério Rodrigues e, em 1997, ilustra o livro As Mil e Uma Noites à Luz do Dia: Sherazade Conta Histórias Árabes, de Katia Canton. Beatriz Milhazes participa das exposições que caracterizam a Geração 80 - grupo de artistas que buscam retomar a pintura em contraposição à vertente conceitual dos anos de 1970, e tem por característica a pesquisa de novas técnicas e materiais. Sua obra faz referências ao barroco, à obra de Tarsila do Amaral e Burle Marx, à padrões ornamentais e à art deco. Entre 1997 e 1998, é artista visitante em algumas universidades dos Estados Unidos. A partir dos anos 1990, destaca-se em mostras internacionais nos Estados Unidos e Europa e integra acervos de museus como o MoMa, Guggenheim e Metropolitan, em Nova York. ITAÚ CULTURAL.



526 - ANA CRISTINA ANDRADE - (1953)
-

"Caucaia" - gravura em metal - P. A.; 14/15 - 34 x 71 cm - canto inferior direito - 1983.
Complemento de técnica: ponta seca e maneira negra. Premiações desta gravura: 1984 - Prêmio "Cidade de Ribeirão" na categoria gravura no IX Salão de Arte de Ribeirão Preto, SP; 1984 - Prêmio aquisição na Mostra de Gravura "Cidade de Curitiba - Panamericana". -
Ana Cristina Andrade Moreira é pintora, gravadora, desenhista, professora e designer vidreira. Iniciou sua formação artística na Escola Superior de Arte Santa Marcelina, SP (1972-1975). Aprendeu gravura em metal (1980-1990) com Iole Di Natale; técnicas de gravura na Scuola Internazionale di Gráfica em Veneza, Itália (1983); Gravura Especial com Evandro Carlos Jardim, no MAC-SP (1991); Técnica Calcográfica Experimental com Mario Benedetti, na FASM-SP (1997); Vitrofusão com Roberto Bonino. Exposições individuais: São Paulo, SP (1984, 1987, 1995, 2003); Bauru, SP (1989); “Projeto Interior com Arte” – Museu Banespa (1998 – Exposição itinerante pelo interior do Estado de São Paulo). Coletivas: Epinal, França (1975); São Paulo, SP (1974, 1982, 1984, 1985, 1986, 1988, 1994, 1995, 2000, 2002 a 2004, 2012 – SP ESTAMPA); Santo André, SP (1982); Novo Hamburgo, RS (1982); Taiwan, China (1983, 1985); San Juan, Porto Rico (1983); Santos, SP (1983); Cabo Frio, RJ (1983); Ribeirão Preto,SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba,SP (1984); Veneza, Itália (1984, 1985); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986); Limeira, SP (1986); Washington D.C.,EUA (1991); Campos do Jordão, SP (1991); Kanagawa, Japão (1992); Maastricht, Holanda (1993); Illinois, EUA (1994); Cidade do México, México (1996); Jacareí, SP (1998); Budapeste, Hungria (1996); Uzice, Yuguslávia (1997); Ourense, Espanha (1994, 2006). Prêmios: São Paulo, SP (1974); Novo Hamburgo, RS (1982); Santos, SP (1983); Ribeirão Preto, SP (1984); Curitiba, PR (1984); Piracicaba, SP (1984); Campinas, SP (1985); São José do Rio Preto, SP (1986). JULIO LOUZADA, vol.1, pág. 62; vol.2, pág. 66; Acervo FIEO. ITAU CULTURAL.



527 - LOTHAR CHAROUX - (1912 - 1987)
-

Linhas - guache - - 23 x 16 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista e professor austríaco, natural de Viena. Assinava Charoux. Iniciou os estudos artísticos com seu tio, o escultor austríaco Siegfried Charoux. Transferiu-se para o Brasil em 1928, fixando residência em São Paulo. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios da cidade onde conheceu Valdemar da Costa, com ele fazendo aprendizado de pintura a partir de 1940. Posteriormente passa a lecionar desenho no Liceu de Artes e Ofícios e no SENAI. Em 1947, realizou sua primeira exposição individual, na Galeria Itapetininga. Em 1952, participou da fundação do Grupo Ruptura, ao lado de Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Anatol Wladyslaw e outros. Com Hermelindo Fiaminghi e Luiz Sacilotto , cria a Associação de Artes Visuais NT - Novas Tendências, em 1963. Realizou muitas exposições individuais e participou de várias mostras oficiais nacionais como a Bienal Internacional de São Paulo (I a IX, XII, XIII), Panorama da Arte Atual Brasileira (1º ao 3º, 6º, 9º, 11º, 12º) e no exterior. É homenageado com retrospectiva no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1974. Em 2005, é publicado o livro ‘Lothar Charoux: A Poética da Linha’, pela historiadora de arte Maria Alice Milliet. PONTUAL, PÁG. 131; MEC VOL. 1, PÁG. 433; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 254; VOL. 9, PÁG.207; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 645; ARTE NO BRASIL, PÁG. 798; ACERVO FIEO.



528 - FRANCISCO DA SILVA - (1910 - 1985)
-

Bichos - têmpera sobre tela - - 50 x 71 cm - canto inferior esquerdo - 1970.

Pintor e desenhista, Francisco Domingos da Silva nasceu em Alto Tejo, AC e faleceu em Fortaleza, CE. Filho de índio peruano com brasileira, ainda criança se fixou em Fortaleza, por volta de 1937, onde começou a desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes de casebres de pescadores. Na década de 40, sob o incentivo do crítico e pintor suíço Jean Pierre Chabloz, iniciou-se na pintura a guache juntamente com Chabloz, Antônio Bandeira e Inimá de Paula. O mesmo Jean Pierre lança-o em Paris. Entre 1961 e 1963, trabalhou no recém-criado Museu de Arte da UFCE. Expôs individualmente no Brasil a partir de 1943 e em diversas mostras coletivas no Brasil e exterior, com premiações, destacando-se a recebida na XXXIII Bienal de Veneza (1966). JULIO LOUZADA, VOL. 1 PÁG. 909; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE; ARTE NO BRASIL, ACERVO FIEO; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 478.



529 - JERÔNIMO EMÍLIO SEELINGER FLEURY - (1906 - XX)
-

Bananeiras - óleo sobre tela colada em eucatex - - 19 x 23 cm - canto inferior direito - 1926 - Rio.

Pintor nascido no Rio de Janeiro onde estudou no Liceu de Artes e Ofícios. Era sobrinho de Hélios Seelinger, foi seu discípulo e de Artur e João Timóteo da Costa. Participou de várias mostras coletivas e Salões oficiais no Rio de Janeiro (1926 a 1930, 1932, 1935,1944). Foi premiado em 1935 e em mais algumas edições. ITAU CULTURAL; MEC VOL. 2, PÁG. 179; JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 408, dezenovevinte.net/artistas.



530 - IVAN SERPA - (1923 - 1973)
-

Composição - óleo sobre tela - - 24 x 19 cm - dorso - 1968.
- Reproduzido no convite deste leilão.
Pintor, desenhista, gravador e professor, estudou com Axel Leskoschek no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oitica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Ivan Serpa possui invejável e extenso curriculum de vida artística, passando de exposições coletivas, a grandes retrospectivas de sua obras. Há um reconhecimento nacional da importância de sua atividade, tratando-se de um dos grandes artistas nacionais. PONTUAL, pág 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 605; ARTE NO BRASIL, pág. 840; LEONOR AMARANTE, pág. 26; Acervo FIEO.



531 - JOSÉ CLÁUDIO DA SILVA - (1932)
-

"Casa de farinha, as raspadeiras de mandioca" - óleo sobre eucatex - - 61 x 80 cm - canto superior direito - 1972.
Com etiquetas de "A Galeria", Rua Bela Cintra, 1533, São Paulo - SP, no dorso. -
Natural de Ipojuca-PE. Desenhista, gravador, escultor, crítico de arte e escritor, fixa residência em Recife- PE, onde em 1952 Funda o Ateliê Coletivo da Sociedade de Arte Moderna do Recife, ao lado de Abelardo da Hora (1924), Gilvan Samico (1928), Wellington Virgolino (1929 - 1988), entre outros. Primeira individual em 1956-São Paulo SP, no Clube dos Artistas e Amigos das Artes (Clubinho), e primeira coletiva em Recife-PE, 1954, na 1ª Exposição do Ateliê Coletivo. "José Cláudio é figurativista desde sempre, e pratica uma arte em que a emoção primeira sequer permite ou admite emendas e correções. Disso resulta certa impressão de desleixo e de mal-acabamento que por vezes inspira sua obra. No entanto, trata-se de efeitos deliberadamente obtidos, fruto de seu acentuado amor à matéria. Expressionista, fazendo uso de um desenho rigoroso, de uma pincelada larga e espontânea de um colorido profundo, do ponto de vista da temática José Cláudio debruçou-se sobre cenas e tipos regionais, sobre os costumes regionais e sobre a paisagem, as aves e as frutas do seu Nordeste, despojando-as, porém, de qualquer conteúdo pitoresco, para apenas se concentrar em sua expressão pictórica. Um sensual e um dionisíaco, hedonista que, segundo suas próprias palavras, diante de uma bela manga não sabe se deva pintá-la ou chupá-la, José Cláudio voltou-se também para a problemática da criação artística - como pintor, na série de grandes óleos que dedicou em começos da década de 1980 ao REPOUSO DO MODELO, de Almeida Júnior - desmembrado, rearticulado, reinterpretado em cada um de seus múltiplos aspectos formais e psicológicos -, e como escritor, historiador da arte pernambucana, num estilo tão pouco alambicado quanto sua pintura, (...)." José Roberto Teixeira Leite, na bibliografia abaixo. PONTUAL, pág. 283; JULIO LOUZADA, vol. 3, pág. 551/552; TEIXEIRA LEITE; ITAU CULTURAL.



532 - TOMMASSO DE VIVO - (1790 - 1884)
-

Monja costurando - óleo sobre tela - - 64 x 47 cm - canto inferior esquerdo - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor, desenhista e professor da Escola Italiana nascido em Roma e falecido em Nápoles. Foi professor do Instituto de Belas Artes e por toda sua vida, inspetor geral de todas as galerias reais. Pertenceu à Academia do Pantheon e à de Saint-Luc. Realizou muitas obras para o governo italiano e em vários edifícios públicos de Roma. BENEZIT VOL. 10, PÁG. 546; arcadja.com; liveauctioneers.com; artfact.com; artfact.com.



533 - MANUEL FARIA - (1895 - XX)
-

"Praia de Ramos" - óleo sobre tela - - 50 x 73 cm - canto inferior direito - 1959 - Rio de Janeiro.
Com carimbo do XLIV Salão Nacional de Belas Artes, no dorso. -
Pintor e professor. Estudou com Eurico Alves no Liceu de Artes e Ofícios do RJ. Em 1915 tranferiu-se para antiga ENBA, onde foi aluno de João Baptista da Costa, Lucilio de Albuquerque e Rodolfo Chambelland. Manoel Faria é pintor fiel às cores da natureza, aceitando os caprichos do cromatismo da terra brasileira. JULIO LOUZADA vol.1, pág.371, Acervo FIEO.



534 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 24 x 34 cm - canto inferior direito - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



535 - VICTÓRIO SINIGAGLIA - (XIX - XX)
-

Ceifador - escultura em bronze - - h = 66 cm - base - 1904.

Escultor e professor ativo em São Paulo com diversas participações em mostras coletivas e Salões oficiais como: Salão Paulista de Belas Artes, São Paulo (1937, 1959, 1963, 1965,1980). Foi premiado em 1959, 1963, 1965 (1º Prêmio do Estado). A Pinacoteca do Estado possui uma obra em seu acervo e há uma escultura sua: ’Padre José de Anchieta’, localizada no cruzamento da Avenida Paes de Barros com a Rua da Mooca em São Paulo. ITAÚ CULTURAL; MEC VOL. 4, PÁG. 287; pinacoteca.org.br; www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/upload/Inventario_de_Esculturas.



536 - IVAN SERPA - (1923 - 1973)
-

Mulheres - aquarela - - 60 x 30 cm - canto inferior direito - .
Com certificado de autenticidade emitido pelo filho do artista. -
Pintor, desenhista, gravador e professor, estudou com Axel Leskoschek no Rio de Janeiro. Participou da Divisão Moderna do SNBA (1947-1951). Foi um dos precursores do concretismo no Brasil, criando ao lado de Aluisio Carvão, Lígia Clark, Hélio Oitica e outros o Grupo Frente, que se manteve ativo de 1954 a 1956, inclusive com exposições no Rio de Janeiro. Ivan Serpa possui invejável e extenso curriculum de vida artística, passando de exposições coletivas, a grandes retrospectivas de sua obras. Há um reconhecimento nacional da importância de sua atividade, tratando-se de um dos grandes artistas nacionais. PONTUAL, pág 486; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 605; ARTE NO BRASIL, pág. 840; LEONOR AMARANTE, pág. 26; Acervo FIEO.



537 - HAROLDO AMAZONAS - (1905 - SÉC. XX)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 81 x 102 cm - canto inferior direito - .
Procedente da coleção Dr. Waldemar Teixeira de Carvalho - São Paulo, SP. -
Pintor, desenhista, engenheiro e arquiteto nascido em Taubaté, SP. Assina H. Amazonas. Filho do pintor Clodomiro Amazonas. Formou-se na Escola de Belas Artes em 1935. Expôs individualmente em 1950, participou de várias edições do Salão Paulista e de mostras na cidade de São Vicente, SP. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA VOL. 3, PÁG. 45.



538 - RUBEM VALENTIM - (1922 - 1991)
-

"Emblema 87" - acrílico sobre tela - - 35 x 50 cm - dorso - 1987.

Baiano de Salvador, autodidata, Rubem Valentin pinta desde meados de 1940. Sua primeira coletiva foi em 1949, no Salão Baiano de Belas Artes, do qual participaria outras vezes, recebendo premiações. Viveu no Rio de Janeiro e na Europa, fixando residência permanente em Brasil, DF, há mais de 20 anos. O artista assim explicava a sua arte: "Minha linguagem plástico-visual signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira (mestiça-animista-fetichista). Com o peso da Bahia sobre mim - a cultura vivenciada; com o sangue negro nas veias - o atavismo; com os olhos abertos para o que se faz no mundo - a contemporaneidade; criando os meus signos-símbolos procuro transformar em linguagem visual o mundo encantado, mágico, provavelmente místico que flui continuamente dentro de mim". PONTUAL, pág.532; WALMIR AYALA, vol.2, págs.395 a 397; TEIXEIRA LEITE, pág.517; MEC, vol.4, pág.443; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 682; ARTE NO BRASIL, pág. 874; LEONOR AMARANTE, pág. 257, Acervo FIEO.



539 - FERNANDO ODRIOZOLA - (1921 - 1986)
-

Mulher - óleo sobre eucatex - - 94 x 70 cm - canto inferior direito - 1981.

Fernando Pascual Odriozola nasceu em Oviedo, Espanha e faleceu em São Paulo. Pintor, desenhista e gravador. Começou a pintar em 1936. Veio para o Brasil em 1953 e fixou residência em São Paulo. No ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual na Galeria Portinari. O Museu de Arte Moderna de São Paulo dedicou-lhe outra individual, em 1955. Na década de 1960, lecionou no Instituto de Arte Contemporânea da Fundação Armando Álvares Penteado e colaborou como ilustrador nos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de S. Paulo, e na revista Habitat. Em 1964, integrou, com Wesley Duke Lee , Yo Yoshitome e Bin Kondo , o Grupo Austral, ligado ao movimento internacional Phases. Participou das 7ª, 8ª, 9ª, 12ª, 13ª, 14ª, 15ª e 18ª Bienais Internacionais de São Paulo onde foi premiado na 7ª, 8ª, e 14ª edição; da 7ª Bienal de Tóquio; dos 2º e 5º Panoramas da Arte Atual Brasileira, entre outras. No ano de seu falecimento, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) realizou uma exposição retrospectiva póstuma em sua homenagem. JULIO LOUZADA VOL.11, PÁG. 231; MEC VOL.3, PÁG.291; PONTUAL PÁG. 389; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 737; ARTE NO BRASIL PÁG.907; LEONOR AMARANTE PÁG. 143; ACERVO FIEO.



540 - ANTONIO GOMIDE - (1895 - 1967)
-

Mangue - aquarela - - 16 x 24 cm - canto inferior direito - .
- Reproduzido no convite deste leilão.
Pintor nascido em Itapetininga e falecido em São Paulo. Gomide estudou com o grande Hodler em Genebra, 1915 a 1918, e mais tarde, já em Paris, ligou-se a Picasso e aos cubistas que iriam influenciá-lo. Voltando ao Brasil em 1926, integrou-se ao movimento de renovação de nossas artes plásticas, conservando-se até morrer fiel aos postulados e cubistas de sua mocidade. Em 1968 o Museu de Arte Contemporânea dedicou-lhe importante retrospectiva. THEODORO BRAGA, pág.110, REIS JUNIOR, pág.377; PONTUAL, pags 244/245; MEC, vol.2, pág.275; WALMIR AYALA, vol.1, págs.353 a 355, ART PRINCE ANNUAL 2000, pág.955; TEIXEIRA LEITE, pág.222; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 548; ARTE NO BRASIL, pág. 694; Acervo FIEO.



541 - SÉRVULO ESMERALDO - (1929)
-

Composição - gravura - E. A. - 57 x 44 cm - canto inferior direito - .

Cearense de Crato, onde nasceu a 27 de fevereiro de 1929. Escultor e gravador. Importante representante da arte nacional. Expõe individualmente desde 1951, em São Paulo, Rio e Ceará. Participa de coletivas nacionais a partir de 1974 (MAC-SP) e internacionais a partir de 1956 (Cracóvia). É artista de extenso curriculum de exposições e premiações. Tem reconhecimento e cotação internacional. JULIO LOUZADA vol. 4 pág. 365; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 855; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 703; LEONOR AMARANTE, pág. 75.



542 - TADASHI KAMINAGAI - (1899 - 1982)
-

Paisagem - óleo sobre papel - - 37 x 32 cm - canto inferior direito - .

Grande pintor japonês da Escola de Paris, amigo de Marquet, Vlaminch e Déiran, entre outros, passou no Brasil praticamente toda a década de 1940, aqui se ligando de amizades a pintores como Portinari, Pancetti e Djanira, e iniciando na arte vários jovens pintores de ascendência nipônica, como Flávio Shiró Tanaka, por exemplo. Autor de paisagem, naturezas mortas e retratos de excelente qualidade pictórica, Kaminagai veio freqüentes vezes ao Brasil, onde expôs com enorme sucesso. TEODORO BRAGA, pág.134; BENEZIT, vol.6, pág.152; WALMIR AYALA, vol.1, pág.435 e 437; MEC, vol.2, pág.401; PONTUAL, pág.287; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 643; ARTE NO BRASIL; Acervo FIEO.



543 - ALDO BONADEI - (1906 - 1974)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 33 x 24 cm - canto inferior esquerdo - 1928.
Com etiqueta de Grifo Galeria de Arte - Alameda Jaú, 1709, São Paulo - SP, no dorso. -
Estudou com Pedro Alexandrino (1923 a 1928) e aperfeiçoou-se na Itália. Integrou o Grupo Santa Helena, com Rebolo, Zanini, Rosa, Graciano, Pennacchi (1935) e participando em 1937 de exposições da Família Artística Paulista. Pintou paisagens e naturezas mortas, com composição estruturada no cubismo. MEC, vol. 1, pág. 247; PONTUAL, págs. 78/79; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1041; ART PRICE ANNUAL 2000, pág. 258; TEIXEIRA LEITE, pág. 79; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 586; LEONOR AMARANTE, pág. 72; Acervo FIEO.



544 - OSCAR NIEMEYER - (1907 - 2012)
-

Estudo para Palácio da Alvorada-Brasília, DF - desenho a nanquim - - 12 x 20 cm - canto inferior esquerdo - .

Oscar Niemeyer Soares Filho nasceu no Rio de Janeiro. Arquiteto, gravador e urbanista. Forma-se em arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes - ENBA, Rio de Janeiro, em 1934. Nesse ano, passa a freqüentar o escritório do arquiteto e urbanista Lucio Costa. Em 1936, integra a comissão criada para definir os planos da sede do Ministério da Educação e Saúde, no Rio de Janeiro, com a supervisão do arquiteto suíço Le Corbusier, a quem assiste como desenhista. Entre 1940 e 1944 projeta o conjunto arquitetônico da Pampulha, Belo Horizonte - MG, que se configura como um marco de sua obra, pois rompe com os conceitos rigorosos do funcionalismo e utiliza uma linguagem de formas novas, de superfícies curvas, explorando as possibilidades plásticas do concreto armado. Em 1947, é convidado pela Organização das Nações Unidas - ONU a participar da comissão de arquitetos encarregada de definir os planos de sua futura sede em Nova York. Seu projeto, associado ao de Le Corbusier, é escolhido como base do plano definitivo. No Rio de Janeiro, em 1955, funda a revista ‘Módulo’ e no ano seguinte começa a colaborar na construção da nova capital do Brasil, Brasília, cujo plano urbanístico é confiado a Lucio Costa. Participou da I e II Bienal Internacional de São Paulo. Em 1965 é realizada uma retrospectiva sua no Museu do Louvre, Paris, a primeira dedicada a um arquiteto. Projetou inúmeras obras pelo mundo e recebeu vários prêmios. O Parque Ibirapuera (1951), São Paulo, também foi um dos seus grandes projetos. ITAU CULTURAL; JULIO LOUZADA, VOL.5, PÁG.744; VOL.6, PÁG.785; MEC, VOL.3, PÁG. 263; DICIONÁRIO OXFORD; www.niemeyer.org.br.



545 - TIKASHI FUKUSHIMA - (1920 - 2001)
-

Composição - óleo sobre tela - - 20 x 28 cm - canto inferior esquerdo - .
Com etiqueta n° C9069 de "Renot escritório de prestação de serviços para o mercado de Arte", São Paulo - SP. -
Pintor e gravador, natural da cidade japonesa de Fukushima, faleceu em São Paulo. Veio para o Brasil em 1940, fixando-se em Lins, SP. Recebendo influência de Manabu Mabe, começou a se interessar por pintura. Em 1946, seguiu para o Rio de Janeiro, onde estudou com Tadashi Kaminagai e, entre 1947 e 1948, frequentou aulas na Escola Nacional de Belas Artes. Em 1949, mudou-se para São Paulo e montou uma oficina de molduras no que passou a ser ponto de encontro dos artistas de tendências afins e que formaram, em 1950, o Grupo Guanabara. Nesse período, integrou também o Grupo Seibi. Entre 1977 e 1990, foi presidente da Comissão de Artes Plásticas da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa. Em 1979, foi membro da Comissão de Artes da Fundação Brasil-Japão de Artes Plásticas. Realizou muitas exposições individuais e participou de diversas mostras coletivas e Salões oficiais no Brasil e pelo mundo. Em 2001, a Pinacoteca do Estado de São Paulo, exibiu uma mostra retrospectiva de sua obra. JULIO LOUZADA, VOL. 13 PÁG. 141; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 210; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 644; LEONOR AMARANTE, PÁG. 383; artnet.com; arcadja.com.



546 - MARIO GRUBER - (1927 - 2011)
-

"Série fantasiados" - óleo sobre tela - - 70 x 70 cm - canto inferior direito e dorso - 2008.
Com declaração de autenticidade firmada pelo autor em 5 de abril de 2008, em São Paulo, SP. -
Pintor e gravador, Gruber foi um dos principais artistas de São Paulo desde quando, ainda muito jovem, tomou parte no Grupo dos 19. PONTUAL, pág. 253; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 370; MEC, vol. 1, pág. 466; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 448; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág.649; ARTE NO BRASIL, pág. 803; LEONOR AMARANTE, pág. 376; Acervo FIEO.



547 - MANOEL SANTIAGO - (1897 - 1987)
-

Marinha - óleo sobre cartão - - 22 x 30 cm - canto inferior direito e dorso - .

Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago nasceu em Manaus, AM e faleceu no Rio de Janeiro. Pintor, desenhista e professor. Mudou-se para Belém em 1903 e iniciou estudos de pintura. Desde 1916 já praticava a arte não figurativa. Em 1919 transferiu-se para o Rio de Janeiro, cursou Direito e frequentou a Escola Nacional de Belas Artes, onde foi aluno de Rodolfo Chambelland e Baptista da Costa. Na época, teve aulas particulares com Eliseu Visconti. Foi casado com a pintora Haydeá Santiago. Participou em 1927 do Salão Nacional de Belas Artes e recebeu o prêmio viagem ao exterior, entre vários outros. Foi para Paris no ano seguinte, e lá permaneceu por cinco anos. De volta ao Rio de Janeiro, em 1932, tornou-se professor do Instituto de Belas Artes. Em 1934, passou a lecionar pintura e desenho no Núcleo Bernardelli, figurando entre seus alunos José Pancetti, Edson Motta, Bustamante Sá, Ado Malagoli, Rescála e Milton Dacosta. Participou da I Bienal Internacional de São Paulo (1951) e do 8º Panorama da Arte Brasileira (1976). PRIMORES DA PINTURA NO BRASIL, VOL. 1, PÁG. 241; TEODORO BRAGA, PÁG. 211; CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DE PAISAGEM BRASILEIRA, MEC-MNBA /RIO/1944; MAYER/84, PÁG. 1158; REIS JR, PÁG. 378; PONTUAL, PÁG. 473; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 292; ITAÚ CULTURAL, JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 865; ACERVO FIEO.



548 - ROSINA BECKER DO VALLE - (1914 - 2000)
-

"Morro" - óleo sobre tela - - 50 x 61 cm - centro inferior e dorso - 1966.

Foi aluna de Ivan Serpa, no Atelier Livre de Pintura do MAM-RJ. Pintora ingênua ou naif, Rosina tem como principais temas as manifestações populares, como carnaval, capoeira, etc. Participa de coletivas oficiais desde 1957 (Salão Nacional de Arte Moderna-RJ). Diversas instituições possuem obras suas em acervo, tais como MAM-RJ, MAM-SP, Museu de Buenos Aires, Museu de Hamburgo, Alemanha, Fundação Castro Maia-RJ. etc WALMIR AYALA, vol. 2, pág. 401; MEC, vol. 4, pág. 441; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 330; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810.



549 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

A partida - serigrafia - 156/200 - 56 x 76 cm - canto inferior direito - 1975.
Com autenticação no dorso. -
Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



550 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD - (1896 - 1962)
-

Flores - guache - - 24 x 19 cm - canto inferior direito - 1949.
- Acompanha nota fiscal de compra em leilão n° 8136 datada de 3 de março de 2004 do Espaço Urca Arte Ltda. Rua Conde de Irajá, 612, Botafogo - Rio de Janeiro, RJ. Reproduzido no convite e na quarta capa do catálogo deste leilão. -
Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e professor, nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Frequentou a ‘Königliche Akademie der Bildenden Künste’ [Real Academia de Belas Artes] de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. De 1931 a 1943 dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Em 1941 integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da I Bienal Internacional de São Paulo. Foi premiado no Rio de Janeiro (1924, 1929, 1940 - Prêmio de Viagem ao País, 1942, 1948, 1951) e em Buenos Aires, Argentina (1937). PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28.



551 - DJANIRA DA MOTTA E SILVA - (1914 - 1979)
-

Vendedor de balões - guache - - 43 x 32 cm - canto inferior direito - 1953.

Pintora, desenhista e gravadora, natural de Avaré, SP. Foi aluna de Marcier. A partir de 1942 participa do SNBA, recebendo premiação em 1943, 1944 e 1950. Realizou exposições individuais. Participou de diversas coletivas e salões de arte, nacionais e internacionais, com excelente recepção da crítica especializada. Diz-se que sua pintura é ingênua, mas ela declarava que ingênua, era ela mesma. JULIO LOUZADA vol.1, pág. 336; PONTUAL, pág. 181; TEIXEIRA LEITE, pág. 164; MEC, vol. 2, pág 58; WALMIR AYALA, vol. 1, pág, 263; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 810; ARTE NO BRASIL, pág. 824; Acervo FIEO.



552 - OTTONE ZORLINI - (1891 - 1967)
-

Parati - óleo sobre tela - - 33 x 41 cm - canto inferior esquerdo - 1966.

Pintor e escultor nascido na Itália e falecido em São Paulo, onde se radicou na década de 1920. Ottoni Zorlini destacou-se como paisagista e pintor de figuras, num estilo afim ao de Volpi e ao de outros ilustres componentes da hoje célebre Família Artística Paulista, cuja obra muito ajudou a difundir. MEC, vol. 4, págs. 534 e 535; PONTUAL, pág. 559; Catálogo de Pintores Italianos no Brasil, SOCIARTE/82; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 623.



553 - MARIO ZANINI - (1907 - 1971)
-

"O velho e o novo" - óleo sobre tela - - 40 x 56 cm - canto inferior direito - 1962.

Pintor, decorador, ceramista, professor, Mário Zanini nasceu e faleceu em São Paulo. Foi um dos integrantes de dois importantes movimentos artísticos considerados históricos na pintura paulista: o Grupo Santa Helena e a Família Artística Paulista. Sua formação artística se deu em São Paulo quando aos 13 anos iniciou curso de pintura da Escola Profissional Masculina do Brás e de 1924 a 1926, matriculou-se no curso de desenho e artes do Liceu de Artes e Ofícios. Conheceu Alfredo Volpi em 1927 e no ano seguinte estudou com o pintor Georg Elpons. Trabalhou no escritório de decoração de Francisco Rebolo entre 1933 e 1938. Em 1940 recebeu medalha de prata no 46º Salão Nacional de Belas Artes e foi convidado por Rossi Osir a trabalhar em seu ateliê de azulejos artísticos, o Osirarte. Em 1950, viajou por seis meses pela Itália, em companhia de Volpi e Osir. A partir de 1968 lecionou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de vários Salões oficiais e mostras coletivas no Brasil, como I e III Bienal Internacional de São Paulo e no exterior. Sua família doou 108 de suas obras ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 1974. MEC, VOL. 4, PÁG. 531; PONTUAL, PÁG. 557; TEODORO BRAGA, PÁG. 250; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 451; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 778; LEONOR AMARANTE, PÁG.38; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 1085; ACERVO FIEO.



554 - JOSÉ ANTONIO DA SILVA - (1909 - 1996)
-

"Luar do sertão" - óleo sobre tela - - 70 x 100 cm - canto inferior direito e dorso - 1976.
Procedente da família do autor. -
Considerado por muitos críticos e colecionadores como o mais típico dos nossos pintores ingênuos, Silva foi o intérprete da cena rural de São Paulo, num estilo expontâneo em que assomam, por vezes, soluções plásticas inesperadas. MEC, vol. 4, pág. 256; PONTUAL, pág. 493 e 494; TEIXEIRA LEITE, pág. 478; JULIO LOUZADA, vol. 2, pág. 958; ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 958; BENEZIT, vol. 9, pág. 602; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 227; ITAU CULTURAL; LEONOR AMARANTE, pág. 171; Acervo FIEO.



555 - ANTONIO MALUF - (1926 - 2005)
-

Composição - guache - - 32 x 32 cm - canto inferior direito - 1954.

Nasceu em São Paulo, onde formou-se em engenharia. Estudou no Instituto de Arte Contemporânea do MASP, orientando-se desde o início pela vertente da arte construtiva. Em 1951 obteve o prêmio de cartaz da I Bienal de São Paulo, da qual participou. TEIXEIRA LEITE, pág. 306; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 654; ARTE NO BRASIL, pág. 930; LEONOR AMARANTE, pág. 12; Acervo FIEO.



556 - ALFREDO CESCHIATTI - (1918 - 1989)
-

Justiça - escultura em bronze - - h = 14 cm - assinado - .
Escultura em tamanho reduzido da obra que fica na Praça dos Três Poderes, Brasília - DF. -
Natural de Belo Horizonte. Escultor, desenhista e professor. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1940, depois de uma viagem à Europa, especialmente Itália, iniciada em 1938. Na Divisão Moderna do SNBA recebeu, como escultor as medalhas de bronze (1943) e de prata (1944), bem como o prêmio de viagem ao estrangeiro (1945), com o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, da Pampulha, em Belo Horizonte e, como desenhista, a medalha de prata (1945). Esteve mais uma vez na Europa entre 1946 e 1948, anos em que realizou exposição individual no Instituto dos Arquitetos do Brasil (GB). Figurou na II BSP e no II SNAM, em 1953. Fazendo parte da equipe que, em 1956, venceu o concurso de projetos para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial (GB), ali executou o conjunto alusivo às três forças armadas. Integrou a Comissão Nacional de Belas Artes em 1960 e 1961, e entre 1963 e 1965, lecionou escultura e desenho na Universidade de Brasília. Quirino Campofiorito citou-o no estudo Ëscultura Moderna no Brasil"(Revista Crítica de Arte, nº único 1962). De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se as esculturas As Banhistas e A Justiça, que se encontram, respectivamente, no lago em frente ao Palácio da Alvorada e defronte ao Supremo Tribunal Federal (Praça dos Três Poderes), em Brasília. Há ainda, obras escultóricas de sua autoria, entre outras no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ministério das Relações Exteriores (Brasília) e em um edifício que Oscar Niemeyer projetou no conjunto residencial Hansa (setor ocidental de Berlim), assim como na embaixada brasileira em Moscou. MEC, vol. 1, pág. 397; PONTUAL, pág. 127; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 70; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 609; ARTE NO BRASIL, pág. 872.



557 - EMILIANO DI CAVALCANTI - (1897 - 1976)
-

Mulata - desenho a nanquim - - 10 x 17 cm - centro inferior - .

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo nasceu no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Iniciou sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. Em 1917, residiu em São Paulo, onde frequentou o curso de Direito no Largo São Francisco e o ateliê de Georg Elpons. Conviveu com artistas e intelectuais paulistas como Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, entre outros. Foi o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expôs 12 obras. Em 1923, fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequentou a Academia Ranson, instalou ateliê e conheceu obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso, Georges Braque, Fernand Léger, Henri Matisse, Jean Cocteau e Blaise Cendrars. Voltou a São Paulo em 1926, trabalhou como jornalista e ilustrador no jornal Diário da Noite. Em 1931, participou do Salão Revolucionário e, no ano seguinte, fundou em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Antonio Gomide e Carlos Prado, o Clube dos Artistas Modernos (CAM). Em 1938 viajou a Paris, onde trabalhou na rádio Diffusion Française nas emissões Paris Mondial. Retornou ao Brasil em 1940, trabalhou como ilustrador, e publicou poemas e memórias de viagem. Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras mostras e Salões oficiais, entre os quais: Bienal de Veneza (1950, 1956), Bienal Internacional de São Paulo (1951, 1953, 1963, 1971). Foi premiado em: Paris (1937), Trieste, Itália (1956), México (1960 - Bienal Interamericana). Muitas exposições póstumas também já foram realizadas. REIS JR., PÁGS. 378/379; TEODORO BRAGA, PÁG. 82; MEC, VOL. 2, PÁGS. 53 E 54; PONTUAL, PÁGS. 176 A 178; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁGS. 256 E 257; ART SALES, VOL.1, PÁG. 207; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; LEONOR AMARANTE, PÁG. 12, ACE



558 - SAMSON FLEXOR - (1907 - 1971)
-

Composição - desenho a nanquim e aquarela - - 27 x 50 cm - canto inferior direito - 1952.

Pintor nascido na Romênia, estudou em Paris, onde fez em 1927 sua primeira individual, radicando-se em 1946 em São Paulo, onde faleceu. Foi um dos pioneiros do abstracionismo no Brasil, tendo criado em 1948 o Atelier Abstração. Em 1968 sua obra foi objeto de importante retrospectiva no MAM-RJ. BENEZIT vol. 4, pág. 402; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 313/4; TEIXEIRA LEITE, pág. 198; PONTUAL, pág. 217/8; MEC, vol. 2, pág. 179 e 180; ITAU CULTURAL; ARTE NO BRASIL, pág. 917; LEONOR AMARANTE, pág. 75; WALTER ZANINI, pág. 643, Acervo FIEO.



559 - OMAR PELEGATTA - (1925 - 2000)
-

Casario - óleo sobre tela - - 92 x 73 cm - canto inferior esquerdo - .

Italiano da Lombardia, PELLEGATTA foi pintor e gravador dedicado a temas sacros e casarios coloniais. Em sua obra, o ser humano é apresentado sempre de modo idealizado, na figura de ternas madonas, santos, coroinhas e cavaleiros. Participou de diversas coletivas e salões, a partir de 1957, recebendo premiações em sua maioria. JULIO LOUZADA, vol. 1, pág.735; MEC vol.3, pág.363; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



560 - SERGIO CAMARGO - (1930 - 1990)
-

Composição - Escultura em mármore de Carrara - - cm - não assinado - .
- Reproduzido no convite e na capa do catálogo deste leilão. - Dimensões: 72 cm x 8 cm (diametro). Base: 3 x 20 x 20 cm. Com certificado de autenticidade firmado por Raquel Arnaud. Clique aqui para ver o certificado. Versão em menor tamanho de obra presente em fotografia da exposição de Sergio Camargo realizada no MASP em 1980/81, presente na página 94 do livro "Raquel Arnaud e o olhar contemporâneo".
Escultor nascido e falecido no Rio de Janeiro, RJ. Inicia sua formação em artes aos 16 anos, na Academia Altamira, em Buenos Aires, sob orientação de Emilio Pettoruti e Lucio Fontana. Em 1948, viaja para a Europa, onde entra em contato com a obra dos escultores Constantin Brancusi, Hans Arp e Georges Vantongerloo. Na França, frequenta o curso de filosofia na Sorbonne e estuda com Gaston Bachelard. Em 1953, volta ao Brasil e, no ano seguinte, expõe no Salão Nacional de Arte Moderna, no Rio de Janeiro. Ainda em 1954, realiza suas primeiras esculturas figurativas em bronze. Em 1961, passa a residir em Paris, onde frequenta o curso de sociologia da arte com Pierre Francastel, na ‘École Pratique des Hautes Études’ e realiza suas primeiras experimentações com estruturas irregulares, em gesso, areia e tecido. Retorna ao Rio de Janeiro em 1974. Realiza diversas obras para espaços públicos, entre elas: muro estrutural para o Palácio do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; Tríptico para o Banco do Brasil de Nova York; coluna ’Homenagem a Brancusi’ para a Faculdade de Medicina de Bourdeaux, França; escultura na Praça da Sé, São Paulo, e monumento para o Parque da Catacumba, Rio de Janeiro. Realizou muitas exposições individuais e participou de diversas mostras e Salões oficiais no Brasil e pelo mundo como: Bienal Internacional de São Paulo (1955, 1957, 1963, 1965 - Prêmio Melhor Escultor Nacional, 1975, 1979, 1989); Panorama da Arte Atual Brasileira - MAM, SP (1975, 1978, 1981, 1985); Bienal de Veneza (1966 - Sala Especial, 1982); Documenta de Kassel, Alemanha (1968); Bienal de Paris (1963 - Prêmio Internacional de Escultura). ITAU CULTURAL; BENEZIT VOL. 2, PÁG. 472; MEC VOL. 1, PÁG. 329; PONTUAL PÁG. 101; JULIO LOUZADA VOL. 2, PÁG. 200; web.artprice.com.



561 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Gato azul - acrílico sobre tela - - 80 x 60 cm - canto inferior esquerdo e dorso - 2003 - São Paulo, SP.
Com certificado de autenticidade emitido pelo Estúdio Aldemir Martins. -
Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.



562 - RENOT - (1932)
-

"Na janela" - técnica mista - - 23 x 18 cm - canto superior direito e dorso - 1980.

Tapeceiro, desenhista e pintor baiano, ativo em São Paulo desde 1978, com diversas premiações, exposições e leilões. Também atua no mercado de arte como "marchand". JULIO LOUZADA vol.1, pág. 816, Acervo FIEO.



563 - IONE SALDANHA - (1921 - 2001)
-

Composição - guache - - 21 x 25 cm - canto inferior direito - .

Gaúcha de Alegrete, faleceu na cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde residiu e foi ativa. Pintora, escultora e desenhista, realizou seus primeiros estudos no Rio de Janeiro, no ateliê de Pedro Luís Corrêa de Araújo, em 1948. Estudou a técnica de afresco em Paris, na Académie Julian, e em Florença, na Itália (1951). Inicialmente, produz obras figurativas, como cenas cotidianas e retratos. Realiza também uma série de pinturas de casarios, em que enfatiza a geometria. Posteriormente, sua produção adquire um caráter abstrato. No fim da década de 1960, passa utilizar novos suportes, abandonando a superfície bidimensional, e pintando sobre ripas, carretéis (bobinas de madeira para cabos elétricos) e bambus. Participa de várias edições da Bienal de São Paulo, com prêmio aquisição em 1967, e sala especial em 1975 e 1979. Em 2001, ano de seu falecimento, é realizada a retrospectiva Ione Saldanha e a Simplicidade da Cor, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói - MAC/Niterói. "O que logo impressiona no desdobramento da pintura de Ione Saldanha, a partir da segunda metade dos anos 40, é a coerência interna do percurso, o rumo ordenado e lógico que a tem feito deslocar-se de um a outro ponto sem abandonar a concentração do interesse em alguns poucos problemas básicos (...). Na obra dos últimos 20 anos, Ione Saldanha, sem sair de seu casulo, alinhou-se numa via frequente da pintura contemporânea". PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. JULIO LOUZADA, vol. 5, pág. 916, 917 e 918; ITAUCULTURAL; RGS, pág. 263/264



564 - TARSILA DO AMARAL - (1886 - 1973)
-

Paisagem Antropofágica - desenho a lápis - - 11 x 20 cm - canto inferior esquerdo - .
Procedente da coleção do crítico de arte José Henrique Fabre Rolim, São Paulo. -
Pintora, escultora e desenhista que nasceu em Capivari, SP e faleceu em São Paulo. Assina Tarsila. Na capital paulista, estudou escultura com William Zadig e Mantovani, teve aulas de pintura e desenho com Pedro Alexandrino, onde conheceu Anita Malfatti . Ambas tiveram aulas com o pintor Georg Elpons. Em 1920 viajou para Paris e estudou na Académie Julian e com Émile Renard. Ao retornar ao Brasil formou em 1922, em São Paulo, o Grupo dos Cinco, com Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. Em 1923, novamente em Paris, frequentou o ateliê de André Lhote , Albert Gleizes e Fernand Léger. No ano seguinte, já no Brasil, com Oswald de Andrade, Olívia Guedes Penteado, Mário de Andrade e outros, acompanhou o poeta Blaise Cendrars, que conheceu em Paris, em viagem às cidades históricas de Minas Gerais. Realizou uma série de trabalhos baseados em esboços feitos durante a viagem. Nesse período, iniciou a chamada fase pau-brasil e, em 1925, ilustrou o livro de poemas ‘Pau-Brasil’, de Oswald de Andrade, publicado em Paris. Em 1928, pintou ‘Abaporu’, tela que inspirou o movimento antropofágico, desencadeado por Oswald de Andrade e Raul Bopp. Tarsila participou da I Bienal de São Paulo em 1951, teve sala especial na VII Bienal de São Paulo e participou da Bienal de Veneza em 1964. A retrospectiva ‘Tarsila: 50 Anos de Pintura’, organizada pela crítica de arte Aracy Amaral e apresentada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em 1969, ajudou a consolidar a importância da artista. TEODORO BRAGA, PÁG. 220; REIS JR. PÁG. 388; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 365; MEC, VOL. 4, PÁG. 370; PONTUAL, PÁG. 511; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 492; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 389; ARTE NO BRASIL, PÁG. 577; LEONOR AMARANTE, PÁG. 24; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG.958; VOL. 4, PÁG. 1081; DICIONÁRIO OXFORD PÁG. 517; www.tarsiladoamaral.com.br.



565 - VITTÓRIO GOBBIS - (1894 - 1968)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo - .

Natural de Treviso, Itália. Iniciou seus estudos na terra de origem, tendo após fixado residência em São Paulo, onde foi pintor atuante. Obteve diversas premiações nos Salões Paulistas, no SNBA e no Salão Paulista de Arte Moderna. Participou da I e II Bienais de São Paulo. O MNBA e o MASP possuem obras deste festejado pintor. MEC, vol.2, pág.271; TEIXEIRA LEITE, pág. 220; PONTUAL, pág.240; WALMIR AYALA, vol.1, pág.350; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL, pág. 777, Acervo FIEO.



566 - J. CARLOS - (1884 - 1950)
-

"O falsário e a Política" - desenho a nanquim e aquarela - - 41 x 30 cm - canto inferior direito - .
Capa da revista "O Malho". -
Nasceu e faleceu no Rio de Janeiro. Foi pintor, desenhista, ilustrador e caricaturista. Realizou mais de cem mil desenhos, não se conhecendo um único ruim. Observador arguto, retratou com maestria e humor o cotidiano de sua cidade natal, da qual, consta, ausentou-se por duas únicas ocasiões. JULIO LOUZADA vol. 10, pág. 181; CARICATURISTAS BRASILEIROS, de Pedro Corrêa do Lago, pág. 74; WALTER ZANINI, pág. 448; ARTE NO BRASIL, pág. 646.



567 - GUSTAVO DALL'ARA - (1865 - 1923)
-

Barcos - óleo sobre cartão - - 16 x 23 cm - canto inferior esquerdo - 1903.

Pintor italiano, ilustrador e caricaturista. Realizou sua formação artística na Academia de Belas Artes de Veneza, estudando com Villa, Franco Dall'ara e Deslandes. Por volta de 1889, veio radicar-se no Rio de Janeiro, como convidado para ilustrar um dos jornais cariocas da época e também por motivos de saúde. Paisagista e marinhista, dedicou-se a fixar aspectos do Rio antigo. Nogueira da Silva chamou-o o pintor da cidade, "tanto se entregara ele, o bizarro e macambúzio, Gustavo Dall'ara, ao urbanismo pictural da metrópole. MEC, vol. 2, pág. 14; REIS JR., pág. 270; PONTUAL, pág. 157; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 234; Catálogo da Exp. De Paisagem Brasileira - Min. Da Educ. e Saúde - MNBA/Rio/1944 ; LAUDELINO FREIRE, pág. 388; TEODORO BRAGA, pág. 78; TEIXEIRA LEITE, pág. 144; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 84; ITAÚ CULTURAL.; ARTE NO BRASIL, pág. 839.



568 - THÉO (DJALMA PIRES FERREIRA) - (1901 - 1980)
-

Carnaval dos políticos - desenho a nanquim e guache - - 43 x 34 cm - canto inferior esquerdo - .
Capa da Revista Careta. -
Caricaturista, Djalma Pires Ferreira, conhecido como Théo, nasceu na Bahia e veio para o Rio de Janeiro com 21 anos. Publicou seus primeiros trabalhos na "Tarde" (1918 a 1922) e no "Diário de Notícias", Seção Esportes (1919). Foi o divulgador da "Bola do Dia" das colunas de "O Globo" e colaborou no "Malho", "Careta", "Fon-Fon", outras revistas e jornais do Rio de Janeiro e na "Cigarra", em São Paulo. Exposições póstumas: São Paulo (1997, 2003); Belo Horizonte, MG (1997); Campinas, SP (1997); Brasília, DF (1998). ITAU CULTURAL; MEC VOL. 4, PÁG. 384; CARICATURISTAS BRASILEIROS, 1836 - 2001 PÁG. 120.



569 - EDGARD WALTER - (1917 - 1994)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 30 x 40 cm - canto inferior direito - 1944.

Natural de Nova Lima MG, onde nasceu a 20 de novembro, e falecido na cidade de Teresópolis RJ, em 14 de maio. Pintor acadêmico, notabilizou-se pelas suas paisagens. Ativo no Rio de Janeiro, foi discípulo de Oswaldo Teixeira. Participou, recebendo premiações, de diversos certames oficiais. "O que sobressai neste moço, que se utiliza de formas ´antigas´ para nos transmitir sentimentos novos, é o esmero da técnica. Edgar Walter é, por excelência, um pintor de detalhes, de pequeninos nadas que muitas vezes - por que não reconhecê-lo ? - fazem de um quadro pequeno uma grande tela. Ele se compraz em reproduzir pormenores da natureza, dirão os austeros críticos. " H. Pereira da Silva (100 obras Itaú. Pietro Maria Bardi. São Paulo, Banco Itaú, MASP, 1985) JULIO LOUZADA, vol. 1 pág. 1065; ITAÚ CULTURAL; MEC, vol. 4, pág. 503.



570 - LIVROS -
-

- - - cm - - .
1) "ÓCIO - HELENA CARVALHOSA". HELENA CARVALHOSA. SÃO PAULO: EDITORA TERCEIRO NOME, 2010. 2) "A LIÇÃO - REGINA SILVEIRA". SÃO PAULO: GALERIA BRITO CIMINO. 3) "FERNANDO LUCCHESI". ARACY AMARAL (ORG.). BELO HORIZONTE: C/ ARTE, 2000. 4) "MARCOS COELHO BENJAMIM". ARACY AMARAL (ORG.). BELO HORIZONTE: C/ ARTE, 2000. 5) "JOSÉ BENTO". ARACY AMARAL (ORG.). BELO HORIZONTE: C/ ARTE, 2000. 6) "AMILCAR DE CASTRO". RODRIGO NAVES. SÃO PAULO: COSAC & NAIFY, 1997.



571 - DURVAL PEREIRA - (1918 - 1984)
-

Marinha - óleo sobre tela - - 50 x 70 cm - canto inferior esquerdo - .

Nascido e falecido em São Paulo, DURVAL PEREIRA foi pintor e professor ativo em São Paulo. Premiado com a Menção Honrosa no SPBA em 1944, passou a viver exclusivamente da pintura. Pintava ao ar livre aos domingos com os pintores Salvador Rodrigues, Salvador Santisteban, Cirilo Agostinho, Jaime Dinis, Djalma Urban, Innocencio Borghese, e outros. Premiado praticamente em todos os Salões de que participou. Recebeu ao todo, 15 comendas das mais importantes do Brasil. Nos últimos três anos de sua vida, recebeu todos os Primeiros Prêmios e Medalhas de Ouro nas exposições de Paris, Rouen, Lyon, Roma, Miami e Milão. MEC, vol. 3, pág. 368; JULIO LOUZADA, vol. 1, págs. 749/750/751. ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



572 - RODOLF WEIGEL - (1907 - 1987)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 41 x 33 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor fiel à sua temática do Brasil antigo, executou pinturas nas cidades de Olinda, Salvador e Angra dos Reis (RJ). MEC, vol.4, pág.505; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.343.



573 - MANABU MABE - (1924 - 1997)
-

Composição - litografia - 101/150 - 58 x 75 cm - canto inferior direito - 1995.

Pintor autodidata, veio para o Brasil com a família em 1934, fixando-se em Lins-SP, onde trabalhou na lavoura do café; ligado ao abstracionismo informal, até a metade dos anos 50 fez pintura figurativa, especialmente paisagens e naturezas mortas; dedicou-se ainda à tapeçaria. ARTE NO BRASIL, vol. 2, pág. 1050; TEIXEIRA LEITE, pág. 296; PONTUAL, pág. 325/6; MEC, vol. 3, pág. 13; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 644; LEONOR AMARANTE, pág. 83, Acervo FIEO.



574 - BUSTAMANTE SÁ - (1907 - 1988)
-

"Autorretrato com paisagem" - óleo sobre eucatex - - 80 x 120 cm - canto inferior direito - 1970 - Rio.
Reproduzido na página 154 do livro "A pintura de Bustamante Sá" de autoria de Quirino Campiofiorito. -
Natural da cidade do Rio de Janeiro, estudou na ENBA naquela cidade, onde foi aluno de Rodolfo Amoedo e Rodolfo Chambelland. Participou do Núcleo Bernardelli, do qual foi um dos fundadores em 1931. Participou de sucessivas versões do SNBA a partir de 1928, recebendo diversas premiações. Excepcional pintor do gênero paisagem. TEODORO BRAGA, pág. 59; REIS JR. , pág. 385; MEC,vol. 4, pág. 127; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 145 e 147; TEIXEIRA LEITE, pág. 94; JÚLIO LOUZADA, vol. 11, pág. 47; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 579; ARTE NO BRASIL, pág. 763; Acervo FIEO.



575 - BRUNO GIORGI - (1905 - 1993)
-

Meteoro - escultura em bronze - - h = 46 cm - assinado - .
Escultura em tamanho reduzido da obra que fica no espelho d'água do Palácio Itamaraty, Brasília - DF. -
Escultor e pintor paulista, iniciou seus estudos de escultura em Roma 1920/1922. Mais tarde tornou-se aluno de Maillol, em Paris, onde também frequentou as academias Ranson e de La Grande Chaumière, em 1936. É considerado o maior escultor nacional. MEC, vol.2, pág. 250/1; PONTUAL, pág. 237/8; MAYER/84, pág. 1333; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 587; ARTE NO BRASIL, pág. 715; LEONOR AMARANTE, pág. 18.



576 - GERDA BRENTANI - (1906 - 1999)
-

"Noé bêbado" - desenho a nanquim e aquarela - - 23 x 30 cm - canto inferior direito - 1957.

Nasceu em Triestre, Itália, no dia 27 de fevereiro de 1908. Desenhista e gravadora. No Brasil desde 1939, fixou residência em São Paulo, Capital. Iniciou estudos com Ernesto de Fiori e Rossi Osir, por volta de 1940. De traço humoristico, a artista destacou-se no cenário artístico/crítico nacional, cuja obra tem participado em mostras nacionais e internacionais, com sucesso de crítica. JULIO LOUZADA vol.1, pág.153; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; Acervo FIEO.



577 - ANTONIO BANDEIRA - (1922 - 1967)
-

Composição - óleo sobre tela - - 16 x 22 cm - canto inferior direito - 1964.
Com resquícios de dedicatória no dorso. Ex-coleção Maria Barreto Oliani. -
Pintor, desenhista, gravador, nascido em Fortaleza, CE e falecido em Paris, onde viveu a maior parte de sua vida. É um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. Iniciou-se na pintura como autodidata. Em 1941, em Fortaleza, participou, ao lado de Mário Baratta, entre outros, da criação do Centro Cultural de Belas Artes depois, Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, realizou sua primeira exposição individual. Contemplado pelo governo francês com bolsa de estudos, permaneceu em Paris de 1946 a 1950 onde frequentou a Escola Nacional Superior de Belas Artes e a ‘Académie de la Grande Chaumière’. Entre 1947 e 1948 participou do ‘Salon d'Automne’ e do ‘Salon d'Art Libre’. Tomou parte em reuniões de artistas e formou o Grupo Banbryols (ban de Bandeira; bry de Camille Bryen; e ols de Wols), que durou de 1949 a 1951. Voltou ao Brasil em 1951 e apresentou-se na 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1952, criou um mural para o Instituto dos Arquitetos do Brasil, em São Paulo. Retornou a Paris em 1954 em razão do Prêmio Fiat, obtido na 2ª Bienal Internacional de São Paulo, mas não deixou de expor no Brasil. Permaneceu na Europa até 1959, passando pela Inglaterra e Bélgica, onde, em 1958, realizou um painel para o ‘Palais des Beaux-Arts’. Ao retornar ao Brasil teve uma atividade artística intensa, participou de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York. Voltou a Paris em 1965, onde permaneceu até sua morte. BENEZIT, VOL.1, PÁG.415; MEYER/87, PÁG.606; MEC, VOL.1, PÁGS.159,160 E 167; PONTUAL, PÁGS. 48 E 49; WALMIR AYALA, VOL.1, PÁGS. 71 A 74; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 52 A 54; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 637; ARTE NO BRASIL, PÁG. 599; LEONOR AMARANTE, PÁG. 34; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 86; ACERVO FIEO; web.artprice.com; pitoresco.com; pinturabrasileira.com.



578 - RENINA KATZ - (1925)
-

Composição - serigrafia - P. A. - 30 x 30 cm - canto inferior direito - 1970.

Pintora, gravadora e professora, Renina Katz é paulista. Sua arte é dominada pelo vigor e pela imaginação. MEC vol.2, pág.403/4; PONTUAL, pág. 288/9; WALMIR AYALA vol.1, pág.441; JULIO LOUZADA vol.11, pág.262; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 606; ARTE NO BRASIL, pág. 834; LEONOR AMARANTE, pág. 98, Acervo FIEO.



579 - ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD - (1896 - 1962)
-

Ouro Preto - aquarela - - 15 x 18 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, ilustrador, gravador e professor, nasceu em Nova Friburgo, RJ e faleceu em Belo Horizonte, MG. Mudou-se com a família para a Europa em 1907. Frequentou a ‘Königliche Akademie der Bildenden Künste’ [Real Academia de Belas Artes] de Munique, onde estudou com Hermann Groeber e Adolf Hengeler. Aperfeiçoou-se em Florença e em Paris. Retornou para o Rio de Janeiro em 1929 e integrou-se ao cenário cultural por meio do contato com Ismael Nery. Participou do Salão Revolucionário de 1931, e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra. De 1931 a 1943 dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Em 1941 integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes, com Oscar Niemeyer e Aníbal Machado. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa. Em 1944, a convite do prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade e Lygia Clark, entre outros. Permaneceu à frente da escola até 1962, quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard. Participou da Bienal de Veneza (1928, 1952); da I Bienal Internacional de São Paulo. Foi premiado no Rio de Janeiro (1924, 1929, 1940 - Prêmio de Viagem ao País, 1942, 1948, 1951) e em Buenos Aires, Argentina (1937). PONTUAL, PÁG. 254; MEC, VOL. 2, PAG. 304; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 236; JULIO LOUZADA, VOL. 10, PÁG. 404; ART PRICE ANNUAL 2000, PÁG. 1013; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 373; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 559; ARTE NO BRASIL, PÁG. 505; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28.



580 - ZÉLIO ALVES PINTO - (1938)
-

Fumante - aquarela - - 66 x 48 cm - canto inferior esquerdo - 1980.

Pintor, desenhista, escultor, tapeceiro, publicitário, programador visual, artista gráfico, pesquisador, cartunista, escritor e professor, natural da cidade mineira de Conselheiro Pena. Estuda pintura na Academie La Grande Chaumière, em Paris, cidade onde realiza sua primeira individual, na Maison du Brésil, em 1962. Colabora em diversas publicações, tais como A Cigarra, Senhor, Revista da Semana, Jornal do Brasil e O Pasquim. Participa do 22º Salão Nacional de Arte Moderna, no Rio de Janeiro, em 1973, e da exposição Creativité dans l’art bresilien contemporain, nos Museés Royaux des Beaux Arts de Belgique, em Bruxelas (Bélgica), em 1980. Em 1990, realiza a exposição individual Zélio: Ruptura Exposta, no Masp, e, no ano seguinte, Ruptura em Observação, no Museu Municipal de Arte/Central Cultural Portão, em Curitiba. JULIO LOUZADA, vol. 4, pág. 1201; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 806, Acervo FIEO.



581 - BENEDITO CALIXTO DE JESUS - (1853 - 1927)
-

Cavalos - óleo sobre tela colada em madeira - - 16 x 20 cm - canto inferior direito - .
Com etiqueta da Dan Galeria, Rua Padre João Manoel, 1160 - São Paulo, SP - no dorso. -
Pintor, professor, historiador, ensaísta, nascido em Conceição de Itanhaém, SP e falecido em São Paulo. Transferiu-se para Brotas, SP, onde adquiriu noções de pintura com o tio Joaquim Pedro de Jesus, ao auxiliá-lo na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Realizou sua primeira individual em São Paulo, no ano de 1881. Fixou-se por algum tempo em Santos e depois de ter executado a decoração do Teatro Guarani, partiu para Paris em 1883, estudando na Academia Julian e no ateliê de Jean François Raffaëlli. Retornou ao Brasil em 1885 e passou a residir em São Vicente. Produziu inúmeras marinhas em que representa o litoral paulista; realizou diversos painéis de temas religiosos para igrejas na capital e interior do Estado de São Paulo; pintou vistas de antigos trechos das cidades de São Paulo, Santos e São Vicente para o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, por encomenda do diretor do museu o historiador Afonso d´Escragnolle Taunay. Dedicou-se também a estudos históricos da região e à preservação de seu patrimônio e publicou, entre outros, os livros 'A Vila de Itanhaém' (1895) e 'Capitanias Paulistas' (1924). Existem obras suas nos acervos de diversos museus brasileiros. TEODORO BRAGA PÁG. 51; REIS JR PÁG. 214; LAUDELINO FREIRE PÁG. 387; PONTUAL PÁG. 68/69; MEC VOL.1, PÁG. 326/327; WALMIR AYALA VOL.1, PÁG.153; MAYER/83 PÁG. 601; TEIXEIRA LEITE PÁG. 97; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI PÁG. 505; ARTE NO BRASIL PÁG. 599, RUTH TARASANTCHI; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 172.



582 - FELISBERTO RANZINI - (1881 - 1976)
-

A visita do bispo - óleo sobre tela - - 46 x 64 cm - canto inferior esquerdo - 1948.

Arquiteto, desenhista e escritor, Felisberto Ranzini nasceu em Mântua, Itália e faleceu em São Paulo - SP. Sobresaiu-se principalmente na técnica de aquarela, na qual se especializou. Suas composições em óleo são claras e detalhadas, quase que miniaturistas. JULIO LOUZADA, vol 1, pág. 805; MEC vol.4, pág. 26, RUTH TARASANTCHI.



583 - REGINA CERÁVOLO - (1954)
-

Natureza morta - óleo sobre madeira - - 24 x 13 cm - canto superior esquerdo - .

Pintora, Maria Regina Cerávolo de Melo Zerey nasceu em Poços de Caldas, MG. Assina R. Cerávolo. Cursou artes plásticas na FAAP, SP e teve aulas de desenho e pintura, em 1982, com Menacho. Participou de mostras coletivas e Salões oficiais em: Santana do Parnaíba, SP (1983); São Paulo (Salão Paulista de Belas Artes: 1984, 1985, 1987, 1988; Salão de Artes Plásticas do Instituto de Engenharia - 1988; IV Prêmio Brasil Contemporâneo e VIII Artistas Contemporâneos da Sociarte - 1989). Foi premiada em 1989. JULIO LOUZADA VOL. 4, PÁG. 248.



584 - HILDE WEBER - (1913 - 1994)
-

Flamingo - pintura sobre azulejo - - 15 x 15 cm - canto inferior esquerdo - .
Com etiqueta do Ateliê de Arte Decorativa - Osirarte, São Paulo - SP, no dorso. -
Pintora, desenhista e caricaturista alemã. Iniciou o seu aprendizado de desenho e artes gráficas em Hamburgo, por volta de 1930, interrompendo três anos mais tarde, quando transferiu-se para o Brasil (país de quem se tornaria cidadã naturalizada), fixando-se primeiramente em São Paulo, até 1949. Entre 1941 e 1949, colaborou com trabalhos de pintura para o atelier OSIRARTE de azulejos. Foi caricaturista de diversos periódicos, destacando-se o Estado de São Paulo. WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 391; PONTUAL, pág.265; MEC, vol. 2, pág. 337; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; ARTE NO BRASIL.



585 - WALTER LEWY - (1905 - 1995)
-

Paisagem Surreal - óleo sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1972.
No estado. -
Pioneiro do surrealismo, o qual praticava desde que chegou ao Brasil, em 1937, fixando residência em São Paulo. Participou de Salões Nacionais e Bienais de São Paulo, entre 1951 e 1965, recebendo diversas premiações oficiais. JULIO LOUZADA, vol. 10, pág. 497; MEC, vol. 2, pág. 474; TEODORO BRAGA, pág. 245; TEIXEIRA LEITE, pág. 286; ITAU CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 630; LEONOR AMARANTE, pág. 142; Acervo FIEO.



586 - FRANÇOIS MORELLET - (1926)
-

Composição - serigrafia - 2/200 - 61 x 61 cm - canto inferior direito - .

Artista contemporâneo francês, pintor, gravador e escultor que nasceu em Cholet. Vive e trabalha nessa cidade e em Paris. Foi um dos fundadores do grupo G.R.A.V. (Group de Recherche d’Art Visuel), de 1960 a 1968, junto com os artistas: Francisco Sobrino, Horacio Garcia Rossi , Julio Le Parc, Yvaral, Joël Stein, François e Vera Molnar. Também foi um dos organizadores do movimento internacional de arte cinética: "Nouvelle Tendance". Realizou muitas exposições individuais e participou de inúmeras coletivas, em galerias e museus desde 1950, em: Paris, inclusive no Museu do Louvre e D’Orsay; noutras cidades da França: Rennes, Angers, Cluny, Nantes, Saint Paul de Vence, Odeon, Chinon, Le Chateau d’Olonne, Grenoble, Istres, Nancy, Le Chateu Cambrésis; na Alemanha: Stuttgarg, Mainz, Ulm, Marl, Paderborn, Karlsruhe, Münster, Berlim, Bonn, Bremen, Hannover, Rhein, Otterndorf, Reutligen, Kassel (Documenta); na Holanda: Amsterdam, Einhoven; na Suiça: Zurique, Basel; na Itália: Milão, Veneza, Vince; na Bélgica: Gent; na Inglaterra: Birminghan, Newscasttle, Edinburgh, Sheffield, Cardiff, Southampton, Oxford, Leicester; na Dinamarca: Copenhague. Em 1975, aqui no Brasil, obteve o Prêmio Internacional de Pintura na Bienal Internacional de São Paulo. BENEZIT, VOL.7, PÁG. 533; artnet.com; artprice.com; francois-morellet.com; museedulouvre.org; brooklynmuseum.org; rioartecultura.com; fr.wikipedia.org.



588 - MARCIO SCHIAZ - (1965)
-

"Composição com garrafas" - óleo sobre tela - - 50 x 40 cm - canto inferior direito e dorso - 2010.

Paulistano, o pintor nasceu em 10/5/1965. Estudou na APBA-SP, onde desenvolveu curso de desenho e pintura, frequentado sessões de modelo vivo. Individuais desde 1989 e coletivas em Salões Oficiais, com sucesso de crítica. Recebeu diversos prêmios. JULIO LOUZADA, vol.13, pág. 304; Acervo FIEO.



589 - CARYBÉ - (1911 - 1997)
-

Vaqueiros - guache - - 21 x 32 cm - canto inferior direito - 1984.

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista, Hector Julio Páride Bernabó nasceu em Lanús, Argentina e faleceu em Salvador, BA. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro ‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual em Buenos Aires. Em 1944, foi a Salvador, e se interessou pela religiosidade e cultura locais. No Rio de Janeiro, auxiliou na montagem do jornal Diário Carioca em 1946 e trabalhou no jornal Tribuna da Imprensa, entre 1949 e 1950. Em 1950, mudou-se para Salvador para realizar painéis para o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, com recomendação feita pelo escritor Rubem Braga. Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior, Genaro e Jenner Augusto. Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez, Jorge Amado e Pierre Verger, entre outros. Das muitas mostras oficiais que participou, destacam-se: Bienais Internacionais de São Paulo em 1951, 1953, 1955 - 1º Prêmio de Desenho, 1971 - Sala Especial e 1977 - Sala Especial; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP (1969). PONTUAL, PÁG. 116; WALMIR AYALA, VOL. 1, PÁG. 180; TEIXEIRA LEITE, PÁGS. 111; MEC, VOL.1, PÁG. 355; BENEZIT, VOL. 2, PÁG. 524; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 717; ARTE NO BRASIL, PÁG. 874; LEONOR AMARANTE, PÁG. 63; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 222; ACERVO FIEO.



590 - ISABEL DE JESUS - (1938)
-

Bichos - guache - - 50 x 35 cm - centro inferior - 1965.

Mineira de Cabo Verde, é pintora e desenhista. Começou a pintar em 1965, já em São Paulo. Estudou anteriormente desenho com Iracema Arditi. Participou do setor de desenho do XXIII SPar.BA, 1966, realizando exposições individuais no mesmo ano em São Paulo e Rio. MEC, vol.2, pág.374; PONTUAL, pág.280; JULIO LOUZADA, vol.11, pág.158; ARTE NAIF NO BRASIL, pág. 226; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



591 - CARLOS OSWALD - (1882 - 1971)
-

"São Francisco" - água forte original - - 31 x 23 cm - canto inferior direito - .
Reproduzido na página 139 do livro "Carlos Oswald" editado pelo Museu Nacional de Belas Artes. -
Gravador, pintor, desenhista, decorador, professor e escritor. Nasceu em Florença, Itália e faleceu em Petrópolis, RJ. Graduou-se como físico-matemático em 1902, pelo Instituto Galileo Galilei, em Florença. No ano seguinte, ingressou na ‘Accademia di Belle Arti di Firenze’. Viajou para o Brasil pela primeira vez em 1906 e realizou no Rio de Janeiro a primeira exposição individual no país. Retornou à Europa em 1908, estudou gravura com o americano Carl Strauss em Florença e viajou para Munique, onde aprendeu a técnica da água-forte. Em 1911, participou da decoração do pavilhão do Brasil, na Exposição Internacional de Turim. Fez a segunda viagem ao Rio de Janeiro em 1913 e realizou uma exposição com Eugênio Latour na Escola Nacional de Belas Artes . Foi nomeado, em 1914, professor de gravura e desenho no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro e é considerado o introdutor da gravura no Brasil. No ano de 1930, fez o desenho final do ‘Monumento ao Cristo Redentor’. A obra foi executada na França pelo escultor Paul Landowski e instalada no Morro do Corcovado, Rio de Janeiro, em 1931. Publicou, em 1957, a autobiografia ‘Como Me Tornei Pintor’. Em 1963, o Museu Nacional de Belas Artes - RJ adquiriu quase todas as suas obras em gravuras. Participou de muitas mostras coletivas e Salões oficiais e foi premiado no Rio de Janeiro em 1904, 1906, 1909, 1912, 1913, 1916 e realizou diversas exposições individuais. PONTUAL, PÁG. 397; ARTE NO BRASIL, VOL. 2, PÁG. 1053; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 446; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 699; MEC VOL. 3, PÁG. 304; ACERVO FIEO.



592 - FULVIO PENNACCHI - (1905 - 1992)
-

Maternidade - guache - - 25 x 18 cm - canto inferior esquerdo - 6/1979 - Brasília -DF.
Com dedicatória. -
Nasceu em 27 de dezembro na cidade de Villa Collemandina, na Itália, e fixou-se no Brasil desde 1929, após ter estudado em Florença, e haver-se diplomado em pintura pela Academia Real de Pintura de Lucca. Pennacchi integrou a Familia Artística Paulista. Muralista de inspiração pré-renascentista, sua pintura é sensível e pessoal de modo especial na interpretação dos grandes temas bíblicos e da vida dos santos (mercê de uma infância marcada por sólida educação religiosa Católica), e na evocação do mundo caipira. Realizada em 1973, considerado o Ano de Pennacchi, importante retrospectiva da obra deste festejado artista no MAM de São Paulo. O artista fez exposições em Milão e foi homenageado em seu país natal. TEODORO BRAGA, pág. 192; MEC, vol, 3, pág. 365; WALMIR AYALA, vol, 2, pág. 182; PONTUAL, pág. 416; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 584; ARTE NO BRASIL, pág. 784; Acervo FIEO.



593 - ALFREDO VOLPI - (1896 - 1988)
-

Bandeirinhas - serigrafia - 62/100 - 45 x 70 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, gravador e ceramista nascido em Lucca, Itália e falecido em São Paulo. Muda-se com os pais para São Paulo em 1897 e, ainda criança, estuda na Escola Profissional Masculina do Brás. Mais tarde trabalha como marceneiro, entalhador e encadernador. Em 1911, torna-se pintor decorador e começa a pintar sobre madeiras e telas. Na década de 1930 passa a fazer parte do Grupo Santa Helena com vários artistas como Mário Zanini e Francisco Rebolo. Em 1936, participa da formação do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo e integra, em 1937, a Família Artística Paulista - FAP. Em 1940, ganha o concurso promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com trabalhos realizados com base nos monumentos das cidades de São Miguel e Embu. Realiza trabalhos para a Osirarte, empresa de azulejaria criada em 1940, por Rossi Osir. Sua primeira exposição individual ocorre em São Paulo, em 1944. Em 1950, viaja para a Europa acompanhado de Rossi Osir e Mario Zanini. É convidado a participar, em 1956 e 1957, das Exposições Nacionais de Arte Concreta e mantém contato com artistas e poetas do grupo concreto. Recebe o prêmio Aquisição na Bienal de Veneza (1952), Melhor Pintor Nacional da Bienal Internacional de São Paulo (1953), dividido com Di Cavalcanti; o prêmio Guggenheim (1958); Melhor Pintor Brasileiro pela crítica de arte do Rio de Janeiro (1962 e 1966), Melhor Pintor Nacional no Panorama da Arte Brasileira MAM - SP (1970), entre outros. REIS JUNIOR, PÁG. 378; WALMIR AYALA, VOL. 2, PÁG. 426 e 428; JULIO LOUZADA VOL.1, pág.1048; MEC. VOL.4, PÁG. 496; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 584; ARTE NO BRASIL, PÁG. 684; LEONOR AMARANTE, PÁG. 28, Acervo FIEO; BENEZIT VOL. 10, PÁG. 567; PONTUAL PÁG.546. NTE, pág. 28, Acervo FIEO.



594 - DARCILIO LIMA - (1944)
-

Composição - desenho a nanquim e aquarela - - 66 x 50 cm - canto inferior direito - .

Cearense de Cascavel, o festejado desenhista Darcilio foi para o Rio de Janeiro, e já depois de haver iniciado autodidaticamente seu trabalho no campo da pintura e da utilização do lápis cêra. Recebeu orientação de Ivan Serpa, passando a dedicar-se especialmente ao desenho a bico-de-pena, com a permanente fixação gráfica da fantasia erótica como veículo de impacto crítico. PONTUAL, pág. 159. MEC, vol.1, pág.17; WALTER ZANINI, pág. 760; LEONOR AMARANTE; ITAU CULTURAL.



595 - FLAVIA TERZI - (1972)
-

Anjos - escultura em bronze - - h = 30 cm - base - .

Arquiteta, escultora, designer e escritora nascida em São Paulo, formada pela UNG de Guarulhos. Trabalhou na área artística com joalheria, mosaico, esculturas e se especializou na arte do ‘scrapbooking’. www.flaviaterzi.com.



596 - ADRIAN HENRY VAN EMELEN - (1886 - 1945)
-

Paisagem - óleo sobre madeira - - 41 x 28 cm - canto inferior direito - 1929.

Pintor e escultor ativo em São Paulo na primeira metade do Séc.XIX. Foi autor das figuras de bronze, dos bandeirantes: Manoel Preto e Francisco Brito Peixoto e da tela TROPEIROS À BEIRA DA ESTRADA (1830), atualmente no Museu Paulistano. MEC, vol.2, pág.111; JULIO LOUZADA, vol. 1, pág. 1022, Acervo FIEO.



597 - FRANK SCHAEFFER - (1917 - 2008)
-

Paisagem - óleo sobre tela - - 75 x 56 cm - canto inferior esquerdo - 1938.

Pintor, desenhista e professor. Realizou sua formação artística com Arpad Szenes no Brasil e, entre 1948 e 1949, com André Lhote e Fernand Léger em Paris. Participou de diversas edições da Bienal SP, do SNAM, e outras mostras importantes, tais como I Bienal Interamericana do México (1958), SAMDF (1964 e 1965), entre outras, todas com premiações. Pintor fiel ao seu estilo, pinta seus tema preferidos através de sua imaginação romântico-expressionista. TEODORO BRAGA, pág. 101; PONTUAL, pág. 477; MEC, vol. 4, págs. 192 e 209; Catálogo da Exposição de Paisagem Brasileira, MEC-MNBA/Rio/1944.; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717.



598 - COLETTE PUJOL - (1913 - 1999)
-

Casario - óleo sobre tela - - 38 x 55 cm - canto inferior direito - .

Esta premiadíssima pintora e professora paulistana, recebeu as suas primeiras aulas de desenho e pintura de Antonio Rocco e de Lucília Fraga, ainda na capital paulista. Residindo em Salvador, freqüentou a Escola de Belas Artes, onde foi aluna de Presciliano Silva (1942 a 1944); a partir de 1946 até 1949, estudou na Europa. Possui obras em museus brasileiros. PONTUAL, pág. 440; MEC, vol. 3, pág. 438; TEODORO BRAGA, pág. 73; ITAÚ CULTURAL; Acervo FIEO.



599 - RAIMUNDO DE OLIVEIRA - (1930 - 1966)
-

"Ecce Homo" - técnica mista - - 68 x 48 cm - canto inferior direito - 1959.

Nasceu RAIMUNDO Falcão DE OLIVEIRA, em Feira de Santana, BA. Recebeu da mãe os primeiros rudimentos de pintura e desenho. Autodidata, apresenta os seus trabalhos a partir de 1951. Reside em São Paulo a partir de 1958, aprofundando-se na sua experiência expressionista, com o aproveitamento transfigurador de imagens de velhos santos. Na sua última fase, bem distinta das anteriores, dedicou-se à narração de temas bíblicos, seguindo um estilo que alguns erroneamente ligaram à arte primitiva. TEIXEIRA LEITE, 365; PONTUAL, 394; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 717; ARTE NO BRASIL, pág. 798; Acervo FIEO.



600 - INGRES SPELTRI - (1940)
-

Composição - óleo sobre eucatex - - 60 x 106 cm - canto inferior direito e dorso - 1998.

Nasceu em Jau, São Paulo, em 20/01/1940. Pintor, desenhista, escultor, gravador e professor. Apresentando uma pintura de fases bem demarcadas, onde as possibilidades plásticas do cubismo, do construtivismo e do concretismo foram exploradas com paixão e rigor de pesquisa, o autor tem percorrido um rico itinerário em sua incessante buscar de universo expressivo e de uma linguagem pictórica definitiva. O autor é professor titular da Escola Panamericana de Arte, SP. JULIO LOUZADA, vol 1, pág 937; ITAU CULTURAL; Acervo FIEO.



601 - MARY WRINCH REID - (1877 - 1969)
-

Flores - óleo sobre madeira - - 15 x 20 cm - não assinado - .
Com etiqueta de The Morris Gallery, no dorso. Ex-coleção de Marcos Marcondes - São Paulo. -
Pintora, desenhista e gravadora que nasceu em Kirby-le-Soken, Inglaterra e faleceu em Toronto, Ontário - Canadá. Em 1885 imigrou para Toronto onde teve sua formação artística na ‘Ontario College of Art & Design’.. Estudou também com Robert Holmes, Laura Muntz e G. A. Reid (com quem se casou), em Londres na ‘Grosvenor School of Fine Art’ com Walter Donne, Alyn Williams; em Nova York na "Art Students' League", com Alice Beckington. Fez parte do Grupo dos Sete e de várias associações de artistas do Canadá com as quais realizou inúmeras exposições. Expos em Wembley (1924) e em Londres (1938), entre outras. BENEZIT VOL.8, PÁG.662; cwahi.concordia.ca; www.icollector.com.



602 - HÉRCULES BARSOTTI - (1914 - 2010)
-

Composição - guache - - 23 x 28 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, programador visual, gravador, nascido em São Paulo, SP . Iniciou-se nas artes em 1926, estudando desenho e composição com o pintor Enrico Vio. Começa a pintar em 1940 e, na década seguinte, realiza as primeiras pinturas concretas, além de trabalhar como desenhista têxtil e projetar figurino para o teatro. Em 1954, com Willys de Castro, funda o Estúdio de Projetos Gráficos, elabora ilustrações para várias revistas e desenvolve estampas de tecidos produzidos em sua tecelagem. Na década de 1960, convidado por Ferreira Gullar (1931), integra-se ao Grupo Neoconcreto do Rio de Janeiro e participa das exposições de arte do grupo realizadas no Ministério da Educação e Cultura, no Rio de Janeiro, e no Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Em 1960, expõe na mostra Konkrete Kunst [Arte Concreta], organizada por Max Bill, em Zurique. Hercules Barsotti explora a cor, as possibilidades dinâmicas da forma e utiliza formatos de quadros pouco usuais, como losangos, hexágonos, pentágonos e circunferências. Em sua obra a disposição dos campos de cor cria a ilusão de tridimensionalidade. Entre 1963 e 1965, colabora na fundação e participa do Grupo Novas Tendências, em São Paulo. Em 2004, o MAM/SP organiza uma retrospectiva do artista. JULIO LOUZADA, vol. 1, pag. 98; ITAU CULTURAL



603 - RUBENS GERCHMAN - (1942 - 2008)
-

"O beijo" - técnica mista sobre cartão - - 50 x 50 cm - canto inferior direito e dorso - 2002.
Com declaração de autenticidade firmada pelo autor em 23 de março de 2006, em São Paulo, SP. -
Pintor, desenhista, gravador, escultor nascido no Rio de Janeiro e falecido em São Paulo. Em 1957, freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, onde estuda desenho. Faz curso de xilogravura com Adir Botelho e freqüenta a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, entre 1960 e 1961. Em 1967, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 16º Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para os Estados Unidos. Reside em Nova York entre 1968 e 1972. Retorna ao Brasil e faz o roteiro, a cenografia e a direção do filme 'Triunfo Hermético' e os curtas 'ValCarnal' e 'Behind the Broken Glass'. De 1975 a 1979, assume a direção da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. É co-fundador e diretor da revista 'Malasartes'. Em 1978, viaja para os Estados Unidos com bolsa da Fundação John Simon Guggenheim. Em 1982, permanece por um ano em Berlim como artista residente, a convite do Deutscher Akademischer Austauch Dienst - DAAD [Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico]. Realizou diversas exposições individuais e participou de muitas mostras oficiais no Brasil e pelo mundo recendo prêmios na Bienal de São Paulo (1965), Bienal de Salvador, BA (1966), Bienal de Cali, Colômbia (1967, 1970). JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 417; PONTUAL, PÁG. 235; TEIXEIRA LEITE, "in" A GRAVURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 734; ARTE NO BRASIL, PÁG. 974; LEONOR AMARANTE, PÁG. 143, MEC VOL. 2, PÁG. 246; Acervo FIEO.



604 - MOACIR AMAZONAS - (XX)
-

Retrato de Benedito Calixto de Jesus - pastel - - 37 x 28 cm - canto inferior direito - .

Filho e discípulo do pintor Clodomiro Amazonas. -



605 - BIN KONDO - (1937)
-

Pássaro - óleo sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior esquerdo - .

Pintor e desenhista chinês. Realizou sua formação artística no Japão, residindo em São Paulo desde 1960. Diversas exposições individuais e coletivas. Várias premiações.PONTUAL, pág. 292; MEC, vol.2, pág. 411; JÚLIO LOUZADA, vol. 9, pág. 453; WALTER ZANINI, pág. 697, Acervo FIEO.



606 - JOÃO JOSÉ RESCALA - (1910 - 1986)
-

Amazonas - óleo sobre tela - - 54 x 73 cm - canto inferior direito e dorso - 1938.
Reproduzido sob o nº 227 em catálogo de leilão de Soraia Cals, Rio de Janeiro - RJ, realizado em agosto de 2009.-
Natural do Rio de Janeiro, Rescala é pintor, desenhista e professor. Frequentou o Liceu de Artes e Ofícios e a antiga ENBA daquela cidade. Foi um dos fundadores do Núcleo Bernardelli. Paisagista e pintor de cenas de costumes, conquistou diversas medalhas e premios, inclusive de viagem, nos diversos SNBA que participou. Restaurou diversas obras de arte pertencentes a instituições religiosas da Bahia e Pernambuco, inclusive do Museu de Arte Sacra. MEC vol.4, pág. 54; PONTUAL, pág. 449; WALTER ZANINI, pág. 579, Acervo FIEO.



607 - NEWTON CAVALCANTI - (1930 - 2006)
-

As irmãs - óleo sobre tela colada em eucatex - - 77 x 74 cm - centro inferior - .

Gravador, pintor, aquarelista, ilustrador, natural de Bom Conselho-PE. Inicia seus estudos nos ateliês de Raimundo Cela e de Oswald Goeldi. Em 1954, ingressa na Escola de Belas Artes da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Entre 1973 e 1975, viaja para a Europa, onde participa de cursos e estágios na Inglaterra, na Itália e na Alemanha, patrocinado pela Fundação Brasileira de Educação e pelo governo alemão. Participa de exposições como o Salão Nacional de Arte Moderna, várias edições entre 1958 e 1972; Bienal Internacional de São Paulo, várias edições entre 1963 e 1985; Bienal de Paris, 1963; Brazilian Art Today, na Noruega, Áustria, Suécia e Inglaterra, 1965 e Mostra Rio Gravura, Rio de Janeiro, 1999. JULIO LOUZADA vol.9, pág.192; TEXEIRA LEITE, pág. 115; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 720; ARTE NO BRASIL, pág. 850.



608 - MOACIR ALVES - (1904 - 1982)
-

Marinha - óleo sobre tela - - 21 x 34 cm - canto inferior esquerdo - .

Carioca de nascimento, diplomou-se em arquitetura na antiga Universidade do Brasil. Anos mais tarde tornou-se membro e ocupou o cargo de secretário da Sociedade Brasileira de Artes do Rio de Janeiro. Começou a participar de coletivas em 1930, sendo grande o número de premiações.Possui obras no antigo Palácio da Fazenda (RJ) e na sede na Light, em Toronto, Canadá. JULIO LOUZADA vol.9, pág. 38; ITAÚ CULTURAL.



609 - MALISA - (1913)
-

Moça - óleo sobre tela - - 65 x 54 cm - canto inferior direito - 1968.

Batizada Maria Luiza Gomide Staffa, pintora e desenhista natural da cidade do Rio de Janeiro. Foi aluna de Carlos Chambelland. Foi premiada diversas vezes no SNBA-RJ e no SMBA-RJ. JULIO LOUZADA, vol.13 pág 205.



610 - CLÓVIS GRACIANO - (1907 - 1988)
-

Enterro na rede - gravura - E/A - 10 x 17 cm - canto inferior direito - .

Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador, nasceu em Araras - SP e faleceu em São Paulo. Em São Paulo, a partir de 1934, realizou estudos com o pintor Waldemar da Costa, entre 1935 e 1937. Em 1937, integrou o Grupo Santa Helena com Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei e outros. Frequentou o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 foi eleito presidente do grupo. Participou regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realizou sua primeira individual. Em 1948, foi sócio-fundador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Viajou para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permaneceu dois anos em Paris, onde estudou pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedicou-se principalmente à pintura mural. Em 1971, assumiu o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerceu a função de adido cultural em Paris. Participou por toda sua vida de muitas mostras e Salões oficiais pelo o Brasil e pelo mundo. MEC, VOL. 2, PÁG. 280; PONTUAL, PÁG. 247/8; TEIXEIRA LEITE, PÁG. 225 A 227; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, PÁG. 586; ARTE NO BRASIL, PÁG. 784; LEONOR AMARANTE, PÁG. 58; JULIO LOUZADA VOL. 1, PÁG. 433; VOL. 4, PÁG.483; VOL. 5, NPÁG. 450; ACERVO FIEO.



611 - JOAO TONISSI - (1896)
-

Cavaleiros - óleo sobre madeira - - 20 x 20 cm - canto inferior direito e dorso - .
Com etiqueta de Dan Galeria - São Paulo, SP - no dorso. -
Pintor e professor natural de São Carlos-SP. Começou a pintar ainda muito jovem. Transferindo-se para Luca, na Itália, matriculou-se no Real Instituto de Belas Artes de Luca, onde se diplomou. Em Roma frequentou cursos de arte na Associação Artística Internacional e o Museu Artístico, onde recebeu premiação. Colaborou na execução dos murais do Monumento a Victor Emanuelle II. Retornou ao Brasil em 1920, fixando-se em São Paulo, onde participou de diversas exposições. JULIO LOUZADA, vol 1- pag 983



612 - FRANCISCO COCULILO - (1895 - 1978)
-

Marinha com Jangadas - óleo sobre tela - - 56 x 70 cm - canto inferior direito - .

Paisagista nascido no Rio de Janeiro, aluno de Luiz Graner. Realizou exposições individuais em várias cidades brasileiras. Catálogo de Exp. de Paisagem Brasileira - MEC-MNBA/Rio/1944; MEC, vol. 1, pág. 40; TEODORO BRAGA, pág. 73; WALMIR AYALA, vol. 1, pág. 208; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 74; Acervo FIEO.



613 - EDSON FRANCESCHINI - (1953)
-

"As lavadeiras" - óleo sobre tela - - 60 x 80 cm - canto inferior direito - 1994.

Natural da cidade paulista de Araraquara, onde nasceu a 8 de junho. Estudou na Escola Panamericana de Arte em São Paulo. Realizou diversas exposições individuais, tendo participado com sucesso de outras tantas coletivas. Seus quadros possuem luz e encanto pessoais, que caracterizam a paleta desse pintor de velhos casarões de fazendas e cidades antigas de velhas tradições. JULIO LOUZADA vol.3, pág. 425; Acervo FIEO.



614 - ALOYZIO ZALUAR - (1937)
-

"Interferência" - técnica mista - - 20 x 25 cm - centro inferior - 1998.

Natural da cidade do Rio de Janeiro. Passou a frequentar a antiga ENBA em 1956. Participou de diversos SNAM entre 1958 e 1967, recebendo a Certificado de Isenção em 1966. Expõe individualmente a partir de 1964. TEIXEIRA LEITE chamou atenção, em 1964, para a influência de Goeldi nos seus trabalhos que, mais tarde, abordaram a temática do carnaval carioca, levando o artista e poeta José Paulo Moreira da Fonseca a situá-lo na fronteira entre o desenho e a pintura. ITAÚ CULTURAL; JULIO LOUZADA, vol. 11, pág. 349; MEC, vol. 4, pág. 528; PONTUAL, pág. 556; ACERVO FIEO, pág. 785. Acervo FIEO. -



615 - ALDEMIR MARTINS - (1922 - 2006)
-

Gato - litografia - P. A. - 47 x 57 cm - canto inferior direito - .

Desenhista, pintor e gravador. Viveu em São Paulo a partir de 1946, após rápida permanência no Rio de Janeiro (1945). Um dos fundadores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas. Participou da I à IV Bienal de São Paulo, premiado na Bienal de Veneza e MAM-RJ, 1951, 1953 e 1957, prêmio de melhor desenhista nacional. Dedicou-se a temas do nordeste (cangaceiros, rendeiras, retirantes), passando depois a retratar peixes, gatos, cabras, galos, flores e frutas do Brasil; sua obra caracteriza-se pelo traço múltiplo e variado. MEC, vol. 3, pág. 78, PONTUAL, págs. 342/343; ARTE NO BRASIL, vol 2, pág. 1051; ITAÚ CULTURAL; WALTER ZANINI, pág. 637; LEONOR AMARANTE, pág. 18; Acervo FIEO.